26 de agosto de 2011

AGORA JÁ É TARDE DEMAIS. ELES JÁ CHEGARAM

Fotos: autor






Há poucas semanas publiquei no AUTOentusiastas a avaliação de um JAC J3 hatch. Agora é a vez do Turin, que é a versão sedã do modelo. Tudo igual na mecânica e itens de série, que dizem ser os tais que o deixam "completo", ou seja, ele vem com tudo o que o modelo pode oferecer, menos alguns itens que acho importantes e citarei mais adiante.

O porta-malas é bem espaçoso para o tamanho do carro e o encosto do banco traseiro é rebatível, o que quebra bons galhos para carregar objetos maiores. Outra coisa, mas que pode ser só impressão minha, é que achei o sedã mais silencioso, talvez por isolar acusticamente melhor a suspensão traseira, vantagem comum dos sedãs sobre os hatches.

Porta-malas de 490 litros, bom tamanho

Eu tinha que viajar para o interior e como me restavam algumas pequenas dúvidas com relação ao modelo aproveitei para pedir o carro.

Vamos lá.

Concluí que carro está certo para o público-alvo a que se destina. Algumas coisas não me agradam, mas agradam ao seu público; por exemplo, o fato de terem erguido em demasia a suspensão para adaptá-lo ao gosto do brasileiro-alvo.

Viajei sozinho, ao todo uns 800 km, carro vazio, e a sensação, mesmo na reta, é que o carro não é daqueles assentadinhos no chão. Não é nada de mais, o carro viaja bem, vai retinho, mas na estrada a gente fica imaginando como ele seria se estivesse na sua altura original de projeto, mais baixa. Certamente ele seria melhor estradeiro, mais relaxante do que é.

Mas, como disse no começo, o tal público-alvo gosta disso. Gosta de suspensão alta porque gosta de passar por lombadas sem nenhum cuidado e sem ter que reduzir marcha. Gosta porque não quer ter o cuidado de sair maneiro de casa para a rua, evitando raspar o bico, gosta porque acha na moda carro altinho etc.

Já eu, não, pois prefiro ter que ter alguns cuidados nas situações citadas, mas em compensação ter nas mãos um ótimo estradeiro, bem assentadinho, bem agarradinho no chão.

A suspensão – McPherson na dianteira e independente na traseira – é tão boa que suporta essa alteração de projeto. O carro continua, portanto, estável, mas poderia ser ainda melhor nas curvas e retas.

A eficiente suspensão traseira independente
A JAC Motors me disse que alguns jornalistas fizeram críticas quanto à rigidez da suspensão. Acharam muito macia. Queriam mais dura. Discordo. Pra mim ela está no ponto: firminha e macia, silenciosa, bem isolada, bom curso (mesmo tendo sido erguida), e dá sensação de robustez. Bom acerto. Lembra o acerto dos carros da Renault, Sandero e Logan.

Outra coisa igualmente dúbia é a relação final da transmissão. Pra mim a 5a. é um pouco curta. A 120 km/h reais (124 km/h no velocímetro) o motor vai a 3.900 rpm. Tudo bem, o motor é silencioso e suave, muito gostoso e animado, mas o galho é que 3.800 rpm é justamente a rotação em que o comando variável está abrindo o "segundo estágio", é justamente a transição onde o motor se empolga mais – não que ele seja xôxo abaixo disso. Então, para o meu gosto, seria preferível, e perfeitamente possível – pois o motor tem potência de sobra pra isso – que a 120 km/h reais ele girasse a, por exemplo, 3.500 rpm. Creio que ele viajaria mais suave e econômico.

Mas, o público-alvo gosta desse jeito que está, porque ele acha que ao pegar uma estrada a gente deve meter a 5a e subir e descer e ultrapassar e tudo sem reduzir marcha alguma, e assim curta ele responde realmente rapidinho em 5a mesmo.

Fazer o quê?

Então, quem o adaptou ao gosto do público-alvo o fez direito. Tanto o fez que as vendas estão superando suas expectativas.

Mas, se por um lado certas características do carro fazem com que ele não me satisfaça plenamente, outras me atraem; por exemplo, o motor. Ele, além de bastante econômico na cidade, é realmente empolgante, mesmo tendo só 1,3 litro de cilindrada. Anda e anda forte. Tem boa pegada e ronca gostosinho. Bom de baixa e acima de umas 4.000 rpm ele vira macho e fica bem divertido.

Então, como atender o público-alvo, que certamente não é um autoentusiasta, e também atender o autoentusiasta, que é minoria mas também é gente?

Volto a dizer o que disse na avaliação do J3: ele merece uma versão, digamos, mais esportiva, no caso, um modelo hatch com as tais faixas e um SS ou GT escrito. Bastaria trazer a suspensão à sua configuração original, mantendo a calibração que está, e colocar uma relação de diferencial um pouco mais longa. Não seria só uma 5a. marcha mais longa. Todas as marchas ficariam mais longas. Isso seria perfeitamente possível, já que o motor tem curva de potência de sobra pra isso.

Autoentusiasta, como disse, também é gente; e compra carro, e fala muito de carro, e vez ou outra, fora a família, tem gente que dá crédito ao que a gente fala.

Essa relação mais longa o faria mais econômico na estrada. Viajei com o carro vazio e fui tranqüilo, na maciota, sempre dentro da lei e praticamente sem puxadas agressivas, e achei que o consumo que apurei, 13,1 km/litro de gasolina, foi excessivo – consumo de carro com motor 2,0-litros. É a tal história de viajar com a rotação na faixa do comando de alta, acima de umas 3.800 ou 3.900 rpm.

E por falar nisso, na avaliação do J3 um leitor em seu comentário passou um link de uma filmagem onde o avaliador avalia que o J3 sofre para subir uma ladeira. Avaliei que não há fundamento algum nessa opinião e para tirar essa dúvida, mesmo que estranha, fiz as filmagens que seguem.

Portanto, ele pode, sim, ter todas as marchas um pouco mais longas. Acho até que ele faria o 0 a 100 km/h mais rápido, pois como está a 1a. acaba cedo demais.

Outras observações, além das já feitas na avaliação anterior:

+ Os retrovisores externos são enormes e dão ótima visão.
+ O banco traseiro é espaçoso. Dois adultos de 1,80 m se acomodam muito bem nele.
+ O som é bom.
+ Os pneus são bons no seco e na chuvarada pesada.
+ O carro freia bem e alinhado, sem problemas.
+ O ar-condicionado gela rápido e é fácil achar a temperatura ideal.
- Faz falta um relógio no painel.
- O cinto de segurança deveria ter regulagem de altura e não tem.
- O banco do motorista merecia ser mais aconchegante, macio e envolvente. Está meio comunista, meio menu à la prato-feito e não à la carte – em viagens longas isso faz falta. Merecia ter regulagem de altura, pois está muito alto pro gosto do autoentusiasta, e merecia ter regulagem do encosto por meio de rodinha em vez da alavanquinha, pois estão muito distantes os degraus entre um ponto e outro da inclinação.
- O volante bem que poderia também ter regulagem de distância e não só de altura, como tem, mas está bem colocado.
- O console invade e incomoda a perna direita. Bastaria nele fazer um recorte na altura de nosso joelho e a perna descansaria melhor.

Carro completo, a meu ver, é pra ter esses tipos de cuidados.

Em suma, o mais importante, antes de rodar bastante como agora rodei com o J3 e o Turin, se um amigo viesse me perguntar o que eu achava dele comprar um desses carros, eu diria que não, que não comprasse até que fosse melhor avaliado. É um produto chinês e, por vários motivos a maioria dos brasileiros, eu incluído, tinha uma certa cabreirice com relação a praticamente todos os produtos de lá provindos. Porém, hoje, eu diria que, se o JAC o agradasse, se ele preenchesse suas necessidades, tudo bem, que poderia comprar.

Em 1994, eu, contra a opinião da maioria, comprei um Hyundai Excel zero-km. Naquele tempo tínhamos a mesma cabreirice com relação aos produtos coreanos que hoje ainda temos com relação aos chineses. Antes de comprá-lo, ainda na dúvida, levei meu sogro – um ex-piloto que manjava muito de carro – para ver e andar no carro. Ele disse: "Manda bala! Pode comprar que o carro é bom".

Ele estava certo. O Hyundai rodou 320 mil km sem problema algum. A única coisa que quebrou foi uma lâmpada de cortesia que queimou. Ele só parou porque uma senhora taxista sem noção saiu de uma travessa e cruzou a minha frente sem me dar chance alguma de frear o bastante ou desviar. Deu PT.

Agora, se o JAC vai agüentar tudo isso, só o tempo dirá. Por enquanto, nada indica que não.

A China está formando 50 vezes mais engenheiros que o Brasil. Está consumindo de 30 a 40% do ferro e do cimento do mundo. Em seis anos construiu 7 mil km de ferrovias para trens-bala. Porque raios achamos que sabemos trabalhar melhor que eles?

Eles são muito mais práticos e objetivos que nós. O chinês não é trouxa. Sua postura é humilde, a postura de quem quer aprender, e ele aprende e põe em prática. Quando erram, imediatamente consertam, e não mais cometem o erro, e isso resulta numa contínua evolução. Vários setores da indústria já estão exclusivamente nas mãos dos chineses e não há como competir com eles.

