24 de novembro de 2008

1 litro

Sim, senhores, inebriado pelos papos intermináveis com nosso amigo MAO, montei aí uma pequena lista de dez carros, e de um tema não muito respeitado.
Vejam aí os dez melhores carros com motores de 1 litro e entendam que o problema não é o tamanho do motor, mas, sim, o tamanho do espírito apoiado sobre os 4 pneus. Vale notar que a lista está fora de ordem, mas os carros são esses mesmos.


1) Willys Interlagos 998 cm³: Pequeno, leve e belo. Era levado por um motorzinho possuído pelo demônio e com um ronco incrível para algo tão pequeno. Motor de produção, mas levado ao limite e oferecido sem nenhum tipo de garantia pela Willys-Overland do Brasil. E claro, tudo coberto pela linha leve e equilibrada de Michelotti.


2) Mini Cooper 997 cm³: A obra de Issigonis retrabalhada por Cooper. Criou o esportivo mundano, sem classe, para mim e para você. Vestiu o capacete imaginário que pessoas como nós vestem quando dão uma corridinha ao supermercado.


3) "Carreteras" DKW-Vemag 1.089 cm³: O trabalho de Lettry e Crispim fazendo esportivos "de verdade" sofrerem em Interlagos. 2T, mais de 100 cv e o inebriante cheiro de óleo dois-tempos de base vegetal (Castrol R40). Esse cheiro deveria ser vendido em pequenos frascos, Parfum Deux-Temps. Faria sucesso, ao menos entre nós...Carro da foto é o de chassi encurtado em 35 cm, para apenas 2.100 mm. Lettry o apelidou de "Mickey Mouse".


4) DKW-Vemag Carcará 1.089 cm³: Mesmo motor, carroceria de Rino Malzoni num chassizinho de Fórmula Júnior e 212 km/h. O Bob estava lá...


5) Abarth 1000 TC: Nascido Fiat 600, era massageado em um especial de homologação dos diabos. Pra dirigir com a faca nos dentes, taking no prisioners. A pulga atômica, em sua melhor iteração.


6)NSU Prinz 1000 TT: Lindo, leve, belo, um Mini-Corvair alemão. Um 4 cilindrinhos em linha, todo em alumínio, refrigerado a ar, traseiro, transversal. Levantava a roda interna dianteira manobrando na garagem, se duvidar.


7) Mazda Cosmo 1965: Ok, Wankel, o que para alguns é como roubar, colar na prova, ou algo do tipo. Mas deslocava menos de 1 litro em seus dois rotores, 982 cm³ para ser exato, e punha para fora 110 belos cavalos de olhos puxados. E claro, lindo e com personalidade, de um jeito que japas nunca mais fizeram.


8)Renault Twingo 1.0 16v: 999 cm³, 70 cv, menos de 900 kg. Ah, em 2002, carregando dois air-bags para passear, e vários outros luxos modernos, como ar-condicionado, trio elétrico, bancos ajustáveis nas 4 posições... Injustamente ignorado, o Mini moderno ainda trazia o melhor 1-litro de 16V já feito em terras brasileiras. Um companheiro de inúmeras aventuras, e o melhor jeito de assustar motoristas incautos em estradas e onramps.


9) Austin-Healey Sprite MkI, MkII, MkIII: sim, são 3 carros, mas de 948 cm³ a 1.098 cm³, eram tudo que um carro esporte devia ser. Pequeno, leve, vestia o motorista e um passageiro, e era o melhor companheiro do dia-a-dia ao passeio de final de semana. Sonho deste colunista aqui...


10) Honda Insight: Sim, um japa, moderno, fuel-sipping. Mas não está aqui pelo apelo verde, e, sim, pela idéia de ser um cupezinho bonito, aerodinâmico, leve, eficiente. E com um 3 cilindros de 1 litro, assistido por um genial motor elétrico acoplado ao volante do motor, era econômico pacas.

12 comentários:

  1. Há uns 4 meses dirigi uma Parati Crossover 2003 1.0 turbo e, apesar do trajeto não ter sido tão longo, achei o carro muito interessante, ainda que não tenha alcançado toda a áurea e renome que os carros citados na lista. Desempenho coerente, ronco bonito e, na minha modesta opinião de motorista comum, não notei o tal retardo do funcionamento da turbina. Confesso que me ocorreu a idéia de, em tempos melhores, adquirir uma, apesar de todo o “terror” imputado pelos mecânicos independentes em relação a esta motorização. Apesar de não poder ser exatamente comparado com os outros 1 litro nacionais em termos de potência (e, infelizmente, consumo), por contar com o “artifício” da turboalimentação, por causa dela (e também pelo valor da gasolina, cerca de R$ 2,65 a aditivada por aqui), passei olhar os 1 litro com outros olhos...

