Google+

24 de outubro de 2010

ESSE É O FUSCA QUE EU GOSTARIA DE TER TIDO


Esse é o Super Fusca alemão 1302 (1200) ou 1302 S (1600). Adoraria tê-lo tido, por algums razões importantes. Para começar, a carroceria já é a quem tem vidros bem maiores. É facilmente identicada de relance pelo quebra-ventos com a moldura traseira inclinada. O para-brisa tem ligeira curvatura. Essa carroceria começou na Alemanha em 1965 e ninca a tivemos aqui.

Nos detalhes técnicos, a suspensão dianteira é McPhersonn com molas helicoidais e a traseira, braço semi-arrastado com a mesma barra de torção. Com um pouco de esforço e abrindo o desenho veem-se as semiárvores de tração com juntas homocinéticas. Coisa de Porsche 911. Notem o estepe colocado deitado na dianteira. E entre-eixos aumentou 20 mm, para 2.420 mm.

Foi produzido de 1971 a 1973, quando evoluiu para modelo 1303 e foi até 1975. Mas o conversível teve uma sobrevida e resistiu até 1980.

Pena que nunca tenha sido feito aqui. Nós merecíamos.

BS

32 comentários:

  1. Bob:

    Muito interessante o Fusca q nunca tivemos.Mas seria esse o esquema q foi usado na antiga Variant II,que tinha suspensao Mcpherson dianteira?
    E o mexicano,seguia esse modelo,ja que tinha os vidros maiores?

    ResponderExcluir
  2. Só para complementar, lembremos que o para-brisa curvo surgiu no 1303, de 1973, o que também permitiu que o painel fosse menos plano e talvez pudesse sem problemas abrigar sobre ele uma folhinha de Zona Azul das mais recentes, que não têm buraco para encaixar no retrovisor (praticidade da qual sinto falta, mesmo meu carro podendo apoiar a folhinha no painel sem problemas).
    Realmente uma pena que não tenhamos tido esse Fusca aqui no Brasil. Aliás, o sucesso com produtos desatualizados nos segmentos de maior volume foi o que acabou minando a competitividade da VWB dos anos 1990 em diante. Vide o tamanho da demora deles para simplesmente fabricar aqui a Kombi de geração T2. Montaram primeiro a frente, depois a suspensão de braço arrastado e só 20 anos depois é que fizeram uma T2 de verdade, quando ela no mundo já havia saído de linha há muito tempo.

    Se bem que precisamos lembrar que tivemos parte do 1302/1303 por aqui, na forma de Variant II, que usava as mesmas suspensões dianteira e traseira, conciliadas ao motor de ventoinha plana. Claro que foi a pior forma possível de trazer esse conjunto, uma vez que o mercado mostrava que queria algo mais na linha da Belina, mas de certa forma foi o que se pôde arranjar por aqui. Já no exterior, projeto de suspensão derivado do usado no 1302/1303 equipou o Porsche 924.
    Sou fã do 1302/1303. Tudo bem que no exterior ele também chegou tarde demais. Deveria ter chegado já no começo da década de 1960, o que poderia inclusive ter permitido à VW pensar mais serenamente em sua sucessão em vez de fazer uma série de projetos que deram com os burros n'água (alguns deles bem mais interessantes que o Golf).

    Ao se olhar o 1302 (e mais ainda o 1303), fica o pensamento de o que mais faltaria para que o Fusca ficasse perfeito. Fosse eu o Heirich Nordhoff, teria mandado usar também o motor de ventoinha plana do Type 3, o que permitiria também que se montasse uma tampa traseira em estilo hatch (claro que mudaria o acesso ao motor para algo igual ao de um TL ou Variant, mas aí haveria o ganho geral em praticidade).
    De qualquer maneira, é uma mostra de uma VW que sabia fazer um bom carro com motor atrás, essa mesma VW que desaprendeu a fazer isso e desistiu de usar motor central-traseiro no up! de série alegando sensibilidade a ventos laterais. E isso porque é a mesma VW que é dona da Porsche, que faz 911, Boxster e Cayman e poderia muito bem acertar o chassi para que isso não acontecesse.

