22 de abril de 2010

INCOMPETÊNCIA E/OU PALHAÇADA?


Só pode ser um destes dois casos, ou os dois juntos.

Não fazem nem dez dias que a Rua Maestro Chiaffarelli (continuação da Rua Pamplona, após o cruzamento com a Rua Estados Unidos, SP) foi reasfaltada no trecho antes do cruzamento com a Avenida Brasil. Esta rua precisava mesmo de uma reforma, pois o asfalto estava péssimo, como boa parte das ruas da região. O resultado após a obra estava ótimo, com o piso bem liso e sem mais buracos.

Hoje cedo, ao passar por lá, surpresa! Haviam "lixado" o asfalto novinho em folha tudo de novo. Qual o motivo disso? Erro na primeira vez? Pouco provável, pois não havia marca nenhuma de defeito ou rachadura no piso. Até que me provem o contrário, eu aposto que é para alguém encher o bolso de grana, com mais uma obra superfaturada no mesmo lugar. É uma rua de pouco movimento, comparada com as demais do bairro, então será que ninguém iria reparar se arrancassem todo o asfalto novinho e colocassem de novo?

Fala sério...

Outra palhaçada, essa sim com certeza é incompetência, é o recapeamento da faixa reversível de ônibus da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, entre a Avenida Brasil e a Rua Groenlândia.

Esta faixa foi reasfaltada pelo menos três vezes nos últimos seis meses, pois a cada mês, buracos que mais se parecem com trincheiras da Segunda Guerra, surgem próximos à calçada. Os ônibus precisam desviar quase que entrando por completo na faixa vindo no sentido oposto, pois se caírem no buraco podem inclinar e bater com o topo da carroceria nos postes.

O que fazem agora? Provavelmente a mesma coisa que fizeram das últimas vezes, encher o buraco de terra batida e pedrinhas e mandar asfalto novo em cima. Claro, depois de vinte dias, volta o buraco no mesmo lugar. E quem para a conta? Nós...

É uma palhaçada sem tamanho. 

MB

40 comentários:

  1. MB,
    sobre o segundo caso, me vêm a pergunta: porque no Brasil se "tomba" tanto ônibus e caminhões?

    Imagina se inventam um ônibus de dois andares circulando na montanha russo-paulistana?

    ResponderExcluir
  2. Agora voce já sabe, o seu nome é Kassab...
    Não esqueça dele quando o mesmo se candidatar -> não se esqueça de não votar nele!!!

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo, eu ia abrir uma empresa de guincho/guindaste de "destombamento" de busão! =)

    abs,

    ResponderExcluir
  4. Achille, não entendo da organização política neste caso, mas acho que esse tipo de obra não passa pelo prefeito. Algum secretário de transportes ou coisa do tipo que deve autorizar essas obras.

    Imagina se o prefeito tivesse que aprovar/desaprovar todas as obras de tapa-buraco? Ia precisar de uns 3 mandatos só pra isso.

    Não sei como funciona mas acho que não passa pelo prefeito.

    abs,

    ResponderExcluir
  5. Milton, vc tem razão, não passa tudo pelo prefeito, me desculpe o desabafo...
    Mas ele me decepciona pois pensei que teria uma conduta mais moderna, pensaria numa São Paulo do futuro.
    Estive na Mooca e no Brás na semana passada e fiquei estarrecido com o que fizeram e estão fazendo como os galpões industriais que havia por lá: vai virar tudo prédio!!!
    Será que o alcaide não poderia embarcar numa cruzada que compreendesse um zoneamento mais humano, conservação de locais históricos, criação de parques, preservação da Cantareira, etc...
    Por exemplo, no trecho que existe a direita da marginal Pinheiros, indo para Interlagos, logo depois da Ponte do Morumbi, naquela grande área a direita, acho que farão alguma obra faraonica.
    Não seria o caso de áproveitar a área e criar um parque? Tudo bem que há somas altíssimas em jogo, que o dinheiro para as desapropriações seria estratosférico, mas falta essa vontade de pelo menos tentar...
    Não vou nem falar da CET que é aí é covardia: o que os caras são fracos não está no gibi...
    Tenho razões para não gostar dele (meu IPTU aumentou 70%, e a rua está um perigo...), mas de maneira geral a decepção é pela expectativa que tinha, esperava que ele tivesse uma visão de longo prazo, mas não vejo muita diferença dele para sua predecessora...
    Mas deixa para lá Milton, vamos ficar no nosso asunto mesmo, que é melhor... Como dizia a ex: relaxa e goza...

