Google+

25 de maio de 2011

CITROËN C3 PICASSO, O CAMINHO INVERSO

Fotos: Divulgação Citroën



Assim como primeiro veio Jeep e depois da Segunda Guerra Mundial veio o Jeep civil (série CJ, civilian Jeep), agora é a vez do “Aircross civil”, o C3 Picasso. Dez meses depois do lançamento do Aircross, agora é vez de quem que prefere “trajes civis” a “uniforme de campanha”,  os que gostaram do Aircross mas desejam um monovolume despojado de visual aventureiro, e isso inclui o estepe montado no interior do porta-malas, “no local que Deus designou para guardá-lo”, parodiando o jornalista canadense Jim Kenzie nesse tipo de construção de frase quando se referiu a um conceito de tração traseira, o Cadillac Evoq, exibido no Salão de Detroit de 1999.

Para esse tipo de consumidor o C3 Picasso, que é produzido no Centro de Produção da PSA Peugeot Citroën em Porto Real, RJ, chega em versões GL com câmbio manual de cinco marchas por R$ 47.990, GLX manual (R$ 50.400) e automático de quatro marchas (R$ 53,900, com ABS no pacote) e Exclusive manual (R$ 53.900) e automático (R$ 60.400). Vendas começam nesta quarta-feira (25/5).

O C3 Picasso disputará mercado com Spacefox, Meriva, Soul, Idea e Livina.

O modelo começou a ser comercializado na Europa no início de 2009 e hoje lidera o segmento. A versão brasileira tem algumas diferenças de estilo. A grade dianteira é maior e o emblema da marca integra o grande friso horizontal, como em outros modelos da marca, por exemplo, o C4. No europeu, o emblema é afixado ao capô.

Outra diferença marcante é o local da placa de licença, deslocada para a direita na tampa traseira (central no modelo francês), uma decisão que não é só estilística, mas de aproveitamento da peça usada no Aircross, localização necessária devido ao estepe externo no lado esquerdo deste. Não que fique exatamente feio, mas eu preferiria ver a placa no centro. Questão de gosto.

A placa de licença fica no lado direito

O trem de força é o mesmo do Aircross, inclusive relações das marchas e do diferencial. É o mesmo motor 1,6-litro DOHC 16-válvulas de 113 cv e 15,8 mkgf. Como os pneus Pirelli P7 são de medida 195/55R16, ante 205/60R16 (ATR Scorpio) no Aircross), houve encurtamento geral de transmissão de 4,8 por cento só devido aos pneus, que se traduz em 30 km/h por 1.000 rpm em quinta. Associado ao peso menor, menos 81 kg no GL e 62 kg no GLX, o “civil”desempenha melhor, acelera mais.

Mas é uma pena os Citroëns de mercado brasileiro serem sistematicamente alterados na transmissão por conta “do brasileiro fazer questão de passar em lombada em terceira”, como diz o ex-presidente da empresa e hoje importador do chinês JAC, Sergio Habib. Os dados da versão francesa de motor e pneus equivalentes resulta em 42 km/h por 1.000 rpm. Para se ter ideia, enquanto modelo francês o diferencial é 3,58:1, aqui é 4,92:1 – 37% mais curto! Terceira, quarta e quinta são iguais, mas a nossa primeira e segunda são mais curtas.

Outra mudança em relação ao Aircross é a caixa de direção, com assistência hidráulica, menos desmultiplicada, ficando8,9 por cento mais rápida. Uma das maneiras de representar relação de caixa de direção é pelo deslocamento da cremalheira por volta do volante. No C3 Picasso é de 45 milímetros por volta, ante 41 milímetros no Aircross.

Logo visível é a menor altura de rodagem, 30 milímetros menor em relação ao “militar”, embora  seja 10 milímetros mais alta em relação às versões do mercados de países avançados - pouco, felizmente.

A menor altura de rodagem, combinada com pneu de seção 10 milímetros menor, produziu melhora na aerodinâmica. O produto do Cx pela área frontal baixou de 0,96 metros quadrados para 0,80 metros quadrados, um ganho considerável de 16,6 por cento. A calibração da suspensão foi alterada para mais conforto, para ficar mais “automóvel”.

Comprimento, largura, altura e entre-eixos são, respectivamente, 4.093, 1.723, 1.634 e 2.540 milímetros, esta última medida 80 milímetros a mais que no C3. O compartimento de bagagem acomoda os  mesmos 403 litros (VDA) e 1.500 litros com o banco 1/3-2/3 rebatido. As dimensões externas proporcionam bom espaço interno, inclusive para pernas no banco traseiro.

Dirigimos um GLX  manual e a impressão deixada foi boa.  O rodar está mesmo mais macio que o do Aircross, sem perder agilidade e bom comportamento nas curvas. O carro deverá agradar. Como no Aircross, o vidro do para-brisa é acústico, tecnologia da Saint-Gobain Sekurit que reduz o ruído a bordo.


Para-brisa em três partes e vidro acústico

Um dos atrativos do C3 Picasso Exclusive é o sistema de navegação MyWay com tela colorida de 7 polegadas integrado ao painel. Possui inúmeras vantagens e funcionalidades, como mais de 1.300 cidades mapeadas e cerca de 1 milhão de pontos de interesse (POI). Além disso, oferece comando no volante, modo dia/noite automático e memória de trajetos. Esse sistema de áudio e multimídia conta também com sistema de áudio/CD com leitura MP3/WMA e Bluetooth.

Mesmo o GL traz  ar-condicionado, computador de bordo, vidros dianteiros elétricos, entre outros itens. O GLX vem com rodas de alumínio, vidros elétricos também atrás e, opcionalmente, bolsas infláveis frontais. ABS é de série quando com caixa automática apenas, item indisponível no GLX manual e no GL.

