21 de fevereiro de 2012

PEUGEOT 308, A NOVA GERAÇÃO DO HATCH MÉDIO DA MARCA DO LEÃO

Fotos: divulgação Peugeot


O Peugeot 308 chega para substituir o 307 mais com aperfeiçoamentos do que com novidade propriamente dito, sem que isso constitua algum demérito. Pelo contrário, o hatchback médio francês melhorou em vários aspectos. Continua com motorizações 1,6 e 2 litros, mas na menor há a novidade do sistema de partida a frio não requerer mais injeção de gasolina e o conjunto de reservatório e bomba, tudo graças a um sistema desenvolvido pela Bosch, que será visto adiante.

O 308 foi lançado no Salão de Frankfurt de 2007, com vendas no início de 2008. Em 2011, no Salão de Genebra, foi apresentada sua atualização, cujo desenho é o mesmo do que agora chega ao Brasil. A principal mudança é a grade dianteira menor – o “bocão” não proporcionava mesmo visual dos mais agradáveis.

Para recordar, o 307 chegou ao Brasil importado da França em 2002 e dois anos depois começou a vir da Argentina, da fábrica Peugeot em El Palomar, perto de Buenos Aires.


As dimensões permaneceram próximas do 307, com ganho de 74 mm no comprimento e 69 mm na largura, porém com redução de 12 mm na altura. O volume do porta-malas não se alterou, 348 litros quando medido com blocos VDA (tanto a Peugeot quanto a Citroën costumam informar volume medido pelo método de água, no caso 430 litros, mas que é irreal).

No motor 1,6-litro, chamado EC5, houve um ganho expressivo de potência resultado do aumento da taxa de compressão de 11:1 para 12,5:1, mais redução do atrito interno entre pistões e cilindros, emprego de bielas forjadas mais leves, bomba de óleo de vazão variável segundo carga e rotação, de comando de admissão de fase variável, compensador de folga de válvulas hidráulico, coletor de admissão de plástico e borboleta de aceleração controlada eletronicamente.

Com gasolina, passou de 110 cv a 5.600 rpm para 115 cv a 6.000 rpm, e o torque foi de 14,2 m·kgf a 4.000 rpm para 15,5 m·kgf  à mesma rotação. Com etanol, eram 113 cv a 5.600 rpm e agora são nada menos 122 cv a 6.000 rpm, o que o torna o motor dessa cilindrada mais potente entre os fabricados na região do Mercosul (o motor é produzido em Porto Real, RJ, vizinha a Resende). O torque acompanhou, passando de 15,5 m·kgf a 4.000 rpm a 16,4 m·kgf, mesma rotação. É o motor da versão de entrada Active, só câmbio manual de cinco marchas e que custa R$ 54.000, apenas 500 reais mais que a versão Presence do descontinuado 307.

O motor EC5 1,6-L de 122 cv com dtanol é o ponto alto do Peugeot 308

A versão imediatamente acima é a Allure 1,6 só manual também (57.000 reais), depois a Allure 2,0 manual (60.000), Allure 2,0 automático (64.000) e finalmente a Feline 2,0, só automático, R$ 71.000 (tire 10 reais de todos esses preços para ter o valor exato, “à moda Sears, Roebuck”, por exemplo, R$ 53.990...).

A versão de entrada vem recheada de equipamentos, como ajuste de altura do banco do motorista, do volante em altura e distância, este com comando de áudio, computador de bordo, rodas de alumínio de 16 pol., volante revestido de couro, ajuste elétrico dos espelhos externos, acionamento elétrico dos vidros um-toque, ar-condicionado, travamento central que inclui vidros e tampa traseira por telecomando.

Em segurança, traz bolsas infláveis frontais, cintos dianteiros com pré-tensionador e limitador de esforço, três cintos traseiros de três pontos com limitador de esforço nos laterais, três apoios de cabeça, freios ABS com auxílio à frenagem e sua distribuição eletrônica, repetidoras das setas nos espelhos e travamento automático das portas, entre outros (ver itens de todas as versões na tabela de equipamentos).