    Enquanto isso, Mitsubishi (com o i) e Tata (com o Nano) mostram que é perfeitamente possível fazer carros seguros sem motor na frente. Aliás, inclusive a falta de motor à frente permite que eles sejam seguros o suficiente para que colidam sem transmitir muito disso aos passageiros. Vide o fato de um Nano de especificação indiana, com airbag adaptado, conseguir quatro estrelas no EuroNCAP. E quem vir o vídeo que passo abaixo notará que o i é surpreendentemente sereno no teste do alce:

    http://www.youtube.com/watch?v=yf-Iiaj9JgM

    ResponderExcluir
  3. Como diriam no Marketing da Volks: Pra que mecher se eles compram mesmo assim?

    ResponderExcluir
  4. Franklin
    Sim, era o mesmo esquema da Variant II, mas não do Mexicano, que permaneceu como o nosso, apesar da carroceria de vidros maiores.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo de 25/10 2:18
    Perfeito, o 1303 tinha para-brisa bem mais curvo. A ideia do motor de turbina é boa, mas esbarra no problema de seu maior comprimento.

    ResponderExcluir
  6. Legal explicação Bob, a principio também achei que esse era o fusca mexicano, mas vi que vc ja comentou sobre isso.
    E sobre a suspensão traseira, seria mesma da kombi?

    ResponderExcluir
  7. Mister Fórmula Finesse25/10/10 10:07

    Essa suspensão, nos nossos, não poderia ter salvado um punhado de vidas ao não existir mais o fechamento da roda traseira para baixo da carroceria nas curvas mais inspiradas?

    ResponderExcluir
  8. Mister, não duvido nem um pouco que a suspensão traseira de braço arrastado salvasse vidas perdidas por causa da variação de cambagem dos semieixos oscilantes. Se ela já fez esse trabalho nas muitas Kombis que foram feitas de 1978 em diante, imagine em um veículo de maior difusão como o Fusca.
    Fora isso, muitos anos depois os amantes brasileiros do drift teriam a possibilidade de um carro barato e abundante para a prática, algo que não é possível nos VW a ar brasileiros (exceto Variantão, que já era raríssimo quando em série).

    Salvo engano, o Nelson Piquet preparou um Fusca nacional usando a suspensão traseira de braço arrastado justamente para evitar as rodas que se fecham em curvas e solavancos.

    ResponderExcluir
  9. Apesar das limitacoes do projeto,eu gosto muito de dirigir o fusca.Alem de tudo, ainda tem a tracao traseira.Se fosse o 1302, acho q seria mais interessante ainda a conducao,colocando mais obediencia a direcao.
    A VW alema perguntou a um famoso estilista o que fazer no design do fusca.Ele disse q nao tem nada pra mexer,apenas aumente a area envidracada. O desenho e perfeito assim.Eis o 1302.
    Mais um belo post,Bob

    ResponderExcluir
  10. Caro Bob Sharp, cada vez que vejo um 1302 ou 1303 em encontros de VW antigos fico imaginando o quão gostoso devia ser guira um carro desses. Ainda pretendo um dia ter uma Variant II em casa, pois deve ser uma delícia viajar com ela.
    Ouve-se muito mecânicos reclamando que "Variant II não pega alinhamento", mas creio ser apenas fruto da congênita preguiça do mecânico brasileiro em mexer com qualquer coisa que ele não conheça de cor e salteado, confere?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Nesse link tem uma ilustração da suspensão dianteira.

    http://mitsumania.com/forum3/viewtopic.php?f=63&t=24144

    e uma do painel.

