Google+

18 de agosto de 2011

POLUIÇÃO SONORA

A primeira lembrança que eu tenho de um sistema de som automobilístico remonta ao Passat LS 1979 que meu pai teve no começo da década de 80: toca-fitas Pioneer TP 900, amplificador/equalizador Tojo GR 100 de não sei quantas faixas e quatro alto-falantes Arlen. Meu pai era um audiófilo e levava o assunto tão a sério que o sistema de som do Passat era na verdade uma extensão do que havia em nossa sala de estar.

E não era pouca coisa: um sem número de discos de vinil, que só giravam em picapes Technics com cápsulas japonesas e agulhas de última geração. Caixas Polyvox, toca-fitas de rolo Akai, equalizadores Cignus e litros de álcool isopropílico, com as almofadinhas próprias para limpar os discos e fitas. Foi uma das primeiras pessoas no Brasil a ter um CD Player Sony, para espanto das visitas, que ficavam sem entender como cabia tanta música em um lado só de um disquinho tão pequeno.

Cresci nessa ambiente, em que ouvir música era mais que um hobby: limpar os discos, curtir suas capas e colocá-los cuidadosamente no prato da picape era quase uma terapia. Apesar da potência dos sistemas de som, nunca vi meu pai ouvindo música em alto volume: o velho me explicava que o que realmente importava era a qualidade do som, o arranjo das caixas, os tipos de alto-falantes e suas respectivas freqüências etc. Cada tipo de música exigia uma afinação diferente do equalizador.



A música era, então, uma coisa muito pessoal, feita para se curtir no conforto de casa ou dentro do próprio automóvel, reservadamente. Mas infelizmente a indústria eletrônica tratou de promover potências cada vez maiores para os aparelhos de som residenciais e automobilísticos, equipamentos quase sempre adquiridos pelas pessoas que mais deveriam ficar longe deles: aquelas que não respeitam o próximo.

O resultado não poderia ser outro: não faz muito tempo, dois vizinhos em Minas Gerais (um policial federal e o outro policial militar) trocaram mais de 15 tiros e ambos foram baleados, após uma discussão motivada por som em volume excessivo. No trânsito, quase sempre há um babaca ouvindo ritmos populares de péssimo gosto no volume máximo ou um idiota guiando um "boom car" com 20 subwoofers capazes de fazer a terra tremer.

A última moda dos socialmente desorientados é comprar um celular que toque arquivos MP3, para infernizar a vida de quem anda de ônibus e metrô. E ai de quem chamar a atenção do cidadão: ele acha que todos são obrigados a curtir o lixo musical dele.

A música? Ora, a música fica em segundo plano, o que realmente importa é perturbar os outros. O efeito é tão devastador que o som de automóvel já foi utilizado até mesmo como arma de guerra: na época da ocupação americana no Iraque, os soldados americanos utilizavam heavy metal no último volume para torturar os insurgentes escondidos nas ruas e vielas de Bagdá. A música "Shoot to Thrill" da banda australiana AC/DC era uma das mais eficientes.



Descarga, escape e afins

Outra coisa que me irrita profundamente é a terrível mania que alguns imbecis têm de modificar o escapamento dos veículos para fazer mais barulho. Ciclomotores, motocicletas, automóveis e até mesmo utilitários, boa parte deles está emitindo decibéis muito além do razoável.

Quando o assunto é som automobilístico, o volume da música costuma ser inversamente proporcional à sua qualidade. E o mesmo se aplica aos escapamentos: parece que quanto mais ordinário o motor, maiores são as chances de encontrá-lo fazendo barulho desnecessário. Que o diga a infinidade de carrinhos populares com motores de 1 litro equipados com o mais famigerado dos abafadores, o terrivelmente famoso "JK".

Para quem não conhece, o "JK" é um singelo tubinho praticamente sem restrição, envolto por uma carcaça perfurada recheada com lã de vidro, que fatalmente "queima", deixando o barulho ainda mais ensurdecedor. O dono de uma famosa casa de escapamentos de Santo André certa vez me disse que esse abafador originalmente equipava os FNM 2000 JK, a versão carioca do Alfa Romeo 2000 sedã..

Só que o ronco gostoso do JK não se resumia a um reles abafador e sim ao conjunto todo, formado por um indispensável cabeçote de alumínio com fluxo cruzado e duplo comando de válvulas, que com suas enormes válvulas proporcionava uma fenomenal lavagem das câmaras de combustão (é claro, hemisféricas). Mas quem ganhou a fama foi o maldito abafador, uma mania com bem mais de 50 anos.

Foto: Renato Bellote
FNM 2000 JK
A informação que era apenas uma suspeita (nesse meio, nunca acreditem em tudo o que vocês ouvirem) foi confirmada anos depois pelo Roberto Nasser, alfista desde 1970:

"Sensação mesmo era piscar os faróis do JK '67 avisando que ia ultrapassar Simcas, Aeros, DKWs -- Fuscas e Gordinis nem merecem lembrança -- usando o motor a 5.700 rpm, sentindo o câmbio bem escalonado, a grande alavanca no pequeno espaço sob o volante, ouvindo o turbilhonamento da admissão, queima e descarga exaurindo pelo escapamento, continuação do coletor em desenho purista de quatro grandes curvas, ao qual havia sido tirado o silencioso e trocado pelo abafador -- o abafador de JK que serviu a todo boy daquela época."

Como bom entusiasta, gosto do ronco dos motores, mas para tudo na vida é preciso um mínimo de bom senso. Há cerca de 10 anos um colega da FEI adquiriu um Honda Civic VTi e encomendou à mesma casa de escapamentos de Santo André um sistema de escapamento inteirinho em aço inox, do coletor até a ponteira. Mesmo sendo um Honda, o resultado final foi digno da divisão de instrumentos musicais da Yamaha: um ronco doce e encorpado em baixa rotação e ardido como o motor de um fórmula em alta. Em apenas uma palavra: música.

Infelizmente, Civics com instrumentos de sopro na descarga dos gases queimados são uma exceção. Para fazer barulho, vale tudo: trocar um ou dois silenciosos pelos abafadores "JK" ou pior ainda, remover todo e qualquer sistema capaz de atenuar ruídos. E o nível de babaquice e desrespeito com o próximo abrange todas as classes sociais: do motoboy que fura o escape da Honda CG ao tiozão que troca o escapamento da Harley, passando pelo "mano" que fica pipocando o motor da motocicleta durante a madrugada, parece que ninguém mais apresenta condições de viver em sociedade.

FB



109 comentários:

  1. Gosto é gosto,mas pra mim um carro desse jeito ai é lixo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!é jogar dinheiro fora!

    ResponderExcluir
  2. No ambito trabalhista e previdenciário existe a tal de NR-15, que normatiza e regulamenta os limites de exposição a agentes de risco. No caso de exposição à ruído, o limite é de 85 dB para 8 horas de exposição contínua. A cada 5 dB a mais, o tempo de exposição cai pela metade. Para aumentar o tempo de exposição, utilizam-se abafadores de ruído: os protetores auriculares.

    O nível de ruído de certos sistemas de som e/ou escapamentos, superam tranquilamente os 85 dB, chegando muitas vezes a superar 100 dB!!! Impossível alguém não ter problema auditivo com todo este barulho...

