23 de dezembro de 2010

BALANCEAMENTO DE RODA

Foto: addissontyrecentre.co.uk


Este post vai logo dizendo: balanceamento de roda é uma coisa, alinhamento de rodas é outra. São comuns  referências a alinhamento e balanceamento, notadamente nas revisões períódicas nas concessionárias, mas  o fato é que se tratam de operações distintas, só executadas juntas se o proprietário quiser ou se for realmente necessário.

Para entender o balanceamento - ou desbalanceamento - há dois tipos: estático e dinâmico. O estático se refere à desigualdade de massas em torno de um eixo. Já o dinâmico significa desigualdade de massas ao longo de um eixo. Portanto, estático e dinâmico não tem nada a ver com iroda parada num caso e girando noutro, como pode parecer à primeira vista.

O efeito do desbalanceamento estático (em torno da roda como um todo) é a roda tender a oscilar no seu próprio plano em todas as direções, sendo a mais perceptível a vertical, como se a roda quisesse ficar saltitando, o carro acompanhando em movimentos oscilatórios verticais..

O efeito do desbalanceamento dinâmico (longo da roda como um todo) é a roda, ou seu plano, oscilar lateralmente. A percepção desse desbalanceamento é oscilação no volante numa determinada faixa de velocidade. Abaixo ou acima dessa faixa ela não ocorre, só irá se manifestar em velocidade múltipla. Se oscilar a 100 km/h, por exemplo, o efeito se repetirá a 200 km/h.

Só há um fator que leva uma roda a se desbalancear: desgaste do pneu. Quando a roda foi balanceada havia uma determinada massa de borracha nela. Os pesos de balanceamento foram calculados pela máquina de balancear levando em conta essa massa. À medida que o pneu vai se desgastando, o peso ou os pesos tornam-se excessivos, desbalanceando a roda. Do mesmo modo, no caso de uma deformação da banda de rodagem resultado de uma freada de roda travada, muda a distribuição da massa e a localização dos pesos passa a não ser  a correta.

Há fatores externos, temporários, que fazem uma roda se desbalancear, que são pedrinhas presas no sulcos da banda de rodagem ou então lama nessa parte ou por fora e por dentro da roda..

Existe um conceito de que balanceamento bom é com a roda no lugar, girada em alta rotação para determinar a localização dos pesos. A máquina para realizar esse serviço consiste basicamente de um motor elétrico com polia plana para dar impulso à roda, um sensor separado fisicamente mas conectado por fio à máquina, e uma lâmpada estroboscópica. Geralmente o sensor, também chamado de pick-up, é colocado sob um braço de suspensão de modo a detectar desbalanceamento estático. Pode também captar movimento oscilatório lateral (dinâmico), mas nem sempre é usado. Balanceia? Sem dúvida, mas não com a mesma precisão de um balanceamento feito com a roda fora do carro, na máquina de balancear.

Os defensores do balanceamento com a roda no lugar argumentam que todas as partes rotativas  eventualmente desequilibradas que afetariam o balanceamento, como discos e tambores de freios e cubos de roda, são compensadas automaticamente quando a roda é balanceada. Na verdade, esses itens, além de pequenos em relação à roda completa, normalmente são balanceados na fabricação ou não precisam, devido à precisão de fundição e usinagem.

Assim, sou pelo balanceamento da roda fora do carro em máquina existente para isso. Mas é preciso observar alguns detalhes. Um, já falei aqui no AE, é a necessidade de a máquina estar totalmente aquecida, ligada há algumas horas antes de se tentar balancear. Isso porque equipamentos eletrônicos precisam estar na temperatura normal de funcionamento, "quentes", ou não funcionam corretamente

Depois, é preciso que o operador da máquina observe a exata localização da roda na árvore de acionamento, nem para fora, nem para dentro  As máquinas têm uma haste-guia de referência para esta finalidade. Ou seja, há uma  única e correta posição da roda em relação à máquina. Se esses dois aspectos, temperatura da máquina e posicionamento da roda nela, não forem observados, o mostrador poderá indicar balanceamento zerado, perfeito, mas na verdade não está. É uma reclamação conhecida a roda ter sido balanceada e a vibração de volante continuar, por exemplo.

A máquina de balanceamento possui sensores para detectar desbalanceamento estático e dinãmico. As máquinas modernas têm um ciclo de acionamento da roda bem curto, tipo 10 segundos, e em baixa rotação, após o que os mostradores indicam onde aplicar os pesos. Pelo lado de dentro ficam os do balanceamento estático, fora, o dinâmico.

E, claro, como todo equipamento de precisão que mede alguma coisa, a máquina de balancear precisa ser aferida a intervalos regulares conforme sugerido pelo seu fabricante.

Uma dica para borracheiros e lojas que vendem  e montam pneus. Todo pneu tem uma pinta vermelha, que é seu ponto mais leve, conforme determinado pela fábrica do pneu. Por isso esse ponto deve ficar alinhado com a válvula, teoricamente a parte mais pesada do conjunto roda-pneu. Isso facilita o balanceamento no sentido de  ser requerido menos peso para balanceá-la.

BS

105 comentários:

  1. Conforme eu já havia relatado aqui, já mandei balancear as rodas/pneus 2 vezes em lugares diferentes e nessas 2 vezes o carro ficou melhor sem os pesos de chumbo.

    É como se o balanceamento deixasse ruim.

    Sem os pesos de chumbo nas rodas eu sinto o carro sem vibração nenhuma.

    ResponderExcluir
  2. Olá Bob, muito bom saber a diferença entre os dois tipos de balanceamento, fazia outra idéia. Tambem sempre me disseram que os pesos colocados por dentro tinham finalidade de não tirarem a estetica da roda de liga leve e os fixados por fora para rodas de aço que usam calotas que os cobririam.
    Acho dificil conseguir um profissional/loja que tenham toda essa preocupação com o equipamento
    para um trabalho 100%. Infelizmente.

    ResponderExcluir
  3. Post muito bom, muito esclarecedor mesmo. Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Só um adendo Bob.

    Não necessariamente componentes eletrônicos funcionam bem aquecidos. O que acontece é que alguns componentes desviam sua curva de funcionamento com o aumento da temperatura. Se a máquina foi calibrada a uma temperatura de funcionamento X, é nesta que ela vai fornecer os resultados corretos.

    No mais, excelente post.. só faltou o desbalanceamento devido aos nossos excelentes buracos, que adoram empenar as rodas..

    ResponderExcluir
  5. Mto bom!

    Como falaram, o prob é achar gente q realmente leve isso a sério.

    Para ver como têm milhôes de oportunidades para o BOM profissional no país.

    ResponderExcluir
  6. É nescessário uma certa cautela , ao afirmar que os conjuntos mecanicos são balanceados no fabricante, trabalhei em concessionarias durante 20anos e qdo visitavamos a fábrica o que mais me chamou a atenção foi no final da linha de montagem observar que os veiculos não são alinhados , ficando dentro das medidas de tolerancia de convergencia, sempre aconselho a quem pega um veiculo novo na concessionaria , alinhar a direçãoe conferir o balanceamento das rodas , pois em muito a precisão da geometria da suspenção influenciara na vida util dos pneus, quanto ao balanceamento , há componentes , como rolamento e eixos das juntas homocineticas que quando apresentam desbalanceamento provocam trepidações em frenagem e velocidade constante,cujo diagnostico correto ,frequentemente engana até os mais experientes profissionais de manutenção.

    ResponderExcluir
  7. Bob e demais,

    Uma coisa que já me fez ir várias vezes para a oficina para fazer balanceamento e geometria/alinhamento é entrar desavisadamente em um buraco na estrada. Vale notar que alguns são tão grandes que deformam a roda, se fazendo necessário até reparar a roda antes de mais nada. Isto é mais crítico para rodas de liga leve, mais frágeis que as de aço.

    Considerando o estado de conservação do veículo, o balanceamento com a roda no lugar dá resultados melhores que o balanceamento da roda em bancada. Embora o balanceamento em bancada seja mais preciso, um carro que rodou muito, também já pegou muito buraco e isto se repetindo muitas e muitas vezes, acaba deformando a ponta de eixo, pois a roda transfere o impacto para o eixo, antes dele chegar no conjunto da suspensão.

    Se nossas ruas fossem melhor conservadas, os borracheiros não teriam tanto trabalho.