    ResponderExcluir
  13. Caro Bob,
    Esse post seu me lembra outro parecido que li numa das ediçoes da Fusca e Cia. De qualquer forma, traz-me à tona a revolta com a VW Brasil e seu tratamento com os consumidores brasileiros. Essa fábrica sempre fez o mínimo do mínimo em atualização, conforto e segurança de seus veículos, verdadeiro descaso com o nosso país, parece que valemos menos que os europeus e norte-americanos. O Fusca e Kombi nunca foram atualizados conforme o exterior. Muitas vidas poderiam ter sido poupadas pelo esquema moderno de suspensões. A Kombi atual é uma vergonha, só ganhou motor atual por questões de legislação. Veja como é depenada por dentro. Mas vende muito!!! Acredito que o povo brasileiro tenha sua parcela de culpa nisso, pois sempre compraram muito VW, baseados apenas na eficiência e durabilidade do conjunto mecânico. Isso até a década de 80, já que hoje os VW são iguais aos outros veículos em manutenção e durabilidade. O acabamento e itens de série sempre foram e continuam deixando a desejar, apesar do preço dos veículos em relação aos concorrentes quase sempre mais elevados. Se não fosse a concorrência e legislação, estaríamos com os mesmos veículos até hoje, haja vista a demora na atualização e renovação da linha que a fez perder a posição líder de mercado. Quando os carros são bem equipados e completos, com itens similares aos da concorrência, o preço é muito abusivo em relação às versões mais modestas do mesmo veículo. Tenho como exemplo um Santana CL 1.8 89 que tivemos na época Zero Km aqui em casa: vidros brancos, para-brisa não laminado, sem espelho retrovisor do lado direito, isso num carro que apesar de ser o mais simples da linha, não era "popular" e barato. Foi comprado à época porque o preço era bom em relação ao Monza que tínhamos, mas este tinha espelhos nas duas laterais e para-brisa laminado de série em todas as versões. Bem, o Bob trabalhou na fábrica e deve conhecer bem a filosofia desta, não sei se por ética pode falar tudo que sabe ou opina sobre práticas e filosofia da VW Brasil. Desculpem-me pela delonga no comentário!Ah: antes que me acusem de Fieteiro, sou dono de um VW Novo Gol. Abraços

    ResponderExcluir
  14. Caro Bob,
    Esse post seu me lembra outro parecido que li numa das ediçoes da Fusca e Cia. De qualquer forma, traz-me à tona a revolta com a VW Brasil e seu tratamento com os consumidores brasileiros. Essa fábrica sempre fez o mínimo do mínimo em atualização, conforto e segurança de seus veículos, verdadeiro descaso com o nosso país, parece que valemos menos que os europeus e norte-americanos. O Fusca e Kombi nunca foram atualizados conforme o exterior. Muitas vidas poderiam ter sido poupadas pelo esquema moderno de suspensões. A Kombi atual é uma vergonha, só ganhou motor atual por questões de legislação. Veja como é depenada por dentro. Mas vende muito!!! Acredito que o povo brasileiro tenha sua parcela de culpa nisso, pois sempre compraram muito VW, baseados apenas na eficiência e durabilidade do conjunto mecânico. Isso até a década de 80, já que hoje os VW são iguais aos outros veículos em manutenção e durabilidade. O acabamento e itens de série sempre foram e continuam deixando a desejar, apesar do preço dos veículos em relação aos concorrentes quase sempre mais elevados. Se não fosse a concorrência e legislação, estaríamos com os mesmos veículos até hoje, haja vista a demora na atualização e renovação da linha que a fez perder a posição líder de mercado. Quando os carros são bem equipados e completos, com itens similares aos da concorrência, o preço é muito abusivo em relação às versões mais modestas do mesmo veículo. Tenho como exemplo um Santana CL 1.8 89 que tivemos na época Zero Km aqui em casa: vidros brancos, para-brisa não laminado, sem espelho retrovisor do lado direito, isso num carro que apesar de ser o mais simples da linha, não era "popular" e barato. Foi comprado à época porque o preço era bom em relação ao Monza que tínhamos, mas este tinha espelhos nas duas laterais e para-brisa laminado de série em todas as versões. Bem, o Bob trabalhou na fábrica e deve conhecer bem a filosofia desta, não sei se por ética pode falar tudo que sabe ou opina sobre práticas e filosofia da VW Brasil. Desculpem-me pela delonga no comentário!Ah: antes que me acusem de Fieteiro, sou dono de um VW Novo Gol. Abraços

