Google+

25 de julho de 2011

PUNTO T-JET, BELO BRINQUEDO

Fotos: Fiat


R$ 65.830: um brinquedo caro. Se for rechado de todos os opcionais possíveis, vai a R$ 76.875, isto é, R$ 11.045 para ter ar-condicionado automático digital, Blue&Me com navegador GPS, espelho interno eletrocrômico/sensores crespuscular e de chuva, parafusos de roda antifurto, bolsas infláveis laterais e de cortina mais apoios de cabeça dianteiros anti-efeito chicote e teto solar Skydome (só este sai por R$ 4.734).

Caro, mas empolga quem gosta de dirigir e sentir o encosto do banco empurrando. Com 152 cv a 5.500 rpm e 21,1 mkgf de 2.250 a 4.500 rpm à disposição do pé direito num hachtback 4-portas de 1.230 kg, o resultado tinha que ser esse mesmo. Com 8,09 kg/cv mesmo em cidades a 800 metros acima do nível do mar como São Paulo, cada saída é prazerosa.


Não que se vá ficar acelerando no "Grande Prêmio 0-100 km/h" o tempo todo, mas sentir - e ver no manômetro virtual de barras - o efeito da superalimentação em qualquer rotação que o motor esteja, dá mesmo um imenso prazer. Nos faz pensar que todo carro deveria ter turbocompressor, o que, aliás, pode-se esperar cada vez mais daqui para frente face à onde de redução cilindrada sem comprometer desempenho que tomou conta do mundo por conta da redução de consumo e do lançamento de gás carbônico na atmosfera.

Para quem tem preguiça de ficar trocando de marcha (que não é o meu caso...), é quase um carro de caixa automática. Acelerou, a turbina gira, movimenta o compressor por estar na mesma árvore, e lá vamos nós sentindo o "incômodo" do encosto nas costas. A elasticidade que a indústria automobilística vem obtendo nos últimos anos nos motores de ciclo Otto os deixa com "jeitão" bem parecido com os Diesel, que sempre foram elásticos, mais ainda depois que praticamente todos passaram a ser turboalimentados.

O mais notável nos motores turbo é o descompasso entre cilindrada e potência. Muitos motoristas não têm noção do que seja cilindrada - quanto muito, sabem que "1.0 é fraco" - e por isso é quase certo que não se surpreendam ao dirigir um carro turbo. Por isso, quem tem essa noção não deixa de se admirar como um motor pequeno pode andar tanto.

Caso do Gol 1-litro turbo duplo comando 16-válvulas, produzido de 2000 a 2002, um dos carros mais sensacionais que já dirigi, com seus 112 cv e 15,8 mkgf. Foi pena ter saído de linha, em que a reclassificação de cilindrada para efeito da alíquota do IPI, ocorrida em agosto de 2002, impediu que continuasse competitivo (antes era até 1 litro e acima, ficou até 1 litro, entre 1 e 2 litros, e acima de 2 litros).

O Punto T-Jet, pelos dados de fábrica, acelera de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos e chega a 203 km/h. O consumo pela norma NBR 7024, que a indústria toda usa, e com gasolina padrão E22, roda 12,3 e 16,4 km/l cidade/estrada. Nada de flex, claro, é uma calibração demorada e custosa (fontes me dizem chegar a R$ 1 milhão por veículo) e absolutamente não interessa a quem busca um carro-diversão. E que não gosta de toda hora ir a um posto, o tanque está na medida: 60 litros.

Se for usada gasolina de maior octanagem como a premium ou a Podium, pode-se esperar mais desempenho e menos consumo, como ocorre com praticamente todos os carros europeus hoje, que funcionam com a gasolina Super de lá (95 octanas RON) e vão melhor com Super Plus 98 RON (um amigo carioca que tem um T-Jet, o Jacques, me disse que percebe nítida melhora com a Podium).