    ResponderExcluir
  6. Milton
    Há tanta safadeza nesse desserviço prestado pelas prefeituras, que até um leigo percebe.
    Voce já viu as equipes de tapa buracos trabalhando? Trabalhando, ha, ha, parece estádio de futebol 22 trabalhando e trinta mil olhando.
    Há alguns cuidados a serem tomados antes de se colocar o alfalto e compactá-lo. Preparar a forma do buraco, não jogar asfalto em superfície molhada, etc.
    Eles fazem tudo ao contrário. Só falta jogarem aguá no buraco antes de tampa-los.
    Decorrência dessa incompetência somada à safadeza: os buracos abrem primeiro onde já há um remendado.
    Vamos lembrar dessa corja na hora da eleição, é o único remédio.

    ResponderExcluir
  7. Achille, sei bem o que está falando, morei na Mooca e sei quais galpões você se refere.

    Waldemar, vi sim, outro dia estava esperando fazerem um serviço no meu carro e na esquina do lado da loja estavam asfaltando um buraco (alias, era na própria Brigadeiro Luiz Antônio). E era exatamente isso, 3 trabalhando e 10 gerenciando.

    abs,

    ResponderExcluir
  8. Brasil é uma piada de mal gosto em questão de política, e o negócio piora quando se trata de transportes.

    Aqui se tem uma prática que me deixa extremamente irritado, normalmente quando se coloca asfalto novo em alguma rua ela dura no máximo 1 mês intocada, depois começam os cortes... cortes pra passar água, esgoto e tudo mais de loteamentos novos.
    Porque não fazem isso antes? vão dizer que esqueceram? é óbvio que se vão sair casas no local se precisará de encanamentos, custa fazer isso antes de colocar o asfalto novo?
    O resultado é que depois de algum tempo as ruas estão parecendo uma colcha de retalhos de tantos cortes que são feitos, e o asfalto "novo" acaba ficando tão ruim ou pior do que ja era o velho.

    ResponderExcluir
  9. A pavimentação pra se locomover com automóvel é horrível. Imagine agora essa mesma pavimentação transferindo todas as irregularidades dentro de um ônibus para joelhos e coluna de uma senhora de 80 anos?

    Isso sem falar em nossas calçadas.

    Um dia ainda vamos descobrir quem leva vantagem nessa total falta de projeto e planejamento. Impossível tanta incompetência.

    ResponderExcluir
  10. E assim segue a vida em um pais chamado Brasil...

    ResponderExcluir
  11. Milton,
    Vem dar umas bandas aqui pelo Rio de Janeiro pós-chuvas, especificamente pela Zona Norte...
    Não sei como certas "otoridades" têm coragem de chamar certos caminhos de RUAS!!!
    Qualquer, eu disse QUALQUER, rua possui ao menos 3 buracos "reincidentes", com umas 4 cores de asfalto diferentes.
    E se eu caio num buraco desses e arrebento a minha suspensão, sou EU quem dirijo sem cuidado, rápido demais... O legal é tacar pardal de velocidade, radar de sinal, blitzes de Lei Seca, e o resto que se ****.
    Nos meus antigos Santana e Tempra, quase todo ano gastava mais de mil reais refazendo a suspensão, SEM FICAR CAINDO EM BURACO!!!
    E tenta você acionar a prefeitura, ou qualquer órgão público para ter um ressarscimento de danos no teu automóvel... É pra rir de chorar!!

