Google+

27 de julho de 2009

POLO: CÂMBIO MANUAL ROBOTIZADO AUTOMÁTICO

O console de túnel com a nova alavanca seletora

A Volkswagen apresentou hoje para a imprensa especializada o Polo I-Motion. Trata-se do primeiro modelo da fábrica brasileira a trazer câmbio manual robotizado com função automática. Desse modo o motorista pode efetuar as trocas de marchas ele mesmo ou deixar o sistema o faça por ele.
O transeixo é o mesmo MQ 200 produzido em Córdoba que é usado no Gol e Voyage atuais (menos Gol G4), Fox, Polo e Golf 1,6, e que recebeu sistema de robotização e automação Magneti Marelli, marca também do sistema de injeção, tradicionalmente Bosch no modelo.
Ainda não se sabe o preço, que só será anunciado daqui a pouco (19h00), mas que não deve encarecer o Polo, em versão 1,6-litro somente, em mais que R$ 2.500. É característico desse tipo de caixa preço de 40 a 50% menor que uma caixa automática chamada de tradicional, de capacidade de torque similar, constituída de engrenagens epicicloidais e conversor de torque.
Como solução para quem não quer mais saber de passar marchas pela alavanca em meio a um caminho em "H", mas apenas por toques rápidos na alavanca, perfeita. Para quem não quer passar marchas de jeito nenhum, muito boa também. O motorista escolhe o tipo de operação, que pode ainda ser alterado para maior vivacidade por meio do programa sport (S).
Há um opcional ao câmbio que a fábrica chama de ASG (sigla de câmbio automatizado sequencial, em inglês): o volante multifuncional com borboletas para trocas de marcha, que terá preço convidativo, segundo se soube, além de ser o mesmo e bom volante do Passat CC.
Andei com o carro hoje à tarde e gostei. As trocas são boas, sendo a conhecida "cabeçada" desse tipo de câmbio bem discreta no caso do Polo I-Motion. Menor que na concorrência, em ordem descrescente do efeito: Meriva, Stilo e Linea. A falta de linearidade na aceleração, uma breve interrupção de potência, é que provoca a "cabeçada", o movimento da cabeça dos ocupantes para frente e para trás.
A operação manual nas reduções deixa ouvir-se claramente a aceleração interina que iguala rotação do motor com a velocidade do carro na marcha prestes a ser engatada, inexistindo desse modo qualquer tranco. Um verdadeiro prazer.
Depois das apresentações técnicas e comerciais, conto mais. Estou em Atibaia, no hotel Bourbon, escolhido pela VW para este lançamento.
Mas tem duas coisas que gostei. Uma, ser possível fazer o motor pegar empurrado, o que os automáticos tradicionais não conseguem. Pode nos safar de uma situação embaraçosa ou de perigo. Outra, pode sair com vigor, cantando pneu. Nessa caso basta acelerar em neutro até 3.500~4.000 rpm e dar um toque na alavanca para a esquerda, até à posição D/M (drive/manual). A primeira engata e a embreagem acopla quase instantaneamente.
BS

13 comentários:

  1. Clésio Luiz27/07/09 19:17

    Eu compraria um automático para meu uso diário. Engatar marchas é bom, mas o transito urbano é mais divertido quando se está num automático, principalmente aqueles que desengatam a marcha quando parados por alguns segundos. Por mim todo carro urbano vendido no Brasil seria automático, só ficando de fora os esportivos dignos desse nome.

    Esses automatizados me parecem ser um bom compromisso entre manual e automático, pois geralmente dá pra passar a marcha manualmente e não tem a perda de desempenho nem o aumento no consumo de combustível das caixas automáticas tradicionais.

    Uma pergunta: um câmbio desses ficaria bom nos nossos carros 1 litro?

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo Laranjo27/07/09 20:27

    Eu andei num Stilo Dualogic e particularmente não gostei. Claro que eu comparei a um automático convencional. Tenho 2 Opalas (74 e 77) automáticos e tive alguns carros mais normais automáticos.

    O que me incomodou foi não poder simplesmente afundar o pé e deixar o carro ganhar velocidade. Ter que aliviar o pé a cada troca não achei legal.

    É uma solução barata para carros baratos. Que fiquem com ela, eu quero meu conversor de torque.

    ResponderExcluir
  3. Eu já não gosto de câmbios automáticos tradicionais, nem mesmo os manuais automatizados me causam grande interesse, aquela vontade de comprar um carro assim equipado.

    Mas, nessa onda cada vez mais crescente de veículos equipados com câmbios automáticos, os manuais automatizados são os que me fazem ao menos sentir que nem tudo está perdido, ainda poderei controlar minhas trocas de marcha no futuro, através de uma caixa convencional. Mesmo assim, ainda haverá um comando eletrônico no caminho e o pedal de embreagem terá ficado para trás... De qualquer forma, "antes assim do que assado".

