10 de janeiro de 2012

CICLOFAIXAS DA DEMÊNCIA

Fotos: autor



Carro trafegando à frente na última faixa da esquerda? Claro – menos num bairro chamado Moema, na capital paulista. Isso porque alguma mente doentia da autoridade de trânsito de São Paulo, a Companhia de Engenharia (?) de Tráfego (CET) bolou ciclofaixas no bairro, as ciclofaixas da demência.

Com a "brilhante" solução, não se sabe se um carro à frente está apenas parado ou estacionado, têm-se que adivinhar. Se o vidro traseiro estiver com a transparência original ainda dá para perceber se há ou não motorista ao volante, mas com os "sacos de lixo" constituindo a moda que assola o Brasil isso fica impossível. Mas mesmo sem o acessório que deixa o carro "lindão" o carro à frente pode estar estacionado com motorista denrro.

É mesmo coisa de maluco, ver um carro estacionado com tamanho afastamento da calçada, o que, inclusive, esbarra no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), Art  181, inciso I (afastado até 50 cm a 1 metro, infração leve, 3 pontos na CNH, R$ 53,20) ou inciso II (afastado mais de 1 metro, infração grave, 5 pontos, R$ 127,69 e remoção do veículo).

Mas antes ficasse só nisso. Dita o bom senso que o embarque/desembarque seja feito junto à calçada. Tanto que assm reza o Art. 49, parágrafo único do CTB, que acrescenta que a regra exclui o condutor, por razões óbvias. Assim, a CET aplicou sinalização alertando os ciclistas sobre o perigo de uma porta se abrir de repente à sua frente.



Mas aí algum "brilhante" engenheiro de tráfego achou isso podia dar confusão e resolveu alterar o Código por conta própria, estabelecendo que o embarque e o desembarque seja feito pelo lado direito da via. Mas em vez de sinalização oficial, se valeu da famigerada faixa de pano, cujo valor legal é zero. Nem ao menos especificou que a determinação era para aquela via apenas (av. Rouxinol).

O que vale mais, o Código ou uma reles faixa?

Como se vê, somos mesmo prisioneiros uma administração de trânsito incompetente e sobretudo irresponsável. Mas a coisa não pára aí.

O Art. 38 do Código, incisos I e II, estabelece que ao entrar à direita ou à esquerda em outra via, o motorista deve aproximar-se o mais possível do bordo direito ou esquerdo, respectivamente. No caso de haver "ciclofaixa da demência", o que fazer ao dobrar à esquerda? Considerar a linha demarcatória da ciclofaixa como bordo esquerdo e efetuar a manobra, podendo atingir um ciclista à esquerda, ou se aproximar o mais possível da calçada, invadindo a ciclofaixa e cometendo uma infração grave?

Acabou? Não. As ruas de bairro costumam ter grande caimento. Falei nisso em Não Sabem Mais Fazer Ruas. Com o caimento, mais acentuado onde justamente está a "ciclofaixa da demência", se o ou a ciclista frear com vigor, o que é bastante comum, a bicicleta (vê-se que me recuso usar a palavra "bike", um modismo pedante ou então preguiça de falar ou escrever 'bicicleta') pode derrapar e levar ao tombo, especialmente se o piso não estiver seco ou contiver sujeira – muito comum, não se lavam mais as ruas em São Paulo, ao contrário do que se faz até hoje no Rio de Janeiro.

Esse assunto de ciclofaixas em Moema é mesmo de uma burrice inominável. Tudo para querer dar uma de "cidade civilizada", numa imitação barata de certas cidades européias como Amsterdã ou Paris, para que meia-dúzia de ciclistas passeiem em algumas ruas de um bairro densamente povoado – que a Prefeitura deixou que acontecesse, bem-entendido, certamente com olho grande no IPTU –, com muitos problemas de trânsito agora acentuados com as tais ciclofaixas.

Só que o ou a ciclista vem feliz pela alameda dos Anapurus e ao chegar à av. Moema se depara com uma placa que diz "Fim de ciclofaixa". Legal, ? Isso sem falar que as ciclofaixas são só de ida, sem volta.

Haja mesmo paciência para tanta burrice junta!

BS

.

100 comentários:

  1. Eu gosto de bicicletas. Ando, mas não corro e faço isso todos os dias.
    Na cidade onde moro não existem ciclovias, por isso é preciso optar andar pelas calçadas com os pedestres ou pelas ruas juntamente com os carros. Eu utilizo as duas maneiras. Parte nas calçadas, que é proibido, e parte nas ruas. Eu sempre opto pelo mais fácil e mais seguro.
    Gostei do esquema em Itapema (SC), onde as ciclovias sempre são divididas com os pedestres e é melhor para todos.
    Agora, essa aberração em São Paulo é um absurdo.
    Só uma pergunta: "Vocês tem prefeito?"

    ResponderExcluir
  2. Rafael Ribeiro10/01/12 12:15

    É tanta burrice junta que fica até difícil comentar. Nada parece certo nessa questão, e ainda tem mais coisa errada do que o exposto.

    Quem anda de bicicleta ou motocicleta, sabe que é um perigo frear com pista molhada sobre faixas pintadas no solo. A ciclovia é toda pintada! Se uma porta de carro se abre à frente, quero ver frear na pista molhada...

    É melhor refazer tudo do zero, mais fácil do que concertar essa lambança...

    ResponderExcluir
  3. Nero Kassab falta só atear fogo à cidade.

    Em tempo: o trânsito de bicicletas deve ser feito pelo lado direito da via. A faixa da demência está onde?

    E por aí vai.

    ResponderExcluir
  4. Burros somos nós que não vemos o imenso potencial desta rande obra da prefeitura ! (fim da ironia)

    Isso é ação eleitoreira para uma elite modista.

    Porque não fazem ciclovia em cidades onde a "peãozada" vai trabalhar de barraforte e com a marmita na latinha presa na garupa ?

    Ainda bem que a faixa não tem validade legal, senão motorista teria que entrar pelo teto ou pela porta do passageiro, sob pena de ser multado por algum fiscal imbecil, ou então agindo sob ordens de um "çuperior".

    Ano de eleição, nem precismos pensar muito pra saber que isso vai aparecer na propaganda política como se fosse o retorno de Cristo.

    E assim vamos.
    Duro que nem fazer protesto ajuda muito, porque a imprensa está toda à favor da ciclovia, ciclofaixa e cicloseiláoque.