O sistema Flex Start Bosch
O sistema de partida a frio sem o concurso da gasolina quando só há etanol no tanque, foi primeiro usado no Polo E-Flex dois anos atrás, mas a produção da versão foi irrisória. Em 2011 a versão desapareceu e o sistema foi incorporado ao Polo BlueMotion, versão de vendas baixas também. Assim, na chamada grande série (12.000 unidades de março a dezembro, segundo o planejamento da Peugeot) é a primeira vez que tal sistema é usado..

O Flex Start consiste de uma galeria de combustível (um fuel rail) com elementos de aquecimento elétrico integrados – chamados de lanças aquecedoras –, uma unidade de controle de aquecimento e o software de controle, de modo a garantir que o etanol esteja na temperatura ideal para uma pronta partida, mesmo sob frio intenso.


A galeria do Flex Start, no destaque a lança aquecedora (Bosch)

O sistema é “despertado” assim que a porta do motorista é aberta, reduzindo ou eliminando o tempo de espera de 6 segundos quando a temperatura é de 5 °C. Se a ignição for ligada e tentada a partida antes do aquecimento total do etanol na galeria, uma luz aviso no quadro de instrumentos ficará acesa, indicando que o etanol ainda está sendo aquecido. A partida efetiva só é liberada quando a luz se apagar.

O procedimento lembra os motores Diesel, nos quais há uma resistência em cada cilindro para as partidas quanto a temperatura está muito baixa e se deve esperar um pouco antes de tentar fazer o motor pegar.

Além de propiciar a partida sem sistema auxiliar de injeção de gasolina, o Flex Start aprimora a dirigibilidade logo após a entrada em funcionamento do motor pelo fato de o combustível de difícil vaporização estar aquecido. Conseqüentemente, a mistura ar-combustível não precisa ser tão rica quanto antes, o que significa menos consumo e emissões pelo escapamento.

Com o Flex Start acaba a necessidade de cuidar para que haja gasolina no reservatório – o “tanquinho” – e que não esteja velha, sem o que o motor no carro abastecido com etanol terá dificuldade de partida em dias mais frios. Seria ótimo se o Allure 2-litros e o Feline tivessem o sistema, mas a fábrica nada adiantou a esse respeito por ocasião da coletiva de apresentação..

A ficha técnica fornecida não informa a capacidade da bateria, que certamente tem de ser maior com o sistema de aquecimento devido à demanda de energia quando acionado. Em breve o AE terá um Active para teste e essa questão será esclarecida.

Mas, de novo, quantos problemas poderiam ter sido evitados se o Brasil tivesse adotado a mistura 85% etanol-15% gasolina.desde a criação do Proálcool no final de 1975....Não fomos mesmo muy espertos nessa.

Andando com o 308

A fábrica organizou um percurso de cerca de 130 quilômetros entre o aeroporto Tancredo Neves, em Confins, MG e Ouro Preto. Dirigi um Allure 1,6 e um Feline, não tive oportunidade de dirigir o Allure 2-litros manual, infelizmente. Ambos estavam com etanol no tanque. O 1,6 cumpre o que promete, ágil, responde bem ao acelerador, câmbio bem escalonado e 120 km/h a 3.500 rpm, razoável. A suavidade do motor ajuda numa velocidade de viagem confortável. 

A Peugeot declara 0 a 100 km/h em 10,3 s e máxima de 196 km/h, bons números. Ficou devendo o Cx e a área frontal, que presumo ser um bom resultado a julgar pela inclinação do pára-brisa e pela redução de altura.

Pelos dados de aceleração e velocidade máxima (ver ficha técnica) o Allure 2-litros manual deve ser capaz de empolgar. Será o próximo Peugeot a avaliar depois do Active 1,6.