    Muito esclarecedor o post, parabéns!

    Um feliz natal a todos!!!

    ResponderExcluir
  8. Bob,

    Pertinente esse post de balanceamento, pois parece operação corriqueira e simples, mas que, como tudo, requer técnica e perícia! Essa questão de balanceamento de roda fora ou no carro, percebo que varia muito de marca para marca ou até modelo. Tive um corsa que só ficava bom se balanceado com a roda no carro, inclusive esse carro era muito "sensível" e dava trabalho para balancear. No geral, percebo que os Chevrolet não aceitam bem o balanceamento "fora". Tive um Palio que sempre era feito fora do carro e nunca deu problema, acontece a mesma coisa com meu novo gol atual.Abraço

    ResponderExcluir
  9. Aléssio Marinho23/12/10 11:49

    Bob,

    Balanceamento é coisa séria. Custa pouco é aumenta bastante o conforto, a vida útil do pneu, que a cada dia anda mais caro e dos outros componentes da suspensão.
    Sempre observo o desgaste dos pneus dos meus carrinhos. Observo os marcadores de desgaste e de vez em quando meço a profundidade dos sulcos. Se estiverem muito diferentes, ou com pequena vibração no volante mando checar o alinhamento e o balanceamento.
    E somente os faço com alinhadora computadorizada e em balanceadora com a roda fora. Afinal, o circuito eletrônico tem mais precisão que o olho do alinhador, além de saber de cor os valores.
    Calibro os pneus a cada 15 dias e faço o rodízio, para desgastarem uniformente.
    Cuidando assim, já rodei 80000 km com um jogo de pneus.

    ResponderExcluir
  10. Aléssio Marinho23/12/10 12:04

    Lembrei de uma história.

    Certa vez fui socorrer o meu ex-cunhado caminhoneiro. A o diferencial do 1113 quebrou numa estrada vicinal não asfaltada e fui levar o carcaceiro para reparar.
    Só que o caminhão havia quebrado a mais de 100 km do asfalto, em lugar realmente ermo. E lá fui eu com meu corsinha com rodas de liga originais. Muita poeira e areião. Na volta, quando cheguei ao asfalto não conseguia passar de 60 km/h, tamanha a vibração do volante. Fiquei intrigado com aquilo, e me perguntando como as rodas desbalancearam tão rápido. Logo encostei num posto e tive a ideia de jogar uma água no carro e retirar a terra acumulada nas rodas. Depois disso, o desbalancemento sumiu.

    ResponderExcluir
  11. Caio Cavalcante23/12/10 12:11

    Bob,
    Acabei de utilizar esses serviços. Como já contei, cai num buraco e o pneu ficou inutilizado (corte na lateral) e a roda empenada. Fiz o balanceamento na bancada numa loja de renome aqui no Rio, e mesmo assim é notável a desatenção dos "profissionais" com detalhes. No teste de longa duração da Quatro Rodas sempre ocorre algum problema com balanceamento/alinhamento na rede autorizada, onde deveriam em tese fornecer um serviço mais qualificado. Sempre fico em cima questionando tudo o que fazem. Queriam fazer alinhamento tambem, mas como o carro tem só 2.000 km (deu pena descartar um pneu tao novo) preferi ver como ia ficar o comportamento do carro só com o balanceamento e desempeno da roda. Fiz certo? Aliás, desempeno em roda de alumínio, é viável?
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  12. Caramba! 80kkm sem trocar os pneus!

    ResponderExcluir
  13. Uma coisa que faço sempre ao colocar pneus novos é retirar todos os pesos e rodar com eles uns dias antes de balancear.

    ResponderExcluir
  14. Bacana tocar no assunto Bob,

    Rodas bem balanceadas, pneus bons e bem calibrados aumentam muito o conforto e também a segurança, além de conservar o carro.

    []s

    ResponderExcluir
  15. Marcelo Augusto23/12/10 14:53

    Quando são colocados os pesos, fica balanceado o conjunto roda pneu, sendo assim, um desgaste uniforme do pneu pode não gerar desbalanceamento mesmo se usado o pneu por toda a sua vida útil.

    Como não faço rodízio, notei isso várias vezes: os dianteiros chegam a 3mm a 4mm de profundidade - hora de substituir - sem nunca terem apresentado sintomas de desbalanceamento.

    ResponderExcluir
  16. Uma coisa que eu observei no último balanceamento foi que o "profissional capacitado" não tirou as pedrinhas grudadas na borracha no pneu, e fez o balanceamento sem a calotinha do meio e sem o parafuso dela (que não fica no meio).

    Muito interessante essa informação da marcação no local de menor peso do pneu. Desconhecia a informação.

    Excelente post.

    ResponderExcluir
  17. A roda que sofrer um impacto que lhe deforme a circunferência não pode desbalancear o conjunto?

    ResponderExcluir
  18. Bob,

    Assim como disse o Freddy acima, como ficam as calotas de centro e os parafusos de fixação que não ficam centralizados?

    Cheguei a perguntar isso ao cara do balanceamento uma vez, mas ele disse que o peso do parafuso era desprezível, e a calota era balanceada e não causaria qualquer alteração no balanço geral da roda.

    ResponderExcluir
  19. Anderson
    É prova inquestionável de que o balanceamento estava errado.

    ResponderExcluir
  20. Reynaldo
    Realmente é dificil.

    ResponderExcluir
  21. Daniel,
    Perfeito, mas o que não se deve fazer é ligar a máquina e tentar balancear. Onde posso, dou esse conselho.

    ResponderExcluir
  22. Eduardo,
    De fato, tem mesmo. Não falta trabalho para quem é bom profissional.

    ResponderExcluir
  23. Totiy,
    Minha experiência diz o contrário, os carros saem sem os problemas que você cita, bem como toda vibração que vi até hoje provinha apenas das rodas. Mas se você afirma tudo isso, não vou duvidar. Na linha de produção, somente os faróis é que costumam sair com o facho muito alto, não por falta ou erro de ajuste, mas por considerarem gradiente de 1,0%, quando na maioria dos faróis dos automóveis de hoje é 1,3%. Já avisei diversas fábricas a respeito disso.

    ResponderExcluir
  24. MFThomas
    A ponta estriada da semi-árvore que fica depois da junta homocinética, se empenada, é facilmente detectável colocando-se uma roda perfeita e observando ela girar. Estando essa peça empenada, não há balanceamento que dê jeito, roda no carro ou fora. É claro que estamos falando de balanceamento no post, não de rodas avariads.

    ResponderExcluir
  25. Thiago,
    Uma roda é obviamente uma peça rotativa. Se a roda estiver "zerada", com balanceamento perfeito, é indiferene o tipo de carro. Me parece mais qualquer erro no balanceamento das rodas do seu Corsa na máquina, fora do carro.

    ResponderExcluir
  26. Aléssio Marinho,
    Bela durabilidade, parabéns.

    ResponderExcluir
  27. Caio Cavalcante,
    Mesmo com baixa quilometragem, se você pegou um buraco que fez esse estrago todo, convinha conferir o alinhamento. Já desempenar roda de alumínio é desaconselhável, ela pode vir a quebrar em pouco tempo. Recomendo que compre uma nova.

    ResponderExcluir
  28. Giovanni,
    Por que esse procedimento? Não ajuda em nada.

    ResponderExcluir
  29. Anônimo 23/12 14:32
    Certamente que sim. Isso é fundamental para o que você aponta.

    ResponderExcluir
  30. Marcelo Augusto
    Conforme expliquei, o que faz uma roda perder balanceamento é o desgaste do pneus. Mas isso varia de roda para roda em função da quantidade de pesos, mais peso vai dar desbalanceamento mais cedo. De qualquer maneira, rodas desbalanceadas são fáceis de perceber. Se no seu caso não houve percepção de roda desbalanceada, ótimo.

    ResponderExcluir
  31. Paulo Roberto,
    Desbalancear, no sentido de equilíbrio de massas, não, mas a roda fica com um ponto excêntrico e isso provoca vibração.

    ResponderExcluir
  32. Freddy,
    Massas próximas ao centro não influem no balanceamento. Já não remover as pedrinhas é imperdoável. Até fica o certo o balanceamento, mas se as pedrinhas saírem depois...

