Google+

28 de fevereiro de 2011

VISTORIA, DE NOVO



Andei tentando agendar uma data para a vistoria anual obrigatória no Detran-RJ, sem sucesso. Na verdade um posto tinha vaga, o de Magé, mas me recuso a ter que viajar a outro município para me submeter a tal vistoria. E as datas disponíveis já eram para o mês de abril, donde concluo que como só tenho até 30 de abril para vistoriar meu carro (placa final 0) segundo o calendário divulgado, provavelmente não conseguirei cumprir a exigência, mesmo tentando o agendamento com dois meses de antecedência.

Outro dia, por conta de algum apagão, o sistema do Detran-RJ ficou fora do ar e as pessoas que tiveram seus carros vistoriados nesse dia não conseguiram levar o documento (CRLV) de 2011 para casa. Em nota, o Detran-RJ comunicava que as pessoas que lá estavam não precisariam fazer novo agendamento (seria o fim da picada!), bastando retornar aos postos nos 5 dias seguintes. Ora, qualquer morador do Rio sabe o caos que são os postos de vistoria em dias normais, imaginem nesses dias com movimento extra. E o pobre do cidadão que já perdeu o dia de trabalho para cumprir com essa obrigatoriedade, corre o risco de perder mais um dia dentro de um contêiner entupido de gente, rezando para uma boa alma gritar o seu nome e entregar o documento verdinho que lhe permitirá rodar o resto do ano.

O VW POLO, A ESTRADA, E UM CERTO ISMAEL



“Chamai-me Ismael. Faz alguns anos – não importa quantos, precisamente -, tendo na bolsa pouco ou nenhum dinheiro e nada que particularmente me interessasse na terra, achei que devia velejar um pouco e ver a parte de água do mundo. É uma maneira que tenho de afastar o tédio e regular a circulação. Sempre que começo a ficar rígido e austero; sempre que é um escuro e úmido novembro em minha alma; sempre que me vejo parar involuntariamente em frente a casas funerárias, e a seguir todos os cortejos fúnebres que encontro; e especialmente quando minha hipocondria toma tal domínio sobre mim que é preciso um sólido princípio moral para me impedir de sair deliberadamente às ruas socando as pessoas – então acho que está na hora de ir para o mar o mais depressa possível. É o meu substituto para a pistola carregada. Com um floreio filosófico Catão se atira sobre a espada; eu calmamente subo a bordo do navio. Não há nada de surpreendente nisso. Quase todos os homens, qualquer que seja sua classe, uma vez ou outra, compartilham comigo praticamente os mesmos sentimentos para com o oceano.”

O texto acima é o início do livro "Moby Dick", escrito pelo americano Herman Melville em 1851. Melville  era ele mesmo um andarilho, um aventureiro, além de escritor, e a introdução de sua obra-prima transparece isso. Particularmente acho Mellville um gênio da pena, e Moby Dick um forte concorrente para o posto de melhor obra literária já criada. Não existe pessoa com um pouco de alma que não sinta uma incomensurável vontade de sair e ver o mundo lá fora, deixando tudo para trás, ao ler o primeiro capítulo desta obra. Um livro épico de conotações bíblicas, uma viagem a um lado negro das obsessões humanas, um questionamento sobre a fronteira entre o bem e o mal. Fora que é escrito com um domínio magistral da língua, é as vezes de um humor irônico genial, e tem todo aquele suspense que nos impede de parar de ler. Como se não bastasse, é um tratado sobre a pesca de baleia no século19. Uma obra-prima imortal.

Mas o que isso tem a ver com os automóveis, tema deste blog? Bem, sempre que leio o início deste livro, substituo em minha mente o mar pela estrada. Sempre que é um úmido e sombrio novembro em minha alma, imagino-me acelerando um carro numa enorme reta que segue até acabar no horizonte. E me sinto melhor.

27 de fevereiro de 2011

A PRIMEIRA MINIVAN


Quais são as características da moderna minivan? Tração dianteira? Motor transversal? Rodas dianteiras localizadas bem adiante da cabine? Um desenho monovolume com capô curto e bem inclinado? Um assoalho plano em toda a extensão e arranjo flexível de bancos e espaço para carga? E quem foi a primeira? Renault Espace, Dodge Caravan/Plymouth Voyager ou Nissan Prairie, as três em 1982? E a DKW Schnellaster (transportador rápido)? Ela tinha tudo isso em 1949. É mais do que hora de lhe prestar esse reconhecimento.



