Google+

31 de maio de 2011

ECONOMIA DE COMBUSTÍVEL

Tanque cheio, carteira vazia

A língua inglesa é criativa. Uma das boas vantagens é que eles criam termos para explicar expressões. Existe um termo para a ação de dirigir economizando combustível. É o  hypermiling, ou seja, hiper-milhagem, para nós, hiper-quilometragem. Há boas razões para dirigir um veículo de forma econômica na maior parte do tempo.

Um bom motivo é aquele que é o principal para mim. Minha aversão a desperdícíos de qualquer tipo, me faz sempre buscar uma maior autonomia para cada tanque de gasolina. Não uso álcool, primeiro por não ter carro que funcione com ele, e se tivesse, continuaria usando gasolina. Com o etanol, teria que parar em postos de abastecimento com mais frequência, e isso é coisa de que não gosto, como ir a supermercado, ou loja de roupas.

Um outro bom motivo é o mais polêmico, a questão ambiental, tão falada e discutida de forma pouco equilibrada na maioria das vezes.

Existem os que acham que o carro é um monstro destruidor do planeta, que qualquer fumacinha vai acabar com a atmosfera e nos fazer arder em chamas pelo aquecimento global. Outros acreditam que nada pode alterar o equilíbrio da natureza. Que o planeta é muito mais forte que qualquer criação humana, e que não afetamos nada na nossa camada de ar respirável.

Ambos estão errados. Como tudo na vida, o meio termo é o melhor, pois está mais próximo do equilíbrio.
O certo é gastar sem desperdício.

Para gastar menos combustível, valem alguns procedimentos que podem ser transformados em hábitos.

As dicas que estão a seguir, foram levantadas em algumas pesquisas em vários sites sobre o assunto hypermiling. Todas têm fundamento, mas algumas são ridículas e não recomendáveis.

Dessa forma, deixamos claro que nem tudo que é considerado "verde" é correto de se fazer.

A primeira delas é óbvia. Como o assunto nasceu nos EUA, sugere-se dirigir um carro de câmbio manual em vez de automático. Bingo ! Descobriram a América, os americanos. Se não for pelo combustível, que seja pelos freios, sempre mais solicitados em automáticos, principalmente os modelos mais tradicionais.

Para nós, fácil e simples. Para os amigos do Norte, mais difícil, já que muitos lá nunca dirigiram usando pedal de embreagem.

Outra sugestão é andar mais devagar, abaixo dos limites permitidos.
Não concordo. Desde que haja condição de segurança, devemos andar no limite permitido, ou um pouco acima, resguardado o erro de velocímetro. Há mais gente precisando usar a rua, logo, devemos desocupá-la o quanto antes. Egoísmo também é desperdício.

Uma ótima dica é diminuir a aceleração assim que se avista um semáforo fechado, controlando a velocidade para não parar o carro (velocidade zero). Claro que há limite para isso, e atravancar demais quem vem atrás é o maior problema. Para o Brasil, essa dica é mais útil para outra finalidade. Com o evento dos assaltos a pessoas dentro de carros em semáforos, é uma prática que precisa ser treinada principalmente por segurança, mais ainda do que por economia.

Usar o cruise control, aqui conhecido pelo errado termo "piloto automático".
Acredito que só funcione para quem tem pé pesado. Se você gosta de dirigir com precisão e suavidade, um cérebro eletrônico comandando a borboleta do acelerador é algo bastante ruim. Uma intrusão na sua diversão e prazer de dirigir.  Além disso, um sistema que segura o natural aumento de velocidade em uma descida, para aproveitar essa energia na subida a frente, é, ao meu ver, estúpido. Como são as autoridades que instalam câmeras no final dessas descidas.

Colocar o câmbio em ponto morto quando não há tráfego, nem riscos por perto.
Não recomendo. Todos sabemos que rodas sem tração escorregam mais facilmente, por isso se deve fazer curvas sempre acelerando, seja muito ou pouco, dependendo das condições. Carro desengatado, andando, é um convite a coisas erradas.