    Próximo passo, IPVTA = Imposto sobre Veículos com Tração Animal, aproveitando pra englobar assim as charretes e carroças.

    Quem sabe o próximo secretário de transportes da cidade pense um pouco mais em sua função e menos na reeleição.

    ResponderExcluir
  5. Olá Bob
    Se eles queriam fazer alguma coisa bem feita, deveriam fazer um estágio em Copenhague onde existe uma convivência pacífica entre motorista e bicicletas, porém existe toda uma engenharia para a bicicleta existindo semáforos específicos, obrigatoriedade de sinalizar conversão e parada. aqui temos o que eles entitulam de "talibikers" que não respeitam o CBT. Lá os ciclistas podem ser multados em até 500 reais dependendo da infração. Ese video mostra um pouco da realidade deles.http://www.youtube.com/watch?v=xsDxOx7PUP0

    José Eduardo P. Faillage

    ResponderExcluir
  6. Bob,

    Porque não faz uma denúncia ao Ministério Público Federal ou ao Ministério Público de São Paulo?

    Ao meu ver é a prefeitura de São Paulo que está agindo de forma ilegal prejudicando o cidadão.

    ResponderExcluir
  7. Isso é lamentável Bob! É um absurdo a maneira como tratam o dinheiro público. Pois para fazer esse maravilhoso trabalho, umas 10 empresas devem ter sido contratadas.

    Não sei o que esse cretino está querendo fazer com a cidade. Fora que o trânsito na região de Moema é tão sossegado, quase não tem movimento, para você pegar um pedaço da via. E para fazer essa merda.

    O pior, é que sempre tem um bando de babacas, que acha legal fazer isso, pois o carro "mata" o nosso planeta.

    Alvaro
    www.gasolinanosangue.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Rafael Bruno10/01/12 13:09

    Pior é quem mora nos prédios do lado da ciclofaixa. Imagine para o cara conseguir entrar na garagem do prédio, por exemplo? E os comerciantes?

    Imitação CHULA e BARATA. Ridículo, para dizer o mínimo!

    ResponderExcluir
  9. Nó Górdio10/01/12 13:15

    O pior é a vitimização do ciclista.
    Afinal, o perigo é o motorista ao desembarcar atingir o ciclista, mas não o ciclista atropelar o pedestre que desembarca.
    O ciclista é sempre a vítima... RIdículo!
    Kassab, o pior prefeito de SP!

    ResponderExcluir
  10. Não moro na capital mas já fui umas 3 vezes a Moema nesses últimos meses e nunca vi 1 ciclista rodando por ali.

    A próxima ciclofaixa da demência provavelmente vai ser uma faixa intermediária das marginais tietê e pinheiros.

    ResponderExcluir
  11. Antônio Martins10/01/12 13:37

    Essa da faixa do embarque/desembarque pela direita é inacreditável, ainda bem que o senhor fotografou!!

    E quando a ciclofaixa for à direita, quem tem um Veloster como faz?

    ResponderExcluir
  12. CCN1410,
    temos prefeito, mas chamá-lo de burro é uma grande ofensa ao inocente animal.

    ResponderExcluir
  13. Um dia essa porcaria vai acabar e as ruas voltarão ao normal. Esse Kassab precisa ir embora, sumir, desaparecer. É um infeliz sem noção, um ignorante.

    ResponderExcluir
  14. Rafael P. Hessel10/01/12 13:55

    Bob, segundo o Art. 49 do CTB parágrafo único. O embarque e o desembarque devem ocorrer sempre do lado da calçada, exceto para o condutor. Como faz o passageiro do banco dianteiro para desembarcar, quando estaciona-se no lado esquerdo de uma via de mão única? Este deve passar sobre o console para descer pelo lado da calçada?

    Em tempo, muito sensatos suas colocações.

    ResponderExcluir
  15. Agora é esperar os comentários dos à favor dessa sandice. Quero ver só qual será o argumento dos mamíferos.
    MINISTERIO PUBLICO EM CIMA DESSA CORJA!

    ResponderExcluir
  16. Demente mesmo é o ignóbil que votou no Kassab.
    A seguir link com reportagem da Rede Globo acerca da Ciclofaixa.
    http://www.youtube.com/watch?v=E9MPSVCATz4&feature=related

    ResponderExcluir
  17. Sabe o que dá raiva? São atitudes MUITO SIMPLES, mas que os departamentos de trânsito da maioria das cidades são incapazes de tomar. Não se sabe se por má-fé ou burrice mesmo.

    Outro dia, no Estadão, fora publicada uma carta de uma leitora criticando essa ciclofaixa, em razão de estar localizada à esquerda da via e entre a calçada e à área destinada ao estacionamento de veículos.

    A CET disse que se espelhou nas cidades européias, sendo Paris uma delas. Mentira. Em Paris a faixa destinada as bicicletas ficam a direita e entre a faixa de rolamento e os carros estacionamentos paralelamente a calçada. Não se vê carros parados no meio da rua, como em Moema.

    Dá até vergonha de explicar para um estrangeiro o porque dessas burradas cometidas pelos departamentos de trânsito.

    No que a CET (e departamentos de trânsito de outras cidades) podem fazer para prejudicar a vida do cidadão, eles fazem.

    PS. Bob, não é título do post, mas acho que valeria a pena ser abordado por voce em outra oportunidade, até para dar maior visibilidade.

    Muito reclamamos da fluidez do trânsito (se me lembro bem, teve até um post seu tratando dos carros quebrados), mas canso de ver motoristas que por causa de uma simples batidinha de parachoques, deixam os carros no meio da via enquanto ficam discutindo ou anotando os números de telefones.

    Esquecem – ou não devem saber mesmo – que, num acidente, se for possível remover o veículo do local para manter a fluidez do trânsito, assim deve fazer. Deixar um carro no meio da rua, simplesmente porque estragou o pára-choque, é passível de multa (art. 178 do CTB).


    Marco

    ResponderExcluir
  18. Anônimo 10/01/12 13:56 - corja são as eleitoras do Kassab, as famosas Kassabetes.

    ResponderExcluir
  19. Já falei gente, esse Brasil já estragou. Vamos juntar todo mundo que paga IR e vamos nos mudar todos para o Uruguay. Vamos fundar um novo Brasil que esse venceu a validade...

    ResponderExcluir
  20. Bicicleta tinha que ter placa, tomar multa, pagar IPVA e DPVAT! Deveria ter também auto escola, CNH para pilotar bicicleta, para poder trafegar em via pública, ciclista também precisa entender e respeitar as leis de transito.