    ResponderExcluir
  2. Marlos,

    Tive uma Parati Crossover preta, de 1.0 litro turbo, de 2002 a 2004.
    Quando deleguei a lista ao Rgan, pedi encarecidamente que a incluísse, mas agora a lista é dele, e portanto só tem esquisitices...

    Desempenho melhor que AP 2.0 litros, e se vc se manter abaixo de 4000rpm em viagems, mais de 14km/l carregado e com ar ligado.

    MAO

    ResponderExcluir
  3. Egan,

    Ótima lista, mas eu substituiria um dos DKW's por um VW Turbo.

    Minha parati, se equipada com um par final mais longo, bateria o recorde do Carcará. Think about it...

    MAO

    ResponderExcluir
  4. Caro MAO,
    Realmente tenho vontade de adquirir uma Crossover 1.0 turbo (de preferência vermelha, minha cor favorita), mas confesso que tenho certo receio, principalmente depois de conversar com vários mecânicos e vendedores de autopeças aqui do RJ e todos serem unânimes em condenar o carro por ter tal motorização. Os comentários foram dos mais variados desde “Você gosta de gastar dinheiro com carro?” ou “Nenhuma ida à oficina sai por menos de R$ 1.000,00” até “Tá sempre na oficina”. Isso sem contar que o fato das 16 válvulas fazerem o mecânico independente “pregar” aquela doutrina maluca de que motores multiválvulas não prestam e, numa das oficinas que visitei, o dono enumerou os multivalvulados que estavam parados lá (tinha uns 8 dentre Marea, Brava, Focus, Weekend, etc). Isso, além do seguro alto (tenho 22 anos), me fez ter certo “medo” do carro. Aí passei a considerar um Focus Ghia hatch, simplesmente os comentários foram os mesmos. Será que estarei fadado a sempre ter que comprar um carrinho bem pé-de-boi, pois foram desse tipo que me recomendaram... Quando estava para comprar minha Elba CSL 1.6 (1991) os comentários também foram bem negativos quanto ao motor argentino e sua “cara manutenção”. Porém, estou com o carro há quase dois anos e nunca tive maiores problemas. Realmente gostaria da opinião de uma pessoa consciente que já possuiu esse modelo de Parati, pois gostaria de ter uma. Talvez a Elba que não goste de outra “mulher” por aqui...
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Acho que o AG não vai nem ler este post (rsss)...

    ResponderExcluir
  6. Marlos,

    Segundo essa crença, estaríamos andando todos de Santana e Kombi.

    Faça o seguinte: se ia gastar 20 mil num carro, gaste 10 e reserve o resto para consertá-lo, kkkkkk.

    Na verdade, para a pergunta que lhe fizeram, se gostamos de gastar dinheiro em carro, a única resposta lógica é: CLARO! Existe lugar melhor para gastar???

    MAO

    ResponderExcluir
  7. talvez por isso nao goste de japas. andar 2anos e nao fazer nada?morro de tédio.pensem no prazer de comprar uma caixinha de peça, descobrir um defeito e consertar. test drive , tudo ok. ate o proximo.nao tem preço... os carros ja deviam vir de fabrica velhos.. pra gente ter o que fazer

    ResponderExcluir
  8. Grande lista meu amigo, e grandes carros.

    abraços

    ResponderExcluir
  9. Marlos Dantas24/11/08 20:09

    Realmente Ary é muito legal fuçar o carro, mas quando se tem disponiblidade de gastar...

    ResponderExcluir
  10. Marlos,

    Tem os DKW nela, coisa fina. Tem alguns outros legais. Simca abarth, NSU Prinz, Interlagos e Mini Cooper. Mas sabemos melhor que esse assunto não faz meu barco boiar, né mesmo? Aprecio e respeito, mas não sinto a menor atração. Não tem jeito, se não é com motor grande nem com tração traseira, possoaté usar, mexer por necessidade mas não amo, não sinto atração, não curto.

    ResponderExcluir
  11. Faltou o Ka! Acerto de suspensão genial, ainda mais para um popular!

    ResponderExcluir
  12. Tinha os Hondas com motor e transmissão de moto antes da era Civic, devia ser divertidíssimo tentar chegar aos 140km/h sabendo que o motor tinha umas 800 cc. O problema dos 16v é na hora da retífica, que é mais cara, o resto é preguiça desses vagabundos que acham que os carros deviam ser carburados, com vareta lateral e que tem luz de freio e pisca na mesma lâmpada só para não dar trabalho. E a incompetência de certas fábricas ajudam, especialmente as francesas. E aí tem que morrer com uma graninha num mecânico de verdade. O chato é aparecer com o "pois é" na oficina cheia de japas, americanos e europeus importados...

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...