Eles evoluem focando abocanhar setores cada vez mais sofisticados, e conseguem, claro.

Lá eles perguntam: “Quem é o melhor desenhista de carros?”... “Um tal de estúdio Pininfarina, italiano.”... “Tudo bem, contrate!”.... “Quem é o melhor projetista de motores, os mais modernos?”... “Tem um escritório de engenharia austríaco que está projetando motores pra Audi.”... “Tudo bem, encomende com eles um projeto assim, assim...”

Lá eles debulham uma máquina e pesam cada item; tanto de ferro, tanto de alumínio, tanto disso e tanto daquilo. Levantam o quanto ela custa de material e a esse valor acrescentam 30%, que é seu custo e lucro pela industrialização. Pronto! Esse será o valor de venda da máquina.

A carga tributária total é de só 17% sobre o produto final, pois a cada etapa do processo é descontado o imposto, de mesmo percentual, 17%, que foi pago anteriormente na cadeia produtiva.

Máquinas industriais que aqui não se consegue produzir por menos de R$ 60 mil, lá são vendidas por R$ 10 mil. O importador, mesmo pagando enormes taxas de importação e frete etc., coloca grande margem de lucro e ainda vende por, por exemplo, R$ 50 mil, e quebra as pernas do produtor nacional.

Creio que o mesmo acontece no setor automobilístico, e os importadores têm muita gordura pra queimar, e só não baixam mais seus preços por ainda não ainda terem a infraestrutura para atender a demanda que haveria.

No Chile, por exemplo, hoje praticamente só são vendidos caminhões chineses, e olhe que lá o caminhão tem que ser bom, porque enfrentar os Andes não é moleza. Não sei porque os caminhões pesados deles ainda não entraram aqui. A JAC é antiga fabricante de caminhões e começou a fabricar automóveis há só 3 ou 4 anos.

É bom a gente ir se mexendo – se já não for tarde demais pra isso –, senão só nos caberá produzir comida e exportar produtos básicos pra eles, além de desfilarmos sambando bonitinho diante dos camarotes deles no Carnaval.

Tung-xxtung-tung-tung-tum-tum!!

AK


126 comentários:

  1. Desde a 1ª vez que vi os carros da Jac, me bateu uma vontade de que eles dessem certo, de que fossem bons, eu passei a confiar neles, esperando que eles colaborassem para melhorar o mercado mafioso da industria automobilistica brasileira... Até agora, não me decepcionaram. O problema é que brasileiro se acha o melhor do mundo, e por isso vou proclamar esse parágrafo ate que isso mude:

    A China está formando 50 vezes mais engenheiros que o Brasil. Está consumindo de 30 a 40% do ferro e do cimento do mundo. Em seis anos construiu 7 mil km de ferrovias para trens-bala. Porque raios achamos que sabemos trabalhar melhor que eles?

    Simplesmente perfeito.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com sua opinião, AK!

    Essa história de que produto chinês não presta, é meio conversa fiada.

    Particularmente não gosto deles. Acho eles algo meio "sem sal". Tudo muito dentro da média.

    Mas estão aí para brigar com "nossa" indústria. Nossa naquelas, não é mesmo?!?

    Vejamos se eles montam uma boa infra para distribuição de peças, ao contrário de uma "quase centenária" Ford.br, por exemplo. Tenho 3 Fords em Casa (Focus 10, Courier 05 e Belina 89) e sou "mais uma vítima" da aparente falta de vontade em distribuir peças pelo "continente tupiniquim".

    Tomara que eles não fiquem somente no bom preço.

    ResponderExcluir
  3. O absurdo total de dizer que o JAC não sobe ladeiras foi dito pelo blog Noticias Automotivas - que se intitula o melhor site automotivo brasileiro.

    ResponderExcluir
  4. Não existe como modificar essa variação do coletor, seja mecanica ou eletronicamente?

    ResponderExcluir
  5. E se o carro em que o teste do outro site foi feito tinha algum problema? Dizer que é um absurdo é ingenuidade, ninguém sabe como aquela unidade estava. A pessoa avalia o carro que tem na mão, se ele não sobe, não sobe.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Arnaldo, excelente matéria. Como diz o velho ditado "O pior cego é aquele que não quer ver".
    Eles chegaram sim, e em vez de ficar falando mal, algumas pessoas físicas e jurídicas deveriam tentar acompanha-los, ou pelo menos ter a humildade de tentar aprender com eles.

    ResponderExcluir
  7. Justamente por vir da China, acho que não seria muito difícil e caro para alguém importar os componentes para preparar um J3...

    ResponderExcluir
  8. Jamais compraria um carro desse aí, mas cada uma compra o que acha melhor para si.

    Agora, dizer que "Máquinas industriais que aqui não se consegue produzir por menos de R$ 60 mil, lá são vendidas por R$ 10 mil."

    Tá. Carga tributária, blá blá blá, margem de lucro, etc. Mas coloque um escravo ganhando uma merreca que voce monta tais máquinas com muito menos de 60 mil.


    Marco

    ResponderExcluir
  9. Bom, nunca vi o Notícias Automotivas dizendo que é o melhor site automotivo do Brasil. Eles dizem que são o maior blog automotivo do Brasil, o que é bem diferente.

    ResponderExcluir
  10. Carlos, que coincidência!
    Ontem eu li uma avaliação num jornal de Guarulhos que por acaso demonstrou isso que você disse:
    http://www.guarulhosweb.com.br/noticia.php?nr=42729

    ResponderExcluir
  11. Pois é Uber, duas avaliações diferentes dizendo que o carro é fraco na cidade, e o pessoal daqui dizendo categoricamente que não procede o desempenho ruim.

    Acho que o bom jornalismo deve sempre pensar duas vezes antes de falar mal de um colega de profissão que tem uma opinião diferente.

    ResponderExcluir
  12. Eurico Neves Jr.26/08/11 10:14

    O anônimo afirmou que a tal máquina de R$ 10 mil é fabricada por escravos.

    Melhor se informar sobre o custo de vida na China, antes de sair por aí escrevendo besteira, mesmo anonimamente.

    Tudo é relativo, já ensinava Einstein.

    Da mesma forma, os metalúrgicos alemães também consideram seus colegas brasileiros "escravos".

    E aí, como é que fica?

    ResponderExcluir
  13. Ótimo texto Arnaldo !!

    Brasileiro não aceita ser segundo colocado, mas raramente se esforça pra ser o primeiro, prefere que alguém chegue lá pra tirar vantagem disso depois.

    Se o JAC seguisse suas opiniões e se mudasse o painel de instrumentos, pra mim seria perfeito, e o melhor:

    NÃO É FRÉQUISPÁUER !

    Uma pena que isso não vai durar nem nele e nem no Cerato. :-(

    T+

    ResponderExcluir
  14. Eurico Neves Jr.26/08/11 10:18

    Arnaldo,

    Os caminhões chegam em breve, pode ter certeza.

    A JAC está construindo uma fábrica na Argentina:

    http://autoblog.com.ar/2011/06/la-automotriz-china-jac-levanta-una-planta-de-camiones-en-san-juan/

    Ademais, outras marcas chinesas já chegaram ou estão chegando, como a Sinotruk e a Shacman.

    ResponderExcluir
  15. Ôpa!

    Mais um afirmando categoricamente que o carro é bom. Eu. E eu não lí avaliação nenhuma em lugar nenhum. ANDEI com o carro.

    Além de andar, olhei o carro com olhos de achar defeito. Não achei nada que o desabonasse. Aliás, seu acabamento (qualidade das peças, montagem) provocou risada enquanto olhávamos (petit comitê). Fomos subindo o standart de comparação até chegarmos no Honda Fit, que achamos mais justo para comparação. Um bom parâmetro pra aferir isso é verificar as folgas de montagem das várias partes da carroceria (vãos entre portas e paralamas, por exemplo). Tanto menores, maior foi o cuidado no projeto e montagem.

    O motorzinho 1.300 é impressionantemente bom.

    Handling e performance feel superam a proposta do carro.

    No mais, o AK é um cara lúcido (bem como o BS e todos os colunistas deste blog) e no qual me baseio para comparar minhas impressões ao experimentar un coche nuevo. Não mudo uma vírgula do que ele nos conta sobre o J3.

    ResponderExcluir
  16. Mister Fórmula Finesse26/08/11 10:30

    O JC3 é interessante, já andei no bichinho e ele chega a empolgar mesmo como o AK declarou.

    O motor gira bem e te dá uma sutil patada nas acelerações, algo bem mais consistente que a aceleração de um Agile e outros 1400cm3 por exemplo, parece até um golzinho 1.6 com a diferença de respirar melhor em alta.

    Caixinha boa, um tanto espaçada no comando e a suspensão meio durinha em calçamento meio ferrado, mas um carrinho interessante mesmo.

    Essa média de consumo eu faço com Grand Livina, carregada, em sexta marcha indicando 3000 giros aos 120km/h. Realmente tá meio reduzido o chinês mesmo.

