27 de abril de 2010

O MOTORISTA É QUASE TUDO NUM CARRO





Uma vez por semana, no dia do rodízio do meu carro, vou pro trabalho de carona com meu tio. Justamente nesse dia é rodízio do Opalão 6-cil -- um carro delicioso, cupê, zerado -- que ele usa pra ralar na cidade, então vamos no Uno Mille do empregado faz-tudo dele. Acontece que esse faz-tudo faz tudo diretinho, menos guiar, daí que logo me jogo no banco de trás e falo "Deus é grande" e boa.
Nessas o Uno chacoalha feito um carro-de-boi andando sobre escombros e, quando chego de volta, chego quebrado como se tivesse tomado uma coça de pauladas. Ainda não entendi como meu tio, que guia pracaramba, topa essa parada.
Daí que peguei um certo bode de Uno, coitado do Uno, carro que eu não guiava há mais de 15 anos.
Mas este fim de semana fui experimentar um Uno para o Rodolfo, o namorado da minha filha, e fomos até lá no Uno do pai dele. O Rodolfo, sangue italiano, guia muito bem. Suave e rápido, bem tranquilo. E não é que o Uno foi macio?
Voltei guiando o Uno. E não é que o Uno veio macio e andando direitinho? É um cabritinho, mas, ajeitando o bichinho, ele fica bem suportável.
Anos atrás fui com o Bob Sharp ao interior de São Paulo para um programa apetitoso: iríamos guiar duas recriações de Ferrari de corrida antigos. Um Testarossa 1958 e um GTO 1962. Ambos com mecânica original, motor V-12 -- o Testarossa com motor 3-litros de uns 300 cv e o GTO com motor 4-litros de uns 400 cv.
Pra mim, programa duplamente prazeroso, porque fora guiar esses carros eu iria de carona com o Bob, e gosto pracaramba de andar ao lado de quem sabe tocar direito a coisa, porque gosto de aprender e porque me dá satisfação ver que muitas coisas fazemos parecido. Tocada suave e consistente. Ritmo uniforme, constante. Nada de surpresas, nada de sustos, porque dirigir bem é prever e agir antecipadamente.
Fomos num Celta motor 1-litro, um carrinho que se bobear é ainda mais durinho que o Uno. O Bob foi e voltou guiando, e não é que fomos rápido pracaramba e maciozinho? Vapt-vupt, e a viagem de ida e volta não foi nada cansativa e cada curva foi um prazer.
Prefiro mil vezes viajar de Celta com o Bob que num "Mercedes Tudotudo" dirigido pelo empregado faz-tudo do meu tio.
Resumindo: o motorista é quase tudo num carro, e olhe lá se não tiro esse "quase" da frase.

55 comentários:

  1. Quando estou guiando, com quer que seja, faço minha tocada.

    Geralmente ando rápido e meu termômetro é sempre a reação dos passageiros.

    Se estão calmos posso andar em velocidade, se estão assustados vou mais devagar, mas isso "quase" nunca acontece.

    Um forte abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  2. AK, Bob,

    Vcs bem que podiam contar esta história aqui...

    MAO

    ResponderExcluir
  3. Mister Fórmula Finesse27/04/10 17:58

    Ai do genro se fosse um "mão pesada" né Arnaldo?...rs

    O motorista é tudo no carro, quanto pior a montaria, melhor a oportunidade de avaliar os dotes do cavaleiro.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito! Como eu gostaria de ensinar isso aos americanos.

    Nos USA, ao contrário do Scheidecker, nunca tive a oportunidade de ter um carro decente como ele. Como bem mostrado nesse post, quanto pior o carro melhor tem que ser o motorista.

    Mas os caras não entendem como consigo andar tão rápido com carros ruins. Acham que sou doido e vou me matar. Papo furado de quem não sabe dirigir!

    Comparando média com a média, eu diria que o motorista brasileiro é bem menos ruim do que o americano. Mesmo assim, há alguns ruins que realmente impressionam por conseguirem ser absurdamente toscos.

    Há um caso que eu nunca esqueço. Eu ia almoçar com um ex-professor meu, num restaurante num shopping em SP. Ele dirigia o seu Palio 1.0 EX. Até aí nada demais, não fosse o fato dele soltar o pedal de embreagem sempre "no tapa". A cada troca de marcha o carro se transformava num cabrito.

    Bom, se nem sequer mudanças de marcha o cara sabe fazer, não preciso nem dizer do resto! Sabe o pior de tudo? É que o cara dirige há 30 anos. PQP, como é que um cara consegue ser tão tosco por tanto tempo ninguém entende.

