29 de abril de 2011

UNO CABRIO, ESTUDO APROVADO

Fotos: Fiat//StudioCerri/Pedro Brito
Um interessante exercício de estilo, é como pode ser chamado o Uno Cabrio. Apresentado no último Salão do Automóvel de São Paulo como carro de show, ganhou vida tornando-se um conceito que anda –  concetto marciante em italiano. A carroceria que serviu de base é a do recém-lançado Uno duas-portas e o trabalho da engenharia experimental, capitaneado por Fabrício Cardinali, envolveu as áreas de Chassi, Motor e Transmissão, Elétrica e Interior. 

Segundo Fabrício, a remoção do teto exigiu reforços em toda a estrutura que chegam a 150 kg, o carro pesando 1.153 kg mas ainda 70 kg menos que o Punto T-Jet, de quem o Cabrio tomou emprestado o trem de força completo, começando pelo motor 1,4-litro turbo 16V de 152 cv a 5.500 rpm

O carro permanece conceitual e, inclusive, não tem capota. Mas que seria uma boa opção para o mercado, não há duvida dúvida alguma.

Externamente destaca-se o frontal com um avantajado defletor dianteiro e boca mais larga, sendo visível na parte interior o grande interresfriador. Há luzes de uso diurno (DRL) por LEDs, a exemplo dos carros europeus atuais por fora de exigência da União Europeia desde o começo de 2010.

LEDs na traseira
Atrás de cada banco há arco de proteção em caso de capotagem feito de plástico reforçado com fibra de vidro e com alma metálica. As lanternas traseiras passaram para o painel traseiro em virtude de não haver mais as colunas aí e são de LEDs. Há duas saídas de escapamento falsas (criticável) e um perfil que sugere extração de ar.

O interior, definido sob responsabilidade do engenheiro Carlos Leal, é bem interessante. Bancos-concha, volante de direção com parte inferior abaulada e manômetro do ar admitido vieram do Fiat 500 Abarth. No manômetro, localizado à direita do grupo de instrumentos principais, há luz de troca de marcha.



Conta-giros central com velocímetro digital
 O grande conta-giros 0-8.000 rpm domina o painel e fica bem em frente do motorista. Nele, uma janela aloja o velocímetro de leitura unicamente digital. O conta-giros é ladeado pelo medidor de combustível (gasolina) e termômetro da água. No console de túnel, manômetro de óleo e da linha de combustível.

Os instrumentos de fundo preto e caracteres brancos são fáceis de ler e elegantes, com iluminação vermelha-alaranjada, preferida por mim e por quem gosta de dirigir à noite, especialmente em viagens, por manter a visão noturna mais apurada (por isso é usada nos aviões).

A alavanca de câmbio é “magra” e simples e não tem trava de engate involuntário de ré por pescoço, esta garantida pelo mecanismo interno no seletor. A manopla da alavanca é exclusiva do conceito.

Interior bem-estudado. Note a alavanca de câmbio "magra"

Segundo a Fiat, o Cabrio sofreu recalibração de molas, amortecedores, batentes e recebeu geometria de suspensão e direção específicas. O freio traseiro passou a ser a disco também, com pinça do 500, enquanto na dianteira a pinça é de Punto. O ABS foi calibrado para a versão. As rodas são de 16 polegadas com pneus Bridgestone Potenza 195/45R16V, assimétricos, uma escolha acertada.

AE dirigiu o Cabrio no kartódromo de Aldeia da Serra, próximo a São Paulo. Não é o ideal mas deu para ter ideia do comportamento por ser a pista bem larga. Agradou particularmente o chassi que aceita entrada do turbo no meio da curva, sem a esperada saída de frente ou o surgimento de reações estranhas. É fácil e divertido de dirigir. E, melhor, não a suspensão não é dura como se tem verificado ultimamente.

Comportamento perfeito em curva mesmo com o turbo enchendo. Clique na foto para ver bem o interresfriador do turbo. No banco da direita o novo assessor técnico da Fiat, meu ex-colega de revista Oficina Mecânica, Ricardo Dílser

A Fiat informa aceleração 0-100 km/h em 8,2 segundos, dois décimos de segundo mais rápido que o Punto T-Jet. A velocidade máxima é de aproximadamente 200 km/h, segundo a fabricante.