    Já tem email falando mal de JC3 achando absurdo que as revisões tenham que ser feita nas concessionárias (!!!????...onde mais? na Maserati?), que o motor é áspero em alta - mané que não soube fazer test-drive - e outras coisas que dão vontade de rir e nos obrigam a responder com propriedade.

    Mas enfim é isso; sim...o Brasil não têm mais condições de produzir tops de linha e tudo virá do México e China em pouco tempo, nos especializamos em produzir carros de pouco valor agregado.

    ResponderExcluir
  17. não tenho nada contra o NA, são bem intencionados, mas mal sabem escrever direito.....
    Ass. Arildo Silva

    ResponderExcluir
  18. Carlos,

    Não vi quem fez a filmagem onde o JAC sofre na ladeira. Não conheço o sujeito, não sei quem é e não me interessa quem seja.
    Se eu deixo essa passar os meus leitores ficam com opinião errada, e só tenho compromisso com os meus leitores e mais ninguém, seja indústria, seja outro jornalista, seja lá o que for.
    Quem cala, consente.

    ResponderExcluir
  19. Tenho certeza que muita coisa vai acontecer ainda.

    Uma coisa que acho absurdo é a desvalorização da moeda Chinesa, pra mim uma das coisas que está puxando a crise mundial é a China, as grandes fabricas estão todas se mudando para lá.

    ResponderExcluir
  20. Concordo com o Euriico Neves sobre a opinião do "anônimo"... o cara tá precisando se informar.
    Quem acredita que a China ainda usa trabalho dito "escravo" deve ser o mesmo tipo de pessoa que pensa que quem fizeram as pirâmides foram seres alienígenas.

    ResponderExcluir
  21. Isso sim que é avaliação! Obrigado, AK por mais uma!

    Sei que o JAC está sendo muito bem visto. Mas o acho feio, principalmente a traseira (hatch).
    Estou de olho nesses chineses mas acho que se eu for trocar meu carro para um melhor, buscarei um velhinho europeu, top, em desvalorização.
    Os novos chineses ainda não me empolgaram, os atuais do mercado são demasiadamente caros...pego um europeu usado, rodado e bem cuidado e vou ser feliz.

    ResponderExcluir
  22. a china vai dominar o mundo, não tenham dúvida, mesmo que a competição seja desleal, fazer o que, o mundo a reconheceu como economia de mercado.e já existe caminhoes chineses no brasil sim, a SINOTRUCK cresce a cada dia com produtos 30% mais baratos que um similar nacional, além da schakman que começará a vender por aqui. tamo fu....

    ResponderExcluir
  23. Anônimo abolicionista,

    O que importa é o poder de compra. Na China vc compra uma moto 125 cm3 por R$ 800,00 e assim por diante. Transporte público baratíssimo, etc.
    Escravos somos nós, brasileiros, que trabalhamos 5 meses do ano pro governo e não recebemos nada em troca. Isso sim é que é escravatura.

    ResponderExcluir
  24. Aléssio Marinho26/08/11 11:16

    AK,

    O que importa é se o carro te atende e satisfaz as suas exigências.
    Não de onde ele vem.
    O preconceito que ainda está arraigado em algumas pessoas provoca isso. Essa época de que "carro é só volks", "bom é ford" e etc, já passou.
    Por puro preconceito perdem a oportunidade de terem bons produtos, as vezes melhores até que os lideres de mercado.
    E os líderes se encarregam de divulgar qualquer coisa contra os novos competidores.
    Isso é terrorismo marketeiro de baixo nível.
    Lembra do que falavam da Fiat no ínicio?
    "Fui Iludido, Agora é Tarde"
    Hoje um 147 é disputado a tapa.
    Levou 25 anos pra Fiat conseguir ser líder de mercado, posição que ocupa a 10 anos.
    Enfim, como autoentusiasta, respeito profundamente o trabalho dos engenheiros que queimam fostato tentando agradar a todo mundo.
    Independente dele ser Brasileiro, Alemão ou Chinês.

    ResponderExcluir
  25. Sacco,

    não há nada de errado no motor. Deixe-o como está. É só mudar a relação de marchas que tudo fica certinho.

    ResponderExcluir
  26. Arnaldo,
    Gostei muito da avaliação e desde que vi esse carro pela primeira vez, percebi uma certa semelhança com o Ford Fiesta Rocam. E eu o acho bonito por isso.
    Quanto a comprar carro chinês, eu penso que ainda é cedo para aventurar, mas como eu poderia criticar, se já tive um Corsa 2002, 1,8 que comprei novo e era "bonitinho, mas ordinário?" Tive problemas e mais problemas com aquela geringonça. E paguei caro por isso.
    Quanto a China um dia dominar o setor produtivo é uma questão de tempo, mas tenho uma pergunta: Porque as lâmpadas que compro para minha casa, as fabricadas no Brasil duram quase cinco vezes mais que as chinesas?
    Outra pergunta: Que carro você tem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por uma razão muito simples, a voltagem da nossa rede elétrica é : 127 Volts e essas lâmpadas são para 110 Volts,portanto mais de 10 % de acre´scimo no funcionamento e a redução da vida util.

      Excluir
  27. Aléssio Marinho26/08/11 11:26

    Quanto ao Jac, começo a ver o produto com bons olhos, por causa das opiniões publicadas por ai.
    Mas ainda fico com um pé atrás por causa do pós venda, o que mais me preocupa quando compro um carro.
    Mesmo com toda a estrutura que o Sérgio Habib oferece, ainda tenho receio de não conseguir peças pra um chinês.
    Fui na Chery e fiquei surpreso com o QQ, pelo espaço interno, facilidade de acesso pra um sujeito do meu tamanho, e com o andar do carrinho. Muito bom!
    Faz tempo que namoro um furgãozinho chino, como a Chana ou Towner. Vou no ponto de venda, dou uma volta, mas quando sento com o vendedor e peço pra ver o plano de manutenção e o preço de algumas peças, como filtros, pastilhas, etc, nunca me respondem.
    Só não fechei negócio por esse "pequeno" detalhe.
    Melhorando isso, compro um chinezinho sem medo.

    ResponderExcluir
  28. Só testes de longa duração podem dizer se esses Jacs merecem alguma confiança. Quanto aos Hyundais importados no início do Plano Real, entre 1994 e 1996, de fato estavam num patamar acima dos carros nacionais da época, mas o que foi que aconteceu de 96 em diante? A coreana deixou os consumidores na mão, suas autorizadas fecharam e ela só foi retornar ao país nos idos de 2006/2007, pela mão da CAOA. Vai um JAC? Por enquanto não, seu garçon.

    ResponderExcluir
  29. AK
    Sobre o carro me dispenso a fazer comentários, não conheço, não andei e nem me chama atenção. Mas, e aqueles capacetes lá? Por onde andastes? Ai que saudade que eu tenho de andar de moto...

    ResponderExcluir
  30. AK, sobre a sua resposta ao Carlos, aproveito para lhe agradecer por esclarecer essa polêmica. Por isso, prefiro procurar outras opiniões aproveitando essa facilidade que a internet oferece.
    Agora, a única coisa que realmente me impede de ter um JAC é o bolso.
    Vou esperar pelo J2 que dizem que terá o mesmo motor do J3.
    Isso pode ficar interessante...

    ResponderExcluir
  31. MUito boa a avaliação do carro e, de quebra, a avaliação do nosso país tbm...
    E vale lembrar que fechar o mercado não adianta nada, temos sim é que "Profissionalizar" o Brasil e nos tornarmos competitivos.

    ResponderExcluir
  32. Evandro, não ser "fréquispauer" já não quer dizer mais nada. Veja isso aqui: http://www.youtube.com/watch?v=2DoiMmHmNe4

    ResponderExcluir
  33. jackie chan26/08/11 12:21

    Já que citou máquinas industriais, gostaria de acrescentar que máquinas operatrizes deles (tornos, frezadoras, etc.), apesar de custarem bem menos que os nacionais Romi ou importados de outros países, estão muito longe de terem a mesma qualidade. Muito longe mesmo.

    ResponderExcluir
  34. Olá Arnaldo,

    Eles já chegaram mesmo, de carro e de caminhão (de uma olhada nos links abaixo), e aproveitando a imagem dos capacetes acredito que logo logo as motos e scooters chinesas desafiarão a gigante Honda no Brasil.

    http://www.noticiasautomotivas.com.br/foton-montadora-chinesa-chega-ao-brasil-e-quer-vender-6-mil-caminhoes-por-ano/

    http://www.revistamt.com.br/index.php?option=com_conteudo&task=viewNoticia&id=1207&__akacao=491591&__akcnt=3abb19c9&__akvkey=b322&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Informativo_eletronico_NEWS_REVMT22062011

    http://www.sinotruk.com.br/

    ResponderExcluir
  35. Também torço pros carros chineses derem certo.
    Mas não acho que ficar com o pé atrás seja preconceito ou chatice. pra mim é prudência.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  36. CCN141,

    não entendo patavina de lâmpada.
    Tenho um Escort 16V 1998, uma delícia de carrinho e não o troco porque não acho outro que seja mais gostoso de guiar. Minha mulher tem uma Scénic para viajarmos nos fins de semana.