    Não preciso nem dizer que, nas próximas vezes em que fui almoçar com ele, fui dirigindo com meu carro. Tosquice tem limite!

    ResponderExcluir
  5. Boa Arnaldo!
    Contem ai essa história dos Ferrari também.

    abs,

    ResponderExcluir
  6. AK,

    Excelente o tema de seu texto - importante e merecedor de discussão.

    A indústria gananciosa conseguiu plantar na cabeça do cidadão médio o absurdo de que a segurança está no veículo, e não no condutor.

    O cidadão passa a vida trabalhando para trocar seu carro por outro cada vez maior, mais potente e com mais "airbags".

    E jamais sequer considera a hipótese de investir naquilo que poderia realmente aumentar sua segurança ao volante: um bom curso de pilotagem...

    Abraços,
    Fernando Silva

    ResponderExcluir
  7. Clésio Luiz27/04/10 21:50

    Quando o AK completar 47 anos ele será um sogro perigoso :-)

    Brincadeirinha...

    ResponderExcluir
  8. Dá uns toques para o empregado do seu tio, ninguém nasceu sabendo. Quando fiz autoescola, para mim era uma dificuldade enorme saber quando iria trocar as marchas, pois o Gol não tinha rpm e pelo ouvido não sabia ao certo o qual marcha deveria ter, não tinha sincronia com que acontecia com o carro.
    Quando comprei um Mille Flex continuei fazendo tudo errado, aí lí o manual direito e com pouco de paciência acabei pegando os macetes do carro.

    Aqui em casa sou o primeiro a dirigir, então não tinha uma alma para me auxiliar.

    ResponderExcluir
  9. O Marcelo levantou uma questão muito importane: como e onde aprender a dirigir muito bem?
    Dirigir bem não é uma tarefa trivial. Ao longo do tempo, nos habituamos e naturalmente passamos a dirigir bem porque somos entusiastas, então estamos sempre buscando dirigir melhor.
    Para os não entusiastas, só sobram os cursos, porém são muito caros!
    O que alguém, que quer melhorar mas não tem quem ensine, deve fazer?

    ResponderExcluir
  10. Sacanagem depois de ver essas fotos do Bob na Testarossa ler um texto sobre unos e celtas.... pra se redimir o AK agora vai ter que contar a história das ferraris! hehehe

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Ao contrário do amigo aí de cima eu acho que todo carro merece seu respeito.

    ResponderExcluir
  12. Quando o AK completar 47 anos ele será um sogro perigoso :-)

    Brincadeirinha..
    ahusuahsuah EU RI E MUITO! ahuhsu

    E Realmente o motorista faz o carro,
    Conta a historia das Ferraris ai!!

    ResponderExcluir
  13. É uma boa ideia um artigo com dicas de como guiar à lá Jackie Stewart.

    ResponderExcluir
  14. Leandro Silveira28/04/10 09:06

    o problema é q, no brasil ou vc aprende na prática, sozinho, ou vc ñ aprende, pq na auto-escola, vc só aprende a passar no exame e olhe lá....

    aprende a fzr balisa com aquelas marquinhas ridículkas nos vidros e td mais...

    auto escola é só prá passar no exame, assim como escola é só prá passar no vestibular... TÁ TUUUUDO ERRADO!!!!


    cursos d pilotagem, ou d direção defensiva ñ é em qq lugar q tem (moro no interior d sp a 220km da capital e ñ faço idéia d onde tenha um curso aqui por perto) e qdo tem é um preço absurdamente alto...

    ResponderExcluir
  15. O pior é que minha namorada dirige igual ao professor do bussoranga, não sei como não aprendeu depois de tantos anos. kkkkk

    ResponderExcluir
  16. Bem, eu aprendi sozinho, vendo os outros dirigindo e perguntando. Lembro até , do motorista do onibus que pegava todo dia pra ir pra escola que gostava de explicar o que fazia (to falando de quase 50 anos atrás gente, naquela época os motoristas de onibus eram educados e civilizados.
    Quando fui tirar a CNH, fiz 2 aulas, só pra saber o que tinha que mostrar pro examinador e foi tudo bem. De lá pra cá, só fiz melhorar (acho) já que ando forte sem ser irresponsável e evito "gastar" o carro. Só uso embreagem pra sair e vou só no tempo. Num outro carro que tive, meu meca fez uma aposta dizendo que as engrenagens do cambio deveriam estar moídas. Ele teve que trocar os rolamentos do cambio "de gratis" e fazer uma revisão completa . e acabou comprando o Uninho que está com ele até hoje.
    Penso que a maioria dos motoristas, não tem talento para usar - bem - a máquina. A chefa vai muito bem e dos 4 filhos só tem um ruim de roda. E bota ruim nisso. Não se entende de jeito nenhum com um carro mecanico. Mal e porcamente toca um automático geralmente quando vai pros States.
    ahahahaha
    Lá todos se nivelam por baixo.