    ResponderExcluir
  21. Anônimo 10/01/12 14:01 faz todo sentido o que você diz. E acrescento; precisaria existir idade limite também para condutor de automóvel. A pessoa com mais de 65 anos não deveria mais ser autorizada a dirigir em via pública porque coloca em risco a vida dos outros.

    ResponderExcluir
  22. Além da aberração em si, notem que se trata de zona azul. Outro dia passei ao longo desta faixa e tinha uma picape da CET multando uma Captiva estacionada, fora do horário permitido. Ou seja, quando eles precisam usar a lei a seu favor, eles o fazem.

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  24. anonimo 14:08
    Nada à ver o que você diz, bobagem total. Existem às pencas motoristas jovens que são verdadeiras bombas-relógio ao volante que, para quem estiver por perto, todo cuidado é pouco. Estes, sim, deveriam ser caçados e cassados.

    ResponderExcluir
  25. O retardado de pai e mãe que atualmente ocupa a cadeira de prefeito aqui do Rio, é outro que pensa que a cidade tem o tamanho de um vilarejo, e 1500 habitantes. Quer de qualquer maneira, fazer das bicicletas o meio de transporte oficial da cidade, e por conta disto, está enchendo as ruas destas aberrações chamadas de ciclo-faixas, que estreitam as faixas de rolamento aumentando ainda mais os engarrafamentos, atrapalham tudo quanto é tipo de embarque/desembarque de pessoas e cargas, acesso às garagens dos prédios, e ainda tornam mais penosa a tarefa de se achar uma vaga disponível nas ruas. Quando estes imbecis vão perceber que bicicletas não são adequadas para os deslocamentos do dia-a-dia em uma megalópole como Rio ou São Paulo? Servem como lazer apenas, e se utilizadas da maneira correta, ou seja, em ciclovias longe dos outros veículos, não ocupando o mesmo espaço que eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Orelhudo,

      Só você ainda não percebeu, que é questão de travar tudo em pouco tempo, se não tiver um transporte alternativo.

      Vais ficar apreciando seu carro parado da porta de casa...

      Agora a maneira como vem sendo tratada a questao em SP de fato é digno de riso (para não chorar), podendo definir como um espasmo transloucado da prefeitura...

      Excluir
  26. Eu quero ver o Kassab passar uma noite na cracolandia. Sozinho, sem segurança.

    ResponderExcluir
  27. Anônimo 10/1 14:08
    Você ouviu o galo cantar mas não sabe onde ele está. Não é idade que limita a capacidade de dirigir, mas o estado físico e mental do/da motorista. Para isso existe uma coisa simples chamada avaliação médica. Informo-lhe que em 2012 completo 70 anos e estou perfeitamente apto a dirigir até em competição. Acabei de renovar a CNH (a cada 3 anos depois de 65 anos) e tenho visão (e os outros sentidos) perfeitos. Só preciso de óculos para ler e assim mesmo nem sempre.

    ResponderExcluir
  28. falou tudo o AutoClandestino, o Uruguay é um baita dum país!

    ResponderExcluir
  29. Anônimo 10/1 15:09
    Sim, mas não espalha senão lá enche de brasileiro, acaba virando um Guarujá...

    ResponderExcluir
  30. Duzinho
    O único estágio que esses idiotas fazem na Europa é estágio de fazer compras! Esquece, esses caras não estão nem aí para o trânsito.

    ResponderExcluir
  31. "Sim, mas não espalha senão lá enche de brasileiro, acaba virando um Guarujá..."

    HAHAHAHAHA!!!!!!

    ResponderExcluir
  32. Por falar em Uruguai, futebol maravilhoso! Grande campeão da Copa de 50 e futuro campeão mundial em 2014. Viva a Celeste!
    Já a seleção brasileira tem como técnico Mano Menezes, antigo treinador de um timinho da segunda divisão da capital paulista - o Small Club Corinthians Paulista.

    ResponderExcluir
  33. anonimo 15:30
    Tá tudo certo... só não fala mal do meu Curintia, mano!

    ResponderExcluir
  34. é loko o bagulho, arrepia na hora, ó dimas primeiro vida loka da historia.

    ResponderExcluir
  35. Bob 15:19.
    Ninguém vai pra Europa fazer compras Bob. Vão pros "istaites" onde tudo é tao "baratinho" .
    Quem vai pra Europa, geralmente está à cata de cultura.

    E pro anonimo das 14:08, deve ser mais um que ainda não se deu conta que irá envelhecer (se não ficar pelo caminho abraçado a um poste) a julgar pelo seu comentário. Estou chegando nos 6.5, sou motorista "D" e vez em quando um privilegiado escolhido para "brincar" com uns carrinhos de competição em pista. Óculos para longe mais por conforto que por real necessidade. Nem ouviu o galo cantar. Contaram pra vc e vc engoliu o milho crú.

    ResponderExcluir
  36. Com relação a ciclovias, em Santos, estão encontrando um meio termo razoavel, penso. Bem sinalizadas, geralmente faixa exclusiva e, onde tem passagem de pedestres muito bem sinalizadas havendo poucas ocorrencias de acidentes.

    ResponderExcluir
  37. Bob,
    estou fazendo uma viagem pela Europa, no momento estou na Bélgica, onde todos são fanáticos (desde sempre) pela bicicleta. É inacreditável o caos na rua pelas marcações de faixa exclusiva de pedestres, de bicicleta, de ônibus, de bonde elétrico, etc. Mas, é a cultura deles, as cidades são relativamente pequenas e as distâncias idem. As bicicletas atropelam carros, pedestres, bondes... deve morrer ou se machucar muita gente... Sinceramente não desejo este tipo de organização para o nosso trânsito no Brasil POIS TEMOS OUTRO TIPO DE VIDA. Moro em Curitiba, onde inventaram também de pintar algumas faixas para pedestres no estilo de SP. Nosso transporte público é ruim, temos grandes distâncias a serem vencidas, o que é impossível num país tropical. O cara vai andar 30km todo dia para ir, 30km para voltar, 12 para ir estudar, etc? É insano..., fora calor, etc. Acho que ciclovia tem de ser fisicamente (corredor exclusivo) separada da calçada dos pedestres, dos veículos automotores e do transporte urbano. Definir traçados é uma tarefa difícil e não deve atrapalhar as demais formas de transporte, pois antes de mais nada tem de ser seguras. Aqui na Europa os ciclistas não respeitam nada nem ninguém, segurem-se quem puder. Não acho nada divertido ser atropelado por uma bicicleta não.

