Google+

30 de setembro de 2009

SINGER SEM COSTURA


As fotos que vocês podem ver ilustrando este post são do carro que tem feito entusiastas bambear as pernas e babarem até colar o queixo na gola da camisa, desde que foi anunciado mês passado no Concurso de Elegância de Pebble Beach, na Califórnia.

Usando como base um 911 original com entre-eixos longo (1969 a 1989), a empresa que o criou clama ter pego o melhor de 40 anos de desenvolvimento do 911 refrigerado a ar (aquele, o que era realmente um 911) e juntado tudo neste amálgama de modernidade e passado glorioso que ela chama apenas de "Singer 911". Praticamente todo escriba que se preza adorou só de olhar a cara do bicho, e quando soube os detalhes quase teve um orgasmo tântrico de 6 horas.


Mas eu, estranhamente, principalmente por ser o puristra maluco por 911 refrigerado a ar oficial deste blog, fiquei meio em dúvida. Ápice do 911 original? Será?

Se você perguntar a alguém de sobrenome Porsche, ele dirá que o ápice do 911refrigerado a ar foi o tipo 993 (nomeado assim devido a seu ano de lançamento, 1993) fabricado até 1997, mas que um 911 zero Km que se pode comprar em concessionária hoje é ainda melhor. Realmente existem poucos argumentos lógicos para refutar tal afirmação. A Singer, porém, parece ter uma idéia interessante: seus press-releases evocam a leveza, a simplicidade e até o barulho característico do motor refrigerado a ar como algo que não devia ter sido abandonado.

Eu mesmo sou largamente conhecido por apregoar a mesma coisa aqui neste Blog. Muitas vezes, menos é mais, e mais é simplesmente um exagero inútil. Mas o que diferencia um carro como este Singer de , por exemplo, um Carrera 2.7? Aparentemente, pelo uso de componentes e tecnologia moderna, seria um carro também usável no dia-a-dia.

O carro começa com uma carroceria usada de um 911. Ela é totalmente limpa de pintura, e solda MIG é usada para reforçar toda junção de chapas. Um "backbone" (chassi tipo espinha) existe para reforçar ainda mais a estrutura, embora a empresa não dê detalhes de como isso funciona (provavelmente, uma estrutura tubular por baixo do túnel central). Pode-se ver no primeiro carro montado, um santantônio tubular por dentro do carro também. Segundo a empresa, todas as superfícies externas (exceto a porta) são substituidos por peças moldadas em resina plástica reforçada com fibra de carbono (material conhecido por aí apenas com o nome da fibra de reforço). A rigidez, já uma característica que nunca foi ruim num 911, com certeza melhorou. Somente o reforço das soldas com cordões de solda aumenta sobremaneira a rigidez de qualquer carroceria soldada a ponto, apesar de ser extremamente trabalhoso, e por consequência, caro.

O motor também parece ser uma jóia: baseado no bloco grande de 3,6 litros do 993, é aumentado para 3,8 litros por meio de pistões e camisas (parecidas com as de fusca no 911 "a ar") de 103mm de diâmetro e o virabrequim de 76,4mm de curso do Porsche 997 GT3 . Montado pela empresa do famoso preparador Jerry Woods, usando peças da Ninemeisters inglesa, o motor tem ainda bielas de titânio e cabeçote especial usinado de um bloco sólido de alumínio forjado. Balanceado e feito com cuidado, gira a 8000rpm e debita 425cv. Empurrado por essa usina de força (e, sem dúvida, de ruído), e pesando apenas 1088kg, o Singer 911 acelera de 0-100Km/h em torno de 4 segundos, e chega a 275km/h.

A suspensão dianteira, por barras de torção na balança triangular inferior e torre de amortecedor no original, é substituida por torres McPhearson, e a traseira é a mesma dos 911 de corrida dos anos 70: braço arrastado com mola helicoidal concêntrica com o amortecedor.O melhor da indústria de preparação de 911 é utilizado: amortecedores Moton com reservatórios separados, molas Eibach, e buchas e barras estabilizadoras Smart Racing. Os pneus são enormes Michelin sport cup, 225/45 17 na frente e 245/40 17 na traseira, em rodas que imitam as gloriosas fuchs forjadas dos anos 60/70. O desenho dos pneus é claramente focado para aderência máxima em pista seca, com apenas as concessões necessárias para homologação para o uso em rua.

Por dentro, um belíssimo volante Momo de pequeno diâmetro, sem air-bag, domina a impressão inicial. Existe algo em um volante simples como esse que é uma brisa de ar fresco para o entusiasta, uma coisa que nos alivia e nos leva a um mundo mais simples que não existe mais... Os bancos são Recaros antigos, parecidos com os do 2.7 RS, e apesar de espartano, a ampresa diz que amenidades modernas como ar condicionado, som potente e navegador GPS estarão disponíveis. Um detalhe interessante e de bom gosto na escolha dos componentes é o uso dos limpadores de parabrisa do 993, que denota realmente o esforço de usar o melhor de todos os 911 originais. O desenho externo é realmente, de novo, de extremo bom gosto, evocando principalmente o magnífico Carrera RS de 1974. Fica especialmente malvado e adorável no laranja das fotos.