Tirar do carro itens desnecessários.
Apenas um exemplo, papéis. Aquela papelada de propaganda distribuída em semáforos, eu nem pego. Outra é jornais e revistas. Já leu, doação ou lixo.

Carro não é armário, nem gaveta, muito menos lixeira. Só o utilizável deve ficar dentro.
Um vizinho certa vez, esqueceu um bloco de manteiga que havia trazido de Minas Gerais no porta-malas. Estava encoberto por várias outras tralhas que ele deixava habitualmente lá dentro. A esposa se lembrou apenas no dia seguinte, quando o carro já estava ao sol por pelo menos umas 3 horas. Derreteu, e ele gastou um final de semana inteiro para limpar. O cheiro não saiu.

Trocar de marcha a baixas rotações.
Sem dúvida economiza combustível, mas é contestável também, já que nem sempre é bom para o conjunto mecânico. Algumas subidas de giro de vez em quando é bom para todos, motor e motorista, exceto para a carteira deste.

Pegar o vácuo é outra sugestão comentada, mas é absolutamente  ridícula, pois é perigosa. O americano chama isso de tailgating, algo como colar na traseira.  Você pode economizar uns trocados de gasolina, e gastar uma tremenda gaita pagando o conserto, seu e de outro carro, se bater. Idéia esdrúxula.

Procurar caminhos melhores para o carro, evitando as vias de trânsito mais pesado e lento.
Isso é regra para quem vive em cidade grande. Diria que é normal dar umas voltas mais longas para chegar a um ponto, desde que seja vantajoso em tempo e dinheiro. Faço isso até mesmo  para pegar ruas de melhor calçamento, postergando a destruição de meu carro.

Estacionar o carro ao sol.
Essa é boa, e nunca havia visto antes dessa pesquisa. Manter o motor à temperatura mais elevada possível enquanto desligado acelera a fase de aquecimento quando você o ligar novamente. Nunca havia pensado nisso, e tem lógica. Mas não deve ser nenhuma diferença muito vantajosa, ao menos para o clima da maior parte do Brasil. Deve sim, trazer algum resultado em climas bem frios.

Usar menos o ar-condicionado.
Claro, em velocidades altas, vidros abertos aumentam muito o arrasto, e o consumo também. O ar-condicionado pode reduzir o consumo em estradas, mas andar em trânsito citadino sem congestionamento com ar ligado e vidros fechados é para mim, desagradável. Abro o vidro sempre que as condições de fumaça de caminhão, ruído ou segurança permitem. Um ventinho é bom de vez em quando. E escutar o carro mais ainda.

Para automáticos, ao estacionar, primeiro desligar o motor para depois colocar a alavanca em P. Salva uns segundos de combustível. Fácil e simples de fazer.

Desligar o motor quando se sai do carro, mesmo por poucos minutos.
Deixar motor ligado em marcha-lenta sem ninguém dentro é um hábito americano, principalemente, em locais muito quentes ou muitos frios, para manter o interior em temperatura agradável, com ar-condicionado ligado ou aquecimento. Me parece um certo desperdício de tudo, e um certo egoísmo por parte do dono do carro. Isso sim é usar o carro como uma máquina poluidora.


Desligue o carro quando estacionar por muito tempo; não use marcha-lenta

Há motoristas de caminhões que fazem isso em entregas, por exemplo. Descarga de mercadorias feita com motor ligado. Já presenciei isso, perguntei ao motorista o motivo, e ele não soube me explicar. Algo assim como "evitar carbonização" foi dito, mas sem certeza. É apenas mais um mito entre muitos.

De uma maneira geral, a principal forma de gastar pouco combustível é aprender a dirigir com suavidade, sem maltratar o carro.

