19 de junho de 2011

CAMPEONATO DE MARCAS, MAIS UM CAMPEONATO DA MENTIRA

Foto: Duda Bairros


Estou estarrecido. Começa hoje começa a Copa Petrobras de Marcas. Basta uma olhada no regulamento para ver claramente que órgão dirigente máximo do automobilismo no país, a Confederação Brasileira de Automobilismo, perdeu o pouco que tinha de vergonha na cara. Não satisfeita com a Stock Car de mentira, na qual as "marcas" são meras bolhas de plástico que vestem mecânicas absolutamente iguais, agora repete a dose com a Copa Petrobras de Marcas. Pensa que o carro da foto é um Astra? Enganou-se, caro leitor.

Tudo é padronizado, ou seja, igual, de chassi a carroceria, de motor - argentino! - a discos e pastilhas de freio. Até o conjunto câmbio-diferencial vem de fora.

Pior, para disputar o título de Marcas a fabricante deve obrigatoriamente participar em caráter oficial. Diz o texto do regulamento esportivo:

"Somente as Marcas que participam em caráter oficial, assim declaradas por escrito à CBA pela empresa promotora em cada evento, tomam parte da competição por este titulo." 

Isso é um total descalabro, uma vez que uma marca,  para se habilitar a concorrer ao título, tem que cair na mão da firma promotora, a Vicar Promoções Desportivas S.A., com todas as implicações que isso acarreta, inclusive financeira. A CBA pactuar com essa nojeira merece ação imediata por parte do Ministério Público Federal junto ao STF ou mesmo ser criada uma CPI no Congresso.

Que a CBA chame o certame de Copa Petrobras de Turismo, seria um direito dela, mas jamais chamar de Copa Petrobras de Marcas se a participação de uma marca é condicionada a um "acerto" com a Vicar.

Mas este ano haverá também o Campeonato Brasileiro de Marcas, multimarcas de verdade, aberto a carros normais modificados com motores de até 1.600 cm³, duas ou quatro portas, porém mais uma vez a CBA mostra sua incompetência já no nome do certame, que deveria ser Campeonato Brasileiro de Turismo, com um título para piloto e outro para marca.

Como está, o piloto campeão o será de quê, piloto campeão de marcas? Marca é para automóvel, não para gente. Teria de ser piloto campeão brasileiro de Turismo (como fui em 1976). O mesmo vale para os campeonatos regionais, por exemplo, campeão gaúcho, goiano, carioca etc. de Turismo. Do mesmo modo, não cabe marca campeã regional, só nacional.

Mas igualmente estarrecedor é formato endossado pela CBA seguir a mesma regra da Copa Petrobras de Marcas, só concorre ao título de marca campeã aquela declarada pelo Vicar como participante. Fim do mundo.

O que salva nesse Campeonato Brasileiro de Marcas de 2011 é os carros serem os que estão nas ruas e não a enganação da Stock Car ou desssa nova Copa Petrobras de Marcas. Mas a CBA, filiada à FIA que é, tinha obrigação de adotar, na sua íntegra, o regulamento internacional expresso pelo Anexo J, e não se meter a criar regulamentos. Seria traduzir o que existe lá fora e pronto. Por exemplo, Grupo A, desse modo trazendo maior credibilidade perante os fabricantes de automóveis. Inclusive, nota-se que o regulamento feito é claramente baseado no Grupo A; por isso, não custava nada adotá-lo. Daria outro status ao campeonato.

Eventuais limitações que nos interessassem poderiam perfeitamente ser incluídas no regulamento esportivo do campeonato, como foi, por exemplo, o uso obrigatório de pneus radiais de rua medida 175/65-14 e rodas com tala máxima de 6,5 polegadas, duas decisões acertadas. O mesmo para o peso minimo de 880 kg, sem o artificialismo de igualar peso para equilibrar desempenho, dentro do conceito adotado internacionalmente nas provas de Turismo.

Automobilismo honesto se faz aplicando princípios honestos. Tem a CBA o dever estatutário de promover o progresso do automobilismo, de promover as várias categorias, nunca deixá-las nas mãos de interesses comerciais. Patrocinadores são bem-vindos e até essenciais, mas a promoção em si deve caber à CBA. Pode esta até delegar essa parte a promotores, mas jamais ser submissa e muito menos permitir abusos como os citados. A relação de pilotos e fabricantes deve ser exclusivamente com a CBA e suas federações, nunca com empresas como a Vicar. Esse é um vício que não pode continuar.

