23 de junho de 2011

O PONTA-SALTO DE TODOS NÓS

Foto: motoig.com


O leitor pode ter estranhado o título deste post, mas a foto imediatamente esclarece. É apenas a famosa expressão punta-tacco passada do italiano para o português. Curioso é em inglês a ordem ser invertida, heel and toe, como também a nossa conhecida caixa de direção de pinhão e cremalheira, que na língua de Shakespeare é rack and pinion.

Além de ser assunto que merecesse um post, vários leitores têm pedido para falar a respeito, como o Henrique bem recentemente, em comentário no post sobre fading anteontem.

Eu soube do punta-tacco ainda adolescente, ao ler o famoso livro de Piero Taruffi, "Pratica e Tecnica della Guida Automobilistica da Corsa", de 1958. Imediatamente assimilei a técnica, que é simples porém requer entendimento de por que pode e deve ser usada.

Como falei no post Troca de marchas no tempo, nas reduções faz-se necessário elevar a rotação do motor para promover a sincronização entre engrenagem a ser engatada e seu par correspondente, ou entre engrenagem a ser engatada e a luva de engate. Até aí é fácil entender que basta um toque no pedal do acelerador para se obter essa elevação de rotação que no caso de troca de marcha em um câmbio qualquer se chama aceleração interina ou intermediária. Em inglês, interim acceleration.

Ao dirigir, freqüentemente nos deparamos com a necessidade de frear antes de uma curva; numa corrida, sempre. Nada mais simples: aplicam-se os freios pelo pedal do meio — nos carros de câmbio manual, evidentemente, embora já tenha havido monopostos de Grand Prix em que o acelerador ficava no meio, como os Alfa Romeo da pré e pós-guerra. Mas isso é exceção e não regra, felizmente.

Numa aproximação de curva em que se freia, e sendo necessário reduzir marcha para que no momento em que se for acelerar de novo o motor esteja na rotação adequada para potência, como fazer esse freia e acelera ao mesmo tempo, se temos dois pés e são três os pedais? Tem jeito: punta-tacco.
Esquema do punta-tacco (f1-dictionary.110mb.com)
Como mostram a foto de abertura e o desenho ai em cima, o pé direito aciona os dois pedais girando-o em torno da ponta (punta) de modo que o calcanhar (tacco) chegue ao pedal do acelerador. Na prática, nem é o salto propriamente dito que movimenta o acelerador, mas o lado do pé, mais fácil ainda.

Nesse ponto os italianos são imbatíveis. Seus carros têm nos pedais a quintessência do punta-tacco, uma espécie de orgulho nacional. Assim que dirigi o primeiro Fiat 147, em setembro de 1976, no lançamento, notei o precioso detalhe.

Para quem nunca fez o punta-tacco, comece experimentando com o carro parado e motor desligado. Depois, com motor ligado. Exercite bem até conseguir, com o freio de serviço acionado, dar a aceleração interina. O próximo passo é fazer a operação com o carro em movimento. Escolha uma rua ou local sem movimento e treine, sem se preocupar em passar marcha, só frear com punta-tacco. Quando você estiver craque, comece a fazer o punta-tacco e reduzir ao mesmo tempo. A prática logo vem e a operacão será tão natural quanto caminhar. Você a aproveitará na plenitude, no seu dia a dia. Em quê?

Ao arrancar numa subida, por exemplo. Você poderá dizer adeus para sempre ao freio de estacionamento para manter o carro parado enquanto aceleraria para arrancar e soltaria o freio "de mão" ao mesmo tempo. Ou, se quiser, arrancar na frente e dar uma lição ao espertalhão que se espremeu entre o seu carro e a guia da calçada, quando a rua tem leve aclive e é preciso usar o freio para o carro não andar — como numa largada em corrida em pista não totalmente plana.

Mesmo que os câmbios sejam totalmente sincronizados faz um bom tempo — todos, a partir da década de 1970 — a aceleração interina continua necessária para um dirigir suave, pois evita o leve tranco ao tirar o pé da embreagem depois de reduzir. Esse tranco, porém, pode levar ao efeito frenante pelo motor, indesejável quando o piso estiver escorregadio, especialmente nos carros de tração traseira — motoristas de picapes médias, atenção.

Não menos importante, quem "aprendeu" a não dar o tranco, soltando o pedal de embreagem devagar, está na verdade impondo desgaste adicional ao disco de embreagem com a patinagem frenante.

Aceleração interina automática

Nessa era da automação a da eletrônica, com a borboleta de aceleração acionada eletricamente e sob  regência do módulo de controle eletrônico do motor, ficou fácil criar aceleração interina automática, independentemente de o câmbio ser manual, manual robotizado de uma ou duas embreagens, ou automático convencional.

O primeiro automático convencional a ter aceleração interina automática foi o Porsche 911 turbo, em 2005, depois estendida ao PDK robotizado de duas embreagens. O Nissan 370Z é o primeiro carro a ter o recurso associado a câmbio manual e todos os robotizados, até os dos carros nacionais, incorporam a aceleração interina.

Na Fórmula 1, foi a Ferrari a primeira a usar câmbio robotizado, de uma embreagem, com trocas por borboletas atrás do volante e aceleração interina automática, em 1989. Quem viu o GP do Rio de Janeiro daquele ano deve se lembrar de Nigel Mansell, que liderava, parar no box para o trocar o volante, que deu problema, voltar à pista e vencer a prova.