Manter o embalo, ou, mais tecnicamente, a energia cinética, é a melhor solução. A antecipação do comportamento dos outros veículos, pedestres e semáforos, nos torna mais atentos ao ato de dirigir, e melhora o conforto do motorista e passageiros, já que menos movimentos bruscos em volante e pedais são necessários.

Em resumo, dirigir de forma suave, é a melhor opção para reduzir consumo. Sem confundir com baixas velocidades, já que de nada vale economizar e atrapalhar todo mundo na rua.

Manter seu carro em condição boa tem uma importância primordial para dirigir com prazer, evitando desperdício de combustível.

As dicas óbvias, como troca de óleo em intervalos regulares e dentro do especificado pela fábrica, manter filtro de ar limpo, e outras, são facilmente entendidas.

A influência mais delicada, a meu ver, é calibrar pressão de pneus frequentemente, de preferência com um manômetro particular dos bons, para ter sempre leituras confiáveis. Além de economia de combustível, ajuda a poupar os pneus, e promover o desgaste regular.

Não há intervalo fixo para essa verificação. Tente uma vez por semana, sempre com pneus frios. O normal é aumentar 2 libras nos primeiros 8 ou 10 km de rodagem, menos aumento depois disso. Esses dados são de um manual de proprietário de um Land Rover, para pneus de perfil alto.

Nos baixos a variação normal é menor, pois a movimentação do ombro é menor e gera menos movimento de ar dentro do pneu. Se perceber que em uma semana não se perde pressão, esse intervalo pode aumentar.

Se o carro roda muito por pisos ruins, esse prazo precisa diminuir, pois as cargas que o pneu sofre provocam mais folgas entre a borracha e o aro, e geram pequenos vazamentos momentâneos. Em um dia de rodagem, pode-se perder uma libra por polegada quadrada, ou até mais. Depende de muitos fatores.

Balanceamento de rodas e alinhamento de direção também são fundamentais. O primeiro, se não estiver correto, gera forças em sentidos não interessantes ao movimento do carro, provocando um efeito de frenagem pela massa da roda mais pneu fazendo força para cima, para trás ou para baixo, o que faz com que se pise mais no acelerador para manter velocidade. E direção desalinhada provoca arrasto dos pneus, que também resulta em acelerar  mais para andar a mesma coisa. Fora o desperdício de borracha.

Em suma, carro é como gente. Pisar torto, com calçado inadequado e desconfortável, ou andar arrastando pé, causa cansaço, que significa desperdício de energia.

Diriga suavemente e poupe combustível.

JJ

42 comentários:

  1. No site Bestcars, eles recomendam fortemente usar o método carga. Contudo, pelo que leio em alguns outros lugares e aqui também, tal método é prejudicial ao motor. É verdade? Quais são os problemas?

    ResponderExcluir
  2. Excelente POST. Uma pena ter de dirigir "agressivamente" para evitar os verdadeiros obstáculos e perigos que vejo e encaro no trânsito todos os dias....

    ResponderExcluir
  3. Anônimo 1: prejudicar de verdade não acredito que prejudique. Já tentei esse método, e não é nada fácil para quem aprendeu a dirigir da forma "normal".

    ResponderExcluir
  4. Consigo geralmente fazer mais de 10 km/L no álcool, usando o Corsa 1.4 Econoflex normalmente 32 km por dia, boa parte do percurso na Marginal Pinheiros.
    Ando rápido, mas procuro ser suave e evito acelerar demais, a ponto de ter de freiar logo em seguida.

    ResponderExcluir
  5. O que eu noto é que deixar o carro sem uso por alguns dias ferra totalmente a média de consumo, e para pior.

    ResponderExcluir
  6. Nunca entendi o motivo de veículos diesel, principalmente caminhões e ônibus abastecerem com o motore ligado. É comum ver isto.