    E tem malandro que usa som a todo volume, destrói seu próprio ouvido e depois vai pedir indenização para a empresa por causa de perda auditiva... como se somente no trabalho se tivesse a obrigação de cuidar dos ouvidos...

    ResponderExcluir
  3. Sobre música, não posso atirar pedras, pois amo AC/DC e outras bandas, e gosto de ouví-las bem alto mesmo. Tanto no meu quarto como no carro. Mas o som do meu carro não é um exagero - nem subwoofer ele tem. Faz um barulho bem limpo e seco, mas quem está na rua nem chega a ouvir. Diferente do que faço em casa - os vizinhos devem conhecer o "Judas Priest Live" de cor.... O som é um Sony de 1992, uma delícia. Sobre escapamentos, esse realmente é o barulho que mais incomoda. Motocicletas de motor monocilíndrico fazem um som necessariamente e realmente ruim, independente da cilindrada. E carros muito fracos com escapamento muito aberto passam a impressão de serem mais fracos ainda, tamanho tropé que fazem para percorrer um quarteirão. Sinceramente: não me incomodo ao ouvir motos, CB500 pra cima, fazendo barulho, e carros, bem, nas nossas ruas não temos muitos BMW V10 para ouvir.

    ResponderExcluir
  4. FB, parabéns pelo belíssimo texto.

    Enquanto o lia, parecia até que eu mesmo tinha escrito este texto, tal a semelhança do que você relata com tudo que penso e digo. Meu pai também era audiófilo (embora variasse em algumas marcas em relação ao seu) e dizia as mesmas coisas sobre qualidade de som.

    Também sempre digo que normalmente o volume em que se ouve é inversamente proporcional à qualidade da música ouvida - nunca se ouvirá um Pink Floyd sendo tocado por estes trios elétricos.

    Também tenho horror a este pessoal que impõe o seu (péssimo) gosto musical aos que estão dentro de um ônibus, juntando a péssima qualidade da música com a péssima qualidade de som proporcionada pelos falantes externos de celular. Uma verdadeira caixa de abelhas.

    ResponderExcluir
  5. Velho Carcomido!18/08/11 09:31

    A coisa ta feia, mesmo!
    Hoje em dia, até moleque de dez anos anda pela rua desfilando com seu celulares em punho, e escutando funk no último volume...só pra impressionar e dizer o quanto são marrentos!
    Bom, aqui na minha cidade, que é minúscula e está infestada de idiotas deste tipo, a gente propôs uma ação pra ajudar. Iremos presentear a turma do barulho com macaquinhos a pilha que tocam tamborzinho e podem ser devidamente afixados nos retrovisores de suas carangas super ultra tunadas...bom, é claro, o presente segue com manual de instrução ilustrado, que é pra eles não se embananarem com o texto!

    ResponderExcluir
  6. Surdina barulhenta e cantar pneu é coisa de carro ruim hoje em dia.

    Os carros mais fortes estão a cada dia mais silenciosos e os pneus são tão enormes que nem cantam mais o pneu.

    Um campeonato de GT3 é muito mais silencioso que uma copa de marcas e pilotos.

    Fazer barulho é perder potência e principalmente tempo.

    ResponderExcluir
  7. FB;

    Excelente texto.

    Sobre a musica eu nem vou comentar sob pena de ser taxado de "Ditador" "reacionario", "elitista", etc. (tá cheio de "Anonimos" aqui, leitores de Caros Amigos e do Mino Carta fazendo patrulha ideoleogica)...

    Mas sobre escapamentos...Uma indecência! A maior dificuldade que eu encontrei, dois anos atrás foi encontrar um escapamento modelo ORIGINAL para meu Fusca. Seo encontrava uma peça, denominada "semi-original" fabricado pela extinta Vanzin (seja lá o que isso queira dizer) e que fazia mais barulho que os famosos Kadrons dos anos 70/80. Cheguei a brigar com o fabricante a ponto do controle de qualidade me telefonar lá de Santa Catarina querendo compreender o porque da minha insatisfação.

    Consegui um equipamento modelo ORIGINAL mesmo (fabricado pela empresa Scapex (parabéns a empresa) e só assim estou com o barulhinho de Fusca mesmo.

    Já tive outros carros que furaram o escapamento e ao colocar modelos fabricados por algumas empresas, o ruido original do carro aumentou de forma considerável.

    Cadê a ABNT para normatizar a fabricação de escapamentos???????????

    ResponderExcluir
  8. Bitu

    Hehehe! Viajei no tempo... eram sete bandas no GR-100. Mas, cá entre nós, aquilo era uma bomba, amplificava tudo, desde a música até o chiado. Agora, toca-fitas memorável era o Pioneer KP-500, um digno double deck dos anos 70/80, hehehe. Dentro de casa, Technics, Garrard, Poly-Vox, Marantz, Gradiente, etc... bons tempos...
    Quanto ao barulho dos escapamentos acho que somente umas pauladas nas cabeças desse manés... alguém precisa avisar à esses acéfalos que o motor até perde rendimento em alguns casos. Quanto aos "pipoqueiros" em seus monocilíndricos, adoraria vê-los furando o pistão devido à essa barbaridade.

    ResponderExcluir
  9. Excelente post. Concordo em tudo.

    ResponderExcluir
  10. FB, este teu parágrafo "o volume da música costuma ser inversamente proporcional à sua qualidade. E o mesmo se aplica aos escapamentos: parece que quanto mais ordinário o motor, maiores são as chances de encontrá-lo fazendo barulho desnecessário" já explica tudo. Berço é berço. Nada mais.

    ResponderExcluir
  11. Eu nunca ouvi músicas de qualidade saindo de um som automotivo feito pra todos ouvirem... Ah claro, deve ser pq quem gasta dinheiro colocando este tipo de equipamento em seu carro não deve ter um nível cultural adequado...
    Uma vez um motoqueiro me disse que o barulho da moto dele o incomodava sim, mas se fosse silencioso muitos motoristas dos carros não perceberiam sua presença... era "questão de segurança", mas aposto que se este indivíduo andasse tranquilamente na dele, ele não deveria ter esse tipo de medo.
    Ótimo texto! Vou divulgá-lo...

    ResponderExcluir
  12. Garanto que no futuro teremos uma geração de surdos, toda essa mulecada que fica escutando musica no "talo" vai ter problemas auditivos no futuro. Ressalto duas coisas, mesmo quando estão ouvindo musica no celular com os fones de ouvido, quem está do lado consegue acompanhar a musica de tão alto que está o volume.
    Outra coisa é que esses manolos não se preocupam com a qualidade do som, mas sim com o volume do mesmo. Desde criança eu sei que toda musica tem um limite de volume, a partir de certo volume a musica fica distorcida, mas esse povo não se importa com isso, instalam aquele aparato de som que custa mais que o carro para ouvir só ruído (Tum Tum bum tach bum bum Tum tach tuch), muitas vezes não dá nem para entender o que o musico está cantando.

