Google+

10 de abril de 2011

CURVA DO CAFÉ, OU DEU A LOUCA NO MUNDO

Foto: Google Earth

Ainda se comenta bastante o lamentável acidente fatal de Gustavo Sondermann na prova da Copa Chevrolet Montana domingo passado, no Autódromo Municipal José Carlos Pace, em Interlagos, zona sul de São Paulo. Vozes diversas têm se levantado apontando falha no circuito naquele ponto e clamando por providências para aumentar a segurança dos pilotos.

Pois bem, a foto acima é a da curva em questão, a Curva do Café. Será mesmo letal como dizem? Note-se que é antecedida de uma subida razoavelmente forte e de uma curva, a Junção, de baixa velocidade - era de média velocidade, mas teve seu raio drasticamente reduzido na reforma de 1989, juntamente com outra, a do Lago.

A Curva do Cafe não mudou desde que o autódromo foi inaugurado em 1940 e nesses setenta e um anos só foram registrados quatro acidentes ali. Em dezembro de 1957 Mário Valentim capotou com um Maserati 300S devido a haver barranco na margem; feriu-se levemente. No GP do Brasil de 2003 Mark Webber bateu e Fernando Alonso atingiu uma das rodas do carro de Webber que ficou no meio da pista; nenhum dos dois se machucou. E os dois recentes de Rafael Speraficos (2007) e Sondermann.

É preciso não esquecer que em colisões laterais com as velocidades de corrida o piloto atingido não tem chance, independente das condições de segurança do carro. Em 1985 o piloto Valdir del Greco, funcionário da engenharia de Volkswagen, morreu instantaneamente quando seu Passat rodou na Curva Dois e foi colhido a meia-nau por um Opala. Era prova de campeonato paulista e, como na corrida fatídica para Sondermann, a largada foi dada sob forte chuva.

Carros podem rodar em qualquer curva, não apenas na Café. Por questão de instinto até para não se machucarem, pilotos sempre procuram desviar de qualquer obstáculo à frente. Para poder fazer isso é muito importante dispor de boa visibilidade.  Só que foram inventar que o piloto deve se sentar num ponto que seria aproximadamente o banco traseiro, afastando-o demais do para-brisa e prejudicando a visibilidade, especialmente com chuva. Para quê, pergunta-se, se tanto a Stock Car quando a Copa Chevrolet Montana são categorias monomarca. Um decisão bem burra, essa.

É preciso não esquecer também que corrida de automóvel é e sempre será um esporte extremamente perigoso e, principalmente, que ninguém corre obrigado. Cada um de nós - falo de cátedra - tem noção do risco cada vez que entra na pista.

Conheço bem a Curva do Café a bordo do Maverick Divisão 3 que pilotei uma temporada, um carro muito rápido, motor V-8 cinco-litros de 450 cv, potência parecida com a dos Stock Cars V-8  e da "picape" Montana atuais. Essa  curva nunca representou nenhum tipo de dificuldade ou perigo anormal mesmo fazendo a Curva da Junção em velocidade bem maior do que hoje.

Por isso achei hilariante o comunicado da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) que recebi ontem no computador dando conta que a entidade e a SPTuris (São Paulo Turismo S.A., empresa da qual a Prefeitura de São Paulo é sócia majoritária), numa reunião da qual participaram "representantes das principais categorias do automobilismo brasileiro", decidiram ampliar a área de escape da curva "para melhorar a segurança nesse trecho". A CBA, em um mês, receberá da SPTuris estudo para aprovação e posterior envio à Federação Internacional do Automóvel, diz a nota.

E mais, agora a parte ainda mais hilariante. Durante o período de "análise conjuntural da obra" as competições em Interlagos se realizarão com o uso de bandeiras amarelas (ultrapassagem proibida) ou de barreiras plásticas "colocadas estrategicamente" - só pode ser formando uma chicana. Ainda, segundo o engenhero Octávio Guazelli (atual administrador do autódromo, não foi dito no comunicado mas sei que é), "estas soluções podem ser usadas de forma complementar ou substitutiva".

Uma das soluções apontadas no comunicado da CBA é a remoção do último lance de arquibancadas para ampliar a área de escape externa em vinte metros de largura numa extensão de até duzentos metros. Agora, e esta é típica do "Acredite...se quiser" do Jack Palance, o revestimento da área de escape será de "material especial de baixa aderência", para evitar o uso dessa parte como pista...Ou seja, além de otimizar as condições para um carro atingir o limite da área de escape, devido ao piso de menor atrito, consagra-se a falta de autoridade esportiva, pois usar área de escape em benefício próprio constitui infração ao regulamento esportivo. Foi  exatamente por isso que Ayrton Senna foi (injustamente) desclassificado no GP do Japão de 1989 após se enroscar com Alain Prost.