    ResponderExcluir
  38. "Aqui na Europa os ciclistas não respeitam nada nem ninguém,..."

    Aqui também.

    ResponderExcluir
  39. Nesta virada de ano, estive em Florianópolis e digo que a coisa por lá é bem feita. A ciclofaixa está na direita, como deve ser, e em raros momentos tem seu traçado sobre as calçadas (perfeitamente compreensível quando é preciso desviar de uma árvore maior sem expor o ciclista aos riscos da parte trafegada pelos carros (e olha que por lá tem uns congestionamentos praticamente com hora marcada e as distâncias praticamente te obrigam a ter um carro). A quem estranhou às vezes a ciclofaixa invadir o passeio público, digo que deixaram espaço suficiente e demarcado para os pedestres andarem em segurança.
    O resultado disso? Em que pese haver grandes distâncias que praticamente te obrigam a usar um carro, muita gente usa bicicleta na capital catarinense. Quando é o tráfego dentro do bairro, o lance é mesmo pedalar e vale muito mais a pena tal modo para essa ocasião.

    Voltando a São Paulo, devido a um congestionamento na Régis causado por um acidente, acabei pegando a Padre Manuel da Nóbrega, mas devido ao congestionamento nessa rodovia, acabei cortando por dentro de Itanhaém, Mongaguá e Praia Grande. O que vi por lá? Ciclovias perfeitamente sinalizadas e com semáforos próprios, no canteiro central da via e com boa extensão. É coisa que, se perigar, muito lugar no Primeiro Mundo não tem, e extremamente seguras.
    Eis que chego a São Paulo e, alguns dias após a chegada, leio essa postagem do Bob. Estão pedindo para que eu tenha raiva da cidade onde nasci e vivo.

    ResponderExcluir
  40. Aqui em Brasília ainda estamos há um pouco de paz no trânsito. O motoqueiros aqui ainda são minoria e por isso os caaros ainda mandam neles. Um dos grandes problemas da cidade hoje são os buracos.

    Temos ciclofaixas dessas em alguns bairros, aqui os gênios apenas tranformaram o que era acostamento em ciclofaixa, e ainda vai aparecer em uma propaganda poítica que foram criados 10 bilhões de km de ciclovia!

    Quanto ao comentário do Bob, pra mim a asneira se confirmaria apenas com um argumento, o do penúltimo parágrafo: as ciclofaixas são só de ida!! E se o cara quiser voltar? Ele leva a bicileta nas costas?

    Daniel

    ResponderExcluir
  41. O que é pior é ver que tem gente que acha que o Kassab vai ganhar prestígio com isso, numa cidade onde carro é essencial por falta completa de transporte decente; as antas que inventam ciclofaixas não pensam que as bikes precisam de pontos de parada, bicicletários e paraciclos, mais até do que das faixas em si.

    Motofaixa nas grandes avenidas, que pode ser usada pelas bicicletas, seria o ideal, mas o prefeito quer tirar as faixas que ainda existem porque "não evitou acidentes" ... pode?

    Pode. Em São Paulo pode.

    ResponderExcluir
  42. Antônio- RS10/01/12 18:35

    HAUHAUAHUAHU GENIAL essa Companhia para ESTRAGAR o trânsito de SP... ABSOLUTAMENTE INCRÍVEL!
    Nem os motoristas tem como respeitar a distância regulamentar da calçada, nem os ciclistas tem como respeitar a distância mínima de circulação para os carros, nem quem vem atrás tem como ter certeza que o carro está estacionado ou não, afinal, mesmo sem sacos de lixos nos vidros, pode haver alguém baixinho no banco, o qual não se enxergue por cima do encosto do banco.
    Muito muito muito genial, conseguiram o objetivo de estragar o trânsito de mais uma forma, parabéns a eles!

    Obs: DESNECESSÁRIO dizer que estou sendo irônico na parabenização, mas para evitar mal-entendidos...

    ResponderExcluir
  43. A ciclovia de Moema pode ser fruto de incompetencia mas me desanima ler comentarios de pessoas que nao vislumbram uma metropole com menos depentencia de carros. Sou um auto entusiasta mas no meu dia-a-dia uso apenas bicicleta, em SP capital. Moro, trabalho e vivo no Itaim Bibi. Na garagem, apenas um carro clássico (curtição e ainda sem ipva, controlar ou depreciacao). Sofro e me arrisco com a falta de estrutura para bicicletas mas tento me adaptar e me impor nesta selva de pedras.

    ResponderExcluir
  44. Só no ano de 2010 foram emplacados mais de 3,6 MILHÕES de carros de passeio e comerciais leves zero-km no Brasil. Na cidade de São Paulo deve ter sido no mínimo uns 500 mil, acho que talvez mais. Cerca de 40% do valor pago por cada carro desses é imposto pros cofres do governo, que é pago justamente pra ser investido no tranporte e no trânsito. E esses @#$%¨&*!! pegam esse dinheiro (que não é pouco) e fazem uma coisa sem nome como essa. O fim só pode estar próximo mesmo...

    ResponderExcluir
  45. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  46. Pode falar que as ciclovias na esquerda estão completamente fora de lugar, que as ruas foram escolhidas indevidamente, o que for mas, primeiro a ciclovia ficar depois dos carros estacionados é fundamental para a segurança dos ciclistas e segunda da nojo ver a opinião de alguns fervorosos anti-ciclistas por aqui.

    ResponderExcluir
  47. Gino Rossi10/01/12 19:28

    Bob

    Para corroborar com nossa insatisfação geral desta terra de usurários e déspotas; prepare-se!Vem ai o pedágio urbano! A Dilma acabou de assinar a autorização federal que faltava. Estou de malas prontas para ir morar no Uruguay .....