TROCA-TROCA

Foto: supercarioca.fotopages.com


Quando li o post do Alexandre Cruvinel, Categoria D, me lembrei de um fato parecido. Uma coisa puxa a outra, como se diz.

Em 1996 eu estava na revista Autoesporte, editor de testes e técnico. Tínhamos recebido o então novíssimo BMW Z3 para teste e saí com o fotógrafo Ricardo Novelli para a sessão de fotos.

Pouco antes eu havia estado na inauguração do Cesvi Brasil S.A, Centro de Experimentação e Segurança Viária, com raízes na Espanha, uma organização voltada para os profissionais do setor de reparação e dos mercados segurador e automobilístico em geral.

O Cesvi é localizado no condomínio industrial City Empresarial Jaraguá, nos limites do município de São Paulo. Logo identifiquei ali o local perfeito para fotos de testes, pois além de não ser via pública tem um traçado variado. Por isso fomos fazer as fotos do Z3 lá.

26 de fevereiro de 2011

A VOLTA DO TRICICLO MORGAN



O carro acima é, na opinião deste colunista, o mais emocionante lançamento automobilístico deste ano. Sim, a veneranda empresa familiar de Malvern Link, Worcestershire, Inglaterra, a Morgan Motor Co, volta a fazer um tipo de carro que a deixou famosa: o carro esporte de três rodas.

RECUPERANDO UM 917 ESQUECIDO NO TEMPO


Os carros de corrida clássicos são marcantes pela sua história apaixonante, desde sua criação e desenvolvimento, participação nas corridas até seu atual estado, seja em um museu, participando de eventos ou mesmo friamente abandonados e esquecidos.

25 de fevereiro de 2011

DO BAÚ DO AC: JORNADA




Apenas mais um fora-de-série feito sobre o chassi do Fusca, como dezenas que tivemos aqui no Brasil. Mas me lembro bem de ter visto as primeiras fotos em revistas e de ter ficado curioso, pois omitiam (ou eu não prestei atenção) o uso da mecânica VW arrefecida a ar.

Usava alguns componentes do Chevette e isso dava um ar mais moderninho ao carro, fazendo supor algo bem diferente do que estávamos acostumados a ver. Fiquei com essa impressão ao ver as primeiras fotos.

O carro foi exposto no Salão do Automóvel de 1984, e me lembro que o estande dele estava bem movimentado, mas ao chegar perto, a decepção, aquele aspecto meio desconjuntado que a maioria dos carros feitos sobre o chassi do Fusca apresentam. Tinha mais jeitão de bugue quadradinho do que de um conversível moderno.

O Miura, de 1977, um dos mais belos modelos sobre a mecânica VW arrefecida a ar
De tudo que foi feito em plástico reforçado com fibra de vidro usando essa mecânica, acho que nada foi tão feliz como o Puma. O Bianco também é legal, os primeiros Miuras até tinham um visual interessante. Lembram de mais algum digno de nota?

AC

PORSCHE BOXSTER S

Fotos: Divulgação


Os carros esportivos são a ponta de lança da tecnologia automobilística. Assim como os aviões de caça, é neles onde as novidades do seu setor primeiro são postas em prática.

Esportivos como Porsche, Ferrari, Mercedes – tradicionais frequentadores das pistas, e ali vencedores – mais avançados são, pois grande parte da tecnologia nasce na guerra das competições.

24 de fevereiro de 2011

PALAVRAS II



Ao ler o post "PALAVRAS" do BS, imediatamente me lembrei de uma enorme distorção no vocabulário técnico que habitualmente usamos, e de tanto usarmos, virou jargão até entre técnicos e engenheiros, mas que está errado.

As distorções mais populares estão ligadas às unidades de medida.

Quando vamos ver um carro usado, a primeira pergunta que se faz é qual a "quilometragem" dele, como referência a quanto ele já foi utilizado. O termo "quilometragem" é bastante popular e já faz parte do nosso vocabulário, mas será que alguém pergunta qual a "litragem" do motor ou a "quilagem" de carga que ele pode carregar?