A CBA deve apenas, e de maneira simples, organizar o Campeonato Brasileiro de Turismo, com um título para piloto e outro para marca. Pode até chamar de Copa o que quiser, como Copa Petrobras, mas a essência sempre será o Campeonato Brasileiro de Turismo com carros realmente de turismo.

BS

42 comentários:

  1. Bob Sharp pra presidente!

    E como chamar de brasileiro um campeonato com freios AP Racing, injeção Motec, rodas OZ e motor Berta????
    Não que não possa, mas temos uma indústria de performance, não tão pujante mas temos.
    Eu quero mais é que essa porcaria se ferre.

    ResponderExcluir
  2. Marcos Alvarenga19/06/11 16:59

    As duas pessoas que mais respeito em termo de automóveis, Bob Sharp e Flávio Gones abominam a gestão da CBA, e sempre com argumentos bem fundados, aliás centenas deles. Estou de acordo.

    ResponderExcluir
  3. qual o mérito desse Cleyton Pinteiro para presidir a CBA? nada contra, é que eu nunca ouvi falar, até no google tem pouca informação sobre a pessoa.

    ResponderExcluir
  4. Parece reprise...
    Todas as vezes que estes palhaços tentam "adapitar" algum regulamento, acaba em merda !
    A cãopetência da corja só existe prá vender carteirinhas !
    Burros os que aceitam isto !

    ResponderExcluir
  5. Em suma:

    Stock car de quatro cilindros!

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  6. Semana passada assisti aqui em Brasília um campeonato com carros de verdade, a copa Linea, coisa que não via em Brasília ha muito tempo, inclusive, com ótimos pegas e com 18 carros. Quando eles querem, eles fazem alguma coisa que presta.
    Mas é isto aí Bob, um cara importante como você no automobilismo brasileiro tem mais é que botar a boca no trombone e mostrar o que acontece de verdade no automobilismo brasileiro.
    Jovino/Brasília

    ResponderExcluir
  7. Agora temos a Stoqui Junior...

    Faltou dizer q os carros possuem estruturas semi-tubulares, ou seja, mais longe ainda dos carros de rua.

    Mais uma farsa montada p/ lavar $$$ de laboratórios farmacêuticos e de outras empresas "idôneas".

    Kero mais é q fracasse de maneira retumbante!

    A CBA é como uma mão de pântano, td oq toca, morre.

    ResponderExcluir
  8. SMossFiesta19/06/11 17:47

    Agora eu pergunto aos senhores: e a geração nascida nos anos 90? Vai correr de carro onde?

    Tem muito tiozinho, tipo o Flavio Gomes, que condena as arrancadas e os eventos "fundo de quintal". Não sou a favor disso, mas é um reflexo da falta de incentivo que o automobilismo tem. Hoje só corre filho de fulano, empresário, gente rica.

    Claro que o cara vai pra arrancada de rua, mal feita e mal estruturada e mal organizada. Só lá ele pode montar um carro e disputar com alguém valendo algum prêmio.

    A Copa Petrobras de Marcas é mais um daqueles embustes pra gente rica fingir que é piloto. Cada vez mais o automobilismo volta à elitização do início do século XX.

    Tenho 20 anos, um Fiesta, uma poupança para transformá-lo em um carro de corrida. Mas vou correr onde?

    ResponderExcluir
  9. Ah....outra coisa bacana.

    São motores Ford Duratec preparados pela Berta.

    Legal né?

    Honda, GM e etc correndo c/ motores Ford!!

    É o fim do mundo msm...

    ResponderExcluir
  10. Bob, o Marcos Alvarenga disse uma grande verdade. Você e o Flavio Gomes, ambos pilotos e conhecedores da política que rege o automobilismo, dizem umas grandes e boas verdades a respeito da CBA.
    Agora, penso: não seria possível vocês criarem algum tipo de conselho, associação ou algo do tipo, para tentar dar um jeito nessa farra que está o automobilismo? Acho que seria de grande valor não só pra quem é da área, mas pra quem acompanha e espera ver tempos ainda melhores do que aqueles que o automobilismo brasileiro um dia viveu.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. SMossFiesta

    A CBA já se apossou da Arrancada meu amigo.