    ResponderExcluir
  12. Vocês ainda reclamam? Aí no bairro dos ricos fazem recapagem até de rua sem movimento, aqui na zona leste não fazem isso nem em avenida...

    ResponderExcluir
  13. Complicado... o esquema é comprar carro bem alto, estilo jipinho que está saindo agora. Ah não esqueçam de blindar o carro, pq além dos buracos, temos a violência. Não esqueçam o seguro de vida, do carro, da casa, o plano de saúde, o plano funerário (até isso!), paguem os impostos, recolham todas notas fiscais, passem devagar nos radares, não mexam nos carros, façam vistoria anual (e paguem por ela), paguem pedágios, paguem paguem paguem.... se adaptem ao brasilian way of life, onde só quem faz tudo direito toma.

    ResponderExcluir
  14. Milton e Achille,

    Me desculpem - mas, sem querer entrar em assuntos de política, acredito que o prefeito de qualquer cidade, pequena ou grande, não deveria ser isentado de responsabilidade num caso desses.

    Se há incompetência e/ou má fé por trás dessas "obras"(no mau sentido), cabe à administração municipal investigar e punir exemplarmente. Para quem exerce o cargo de prefeito, a impossibilidade de fiscalizar tudo não é desculpa - ele é, sim, responsável por exigir que as áreas "competentes" o façam.

    ResponderExcluir
  15. Milton, vou me desmentir e dar razão ao Paulo Levi: quer dizer, nosso prefeito erra no varejo (buracos na rua) e no atacado (estratégia para o futuro da cidade). Uma decepção.
    Sem contar que, como lembrou o nosso amigo Anonimo 1, se na parte "nobre" tá desse jeito, imagina como é que está por toda a cidade...

    ResponderExcluir
  16. Sem entrar muito no mérito político citando nomes e partidos, sabemos que a culpa é de todos os que deveriam gerenciar essas obras.

    ResponderExcluir
  17. Meu, olha o asfalto dessa foto..... aqui na rua é igualzinho, só de jipe mesmo, como falaram aí....

    ResponderExcluir
  18. A todos: sem politicagem (que odeio), mas a responsabilidade é do secretário de obras ou do secretário de serviços urbanos, que são indicados pelo prefeito Kassab.

    Eu nem faço idéia se essas duas secretarias existem, mas não dá para isentar o prefeito da responsabilidade. O conserto foi mal feito e depõe sim contra a qualidade do serviço público.

    FB

    ResponderExcluir
  19. Faz anos que passo em SP pelas vias de maior movimento e nada é feito, ou melhor, lá sempre tem obras porém sempre está ruim. É até estranho, pelo tanto de obras que tem deveria estar tudo liso e lindo, vias sem buracos, marginais íntegras e até jardinadas nas margens, resolução dos problemas com enchentes, mas não é o que vemos. Realmente cheira a corrupção e superfaturamento.

    ResponderExcluir
  20. Leitores,
    É aquilo que venho dizendo: de uma maneira geral, o Brasil se tornou incompetente para construir e manter ruas e estradas. Veja o que se noticiou há poucos dias, que no trecho sul do Rodoanel, inaugurado não tem 30 dias, vão reduzir a velocidade mediante comboio na ponte de apenas 1,755 km. Ela é baixa, praticamente rente à água da Billings em caso de vento lateral entre 19 e 26 km/h. Se superior a 50 km/h vão fechar a ponte! A ponte balança e pode assustar os coitadinhos dos motoristas. Esse pessoal está completamente louco!

    ResponderExcluir
  21. Para inaugurar o Trecho Sul, já tombou uma carreta......

    ResponderExcluir
  22. Luiz Dranger22/04/10 18:56

    Além de concordar com quase tudo que foi dito acima, creio que há um problema crônico com a qualidade e/ou a aplicação do asfalto utilizado. É impressionante que em 1 semana já começam aparecer buracos ou depressões. Uma auditoria do IPT nos processos das empreiteiras contratadas minimizaria os problemas e haveria uma redução de custos a médio prazo.
    Quanto ao CET, creio que foi criado pelo Setúbal como orgão "organizador" do tráfego. Isso perdeu-se com o tempo e as besteiras são tantas que creio que perdeu a função.
    Esse post foi providencial
    Abr.
    Luiz

    ResponderExcluir
  23. Bera Silva22/04/10 19:46

    BRASIL, UM PAÍS DE TOLOS!