DEVAGAR DEMAIS

Foto: loja4x4.com.br
Está muito ruim presenciar todos os dias a enorme quantidade de motoristas que dirigem devagar demais.

Seja em ruas, avenidas ou estradas, parece haver um desesperador medo de dirigir em velocidade compatível com as condições de piso, visibilidade, e sinalização.

23 de fevereiro de 2011

NISSAN TIIDA HATCH, CONFORTO E AGILIDADE

Fotos: Divulgação Nissan



Viajei com ele - peguei as rodovias Bandeirantes, Anhanguera e algumas estradinhas vicinais - e me agradou o modo como viaja. Vai silencioso, estável, confortável, espaçoso e sempre está pronto a acelerar com segurança. É um bom estradeiro. Viajar com ele não nos cansa.

Nem parece que o motor flex 4-cil. de 1,8 litro de cilindrada rende só 126 cv quando com etanol, porque ele anda muito bem, parece que tem mais potência. O que peguei tinha câmbio manual de seis marchas. Há também a opção do câmbio automático de quatro marchas com quarta overdrive.

Bom de estrada, perfeita estabilidade direcional


CATEGORIA D



Já tinha guiado o caminhãozinho Agrale 1600D do meu sogro várias vezes, nele peguei o jeito rápido. É bem mais alto e largo que um carro, mas não tão mais comprido. O freio hidráulico dele passa sensação ao pedal parecida com de qualquer carro, apenas é mais duro e menos eficiente. Os espelhos laterais são grandes o suficiente para enxergar bem as laterais do baú. O que matava mesmo era o peso dos comandos. A direção não tinha assistência, era um tal de girar o volantão para lá e para cá. A caixa de marchas também estava longe de ser uma seda, o comando da alavanca era bem pesado. Essa combinação delicada dava para deixar qualquer um exausto depois de um dia inteiro de volante.

22 de fevereiro de 2011

A PRIMEIRA VEZ

Foto: commonswikimedia.org

Não era esse, mas era igual, até a cor. O Fiat 500 C era de um grande amigo, o Luís Carlos Barbará, e vivíamos para baixo e para cima nele. Isso por volta de 1957/1958 eu com 15 para 16 anos.

Já tinha algum conhecimento de mecânica, vivia mexendo nos motores de bicicleta Victoria e na Lambretta que tínhamos lá em casa. Por isso, quando o Luís Carlos me disse que o 500 estava com barulho no diferencial, me ofereci para consertar. Antes de começar o serviço dei uma volta e identifiquei ruído de rolamentos da caixa de satélites. Eu lia muito e sabia que pares cônicos helicoidais requerem um bom ajuste de profundidade do pinhão na coroa e distância entre as duas engrenagens, que é o que dá a folga entre dentes. Mas como era só trocar os rolamentos não seria necessário fazer o ajuste - eu nem meios para isso tinha. E mãos à obra.

EXTRA - DENISE JOHNSON DEIXA A GM DO BRASIL

Foto: GM

Denise Johnson, americana, 43 anos, deixou nesta manhã o cargo de presidente da General Motors do Brasil, posição que assumiu em 1° de julho do ano passado. O motivo alegado é de ordem pessoal. Denise deixa, inclusive a companhia-mãe, a General Motors Company, onde trabalhou durante 21 anos.

Trata-se da fato totalmente inusitado a brevíssima permanência de um presidente numa empresa multinacional como a GM do Brasil.

Jaime Ardila, que deixou o cargo de presidente da GM do Brasil com a chegada de Denise e passou à presidência da então criada GM América do Sul, assume interinamente o cargo deixado pela americana.

BS

PALAVRAS

Ilistração: ruralwillys.tripod.com


Há algumas coisas para as quais eu gostaria de ter explicação. Determinadas palavras, por exemplo. Tenho visto por aqui alguns textos automobilísticos nos quais, em vez de escrever motor, o autor escreve bloco, como se fossem sinônimos. A expressão bloco do motor já diz que não são. Bloco é a maior peça do desenho acima. Não é motor, mas parte dele.