O Exclusive, topo de linha, naturalmente é o mais completo, vindo com ABS e bolsas infláveis frontais (laterais são opcionais), bancos de couro, entre outros equipamentos e acabamentos.

A garantia é de três anos e as revisões e troca de óleo do motor, a cada 10.000 km, com esquema de preços fixos por todo o país.

BS

64 comentários:

  1. Este carro aproveita a boa estrutura do C3, com os melhoramentos que este sofreu nos últimos anos (suspensão, etc.). Concordo que a relação de marchas de jipe é inapropriada. Deve vender bem pelo visual diferente. Só o preço é meio salgado.

    Agenor Souza

    ResponderExcluir
  2. O pessoal reclama do consumo do Aircross...realmente ele consome um pouco mais, mas o que faz este consumo ser maior são a 1º e 2º marchas. Na estrada ele é tão econômico quanto qualquer 1.6.

    ResponderExcluir
  3. Bob, desde o lançamento da versão aventureira eu queria ver a versão civil desse carro. E não decepcionou, parece bem interessante. Gostaria de ver uma versão de dois litros no modelo, mas acho que motor e periféricos não cabem no cofre como devo ter lido em algum lugar.

    Motor maior, trabalhado para bastante torque, veludo de boa qualidade no interior, ficaria ainda melhor apesar de - provavelmente - invadir as vendas da Picasso C4 "curta".

    Meio off topic: "Terceira, quarta e quinta são iguais, mas a nossa primeira e segunda são mais curtas"

    Curiosamente, acompanhado a Copa Peugeot de rally de velocidade final de semana passado, um dos pilotos falou algo parecido dos 207; primeira e segunda excessivamente curtas - bom para as especiais travadas - mas que em terceira o carro simplesmente "desabava".

    Percebia-se a segunda batendo no limitador nas subidas, com alguns pilotos - minoria -avançando a marcha e depois retornando a mesma relação.

    Apesar do expediente extremo das competições, é algo um tanto chato também na condução normal em relação a alguns carros "abrasileirados".


    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Credo, deus me livre deste e de carro Frances ! Só aceitaria de graça mesmo para vender e comprar algo bem melhor e bem mais bonito, como um Fit ou Livina.

    ResponderExcluir
  6. Fit e Livina bonitos....hahahaha

    O primeiro é um Tamagoshi e o outro um carro de funerária da década passada.

    ResponderExcluir
  7. Bob, esse vidro acústico é padrão de mercado?

    Antônio,
    Neste tipo de carro eu não tenho interesse, mas eu não descartaria carro francês até ter um. O C3 mesmo, vejo como um ótimo custo x benefício atualmente. A versão 1.6 deve entusiasmar com o excelente TU5JP4.

    Filipe, além do Cx ruim, que mesmo melhor que o Aircross, não chega a ser bom, esta transmissão é muita curta, olha a diferença com a versão francesa que o Bob postou. Relação boa pra consumo na estrada não pode passar dos 3300 rpm a 120 km/h.

    Sds

    ResponderExcluir
  8. Marcelo Augusto25/05/11 11:01

    Para essa tropicalização de caixa e outros itens, vale o mesmo comentário que fiz no post do Corsa: é uma atitude de cima para baixa, das fábricas para o consumidor. Depois vêem com essa de "brasileiro" não sei o que, não sei o que lá. Tem muita tropicalização desnecessária que só estraga o projeto original, parece até que os engenheiros das fábricas não tem o que fazer ou querem mostrar que sabem (sabem?) alguma coisa.

    ResponderExcluir
  9. Ahhh não sei viu Marcelo, meu vizinho veio uma vez, babando pra falar, que o carro novo da filha (Polo igual ao meu) não subia tal rua carregado em terceira, que o motor não era bom, coisa que o Idea 1.4 fazia... hahahaha... Falar o que pra um cidadão deste?

    ResponderExcluir
  10. Os carros do grupo PSA estão cada vez melhores no mercado, fruto de produtos interessantes. A estratégia me parece correta, mantendo antigos como o 206 requentado como pseudo-207, coisa que brasileiro aceita, e os novos como o C4 e esse C3 Picasso.
    Os importados então, nem se fala.
    Só os preços que são uma tristeza, aí, não é culpa apenas da marca, mas do governinho ladrão que não reduz impostos por nada.

    ResponderExcluir
  11. As fábricas podiam nos poupar e poupar seus carros de terem de adotar pneus sobressalentes na tampa do porta-malas, suspensão elevada e piorada, plástico em excesso aplicado na parte de fora, deixando seu visual muito bizarro e calçá-los para uso misto. Afinal, são todos uns urbaninhos impróprios para trilha, e todas essas "coisas" trazem pior consumo e dirigibilidade. É só um lance de marketing para seduzir quem não entende nada de autos. E não é que funciona (!), visto o número de Sanderos Stepway, Crossfox, Palio Adventure e etc...


    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
  12. JJ,

    Imagine com a vinda do 308? Pena que a PSA não deverá disponibilizar o motor turbo do 3008 para este modelo... Seria uma ótima pedida, heim!

    ResponderExcluir
  13. Fábio, falou tudo.
    Brasileiro tem umas manias de ignorante que não dá para aguentar, e uma delas é querer câmbio manual e não querer trocar marcha. Santa burrice!
    Quanto ao C3 Picasso, achei caro, especialmente se considerarmos que a versão de entrada não traz ABS nem air-bag, nem mimos visuais como retrovisores e rodas de liga, que já estão virando itens de série.
    COmo foi dito, creio que quem pesquisar um pouco acabará levando outro carro.
    Parece que só vale a pena pelo design, mas este é polêmico e certamente não agradará à todos.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Só imposto que fosse problema de preço alto aqui no Brasil... Ganancia de TODAS as montadoras e importadoras de carros em lucros maravilhosos que só o Brasileiro aceita com um sorriso enorme é o problema.