    ResponderExcluir
  7. JJ
    Bom esse post. Apareça mais, por favor.
    Guilherme J.
    Feliz é você. Com o meu, nunca passei dos 8,5 km/l. No álcool e com A/C desligado. Quanto ao carro parado ferrar com a autonomia, verdade. Tive várias experiências do tipo.

    ResponderExcluir
  8. Acho que o Bob Sharp, que passou um bom tempo no BCWS e se não me engano ainda fazia parte da equipe na época em que testaram na prática o método "carga", pode falar um pouco mais sobre isso.

    Por experiência própria, sinto que de fato funciona. Meu Gol 1.8 faz cerca de 10 a 11Km/L usando tal método, dando algumas "esticadas" de vez em quando pra garantir que nada "amarre", inclusive o hábito do motorista...hehehe.

    Curiosidade: quem já viu avaliações do Best Cars deve ter percebido que, nas medições de consumo que eles fazem, os carros costumam apresentar maior eficiência entre 40 e 60Km/h constantes, fazendo cerca de 18, 20Km/L. Porém, na "vida real", circular a tal velocidade não significa real economia, já que o motor "bebe" mais quando exigido nas subidas a tal velocidade do que a 80 ou 100Km/h, por exemplo.

    Bob, esperamos seu comentário a respeito desse método de direção tão difundido pelo Best Cars: vemos que, de fato, o método "carga" parece funcionar. Porém, existe algum custo ao motor? Sempre que vejo um contra, a palavra "bronzina" está no meio. Procede?

    ResponderExcluir
  9. Algumas dicas são bem interessantes, mas difíceis de serem aplicadas em cidades grandes com tráfego pesado.
    Mas eu só consegui um jeito de economizar gasolina... Passei a usar a moto no lugar da minha Blazer!!!

    ResponderExcluir
  10. Bom eu tenho o pé meio pesado, costumo andar com o pé "ancorado" no acelerador... na cidade eu troco cedo as marchas procuro andar entre 1300 a 2000 rpm, na estrada eu costumo reduzir uma ou duas marchas somente qdo o carro perde embalo. Só me "divirto" um pouco qdo ultrapasso um caminhão enchendo bem o motor...

    ResponderExcluir
  11. Os Ônibus e caminhões ficam ligados para manterem cheios o balão de Ar. Se este esvaziam os freios travam automaticamente e demora para encher e solta-los.

    Tem um maluco na europa que vive de fazer Kilometragens absurdas com carros. Nada me tira da cabeça que ele faz isso andando no vácuo de caminhões e ônibus.

    ResponderExcluir
  12. . Todos sabemos que rodas sem tração escorregam mais facilmente, por isso se deve fazer curvas sempre acelerando, seja muito ou pouco, dependendo das condições. Carro desengatado, andando, é um convite a coisas erradas.

    Hein?!??? O atrito segurar Força centrípeta + força de tração no pneu é melhor do que ter que segurar somente a centrípeta?
    Alguém falou as aulas de fisica na escola.

    Cade aquele doido professor de fisica que vinha aqui falar maravilhas do motor pato flex???????

    ResponderExcluir
  13. a poucos dias assisti num canal aberto, acho q globo, q uma empresa de são paulo-capital adquiriu o primeiro carro 100% elétrico, e legalizado etc e tal, resumindo, no final da reportagem informaram que o carro elétrico "gasta" aproximadamente R$ 100,00 a mais na conte de fornecimento de energia elétrica, esqueci a km percorrida, nao achei o link da matéria, talvez alguem aqui tenha assistido tb.
    Numa imaginação muito fértil, s/ estatísticas, se 100% da frota fosse elétrica e consumisse 100 reais a mais na conta de energia, teriamso condições de sustentar?