Mas ontem me encaminharam um link de notícia sobre o Porsche GT3 que tem câmbio de dupla embreagem PDK, mas que pode ser comprado também com caixa manual de seis marchas, ou seja, o tradicionalismo fala alto na Porsche - ao contrário da Ferrari, que além de não ter mais câmbio manual nos modelos mais recentes, como o 458 Italia, ainda acabou com a alavanca seletora.

21 de fevereiro de 2011

MOSCA BRANCA, PRETA

Oggi CSS, apenas 300 unidades produzidas para homologar o motor 1.415 cm³ para o Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos, em 1984. A Fiat era o único dos quatro fabricantes que não possuía um motor 1,6-litro, o 1,3-litro era o maior motor que equipava a linha 147 (Spazio, Oggi, Panorama).

Para não ficar em grande desvantagem, desenvolveu um novo virabrequim, com curso de 78 mm (contra 71,5 mm do 1300), levando o motor a 1.415 cm³, que com a adição de um carburador maior, cabeçote com válvulas maiores e nova árvore de comando de válvulas, desenvolvia 78 cv líquidos, contra 59 cv do 1300 a gasolina, um ganho bem razoável.

DO BAÚ DO MAO: JAPÃO 1985 - MITSUBISHI STARION



Não é à toa que os japoneses inventaram o esporte-espetáculo chamado de Drifting. Uma olhadela na quantidade de carros com tração traseira e turbocompressores oferecida ao povo de lá desde os anos 80 explica muita coisa.

20 de fevereiro de 2011

ENGENHOSIDADE EXTREMA

Foto: carshavelifes.com

O Citroën 2CV foi produzido de 1948 a 1990 e chegou a 3,8 milhões de unidades. Pode-se afirmar sem medo de errar que nunca existiu nada parecido com ele. Foi projetado antes da Segunda Guerra Mundial, mas o conflito ocasionou o atraso no seu lançamento, tanto quanto o Volkswagen sedã e o DKW com motor de três cilindros. Seria preciso um livro para descrever todos os seus pormenores e soluções brilhantes, mas quero falar de um especialmente: a suspensão.

Grupo motopropulsor  e suspensão (raio-x tamegoesworld.com)


O desenho acima mostra o grupo motorpropulsor completo mais freio e suspensão dianteira. Aliás, note os tambores de freio internos, junto ao transeixo e não nas rodas. Outra característica notável era o freio de estacionamento agir sobre as rodas dianteiras, e não nas traseiras, como é habitual. Com isso, numa eventual falha hidráulica do freio de serviço, o motorista dispunha de um freio de emergência agindo nas rodas que realmente interessam ser freadas. O arranjo prosseguiu no DS, BX, XM e Xantia.

DO BAÚ DO MAO: JAPÃO 1985 - NISSAN GLORIA



Em 1985, meu pai voltou de uma viagem de negócios ao Japão com uma montanha de propagandas de carros japoneses. Naquele tempo, a gente não tinha a fonte maravilhosa de informação que é a internet. Para mim, quase tudo era grande novidade, coisa de um mundo distante e desconhecido... Até hoje os tenho, e se vocês gostarem continuo mostrando algumas coisas por aqui.

Hoje resolvi falar desse sedã grandão aí em cima. Sim, é quadradão e extremamente ultrapassado olhando-se da perspectiva de 2011. Mas uma olhada mais cuidadosa mostra muita coisa interessante...

19 de fevereiro de 2011

PESO, O GRANDE INIMIGO



Olhando meus arquivos, me deparo com um artigo do Stock Car de 1980, um Opala 250-S convertido para andar com álcool, taxa de compressão mais alta, velas diferentes e bem afinado. Falavam em 225 cv brutos, contra os 171 cv brutos do 250-S original a gasolina.

Não é nada demais, estimo que medindo seguindo os parâmetros atuais da ABNT, a potência líquida ficaria por volta de 170 cv, potência não muito maior do que bons motores 2-litros atuais. Mas Opalas antigos eram mais leves, pesavam por volta de 1.250 kg, e um preparado para as pistas, sem bancos, forrações e outras peças, pesava pouco mais de 1.000 kg.

DO BAÚ DO MAO: JAPÃO 1985 - MITSUBISHI LANCER



O AK vive sonhando com um sedãzinho pequeno com tração traseira bom de dirigir. Bom, a gente raramente teve algo desse tipo aqui no Brasil, mas no Japão, ofertas deste tipo sempre abundaram. Veja por exemplo o Mitsubishi acima, de 1985.