    E ainda querer dar qualquer valor principalmente a carro Frances, italiano, chines e já pedir pra manter sempre esses preços aqui. 60k por um carro desse ??? Nunca !!!

    Lembrando novamente que TODAS as marcas aqui são mercenárias. Mas que ainda prefiro pelo menos gastar com algo que seja melhor e muito menos desvalorizado, que custe menos em manter.

    Minha mulher tem Fit 2010, não à nada melhor ainda deste tipo de carro no contexto geral.

    Brasileiro tem que se reeducar, pensar melhor, EXIGIR MUITO MAIS e ter mais respeito consigo próprio e com os outros.

    ResponderExcluir
  17. Antônio,

    Você tem razão em falar que o brasileiro deve exigir respeito e a Honda (dizem que) realmente se diferencia com seu pós-venda.

    Mas vem cá... Quanto você pagaram pelo Fit? Este diferencial está sendo bem pago, não?

    ResponderExcluir
  18. Antonio e Fábioo o Fit também sai os olhos da cara!

    Comprar carro no Brasil, conhecendo a realidade do mundo afora, é deprimente.

    MFFinesse

    ResponderExcluir
  19. Alessio Marinho25/05/11 12:04

    O C3 Picasso está muito caro. R$ 47.990 no basicão é pedir muito diante de Livina, Meriva e Idea.
    Em portugal, este mesmo carro com o ar opcional e motor 1.4 VTI Euro 5 custa 16.966,54 euros, o que corresponde a R$ 38.853,37.
    Uma diferença de mais de R$ 9 mil, ou aproximadamente 20% mais caro no Brasil.
    A Citroen (e outras marcas) deveriam rever seus preços de maneira geral, o que anda acontecendo com alguns modelos, como o Línea, Fiesta, Siena e outros.
    Tá tudo muito caro!

    ResponderExcluir
  20. Fabio, claro que sou lesado como todos nós somos sempre neste país, e é isso que eu reclamo, sempre.

    Consegui um belo desconto, pois também sou produtor rural e busquei o carro em SP, apesar que sou do DF, 1.5 completo de tudo com CVT(que e uma maravilha!) me saiu por 47.300, a vista na cor preta e interior de couro. Mas o preço era de 55k na época.

    ResponderExcluir
  21. Antônio, realmente, vc pegou numa condição diferenciada. Antes de fechar um próximo negócio, vou estudar estas possibilidades. Não pego uma boiada dessa desde o tempo que estagiei na VW.

    Aléssio, vi a propaganda da Fiat estes dias, será que o Línea com todos aqueles itens citados sai por 50k? Isto está parecendo "pegadinha do malandro" heim...

    ResponderExcluir
  22. Antonio, algo nao bate na tua historia ja que fit com CVT acabou em 2008...

    ResponderExcluir
  23. OFF TOPIC

    http://invertia.terra.com.br/petroleo/noticias/0,,OI5148578-EI18056,00-Confira+onde+sera+vendida+gasolina+sem+imposto+nesta+quarta.html

    ResponderExcluir
  24. É verdade Fla3D, errei ao digitar o ano do carro, ele é 08/09 modelo anterior. O meu Civic que é 2009/10.

    Tá ai uma coisa que andei vendo que realmente o Fit perdeu de bom que era o cambio CVT, e deu lugar a um 5AT. Uma baita pena ! Pois estávamos querendo um Novo Fit ou um Subaru Impreza 2.0 que é bem mais caro, mas e muito que provável não de desconto a produtor nem tenha muita negociação pela CAOA(eca).

    ResponderExcluir
  25. Antonio, por outro lado veja no Fitclube como vivem os donos de CVT... todos felizes até o dia que resolve dar problema... acho que o ideal era a Honda ter feito um CVT mais resistente, mas pra baratear resolveu colocar logo o AT, pelo menos de 5 marchas.
    Eu tenho um Fit EX 2008 tb mas manual, não tive coragem de encarar um CVT além de adorar o cambio manual do Fit.

    ResponderExcluir
  26. Bom, o da minha mulher é perfeito, esta somente com 53mil km e todas as revisões são feitas no concessionário. Até se comporta muito bem oc arro em geral, já pegou estrada um bocado uns tempos atrás, mais continua impecável e sem detalhes. Só aquele problema do recall no vidro elétrico, que o meu tinha e o encaixe do estepe que fazia barulho.

    ResponderExcluir
  27. produtor rural em Brasília...só se for produtor de falcatruas e roubalheiras...rs

    ResponderExcluir
  28. aliás em Brasília não se produz nada, apenas gasta-se o que o resto do país gera.

    ResponderExcluir
  29. Juvenal Jorge, em vez de falar que os carros são caros no Brasil por culpa do “governinho ladrão que não reduz impostos por nada”, seria interessante que você se informasse melhor e – por que não? – quem sabe até escrevesse um post sobre este assunto que é muito sério. Assunto este, aliás NUNCA abordado neste blog.

    Como muitos outros comentaristas mais informados já disseram, a maior parcela de culpa é dos fabricante e importadores.

