18 de setembro de 2011

UMA MENTIRA CONVENIENTE


Está insuportável. A cada salão do automóvel, como esse de Frankfurt, ou notícia de carro novo, lá vêm as palavras que os marqueteiros entendem ser o máximo: sustentabilidade e emissões, especialmente a “grande ameaça”, o CO2. São eles mesmos, os fabricantes, considerando a maneira como produzem - e o que produzem - os vilões do mundo atual. Ridículo, chega a ser nauseante tanta hipocrisia misturada com um quase pedido de desculpas por...fabricar automóveis. 

Falam em proteção ao meio ambiente como se atividade humana não o afetasse desde os primórdios. Aumentos de potência com menor consumo são tidos como fatos surpreendentes, esquecendo que a evolução da tecnologia é um fato inexorável, absolutamente normal e esperado por ser própria do ser humano.

O dióxido de carbono, ou CO2, foi tornado Inimigo Público n°. 1 do mundo depois que Al Gore produziu o filme “Uma verdade inconveniente”, cinco anos atrás. O pretenso aquecimento global que o filme alardeia é contestado veementemente por cientistas de vários países e, no entanto, se tornou uma verdade quase absoluta – ou uma mentira conveniente para justificar uma verdadeira insanidade em termos de produzir veículos híbridos e elétricos, com se tratasse de uma elogiável iniciativa para salvar o planeta.

Insanidade no volume de investimento para projetar, desenvolver e validar carros híbridos e elétricos, e suas baterias de íons de lítio, cujo retorno será, evidentemente, pago pelos consumidores em termos de preço mais alto dos ditos veículos e das baterias. E o que fazer com essas baterias quandos chegarem ao fim da vida útil ainda está por ser resolvido.

Insanidade, no caso dos híbridos, de haver dois motores a bordo, quando apenas um a combustão é mais do que suficiente para movimentar o veículo por várias centanas de quilômetros por reabastecimento.

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) determinou que em 2014 os carros de Fórmula 1 só poderão trafegar na área de box com propulsão elétrica. Perderam o juízo.

Como se produzir energia elétrica não implicasse impacto algum no meio ambiente, seja por usinas hidrelétricas que exigem grandes áreas, que se tornam submersas, para formar as barragens, ou usinas termelétricas que consomem algum tipo de combustível, ou, ainda, usinas nucleares com seu lixo atômico e risco de radiação em caso de acidente, como tem acontecido.

Ou macular a paisagem com as enormes hélices no topo de altas colunas para acionar geradores de energia elétrica pela energia dos ventos.

Fora as chamadas estações de recarga que invadirão ruas, avenidas e garagens de prédios residenciais e comerciais, em vez dos isolados postos de combustíveis como conhecemos, que de forma alguma constituem o amontoado que virá com a rede de recarga de baterias - que só eliminarão mais vagas de estacionamento.

Estações de recarga: menos espaço para estacionar
Esquecem-se que muitas pessoas deixam seus carros estacionados nas ruas e que poderão ter dificuldade de recarregar as baterias.

Esquecem-se – ou fingem que esquecem - os advogados da eletrificação dos automóveis de que o aviso no painel de “Bateria com pouca carga” tem um significado totalmente diferente de ponteiro do medidor de combustível na reserva, que é desnecessário dizer qual, sepultando a expressão máxima de liberdade individual que é o automóvel.

Esquecem-se que em caso de descarga de bateria o carro só sairá do lugar se for colocada outra bateria ou então transportado, quando um ou dois litros de combustível líquido resolve facilmente o problema. 

Claro, há quem seja contrário a essa "liberdade individual", que saiam em defesa do transporte coletivo, mas são os primeiros a não abrir mão do automóvel, validando o antigo ditado "Façam o que eu digo mas não façam o que eu faço".

Há ainda a "consciência ambiental" que torna malfeitores os que não a têm só pelo fato de apreciarem veículos com motor a combustão e não verem com bons olhos a hipocrisia da eletrificação desenfreada e irresponsável. Como se os carros atuais fossem poluidores e, pior, como o gás CO2 fosse poluente - o gás que exalamos no processo de respiração.

Está faltando racionalidade ao mundo, aos dirigentes da indústria automobilística, aos administradores da coisa pública.

Está mesmo insuportável.

BS

66 comentários:

  1. Bob;

    Em 1998, eu tinha um colega na faculdade, Marxista ao extremo, super radical e defensor de causas como Movimento Sem Terra, lugas operarias, entre outras coisas do genero.

    Só que o cara andava com um Golf GLX do ano, pagava estacionamento privado e vestia-se com roupas de marca (vai saber se alguma delas nao era fabricada com a mesma mão de obra da Zara.........)

    ResponderExcluir
  2. Bob, nao acho que motores hibridos sejam tao insanos qto vc diz por alguns motivos:

    1-Motores eletricos sao leves e simples e podem ser usados em alguns casos (hibridos paralelos, ou falso hibridos como ja li neste blog, por exemplo) em sistemas de start-stop

    2-A recuperacao da energia de frenagem ou descidas eh uma boa ideia. Uma pequena bateria (menos de 50Kg) poderia ser usada neste caso

    Concordo que as vantagens dos pontos 1 e 2 sao caras para o consumidor mas realmente ajudam a economizar combustivel. Outra coisa que venho observando eh o uso de turbo compressores em motores pequenos a gasolina.

    Abracos

    ResponderExcluir
  3. Sobre o assunto dos hibridos, acredito numa unica coisa, Bob;

    Não existe desculpas por fabricar automóveis, por parte dos fabricantes. O que vejo (visão particular) é que os hibridos e elétricos são, na realidade, uma forma de "reinventar" o automóvel, aproveitando a histeria carbonica que assolou o mundo.

    Assim, o fabricante que apresentar um veiculo hibrido ou elétrico convincente terå vantagem competitiva sobre os demais e conquistará uma posição de destaque no mercado. Por consequência, o consumidor (histérico) ficará mais propenso a pagar mais por um hibrido, que ofereça uma maior margem dde lucro para as empresas.

    Tudo economia e Teoria da Vantagem competitiva...

