4 de setembro de 2011

SPACE CROSS, AVENTUREIRA COMPORTADA

Fotos: Divulgação VW


Depois do CrossFox lançado em novembro de 2009 e da Saveiro Cross, em fevereiro de 2010, e um ano depois do novo SpaceFox (o primeiro é de abril de 2006), chega o terceiro modelo aventureiro da Volkswagen, a Space Cross. Como na SpaceFox, há opção entre câmbio manual e robotizado e, ao contrário do Crossfox, o estepe não é externo, o que merece aplausos por não recorrer ao “exagero decorativo”, como fabrica mesma diz no material de divulgação à imprensa. Custam R$ 57.990 (manual) e R$ 60.690 (robotizado I-Motion), e compartilham o motor EA-111 de 1,6 litro VHT (Volkswagen High Torque) de 101/104 cv G/E. O Space Cross é produzido na fábrica VW em General Pacheco, na Grande Buenos Aires.

Nada de estepe externo: nota 10


O visual aventureiro discreto se resume ao pára-choque com abertura para refrigeração maior contendo os faróis auxiliares de neblina e de longo alcance combinados surgidos com o FoxCross, uma solução perfeita, e aos frisos pretos na laterais com identificação da versão e o nome Space Cross no pára-choque traseiro. Há também os trilhos no teto e num relance nota-se a maior altura de rodagem, que é de 33 mm na dianteira e 35 mm na traseira, dos quais 5 mm vêm dos pneus 205/55R15 (195/55R15 no SpaceFox). As rodas de alumínio são pintadas em cinza (ver lista de equipamentos de série e opcionais).

Internamente, as sapatas dos pedais são de alumínio e as soleiras das portas trazem inscrição Space Cross, o mesmo ocorrendo com a manopla da alavanca de câmbio manual. Bancos são revestidos de tecido, sendo couro opcional.

O novo Cross Volkswagen vem, de série, com computador de bordo, espelho interno fotocrômico, sensores crepuscular e de chuva com limpadores de pára-brisa indexados à velocidade, espelho direito que aponta para baixo ao dar ré e sensor de estacionamento traseiro, além de bolsas infláveis frontais e freios com ABS.
A elevação da suspensão foi acompanhada, segundo a fábrica, de mudanças na geometria de suspensão e direção, nas mangas de eixo e nas bitolas, que cresceram 33 mm na dianteira e 23 mm na traseira, para 1.448 e 1.435 mm agora. Aumento também no diâmetro dos discos de freio (só dianteiros), de 256 para 280 mm, melhorando bastante a potência de frenagem.

Ambiente interno tem "gosto" de Volkswagen, mas colunas dianteiras atrapalham

Pesando perto de 1.200 kg, o motor 1,6-litro de 104 cv (com etanol) é um pouco aquém do esperado para o porte do Space Cross, mas nada que chegue realmente a incomodar. O veículo tem desenvoltura razoável em meio ao trânsito urbano e em estradas (veja “Desempenho” na ficha técnica) e roda com conforto, mostrando suspensão bem calibrada.

Os pneus de asfalto de seção transversal maior rendem bons frutos quando se trata de comportamento em curva. A “peruona” faz curva praticamente com se fosse um hatch ou sedã, com rolagem dentro do normal. A boa direção de assistência hidráulica sensível a rotação está bem calibrada e sua baixa relação de 15,7:1 significa que é rápida. Como desde o primeiro Fox, as grossas colunas dianteiras prejudicam a visbilidade quando não está-se olhando diretamente à frente.

O câmbio robotizado do I-Motion, apesar de passar por evolução constante, ainda mostra hesitações no restabelecimento do fluxo de potência, mas o início de movimentação lenta do veículo, como em manobras, está perfeito agora, eliminando um ponto negativo e criticado nesse tipo de câmbio quando desprovido de avanço lento (creeping).

Como surgido com o Fox em 2003, o banco traseiro possui ajuste longitudinal e com isso a capacidade do compartimento de bagagem varia de 430 a 527 litros.

Embora a distância mínima do solo não tenha sido informada, visualmente pode-se ter certeza de que a versão “aventureira” do Space Fox presta-se bem para rodar em estradas de terra de superfície irregular e – o que é ótimo – “voar” por cima dos dejetos viários chamados lombada que infestam ruas e estradas brasileiras.

