Google+

18 de setembro de 2011

O FIM DE UMA ERA




Infelizmente, este post é uma nota de falecimento. Não que me dê qualquer prazer dar notícias ruins, mas, neste caso, uma última homenagem se faz necessária, dada a enorme importância do falecido. Neste mês de setembro, morreu oficialmente o tradicional sedã americano, com o fim da produção de seus últimos exemplares, o Ford Crown Victoria e o Lincoln Town Car.

Esta fórmula fez sucesso por muitas décadas, está entre nós desde os anos 1930: Carros feitos com chassi e carroceria separados, motor V-8, tração traseira com eixo rígido. Detroit produziu incontáveis modelos assim. Porém, no final dos anos 1960, as coisas começaram a mudar. Primeiro foram os carros compactos (para os padrões americanos), depois a tendência foi se espalhando: Os novos carros abandonavam a construção de chassi e carroceria e adotavam o monobloco, em que a estrutura do veículo e a carroceria formam uma construção única.

Na década de 1980, veio outro golpe: A tração dianteira passou a predominar, por questão de aproveitamento de espaço. Se nos anos 1950 o automóvel típico tinha chassi e carroceria, motor dianteiro e tração traseira por eixo rígido, nos anos 1980 isso tinha virado de cabeça para baixo: Motor e tração dianteiras e construção monobloco.

Interior do Lincoln Town Car

Porém, alguns heróis da resistência continuavam: A GM tinha a plataforma B (Caprice e família), a Ford tinha a plataforma Panther (Crown Victoria e família). Em 1996, mais uma baixa: A plataforma B sai de linha, restando apenas a plataforma Panther com os três últimos representantes da "velha escola": Ford Crown Victoria, Mercury Grand Marquis e Lincoln Town Car.

Chevrolet Caprice, que sucumbiu em 1996

Desde 2008, o Crown Victoria já não era mais disponível para o público em geral: era vendido apenas para frotistas, como locadoras, polícia e taxistas. O Grand Marquis morreu no início deste ano, com a descontinuação de toda a marca Mercury. Sobrava o Town Car. Infelizmente, desde o mês passado, não sobra mais.

Lincoln Town Car

No último mês, foram produzidos apenas Crown Victoria para atender aos últimos pedidos dos frotistas. Muitos departamentos de polícia apressaram-se em encomendar o máximo possível de "Crown Vic" (como ele é carinhosamente conhecido) antes que ele saísse de linha: O velho e confiável Panther ainda é o preferido de 11 entre 10 policiais nos EUA.

Neste mês de setembro, mais precisamente, no dia 15, quinta-feira, a Ford fechou a fábrica de St Thomas, em Talbotville, Ontário, no Canadá, onde eram produzidos os carros da plataforma Panther.

Ford Crown Victoria

Durante alguns anos ainda se verão muitos dos milhões de carros produzidos nesta plataforma. Mas aos poucos eles irão sendo desativados e pararão nos ferros-velhos. Por fim, sobrarão alguns exemplares bem conservados que virarão meu pescoço quando passarem por mim nas minhas viagens aos EUA.

Gostaria que o leitor que sempre apreciou as tradicionais barcas americanas dedicasse um minuto de silêncio em homenagem aos carros maravilhosos que foram produzidos desta forma. Alguns, talvez muitos, dirão que é evolução, mas para o que vos escreve ficarão as saudades.

Marquem a data: 15 de setembro de 2011 - o dia da morte do tradicional sedã americano. Apenas tenho a agradecer pelos anos a fio de excelentes serviços prestados. Meus sinceros pêsames.

CMF

39 comentários:

  1. CMF,
    Confesso a você, gostei desses carros, mas foi em outra época de minha vida, ultimamente não tinha prazer em andar neles nem como taxi, até aí se desvalorizaram, no último trajeto, o hotel me ofereceu transporte num Town Car a 50 dólares, até o aeroporto, um taxi comum saia a 70... Claro que fui de Town Car, mas foi como uma despedida.

    MAS

    ResponderExcluir
  2. Também sempre admirei as banheiras americanas. Com o tamanho do Lucro Brasil, poderíamos ter aqui uns exemplares delas como contraponto às latas de sardinha européias superfaturadas, que com certeza fariam sucesso. E seus motores V8 provavelmente sejam menos beberrões que os Frex lisarBianos.

    ResponderExcluir
  3. Belo post,

    Eu gosto muito da escola européia, com carros leves, ágeis e praticos. Mas essas banheironas americanas também mexem comigo.

