23 de outubro de 2010

DO BAÚ DO MAO: PASSAT



Pouca gente lembra hoje que o Passat original era oferecido também com porta traseira, o chamado Passat 3-portas. Meu pai teve um desses em 1977, que apesar de novo fazia um barulho lascado na porta. Talvez por isso o duas-portas era mais popular. O Passat era sensacional, um carro muito à frente de seu tempo em seu lançamento, com diversas características muito interessantes, a maioria apresentada nessa vista fantasma abaixo.



Meu pai nunca mais quis saber do Passat por causa da barulheira, o que foi uma pena. Ainda hoje, se você andar em qualquer carro nacional de 1974 e depois num Passat, ficará bobo com a diferença; o Passat foi quase uma revolução.

E essa aqui embaixo é para o JJ: ele sempre me conta a história de quando o Passat Surf, a versão "depenada" do carro, era o mais barato carro a álcool nacional, e ele e seu pai quase compraram um.

31 comentários:

  1. Daniel Shimomoto23/10/10 17:54

    Marco Antonio;

    Meu pai teve um LS 1981 bege palha desse três portas. Como vc bem lembrou fazia um barulho infernal e a tampa que cobria o porta malas, alem de se abrir atrás, como qualquer hatch, também era possivel, por meio da alça, ser aberta do banco traseiro, uma vez que ela fixada no meio do porta malas.

    Eu, criança pequena, viva me escondendo no porta malas do Passatão. Uma vez, ele (meu pai) deu uma bronca em mim e eu fui correndo para o "esconderijo" onde acabei dormindo e aparecendo horas depois, para alegria deles que estavam desesperados atrás de mim.

    Segundo meu pai, um GM-maniaco, o Passat foi comprado por "falta de opção": Era isso, ir para o terceiro Chevette ou comprar um Gol 1300 a álcool verde metálico. Preferiu o Passat.

    Até tempos atrás, meu pai dizia que o Passat foi "o pior carro que ele já teve": Queimava óleo, fazia barulho e com 60 mil km estava com o motor rajando. O que ele NÃO conta é que o Passat ferveu certa vez e ele "tocou o bonde", ele carregou, certa vez, um porta malas inteirinho (com banco rebaixado e tudo mais) de tijolos maciços, esquecia de trocar o óleo, e a unica oficina que o Passat viu foi o Concessionário na primeira revisão gratuita.

    A unica reclamação efetivamente boa do carro era a ferrugem. No mais, hoje meu pai reconhece que o Passat aguentou demais na mão dele.

    ResponderExcluir
  2. meu pai também teve um LS 1981 3 portas, daquele verde bebê.
    Por sinal ele só vendeu esse carro no ano passado e foi uma pena eu não ter espaço pra comprá-lo pois ainda aguentava muito... e foi vendido por 1500,00 ao primeiro que viu o carro.
    Realmente a ferrugem nos paralamas dianteiros era uma constante. No mais o dele rodou mais de 300 mil km sem muito manutenção. Abriu o motor uma vez para manutenção e trocou o platinado por ignição eletrônica de gol, comprada em ferro velho.
    Originalmente a álcool passou ele pra gasolina, pois em Brasília o combustível vegetal não vale a pena.
    O carro só deu alegrias ao meu velho.

    ResponderExcluir
  3. Na época, o Passat era o máximo. Tive um 3 portas 76, Vermelho Málaga, que era lindo. Vidros verdes, arinhos nas rodas, TKR cara preta e outras coisinhas. Meu carro anterior era um Chevette 74 e a diferença de tamanho e desempenho era enorme. Por incrível que pareça, na época eu era louco por novidades e troquei o Passatão por um Fiat 147 azul marinho. Coisa de maluco...

    ResponderExcluir
  4. Aliás, MAO, que carro hatch ou perua que com umas boas dezenas de milhares de km no lombo não fazem um zoeira na tampa do porta-mala...

    Tivemos em casa um desse 3 portas, verde-mantiqueira, LS, 78. Meu pai contava que queria mesmo era o TS, mas a funcionalidade do 3 portas pesou mais.

    Minha memória está falhando, mas acho que é o Bob que contava que o 3 portas está mais sujeito à torções do que o duas.