Qualquer pessoa pode aprender a utilizar o recurso do punta-tacco, mas é bom saber que os tênis, de uso disseminado hoje, apesar de bastante conforáveis, podem dificultar ou impedir a operação. O ideal para diriigir — e para fazer o punta-tacco — são calçados estreitos e de sola fina. Por exemplo, o clássico mocassim italiano.

O clássico mocassim italiano (foto — e sapatos — do autor)

Antes que o leitor ache que essa singela recomendação é "coisa de véio" — no ano que serei setentão — veja esse fantástico vídeo do fantástico Ayrton Senna dirigindo um Honda NSX-R em Suzuka, um filme promocional da Honda de 1992. Senna participou ativamente do desenvolvimento do NSX e isso aumentou ainda mais o afeto da Honda e dos japoneses por ele. Observe o nosso tricampeão efetuando punta-taccos perfeitos — e também o que ele está calçando. O "véio" Senna só tinha 32 anos...

BS



93 comentários:

  1. Uma duvida que eu tenho a tempos, existe problema de reduzir de 4° marcha para a 2°? Ou devemos fazer o caminho completo, 4° 3° e então 2°?

    ResponderExcluir
  2. Bob, obrigado por esse post, na verdade eu já havia pensado em sugerir que vc falasse sobre esse tema. Quanto ao video do Senna, é uma magistral aula de pilotagem. Interessante a técnica que ele usava de controlar a máquina dando golpes no acelerador. Aqui tem um link com uma edição melhor desse vídeo, inclusive com uma melhor visualização dos pés: http://www.youtube.com/watch?v=8By2AEsGAhU&feature=related

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Paulo,
    não tem problema, só precisa de um pouco de atenção para sincronizar a rotação do motor na marcha desejada.

    Bob Sharp.
    Um ótimo tênis para pilotar que a molecada (como eu) pode usar tbm é o All Star, nada melhor para sentir os pedais logo abaixo do seu pé.

    ResponderExcluir
  4. Paulo
    Pode pular marchas à vontade, sem nenhum problema. Apenas acerte a rotação.

    ResponderExcluir
  5. Bob, creio que não seja só comigo, mas enquanto os Fiats e demais italianos dão aula sobre pedais e punta-tacco, acho os Chevrolets os piores para tal prática.

    Ralei um bocado até pegar o jeito no Celtinha. Mesmo assim só em situações de emergência. Primeiro porque nele é difícil e segundo que, calçando 44, já levei uns sustos ao esbarrar sem querer no pedal de freio ao acionar a embreagem... Creio que talvez seja mais fácil um punta-tacco entre o freio e a embreagem, por aqui.

    ResponderExcluir
  6. Leo Curitiba23/06/11 13:53

    O video de exemplo foi fundamental pra boa compreensão!

    ResponderExcluir
  7. Bob! Uma dúvida aqui, recentemente assistindo um vídeo, reparei que o piloto abordo de um Lancer Evolution, executava as trocas de marchas sem retirar o pé do acelerador! Em um golpe rápido e certeiro, mas era nítido um pequeno tranco no veículo, mas em marchas mais baixas! Pergunto, isso é mesmo possível? Ou somente com uma transmissão com acerto para competição ( o carro era original ) Gostaria de saber a respeito.

    Henrique

    ResponderExcluir
  8. Caio Cavalcante23/06/11 14:49

    Bob,
    Pedal do acelerador fixo no assoalho, na sua opinião, ajuda ou atrapalha o punta-tacco?

    Por conta de três entorces no tornozelo direito, tenho um pouco de dificuldade em girar o pé para dentro. Com mais prática, quem sabe consigo melhorar? Por hora sempre acabo aplicando força demais ou no freio ou no acelerador...

    ResponderExcluir
  9. Belo post, Bob. Os mais jovens vão se interessar também.

    Sapatos Italianos, All Star, Puma e Adidas específicos, botinas Sparco e equivalentes ( profissionais)tornam o guiar muito mais preciso.

    O mesmo Senna, que em 1978 já pilotava na Categoria A do Kartismo, foi flagrado em foto da época com um Tênis que a Rainha fabricava e que ele usava em vez das sapatilhas...

    No vídeo do NSX Vermelho, o Senna estava de sapatilhas.

    O Sapato, provavelmente ele escolhia pela facilidade de guiar do mesmo!

    Senna era canhoto e usava o pé direito de maneira pouco convencional no acelerador. Dava pancadas sucessivas na borboleta de modo ao carrro destracionar só um pouco e também não perder um eixo lateralmente mais que o planejado, Prost nunca entendeu como ele conseguia fazer aquilo dar certo...Mas elevava o consumo.

    Na era Turbo, os pilotos de ponta vinham no retão, brecavam e mergulhavam para a primeira parte da curva, lá dentro engatavam a marcha certa ( era Câmbio H) e davam pé após a tangência.

    Senna não. Vinha na Lotus amarela, 300 km/h e reduzia as marchas uma a uma no motor 1.5, coisa que só as Tyrrel e a AGS ( motor aspirado) o faziam. Aí quebrou o motor, um Honda de 1.000 hp inquebrável, à época.

    ResponderExcluir
  10. Alexei Silveira23/06/11 15:02

    Muitos carros de competição dispunham do power shift, um sistema- originário do maquinário pesado - que propicia trocar marcha sem tirar nada de pé do acelerador.

    Um exemplo era o Dallara F3 .

    Não era eletrônico, era eletro-hidráulico.