    A 10 anos trás tínhamos entre 50 a 70 carros no grid da DT-A.

    Hj em dia são 15, 20 no máximo!

    A resistência na modalidade advém das pistas particulares espalhadas pelo país e q não se filiaram à CBA.

    Nelas se corre c/ inscrições baratas, sem a exigência de carteira de piloto e c/ premiações.

    Te garanto q são pistas + seguras doq as "oficais" e ainda dão prêmios, coisa q a CBA p/ incrível q pareça não faz nos seus eventos.

    ResponderExcluir
  12. É o fim do mundo mesmo. Nota zero pras fabricantes que topam essa farsa.

    ResponderExcluir
  13. Burros os que aceitam isto

    M falou tudo. Isso é um bom ponto a ser discutido.

    ResponderExcluir
  14. Não parece reprise, M. É reprise e de 5ª categoria, diga-se.
    Tem jeito não. Cada vez que aparece uma estrovenga dessas, a turma do baba ovo só aplaude.
    Quem faz o show não pode nem tossir fora do tom que é ameaçado de tudo quanto é jeito.
    E a poderosa e meu xará afirmando que é a maior do universo.
    O osso deve ser bem suculento né não?
    Que lástima.

    ResponderExcluir
  15. O Paulo Levi tem toda a razão: uma vergonha para as indústrias que participam e bancam essa farsa.
    Assim é que estão acabando com o nosso automobilismo.
    Corja de malacos.

    ResponderExcluir
  16. Sou de outra época, é difícil engolir a “estoque” e mais este “marcas” ai.
    Gostaria de conversar com um executivo da GM, não do Brasil, mas dos EUA para saber se ele sabe que uma bolha Chevy corre com motor Ford.
    Se ele sabe vai ser a prova de que em termos automobilísticos não somos mesmo levados a sério, devem pensar assim: “eles não vão notar nada não tem cultura alguma nisto”.
    Um povo que compra aos montes Aircross e Crossfox e por ai vai não ta nem ai para que motor esta dentro da bolha o importante é parecer não ser.
    Tenho sorte, vi coisa muito diferente disto nestes meus 55 anos de idade e uns 50 como autoentusiasta.
    Álvaro Costa

    ResponderExcluir
  17. Álvaro Costa

    Não é a toa que a Denise Johnson picou a mula da GMB.

    ResponderExcluir
  18. Pois é, quando vieram as primeiras noticias de que haveria um Campeonato de Marcas promovido pela Petrobras, nós os trouxas aficcionados por automobilismo, pensamos que poderiamos ver disputas de Civic, com Corola, com Jetta, ou de Bravo com Voyage, Astra, etc.
    Como somos ingenuos! Bobinhos, até!
    E o pior de tudo são mesmo as fabricas que concordam e participam da palhaçada.
    Ô raça!
    Romeu

    ResponderExcluir
  19. SMossFiesta19/06/11 22:18

    Pisca:
    mas eu não gosto de arrancada! Eu tenho um Fiesta pq gosto do handling dele. Tinha em Campo Largo a única esperança de correr mais de 500 metros, fazendo curvas.

    A arrancada é o mais barato pq só precisa de 1km de asfalto plano e reto.

    ResponderExcluir
  20. Luiz Dranger19/06/11 23:21

    É uma tremenda vergonha tudo isso. Certos o Bob, o M, o Romeu, pessoas do ramo. Essa CBA e Vicar, só vejam quem administram essas coisas. Picaretas e agora o pior, não vou acreditar que as fábricas apoiem essa farsa, mas talvez seja mais barato que desenvolver os próprios carros de corrida.
    Luiz

    ResponderExcluir
  21. Se não fosse o AE, eu não saberia que a stock car e agora esse campeonato de marcas eram uma mentira!

    Parabéns ao AE por informar as pessoas o que acontece de VERDADE!

    ResponderExcluir
  22. Estes eventos vivem de propaganda, o que todo entusiasta deveria fazer é BOICOTAR este tipo de evento. Com as arquibancadas vazias e a audiência a zero em PROTESTO pelo formato ditatorial adotado, a CBA seria obrigada a acabar com tamanha palhaçada e fazer um campeonato de marcas e pilotos DE VERDADE.