    ResponderExcluir
  4. Shimomoto
    Como disse um dono de Cruze nos EUA e que tinha um Prius antes, "Eu me sentia dirigindo um experimento científico". Não dá, complicaram demais tudo. Onde tudo isso vai parar, não sei. Pagar fortuna por um hibrido para poupar um pouco de combustível? Tem que fazer a conta para ver se compensa.

    ResponderExcluir
  5. http://eptv.globo.com/terradagente/NOT,0,0,369060,Degelo+no+Artico+ja+e+2o+maior+da+historia.aspx

    http://g1.globo.com/natureza/noticia/2011/09/derretimento-do-artico-e-o-2-maior-da-historia-afirma-centro-de-pesquisa.html

    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,avancado-degelo-do-artico-abre-duas-rotas-navegaveis,764064,0.htm

    http://www.youtube.com/watch?v=U71lFqiLAd8

    conforme podemos ver nos links acima , trata-se de mais ima armação petista eita governo de filhas da fruta...

    ResponderExcluir
  6. Bob, o mundo está mesmo ficando um porre com os patrulheiros do "politicamente correto" atacando por todos os lados, os eco-chatos xiitas defendendo que todos devamos nos locomover pelas cidades (inclusive as megalópolis) com bicicletas (uma coisa absolutamente inviável por "n" razões), e colocando os carros como os grandes vilões da poluição, etc. Felizmente, quando o mundo se tornar realmente insuportável e o cidadão for apedrejado em praça pública por ter usado um copo de água para cometer o crime de lavar um carro, eu já terei dito "adeus, mundo cruel".

    ResponderExcluir
  7. Bob,
    Já andei no Prius, só no prop. elétrica. Achei interessante, mas eu NUNCA comprarei um !
    Vou morrer adorando um V8, bem barulhento e poluidor ! Os kg de CO2 serão meu legado para a humanidade, que ultimamente tanto tem me enchido o saco !

    ResponderExcluir
  8. Bruno Moreno18/09/11 17:26

    Motores a pistão estão evoluindo ano após ano, ou melhor, mês após mês e não precisa ser turbinado não...

    E os tendênciosos ainda querem nos empurrar essas bigornas silênciosas!

    ResponderExcluir
  9. Ja que estamos falando em consumo, ai vai uma lista dos carros mais economicos que encontrei:

    Atencao, valores em litros a cada 100Km rodados!


    Modelo (Gasolina) l/100km
    1 Nissan Pixo (20) 5,0
    2 Toyota Prius (1353) 5,2
    3 Citroen C1 (432) 5,2
    4 Toyota Auris Hybrid (122) 5,3
    5 Daihatsu Cuore (348) 5,3
    6 Honda Insight (140) 5,4
    7 Toyota Aygo (600) 5,4
    8 Lexus CT 200h (22) 5,5
    9 Peugeot 107 (231) 5,5
    10 Daihatsu Trevis (27) 5,6
    11 Suzuki Alto (93) 5,6
    12 Fiat 126 (16) 5,6
    13 Toyota iQ (124) 5,6
    14 Honda Civic Hybrid (144) 5,7
    15 Smart Roadster (452) 5,8
    16 Smart Fortwo (2022) 6,0
    17 Honda CR-Z (31) 6,0
    18 Suzuki Splash (48) 6,1
    19 Toyota Yaris (520) 6,2
    20 Honda Jazz (346) 6,2
    21 Daihatsu Sirion (136) 6,2
    22 Chevrolet Spark (37) 6,3
    23 Kia Picanto (184) 6,3
    24 Renault Twingo (778) 6,3
    25 Hyundai i10 (177) 6,4
    26 Kia Pride (15) 6,4
    27 Citroen 2CV (43) 6,4
    28 Daewoo Matiz (63) 6,4
    29 Hyundai Atos (44) 6,4
    30 Hyundai i20 (77) 6,4
    31 Fiat Cinquecento (102) 6,4
    32 Seat Arosa (132) 6,5
    33 Citroen AX (92) 6,5
    34 Chevrolet Matiz (46) 6,5
    35 Audi A2 (251) 6,5
    36 Nissan Micra (479) 6,5
    37 Fiat 500 (217) 6,5
    38 Renault Thalia (26) 6,5
    39 Daihatsu Move (13) 6,6
    40 Fiat Panda (260) 6,6
    41 Opel Agila (89) 6,6
    42 Subaru Justy (35) 6,6
    43 Citroen Saxo (142) 6,6
    44 Volkswagen Lupo (419) 6,7
    45 Smart Forfour (254) 6,7
    46 Peugeot 106 (274) 6,7
    47 Seat Marbella (31) 6,7
    48 Fiat Seicento (123) 6,7
    49 Mitsubishi ASX (17) 6,8
    50 Fiat Punto (555) 6,8

    Fonte:http://www.spritmonitor.de/de/die_sparsamsten_autos.html

    Abracos

    ResponderExcluir
  10. Bob como engenheiro eletricista posso afirmar com certeza absoluta
    Para marquetiero energia elétrica surge por brotamento. Vai sair do suvaco de um deles , a energia pra abastecer este tanto de carro

    ResponderExcluir
  11. Perfeito Leister.

    Conversa de ecochato melancia, verde por fora e vermelho por dentro.

    ResponderExcluir
  12. Pedro Navalha18/09/11 18:35

    Bob Sharp,

    De tempos em tempos, a humanidade elege algo para atormentar a mente das massas. Já foram as bruxas, depois a peste, a guerra nuclear que nunca aconteceu, e agora, o satanizado da vez é nosso querido automóvel com motor à explosão.

    Qual será o próximo bode expiatório da humanidade? Só nos resta esperar...

