28 de dezembro de 2009

OS 10 QUE AINDA FALTA EU DIRIGIR

Depois da Wish List, que é de ter, eis outra, de dirigir apenas. São carros que sempre quis dar uma guiada, mas nunca houve oportunidade. Como não é para ter, é bem possível que um dia consiga.
São eles, em ordem aleatória desta vez:

É incrível, estive perto do Jaguar XK 120 inúmeras vezes na adolescência e na juventude, mas nunca tive oportunidade de dirigir um. Sempre me foi um objeto de desejo.




Sempre tive a maior vontade de dirigir o Saab 93. Deve ser uma experiência única, sentir o 3-cilindros 2-tempos de 750 cm³ num envelope peculiar, que não teve nada parecido no mundo. Quanto mais eu, que tive uma ligação muito forte com o DKW.


O Jaguar Tipo D é  para ser guiado num estradinha rural inglesa, numa manhã de primavera ou de outono, temperatura ambiente uns 15 °C. Mais ou menos como a estrada no filme "Grand Prix", quando o Stoddard vai dirigir o Lotus 16 de F-1 do falecido irmão (foi o AK que me lembrou, outro dia, este trecho fantástico do filme).
 
Parece mentira, mas nunca dirigi um Porsche 356.  Já o 911, perdi a conta, até o 912 de motor boxer 1,6 Super 90 (que com mãos experientes dava pau no primeiro 911 2-litros de 130 cv, dizem). Teve um dia que ia guiar um 1500 Super 1951 de um amigo, mas no dia anterior o motor se foi. Mas esse dia vai chegar, tenho certeza.


Prosseguindo com a marca de Zuffenhausen, sou louco para dar uma andada no Porsche 550 Spyder. Há alguns anos um amigo, o Fernando Calmon, conheceu o Museu da Porsche e a área da imprensa disponibilizou um 550 para os jornalistas darem uma volta. Que pena que não estava nessa.  Mas um dia ando. Tive o aperitivo no Chamonix 550 há muitos anos, teste para a revista Oficina Mecânica. Dá para imaginar o que é original com motor Fuhrmann 1500 de 110 cv e pesando nada.

Se o Mazda Miata/MX-5 é o meu #1 da minha Wish List, o #1 dos que faltam dirigir é o Lotus Elite Type 14,  fabricado de 1958 a 1963. No meio, 1960, o ano em que tiirei carteira. Portanto, no auge de minha idade de empolgação aparece esta incrível obra de Colin Chapman:  Cx 0,29,  peso de  503 kg, entre-eixos 2.240 mm,  coluna McPherson atrás (primeira vez no mundo), motor Conventry-Climax de 1.216 cm³ e 75 cv. Deve ser a coisa mais gostosa desse mundo para se brincar. Esse tenho certeza de que não passo para o lado de lá sem dirigi-lo.


Se eu fosse a Ferrari  faria uma réplica do 166 MM, a barchetta (barquinho) mais linda de todas. Vi esses carros correndo no Circuito da Gávea, eu tinha 11 anos, fiquei maluco. Se pudessse dar uma voltinha no quarteirão num, ficaria muito contente.


Não, a foto do Ford modelo T não está aí por engano, não. Tenho imensa curiosidade de ver, sentir, como anda, conhecer a operação do câmbio epicicloidal pelos três pedais, sentir o que milhões sentiram entre 1908 e 1927.


Outra "estranheza", pode o leitor pensar, mas explico. Esse é o primeiro carro a diesel do mundo, o Mercedes-Benz 260 D, de 1936.  Tenho curiosidade também, como no modelo T aí acima. Ouvir o motor ruidoso e vibrador, o cheiro do  diesel dentro do carro. O começo.


Para mim, o Maserati 300/S (ou o 450/S, só muda o motor) é o carro de corrida mais bonito que existe, nada lhe chega perto. Vi o Fangio dirigir um 300/S no Circuito da Quinta da Boa Vista, no Rio, e uma semana ou quinze dias depois, em Interlagos. Claro, papou as duas. Isso foi em 1957. Havia um 450/S no Rio, do Henrique Casini. Ainda me lembro do berro do motor. Esse tenho de dirigir um dia.
Já disse em outra ocasião (no Best Cars) que é decepcionante dirigir carros antigos do ponto de vista de comportamento, que não guarda qualquer relação com os carros de hoje, mesmo os mais baratos. Mas mesmo assim, nos antigos aqui mostrados, faço questão de pegar o volante deles e dar uma saída.
Fará bem ao coração...
BS

(Atualizado em 29.12, 10h40, tópico Jaguar D, observação do leitor Roberto Zulino. O carro do filme Grand Prix citado é um Lotus 16, não um Vanwall -- BS)

21 comentários:

  1. Bob (se me permite te chamar pelo primeiro nome), o senhor foi um dos poucos a pilotar um F40 em solo tupiniquim. Será que um dia poderia compartilhar a experiência neste espaço?

    Abraço e feliz 2010,

    ResponderExcluir
  2. XK, 356 e T? Na sua próxima vinda ao Rio resolvemos isso. É só avisar com antecedência.

    ResponderExcluir
  3. Um dos carro que me deixam super curioso pra dirigir e que acho que dificilmenteconseguirei é um Toronado com sua incomum tração dianteira combinada com enormes V8's...