    ResponderExcluir
  48. Henrique,
    se para vc. é viável ir de bicicleta ao trabalho, ótimo. Quase 100% das dezenas (ops, centenas) das pessoas com que convivo no dia-a-dia, aqui em Curitiba, moram em um canto da cidade (ou na região metropolitana), trabalham num outro canto da cidade (ou noutra cidade da região metropolitana|) e estudam num terceiro canto da cidade. Isso significa um deslocamento diário de quase 100 km! Como é que alguém faz isso de ônibus ou de bicicleta? Quem mora próximo do trabalho ou estudo, perfeito, vai de bicicleta. Fiz isso por muitos anos enquanto era estudante... agora, impossível. E acho que jogar ciclistas no meio do trânsito assassino (perigoso para quem está no carro ou no ônibus, imagine para um ciclista) é de uma hipocrisia gigante! Se meter no meio do trânsito comum é loucura. Ciclofaixas? Agora, vias FISICAMENTE SEPARADAS do trânsito dos pedestres e dos veículos automotores, perfeito. O ciclista tem de ter segurança. Andar no meio do trânsito (ciclofaixa) é de estupidez sem limites. Não quero ciclista engraxando roda do meu carro. Nunca deixaria um filho meu andar nestas condições. Eu não andaria. Aliás, ando apenas em parques onde VEÍCULOS AUTOMOTORES NÃO CIRCULAM. E longe dos pedestres.

    ResponderExcluir
  49. Bob,

    Não é possível!!!
    Camisa de força nessa turma antes que causem mais estragos.
    É inacreditável.

    ResponderExcluir
  50. Poderiam pelo menos ter permitido o estacionamento à direita, a burrada ficava só um pouquinho menor... quanto a não termos prefeito, concordo que as opções não eram melhores (Martaxa e Picolé de Chuchu), mas esse, pelamordedeus, quem votou nele põe um saco na cabeça de vergonha...

    ResponderExcluir
  51. Se fazem isso nos bairros de classe média alta, imaginem nos de pobres. E as ruas aí estão um tapete pela imagens.

    ResponderExcluir
  52. Esses ciclistas acham que só tem direitos, e nenhum dever...

    Já estive em várias cidades de MG, PR, SP, RJ, nunca vi lugar p/ ter tanto braço duro e ciclista abusado como em Rio Claro-SP. Esses últimos, andam no meio da rua, passam no sinal fechado, fazem conversões sem menhum tipo de sinalização, aparecem do nada na frente do carro..e ainda têm certeza que estão com razão.

    Como disse o amigo aí em cima, os ciclistas são sempre vítimas, estando certos (coisa rara) ou errados.

    Sobre o post, só pode ser retardado o artista que teve a "maravilhosa" idéia de colocar uma ciclofaixa do lado contrário.

    ResponderExcluir
  53. Socorro!
    Socorro!
    Os ingleses estão chegando!
    Os ingleses estão chegando!

    Deixe-os vir. Quem sabe arrumam essa zona.

    ResponderExcluir
  54. Alexandre - BH -10/01/12 22:23

    “[...] um bairro densamente povoado – que a Prefeitura deixou que acontecesse, bem-entendido, certamente com olho grande no IPTU [...]”

    Em Beagá temos um agravante em relação às ciclofaixas da demência (aqui definidas como ciclovias, já que são separadas por guias de concreto), pois o relevo da cidade é acidentado e nada indicado ao uso da bicicleta.
    E graças ao olho grande no IPTU, temos também os alvarás de construção da demência, que autorizam a construção de prédios em lugares inimagináveis, tais como barrancos, pirambeiras, penhascos e afins. O resultado? Famílias desabrigadas, mortos e feridos; vítimas de desabamentos de prédios que pipocam pela cidade. Infelizmente, somos governados por “burrocratas” que não entendem nada de trânsito e nada de uso e ocupação do solo. Salve-se quem puder.

    Uma emissora de televisão filmou um desabamento que ocorreu na manhã de hoje. Prédios vizinhos também estão prontos para cair:

    http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=68092/noticia_interna.shtml

    Um outro prédio já havia desabado no segundo dia do ano, deixando um morto e um ferido:

    http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=7&id_noticia=67670/noticia_interna.shtml

    ResponderExcluir
  55. O cara idiota que escreveu sobre futebol aqui poderia ir ver site de futebol Vai se catar ô bicho ignorante.

    ResponderExcluir
  56. Olá pessoal boa noite.
    Tive a oportunidade de morar por três anos na Alemanha, na região de Sttutgart. No primeiro ano morei em Ludwigsburg e trabalhava na mesma cidade então não precisava de uma bike, perdão, bicicleta. Depois me mudei para um dorf chamado Benningen, um pouco mais afastado do trabalho e para economizar um pouco com transporte, comprei uma Mountainbike.
    Minha rotina era acordar de manhã, pedalar até a estação de Benningen, entrar no trem com a bicicleta, descer em Ludwigsburg e pedalar até os portões da fabrica. No início fiz muitas barbeiragens e como bom brasileiro achava que estava causando, mas uma senhora que trabalhava na mesma empresa me deu algumas dicas de como usar a ciclovia. Uma coisa que me chamava muito a atenção neste exercício de ir e vir era o respeito que pedestres, ciclistas e motoristas tinham uns com os outros.
    Aqui temos um outro fator que são os motociclistas e que eu pessoalmente já vi dando um gato e utilizando a faixa de ciclistas...
    Na boa, os alemães se orgulhavam tanto das suas ciclovias que eles diziam que era possível atravessar o país pedalando. Vocês acham que com esse improviso da prefeitura de São Paulo, poderemos ter um dia o mesmo orgulho deles?
    Forte Abraço!

    ResponderExcluir
  57. Lorenzo Frigerio10/01/12 23:43

    Apesar da estupidez e pontualismo da Companhia dos Energúmenos à Toa, a ciclofaixa é para funcionar só no domingo, quando o trânsito, e o transtorno, são desprezíveis. Não estou entendendo todo esse auê.

    ResponderExcluir
  58. Antes de mais nada,vale lembrar aqui que ninguém é ciclista... ninguém nasce com uma bicicleta acoplada, ou dentro de um automóvel. Temos de respeitar todo mundo e exigir respeito também. Não sei onde está escrito que semáforo não vale para bicicleta. Já fui surpreendido várias vezes por ciclistas na travessia de ruas. Se um dia for atropelado, vou preso pois no mínimo vou dar uns 3 socos na caras do imbecil. Ando de bicicleta e minha prioridade é sempre respeitar o pedestre. E não "sou ciclista"... babaquice isso... nem "sou pedestre" nem " sou motorista" ando de bicicleta, de carro e a pé, todos estados transitórios. Só posso dizer que sou autoentusiasta. Isto é permanente.