Aliás, sugiro que CBA entre com uma ação contra o Indianapolis Motor Speedway, pois os carros correm muito ali e não existe área de escape externa... 

Indianápolis, sem área de escape (foto answers.com)

Cada vez me convenço mais que deu mesmo a louca no mundo.

BS

44 comentários:

  1. A.Oliveira10/04/11 16:08

    ótima matéria

    ResponderExcluir
  2. Bob, parabéns pela matéria, o que a gente leu de absurdo depois do acidente...
    Mas esse é apenas mais um episódio na história da destruição de Interlagos.
    Por exemplo, a curva do Sargento, que apesar de não estar mais sendo utilizada, estava ali tranqüila, cogitando talvez sobreviver, foi extirpada, foi feita ali uma quadra poliesportiva (?!?!?), jamais utilizada... Construíram também uma enorme estrutura de concreto sobre o antigo paddock, tirando mais um pouquinho do visual da pista... Pobre eng° Samson, autor dessa obra genial, o que será que deve ele estar pensando sobre todos "representantes das principais categorias do automobilismo brasileiro", alcaides, diretores do autódromo e outros, que vem se dedicando a destruir sua obra prima?
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Bob;

    200m é distancia suficiente para o bimotor médio de 40 passageiros De Havilland DHC-5 Buffalo, recentemente desativado pela FAB decolar...

    Acidentes acontecem. Lamentávelmente. Mas foi (infelizmente) numa corrida de automoveis, em um autodromo.

    Nessa logica, deveriamos interditar varias ruas, com curvas que "expulsam" o automovel para fora de seu centro, arrancar lombadas em trechos de estrada, e por ai afora.

    Abråços!

    ResponderExcluir
  4. Vao colocar sinais, lombadas e radares do tipo fixo e movel! para aumentar a seguranca: Velocidade pra que?!?!
    :p

    ResponderExcluir
  5. Caro Thiago, realmente: velocidade pra que? é "bestagem"...

    ResponderExcluir
  6. Bob, que me diz dos horrendos adesivos colocados nos párabrisas dos (sic) carros da estoque e da monstRana? Já não basta o piloto sentar no banco traseiro e ainda tem metade do vidro tapado!

    ResponderExcluir
  7. Bom, somando os envolvidos na SPTuris e CBA, acho que o único que sabe o que faz numa entidade envolvida no automobilismo é meu ídolo Paulo Gomes. Os outros ocupam seus cargos por razões políticas (ambas) ou por gerirem bem o Pavilhão do anhembí e o Sambódromo (SPTuris). Tenho medo do que essa gente que não gosta de automobilismo pode fazer com o autódromo.

    ResponderExcluir
  8. Marcos AlvarengA10/04/11 21:31

    Bob,

    Muito se fala no traçado antigo de Interlagos. Gostaria que você um dia fizesse um post sobre esse circuito, muitas vezes colocado ao lado de Spa como um dos melhores e mais desafiadores. Nasci em 82, por isso não tenho nenhuma lembrança da pista antiga.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  9. Eu li isso mesmo ?!?!? o.o*

    Daqui a pouco vão colocar semáforos, e limitadores de velocidade nos autódromos!!!

    Cada palhaçada viu... ¬¬"

    Abraços
    Kiko Molinari

    ResponderExcluir
  10. Bob,

    Muito se fala no traçado antigo de Interlagos. Gostaria que você um dia fizesse um post sobre esse circuito, muitas vezes colocado ao lado de Spa como um dos melhores e mais desafiadores. Nasci em 82, por isso não tenho nenhuma lembrança da pista antiga.

    Abraço, (2)

    Nasci no mesmo ano, e depois de fazer um Trackday em Interlagos, passei a ter mais curiosidade sobre o antigo traçado.
    Com certeza o Bob conhece bem..

    Mark

    ResponderExcluir
  11. Luiz Dranger10/04/11 22:24

    Bob, bom texto, mas acho que não deu a louca no mundo não. É o efeito Brasil !!!!!! A incompetência da CBA que desde a gestão anterior não faz nada e a atual é talvez pior ainda, (não sei o que o Paulo Gomes faz lá, mas deveria ter vergonha)a bosta que é a stock-car e similares, o fim das categorias de acesso, e por aí vai. A SP Turis nunca retirou os guard-rails da pista improvisada da Indy, etc... Bandeira amarela em uma quase reta é ridículo. Vi hoje na corrida dos riquinhos (Itaipava) cheio de "braços-duros" pilotando Lambos, Ferraris, Corvettes etc. Alguns são bons, mas poucos. A bandeira amarela no melhor trecho de ultrapassagens. Não vou mais perder meu tempo vendo essas corridas horríveis.
    Abração,
    Luiz

    ResponderExcluir
  12. Essa proposta de alteração em Interlagos tem tudo a ver com o grande Febeapá (tradução para os mais jovens: Festival da Besteira que Assola o País) que estamos vivendo.