Valores de resistência torcional não foram informados, mas a fábrica assegura ser superior à do próprio Uno. Faz parte do esquema de reforço amarração das torres de suspensão dianteira e os próprios arcos de proteção em caso de capotagem. A “dança de painel” (cowl shake) típica dos conversíveis existe, porém em grau muito pequeno, que não incomoda.

Há a barra de amarração entre as torres de suspensão que corre rente à parede de fogo, boa providência

Perguntado sobre a possibilidade de o Cabrio vir a ser produzido em série, o assessor de técnico imprensa recém-admitido, o competente jornalista e piloto Ricardo Dílser, velho amigo e ex-colega dos tempos de Oficina Mecânica, disse: “Só se for em outras instalações, porque em Betim, com sua produção de 3.300 unidades por dia, não dá”.

Seria muito bom que desse. Carros divertidos sempre são bem-vindos.

BS

47 comentários:

  1. Bob, o Cabrio realmente não teria como fazer, mas uma reedição do saudoso Uno Turbo hein?

    MEEEEEEEEUUUU DEEEEEUUUUUSS!!!!!

    Poxa....qualquer dia desses vá a Betim, sente-se numa churrascaria c/ o Dilser e diga a ele q nós AUTO ENTUSIASTAS do Brasil CLAMAMOS por um esportivo nacional.

    Poxa...tá td lá...é só fzr.

    PS: Se esse Cabrio tivesse 4 lugares eu completaria com o MELHOR TIME q já existiu em uma revista: você, Dilser, Caruso e Carsughi !

    ResponderExcluir
  2. Na primeira foto, percebe-se que há muitos elementos para conviverem em harmonia em uma carroceria de comprimento tão modesto.

    No Ka cabrio a Ford conseguiu, mas no uno...ele parece mais atraente na segunda foto, onde os arcos de proteção não aparecem.

    Não duvido do alto grau de engenharia aplicada no carrinho, parece ser coisa da mais alta qualidade;mas é claro que a noventa por cento dos entusiastas (creio), ficaria muito mais interessante a versão de duas portas apenas com os novos predicados mecânicos de motor, caixa e suspensão.

    E isso não seria coisa do outro mundo não, só o Punto T-Jet veria sua posição de esportivo "macro" da marca seriamente ameaçado (nada que uns 180 cavalos abarth no motor não resolvesse né fiat?).

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  3. Bob,

    Pede pro pessoal aí da Fiat reservar um espaçozinho na futura planta de Suape. Pode nem ser um conversível, mas um fechado com esses ajustes mecânicos e 150kg mais leve.

    ResponderExcluir
  4. Bob,

    Excelente post! Linda foto na curva!

    Pisca, tá falado! Demorou pra FIAT fazer o UNO Turbo... Sucesso na certa! Deveriam ter lançado o carro com a versão turbo! O impacto seria ooooutro!

    MFF, arrematou benzaço!

    Gostei da cor escolhida, alusão à cor mais vendida do Uno (agora Mille).

    Abs

    ResponderExcluir
  5. Só fazer isso ai tudo numa carroceria normal, com teto mesmo, seria o novo Uno Turbo.

    ResponderExcluir
  6. O Mister Fórmula Finesse foi muito diplomático ao dizer que "há muitos elementos para conviverem em harmonia em uma carroceria de comprimento tão modesto". Serei mais direto: acho esse carro muito feio, assim como acho feios os conversíveis da Peugeot baseados em hatches pequenos e médios

    ResponderExcluir
  7. A técnica é muito boa, mas o visual é muito "tãningue". Ou seja, feio mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Marcelo Augusto29/04/11 18:00

    O interior também é muito bonito e bem acabado.

    Mas a visão interna com aqueles limpadores de pára-brisa antigos ficou muito feia. Até J3 tem "limpador de Mercedes", nas palavreas de Sérgio Habib.

    ResponderExcluir
  9. Os britânicos compram carros conversíveis para poder abrir a capota em raríssimos dias onde o sol resolve dar as caras. Já nós brasileiro temos sol quase todo dia e abominamos o carro conversível.

    Para um estudo ficou muito bom, mas feio ou bonito, não iria vender no brasil por questões culturais.

    Já uma re-edição do Uno turbo é uma idéia fácil de ser executada e venderia razoavelmente bem. Já tem o motor, já tem a carroceria, a grosso modo é só juntar!

    Há dois anos dirigi um 1995 com 110 mil km rodados, já bem surrado mas a alma ainda estava lá. É um legítimo pocket rocket, divertidíssimo! Se a Fiat resolver colocá-lo de novo no mercado, compraria um sem pensar meia vez!