    Um exemplo claro que demonstra a ganância de nossos fabricantes e
    importadores é a station wagon Renault Mégane Grand Tour. Meses atrás, ela custava R$59 mil. Com a saída de linha do sedan Mégane
    (substituído em nosso mercado pelo sedan Fluence), a Renault
    “realinhou” o preço da Grand Tour, com a intenção de mantê-la em linha
    enquanto houver demanda. De uma tacada só, o preço foi cortado em R$10
    mil, passando a R$49 mil, em versão única sem opcionais. Como o carro
    manteve exatamente os mesmos equipamentos de série (ar condicionado, direção assistida, vidros elétricos, travas elétricas, retrovisores elétricos, rodas de liga leve, equipamento de som, freios ABS e airbag duplo), resta concluir que o veículo tinha o preço inflado em ao menos 20%.

    Segundo a revista Quatro Rodas, o imposto em um carro vendido no
    Brasil varia entre 27,1% e 36,4% do preço final do carro – o primeiro
    valor, referente a veículos 1.0; o último, veículos acima de 2.0
    movidos à gasolina. Nos EUA, se cobra 6,1%, valor este entre os mais
    baixos do mundo.

    Para exemplificar a ganância das fábricas e importadoras brasileiras,
    comparemos carros iguais – no caso, modelos Toyota Corolla, que estão na mesma geração de design tanto aqui quanto nos EUA. Tratam-se de carros virtualmente idênticos, tanto aqui quanto lá. No preço final de um Corolla brasileiro, temos 29,2% de impostos (veículo entre 1.0 e 2.0, álcool ou “flex”). Considerando as tabelas de preços e um dólar camarada a R$1,65, temos:

    Corolla(básico, câmbio manual - topo de linha, completo):
    preço BR: R$63.000 - R$87.000
    preço BR com imposto: R$44.604 - R$61.596
    preço BR sem imposto: U$27.032 - U$37.330
    preço EUA: U$15.900 - 19.800
    preço EUA sem imposto: U$14.930 - U$18.592

    Ou seja: descontados os impostos, um Corolla básico custa no Brasil
    81% a mais que nos EUA. O topo de linha custa no Brasil 100% mais que
    o similar vendido nos EUA!

    Nada contra a Toyota em particular, uma vez que TODOS os fabricantes e
    importadores no Brasil parecem trabalhar com margens gordas, muito
    além do razoável. Usei o Corolla como exemplo apenas pela facilidade
    de comparação, dada a evidente semelhança do produto ofertado aqui e
    na América do Norte.

    Em suma, essa papagaiada que todo mundo repete de custo Brasil,
    impostos, etc, é injustificável quando se vê o mesmo carro saindo do
    portão do fabricante ou importador pelo dobro do preço praticado nos
    EUA. Trata-se de mera lenga-lenga para iludir incautos consumidores,
    que pagam pequenas fortunas por um carro e depois saem falando mal do
    governo, da carga tributária, etc – tudo isso enquanto fabricantes e
    importadores enchem as burras em um mercado que consumidores
    irracionalmente pagam qualquer preço para ter um “zero quilômetro” na
    garagem. Mas enfim, enquanto o consumidor se sujeitar a trocar de
    carro por moda e status, enquanto aceitar pagar preços extorsivos,
    nada mudará...

    Abs, Ricardo Montero

    ResponderExcluir
  30. http://raphaelhagi.files.wordpress.com/2011/04/1coroll1.jpg

    ResponderExcluir
  31. Homem-Baile: ótima comparação!

    Você poderia fazer um outro comparativo: Brasil vs. México, desta vez com o mesmo carro saindo da mesma fábrica(por exemplo o Fit exportado para lá ou o Fusion importado para cá). Tenho certeza que há absurdos aít ambém.

    ResponderExcluir
  32. Pela faixa de preço, é provável que a C3 Picasso acabe matando a Xsara Picasso, que atualmente vem bem equipada (inclusive com bolsas infláveis laterais de série) e é mais espaçosa. Afinal, normalmente o Zé-Povinho prefere o carro que impressiona o vizinho ao que melhor atenda às suas necessidades.

    ResponderExcluir
  33. Anonimo das 15:31, Se informe melhor sobre agricultura do DF e também sou Eng. mecânico, trabalho com importação de maquinário de construção civil, que reforçando mais ainda sobre dados gerais do DF é um dos maiores canteiros de obras civis da América latina. E sim, vivo na Capital, de políticos na maioria ladrões que TODOS elegem, de todos os estados, que com certeza você votou em vários.

    ResponderExcluir
  34. Marcelo Junji25/05/11 19:23

    Esse motor só é bom com carros leves e aerodinamicos.
    Num carro que pesa 1300kg e com cx alto, não há relação de marcha que fique legal, embora nesse caso, é melhor ter relação mais curta em todas as marchas. Tenho certeza disso, pois tenho um carro com este motor, com massa e cx semelhante, mas que tem relação de marchas mais longa. E meu carro quase não sobe ladeira forte em primeira, e na estrada em qualquer subidinha, tenho que reduzir para quarta marcha.
    Acho que no Brasil as marchas são curtas devido a topografia, por isso também a preferência pelos motores de duas válvulas/cil., e também não acho boa idéia câmbio automático, ainda mais no aircross. Se ele já bebe com câmbio manual, imagine com o automático.
    Se a psa têm o 1.6 turbo, porquê não usa nesse carro?

    ResponderExcluir
  35. Marcelo Junji25/05/11 19:23

    Esse motor só é bom com carros leves e aerodinamicos.
    Num carro que pesa 1300kg e com cx alto, não há relação de marcha que fique legal, embora nesse caso, é melhor ter relação mais curta em todas as marchas. Tenho certeza disso, pois tenho um carro com este motor, com massa e cx semelhante, mas que tem relação de marchas mais longa. E meu carro quase não sobe ladeira forte em primeira, e na estrada em qualquer subidinha, tenho que reduzir para quarta marcha.
    Acho que no Brasil as marchas são curtas devido a topografia, por isso também a preferência pelos motores de duas válvulas/cil., e também não acho boa idéia câmbio automático, ainda mais no aircross. Se ele já bebe com câmbio manual, imagine com o automático.
    Se a psa têm o 1.6 turbo, porquê não usa nesse carro?