    ResponderExcluir
  14. em alguns carros, em velocidade permitida nas rodovias, e com sistema de ventilição natural devidamente ajustado, como nos omegas nacionais, numa temperatura pouco acima da mediana, é possível ter uma ótima temperatura interna e com renovação do ar natural, com vidros fechados e s/ ac

    ResponderExcluir
  15. Alan... foi na Band, o carro é um Mitsubishi Miev, o carro roda cerca de 100km por dia e custa R$ 100,00 na conta de luz, disseram que custa R$ 100,00 por mês em eletricidade, porem o carro custa a bagatela de 200 mil dinheiros sendo que 60% são impostos... Ah ele roda 160km com uma carga...

    ResponderExcluir
  16. Apesar que qdo os carros eletricos ou "geladeiras" como preferirem estiveram acessiveis ou provavelmente terei um pra ir trabalhar, qto ao som... só comprar um daqueles soundracer´s com som de motor v10... hahahahhahahahhaha Enfim, não vamos nos desvirtuar ao tema de economia de combustivel... em motores a combustão!! =]

    ResponderExcluir
  17. Não colocar o câmbio em ponto morto (banguela) não é só questão de segurança. É questão de economia mesmo, pois temos o cut-off nos carros. O cut-off, a grosso modo, corta o combustível quando tiramos o pé do acelerador.

    ResponderExcluir
  18. "Todos sabemos que rodas sem tração escorregam mais facilmente, por isso se deve fazer curvas sempre acelerando, seja muito ou pouco, dependendo das condições. Carro desengatado, andando, é um convite a coisas erradas."

    Eu me lembro de uma vez, quando estava de carona com um amigo... Ele fez uma curva sem acelerar. Acho que foi praticamente a primeira vez na vida que tive a sensação de força centrífuga unicamente atuando na curva.
    Acelerar ajuda a assentar melhor os passageiros no banco, e dá até pra puxar mais força centrífuga sem causar desconforto.
    Em termos de tração em si, acelerar ajuda distribuir o peso do carro pra trás. Ao menos em carros de corrida, é o que se faz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma vez vi um carro na minha cara quando estava a 60 km/h. Freiei com tudo, e à medida que aproximava mais e mais, ia pensando, "ihhh, fudeu". Mas o carro NÃO bateu, e o melhor, os pneus nem ameaçaram cantar. O fato de eu ter deixado o carro engrenado em 4ª me ajudou nesta proeza!

      Excluir
  19. opiniões, debates, discussões, sempre enriquecem o tema.
    sempre leio opinioes contra o álcool combustível nesse blog, muito interessantes, tendo em vista o momento atual.
    nenhum colaborador do AE a favor do etanol no Brasil?

    ResponderExcluir
  20. É Alan,

    toda a frescureba de tentativa de economizar uma migalha vai-se por água a baixo se todos forem nessa de não usar álcool quando vantajoso, por mera questão ideológica. Pior ainda é cair nessa de que sempre que etanol estiver acima de 70% da gasolina trocar por está. Naquele FlexCalc há até um destaque na escala dos 70%. Isso induz a erro, pois cada carro tem usa média, até um mesmo modelo de carro para outro identico dá diferença. Na prática a maioria dos carros fica entre 20 a 25% a menos de rendimento com etanol perante a gasolina, o que dá pra usar etanol até com 80% do preço do petróleo. Ou seja, mesmo na recente elevada de preços, em São Paulo quem sabia as contas de seu carro não trocou de combustível, já quem foi com a massa...

    http://quatrorodas.abril.com.br/reportagens/conteudo_141385.shtml

    ResponderExcluir
  21. Esse assunto é bem interessante. Alguns sites disponibilizam listas enormes de técnicas e modificações pra reduzir o consumo. Algumas delas chegam a ser bem radicais.

    Uma dica que me pareceu bem fácil é sempre que possível estacionar de ré. Isso tem dois benefícios: 1- o carro está quente ao estacionar de ré. Ao contrário, se você entra de frente, ao sair com o carro, você terá que manobrar mais com o carro frio.
    2- sair de frente é mais seguro pra você, outro carro ou pedestre.