    ResponderExcluir
  17. Não sei se vocês concordam, mas o transito está tão corrido e violento que até pra quem dirigem bem tá difícil,pois e maltorista cortando pela direita em entrada de curva,mudando de faixa como se estivesse indo do quarto pra sala de sua casa,avançando semáforo a luz do dia.
    A Auto Escola infelizmente não ensina o cidadão a ser educado e paciente, isso mesmo, no trânsito de hoje temos que ser pacientes,pois nem todos tem certa habilidade pra sair de situações inesperadas que venha a enfrentar.

    ResponderExcluir
  18. Acho que eu já falei isso por aqui... hoje em dia eu costumo dizer que "Dirigir bem é dirigir com elegância".

    Amigos mais novos ouviram esta frase e ironizaram, mais tarde na estrada (Dutra), comigo no piloto, obviamente, ao fazer algumas curvas, de modo totalmente responsável, eles ficaram um pouco apreensivos e lembraram logo da frase, então eu expliquei que dirigir com elegância não é dirigir devagar, é dirigir com atenção, bom senso, cortesia, respeito ao próximo... etc, etc, etc... eles entenderam a explicação e relaxaram com a questão da velocidade nas curvas, que estavam sendo feitas sem avisos de pneus, porém utilizando bem a pista vazia.

    ResponderExcluir
  19. Concordo com a galera !

    Como existem motoristas Ruins!..

    Moro na "beira " de uma rodovia e a uso todos os dias pra trabalhar ( por isso a conheço muito bem) e me divirto com os "pilotos" andando de GT´S, GSI, SS que ao se depararem com uma curvinha à toa ,"SOCAM" o pé no freio no meio dela.
    É aí que vem a divesão: Quando passo por eles com meu Corcelzinho II acelerando forte nas curvas eles ficam putos!!
    Depois que chegam as retas eles me "atropelam" feito loucos..
    Mas daí é covardia com meus 66 cavalinhos originais, né..?
    Muitos " pilotos " não têm idéia do que um carrinho velho ( em bom estado e dirigido com o mínimo de noção) pode fazer..

    ResponderExcluir
  20. Concordo com a galera !

    Como existem motoristas Ruins!..

    Moro na "beira " de uma rodovia e a uso todos os dias pra trabalhar ( por isso a conheço muito bem) e me divirto com os "pilotos" andando de GT´S, GSI, SS que ao se depararem com uma curvinha à toa ,"SOCAM" o pé no freio no meio dela.
    É aí que vem a divesão: Quando passo por eles com meu Corcelzinho II acelerando forte nas curvas eles ficam putos!!
    Depois que chegam as retas eles me "atropelam" feito loucos..
    Mas daí é covardia com meus 66 cavalinhos originais, né..?
    Muitos " pilotos " não têm idéia do que um carrinho velho ( em bom estado e dirigido com o mínimo de noção) pode fazer..

    ResponderExcluir
  21. Complementando o relato do DIZOLANI:

    ...qualquer é rápido em linha reta.

    Cheguei ao cúmulo de ver um playboyzinho chegando na faculdade com um Impreza WRX desses de último tipo. Um baita carro, excelente pra guiar, com certeza, mas na mão de um imbecil que nem deve saber o que é contra-esterço.

    ResponderExcluir
  22. Leandro Silveira28/04/10 13:23

    DIZOLANI... eu sei bem como vc se sente, moro numa cidade 12km sinuosos distante da cidade onde trabalho, tinha um fusca 1300 originalzinho e cansei d ultrapassar carros novos imensamente mais potentes com ele... era engraçado pq meu fusca tinha a lataria td amassada, descascada, ele era feio msm (porém com a mecânica impecável, daí era mto engraçado olhar prá kra dos outros motoristas enquanto eles estavam sendo ultrapassados por um fusca (aparentemente) caindo aos pedaços, imagino q deva ser assim q um dono d rat rod se sinta...rsrs

    agora tenho um gol 16v... ontem tava voltando prá minha cidade e tinha um 'super esportivíissimo' meriva ss na minha frente, se arrastando numa subida fortinha a 60km/h, acho q o 'moRtorista' nunca ouviu falar d redução d marcha em subida, onde consigo ir a razoáveis 80/90 km/h, subindo em quarta, dpois dessa subida, começa uma descida com várias curvas, só a primeira curva da descida é fechada, as outras apesar d relativamente longas, são abertas, então dá prá descer numa boa a uns 90. Pois o infame 'motorista'tava descendo a 55km/h chegava na curva ele SOCAVA o pé no freio, fzd as curvas a escandalosos 40 km/h!!!!! nem os bitrem cebolão (aqueles silos d cimento) descem tão devagar assim, fiquei estarrecido com isso...