Anda como deve, suspensão bem calibrada, não e duro e curva bem, bem próximo do neutro. Dá para  ser atirado nas curvas com vontade e nas de alta jamais assusta. Os bancos poderiam oferecer um  pouco mais de apoio lateral.

O Punto T-Jet compensa em parte o preço alto trazendo, de série, direção assistida hidráulica,  embreagem de acionamento hidráulico, acelerador elétrico,ar-condiconado, freios a disco nas quatro rodas com ABS (e a indissociável distribuição das forças de frenagem), bolsas infláveis frontais, computador de bordo A e B, volante revestido de couro ajustável em altura e distância e com comando de  rádio e telefone, pára-brisa com faixa degradê, acionamento elétrico de todos os vidros um-toque e antiesmagamento, travas  elétricas e ajuste elétrico dos espelhos externos, sensor de estacionamento traseiro, enfim, tudo o que se espera ao pagar muito por um carro.

As críticas vão para a escolha dos pneus, largos demais, são 205/50R17H. Além de não precisar – 195 e com pefril um pouco mais alto, 55, seria mais que suficiente – a largura obrigou a limitar o ângulo de esterço, resultanto num diâmetro mínimo de curva de 11,8 metros. Nos Punto "não T-Jet" é 10,9 metros, já no limite do aceitável para um carro de 4.030 mm de comprimento com entre-eixos de 2.510 mm. Considero manobrabilidade um ponto essencial em qualquer carro. A outra crítica é a falta de luz traseira de nevoeiro. Não custava um conjunto antineblina completo, já que vem com faróis para essa finalidade. E a terceira, ausência de repetidoras dos indicadores de direção. Também não custava nada.

Esses três detalhes corrigidos, e o Punto T-Jet estaria automaticamente incluído na minha lista.


BS

61 comentários:

  1. Bob, permita-me perguntar algo fora de contexto. É que li "manobrabilidade" e lembrei da palavra "handling" aplicada ao contexto da condução dos carros. Como você traduz "handling"? Manejo? Dirigibilidade? Manobrabilidade?

    ResponderExcluir
  2. Que carro legal, gostaria muito de experimentar um....deve andar como um antigo A3t de 150 cavalos não Bob? Pesinho no volante, nos comandos, como a denunciar que ele gosta de andar mais forte...e por 66 mil mangotes ele não está tão caro assim!

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  3. Leo
    Handling = comportamento
    Manejo é muito usado em traduções, mas não gosto.
    Outros:
    Maneuverability = manobtabilidade
    Roadholding = estabilidade
    Driveability = dirigibilidade, no contexto de motor, elasticidade

    O roadholding tem equivalentes em italiano (tenuta di strada) e em francês (tenue de route).

    ResponderExcluir
  4. Esse deve ser arisco, gostei.

    ResponderExcluir
  5. Mister Fórmula Finesse
    É um pouco caro para o porte, mas se recebe muito em troca. É mais um foguete de bolso. O próprio Uno Turbo 1,4, de 118 cv, já andava muito bem.

    ResponderExcluir
  6. Sim Bob, se pensarmos que um Golf 1.6 sportline com teto mais os adereços de "edição especial" (desova Gti: volante, manopla...etc) encosta nos 62 mil reais...

    Eu teria um Punto T-jet descartando fácil Focus 2.0 ou I-30, modelos que têm uma leve inspiração esportiva no nosso pobre mercado de hatchs esportivos.

    M FFinesse

    ResponderExcluir
  7. Prezado,

    Estava curioso sobre este tema;

    Você compraria este fiat ou o ford focus 2.0?

    Sobre o compressor na mesma árvore, o que é isto? Afinal é turbo? Lendo me deu a impressão de ser um "supercharger" no esquema do fiesta.