Lendo e vendo tudo isso, não há dúvida que o carro será incrível para dirigir, e causador de furor por onde passar. Mas penso que não tem como ficar barato; todo este trabalho especializado feito a mão individualmente nunca é. E acho que fica num estranho limbo, uma zona cinza entre um carro de pista e um carro de rua, que não consigo entender, ou realmente desejar de forma tão compulsiva quanto a maioria das outras pessoas.

Para o uso nas ruas, no dia-a dia, não entendo onde pode ser melhor que um 993. Sim, é mais potente e mais cru, mais próximo de um carro de competição, mas isto é na verdade um problema para um carro de rua. O 993 tem uma suspensão traseira mais sofisticada, multibraço montada numa bela estrutura de alumínio, que transformou o 911 em um dócil companheiro tanto para estradas esburacadas, como em pistas sinuosas. O ronco e a persona bruta e sem sofisticação de um 911 refrigerado a ar está presente no 993, mas é um carro perfeitamente usável e dócil, um belo companheiro para o dia a dia, e ainda possível de se usar numa pista.

O balanceamento rua-pista é sempre delicado neste tipo de carro. O Singer 911 pretende ser um 911RS3 refrigerado a ar, mas tendo usado componentes dos 911 antigos, acabou deixando o pendulo cair mais para o lado da pista do que pode ser aceitável para que o conceito faça sentido. Não existe como este motor ultra-preparado não soltar um berro gutural que apesar de muito legal nos primeiros 7 dias, será impossível de aturar nos subsequentes. Sua suspensão será rígida demais, e o carro caro e exótico e bonito demais para ser deixado em qualquer lugar, por medo de se repor ou ter que pintar um paralaminha de fibra de carbono. E para pista...algo ainda mais cru e focado é o necessário.

O fato é que pelo preço deste carro, muito provavelmente você poderá comprar um 993 original e deixá-lo em estado de zero, usá-lo todo dia , e ainda rebocar um 911S 68 de corrida (depenado, rollcage, slicks, mármore italiano no lugar de suspensão, sem abafadores de escape) para as pistas no fim de semana. Ou comprar um RS3 novinho, que faz perfeitamente o balanço pista-rua, e deixar toda esta bobagem de passado para atrás. Mesmo porque carros como este Singer, por mais bem feitos que sejam, nunca terão a confiabilidade de um Porsche original. Este fato, amigos, quase nunca é lembrado quando se fala de carros deste tipo, mas é um tremendo problema. Como um brinquedo de fim de semana, tudo bem, mas para este fim existem literalmente infinitas opções.

Desta forma, apesar do extremo bom gosto na execução, este belíssimo 911 me parece ser destinado apenas aos que querem ser diferentes, passar a imagem de puristas ou conhecedores, ou apenas ter algo raro, ou ainda, infelizmente, apenas aparecer. Nenhum problema com nenhum destes motivos, mas definitivamente não toca a minha música.


MAO

22 comentários:

  1. Sou louco por esse negócio de carroceria velha por cima de mecânica evoluída. Imagino fazer uma coisa dessas com um Chevette GP.

    Reparem, no Singer, os modernos faróis escondidos atrás de lentes complexas!

    http://meuamigodelata.blogspot.com/2009/09/divina-criacao.html

    ResponderExcluir
  2. Isso sim e um Porsche nao o 2001 911 que tive a agua.

    Alem do mais, a carroceria e lindissima com os paralamas traseiros.

    Se fosse ter um outro, seria algo assim tambem.

    ResponderExcluir
  3. Mister Fórmula Finesse30/09/09 14:31

    Realmente um 993 fará tudo melhor que esse carro no binômio pista/estrada, mas talvez o público desse tipo de carro queira um modelo zero km, algo que ninguém tenha tocado antes e que seja a reencarnação mais fiel dos modelos mais renhidos a ar.

    Um 911 atual, mesmo no começo da escala Porsche, já pode fazer mais e com muito mais facilidade que o Singer, mas talvez as coisas tenham ficado fáceis demais para atingir performances absurdas, a eletrônica pode ter tirado muito do espaço do condutor no banco do motorista.

    Talvez o público desse tipo de carro deseje algo que se você atiçar ele vai morder com força, em que a linha da superação ao volante e a do desastre caminhem de mãos dadas, e para estes, as outras milhares opções de brinquedos de final de semana não servem pois não são Porsches....