    Gosto de vários tipos de musica, desde Metalica a Frank Sinatra, sei que existe musica para se ouvir baixinho e musica para se ouvir alto, de qualquer forma eu nunca incomodo ninguém com as minhas musicas, escuto elas sozinho. No transito eu nunca deixo o som vazar do carro e em casa eu uso fones Philips para escutar musica no computador (meu fone tem um som mais refinado que muito aparelho de som caro...)

    ResponderExcluir
  13. Ótimo texto !

    Sei que gosto é gosto mas ouvir música alto em carro é algo que eu acho uma tremenda idiotice, pior ainda quando o cidadão coloca as caixas na caçamba da picape e dá-lhe barulheira..

    Pior ainda são os carros de som de políticos na época da campanha eleitoral.

    Escapamento "esportivo" nem se fala, mas o pior de tudo isso é existir a proibição/regulamentação das coisas pelo CTB e nada ser feito.

    Já acionei a PM uma vez por ter um carro de som ao lado de uma escola e uma igreja (e eu morava no meio) e eles me disseram que nada poderia ser feito.
    Mas se a PM não atende nem assalto, quem dirá essas cretinices.

    ResponderExcluir
  14. No Omega e no Chevette tenho kit duas vias Bravox na frente, com os tweeters para melhorar o palco e na traseira falantes comuns, de boa qualidade, sendo que no Omega ficaram os originais.

    E tenho ainda uma caixa selada, pequena, com um subwoofer da Bravox com o amplificador instalado na própria, e através de chicote pode transportá-la para o carro que vou utilizar.

    Fica com som de ótima qualidade, que até alcança um bom volume, mas raramente uso toda a potência.

    Os escapamentos poderiam gerar multa, se os policiais tivessem o aparelho para medir o ruído, sobretudo das motocicletas, é a velha história: Se não há fiscalização, vira baderna.

    No caso do Omega, eu odeio o carro barulhento como vejo nas ruas, os 4.1 com os escapamentos "abertos", nem combina com a proposta do automóvel, é lamentável. O meu tem o catalisador, os dois abafadores centrais e o traseiro, dos quais não abro mão!

    ResponderExcluir
  15. Gustavo Cristofolini18/08/11 10:01

    Meu ex-Marea tinha um par de 7x10" no "tampao" e um sub de 12 no porta-malas. Tudo ajustado para ouvir Guns 'n' Roses em volume alto sem distorcer. Essa era a afinação do som. No escapamento cheguei a andar com ele reto, deixando somente o catalizador. O barulho do 5 cilindros era lindo, mas realmente não tinha condições de andar. Não compreendo com os manolos conseguem andar com seus Cortadores de Grama, digo, CGs com a descarga aberta e o cabo enrolado.

    ResponderExcluir
  16. Lee Falk !18/08/11 10:04

    Estávamos na missa uma vez. Na época, o bom padre Marcos orientava suas ovelhas pelo caminho dos justos e bem aventurados. Sua voz mansa transmitia sabedoria com uma força inexplicável, até que, por volta das 19 e 35 daquela quinta-feira, a celebração foi interrompida pelo Jhon e sua trupe de marombeiros sonoros, que ribombavam suas caixas acústicas ensurdecedoras na praça da cidade!
    O Padre calou-se. Seus olhos castanhos revoltaram-se e ele saiu em combate aos pobres de espírito.
    Bom, minha sogra estava ao meu lado naquele dia, o que nos retirava boa parte do acento devido aos seus fundilhos largos e pesados...jamais me esquecerei deste .
    O padre Marcos lutou com os marombeiros,pediu-lhes tolerância e respeito, mas no fim, como jamais foi ouvido pelos impuros, acabou pedindo transferência da paróquia.
    Foi o fim de uma era!
    Muito triste isto...

    ResponderExcluir
  17. Excelente post.
    Infelizmente, esta praga, assim como filme fechado e farol de xenon, só acaba com fiscalização séria e educação, duas coisas de que nosso país é historicamente carente.

    ResponderExcluir
  18. MFThomas

    Já vi de tudo na justiça do trabalho. A que mais me impressionou foi um cidadão que se machucou lutando judô e simulou um acidente de empilhadeira para se aposentar por invalidez.

    FB

    ResponderExcluir
  19. ЯΞИΛИ VNzZ (Renan)

    Também gosto de AC/DC e outras bandas do gênero, mas como moro em apartamento só ouço com em volume moderado.

    Veja o caso do Pete Townshend (guitarrista da banda The Who), que ficou praticamente surdo depois de décadas abusando do volume.

    FB

    ResponderExcluir
  20. CMF

    É assim mesmo, quanto mais alta a música, pior costuma ser a qualidade.

    É quando a falta de educação anda de mãos dadas com a falta de cultura.

    FB

    ResponderExcluir
  21. Se tem algo que me revolta são esses "motoqueiros" que passam estourando o motor com o corte de ignição. Às vezes fico com raiva da Honda por fazer um motor tão confiável, que não quebre com essas "manolices". Na minha opinião a maioria dessas motos devem ser roubadas ou da empresa em que trabalham. Não há como não pensar diferente de alguém que não cuida bem do seu próprio veículo.

    Quanto ao som em carros, dificilmente se escuta algo diferente de Funks, com seus palavrões em volume máximo. Falta de respeito com pais de família, mulheres e crianças que ficam próximas de um carro assim num semáforo por exemplo.

    Infelizmente no Brasil estamos vivendo a degradação de todas as áreas da cultura, da educação "de berço" até a cultura musical.

    ResponderExcluir
  22. Daniel Shimomoto de Araujo

    Respeito e admiro o Mino Carta, apesar de discordar dele em muitas coisas. Editar uma revista de automóveis sem saber diferenciar um Mercedes de um Volkswagen não é para qualquer um.

    Quanto ao barulho, esse parece ser o menor dos problemas: a qualidade dos materiais empregados nos escapamentos destinados à reposição é muito ruim.

    FB

    ResponderExcluir
  23. FVG

    Garrard, era outra marca muito boa!

    FB

    ResponderExcluir
  24. Evandro

    Duro é quando a polícia chega e o cidadão abaixa o volume do som, para depois aumentar quando a polícia vai embora.

    Depois perguntam porque sai tanta briga de vizinho. É a mais pura falta de respeito.

    FB

    ResponderExcluir
  25. Já passei por essa fase de ter som grande na mala do carro, mas ao contrario da maioria, quando passava na frente de muita gente eu baixava o som para não chamar atenção, pois ficava com vergonha se todos ficassem olhando. Na época era solteiro e era uma mão na roda para fazer uma farra. Continuo gostando de som, mas se eu montar outro vai ser interno.

    Com relação a gosto musical é como falar de politica e religião, são assuntos bastante pessoais, o que é lixo musical para você pode não ser para mim e vice e versa.

    Com relação a abafadores também não sou muito fan de carro fazendo muito barulho, só um pouquinho ;), atualmente meu carro é direto com um JK no final, mas como tá com turbo o som fica baixo e não chegando a incomodar outras pessoas.

    Essa é a minha opinião.

    ResponderExcluir
  26. Tirei meu chapéu e fiquei de pé para aplaudir este post.

    ResponderExcluir
  27. A foto de abertura que casal, RX-7 (sonho de consumo ainda!) e RX-8, uma pena o que fizeram com este.

    ResponderExcluir
  28. Faço coro aos amigos AEs!