    ResponderExcluir
  33. Raphael Hagi
    A pessoa que fez o balanceamento está certa, não interfere por serem massas próximas ao centro.

    ResponderExcluir
  34. O problema é voce falar da temperatura da máquina para fazer o balanceamento. Ou mesmo, dependendo do local, o cara fazer o balanceamento sem te empurrar a troca de inumeros componentes do carro.

    Faz um mes, mais ou menos, parei num desses centros automotivos para alinhar e balancear. Quando es de o "profissional" condenou a suspensão dianteira e disse que poderia trocar tudo na hora, mandei que colocasse todas as rodas no carro e que eu iria embora.

    Levei numa oficina de confiança, que ligou a máquina de balanceamento alguns minutos antes de utilizá-la (só descobri o motivo agora) e depois alinhou o carro. Está "outro" carro.


    Marco

    ResponderExcluir
  35. Marco,
    Mais um caso típico de empurroterapia. Uma pena que isso exista.

    ResponderExcluir
  36. Vale observar tambem sobre o uso do anel centralizador em rodas de liga leve, se o anel estiver errado, não há balanceamento que resolva...
    Parabéns pelo post Bob!!!

    ResponderExcluir
  37. Bob,

    Ótimo tópico, muito pertinente à época, onde o pessoal está arrumando os carros para as viagens.

    Achei bastante interessante o relato do Giovanni, que roda um pouco antes de voltar e balancear .É necessário?

    Em bons autocentros, o pneu sem câmara já é assentado com produtos lubrificantes/vedantes que o levam à posição final?



    Mais três coisas :

    1- o profissional que opera a máquina e a revisão constante dessa máquina é quase tudo em um balanceamento de sucesso. Em uns 10 locais em minha cidade, em 1 fica perfeito.

    2- Gostaria que você comentasse sobre o balanceamento " fino " que a máquina permite. Normalmente fica desligado, posição onde zera o alinhamento na aproximação de 0 ou 5 gramas. Quando acionado, permite à maquina " enxergar" de 1 em uma grama, e cola-se tabletes desse peso até zerar.

    3- Já notou como pneus novos de excelente qualidade requerem MUITO POUCO chumbo?

    ResponderExcluir
  38. Totiy

    Você tem razão quando diz que visitou fábricas e não viu em nenhuma delas um equipamento de alinhamento de direção.
    E por que isto ocorre?
    As peças com as quais se constroem um veículo são fabricadas dentro de tolerâncias especificadas em projeto. Para montá-las, existem, quando necessário, dispositivos construídos de maneira a fazê-lo dentro das devidas tolerâncias também.
    Em decorrência disto, quando o veículo sai da linha de montagem, os componentes dos sistemas de suspensão e direção estão dentro das especificação de projeto. Significando que o alinhamento está correto.
    Desta forma, colocar-se um equipamento para aferição do alinhamento de rodas seria redundante, provocando investimento e mão de obra e gasto de tempo desnecessários.

    ResponderExcluir
  39. Davi
    Certamente, não é admissível nada que gira estar fora de centro.

    ResponderExcluir
  40. Complementando o excelente "post" do Bob, ainda chamo àtenção para a "picaretagem".
    Em algumas "oficinas especializadas" em alinhamento e balanceamento, é comum, principalmente em veículos da marca Chevrolet, quando o carro está no elevador, o mecânico sacudir as rodas dianteiras, chamar o proprietário, dizer que está com folga e sugerir a troca das "bieletas".
    Não caia nessa. Neste caso, leve o carro a um mecânico de confiança para uma verificação, antes de qualquer substituição.

    Outro golpe é aplicado pelas concessionárias de uma determinada marca coreana, que faz os "melhores carros do mundo".
    O proprietário, para ter a garantia de 5 anos válida, tem que visitar o concessionário constantemente. Em todas as vezes o atendente tenta lhe empurrar o chamado "alinhamento técnico". E o preço de "alinhamento técnico" é absurdo.
    Alinhamento deve ser feito quando necessário e não quando interessa financeiramente aos concessionário.

    ResponderExcluir
  41. Alexei
    Perguntei para o Giovanni por que ele adota esse procedimento, ele ainda não respondeu. Não vejo nenhum motivo para rodagem inicial sem balancear. Pelo contrário, teoricamente pode até marcar a banda de rodagem na zona de eventual desequilíbrio. Sim, na moontagem do pneu é aplicado lubrificante, que pode ser silicone, para facilitar o assentamento do talão no aro. Mas até água serve para isso, pois a água é o lubrificante natural da borracha. Claro, não deveria, mas é comum balanceamento sair errado. Como você disse, depende do operador e da máquina, que tem de estar aferida. Se a máquina tiver escolha entre balanceamento normal e fino, este deve ser usado, sem dúvida. Se já notei que pneus de qualidade requerem pouco chumbo? Desde o começo dos anos 60...
    Abraço, Alexei.

    ResponderExcluir
  42. Professor Colucci
    Matou, é exatamente isso. O único ajuste é no final da montagem, quando o carro avança até à estação de ajuste da convergência, feita rapidamente e com toda precisão. Na linha do Uno, que tem ajuste da convergência e cambagem traseira mediante arruelas-calço entre o braço triangular e o monobloco, a seleção destas para atingir os valores espcificados é por meio de um complexo sistema eletrônico de determinação do número de arruelas, bonito de se ver.

    ResponderExcluir
  43. Que legal este post, eu nem imaginava para que serve a bolinha vermelha na banda do pneu, obrigado pela dica BS, aliás aproveito para protestar, como anda ruim os balanceamentos por ai, ainda busco incansávelmente um bom local para alihamento e balanceamento, como está difícil encontrar :(

    ResponderExcluir
  44. Desculpem a demora na resposta.
    Faço isso porque observei certa vez que mandei balancear um conjunto que ficou perfeito e depois de alguns dias tive de refazer o serviço. Depois que passei a adotar a prática o balanceamento dura praticamente por toda a vida do pneu e em certos casos já aconteceu de eu colocar um novo jogo, rodar uns dias e depois não ser necessário qualquer peso. Claro que não faço isso às vésperas de pegar estradas ou andar em velocidades mais altas. Talvez o pneu se acomode melhor na roda ou a malha do pneu se expanda adaptando-se à pressão. Se for um carro que fica muito tempo parado então, é jogar dinheiro e tempo fora. Meu maverick que costuma ficar semanas parado tende a ficar com pneus quadrados ou pouca calibragem, basta calibrar e andar alguns quilômetros e as vibrações desaparecem. Foi só uma experiência que tem dado certo.

    ResponderExcluir
  45. Marcelo Augusto24/12/10 15:32

    Bob,

    Esta queda dos faróis de 1 a 1,3% julgo que pode variar também devido à altura dos mesmos perante o solo. É isso mesmo? Aqueles Palios da primeira reestilização, notei que o facho parece que era um pouco elevado demais. Mas nos atuais, parece que melhorou, mas pode ser devido ao facho baixo ter adotado refletor elipsoidal

    ResponderExcluir
  46. Giovanni
    Acho que não tem lógica, tanto que nos carros zero-km a regra é o balanceamento vir perfeito e assim ficar por pelo menos 20.000 km. Mas se para você vem funcionando, e isso é o que importa, não há por que deixar de continuar com a sistemática.

    ResponderExcluir
  47. Marcelo Augusto,
    Não tem a ver com tipo de refletor, mas de norma para automóveis. Em geral os carros trazem próximo ao farol esquerdo um adesivo com ideograma de facho baixo e a indicação 1,3%, justamente para fornecer o valor para a tela da máquina de regular. Veículos maiores, como picapes médias, têm outra especificação de gradiente.

    ResponderExcluir
  48. Caros Waldemar Colucci e Bob:
    Concordo com as afirmações postadas pelos srs a respeito das minhas observações, realmente os processos industriais evoluiram muito ,e os casos por mim descritos são excessões em milhares de unidades produzidas , mas elas existem e não existe queixa pior de ouvir de um proprietário de veiculo 0km como essa "justo meu carro saiu desse jeito", já vi modeolos basico com desempenho melhor que o modelo melhor acabado e não há como saber o quão estava inspirada a linha de produção aquele dia em que o "nosso" carro foi produzido , alem de que o custo de uma verificação de al/bal é bem baixo se levarmos em conta que um veiculo desalinhado pode tirar 50% ou mais da vida util de um pneu,a portanto prudência, dinheiro no bolso e canja de galinha , não fazem mal a ninguém!