    ResponderExcluir
  15. Eurico Jr.25/10/10 14:17

    Bob,

    É realmente uma pena que o Fusca brasileiro tenha morrido sem essas atualizações muito interessantes. Reflexos de um mercado fechado, sem concorrência, onde a VW ditava os rumos. Isso me lembra a filosofia que imperou na Boeing por décadas, até o final dos anos 70: só ouviam a opinião da Pan Am durante o desenvolvimento das aeronaves. Os demais clientes tinham que se adaptar.

    ResponderExcluir
  16. Legal. Cada vez que vejo um post deste percebo que não conheço nada...

    ResponderExcluir
  17. Bob, por aqui tentamos colocar em um Fusca de corrida a suspensão dianteira da Variant e a traseira da Kombi com juntas homocinéticas mas a verba acabou antes de se ter uma verdadeira idéia do resultado pratico já que me teoria seria bom.

    ResponderExcluir
  18. João Gabriel Porto Bernardes25/10/10 19:36

    É possivel adaptar essa supensão traseira nos nossos Fuscas,Brasílias e derivados? Outra questão,é possível adaptar o motor de ventoinha plana na Brasília?

    Abraços!

    ResponderExcluir
  19. João Gabriel Porto Bernardes25/10/10 19:37

    Seria interessante e bem acessível uma Brasília com essa suspensão traseira para drift hehehe

    fuiii

    ResponderExcluir
  20. Sou meio suspeito para falar, mas acho que um 1302 como este, modernizado no motor e com modificações para atender aos testes de impacto, poderia ser um carro "viável" no mercado.
    Outro carro na mesma linha e que bem valia um post por aqui é o VW 411, que também sou fã.

    ResponderExcluir
  21. Fernando, ainda mais interessante que falar do 411/412 seria também falar dos muitos protótipos que a VW desenvolveu para substituir o Fusca, alguns deles muito mais interessantes que o Golf. Teve protótipo de motor central-traseilro (ideia que quase 40 anos depois a Mitsubishi usaria no i e a Tata no Nano), carro com motor dianteiro e transeixo na traseira e outras. Talvez o padrão dos carros de hoje fosse diferente se a VW tivesse escolhido algum dos EAs que desenvolveu e rejeitou, alguns deles aos 48 minutos do segundo tempo apra se tornarem modelos de série.

    ResponderExcluir
  22. Aun,

    mais um aqui com a mesma sensação!

    hahahahaha... vivendo e aprendendo.

    ResponderExcluir
  23. Acho que deveria ser relançado pelo próximo presdente!!! he!he!he!!
    Eu compraria um sim.

    ResponderExcluir
  24. João Gabriel,
    Dá para adaptar suspensão trazeira da Variant II no Fusca sim. Inclusive tem muita gente que já fez e obteve sucesso. Veja o tutorial: http://planetabuggy.com.br/mecanica/irsconvertion.htm
    O motor de ventoinha plana acredito que nã odaria na Brasília pois este motor fica mais "comprido", não cabendo no espaço que a Brasilia oferece para o motor.

    Fernando,
    Muito bem lembrado. Poucos conhecem os VW 411/412, que mecanicamente, são os melhores VW refrigerados À ar já feitos.

    Outros exemplos de evoluções que não vieram pra cá:
    1) VW Vanagon(ou Kombi T3)
    2) Motor "Wasserboxer" (motor tipo 1, semelhante ao nosso, só que refrigerado à agua, que saia de fágrica com 1900 ou 2100 cilindradas, chegando À 111hp originais de fábrica!)
    3) Injeção eletrônica e ar-condicionado, ambos eram disponíveis nos Fuscas 1302 e 1303 lá fora.
    4) Cambio autostick, um cambio manual, automatizado, também disponíveis pros carros lá fora.
    5) Motor VW Tipo 4, que saiu nos Porsche 914 e nos VW 411 e 412.