    ResponderExcluir
  13. Não é bem assim, Bob.
    Para os carros concordo que o Café não é um grande problema.
    Mas, as motos tambem correm no autódromo!
    Dois motociclistas já morreram ali desde 2000.
    Passar forte no Café, com a moto deitada e roda traseira querendo destracionar é uma bela experiencia, algo inesquecível!
    Mas se alguma coisa errada acontecer ali, o motociclista terá uma boa temporada no hospital, no mínimo!
    Claro que podemos solucionar isso com o uso da chicane que já está ali, construída para a MotoGp.
    Mas, se partirmos da idéia de que devemos respeitar o traçado original ali, pois realmente um curvão de alta é algo cada vez mais raro hoje em dia, não há outra saída do que fazer uma bela área de escape bem aonde temos as arquibancadas, o setor A.
    Alías, tem que fazer seguindo as determinações da FIM, por segurança e para termos a possibilidade de sediar os Mundiais de MotoGp ou Superbike.
    Bob, autódromo que é seguro para motos, é seguro para qualquer outra categoria de esporte a motor!
    E isso está em falta por aqui.
    Paulo Franco

    ResponderExcluir
  14. Antes uma área de escape do que uma mudança no traçado.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  15. Paulo Franco
    Quando se trata de motocicleta o assunto é completamente diferente. O tratamento da questão de segurança é outro. A segunda foto do post fala por si só: Indianápolis, só muro.

    ResponderExcluir
  16. Paulo Levi
    Põe festival nisso! O festival transcorre em ritmo alucinante.

    ResponderExcluir
  17. Joel Gayeski
    Visibilidade? Pra quê? Isso é coisa para gringo, não é para brasileiro.

    ResponderExcluir
  18. Achille
    Você disse tudo, pobre eng. Samson.

    ResponderExcluir
  19. Marcelo Alvarenga
    Ótima sugestão de post. Farei um

    ResponderExcluir
  20. Luiz Dränger
    Já usaram bandeira amarela, no trecho, na corrida de ontem? Mesmo?

    ResponderExcluir
  21. Achille, a quadra desportiva é da maior importância, porque precisa de verba para ser feita, construtoras, empresas de engenharia...entendeu?

    ResponderExcluir
  22. Minha sugestao é fazer logo de uma vez uma corrida atrás de carro madrinha e não se fala mais nisso.

    ResponderExcluir
  23. Excelente sugestão de post, Marcos Alvarenga. Mas tem que ser um postaço, viu, Bob, porque a pista tinha quase 8 quilometros. Abs Fred

    ResponderExcluir
  24. No Linha de Chegada da semana passada, o assunto Curva do Café tomou quase o programa todo. O que Cacá Bueno e Paulão Gomes disseram, que achei lógico, é criar uma medida que não haja retorno a pista, seja partes ou o carro inteiro. A preocupação deles, principalmente do Cacá, seria que ali é um ponto cego e não existe a visão, e consequentemente tempo, para quem vem atrás desviar daquilo (ou do carro) que se chocou na proteção e retornou a pista.

    ResponderExcluir
  25. Teve também o acidente que vitimou o fotógrafo e motociclista João Lisboa, dia 24 de fevereiro.

    ResponderExcluir
  26. Ciro Margoni
    Ponto cego numa curva com esse raio é meio difícil de conceber. Só se fosse por questão de muro ou cerca interna, nesse caso fácil de modificar.

    ResponderExcluir
  27. Anônimo 11/4 09:32
    Não soube. Foi em corrida? Os dois estavam na moto?

    ResponderExcluir
  28. Fred
    Sem dúvida, o traçado antigo de quase oito quilômetros.

    ResponderExcluir
  29. Muito bom o texto.

    Só dois comentários sobre Inndianápolis, e todos os outros ovais que utilizamos como referência, nestas pistas não se corre com chuva, e salvo excessões - Martinsville, Richmond, e outros traçados curtos - a visibilidade na parte interna é total, os muros são longe da pista.