    ResponderExcluir
  4. Mister Fórmula Finesse27/07/09 20:58

    Bela lição de maturidade do Polo, é uma bela melhoria para quem tem que enfrentar o trânsito pesado, sem falar que o Golf também está vindo com uma ótima caixa automática. O volante do CC ficou muito bom no Polo, emprestou ainda mais sofisticação a um carro que tenho muito apreço. Claro que com o valor do Polo comum acrescido dessa caixa, eu ainda escolheria o seu irmão GT que conta com torque bem interessante acompanhado de uma caixa manual quem tem tato e manuseio simplesmente fantásticos.

    ResponderExcluir
  5. a VW também está lançando esse sistema de trocas automatizadas pra caminhões pesados, tipo cavalo-mecânico Constellation.

    No caso dos caminhões eles alegam diminuir os custos de manutenção por não deixar o motorista arranhar marcha ou fazer redução excessiva.

    Acredito que como todo VW o sistema deve ser de uma engenharia pensada mais em desempenho esportivo, muito mais que o Stilo com o sistema. Rei Midas deve trabalhar lá...

    ResponderExcluir
  6. Fantástico. Espero que chegue logo nos populares a grande mercado de vez. Acho que vai ajudar legal na fluidez para os milhares que não sabem trocar de marcha nem sair em subidas.

    Só achei estranho o encurtamento das marchas (2a, 3a e 4a). Dado que o câmbio tem trocas automáticas, encurtar marchas deixa de fazer sentido. Outra coisa que não entendo: O fato do carro ter acelerador eletrônico, já não seria possível eliminar por completo o tranco? Se o sistema é controlado eletronicamente, mesmo com o pé no fundo, ele deveria ser capaz de desacelerar o carro nas trocas...

    Anyway, ótimo a VW entrando nessa.. Só falta a ford... Se todos entrarem na dança, fica mais difícil de micar.

    ResponderExcluir
  7. Mais eletronica embarcada, mais componentes para dar pau depois da garantia, mais obrigação de reparar o sistema nas concessionárias ( alguns sistemas tem tanto o software como o hardware trancados a 7 chaves nos dealer, só agora a Napro disponibiliza no seu scanner a opção para reparos no AKS do A Klasse W168) , se for comprar o carro e usar 1/2 anos beleza , bateu 60000km passa a encrenca adiante,na verdade todos os carros agora são assim, viva as minhas Merças de mais de 20 aos!!!Abraços pra vc,Bob,Rodrigo!

    ResponderExcluir
  8. É uma tecnologia interessante e bastante tentadora. Mas tenho que concordar com o Maluhy, é mais coisa para dar pau e para sermos vitimas de assalto a mão armada por parte da concessionária, devido aos altos custos de manutenção....
    Prefro a simplicidade e eficiência.

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo Laranjo

    Somos dois: também não abro mão do velho, robusto e confiável conversor de torque.

    FB

    ResponderExcluir
  10. Maluhy

    Realmente, a Napro faz milagres. Ou não, há quem diga que todo o controle do AKS "migrou" naturalmente de dentro da MB, não existe segredo que dure pra sempre.

    Ao meu ver, o problema maior é a tendência dos carros se tornarem biodegradáveis. Existem mecanismos eletrônicos chatinhos nas MB W116 e W126, mas pelo menos elas duram uma eternidade. Ainda são de uma época sem muitos eco-chatos.

    FB

    ResponderExcluir
  11. A oportunidade de sair fritando pneus já ajuda bem...

    Aprecio essa tecnologia.

    ResponderExcluir
  12. Bob, permita-me discodar: verdadeiro prazer é fazer uma redução de verdade, com nós mesmos fazendo a aceleração interina, levando todo o mérito da manobra perfeita. Se conseguirmos fazer tudo no tempo,sem utilizar a embreagem, sem arranhadas e trancos, o sorriso na cara é consequencia. Claro, até pegarmos a "mão", dá-se umas boas arranhadas. Mas depois fazemos quase que automaticamente, sem auxílio de nenhum robozinho.
    Mas devo ter algum problema: até hoje não gosto de automáticos.

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  13. W201,W124 e W126 foram sem dúvida os melhores MB já feitos,ainda não economizavam nos materiais e alguns como a 124 500E, a série 190E 2.3/2.5 16v foram fantásticos , com performances até hoje bem atuais ,por ex., não tem nada atual feito no Brasil que suplante o desempenho de uma 2.3 16v e uma w124 500E tb seria dura de engolir....e a 124 AMG "The Hammer" (O Martelo) ???? mais de 300km/h , na época o sedan mais rápido do mundo .....aqui na oficina lidamos com muitas MB, esses carros sempre tiverem tecnologia muito avançada para a época que foram contruídas , a w108 1968 automática que eu estava revisando hoje mesmo com aquela suspensão traseira com eixo pivotante é muito superior a qualquer eixo rígido ..........

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...