O comportamento do 308 repete o do antecessor, sendo honesto, previsível e seguro. Os pneus Michelin Primacy 205/55R16H combinados com motor 1,6-litro foram bem definidos e a calibração da suspensão está no compromisso certo entre estabilidade e conforto. Nada mudou em suspensão, que é McPherson com barra estabilizadora na frente e eixo de torção com barra estabilizadora embutida atrás, mas as bitolas foram aumentadas em importantes 26 mm.

Interior bem-disposto e agradável

O 2-litros Feline de 151 cv a 6.000 rpm e 22 m·kgf a 4.000 rpm com sua caixa automática AT8 tiptronic, que permite trocas manuais seqüenciais (igual à do 408, evolução da AL4) vai bem, 9,9 s no 0 a 100 km/h e 206 km/h de máxima. O peso relativamente alto de 1.387 kg (Active 1,6, 1.318 kg) combinado com a caixa de quatro marchas faz passar certa sensação de lerdeza, mas é só impressão. Os largos pneus 225/45R17V grudam bem no chão, podendo-se atacar curvas sem preocupações maiores. Qualquer excesso de ímpeto é administrado pelo controle de estabilidade e de tração conjugados, que pode ser desligado.

As duas versões são iguais em frenagem, com seus discos nas quatro rodas e o auxílio à frenagem tipo mecânico, habitual da marca e da associada Citroën, faz o trabalho certo. A direção é precisa e bem-calibrada para proporcionar o peso correto em todas as faixas de velocidade. Posição de dirigir perfeita, ótimo volante de 380 mm de diâmetro, apoio de pé esquerdo merecedor do nome e bancos com densidade de espuma e suporte lateral corretos.

Visual simpático, mas os tais difusores...

O vidro do pára-brisa acústico contribui para o silêncio de rodagem, mas bem que poderia ter faixa degradê. Outro atributo do 308 é seu tanque de 60 litros, bom para reduzir as idas aos postos – embora a fábrica, lamentavelmente, omita a informação de consumo. Até quando, dona Peugeot?

As novidades associadas ao 308 são o teto panorâmico de vidro chamado Cielo, fixo, de 0,86 m², muito agradável, e que conta com cortina de acionamento elétrico, de série no Feline e opcional nos dois Allure 2-litros; luzes diurnas de LEDs, mas só no Feline; iluminação de chegada e de aproximação do carro em todos; e, exclusivas do Feline, bolsas infláveis de tórax e de cortina, abrangendo as duas fileiras de bancos. Outra boa e bem-vinda novidade é o navegador GPS com tela central de 7 pol. escamoteável elétrica, item opcional para o Feline apenas. Sua inclinação pode ser ajustada, para melhor visualização.


O sol por tesmunha com o teto panorâmico Cielo

Esteticamente o 308 agrada, mas eu preferia que não houvesse as duas molduras na parte inferior do pára-choque traseiro, que fábrica chama de difusores..Parece tratar-se de um “mal da marca”, já que o 408 tem algo do gênero, mas com ares de saída de escapamento.

Mas o fato é que o novo Peugeot tem boas armas para disputar mercado com o Focus hatch, o C4, o Golf e o i30. Pelo que vi pode vender mais que 12.000 unidades em 10 meses. Estimo de 15 a 20 mil. Quem dirige gosta.