    FB, sou de Sto. André, a situação no ABC está insuportável! Essa moda de mano (antigamente chamado de marginal) parece ser algo para agredir a sociedade mesmo.

    Já tive som "forte" no carro, isso em 98, mas era algo voltado para qualidade, inclusive com um subwoofer igual ou parecido ao da foto do moleque, um excelente JL 12W6 (6 OHMS!) e um player CD-350Nakamichi, que foram bem caros na época, mas era o que havia de melhor, depois de um tempo tive este equipamento roubado (pra variar né). Agora, o que tenho visto atualmente é ridículo, estas excrecências da sociedade, que incomodam até quando você está saboreando um jantar numa boa, o fdp passa na rua com o som tão alto que vibra até o que tem no seu prato. Ahhh... Sempre ouvindo algo do tipo "funk carioca"... É DOSE! Quando isso vai acabar? Não há lei pra isso?

    Sds

    ResponderExcluir
  29. "...Mas hoje o meu
    Sansui-Garrat e Gradiente
    Só toca mesmo embalo quente
    Prá lembrar do teu calor..."

    ResponderExcluir
  30. Concordo com você, Bitu. Já vi mano com Voyage primeira geração com "música" no último volume, só que o som era tão porcaria que o carro inteiro ressonava. Como disseram, só importa o volume e chamar a atenção, aparecer a qualquer custo no país BBB.

    Quanto aos escapamentos, são horríveis os das motos dos manos e dos tios, mas os dos 1,0 nem são tão barulhentos. São mais ridículos do que incômodos aqueles barulhos xunados em carro popular. A não ser que eu esteja confundindo os abafadores usados por eles.

    ResponderExcluir
  31. Só acho que os americanos foram muito bonzinhos com os insurgentes... pô, AC/DC?? Tinha que passar num camelô qualquer aqui na bananalândia e levar uns CDs de "artistas" tupiniquins, daí sim seria tortura.

    ResponderExcluir
  32. Aléssio Marinho18/08/11 11:10

    Raphael Ragi,

    Também tenho um kit 2 vias com um Cd Sony que trouxe do meu antigo carro. Fez toda a diferença! Agora consigo ouvir alguns acordes que nunca havia percebido.
    Quanta diferença!

    Bitu;

    Quanto a escapamento, lembrei de um fato curioso. Um vizinho tinha um 147, muito conservado, mas sempre barulhento. Dava pra saber quando ele saia de casa... Um belo dia, vi um 147 GLS com um silencioso a mais. Nem parecia fiat de tão silencioso!
    A mesma coisa com os Voyage/Parati dos primeiros anos.
    Economia de poucos reais na linha de produção.

    ResponderExcluir
  33. Som alto e escape aberto são as maiores manifestações de manolice.
    Engraçado que existe limite para emissão de ruído, mas fiscalização zero.
    Há um posto de combustíveis a algumas quadras de casa que durante o fim de semana é tomado de galera enchendo a cara e ouvindo música alta que dá pra ouvir daqui. Bem que poderia ter algum lugar bem afastado pro pessoal estourar os tímpanos sem incomodar ninguém.

    Mas tem escape aberto que é bom de ouvir, como a Marea Weekend de um vizinho, dessa nem minha mãe reclama.

    ResponderExcluir
  34. Esses manolos que ficam ouvindo música alta no celular dentro do ônibus, são a versão moderna daqueles caras dos guetos norte-americanos, que sempre andavam com aqueles rádio-gravadores enormes sobre os ombros, com o som no último.

    Carinha de motocicleta 125, esses chamados "cg-zeiros" nem tem o que falar... O que mais ouço é moto sem o filtro de ar para fazer aquele ronco mais grosso, às custas de entrar poeira no motor (Será que acham mais bonito, ou é porque acham que vão ganhar potência?). E ainda, pqp, aqueles carinhas que explodem o escapamento quando passam embaixo de uma ponte, que raiva, mereciam que o motor explodisse na perna deles. Idem aqueles motoqueiros que aceleram a moto até o motor estourar e acham que estão abafando... deve ser roubada mesmo a moto pro cara fazer isso.

    ResponderExcluir
  35. Bitu,
    assunto oportuno a qualquer hora de qualquer dia.
    Excesso de ruído é um mal que essas pessoas não conseguem entender, pois são intelectualmente prejudicados.
    Todos os barulhentos estão no mesmo balaio, os que você comentou e aqueles infelizes que gritam ao ver jogo de bola na TV.
    Como não sou chegado em linguagem politicamnte correta, acho que chamá-los de imbecis é pouco. São mesmo é burros, infantis e retardados.

    ResponderExcluir
  36. Putz Bitu! Vc me fez lembrar da minha Garrard inglesa automática, igual a essa da foto (http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTzoJKaY-ctLZOLrYEnwKGLyBZepqyGptvajqQjdik6V-oIAxLH). Trocava a agulha umas duas vezes por ano de tanto ela funcionar.

    ResponderExcluir
  37. É a geração do "Pode tudo"... pais que não dão limite as filhos, não sabem dizer não... dá nisso.
    Desde cedo essas pessoas sabem que "não vai dar em nada"... e se sentem no direito de fazerem o que bem entendem "por estarem na rua, e a rua é pública" (já ouvi muitas respostas assim).

    ResponderExcluir
  38. No último final de semana passou "um desses aí" em frente de casa com o som vibrando o quarteirão todo, mas como só tocava grave consegui passar a mensagem nitidamente ao imbecil, a frase foi "MAS QUE MERDA HEIM!", ao menos para este delinquente, achei que o comentário foi válido, pois o mesmo ficou com uma expressão sem graça, até um pouco envergonhado, para este ainda há esperança.

    ResponderExcluir
  39. FB;

    Apenas alguns comentários:

    -> Sobre Jornalismo: Eu gosto mesmo é do Herodoto Barbeiro e do Carlos Alberto Sadenberg

    -> Sobre escapamentos de reposição: O barulho é um problema sim. O material sem duvida é de qualidade ruim mas o barulho excessivo provocado por peças paralelas de ultima qualidade é tão ruim quanto as peças que apodrecem com facilidade.

    -> Queria entender este comentário que você fez respondendo a mim.

    "Daniel Shimomoto de Araujo

    Respeito e admiro o Mino Carta, apesar de discordar dele em muitas coisas. Editar uma revista de automóveis sem saber diferenciar um Mercedes de um Volkswagen não é para qualquer um.
    (...)
    FB"

    Daniel

    ResponderExcluir
  40. É uma pena que no Brasil só se fiscalize excesso de velocidade.

    Para mim o carro é uma extensão da minha casa, mais especificamente da sala de estar, então ele tem de ser agradável. O sistema de som tem que ter qualidade, não necessariamente, potência, algo que a maioria dos aparelhos originais faz. Fora que esses escapamentos "abertos" fazem barulho o tempo todo, o que eu não tolero. O som do motor, tanto de escapamento quanto de admissão, deve ser ouvido de médias a altas rotações (3500 rpm <), momento em que queremos ouvi-lo.

    Ótimo post.