    ResponderExcluir
  13. Acho que a situação é um pouco mais complicada do que você apresentou aqui... Sim, Al Gore foi "alarmante" ao extremo, e muitos cientistas afirmam que o planeta passou por fases, que esse aquecimento aconteceria de forma natural, mas que de fato a poluição absurda em alguns cantos do globo não ajudam muito esse problema. Ainda que o problema maior a ser resolvido é o do lixo, da sociedade baseada nos descartáveis, problema muito mais grave que a emissão de poluentes.
    Não é uma via de apenas dois sentidos, "Ou carros híbridos são bons, ou são ruins". Existem muitas questões que vão além do sim ou não, e por incrível que pareça, a cultura do povo que utilizar essa tecnologia fará uma incrível diferença.
    Não sou militante a favor dos carros elétricos por motivos parecidos com o que você defendeu no texto, mas enquanto no brasil se discute a procedência desses carrinhos, na Europa, por exemplo, eles já são realidade.
    Países pequenos, culturalmente engajados com questoes sociais, ambientais e de consumo, onde o transporte público funciona DE VERDADE, e as pessoas usam os carros para passeios de fim de semana ou ocasiões especiais. Os double decker ingleses por exemplo, já trabalham com sistema de recuperação de energia, técnologi extraída da F1.
    O problema é que a fonte de energia desses lugares são mais poluentes que os próprios carros à gasolina. Ainda assim, tendo os carros como segunda opção de transporte, por Londres, Paris ou Amsterdam, será muito mais fácil achar bicicletários do que postos de combustível.
    No Brasil não funcionaria, porque além da política do "faça o que eu digo e não o que eu faço", vivemos em uma piolítica ainda pior, a do "só faço se ele fizer, ou se isso me trouxer algum retorno". Não usamos bicicleta, ciclistas não são respeitados no trânsito, transporte público (quando existe) não funciona e por aí vai. E olha que nossas fontes de energia são limpas.
    O que se deve pensar é que os carros elétricos não precisam ser o objetivo, mas podem ter a tecnologia estompim, aliando-a a carros movidos à combustivel fóssil ou o etanol, de forma a diminuir os poluentes que mesmo que não causem o "fim do mundo", são péssimos para a saúde em cidades como Rio e São Paulo, que ao fim de dias secos é possível VER a poluição exagerada causadas pelos carros, fábricas e tantos outros. Mas é como disse, não é uma questão tão simples assim. Não pé baseada no sim ou não, e existe muito mais do que interesse ambiental ou economico a ser resolvido.

    ResponderExcluir
  14. Boa Leister, uma vez vi um ambientalista falando que era uma boa idéia "fazer navios com grandes baterias e placas solares, aí eles navegariam até onde precisasse de energia, e plugariam lá".
    Detalhe, os navios iam navegar com o que? Remos?
    Papo de ambientalista é muito bonito e florido, mas qualquer pessoa com o mínimo de conhecimento técnico não tem como levar muito a sério o que esse pessoal fala.

    ResponderExcluir
  15. Perfeito o título: Uma mentira conveniente.

    Se já não bastasse a boa e velha "obsolescência planejada", sinto e temo que essa fixação por emissões de CO2 sejam um argumento para promover aos poucos a "obsolescência forçada" dos automóveis mais antigos que, por atenderem a normas de poluição menos severas, serão cada vez mais vistos como "monstros poluidores".

    E de fato, carros acima de uma certa idade já não estão proibidos de circular nos grandes centros urbanos em alguns países da Europa?

    O desfecho disso, seria um mundo dos sonhos para a indústria: promover a destruição antecipada de centenas de milhares desses "monstros poluidores" (muitos ainda em boas condições de funcionamento), com o objetivo de serem substituídos pelos brinquedinhos ecologicamente corretos.

    O que mais me intriga, desde as reportagens na mídia sobre "lixo eletrônico" até aquelas sobre "renovação de frota" é que salta aos olhos algo óbvio, mas que ninguém menciona porque não interessa à indústria: Fazer produtos cada vez menos duráveis para depois de pouco tempo serem destruídos e substituídos por um produto novo, é um desperdício e constitui algo extremamente anti-ecológico, pois esse ciclo de produção e destruição também tem um custo ambiental e energético. Tenho minhas dúvidas se essa conta fecha positiva.

    ResponderExcluir
  16. Não gosto do combate a um extremismo com outro. O Bob combate a histeria carbônica com outra histeria: De que nada está acontecendo, que tudo é mentira e que os carros não fazem nada de mau.
    Se há controvérsias sobre todo esse alarde do carbono, há muito mais sobre a tese de que tudo isso é besteira.


    Agora, o fato hipócrita que você poderia ter explorado é que tudo isso é, na verdade, uma grande jogada de marketing. Os fabricantes viram nisso tudo uma bela oportunidade de vender carros. Quantos não estão trocando seus velhinhos a gasolina por modelos Flex, híbridos, etc? Toda essa onda verde é o motor da industria automotiva hoje, é o que faz com que eles produzam mais e vendam mais.
    Porém a produção de um automóvel gera mais poluentes do que ele joga na atmosfera durante toda sua vida útil devido a combustão.
    Isso sim é hipocrisia.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. "Ainda que o problema maior a ser resolvido é o do lixo, da sociedade baseada nos descartáveis, problema muito mais grave que a emissão de poluentes." muito boa esta frase. Coerente.

    Uma coisa parece certa:O etanol é uma utopia, uma enganação, que desmata mais do que protege.

    Áreas antes reservadas para plantação de alimentos e criação de gado agora estão servindo para plantar cana. A consequência disso é a expansão das fronteiras agrícolas para a floresta amazônica com maior desmatamento, maiores queimadas - com liberação de toneladas do Gás Maldito.

    Outro problema dos elétricos é que a energia é gerada do carvão - CHINA E USA, de usinas nucleares - Europa, Japão, que poluem mais do que os modernos motores a gasolina.

    O Brasil, como sempre, está atrasado. Insiste em um tipo de combustível que gera fome e inflação. Só enriquece os usineiros.

    ResponderExcluir
  19. Honestamente acho muito mais preocupante a produção de lixo da sociedade do que o consumo de energia/CO². Existe um 'continente de lixo' no meio do oceano pacífico, lixo esse que é tanto material que nunca vai voltar pra natureza, além de ser importantíssima pra destruir a já existente.

    Mas não, temos que sair atualizando carros, jogando os antigos fora, "cash for clunkers" e coisas do tipo. Se as pessoas cuidassem do que elas tem, seja o celular, o carro, a roupa, não produziríamos metade do lixo que produzimos.

    Além disso, quando o assunto é CO², lixo, ou algum outro produto do mal, é sabido que é nas indústrias grandes que está maior parte do volume desses itens. Aí, não adianta muito você andar de Prius se os fornecedores da Toyota poluem mais do que toda a população da sua cidade, por exemplo.