BS


Ficha técnica Peugeot 308
Versões
Active 1,6
Allure 1,6
Allure 2L M
Allure 2L A
Feline
MOTOR
Localização e posição
Dianteiro transversal
Combustível
Gasolina e etanol, flexível
Taxa de compressão
12,5:1
10,5
Diâmetro dos cilindros/curso dos pistões (mm)
78,5 x 82
85 x 88
Cilindrada (cm³)
1.587
1.997
Potência máxima (cv/rpm) (gaaolina/etanol)
115/6.000/122/6.000
143/6.250/151/6.000
Torque máximo (m·kgf/rpm) (gasolina/etanol)
15,5/4.000/16,4/4.000
20/4.000/22/4.000
Material do bloco/cabeçote/cárter
Ferro fundido/alumínio/alumínio
N° e arranjo dos cilindros/arrefecimento
Quatro em linha/líquido
Localização do comando de válvulas
Cabeçote
Árvores de comando de válvulas/acionamento
Duas, correia dentada
N° de válvulas por cilindro/localização/atuação
Quatro/cabeçote/indireta por alavanca "dedo"
Variador de fase
Comando de admissão
Coletor de admissão variável
Não
Formação de mistura
Injeção seqüencial no duto
EMBREAGEM
Tipo
Monodisco a seco
Não aplicável
Acionamento
Hidráulico
Não aplicável
TRANSMISSÃO
Câmbio/rodas motrizes
Manual/ dianteiras
Automático/dianteiras
Controle de tração/bloqueio de diferencial
Sim/não
N° de marchas à frente/alavanca
Cinco/assoalho
Quatro/assoalho
Relações das marchas (:1)
1ª 3,45; 2ª 1,87; 3ª 1,29; 4ª 0,95; 5ª 0,74; Ré3,33
1ª 2,73; 2ª 1,50; 3ª 1,00; 4ª 0,71; Ré 2,46
Relação de diferencial (:1)
4.76
3,67
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barrra estabilizador integrada
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira
Relação/assistência
N.D./eletroidráulica
Diâmetro mínino de curva entre guias (m)
10,8
FREIOS
Servoassistência/tipo
Sim/a vácuo
Dianteiros
A disco ventilado, 283 mm Ø x 26 mm
Traseiros
A disco, 249 mm Ø x 9 mm
SISTEMA ELÉTRICO/GERADOR
12 V/alternador
CARROCERIA
Construção
Monobloco, subchassi dianteiro, hatchback
Número de portas/número de lugares
Quatro/cinco
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)
Comprimento
4.275
Largura
1.815
Altura
1.480
Distância entre eixos
2.608
Bitola dianteira/traseira
1.535/1.530
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s) (gasolina/etanol)
11/10,3
9,3/8,9
10,5/9,9
Velocidade máxima (km/h) (gasolina/etanol)
191/196
210/213
199/206
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Urbano (km/l)
Não informado pelo fabricante
Rodoviário (km/l)
Não informado pelo fabricante
Tanque de combustível (l)
60
PNEUS
205/55R16H
225/45R17V
PORTA-MALAS
Capacidade (l) (VDA)
348, 1.200 com banco rebatido
Peso em ordem de marcha (kg)
1.318
1.320
1.328
1.354
1.387
GARANTIA
3 anos
REVISÕES E TROCA DE ÓLEO DO MOTOR
A cada 10.000 km ou 1 ano