    ResponderExcluir
  41. Daniel Shimomoto de Araujo

    Assista: http://www.youtube.com/watch?v=RGQjlsKoP9A

    FB

    ResponderExcluir
  42. B2

    No meu Palito fiz kestão de instalar um som de qualidade e que tocasse "pra dentro" e não o contrário como fazem por aki.

    Coisa simples, com produtos nacionais e mto bem instalada, tais como Kit 2 vias, coaxiais e um sub de 10" numa caixa selada de fibra q vai dentro do estepe.

    Meus amigos q usam caixas dutadas gigantescas e inutilizam o porta malas, bem como acabam c/ o forro de porta dianteira ao instalar 5 auto falantes 6x9 em cada, se espantam c/ o som cristalino e equilibrado do meu humilde sistema.

    Vc falou em "Boom Cars" c/ 20 Subs, pois saiba q essa moda começou aqui msm a mais de 10 anos e hj já existem F-250 c/ 24 ou 26 Subs de 12" na caçamba!

    Imagine um Jumbo c/ as 4 turbinas à td vapor parado ao teu lado no farol...

    ResponderExcluir
  43. Não consigo entender a lógica de se colocar os falants apontados para fora do carro...para os outros ouvirem, ao invés do próprio morista.
    Esperar o quê de um povo que cresce passando cerol na linha da pipa pra roubar dos outros? Malandrgem desde cedo...

    ResponderExcluir
  44. jopamacedo

    Dá uma olhada nesse video aki p/ vc ver como funcionam as coisas aki em Goiás.

    http://www.youtube.com/watch?v=w2HLe0e2ono

    ResponderExcluir
  45. Complementando...
    certa vez ouvi de um tio meu, de 65 anos, que sua geração curtia muito mais a vida e com muito menos tecnologia.
    No mundo de hoje, tudo é exagerado e...sem graça!

    ResponderExcluir
  46. jackie chan18/08/11 13:19

    Quanto a escapamentos, pra mim, Scapex, Vanzin, Mastra, Sicap, etc., é tuda a mesma porcaria. Não duram nada, muita tolerância nas dimensões e ângulos (que dificultam uma montagem correta), e ainda por cima alteram (pra pior) o ruído original do motor. O problema é que a peça original, aquela que vem com o logo da "montadora", (quando ainda existe no mercado) custa muito caro.

    ResponderExcluir
  47. Pisca, aqui em São Paulo tem disso, no Brasil inteiro, no mundo inteiro aliás, mas o vídeo é uma coletânea de insanidades hein!!!

    ResponderExcluir
  48. Felipe Bitu;

    Com todo respeito, essa da 4 Rodas não foi nada demais...

    Realização mesmo foi a do Sr. Mauricio Botelho que assumiu a Presidência da Embraer após a privatização, saneou-a e a transformou numa empresa inovadora sem saber sequer como funcionava um motor a reação. E isso quem disse foi ele mesmo em entrevista a uma revista de negócios.

    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  49. Sem dúvida jopamacedo.

    Renan, bela foto heim! Tb sou dos que curte um AC/DC...

    Barulho não! Música! E de preferência flat, todas as faixas tocando com intensidades no mínimo bem próximas... Minha dica pra quem busca algo a mais é não economizar no kit de voz, apesar que hoje, acho que o melhor som é o original, mesmo custando mais.

    Pisca, pra quem busca economizar porta-malas (que é o normal), a caixa de fibra pode até atender, mas quem pra quem busca fidelidade não há nada que se aproxime de uma volumosa caixa band-pass, por isso já tem um bom tempo que não coloco caixa no carro, mais peso no meu carro? Naaaaaaum.

    ResponderExcluir
  50. como já escrevi aqui recentemente, aqui na minha cidade esse assunto "som de peão" está na moda. Segundo pude entender, o problema da fiscalização é que em muitas cidades há lei sobre poluição sonora, mas a maioria delas obriga a medição do barulho e aparentemente decibelímetros no Brasil são mais raros que cabeça de bacalhau, ninguém tem, ninguém viu...

    Essas pragas, como "som de peão", insulfim, etc. ganharam essa proporção atual porque infelizmente no Brasil tanto playbas quanto trintões/quarentões que insistem em se passar por jovenzinhos começam a imitar todas essas modas da peãozada sem nem saber porquê. Como o blogueiro escreveu, até "tiozão" acaba perdendo tempo e dinheiro com essas besteiras só para ficar na moda.

    ResponderExcluir
  51. Falando em som...

    A gente era tão feliz com os Bosch (Rio de Janeiro, Miami IV)...

    Depois vieram os Blackpount...depois os Pionner

    Hoje nada disso mais é suficiente

    ResponderExcluir
  52. Daniel

    Sem esquecer do famigerado Roadstar, hehehe... (nunca gostei daquilo).
    Hoje em dia, para mim, um Sony Xplod tá de bom tamanho. Aparelhinhos bem bacanas, esses aí.
    Eu gostava muito de Alpine mas, hoje em dia, não tenho mais coragem de encarar o preço.

    ResponderExcluir
  53. Outro aparelho que fêz história: TKR (o cara-preta, então, nem se fala).
    FVG

    ResponderExcluir
  54. Daniel,

    Na época do Uninho, nem RJ eu tinha... O meu rádio era um franciscano São Franscisco... rsrsrs... com aqueles autofalantes blaupunkt retangular divididos lateralmente.
    Atualmente qualquer Bang & Olufsen já me atenderia, óbvio que tem que vir com o carro... rsrsrs

    Sds

    ResponderExcluir
  55. Bitu, estou na correria mas quero te dar os parabéns por esse post, com o qual concordo integralmente.

    Em tempo: não conhecia a expressão "socialmente desorientados". É simplesmente brilhante!

    ResponderExcluir
  56. Quase fico surdo com um desgraçado que passou pipocando com o escapamento de uma Twister ao meu lado, confesso que por um instante me deu vontade de passar por cima com meu carro...

    ResponderExcluir
  57. O dia que tive mais raiva de "pipoco de moto" foi um cara metido a badboy com uma moto grande, juro que se eu tivesse uma arma, não pensaria duas vezes, seria algo instintivo, meu ouvido ficou com um zunido por alguns minutos.

    ResponderExcluir
  58. Eu nunca ouvi música saindo de um ESCAPAMENTO automotivo???

    ONDE ESTÁ A FISCALIZAÇÃO CONTRA ABUSOS SONOROS EM AUTOMÓVEIS????

    MULTA E APREESÃO P/ ESSE FUNKEIROS Q NOS FAZEM OOUVIR SEU LIXO MUSICAL.

    ResponderExcluir
  59. Por isso eu frequento Ubatuva - SP ... exister uma Lei Municipal que proíbe sem alto nas ruas ... é só passar um "parque de diversão ambulante" e a polícia vai atrás do infeliz ... eu mesmo já presenciei, da janela de um restaurante, a polícia sair no encalso de uma saveiro e fazer o cidadão desligar a "traquitana" ... nos últimos 4 anos, tem sido um sossego só ...

    Geraldo

    ResponderExcluir
  60. Geraldo

    Deu o maior bafafá porque em Farroupilha - RS (aqui perto) aprenderam um monte de som de piazada.

    Uma coisa que ninguém citou aqui: som é lastro.