    ResponderExcluir
  20. Para mim essa corrida atrás de fontes alternativas é desculpa de certos governos que não querem depender mais do petróleo de países instáveis. É fato que um dia o petróleo vai acabar e a gente vai ter que se virar para arrumar outra fonte de energia, então quanto antes desenvolvermos substitutos para o petróleo melhor (o prevenido nunca é pego com as calças na mão).

    Mas existe mesmo uma paranóia desse assunto e muitos “eco-terroristas” (aqueles que prevêem o fim do mundo por conta da poluição) estão aproveitando o momento para botar o terror na galera.

    Não podemos negar também que estamos destruindo o nosso habitat, co e co2 é a ponta do iceberg.

    ResponderExcluir
  21. Aqui no Brasil por exemplo, uma coisa que poderia ajudar a diminuir substancialmente o consumo e talvez até as emissões dos carros seria termos gasolina de primeiro mundo por preço justo. Mas aí teríamos que desmantelar a Petralhabrás, soterrar o engodo Frex, etc., o que claro não interessa a ninguém fazer.

    ResponderExcluir
  22. Poluição nas grandes cidades é um fato inquestionável. A histeria carbonica também.

    Melhor do que toda a histeria carbonica CONTRA os automóveis seria a histeria de PRESERVAR o que já existe. Combater, de forma intensa, as queimadas que incineram as matas todos os anos, impedir a queimada anual da cana (ela AINDA existe e acontece, antes que alguém aqui venha dizer que elas já foram extintas), incentivar novas formas de produção e reciclagem da energia (compostagem de lixo: Ela funciona e bem, além de economicamente viável com o atual preço do kWh), essas coisas funcionam e são atitudes conscientes.

    Combater os derivados de petroleo e achar que vivemos sem eles é tão absurdo e utópico quanto pensar em um mundo sem dinheiro.

    Incentivar a Agroindustria do álcool como alternativa global para a gasolina é tão insano, irresponável e irracional quanto 2+2=5

    Acreditar que todas as mazelas do ar e do meio ambiente advem do CO e CO2 também é outra coisa irreal. Mal sabem que um dos maiores lançadores de NOx e CH4 no ar são respectivamente a agricultura e a pecuária...

    ResponderExcluir
  23. Daniel, desculpe mas o argumento que agricultura e pecuária também poluem, é muito tosco. Assumindo que a histeria verde faz sentido, diga você, o que é viável: Diminuir a agricultura e pecuária ou tornar os novos carros mais verdes?

    É obvio que a história começou no: Os carros poluem muito (1/3 da poluição nos EUA) e é possível torná-los mais econômicos, incentivar seu uso racional e o uso o transporte coletivo.
    Daí para se tornar o culpado de todo o mal, é questão de tempo. Só jogar na mão da mídia e ficar no diz que me diz.

    Mas a melhor solução já foi comentada aqui: Fazer produtos mais duradouros. Produzir um carro polui muito.
    Mas isso pararia a indústria automotiva. Essa é a obsolescência programada verde.

    ResponderExcluir
  24. marcelo (jmvieira)18/09/11 21:07

    meu entusiasmo está diametralmente divergente ao do bob. se o automovel tiver que morrer pra salvar nossa existencia, que morra, oras. gosto muito de carros mas morto eu não andarei em nenhum. e falando do aquecimento global, nao adianta. sendo mentira ou verdade, o fato é que nos ultimos 50 anos o carbono que estava preso no petroleo foi transferido pra atmosfera em grande quantidade, e eu acredito ser impossivel que tanto carbono expelido ao longo de decadas não faça nenhuma diferença pra atmosfera, e não faz nenhum sentido termos hoje tanta bagunça no clima do planeta, por nada.

    ResponderExcluir
  25. jackie chan18/09/11 21:40

    Concordo com o Caio Ferrari. No mais, como o marketing dos fabricantes apregoa, carro híbrido, elétrico, etc., é avanço tecnológico. E avançar tecnologicamente é irreversivelmente da natureza humana. Além do quê, nem mesmo nos países de primeiro mundo os híbridos são "obrigatórios", quero dizer, são apenas mais uma opção, para quem quer, ninguém é obrigado a dirigir um "experimento científico". No Brasil então, os anti-híbridos e anti-elétricos podem descansar tranquilos, porque não será nesta vida que esses veículos estarão massivamente disponíveis.

    ResponderExcluir
  26. O grande erro é a falta de senso crítico e a mania de engolir as coisas sem questionar.
    Acho importante termos mais consciência e usar tudo com mais racionalidade. Mas é idiota achar que energia elétrica não tem impacto na natureza, por exemplo. Tão idiota quanto chamar "etanol" de combustível "verde" ou "limpo".
    Coisa de gente que pensa com a cabeça dos outros!
    O grande problema real é o consumo exagerado, seja de carros a combustão, seja elétricos, seja de celulares, computadores, alimentos, enfim... Acostumamos a ter tudo o tempo todo, de forma desmedida e irracional. É este o problema.
    Mas como atacar o consumo implica em desemprego e recessão, ninguém tem coragem.

    ResponderExcluir
  27. Bob, desculpe o off-topic, mas gostaria de uma opinião sua e dos demais membros da equipe "Autoentusiastas" que também o tiverem feito. É o seguinte: vocês testaram as duas versões do Fiat 500 Cult 1.4 8v Evo (manual e dualogic)? Se sim, qual delas recomendam, baseados na seguinte informação: o uso do carro será de 95% em rodovias, portanto o conforto que o automático dualogic possa trazer nem é tão relevante. Estou pensando mais em termos de aceleração e retomadas. O desempenho entre eles é muito diferente? Justifica pagar R$3.000,00 mais pelo dualogic, mesmo que seu maior benefício seja o conforto no trânsito urbano, no qual circularei bem pouco? Agradeço as opiniões, e peço mais uma vez, desculpas pelo off-topic.

    ResponderExcluir
  28. Sobre a lsita de consumo

    que cenário que é? cidade,estrada..kmh?