Equipamentos Peugeot 308
Versão
Active 1,6
Allure 1,6
Allure 2L M
Allure 2L A
Feline
SEGURANÇA
Acend. autom. pisca-alerta ao frear forte
S
S
S
S
S
Alarme antifurto
N
N
N
N
S
Apoio cabeça (5) c/ reg. altura
S
S
S
S
S
Aviso cinto do motorista não atado
S
S
S
S
S
Aviso de portas mal-fechadas
S
S
S
S
S
Bolsas infláveis de cortina
N
N
N
N
S
Bolsas infláveis de tórax
N
N
N
N
S
Bolsas infláveis frontais
S
S
S
S
S
Cintos dianteiros c/ pré-tensionador e limitador de esforço
S
S
S
S
S
Cintos dianteiros, ajuste de altura
S
S
S
S
S
Cintos traseiros 3-pontos c/ limitador de esfórços nos laterais
S
S
S
S
S
Controle de estabilidade e controle de tração
S
S
S
S
S
Desembaçador do vidro traseiro
S
S
S
S
S
Faróis de neblina
N
S
S
S
S
Freios ABS, EBD e BAS
S
S
S
S
S
Luzes diurnas de LEDs
N
N
N
N
S
Protetor de cárter
S
S
S
S
S
Repetidoras indic. direção nos espelhos
S
S
S
S
S
Sensor de estacionamento traseiro
N
N
N
N
S
Trava para crianças nas portas traseiras
S
S
S
S
S
Travamento automático das portas
S
S
S
S
S
Travamento central
S
S
S
S
S
Verif/Controle e indicador manutenção
S
S
S
S
S
CONFORTO E COMODIDADE
Acendedor de cigarros
S
S
S
S
S
Acionamento elétrico dos vidros dianteiros e traseiros um-toque com segurança antiesmagamento
S
S
S
S
S
Ajuste do volante em altura e distância
S
S
S
S
S
Ajuste elétrico dos retrovisores externos
S
S
S
S
S
Ar-condicionado ajuste manual
S
N
N
N
N
Ar-condicionado autom. c/ saída tras.
N
S
S
S
S
Banco do motorista c/ ajuste de altura
S
S
S
S
S
Computador de bordo
S
S
S
S
S
Controlador e limitador de velocidade
N
N
S
S
S
Descansa-braço central banco. tras.
N
S
S
S
S
Descansa-braço individ. bancos. diant.
N
S
S
S
S
Direção assistida eletroidráulica
S
S
S
S
S
Iluminação de afastamento do carro
S (man.)
S (auto)
S (auto)
S (auto)
S (auto)
Iluminação de chegada ao carro
N
S
S
S
S
Pára-brisa acústico
S
S
S
S
S
Porta-luvas refrigerado e iluminado
S
S
S
S
S
Retrovisor interno fotocrômico
N
S
S
S
S
Retrovisores ext. rebatíveis eletricam.
N
N
N
N
S
Sensor crepuscular
N
S
S
S
S
Sensor de chuva indexado à velocidade
N
N
S
S
S
Teto panorâmico de vidro Cielo
N
N
O
O
S
Tomada de 12 volts no console central
S
S
S
S
S
Travamento de portas, porta-malas e vidros a distância
S
S
S
S
S
MULTIMÍDIA
Bluetooth e áudio streaming
N
S
S
S
S
Comando de áudio no volante de direção
S
S
S
S
S
Navegador GPS com tela color. de 7" rebatível eletricamente
N
N
N
N
O
Quatro alto-falantes e dois tweeters
S
S
S
S
S
Rádio/CD player/MP3
S
S
S
S
S
USB p/ iPod/MP3 e Aux
N
S
S
S
S
ESTÉTICA E ACABAMENTO
Antena de teto curta
S
S
S
S
S
Detalhes cromados no painel e câmbio
S
S
S
S
S
Gade do pára-choque dianteiro com frisos cromados
N
S
S
S
S
Grade do pára-choque dianteiro com contorno cromado fosco
S
S
S
S
S
Instrumentos com fundo branco
N
N
N
S
S
Instrumentos com fundo preto
S
S
S
N
N

N = não-disponível  S = de série  O = opcional

(Atualizado em 21/02/12 15h45 com inclusão de foto do interior)
(Atualizado em 21.02/12 22h30, correção de informação sobre pré-aquecimento nos motores Diesel)

85 comentários:

  1. Bob;

    Interessante esse sistema FlexStart! existe alguma luz espia (como em modernos motores diesel common rail) alertando para o periodo de aquecimento da vela aquecedora e quando ela desliga, ser o momento correto da partida?

    Aliás a Peugeot mesmo com a injeção adicional de gasolina tem um sistema bastante interessante e superior (pelo menos ao da linha VW AP): Os bicos por onde saem a gasolina para o motor são individuais para cada cilindro e junto ao bloco ao invés de um unico bico injetor jogando o combustivel direto na linha de admissão como ocorre na linha VW AP flexivel.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel
      Os Diesels atuais de injeção na câmara e com altíssimas pressões de injeção, de pelo menos 1.200 bar, acabaram com a necessdade de pré-aquecimento. Eu não sabia desse detalhe de injeção individual do Peugeot, bem interessante.

