17 de setembro de 2010

PASSAT: OPÇÕES


Propaganda do VW Passat, década de 70. Reparem nas cores, e nas carrocerias e versões disponíveis. Por que agora é tudo cinza e sem variação???

MAO

50 comentários:

  1. Não acho que tudo agora é sem variação. De modo geral, versões de acabamento e variação de carroceria permanecem. Gritante mesmo, é esta coisa do preto e do prata, no caso do prata, com algumas variações de tonalidade. Ah, tem os interiores também. Antigamente eram comuns os interiores variando do bege ao marrom, azul claro, azul escuro, vinho, e claro, já havia o preto, totalmente sem graça.
    Mr. Car.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Augusto17/09/10 01:20

    Será que essa variação durou muito tempo?

    Digo isso porque não viamos mais que os duas ou três portas nas ruas.

    Acho que é o mercado quem dá as ordens.

    ResponderExcluir
  3. Ok, tenho 23 anos, mas tem Passat aí que eu vi uma vez na vida só! Outra coisa... a carroceria varia, mas a roda é a mesma para as versões de base, esportiva e executiva né? haha Agora, de fato, a dominância do prata e do preto é de uma monotonia de irritar...

    ResponderExcluir
  4. Quando saio para trabalhar aqui no ABC me sinto em um filme dos 3 Patetas...Tudo preto, branco e cinza. E infelizmente concordo com o anonimo, existem variaçoes sim: cinza, cinza claro, cinza escuro, cinza prata, cinza lua, cinza cinza...um saco.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. grande carro!

    ResponderExcluir
  7. Interessante perceber que nessa época as propagandas se dedicavam mais às características do veículo.

    Hoje é uma coisa de tentar agregar valor ao status do carro ou então falar de preço como se comprar carro fosse como comprar melancias.

    ResponderExcluir
  8. O problema das cores é custo imposto pelas montadoras ... quem é mais velho vai se lembrar do "congelamento de preços" ocorrido em 1986 ... naquela época, todos os fabricantes, de qualquer coisa, encontraram uma forma de aumentar o preço final do produto ... as montadoras, começaram a cobrar, separadamente, frete, acessórios, etc, e a cor do veículo ... atualmente, as montadoras disponibilizam e tipos de pinturas: sólidas (sem custo adicional - geralmente o preto, branco e cinza); metálicas (acréscimo no preço final - o consumidor tem mais cores disponíveis) e perolizadas (mais acréscimo no preço final - mais cores disponíveis) ... na realidade, a "culpa" de ter carros preto, branco e cinza, é o fato destes carros custarem menos, do que com outras cores ... já os passats .... como este anúncio é antigo, logicamente faltou o melhor de todos - o POINTER GTS ...

    ResponderExcluir
  9. Marketing...

    Benção e desgraça.

    Tenho um conhecido que trabalha na engenharia da VW. E escutando uma história ou outra, dá para perceber o quanto eles são tolhidos pelo Mkt.

    Até soluções para Kombi poder transpor valetas "de lado" sem quebrar já existe desenvolvido há anos, segundo ele. E pq não usam? Pq o tal do mkt diz: Pq quem compra o produto compra inclusive com esses defeitos/limitações. Pra quê investir por um "motivo pífio"? Engaveta o projeto.

    Por causa do mkt até hoje o "pão pullman germânico" não saiu de linha. E só usa outro motor, por normas de emissões de poluentes. Caso contrário, estaria lá o velho boxer a ar...

    Curioso é entender quem veio primeiro: O gosto do freguês ou o tal do mkt?

    Complicado.

    ResponderExcluir
  10. O problema não é só o custo, é que brasileiro compra carro já pensando na hora de vender. Logo acaba "aceitando" comprar uma cor neutra pois vai ter mais opções de compradores do que se pegar uma cor "exotica" como amarelo por exemplo, onde o comprador alem de gostar do carro vai ter que gostar da mesma cor e forma um circulo vicioso.

    ResponderExcluir
  11. Mister Fórmula Finesse17/09/10 09:14

    É triste o negócio hoje; esses dias passei em uma agência Citröen e quase desmaiei quando vi um C4 vermelho vivo. Que carro bonito, sub valorizado com as eternas matizes preto e prata, cores na qual a marca francesa é pródiga, pois só existem essas na vitrine.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Mister Fórmula Finesse,
    O vermelho do C4 é a cor perfeita para o carro. Dá a impressão que desde os primeiros desenhos no design já pensavam nessa cor. Tanto o Coupe quanto o Hatchback. Perfeito.