    Obrigado

    ResponderExcluir
  8. Anônimo 25/7 16:53
    Um turbocompressor consiste de uma turbina, que é acionada pelos gases de escapamento, e um compressor, daí o nome turbocompressor. A turbina liga-se ao compressor por uma árvore (e não eixo, é termo errado neste caso). No Brasil é bastante comum esse erro, chamar árvore de eixo. Eixo é uma peça em torno da qual algo gira e árvore, peça que transmite movimento. Não existe "eixo de comando de válvulas", mas "árvore de comando de válvulas".

    ResponderExcluir
  9. Mesmo anônimo aí em cima
    Compraria um T-Jet. Aprecio motores turbo.

    ResponderExcluir
  10. Deve ser muito prazeroso o punta-tacco neste carro, ainda mais com pedais fiat a italiana.

    Rafael

    ResponderExcluir
  11. Grande BOB, obrigado!

    Por isto então árvore de balanceamento? contrarrotativa;

    Aqui no AE estou vendo o termo tubo de torque, como fica o termo eixo cardã, está errado?

    Nestes motores turbo o volante do motor tem preparação especial para aguenta o "tranco"?

    Desculpa pelas perguntas;

    Obrigado

    ResponderExcluir
  12. Luiz Eduardo25/07/11 17:22

    Parabéns pelo blog;

    o motor conta com interresfriador?

    ResponderExcluir
  13. Bob, como o carro destina-se a um público diferenciado, a Fiat poderia oferecê-lo com os mesmos 180cv produzidos na Itália. O consumidor deste carro entenderia perfeitamente que para isto precisaria abastecer com gasolina de maior octanagem. Eu siceramente acho estes 30cv fazem falta para denotar a esportividade que a Fiat deseja vender. E sobram 2 portas também.

    Mas tudo isto me faz continuar achando o T-Jet como o carro mais interessante que temos hoje no Brasil. Talvez seja o único carro no mercado que deixa a razão de lado. Quem compra o faz por pura paixão.

    ResponderExcluir
  14. De fato, a tendencia e a popularizacao de motores turbo de menor cilindrada. Ate a picape F150 com o 3.5 V6 bi-turbo tem sido responsavel por 50% das vendas, com melhor desempenho e consumo do que o V8 que substituiu.

    No entanto, alguns fabricantes estao procurando outras alternativas mais baratas, como a Mazda e seus motores Sky de alta taxa de compressao (15:1) e baixo atrito.

    Algo que sempre me incomoda em motores turbo e o lag, mesmo nos melhores motores turbo, como o VW 2.0 I4. E neste T-Jet, observou algum turbo-lag?

    TIA

    ResponderExcluir
  15. Caro BOB, sei que meu humilde pedido não tem nada a ver com este post, mas, na falta de outro melhor meio para fazê-lo, aí vai:
    sou um grande entusiasta dos veículos nacionais, em especial do Chevrolet Monza. Leio muito aqui no Blog sobre Opalas, Mavericks, Passats, Omegas e outros carros mais novos como o Punto, por exemplo, mas nuncai ouvi (li) um post seu sobre esse fantástico veículo que é o Monza (caso já exista, por favor me indique o link), um carro histórico na minha opinião.
    Assim sendo, se possível, gostaria de ouvir seus comentários, sempre impecáveis, sobre suas impressões ao dirigir um Monza. (desculpa por repetir o comentários, mas achei mais fácil neste post por ser mais recente).
    Obrigado e grande abraço,
    André Malzoni

    ResponderExcluir
  16. torque não é tudo mas bem que poderia ser um pouco maior nesse bravo

    ResponderExcluir
  17. Outro dia me ofereceram um (estou procurando um Punto 1.8 Dualogic, que é impossível de encontrar nas concessionárias, já faz um mês que estou procurando) e fiquei altamente tentado. Mas quero um "automático" para aguentar o stress do trânsito em S. Paulo.
    Agora, se a Fiat oferecesse este motor no Uno também, seria um bicho belamente encapetado!