    ResponderExcluir
  36. Anônimo das 15:31,

    fazendo coro ao Antonio, aparentemente você não conhece Brasília. nem a produção de regiões rurais do DF, como Planaltina e Brazlândia. e quanto às falcatruas, Brasília elege 8 dos 513 deputados federais. qualquer que seja o seu estado, mandou para cá no mínimo a mesma quantidade de representantes.

    se você tem algum problema com a capital federal, não gosta da arquitetura daqui ou o que for, o problema é seu. boa parte da cidade é honesta e paga imposto igual você.

    ResponderExcluir
  37. Pois é Homem-Baile, nossa vida aqui no Brasil não é brincadeira...

    Como já havia dito antes, trabalho com importação e viajo para o USA a cada 2 ou 3 meses, e obviamente fico "brigando" muito com a concorrência relativos aos preços praticados aqui como os meus, é para simplificar vendo as melhores marcas, muito superiores ao nacionais e chineses, e a diferença chega a 30% a menos que os daqui, isso já com minha margem de lucro e todos os impostos religiosamente pagos.

    As vezes fico querendo abrir uma importadoras de automóveis, mas não tenho bala para tudo isso não, mas sabemos que muitos carros vindos de importadoras paralelas, as diferenças chegam até exatos 30% menos, como meus maquinários.

    Mas brasileiro gosta mesmo de pagar muito por pouco mesmo, e ainda fica feliz em pagar 60X a 2,5%am de juros em carro popular peladíssimo que sai a preço de Camaro V8 lá fora...

    ResponderExcluir
  38. Esse carro ficou interessante. Vi uma foto que o Felipe Bitu postou no Facebook de um modelo desses na cor preta e ficou bem agradável, apesar de eu não gostar de carros pretos.

    O motor 1.6 PSA é um bom motor, que sobe giro liso, lembrando os 2.0 GM pré 140cv mas sofre com falta de torque em baixas rotações dada a litragem não ser alta, já que é um motor subquadrado. Como exemplo uso o Escort Zetec, também 16v, subquadrado e com litragem um pouco maior, que apesar do pouco torque existente, já tem bem mais que o PSA, mesmo com relações extra-longas. Claro que aí entram outros fatores como taxa de compressão, graduação e lobes de comando, mas tomando por base fatores próximos, a idéia corre por aí.

    O "buraco" entre segunda e terceira marchas é visto também em carros mais leves como o 207, mas o que mais incomoda é o "buraco" entre primeira e segunda marchas desse modelo. Encurtaram demais a primeira, ficou igual ao Gol 1.0 Turbo onde a primeira relação durava pouco mais de um segundo.

    A powertrain 1.6 Turbo é interessante e locomove bem o 3008, sem pretensões exportivas. Em um C3 Picasso ficaria interessante, em um 307 digno e em um 408 animaria aquela paradeza de quase 1500kg.

    ResponderExcluir
  39. Marcelo Junji26/05/11 00:01

    Sr. Eduardo Zanetti, na minha opinião o motor peugeot não tem nada em comum com o motor gm de 115cv. O motor gm só empolga quando sai da inércia, e decepciona muito quando a rotaçao sobe, ao contrário do motor psa 1.6 16v, que tem dificuldade para sair, mas que chega até o limite de giro sem queda de torque( no plano).
    Para mim o aircross deve ter obrigatoriamente a primeira e segunda marcha curta, e a quinta também, pois esse motor, sob muita carga, tem a tendência de perder força muito rápido (ou perde rotação, ou ela não sobe, mesmo estando acima da rotação de torque máximo, que é de 4000rpm ).

    ResponderExcluir
  40. Ficou bem melhor sem aqueles enfeites carnavalescos de carro aventureiro fake.

    ResponderExcluir
  41. Bonitinho, mas muito caro... O Homem-Baile disse tudo: ganância é que causa esse preço alto.

    Querem outros exemplos? O Vectra Elite começou em R$ 90 mil. Está agora abaixo de R$ 70 mil... Já vai tarde.

    O Malibu estava nos 90. Agora está abaixo de 80 mil. Basta procurar nos classificados online de São Paulo. O mesmo carro, os mesmos impostos (inclusive o Imposto de Importação de 30 e tantos por cento, por vir dos EUA). Com o Azera aconteceu o mesmo.

    O C3 Picasso não vale esse preço, nem no lançamento. E digo mais: apesar de alguns jornalistas e consumidores postarem que a qualidade dos carros e o pós-venda melhoraram, esses carros franceses não me inspiram a mínima confiança.