    ResponderExcluir
  49. Marcelo Augusto25/12/10 04:14

    Citei os elipsoidais pois estes mesmo um pouco mais elevados que o normal, seu corte de facho mais definido atrapalha menos. Engraçado que o bom e velho Astra tem estes faróis, e o Vectra não; assim como um Palio os tem, e os modelos superiores não. Uma sugestão: um dia o senhor poderia falar mais sobre iluminação aqui.

    ResponderExcluir
  50. Mercelo Augusto
    Sugestão anotada.

    ResponderExcluir
  51. Sensacional post, Bob!

    Eu tenho um grande problema ao balancear na máquina. Tenho um Corcel ll e não encontrava lugar que tinha uma máquina que encaixasse a roda original dele. Sofria para balancear até encontrar um lugar decente que faz o balanceamento no local. Até então, não vejo problemas ao rodar. Está perfeito!

    Parabéns pelo trabalho de todos do AE!

    Ótimo 2011 pra todos!

    ResponderExcluir
  52. Aléssio Marinho27/12/10 04:03

    Bob,

    Existeo balanceamento automático, que são esferas aplicadas dentro do pneus. Mantem os pneus calibrados durante toda a sua vida útil.
    Resolve 99% dos problemas relacionados a balanceamento de rodas.
    Alguem conhece um autocentro que vende isso?

    ResponderExcluir
  53. Aléssio Marinho27/12/10 04:04

    Bob,

    Existeo balanceamento automático, que são esferas aplicadas dentro do pneus. Mantem os pneus calibrados durante toda a sua vida útil.
    Resolve 99% dos problemas relacionados a balanceamento de rodas.
    Alguem conhece um autocentro que vende isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse tipo de balanceamento só serve pra pneus de perfil alto,80 no minímo. É uma pena, pois eu achava que enfim iria conseguir um bom balaceamento. Todos os carros que eu tive com rodas de liga leve, sem exceção, após desfazer o balaceamento de fábrica nunca mais ficaram bons. Balanceamento com as rodas fora nunca prestou, mas naquele sistema "primitivo" com as rodas montadas, ainda foi o que melhor ficou, mas somente aceitável, bom jamais.

      Excluir
  54. Ser autoentusiasta é curtir um sofrimento atualmente...
    Como já dito, a prestação de serviço em geral é o maior causador do câncer!!! Dois casos na sequência!!! Para conseguir um carro minimamente alinhado e pneus balanceados, tive que voltar 3 vezes numa oficina.
    Agora o caso é troca de buchas da bandeja, amanhã será o segundo retorno!
    Mas como consumidor consciente que sou, estas duas oficinas já estão riscadas!!! Sofrer com estas, não mais!!! O problema é a sensação que se tem com operadora de celular, não adianta mudar, que é trocar seis por meia dúzia.
    Tomara que eu tenha mais sorte na próxima.

    ResponderExcluir
  55. Bob,


    Não sei se já foi comentado aqui no blog, mas um post sobre pneu remold seria bem interessante.

    Há alguns anos eu tinha um Fiesta Street e fui colocar um conjunto de rodas de liga leve e caí nesse conto do pneu barato. Lembro que foram horas pra conseguirem balancear as rodas e era cara pedaço imenso de chumbo que foi colocado nelas pra dar certo. No fim só rodei 500 km com os pneus, entrei em acordo com o dono da loja me repassou 4 pneus quase novos, aro 14, de uma pessoa que trocou seus pneus originais por um maiores.

    ResponderExcluir
  56. Jansen Arcoverde
    Tudo bem, mas você não comentou se o balanceamento ficou bom ou não. Seria interessante saber, dentro do tema do post. Escrever post sobre remolds? Acha mesmo que vale pena falar de lixo no AE?

    ResponderExcluir
  57. kkkkkkkkk... LAUGHING OUT LOOOOUD!

    ResponderExcluir
  58. Além de o balanceamento não ficar bom, o carro não tinha aderencia nas curvas e o ruido ao rodar era imenso, parecia que eu andava numa picape.

    Acho q seria interessante falar, ainda vejo que há muita falta de informação sobre o assunto. Conheço muitas pessoas que cairam nesse conto do pneu mais barato.

    ResponderExcluir
  59. Ah só pra não dizer que só os Bs Colway são ruins, a marca que coloquei na época foi uma tal de Magnum Tires. Lembro bem que quando tiramos os remold e colocamos os goodyear gps 3 o tamanho do chumbo reduziu a menos de 1/4 do que tinham colocado nas rodas quando do uso da porcaria remoldada.

    ResponderExcluir
  60. Bob,
    Essa semana senti na pele como está cada vez mais difícil encontrar um local onde sigam à risca as boas práticas do balancemento, quando lembrei desse post. Em apenas um local o equipamento não estava desligado e/ou desnivelado (balançando mesmo)! Já lidei com balanças analíticas e de precisão em laboratório farmacêutico e constatei com alguns testes simples desvios de de aproximadamente 10% (usando-se pesos padrões) quando as pesagens são feitas com o equipamento recém ligado. Desvios ainda maiores podem ocorrer com equipamentos desnivelados. O pior é que muitos profissionais não querem aprender o jeito certo de se fazer os serviços, num dos estabelecimentos um funcionário riu na minha cara quando expliquei sobre o por quê de se manter a máquina ligada e não fazê-lo somente na iminência de se balancear a roda.

    ResponderExcluir
  61. Não esquente com essa turma Marlos, não vale a pena, por isso que o "cidadão" vai continuar balanceando pneus pro resto da vida. E ainda depois reclama que não teve oportunidades.
    Abs

    ResponderExcluir
  62. Sim, Fabio, foi isso mesmo que fiz: simplesmente ignorei. Sinceramente, já não perco mais meu tempo com esse tipo de gente que se acha muito sábio para aprender algo novo.
    Só fiquei surpreso com o quanto pegou essa "moda" de desligar o equipamento, sendo que até os manuais dos aparelhos, como um que tenho aqui dos Geodyna (Hofmann), desencorajam tal prática.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  63. ola meu nome e adriano trabalho em um centro automotivo na região do tatuape sp sou balanceador a 20 anos gostaria de registrar a minha opniao a respeito de balanceamento de coluna com as rodas fora do carro e balanceamento no local o balanc fora do carro e muito importante mas e fundamental fazer o afinamento no local sempre faco o balanc fora porque a divisao de peso e muito mais precisa mas sempre que confiro no local uma roda ou outra da dif confiro no local e resolvo prob faco em media 1200 no mes e raramente tenho reclamacoes

    ResponderExcluir
  64. Boa tarde Caros colegas...
    Tenho uma S-10 tornado 4x4 turbo diesel 2010,estou com 4 pneus novos, mais infelizmente furei um dos pneus traseiro furou com um prego na Estrada. Tive que fazer uma vulcanização do pneu e ficou muito bom, inclusive o alinhamento não foi alterado. No entanto, percebi que algo mudou em relação ao balanceamento do carro, pois, esta apresentando uma leve oscilação (levemente tremendo, quase não é percebido) no volante quando ultrapasso 100 Km/hora...
    Procurei alguns proficionais da área e eles me disseram que não seria necessário fazer um novo balanceamento, pois o carro esta alinhado...
    Aguardo...

    ResponderExcluir
  65. Rodrigo
    Alinhamento não tem nenhuma relação com balanceamento. O que você sente certamente é desbalanceamento, a menos que o reparo no pneu o tenha deixado com defeito na banda de rodagem.