    ResponderExcluir
  18. faivic

    acredito que no bravo sim o torque é maio por conta do over boost

    ResponderExcluir
  19. Bob,

    E o acabamento ?

    Não gostei do espaço interno do Punto (e nem do Bravo) além de achar o acabamento do porta malas e das portas bem ruim.

    O linea T-Jet deve ser uma beleza, uma pena er poucos deles por aí.

    ResponderExcluir
  20. Interessante, Bob. Bonito o carrinho, bem equipado, esperto e tal. Mas eu náo teria um. Para mim, TODOS os puntos têm um problema insuperável. O posicionamento das colunas dianteiras. Como atrapalham a visáo! Temos na família um Sporting e toda vez que o dirijo, acho um perigo o (enorme) angulo cego provocado pelas colunas, em especial a esquerda.
    Quanto a performance, acho admiravel pelo que oferece por ser 1.4, mas na pratica um bom 2.0 anda junto. Ja tive um belo embate com tres (isso mesmo, tres) t-jet em um trackday. Meu carro? Um astra bem velhinho.
    No mais, acho 65 paus meio exagerados pelo que o carro oferece. Lembro que no auge da crise de 2008-9, os T-jet zero eram oferecidos a 54.
    Mas se hoje o brasileiro paga 65, por que a Fiat iria cobrar menos?

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  21. O Punto não tem o jeitão de Alfa Romeo do Bravo, e só a Fiat mesmo para conseguir inflar mais 10 "barão" no preço de um carrinho que já é caro.

    Eu não compraria, mas com certeza deve ser bom de dirigir.

    ResponderExcluir
  22. Anônimo 25/7 17:18
    Cardã ou árvore de transmissão são a mesma coisa, tanto faz. O tubo de torque, como o nome diz, é um tubo que une motor ao eixo traseiro ou transeixo traseiro, dentro do qual gira a árvore de transmissão. Serve para anular o efeito de torque no diferencial ou transeixo suspensos ou no eixo traseiro motriz. O Chevette tem tubo de torque para anular o efeito. Carros modernos também têm tubo de torque, como o Lexus LFA e o Corvette. O volante do motor dos turbos são previstos para suportar o torque, sem dúvida.

    ResponderExcluir
  23. Augustine
    Esqueça, turbo lag já passou à História. Acabou.

    ResponderExcluir
  24. Luiz Eduardo,
    Sim, tem interresfriador. Arrisco dizer que nào existe mais motor turbo sem o item.

    ResponderExcluir
  25. André,
    No Best Cars Web Site há a história completa do Monza. Leia-a em
    http://bestcars.uol.com.br/classicos/monza-1.htm
    Mas falaremos a respeito do Monza, a seu pedido.

    ResponderExcluir
  26. Bob, tambem tenho um Monza 89, super bem cuidado e na minha mão há muito tempo e fico feliz em ssaber que o sr. tem planos de comentar um pouco sobre minha paixão. Grato desde já.
    Abraço

    ResponderExcluir
  27. O carro J. :-D

    Bob, falando em pedidos: Lembra daquele texto sobre a origem do motor do Chevette?

    ResponderExcluir
  28. Antônio Martins25/07/11 20:03

    O senhor usou aquele recurso do aumento de torque, e da luz de neblina que acenede em curvas em baixa velocidade? O que achou?

    ResponderExcluir
  29. R$ 76.875

    Guilherme Costa

    ResponderExcluir
  30. Antonio Martins
    Esses recursos são do Bravo, não do Punto. Mas já os usei. O de aumento de torque, o overbooster, funciona, têm-se aumento da aceleração. Ja á luz em curva, poderia ser útil no nevoeiro noturno, mas não encontrei essa condição.

    ResponderExcluir
  31. Saudades do Marea Weekend Turbo...