    ResponderExcluir
  42. Homem-Baile (Ricardo Montero) eu já tentei levantar esta discussão aqui, mas ao que parece a maioria das pessoas ainda acreditam no discurso das montadoras segundo o qual o valor dos carros aqui no Brasil é tão diferente do resto do mundo em função "apenas" dos tributos e do custo Brasil.
    Desafio qualquer um a me dizer qual o lucro das montadoras aqui no Brasil e, principalmente, em comparação com o lucro nos países de origem.
    É uma vergonha...eu sonharia em ver o relatório gerencial que estas empresas mandam para as matrizes lá fora. A lucratividade é absurda, fora dos padrões civilizados.
    Mas o triste é que elas estão meio certas, estão buscando o lucro. E meio erradas, pois abuso de poder econômico é crime.
    Apesar disto, sou um liberal e acho que a solução não é intervenção do governo e sim mais concorrência (o que caberia ao governo fiscalizar com o CADE, SDE, SEAE, mas que desestruturou estes órgãos quem sabe para agradar alguns...).
    Por isto eu saúdo as empresas chinesas. Pelo menos até elas entrarem no esquemão da ANFAVEA nós teremos carros mais baratos e, por conseqüência, redução nos preços dos concorrentes.
    Vamos parar de botar toda culpa no governo, este caminho é fácil, cômodo, mas nem sempre é o certo.
    A culpa neste caso é de todas as partes: governo com seus impostos e infraestrutura precária, empresas com este oligopólio vergonhoso, e compradores com esta necessidade de comprar carros zero todo ano, mesmo se endividando.
    O que falta é capitalismo no Brasil...muito capitalismo.
    Abs
    Ronaldo

    ResponderExcluir
  43. P/ kem adora botar a culpa dos preços dos carros no governo, sugiro ler a reportagem abaixo:

    http://www.noticiasautomotivas.com.br/fabricantes-de-veiculos-sao-campeoes-em-envio-de-lucros-as-matrizes-fora-do-pais/

    ResponderExcluir
  44. A grande maioria também não sabem, mas muitas montadoras só sobrevivem praticamente com os lucros somente do Brasil ! Pois em seus próprios países e no resto do mundo, amargam vendas fraquíssimas já á um bom tempo.

    Por isso que vem exatamente dizendo sobre estas marcas principalmente os francesas e italianas que não agregam nada de novo do mercado e só requentando produtos velhos e obsoletos, com preços absurdos cobrados aqui. Vejam nos sites dos respectivos os valores dos carros, os itens de série e façam uma simples pesquisa com os daqui.

    Na realidade existe obviamente uma "panelinha" automobilística protecionista entre todos eles que mantem esses preços exorbitantes de seus carros no Brasil, para justamente continuar essa "carnificina brasileira" em produtos pobres e caríssimos, com margens de lucro fantásticas que só o Brasil tem.

    ResponderExcluir
  45. Aléssio Marinho26/05/11 14:16

    Hoje fui num concessionário Ford e vi 2 New Fiesta com a etiqueta de configuração ainda colada no vidro lateral. Nela consta todos os dados do carro, equipamentos, especificações outras informações.
    Para a minha suropresa, havia também o valor do carro embarcado no México para o Brasil.
    Sabem o número que estava escrito?
    O New Fiesta completo (o de 7 airbags) vem pra cá por $ 14.500,00 (nao sei precisar se era dolar ou peso mexicano, mas acredito ser dólar).
    Tirem as suas conclusões.

    ResponderExcluir
  46. Não quero bancar o "do contra", mas permitam-me discordar...

    Zanetti,
    O 1.6 PSA entrega mais torque em baixa do que parece, pico em 4000rpm é perfeito para quem quer um motor "girador" que não penaliza tanto em baixa, estes buracos sobre os quais você fala não chegavam a me incomodar nem no VW 1.0T, nem incomoda no 307, tire a prova acelerando ao lado de outro carro dito "torcudo", a impressão de motor xôxo em baixa não reflete a realidade.

    Mineirim,
    Os franceses não devem em nada em qualidade para seus concorrentes e o pós-venda deles é tão ruim quanto. Não entendi.

    Antônio,
    Por que principalmente os franceses e italianos? Seu comentário não bate com a realidade. Vejo a VWB e a GMB como vilões ainda piores. Podemos até fazer uma lista dos melhores custo x benefício do mercado ou dos piores. O que acha?

    Autores, listinhas! listinhas! Vamos bombar essa área de comentários... hehehe

    Pisca, li a matéria do link que vc postou, parece que o nível dos comentários do NA melhorou bastante, acho que em razão do "login/senha" para comentar. Boa a matéria!

    Sds

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Fabio, concordo e estou aqui para ajudar no que for necessário em fazer uma listinha ou uma especie de "cartilha" eletrônica para "ajustar" melhor esse nosso mercado maluco e seus carros.

    Agora sobre os franceses e italianos: Eles lá fora tem muita coisa legal, e aqui pelo menos eles deveriam trazer tudo que tem lá fora, que estão numa pior lascada, cobrar MENOS que o habitual (CLARO!), ganhar um bom mercado e mexer com a concorrência, mas não... fazem o papelão como todo as outras montadoras. Já a VW, pela menos tem muito coisa de fora ponta de linha aqui também, mas "só" o preço para variar é absurdamente caro pela coisas boas lá de fora, o restante dos carros nacionais na maioria bem arcaicos é que não dá para engolir também, vide Golf e Polo. Já o Sr.GM BRZ, ai não ha comentários para tamanha ignorantinha e desprezo ao consumidores da gravatinha.

    Vamos lá pessoal !!! Vamos nos mobilizar e tentar melhorar este país de oportunistas !!!

    ResponderExcluir
  49. Fábio

    Pois é cara....mas nessa matéria vc vê o absurdo q são as margens de lucros das Fabricantes aki do país.

    Ainda vou procurar um cálculo feito p/ um amigo, levando em conta o preço de um carro importado + 35% de importação + impostos comuns q são cobrados de tds os carros independente da origem.

    Bixo....é de cair p/ trás qnd vc descobre a margem de lucro exorbitante das 4 Grandes nos carros feitos aki.

    O lucro em Reais é MAIOR doq toda a carga tributária junta + um poukinho.