A VW só informa consumo médio de combustível, 1 litro para 13,8 km (G) e 1 litro para 9,3 km (E). Seria melhor se informasse consumo de cidade e de estrada, como a Fiat e Renault.

Melhor, permite ao proprietário ou proprietário chegar em qualquer ambiente sem querer forçar a barra de parecer aventureiro. A VW acertou em cheio.

BS

(Atualizado 5/9 às 19h00 com informação de consumo médio de combustível, ver texto e ficha técnica)

VW Space Cross - FICHA TÉCNICA

1,6 VHT
1,6 VHT I-Motion
MOTOR
1,6 SOHC 8 válvulas
Configuração/Posição
 4 cilindros em linha / transversal
Material do bloco
 Ferro-fundido
Material do cabeçote
 Alumínio
Diâmetro dos cilindros (mm)
76,5
Curso dos pistões (mm
85,9
Cilindrada (cm³)
1.598
Taxa de compressão
12,1:1
Poência máxima (cv/rpm)
101 (G) /104 (E)/ 5.250
Torque máximo (mkgf/rpm)
15,4 (G) / 15,6 (E / 2.500
Formação de mistura
Injeção indireta multiponto Bosch ME7.5.30
Tanque de combustível (l)
50
Combustível
Gasolina e etanol, flexível
TRANSMISSÃO
Transeixo manual de 5 marchas à frente e 1 à ré
Transeixo robotizado de 5 marchas à frente e 1 à ré
Relações das marchas e do diferencial
1a 3,455:1; 2a 1,954:1; 3a 1,281; 4a 0,927:1; 5a 0,740:1; Ré 3,182:1; Dif. 4,188:1
1a 3,455:1; 2a 2,250:1; 3a 1,517; 4a 1,028:1; 5a 0,740:1; Ré 3,182:1; Dif. 4,188:1
Embreagem
Monodisco, acionamento hidráulico
Monodisco, acionamento automático
Rodas motrizes
Dianteiras
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira
Assistência
Hidráulica
Relação de direção
15,7:1
Voltas entre batentes
2,9
FREIOS
Dianteiros a disco ventilado, traseiros a tambor; ABS
RODAS
Alumínio, 6Jx15
PNEUS
205/55R15H
AERODINÂMICA
Coeficiente aerodinâmico (Cx)
0,346
Área frontal (m²)
2,24
Área frontal corrigida (m²)
0,775
DIMENSÕES E PESOS
Comprimento (mm)
4.187
Largura c/ e s/ espelho (mm)
1.904 / 1.680
Altura (mm)
1.591
Distância entre eixos
2.469
Bitola dianteira/traseira
1.448 / 1.435
Porta-malas (l)
430
Peso, ordem de marcha (kg)
1.184
1.197
Carga útil
446
433
DESEMPENHO (G/E)
Aceleração 0-100 km/h (s)
11,8 / 11,5
12,3 / 12
Aceleração 0-1.000 m (s)
33,6 /33,2
34,3 / 33,9
Retomada 80-120 km/h, 5a (s)
18,2 / 17,9
18,4 / 18,1
Velocidade máxima (km/h)
175 / 177
CONSUMO MÉDIO DE COMBUSTÍVEL (km/l)
13,8 (G) / 9,3 (E)
GARANTIA (anos)
1 (3, para motor e transmissão)
REVISÕES (km/meses)
10.000 / 6
TROCA DO ÓLEO DO MOTOR (km/meses)
10.000 / 6




VW Space Cross - EQUIPAMENTOS


Space Cross
Space Cross I-Motion


INTERNOS

Porta-malas com revestimento lateral
S
S

Relógio digital
S
S

Sapatas dos pedais de alumínio
S
S

Soleira intenra com inscrição Space Cross
S
S

FUNCIONAIS

Acendimento antecipado de faróis
S
S

Ajuste milmétrico do banco do motorista
S
S

Alerta sonoro de faróis ligados
S
S

Alto-falantes (4) e tweeters (2)
S
S

Ar-condicionado
S
S

Banco traseiro com ajuste longitudinal
S
S

Banco traseiro com encosto e assentos rebatíveis
S
S

Câmbio robotizado ASG
–-
S

Chave-canivete
S
S

Computador de bordo de 7 funções
S
S

Copo porta-objeto removível
S
S

Destravamento da tampa traseira a distância
S
S

Direção assistida hidráulica
S
S

Espelho retrovisor direito com orientação para baixo automática ao engatar ré
S
S