    ResponderExcluir
  29. "O desfecho disso, seria um mundo dos sonhos para a indústria: promover a destruição antecipada de centenas de milhares desses "monstros poluidores" (muitos ainda em boas condições de funcionamento)(...)" - Alexandre

    FATO

    em casa tem um 1993,que polui menos q um Mille(segundo o controlAR),faz 13km\l na cidade e 20km\l na estrada....

    ResponderExcluir
  30. aos eco-conscientes: usem Etanol, quase zero CO2. E o pouco que emite é culpa dos 3% de gasolina que tem no Etanol... pronto, resolvido...

    ResponderExcluir
  31. Bob,

    Lá na fábrica, às 17:30 entram os geradores diesel. Não existe energia suficiente em horário de pico, assim a energia elétrica nesse horário é mais cara para industria. Que depende de geradores tier zero.

    O que dá para concluir que: Além de tudo, não será possível (ou será mais caro) abastecer os carros elétricos em horário de pico.

    E que se a demanda for muito grande, quem quiser um carro elétrico terá que ter um gerador em casa...

    ResponderExcluir
  32. Bruno Moreno18/09/11 22:35

    Pessoal, tratemos de guardar nossas contas de luz em um baú para daqui a ums 50 anos mostrarmos rindo pra nossos netos quando eles mesmos rirem da gente ao falarmos dos carros a combustão de nossa época.

    Já to até vendo a cena.

    O que! Só isso que vocês pagavam! É fake veio!

    ResponderExcluir
  33. Caio Ferrari;

    Perdoe-me a resposta um tanto ríspida. Tosco é argumentar sem conhecer.

    Trabalhei apenas 8 anos initerruptos (sem férias inclusive) na agricultura e sei muitissimo bem do que estou falando.

    Vamos por partes:

    1-) Estatisticamente ee comprovado que um dos grandes emissores de metano na Atmosfera, além dos lixões, são os grandes rebanhos australianos. Cultura geral. Pode procurar na Internet.

    2-) Também é comprovado que a fermentação anaerobica produz metano. Fato. Portanto, criações de gado, fermentação de esterco, esgoto de confinamentos e granjas em geral geram metano sim. E não é pouco. Existe confinamentos de gado que, por meio de biodigestores, o metano é reciclado, enviado a um motor de combustão interna, gerando energia elétrica para a propriedade e também alimentando o sistema elétrico nacional, com a venda de energia.

    3-) TODAS as culturas (exceto Soja e Feijão) requerem fertilizantes Nitrogenados, ou na forma de Nitrato de Amonio ou na forma de Ureia (aliás, ambos produzidos do gás natural).

    Uma das grandes caracteristicas do Nitrogênio é a sua volatilidade, se feito a fertilização a "lanço" como ocorre em diversas culturas. E fertiliza-se, na cafeicultura, em torno de 500kg/ano de N para um aproveitamento de 250 a 300kg/ano pela planta. O resto sai voando. E vocês todos devem saber muito bem que NENHUMA planta absorve nitrogênio pela folha...(seria uma maravilha se isso ocorresse). E assim como ocorre no Café, acontece com milho, algodão, Cana de Acucar...e por ai afora.

    4-) Se a moda do carro elétrico pegar, vamos ter que ter uma usina nuclear em cada cidade para gerar tamanha quantidade de energia...

    5-) Respondendo a sua pergunta. Poluição sempre haverá. Prefiro tanto uma agricultura menos poluente quanto automóveis que promovam um melhor aproveitamento térmico do combustível.

    ResponderExcluir
  34. Toity,
    Como, mas COMO, você conseguiu enfiar o PT no meio dessa matéria, cara?

    ResponderExcluir
  35. Quero ver onde eles vão tirar tanta energia elétrica produzida de forma "ECOLÓGICA" para abastecer carros elétricos se muitas pessoas o tivessem, para mim o melhor mesmo é derivados do petróleo e pronto. E os combustíveis vegetais são os que mais degradam o ambiente devido ao desmatamento e ainda aumenta o preço dos alimentos, TERRA É PARA PRODUZIR ALIMENTO E NÃO COMBUSTÍVEL, quem quiser ser ecológico que ande de bicicleta.
    A unica forma realmente eficaz de fazer com que se degrade muito menos o ambiente seria controlar a taxa de natalidade, mas não tem ninguém lá no nosso governo que perceba isso. O problema atual é gente que é demais. Temos que daqui a alguns séculos diminuir a população para cerca de 1 bilhão, para quem acha isso muito pouco lembrem-se de que já houve muito menos, basta ver história.

    ResponderExcluir
  36. Eduardo Vieira19/09/11 00:57

    HUahuahuahuahuahua...
    Orra, Bob!
    Só o título do post já foi o MELHOR!

    ResponderExcluir
  37. Mr. Car
    Tenho dito que o câmbio robotizado é um câmbio manual de embreagem automática e com troca de marchas para frente/trás em vez do padrão do "H". É muito agradável trocar marchas só com toques na alavanca e sem precisar apertar pedal de embreagem, até andando forte. Como nas reduções há a aceleração interina automática, você pode se concentrar no freio, sem precisar usar o punta-tacco. É muito bom isso. Ao parar num sinal o câmbio já vai para primeira, você nào precisa se preocupar em passá-la. Mesmo que você vá dirigir a maior parte do tempo em estrada, volta e meia ocorrem engarrafamentos, entrando-se na situação de trâsito anda e pára das cidades.Como operação manual e modo S, as trocas são tão rápidas quanto num câmbio manual. Agora, a operação automática ainda é ruim, no sentido de haver hesitações, as famosas "cabeçadas", mas você só usa no automático quando quiser. Depois que você se acostuma com o robotizado, e o processo é rápido, é difícil pensar num câmbio manural tradicional.

    ResponderExcluir
  38. Obrigado pelos esclarecimentos, Bob, mas permita explorar seus conhecimentos mais uma vez: e o desempenho em si, é melhor (suponho que sim, mas gostaria de ter certeza) no carro com câmbio manual convencional? Pouca coisa, ou o bastante para se notar claramente a diferença?
    Obrigado mais uma vez, e um cordial abraço.