    Talvez (de novo) as pessoas não tenham o insight do MAO em dimensionar as coisas exatamente como deveriam ser usadas, nesse ponto, tenho o mesmo sentimento em relação a este carro, concordo com tudo no post.

    O que tenho certeza é que o carro é tremendamente lindo e terá o seu próprio espaço no vasto mundo dos preparadores Europeus.

    Se eu gostaria de ter um? claro, mas antes dele, mesmo entre os Porsches, eu teria vários outros!

    ResponderExcluir
  4. Carlos Galto30/09/09 15:18

    Como o MAO já disse seria perfeito um 911 antigo e racer e um 993 Turbo.
    Mas se eu fosse um Jay Leno, que provavelmente têm vários 911, colocaria um desses na sala de estar.
    É uma jóia para conhecedor mostrar que conhece o melhor do seu objeto de desejo!!

    ResponderExcluir
  5. Meus 2 cents: este é o tipo de carro que não pode ser racionalizado. É pura questao de empatia, de tesão, e é restrito aos entusiastas que gostam de carros preparados e aceitam todos os inconvenientes com gosto. Pra brincar em track days, pra passeios egoistas em finais de semana ensolarados.

    É inutil, como uma F40, um Caterham. Eu sou fã da categoria "pato" (nao é dimensionado nem para pista nem para a rua). Makes me feel alive. E pela lista de preparadoras deste tipo na alemanha, diria que os bavaros tambem gostam... :)

    ResponderExcluir
  6. " mármore italiano no lugar de suspensões "

    Esse MAO tem uns pitadas impagáveis nos textos dele.

    Sensacional...

    ResponderExcluir
  7. Um belo Porsche, sem dúvida.

    MAO, não creio que alguém vá comprar um Singer pra aparecer, não é um carro cheio de frique frique.
    Acabei de achar uma função pra Cayenne, levar um desses pra pista.

    ResponderExcluir
  8. MAO,

    Seus textos são inconfundíveis.

    Você consegue ser crítico, direto ao ponto, mas sem deixar de lado o humor irrepreensível! Essa do "mármore italiano no lugar das suspensões" foi o máximo! Belo texto.

    Porém, como gosto de certos exageros de "animosidade" sobre rodas, gostei do Singer 911, potência brutal e sem frescuras. Mas o preço deve ser salgadíssimo, sem dúvida...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Um 911 de entrada atual não tem 425 cv, nem pesa 1088 kg, por isso jamais encostaria um dedo neste "Singer" (é um 911 modificado, isso sim). Apples to oranges.
    Sua análise é como explicar porque um 911 novo é melhor que um 993 em tudo. Não é por aí.
    Entendo que é um carro pra quem já teve vários 911 e agora quer o "ultimate 911". Nós, mortais do terceiro mundo, não temos como entender isso, é outra realidade.
    Nosso negócio é Fiesta mil.

    McQueen

    ResponderExcluir
  10. Mister Formula finesse,

    Muito bem dito, parabéns!

    MAO

    ResponderExcluir
  11. Alexei, Road Runner,

    Pô, e o orgasmo tântrico de 6 horas?? Eu ri sozinho com essa por uns bons 5 minutos, kkkkkkkk

    MAO

    ResponderExcluir
  12. Joel,

    Eu sou um chato de galocha, não esquenta. Uns amigos dizem que penso demais, mas...

    Quanto a Cayenne, vc não precisa dela. Mil quilos podem ser rebocados por outro 911 sem problema algum.

    MAO

    ResponderExcluir
  13. Imaginem qdo enfiar o pé na tabaca o ruído de aspiração daquela cornetada, para um entusiasta seria um orgasmo múltiplo,hehehehe, diversão pura.....Que tal uma Mercedes W111 coupé ( a famosa charuto) com um upgrade tipo mecanica da E430 com uns 305 cv???

    ResponderExcluir
  14. Refrigerado a ar: maravilha.
    Esse volante básico: maravilha.
    Rodas Fuchs: maravilha.
    Quero um. Azul-claro.

    ResponderExcluir
  15. Carlos Galto01/10/09 14:02

    UM dos Santo Graal!!

    ResponderExcluir
  16. Olha, Carlos Galdo, desconfio que este seja meu único Santo Graaal. Sempre fui completamente louco pelos Porsches antigos e este parece ter todas as características que eu sempre admirei nesses carrinhos elevadas à enésima potência. Uma obra de arte pra se admirar na garagem e acelerar por aí.

    ResponderExcluir
  17. Alguns se enganaram, o carro é modificado por norte-americanos: os californianos Singer Vehicle Design (carroceria) e Jerry Woods (motor).

    MAO,

    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  18. O mais belo dos últimos tempos.

    abs

    ResponderExcluir
  19. MAO, vou ter que discordar de você neste aqui, eu ADOREI esse carro... da próxima vez que minha filha me falar que vai me dar um Porsche quando crescer, fou falar que eu quero esse!

    :-D

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...