    uma outra vez, fui d guarapuava-pr até itararé-sp, d carona, num uno mille com 4 pessoas, 1 cachorro e mta bagagem (férias da faculdade). O outro 'moRtorista' chegava no começo das subidas em quinta a 100 km/h e deixava a rotação cair d tal jeito q parecia q o motor ia morrer no meio da subida, e aquele moooonte d bitrens e rodotrens graneleiros (rota da soja e milho) empurrando o uninho na subida. Eu no banco d trás, fcava mtos vvezes a menos d meio metro do parachoque dos caminhões, q até sentia o calor dos faróis ('ganhamos' mtsss sinais d luz d caminhões carregados na subida, acreditem!!!) na nuca... bom prá encurtar a história, q já tô me prolongando d+, sei q em uns 350km, o kra só usou a 1,2,3,4 nas saídas d pedágio (era um uno mille electronic 1.0 e se ñ me engano ainda carburado, carregado até a boca, ou seja, ñ era o q ñ era um primor d desempenho por si só, ficou ainda pior carregado e com um 'moRtorista') o q nos rendeu mtas fechadas d caminhões e carros, seguidos por xingamentos aos motoristas, em especial aos caminhoneiros, foi AGONIANTE viajar daquele jeito!!!

    ResponderExcluir
  23. Leandro,
    Numa situação dessa, TOME o volante do cara, isto é mais perigoso do que parece, em todas as atividades existem os bons e maus profissionais, neste caso algum caminhoneiro poderia encurtar a história de vocês, sem crise de consciência.
    Abs

    ResponderExcluir
  24. O post me fez lembrar de um artigo do Bob no BCWS, aliás um de muitos, em que ele falava sobre a horripilante "ordenha de vaca".

    Pois bem, ele havia prometido fazer um vídeo mostrando como manipular o volante corretamente.

    Estou esperando até hoje por essa aula!

    ResponderExcluir
  25. O pessoal do Autoentusiastas precisa fazer um post sobre violência no trânsito. Sofri um atentado no trânsito, sem realizar provocação, onde fui atingido propositalmente por uma caminhonete várias vezes e claro, era escapou. Não posso dar mais detalhes pois claro, o caso está justiça pois pegamos a placa do criminoso e com ela, puxamos todos os dados e abrimos o B.O. etc., mas não tenho muitas esperanças.

    Acredito que pior do que um motorista ruim é um motorista violento, não daquele que realiza loucuras mas sim aquele que machuca propositalmente os outros. Infelizmente nessas horas não há fiscalização alguma.

    ResponderExcluir
  26. Leandro Silveira28/04/10 14:13

    pior é q eu ñ podia dirigir pois estava sem minha cnh (tava nos trâmites prá conseguí-la, mas fui reprovado por pura idiotice no aplicador da prova, pois parei a moto POUCO ANTES do 'pare', qdo td mundo q parou BEM DEPOIS do 'pare'vai entender, né,m quem sabe uma 'cervejinha' faria ele mudar d idéia, braziu ziu ziu)...

    ñ sei se vc conhece esse trecho (qdo isso ocorreu, gde parte era pista simples), d guarapuava até relógio tem muuuuuuitos caminhões q vão do oeste paranaense e paraguai em direção ao porto d paranaguá... d relógio até ponta grossa o trânsito é bem mais sossegado, d ponta grossa a piraí do sul trânsito intesivíssimo, mtos caminhões indo e voltando do centro oeste do país e norte do paraná em busca da paranaguá, d piraí até itararé, o trânsito é menor, mas as curvas fechadas e perigosas, mtas pontes com cabeceiras péssimas, tendo até inclusive um rio chamado rio das mortes onde a ponte ñ tinha proteção d ambos os lados, d tanto cair carro e caminhão (daí o nome do rio) e as constantes subidas e descidas tornam aquele trecho bastante perigoso... Nunca entendi o pq d existirem taaaaantas curvas q acabam ou começam numa ponte, no paraná... na serra da esperança, existem até algumas pontes curvas, vai saber, né...