    Sempre me lembram de uma tocada mais tranquila, relaxada, com uma estradona pela frente, de preferencias sem curvas, como as highways americanas...

    Realmente é o fim de uma era.

    Abs,

    Roberto.

    ResponderExcluir
  4. Em NY andei de taxi Prius e Ford Escape. Continuo preferindo o Crown Vic. O Vic é uma barca bem bacana, nas o mundo anda, nem sempre na melhor direção, e o povo acaba preferindo novidades, muitas vezes apenas por serem novidades.

    ResponderExcluir
  5. Osmar Fipi18/09/11 10:47

    Onde é que os policiais vão comer rosquinhas agora?

    Bem, seguindo a histeria verde, os policiais agora comerão wraps naturais orgânicos à bordo de um Toyota Prius...

    - Osmar Fipi

    ResponderExcluir
  6. (1 min d silencio)

    como o amigo ai em cima disse,também sou da escola Européia,e também da japonesa..mas as banheironas..tem o seu lugar

    esse sdias vi alí perto da estação Giovanni Gronchi da L5 do metro aqui em SP,um caprice azul escuro metalico,e como eles são lindos e grandes(para nós acostumados com celtas e gols)...queroum

    ResponderExcluir
  7. Toda vez que alguém da equipe "Autoentusiastas" escreve sobre algum destes super-hiper-mega-supra-ultra-baita esportivos, geralmente se babando todo, eu acho um saco. Já disse mais de uma vez: aqueles foguetes sobre rodas não me dizem nada, excitam meu auto-entusiasmo tanto quanto uma anciã de 110 anos desperta minha libido. Carros, para mim, sempre foram, são, e sempre serão, os carros de passeio, embora hoje muitos tenham desempenho digno de ser chamado esportivo. E nada mais "carro de passeio" que as espetaculares, magníficas, imponentes, confortáveis, luxuosas e imensas "barcas" norte-americanas, silenciosas, de rodar macio, praticamente flutuando sobre o asfalto, e os passageiros e motorista lá dentro, como se refestelados em uma macia poltrona-do-papai sobre rodas. Não importa que nunca tenham sido um primor de estabilidade e de agilidade, pois não foram feitos para serem pilotados, e sim, dirigidos com toda calma e conforto, com o espírito de quem está passeando mesmo, sem muita pressa de chegar. É bem verdade que aqui só tivemos a linha Galaxie 500/LTD/Landau e os Dodge Gran-Sedan/Le Baron, que não chegavam a ser um verdadeiro "transatlântico" tipo um Cadillac Eldorado, um Chrysler Imperial, ou um Mercury Turnpike, mas mesmo assim, deixaram saudades em muitos. Me lembro como se fosse ontem a primeira vez que meu pai me levou a uma exposição de antigos, e dei de cara com estes monstros. Nascia ali uma arrebatadora paixão. Eu, que já gostava de carros, descobri ali, naquele dia, os que eu mais gostava, entre todos eles. Sim, Carlos Farjoun: por trás deste teclado que agora lhe escreve, está um coração de luto. Que as grndes "barcas" vivam eternamente em nossos corações, e nas mãos de muitos e muitos colecionadores obcecados por carros mantidos nos mais absolutos estados de conservação e originalidade, para que sempre possamos matar as nossas gigantescas saudades.

    ResponderExcluir
  8. Não só vou fazer um minuto de silencio, como vou marcar no calendário para o minuto de silêncio anual.

    ResponderExcluir
  9. Eu como proprietário de um Crown Victoria 1992, sei do que este post está falando.
    O modelo finalmente estará eternizado.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Ainda sobraram os SUV's e os musclecars. Por enquanto....
    Carro europeu pra mim só BMW e Mercedes. Talvez pq são barcas e lembrem os americanos. Por isso gosto dos Holden da Austrália.Latas de sardinha, tou fora!!

    (Ferraris e Porsches a parte)

    ResponderExcluir
  12. Carlos,
    É claro que é uma pena, ainda que essa fosse uma morte mais que anunciada. Mas as polícias dos EUA não precisam se desesperar: a GM já anunciou que irá fornecer sedãs de grande porte com motores V8 e tração traseira. Importados da Austrália, naturalmente.

    Agora, falando objetivamente como usuário do serviço de taxis em Chicago (de onde escrevo neste momento), o Crown Vic pode até ser bom para os donos de frota e os motoristas, mas é péssimo para os passageiros. Como existe uma divisória fixa entre os compartimentos dianteiro e traseiro, quem vai atrás viaja espremido, com menos espaço para as pernas do que em um Siena ou Classic.