    ResponderExcluir
  37. Caio Cavalcante26/08/11 12:26

    Arnaldo,

    Sua proposta de versão esportiva vai dar um nó nas cabeças do marketing por aqui:para elas, versão esportiva tem que ter câmbio mais curto.

    No mais, boa avaliação e grandes palavras no final do post. Como disse o grande economista Antonio de Castro, morto no último domingo, o Brasil tem que se reinventar para competir com a China. Não adianta tentar fazer melhor que os chineses, pois na otimização eles são imbatíveis. Temos que buscar a inovação.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  38. Sr. Nemo (cozinheiro)26/08/11 12:27

    Me desculpe Arnaldo, mas os caras do Noticias Automotivas (Eber e Moriah) são dois idiotas, que nao tem um minimo de cultura automobilistica.



    Eu vou falar a verdade sobre o NA: o compromisso deles é quantidade (e nao qualidade), eles tem patocinadores que pagam por cada page view, entao o compromisso deles é com o $$$ dos patrocinadores (que pagam anuncios) e nao com a verdade dos fatos.
    Se o Sergio Habib comprar um anuncio no NA eles vao dizer que é o melhor carro para subir ladeiras, o melhor carro para andar aqui em Belo Horizonte.

    Eh muita falta de vergonha na cara. O Eber eh o Luis Nassif da imprensa automobilista e o Moriah eh o Paulo Henrique Amorim, editoriais na base do $$$$$$$$

    ResponderExcluir
  39. Sinceramente vejo as coisas de um ponto de vista diferente, se esse carro agüenta o tranco na China porque não agüentaria no Brasil? Vale lembrar que a maioria dos chineses não sabe dirigir direito, que em muitas vezes o carro anda com sobrecarga, o asfalto de varias regiões é pior que o nosso... Se ele resiste na China, porque ele não resistiria no Brasil?

    Quanto a suspensão eu prefiro alta mesmo, não por questão de gosto ou porque não tomo cuidado, mas minha minha região existe muitas lombadas e a maioria é irregular... Pense numa lombada de 30cm de altura e 20cm de largura! São lombadas secas e quadradas, muitas são feitas pelos próprios moradores. Para visitar meus parentes, do momento que eu saio da rodovia até chegar na casa deles eu passo por 25 lombadas (sim, eu contei) num trajeto de uns 5km, a maioria alta e quadrada, se coloca mais peso no carro é uma raspação nas lombadas sem fim. No entanto é questão de gosto e uso, não custaria muito para os fabricantes disponibilizarem dois kits de suspensão.

    ResponderExcluir
  40. Aléssio,

    O Habbib é um leão. Ele sabe melhor que a gente que se ele falhar no pós-venda ele se estrepa feio.
    Não acredito que ele faça essa besteira.
    Quanto aos outros produtos chineses, não sei, não avaliei, não posso dizer absolutamente nada.

    ResponderExcluir
  41. Jackie Chan,

    o que vc diz não bate com o que o meu amigo diz. Ele produz essas máquinas industriais e disse que eles estão no mesmo nível ou melhor.
    Creio que vc está defasado. A evolução deles é rápida. Não adianta tapar o sol com a peneira. É bom conhecer a força real do inimigo, se pretende enfrentá-lo.

    ResponderExcluir
  42. O gozado é que quando o J3 foi lançado, a JAC anunciou no NA por 30 dias, Sr. Nemo, e mesmo assim eles não falaram mentiras sobre o carro. Acho que dessa vez você exagerou demais nas críticas... é muito fácil chamar alguém de idiota a distância assim.

    ResponderExcluir
  43. FVG,

    é que no dia seguinte faríamos o rali dos autoentusiastas em Interlagos, então peguei uns capacetes velhos na fazenda pra levar de sobra pra algum que na certa esqueceria ou não teria como arranjar. Acabei emprestando dois pra outros que estavam lá. Os autoentusiastas levaram os deles.

    ResponderExcluir
  44. Que me perdoem os outros blogs, mas confio muito mais nas avaliações e impressões da equipe do Auto Entusiastas. O pessoal aqui conhece o assunto mesmo, sabe do que está falando. O vídeo do AK com o J3 subindo a ladeira ilustra bem isso, eu sinceramente não vi nenhuma dificuldade ali.

    ResponderExcluir
  45. Sr. Nemo (cozinheiro)26/08/11 13:09

    Carlos, mais fácil do que chamar os caras do NA de idiota é constatar que são verdadeiros idiotas. Mais fácil ainda é o trabalho deles: publicar idiotices.
    Graças a Deus temos pessoas isentas na blogosfera. O NA não eh isento e voce tambem nao e, pois sabe ateh o numero de dias em que o anuncio da JAC ficou no NA (se eh que ficou).



    Voce deve ser o Eber ou o Moriah, qualquer um dos dois, ainda tem que comer muito feijao pra chegar ao nivel de um Bob Sharp, Arnaldo Keller, Paulo Keller, Juvena Jorge André Dantas e toda a equipe.

    ResponderExcluir
  46. Tubarão,

    Muito bom o vídeo, mas tem uma coisa que não consideraram no teste: a qualidade da gasolina de hoje, com 25% de álcool, com a gasolina de 1993 que tinha o que, 12, 15% ?

    Isso falando por alto.

    Infelizmente por aqui o Governo não implementa medidas como os EUA fizeram "obrigando" os fabricantes a baixar o consumo dos veículos, além de baixar a poluição, aumentar a segurança e as papagaiadas todas que estamos carecas de ouvir.

    Aí concordo com o Bob num outro comentário do blog que, algumas resoluções feitas aqui poderiam seguir uma linha de pensamento bem diferente e serem muito mais benéficas para a população.
    Mas com a enorme vontade política e alto nível de altruísmo de nossos parlamentares..

    --

    Arnaldo, obrigado pela foto indiscreta do carro, ali fica claro o porque da trave entre o porta malas e o banco.

    ResponderExcluir
  47. jackie chan26/08/11 13:15

    AK, pode ser que eu esteja realmente defasado, mas pode ser também que não estejamos falando sobre as mesmas máquinas, do mesmo segmento. Mas, deixando de lado as máquinas e simplificando a questão, um bom exemplo é o rolamento, de esferas ou de roletes, que vai aos montes nos nossos automóveis inclusive. Os chineses não oferecem produtos com a mesma qualidade das tradicionais NSK, SKF, INA/FAG, Nachi, etc..

    ResponderExcluir
  48. Sim, realmente, pra alguém defender os caras de lá, só se for um deles mesmos né... afinal, não tem ninguém que acessa o blog dos idiotas... continue lambendo os editores sabichões daqui que você ganha mais. Lá eles ganham por pageviews e aqui por puxada de saco.

    ResponderExcluir
  49. Sr. Nemo (cozinheiro)26/08/11 13:31

    Pois eh Carlos (ou Eber ou Moriah), os caras tem "só" 40 anos de experiência (cada um), e voce mal chegou aos 20 (de idade), deve ter aprendido a dirigir outro dia desses e não sabe nem arrancar com um carro numa ladeira.
    Outra coisa: procura anuncio aqui no Aesiastas, nao vai achar, aqui ninguem tem o rabo preso, eh blog 100% independente, graças a Deus ainda tem gente responsavel e ética nesse meio automotivo.



    Vai lah ganhar o seu $$$$ facil, voce soh tem a sua credibilidade a perder. A vergonha na cara ja perdeu faz tempo.

    ResponderExcluir
  50. Se a China for mais como a Coréia, que cresceu reproduzindo os passos das indústrias de países líderes, sem nunca inovar em nada, irá estancar a alguns milímetros atrás, sem condições de ultrapassar. Mas se for mais como o Japão, que sempre foi bom em aprimorar o que as indústrias líderes estavam fazendo, desde quando ainda não era uma potência industrial respeitável, então a encrenca muda de dimensão.

    ResponderExcluir
  51. O NA é um blog que copia tudo de todos os sites. O pouco conteudo que eles geram, é pura porcaria.

    ResponderExcluir
  52. Arnaldo Keller;

    Muito bom sua avaliação! Só discordo num UNICO quesito: Altura em relação ao solo!

    Carro para andar no Brasil tem que ser alto senão pega embaixo independentemente do cuidado do motorista! Tive um Golf Mexicano e sei bem o que é sofrer com altura livre!

    Afinal, brasileiro nao tem rua asfaltada...Tem caminho asfaltado.

    ResponderExcluir
  53. Júnior Valias26/08/11 14:53

    Se o Arnaldo diz que é bom, é bom. Sou fã do cara desde os tempos do Primeiramão. Só não compraria esse J3 por causa do painel, que, segundo informações, não tem regulagem de luminosidade e que acho feio pra c....

    ResponderExcluir
  54. Se a China continuar a crescer e o povo de lá consumir como o americano, serpa necessário um segundo planeta Terra para suprir recursos naturais a eles.
    Sou mais pelo mundo do que pela China. Jamais comprarei um carro que venha de lá.

    ResponderExcluir
  55. Antigamente víamos tudo o que vinha da Coreia (e tinha coisa: de automóveis a roupas passando por todo tipo de eletrodomésticos) era tido como ruim, inferior. Hoje, vemos os produtos coreanos como de boa qualidade e os chineses como ruins.

