29 de março de 2009

RENAULT TORINO: EL TORO DE LOS PAMPAS



Você acreditaria se lhe dissesse que a Renault, famosa por seus carros de personalidade eminentemente francesa, já produziu um legítimo Muscle Car?

Tal coisa só podia ter acontecido na América Latina, terra dos mais absurdos, e por isso mesmo mais interessantes, híbridos do planeta. Vejam o caso do carro em questão, o Torino.

Esta história começa em 1956 com a fundação da IKA (Indústrias Kaiser Argentina), produtora de automóveis sediada em Santa Isabel, na distante província de Córdoba. Após produzir Jeeps diversos, entra em acordo comercial, em 1959, com a estatal francesa de Paris, que se transforma em IKA-Renault para adicionar inicialmente o Renault 4 a sua gama.

Em 1962, outro acordo, com a então infante AMC americana, é o pavio para o desenvolvimento de um carro para combater o popularíssimo Ford Falcon, usando como base o Rambler American de 1964 (abaixo).



O engenheiro-chefe da empresa, George Harbert, não se contentou em apenas transplantar o Rambler para solo portenho. Não, queria mais, queria um carro especial que fosse entendido por seus compatriotas como algo de seu país, e não apenas mais um flácido americano nascido lá por azar (ou provavelmente sorte, pensariam os argentinos).

O carro é então levemente restilizado pela casa Pininfarina, ganhando também um painel de instrumentos de personalidade decididamente italiana. Além da dessa argentinização da aparência, toda a estrutura e suspensões do carro foram reprojetadas para a maneira de dirigir do povo de seu país, decididamente mais forte que a dos americanos, e em estradas infinitamente piores. O fato do Torino ter grande sucesso em "carreteras"e ralis posteriormente deve muito a este cuidado dos seus criadores.



Um belo logotipo, com um touro dos pampas estilizado, ajudou a completar a mudança de personalidade do carro, de um carro pequeno para senhoras americanas irem as compras para um luxuoso e esportivo sedã para aristocratas portenhos.

Por uma incrível sorte, o Torino acaba por ganhar em seu nascimento um propulsor interessantíssimo. Desenvolvido para ser usado em Jeeps pela Kaiser no início dos anos 60, o Tornado six de seis cilindros em linha teve vida curta nesses carros: era muito complexo, caro e comprido para os Jeeps. Quando a Buick americana desistiu de usar seus V-6 em meados da década de sessenta, a AMC habilmente, sentindo que o simples, ótimo e barato V-6 era perfeito para o CJ5 e seus derivados, comprou o ferramental e o projeto, e mandou o seis-em-linha para a Argentina.

A história desse V-6 Buick ainda precisa ser contada, porque é cheia de idas e vindas e drama e suspense como uma boa novela policial. Basta saber que a Buick acabou por comprá-lo de volta e fazer coisas absolutamente inesquecíveis com ele, como o Buick GNX e o primeiro Omega "australiano"que tivemos aqui no Brasil!

Mas estou divagando...De volta ao interior da Argentina no meio dos anos 60, e nosso amigo Harbert, que agora tinha em mãos um novo motor para seu novo carro. Como vocês podem imaginar, um motor que era complexo e caro para um Jeep só podia ser perfeito para o Torino. Seis cilindros em linha, sete mancais, e inusitadamente para um propulsor americano da época, comando de válvulas no cabeçote (OHC) e câmara de combustão hemisférica. Era oferecido em 3 versões: 300 (3,0 litros e carburador duplo Carter) , 380 (3,8 litros e carburador duplo Holley) e finalmente, o mítico 380 W com três gloriosos Weber horizontais duplos e 220 cv.



Lançado em 1966, o Torino era oferecido em várias versões de duas e quatro portas, e logo se tornou um símbolo de status em seu país. Infelizmente, Harbert não chega ver seu filho pronto, pois morre tragicamente em acidente automobilístico perto do lançamento.

O carro logo é adotado pelos corredores argentinos como seu melhor puro-sangue para las carreteras, e tem uma longa e gloriosa carreira em competições, invariavelmente com enormes pneus saindo de seus para-lamas cortados. Em 1975, a IKA era comprada pela Renault e o Torino ganha um logotipo da empresa e vira um RENAULT Torino, e assim permanece produzido até que os efeitos da segunda crise do petróleo o mata em 1982.