    ResponderExcluir
  66. Caro Bob:
    Meu nome é Fabiano Augusto, 47 anos, sou de Florianópolis/SC, um Auto Entusista de verdade. Um breve currículo: Desde meus 15 anos me interesso por mecânica, e a partir dos 18/19 anos já preparava meus carros e dos amigos para os rachas da época. Depois fui dono de uma oficina de regulagem e preparação por 20 anos e fazia faculdade paralelamente. Hoje tenho formação jurídica e trabalho nessa área, sendo a mecânica meu hobby. Dito isso, afirmo que em 30 anos nunca encontrei, na minha cidade bem como outras no entorno, equipamento e pessoal com conhecimento para balancear um carro com rodas de liga leve, seja com máquina de coluna ou com pick-up. Já percebi que a falha de todos é relacionada ao balanceamento dinâmico, que pick-up não faz pois é complicado e não tem operador com conhecimento, sendo sempre exatamente com o vc descreve, ou seja, em velocidade multipla. Um caso interessante foi de um Escort Zetec 1997 novo que tive, o qual veio com rodas de aço que troquei por rodas de liga leve novas e genuínas, vindas do Escort SW meu pai. Nunca ficou devidadmente balanceado, alegavam que os pneus, Firestone S 660 da época, eram ruins, não prestavam e eram tortos. Por fim, antes de vender o carro, pus as rodas de aço e os "pneus tortos" ficaram bons num passe de mágica. Concluí com essa experiência, que o balanceamento dinâmico para rodas de liga deve ser realizado por pessoal e equipamento mais apurado, o que não é o caso. As máquinas estão sempre desligadas antes do serviço, são antigas, e sempre dizem que se não ficar bom tem que fazer na pick-up, o que no fim das contas e na minha prática acaba ficando melhor, num patamar mais aceitável. Atualmente tenho um Jetta TSI e já estou temeroso na hora de trocar os pneus. Já pensei nos Michelin Pilot que são muito bons, mas o pior balanceamento é justamente deles aqui em Florianópolis(DVA Pneus), sendo inacreditável a falta de preparo, e não foi pontual, pois tive 3 experiências ruins lá. Esse é o meu relato, triste mas real. Um abraço e parabéns pelo excelente blog. Fabiano Augusto (f.krieger@uol.com.br)

    ResponderExcluir
  67. Caro Fabiano,
    Se essas três condições não forem satisfeitas: 1) máquina de balancear de boa qualidade e aferida; 2) máquina aquecida; 3) - operador que conheça o assunto suficientemente, nenhum balanceamento sairá perfeito. Você citou o caso do seu Jetta TSI: pois as rodas dele foram balanceadas na fábrica e estão perfeitas, não é? Se foi assim na fábrica, pode ser assim fora dela. Posso dizer que até hoje tive sorte com balanceamento dos meus carros, embora sempre acompanhe o trabalho e me certifique de que a máquina esteja "quente".
    Sobre o balanceamento com roda no lugar, já tive uma máquinas dessas na minha concessionária VW muitos anos atrás e ao ler o manual encontrei a instrução sobre balancear estático e dinâmico, justamente determinado pela posição do pick-up, vertical, por exemplo, no braço de suspensão o mais próximo da roda possível, para o balanceamento estático, e lateral, o mais próximo do pneu possível, para o balanceamento dinâmico.
    Ficava perfeito, mas dava um certo trabalho e, pior, não era bom acionar as rodas dianteiras do Passat, a coroa do diferencial não girava, portanto não puxava óleo para a caixa de satélites, o que poderia ocasionar danos às planetárias e satélites por falta de lubrificação (os clientes não merecemi isso). Lembre-se, essas máquinas foram feitas mais para carros americanos de tração traseira, em que as rodas dianteiras giram livres.
    Era possível, cheguei a fazer isso, fazer as rodas dianteiras virarem no motor, mas era mais uma complicação, era preciso dois operadores para balancear. Chegou um momento em que desisti e passei a balancear com a roda fora somente, e sempre com bons resultados.
    Finalmente, ao assistir uma operação de montagem de pneus nas corridas importantes, você verá os balanceamentos todos feitos fora.
    Qualquer coisa, estou por aqui.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  68. Por favor, alguém poderia indicar oficinas ou redes na cidade de SP ? Já tentei algumas, mas o sucesso é variável. Mesmo o serviço aparentemente sendo feito de forma correta, não fica bom.

    Abraço

    ResponderExcluir
  69. estou com um problema ,comprei um conjunto de jantes e pneus novos , foram a balancear e depois basta me dar uma volta e ao colocar as jantes outra vez na máquina ( uma vez que senti vibrações fui fazer o teste) estas já não estão zeradas uma a 0-10 outra a 10-10 por exemplo , o que poderá causar estas diferenças apenas a fazer 5 kilómetros , é possivel as rodas desbalancearem tão rápido em 10 minutos , ou a máquina é que já não está a fazer a mesma leitura ??? as jantes podem ter defeito que leve a descalibrar , era muito esquisito....pelo que li a única coisa que pode fazer desbalancear seria o desgaste do pneu , então que mistério é este que faz os meus pneus desbalancearem em 10 minutos??

    ResponderExcluir
  70. José
    Só pode ser problema na máquina de balancear. Não há outra hipótese.

    ResponderExcluir
  71. obrigado pela resposta rápida estou mesmo desesperado e nunca vi tal problema de desbalanceamento tão rápido o problema é que já fui a diferentes máquinas, aqui não existem as hunter com road force essa seria uma boa hipótese

    ResponderExcluir
  72. José, cheque se o peso não se desprendeu. Peça que refaçam.

    ResponderExcluir
  73. fui a uma casa com as hunter mas parece me que não sabem tirar as potencialidades da máquina pois fizeram o road force test com apenas 4 kg e eu li que essa máquina pode exercer até 900 kg , acabei por balancear as 4 rodas mas depois propuseram me o balanceamento estático e não sei qual deles resolveu se o facto de as máquinas hunter calibrarem melhor ou se foi o balanceamento estático mas como as minhas vibrações eram laterais no volante acho que o estático não resolveu nada pois li neste texto acima que o estático apenas resolve problemas de trepidações verticais , amanhã vou tirar mais conclusões a andar com o carro mas penso que ficou bom pelo menos no volante mas parece que o carro treme de chassi se calhar vou verificar as rodas de trás ou já é impressão minha uma vez que agora tenho pneu de baixo perfil 40 e os de origem eram 55 talvez seja essa a impressão , de qualquer maneira penso que melhorou ...desde já obrigado pelo feedback em relação ao que escrevi sobre o balanceamento estático com as rodas no carro , não foi isso que resolveu no volante pois não estático se refere apenas a trepidações verticais??

    ResponderExcluir
  74. já agora isto é um bocado obssessivo mas continuo a não perceber porque uma roda quando é verificada dá sempre 0-0 e as outras dão sempre diferença foi sempre isso que me levou a crer que as rodas desbalanceavam numa simples volta de 5 kilómetros e me levou a pensar em defeitos nesses 3 pneus ou inclusivamente nas jantes

    ResponderExcluir
  75. se não for pneu de primeira linha... esqueça! nunca vai dar balanceamento mesmo!

    ResponderExcluir
  76. por acaso são uns bridgestone potenza mas como eu expliquei os pneus zeram todos e com pouco peso , mas se os colocar outra vez na máquina depois de ir dar uma volta só um se apresentou zerado , já me explicaram que é normal a máquina não ler os mesmos pneus que acabou de zerar e do tipo se os puseres na máquina depois de ires dar uma volta é normal já não dar 0-0 , se o sr. Bob Shapard puder comentar em relação a isto , uma vez que aprecio muito o seu conhecimento técnico ...e já agora me puder esclarecer sobre uma coisaa , eu alterei o meu offset de 45 para 35 um bocado sem querer e por falta de conhecimento de quem me vendeu as jantes , mas agrada me o offset mais para fora o que já não é mau , eu nos sites da rover do reino unido li que no rover 25 ou mg zr é permitido um aumento até 35 , tem algum conhecimento sobre este carro ou problemas de alteração de offset em outros carros , mas tendo em consideração que só alterei de 45 para 35 ....qualquer comentário de outra pessoa é bem vindo também .....Obrigado

    ResponderExcluir
  77. José é Bob Sharp o nome do mestre.

    Pode ser coincidência, mas coloquei pneus Potenza G3 no carro da minha sogra, foram montados em oficina credenciada da Bridgestone. Ao testar o carro também percebi leve vibração, acabei não retornando com o carro por falta de tempo.

    Será que estes pneus tão bem falados no meio entusiasta não são tudo isso?

    ResponderExcluir
  78. Prefiro deixar para o Bob falar, mas no meu entendimento a questão do offset não causaria vibração e sim um peso a mais na direção, algo que poderia forçar todo o conjunto caso estivesse fora da especificação.