18 de fevereiro de 2011

VOLKSWAGEN, QUE NOME ESQUISITO!

Fotos: de.academic.ru


Todas as histórias da Volkswagen e seu carro-ícone, o VW Sedã, ou Fusca, esbarram num problema: a marca, ou modelo, como são descritos, só existem a partir do final da Segunda Guerra Mundial na Europa, ocorrido em 8 de maio de 1945. Isso impõe uma dificuldade para os historiadores, que são forçados a mencionar algo inexistente.

A razão é muito simples. a ideia era fabricar um carro que fosse popular, que tanto Ferdinand Porsche quanto Josef Ganz tinham e que Adolf Hitler acabou tomando como bandeira política. Automóvel sempre foi um bem de consumo altamente desejado, especialmente naqueles anos 1930. Só os mais abastados podiam tê-los e torná-los acessíveis resultava em popularidade.

O MÉTODO CIENTÍFICO E AS PAIXÕES HUMANAS


O mundo da ciência e da tecnologia vive uma eterna batalha entre verdades que expliquem o mundo que nos cerca e as "verdades" que são convenientemente aceitas pelas pessoas. O cérebro humano é especialmente adaptado pela evolução para a concordância com fatos que são aceitáveis para ele.


Ouvir um “sim” exige poucos circuitos cerebrais, circuitos mais primitivos, simples, e diretamente ligados às zonas de satisfação. Ouvir um “não”, ao contrário, mexe com circuitos cerebrais muito maiores, complexos e ligados com as zonas depressoras de satisfação.

17 de fevereiro de 2011

UM PEQUENO DETALHE

Foto: Arquivo pessoal do autor


Esse DKW-Vemag é diferente dos demais no material de grande parte da carroceria. Toda a dianteira, portas, folha do teto, para-lamas traseiros e extremidade traseira é de plástico reforçado com fibra de vidro. O carro era um 1964 do meu sócio na concessionária Volkswagen Cota, no Rio de Janeiro. Havíamos sido antes concessionários Vemag e em 1968, com a compra da Vemag pela Volkswagen, mudamos de bandeira automaticamente.

O carro já estava um tanto rodado e o sócio, piloto com eu, resolveu que deveríamos fazer alguma coisa com o DKW, aproveitando nossos recursos e experiência de reparo de carrocerias feitas desse material plástico, uma vez que comercializávamos GT Malzoni e depois Puma GT, ambos com mecânica DKW-Vemag.

AUDI A3 SPORT 2-L TFSI S-TRONIC

Fotos: Paulo Keller


Há coisa de um mês um colega jornalista passou lá em casa com um Audi desses, dei uma breve volta no bairro menos congestionado que o habitual por ser mês de férias, mas mesmo assim deu para despertar uma vontade enorme de andar uns dias com um e depois  falar sobre ele aqui no AE. Programei a cessão de um com a Audi do Brasil e vi que a vontade tinha razão de ser. O A3 Sport 2-litros TFSI é um carro fantástico e, qualidade que aprecio em qualquer carro, absolutamente honesto.

Tudo que promete é verdadeiro. Nem botão de partida e cartão de ignição, mas a velha e boa chave que aciona um interruptor de ignição e partida no lugar de sempre, no lado direito da coluna de direção. Quando diz que são 200 cv de 5.100 a 6.000 rpm - primeiro caso que conheço de platô de potência e não pico - é exatamente o que oferece e se sente, como também os 28,5 mkgf de 1.700 a 5.000 rpm.

16 de fevereiro de 2011

CAMINHOS SEM VOLTA

Muitos caminhos não têm volta. E não se trata de metáfora: você realmente pode se enfiar numa bela de uma encrenca se decidir empregar o veículo errado em caminhos difíceis. E nessa regra, cabe uma única exceção: você até volta para o seu lugar de origem, mas a pé. O carro costuma ficar onde parou.

Esse tipo de encrenca começa quando alguém conhecido (cunhado chato, primo chato etc.) tem a "brilhante" ideia de fazer algo diferente, algo que fuja da rotina sabática de pizza + DVD. Acredito que todos aqui já ouviram os tradicionais: "Vamos almoçar num hotel-fazenda?", "Vamos curtir o final de semana numa pousada?", "Vamos para a chácara do tio Nonô?" ou então "Vamos curtir um camping em uma praia isolada?".