    Uma vez um amigo pediu opinião sobre a cor de um New Beetle que ia comprar. Ele ficou espantado quando disse qualquer uma exceto cinza ou prata! Esse é o tipo de carro que pede cor especial...

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Mister Fórmula Finesse17/09/10 11:12

    Concordo Rodrigo; um C4 vermelho lembra os estágios mais loucos do rally, lembra sofisticação e o máximo de valorização das linhas pouco convencionais da carroceria. lembra....finesse.

    MAO: essas publicidades antigas são maravilhosas e surpreendentes.

    A "chamada" do Galaxie 500 que resgatei na Quatro Rodas começava assim:" ...Todos sabem que imagem perante a sociedade é tudo".

    Imaginem isso sendo escrito hoje, publicitários cometeriam Seppuku com seus óculos de moldura colorida...

    ResponderExcluir
  18. Túnel do tempo, hei! O passat 4 portas vendia nos anos 70 pouco porque, para reduzir custos, a VW inventou que "brasileiro não gosta de 4p", na verdade essa versão só existia para exportação e só sobreviveu até 1987 graças ao contrato da Volks com a Petrobras e com o Iraque. Agora, o Passat 2p (LS e TS) tinha grandes vantagens sobre as outras versões da propaganda: além de mais bonito, era menos barulhento (menos portas, menos fonte de ruído), o plástico dos painéis era péssimo, não havia tecnologia para fabricar rodas de alumínio, por isso todos usavam de ferro, eram outros tempos.

    Bob Sharp, qual seria a potência real desse TS, anuciado aí como 96 SAE?

    ResponderExcluir
  19. Túnel do tempo, hei! O passat 4 portas vendia nos anos 70 pouco porque, para reduzir custos, a VW inventou que "brasileiro não gosta de 4p", na verdade essa versão só existia para exportação e só sobreviveu até 1987 graças ao contrato da Volks com a Petrobras e com o Iraque. Agora, o Passat 2p (LS e TS) tinha grandes vantagens sobre as outras versões da propaganda: além de mais bonito, era menos barulhento (menos portas, menos fonte de ruído), o plástico dos painéis era péssimo, não havia tecnologia para fabricar rodas de alumínio, por isso todos usavam de ferro, eram outros tempos.

    Bob Sharp, qual seria a potência real desse TS, anuciado aí como 96 SAE?

    ResponderExcluir
  20. Não era coisa da VW, o mercado brasileiro na década de 70 rejeitava os 4 portas, que eram vistos como "carros pra táxi". Não era só o Passat, mas também o Corcel, Maverick, Opala, Dodge, TL e o "Zé do Caixão" que nunca foram bons de mercado nas suas versões 4 portas. Fui entender essa "preferência" ao alugar um Neon em Miami sem vidros nem travas elétricas, é um inferno checar todas as portas ao trancar o carro, 2p nesse ponto fica mais prático. Uma vez meu pai tava pra comprar um Passat 4p (eu curtia a ideia de ter uma porta só pra mim, eheheh) e desistiu após andar de carona num Passat 4p de um amigo e perceber a preocupação dele se todos os vidros estavam fechados e se todas as portas estavam travadas. Nos anos 80, com a popularização dos vidros e travas elétricas que começou no Del Rey Ouro, o problema foi resolvido e o brasileiro pode ser render à praticidade das 4 portas.

    ResponderExcluir
  21. Não era coisa da VW, o mercado brasileiro na década de 70 rejeitava os 4 portas, que eram vistos como "carros pra táxi". Não era só o Passat, mas também o Corcel, Maverick, Opala, Dodge, TL e o "Zé do Caixão" que nunca foram bons de mercado nas suas versões 4 portas. Fui entender essa "preferência" ao alugar um Neon em Miami sem vidros nem travas elétricas, é um inferno checar todas as portas ao trancar o carro, 2p nesse ponto fica mais prático. Uma vez meu pai tava pra comprar um Passat 4p (eu curtia a ideia de ter uma porta só pra mim, eheheh) e desistiu após andar de carona num Passat 4p de um amigo e perceber a preocupação dele se todos os vidros estavam fechados e se todas as portas estavam travadas. Nos anos 80, com a popularização dos vidros e travas elétricas que começou no Del Rey Ouro, o problema foi resolvido e o brasileiro pode ser render à praticidade das 4 portas.