    ResponderExcluir
  79. Eu no meu caso ia mais para defeito da jante e não dos bridgestone uma vez que este jogo é o segundo pois desconfiei do primeiro mas não tinha nada a ver , não digo que a jante esteja empenada pois são novas mas acredito que não esteja nas suas especificações a nível de run out ou seja não é perfeita na sua circuferência o que será dificil de perceber a olho nú e causa este desbalanceamento , será isto possível ??????Também tenho reparado que esta pequena vibração pára em certo asfalto mais perfeito , eu já ando a pensar que talvez seja a leitura dos pneus de baixo perfil em asfalto mais irregular meio lombado e uma vez que a minha suspensão é preparada para perfil 55 e mudei para 40 talvez seja isso , suspensão mole e baixo perfil não combina , tou certo SR: Bob Sharp??????
    Mas o que me leva a continuar a bater no balanceamento é o raio dos pneus não se manterem zerados .......na segunda leitura na máquina , eu verifiquei que com as minhas jantes rover de origem também me deu diferenças quando fui comprovar mas não passava de 0-10 enquanto nesta jante tenho dequilibrios 10-15 , o que me dizem é que a máquina depois de zerar , é possivel depois de montar os pneus no carro percorrer alguns kilómetros e voltar a tirá los e colocar na máquina , é normal já não estar zerado ....Será?????

    ResponderExcluir
  80. José e todos
    O anônimo de 09:01 disse certo, o off-set diferente não interfere com o balanceamento, apenas muda a geometria de direção, o que, aliás, não é nada desejável. Quanto à máquina não repetir a leitura 0-0, nada nesse mundo causa isso a não ser a própria máquina. É como pesar alguma coisa numa balança qualquer, o peso indicado tem de ser o mesmo quantas vezes repetirmos a operação. Se não for, é porque a balança tem problema. O anônimo de 11:02 disse uma coisa possível, peso ter-se desprendido. É difícil mas pode. Para tirar dúvidas, é fazer com giz indicando onde foram colocados os pesos. Aí fica fácil sabe se algum caiu ou não. O anônimo de 17:10 falou em pneus não serem de primeira linha ser impossível balancear. Em termos, sim, mas se numa balanceadora que tem rolo para impor carga no pneu fizer a verificação e nada de anormal aparecer, o conjunto pode ser balanceado sem problema. De novo, como eu disse no texto, a máquina tem de estar "quente", ligada permanentemente ou a leitura sempre será errática. A tendência é as oficinas as desligarem para poupar energia elétrica e reduzir despesas, mas se máquina ficar ligada permanentemente, as chances de leitura errada serão zero. Quando trabalhei na Volkswagen e tinha acesso à engenharia, vi lá uma balanca de precisão para pesar veículos e na parede um aviso: "Esta máquina nunca deve ser desligada". Acho que você, José, deve insistir com a oficina e, não resolvendo, procurar outra.

    ResponderExcluir
  81. Sim Sr. Bob Sharp mas já fui a várias máquinas e esta que fui é uma hunter dessas com rolo a gsp 9700 , a máquina está aquecida pois tem sempre clientes e trabalho seguido é coisa que estou atento e é como digo na leitura a jante nunca está zerada só uma delas se apresenta zerada como se as outras perdessem o equilibrio rapidamente por isso fico um bocado obsessivo com isto pois também percebo que a única coisa que pode mudar a massa do pneu seria desgaste da borracha com alguns bons kilómetros e não numa pequena volta de 5 kilómetros , logo eu também penso que a máquina esteja a fazer a leitura errada , nesta da hunter não cheguei a confirmar se a máquina dá leitura mas como o carro até ficou bem desta vez não quis chatear , o que acontece é que em estradas perfeitas não tenho tremideira no volante por isso deve estar bem , é como digo talvez seja a leitura em asfalto mais lombado do pneu de baixo perfil dá um pequeno tremer .......mais uma pergunta ...se as rodas forem balaceadas fora do carro e depois ao fazer balanceamento com as rodas no carro se uma dessas rodas pedir peso quer dizer que já é no carro o desbalanceamento, ou seja nos rotores ou tambores???? eu sou de portugal , o que voces querem dizer com rotores e tambores??? são os discos de travão ??? Tenho razão nisto que digo ??, se o carro só for bem balanceado com as rodas no carro é porque o problema já é no carro ,ou seja, no que referi acima????Tambores ou rotores desbalanceados ??
    Obrigado

    ResponderExcluir
  82. Olá pessoal. Sou engenheiro mecânico formado pela Unesp e dono de centro automotivo desde 94. Vou tentar ajudar com o que tive de experiência até agora, já que estamos sempre aprendendo. Essa de andar com os pneus sem balancear por um tempo pra balancear depois não faz sentido algum. Como o Bob disse, se houver algum desbalanceamento excessivo só prejudicará o desgaste regular do pneu. Ligar a máquina antes pra aquecer, pode ser, seria bom ver com o fabricante, mas creio que mal não faz. Já testei as minhas logo que liguei, coloco 5g e a máquina acusa esse exato peso. A calibração da máquina sem dúvida é importante. Essa máquina Hunter com Road Force teoricamente é o mais perfeito sistema não só pra balancear, como pra eliminar a vibração ao rodar, que pode não parecer mas são coisas diferentes! Balancear se balanceia qualquer sólido que gire em torno de um eixo como pás de ventilador, turbinas de hidrelétricas, uma placa quadrada... mas coloque um quadrado balanceado como roda no seu carro e perceberá a vibração. Uma coisa é girar "no ar", outra é com contato no chão.

    ResponderExcluir
  83. Clientes perguntam (falando brevemente em porcaria como vcs dizem, se bem que tem toda a parte ambiental e tal, mas é assunto pra outro post!): pneu remould dá balanceamento? é claro que dá, até um quadrado dá, agora se vai gerar vibração? mais provável que com um novo pela sua pior distribuição de massa e oscilação de dureza. A primeira coisa a se fazer é o balanceamento. Os erros vem de centralização da roda na máquina, cone da máquina gasto ou com folga no eixo, manípulo que prende a roda na máquina muito desbalanceado, defeitos eletrônicos, etc. Estando á máquina em ordem e entrando com os parâmetros corretos, a roda montada na máquina estará balanceada. Se tirar a roda da máquina e voltar e der diferença, é porque houve alteração na centragem da roda e isso é impossível de não ocorrer, em maior ou menor grau. Aliás, não existe balanceamento perfeito como nenhuma medição perfeita, por isso se estuda teoria dos erros em engenharia. Prefiro colocar o cone da máquina por dentro da roda, principalmente em roda velha, pois no carro ela não será centrada pelo furo do lado de fora e estará em outra centragem. Então um problema é a correta centragem da roda na máquina e no carro, para evitar um balanceamento não errado, mas diferente do que se usará.

    ResponderExcluir
  84. Tenha em mente que tão importante quanto o balanceamento é a perfeita centralização da roda, que se faz pelo furo central e não pelos furos dos parafusos (só em carros mais antigos que não se exigia velocidades elevadas como fusca, etc). Um problema recorrente é a utilização de rodas "esportivas universais", que usam os anéis centralizadores para servirem em vários veículos diferentes. Esses anéis são de plástico e feito em várias medidas que exigem aplicação correta quanto a cor que se refere ao diametro do furo interno (laranja pra Vw, azul pra Gm, amarelo pra Fiat, etc) e a medida do diâmetro externo que é pra cada marca de roda, como 71,9mm, 72,5mm, 73mm, etc. Esses anéis já são mais um problema, pois fabricados a maioria em fundo de quintal são muito mal feitos, com materiais impróprios, moles e que repuxam quando solidificam, com qualidade dimensional péssima, que ao invés de centrar a roda descentram. já peguei anéis com diferenças de espessura de 1mm! O ideal seria que fossem de alumínio, houvesse um padrão de tamanho externo e houvesse um encaixe firme ou rosqueado, pois há motoristas que tiram a roda e colocam o estepe de aço por cima do anel ou mudando rodas de lugar acaba ficando um anel em cima do outro, podendo até cair a roda! Outro problema é que esse furo central de rodas universais são grandes demais pra encaixar os anéis adaptadores e ficam próximos aos furos dos parafusos, principalmente nas multifuros.