CAMARO OU CORVETTE?



Comparar automóveis que pertencem a diferentes categorias normalmente nos faz não chegar a conclusão alguma, pois as características de cada um é que vão nos levar a gostar mais de um ou de outro modelo.

Comparar um Fiat Bravo a uma Chevrolet Blazer porque custam praticamente a mesma coisa é um bom exemplo disso, quem gosta de um dificilmente escolherá o outro. Mas é fato que o valor muitas vezes é o pontapé inicial da escolha.

15 de fevereiro de 2011

O V-8 CARREGADOR DE GENTE



Há alguns dias escrevi um pouco sobre o Accord usado nas férias da família nesse final de 2010. Aquele foi o carro para apenas quatro pessoas, antes do restante da turma chegar.

Pois bem, o que fazer então com 11 pessoas, sendo nove adultos ? A resposta muita gente sabe. Uma perua grande, ou furgão de passageiros, chamada de wagon em inglês.

IRMSCHER SENATOR: OUTRO GRANDE OMEGA



A empresa de preparação do piloto alemão de rali Günter Irmscher tinha uma boa relação de trabalho com a Opel nos anos 90. A Opel, como qualquer empresa com alto volume de produção, tem dificuldades de produzir carros especiais de pequena série. Uma das saídas possíveis é o arranjo que criou o carro deste post.

14 de fevereiro de 2011

TUDO ATRÁS X TUDO NA FRENTE

Foto: pedaleiro.com.br

Como rola uma boa discussão sobre o que é melhor que o quê, se tração traseira ou tração dianteira, aqui vai uma pequena história.

Bem final dos anos 1960, meu irmão e eu, com as respectivas esposas, fomos ao sítio da família em São Lourenço. A propriedade estava sendo vendida e aquela ida era para a despedida de um lugar onde passamos boa parte da nossa infância, nas férias, muitos momentos felizes.

FERGUSON R4


Há alguns meses destilei mais um pouco de minha admiração pelo Audi Quattro, nesse post aqui. Falei sobre a empresa Ferguson, de onde tudo começou.

Ao se pesquisar um pouco sobre as origens da tração nas quatro rodas para carros modernos, com diferenciais viscosos, e sem os pesados diferenciais de pares cônicos coroa-pinhão dentro de uma caixa de transferência, sempre se chega ao sistema de nome Ferguson Formula.

13 de fevereiro de 2011

O NOVO X-1 E UMA MISTERIOSA AJUDA 38 ANOS DEPOIS


Em 2006 houve a 24ª edição do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, e para este evento a FEI levou alguns de seus carros experimentais. Um deles foi o modelo FEI X-1 (foto acima), uma reconstrução fiel do modelo original que havia sido perdido ao longo dos anos. Como um dos integrantes da equipe que o reconstruiu, quero contar um fato que para nós até hoje não é bem claro, mas foi muito forte na história deste projeto.

VW PASSAT E A FORÇA




Volkswagen Vader


Tenho certeza que a grande maioria dos nossos leitores gosta de propagandas de carros que mostram os carros, principalmente das que mostram carros em ação, com bela imagens que nos fazem desejá-los.

Infelizmente a grande maioria das propagandas não é feita para entusiastas porque para os fabricantes o importante é que a propaganda consiga passar uma mensagem de maneira eficiente. E nem sempre o desempenho do motor ou o acerto da suspensão é a principal mensagem. Me lembro da propaganda do Logan, com três adultos no banco traseiro e sem aperto. Nada entusiasta, mas necessária para comunicar o principal atributo do Logan. 

12 de fevereiro de 2011

DEU ZEBRA!


O Alexandre Garcia - Mr. V8 - anda meio sumido e muitos leitores têm nos perguntado se ele ainda faz parte do AUTOentusiastas. Ele faz parte sim! Apenas anda muito atarefado com as encrencas que ele mesmo arruma.

Aí está a mensagem que recebemos do AG ontem.