    ResponderExcluir
  22. Eduardo Chiavaloni, falando em Kombi, só fico pensando o furacão que deve estar sendo na VW pensar em um veículo para substitui-la. Depois de tantas décadas fazendo pouco ou nada no veículo, a impossibilidade de fazer com que passe nos testes de colisão ou ter airbag e ABS talvez façam aquilo que a VW diz que o mercado não exige.
    Em todo caso, é de se perguntar de quanto será na prática o preju da VWB por não ter seguido as mudanças de geração que a Kombi teve no resto do mundo. Afinal, atualmente a Kombi é inexportável (o México a substituiu pela T4, que a posteriori o foi pela T5, só para ficarmos em um exemplo) e compartilha no máximo o EA-111 com o resto da linha (enquanto uma T5 compartilha o 2.0 TDI biturbo com a Amarok, Amarok essa que compartilha sem problemas outros componentes com a Crafter). Como descascarão esse abacaxi é algo a se saber...

    ResponderExcluir
  23. Em 97/98 do lançamento do Palio ,um frances entra na revenda Mais e reclama do absurdo de cobrarem pela pintura , emendou" então eu quero um carro sem pintura"a margem do revendedor é tão pequena que são obrigados a apelar por estes expedientes e ainda dizem que a culpa é do "imposto do governo"ganham na escala de produção ,lucram por unidade tem isenção fiscal que não repassam ao consumidor final e ainda não oferecem opções de acabamento e motorização, cores, que venham os coreanos e chineses...

    ResponderExcluir
  24. Francisco V.G.17/09/10 12:38

    MAO
    A carroceria era a mesma, só mudavam o número de portas (duas, três e quatro) e os motores(1,5 e 1,6), conforme versão. Pelo que eu me lembro, esse é o catálogo da linha 78. Interessante era a versão de três portas, uma clara tentativa de suprir a falta de uma perua. Um vizinho meu tinha dois desses e faziam uma barulheira danada, parecia que iam desmontar por dentro, mas eram carros valentes.
    Henrique
    As rodas em aço de aro 13" eram as mesmas, não os pneus. O LSE e o TS usavam 175/70 e os demais 155/80.

    ResponderExcluir
  25. O LSE era praticamente um TS 4 portas. Na época esportivo de verdade tinha que ser duas portas e "."

    ResponderExcluir
  26. qual a diferença entre o 2 portas e o 3 portas?

    ResponderExcluir
  27. A diferenca entre o 2 e 3 portas estava basicamente na forma de se abrir o porta malas . O 3 porta era um verdadeiro hatch com maior facilidade de acesso a bagagem e maior porta malas ...
    O anuncio se refere a linha Passat 1977 , ano em que o TS saiu com aquelas faixas largas em baixo das portas...
    Quando crianca me lembro que meu pai teve um TS na cor bege aquelas faixas laterais pretas ( parecia uma fita isolante) ia com o tempo se descolando .. No interior havia contagiros e um belo volante esportivo (porem muito grande).
    Dizem que na epoca esse carro, apesar de menos potente, dava "muito trabalho" para os Opalas 250-s , Mavericks V8 e os Dodges... e os Alfas 2300 (os reis das estradas ate entao )
    Nao sei se algum leitor vivenciou como motorista esses tempos e poderia dar sua opiniao...
    Acho um icone esse Passat TS , bem como os ultimos Pointers 88/89 , e adoraria ter um desses ...
    Abracos

    ResponderExcluir
  28. Ah! Muleque!17/09/10 14:54

    Qu bonito íosso!

    ResponderExcluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. A fabricação de carros é um dos mercados mais competitivos do planeta, se não for mais difícil, especializado e vultuoso.
    As fábricas fazem exatamente o q o consumidor quer, gastam fortunas em pesquisas porque os investimentos são tão altos que buscam reduzir ao máximo a possibilidade de perdas.
    O lucro é grande quando os carros vendem bem... Mas os prejuízos são proporcionalmente muito maiores quando há encalhes.
    Portanto quando o público quiser carros coloridos novamente, as fábricas o farão!

    ResponderExcluir
  31. Lawrence,
    Concordo em parte. Cor depende muito do momento econômico do país, moda e outros diversos fatores que geralmente são chamados de humor social.

    Porém a indústria também cria tendências. Os SUVs são uma tendência criada por n fatores e as pessoas passam a crer que de fato precisam deles.