    Aí vc imagina hoje em dia que facilidades eles dão para a troca de marcha, eles deixam é o motor carregado mesmo, uns para manter o Turbo mais cheio( Rally), outros para manterem o ar do escape fazendo efeito solo ( F1)

    ResponderExcluir
  11. Diego Maciel Debesaitys23/06/11 15:22

    Preciso treinar mais pra conseguir realizar o punta-tacco à perfeição no meu Celta: geralmente elevo demais a rotação do motor. A L-200 que temos aqui em casa é bem mais fácil de realizar a operação, principalmente pela disposição dos pedais.

    Me lembro de, alguns anos atrás (tinha uns 15~16 anos), treinar o punta-tacco dentro do pátio de casa com um Siena que tínhamos e depois com uma Zafira. Exatamente como o Bob descreveu, carro parado, desligado e depois ligado.

    Punta-tacco é essencial para o dirigir arte. Lembro de uma vez o Bob Sharp o ter chamado de "Operação engana-Deus" no BCWS, pois se opera três pedais com apenas dois pés...

    ResponderExcluir
  12. Victor, o Puma modelo RedBull, que parece uma sapatilha de pilotagem, também é bom para dirigir.

    ResponderExcluir
  13. Diego Maciel Debesaitys23/06/11 15:29

    Esqueci de comentar: sensacional o vídeo do Senna no NSX!

    ResponderExcluir
  14. Rafael, o mais engraçado de tudo é que a mesma GM com pedais péssimos para punta-tacco teve a linha Opala, cujo pedal do acelerador pivotava em cima, mas a parte que você pisava pivotava embaixo, permitindo com sossego fazer tal manobra. Aliás, era um punta-tacco extremamente natural e quase instintivo.
    Na Honda, o exemplo do NSX bom de punta-tacco não se repete em outros modelos da marca. O Civic de sétima geração é horrível nesse quesito, em que pese o de oitava ter o acelerador pivotando no assoalho e, portanto, permitindo o tal punta-tacco instintivo.

    ResponderExcluir
  15. Bob, quem tem Fusca à álcool vira especialista em punta-tacco. Toda esquina é ponta de pé no freio e calcanhar no acelerador pro danado não morrer.

    ResponderExcluir
  16. Anônimo,

    Bem lembrado. O Opala e Omega são muito bons para a prática, mas não tive a mesma sorte com os Monza, Corsa e Celta que dirigi...

    ResponderExcluir
  17. Gostei do espremido na guia torrando a paciênica. Mas com algum tartaruga na minha frente faço o mesmo, eu que fico espremido para passá-lo no faról, ficar atrás de lesma enche o saco, o senhor não acha?

    ResponderExcluir
  18. joao celidonio23/06/11 16:43

    fusca é a melhor escola de punta taco! hehe
    aprendi direitinho nele!

    ResponderExcluir
  19. Uma curiosidade (quem tem manual, cofira): o Gol com injeção monoponto (pelo menos o meu 1.8, 1996), preserva a aceleração momentaneamente após tirar o pé do acelerador, justamente para facilitar reduções. Uma boa ideia, que na prática irrita: ao tirar o pé para subir marcha, em baixa rotação, o carro sobe de giro. Ao pisar na embreagem para, por exemplo, parar no farol, o carro fica alguns segundos acelerado. Péssimo para o consumo.

    ResponderExcluir
  20. Belo post Bob!
    Sempre quis aprender a fazer o punta-tacco com o carro em movimento, mas ainda me falta muita prática...

    Sobre o vídeo do NSX, sensacional!

    Para quem quiser ver outros vídeos de punta-tacco, tem um piloto japonês chamado Keichi Tsuya (considerado o mestre do drift), ele também dá esses golpes no acelerador assim como Ayrton Senna...anda muito!
    http://www.youtube.com/watch?v=coLD8JwtToI&feature=related
    Tem muitos outros vídeos do Best motoring - hot version que mostram esses detalhes, mas não achei muitos no youtube pra mostrar...

    Queria deixar uma pergunta...com toda essa tecnologia em que vivemos hoje e que está embarcada também nos carros, onde o motorista ou piloto cada vez menos faz o uso da embreagem, alavanca de marcha e etc, tudo isso não tira o prazer de dirigir?
    Sai alavanca e entra as borboletas, tiram a embreagem para o automático...tem até alguns modelos de carros que estacionam pra você...

    ResponderExcluir
  21. luizborgmann23/06/11 19:18

    Para os golpes de aceleração em plena curva, chamados popularmente na pista de "telegrafar", quando praticados numa sequência rápida, evidentemente trazem prejuizo à aderência facilitando a sua companheira de bordo chamada força centrífuga. O Senna fazia isso de uma maneira que merece uma análise mais lenta e detalhada, ainda mais num carro right hand drive, mas ele era muito bom no negócio. Agora, o punta-tacco, para quem gosta, vale um pequeno retrabalho e reposicionamento do pedal do acelerador, aproximando-o do pedal de freio e tornando assim a operação mais confortável. Para os Fuscas, em particular, muitos baixavam o pedal (início da frenagem) para deixar os pedais na mesma altura e facilitando a operação, já que o pedal de acelerador é fixado ao assoalho.
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. O problema em grande parte dos carros atuais é a diferença de altura ou distância entre os pedais, que dificulta muito o punta-tacco.

    O acelerador sendo uma peça integral de plástico também impossibilita dar uma entortada para deixá-lo em posição mais propícia.

    Ao que recordo, em alguns VW, como Polo Classic ou mesmo Fox, é bem difícil de conseguir ajustar o pé para o punta-taco, requerendo às vezes um calçado meio largo.