    Realmente, as primeiras coisas que vieram da China eram ruins, e até hoje tem produtos de baixa qualidade vindo de lá, mas hoje a China consegue atingir um padrão de qualidade muito superior (superior até de algumas nações da América do Sul). Então, vamos aprender com eles, antes que seja tarde.

    ResponderExcluir
  56. Gustavo Cristofolini26/08/11 15:15

    jackie chan disse...
    Já que citou máquinas industriais, gostaria de acrescentar que máquinas operatrizes deles (tornos, frezadoras, etc.), apesar de custarem bem menos que os nacionais Romi ou importados de outros países, estão muito longe de terem a mesma qualidade. Muito longe mesmo.
    26/08/11 12:21

    Tem muita máquina operatriz por ai que da um banho em qualquer porcaria fabricada pela Romi. Digo isso porque sou (in)feliz proprietario de uma bomba chamada Injetora Romi Primax 200t. Acho absurdo o fato da Romi tratar seus clientes com descaso e desdém. Precisei uma única vez da assistencia dessa empresa e quase deu sangue quando o técnico chegou. Estou em contato com 3 ou 4 chinesas para trocar meu produto nacional. Posso afirmar com todas as letras que a China, no aspecto máquina operatrizes, não deve nada ao que é produzido no Brasil. O fato de ter o nome Romi escrito na máquina não faz dela uma boa máquina. Em tempo, ano passado adquiri um torno fabricado na China. Simplesmente show de bola.

    ResponderExcluir
  57. ao Juvenal Jorge,

    Por que o chinês não pode consumir como o americano? Por causa do planeta Terra?
    Eu acho melhor reduzir o consumo do americano, e não impedir o chinês de consumir. Lembre-se: a China é o único país do mundo com a lei do filho único (que deveria ser extendida a toda a Humanidade). Enquanto isso, os americanos continuam agindo como se fossem donos do Universo, consumindo e poluindo muito mais que deveriam.

    Juvenal, faça melhor: nunca compre um produto dos EUA.

    ResponderExcluir
  58. A China foi um país muito opressivo, sim, com mão-de-obra escrava, sim.

    Mas hoje não é assim. Quando nos falam em China, a primeira coisa que muita gente lembra é de Tian'anmen, em 1989. Mas isso faz 22 anos! Hoje, a China é outro país.

    Ainda é uma ditadura, mas hoje chineses podem ter telefones (em 1989 não), televisores e lotes de terra para plantar arroz (o sonho da maioria dos chineses). Os chineses de hoje diligentemente economizam para voltar ao vilarejo onde nasceram para comprar um sítio para plantar arroz.

    ResponderExcluir
  59. Parabéns pelo texto, muito bom e objetivo, sem rodeios. Nunca andei no JAC, mas todos que andaram falaram bem. Aqui no trabalho um colega comprou um J3... Diariamente, quando vou ao estacionamento fumar, fico observando o carrinho. Pude perceber que ele vem se deteriorando com os meses... As borrachas dos vidros estão soltando, os retrovisores tem um leve jogo, como se estivessem soltos, as maçanetas das portas também. Pude observar que a alavanca de câmbio entortou (espiando pelos vidros)... Por mais que o dono seja bração, acho pouco tempo para esses eventos. Em suma, o comportamento do carro parece bom, como disse, nunca andei e não serei leviano de fazer comentários sobre algo que não conheço, mas as impressões que tive desses detalhes de acabamento me deixaram um pouco receoso quanto à durabilidade do carro. De todo modo, salvo carros de maior preço, continuo preferindo os Chevrolets dos anos 90... tenho um fraco pela gravatinha... Andar de Omega CD 3.0 por R$ 11.000,00 e mais uns R$ 3.000,00 para deixar ele zero é algo que considero fantástico.
    Abraço a todos,
    André Malzoni

    ResponderExcluir
  60. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  61. Concordo plenamente com o comentario de André Malzoni acima. A proposito, meu velho Chevrolet 2.0 "monzatec" à gasolina tem feito consistentemente 14km/l na estrada, dentro dos limites de velocidade estabelecidos. Isso porque ele tbm padece da sídrome do câmbio curto.

    ResponderExcluir
  62. Daniel Shinomoto,

    praticamente todos os carros brasileiros são mais altos que os que são fabricados aqui e vão pra fora. Peguei um Corolla na Argentina, fabricado aqui, que era mais baixo, ou seja, estava na altura de projeto.
    Até aí tudo bem, mas acontece que o J3 está alto demais. Exageraram na erguida.

    ResponderExcluir
  63. Juvenal Jorge,

    Há 200 anos o Malthus predisse que não teria comida pra todo mundo, dada a progressão geométrica do crescimento da população. O que ele não previu foi a Revolução Verde, novas tecnologias para produzir alimentos, que levou sua teoria por água abaixo.
    Novas tecnologias virão, carros elétricos virão, energia eólica já veio, etc já veio. Sossega que o homem acaba dando um jeito.

    ResponderExcluir
  64. Pai,
    Gostei do carro, mas achei o teto baixo. Eu que tenho quase 1,80m senti um desconforto em relação a isso. Acho que os chineses deveriam ter dado uma aprimorada, ja que a população brasieira é mais alta que a chinesa no geral(eu acho!). Agora uma pergunta, como um carro, de desenho italiano, consegue fazer uma painel tão brega? Fora que eu achei o seu design sem a harmonia que geralmente os carros da pininfarina tem.

    ResponderExcluir
  65. André Malzoni,

    tem dessa. No post eu disse que só o tempo pode dizer se o bicho vai aguentar.
    A gente, com uma semana com o carro, não tem como dizer.
    O que sei é que os carros só embarcam pro Brasil após uma vistoria de gente do Habbib que está lá. Se ele tomou esse cuidado é porque não confia cegamente que todos saiam 100% em ordem do forno. Não é?

    ResponderExcluir
  66. Esses carros da JAC que estão sendo trazidos para o Brasil, nenhum deles figura entre os 50 carros mais vendidos no mes de Julho, na China. Quando não se consegue vender bem nem no seu próprio mercado interno, algo não vai tão bem assim...

    ResponderExcluir
  67. Dona Guga,

    filha, no post, que vc não deve ter lido, já que nunca tem tempo pra nada, eu pedi regulagem da altura do banco, mesmo porque do jeito que está não posso sair guiando de cartola pra ir pros concertos. Então, terei que continuar saindo com o nosso velho Rolls-Royce nessas datas.
    O painel também achei brega e quando vc o guiou bem observou que a luz dele é muito forte e não reduz a luminosidade quando acendemos as lanternas. Isso é defeito, sim.
    Parece que a Pininfarina só ajudou no design, deu uma assessoria. Isso não ficou bem claro pelos releases da JAC Brasil. Mas, filhota, se for ver ele entra na média do que temos aqui. Lindo mesmo só o teu Alfa 145. O resto é carro da plebe. Mas fique quieta porque vc andou anos de Escort 16v, que hoje é meu, e esse é feio pra daná.

    ResponderExcluir
  68. Ok, porem tenho minhas ressalvas: É uma marca nova em relação a maioria, não tem identidade e ainda esta "descobrindo" as coisas, tendo que vender para aprender, e experiencia não se comprar em lugar nenhum, e outra é que essas marcas chinesas e coreanas não tem identidade própria e nem cacife no mercado, ninguém tem orgulho de ter um Hyundai, Kia ou um JAC que seja. E entraram na panelinha de super-lucros muito mais fortemente que qualquer outra já sonhou em ter no Brasil !

    Na minha cabeça eu ainda e no fundo da maioria das pessoas, AINDA INSISTO QUE AS GRANDES MARCAS CONHECIDAS E DE RENOME NOS RESPEITEM E TRAGAM CARROS MELHORES E COM O PREÇO CONDIZENTE COM A REALIDADE MUNDIAL.

    ResponderExcluir
  69. ANõnimo das 16:34,

    A JAC produzirá este ano 650 mil automóveis e isso é carro pra burro para uma só fábrica.
    O título do post diz tudo o que eu queria dizer. Ele serve de alerta para que não desprezemos os carros delá simplesmente dizendo "Deixa eles pra lá, é tudo bosta, não oferecem perigo".
    Nem tudo de lá é bosta e alguns já oferecem perigo, sim.
    Foi por isso que me interessei pelo carro, pra saber o tamanho da encrenca que temos pela frente.
    Não estou defendendo o produto nem nada. Só quero alertar o nosso leitor.

    ResponderExcluir
  70. Então, a julgar pelo ranking de vendas por lá, as marcas "ocidentais" são muito mais "encrenca" para eles, do que as marcas chinesas são para "nós"...

    ResponderExcluir
  71. Relembrando um pouco da história...nos EUA dos anos 70, a "JAC" chamava-se Toyota e o J3 chamava-se Corolla...

    Sejamos menos preconceituosos e como entusiastas, deixemos os preconceitos de lado. Podemos até não comprar (como eu não compraria nem um JAC muito menos um City ou Corolla ou mesmo uma Hilux, mais meu estilo) mas não subestimemos!