    Uma campanha do governo foderal!

    A propósito, o CREA não teria alguma responsabilidade também sobre as obras públicas? Já que o mesmo possui uma equipe de fiscalização, ou essa fiscalização é seletiva?

    ResponderExcluir
  24. Hoje o Brasil enfrente uma escassez de bons engenheiros.

    Principalmente bons engenheiros civis que atuem no canteiro de obras. Bom projeto no papel, mas projeto porco na implantação.

    Não adianta um bom projeto, laudos do IPT se tudo termina em politicagem, superfaturamento e jeito brasileiro nas coxas de se fazer tudo.

    Como o país quer ser sério se na Engenharia do Mackenzie as turmas que entram não dominam equação do 2º grau?
    Pura verdade. Implantaram a disciplina de Cálculo 0 (zero), equações de segundo grau.

    Isso numa instituição respeitável como o Mackezie.

    Educação de nível superior? Faça-me rir, Brasil.

    ResponderExcluir
  25. Pergunto, se não dá pra votar nem na esquerda, nem na direita nem nos "meio de campo", em quem votar? Caramba, cada dia pior!

    ResponderExcluir
  26. Infelizmente o rouboanel está ai.Com pontes caindo antes de prontas e oscilando. Só por curiosidade, com vento de quantos km/h fecham a Rio - Niterói? Esse roubo anel vai se manter só com as multas de trânsito, não sei pq a necessidade de pedágio.

    Sds,

    Cristiano.

    ResponderExcluir
  27. É a corrupção. Os empreiteiros tem que faturar.

    ResponderExcluir
  28. Bera Silva22/04/10 23:24

    Anônimo das 20h16min, conforme palavra do nosso presidente, não há mais direita no Brasil e ele está certíssimo. O que existe hoje são variações entre a "direita" da esquerda e a "esquerda" da esquerda.
    Só pra constar: a um mês atrás caiu a caixa d'água de um conjunto habitacional recém construido aqui em Santos. Por sorte não havia ninguém morando, pois metade do prédio foi ao chão.

    ResponderExcluir
  29. Já não tão nova aos 35 anos e segundo minha lembrança, a Rio-Niterói, que tem 14 km e passa por mar aberto, fechava com ventos acima de 60 km/h por conta da oscilação. Fizeram depois um trabalho de engenharia, com instalação de contra-pesos para "balancear" a ponte, e depois disso ela nunca mais foi fechada.

    Ainda quanto ao Rodoanel, o trecho entre a Anchieta e Mauá está tendo obras emergenciais para que a drenagem seja refeita, pois andaram acontecendo acidentes por conta de aquaplanagem mesmo sem chuva forte...

    ResponderExcluir
  30. Recentemente estive em Pernambuco e pude ver o quanto que essa cena de buraqueira é tipicamente paulistana. Procurei por buracos no Recife e não encontrei. Mesmo as históricas ruas de Olinda estão com seus paralelepípedos impecavelmente alinhados e maior problema mesmo para os carros está apenas nas ladeiras inclinadas, algo que independe de buracos.
    Fui do Recife a Caruaru sem que visse um buraco sequer nas BR de lá. E tudo isso sem haver um pedágio sequer e com direito a ver em construção obras que gerarão melhorias na rota.

    Se lá conseguem, por que aqui não?