    Nos GM, como Corsa atual, só sob frenagem forte dá para conseguir um punta-taco adequado.

    ResponderExcluir
  24. harerton
    Realmente, a cópia do vídeo que você indicou é de qualidade bem superior. Ja fiz a substituição do link. Agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
  25. Beta Romeo23/06/11 20:12

    Bob, tenho uma dúvida:
    É melhor elevar a rotação antes de engatar a marcha ou pode-se engatar a marcha, dar aceleração interina e soltar a embreagem?

    ResponderExcluir
  26. Bob;

    Um questionamento:

    A questão dos volantes de motor pesados, em voga atualmente não se deve ao fato do motorista "leigo" não aplicar a aceleração interina?

    A minha pergunta eu fundamento no fato de eu ter tido um Golf GLX 2.0 mexicano, e aparentemente a VW colocou um volante aliviado se comparado ao 1.8 (o 2.0 ganha e perde rotação muito rapidamente - lembra os Del Rey CHT) e um motorista inexperiente transformava o ato de andar de Golf 2.0 num verdadeiro martírio pela quantidade de trancos nas trocas de marcha!

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  27. Bob, muito bom o post, mas eu tenho uma dúvida. Eu tenho um Astra e acho a altura dos pedais muito desproporcional para fazer o punta-tacco. O pedal de freio fica muito em cima em relação ao acelerador, sendo que para acionar o acelerador, só numa freada muito forte. O problema é minha falta de prática, ou o pedal do Astra é realmente ruim (quase impossível) para a realização dessa técnica?

    ResponderExcluir
  28. Gustavo Cristofolini23/06/11 22:22

    Eu tive um fusca a alcool, que depois de um tempo virou turbo com quase 300cv. Nas reduções era punta-tacco direto, pois precisava casar a rotação do motor com o plato de 1300lbs e o disco de embreagem de 6 pastilhas. Antes de ser turbo, como o Jesiel comentou tinha que freiar e acelerar ao mesmo tempo, senão ele morria, especialmente em dias frios e com o motor ainda frio.

    ResponderExcluir
  29. Bob, nunca pratiquei punta-tacco, só fiquei sabendo nesse artigo, e por ser leigo no assunto, não compreendi totalmente o que é a manobra, e na minha opnião faltou você explicar melhor o que é e como fazer, para que leigos como eu possam aprender a fazer certo.

    ResponderExcluir
  30. Os pumas de pilotagem são ótimos para guiar: sola fina, reta, com calcanhar arredondado, de couro ou camurça.
    imbatíveis na minha opinião

    sobre o punta tacco: acho difícil e admiro quem o faz. embora eu use a aceleração ao reduzir, o faço sem frear simultaneamente
    talvez nunca tenha aprendido pela posição dos pedais do meu bólido...

    ResponderExcluir
  31. Creio que com um volante menor ajudaria no meu caso, pois com 1,90 de altura, nem pensar em fazer esta técnica sem a perna pegar no volante.


    Renan Veronezzi.

    ResponderExcluir
  32. Caio Cavalcante: acelerador pivotado no assoalho é ÓTIMO pra fazer punta-tacco, que acaba saindo quase que naturalmente. No civic (único modelo que eu guiei com este tipo de acelerador), não precisa virar quase nada pra alcançar o acelerador.

    Se o pessoal for reparar, os carros da fiat, principalmente os mais antigos, o pedal do acelerador é torto e fica mais ou menos no mesmo nível do freio, o que torna a operação do punta-tacco facílima de ser feita, como o Bob Sharp bem colocou no texto.

    Vejam os pedais do fiat tipo, por exemplo: http://img819.imageshack.us/img819/8360/reporttipo.jpg
    http://www.encontracarros.com/upload/fiat/fiat-tipo-16v-interior.jpg

    e do fiat 147:
    http://images01.olx.com.br/ui/1/46/75/3784175_1.jpg

    O pior carro pra fazer punta-tacco na minha opinião é o corsa. Pedal do acelerador muito longe do freio e muito baixo, é praticamente impossível de alcançar (e olha que tenho pés tamanho 44)

    ResponderExcluir
  33. Rodrigo Piasecki24/06/11 09:53

    Hey Bob, não quero ser chato, mas ja estou sendo kkkk
    você poderia fazer um video básico com as instruções de treinamento, desde o motor ligado até a utilização de movimento, eu ainda estou com algumas dúvidas.

    ResponderExcluir
  34. Bob! Uma dúvida aqui, recentemente assistindo um vídeo, reparei que o piloto abordo de um Lancer Evolution, executava as trocas de marchas sem retirar o pé do acelerador! Em um golpe rápido e certeiro, mas era nítido um pequeno tranco no veículo, mas em marchas mais baixas! Pergunto, isso é mesmo possível? Ou somente com uma transmissão com acerto para competição ( o carro era original- e com o pedal de embreagem! nada de câmbio sequêncial! e isso me deixou bem intrigado ) Gostaria de saber a respeito. Desde já agradeço a atenção! E por mencionar o meu nome na apresentação do post!

    Henrique.

    ResponderExcluir
  35. Rafael M (Autozine)
    Os Chevrolet são mesmo ruins nisso, com exceção do Omega.

    ResponderExcluir
  36. Henrique
    Nunca dirigi este carro, mas certos câmbios resistem aos trancos. No caso de robotizados não se precisa aliviar acelerador nas trocas.

    ResponderExcluir
  37. Caio Cavalcante
    O pivotamento do pedal do acelerador é indiferente, importa mesmo a posição do pedal e/ou sua sapata me relação ao freio.