    ResponderExcluir
  61. Fabio

    Cara, eu tbm não quis perder o porta malas e mto menos adicionar peso extra.

    Ficou mto bom msm, até pq o investimento foi mínimo.

    Em comparação c/ o tipo de som q se instala aki em Gyn - vide video - a qualidade do meu é infinitamente superior.

    ResponderExcluir
  62. Geraldo,

    UbatuBa? Não pode ser...

    ResponderExcluir
  63. Meu consolo é que um dia esses idiotas ficarão surdos e não abusarão mais dos meus ouvidos. Por outro lado, é provável que tenhamos que bancá-los numa provável aposentadoria por invalidez...
    Em relação a som automotivo, um sonzinho nos moldes originais, com alto-falantes de boa marca e um rádio também bom (os atuais já são bem potentes, nem se precisa de amplificador externo) me atende bem, pois não viso tanto o volume, mas sim a qualidade e a ambiência da sonorização.
    No meu Escort, que tinha os altos originais já deteriorados pelo tempo e que já não entregavam um som de qualidade, pus dois pares de alto-falantes de 4" triaxiais da Selenium (em posição original, sem arrombar ou alargar nada), mantive o toca-fitas Ford-Bosch e pus um amplificador estéreo de 4 canais suficiente para eles, já que o toca-fitas estava subdimensionado para os novos alto-falantes. O som ficou excelente, com volume adequado a um som nos moldes originais de um carro moderno e nada foi mudado no aspecto do carro que, visualmente, não denuncia a mudança na sonorização.

    Faço coro ao Farjoun sobre essa turma que escuta música alta no celular no transporte coletivo. Um dia desses um moleque que estava indo ao colégio (talvez para "comer merenda" como dizem os mais antigos) se sentou num banco próximo ao meu no ônibus ouvindo um funk que fazia apologia a diversos tipos de crime. Lamentável...

    ResponderExcluir
  64. ЯΞИΛИ VNzZ (Renan)

    E se eu te contar q aki fazem Festas de som automotivo vc acredita?

    Agora imagina umas 20 F-250, cada uma c/ 24 Subs de 12" , interligadas p/ cabos - chamados aki de chupa cabras - tocando a msm musica em volume máximo?

    Nunca ouviu o som chegando ae em SP não?

    Hahahahahaha

    ResponderExcluir
  65. Paulo Levi

    Socialmente desorientados: é a classe que "nunca antes na história desse país" teve tanto acesso à cultura e bens de consumo, mas simplesmente não sabe o que fazer com essa conquista.

    Ainda falta muita orientação a esse povo.

    FB

    ResponderExcluir
  66. Vitor Alves18/08/11 17:09

    Sou de Brasília e carro com som de peão por aqui é figurinha repetida, quase todo dia eu vejo um. Acho que a "sorte" (se é que pode-se chamar isso de sorte) é que aqui tem um lugar isolado, a Cruz do Cruzeiro que fica ao lado do Memorial JK no Eixo Monumental. Passa lá final de semana pra ver o nipe do pessoal, o que mais tem são carros atolados de caixas de som, parecidos com esse rx8 da foto de abertura.
    Ta ficando dificil encontrar pessoas que dão valor a qualidade do som e não apenas ao volume.

    ResponderExcluir
  67. Eu gosto de carros silenciosos, por dentro e por fora.
    Nunca tive esse prazer, mas o meu sonho sempre foi dirigir um Lincoln Mark IV, lindo e super silencioso.

    ResponderExcluir
  68. Daniel San18/08/11 18:10

    É por essas e outras que mantenho o sonzinho TKR original da minha Brasília. Modesto,porém honesto...
    Se os americanos deixassem de tocar AC/DC e tocassem funk carioca,teriam conseguido com que o Saddam Hussein se suicidasse,o Bin Laden se entregaria voluntariamente,o Kadhafi renunciaria e Mahmud Abas pediria asilo político...

    ResponderExcluir
  69. Eu nem tenho rádio no carro. E também não uso quando dirijo carro que tem. Pra mim música é algo pra se escutar refletindo, longe de conversas, barulho e estresse.

    O som no carro é do motor casado com o do escapamento (nada de absurdos). E justamente por isso é que não gosto do som do motor do C3. Dá impressão de que eles eliminaram totalmente o som do escapamento por cancelamento de fase, e só se ouve o som do motor, que não é nada que empolgue. Poderia ser visto como qualidade do carro, mas que eu certamente não compraria.

    ResponderExcluir
  70. Poucas coisas me deixam mais p*** da vida do que parar em um semáforo, com os vidros fechados, curtindo um sonzinho gostoso (bossa nova, pop americano dos anos 70, instrumental), e ser emparelhado por um CRETINO numa pick-up - normalmente Saveiro ou Montana, preta, rebaixada, peliculada, com aros de trocentas polegadas e capota marítima na caçamba para proteger o som mais caro que o carro -, ouvindo música merdaneja, bate-estaca ou hip-hop, vulgo trilha sonora do inferno, no último dos últimos volumes. Juro, nessas horas dá vontade de ter um Aston Martin igual àqueles do 007, com mísseis embutidos atrás dos faróis de neblina!

    ResponderExcluir
  71. Nuuuóóóóssa Zama! Só um Aston Martin? Mas que modesto que vc é! UUUUUiiiii

    ResponderExcluir
  72. Marcelo Junji18/08/11 20:48

    Tá difícil encontrar sossêgo. Em lugar nenhum e em situação nenhuma. Sempre tem alguém pra te incomodar.

    ResponderExcluir
  73. Fidelidade, palco sonoro, onde instalar os tweeters, os midranges, os woofers, o subwoofer, quando instalar coaxiais, o que é estereo 2.1, 4.1, impendância (ohms), e potência são termos que aprendi há uns trinta anos e coloco em prática em meus carros há pelo menos vinte e cinco.
    Garanto que muitos só sabem o que é volume e mesmo assim quando está perto do máximo...

    Talles

    ResponderExcluir
  74. Francisco Vidal Gonzalez e Fabio;

    Roadstar da cara prateada eu tenho no meu Fusca 1983...pena que o toca fitas é péssimo...

    Tinha, no meu primeiro carro (Marajó SL 1986) um Rio de Janeiro com sintonizador digital! Show! Tinha um volume fora de série e eu achava o máximo ter aquilo no carro. Melhor que isso só o Pionner
    Tecnologia vai, tecnologia vem mas AUTORADIO igual ao San Francisco Tri-Band (FM/AM/OM) ainda não fabricaram!

    ResponderExcluir
  75. Maravilha de post! Verdadeira viagem no tempo, complementado por alguns comentários! Relembrei de marcas de aparelhos de som que não ouvia a décadas, literalmente. De fato, havia todo um ritual para tocar um vinil de forma mais perfeita possível. Quem não sabia cuidar bem de um vinil, rapidinho via o som degradar, aparecendo inúmeros chiados e, em casos mais graves, riscos que faziam a agulha pular durante a reprodução.

    Infelizmente, alguns hoje em dia acham que som bom é aquele que faz tremer tudo à sua volta, sequer se importando com qualidade sonora. O que importa é volume absurdo, mesmo que às custas de "hi-distortion"...