AE


All,

Deu zebra. Entubei essa jaca aí. Para quem não sabe do que se trata, um Fiat Topolino ano 1938, meio zoado, sem frente, mas sólido e de chapa. Tem muito potencial. Eu não queria, evitei tentei mas não consegui, acabei agasalhando o croqueterio in totum.

CAOS NO CENTRO

Na foto acima, um carro da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), estacionado na esquina da Av. Higienópolis com a rua Martim Francisco, impedindo o acesso dos motoristas que desejavam descer esta última até o largo de Santa Cecília.

"Barbaridade", pensei eu, sem entender uma vírgula do que estava acontecendo ali. Desci a Av. Angélica e logo depois virei à direita na rua Dr. Martinico Prado, onde finalmente pude estacionar o carro.

11 de fevereiro de 2011

SOU DA TRAÇÃO TRASEIRA

Por Arnaldo Keller
Foto: desperateseller.com.uk


Outro dia o Bob falou bem da tração dianteira. Depois, nos comentários, ele ressalvou que para competição a tração traseira era superior. Tudo bem, concordo com ele que os carros atuais de tração dianteira estão bem bons e atendem perfeitamente as necessidades do motorista em geral. Concordo que essa é a configuração que baixa custos de fabricação e consumo de combustível, além de aumentar o espaço interno. Fora o Lada Laika e o bugue que tenho na fazenda, todos os carros daqui da família têm tração dianteira. E eles vão bem, são estáveis, et cetera e tal.

Mas acontece que não gosto de tração dianteira e boa. Sinto falta daquele plus para me deixar totalmente satisfeito. Totalmente satisfeito significa ter ao menos uma gaminha, um tesãozinho saboroso inesquecível.

COISA DE AUTOENTUSIASTA VÉIO

Foto: galeryfrysinger.com

Quando meu querido sobrinho, o primeiro, tinha uns 14 anos, referiu-se, para o pai, a um ciclomotor de um amigo como "enceradeira". Meu irmão me contou isso bem chateado e que por isso havia dado uma tremenda bronca no filho, dizendo-lhe que aquele pequeno veículo havia sido fruto de estudo e empenho de uma ou mais pessoas, que encerrava muita engenharia em meio a toda aquela aparente simplicidade. Jamais poderia ser chamado daquela maneira tão desrespeitosa.

Eu e o mano dois anos mais velho temos muito em comum e uma das coisas que cedo aprendemos - não só em casa mas também com um vizinho americano, que havia se mudado para o Brasil com a família para ocupar alto cargo na Esso - era que devemos respeito às máquinas. "Respect the machine", dizia.

10 de fevereiro de 2011

FALTA TORQUE EM BAIXA?


Fotografei o emblema acima ontem (9/2), dentro de uma concessionária Renault localizada em São Bernardo do Campo. Foi a ratificação de um detalhe que eu já havia percebido no próprio site da Renault: o motor 1.6 16V foi suprimido da linha Logan/Sandero, mas mantido no pequeno utilitário Kangoo (agora disponível apenas na versão Express).

Difícil de entender, não? E o argumento de que um cabeçote multiválvulas "tem manutenção mais cara", onde vai parar numa hora dessas? Manutenção constante e custosa é tudo o que um empreendedor menos precisa, principalmente quando é o único veículo da empresa. A Renault parece não se preocupar com isso, ou melhor, só quem se preocupa é o taxista que coloca Logan na praça ou a universitária que curtiu o Sandero.

POR QUE NÃO AQUI?

Foto: commons.wikimedia.org

Às vezes, ou quase sempre, tenho impressão de que quem cuida de trânsito no Brasil quer mais é tudo exploda, - não se deve usar termos chulos num veículo de comunicação, embora dê vontade. Pois não é possível que essa gente horrorosa não tenha o cuidado de dar uma olhada como as coisas são feitas nos países ditos avançados para equacionar as questões de trânsito. Problemas de grande volumes de tráfego praticamente todos têm mundo afora.

Mas, não, ir ao exterior para ver trânsito??? Que nada, toca a fazer as famosas comprinhas, que trazem de fora como se fossem troféus. Como trazer chapéu mexicano de aba circular enorme preso nas costas  pela cordinha ao desembarcar - para jogá-lo em cima do armário e nunca ver a cara dele.