    ResponderExcluir
  38. Diego Macial Debesaitys
    Questão de treino apenas. Insista que você consegue. Isso mesmo, Operação engana-Deus...Tem tempo essa coluna no BCWS.

    ResponderExcluir
  39. Jesiel
    Até nisso punta-tacco ajuda!

    ResponderExcluir
  40. Anônimo 23/6 16:42
    Também acho e faço isso, mas no caso eu não sou tartaruga... (risos)

    ResponderExcluir
  41. César
    Isso que você comenta no Gol não é para facilitar reduções, mas para reduzir um tipo de emissão, o de óxidos de nitrogênio.

    ResponderExcluir
  42. luizborgmann
    O telegrafar é associado aos motores turbo, para manter a turbina em rotação apropriada.

    ResponderExcluir
  43. Guilherme J.
    Nas fábricas, a pessoa que desenha os pedais tem que saber fazer punta-tacco, senão...

    ResponderExcluir
  44. Aproveitando o espaço, esta operação de efetuar as trocas de marchas sem aliviar o acelerador, independente da resistência do sistema de transmissão, é uma operação inviável e que poder acarretar riscos ao sistema? Há vantagens em ganho de tempo, e menor queda de giros? É que fica aquela dúvida na questão das trocas de marcha em ritmo de competição, deve-se levar o pedal até o curso final, ou apenas aperta-lo levemente? ( Exemplo aqui, é o Citroen C3 que usamos diariamente, o pedal é levíssimo, e quando realizo trocas de marcha levando o pedal até o fundo, percebo um leve tranco, mas quando faço a operação levando a embreagem a um curso reduzido, o tranco nao ocorre!)Poxa bob, desculpe pelas inúmeras perguntas rsrsrs..

    Henrique

    ResponderExcluir
  45. Shimomoto
    O volante mais pesado até pode ajudar, mas não foi para isso que a VW definiu seu peso, esteja certo.

    ResponderExcluir
  46. Hélio
    O pedal do acelerador do Astra e do Vectra são ruins para isso mesmo. Essa é a primeira coisa que observa ao dirigir um carro pela primeira vez, como é o punta-tacco.

    ResponderExcluir
  47. Helio,
    Realmente os carros da GM sao horriveis para a pratica do Punta-taco. Ja tive Astra guiei o Vectra GT. Sao pessimos com o pedal do acelerador desproporcionalmente longe do freio. Talvez tenham sido desenhados para os gringos que calcam 45 "bico largo" em diante.
    Outro carro que decepiciona qto a pedaleira e o New Civic , mesmo na versao SI. E te digo , sao carros otimos de se guiar.....
    Entre os nacionais a linha Gol e boa e os antigos Opalas otimos!
    Agora ... como mencionado no texto , experimente qualquer carro italiano e vc vera a diferenca :sao exemplares .
    Boa pilotagem !

    ResponderExcluir
  48. Luiz
    No punta-tacco duas coisas são feitas ao mesmo tempo, frear e dar aceleração interina. Ambas podem ser feitas isoladamente. O punta-tacco é mais um auxílio do que qualquer outra coisa. Pode-se viver toda uma vida sem jamais fazê-lo, como a maioria. Observe o vídeo, o que Senna faz poderia ser feito isoladamente, mas ele usa a técnica para permtir o dirigir rápido.

    ResponderExcluir
  49. Renan
    Não é preciso levantar a perna, basta girar a ponta do pé no pedal de freio.

    ResponderExcluir
  50. Rodrigo Piasecki
    Creio que eu fazer um video pouco acrescentaria. Analise bem o pé direito do Ayrton. Não é tão difícil.

    ResponderExcluir
  51. Anônimo do C3
    Sem problema, perguntar, estou aqui para isso. Dependende da separação do disco, apertar o pedal de embreagem até o fim ou não. Se você fáz trocas sem apertar todo o pedal e o movimento da alavanca é livre e suave, é porque a embreagem está abrindo o necessário. Pode continuar como vem fazendo.

    ResponderExcluir
  52. Nissan 370Z Synchro Rev Match Transmission


    From Nissan USA website

    Groundbreaking SynchroRev Match manual transmission technology, available on the Sport Package, monitors the 6-speeds clutch pedal operation, shift lever movement and vehicle speed. Shifting to a lower gear automatically blips the throttle to the ideal engine RPM for a smooth downshift. With smoother shifts helping to keep the chassis balanced, this transmission is able to deliver handling and power.


    Quick Reference Guide

    The SynchroRev™ Match Mode (S-MODE) automatically adjusts the engine speed by controlling the engine throttle. This helps provide accurate engine speed control that will help achieve smooth gear shifting and reduces shift shock on clutch engagement.

    WHEN DOWNSHIFTING
    -The engine speed is automatically increased to the target engine speed before the clutch is engaged.

    WHEN UPSHIFTING
    -The engine speed is automatically kept during and after the engine speed lowers to the target engine speed.

    DEACTIVATING THE S-MODE SYSTEM
    -To deactivate, push and hold the S-MODE switch for
    more than 1 second. The S-MODE indicator will
    turn off.

    -To reactivate, Push the S-MODE switch .The S-MODE indicator on the instrument cluster will show S.