    ResponderExcluir
  50. Antônio, realmente a VWB agora oferece o Jetta Turbo, mas de bobos eles não têm nada, sabem que são poucos os desinformados que podem pagar um valor deste num carro, mas de qualquer jeito estes são reféns de preços extorsivos.

    Aliás, esta listinha poderia ser um tipo de ranking atualizado periodicamente... ããã?


    Pisca, acho que este lobby só cai no dia em que o brasileiro deixar de ser um povo colonizado.

    "A consciência do povo daqui é o medo dos homens de lá"

    Sds

    ResponderExcluir
  51. Pisca e demais comentaristas,

    Entrem na Receita http://www4.receita.fazenda.gov.br/simulador e tirem suas conclusões. No ICMS coloquem 17 ou 18% (varia de estado para estado). O simulador joga todos os tributos (IPI, II, PIS e Cofins)

    O resultado depende da cilindrada do carro importado. Mas, de qualquer maneira, nas simulações que fiz, o máximo é uns 100% sobre o valor original. Não é 3 vezes, como frequentemente constatamos nos importados regularmente pelas nossas marcas...

    Quanto aos carros franceses, sem comentários...

    ResponderExcluir
  52. Na falta de argumentos mete um "sem comentários" e beleza...

    ResponderExcluir
  53. Antonio e Eduardo, faço coro com vocês contra as injustiças que se fazem com Brasília. Morei 5 anos e tenho dois irmãos ainda morando lá, sempre gostei da cidade e do povo. O resto do Brasil, que não sabe votar, é que manda os corruptos para lá. Ninguém lembra em quem votou na última eleição, ninguém reclama de nada, continuam comprando estes carros de dez anos atrás pelados, pagando caro e dando risada... Sem falar na PRAGA dos câmbios curtos em excesso. ODEIO isso, tive um Celta que simplesmente não usava a primeira marcha, estava quase trocando o diferencial por um dos primeiros Corsa quando vendi o carrinho e comprei um Escort Zetec, este sim com um dos melhores câmbios que já vi. A questão do lucro abusivo das "montadoras" brasileiras deveria ser caso de polícia. A GM americana só conseguiu sair da crise graças a "nós", que pagamos pelo menos 10 mil a mais do que qualquer carro vale. Dizem que a saida da última presidente, Denise Johnson, foi devido a discordar da política de produtos e preços praticada pela GM no Brasil. Sempre gostei da marca, tive vários Opalas e Monzas mas hoje ando de Astra 2003 porque nenhum dos modelos novos me atrai.

    ResponderExcluir
  54. Fla3D: pelo visto não foram só brasileiros que reclamaram de problemas no CVT do Fit de primeira geração. Devem ter havido reclamações no Japão também. O que a Honda fez por lá? Transplantaram a mesma transmissão usada na minivan Odyssey JDM, que nada mais é que a transmissão do Fit de primeira geração com um conversor de torque em vez de embreagem, para suportar mais torque. Acoplando-a em um motor de bloco L, em vez do K24A da Odyssey, é pedir para que dure para sempre.
    Já no Brasil, preferiram usar a transmissão automática de 5 marchas para assim encomendarem apenas uma transmissão e compartilhá-lha com o Civic. Perdeu o brasileiro nessa, tanto pelas vantagens do CVT quanto pelo consumo. Veio a Honda com a desculpa esfarrapada de que não conseguia casar flex com CVT (mesma desculpa da Ford para tentar justificar a sonegação da PowerShift de seis marchas no Fiesta mexicano para cá importado). O que fez a Nissan? Casou CVT com flex no Sentra e acabou com os argumentos da Honda ao fazer o primeiro carro do mundo com variação infinita tanto de marcha quanto de mistura de gasolina e álcool.

    ResponderExcluir
  55. Boa tarde a todos.



    Escrevo para relatar um problema de projeto no C3, e gostaria de obter a opinião de vocês experts em mecânica pois a fábrica alega que isso é uma “característica” do veículo. (eufemismo?)

    Pensei em postar no site, mas provavelmente ficaria mais difícil acompanhar as respostas. Se alguém quiser postar este comentário e a resposta, fiquem à vontade porque tenho uma questão importante e não vi na internet ninguém falar a respeito.

    É o seguinte. Adquiri um C3 picasso, zero, faz 20 dias. Atualmente está com 600km rodados.

    Carro confortável, bom de dirigir, apesar da ergonomia equivocada em algumas partes do carro.



    Por 18 anos dirigi as tais “carroças” as quais o Collor se referiu em um dos seus poucos momentos de lucidez. Pasmem...meu último carro antes dessa última e ousada aquisição foi um gol 86 Ap !! Dirigi esse carro por 18 anos com aquela suspensão durinha como jipe que me rendeu uma bela hérnia de disco !!! Portanto, imaginem o salto e o choque ao dirigir um carro moderno, macio, confortável, etc...Eu me sentia o Flintstone acabando de chegar ao século 20 !!!



    Pois bem, antes da aquisição, experimentei e pesquisei o que deu em 15 dias de procura, na internet e pessoalmente. Não podia errar, afinal, não se acha 50 paus em árvore. Pensei...porque não ir de cara para um afamado e cobiçado japonês, tidos pelos entendidos como melhores carros do mercado??? Daí, fiz teste num Fit, num City, num Livina, Tiida...e por fim, como já conhecia e estava familiarizado com o c3 do meu pai, andei também no tal c3 picasso. E seduzido pelo conforto, pela sensação que se tem ao volante, pelo torque do motor 1.6, pela sensação de peso do carro, espaço, design, moderno...comprei-o.