    ResponderExcluir
  39. Alexandre - BH -19/09/11 03:02

    Bob,
    De tudo que já li até hoje sobre energia ‘limpa’, o que me parece menos ruim são os sistemas eólicos e as estações de abastecimento com painéis solares. No entanto, como não pretendo ter um carro elétrico ou híbrido, sinto-me ambientalmente responsável fazendo o que boa parte dos donos de automóveis não faz: Mantenho meu carro em perfeitas condições. No último fim de semana troquei óleo, filtros de óleo, ar e combustível, velas e cabos e calibrei os pneus. Suspensões, direção, freios, tudo em ordem. Carro justinho, sem atritos, arrastos ou peso morto que possam aumentar o consumo de combustível. Dessa forma, durmo de consciência tranquila por cada um dos 550 litros de oxigênio puro que respiro todos os dias. O resto é conversa fiada.

    ResponderExcluir
  40. Daniel, não questiono que a agricultura e pecuária poluem.
    Só digo que este fato não dá sinal verde para os carros continuarem cagando poluente na atmosfera. (obvio, no caso dos "verdes" estarem corretos.
    É como dizer que os seres humanos expiram CO2, logo não faz sentido querer diminuir a emissão destes gases nos carros!

    ResponderExcluir
  41. Isso é que é ser reacionario. Não se preucupe, é normal temer o que não se entende...

    ResponderExcluir
  42. Velho Carcomido!19/09/11 07:54

    Calma, Bob...não fique nervoso.

    ResponderExcluir
  43. É o que sempre digo desse discurso hipócrita pseudo-ecológico contra os carros: vamos assumir que o problema de aquecimento global seja, de fato, causado pelo aumento de concentração de CO2 na atmosfera. Legal, os ecochatos escolheram para atacar os responsáveis por menos de 20% das emissões de CO2.

    Continuando essa continha de padeiro, se todos os carros fossem elétricos, boa parte dessa eletricidade para movê-los viria de usinas termelétricas a carvão ou outro combustível fóssil. E aì? Não tenho os números corretos, mas acredito que se todos os carros passassem a ser elétricos, as emissões totais de CO2 seriam reduzidas em aproximadamente 10%. Maravilha, agora falta reduzir só os 90% restantes...

    Com excessão do Japão, por motivos óbvios, não vi nenhum ecochato no mundo todo fazer campanha para uso consciente de energia elétrica nas residências e empresas. Isso traria um benefício muito maior a todos, com impacto mínimo na vida de cada um.

    E ninguém pesou qual impacto é mais grave para o planeta como um todo: as emissões de CO2 ou o volume bestial de baterias que haverá quando os carros elétricos/híbridos forem usados em massa? Até agora só ouço falar em usinas de reciclagem, mas nada de concreto foi feito até então. Se o simples aumento no consumo de celulares e notebooks já está gerando um problemão quanto a baterias, imagine um volume estupidamente maior vindo de automóveis...

    Por acaso todo mundo acha que o pensamento ecologicamente correto é de graça, o pessoal está realmente preocupado com o bem estar de todos? Por...a nenhuma! Tem neguinho ganhando uma grana preta por detrás, como sempre. E a manada segue o fluxo, como sempre...

    ResponderExcluir
  44. Bob,

    Toda vez que este assunto, na verdade é uma neura, de Sustentabilidade entra em pauta, lembro do que foi o movimento do TQC - Total Quality Control - que houve nos anos 90. Era ISO 9000, ISO 14000... e outros tantos certificados convencionados e emitidos que somente tinham uma única função: Criar segregação de mercado.

    As empresas que se antecipavam e entravam na onda logo no começo, tiravam vantagem competitiva delas.... a medida que outros vão pegando a onda pela metade, começavam a gerar concorrência para as primeiras que, temendo perder mercado, acabavam por criar novo tipo de segregação para manter-se na "vanguarda".

    Também como exemplo podemos lembrar da questão dos fabricantes de propelentes e fluidos refrigerantes, que não é nada diferente do que a indústria automobilistica vive hoje em dia.

    ResponderExcluir
  45. Zé ruela...19/09/11 09:32

    É vital para nossa espécie que a indústria invente e pesquise novas fontes combustíveis e propelentes, que vão além dos derivados sujos do petróleo.
    Do jeito que tá, jamais alçaremos a nossa jornada em direção ao futuro, ao espaço, à conquista de novos planetas, e à descoberta dos segredos mais fundamentais do universo!
    Eu não quero apenas viajar a 120km/h, quero cruzar o superaglomerado local a milhares de parsecs por hora, sem que meu irmão gêmeo envelheça, enquanto estou jovem, cheio de vigor e muito bonito....

    ResponderExcluir
  46. Caio Ferrari;

    Então escreva direito e pare de chamar os argumentos dos outros que são verdadeiros mas diferentes dos seus de Tosco.

    ResponderExcluir
  47. marcelo vieira (jmvieira)19/09/11 10:25

    independente de quanto $$$ custe, temos que inexoravelmente ir na direção em que estamos indo. precisamos urgentemente reduzir o CO2 emitido e usar um CO2 que possa ser reabsorvido (alcool, biomassa, etc.) e mesmo que os ecochatos sejam uma industria mercenaria e avarenta, o fato que esta por tras da especulação existe, que a quantidade de carbono na atmosfera está atingindo niveis acima do ciclo natural da Terra, e de forma irreversivel para que não haja grandes danos a humanidade. A terra vai resolver o problema do aquecimento global pq a natureza reage naturalmente pela lei de causa e efeito, o problema é o que acontecerá à humanidade quando isso acontecer.

    ResponderExcluir
  48. Na verdade os carros híbridos e elétricos são poluidores muito piores.

    Os carros "normais" jogam muito CO2 na atmosfera. Mas o CO2 é facilmente processado pela natureza. Porém não liberam metais pesados nem gases realmente nocivos quando entram em decomposição, ao contrário dos carros híbridos e elétricos.

    A Toyota, criadora do Prius, não tem como recolher todos os Prius quando eles envelhecerem, porque eles não estarão mais nos países ricos onde foram vendidos. Estarão sim em países pobres, que os importaram já usados dos países ricos e onde a Toyota não possui fábricas, como a Bolívia, o Paraguai, o Afeganistão, o Paquistão e os países africanos.