    ResponderExcluir
  76. Anônimo 18/08 11:00

    Essa música foi um verdareiro "achado arqueológico", hein? Lembro-me que vasculhei um punhado de CDs coletânea do Raul Seixas para encontrar a dita cuja!

    Para quem não conhece, a música é "Tu és o MDC da minha vida". Tinha que ser do Raul algo assim...

    ResponderExcluir
  77. Bitu
    Que presentao vc nos deu com a foto desse JK . Lindo demais !
    Adorei o comentario do Roberto Nasser sobre o que é dirigir um carro desses. Com certeza um legitimo puro sangue apesar de fabricado aqui. Um carro que estava muito a frente de seus concorrentes.
    Bons tempos ...
    Parabens pelo post !

    ResponderExcluir
  78. Já que o post envolve "o som da sala", estava postergando, mas vou mandar logo o meu humilde Gradiente S-125 pra uma revisão... hehehe... ÔÔÔ se vale a pena! Ele é lindão e tem um baita som! Denso!

    ResponderExcluir
  79. Eu tenho quase todos os LP's do Raul e dos Creedence.
    Tenho muito rock da década de 70 entre outros. Talvez mais de cem discos.
    O meu aparelho e que ainda funciona perfeitamente, é um National SS 5050.

    ResponderExcluir
  80. Creedence... Excelente!
    Mas, atualmente pessoas que gostam de um som como o dessa banda, do Elvis Presley, Dire Straits, Beatles, Animals e outros clássicos são vistos como loucos muito perigosos...
    Há alguns dias, quando ligaram para o meu celular e tocou "Just the way you are" (Barry White) todos os que estavam próximos me olharam como seu eu fosse um alien, uns ainda balançaram a cabeça negativamente em crítica à música (no ambiente era permitido celulares), rs...

    ResponderExcluir
  81. Marlos Dantas
    Então eu sou um louco e psicopata... hehehe!

    ResponderExcluir
  82. Marcelo Junji18/08/11 23:23

    Pera aí. Autoentusiastas ouvem músicas dirigindo? Ainda mais quando o carro é novo? Ou muito velho?
    Quando o carro é novo, procuro ver(ouvir) se o carro não tem barulhos que carros novos não devem ter, para uma eventual reclamação em garantia. E no carro velho quero silêncio, para ouvir se não tem nada quebrando.
    As vêzes não gosto nem que conversem comigo quando desconfio de algum barulho no carro.
    Ouço música com o carro parado.

    ResponderExcluir
  83. Pisca

    Goiás tem mesmo umas coisas... Eu ia pra Caldas Novas todos os anos e no Carnaval ficavam uns 10 carros com som na praça central. Cada um estacionava e colocava a música de seu agrado, tinha Axé, Sertanejo (na época a Sony Music não havia feito explodir o funk carioca, além dos morros do Rio) e até Pink Floyd tocando... hahaha. Em alguns locais os sons se cruzavam e não dava pra ouvir nada de nenhuma das músicas... insanidade!
    Diz a lenda que em Goiânia tem nego que mora em "muquifo", mas tem a bendita picape ou a "motona", ou até os dois juntos. É a exacerbação da inversão de valores brasileira.

    Do vídeo que você linkou, parece que pior que as aberrações automotivas são os comentários.

    ResponderExcluir
  84. Som no carro até um certo volume não tem nada demais. Um sistema com kit 2 vias e um subwoofer no porta-malas com um amplificador de 4 canais para tocar tudo para mim está mais do que suficiente, entretanto, percebi que música meio alta me desconcentra,então passei a usar só o rádio original do carro com falantes nas portas. Para mim está bom. Quanto a não ter rádio nenhum para ouvir o motor, também é uma, mas prefiro música, até porque o som do motor do meu carro não é nenhuma orquestra.

    ResponderExcluir
  85. Driver 8

    O lance de Caldas Novas é ir fora da temporada. Estive lá em maio último. Além do tempo bom que se pega nessa época a cidade estava uma calmaria de dar gosto, fora a estrada vazia, sem aqueles "domingueiros". De loucura, basta São Paulo, hehehe.

    ResponderExcluir
  86. Denis Schiavon19/08/11 08:41

    Tenho um Alfa 164, meu aparelho de som é um V6 de +200cv

    ResponderExcluir
  87. Gustavo Cristofolini19/08/11 09:18

    Pisca, o video que voce postou é o que eu chamo de sindrome do pinto pequeno. Nada explica o fato de alguem manolar tanto um carro. Pior é que essas m3rd4s vem pra ca na temporada de verão. Perturba muito esse negócio.

    Joel, sobre o barulho do escapamento, a legislação determina(va) que deve haver pelo menos 1 dispositivo de abafamento no sistema de escape. Porém, não fala em limite de emissão de ruido e tãopouco se esse dispositivo deve estar funcionando corretamente ou não.

    ResponderExcluir
  88. Shimomoto, fui trocar o escapamento do Fusca 82 no mês passado e foi moleza achar o modelo original, com fabricação da Mastra. A qualidade é boa. Por sinal, achei esse Mastra em mais que um lugar. Se precisar eu indico onde tem aqui em SP.

    Agora, Shimomoto, com todo o respeito que dedico a quem pensa de modo diferente de mim, vou ser sincero: não sei o que tem a ver a opção pela esquerda com gosto musical ou a acusação de patrulha. Viagem total!

    Gosto do Mino Carta (o que não quer dizer que eu endosse tudo o que ele diz) na mesma proporção que acho quase tudo o que o Sadenberg fala bobagem. Enfim, gosto é gosto. Só não entendio sua diferença pessoal com o Mino, pois não é o primeiro comentário onde você o cita gratuuitamente. Se é uma piada, a ficha não caiu e eu não entendi.

    Quanto à privatização da Embraer, se a Embraer existe hoje não é apenas pela graça do sr. Botelho, mas sim porque os militares decidiram criar uma estatal nos anos 60. Se dependêssemos exclusivamente da iniciativa privada, não existiria a Embraer ou algo do gênero! O sr. Botelho tem méritos, mas não sejamos simplistas...

    Alguém reduzir a esquerda a comportamentos anedóticos é tão babaca quanto achar que toda a direita é burra. Existe inteligência assim como existe burrice por todo o espectro político!

    Por fim, digo com todas as letras: quem está fazendo patrulha ideológica é você, ao misturar opção política, gosto musical e acusação de patrulha. Por sinal, patrulha de esquerda em um blog onde a direita é maioria, tanto entre leitores quanto articulistas? Fala sério, viu...

    Abs a todos, Ricardo Montero

    ResponderExcluir
  89. Olha só o que saiu no Uol, hoje...

    http://noticias.uol.com.br/ultnot/multi/2011/08/19/04028C9B3460DCC91326.jhtm?passageiro-reclama-mais-de-djs-do-que-de-camelo-e-pregador-04028C9B3460DCC91326

    ResponderExcluir
  90. Marcelo Junji,

    Experimente subir uma serra - como a Anchieta, por exemplo -, ouvindo "Burn" ou "Speed King" do Deep Purple.

    É uma experiência totalmente entusiástica.

    ResponderExcluir
  91. Ah! "Highway Star" do Purple, "Highway to Hell" e "Whole Lotta Rosie" do AC/DC também são ótimas... rs...