    Dicieri

    ResponderExcluir
  10. A Ford no penúltimo salão apresentou o Ka Beauty e o Beast, outros dois conceitos que seriam muito bem aceitos por nós entusiastas, mas não passaram disso, conceitos! O idéia de um Ka com um Duratec 2.0 ultrapassando facilmente os 200 KM/H é entusiasmante!

    ResponderExcluir
  11. Pessoalmente, não fui com a cara desse Uno não... Mudaria até mesmo aquela padronagem quadriculada no revestimento dos bancos e portas. Mas sou suspeito falar, já que raramente gosto de carros conversíveis ou abertos. Lancem um Uno 2 portas fechado, com essa mecânica do conversível, que aceitaria de muito bom grado!

    Ao menos os pneus são relativamente comedidos em largura, um alento nesta época de exageros.

    ResponderExcluir
  12. Esteticamente horrível.

    ResponderExcluir
  13. Pena que o carro pesado faz que não seja tão melhor que o Punto.
    Seria melhor um Uno normal, 2 portas com esse motor...

    ResponderExcluir
  14. Não gostei do visual, achei esse Uno Cabrio um carro bastante feio e esquisito.

    ResponderExcluir
  15. Meu deus que carro bizonho!

    ResponderExcluir
  16. Rodrigo Laranjo29/04/11 21:31

    Uno Turbo, não-conversível, 2 portas, com esse painel, desse jeito, 50 mil reais, eu durmo na fila pra comprar.

    ResponderExcluir
  17. O que está acontecendo com os carros do futuro?

    Estamos no século XXI e os carros estão horrendos!!!

    ResponderExcluir
  18. JOHNCONNOR
    Independente do visu ter agradado ou não o que vale mesmo é a idéia.O brasileiro que gosta de carro clama por um verdadeiro esportivo já faz tempo.Carros como gol GT,GTS e GTI,escort XR3,uno 1.5R,1.6R e turbo,oggi CSS,Kadett GS,GSI,monza SR,Fiat 147 RALLYE etc deixaram muitas saudades.Eram verdadeiros esportivos que tinham boa parte da mecanica especial e exclusiva,até as cores eram exclusivas.Hoje pegam um carro qualquer na linha de montagem colocam um jogo de rodas,um aerofólio e alguns adesivos e dizem que é esportivo,palhaçada,abaixo os pseudo-esportivos e que venha uma nova safra de esportivos reais.

    ResponderExcluir
  19. Desculpem todos, mas é feio demais! Muita feiura para muito dinheiro.

    ResponderExcluir
  20. Parece um tubo de amaciante de roupas... Cruz!

    ResponderExcluir
  21. Bob e demais;

    Sou suspeito pra falar, mas um Uno Cabriolet seria interessante.
    Tenho um 1987 na minha garagem.
    Tirando os excessos do desenho, natural em conceitos, pra mim que falta é só colocar um banco traseiro.
    E para isso basta a Fiat olhar com carinho pro Punto Conversível da primeira geração. Bem desenhado e simples.
    O grande motivo da rejeição dos conversíveis no nosso país não é pelo sol, mas por causa da infiltração de água nos modelos antigos. Hoje esse problema foi superado nos novos projetos.
    Que venha o Cabriolet!

    Aléssio Marinho

    ResponderExcluir
  22. É, ficou interesante talz, mas "não me desce" ver esse carrinho ter o nome Uno. Prefiro a "botinha ortopédica" das antiga que essa nova geração

    Talvez eu me acostume com o desenho, mas nomomento é um carrinho que não me agrada. Mesmo assim acho interessante a volta do Uno Turbo na nova geração.

    Abs
    Kiko Molinari

    ResponderExcluir
  23. deve ser excelente!!
    a fiat sempre ousa bastante, espero que com esse cabrio também.

    ResponderExcluir
  24. Rõmulo Rostand30/04/11 07:59

    Gosto, sem ser muito fã, da escola italiana de designer automotivo. Mas esse Uno Cabrio é um brinde ao mau gosto. Nada a ver com a beleza e fluidez dos belos cabrios da referida escola, um verdadeiro Brucutu de linhas contrastantes, desequilibradas e assimétricas. Nem os bons carros da Gurgel conseguiam ser tão feios. Com licença da palavra; uma verdadeira cagada de pato. Bom, ao menos é uma opção de versão diferenciada no nosso mercado de modelos tão comunistas. Por esse lado é bem vindo, mas não precisavam caprichar tando na alegoria, afinal o carnaval já passou!