    Cada carro tem uma velocidade ideal de funcionamento, se ultrapassar, gastará mais. Alguns aficionados pelo Prius tem várias técnicas quanto a isso e conseguem resultados fantásticos.

    Quanto a esquentar no sol, é válido. Em países frios parece haver um aparelho elétrico que de alguma forma esquenta o motor. Não sei bem do que se trata, mas em lugares muito frio, deve trazer uma boa economia.

    ResponderExcluir
  22. Armando,
    muito bem lembrado, estacionar de ré. Também é muito melhor pela segurança que proporciona ao sair de frente da vaga.

    ResponderExcluir
  23. Marco Silvério Jr.

    Comecei a acompanhar o blog há pouco. É apaixonante.

    Quanto aos caminhões e ônibus ficarem ligados,

    Essa é uma recomendação da empresa para evitar o desgaste do motor.
    Sabemos que os componentes móveis do motor não entram em contato devido ao um filme de óleo existente entre as partes, graças ao fluxo gerado pela bomba e consequente pressão.
    Quando o motor é desligado, a pressão cai e as partes entram em contato, provocando desgaste.
    Isso é válido para motores grandes com virabrequins pesados.
    Levando em consideração o tempo de trabalho é justificável gastar e poluir um pouco mais nas paradas curtas e fazer com que o motor dure um milhão de quilômetros, já que uma retífica de motor gera custos e residuos muito mais prejudiciais ao meio ambiente.

    ResponderExcluir
  24. Faltou o uso de freio motor nas desacelerações, com marcha alta caso não se queira realmente reduzir muito. Isso aciona o cut-off, programação que corta a injeção de combustivel. Mais eficiente que a banguela ou ponto morto.

    ResponderExcluir
  25. Também acho importante o motorista conhecer o próprio carro e as suas particularidades mecânicas.
    Veja se ele tem acelerador eletrônico, saiba como utilizar a redução no câmbio automático, se o carro é pesado saiba usar a massa inercial a seu favor. E por último, se o veículo for 1.0, aprenda a acelerar a maldita 1ª marcha!

    ResponderExcluir
  26. Comprei meu primeiro carro zero a meio ano atrás e ele vem com indicador de consumo.

    Qual foi minha surpresa ao perceber que o maior vilão da economia de combustível é o anda e pára do nosso congestionado trânsito? Jamais havia percebido o óbvio-ululante...

    A partir daí comecei a perceber o quão importante é andar em VELOCIDADE CONSTANTE e minimizar ao máximo o uso do freio. Quando preciso reduzir a velocidade, dou preferência, sempre que possível ao freio motor. Uso o freio como assistência ao freio motor ou em caso de emergência. Com isto tenho sentido um leve ganho no rendimento do tanque de combustível.

    Estou com idéias de bolar um brinquedinho que proporciona economia de até 60% no consumo de combustível nos grandes centros urbanos, que fosse compatível com a maioria dos carros disponíveis e que se pagasse em pouco tempo. Será que é uma boa idéia? Será que venderia???

    ResponderExcluir
  27. 60% de economia vende em qualquer lugar do mundo, Thomas.

    Em BH faço 6,2 km/l no Omega, uma ótima média.

    ResponderExcluir
  28. Antonio Pacheco01/06/11 10:27

    Eu geralmente tento economizar combustível evitando acelerações desnecessárias e aproveitando, e muito, as desacelerações e o freio motor. Porém não ando devagar pra economizar, minha velocidade de cruzeiro, em rodovia é sempre em torno de 120 km/h. Em estrada de pista simples, quando vejo um caminhão na frente, andando devagar, e percebendo que não vai dar pra passar, eu já tiro o pé com antecedência do acelerador, e vou reduzindo até chegar próximo do caminhão. Já estou tão treinado, que, por diversas vezes, eu sequer utilizo o freio, pois quando chego próximo ao caminhão já estou na velocidade do mesmo.
    Com isso só tenho benefícios, pois além da economia de combustível, meu focus, hoje com mais de 86 mil km rodados, ainda está com as pastilhas, discos e lonas de freios originais, e o melhor, estão longe do fim da vida útil. Acredito que não gastei 50% do freio nesse período.