Espelho retrovisor interno de foco automático
S
S

Gaveta sob o banco do motorista
S
S

Iluminação interna comandada por interruptores nas portas
S
S

Iluminação no porta-malas
S
S

Limpador/lavador/desembaçador do vidro traseiro
S
S

Luz de leitura dianteira
S
S

Luzes de leitura traseiras individuais
S
S

Mesinhas atrás do encosto dos bancos dianteiros
S
S

Pára-sóis com iluminação
S
S

Porta-copos dianteiros (2)
S
S

Porta-garrafas nas portas dianteiras
S
S

Porta-luvas com iluminação
S
S

Porta-luvas com porta-caneta e porta-cartão
S
S

Redes nas lateriais do porta-malas
S
S

Retardador de desligamento de faróis
S
S

Retrovisores com acionamento elétrico
S
S

Sensor crepuscular
S
S

Sensor de chuva
S
S

Sensor de estacionamento traseiro
S
S

Sistema de informação I-System
S
S

Tomada 12 V no console central
S
S

Tomada de 12 V no porta-malas
S
S

Travamento central
S
S

Vidros dianteiros e traseiros com acionamento elétrico
S
S

EXTERNOS

Aerofólio na cor do veícul
S
S

Antena de teto traseira
S
S

Carcaça dos retrovisores pintados na cor cinza Ubatuba
S
S

Estribos laterais
S
S

Faróis de longo alcance e de neblina combinados
S
S

Faróis principais de duplo refletor
S
S

Frisos laterais de cor única com inscrição Space Cross em baixo relevo
S
S

Grade dianteira superior com detalhe cromado
S
S

Grade inferior com friso cromado
S
S

Lanternas escurecidas
S
S

Maçanetas na cor da carroceria
S
S

Moldura nos arcos de rodas
S
S

Pára-brisa com faixa degradê
S
S

Pára-choque traseiro diferenciado
S
S

Rack de teto em cor única
S
S

Repetidoras das luzes direcionais na carcaça dos espelhos
S
S

Roda de alumínio pintada na cor cinza Ubatuba
S
S

SEGURANÇA

Ajuste de altura de ancoragem dos cintos dianteiros
S
S

Alarme anti-furto
S
S

Apoio de cabeça para os cinco ocupantes
S
S

Bolsa inflável dupla
S
S

Cintos de segurança retráteis (todos)
S
S

Freios com ABS
S
S

Imobilizador de motor de 4a geração
S
S

Refletores no pára-choque traseiro
S
S

Terceira luz de freio
S
S

OPCIONAIS

Ajuste de altura e distância do volante de direção
O
O

Bancos de couro
O
O

Rádio AM-FM com USB e interface para iPod
O
O

Rádio/CD player com USB e interface para iPod
O
O

Volante multifuncional em couro
O
O

Volante multifuncional em couro com borboletas para troca de marcha
O


39 comentários:

  1. Qual o motivo desas colunas dianteiras tão largas? O Linea, por exemplo, tem até "janelinhas" parecidas com quebra-ventos que ajudam pouca coisa no quesito visibilidade. De resto escondem a pilastras de quase 1m de largura.

    Bob, mais um pergunta "off-topic":

    Recentemente comprei um altenador mais potente (110a) para uma adaptação e o dito cujo tem um conector de 3 vias moderno, diferente dos alternadores normais que utilizam o bom e velho estojo com porca pro cabeamento. Imagine a minha surpresa quando tentei entrar em contato com o fabricante e o mesmo se RECUSOU a me informar o posicionamento dos cabos no conector. Como assim? Eu compro e pago por uma peça e o fabricante não pode me explicar como instalar? É simples, conexão A, B e C nos cabos X, Y e Z. Chegaram a me falar que essa informação só poderia ser dada por alguma concessionária. Tem cabimento? Te envio até as cópias dos e-mails pra vc rir nesse domingo ensolarado.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Entre os modelos que possuem também versão "aventureira", prefiro sempre o modelo normal, pois nos "Indiana Jones" paga-se bem mais por basicamente um monte de plásticos. Além disso, alto por alto, meu Logan (ótimo por sinal, nunca canso de elogiar meu "patinho feio") também é, he, he!