Logo na primeira semana que cheguei na Argentina, me deparei com um cupê saindo de um prédio. A primeira coisa que me chamou atenção foi como é pequeno; mesma sensação que tive após ver um Falcon depois de décadas. Tinha na cabeça que eram enormes carros americanos, mas na verdade são ridiculamente pequenos para os padrões americanos, e de tamanho apenas médio hoje em dia.

A outra foi o som do motor. Eu gostaria qu vocês pudessem ouvir a melodia exótica e embriagante daquele motor ao sair calmamente da garagem e depois ser acelerado com vontade. Mas na verdade, graças ao milagre do Youtube, vocês podem ouvir algo parecido sim:

http://www.youtube.com/watch?v=NbuvJMVGxHU&feature=related

Vejam também uma propaganda de época e um filme em que um Torino de corrida é protagonista:



O Torino, especialmente se equipado com o motor 380 W, é um carro especial; um muscle car portenho com comportamento decente, e a alma fincada em corridas de velocidade na terra, tal qual EVOs e WRX hoje.

É um Renault muito, mas muito diferente mesmo...

MAO


Nota adicional de Bob Sharp:

Nas 84 Horas de Nürburgring, em 1969, o Torino 380 W foi o carro que mais voltas deu, mas foi penalizado por perder parte do escapamento e ter de fazer o reparo. Ainda chegou em quarto, atrás de um Triumph TR6, BMW 2002 e Lancia Fulvia HF. Na época foi muito comentado. Nos, boxes, o chefe era ninguém menos que Juan Manuel Fangio. As duas fotos do fim do post, logo aí acima, são desta corrida, e o sujeito de boina na primeira foto é Fangio himself.

8 comentários:

  1. MAO,

    Excelente. Acho que esse carro é uma joia rara e não vejo colecionadores aqui dispostos a trazer e manter um no Brasil. Uma pena.

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo Laranjo29/03/09 11:38

    Mistura de projetos europeus e americanos, motor 6 em linha americano, suspensão melhorada para nossas estradas, sucesso nos anos 70. História parecida com a do Opala.

    ResponderExcluir
  3. E dentro de alguns assuntos tratados no post, com toda a confusão e salada de motores que sempre reinou na AMC, acabamos por ver uma vingança ironica, o motor que eles mesmo fizeram nos anos 60, com uma versão de 4 cilindros e 153 cid, o mesmo que conhecemos nas Dakota aqui no Brasil e os 4.0 6 cilindros nas cherokees sport, se firmaram, o 6 andou até turbinado nas 500 de indianapolis e só vieram a morrer em pleno seculo 21, incrivel e o 6 OHC usado nos Torinos, mórreu! Só teve vida longa nos pampas.
    Vai entender.

    ResponderExcluir
  4. AG, tem um aqui, sim. Vi num rali de clássicos realizado no ano passado em Teresópolis. E veio preparado, fortão.
    Mestre Mahar deve conhecer o dono.

    Arnaldo Keller

    ResponderExcluir
  5. MAO,
    bem macho esse carro, traga um de suas viagens, passe pela fronteira acelerado e sem parar, traga a cancela no peito !!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Arnaldo,

    Incrivel, que bom que já trouxeram um e em bom estado! Me alegrou esta noticia.

    ResponderExcluir
  7. Para clarear alguns pontos. Em 1959 a Kaiser-Willys obteve licença da Renault para produzir o Dauphine na Argentina (e Brasil); a montagem do R4 iniciou bem depois. E desde 1960 a K-W tinha ligações com a American Motors; desta maneira sua filial argentina poude lançar o Rambler Classic/Ambassador em 1962; as peças da carrosseria vinham dos EUA. Sua versão mais compacta chamava-se American e, quando encerrou a produçao, o ferramental foi transferido para Cordoba. O mestre Pininfarina fez uma plástica e surgiu o Torino, em 1966. Quanto ao motor Tornado era uma atualização do vetusto Continental 226 (anos 30) que a Kaiser usou de 46 a 61; muito caro para os EUA mas fácil de adaptar para a linha IKA. AGB

    ResponderExcluir
  8. Continuando. Em 67, a Kaiser decidiu abandonar a América do Sul e vendeu a IKA para a Renault (e a Willys para a Ford). AGB

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...