    Quando esses carros forem decompor-se nos ferros-velhos desses países, liberarão metais pesados nos lençois freáticos, ameaçando grandes rios como o Yangzi, o Paraguai-Paraná-Prata, o Nilo, o Ienissei, o Níger, entre outros, ameaçando a subsistência de bilhões de pessoas. Isso sim é uma catástrofe.

    ResponderExcluir
  49. Anônimo das 19/09/11 10:54, esse argumento a respeito do Prius é mais uma das lendas urbanas que proliferam na net. Primeiramente, é difícil acreditar que países pobres terão interesse em importar esse tipo de carro usado quando têm tantas outras opções com motorização convencional. Por outro lado, como a Toyota compra por $200 cada bateria usada do Prius, é mais provável que o destino da bateria seja a Toyota, do que um país subdesenvolvido. E mesmo que venham a parar em países fim-do-mundo, segundo o fabricante (o que é duvidoso), em um cenário de destinação incorreta, a bateria de Ni-MH é menos nefasta para o meio ambiente que as convencionais de chumbo-ácido. O problema da destinação de baterias usadas existe, assim como tem sido com as baterias de chumbo-ácido por cem anos.

    ResponderExcluir
  50. Acho isto tudo de uma hipocrisia oportunista nojenta. São como as ONGs (nem todas) que escondem os seus finslucrativos com o "Socialmente correto". O mundo está muito mais policiado do que antigamente. Tente dizer algo contra os preceitos destas gente "politicamente correta"...VAIS PARAR NA FOGUEIRA.
    No mais, a única tecnologia que me interessou foi o da célula de combustível. Porém, para se tornar viável, muita agua ainda vai rolar.

    ResponderExcluir
  51. ao Anônimo das 19/09/11 13:25,

    Um carro é vendido para a Bolívia por cerca de $1.000,00. A Toyota vai ter de aumentar seu preço pago para impedir esses carros de acabarem em "países fim-de-mundo".

    A bateria do Toyota Prius é composta por Neodímio (causa embolia pulmonar e câncer de fígado), e Cádmio (causa falência renal, câncer de fígado, osteoporose, artrite, fraqueza muscular e doença de Itai-itai).

    E, enquanto o gás carbônico é facilmente retirável da natureza (plante uma árvore na frente de casa e você vai ver a melhoria na qualidade do ar), esses metais contaminam o solo por séculos.

    ResponderExcluir
  52. Anonimo das 19/09/11 15:39, Baterias do tipo Ni-MH, como o nome indica, usa hidreto metálico no lugar do cádmio. Portanto, sem cádmio. Lembrando que o chumbo das baterias convencionais tem potencial para causar uns males nefastos também. Há uma outra lenda urbana acerca do Prius, que diz que ele é menos econômico do que um Hummer V8, se contabilizar todo o processo, da fabricação, consumo, vida útil, e reciclagem.

    ResponderExcluir
  53. Daniel;
    leia direito antes de se irritar.

    Eu disse na primeira mensagem:
    "Daniel, desculpe mas o argumento que agricultura e pecuária também poluem, é muito tosco. Assumindo que a histeria verde faz sentido, diga você, o que é viável: Diminuir a agricultura e pecuária ou tornar os novos carros mais verdes? "

    Nessa frase, é obvio que assumi que a agricultura polui, como você afirmou e sentiu necessidade de reafirmar por ter lido errado o que eu disse. Senão não faria o menor sentido eu sugerir a redução da prática agrícola ao invés de reduzir o uso do automóvel.

    ResponderExcluir
  54. http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/MEIO-AMBIENTE/202732-AUDI%C3%8ANCIA-DISCUTE-PESQUISA-SOBRE-REAIS-CAUSAS-DO-AQUECIMENTO-GLOBAL.html

    ResponderExcluir
  55. ao Anônimo 19/09/11 18:20

    Produzir um carro híbrido certamente consome muito mais energia que produzir um carro "normal". Isso se comprova pelo preço: o híbrido é muito mais caro.

    ResponderExcluir
  56. Mr. Car
    O desempenho é igual, pois trata-se da mesma transmissão de força para as rodas.

    ResponderExcluir
  57. Valeu, Bob. Agora vou pensar com qual dos dois fico, e ver se tomo coragem para trocar o latifúndio de um Logan, pela "caixinha de fósforo" (ao menos no banco traseiro) que é o 500. Capaz do povo aqui em casa chiar, he, he, mas estou absolutamente fascinado pela "caixinha".
    Abraço.

    Mr. Car

    ResponderExcluir
  58. Bob, você defende as indústrias automotiva e do petróleo de forma bastante enfática e irracional. A defesa do meio ambiente é a defesa da humanidade, não do "mico-leâo dourado".
    Ou você está na etapa de negação dos problemas reais ou é remunerado por essas indústrias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Voce pode achar tudo que quiser sobre meio ambiente;o que jamais, nem você ou quem quer que seja vai fazer, é mudar um milimetro do que vai continuar acontecendo; tanto faz voce achar que o metano dos rebanhos, da população chinesa, dos combustiveis, da cana-de-açucar, o CO2, e tudo que é produzido pela humanidade para viver como vive, estão acabando com o meio ambiente, que mesmo assim, vai continuar tudo do mesmo jeito.

      Excluir
  59. Prezado Bob,

    talvez você nem leia o post, mas acredito que você está pouco informado sobre o aquecimento global. Existem várias pesquisas, inclusives de excelentes pesquisadores brasileiros (Professores do CENA e ESALQ/USP entre outros no Brasil), que exemplificam muito bem esse cenário. Se você quiser, envio umas referências pra você. Além disso, quando começei meu Dr na ESALQ/USP em 2004, 5 anos antes disso já se falava em aquecimento global e CO2. Aliás, o "vilão" do CO2 é o que tem menor poder de aquecimento, mas o que mais tem na atmosfera. CH4, emitido aos montes por cultivos de arroz irrigado e pelos gases bovinos tem poder de aquecimento 30 vezes maior que o CO2. O N2O emitido pela desnitrificação do N aplicado como fertilizante, tem 300 vezes mais poder de aquecimento. O que acontece é que para efeito de cálculos, todas as emissões são convertidas a base de CO2 e por isso que se fala só em CO2, mas na realidade todas as demais emissões estão aí computadas quando divulgados os relatórios do IPCC. Ainda, para que todos saibam, se computarmos as emissões devido a mudança de uso das terras (desmatamento), o Brasil se torna o 5° maior emissor e se o protocolo de Kioto exigisse, também teria que reduzir suas emissões, o que infelizmente não está em pauta para países em desenvolvimento. O Brasil só perde em emissões para USA, Russia, China, Jãpão?. Se tirarmos o desmatamento, o brasil vai para 17°. Então, qdo o Lula falou em reduzir em torno de 30% as emissões brasileiras, foi baseado em dados de pesquisa, pois ele sabia que se combatesse fortemente o desmatamento, facilmente ele poderia atingir essa meta. Não acreditar é a forma mais cômoda e ao não acreditarmos também assumimos que não queremos mudar nossos hábitos e que não queremos investir em tecnologias mais limpas.