    A história do Soichiro Honda (fundador da Honda) explica em boa parte esse jogo consumidor x industrial. Vale uma lida no livro biografia dele.

    ResponderExcluir
  32. Lawrence,
    Concordo em parte. Cor depende muito do momento econômico do país, moda e outros diversos fatores que geralmente são chamados de humor social.

    Porém a indústria também cria tendências. Os SUVs são uma tendência criada por n fatores e as pessoas passam a crer que de fato precisam deles.

    A história do Soichiro Honda (fundador da Honda) explica em boa parte esse jogo consumidor x industrial. Vale uma lida no livro biografia dele.

    ResponderExcluir
  33. Lawrence,
    Concordo em parte. Cor depende muito do momento econômico do país, moda e outros diversos fatores que geralmente são chamados de humor social.

    Porém a indústria também cria tendências. Os SUVs são uma tendência criada por n fatores e as pessoas passam a crer que de fato precisam deles.

    A história do Soichiro Honda (fundador da Honda) explica em boa parte esse jogo consumidor x industrial. Vale uma lida no livro biografia dele.

    ResponderExcluir
  34. Lawrence,
    Concordo em parte. Cor depende muito do momento econômico do país, moda e outros diversos fatores que geralmente são chamados de humor social.

    Porém a indústria também cria tendências. Os SUVs são uma tendência criada por n fatores e as pessoas passam a crer que de fato precisam deles.

    A história do Soichiro Honda (fundador da Honda) explica em boa parte esse jogo consumidor x industrial. Vale uma lida no livro biografia dele.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Rodrigo, valeu a dica literária; assim q puder vou ler esse livro; deve ser muiiiito interessante!

    ResponderExcluir
  37. Rodrigo, respeito mas discordo diametralmente com relação as SUVs.
    As SUVs são um fenômeno do mercado Norte-Americano, correto?

    Nesse país, tudo é exagerado. Uma família de 4 pessoas normalmente mora em casa gigantescas para os padrões brasileiros por exemplo e nenhuma indústria ou designer os “obrigou” a isso; é um fenômeno econômico-social-cultural.

    A SUV reflete esse vigor econômico e quanto mais se consome, mais riqueza é gerada e por aí vai...

    O aumento do tamanho do carro, passando dos tradicionais sedans e peruas passando pelas mini-vans e chegando nas SUVs reflete tudo isso. Lembre-se que na maioria dos EUA neva aonde tamanho e tração 4x4 é sim documento! É um País com um interior muito desenvolvido e por aí vai!

    Outro fator; nos EUA o carro mais vendido é a muitos anos são as Pick-ups full size; nada mais natural que versões "familiares" desses monstros para os padrões brasileiros fizessem sucesso.

    Para mim o fenômeno SUV é uma resposta da indústria ao desejo de mais conforto nas grandes pick-ups americanas que faziam bonito no dia-a-dia mas pecavam no conforto e espaço interno; as minivans fizeram sucesso em primeiro lugar e portanto foram a primeira resposta da industria com a Chrysler ao clamor do público por espaço interno e conforto e “patinaram” na neve.

    Sinceramente? Só vejo a indústria automotiva criar tendências no mercado high-end e de luxo como por exemplo a "moda" dos coupês 4 portas ou nos urbanos premium. Sempre em mercados restritos; mas aonde o consumidor tem um poder aquisitivo muito mais elevado e pode bancar tudo isso.

    A grande massa que compra a maioria dos carros na base da pirâmide de consumo, especialmente no Brasil, não pode se dar a esses luxos. Precisa de produtos práticos, baratos, funcionais e com valor/rapidez na revenda.

    E ainda quer levar o carro na hora. quem quer ficar esperando 15 dias por uma determinada cor chegar?

    Se tiver estilo diferenciado, for mais bonito e tal; melhor claro; mas esse não é o principal fator levado em consideração na hora da compra.

    Grandes montadoras tentaram “impor” tendências por aqui falharam retumbantemente...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  38. Lawrence,

    Tem razão, tinha me esquecido dos ianques... mas muito dos SUV ao redor do mundo é puro psicológico também.

    Quanto ao que falou sobre carros de massa, sobre carro barato, é tudo que não temos no Brasil.

    São funcionais, revenda e tal. Mas barato não mesmo. Mini Cooper na europa sai mais em conta pra eles do que Celta pra gente...