    ResponderExcluir
  85. Resta assim pouco material na roda entre o furo do parafuso e o furo de centro e com o tempo os parafusos vão amassando o alumínio no sentido do centro e a roda perde a centralização. Vejo também a variedade de rodas importadas que não se acha anéis específicos para entrar justos na roda e no cubo do carro. Vejo muitas Hilux, Triton, Pajero, com rodas aro 20 sem adaptação de furo central adequada e que vibram por toda vida, ficando a culpa com o pobre do balanceamento. Aí entra toda a fama do balanceamento "local". Ele simplesmente fica melhor nesse caso pois corrige um pouco o desbalanceamento do erro de centragem. Não é portanto por corrigir desbalanceamento de discos, etc, que realmente são muito mais precisos na distribuição de peso que o conjunto roda+pneu. Recapitulando: Precisamos balancear e centrar o conjunto na máquina e no carro. Centrar com perfeição, pois um pequeno erro de centragem de meio milímetro gera um bom desbalanceamento! Esse é o principal erro que gera vibração depois do balanceamento. Colocar roda de Vw em Gm? Péssimo! Apesar da mesma furação 4x100, a diferença de meio milímetro no diâmetro do furo central causa descentralização capaz de fazer vibrar bastante. E abrir centro de roda de Gm com lima ou retífica para entrar em Vw então! Essa prática comum condena a roda, não ficará centrada nem em Vw nem em Gm mais! Quer fazer direito abra no torno, e na medida exata pra entrar justo no cubo VW. Ainda assim restará a diferença de offset, que é assunto pra outro post também. A pior e mais perigosa de todas é a colocação de rodas Vw, Gm ou esportivas, com furação 4x100 ou multifuros em carros Fiat. A Fiat usa a furação 4x98 e essa adaptação com os parafusos normais deixa a roda fora de centro no cubo, faz com que o parafuso fique torcido e com perigo de estragar a rosca do cubo facilitando a soltura da roda, apesar de á olho parecer a mesma furação. O inverso também é péssimo, roda Fiat em carros VW ou GM. As multifuros de quatro furos vêm com furação 4x100 e 4x108 geralmente, nenhuma adequada a Fiat!) Infelizmente isso acontece muito. Existe o parafuso deslizante para adaptação, mas é caro e pouco usado. Outra péssima é a fabricação de rodas paralelas com furação 4x99mm, que ficam mais ou menos em VW e mais ou menos em Fiat! Agora, a outra grande questão, qual é melhor, balanceamento na máquina de coluna ou no local? Uma completa a outra e o correto é sempre fazer na de coluna pra se eliminar o desbalanceamento "lateral" (dinâmico) que só a de coluna faz adequadamente e se persistir a vibração completar o peso com a "local", sem retirar os contrapesos colocados no processo anterior e tentando centrar os contrapesos no meio da roda ou dividí-los metade pra fora metade pra dentro, pra não alterar o balanceamento dinamico.

    ResponderExcluir
  86. Aproveitando a rotação mais alta pra visualizar se há excentricidade da roda ou do pneu. Se houver da roda, verifique o furo de centro da roda, se está irregular ou o anel centralizador, se houver, caso esteja com folga no cubo ou na roda e se está uniforme. Se houver, substitua por um de aplicação correta e de boa qualidade. Caso a roda centralize e o pneu esteja oscilando, tente descolar o pneu da roda, lubrificar com pasta de montagem (de preferencia as de base de sabão, que não atacam a borracha como a vaselina e perdem o efeito de lubrificação mais rápido), girar o pneu na roda, inflar com pressão mais alta (verifique o máximo permitido escrito no pneu) para acomodar melhor o pneu na roda e uniformizar melhor a estrutura do pneu e tente de novo. Caso o pneu ainda oscile pra cima e pra baixo, coloque pra rodar na máquina local, pegue um giz de marcar pneus e apoie em um ponto fixo como o para-lamas e toque de leve na banda do pneu que está girando, marcando o ponto alto do conjunto. Coloque este ponto pra cima, solte um pouco os parafusos e chacoalhe a roda. Reaperte e veja se melhorou a centralização. Dá pra eliminar grandes desbalanceamentos assim sem acrescentar contrapesos. Agora o terceiro maior vilão da vibração e de fazer o carro puxar é o próprio pneu. E de qualquer marca. Não venham com essa de pneu Chinês ser pior pois tenho pego pneus chineses excelentes em oscilação e pneus das melhores marcas nacionais péssimos! Pneus são imperfeitos por natureza do processo de fabricação e deviam ter um limite pra oscilação radial e lateral. As montadoras com certeza exigem limites e é um dos fatores dos carros novos vibrarem menos. Aí entra o mencionado sistema Road Force da Hunter. Ele comprime um rolo no pneu e mede além do desbalanceamento pelos sensores piezo-elétricos as oscilações da roda, do pneu, forças geradas pelo pneu que fazem o carro puxar e oscilações dimensionais do pneu e de dureza. Pneus novos oscilam mais ou menos, variando de pneu pra pneu. Realmente existem carros mais sensíveis ao desbalanceamento e oscilações de pneu e roda. Carros sem sub-chassis agregados, onde os braços de suspensão vão fixados diretamente na carroceria, costumam passar mais vibração pro volante, como é o caso do Corsa, Celta, Uno, Prisma, etc. A inércia do agregado e a isolação das buchas dele ajudam a isolar a vibração das imperfeições e desbalanceamentos. Pra terminar esse complexo assunto, ainda existem vibrações confundidas com desbalancementos de origem diversas e que acontecem com freqüência, como vibração ao frear em velocidade que vem de disco de freio empenado, vibração forte da carroceria de um lado pra outro quando se acelera em velocidade que é provocada por problemas em semi-eixos como trizetas, tulipas, semi-eixo torto, etc. entre outras. Há também problemas de cubos empenados por impacto ou durante o processo de correção de cambagem com ferramenta parafusada no cubo, que tem que ser verificados com relógio comparador. Bom, me desculpem pelo longo texto, mas acho que descrevi a maioria dos problemas e pode ajudar a resolver o problema de alguém. Portanto, nem toda vibração provém do balanceamento mal feito e esse é o problema que torna o processo artesanal e muito técnico. Sobre o comentário de não sei quem, o coitado que vai fazer balanceamento pelo resto da vida pode ganhar mais dinheiro que alguns advogados, médicos, etc. Toda profissão merece o devido respeito. Trata-se simplesmente de uma questão de humildade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisamos de alguém que conheça tanto do assunto aqui em Florianópolis, todas as vezes que balanceei rodas de liga leve, sempre originais, foi um suplício.

      Excluir
  87. Marcelo Bonadio
    Em nome do AUTOentusiastas e dos leitores, agradeço os seus úteis e esclarecedores comentários.

    ResponderExcluir
  88. Marcelo, também agradeço pelos esclarecimentos. O termo que utilizei foi "cidadão" e não "coitado", desculpe-me se passei esta impressão, mas eu me referia à pessoa que riu do nosso colega autoentusiasta, quando o mesmo comentou sobre a questão do aquecimento da máquina. Natural do ser humano, nota-se a soberba em algumas ocasiões independente da profissão, assim como o contrário.