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  5. Mais um post muito legal do MAO! Do tempo que surfnão era moda como hoje e os carros com esse nome era simples e barato, pra galera jovem sem grana. Hoje os carros "surf" são versões mais equipadas e caras, mais pra quem quer parecer surfista já que hoje está na moda, uma pena.
    E já que estão lembrando, minhã mãe teve um TS 79 (se não me engano), bege e já com farol retangular. Diziam que esse tinha um carburador alemão feito pra gasolina azul. Não sei o que era verdade, mas como no meio dos anos 80 a gasolina azul não existia e o giclê volta e meia entupia. Várias vezes de manhã cedo na hora de levar eu e meu irmão pra escola o carro não pegava, mas minha mãe, que nunca teve jeito pra mecanica, tinha aprendido a abriro capo, tirar o gicle, dar umas sopradas e o carro pegava.
    Mesmo com esse detalhe ela sempre elogiou muito o carro, diz ser o carro com a melhor aceleração que ela ja teve. Pena que no reveillon de 86 pra 87 uma amiga dela pegou o passatão TS emprestado e dormiu ao volante e destruiu o carro em um poste, felizmente ela sobreviveu graças às zonas de deformação citados na imagem postada.
    Era um ótimo carro mesmo!

    ResponderExcluir
  6. Um belíssimo post! Sou suspeito pra falar, pois tenho dois Passat 3 portas (e um 4 portas...), apesar de um deles estar em eterno restauro e eu ainda não ter conseguido dar um passeio com ele. De fato, existe o problema do barulho da tampa, porém há solução. A primeira delas é verificar a borracha de vedação da tampa, pois quando ela está velha e ressecada, não apóia a tampa como deveria. Os batentes laterais da tampa devem ser regulados de maneira que não deixe a tampa "frouxa" demais e ao mesmo tempo não permita que o seu fechamento seja muito difícil. Por fim, o desgaste da própria fechadura pode fazer com que a tampa fique balançando, e a fechadura batendo no pino do batente, fazendo barulho.

    E não custa também verificar se aquele tampão que cobre o interior do porta-malas está bem fixado nas presilhas de borracha, pois se não estiver ela fica solta e faz barulho a cada buraco ou imperfeição no asfalto.

    Claro que, no caso de Passat 0km que faziam barulho naquela época, o caso da borracha da tampa e desgaste na fechadura não se aplicam. Provavelmente eram os batentes mal regulados.

    Seguindo esses passos, elimina-se o barulho ou, no mínimo, ele fica bem tolerável.

    ResponderExcluir
  7. MAO
    Pouca gente sabe que no Psssat Surf. entre as depenações, esava o pneu diagonal no lugar do radial, 5,60-13, se não me engano. O radial era 155-13. Ainda bem que alguém lúcido na VW brecou a ideia.

    ResponderExcluir
  8. tivemos um desses ano 81, branco Sharp, duas portas, 1.5 a álcool.
    essa carburação primitiva cachaceira da VW na cidade era uma tranqueira só, uma desgraça. lembro muito bem de meu pai, no inverno característico da região sul, levantando meia hora antes para acordar o passatão e deixá-lo aquecendo na garagem para poder sair sem ter que dar a partida "n" vezes se fosse sair com ele ainda frio. fazia uma fumaceira branca que preenchia toda a garagem, e o carro ficava naquele funcionamento irregular "tãn-tãn-tãn-tãn" cuspindo "litros" de água pela descarga.
    na cidade o carro engasgava muito e eu na época não entendia, como que um carro que vivia na oficina pra "limpar o carburador" podia pifar tanto. meu pai as vezes perdia a paciência com tanto engasgue e dava umas aceleradas fortes pra ver se o bicho cuspia a sujeira pra fora e as vezes até que funcionava mesmo. o passatão tinha aquele console característico com os 3 reloginhos: voltimetro, conta-giros e o famoso vacuômetro. nas vezes que o velho perdia as estribeiras com o carro e atochava o pé no acelerador, eu piazote via aquele reloginho das rotações avançar razoavelmente o número 7 e o carro uivando num gemido nada agradável.
    mas na estrada o passatão nunca decepcionou e nessas condições o 1.5 a alcool mostrava todo o serviço que na cidade ele deixava de fazer tossindo e morrendo.
    lembro bem do banco traseiro com molas, mole feito uma cama elástica.
    ferrugem era comum, sobretudo embaixo das molduras cromadas das janelas. foram uns 2 ou 3 consertos que eu me lembro. bateria também era quase item de manutenção corriqueira, pois haja carga pra fazer funcionar a encrenca no frio, ainda mais com uma carburação simples mal regulada de fábrica que ainda tinha que fazer queimar fragmentos de corrosão do tanque.
    foi vendido em 1991, com 110 mil km, lembro bem do bicho indo embora de casa, soltando uma leve fumaça azulada. acho que aquelas aceleradas de 7 e muitos rpm tinham causado algum efeito colateral.
    depois desse, nunca mais um carro a álcool entrou lá em casa, até que inventaram os "fréx".