    ResponderExcluir
  4. João,
    Pode deixar que farei isso com o maior prazer.

    ResponderExcluir
  5. Vamodoido,
    Deve ser incrível também.

    ResponderExcluir
  6. Bob,
    incrível lista. Coisa de usar babador para evitar estragar a camisa.
    Estou torcendo por você, o Jason já resolveu 3 carros, muito bom !
    Desses 10, diria que o Elite seria minha primeira prioridade também. O que Chapman fazia era notável em todos os sentidos. Um cara sem medo de inovar e de uma audácia incomparável em projetos de baixo peso.

    ResponderExcluir
  7. Mister Fórmula Finesse29/12/09 09:51

    Pode ter certeza que seria uma honra muito grande para os carros escolhidos terem você como eventual condutor. Espero sinceramente - por tudo que fez em nome do mundo autoentusiasta de MUITOS - que possa dirigir as maravilhas dessa lista.

    ResponderExcluir
  8. Puxa, Mister Fórmula Finesse, obrigado!

    ResponderExcluir
  9. Juvenal,
    E o Saab 93? Deve ser uma coisa fabulosa também. Legal, o Jason me ajudar nessa "missão"!!!

    ResponderExcluir
  10. Belas escolhas, mas o carro do Sttodard do filme Grand Prix não é um Vanwall, é uma Lotus 16, o primeiro Lotus F1, já que o 12 era um F2 adaptado.

    ResponderExcluir
  11. Mestre Bob merecia é ganhar de presente um dos carros dessa lista por serviços prestados ao automobilismo e aos seus zilhões de leitores ao longo dos anos.

    ResponderExcluir
  12. João,
    Fazendo a coisa mais prática, há exatos quatro anos minha coluna no Best Cars Web Site foi a história do teste completo que fiz do F40 em Quatro Rodas em 1992. Leia-o, http://www2.uol.com.br/bestcars/colunas2/b215b.htm .

    ResponderExcluir
  13. Roberto Zulino,
    Tem razão, agradeço a correção. Vou incorporá-la ao texto.

    ResponderExcluir
  14. Italo,
    Agradeço de coração a sugestão, mas não é necessário eu ter um destes, basta dirigi-lo. Mas, valeu.

    ResponderExcluir
  15. Bob, já que você colocou o do F40, poderia comentar sobre o supermini?

    Sei, parece estranho, mas tenho simpatia por esse carrinho, ainda que nunca tenha dirigido um.

    Sobre o Miata, não sei como é o comportamento, mas tive um MX-3 e se tiver a mesma qualidade técnica ou superior, deve ser uma delicia de dirigir.

    O MX-3, com o "motorzinho" 1.6 já andava muito bem e, ainda por cima, era extremamente econômico.

    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Sergio,
    Esse preciso escrever, pois não tenho como dar o link. Mas possuo os CDs de Quatro Rodas e dá para copiar & colar. Vou cuidar disso.
    Você precisa dirigir o Miata. É o carro que eu gostaria de pegar em Lisboa e sair sem destino pela Europa durante uns dois meses.

    ResponderExcluir
  17. Bob, nem precisa agradecer, vejo o Grand Prix desde a estréia até hoje, perdi a conta de quantas vezes vi o filme. Hoje vejo em DVD. Outro dia me enviaram um trecho remasterizado e com tela modificada, bem melhor que o original em termos de imagens.
    Essa Lotus 16 me marcou desde que vi o filme pela primeira vez e tem um monte de fãns pelo mundo, não que tenha sido um carro vitorioso, quebrava muito, mas foi do dernier cri dos carros com motor dianteiro.
    O Chapman no entanto, nem pestanejou, projetou a Lotus 18 em versões de F1 e FJunior e ganhou um dinheirão vendendo as Lotus 18 junior.
    A menção dos Vanwall é compreensível, ambos devem ter tido a mão do Costin e a suspensão dos Vanwall foi melhorada pelo Chapman, que por isso acabou ganhando uma chance de correr um GP, o da França em 56 acho, de Vanwall, mas fez um monte de merda nos treinos e acabou nem correndo. Tem filme no youtube mostrando ele batendo e depois se explicando dando a entender que não tinha sido culpa dele. Bobagem, ele perdeu o ponto de freada. Era bom piloto, mas contratou o Clark quando este lhe deu um pau em uma prova onde os dois corriam de Lotus 11.

    ResponderExcluir
  18. Bob,

    Muito legal poder ver voce expressando seus sonhos e desejos automotivos aqui com a gente! Muito legal mesmo, super bacana.
    Ainda mais com uma longa e rica historia automotiva como a que voce merecidamente carrega!

    ResponderExcluir
  19. Bob,
    Tomara que consiga guiar todas essas máquinas!
    Só não se esqueça de nos brindar com posts "Impressões" sobre elas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Prezado Bob, temos uma coisa em comum:ambos estávamos na Quinta da Boa Vista, naquele dia 8 de dezembro de 1957, e assistimos a fácil vitória de Fangio, naquela maravilhosa Maserati 300 vermelha.Já é algo que podemos levar para a próxima vida...
    Francisco Muniz

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...