    ResponderExcluir
  31. O buraco é mais embaixo. Primeiro, há a ditadura do asfalto, principalmente pela sua abundância, e os asfaltos produzidos nas refinarias nem sempre são os adequados à região onde estão localizadas. Isso causa que nem sempre o desempenho do pavimento seja adequado, notadamente quanto à durabilidade, afinal está se usando um produto inadequado ao clima.
    Segundo, as obras de concreto devem ser propositalmente mal feitas para denegrir o método, o rodoanel é um exemplo. A justiça mandou asfaltar um trecho atendendo às reclamações dos moradores do Tamboré que se queixavam do barulho, justamente diga-se, o pavimento em concreto do rodoanel foi muito mal feito.
    O meretíssimo não foi orientado que se poderia "frisar" o asfalto com bons resultados. Esse processo deve ser público, somente ele é a prova que o rodoanel foi mal feito, mas o caso foi abafado, asfaltou-se e acabou. E o resto?
    Existe um trecho de asfalto frisado no rodoanel que tem níveis de conforto adequados.
    Para entender a lógica, é necessário que se constate que não interessa o uso de concreto, pois dessa forma cessariam as obras de manutenção eternas, as famosas operações tapa buracos, frisamentos e recapeamentos etc...
    O pavimento asfáltico não é indicado a lugares sujeitos à carga e derramamento de óleo como os corredores de ônibus e estradas de carga.
    Uma cidade como São Paulo tem a maioria de suas vias principais extremamente carregadas, o que não indicaria o uso de asfalto, mas todo mundo finge que não sabe disso. Por que será?
    Portanto, junta-se a ditadura do asfalto, com asfaltos regionalmente inadequados, e o interesse na eterna manutenção e está feita a merda. A "rationale" é se fazer as coisas com o mínimo aceitável para garantir a manutenção eterna, inventaram o moto perpétuo da grana nossa de cada dia.
    Recife e Porto Alegre são exceções onde o concreto é mais utilizado.
    Pesa também contra o concreto o investimento inicial mais elevado, fazendo com que a maioria dos prefeitos use asfalto e consiga pavimentar mais e fazer suas "firulas" eleitoreiras em cima disso. Mesmo que dure muito menos, a tarefa de se refazer a porcaria é do sucessor. Este não reclama porque leva grana das empresas de manutenção e ninguém percebe o golpe e ninguém faz nada.
    Qualquer comparação que leve em conta o investimento inicial, tempo de operação e custo de manutenção dá vantagens enormes ao uso de concreto. O conforto do concreto é menor, mas frisado dá para aguentar, o que não pode é ser uma merda como o rodoanel.
    O mais interessante é que os setores fiscalizadores do poder público, mais especificamente os tribunais de contas e o ministério público não estão aparelhados para muita coisa. Pode-se asfaltar uma estrada ou rua e se o pavimento durar um ano ou 100 anos tanto faz, a buraqueira e a contratação de serviços de manutenção passam desapercebidos, simplesmente não há ninguém verificando.
    Em resumo, não há o menor compromisso com a qualidade dos serviços ou mesmo a durabilidade. O povo fica tão contente com a pavimentação que esquece de cobrar durabilidade.
    Por que usar concreto que duraria mais e não teria manutenção? Só se forem trouxas, o sistema atual contenta a todos, menos os bocós que andam de carro em cima das porcarias de pavimento que pagaram e que continuam pagando, a pavimentação é mesmo o moto perpétuo da nossa grana, é um golpe genial centenário.
    Respondendo ao autor do post, não é incompetência e muito menos palhaçada, nesse caso estamos tratando com gente muito competente e os palhaços somos nós.

    ResponderExcluir
  32. Na verdade o que falta é vontade, pois quando temos vontade, as coisas saem da noite pro dia.

    Vejam como exemplo a corrida da Indy 300. Da noite pro dia removeram as terríveis ondulações do asfalto do Anhembi. Tá certo que deram uma amenizada "à Brasileira".

    O que quero dizer com isto é que com certeza houve alguém que matasse a bronca no peito e bypassasse o trâmite legal... Caso contrário estariam licitando a reforma do asfalto do circuito até hoje.

    Infelizmente é burocracia em excesso e falta de vontade de fazer acontecer o que provoca todo este caos do qual nos indignamos e criticamos duramente todos dias.

    ResponderExcluir
  33. Bera Silva23/04/10 13:49

    Matou a pau Zullino!
    "Eles" são competentes até demais.