    ResponderExcluir
  39. Rodrigo, as SUVs são automóveis incríveis mas você paga por todas as qualidades, quem não queria uma? Quem não quiser pode deixar aqui em casa!!! Nem cobro nada! KKKK

    Os nossos "populares" são os carros mais baratos que temos!

    E mesmo caros assim, no início do ano ainda com a redução de IPI, e ainda muito caros, tinha que sair no tapa para comprar um.

    Meu irmão comprou um popular prata 4 portas no início do ano; simplesmente não tinha muita opção. Nem test drive ele conseguiu fazer quando pesquisava a compra.

    Teve que levar o q tinha e ainda agradecer pq se não nem isso.

    Com essa carga tributária brutal o q podemos fazer? É isso, comprar celta e sonhar com mini... Abraço!

    ResponderExcluir
  40. Na verdade, os pickups tornaram-se campeões de venda nos EUA por um motivo fácil de entender.
    Na década de 1970, o Governo federal norteamericano implementou uma tal "economia média de combustível da frota" (Corporate Average Fuel Economy, mais conhecida pela sigla CAFE). Essa norma dizia que os carros vendidos por cada fabricante deveriam fazer, na média, um determinado número de milhas por galão durante o ano. Quem quisesse comprar um carro menos econômico, com consumo superior à média, seria penalizado na boca do caixa com a gas guzzler tax, um "imposto do bebedor de gasolina" acrescido ao preço de varejo.
    Como essa estória resultou em motores ainda mais amordaçados do que já eram com os equipamentos obrigatórios antipoluição, os americanos logo se lembraram de que os veículos classificados como trucks não estavam sujeitos à CAFE. Vai daí...

    ResponderExcluir
  41. As fabricas fazem, e o povo Compra... se o público não comprar as fábricas não vai impor a sua vontade.

    Que é mais prático para as montadoras ninguém duvida, mas o povo quer isso...

    Outro dia vi na rua uma Ferrari Prata... baita falta de gosto... vai me dizer que a Ferrari impôs isso ao comprador? ou o sujeito(a) comprou por que quis.

    ResponderExcluir
  42. Muito interessante Alexandre, tinha escutado falar dessa taxa mas o esquecimento era completo! Mais um fator a favor desses monstros...
    Quando vejo uma pick-up full-size na rua quase levo um susto...

    Mas mesmo com esse incentivo as trucks, um pequeno carro com 4 cilindros custaria menos ou não?

    Sinceramente, americano gosta de carro grande! Gosta de viajar por aí, acampar, pescar, sempre levando a família, todos os apetrechos e confortos; quem não gosta?

    Sem contar a neve que deve ser atrapalhar um bocado os carros menores.

    É um País com interior forte, morar fora dos grandes centros não significa ser pobre, muito pelo contrário.

    Eu acompanho o American Chopper... Pai e filho mesmo em pé de guerra andam de Pick-up full size quando não estão nas motos. Ambos ricos, poderiam muito bem comprar o carro q bem entendessem... Contratar empregados para levar o q quer q fosse... Alguém já viu a "casinha" deles? Só palácio e eles continuam com suas pickp-ups.

    Podendo, os americanos compram mesmo o maior, mais potente e confortável que puderem! É isso q percebo daqui.

    ResponderExcluir
  43. Lawrence,
    Voce tem uma visão perfeita do nosso mercado. É triste tudo isso, mas acredito que o problema seja cultural. Veja as ações de marketing nos EUA e na Europa. São opostas. O consumidor europeu tem mais cultura. Aqui na Terra Brasilis, vivemos a influência da cultura norte-americana. Todos os dias eu optando por me locomover de bike ou scooter vejo "peruas" sozinhas pilotando Tucsons, Merivas e todas essas coisas horrorosas. Se é social, cultural, é uma estratégia de marketing das empresas, mas no fundo é a falta de bom gosto, ou dificuldade para interagir com o modo de transporte escolhido. A sensação de "poderoso(a)" em um carro alto, reforça uma falsa sensação de superioridade ou segurança" mas é uma ferramenta de vendas. É uma pena que essa falta de cultura automobilística esteja presente nessa nossa sociedade.
    Abração
    Luiz

    ResponderExcluir
  44. É verdade Luiz, mas alguns processos são irreversíveis a curto prazo. Pergunte para o Rodrigo sobre esse o desejo de superioridade sobre 4 rodas, ele é mais escolado que eu nessa parte! Rs

    Mas via de regra o "ser humano" modifica tudo que pode ao seu redor para compensar as suas deficiências; as evidentes e as não tão visíveis assim.