    Afonso Sousa

    ResponderExcluir
  30. Afonso Sousa,

    E daí que não se corre em Indianápolis com chuva?
    Isso impede que os carros batam no muro e ricocheteiem?
    Além do mais, os Indy andam no dobro da velocidade desses Stock.
    Não entendi o que vc quis dizer.

    As pessoas se esquecem que corrida de carro é perigoso mesmo, mesmo com todos os cuidados de segurança.

    Acidentes acontecem devido ao acúmulo de cagadas. Um piloto lá deu um totó no Gustavo (uma coisa que não se faz em velocidade alta), um mecânico lá tinha colocado o pneu de chuva invertido (uma cagada monstro), o que provavelmente provocou a perda de controle com o leve totó, e deu no que deu.
    Uma pena.

    ResponderExcluir
  31. Não vejo problema na criação da área de escape também,não irá alterar o traçado original e vai aumentar a segurança dos pilotos.Ficaria puto é se a idéia da chincane desse certo..

    ResponderExcluir
  32. Bob, o ponto cego que Cacá se referiu não é devido o ângulo da curva, mas pelo fato de ser após uma lombada. Não posso defender a afirmação dele, mas achei lógica a idéia de um sistema (não sei qual) que impedisse o retorno do que quer que seja à pista após um choque.

    ResponderExcluir
  33. Daniel San11/04/11 17:54

    Bob,quando você falou que colisão lateral é fatal,lembrei do acidente com o Alessandro Zanardi,na F-Indy,ele foi pego pelo meio e sobreviveu,mas perdeu as pernas,e isso com toda a segurança que esses monopostos possuem.

    ResponderExcluir
  34. Bom Arnaldo, se para vc não faz diferença correr na chuva ou no seco, para mim faz, e ignorar a mudança na visibilidade e aderência é o primeiro passo para encarar de forma errada o problema.

    Nos ovais a visibilidade na curva e quase total, vc entra por cima, com todo o trajeto ou no seu nível ou abaixo - por conta da inclinação -de onde vc esta.

    E neste ponto da visibilidade que entra o que para o Arnaldo não tem importância, a visibilidade de um ponto crítico, fica ainda mais prejudicada.

    Afonso Sousa

    ResponderExcluir
  35. Concordo com o Arnaldo, montar pneus de chuva invertidos e "totó" numa curva de alta é inadmissível. Depois vêm dizer que o problema é falta de área de escape na Curva do Café?

    Já tinha comentado num post de semana passada, quando disse que o número de "totós" que vejo atualmente na Stock Car nacional é absurdo! (Copa Montana nunca assisti) Não seria uma das causas dos "totós" o fato do piloto sentar lá atrás, praticamente no "porta-malas"? Some-se a isso o absurdo de adesivos que se cola nos vidros e pronto! O cara tem que pilotar praticamente usando a "Força Jedi", porque duvido que dá para ter precisão de onde o nariz do carro aponta...

    Só torço muito, mas muito mesmo, para não inventarem de plantar uma chicana na Curva do Café. Aí seria assassinar Interlagos de vez!

    Não sei, o mundo atual anda com uma hipocrisia de "risco zero"! Tá ficando muito chato isso... Deviam então proibir de vez corridas de bicicleta em circuitos de rua, estatisticamente mais perigosas do que corridas de automóveis. E também saltos de para-quedas. Asas-delta também, liberem só jogo de xadrez. E dentro de um "bunker" à prova de explosões (vai que o cara tá jogando e cai um avião em cima...)

    ResponderExcluir
  36. Mas, Bob, entrar na junção, no antigo traçado de Interlagos, a bordo do Maverick e seus 450 "puros-sangue", pé em baixo rumo à Curva do Café, deveria ser o bicho, hein? Saudades de um tempo que não vivi...

    Que venha o post sobre Interlagos antigo!

    ResponderExcluir
  37. É bem como falou o Bird Clemente: "Se tirarem os chifres do touro, a tourada vira o que?"

    E bem como falou o Bob: "Ninguém corre obrigado."

    Com chuva não se enxerga nada mesmo quando estão embolados, sendo a curva cega ou não.
    Mas sou a favor de uma área de escape ali, isso sou, desde que não se altere o traçado.

    ResponderExcluir
  38. Exatamente Arnaldo,mudanças no traçado,atitudes rediculas como a bandeira amarela na curva proibindo ultrapassagens e afins,isso não dá pra tolerar..

    Mas a área de escape,não vai interferir em nada nas corridas,desde que com piso que de alguma forma "segure" o carro,pra ninguem ir correr na área de escape.Se batem,o carro vai no muro e fica por lá,não atrapalha a corrida,dá mais segurança pra quem vai fazer o resgate e para o piloto,enfim,não vejo nenhum mal nisso.Somente para alguns,que vão perder alguns milhares de reais em ingressos..