    ResponderExcluir
  9. MAO
    Como muitos que comentaram,meu pai tambem teve Passat.No caso,um duas portas 75 azul e dois tres portas,ambos brancos,sendo um 77 e outro 79,este que ficou com a gente ate 95.Excelente carro e da poucos problemas mecanicos.Porem, a lataria e muito propensa a ferrugem e a vedacao, pessima.Mas um carro muito gostoso de dirigir.
    O que o Bob Sharp disse sobre o Surf,ja li em algum lugar q ate alguns Manuais ja haviam sido impressos com a especificacao dos pneus diagonais, mas q acabou nem sendo comercializada.Na epoca falavam que a suspensao do Passat era a primeira do Brasil projetada especialmente para o uso de pneus Radiais.
    Excelente post q me trouxe muitas boas lembrancas

    ResponderExcluir
  10. O meu 1986 de interior bege está se desmanchando.. não existe peça de reposiçãp... Da moldura do painel toda destruída (se desmanchou pelo ressecamento da peça) às canaletas dos vidros... é uma pena... queria restaurar o "bicho", mas como não tenho tempo nem paciência pra essas coisas vou mesmo é vendê-lo.

    ResponderExcluir
  11. Grande Passatão 3 portas,meu pai teve um em 1996,Marrom Asteca,já "modernizado" com a frente de quatro faróis.
    Bons tempos aqueles,me lembro quando meu pai comprou o carro ele me levou dar uma volta rápida,que diferença do nosso ex fusquinha 1300.
    Ele tinha cambio 4 marchas e motor 1.8,como andava,me lembro das viagens com o ponteiro colado no 190,o Passatão urrando pedindo marcha,uma quinta ali seria perfeito.Algum tempo depois o motor começou a rajar,até que um amigo dele bateu o seu Passat,que estava com o motor 1.5 zero,e cambio 5 marchas.Meu pai não pensou duas vezes e comprou o que restou do passat.Mas meu pai deu bobeira,em vez de vender o motor 1.5 e mandar fazer o 1.8 com o cambio 5 marchas,ele colokou o 1.5 e o cambio 5 marchas no nosso Passat.O que aconteceu ? Agora o Passat tinha cambio mais não tinha motor.
    E quanto a eterna barulheira da tampa traseira,ou vc escolhe se quer uma tampa traseira facil de fechar barulhenta,ou uma tampa muitoo dificil de fechar,mais sem barulhos,meu pai escolheu a segunda opção.

    ResponderExcluir
  12. Pedro Navalha24/10/10 11:28

    Seu Buce,
    No início dos anos 80, os únicos carros a álcool que prestavam eram os Ford. A engenharia deles adaptou perfeitamente o motor para o combustível vegetal.
    FIAT, GM e VW a álcool não passavam de umas belas tranqueiras. Meu irmão teve um Passat que parecia um alcoólatra. Quando não estava bebendo, estava internado na oficina...

    ResponderExcluir
  13. Opa que saudades do passatão!! Meu pai teve um 74 LS duas portas, bege, carro valente, acabou seu dias carregando ração para os animais no sitio até que a estrutura corroída fez o carro quebrar ao meio. Mas durou!!!!