    Agora sobre a obra surrealista de Kassab: Trabalho em Moema e um dia tive de estacionar nessa zona azul da Av. Rouxinol. A sensação era de estar abandonando meu querido carrinho no meio da rua, ligando o alarme e indo embora. Não sabia onde parar, onde minimizaria o risco, no início, no meio ou no final do corredor. Bizarro. O maior causador de trânsito é este estacionamento maluco no meio da rua. Muito pior do que a ciclofaixa. Se mudassem o lado da ciclofaixa e mantivessem a zona azul fora do horário de pico como era antes os transtornos seriam muito menores, isto é certo. E mais, acho que a ciclofaixa deveria virar " zona mista" próxima às conversões à direita para impedir algum motorista imperito de atropelar um ciclista ao virar bruscamente sem sinalizar como tanto vemos. Para finalizar, acho que já vi mais ciclistas na contramão do que no sentido certo. A ciclofaixa no sentido oposto é no outro quarteirão na Av. Pavão.

    Só para extravasar: O Brasil é um pais de idiotas com raríssimas exceções...pena que estas exceções tenham tão pouco poder.

    ResponderExcluir
  59. Querem facilitar a vida do ciclista em SP mas conseguem atrapalhar ainda mais e colocam o motorista no rolo ¬¬"

    Se for pra ajudar o ciclista, que se faça ciclorotas (sinalização vertical e horizontal indicando a existencia de ciclistas na via), e pronto: simples e fácil! Mas tenta explicar isso pra um "engenheiro de tráfego" pra ver...

    Enquanto isso em Itapema/SC, a ciclofaixa (muito mais larga que essa de Moema, com +/- 1,80 de largura!) foi extinta em razão do fluxo de carros extras que rodam por aqui na temporada. Não adiantou muito, pois acabaram criando mais uma fila para os carros ficarem parados. Os causadores? Turistas/pedestres que atravessam a rua fora da faixa, e o turista/motorista, com medo de ser multado pelos guardas de transito locais, acabam parando para ceder passagem, e assim a "bola de neve" começa a crescer...

    Em resumo: ferrou com os ciclistas locais e não resolveu em nada para os motoristas locais e turistas.

    #Trágico ¬¬"

    Abs
    Kiko Molinari

    ResponderExcluir
  60. XINGA O MALUF de ladrão agora.... o kassab fez bastante coisa boa por sp,tão quanto roubou, ta pau a pau com maluf!

    ResponderExcluir
  61. classe média sofre…

    http://www.youtube.com/watch?v=kIWjAkI3-EI

    o correto seria proibir o estacionamento em vias públicas na cidade inteira. Só assim acabaríamos com esta cultura ridícula de culto ao transporte particular motorizado.

    Não há cidade que aguente tantos veículos e tantos motoristas com ego inflado.

    ResponderExcluir
  62. José Carlos Secco11/01/12 10:31

    Prezado amigo Bob, como ciclista há 35 anos e com cerca de um milhão de quilômetros percorridos em vários locais do mundo, estou 100% de acordo porque o que se criou foi mais uma "ocasião" para acidentes e desentendimentos entre motoristas e ciclistas.

    É o mesmo caso de andar na contra-mão. Algum imbecil espalhou que seria mais seguro o ciclista andar na contra-mão e lá vamos nós ao absurdo de até bicicleta de entregador de água (que tem o dobro da largura) trafegando na contra-mão, pela esquerda e em zig-zag.

    Ciclista deve ter espaço e este espaço deve ser na direita, como em todos os lugares do mundo, com sinalização e respeito.

    Em algumas cidades, as bicicletas dividem o espaço com o ônibus, na faixa da esquerda, mas o motorista do ônibus respeita o ciclista e não acha que a faixa é sua e a bicicleta está invadindo. Há o compartilhamento do espaço.

    Eu uso, em São Paulo, a faixa do ônibus, mas fico atento e saio quando algum me alcança. Não recomendo a ninguém, pois, neste caso, sou "invasor" mesmo, mas utilizo a experiência adquirida nesses 35 anos e a velocidade média maior que a dos ônibus para conviver com eles.

    A mensagem para o motorista dos automóveis deveria ser que, bem ou mal, concorde ou não, ele (o motorista) vai precisar dividir o espaço das vias com a bibicleta (e outros meios de transporte que exitem e/ou surgirão), pois não há como esperar algo diferente para o futuro. Democracia, cidadania e equidade são isso.

    Parabéns Bob!

    José Carlos Secco

    ResponderExcluir
  63. Tava demorando pra esse palhaço aparecer e trolar por aqui. Me refiro ao idiota acima, às 10:06, o famoso GAF.

    ResponderExcluir
  64. Wagner Bonfim11/01/12 10:36

    Do jeito que a coisa está indo, melhor falar de autos somente ... e esquecer desse assunto complicado que é o nosso trânsito de cada dia. Esses absurdos, comuns a qualquer grande cidade, partem de uma gente despreparada, e a tendência é piorar ainda mais.

    ResponderExcluir
  65. Estou no momento nos EE UU,, se este projeto absurdo estivesse sendo lançado por aqui,, penso que os resposaveis seriam chamados a depor junto a corte,,
    abs
    Águia from Saint Petersburg -Florida

    ResponderExcluir
  66. Sr. Wagner Bonfim, falar de autos não dá Ibope e como o que vale para o showrnalismo é a audiência, nada como uma boa polêmica para atrair mais leitores.

    ResponderExcluir
  67. ATENÇÃO : Esse recado para você Paulista ESPERTÃO , se a carapuça servir......

    Foi por essas e outras que eu resolvi ABANDONAR essa merda chamada São Paulo..

    Em São Paulo o motorista é todo apressadinho: Te corta pela esquerda , direita , te fecha , buzina , anda no acostamento ,toma sua vaga no shopping, é capaz de parar uma avenida por preguiça de andar um quarteirão a mais, ou seja no trânsito o Paulista se acha "O ESPERTO" mas na verdade só faz CAGADA.

    Chega no final de semana esse POVINHO vêm aqui para a minha cidade e ocorre o contrário: Andam a 5Km/h no meio da rua ( e se você pedir passagem te xingam) , fazem manobras que atrapalham o trânsito , param em qualquer lugar,sujam tudo, fazem barulho etc.. etc..

    O Paulista é tão TONTO que nos Domingos sempre deixa para pegar a estrada depois das 18:00Hr , então o que acontece? Estrada parada , e um monte de idiotas cortando pelo acostamento , cortam caminho pelos Postos de combustível e estradinhas paralelas resultado : ACIDENTES...e MORTES.... PRA QUE?