    ResponderExcluir
  3. Mr. Car [2], exceto que não tenho um Logan (mas andei em um e gostei do que vi...)

    Além do que, o desempenho e consumo das versões "civis" são melhores.

    ResponderExcluir
  4. Já pensaram nos carros que dá para comprar com 60 mil reais? está muito caro esse carro aventureiro de mentirinha.

    ResponderExcluir
  5. Bob, já que ele está mais alto porém com bitolas mais largas, no final das contas ele ganhou ou perdeu estabilidade? e comparando com um Agile, quem tem mais estabilidade?

    ResponderExcluir
  6. Bob, é "off-topic", mas gostaria de mostrar um link para você, quem sabe rende algum post...

    http://www.automotivebusiness.com.br/noticia/11522/Linha%20de%20cr%C3%A9dito%20Economia%20Verde%20favorece%20redu%C3%A7%C3%A3o%20de%20emiss%C3%B5es

    A Nossa Caixa fazendo financiamento para "frotas verdes" de empresas, no estado de São Paulo. Será que teve pressão dos usineiros pra garantir consumo do combustível deles?

    ResponderExcluir
  7. Com sessenta mil dinheiros na mão, só para ficar dentro da Renault, eu poderia escolher entre um Fluence Dynamique e um Grand-Tour Dynamique, este último ainda me pouparia dez mil. A VW está sempre pedindo mais por menos. Inclusive quando comprei o Logan, um Voyage com os mesmos níveis de equipamentos ficava muito mais caro.

    ResponderExcluir
  8. Prezado Bob

    Desculpe a impertinência, mas não é o EA-111 o motor 1.6? EA-113 não é o famigerado AP-2000 ligeiramente melhorado com cabeçote de fluxo cruzado, etc...?

    ResponderExcluir
  9. É mesmo Mr. Car...

    A SpaceCross tem o mesmo preço que meu pai pagou pelo Fluence CVT dele. Dá pra comparar?...E se o caboclo tiver mesmo fetiche por VW, até um Jetta pé-de-boi é mais negócio do que um trambolho desse...

    ResponderExcluir
  10. Bob,
    O pacote aventureiro no SpaceCross ficou típicamente germânico, talvez mais discreto que comportado, a respeito de afábrica não divulgar consumo, o que está se tornando um modismo anti consumidor, por outro lado abre espaço a um órgão independente, tipo NHTSA americano, que meça todos os veículos vendidos aqui, sob mesmo parâmetro e os divulgue para interesse comum dos consumidores.

    MAS

    ResponderExcluir
  11. Antônio Martins04/09/11 13:08

    Quando essas robotizadas de uma embreagem chegaram, o lema das campanhas de publicidade só faltava dizer que era a "caixa automática de pobre", por ser muito mais barata que uma automática epicíclica ou de dupla embreagem.

    Mas elas beiram 3000 reais, e uma Powershift custa nos EUA 1.070 dólares, 1744 reais.

    Com o perdão da palavra Bob: que país de MERDA esse nosso!

    ResponderExcluir
  12. Antõnio Martins

    A própria 4Patas deste mês tem uma matéria sobre isso, mostrando que a cença das automatizadas terem o mesmo custo de manutenção de um manual não passa de balela...

    ResponderExcluir
  13. Uniblab,
    De fato, confundi ao escrever.

    ResponderExcluir
  14. Thales Sobral
    Não creio, está faltando etanol, não sobrando.

    ResponderExcluir
  15. Adleu Brex
    Colunas largas dessa maneira é coisa de estilista, não têm nenhum sentido. Notei isso logo ao dirigir o primeiro Fox, em 2003. Quanto ao caso do alternador que você contou, totalmente ridículo, coisa de gente mau-caréter mesmo, de que o mundo infelzimente está cheio.

    ResponderExcluir
  16. Sr. Nemo (cozinheiro)04/09/11 14:20

    Saudades de quando a Vokswage fabricava carro de verdade, ainda que caros.

    Duro é pagar caro numa porcaria dessa, mas como o consumidor é troxa, vai vender muito!

    ResponderExcluir
  17. Antônio Martins04/09/11 16:00

    Uniblab

    Eu já vi falar que é mais cara e mais problemática também. Vc não vê nenhum proprietário destas caixas quem nunca teve que voltar pelo menos duas vezes na concessionária pra fazer algum reparo/reajuste. E guando acabar a garantia?