    e isso aconteceu antes das férias d julho, ou seja, qdo a safra tá 'quente' ainda, e td mundo anda enlouquecidamente, os caminhoneiros prá cumprir o horário imposto pelos patrões e os carros prá acompanhar o ritmo...

    só nós q estávamos naquele carrinho empaçocado d coisa, bichos e gente, se arrastando e atrapalhando td mundo, tava me sentindo um passageiro do mr bean..rsrsrs

    e o mais engraçado, era sempre os OUTROS motoristas q tava fzd errado e o moRtorista q tava fzd o certo, q nem aquela piada do português q tava descendo a serra na via anchieta e ouviu no rádio q tinha um louco descendo a serra na contra mão e falou prá esposa 'como são burros, deram a notícia errado!! ñ é um louco, são vários e ñ tão descendo, tão subindo a serra' rsrsrs

    ResponderExcluir
  27. Leandro Silveira28/04/10 14:26

    tem um outro caso tbm (nossa, monopolizei a pg d comentários com meus 'causos'), tava d carona num celta d um amigo q reconhecidamente dirige mal, mas como era um sábado d tarde, ensolarado, sol nas costas, estrada vazia, deixamos ele dirigir prá pegar prática, enquanto eu e outro amigo dávamos dicas prá ele... estava a uns 100-110 km/h numa retona, VAZIA, qdo ele leu uma placa dizendo '5 km/h' naquelas entradas prá colocar balança móvel... e o q ele fez?!? enfiou o pé no freio do celta d tal forma q pensei ter ouvido o barulho do parachoque dianteiro esfolando no chão enquanto dava um grito apavorado 'puta merda, 5 km/h!!!!'....

    foi engraçado, só o outro amigo q tava no banco da frente ñ gostou mto, pois levou uma joelhada nos rins com a freada...rsrsrsrs

    esse kra do celta, dobra as esquinas 'ordenhando vaca' é desesperador, isso q já faz um bom tempo q ele dirige... rsrs

    ResponderExcluir
  28. Deve ser muito chique ordenhar volante, deve demorar uns 5segundos para controlar o carro mas fica na modinha. Vejo muita gente fazendo isso, e airbag é importante e tal mas para estas pessoas realmente é mais do que essencial.

    ResponderExcluir
  29. Vocês tem que abrir um curso de pilotagem, já até dei essa idéia :-)

    Eu também aprendi a dirigir "na marra", e só parei de ordenhar volante após o que li aqui. Descer ladeira na "banguela" também era prática comum, até entender pro a+b que é mais econômico descer engrenado.

    Mandem um post com esses cuidados básicos, e pensem na idéia do curso!

    ResponderExcluir
  30. Leandro, vc é muito engraçado cara... não conheço a estrada, mas fiquei com uma estranha vontade de passar por ela... sabe tipows... curtir filme de terror... kkk

    Marcelo, detalhe que o ordenhador pode quebrar o braço, caso o ABS seja acionado enquanto ele faz o " respectivo trabalho".

    ResponderExcluir
  31. Quem resolver abrir uma auto escola q ensine de verdade vai achar um bom negócio. Quantos pais endinheirados não se descabelam ao entregar um carro na mão dos filhos?

    É o pessoal com a mão "descansando" no câmbio e ordenhando o volante. Se achando os malandros. hahahahaha

    Concordo q quando o condutor é um entusiata e tem um carro menos confortável ele procura sanar os defeitos do carro. Eu que conduzo um Gol precisa fugir dos buracos sem dar aquelas guinadas.

    ResponderExcluir
  32. Um assunto meio off-topic, mas como foi comentado aqui acho que vale falar.

    Descer engrenado com um carro dotado de injeção eletrônica uma pista em declive nem sempre é mais econômico.

    Há muitas excessões.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  33. A economia não é tudo na vida.

    ResponderExcluir
  34. Arnaldo Keller28/04/10 17:55

    Puxa!
    Quantos comentários!
    Vou responder curto o que me cabe.
    Bom, fiz 47 anos há 6 anos. estou com 53 mas ainda dou meus coices.
    Eu conto a historinha dos Ferrari. Dá um tempo que conto, mas adianto que não rolou sangue.
    O Fabio fez um comentário que vale a taça do dia: "Dirigir bem é dirigir com elegância". Com esse ele matou a pau, resumindo a arte de dirigir.

    ResponderExcluir
  35. Arnaldo Keller28/04/10 18:06

    Fórmula Finesse,

    Sim e náo. Cavalo bem amestrado faz coisas do arco da velha, se o cavaleiro for bom. E só um bom cavaleiro, experiente, saberá dar as ordens corretas.