    ResponderExcluir
  34. Isso porque você esta nos Jardins. Imagine a situação na "pirifiria"

    ResponderExcluir
  35. Embora concorde que o pavimento rígido (concreto) é sub utilizado no país em geral, ele também não é simplesmente a sauvação da lavoura, a ser utilizado a qualquer custo.
    É fundamental que se faça um estudo de engenharia de valor para determinar se é ou não viável naquela determinada via. O pavimento flexível (asfalto) não traz problemas se bem construído.

    ResponderExcluir
  36. Complementando o que o Roberto Zullino disse, digo que quando estive lá em Pernambuco notei sim vias concretadas, mas a maioria era asfaltada e, mesmo assim estava em perfeitíssimo estado. A BR que liga o Recife a Caruaru está duplicada e é asfaltada. O máximo de solavanco que há é se o veículo passar por uma daquelas ondulações que não fedem nem cheiram, daquelas que nem vale a pena consertar de tão inofensivas que são.
    Eu juro que tentei buscar buraco naquelas vias, independente se asfaltadas ou concretadas, e não achei. Mesmo as vias históricas de Olinda e seus paralelepípedos estão totalmente no prumo e não massacram os carros que por elas passam.

    Surpreendi-me muito com isso, ainda mais pensando que as estradas de lá não têm pedágio e estão melhores que muitas vias paulistas que cobram tarifas escorchantes. Totais parabéns ao estado de Pernambuco e às prefeituras do Recife e Olinda (acho que também se pode parabenizar Caruaru, ainda que tenha rodado só pela BR que corta o município em questão).

    ResponderExcluir
  37. MB,
    buracos abrem por uso de asfalto de qualidade baixa, mas que pagamos como sendo da melhor. A diferença é roubo mesmo.
    Até no Iraque, no auge da guerra, o asfalto era melhor. Lembram-se das cenas que víamos todos os dias nos noticiários da TV ?
    São Paulo é o palco da burrice política e popular. Meia dúzia de imbecis destroem a cidade mais espetacular do Brasil. E nós não quebramos a cara deles. Triste.

    ResponderExcluir
  38. Tem razão quem diz que o pavimento asfáltico pode ser adequado, mas tem que ser bem feito e não o é.
    Não se fazem aqui estudos de alternativas para pavimentação e não se leva em conta a hierarquia das vias na escolha do que fazer, o negócio é asfaltar e depois fazer manutenção.
    A pavimentação de concreto representa menos de 3% do total pavimentado. Nos USA e Europa o concreto chega a 35% do total pavimentado. Além disso, nesses países o asfalto é bem feito e tem durabilidade, apesar do gelo e da neve.
    O estado do pavimento de nossas cidades é a maior prova disso, podem reparar, nenhum pavimento dura mais que 5 anos que é o mínimo que uma obra de construção tem que durar.

    ResponderExcluir
  39. Para quem tem uma coleção de Quatro Rodas antigas, recomendo dar uma olhada na edição de junho/2003. Há uma reportagem mostrando como são feitas as rodovias brasileiras. Do projeto à manutenção, a quantidade de erros cometidos (tanto por incompetência quanto por má intenção) é assustadora. Na verdade, chega a ser desanimador. Dá a sensação de que o caos é geral e não há perspectiva de mudança.

    A luz no fim do túnel é a do trem que vem rápido na contra-mão...

    ResponderExcluir
  40. A coisa mais fácil é aparelhar o MP e os Tribunais de Contas, não há incompetência alguma nesse sistema, é apenas caso de Polícia, ladroagem pura.
    Comecem a medir a espessura, fazer ensaios com materiais e exigir o estudo de alternativas de pavimentação, não vai passar um.
    A hora que colocarem uma meia dúzia de prefeitos e governadores algemados a coisa se corrige em pouco tempo.
    A situação está na cara, qualquer pessoa que tenha viajado um pouco percebe a sacanagem, simplesmente não é possível o estado do pavimento das cidades brasileiras.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...