    Algumas "necessidades" são instintivas, vou dar um exemplo. Quanto mais alto, mais longe vc enxerga; certo? Melhor "caçamos" e nos "defendemos" na natureza; Então naturalmente as pessoas vão se sentir melhor e menos ameaçadas desse jeito.

    Esse é um dos fatores principais em favor desses carros mais altos. Espaço, conforto, visibilidade privilegiada. Quem não quer? Faz parte! Em sua maioria quem pode se dá a esse luxo.

    Mas não acho que seja por falta de educação que uma pessoa compra uma SUV, mas acho falta de educação quando estacionam em fila dupla, na calçada, na faixa de pedestres, etc... Apenas esses problemas se agravam devido ao tamanho maior desses veículos.

    O melhor que podemos fazer é tentar conviver da melhor maneira possível. Tem outro jeito?

    Em Amsterdan e outras grandes cidades da Holanda o meio de transporte preferido é a bicicleta; não cai pedaço de ninguém com o agravante do frio extremo no inverno.

    Como vc mencionou, é outra cultura, outro governo, outros impostos; ter carro e estacionar nessas cidades é caríssimo; se não me engano custa 100 reais para ficar um dia estacionado, e vai ficar mais caro ainda...

    Mas eu acredito que aos poucos o brasileiro vai evoluir culturalmente; graças a internet cada vez mais presente; pq se dependesse dos governos... Também vamos ser cada vez mais vigiados...

    Aí independente do tipo de veículo, tamanho, motorizado ou não todos vão se respeitar mais e ter uma vida mais agradável. Mais vai ter sempre quem tinha saudade da bagunça... rs

    Enquanto essa evolução não chega de maneira definitiva; máximo cuidado com a magrela! Bicicleta não tem vida fácil nas grandes cidades brasileiras.

    ResponderExcluir
  45. Talles Wang18/09/10 12:35

    Meu pai teve um LS da mesma cor do anúncio.

    Era um carro excelente! Me lembro que o tampão traseiro, junto com o encosto do banco que era rabatível, eram uma eterna fonte de barulhos e ruídos...

    Depois a carroceria começou a apodrecer a parte de baixo todinha todinha...

    Mas, depois desse carrão, meu pai voltou para o Fusca... que tortura, que tristeza, que desconforto!!!

    Boa lembrança!

    Talles

    ResponderExcluir
  46. Grande Passat...
    Nunca me esquecerei o Passatão 3 portas,marrom asteca,um grande carro que fez parte da minha história o primeiro carro que dirigi.
    A tampa traseira era um caso a parte,o único lugar que meu pai não conseguia resolver o barulho.Se vc regula a fechadura muito pra cima,fica um dura pra fechar,se vc regula pra baixo fica uma bateçao.
    Mais mesmo assim ainda comprarei de volta aquele passat que tanto marcou minha infância.

    ResponderExcluir
  47. Não sei porque essa de querer imputar aos outros a falta de opção de cores do nosso mercado.

    Garanto que o staff do blog tem carros cor "mariavaicomasoutras".

    Ah, mas não tem outras. Tem sim, é só esperar. Quem gosta espera e compra.

    ResponderExcluir
  48. Caro MAO, hoje tudo é cinza ou preto porquê o consumidor brasileiro não sabe exigir, não quer esperar algumas semanas para comprar o carro da cor que quer, e não tem nível intelectual para mandar o vendedor que quer empurrar um carro cinza ou preto à m... dizendo que já que ELE vai comprar o carro, ELE quer escolher a cor e não que o vendedor escolha para ele. Infelizmente não dá para esperar muito de um povo que aceita que um jovem saia da escola como analfabeto funcional (aquele que lê mas não consegue interpretar a informação que leu) e não proteste contra o sistema de aprovação automática (a.k.a. "progressão continuada").

    ResponderExcluir
  49. MAO, que maldade a sua em pôr esse folder com os Passats multicoloridos... Belíssimo esse em tom de roxo (alguém saberia o nome dessa cor?)...
    Gosto muito do GTS Pointer, sobretudo na cor vermelho fênix, mas, neste caso, até abriria uma exceção para o preto ônix, que dá um ar "malvado" ao belo carro.

    ResponderExcluir
  50. Lembro que meu pai, o qual era fã de passat, teve nada menos que treze desses carros, que marcaram época.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...