    ResponderExcluir
  72. A diferença é que eles estão tentando vender seus "corollas" aqui, porque nos EUA, é complicado... E acho bem improvável que os chineses venham, a médio prazo, na balada dessa ascensão, inventar um novo segmento de veículos, como os japoneses fizeram com as pickups médias nos EUA.

    ResponderExcluir
  73. Anônimo das 16:56,

    a que mais vende lá é a GM, mas a GM de lá tem grande participação acionária do governo e é obrigada a ceder tecnologia.
    Foi assim que eles aprenderam a fazer carros, além de copiar na cara-dura, desmontando e copiando sem dar a mínima para patentes, etc.
    Lá o governo incentiva a indústria nacional e aqui, o que faz? Só suga.
    Lembra da música do Frank Sinatra? "Don't you know, little fool, you never can wim. Use your mentality, wake up to reality"
    Do jeito que vamos, é improvável que não sejamos engolidos.
    Touro a gente não peita. A gente toureia.

    ResponderExcluir
  74. jackie chan26/08/11 19:24

    Ao Gustavo das 15:15, não entendo nada de injetoras, minha experiência com máquinas foi com tornos "carcaceiros" (torno típico de oficina) Romi, e Imor (mais antigo), além de frezadora universal de fabricação européia que não lembro mais o nome. Isso na década de 80, quando apenas esse Imor era velho, os outros eram novos. Muito boas máquinas, dava prazer em trabalhar com elas. Mais recentemente, tive o desprazer de operar um torno e uma furadeira-frezadora chineses, do mesmo segmento de aplicação, importados e distribuídos pela Atlas Máquinas (se não me falha a memória). Eita máquinas ruins, percebe-se logo que foram feitas "na pressa", chinese crap, como diriam os gringos..

    ResponderExcluir
  75. O que mais pega nos JAC é justamente o câmbio curto demais! Espero que resolvam logo essa questão. Como comparação, o novo Ka "frex" 1-litro da minha noiva, com (muito) menos potência e torque que o J3, mantém cerca de 4000 rpm a 120 km/h reais.

    E não tem saída, os carros chineses causarão a mesma revolução que o japoneses provocaram nos anos 70, como já dito por alguns. É como o Arnaldo disse, os caras estão aprendendo e muito rápido a fazer bons produtos.

    Mesmo os coreanos já nos deram um "olé", e não apenas em termos de carros. Se for verificar o número de artigos científicos e patentes publicados anualmente pela Coréia e pelo Brasil, dá vontade de fazer as malas e mudar para outro lugar. Sem falar dos produtos Samsung, verdadeiros "tanques de guerra" em durabilidade, sem deixar de lado a qualidade. E nóis, terrinha do futebór e carnavar, à exceção da Embraer, sequer temos empresas genuinamente nacionais de tecnologia. Triste...

    ResponderExcluir
  76. Road Runner

    Engano! O Brasileiro é muito criativo, inventivo, e inteligente. O que mata é a falta de apoio em todos os sentidos, desde o financeiro até a valorizaão nossa mesma!

    O Brasil, por exemplo, venceu sem dinheiro e grandes recursos financeiros em pesquisa, diversas etapas para o conhecimento d=no Enriquecimento de urânio.

    Exploração de petroleo em águas profundas? É com a Petrobras gostem da estatal ou não!

    Medicina? O Brasil tem médicos e pesquisadores excepcionais. Pena que a maior parte deles vai embora ou desiste no meio do caminho.

    Economia? Gostem ou não o Brasil é o unico pais que tem experiência com a inflação! Inclusive a automação bancária, da receita federal e nos controles do Banco Central sobre instituições financeiras o Brasil é exemplo até mesmo para os EUA.

    ResponderExcluir
  77. Arnaldo,
    Obrigado pelas respostas. Curiosidade mata, hehehe...

    ResponderExcluir
  78. Se tem um país que tem potencial pra competir com a China, é o Brasil. Opinião do Ozires Silva, e que também partilho.

    Só ver os dados sobre educação na China ou na Coreia do Sul, e ver onde está nosso principal erro.

    ResponderExcluir
  79. Se tiver máquina boa, dá para fazer carro bom. No Brasil não se dá muito incentivo para investir em máquinas, tanto que se usa muito "lixo" do exterior... Como as portas do Celta que saíram do Tigra.

    Infelizmente é essa a tendência, os carros chineses serem melhores que os brasileiros.

    ResponderExcluir
  80. Daniel,

    Você foi direto ao ponto, justamente a falta de apoio é que mata nesta terrinha. De toda a capacidade que o brasileiro tem, tudo tem que sair na marra, literalmente na raça, senão a coisa desanda.

    Estive por 2 anos e meio envolvido com uma empresa incubada na UNICAMP. É impressionante a qualidade de empresas de ponta que surgem nas várias incubadoras do Brasil, mas muitas (cerca de 80% - esse número dói de se ver...) morrem na praia por falta de apoio. E o pior é que muitas dessas empresas precisam de apoio mínimo para andarem com as próprias pernas. Sem contar o fato do próprio governo preterir equipamento de tecnologia nacional em prol de outro estrangeiro, mais caro e, em alguns casos, inferior ao similar nacional.

    ResponderExcluir
  81. É, AK, os chineses vieram para ficar e tomara que as promessas de fábricas aqui com aumento de portfólio se concretizem...

    Par hora, vou dar uma de abusado e fazer algumas sugestões, rs:

    - O AE não conseguiria algum modelo da Lifan para avaliação? Tenho curiosidade sobre essa marca que ainda não tem a mesma repercussão de Chery e JAC.

    - Gostaria de ler uma avaliação do Chery QQ aqui no AE. Analisei um numa concesionária, mas, por ter sido num feriado municipal, o test drive não estava disponível, mas, à primeira vista o carrinho me passou boas impressões, inclusive do bom espaço interno tendo em vista seu porte pequeno.

    - Avaliação de um modelo da coreana Ssangyong.

    - Ainda estamos esperando que você conte algumas histórias do "Gato Preto" aqui no AE!

    Grande abraço e parabéns pelo jeito sem rótulos para avaliar os carros.

    ResponderExcluir
  82. Tem como o senhor pegar o Chery Cielo pra testar?

    ResponderExcluir
  83. só um detalhe me chamou muito atenção: não acredito que não tenha relógio no painel. relógio nenhum? por acaso consumo instantâneo? consumo médio?
    qual seria o motivo pra não ter um relóginho?

    ResponderExcluir
  84. O problema de ser chines é justamente esse, todo mundo quer tudo pagando nada.

    ResponderExcluir
  85. Po pai, eu li o texto sim. E quanto ao escort era feio pra dana mas eu não paguei a metade do preço desse ai...

    ResponderExcluir
  86. Mesmo sabendo que a JAC fabrica carros há poucos anos, fico impressionado como é esta maravilha sobre rodas.
    Talvez sirva pra mostrar como nossa indústria é atrasada. Ao contrário do J6, esse tem um preço mais condizente com bolso do povo.

    ResponderExcluir
  87. Chenq Suanq

    Sou chines da província de Hainan, vivo no Brasil a 26 anos, e a realidade na china ainda não é muito diferente da propaganda que fazem ao mundo de que é um país renacido, evoluido. Muita coisa mudou por lá sim, viajo a cada 2 anos para ver meu familiares, mas em matéria de carros, para falar bem a verdade nossos produtos são para exportação, poucas pessoas compram lá, o que gostamos são os carros jáponeses e Alemães, que custam mais caros, uns 20% mas são muito superiores e tem boa revenda, mas aqui é esse disparate, o mercado aqui é péssimo para o consumidor. Minha opinião é para exemplifica que em matéria de carro, pelo que vejo no mundo ainda e bem firme. A mãe China é uma gigante sim, mas ainda precisamos evoluir na parte politica e social, como no resto dos países desenvolvidos e democráticos. O que me entristece e ver que nosso produtos poderiam ser vendidos muito mais baratos aqui e quebrar esse absurdo de mercado de super lucros, mas vi que pra vender carro aqui, tem que entrar na panelinha nacional, uma decepção para meus conterrâneos que foram de muita cede ao pote, como tudo neste país.

    ResponderExcluir
  88. Arnaldo, não precisa se desculpar pela filmagem. Experimente editar o arquivo no www.youtube.com/editor e use o recurso para estabilizar as imagens - o ícone é uma varinha de condão. O resultado é impressionante.

    ResponderExcluir
  89. ao Chenq Suanq

    Hainan é aquela ilha no sul da China, certo?

    Eu queria confirmar contigo algo, já que não conheço bem a China, só conheço aquilo que é mostrado para os turistas e negociantes estrangeiros. Mas me confirme: a China de hoje é um país completamente diferente, muito mais rico e livre, do que China de 1989, certo?

    Grato.

    ResponderExcluir
  90. Marlos e anônimo,

    depois desse JAC fiquei curioso e procurarei outros chineses. Podem deixar.