    ResponderExcluir
  29. cruise control:

    o EG8 93' lá de casa, a 100km\h faz 19km\l,com o CC faz 14km\l...

    desengatar?sabemos que carros a injeção(principalmente os mais modernos)fecham os bicos na banguela quando engatados..

    e assim vai....

    ResponderExcluir
  30. Aléssio Marinho01/06/11 12:47

    Júnior;

    Essa medida tinha alguma razão de ser no tempo em que os óleos eram monoviscosos.
    Hoje não faz nenhum sentido, pois ao se desligar qualquer motor, o filme lubrificante age constantemente.
    Manter o motor em marcha-lenta é que causa a baixa da pressão do óleo e do arrefecimento, o que realmente acentua o desgaste dos componentes internos, além de consumir combustível desnecessáriamente.
    Caminhoneiros americanos sempre tiveram o costume de dormir com os motores dos veículos ligados, pois era a única fonte de calefação num frio rigoroso.
    Para economizar combustível de forma efetiva, resumo em 2 itens:

    Flua com o tráfego;
    Saiba usar o torque do motor (faixa verde - seu carro também tem, descubra-a);
    Realize a manutenção preventiva especificada no manual.

    O resto é conversa pro boteco.

    ResponderExcluir
  31. Os veículos Diesel, especialmente com motores de grande porte, não podem ficar ligando e desligando a própria vontade, é desperdício de combustível, de bateria e ainda dá um belo banho de calor no conjunto, o que causa desgaste prematuro.

    Por isso que vocês veem muitos caminhões ligados em paradas rápidas ou até abastecimentos.

    Muito caminhoneiro faz sem saber, mas é importante de ser feito.

    Carros turbo também precisam esperar um pouco depois de parar para desligar, deixando a turbina entrar em repouso, pois se você desliga corta o fluxo de lubrificante (e em alguns casos, líquido de arrefecimento), enquanto o rotor ainda está em movimento por inércia. Aguardar 1min antes de desligar é sempre bom e aumenta o tempo de vida da turbina.

    Economizar combustível é bom mas desgastar prematuramente o veículo é idiotice.

    ResponderExcluir
  32. As dicas são boas, mas eu só vi uma melhora significativa em consumo quando troquei meu carro flex beberrão por um modelo somente a gasolina. Tenho gasto bem menos abastecendo do que antes, mesmo com a gasolina mais cara que o álcool.

    ResponderExcluir
  33. É engraçado como as vezes podemos fazer de um carro gastão, economico, como podemos transformar um carrinho com motor pequeno em um baberrão.
    Meus tios sempre tiveram carros de porte e motorização parecidos com os do meu pai, mas sempre consumiam muito mais.
    O Prisma econo.flex (pra quem acha flex ruim, sem nem ter base pra isso) faz 16Km/l de MÉDIA cidade/estrada com gasolina e 9,8 Km/l com etanol. Hoje está com 95.000 Km rodados.
    Não tem segredo, basta não passar de 2.000 rpm dentro da cidade e na estrada ficar sempre em 5ª marcha e não passar muito do limite de velocidade. É tão simples!

    Claro, cuidado com o óleo e filtros são levados a sério.