    ResponderExcluir
  25. Maravilhoso, mas como conversivel no Brasil não tem muita aceitação (não sei porque), não acredito na sua produção.
    Basta ver o destino do XR3 e o Kadett venderam pouco para um pais tropical.

    ResponderExcluir
  26. Fiat, estamos órfãos há 14 anos! Queremos um Uno Turbo já (com teto obviamente). E por favor: desta vez façam mais unidades em Amarelo Modena. rs

    Finalmente um sopro de esperança no falecido mercado de esportivos pequenos. Uma boa provocação para vermos o retorno do Gol GTi, prometindo há tempo pela VW.

    Falta de capacidade não é problema: tem muito autoentusiasta que se dispõe a trabalhar no fim de semana pra montar alguns em Betim!

    ResponderExcluir
  27. Johnconnor30/04/11 12:08

    Se sair um uno turbo com teto e 4 portas meto o pé na bunda do meu carro atual sem dó e parto pro financiamento em 60x sem medo de ser feliz.Será que nenhum diretor da Fiat está lendo esses comentários pra poder falar sobre eles na reunião matinal da segunda???????E vc Bob,vc conhece todo mundo e tem uma certa influência,será que vc não pode dar um empurrãozinho na idéia???Vc teria o mérito de ajudar a colocar a industria automotiva nacional de volta no bom caminho dos rocket pocket que na europa nunca deixaram de existir e agora estão passando por um bom momento.

    ResponderExcluir
  28. Bem o resultado estetico nao e dos melhores na minha opiniao... Mas vale deixar um louvavel aplauso para a Fiat . Hoje considero esta a mais agressiva do setor : linha de produtos , atualidade de projetos e campanhas de mkt inteligentes..
    Realmente espero que o projeto vingue , o carro tem um otimo trem de forca e um acabamento esmerado em couro matelassado ao estilo Lamborghini...
    Com certeza o mercado esta carente de produtos assim...
    Abracos

    ResponderExcluir
  29. Esportivo de fato e conversível. Tudo que nossa terra de cegos precisa. Não será um carro com grandes volumes de vendas (assim como já vimos nos XR3 e GSi conversíveis) como o irmão "pobre" é. Mas... Excelente idéia da FIAT.

    Eu achei ótimo! Nunca gostei do visual do Uno (qualquer versão que seja!) mas eu compraria tranquilamente um por sua "essência". Quer seja nos econômico e baratos Mille e CS1.3 quer seja no saudoso Turbo Mpi. A Fiat sempre acertou no "Uninho" na minha opinião.

    Não gostei muito do visual. Mas eu pagaria até uns R$ 70.000 em um carrinho desses. Fácil. Motor sobrealimentado, 150hp e com boa dinâmica. PERFEITO para quem gosta de carro e não pode pagar por uma Lamborghini/Porsche/Ferrari.

    :)

    Só precisaria da capota.

    ResponderExcluir
  30. Nem precisava ser cabrio, bastava colocar tudo isso no 2P. Aquele quadro de instrumentos é peça feita à mão ou fizeram o molde só para um exemplar? (ou para guardar até a hora de usar num carro de linha...) O que são os dois reloginhos no console, à frente da alavanca de câmbio? Esse sim seria um Uno Sporting para entusiastas. Porque as fábricas brasileiras só fazem esportivos de adesivo? Bota no mercado um desses que tenho certeza que vende...

    ResponderExcluir
  31. Poxa galera vocês prestaram um baita deserviço rpo mercado automobilístico brasileiro. Quando vem um sopro de vento fresco desse nesse calorzão que está, vocês enxotam dizendo que é feio? Em outras palavras: Onde danado um brasilero pode comprar um carrinho conversível por menos de 100 mil mangos? Quem não tem bala na agulha pra comprar um Eos iria adorar um foguetinho desses! Acho melhor que encarar um francês esquisito.

    Cara Fiat, nós, Autoentusiastas, amamos de paixão a vossa idéia. Produza-o e vê se disponibiliza para nós por menos de 60 mil reais, pelo menos a versão basicona, sem banco de Lambo, como disseram por aqui. Quem sabe até mais barato, pra chacoalhar o mercado de vez... Compraria um sem fazer test-drive nem nada, de olhos fechados! Que ponham também esse motor em um 2 portas convencional também, aí teremos Uno para todos!!! Eba!!! Eba!!!