    ResponderExcluir
  14. MAO,
    Retificando, acho qua medida do diagnonal era 5,90-13, mss não tenho certeza absoluta. De fato, chegaram a imprimir manuais com diagonais especificados. Outra coisa que me lembro era o Passat 3-portas ser chamado internamente de GH, do alemão Grossehecktür, porta traseira grande. De fato, a impressão era de haver mais torção de monobloco do que no 2-portas. Eu costumava exemplificar com um maço de Marlboro flip-top, em que a torção, ou resistência a ela, era bem menor com a tampa do maço aberta.

    ResponderExcluir
  15. Caro Bob, essa denominação GH saiu inclusive em muitos manuais (preenchido, pela concessionária, no certificado de garantia), notas fiscais e até mesmo alguns Passat trazem a denominação GH no documento, o que causa certa confusão em alguns proprietários (até hoje) que não sabem o significado da sigla.

    Pelo que vejo, não havia critério da VW ou das concessionárias em escrever o GH nos manuais e NF's. Alguns 3 portas saiam assim, outros não.

    E agradeço pela explicação, pois apesar de saber que era uma sigla relacionada a terceira porta, eu não fazia a menor idéia de que era uma abreviação de "Grossehecktür".

    ResponderExcluir
  16. Daniel Shimomoto24/10/10 20:10

    Bob e André

    Peguei o Manual do Passat do meu pai na minha coleção de manuais e tá escrito "Passat GH"

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  17. Acho que eu devo ter sido um dos primeiros brasileiros a dirigir um Passat, isso em 1973.

    Na verdade, há uma pequena licença poética nessa afirmação porque o carro - alugado em uma viagem à Europa - não era exatamente um Passat mas sim um Audi 80, cujo lançamento antecedeu o do Passat dentro do grupo VW. Para todos os efeitos, era um Passat de três volumes. Mesmo na Europa daquele tempo, era um carro avancadíssimo no seu segmento.

    Sobre as peças publicitárias reproduzidas nesse post, achei especialmente interessante a segunda, com a "vista fantasma" do carro. É um enfoque técnico-científico bem raro na propaganda de automóveis no Brasil. Imagino que seja obra da filial brasileira da agência suiça GGK, antecessora da Almap no atendimento à VW do Brasil.

    ResponderExcluir
  18. Tenho um primo que na época, literalmente soldou a tampa do porta malas, acabando com o barulho!!!(E a funcionalidade!)

    ResponderExcluir
  19. Tive um 82. Como o Passatowski disse, era basicamente regular os apoios laterais, o que era bem difícil, aliás. O meu chegou no limite e a porta tinha quase um dedo de distância para a carroceria mas fazia pouco barulho. A tampa do bagagito eu tirei, pois essa nenhum santo tirava a escola de samba que tinha.
    Na época tive uma namorava que realizava bazares beneficientes e o passatão era burro de carga dela carregando dezenas de mesas e cadeiras. Como tive um Pointer 84 na mesma época, vendi o 3 portas pra ela que ainda ficou um bom tempo depois de a gente terminar.
    Carro com muitas histórias, como todos os meus.

    ResponderExcluir
  20. O último exemplar, 88 / 89 era o perfeito exemplo da evolução de um modelo. A maturidade fez muito bem ao carro, que tinha um cambio maravilhoso, uma suspensão de dar inveja aos esportivos (GTS), desempenho ótimo e muito espaço. A VW matou o Passat para abrir mais mercado ao Voyage.

    ResponderExcluir
  21. O último exemplar, 88 / 89 era o perfeito exemplo da evolução de um modelo. A maturidade fez muito bem ao carro, que tinha um cambio maravilhoso, uma suspensão de dar inveja aos esportivos (GTS), desempenho ótimo e muito espaço. A VW matou o Passat para abrir mais mercado ao Voyage.

    ResponderExcluir
  22. Realmente, no caso do Passat nacional, o seu fim de linha é um caso a ser estudado pelos marqueteiros. A VW encerrou sua produção a despeito de ser o produto com melhor imagem e com mais consumidores fiéis, o que nunca ocorreu com o Voyage, nem com o Logus e outras tranqueiras que o sucederam.