    Os Nissan, bem, ao saber que andam com motores renault eu me afastei por não gostar dos carros renault, e também ouvi falar e percebi que os motores ficam barulhentos, etc...O Fit e o City me pareceram muito caros em vista do acabamento apresentado e da potencia do motor. Carros caros, não quebram fácil, suspensões durinhas, plasticos internos simplérrimos com rebarbas, chapa da carroceria aparentando ser mais fina que o normal (batam na lataria do Fit e me desmintam). Parecem carros bonitos e simplificados para ralar no dia a dia e enfrentar a buracaiada de SP com a intenção de suceder as carroças da VW , e não para viajar com a família com espaço e conforto. Como eu já vinha sofrendo nas carroças da Volks achei que depois de tantos anos eu merecia um “mimo” pra minha coluna, comprei o c3.



    Depois de algumas viagens é que a gente sente melhor o carro né. Test-drive até a esquina não submete o carro a todas as condições para uma boa avaliação. Apareceu o seguinte. Em ruas muito lisas (raridade em SP) percebeu-se uma ligeira trepidação nas saídas. Levei na concessionária e o técnico me disse que (pasmem com a sinceridade) isso acontecia pelo fato de haver uma ausencia de uma melhor estabilização entre os eixos dianteiros, que por terem diferentes comprimentos reagem de forma desigual ao empuxo e a suspensão osclila no início da marcha por alguns segundos até que se estabilize com a velocidade.



    Eu nunca dirigi outros carros com esta mesma constituição e por isso não tenho parâmetro, e também tenho certeza que muita gente não vai nem notar essa trepidação, mas a pergunta é a seguinte, amigos...Vocês estão sabendo desta “característica” e acham que vale a pena brigar com a Citroen, meter a boca ? É algo que pode comprometer a durabilidade da mecânica? Em um recall conseguem arrumar isso???


    Abraço


    Douglas

    ResponderExcluir
  56. Cruuuuzes! Tanto tempo pra trocar e me compra um bagui desse? ooOOO fião!

    ResponderExcluir
  57. pois é...mas o pior é que só vi elogio ao carro na internet..e na categoria preceu ser a melhor escolha, ajustada à minha necessidade, custo benefício, etc. Mas mesmo que fosse uma obvia escolha ruim, esse tipo de defeito (ou "característica") me parece inadmissível, e até estranho que os entendidos no assunto tenham criticado alguns aspectos menos importantes do carro mas omitiram esta parte mecânica importantíssima.

    ResponderExcluir
  58. tão bom que ainda tem 10/11 pra vender... You bought a cube, congrats!

    ResponderExcluir
  59. ...bem, este site mesmo pegou leve com o carro. Nenhum site especializado fez críticas relevantes.
    O que fazer? Por garantia, continuar fiel às marcas que judiaram das hemorróidas e das colunas vertebrais dos brasileiros por décadas?

    ResponderExcluir
  60. Se tu estás com hemorróidas, corte a pimenta, gordura, alcool... Não precisa ser médico pra saber, agora hérnia de disco é predisposição genética, não foi o seu golzinho 86... Quer um carro macio? A Fiat mesmo tem um padrão mais molenga...
    Agora pra comprar este carro, tem que curtir o Picasso mesmo!!!

    ResponderExcluir
  61. afff...em todo fórum na internet esse tipo de boçal!!
    bem, ainda espero uma opinião mais técnica, de boa vontade.

    abraço a todos

    ResponderExcluir
  62. eae Dãglas... curtiu o Picasso? Ops! O Boça?

    ResponderExcluir
  63. Boa noite, meninos:

    Estou procurando um carro razoável, confortável, não muito caríssimo demais e hatch, porque odeio sedans. Minha filha indicou este C3Picasso e eu me interessei bastante pelo Exclusive manual. De tudo que se comentou, fiquei bolada com o comentário do Douglas, que achei bastante preocupante. Será que o carro tem um problema no projeto da suspensão? Isto prejudica a segurança do veículo? Alguém sabe responder tecnicamente? Pretendo trocar meu carrinho entre amanhã e o final de semana. (Não podem me zoar, mas tenho um 207/2007 que amo e adoro e nunca me deixou na mão; tá na hora de fazer um upgrade e o 308, pelo visto, nem tão cedo...) Obrigada pelas respostas!

    ResponderExcluir
  64. Oi Mariana...Ontem fui novamente na concessionária (segunda vez). Foram mais atenciosos, apesar de terem vindo de novo com aquele papo de "característica" do veículo. Eufemismos à parte, hoje espero uma posição sobre os problemas que estão me incomodando e que não sei nem mesmo se são correlacionados ou problemas diferentes (trepidação na embreagem e trepidação do conjunto propulsor nos inícios de marcha). Não me deram a oportunidade ontem de dirigir um segundo carro deste mesmo modelo para saber de vez se todos são assim. Portanto, se você fizer um test drive em c3 picasso me diga se sentiu a mesma coisa. Faça o seguinte. Procure uma rua bem lisinha, de preferencia ligeiramente inclinada. Estacione o carro, e depois saia com ele normalmente e acelere normalmente na subida e veja se sente a frente do carro chacoalhar lateralmente. Se eu dirigir com uma velhinha de 80 anos, o carro é uma sêda (no test drive geralemente dirigimos assim, né. E foi isso que aconteceu). Mas quando o carro é nosso e dirigimos "que nem macho" (rsrsr), exigindo um pouco mais, a coisa muda.
    Faça o teste e me diga o que sentiu.
    Ah...aproveita e pergunta porque a alavanca de abrir o capô não funciona com a porta do motorista fechada (ela bate no porta objetos da porta)!!! Veja o que vão te dizer!! Simplesmente não sabem!!
    O carro é bonito, gostoso de dirigir, mas parece que foi lançado às pressas.
    Abraço

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...