    ResponderExcluir
  92. Ouvir "a música do motor" parado no trânsito realmente não me parece uma boa idéia. Agora numa serra, saber de ouvido se o punta-taco foi perfeito é algo realmente prazeroso.
    Resumindo, acho interessante ter um som HQ no carro, mas que não represente um lastro considerável. Carro de som só faz sentido numa feira para demostração da tecnologia da marca... E olhe lá!

    Pisca, olha o link, quem não gostaria de ter uma solução plug and play desta qualidade?

    http://mobile.jlaudio.com/products_enclosures.php?menu=12&prod_id=588

    Quem já teve um produto JL se torna fã da marca.

    ResponderExcluir
  93. Ao subir a Anchieta o som alto vai bem, mas para descer prefiro estar mais atento, ainda mais durante a semana com os caminhões jogando pra esquerda sem sinalizar. Sds

    ResponderExcluir
  94. Daniel San19/08/11 11:31

    E ainda tem "Born on to be you" do Creedence. Quando se fala nessa banda quase todo mundo lembra de "Have you ever seen the rain",mas essa outra é espetacular,tanto que foi aproveitada no filme "Mercenários".

    ResponderExcluir
  95. Fabio,

    Nem precisa ser alto não, só um "som ambiente" já vale.
    E pra descer, também prefiro ir na maciota.

    Daniel San,

    Pode crer, Creedence vai bem sempre.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  96. Ahhh dependendo da trilha sonora tem que ser um tanto alto sim... rsrsrs... Lógico que ouvir música em volume alto é diferente de estourar com os ouvidos, como fazem os tais manolos.

    Não disse que prefiro descer na maciota, disse que prefiro estar mais concentrado... rsrsrs

    ResponderExcluir
  97. Driver 8

    Não é lenda não viu?

    É a mais pura verdade...

    Nego compra F-250 "finam" e R1 "cabritona" p/ pagar de gatão.

    Aki é a terra dos Posers meu filho, vc num tá entendendo...rss.

    ResponderExcluir
  98. Gustavo Cristofolini

    Vc já veio aki akela vez e viu como é q funciona o negócio...

    ResponderExcluir
  99. Daniel,
    Outras das muitas músicas boas do CCR são "Proud Mary" (também muito bem interpretada por EAP), "Cotton Fields", "Hey tonight" e "A put a spaell on you".

    ResponderExcluir
  100. Fabio,

    Parece que a gente não tá se entendendo mas estamos falando exatamente a mesma coisa... hehehe...

    ResponderExcluir
  101. Daniel San19/08/11 18:37

    Marz e Marcos;

    Tá cada vez mais difícil encontrar quem faça música como naquele tempo!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  102. Sem dúvida um dos posts mais bem escritos do Autoentusiastas. Valeu muito a leitura.

    ResponderExcluir
  103. Alexandre - BH -20/08/11 03:54

    Aleluia! Não estou sozinho neste mundo cinzento, fedorento e barulhento! O Felipe Bitu pensa como eu! Há tempos venho batendo na tecla da poluição sonora. Alertei a imprensa local sobre o abuso dos motoqueiros, especialmente dos motoboys, quanto à adulteração do escapamento. O Jornal Estado de Minas fez matéria sobre o tema. Na época, as autoridades ouvidas pelo jornal se esquivaram da responsabilidade, fazendo o velho e asqueroso jogo de empurra. A mania imbecil do escapamento aberto também atingiu em cheio os caminhoneiros, pois hoje a categoria é composta por muitos boyzinhos. Seus caminhões são inconfundíveis: vidros pretos e cheios de adesivos, frente rebaixada, traseira elevada e um desgraçado de um escapamento aberto com o famigerado ‘pente’, que faz um assovio infernal. Completando o ‘kit’, o sujeito quase sempre pertence a alguma facção – ‘máfia’ dos batateiros, dos verdureiros, dos carvoeiros, dos boiadeiros... Máfia do raio que os parta! Alguns desses ‘mafiosos’ ainda têm a cara de pau de postar vídeos criminosos na internet, onde se gabam de colar o ponteiro do velocímetro e fazer palhaçadas do tipo ‘quebrada de asa’. Coisa de bandido mesmo. Tá tudo lá, escancarado pra quem quiser ver, mas parece que só quem deveria estar investigando ainda não viu (www.youtube.com/watch?v=JxMd5HS3IY8).
    Quanto aos otários que desfilam de carro ouvindo funk em alusão ao tráfico, prostituição de menores e desrespeito à polícia, esses deixam de ser apenas idiotas querendo aparecer e deveriam ser tratados como suspeitos. Tempos bicudos onde o barulho é a arma dos babacas.

    ResponderExcluir
  104. Que absurdo este video! PQP!

    ResponderExcluir
  105. FVG

    Fui poucas vezes no Carnaval lá (entre as inúmeras vezes que viajei pra lá) e é realmente um caos, acidentes provocados por bêbados, cheiro de urina na praça e adjacências, brigas, gente bêbada mala sem alça... rs
    Nem sei como está hoje e a última vez que fui foi fora de temporada com minha esposa (noiva na época). Uma beleza: piscinas vazias e limpas, trânsito calmo, silêncio, etc.

    Pisca

    Poser foi boa, rs. Então aí tá cheio de gente que come mortadela e arrota caviar,rs. Na minha cidade também, mas num nível mais baixo.
    Vai ver que aí tentam acompanhar a "playboyzada" de Brasília.

    ResponderExcluir
  106. Sabem o que é engraçado? Nego torra milhares de reais pra colocar sonzão e rodas de mais de 18 polegadas com pneus "fita isolante" (remold, é claro), rebaixar, pelicular e etc e depois nem faz manutenção do carro porque está sem dinheiro. "Está" ou "ficou" sem dinheiro após torrar tudo nessa parafernália inútil?

    Amigo meu vendeu uma Suprema 94 há alguns meses. Meses depois, ele descobriu que o comprador ainda não havia transferido o carro e ligou pra ele, que alegou estar sem dinheiro para transferir. Alguns dias depois, ele viu o carro, com DVD no painel e uma caixa enorme no porta-malas. O cara torrou tudo que tinha equipando o carro e não tinha mais pra fazer uma simples transferência!

    ResponderExcluir
  107. CMF

    Pneu "fita isolante", hehehe, gostei dessa.
    O caso da Suprema do seu amigo é de estarrecer, mas, me conta uma coisa. A transferência não têm um prazo de 30 dias para ser feita? E depois, como é que fica? Seu amigo não pode entrar na justiça ou algo parecido junto ao Detran à fim de obrigar o novo comprador para que faça a transferência?

    ResponderExcluir
  108. Certa vez deixei um carro na autorizada como pagamento de parte de um carro novo e na mesma semana recebi duas multas em meu nome.
    Fui até lá e me falaram que tinham vendido o carro e que não era para me preocupar.
    Dei-lhes 24 horas de prazo para contatar o comprador, caso contrário solicitaria à policia para fazer busca e apreensão do veículo. O problema foi resolvido no dia seguinte.

    ResponderExcluir
  109. O miserável que houve música em volume a incomodar os outros deveria ser fuzilado... e ter seu carro carbonizado.

    Renato

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...