    ResponderExcluir
  91. Marlos,

    dei umas voltas num QQ. Sinceramente? Gostei. Tem sim alguns probleminhas de acabamento e ajustes, tal como a espuma do banco muito macia e parte do painel brilhante, que acaba por refletir no parabrisa. Mas como segundo carro, restrito ao trajeto urbano, ok. Apresenta alguma instabilidade direcional acima dos 80, mas como o exemplar estava com duas rodas dianteiras amassadas em virtude de uma viagem, pressuponho desalinhamento da direçao.
    Acho curioso as pessoas meterem o pau nos chineses sem ao menos conhece-los. Bom mesmo sáo os nacionais! hahaha...
    Teria um sem problemas, como segundo carro.

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  92. Arnaldo, desculpe minha ignorância, mas como você consegue medir a velocidade REAL de um carro e compará-la com a mostrada no velocímetro ?? Valeu.

    ResponderExcluir
  93. "Outra coisa: procura anuncio aqui no Aesiastas, nao vai achar, aqui ninguem tem o rabo preso, eh blog 100% independente, graças a Deus ainda tem gente responsavel e ética nesse meio automotivo."

    Pra babar o ovo das montadoras e só falar detalhes bestas dos carros, nem precisa disso. Pra provar que o carro é ruim e ainda fazer um vídeo enquanto tem um anúncio da marca na página inicial, é preciso ter BOLAS, meu amigo! Coisa que esses puxa-saco vendidos não têm! Estou pra ver os "entusiastas" descerem o pau em um carro cedido por montadora, e duvido que isso aconteça!

    ResponderExcluir
  94. Chenq Suanq

    Ao caro colega anônimo do 27/08/11 09:37.

    A china mudou pois abriu as portas ao mundo, antes era muito reservada e a vida muito dura, porem não é propaganda enganosa, mas obviamente não é um outro lugar com passam que esta mudado ou mais liberto, mas sim que esta aprendendo a evoluir como o resto do mundo, mas seguindo suas condições e governo, que eu não concordo e nao gosto, e essa não é minha opinião, mas sim unanime por minha terra, mas acredito que com o tempo e a questão evolutiva, as coisas melhorem e seja muito mais democraticas. Entendam que eu não sou desertor de minha mãe terra, mas sabemos que não é a forma correta de evoluir e crescer com saude um país. Mas uma boa parte do meu povo faz parte do governo, como funcionários ou militares, mas acho que poderia ser muito melhor a forma que vivemos lá.

    Grato pelo dialogo e me desculpe pela Off topic.

    ResponderExcluir
  95. Fui a uma concessionária Chery decidido a comprar um Cielo, o carro é muito bonito, acabamento muito bom, completo, o preço é razoável, poderia ser menor, mas não comprei porque não gostei da suspensão que tinha umas batidas secas e achei o motor muito fraco, pesquisei na internet e vi muita gente reclamando do desempenho.

    Tenho curiosidade sobre os carros da Lifan.

    ResponderExcluir
  96. Jacell,

    Sem essa de se desculpar. Estamos aqui pra ajudar.
    Bom, um carro a 60 km/h faz 1 km/minuto, então a 120 km/h faz 2 km/minuto. OK?
    Coloque o carro numa estrada meio livre tipo Bandeirantes e coloque-o a 120 km/h no velocímetro. Passe pelo marco de km e ande 2 km a 120 km/h. Isso deve dar 60 segundos. Se der mais -- e deve dar, pois a maioria dos velocímetros rouba dizendo que está a mais do que realmente está --, faça as contas.
    Costumo fazer 1 km/30 segundos e fazer as contas, o que é mais fácil.
    OK?
    É bom saber, pra viajar evitando multas.

    ResponderExcluir
  97. AK,
    Legal! Ficamos no aguardo...

    Lucas,
    Um conhecido, que entende bastante de carros, que testou falou que o carrinho é honesto, o desempenho dentro do padrão e o comportamento também dentro do esperado para a proposta. Devo voltar na Chery para fazer o teste...
    O que achei estranho foram algumas avaliações de algumas mídias (inclusive um jornal de grande tiragem aqui no Rio) malharem o carro por seu comportamento, sendo que eles pareciam esperar que o QQ fosse um esportivo e, parece, terem testado com tais parâmetros. Mesmo sem ter dirigido, o modelo me pareceu adequado ao transporte do ponto A ao ponto B com relativo conforto, sendo adequado a quem está com pouco dinheiro e não quer comprar um usado.

    Gustavo Barros,
    Nessa minha ida à revenda Chery, a vendedora falou em flexibilidade em combustível e ainda que há planos para um motor maior no Cielo, provavelmente o mesmo que equipa o Tiggo.

    ResponderExcluir
  98. Marlos, em relaçáo ao desempenho urbano, o do QQ dá folgado. O carro é espertinho, semelhante a um Mille. Tive a impressáo de que é mais ágil que um Celta. Na alta, acredito que o GM ande mais.
    Em relaçáo ao Cielo, vi um dia desses um vermelho. Que carro bonito! O preço já deu uma assentada, dá pra encontrá-lo por 41. Mas cá prá nós, com o Sentra sendo vendido 0Km a 46, é ruim pra Chery, hein! A uns 36 eu tenho coragem de levar o chines...

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  99. Se os chineses dominaram será culpa das fábricas safadas do Brasil que lucram muito. Um Gol 1.0 por R$ 30.000,00, um City ou Fit automático por mais de R$ 70.000,00, um Corolla SEG por mais de R$ 80.000,00, já não acho um Mercedes C180 por R$ 100.000,00 tão caro assim se for comparar.
    E culpa dos consumidores que compram esses carros sem custo benefício. E que também comprar Uno Mille antigo ao invés de Palio por causa de 1500 reais de diferença. Que comprar Kombi por quase 50.000 reais e assim vai. Compram Golf nacional, pseudo Peugeot 207.
    E a GM que se não bastasse promover Astra a Vectra e afins, também regride tecnicamente, a Montana nova é mais velha que a velha. Lançam o lixo e horrível do Agile como sendo melhor do que o Corsa, etc. E o povo compra esses carros com frente medonha e ainda gostam porque o Agile tem painel digital.
    E a Honda que não coloca xênon, teto e nem computador de bordo no Civic. E ainda rouba os air bags laterais e de cortina que tem no projeto original.
    E a Fiat que aposentou o Tipo e mandou as prensas pro Brasil e todo feliz que o Tipo ia ser brasileiro. Idem para Tucson brasileira, sendo que lá fora é a IX35. E od donos da Tucson que tem que trocar óleo do câmbio manual, coisa que nem Opala se faz. E os donos felizes com a garantia safada de 5 anos.

    ResponderExcluir
  100. Sr. Nemo (cozinheiro)28/08/11 02:16

    Anonimo das 15:54 (ou Eber ou Moriah, como queira)

    Vocês do NoticiasAutomotivas tem bolas sim! Bolas nas costas!


    Vocês praticamente não produzem conteudo algum, todas as fotos e textos sao chupinhados da internet.
    E quando sai alguma coisa de autoria de voces eh muito facil identificar: soh falam bobagem


    Sejam mais humildes. Aprendam a fazer alguma coisa que preste antes de abrir a boca, por enquanto voces nao tem cacife pra nada.

    ResponderExcluir
  101. "Anonimo das 15:54 (ou Eber ou Moriah, como queira)

    Vocês do NoticiasAutomotivas tem bolas sim! Bolas nas costas!


    Vocês praticamente não produzem conteudo algum, todas as fotos e textos sao chupinhados da internet.
    E quando sai alguma coisa de autoria de voces eh muito facil identificar: soh falam bobagem


    Sejam mais humildes. Aprendam a fazer alguma coisa que preste antes de abrir a boca, por enquanto voces nao tem cacife pra nada."

    [x2]

    ResponderExcluir
  102. Gastão Ferreira28/08/11 16:58

    AK,
    Muito bom o seu post.
    Resumindo,a JAC através da Marketing Genial de Sergio Habbib contribuiu para exterminar dois mitos, dignos de nota:
    - O carro flex;
    - O carro importado sem nome e tradição;
    Na minha opnião carro chines em qualquer tempo é como o pneu remold, jamais eu compraria, mas serve para balizar os preços.

    ResponderExcluir
  103. O duro é ver o Bob defendendo o Calmon q defende os bandidos da Anfavea...

    ResponderExcluir
  104. AK, acabei me esquecendo de perguntar nos comentários anteriores...
    A periodicidade de troca do óleo do motor é igual à do J6, 5 mil quilômetros? Você chegou a questionar sobre esse prazo, curto para os padrões atuais, e sobre a classificação e/ou composição da base desse lubrificante?
    Você também poderia, usando do seu pretígio, sutilmente sugerir a eles a tal versãozinha esportiva (com base no hatch), adotando, quem sabe, o motor do J6.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  105. em suma não existe indústria brasileira de carros, a única que existiu foi a Gurgel.
    pra mim carro é carro não importa o escudo que tenha na frente, quem faz o carro ser ruim é um dono relaxado, mas sempre existem excessões.

    ResponderExcluir
  106. Marlos Dantas, foi o que eu disse acima: Dão garantia de vários, mas a custa de manutenções de curto espaço de tempo. Já cho um saco levar carro a cada 10.000 km para revisão. E a MG que vai dar 7 anos, mas também com óleo a cada 5k km. O negócio é que até carros turbo em outros países se troca óleo a cada 30.000 km, velas a cada 60k km. Ponto para Renault que lançou o Sandero com troca de óleo do câmbio automático a cada 360k km.