    ResponderExcluir
  53. Eu fazia punta-tacco nos Peugeot's que eu tinha (206 e 306) era necessario pois viajo muito pra casa de veraneio dos meus pais e tenho que passar por uma serra ingreme que nem sempre esta vazia, sempre tem alguem com um carro mais fraco a frente ou ate mesmo carro parado no meio do caminho, fazendo com que você tenha que parar e sair com o carro no aclive. Esses meus carros eram otimos, os pedais eram na mesma altura, não tinha erro, hoje estou com um civic 2006 e ainda não reparei se da pra utilizar essa tecnica.

    ResponderExcluir
  54. No meu caso, calçando 44 e usando um tênis velho e surrado que serve muito bem ao seu propósito, punta-tacco com o GTS fica difícil pela diferença de altura entre os pedais. Ao se usar o freio de modo mais forte, no limite antes do travamento, fica muito difícil modular a força no pedal, pois preciso deixar a perna toda torta para poder freiar com a lateral do pé sem acelerar junto. Simplesmente não há espaço para usar a ponta e o calcanhar, sendo que ao usar a lateral do pé o pedal do freio fica muito baixo em relação ao do acelerador, o que leva a esse contorcionismo e a perda de sensibilidade na frenagem. Estou pensando seriamente em montar esse pedal de freio de forma mais alta, nem que isso implique em maior desconforto em trânsito pesado.

    ResponderExcluir
  55. Boa Bob !
    Na primeira vez que me falaram no punta-taco , pensei que era palavrao !
    Esclareceu e desmistificou a manobra que para a maioria de nos, motoristas normais, parece um Bicho de 7 cabecas! Enfim o Diabo nao e tao feio quanto se pinta !
    Acho que agora aprendi .. vou treinar ...

    ResponderExcluir
  56. Cap. Sharp24/06/11 14:10

    O conceito de aceleração interina

    Em grego, ενδιάμεση επιτάχυνση.

    Em latim, interim acceleratio.

    Em francês, intermédiaires d'accélération.

    Os senhores estão anotando? Eu vou pedir isso na prova.

    Em inglês, interim acceleration.

    Em alemão, Beschleunigung Zwischenbericht.

    Em italiano, accelerazione interim.

    Em espanhol, aceleración intermedia.

    Cap. Sharp, o JJ está dormindo!

    ResponderExcluir
  57. Paulo Ferreira24/06/11 14:10

    Há muitos anos li a coluna no BCWS e ela me guiou a entender o procedimento mesmo antes de ter idade pra ter habilitação.

    Obrigado Bob!

    ResponderExcluir
  58. Bonito esse mocassim .. Gostei !
    Em varias fotos que vi de carros e pilotos nos anos 60 todos os pilotos usavam sapatos como esse para pilotar ! Fittipaldis Lameirao,Bueno,Pace, todos usavam macacoes claros(beige ou branco) e sapatos assim para pilotagem
    Talvez ainda nao existiam as atuais sapatilhas ...

    ResponderExcluir
  59. Cesar
    Só complementando o Sr.Sharp :Esse lance do motor não cair de rotação imediatamente depois de tirar o pé é coisa desde o tempo do carburador-alguns tinham uma pequena válvula na face da borboleta, que se abria com o alto vacuo do coletor;outros,mais sofisticados,tinham o retorno da borboleta controlado por mola com amortecimento hidraulico,evitando o fechamento brusco.O objetivo era "diluir" com ar a mistura q.restava no coletor depois q. se tirava o pé.
    O artificio tbem se aplica ao TBI-com outros mecanismos,claro

    abs.

    ResponderExcluir
  60. Ao anônimo das 11h59, realmente Gol caixote tem os pedais bem colocados. Na autoescola, aprendi a guiar em um 1000. Fazia punta-tacco instintivamente naquele carro. Podia ser uma tranqueira sem tamanho aquele veículo, mas os pedais estavam muito bem posicionados.

    ResponderExcluir
  61. Sobre rotações que caem e acelerações interinas automáticas, lembro que nos Civics de sétima geração, quando você troca a marcha, o motor sobe automaticamente 500 rpm assim que você tira o pé do acelerador.
    Não sei se isso é só para evitar poluição diminuindo a oscilação de rotações, mas também ajuda a evitar que o carro dê muito tranco na troca de marchas.

    Porém, como o carro é péssimo para punta-tacco, em reduções você passa a usar muito uma soltada de embreagem demorada ou uma ligeira "pedalada" para que a força do motor entre o mais suave possível.

    ResponderExcluir
  62. 1. Punta tacco depois que se pega o jeito, se torna automatico, bem fácil.

    Costumo pratica-lo sempre, até mesmo quando dirigindo devagar e levando alguem para evitar os trancos nas reduções de marcha.

    Mas tem carros que são horriveis para fazer. Se não me engano Palio - que de vez em nunca alugo um - tem o acelerador bem mais ao fundo que os os pedais da embreagem e do freio. Aí, para dar um toquinho no acelerador, só se afundar o pedal do freio...

    No focus e no fiesta dá para fazer tranquilamente..


    2. O video do Senna eu tenho gravado no computador. Nunca canso de assistir. Esse e aquele que ele dirige o NSX vermelho, também em suzuka.

    3. Sobre calçados. Adidas tem uns tenis quase sapatilhas, bem bacaninhas, pois não são gigantes e não "enroscam" nos pedais.

    4. Mocassim e meia branca é de matar....hehee


    Marco

    ResponderExcluir
  63. Bobo, aprendi o punta-tacco num Palio 97 e até hoje me divirto com o mesmo carro, apesar da total falta de potência.

    Agora, nem todo Fiat é bom para isto (o Palio é perfeito): os Unos tem o pedal do acelerador muito baixo e deslocado para a direita. Infelizmente. Para mim o único defeito do carro.