    Mas aí eu acordei do sonho de que brasileiro poderia ser tão organizado assim...

    ResponderExcluir
  23. Bob Sharp pra presidente da CBA, urgente!

    Pelo que entendi, esse campeonato seria a mesma coisa que o TC2000 argentino?

    @Carlos Mauricio Farjoun: quanto a boicotar essa categoria não precisaremos de muito: em qualquer evento do tipo que ocorre em qualquer autódromo o preço do ingresso é algo proibitivo pra muita gente. Ou seja, o boicote a algumas corridas já rola faz um certo tempo.

    Abs
    Kiko Molinari

    ResponderExcluir
  24. Paulo Ferreira20/06/11 02:29

    Amém também. Mas convenhamos já é uma evolução em relação à estoque.

    ResponderExcluir
  25. é como eu comentei no jalopnik, um campeonato decente de marcas no brasil só sairá do papel quando nós mesmos organizarmos, acho que devemos deixar para CBA apenas a homologação de cintos e bancos, porque se quiserem fazer as regras, vai continuar essa mentira e monotonia...

    ResponderExcluir
  26. Aléssio Marinho20/06/11 10:32

    Pessoal;

    Não sou filiado a nenhuma federação, mas vou dar o meu palpite.
    É como no condomínio: todo mundo desce a lenha no síndico, mas no dia da assembleia ninguém vai.
    Situação idêntica acontece com a CBA. Enquanto os associados não se organizarem, participarem das reuniões e na época das eleições não organizarem as suas chapas, o povo vai continuar manifestando a sua opinião apenas nos blogs.
    Fica a dica: quem tem carteirinha da Federação estadual, partipe da próxima eleição, monte sua chapa e lute pela mudança até conseguir trocar o presidente.
    É a única ação que se pode fazer.

    ResponderExcluir
  27. Boa Bob! Exatamente por causa dessa tapeação que ha muitos anos desisti de assistir essas provas de monomarca.

    ResponderExcluir
  28. Isso tudo é reflexo da nossa condição social como um todo.

    Enquanto os níveis educacionais tanto na esfera formal quanto moral forem tão baixos quanto são agora, esses campeonatos vão continuar existindo.

    O mesmo cidadão que acha normal fazer uma conversão ilegal ou parar sobre a faixa de pedestres e obriga as autoridades a colocar lombadas para limitar a velocidade é que gosta desse tipo de competição. Infelizmente é a maioria esmagadora!

    Quando nos desenvolvermos como nação com educação formal e moral acessível a todos; esse tipo de iniciativa vai desaparecer.

    Da mesma forma que os regimes ditatoriais caíram no passado recente; quando houver conscientização suficiente esse tipo de competição nem passará do estágio de uma ideia infeliz...

    Mas existe sempre o lado positivo! São mais empregos especializados, mais renda gerada, mais utilização dos circuitos, novos talentos sendo lapidados e por aí afora!

    ResponderExcluir
  29. Bob! Tenho admiração pela sua opinião e pela sua tocada q só conheci pelas revsitas gran prix e auto esporte, nunca o assiti em uma pista de corrida, infelizmente. Agora, quanto custaria para uma montadora desenvolver seu motor e câmbio e até seu chassis para competir. Será q haveria interesse. Me parece q a nível mundial assim esta acontecendo. Quanto a stock, q sempre assisti quando vinha para o sul, seja tarumã, guaporé ou sta. cruz, já gaiola, qual automóvel seria usado após o fim da era omega? Acho legal os carros e o nivel d fabricação dles. Hoje em dia ñ é mais o piloto q monta sua equipe e tudo o mais, existem equipes e o piloto é contratado ou leva a grana e corre. No tempo dos hot-car, f2, tinha piloto q mandava fazer motor na inglaterra, eua etc. O próprio Peróba fez carros com o Berta, vc sabe melhor q eu dessas histórias. A q preço isso era feito? A hot-car ñ resistiu. A stock, c ñ fosse seus pilotos teria morrido em 87, eu acho, ñ lembro, mas o fato é q a GM sai fora e foi necessário a união dos pilotos e tb, grana dles. Parece estar havendo a padronização para reduzir custos. No tempo da Copa Shell havia muita briga por causa do regulamento, até de 1.3 os kras correram e era muito legal, bons pegas e os carros andavam legal, etc, mas acabou e ñ sei c aquela formula seria viável hoje em dia. Acho os carros da Copa Petrobras massa, e para quem tem restrições a gaiola, trata-se de monobloco d fabrica. A nascar todos acham sensacional tudo q ocorre lá, até corrida em oval, q ñ é minha praia, mas....