    ResponderExcluir
  23. Não seria por causa do Santana que a VW tirou o Passat?

    Deixando apenas 2 sedans em linha, um grande e um pequeno, podia distribuir as vendas entre os dois modelos que sobraram. (ou perder para concorrência)

    Mais ou menos o que ocorre hoje com Gol/Fox/Polo.

    AB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na Alemanha o Santana foi a continuidade do Passat, mas depois de alguns anos a VW desistiu da mudança de nome e voltou a chamar de Passat os modelos seguintes.

      Excluir
  24. Tive um ano 79 em 1983. Era cor beje e modelo LSGH, marrom por dentro e com ar quente. Para quem saía de um Chevette 1.4 o carro era muito bom de estrada. Quase arranquei a suspensão traseira em viagem ao sul do país descendo a serra entre São Francisco de Paula e o litoral. Tenho saudade do bicho.

    ResponderExcluir
  25. Meu pai teve um, 83 com a enorme tampa, comprou em 86 e vendeu em 2000. Carro do trabalho e da familia. O problema sempre foi a ferrugem. Infelizmente soube pouco dps que prenderam ele com o condutor sem carteira e foi rebocado e virou casco de navio...Triste pra quem viveu a infância com ele e aprendeu a dirigir nele.

    ResponderExcluir
  26. Me lembro do meu pai em 74 ou 75 aparecer com um novinho, cor beje claro. Juntou a molecada na rua para ver. Me senti heroi. Tinha 12, 13 anos. Depois fui falar com meu pai que o carro era tração dianteira e quase apanhei. "Ce bobo, moleque! Onde já se viu? Cê acha que eu ia comprar um carro de tração dianteira? Já viu formula um de tração dianteira? Se esta m.... prestasse eles usavam..."quando viu que era, disfarçou. "Comprei enganado. Não sabia". Ler seu texto me recordou de coisas bôas, de bons tempos, de pipa, carrinho de rolemã, de sair para a rua e ninguêm se preocupar. Sumia de tarde e chegava 10 da noite e nem esporro tomava. Tava "limpo", como dizia na época. Sujo, todo arranhado, tomava tombo, caía, se escalavrava todo mas o sorrisão na cara nunca mais me saiu da cabeça. Abs e obrigado. JAT.

    ResponderExcluir
  27. O Passat sem dúvida é um clássico brasileiro, ou melhor, alemão, o carro tem suas origens no audi 80 se não me engano, trouxe para o brasil o precursor do motor AP usado em alto escala em vários carros da VW do Brasil, Já tive 4 deles, e estou com o meu em fase de restauração, foi meu primeiro carro e de lá pra cá nunca fiquei sem, sempre tenho um de xodó e outro carro pro dia a dia.

    ResponderExcluir
  28. O Passat dos anos 70 e 80 deixaram suadade, meu pai comprou um zero modelo 79, GH marrom asteca, que passou a ser meu 2 anos depois.

    Mantive o excelente carro por 13 anos, sem nenhum barulho na parte de tras.

    Além de regular melhor a tampa do porta-malas, providenciei um calço de borracha onde se encaixa a lingueta da trava do encosto do banco traseiro, que fica no topo do encosto junto ao vidro lateral e ao suporte do tampão.

    Percebi essa fonte de ruído ao observar que andando com passageiros no banco de tras o Passat era deliciosamente silencioso !

    Mas o encosto do banco traseiro chacoalha tanto quando está sem passageiros que o calço de borracha vai pro brejo em pouco tempo, mas basta trocá-lo de tempos em tempos, usando pedaços da velha câmara de ar de pneus.

    Tentem essa dica, fica uma beleza, vai parecer outro carro!

    Hoje tenho um Mitsubishi ekWagon, mas quando retornar ao Brasil vou tentar comprar um Passat dessa época, um super-carro.



    ResponderExcluir
  29. existiu o modelo surf na brasilia também ouera só no passat.tenho uma com 58.000km gostaria de saber porque não sai no documento.

    ResponderExcluir
  30. boa tarde, alguem sabe me informar se o passat surf consta no documento como surf ? obrigado !

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...