    ResponderExcluir
  36. Rafael Aun
    "Descer engrenado com um carro dotado de injeção eletrônica uma pista em declive nem sempre é mais econômico."

    Comente mais sobre isso, por favor! Eu não sabia disso!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  37. Na minha opinião dá para tirar o "quase" sem medo: um bom motorista dirige qualquer carro de forma correta, sem sobressaltos.

    Essa história dos Ferrari tem que sair sim! Se só de ouvir o ronco desse Testarossa num dos encontros de Águas de Lindóia eu já babei feito criança, imagine então dar uma volta num bólido desses...

    Sobre descer engrenado em declives, independente do consumo ser maior ou menor, essa é SEMPRE a forma mais segura. Além de perigoso, soltar o veículo na "banguela" em descidas danifica os rolamentos do câmbio a longo prazo, pois a lubrificação fica prejudicada nessa condição.

    ResponderExcluir
  38. Mister Fórmula Finesse28/04/10 21:00

    AK....eu e minhas metáforas, não entendo nada de cavalos, não sei nem montar nos benditos e olha que meu irmão já foi peão farroupilha, pura falta de talento mesmo!

    Abraço a você e ao estimado dedão, coloca ele rosnando ao lado do genro para ele manter a linha no volante.

    ResponderExcluir
  39. Aun,

    descer engrenado com carro com injeção aciona o cut-off, zero de combustível. Não tem como ser mais econômico que zero, não ensine errado.

    E, por favor, EXCEÇÃO é com Ç!!!

    ResponderExcluir
  40. Jambo e Anônimo,

    O Aun se refere à rotação de entrada do cut-off. Pra exemplificar vou usar valores:

    Ao descer uma boa ladeira a 40 km/h com a 2a. marcha engatada, o giro sobe e o motor "entende" que não precisa queimar nada pra se manter em movimento (o proprio peso do veículo dará conta disso), e há o cutoff (corte) de combustivel.

    Já ao descer um leve aclive, abaixo de 80km/h em 5a. marcha (valores dados apenas como exemplo), não há uma força resultante tão forte puxando o carro pra baixo como no 1o. exemplo. Nesse caso, o motor "entende" que se cortar a alimentação, morre, e portanto não há cutoff, havendo portanto um consumo (mínimo, mas real) de combustível.

    O cutoff é determinado pelo vácuo no coletor de admissão e pela rpm do motor, sendo naturalmente influenciado pela relação de marcha e programação da injeção eletrônica do carro.

    Nos casos acima, é possível na 1a ladeira "enganar" o cutoff descendo a ladeira de 5a marcha, ou em marcha lenta (obviamente sem uso de freio motor)... Na 2a situação, é possíve provocar "de propósito" o acionamento do cutoff, jogando 4a. ou 3a. marcha (acionando o freio motor).

    []'s!

    ResponderExcluir
  41. Poxa, que legal que ainda existe gente que percebeu que nem sempre o cut-off é a situação de máxima economia de combustível.

    Fiquei mesmo surpreso, pois desde que o Bob Sharp começou a difundir este conceito de que cut-off é a máxima economia, ficou difícil provar que isso não é verdade (pois todos sempre dão ouvidos a ele, o que geralmente é louvável).

    Tudo é uma questão de balanço de energia. Vamos supor que voce pretende manter uma velocidade constante numa viagem, e de repente entra numa descida. Se esta for muito leve, ao usar o cut-off o carro vai perder velocidade. Portanto, voce vai pressionar o acelerador e o motor vai desenvolver alguma potência. Até aí nada demais.

    Se a descida for íngreme, voce vai usar o cut-off, e o motor operará como um freio. Se a descida for MUITO íngreme, o freio-motor será insuficiente e voce terá que pressionar levemente o pedal de freio para manter a velocidade.

    Se a descida for leve, mas não tão leve como no primeiro caso, ao usar o cut-off o motor opera como freio, e vai fazer com que o carro perca velocidade. Mas voce não quer perder velocidade, voce quer andar com velocidade constante! Então voce pressiona levemente o acelerador, e o motor desenvolve a tal potência necessária para evitar a perda de velocidade.

    O que voce fez nesta situação? Simplesmente gastou combustível para evitar que o motor freiasse o carro. Ora, se é assim, que tal apenas desacoplar o motor, colocando o câmbio em neutro (ponto-morto)? Assim o carro pode continuar com velocidade constante (ou seja, trata-se de uma inclinação bem particular) e tudo que voce gasta é combustível apenas para o motor manter-se em marcha-lenta, o que é sempre muito menor do que qualquer outra condição que requeira que o acelerador esteja pressionado, por menor que seja essa pressão sobre o mesmo.