      Excluir
    2. jackie chan21/02/12 13:57

      Já faz alguns anos que certos fabricantes (Honda e Toyota, por exemplo) vêm empregando eletroinjetores individuais no sistema de partida a frio.
      Quanto a esse FlexStart, na verdade não tem quase nada de tecnologia nova, já que as velas aquecedoras (em motores diesel) são bastante antigas. Só acrescentou um sistema de controle da temperatura e gerenciamento das velas. Resta saber se finalmente a moda vai pegar, ou se ainda continuarão insistindo na arcaica gambiarra do reservatório de gasolina, em alguns casos até "modernizado" com eletroinjetores individuais...

      Excluir
    3. Bob;

      Não tenho certeza mas acho que em locais de clima temperado/polar, mesmo os common-rails utilizam vela aquecedora.

      Abraços!

      Excluir
    4. Mesmo nos diesels common rail com mais de 2000 bar de pressão ainda existe o pino aquecedor (um por cilindro). A diferença é que com a evolução deles e da injeção do diesel o tempo necessário diminuiu muito, agora mesmo a temperaturas muito baixas basta cerca de um segundo de aquecimento para fazer o carro pegar. Ao menos é assim nos países com clima temperado.

      Excluir
  2. Boa tarde, Bob

    Essa direção eletro-hidráulica é uma direção hidráulica onde a bomba é tocada por um motor elétrico ao invés de uma correia ligada ao motor, certo?

    Eu conheço bem a direção elétrica com assistência na coluna, como no Mégane e Fluence da Renault, e acho o sistema excelente, realmente muito bom mesmo, com boa progressividade de assistência em relação à velocidade do carro e bem precisa.

    Será que esse sistema da Peugeot é equivalente, ou fica a dever para a assistência elétrica na coluna?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Afex21 06:45
      Uma vantagem da assistência elétrica é simplificação e, portanto, custo, menor do que um sistema que ainda seja de acionamento hidráulico a partir de uma bomba elétrica (que é melhor do que acionamento pelo motor). Quanto ao funcionamento, o sistema eletroidráulico nada fica a dever ao elétrico, mas este tem a vantagem de poder receber alimentação do controle de estabilidade e efetuar ligeira correções de direção.

      Excluir
    2. As direções eletroassistidas têm ainda outra grande vantagem: como o sistema pode "entender" o sinal eletrônico que alimenta o velocímetro, fica muito mais fácil modular o grau de assistência de acordo com a velocidade (mais velocidade = menos assistência = direção mais pesada). A mesma direção que pode ser esterçada com um dedo em manobras, como nos velhos Landau, fica firme como rocha a velocidades de estrada.

      Excluir
  3. Bacana Bob, mas não gostei desta taxa de compressão alta.

    Digo isso porque o preço do etanol faz tempo que não está favorável a seu uso e rodar com gasolina muito provavelmente causará pré-detonação, fato que as concessionárias vão dizer que é culpa da gasolina ou que o motor do carro está carbonizado, querendo cobrar (um tanto razoável) pra "solucionar" o problema.

    Espero estar enganado.

    Gostei também da bomba de óleo "variável", e adoraria que o comando fosse por corrente e não correia dentada, questão pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito desse carro, certamente um sério candidato a ser meu próximo carro. Mas tenho certo receio em relação a esse motor EC5 por causa dessa taxa de compressão de 12,5:1. Aqui em casa temos um Gol com taxa de compressão de 13:1, se não me engano, e o que o bichinho "grila" quando abastecido com gasolina não é brincadeira. Esse mal atinge inúmeros outros carros "flex", e o pior é que as concessionárias insistem em dizer que o problema está no combustível, ou qualquer outra desculpa esfarrapada. Espero que com o teste do AE essa dúvida seja esclarecida, pois pagar quase 60 mil em um carro com motor com problema de pré-detonação não dá!