    E a automatizada de dupla embreagem da Ford andou dando falhas a ponto de repercutir por aí. Caixa pra carro de dois pedais, confiável da concessionária ao ferro velho, só as Toyota (Aisin), tanto que vendem pra todo mundo.

    ResponderExcluir
  18. Sr. Nemo, quais os problemas dos VW de hoje em dia?

    ResponderExcluir
  19. Quanto ao alto preço pedido, não condizente com o que o produto oferece, não estranho, já que vimos acontecer o mesmo com a Crossfox, que vendeu (e vende) bem mesmo assim. Eles (fabricantes) são espertos, o mesmo não se pode dizer de quem compra...

    ResponderExcluir
  20. O modelo ficou interessante, valeu pela avaliação!

    Com relação à questão do custo, eu meio que ficava indignado com tudo e tal, mas aí parei pra pensar um pouco: beleza, é o preço de um Fluence Dinamique e tal, mas para muitas pessoas que não são autoentusiastas não é isso que importa. O Fluence para alguns pode ser um sedã banheirão, assim como o Fox pode ter sido um modelo que a pessoa teve antes e gostou, são mil motivos. Ah, outro bem relevante: tirando alguns eixos importantes, em muitos estados pode ser um pouco "tenso" ter um carro que não seja das marcas consagradas.

    Esses pensamentos meus podem ser retrógrados, e não são o que eu sigo, mas para muitos essa é a realidade. Cada vez mais a informação tá aí na cara, então quem escolhe um carro SABE o que tá fazendo. Cabe a nós todos difundir informação sobre esse meio de que tanto gostamos :]

    ResponderExcluir
  21. A VWB deveria botar o 2,0 neste carro para dar um diferencial a mais. Daria um fôlego maior nas vendas e no carro também.
    De resto, difícil opinar pois não aprecio estas versões. Só concordo com o Rafthehay aí em cima, cada um sabe o que compra e seus motivos. Afinal, o melhor carro é que aquele que vc gosta e pode comprar, não é mesmo?...

    ResponderExcluir
  22. Por que vocês do AE raramente criticam algum carro de maneira veemente?

    ResponderExcluir
  23. Adoro a Volks em quase todos os sentidos, assim com outras marcas importantes, mas mesmo assim, não entrando no mérito do carro, pois é um carro bom e completo, mas o problemas dele como em todos os carros deste país, e o preço. Isso é um absurdo um carro 1.6 custar isso tudo, isso não tem o menor cabimento, isso é um assalto e uma afronta a inteligencia do brasileiro.

    Gostar de carro é uma coisa, mas ser burro é outra independente do gosto e da vontade.

    ResponderExcluir
  24. Preço começando em 58.000? Em um carro com um motor de 101 cv?

    Os Deuses devem estar loucos!

    Existem opções melhores no mercado, de cara posso citar Megane GT e i30 SW...

    ResponderExcluir
  25. Anônimo 4/9 21:41
    Por quê? Primeiro, não fazemos parte da imprensa marron do jornalismo de veículos e, segundo, entendemos de automóvel. Esclarecido?

    ResponderExcluir
  26. Se o público alvo são as mulheres, o carro tem risco de ficar queimado no mercado. As mulheres preferem carros mais potentes, não para correr, mas para ficar mais fácil de dirigir.

    Os VW 1.6 são meio fraquinhos, o câmbio curto do Polo matava qualquer qualidade que o motor podia ter. Mas fazia a alegria do meu Chevette, acho que o único carro 1.6 muderno que ele emparelhava eram esses VW. Nem eu botava muita fé, mas foram várias amostras, inclusive eu tenho testemunhas por aqui. O câmbio fez a fama do carro de andador: "o carro anda bem, não precisa acelerar muito para andar, assim economiza combustível". Aí quando o proprietário ia explorar a qualidade do possante, descobria que ele não andava muito mais que aquilo, e era muito engraçado ver como eles esmurravam a alavanca de câmbio por causa de um Chevette 88 emparelhado...

    Mas logicamente senhoras carregando filhos não brincam de arrancada, e para elas não faria a menor diferença. O carro é bonito, parece ter um bom acabamento e espaço. Mas ela só vai andar bem usando muita carga, que na teoria é economia de combustível, mas por desinformação é considerado defeito. Aí o mercado pedirá câmbios ainda mais curtos e motores maiores, só para o carro andar sem precisar acelerar.