    Essa situação de descida leve em que o freio-motor seria excessivo é mais comum do que parece. É ruim descer desengrenado? Depende. Se a descida não for curvilínea, não há problema.

    Alguém disse que descer desengrenado prejudica o câmbio por falta de lubrificação. Não consigo entender qual seria uma possível justificativa técnica para um conceito tão FURADO! Em qualquer câmbio manual, todas as árvores de engrenagem estão sempre girando, eu disse TODAS, independente de haver marcha engatada ou não. A única condição em que isso não ocorre é com o carro estacionado E motor desligado.

    ResponderExcluir
  42. bussoranga, dois motivos para não se andar no neutro:
    1- é proibído por lei
    2- é arriscado, se por algum motivo o motor apagar e o carro estiver no neutro, esqueça qualquer chance de frear, pois a assistência do vácuo já era.

    abs,

    ResponderExcluir
  43. O Bussoranga explicou exatamente o que queria dizer.

    Gostaria apenas de complementar que essa situação é mais encontrada nos motores de 01 litro.

    A relação da quinta marcha geralmente é curta para seja possível andar à constantes 100 km/h, principalmente em aclives.

    Para comprovar isso basta ver o conta-giros. Nesta velocidade o motor "mil" trabalha em 3.800, 4.000 RPM.

    Com este giro, em um declive, fica impossível não acelerar para se manter em velocidade constante. O Bussoranga explicou muito bem isso.

    Há outros tipos de carros mais de maior cilindrada que possuem esta característica de câmbios curtos.

    Se procurarem, no BCWS existe uma lista completa de modelos que trabalham com RPM altas em última marcha. Não encontrei o link para postar.

    Sobre a situação que o Transeunte colocou, essa para mim é uma interessante novidade, obrigado.

    Jambo, acho que apareceram novidades que eu também não conhecia.

    Anônimo, quando se identificar eu aprendo a escrever, ok?

    Um forte abraço aos amigos,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  44. Milton,

    1 - Bem lembrado, mas quase impossível de ser fiscalizado.

    2 - Outro mito. Se o motor morrer existe uma reserva de vácuo para estas situações.

    Você sabe que é possível frear algumas vezes antes que termine a assistência do servo-freio.

    E mesmo que termine, com muito (muito mesmo) pode se fazer as rodas até travarem usando apenas o sistema hidráulico.

    Para ficar sem freio só por alguma anomalia no sistema hidráulico, claro, falando apenas de veículos leves.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  45. Aun,

    Se o motor apaga e não está engatado, ele pára de girar e não gera mais vácuo, Não existe reservatório de vácuo, apenas o que está na linha, que só serve para os primeiros momentos do pedal sendo pressionado.

    Não tente parar um carro a 80 km/h só na força da perna. O sistema é dimensionado para contar com a ajuda da assistência. Sem ela, esquece.

    ResponderExcluir
  46. Todo carro com injeção possui cut-off? Mesmo aqueles mais antigos com injeção monoponto como, por exemplo, o Kadett do post acima?

    ResponderExcluir
  47. Só por curiosidade mostrei essa discussão aqui para o pessoal do trabalho. 15 pessoas viram, e os comentários eram sempre "Pegar no volante assim é ruim?", "Descer ladeira engrenado?" etc, etc. Me senti um especialista explicando prós e contras, e isso com meu conhecimento limitado.
    Aproveitando a crista da onda, a grosso modo é correto entender que a economia na descida só é sentida quando o motor age freando?

    ResponderExcluir
  48. Rafael, se o carro está em movimento, com marcha engatada, sem nenhum acionamento no pedal de acelerador, ele vai estar em cut-off, tanto se o carro estiver acelerando (descida forte), em velocidade constante (descida pequena), ou freando (plano).
    abs,

    ResponderExcluir
  49. Milton,

    Entramos em uma dízima periódica. Não vamos nos convencer da opnião alheia.

    Só para retificar, em nenhum momento disse "reservatório de vácuo" e sim, reserva, sim do que sobra sistema como você mesmo comentou.

    E também digo que é possível frear sem a assistência do servo-freio. Sem ele fica difícil, muito difícil, mas não deixa os freios inoperantes!

    Resumindo, andar na banguela é muito arriscado como você mesmo disse, além de ser ilegal. Não vale a pena, mesmo pela economia. Concordo parcialmente com você.