    Com já disse , não estou generalizando e sei que vocês pagam pela ignorânica alheia mas infelizmente o Paulista TÊM O QUE MERECE , porque não sabe VOTAR , não sabe DIRIGIR e ainda se acha o GOSTOSÃO!!

    Então não percam tempo reclamando da administração de SP e do trânsito porque trata-se de UMA CAUSA PERDIDA.

    O POVO É IDIOTA E ISSO NÃO TEM CONSERTO!!!!!!


    Obs: Sou PAULISTA mas só enxerguei isso quando me mudei para o interior . . .

    JONES

    ResponderExcluir
  68. Sr. Jones
    Lendo o seu comentário, então, creio que você queira dizer "paulistano" e não "paulista". Mas muitas dessas coisas aí que você diz se encaixam direitinho em outros cidadãos naturais de outros estados, posso dizer pois conheço alguns desses "biotipos", hehehe... O problema é que aqui tudo é multiplicado, potencializado, etc... de tão grande que é a cidade. E os problemas acompanham na mesma proporção.

    ResponderExcluir
  69. "O Especialista",

    Mas Ludwigsburg é minúscula e, mesmo Sttugart, a 30km dali, nem se compara com SP. E as ciclovias são muito bem demarcadas. Não é essa zona que é aqui...

    Mas vá para Berlim. Em muitos locais o trânsito de bicicleta é permitido nas calçadas. O problema é que muitos ciclistas andam muito rápido nos ditos calçadões, tirando fina dos pedestres. É mais fácil ser atropelado por uma bicicleta do que por um carro.

    Claro que não é uma selva, mas tem muito ciclista folgado por lá...


    Marco

    ResponderExcluir
  70. Anônimo 10/01/12 22:19:

    Não ia adiantar nada. Aqui, as coisas são só para inglês ver mesmo.

    ResponderExcluir
  71. Lorenzo Frigerio
    Nas ciclofaixas em pauta, elas são permanentes, todos os dias, 24 horas. Não são aquelas temporárias, só aos domingos, daí o auê.

    ResponderExcluir
  72. Boa Bob!
    Assino em baixo, reconheço firma e autentico!
    Logo que criaram essas ciclofaixas fui a São Paulo, passei pelo Moema e observei essas mesmas coisas que você comentou.
    É uma das coisas mais mal feitas que já vi na vida.
    Abraço
    Marcelo (Autopolis)

    ResponderExcluir
  73. Ciclofaixa estúpida, feita por estúpidos para ciclistas estúpidos. Todo mundo se merece...
    Brasil...sil...sil...sil!!!

    ResponderExcluir
  74. Luiz Dranger11/01/12 18:54

    Bob,
    Ótimo post. Como você sabe, sou um defensor do uso da bicicleta como meio de transporte e uso muito. Porém concordo que o projeto de Moema foi muito mal feito, inclusive para o ciclista. O maior desafio para um projeto ciclístico é a solução do problema das conversões, tanto a esquerda como a direita, que conforme as estatísticas internacionais é onde acontecem 85% dos acidentes entre automóveis e bicicletas. Isso foi mal resolvido lá e também o caso do estacionamento no meio da rua. Ali sim deveria estar a ciclofaixa.
    Mas qualquer projeto do CET é um horror por definição. Falta o mínimo de capacitação técnica por lá.
    Abraço, Luiz

    ResponderExcluir
  75. A solução pra isso tem nome: Revolução !

    ResponderExcluir
  76. Aqui em Reserva (cidade pequena do PR), o prefeito teve uma boa idéia: construiu uma ciclovia pavimentada ao lado da rodovia que corta o município (zona rural, ligação entre o centro da cidade e os distritos de Rodeio e Anta Magra). O resultado é que agora ciclistas e pedestres podem usar a ciclovia e deixar a rodovia para os carros.

    ResponderExcluir
  77. Senhores, passo por ali TODOS os dias desde início de Dezembro. Fiz questão de observar e em pouco mais de um mês vi 3 bicicletas usando as ciclofaixas. Em compensação ela acabou sendo tomada pelos motoboys.
    Chega a dar vergonha ao mais incompetente dos incompetentes.

    ResponderExcluir
  78. Bob tem trauma de bicicleta. Ou caia sempre quando era muleke e se estrupiava todo, ou ficou muito traumatizado quando pediu uma de presente para o Papai Noel e não ganhou. Só pode.

    ResponderExcluir
  79. Essa ciclofaixa está em fase de teste, mas concordo com muitas coisas que o que o Sr. falou.Acredito que esse sistema de cilofaixas deveria ser feito pelo lado direito da pista...mas nós teriamos apenas duas opções em todos os casos: Ou td mundo se acostuma com os carros parados no "meio" da rua ou se proibi o estacionamento do lado direito de uma vez por todas.De um jeito ou de outro temos que ter cilovias.Gostaria de ter uma opinião do sr, que é entuasiasta dos automóveis, como vc esplharia cilovias pela cidade?Qual tipo de sistema vc utilizaria para que carros, pessoas e biciletas compartilhem da mesma cidade sem correr riscos de vida?

    ResponderExcluir
  80. BOB, PAU NELES!

    ResponderExcluir
  81. Eu gostei das ciclovias.
    Se fazem a turma 'entusiasta' se encrespar, devem ter algo de muito bom. Aliás, no 'Fantástico Mundo de Bob' não existem ciclovias, nem bikes, películas em vidros, limites de velocidade, governos trabalhistas e o cigarro faz bem à saúde. Ou seja, nem o desenho que deu origem às loucuras do rapaz era tão engraçado...

    ResponderExcluir
  82. Olha o nível do mentecapto:

    "Eu gostei das ciclovias.
    Se fazem a turma 'entusiasta' se encrespar, devem ter algo de muito bom."

    Não dá nem pra começar uma discussão... Tipos como esse merecem um tiro certeiro de pistola de raio laser bem na testa.