    ResponderExcluir
  13. Que merda.

    McQueen

    ResponderExcluir
  14. Eu nunca tive a oportunidade de andar em um Vic, mas já vi de perto, dentro de uma oficina de funilaria. Estando ele isolado, sem ter carros ao lado, ao chegar perto dele não se tema impressão de ser muito grande não. E o interior parece um pouco apertado, considerando o tamanho do carro.

    Esse carro vai fazer a mesma falta que o Santana deixou aqui: carro grande de frota, relativamente espaçoso, robusto, barato de adquirir e manter. O preferido dos taxistas e das polícias.

    "Eu senti um grande distúrbio na Força, como se milhões de policiais e taxistas gritassem aterrorizados e de repente fossem silenciados."

    ResponderExcluir
  15. Escrevi um comentário extenso, mas devido a problemas com a senha do Google, perdi tudo.
    Veremos se esse vai...

    ResponderExcluir
  16. O Crown Vic representa tudo que ha de errado nos EUA: desperdicio de materiais e engenharia mediocre.

    Enquanto que um V8 normalmente uma coisa boa, um 4.6 com mediocres 210CV para mover um carro de 2t e patetico.

    Enquanto que um carro com mais de 5m normalmente proporcionaria espaco abundante para ocupantes e bagagens, nao era o caso do Crown Vic. A cabine ocupa proporcionalmente pouco do comprimento total do carro, espremendo as pernas dos passageiros. Mas nao se deixe enganar, porque apesar de sobrar muito comprimento para o porta-malas, ele tem uma forma estremamente irregular, com como que um caixote aonde fica o eixo rigido e o estepe sobre ele, sobrando apenas 2.3 do que se epseraria de seu porta-malas para bagagem. Em termos de comparacao, meu Pontiac Bonneville oferecia muito mais espaco aos ocupantes e para bagagens, sem falar que pesava muito menos e tinha muito melhor comportamento dinamico, gracas a sua suspensao multi-link nas quatro rodas. Meu Dodge Stratus era ainda mais eficiente em termos de espaco interno, me permitindo cruzar as pernas no banco traseiro mesmo atras do bando do motorista ajustado para meus 1.95m.

    Dirigir um Crown Vic e pior do que injecao na testa, com sua direcao para la de imprecisa e sua suspensao sem qualquer engenharia, rispida em juntas de pontes e batendo no fim-de-curso em buracos. O eixo rigido traseiro e uma desgraca, provocando saltitamento em arrancadas fortes e nenhuma diversao que se poderia esperar da tracao traseira.

    Para quem gosta de barcas, ainda tem as da Buick, com projetos modernos, monocoque, suspensao multi-link, tracao dianteira e motores modernos e potentes. Nao sao de meu gosto, mas para quem gosta de espaco e detesta dirigir de maneira esperta, sao muito mais passaveis que o Crown Vic.

    Agora vou fazer um minuto soltando fogos-de-artificio. Crown Vic, ja vai tarde para o inferno daonde veio.

    PS: se voce examinar os materiais e montagem de um Lincoln se entende porque vendem menos que Suzuki nos EUA.

    ResponderExcluir
  17. Não entendo essa ode as banheiras.
    Um Ford Falcon ou um Holden Commodore também seguem uma receita de motor dianteiro e tração traseira com bom aproveitamento de espaço sem serem enormes. Ford e GM americanas não os aproveitam nos USA de burras e patéticas que são, vai ver têm inveja desses produtos terem sido projetados no Downunder.

    ResponderExcluir
  18. Realmente um carro do tamanho destes não oferecer um espaço decente não merece continuidade.
    Ford e Holden fazem produtos similares, V8 tração traseira, full size, apesar de menores, com mais espaço interno.

    ResponderExcluir
  19. chassi so pra caminhao18/09/11 22:12

    Agustine, otimo comentario, somos dois soltando rojao!!

    eu achava que essas porcarias de carro com chassi tinham morrido nos anos 80 ainda, ja vai tarde mesmo. Ja é 2011, o mundo ja mudou um bocado, tava na hora!!!

    ResponderExcluir
  20. Compra um Fusion híbrido querida.

    McQueen

    ResponderExcluir
  21. Esses caros são o perfeito caso de só ter tamanho e safadeza. Tanto que pra ficarem bom, a polícia reconstruia o carro todo...

    O original escostava a maçaneta no chão em curva de autoestrada... Só presta pra alegrar molecada cantando pneu.