    Abraço

    Tazio Nuvolari

    ResponderExcluir
  30. Sr. Bob Sharp,

    Parece que o Sr. vive de passado! O automobilismo de antigamente era saudoso, acessível e competitivo, mas hoje as coisas mudaram. Automobilismo deixou de ser esporte para ser business, e essa é a realidade, quer nós gotamos ou não!

    É fácil comentar num blog e meter o pau em CBA, Vicar e o resto do mundo. Agora, alguma vez o Sr. já se perguntou se essa forma como é feito o regulamento talvez não seja a única forma de atrair equipes e pilotos? Do que adianta adotar o regulamento FIA Anexo J e não contar com nenhuma equipe/montadora/piloto por ter um custo elevado? É uma ótima iniciativa, mas não atrai espetáculo, consequentemente público. Ou será o Sr. que pagará as contas com desenvolvimento de motores, câmbio, freios e pensando em manter a copetitividade, senão continua a mesma história: mais dinheiro, mais desenvolvimento, mais vitórias e hegemonia de uma só equipe (vide Ferrari da era Schumacher).

    Para finalizar, sugiro que o Sr. dê direito de resposta a CBA e empresa Vicar. Isso é o mínimo que se espera de um jornalista formador de opnião como o Sr. Caso contrário, o princípio da imparcialidade é ferido e nos leva a crer que essa não é uma opnião e sim jogo político como manipulação de massas.

    Grato

    ResponderExcluir
  31. Anônimo 20/6 17:50
    É lamentável ao discutir esse assunto que você tenha optado por ficar no anonimato. Eu nem ia lhe responder por esse motivo, mas vamos lá. Isso de dizer que alguém vive do passado é típico de quem comete erros graves no presente mas não admite. O fato de o autoobilismo ter-se tornado um negócio não quer dizer que valores morais precisem ser ignorados. Você está completamente por fora n questão de custos do Anexo J, é mais barato do que essa insanidade de fazer carro de turismo como se fosse monoposto. Dê uma olhada no regulamento da Copa Petrobras de Marcas no site da CBA e depois me fale. Você não sabe o que está falando. E essa história de "business" tem limites. É imoral uma marca ter de pagar para concorrer a um título e, pior, a CBA pactuar com essa imundice. E irresponsáveis, os executivos das fábricas que se sujeitam a isso. Sem contar a mentira, chamar de "marcas" um carro não pode ter essa descrição por ser apenas mais um "Frankenstein", como os Stock Cars. Na Stock pelo menos a CBA e a Vicar foram honestos em não citar a palavra "marcas" no nome do certame, mas extrapolaram ambos nessa Copa Petrobras de Marcas. Hoje poderíamos um verdadeiro campeonato de Turismo com pelo menos dez fábricas lutando por um título, para isso se empenhando, empregando pilotos e preparadores, fazendo indústria de autopeças se mexer. Isso não é viver do passado, é ter visão do futuro.

    ResponderExcluir
  32. Caro Bob Sharp,

    Obrigado por responder, essa comunicação entre leitor/redator praticamente online só é possível em blog, por isso acompanho. Optei pelo anonimato porque não interessa a minha posição, e sim a minha opnião.

    Não estou completamente por fora da questão custos não, e esse não é o ponto que eu quis abordar. Eu somente levantei uma hipótese que talvez essa forma mista implementada seja a única forma de viabilizar o campeonato. Concordo que seria bem melhor um campeonato aos moldes WTCC, com real disputa de marcas e real desenvolvimento de carros/peças, mas talvez, veja bem, TALVEZ, isso tenha sido tentado e não alcançado. Porque o Sr. não considera essa hipótese? Isso tudo se esclareceria com um direito de resposta por parte da CBA e Vicar. De forma contrária, isso parece matéria nos moldes de tablóide sensacionalista inglês.