9 de fevereiro de 2011

UM DESSERVIÇO AO CONSUMIDOR

Assisti há pouco no Bom Dia Brasil, na Rede Globo, uma reportagem que só confunde mais a cabeça das pessoas, quando diz que no mercado de automóveis o que vale é o ano de fabricação e não o ano-modelo.

A afirmação, do Instituto de Estudo e Defesa das Relações de Consumo, vai contra a prática mais comum no mercado, e mais lógica também, onde o que vale é o ano-modelo. E é muito simples de entender, basta tomar o New Civic como exemplo. Lançado em meados de 2006 e portanto fabricado nesse ano, mas como ano-modelo 2007. Ora, se o ano de fabricação fosse mais importante, teríamos Civics do modelo anterior, ano de fabricação e modelo 2006 valendo a mesma coisa que um dos novos fabricados também em 2006.

DIRIGINDO NO GELO

Fotos: autor


Faz alguns dias. Era 27 de janeiro. Um dia muito bonito e um pouco frio. O lago estava todo congelado e estava assim há um mês. Pensei: Quantos centimetros de gelo tem agora? Será que dá para sair com o carro no lago para se divertir um pouco?

Também lembrei que o JJ aqui no blog quer que eu explique para os brasileiros que virão passear de carro aqui, se há algumas dicas para não perder o carro no lago e também não ficar resfriado com a água a +1 grau Celsius.

8 de fevereiro de 2011

O ÔNUS DA CRÍTICA


Eu sinceramente não compreendo o porquê, mas a crítica automobilística sempre foi colocada em uma posição inferior em relação à gastronômica, literária, cinematográfica e de arte. Na minha cabeça, o automóvel é uma forma de expressão do intelecto humano tão ou mais importante quanto qualquer outra. Por que será?

Mesmo se separamos arte de indústria, ainda assim vemos que o cinema, uma das maiores indústrias existentes, sempre que recebe crítica, é normalmente embasada e extremamente elaborada. Você pode até discordar da opinião do crítico, o que é perfeitamente normal, mas não tem como não respeitar sua posição, sempre elaborada com base em alguma tese, e explanada em texto.

EXTRA - LUIZ PEREIRA BUENO (16/01/1937-08/02/2011)

Foto: obvio.ind.br/Sidney Cardoso

Mais um campeão nos deixou. Foi nesta manhã de terça-feira, em sua casa em Atibaia, SP. Luiz Pereira Bueno vinha sofrendo grave enfermidade há cerca de um ano. Lutou bravamente contra ela, como fazia  nas pistas, com  seu estilo ímpar de pilotagem que muitos, inclusive eu, comparavam ao de Juan Manuel Fangio; rápido sem parecer fazer força para isso. Não era um piloto-show, era um piloto rápido, dos mais rápidos que ja tivemos.

Bem recentemente teve publicado o livro de sua vida, "Paixão e Técnica ao Volante" (Editora Tempo & Memória), patrocinado pela importante indústria de autopeças Mahle Metal Leve, iniciativa do diretor-presidente Claus Hoppen, nome que já faz parte da história do automobilismo brasileiro pelo inestimável apoio que vem dando a publicações sobre o esporte a motor nos últimos anos.

COLAPSO DA AUTORIDADE

Foto: autor

Com a educação de trânsito que o brasileiro tem não iremos mesmo longe e muitas vidas ainda serão perdidas, sem contar as pessoas que sairão feridas, muitas com sequelas. Há muito que eu queria fazer essa foto e comentar aqui.

Pela posição na foto, estou numa faixa exclusiva para retorno. Esse ponto é imediatamente antes de um que comentei em setembro passado num post, falando de sinalização errada, uma placa de parada obrigatória  (PARE) onde é desnecessária.

7 de fevereiro de 2011

COMEÇOU ERRADO



Escrevi outro dia sobre os nós-cegos do trânsito nosso de cada dia, e a dificuldade de encontrarmos sinais de trânsito sincronizados que proporcionassem uma onda verde de boa duração, e consequentemente, fluidez do tráfego.

Só que não atentei para um detalhe, as três avenidas que tomei como exemplo servem ao tráfego em sentidos contrários, o que impossibilita uma onda verde com os sinais abrindo em sequência, já que quando eles abrem e fecham, o fazem para os dois sentidos, para permitir que o fluxo transversal cruze as pistas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...