    ResponderExcluir
  32. Bob,

    Você mencionou bem um grande defeito do carro: os pneus escolhidos. Tamanho e marca

    Mas a maior falta, a que me impediu de comprar o carro à época, foi a falta daquele botãozinho que tem no painel do Bravo T-Jet : o OVB, de fábrica como todo esportivo Turbo deveria e deverá ter... Dá ao dono a opção de ter torque extra ao bel prazer, sem os problemas da alteração da Central nos especialistas, que é fixa.

    Uma grande virtude é a beleza de um T-Jet Branco, com o teto solar.

    o preço hj ... Era 56.500 reais quando desisti da compra

    Belo teste. Quando li o título, lembrei na hora do finalzinho de cada " pista" do Programa Auto+,

    ResponderExcluir
  33. Enquanto isso, nossos vizinhos hermanos devem receber o Golf GTi atual até o final do ano, por algo equivalente a R$ 68 mil...

    ResponderExcluir
  34. Bob, sua opinião sobre a "luz de curva" nos faróis de neblina é equivocada, pois esses faróis emitem um facho de luz largo (que avança para as laterais) com um corte de luz super baixo, assim iluminando o lado para onde se quer ir sem ofuscar ninguém. E os faróis de neblina são muito úteis nessa condição, ainda mais se levando em conta que a velocidade do carro é reduzida ao se fazer a curva, e os faróis de neblina são eficientes em baixa velocidade. Ao invés desses faróis iluminarem, por exemplo, o guard rail (um ponto de referência em neblina), eles iluminarão a curva! Quem já buscou saber sobre facho dos faróis, chega facilmente à conclusão de que essa é uma idéia genial, senão não seria aprovada na União Européia. E outra: faróis de neblina não ofuscam ninguém à noite. O que ofusca é o facho desses faróis erguidos propositalmente pelo dono do carro, geralmente pessoas com pouco estudo que ascendem financeiramente, mas que falta educação e respeito pelas pessoas.

    ResponderExcluir
  35. Gustavo Cristofolini25/07/11 22:16

    Bob, o Punto T-Jet seria um esportivo ou um hatch com um motor esperto e suspensão melhor calibrada? Existe diferença significativa no comportamento/desempenho do Bravo T-Jet e Punto T-Jet?

    ResponderExcluir
  36. Caro Bob,
    Fazendo coro aos dois amigos acima, fale um pouco sobre o Monza, o que vc acha do projeto e comportamento.
    Gostaria de saber, devido à sua enorme experiência e conhecimento.
    Adoro esse automóvel.
    Sds, Luís Carlos

    ResponderExcluir
  37. Caro Bob, realmente o conjunto roda / pneu é meio exagerado para o tamanho do carro. Parece coisa feita para agradar o povo do tuning e os leitores da revista Fullpower... e eu não falo isso como elogio. Sem contar que esse tipo de conjunto roda / pneu pode funcionar em países com asfalto perfeito, mas na buraqueira tupiniquim apenas serve para "copiar" as irregularidades do solo em sua totalidade para os passageiros.
    Como pode-se deduzir pela minha foto do perfil, também aguardo o post sobre o Monza...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  38. Antônio Martins26/07/11 03:37

    Anônimo 25/07/11 22:13

    Aqui no Brasil ninguém vai notar que carro tem a função, pois a quantidade de idiotas com faról de neblina aceso sem neblina é enorme.

    ResponderExcluir
  39. Bob,
    Você já andou em algum carro com turbo adaptado? O que acha dessas adaptações?

    ResponderExcluir
  40. Velho, mas limpinho26/07/11 11:45

    Ótima avaliação essa Bob, apesar de eu particularmente não gostar do carro e achá-lo caríssimo.

    ResponderExcluir
  41. Concordo com o Lucas CRF: as colunas dianteiras são um estorvo! Fiz test-drive no Punto 1.8 logo no lançamento e não me agradou. O mesmo problema ocorre com o Linea, seu clone três volumes.
    Quanto ao preço, acho irreal. Pelo valor do Punto completo, leva-se carros de categorias superiores. Só perde o "xuning"...