    Não é porque é um esporte de alto risco,que tem que se facilitar as fatalidades..

    ResponderExcluir
  39. Desde que a área de escape tenha a mesma aderência da pista, tudo bem. Totalmente contraproducente criar área de escape maior, mas com menor atrito que a pista. Ora, bolinhas... Maior área de escape deveria reduzir ao máximo a possibilidade do veículo atingir o muro/proteção, correto? Só mesmo aqui nesta terrinha para inventarem área de escape de menor atrito...

    E com toda aquela largura de pista o cabra lá precisa pôr a bartata na área de escape para ultrapassar?!!!

    ResponderExcluir
  40. A área de escape com menor atrito é o fim da picada, como disse o Road Runner. E alí tem que fazer com o cuidado para que essa área de escape seja em subida. A área de escape do Mergulho é em descida e aquela tinta azul, que dizem segurar igual a asfalto, acho que não segura não. Ali é treta. Na saída do Laranja há outra área de escape, plana, mas entre ela e a pista tem uma zebra alta que faz o carro decolar um pouquinho, o suficiente pra descolar do chão. A da Curva do lago também é em descida e bem que poderiam tê-la feito com mais movimento de terra e fazer uma subidinha ali. E sem zebras que façam o carro decolar justo na escapada da curva. Esses carros com fundo chato, se erguem a frente numa decoladinha perdem aderência total.
    Conheço o Octávio Guazelli, o administrador do autódromo, e sei que ele manja e é um entusiasta verdadeiro e ama aquele autódromo. Torço para que ele consiga fazer as coisas à sua maneira.

    ResponderExcluir
  41. Bob Sharp disse...
    Anônimo 11/4 09:32
    Não soube. Foi em corrida? Os dois estavam na moto?
    11/04/11 12:01
    -----------------------------

    Sobre o João Lisboa:

    25/02 - 14:01
    Fotógrafo e piloto João Lisboa morre em acidente de moto em Interlagos

    João Lisboa, que era um fotógrafo especializado em corridas de moto, morreu na manhã de quinta depois de um acidente na Subida do Café, em Interlagos

    EVELYN GUIMARÃES, de São Paulo [@eveguimaraes]
    FERNANDO SILVA, de Sumaré [@Fernando_Silva7]
    com colaboração de LUANA MARINO, do Rio de Janeiro

    O fotógrafo João Lisboa, de 52 anos e especializado em motovelocidade, morreu na manhã desta quinta (24) no autódromo de Interlagos. Lisboa sofreu um acidente na subida do Café — que dá acesso à reta principal do circuito paulista — e bateu no muro. Sua moto pegou fogo.

    Testemunhas informaram ao Grande Prêmio que uma ambulância chegou rapidamente ao local do acidente e um helicóptero da Polícia Militar também foi chamado. Lisboa foi transportado consciente para o hospital e estava sendo operado de uma fratura no fêmur quando sofreu uma parada cardíaca por conta de uma hemorragia. O fotógrafo e piloto foi reanimado, mas outras três paradas cardíacas se seguiram. Lisboa acabou não resistindo.

    O enterro aconteceu às 14h desta sexta (25) no cemitério São Paulo.

    Segundo a escola de pilotagem Moto School, ministrada por Bruno Corano, o dia de ontem estava reservado para um 'track day'. Os pilotos puderam andar em Interlagos, pois, divididos em categorias, sem limite de velocidade. Os eventos da escola de pilotagem acontecem em fins de semana de etapas do Superbike Series, do qual Corano é piloto e organizador.

    De acordo com informações da SPTuris, também responsável pelo autódromo paulista, a pista estava locada pela escola de pilotagem, e Lisboa participava do 'track day' no momento do acidente. O piloto tinha experiência na pilotagem de motos.

    Não havia representantes da Federação Paulista de Motociclismo no autódromo.

    http://grandepremio.ig.com.br/outrascategorias/outras/2011/02/25/fotografo+joao+lisboa+morre+em+acidente+de+moto+em+interlagos+10373386.html

    ResponderExcluir
  42. Ainda acho que o maior problema foram os pneus montados invertidos, difícil entender como o piloto não percebeu...
    Quanto à curva, na minha opinião (de leigo), acho que está ótima no formato atual, se fizerem esta área de escape, vão acabar com um dos melhores pontos, se não o melhor, para assistir uma corrida em Interlagos.

    Sds

    ResponderExcluir
  43. Que tal ensaboar a área de escape? Ou melhor, fazer uma pista de gelo ali?
    É cada uma que a gente escuta...

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...