    J Schmitt

    ResponderExcluir
  64. Sou um orgulhoso dono de um Fusca 1984 e garanto, dos carros que já dirigi, tem o melhor punta-tacco de todos. Freio sem hidrovácuo, com peso muito bom. É só freiar com a ponta do pé, com ele meio virado e deixar o calcanhar escorregar um pouco. Tá feito. Com tenis um pouco mais largos, dá ra fazer quase que sem inclinar o pé.

    Agora, em carros mais novos, por causa da assistencia do hidrovácuo, já acho mais chato de fazer. Qualquer toqueinho no freio, ele já está freiando muito. Pedais sem "peso" nenhum... Na minha opinião, isso faz o motorista perder muito o feeling do carro!!!

    Comparando um Astra 2010 com o Escort SW 1997 da minha mãe, fico com o Escort. Os pedais são leves, mas tem um certo peso. Os GM atuais, você nem percebe que tá movendo pedal algum.... Astra, Classic, Corsa... Tudo exageradamente "mole", com a desculpa de facilitar a vida de quem dirige....Balela!

    Agora veículo mais difícil de punta taco que já dirigi foi a Toyota Bandeirante 93 do meu pai! hahahahha. Indiscutivelmente não favorável a posição daqueles pedais!

    ResponderExcluir
  65. Um outro fator que pode dificultar muito o punta-tacco é a assistência do freio, se esta for exagerada. Na verdade, acho que a maioria dos carros atuais possui um certo exagero na assistência. Dos que já experimentei, acho que a do Focus está na medida. Bob, será que é possível melhorar esse aspecto através da escolha certa de disco e pastilhas?

    ResponderExcluir
  66. Justamente, Rafael. Lembro que o freio da Brasília também tinha um peso muito bom. Só não recordo se a disposição dos pedais era a ideal.

    ResponderExcluir
  67. Marcos
    A atuação do servo-freio depende do tamanho (diâmetro) da câmara de vácuo e da válvula de comunicação com o ar externo. No caso de assistência excessiva, reduz-se a câmara e/ou recalibra-se a válvula, mas é trabalho para especialista de fábrica. Um solução prática seria arranjar pastilhas mais duras, que "mordam" menos.

    ResponderExcluir
  68. Nossa,que post!

    Com certeza o melhor post sobre esse tema,que ja li.
    hehe valeu a pena esperar por um post assim aqui no AE

    PARABÉNS

    ps: AE bem que poderia virar um programa automotivo..DE VERDADE,ao nivel de Best Motoring ou Top guear

    abrass Bob

    ResponderExcluir
  69. Bob,
    E no meu caso, com o problema de altura dos pedais e tamanho do calçado, há alguma forma de melhorar isso? Freiando normalmente, em condução de trânsito, não há problema algum, mas em uma tocada mais forte, freiando sempre no limite antes do travamento, é impossível ter uma boa sensibilidade freiando com a lateral do pé - de "quina" para ser mais exato - já que só assim para não empurrar o acelerador junto. Gosto muito da posição dos pedais do GTS, mesmo achando que não há muito espaço lá, mas esse problema com a altura do pedal do freio é algo que incomoda. Tenho medo de subir o pedal e o ângulo de acionamento ficar ruim ou a perna bater no volante.

    Obs.: Apenas para não confudir, o Marcos das duas postagens seguidas um pouco acima é outro.

    ResponderExcluir
  70. Marcos,

    É isso mesmo. Uso pneus 185/65/r14 no meu Fusca e o peso do pedal é muito bom. E em freagens abruptas, pra sair de situações de risco ele mal trava a roda. Já saíd e enrascada por causa dos freios dele, que acho muito bons para o carro.

    Por esse motivo, não sou a favor das assistencias de frenagem atuais.

    Isso pra não falar no pedal da embreagem sem peso nenhum de carros atuais... :S

    Abraço.

    ResponderExcluir
  71. Bob, vc consegue fazer o punta-tacco no seu Celta?

    ResponderExcluir
  72. Caio Ferrari.
    Consigo, sem problema. Você não?

    ResponderExcluir
  73. Não! O pedal é baixo demais. No Mille consigo numa boa. Aliás, numa boa entre aspas. Minha perna é muito grande, acabo esbarrando a perna no volante.

    Outra coisa que me atrapalha é o tenis mto grande (tipo Tiberland). Vou ver se consigo me aprimorar. Mas no Celtinha com aquele pedal liga-desliga é um desafio e tanto.

    ResponderExcluir
  74. Também tenho um celta e realmente é difícil acertar a manobra com aquele acelerador baixo em relação ao freio. A solução que encontrei foi frear com o calcanhar e acelerar com a ponta do pé, demorou um pouco mas hoje consigo modular com precisão a pressão no pedal do freio com o calcanhar.
    No civic si do meu irmão consigo fazer perfeitamente da maneira como tem de ser, o pedal largo, mais alto e preso ao chão é um convite aos punta-taccos.

    Dorso

    ResponderExcluir
  75. Eu adoro dirigir com o meu tênis Diadora, solado baixinho, mais confortavel que qualquer Adidas ou Puminha, parece que foi feito pra mim, usei tanto ele que até abriu um buraco na sola... Bom no buraco eu fiz um remendo, pena que não acho outro igual.

    ResponderExcluir
  76. " O clássico mocassim italiano (foto - e sapatos - do autor) " - Excelente ! rsrs

    Ótimo post !