    ResponderExcluir
  42. Particularmente, achei o carro bem bacana!
    MAS, como todo "esportivo" no Brasil, acho que vai virar um mico. Não por causa do nicho de compradores ou preço e sim por um item que quase ninguém divulga ou discute: SEGURO.
    Acho um absurdo o que as empresas de seguro cobram por carros que tem apelo "esportivo", alegando maior potencia, mais riscos de danos e etc etc.
    Vide o exemplo do Civic Si, que me recordo, quando lançado, custava quase 100k e no meu perfil o seguro saiu absurdos 8 mil reais/ano!

    Acho que aqui no Brasil, isso é um dos motivos para que este tipos de carros sejam micados.
    Bob, se possivel, gostaria de ouvir sua opinião (a favor ou não, claro) sobre este assunto, já que acredito interessa a boa parte dos AE.

    Abração!!!

    Eduardo Duvigue.

    ResponderExcluir
  43. Bob, até tu estás usando o termo "cilindradas"?

    ResponderExcluir
  44. Freddy
    Claro que não. Onde leu isso?

    ResponderExcluir
  45. Bob,gostaria de saber se o estepe desse carro é do mesmo tamanho e especificação, ou seja 205/50 17''.

    ResponderExcluir
  46. Alan
    Não verifiquei isso. Vou obter a informação e a coloco aqui.

    ResponderExcluir
  47. Minerim, será que só os que sáo de MG é que náo toleram as colunas do Punto? hehehe, sou de BH...

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  48. é realmente turbo lah é uma coisa mais rara hj, oq acontece é q as vezes o turbo so começa a funcionar apartir d certa rotaçao...

    tenho um Audi A3 1.8T 150cv e ele ainda tem um pouco do turbo lag, e o turbo só se nota mesmo apartir de 3000rpm q começa a se sentir o empuxo e o barulho tmb.

    o turob lag q se sente é quando vc vem ali, meio acelerando forte, motro em 4000rpm e do nada vc pisa forte, o motor sobe giro e m tempinho dps o turbo acompanha, ai sim sai da frente, mas carros como o A3 novo, 2.0T ja praticamente nao se nota isso

    ResponderExcluir
  49. P/ se chegar aos 180CV basta um intercooler maior, chip e um escape mais liberal.

    Coisa simples e fácil de ser feita.

    Existem vários preparadores q vendem esses Kits p/ motores T-Jet.

    ResponderExcluir
  50. Alan e todos
    A respeito do estepe do Punto T-Jet,
    roda e medida do pneu igual às outras quatro.

    ResponderExcluir
  51. Bob

    Frente a sua negativa acredito que eu tenha me confundido com os termos.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  52. Esse é um bom carro para andar nas pistas da italia

    ResponderExcluir
  53. Esse é um bom carro para andar nas pistas da italia

    ResponderExcluir
  54. Esse é um bom carro para andar nas pistas da italia

    ResponderExcluir
  55. Bob, tenho um gol power G5 e considero perfeito a precisão do câmbio com relações curtas e engates macios. O como vc analisa o câmbio do esportivo punto t-jet? Dá pra comparar com o do gol G5 1.6?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcio
      O câmbio do T-Jet não é tão preciso quanto o do Gol, mas permite uso fácil sem nenhum problema.

      Excluir
  56. Minha marea 2.4 anda mais

    ResponderExcluir
  57. Quero saber se o turbo do Punto T Jet tem boa durabilidade ou nao, disseram que estora relativamente facil, e verdade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 03/12/12 15:12
      Nada disso, puro mito.

      Excluir
  58. É esse carro anda muito, mais qual o consumo dele

    ResponderExcluir
  59. O carro é divertido mais não sei não se dura sem estourar alguma peça , tive um gol 1.0 16v turbo , o meu e de colegas com 50mil km estouraram as mesmas peças da turbina!

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...