    ResponderExcluir
  60. BOB,

    além do que comentei acima, o que ninguém tem se dado conta é que o aquecimento global não está sendo porque temos elevações das temperaturas máximas, dados de pesquisas mostram que estas estão estáveis ao longo dos anos, entretanto, as temperaturas mínimas é que estão ligeiramente subindo, aumentando a média global de temperatura do ar. Ainda, terá regiões do globo que sofrerão mais este efeito e outras menos.

    ResponderExcluir
  61. Ecochatos de plantão! Na verdade nenhumzinho de nós sabe coisa nenhuma da verdade sobre CO2, aquecimento global, lixo,poluição, desmatamento, carros elétricos e n coisas mais que ocorrem em nosso querido e desgraçado planeta; cada imbecil tem seus argumentos, mais adequados para justificarem seus próprios pontos de vista e cada qual acha que está certo conforme suas idéias, que elegeu como as corretas para sua própria verdade.De minha parte, não quero me preocupar com nenhum outro veiculo que não seja a combustão, quero continuar comendo muita carne vermelha, de preferencia em forma de churrasco,bebendo minha cerveja, muita,vendo meu futebol e até quando puder, f.....o com mulheres de todo jeito, mas somente com elas, enquanto os ecochatos não inventam que mulher também faz também.

    ResponderExcluir
  62. nao precizamos de usinas obtuzas como angra ou chernobil,hidreletricas ou termoletricas, mas ha um exagero quando colocam que tudo no carro eletrico e mentira, ter um motor que rende mais de 80 por cento e algo a ser velorizado, a eletricidade pode ser produzida de diversas formas nao convencionais , a editora alaude no livro re invençao do automovel fala sobre co geraçao , e esta e a jogada, ja que a eletricidade pode e deve ser produzida no local; nas celulas foto eletricas estao evoluindo rapido e ja incluem fatias para absorver a maior parte das frequencias da luz, a principal para os dias frios e o infravermelho ou calor, da mesma forma que desde a decada de 70 existe sistema de aquecimento solar para regioes frias e nubladas , este baseado em tubos a vacuo.
    quando comentao do subsidio para carro eletricos ou hibridos esquecem que a industria petrolifera recebe trilhoes de dolares e euros a o ano como subsidio; praticamente todos os paises pagam , mas os investimentos em sistemas eficientes sao irrisórios ou sabotados por mentes fossilizadas !!
    a questao nao e ser ecochato , mas honesto, infelizmente , nesta reportagem o bob exagerou um pouco e omitiu que o investimento do pre sal daria para colocar celular solares de alto desempenho em todos os telhados e janelas do brasil, com isto eliminarias a estupidez de belo monte e as termoeleticas convencionais que estao alimentas as nossas residencias.
    alguem lembra da culpula do trovao, todos os carros e a cidade da troca era movidos por metano, o mesmo gas usado na alemanha no pos guerra!
    geradores eolicos tradicionais ocupam muito espaço , mas existe uma serie desenvolvida para uso urbano, sendo estes compactos e aproveitam espaços inuteis no topo dos predios .
    se houve se a co geraçao no brasil cada cidadao teria uma conta de energia extremamente baixa , ja que este receberia do estado ja que ele o cidadao tambem produziria e venderia a sua energia.
    a eletrobras e petrobras nao gostao disto !
    preferem que nos paguemos caro por algo que poderiamos ter praticamente de graça , cada casa com este esquema de co geraçao nao seria vista como uma mera residencia , mas como uma usina de força !!

    ResponderExcluir
  63. Alguém inteligente certa vez falou alguma coisa parecida com isso: "As novas teorias não são aceitas pelos velhos, os velhos morrem e com eles suas teorias antiquadas".

    Daqui a alguns anos teremos quase que a totalidade de carros movidos à energia elétrica, seja via bateria, solar ou ar comprimido, e aí então teremos dezenas de velhos saudosistas cheirando gasolina em uma garrafa guardada como uma relíquia, lembrando do tempo em que dirigiam suas marias fumaça...

    ResponderExcluir
  64. Bom, aproveitando a discussão que botar mais combustível na fogueira.
    Vejo este papo de ecológicamente correto, esta paranóia na emissão de Co2, carro híbrido, carrro elétrico uma baita hipocrisia fatorada a enésima potência! Explico: se aumentar o número de carros elétricos, como será suprida a demanda por eletricidade? Usinas hidroelétricas, termoelétricas que geram um impacto ambiental gigantesco, as primeiras pelo estrago que faz em uma região e pela emissão de CO2 do material orgânico (vegetação) que se decompõe na água nas areas alagadas; e as segundas por serem dependentes de carvão ou petróleo.
    Fora isso como serão descartadas as baterias condenadas? E o descarte inteligente do carros velhos ainda está engatinhando no mundo desenvolvido e aqui no Brasil nem se comenta...
    O Etanol é um engodo da maneira que é utilizado, os carros flex são uma palhaçada sem tamanho mas vejo o Diesel de cana como algo que realmente funciona mas parece que vai demorar pra pegar pois quando surge algo que funciona "forças ocultas" atrapalham. Que o diga o motor Elko, outra excelente alternativa, bebe tudo o que é óleo, inclusive de fritura usado, mas as "forças ocultas" novamente atuam. Bob se possivel for pode dar uma comentada sobre Diesel de Cana e o motor Elko, são assuntos interessantes.
    Abraços e saúde a todos

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...