    Deve ser usado somente em emergências, como por exemplo: um motor que está prestes a quebrar em uma estrada sem assistência.

    Usa-se a banguela até que chegue em um local mais seguro. É arriscado, claro que sim, mas melhor que ficar a pé no meio do nada.

    Certa vez em uma pequena estrada de terra no interior do RS, acertei por acidente uma pedra e o cárter de alumínio quebrou despejando todo o óleo.

    Estava a 300km de casa, domingo, com minha esposa grávida no meio do nada. Em uma borracharia encontrei uma camara de ar de caminhão, que foi colocada embaixo do motor formando uma bolsa.

    Comprei e coloquei óleo até dar nível e usando o neutro nas descida, pude poupar o motor até quase chegar no destino. Por muito pouco não cheguei em casa.

    Era uma emergência. Não havia guincho, hotel, õnibus, nada. Não estava preocupado com danos mecênicos ao motor. Apenas queria chegar em um local seguro andando de forma segura. Cheguamos , usando a banguela.

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  50. Arnaldo,

    Sinto-me lisonjeado com o seu retorno sobre o meu comentário, só não posso assumir a autoria desta frase que costumo passar adiante. Não sei dizer se obtive esta conclusão lendo um post seu ou se foi conversando com o meu pai, algo que eu fazia desde o tempo que eu ficava com a cabeça entre os bancos dianteiros de seu Gol BX... rs*... pedindo para ele... "Pai, atrapassa pai!

    Abs

    ResponderExcluir
  51. Arnaldo Keller29/04/10 22:07

    Fabio,

    Elegância, sem janotices, abre portas, abre sorrisos, conquista corações. Ser elegante é ser educado, é preocupar-se com o bem estar das pessoas com que convivemos.
    Apesar dos estúpidos estarem achando que a estupidez está na moda, já que ela está sendo a marca dos que estão mandando no país ultimamente, ela vale a pena, sim, e pra tudo na vida.
    Continue assim que o mundo lhe agradecerá por isso. Se não o mundo, você mesmo, porque elegância faz bem pra saúde.

    ResponderExcluir
  52. Não conhecia essas Ferraris Arnaldo!

    abraço! Fernnado Gennaro

    ResponderExcluir
  53. Rafael, isso me lembra quando eu trabalhava em uma empresa que ficava no alto de um morro. Eu sempre descia só no cutoff, com o motor na faixa dos 3000rpm, fazia a descida inteira sem precisar frear e ao mesmo tempo em velocidade segura pois era uma área urbana.
    Um dia dei carona ao meu chefe e ele virou pra mim no meio da descida: pq não coloca na banguela? Pra que descer assim? Como eu não estava muito afim de explicar, só falei pra ele que assim não gasta combustivel. Ele começou a rir e fazer piadas... eu só perguntei pra ele: vc sabe como funciona um sistema de injeção eletrônica? Ja ouviu falar de cutoff?
    Infelizmente chefe acha que sempre está com a razão, ignorância é uma desgraça mesmo... ainda bem que não trabalho mais para ele!

    ResponderExcluir
  54. Fla3D,

    Como vc mesmo falou... o cara é chefe, termo considerado negativo atualmente... se ele fosse líder, ele ouviria a sua explicação e aprenderia com isso.

    Abs

    ResponderExcluir
  55. Rômulo Rostand08/03/11 01:39

    Sobre o cutoff;
    Só lembrando que tem uma rotação mínima para ser ativado, em geral, acima de 1200 rpm e na situação já descrita: pé fora do acelerador.
    Quanto a questão de nem sempre se ter maior economia com o carro engrenado em descidas. É lógico que sim. Mas, as situações em que ocorrerá maior economia em ponto-morto serão raras, quase uma exceção a regra. E deve-se levar em conta que a vantagem entre se descer na banguela e engrenado com abertura mínima do acelerador, apenas para manter a velocidade constante, será irrisória. Indicando que a economia obtida nessas situações representará muito pouco no computo total da viagem.
    A lógica diz e a experiência me confirma, que a diferença entre a inclinição necessária para manter a velocidade constante em ponto-morto e outra que mantenha velocidade com o carro engrenado é bem pequena. Deixando claro que a potência que o motor terá que gerar para neutralizar a desaceleração com o carro engrenado, numa descida com inclinação suficiente para manter a velocidade na "banguela", será também muito baixa. Idem o consumo de combustível. Quanto a segurança, a diferença é sensível, em favor do carro engrenado, pelos motivos já muito bem expostos pelo Milton Belli.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...