    ResponderExcluir
  22. Ao Crown Victória minha mais sincera admiração do último automóvel norte-americano de verdade. Tudo bem que não fosse mais produzido nos EUA, tão pouco estivesse no ápice da modernidade automotiva, esse é o tipo de carro que não precisa buscar a perfeição... O motivo é: já é perfeito para eu e tantos outros que admiramos as barcas!
    Podem aqui descrever inúmeros defeitos do carro, mas ele tem personalidade e é o verdadeiro automóvel.
    Chassi - Sim, Motor V8 - Sim; Esbanja espaço e disperdiça-o - Sim! Isso é o que importa, ser um Full size.
    É um carro como deve ser: motor dianteiro e grande e com tração traseira!
    Na vida real o transito perde personalidade, na ficção as perseguições policiais perdem identidade.
    Num mundo dominado por "econoboxes" e demais carros sem qualquer personalidade, os Crown Victoria, Grand Marquis e Lincolns eram o último suspiro de um carro que ultrapassa adversário por décadas a fio.
    Como nem tudo é eterno, segue minha singela homenagem a um dos últimos carros de verdade!
    Que venham os descartáveis automotivos e todas as criticas de quem nunca andou em um sedã de verdade! Ficam as memórias dos carros que não são mais fabricados, mas durarão para sempre!
    Ainda terei um Crown Victoria para fazer companhia aos Galaxies!
    Ósculos e Amplexos,
    Portuga Tavares

    ResponderExcluir
  23. Até há alguns anos o Town Car reinava absoluto entre os construtores e compradores de limusines, mas na década passada alguém percebeu que SUVs podem virar limusines mais espaçosas que os tradicionais Lincolns espichados. Então, transformaram algo sem sentido (SUV) em algo ainda mais sem sentido (a limusine) e isso fez algum sentido! Senhores, o carrão norte-americano não morreu: ele cresceu e agora atende por nomes como Expedition e Navigator. Quanto aos tradicionalíssimos sedãs, estes continuam lá. Talvez um pouco menores e menos ineficientes, mas ainda grandes.

    ResponderExcluir
  24. Descansem em paz. Sentiremos muita falta.
    Do lato dos meus 1,86m, tenho notado que as gerações mais novas tem tendencia a ter estatura menor, nao sei porque, mas tenho visto pouca gente mais nova que eu com a minha altura ou maior.
    Vai ver que acompanhando a "evolução" do automovel, está a evolução do ser humano, produzindo baixinhos para se sentir confortaveis em carros claustrofobicos pra mim

    ResponderExcluir
  25. Quem entrou nestes carros sabe que não é confortável nem tem acesso fácil para pessoas altas. É só assistir um episódio de COPS e comprovar...

    ResponderExcluir
  26. Carlão, não lembro se já te contei, mas quando comprei meu Kadett, tinha um Vic para vender na mesma loja em Santos. Entrei nele, dei partida e o carro, em ponto morto, tombava para o lado quando eu acelerava, de tanto torque no motor.
    Na época o carro estava sendo vendido a menos de 20 mil reais e tinha, acho, 28 mil milhas rodadas.
    Moral da história: Dias depois chegou um colecionador de São Carlos, pagou os 20 mil e levou o carro embora em um reboque.
    Te juro, se eu tivesse grana sobrando, teria comprado para ser meu carro de rodizio.

    ResponderExcluir
  27. O Crown Victoria representou muito bem a indústria americana dos anos 1970 até a invasão dos SUVs nos anos 1990. Nos últimos anos-modelos de vendas para os "civis", o Crown Victoria já não despertava nenhum interesse entre o consumidor, mesmo com as tentativas de atualização feitas pela Ford.

    Uma curiosidade, a plataforma Panther originalmente era uma plataforma para carros médios da Ford, mas com entre-eixos alongado. Fruto do downsizing que os carros americanos já passavam nos anos 1970.

    O triste é saber que a Ford oficialmente se une à GM fica sem um sedan grande de tração traseira com motor v8 nos Estados Unidos. O Taurus tem tração dianteira e usa um motor 6 cilindros turbo.

    Resta apenas a Dodge, com o Charger. Ao menos este é RWD, tem excelente dinâmica e o HEMI como opcional.

    ResponderExcluir
  28. Joel Gayeski,

    O Holden Commodore foi vendeido recentemente nos EEUU na divisão da Pontiac. Depois que a divisão Pontiac foi fechada, planejaram vendê-lo como Chevrolet Caprice, mas a proposta foi rejeitada. O mesmo aconteceu com o nosso Chevrolet Captiva Sport, que viraria Buick, mas novamente, proposta rejeitada por questões de mercado.