    ResponderExcluir
  107. Ótima avaliação AK.
    Eu entrei em um turin tb e gostei bastante do que vi, bom saber que ele roda a contento... espero que o mercado local sacuda, uma leve baixa de preços já tenho visto.

    Bom só ficam dois pontos que não me fazem comprar um chines por hora, um consequência do outro, explico, tenho amigos que já foram a china sondar o mercado, um deles por exemplo trabalhava em uma industria alema de maquinas balanceadoras e o que ele me contou das industrias do ramo de lá foi pessoas que moram em condições precárias em vilas ao lado dos galpões onde trabalham 12...15hs/dia de pé ou agachadas, sem EPI's alguns, ganhando cerca 1 dolár por dia!

    Isto na minha opinião gera baixo controle de qualidade, uma peça pode sair boa mas a segunda não tanto, segue link de uma materia onde um carro igual a esse em outro avaliação depois de teste de frenagem o pedal de freio entortou!!! http://3.bp.blogspot.com/-FnNBOgzBO_8/TbWT_JpwtuI/AAAAAAAAEXc/rqVxTZHoWS0/s1600/%2525319258818.jpg :O Abçs

    ResponderExcluir
  108. Gerson Quincongo29/08/11 08:34

    "O duro é ver o Bob defendendo o Calmon q defende os bandidos da Anfavea..."

    [x2]

    ResponderExcluir
  109. Marlos, não estou com essa bola toda, mas não precisa de mais motor para termos um esportivinho divertido. Esse aí já anda direitinho. Só um pouco mais de chão, um banco mais moldado ao corpo e boa.
    Pedir demais, aqui no BRasil, é não levar nada.

    ResponderExcluir
  110. Eu ainda não li todos os comentários, mas só para polemizar um pouco, acredito que o sr. Nemo é o Uniblablabla usando outro nome...

    A educação pelo menos é a mesma!!!!!

    ResponderExcluir
  111. FGV,

    Compre uma moto e seja feliz! Eu tô tentando guardar uma grana para pegar uma HD usada, pois estava há 4 anos sem andar e um amigo me emprestou uma Road King por uma semana e foi como dar um garrafão de 51 à ex-alcoólatra...

    Já estou tremendo pela crise de abstinência da moto! hehehe

    - - - - - - - - - - - - - - - - -

    AK,
    Gostei da sua avaliação do J3 e acredito na sua opinião, mas não compraria um carro deste hoje por não concordar com o preço cobrado, o Habibão veio com muita sede e enfiou a faca!!!!

    Uma dúvida, como foi feito para elevar a suspensão deste carro? É reversível ou teria de adaptar molas ou outras peças?

    Abs e obrigado

    ResponderExcluir
  112. Alexandre,

    O Habbib é bom negociante. Se ele baixasse o preço não teria como atender a demanda.
    Certamente é reversível, sim, mas não sei como fazê-lo.

    ResponderExcluir
  113. Vamos aos resultados práticos; a QR está testando o carro em longa duração; este já deu 2 defeitos. Tudo bem; coisas simples que não deixariam o proprietário na mão, mas e a história do pedal de freio que entortou ? Não defendo os carros nacionais; os acho umas carroças recicladas e caríssimas e defendo a livre concorrência. Mas a chinesada ainda vai remar alguns anos para atingir um grau de confiabilidade razoável.

    Outra coisa. O Noticias Automotivas não é um blog técnico; não se vê muitas discussões sobre engenharia automotiva, concepção de motores, etc. o AE é muito mais técnico do que ele. A grande virtude do Notícias é a grande quantidade de...notícias; um dos blogs mais ricos neste ponto. Gosto dele por conta disto, assim como gosto do Bestcars (apesar de achar que o Editor tem um certo rei na barriga), bem como do AE e mesmo assim me permito discordar de suas opiniões. O BS acha carro 1.0 injustiçado, o Celta um bom carro e que antigo motor com compressor 1.0 da Ford um ovo de Colombo (para mim, beberrão e de pouco desempenho. Ainda assim, respeitando a sua opinião, o considero uma referência.

    ResponderExcluir
  114. Resultado prático é que minha cunhada comprou o J3 e com 2 meses já ficou 3 vezes na concessionário, sem solução nos apagões gerais elétricos e na ferrugem de fabrica em muitos pontos, e no acabamento de pouca durabilidade, consumo de combustível, suspensão batendo toda e 3mil km rodados.

    Ela entrou na justiça, e o pior é que descobrimos que muita gente esta tendo os mesmos problemas...

    ResponderExcluir
  115. Aômimo, é bem fácil vir aqui e contar histórias do carro do irmão do primo da cunhada do tio avô que ninguém conhece ou sabe se realmente existe...

    Veja como são as coisas, o Ágile que é o queridinho de alguns aqui já mostrou que além de muito feio, não é confiável mecanicamente e na qualidade dos serviços das concessionárias.

    De que adianta não dar problema elétrico e ter que fazer uma retífica aos 60 mil kms?

    Na certa os propriotários não se preocuparão com isso pois venderão os carros com 30 ou 40 mil km, mas quem for comprar o usado, pensará 15 vezes antes de encarar essa trolha que é o Ágile.

    E entre os dois, ficaria com o china que não é tão feio, e mais "barato".

    ResponderExcluir
  116. Alexandre VmL

    Nestes casos ai, então seja mais racional, não compre nenhum dos dois !

    Simples, caro colega.

    Até logo.

    ResponderExcluir
  117. Antonio,

    Como disse em algum post acima, não compro o china pois veio com preço superior ao que vale, mas numa hipotética situação que tivesse de escolher entre um dos dois...

    Estou guardando meu suado $$$ para comprar uma HD e realizar um sonho de moleque, portanto carro "novo" agora, nem pensar.

    ResponderExcluir
  118. A minha conclusão é que os chineses já estão suficientemente bons para abalar o mercado, e isso é bom para o consumidor, pois é uma pequena trinca no oligopólio.
    Não recomendo a compra de carro algum, fora o Ferrari Califórnia. Esse é um carro que todos deveríamos ter.

    ResponderExcluir
  119. A minha conclusão é que os chineses já estão suficientemente bons para abalar o mercado, e isso é bom para o consumidor, pois é uma pequena trinca no oligopólio.
    Não recomendo a compra de carro algum, fora o Ferrari Califórnia. Esse é um carro que todos deveríamos ter.

    ResponderExcluir
  120. O único motivo que eu não aconselho a compra de um chinês (minha tia quase pegou uma J6 nesse fds) é que não tem como garantir a permanência/qualidade da importação/manutenção deles.
    O Arnaldo teve um Excel em 94 e deve lembrar bem que a Hyundai picou a mula do país só retornando em meados da década seguinte... Meu vizinho tem até hoje um Elantra com centenas de milhares de kms, ótimo carro mas vale um saco de jujubas atualmente.
    Os Jac parecem ser ótimos mas ainda esperaria uma ano ou dois.

    Carlos Galto

    ResponderExcluir
  121. É. A China é uma maravilha. E o custo de seus produtos nada tem a ver com a ausência de legislações que protejam as relações de trabalho, o meio-ambiente, ou ainda à manutenção de mecanismos que visem diminuir os problemas sociais e a violação dos direitos humanos. Essa é só mais uma daquelas análises absurdas e irreais pelas quais a turminha aqui já se notabilizou... Aposto que uma prosa com base nesses argumentos seria motivo de riso até se a conversa se desse em meio a bóias-frias cortadores de cana. Mas aqui a coisa é tratada com uma seriedade tal que faz a gente questionar se educação formal ou nível sócio-econômico são assim tão relevantes na definição da capacidade crítica de alguém. No fim, parece que a formação acadêmica ou acesso à informação acabam fornecendo ainda mais subsídios para a "auto-ilusão" escolhida por quem quer conformar a realidade às suas próprias fantasias... Coisa séria. Digna de análise profissional.

    ResponderExcluir
  122. Os fabricantes nacionais já iniciaram uma reação visando oferecer, aos consumidores brasileiros, por um preço justo, produtos superiores aos ofertados por chineses e coreanos.
    " AUMENTO DE IPI EM 30% "

    ResponderExcluir
  123. MARCOS

    Assim como, pejorativamente comparavam novelas mexicana com as daquí, tiveram que engolir.
    E os chineses não estão chegando, Já chegaram, aliás até com bacalhau !

    ResponderExcluir
  124. carlos

    Espero que não aconteça com as carroças de marca LADA.

    ResponderExcluir
  125. OLá.... Gostei muito dos comentários..... Tenho um Jac j3 hatch já há algum tempo e estou satisfeito com o carro. O único senão foi o compressor do ar condicionado que deu problemas (armava e desarmava a cada 5 segundos), mas que já foi trocado em garantia, sem maiores questionamentos. Estou adorando o J3, pois anda bem, tem relativo conforto e sobe ladeiras sem problemas, inclusive com o ar ligado. Comprei o carro por achar um bom "custo X benefício" e não me arrependo.
    É isso ai.

    Marco.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...