    ResponderExcluir
  89. Marcelo bonadio tocou num ponto muito importante e não dúvido que anda para aí muita gente com rodas mal centradas sem aneis centralizadores etc etc com parafusos cónicos em jantes com furação em forma de bola (cone arredondado ) , no meu caso tudo está direito mas acho que vou trocar os aneis de plástico pelos de aluminio mesmo por aquilo que o sr falou , da pobreza em geral dos aneis de plástico , vou trocá los .....
    Concordo plenamente com aquilo que disse da centralização da jante na máquina de balancear e foi mesmo por isso que tive resultados diferentes , pois a roda montada outra vez pode já não estar no mesmo grau ,mas vou contradizer o que disse sobre o uso centralizadores na p´ropria furação da jante , pois as Hunter usam esse sistema , e desde que o usei já não tenho tido diferenças nas jantes , por isso acho que esse sistema juntamente com o centralizador central será a melhor maneira pois fica exactamente como no carro , eu quando vi que as Hunter usavam esse sistema fiquei muito mais convencido que desta vez ia ficar bem , 3 pneus deram um road force de 4,5 kg o que é metade do admissivel , outro deu 9 kg o que estava muito no limite mas está dentro dos padrões da máquina , eles rodaram o ppneu indicado pelo computador da máquina e conseguiram reduzir para 7 kg , mas gostava de melhor resultados pois já li em fóruns Ingleses (onde se poderá encontrar informação desta máquina pois ela aqui em Portugal e mesmo aí no Brasil penso que poucos conhecem este sistema )que se consegue road force de 3Kg ou mesmo 2kg o que deixa o carro super suave como a rolar em vidro .
    È óbvio que podem pensr , então antigamente como era , nem havia essas máquinas e as coisas rolavam direitas .Sim é verdade , mas com a introdução dos pneus de baixo perfil as coisas são muito mais notórias e mais acentuadas pois a leitura do asfalto é muito acentuada ,o road force também não faz milagres , mas com um técnico com conhecimento , o que é muito importante , pois se não perceber não vai tirar partido da máquina , esta máquina consegue eliminar vibrações ou mesmo tornar a condução mais suave , saber onde colocar os pneus com menos road force á frente claro etc etc , consegue avaliar se é a jante ou o pneu que tem problema .....A mim não me intressa nada publicitar esta máquina mas como uma boa amiga que foi lol gostava que outros quando comprasse pneus etc fossem a uma loja com esta máquina que vos vai dizer logo se o pneu tem pouco road force ou não , e os técnicos se trabalham com esta máquina vão prontificar a trocar o pneu , no reino unido as coisas andam assim , e vejo muitas pessoas contentes com este sistema , o skyline gtr sai de fábrica obrigatoriamente com road force balance , a gm usa estas máquinas assim como muitas marcas de carro ........
    http://www.gsp9700.com/how/index.htm
    Fiquem a conhecer um pouco a máquina
    http://www.gsp9700.com/how/index.htm

    ResponderExcluir
  90. Marcelo Bonadio "" A primeira coisa a se fazer é o balanceamento. Os erros vem de centralização da roda na máquina, cone da máquina gasto ou com folga no eixo, manípulo que prende a roda na máquina muito desbalanceado, defeitos eletrônicos, etc. Estando á máquina em ordem e entrando com os parâmetros corretos, a roda montada na máquina estará balanceada. Se tirar a roda da máquina e voltar e der diferença, é porque houve alteração na centragem da roda e isso é impossível de não ocorrer, em maior ou menor grau. Aliás, não existe balanceamento perfeito como nenhuma medição perfeita, por isso se estuda teoria dos erros em engenharia. Prefiro colocar o cone da máquina por dentro da roda, principalmente em roda velha, pois no carro ela não será centrada pelo furo do lado de fora e estará em outra centragem. Então um problema é a correta centragem da roda na máquina e no carro, para evitar um balanceamento não errado, mas diferente do que se usará.

    Então como eu pensava e aconteceu comigo afinal é muito normal uma roda que foi zerada , ou ser colocada outra vez ou noutra posição na máquina etc devido ao relatar em cima é perfeitamente normal já não dar zerada , bem me parecia que isto era normal acontecer , muito mais em maquinas que não estiverem devidamente aquecidas e não forem calibradas há imenso tempo como acontece aqui em Portugal ..
    Isto de balancear rodas tem muito que se lhe diga e era um assunto que antes de ter problemas passava mesmo ao lado...mas é um tema interessante

    ResponderExcluir
  91. Depois de contatar um técnico da Bridgestone e relatar o caso dos 9kg que é o máximo que a hunter considera admissível de road force , ele disse me que os engenheiros da hunter nunca contactaram a Bridgestone quando desenvolveram a máquina , e no que toca a força radial os 9 kg estão muito abaixo dos padrões da bridgestone , sei quais os padrões deles mas da maneira que me falou parecia que estava a falar do dobro ou seja os 9kg é muito pouco, e não causará nenhuma vibração .
    Atenção que as Hunter quando avaliam o road force é no conjunto e esse road force poderá também ser causado por excentricidades em jantes , que até mesmo novas as vezes ultrapassam o limite de 0,08......
    agora haver um técnico que saiba tirar partido da máquina , pois a máquina identifica se o problema é da jante ou do pneu , mas como informática por vezes é chinês para o mero leigo por vezes os chamados técnicos não o sabem identificar .....

    ResponderExcluir
  92. Estou para comprar a máquina para balanceamento do Centro automotivo focado em pneus que estou montando. Após ler todos os comentários e já ter tirado proveito de várias dicas, gostaria de uma indicação de compra dessa máquina. Coluna, local ou tem que se ter as 2 e tem alguma máquina pra indicar? Me aconselharam a manual, baixa manutenção e sem risco de acidente com o chumbo que ainda não tenha sido fixado definitivamente. Desde já, grato a quem possa ajudar.

    ResponderExcluir
  93. Amigo, troquei as rodas do meu carro, um punto 2013, de 16 para 18 colocando pneu 225/40. Como sou leigo no assunto não questionei nada. Peguei meu carro e da loja já viajei. O problema é que mal chego a 70km/h e o carro já começa a pular com a direção trepidando. Minha pergunta é: ao ser feito essa troca, se faz necessário o alinhamento e balanceamento? Obrigado desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a resposta esta no próprio comportamento do seu carro...

      Excluir
  94. Juvenal Antena14/08/13 16:59

    Justamente!!!

    ResponderExcluir
  95. Roberto Amancio04/09/13 22:39

    Fiz o balanceamento na revisão dos 10 000 km, esqueci de fazer nos 20 000 km, agora fui balancear com os 30.000 km e os pneus estão deformados, e se balancear ficará com o ruído de ressonância. Se a partir de agora fizer rodízio a cada 3 000 km os pneus poderão voltar a ter desgaste uniforme?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberto Amancio
      Não resolverá. Uma vez deformado o pneu, ele não volta mais ao normal, infelizmente. De qualquer maneira, com essa quilometragem eles já devem estar com meia-vida restando. Recomendo que vocês troque os quatro se não quiser o barulho ao rodar.

      Excluir
  96. Ou seja, use seus pneus e a luta! Difícil mesmo é levar o carro na CC e te perguntarem, quer quer faça alinhamento e balanceamento? Mesmo sendo mais caro concordei por ser mais cômodo, resultado o carro que não vibrava voltou da CC vibrando... Olha!!! Muito difícil viu! Vergonhoso Dna. Ford, vergonhoso! Detalhe, mandaram uma cartinha de pesquisa de satisfação, enviei um e-mail de resposta, agora pergunta se me ligaram!

    ResponderExcluir
  97. O único balanceamento bom que eu conheço é o que é feito na fábrica do carro. NENHUM outro fica bom.

    ResponderExcluir
  98. Comprei um Civic 04 a 3 anos, balanceamento perfeito, 140 Km/h e parecia que estava num tapete só... depois de alguns meses fiz um novo balanceamento só por fazer mesmo e me arrependi profundamente, nunca mais consegui um balanceamento perfeito...

    ResponderExcluir
  99. Prezado Bob Sharp, ficaria grato quanto a uma resposta sobre a minha pergunta.

    P: Comprei umas rodas de liga leve original GM usadas para Astra aro 16, acontece que a zona de contato da roda com o cubo, teve perda de material quando de sua reforma, cerca de 1mm em todas as 4 rodas.

    1- Teria algum problema em rodar com menos 1 mm em sua zona de contato ??
    2- Seria interessante inserir um anel espaçado de 1mm para compensar tal perda ???

    Desde já, ficaria grato quanto a sua resposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amauri
      É temerário tirar material nessa região da roda, que é crítica. Não posso lhe assegurar que não haja problema de quebra da roda. Não é necessário espaçador a nenhum pretexto.

      Excluir
    2. Bob Sharp, muito obrigado pelos esclarecimentos. Como andarei com minha familia no veículo prezo sempre pela segurança. Fiz o serviço de restauração da roda na Pronto Rodas no RJ, como tive uma excelente indicação dessa empresa pelo vasto conhecimento que seu dono tem o Sr. Nelson, procurei falar com o próprio, justamente pela temeridade, ele como trabalha com rodas desde os 18 anos de idade, me garantiu que não haveria problema algum, indagando que se tem uma margem para retirada de material neste local que é de 5mm ( zona de contado da roda), na minha foi retirado cerca de 1mm. De qualquer forma, muito obrigado pelos esclarecimentos.

      Excluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...