    Feio ou bonito, a idéia é uma jóia.

    Augusto Filho

    ResponderExcluir
  32. Esse esquema está perfeito para um motor central e tração no lugar certo. A peça de acabamento preta é o scoop, o parabrisa está mais baixo e ele só tem 2 lugares.
    Esse sim será um capeta.

    ResponderExcluir
  33. Seria uma boa sim! nao temos mais conversiveis nacionais... para quem gosta, somente um importado zero (caro!), ou um bom usado......

    Belo por dentro e feio p fora...... Para producao, teriam q "refazer" o exterior...

    ResponderExcluir
  34. Roberto Dallabarba30/04/11 21:37

    Esse novo Uno parece com carro japonês dos anos 90.

    O visual desse cabrio ainda é pior por exagerar em vincos e saliências desnecessárias.

    Quanto ao Uno Turbo, esqueçam. Por que as fábricas investiriam em esportivos de verdade, se podem vender modelos normais mascarados...

    ResponderExcluir
  35. Quando a viabilidade do Uno Cabrio... esse conceito só serve pra Fiat passar mel na nossa boca... rsrs. Mas considero ser possível aproveitar partes do projeto para um Uno Turbo com carroceria 2 portas, é só a Fiat querer...

    ResponderExcluir
  36. Melhor fazer um Uno Turbo e só, não gostei do desenho desse Cabrio, além do aumento do peso .

    ResponderExcluir
  37. Bem que a Fiat poderia fazer um acordo para produção do Cabrio com a Sulam...

    ResponderExcluir
  38. Johnconnor(old rocker)01/05/11 11:45

    Xiko
    É mesmo,muito bem lembrado.Lindo aquele uno Sulam conversivel.Seria show mesmo.Quem sabe se a Fiat amarelar a Sulam não peita a empreitada.

    ResponderExcluir
  39. Augusto Filho (30/04/11 17:14)

    Se você ama de paixão essa idéia da Fiat, então fale em seu próprio nome. Eu sou no mínimo tão entusiasta quanto você, mas nem por isso me arrogo o direito de falar por outras pessoas.

    ResponderExcluir
  40. A idéia do retorno do Uno Turbo, assim como do Gol GTI, seria muito interessante para todos nós, mas acredito que seja empolgação de quem falou que pagaria 60~70 paus num carro desse. Há muitas críticas sobre as especulações que o Gol GTI viria a 60k, mesmo com o motor premiado e bancos Recaro. Hoje já sabemos que foram meras especulações, tendo em vista que o tal motor foi (ou será, não tenho certeza) descontinuado em razão do alto custo da solução supercharged mais turbo.
    [off topic] Já estou no aguardo do post sobre a lambança da Indy...
    Sds

    ResponderExcluir
  41. Xico e Johnconnor;

    Por isso que não vendo o meu Uno Cabriolet Sulam, 1987.
    Mesmo sendo quase artesanal, impressiona o cuidado que a Sulam teve na construção do carrinho e do necessário reforço da estrutura.
    Tanto que coloco o macaco no meio do carro e levanto as duas rodas, de tão resistente a torção que ficou.
    Se na época tivessem usado a mesma solução de escoamento da água que usaram no KAbriolet, com certeza seria o meu carro do dia-a-dia.

    Aléssio Marinho

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  43. Exelente projeto, mas o visual é no mínimo horrível! Parece mais os carros dos power rangers!!

    ResponderExcluir
  44. Parece aquelas "coisas" que a Engerauto/Sulam/Envemo anunciavam na 4Rodas nos anos 80 e 90. Só que um pouco mais feio. É criação do Anísio Campos, aquele que fazia picape cabine dupla com jeitão de Escort?

    Eu jamais compraria isso!! Credo!!!

    ResponderExcluir
  45. Muito simples: É só pegar um Novo Uno Sporting, colocar motor, câmbio, suspensão, painel e freios deste conceito nele, mudar o nome para Uno Turbo ou T-Jet, um preço razoável e teremos um brinquedo bem interessante. Eis aí a receita de um carro nacional, 0Km, que me agradaria muito...

    ResponderExcluir
  46. A Fiat fazer é o menor dos problemas. O maior é achar quem compre. Se já não há volume para justificar direito o Punto TJet, imaginem para Uno TJet.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...