    Confesso que vi a corrida pela TV e gostei do que vi. Claro que seria bem melhor termos um campeonato aos moldes Anexo J, mas mesmo assim gostei do que vi. E, num país onde o automobilismo está morrendo, onde os espectadores em geral vão aos autódromos pra beber, acampar e torcer pra ver um acidente, as pessoas do meio devem se unir e não gerar atritos. Concordo com o colega que postou que a coisa funciona como em assembléia de condomínio.

    Acho que o Sr. poderia usar de seu prestígio no mundo do automóvel e enviar um email questionando a CBA e a Vicar porque são usados bólidos mistos e não um carro de rua com desenvolvimento de peças e toda essa discussão.

    Veja bem, isso é uma sugestão em nome da imparcialidade, uma crítica construtiva, sem levar pelo lado pessoal.

    Grato

    ResponderExcluir
  33. Não entendo ainda como a Honda se sujeitou a isso. O "vti" da Honda é temido em tudo quanto é competição nacional. Agora que finalmente poderia usar o motor contra adversários de peso, dá nisso...

    A Petrobrás não, essa sim merece um campeonato de mentira, pelo o que cobra nos combustíveis é bem a cara dela mesmo dar nome a esse "campionato" igual fala um bufão semi-analfabeto que tive o desprazer de conhecer.

    A Copa Petrobrás é igual sair com mulher de seios postiços e calça apertada. Ao tirar a roupa dela vc descobre uma mixaria de peitinhos e uma bunda cheia de celulite....

    ResponderExcluir
  34. Querem automobilismo de verdade como nos velhos tempos? Preparem seus carros populares e venham até o Rio Grande do Sul.

    http://www.jalopnik.com.br/conteudo/pegue-seu-carro-de-uma-mexida-e-bora-para-a-pista

    ResponderExcluir
  35. Só pra deixar registrado aqui no AE, pra quem anda "p" com tudo, um belo texto no BCWS: http://bestcars.uol.com.br/colunas3/g355-eu-tenho-um-sonho.htm

    ResponderExcluir
  36. André Stein21/06/11 09:05

    Fala sério..."unir" Bob Sharp e Flavio Gomes no mesmo saco é forçar a barra demais. É o mesmo que comprarar Zico com Túlio Maravilha.

    ResponderExcluir
  37. André Stein

    Pois é fião...rss

    ResponderExcluir
  38. Concordo com os amigos Andre e Pisca, Flavio Gomes quem???

    Qto a discussão concordo com os argumentos do Bob, falta PEITO pra CBA. Competiçaõ SEMPRE foi propaganda pra montadora. Se a CBA o tivesse colocava um "se quiser é assim" e tenho certeza que as fábricas correriam atrás.
    A própria GM devia fazer isso, afinal foi a Stock antiga que mitificou o Opala, que com aquele motor pesado pendurado lá na frente nunca seria um exemplo de esportividade.
    Cheguei a me animar ao saber que o Paulão Gomes estava metido na diretoria da entidade. Agora a frustação...

    []s ao Bob e demais!

    ResponderExcluir
  39. Mata-se a competição em nome do show. Visível essa intenção na adoção de "lastros de sucesso", prevista no regulamento desse Brasileiro de "Marcas", pelo qual os pilotos mais bem colocados numa etapa utilizam lastros na etapa seguinte. A fórmula é simples: piloto e equipe fizeram um bom trabalho, venceram a etapa, SÃO PUNIDOS COM UM LASTRO DE 50 KG NA PRÓXIMA ETAPA! Isso não é campeonato! Não dá pra levar a sério uma competição que pune os melhores!

    ResponderExcluir
  40. Esta é a melhor categoria da america do sul, sem mais.

    http://www.apat.org.ar/

    ResponderExcluir
  41. Allan Welson23/06/11 08:52

    Já viram o "banner"?

    Em:
    http://www.plunder.com/CAMPEONATO-DE-MARCAS-MAIS-UM-CAMPEONATO-DA-MENTIRA-download-a8aa30901e.htm

    Passem o apontador do mouse na propaganda. Cliquem em "Play Fullscreen in Browser" para ver em maior tamanho, se necessário.

    Resta alguma dúvida sobre a mensagem que querem passar para o "público comum"?

    Allan Welson.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...