    Isso são as principais diferenças....Tem detalhes muito menores, como luz de aviso de cinto de segurança, suportes dos para-choques com amortecedores para pequens colisões, coisa que nunca se viu nos Fuscas daqui.

    Acredito que a VW, que dominou a década de 60 e 70 com nossos queridos, mas esquecidos, Fuscas ia na máxima "não se mexe em time que está ganhando"...

    A VW Brasília foi uma evolução em cima do Fusca, mas no quesito espaço interno. Mecanicamente, são praticamente idênticos.

    O que mais me atraia no UP! era o motor trazeiro. Sem ele, perdeu praticamente toda a graça...

    E sim, sou dono de um VW Fusca 1600! hahahaha

    ResponderExcluir
  25. Ah...esqueci de comentar a caixa de cambio VW "091", uma das mais parrudas já feitas pela VW, usada nas VW Vanagon entre outros.

    Esse mesmo cambio tinha opções de saída para eixo cardã, que resultou na VW Vanagon Syncro (a evolução da Kombi, com tração integral)... Aqui no Brasil, o mais perto disso foi uma Kombi adaptada por uns bravos inventores, que saiu na Fusca & Cia a algum tempo atrás.

    E bem que o Fusca poderia ter vindo com opção de cambio 5 marchas também...

    Enfim, a VW tinha tanta opção de atuaização do Fusca, que daria para continuar fabricando ele por mais alguns anos...Muitos, eu diria.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  26. Bob,
    Merecíamos mesmo!
    Um volume de produção superior a 3.000.000 de unidades justificaria
    a adoção de todas as melhorias no produto e, no entanto, sempre nos satisfizemos com o básico da obsolescência.
    Aliás, até hoje é assim.
    Gostaria de ver os modelos aqui vendidos, serem oferecidos sem air bags e abs nos mercados primeiro mundistas.
    A Kate Lyra é que tinha razão "Brasileiro é tão bonzinho..."

    ResponderExcluir
  27. Se até hj os Vw Gol, tem problemas na vedação do compartimento do porta-malas... entra "poeira" pelas vedações das caixas de roda...

    Eu acho que a VW poderia acrescentar mais , afinal, somos senão o maior fora da alemanha, um de seus maiores mercados até hj...

    Abraço á todos...

    ResponderExcluir
  28. João Gabriel Porto Bernardes

    Quem tinha ventoinha plana era a Variant e não a Brasília. Fizemos isto em carros de corrida para eliminar a correia que quebrava muito e houve até um pequeno ganho de potencia mas no caso dos fuscas nacionais a saia traseira tinha que ser alargada para caber no cofre original do motor. Quando falo eliminar a correia é porque neste caso ela serve apenas para acionar o alternador que não é utilizado.

    ResponderExcluir
  29. João Gabriel Porto Bernardes27/10/10 11:14

    Fernando,

    Obrigado,muito bom aquele tutorial,ensina a fazer tudo,mas quanto a ventoinha plana,não dá para adaptar mesmo cortando a lata?

    Roberto Costa,

    Eu sei,que a Variant que saiu com ventoinha plana,eu queria saber se é possível a adaptação desse motor na Brasília,ainda que precise cortar a lata...

    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  30. João, acho que adaptar o motor plano em Brasília vai ser meio difícil, pois o cofre desse veículo é mais curto até mesmo que o do Fusca. Lembra daquela gradinha preta pendurada embaixo do para-choque? Era um disfarce para o silencioso, que sem ela ficaria totalmente exposto.

    ResponderExcluir
  31. Olá pessoal, hoje seria possível instalar uma caixa com 5 marchas num fusca comum? grande abraço. jorfarsan@bol.com.br

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...