    Punta-tacco em fusca, estou fora ! com 1.93 a única vez que dirigi um ao tirar o pé do acelerador para colocá-lo no freio, a coisa é tão apertada, que o pé enroscou atrás do pedal de freio ... motorista novo ... a coisa foi crítica ... rsrsr nunca mais !!

    No meu dia a dia, a posição dos pedais tb não me ajudam com o punta 'convencional' , com o calcanhar ... faço com a planta do pé mesmo, metade no freio, metade regulando as rotações no acelerador, demorou um tempo, mas me acostumei rsrs

    já no mav, o espaço é muito bom, e consigo executar a manobra ' a italiana ' , usando o calcanhar . E são não fizer, enquanto frio, ou com lenta desregulada ( ela regula ? ... ), morre mesmo :)

    [ ]´s

    ResponderExcluir
  77. Uma bela sequência que lembro foi nos anos 90 em Brasília numa prova de GT onde o Piquet fazia punta-tacco num McLaren F1 que venceu A Ferrari F40.

    ResponderExcluir
  78. Nesse post até os comentários estão interessantes!!! Tenho um 147... é tão fácil fazer o punta-tacco que se faz isso quase sem querer. Pedal de freio e acelerador tem uma distância de 3cm entre eles. Já no corsa é um pouco mais complicado, pois o pedal do acelerador é muito baixo em relação ao freio, exige quase uma torção no tornozelo pra usar a malandragem.


    GiovanniF

    ResponderExcluir
  79. Bob, tenho uma pergunta técnica.

    A anos faço uso do ponta-salto.

    Faço meu jeito de aplicar com outra carecterísticas dos pés, sem o uso do calcanhar.

    Faço isso por que gosto de usar uma outra técnica nas curvas que alguns pilotos utilizam, como o left-foot braking. Porém também com uma característica um pouco diferente nos pés de como é ensinado.

    Quando entro em uma curva entro reduzindo com meio pé no acelerador e meio pé no freio, variando a necessidade de potência/ frenagem no meio da curva sem o uso do calcanhar.

    Calço 40 e meus pés não são diferentes da maioria da população mundial.

    Acha que é muito errado encontrar uma maneira diferente de fazer a mesma coisa?

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  80. Mesmíssima situação do AUN. Freio e acelerador (em Focus, ka e Fiesta) pisando no acelerador com o lado "de fora do pé" e não com o calcanhar.
    Na C-20(pedais muuuito separados) usando o calcanhar no freio e a ponta do pé no acelerador (inverso do proposto pela maioria).

    Somos ETs?

    ResponderExcluir
  81. Diego Maciel Debesaitys27/06/11 13:23

    Embora eu precise treinar mais, acho mais fácil fazer o punta-tacco no meu Celta (pedal do acelerador de plástico, acelerador eletrônico) do que no Clio que tive.

    Também faço o punta-tacco com a lateral do pé, pois os pedais dos carros atuais são bem próximos.

    Anônimo (último, das 12:53): não, não somos ET's, mas essa situação com a C-20 não seria punta-tacco e sim um "tacco-punta"!

    Abraço

    ResponderExcluir
  82. Dorso
    A maneira que você encontrou é mais dificil, mas perfeitamente possível e você provou isso. É o tacco-punta.

    ResponderExcluir
  83. Assis
    Procure pensar que você primeiro precisa tirar o pé do acelerador e depois ir para o freio. Até essa fase não existe punta-tacco. Só enquanto estiver freando é que você gira um pouco o pé em torno da ponta e atinge o acelerador. Experimente.

    ResponderExcluir
  84. Marcos (que não é o outro)
    O freio deve ser sempre acionado com a ponta do pé bem apoiada no pedal. De outro modo fica mesmo estranho. Só na hora da aceleração interina é que você gira o pé em torno da ponta para alcançar o acelerador. Quando o arranjo é "à italiana" nem é preciso girar o pé, basta torcê-lo um pouco. O ideal é treinar bastante com carro parado e motor ligado.

    ResponderExcluir
  85. Rafael Aun
    Se você consegue modular bem o freio colocando meio-pé, problema nenhum, continue. Só acho que dá melhor sensibilidade usar o left-foot braking efetivo, freando com o pé esquerdo.

    ResponderExcluir
  86. Como descrito pelo Aun, faço "punta-punta" nos meus GMs. Já me acostumei e não encontro dificuldade já que, como dizem, não são bons pra isso.

    ResponderExcluir
  87. Henrique Lopes28/06/11 20:04

    Estava assistindo o vídeo desse link e lembrei desse texto. Faltou um punta-taco nessa pilotagem ou estou enganado?
    http://www.jalopnik.com.br/conteudo/perdidos-no-cerrado-o-terceiro-track-day-dos-calangos-em-2011

    ResponderExcluir
  88. Bruno Barcelos21/07/13 12:14

    Já vi pilotos gringos utilizando o termo "throttle blip", ao invés de interim acceleration.

    ResponderExcluir
  89. Usar a aceleração interina faz gastar mais ou menos combustível.Desde já grato

    ResponderExcluir
  90. Sempre que se acelera está-se gastando combustível, jamais ao contrário.

    ResponderExcluir
  91. Mas então para usar o freio-motor Bob com o intuito de economizar combustível eu devo dar aceleração interina ou não?

    ResponderExcluir
  92. welynton cicidini
    Deve dar para evitar trancos e desgaste da embreagem ao tirar o pé do pedal devagar. O gasto de combustível para dar a aceleração interina é desprezível.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...