    Uma vez eu andei com uma cliente do meu pai, num Tipo Sedicivalvole. Ela tinha o nome da filha o Christian Heins, Betina... E dirigia pelo método carga, abrindo sempre que possível e conveniente o acelerador 100%. Eu me apaixonei por ela. Era linda, simpática e dirigia pelo método carga. Uma mulher mais do que perfeita! As mulheres também podem aprender a dirigir corretamente.

    ResponderExcluir
  27. Bob, a estabilidade do Space Cross é boa? e já que ganhou altura mas teve a bitola alargada e a suspensão mudada ele ganhou ou perdeu estabilidade?

    ResponderExcluir
  28. Uma dúvida: os faróis auxiliares combinados, de longo alcance e neblina, trabalham com lâmpada de dois filamentos, semelhante aos fachos baixo e alto dos faróis tradicionais?

    Desculpe se a pergunta é básica, mas foi novidade para mim ler a respeito desses faróis.

    ResponderExcluir
  29. Cobrar, a VW pode cobrar até R$ 100.000,00 pela Spacefox, é uma decisão interna deles. O duro é alguém se dispor a pagar R$ 60.000,00 num carro que valeria no máximo uns R$ 45.000,00...

    ResponderExcluir
  30. Anônimo 4/9 21:41
    Porque todos os carros testados são perfeitos, a última palavra em tecnologia automotiva, aliada a preços módicos.
    Esclarecido?

    ResponderExcluir
  31. Hummm...Por sessenta mil, acho que iria de Troller. Com esse dinheiro daria pra comprar um 2007 ou 2008. Aí sim teria um aventureiro de verdade.
    Quanto a usar essa geringonça aí na terra, obrigado, meu Fusca vai bem melhor.
    Aventureiro de madame ir ao shopping.

    ResponderExcluir
  32. Anônimo das 14:34:

    Realmente. Aqui não temos motores dos anos 80 colocados em carros "atuais", não temos bancos que decepam dedos, rodas que caem, pedais de freio que entortam, escapamentos que esquentam o porta-malas, mangueiras de A/C que inundam a cabine, câmbios "automáticos" de 4 marchas que dão trancos nem reestilizações sendo vendidas como nova geração. Isso tudo é intriga da oposição!

    ResponderExcluir
  33. Anônimo 20:59

    Acho que seu "parente" das 14:34 estava sendo irônico, não? (Ou alguém de plena posse de suas faculdades mentais poderia dizer isso no Brasil a sério?...)

    ResponderExcluir
  34. Douglas
    Faz curva muito bem. Foi mais ou menos que aconteceu com a Idea Adventure, só que no caso da Space Cross os pneus são de asfalto. Pode atirar na curva que não tem problema.

    ResponderExcluir
  35. Road Runner
    Exatamente isso, e funciona.

    ResponderExcluir
  36. Uni, eu só dei continuidade à ironia!

    ResponderExcluir
  37. A única coisa cross que eu tive foi uma caloi. Deus me livre dos pseudo cross, não foi feito pra andar na terra e no asfalto fica pior que a versão "original".
    E depois de um ano faz mais barulho que ônibus de zona rural, li no fox clube.

    ResponderExcluir
  38. Eu até entendo o conceito cross, mas não faz o meu estilo. Tenho amigos que eventualmente vão para hotéis-fazenda em Santa Catarina que demandam andar kms em estrada de terra (em boas condições, mas de terra, sempre irregulares...) ou que tem cháraras ou sítios / fazendas. Imagine o pessoal que vai para uma praia mais remota. Acho um nicho importante. Agora, se fosse comprar uma perua para mim (prefiro peruas que as minivans) hoje anda compraria a Grand Tour. Apesar do motor 1.6 (que é bem bom, mas o ideal era o 2.0) é um carro que custa 51.000 completo e não tem concorrentes hoje nas peruas. Só a jetta / 307, beem mais caras.

    ResponderExcluir
  39. A Space Cross é cara realmente, mas se consegue bons descontos na compra o que a torna bastante competitiva, levando-se em conta o pacote de equipamentos disponível. Estou seriamente pensando em comprar uma. Sempre pensei que a estabilidade e rodagem fossem pontos críticos, mas o BS demonstra o contrário.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...