    A GM só conseguiu driblar essa rejeição oferecendo os dois para frotistas. O Captiva deixou de ser Saturn Vue para voltar a ser Chevrolet, mas exclusivamente para locadoras; o Commodore virou Caprice Police Patrol Vehicle e está sendo oferecido como carro de polícia. A GM já está aceitando encomendas para o modelo, aparentemente as primeiras entregas acontecerão ainda este ano.

    O Bob Lutz gosta bastante do Commodore. Comenta-se que quando ele visitou a fábrica da Holden, em 2006, e dirigiu o Commodore VE, ficou doido para levá-lo para os Estados Unidos. No ano seguinte, o conceito já estava exposto no Salão de NY.

    Especula-se que a GM esteja planejando voltar a vender o Commodore para uso civil nos Estados Unidos, dentro da divisão da Buick. Entraria no lugar do Lucerne.

    O próprio Chevrolet Camaro, talvez um dos maiores símbolos da GM dos EEUU, foi projetado pela Holden.

    Em relação ao Falcon, a Ford levou vários para teste nos EEUU em 2008 para testes. Dizem que a Ford ainda planeja vender o Falcon GT por lá.

    ResponderExcluir
  29. Pedro Henrique

    Ué, que eu saiba o Holden Commodore (Chevrolet/Opel Omega) foi vendido por anos nos EUA como Cadillac Catera...

    ResponderExcluir
  30. Uniblab,

    Bem lembrado, mas essas foram passagens pouco mais antigas do Commodore pelos EUA.

    A última foi o Pontiac G8, além do Caprice PPV.

    O Catera era, na realidade, o Opel Omega II MV6, do qual o Commodore VT (nosso Omega II) foi baseado.

    A Pontiac também vendeu o Holden Monaro como Pontiac GTO por algum tempo, entre 2004 e 2006.

    ResponderExcluir
  31. Pedro Henrique

    Obrigado; depois do Catera não acompanhei mais os "clones" americanos...

    Mas até deprime comparar a linha de produtos da Holden com a da GMB (especialmente sabendo que preço e margem são maiores aqui)...

    ResponderExcluir
  32. o augustine deve ter um CELTA (=merda).

    uma hora de silêncio. tenho uma barca v8 e vou andar nela até morrer, nem que seja peidando no tanque!

    ResponderExcluir
  33. P. Barbizan04/12/11 15:38

    Realmente, quem nunca andou em Full-size destes acha que qualquer Honda Civic, Toyota Corolla, Classe C e sua turma, são o melhor de comforto.Carros com chassi são mais consistentes em seu rodar, além de ter mais resistência a torção.Motor V8 nem se fala.O tamanho, é o atrativo principal e o que mais chama atenção, assim como um Civic Si vermelho ou um Veloster amarelo, onde os únicos atrativos são um pobre motor 4 cilindros e suas "cores vibrantes", mas sem porta malas e esmero em detalhes, como no querido(antigo) exemplo regional Galaxie 500 e sua família .Realmente, antes de escrever algo contra os Full-size, ande em um de verdade, não em um Commodore.Vida longa aos Full-size.

    ResponderExcluir
  34. Quase me esqueci de citar o silêncio.Tentem ouvir o som do motor de um Landau original.

    ResponderExcluir
  35. Sei que tô chegando no assunto com três meses de atraso. Mas confesso estar em estado de choque diante da notícia. Ficaria alegre em ler sobre a morte de Agile, Celta, Uno "Involution" e outras temeridades atuais. Mas Crown, Marquis e TownCar!!! Misericórida. Mas que raio de "evolução" é essa que nos leva o que temos de bom e nos deixa apenas lixos super caros? Já tive a oportunidade de entrar em um Marauder 2004, que como todos sabem, é da família Panther. Que carro fantástico e apaixonante! E agora, essa notícia! Que tristeza, sem comentários. LUTO!

    ResponderExcluir
  36. Ja vai tarde esse lixo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lixo é carro coreano, chines, japones e essas tranqueira européias, latas de sardinha com motorzinhos de enceradeiras, p/ quem entende de carros, as barcas americanas sempre serão o que de mais sensacional se produziu no mundo dos automóveis. As ruas cada vez mais perdem a graça, sendo cada dia que passa mais entupidas de porcarias sem graça, onde voçe não sabe distinguir os estilos e marcas, pois são todos iguais, uma pena ....

      Excluir
  37. cara fico triste com isso o carrão que era meu sonho de consumo esta morto não terei a chance de ter um

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...