    ResponderExcluir
  83. Rafael Leidinger16/01/12 10:08

    Bom dia a todos,

    Ontem peguei a ciclofaixa da Pavão na Arapanes em sentido Santo Amaro. Irei citar alguns problemas que notei para facilitar.
    1- Ao sair da Arapanes para entrar na Pavão pela ciclofaixa tem uma arvore que vai na cabeça do ciclista.
    2- Péssimo asfalto em toda via.
    3- Bueiros profundos bem no meio da ciclofaixa que impede que o ciclista passe por ela.
    4- O caminho de água das ruas que cruzam esta via muitas vezes é muito grande podendo causar a queda do ciclista
    5- A ciclofaixa é muito apertada para o ciclista, sendo assim não tem margem para desviar de sujeiras, madeiras, etc.
    6- Pela proximação das faixas dos carros com a ciclofaixa, muitas vezes o ciclista entra no ponto cego do automovel. Oque pode gerar um acidente caso o carro deseja virar a esquerda e a bicicleta queira ir reto.
    Como ciclista sou completamente contra estas ciclofaixas de bairro porque ligam o nada a lugar nenhum. Se a ideia for realmente fazer ciclofaixas acredito que seria melhor faze-las em grandes av. mas desde que possua distancia dos carros.
    Para quem quiser ler um pouco mais com o ponto de vista do ciclista e não apenas criticar por criticar oque é escrito, sugiro ler este site. http://www.pedal.com.br/forum/ciclofaixa-moema_topic41788.html?KW=ciclofaixa+moema.
    Este é um forum de ciclistas que dão a sua opiniao sobre o assunto.

    Abraço

    ResponderExcluir
  84. E ai Rafael, tudo bem?
    Obrigado pelo link, é mais um ponto de vista a ser observado, e vemos que mesmo quem usa a ciclofaixa acha que é um absurdo como é feita.

    abss,

    ResponderExcluir
  85. Pistola de 'raio laser'. Revolucionário de internet só 'revoluciona' no mundinho do faz de conta, mesmo. A valentia é tão virtual quanto a sensatez ao julgar a realidade.

    ResponderExcluir
  86. Ninguém aqui tá à fim de revolucionar picas, mané. E somente um louco leva à sério quando um sujeito fala em raios laser. Não consegue entender uma galhofa muito menos discutir algo que preste. Vá se tratar.

    ResponderExcluir
  87. 'A fim de' não pode ser craseado.
    O 'intelecto', pelo que se vê, também é virtual. Vá estudar e deixe a 'revolução' virtual a cargo dos patetas melhor habilitados.

    ResponderExcluir
  88. Ora, ora, se não é o professor petralha neurótico! Você aqui, novamente? melhor que se tratar seria você pegar sua bicicleta (se tiver) e dar umas pedaladas nessa ciclovia estúpida e de preferência numa segunda-feira em horário de pico. Um santo remédio para malucos desocupados como você. Arrume outro aluno para ensinar sua gramática pois eu sou daqueles que sentam no fundão e infernizam a vida dos coitados, sobretudo dos proselitistas de quinta categoria, seu caso.

    ResponderExcluir
  89. Mauricio Bumba,
    interessante saber que os motoboys tomam a faixa das bicicletas. Não havia pensado que eles fossem capazes disso, mas me engano sempre com eles, a raça mais imbecil e ignorante de todas que conduzem veículos. São capazes de tudo mesmo. Gosto muito quando vejo um estatelado no asfalto.

    ResponderExcluir
  90. "Mortoboy" é o motoboy ideal.

    ResponderExcluir
  91. professor pasqualete anti-entusiasta de merda

    Vai ensinar português pro ignorante do Lula, seu ídolo, e leve uma garrafada de cachaça na cabeça pra deixar de ser metido a besta.

    ResponderExcluir
  92. Anônimo 17/01/12 14:18; nervoso o senhor, heim!
    Se o máximo que consegue se lembrar é do ex-presidente Lula, percebemos que cultura não é o seu forte. Fazer o que, nem todos nasceram para citar João Cabral de Melo Neto.

    ResponderExcluir
  93. Anônimo 17/01/12 08:26, pela sua apologia à ignorância, percebemos que é um petista de carteirinha.
    E o fundão em que você diz estar barbudo, é o fundo do poço.

    ResponderExcluir
  94. Petista nada. E detesto barba. Sentava no fundão, sim e passava de ano sem recuperação. Quanto aos professores molestadores era só escrever o que eles gostariam de ouvir e pronto. Fácil enganar esses coitados... E tem razão, João Cabral de Melo Neto não me vai muito bem, gosto mais de Machado de Assis. Agora volta pro trabalho e faça jus ao seu salário de funcionário nomeado.

    ResponderExcluir
  95. professor pasqualete
    João Cabral de Melo Neto não posso citá-lo. Para ti, oh guru das regras gramaticais, cito Bocage:


    "Vae cagar o mestiço e não vae só;
    Convida a algum, que esteja no Gará,
    E com as longas calças na mão ja
    Pede ao cafre canudo e tambió:

    Destapa o banco, atira o seu fuscó,
    Depois que ao liso cu assento dá,
    Diz ao outro: "Ó amigo, como está
    A Rittinha? O que é feito da Nhonhó?"

    "Vieste do Palmar? Foste a Pangin?
    Não me darás noticias da Russu,
    Que desde o outro dia inda a não vi?"

    Assim prosegue, e farto ja de gu,
    O branco, e respeitavel canarim
    Deita fora o cachimbo, e lava o cu."

    ResponderExcluir
  96. Tadinho do guerrillero, passou vergonha... Se descontrolou tanto com a própria jumência que respondeu até a quem atravessou a história. O molestador te passava de ano fácil? Passava-lhe mole, mole, então? Gostas de machado? Parece mesmo é que você gosta de sentar com o fundão em um tronco...
    Valeu, guerrillero. Dei umas boas risadas à sua custa...

    ResponderExcluir
  97. Não, bobo, quem se descontrolou foi você que finge bem, por sinal. Mas no quesito burrice você me deixa bem para trás, afinal de contas me confunde com os da sua laia me chamando daquilo que passa longe de mim. Otário.

    ResponderExcluir
  98. Já tentei usar as ciclovias aqui do Rio para ir ao trabalho. Não dá certo...

    Além de ser impossível de se fazer nos dias de chuva - por motivos óbvios -, aqui é muito quente, logo, chega-se ao trabalho já todo suado. Isso às 9:00h da manhã, todo suado, não dá... Não é todo o lugar que tem um chuveiro para se tomar um banho ao chegar no trabalho.

    Também não se tem onde deixar as bicicletas. Dentro do local de trabalho é um trambolhão que atrapalha os demais. Deixar acorrentada no poste, aqui no Rio, nem pensar.

    Fiz isso dois dias. Resultado: voltei ao carro!

    Leo-RJ

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...