    ResponderExcluir
  34. "Saiba usar o torque do motor (faixa verde - seu carro também tem, descubra-a)"

    seria essa no pico de torque?

    pq se for,o do meu EG8 é a quase 5 mil....haha

    ResponderExcluir
  35. Marcelo Junji02/06/11 00:09

    Não vejo o método de carga como vantajoso. Além da economia não ser muito grande, força muito o motor e a transmissão. Para quem acha que esse método não é danoso para o conjunto motriz, faço a seguinte analogia: Se andarmos numa bicicleta com marchas, numa marcha alta e velocidade baixa, perceberemos a corrente estralando de tanta força que nós como motor estamos aplicando, e o motor que somos nós, ficaremos superaquecidos e com as bielas (articulações) doendo, e pensando dessa forma, concluo que desse jeito não é a melhor forma de economizar combustível.

    ResponderExcluir
  36. Eu também não gosto desse método carga, não acho certo exigir máximo torque em rotações muito baixas, pois na minha opinião isso castiga muito o motor. Inclusive já me disseram que essa prática diminui a vida útil da correia dentada, pois chega a haver um maior esforço para abrir as válvulas com o motor trabalhando tão "apertado".

    Mas o maior vilão de consumo hoje em dia é certamente o ar-condicionado. As pessoas parecem não acreditar que em certas situações, sobretudo fora do verão, a ventilação forçada interna, somada a um vão pequeno nas janelas, pode ser mais do que suficiente para refrescar o interior do carro. E pior, aquela lenda de que o único jeito de desembaçar o vidro é ligar o ar-condicionado, faz algumas pessoas o acionarem mesmo em dias chuvosos e frios!

    E, sim, já é comum as pessoas irem à padaria por exemplo, e deixarem o carro ligado em marcha lenta para o ar condicionado. Mas por enquanto só vi fazerem isso quando há alguem esperando dentro do carro.

    ResponderExcluir
  37. jackie chan02/06/11 09:13

    As pessoas (não todas) tendem a mentir quando o tema é o salário que ganha, o peso, a idade, o desempenho sexual, e... consumo do seu carro! Já li muitos "relatos" na internet, de pessoas que dizem que seus carros tupiniquins conseguem médias de consumo próximas das dos mais econômicos europeus dotados de injeção direta de gasolina em motores de duas a tres gerações mais novas... Isso com a nossa gasolina com 25% de alcool. Tá...

    ResponderExcluir
  38. Creio que o tailgating entre os americanos seja influência da NASCAR. O sujeito passa horas assistindo aquelas filas de barcas a 400 km/h engatadas uma na traseira da outra, e depois sai pelas rodovias querendo fazer a mesma coisa. Não tem nada mais irritante, além de perigoso, que um gaiato andando a 50 cm da sua traseira, principalmente quando é um caminhão, algo que não é raro de acontecer aqui na minha região. Quando acontece isso comigo dou logo passagem, ou então dou uma esticada para me afastar. Quando não é possível fazer nem uma coisa nem outra, começo a variar minha velocidade, com suavidade, claro, para ver se o idiota se toca.

    ResponderExcluir
  39. O método carga é bom pra se usar em carros com bom torque em baixas rotações, como o focus 1.6 que tem quase 90% disponível a apenas 1500 rpm.

    ResponderExcluir
  40. Já foi melhor, heim JJ... Inclusive o AE como um todo.

    Essa de "como se fazer curvas", o carro só precisa estar engatado para uma correção se necessário, de resto...

    Quero ver essa turma manter esta "atitude econômica" numa rodovia (isso rodovia mesmo) cheia de lombadas e caminhões que não abrem para direita, porque é uma pista recém duplicada.

    Antônio Pacheco, eu tb equalizo a velocidade com o veículo da frente sem frear, agora pastilhas originais com 86k??? Cuidado, que alguém está fazendo a manutenção do seu carro por você heim... rs

    Não dirijo pensando em economia, já ando com um compacto 1. "seis tão louco que eu vou me preocupar"...
    O resto pra mim é histeria ou o cara tá f... mesmo. O consumo do meu carro varia com o meu estado de espírito/humor... algo assim, mas esta variação não é algo que me tire o sono.

    Sds

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...