      Luciano

      Excluir
  4. Bob, não entendi a capacidade do porta-malas. Ele é mais destacado e aparentemente maior do que do 307. Qual foi a mancada da Peugeot?

    Parece um bom carro como o 307. O problema é que, como você bem disse, é mais uma evolução.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mineirim
      A capacidade do porta-malas não mudou.

      Excluir
  5. Interessante esse Peugeot 308. Gostei bastante do motor 1,6-litro, pois apesar de "gambifréx", apresenta bons números de potência e torque. Vamos ver o consumo, mas pela taxa alta, não deve ser ruim. O único "senão" podem ser pequenas "batidas de pino" ao usar somente gasolina. Espero ansiosamente pelo teste mais completo.

    Como sugestão, seria possível fazerem um teste com o "novo" Focus com motor Sigma 1,6-litro? Como concorrente direto no novo 308 1,6-litro, seria interessante para confrontar ambos os carros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Road Runner
      O próximo Ford, já está marcado, será o novo Fiesta, que tem esse motor. Esse confronto que você sugere, aliás, está na Carro de março, em vias de ir para as bancas. Mas foi o Allure 2-L manual contra o Focus GLX 2,0. O 308 foi melhor.

      Excluir
    2. Bob,

      Obrigado pela dica, vou comprar a revista Carro de março. Provavelmente, nas versões 1,6-litro o 308 também leve a melhor, já que o motor Peugeot tem mais potência e torque que o Ford. Não olhei item a item, mas o Peugeot 308 também me parece mais bem equipado na versão de entrada. E vai dar para saber como é o motor Sigma com o teste do Fiesta.

      Abraço!

      Excluir
    3. Infelizmente não tem mais 307 2 litros a venda. É mais cavalos por menos dinheiro, e fim do teste. Quem foi esperto pegou o seu!

      Excluir
  6. Rafael Ribeiro21/02/12 13:08

    O carro me parece entregar um bom produto, por preço competitivo, que não aumentou em relação ao 307, mesmo sendo uma nova geração. Prova de que há "gordura" na margem de lucro na maioria dos carros que aumentam de preço por conta de atualizações menores.

    Que bom saber que mais alguém não gosta de penduricalhos "fakes", como os tais "difusores" (uma porcaria de moldura plástica apenas). Bola fora da Peugeot nesse item. Fosse algo realmente funcional, ainda vá lá...

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Bob, uma coisa me intriga: As relações de marcha do 2.0 MT são as mesmas do 1.6?
    Faltou só uma foto do interior (apesar de ser fácil de encontrar no google).
    Outra: Os bancos seguram bem ou precisa se segurar no volante nas curvas mais fortes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thales Sobral
      Que mancada! Faltou a foto do interior mesmo. Acabei de colocar, com nota de atualização no final. Os bancos seguram bem, mas vai uma dica de pilotagem: se o banco não oferece bom apoio lateral, pressione o corpo contra o banco por meio do pé esquerdo – truque que aprendi do mestre Piero Taruffi. Se for usado o volante para esse apoio, perde-se precisão no seu uso.

      Excluir
  9. Desculpe Bob, mas nao consigo "engolir" essa atual "mania" nacional em chamar nosso Alcool de "etanol".... até nos postos de combustiveis ja mudaram a nomenclatura..... pq NOS os inventores dessa tecnologia, temos q nos adaptar ao exterior???????

    Ate quando isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Unknown
      Quer saber? Também acho estranho etanol, tanto que me forço a escrevê-lo. Por outro lado, etanol é o mesmo que álcool etílico e, além disso, é o nome oficial do produto dado pela Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Mas para você ver como são estranhas as coisas nesse campo, escrevo metanol com a maior naturalidade, em vez de álcool metílico.

      Excluir
    2. Amigo, álcool, cetona, éter.. são classes químicas de compostos, o correto, do ponto de vista da química, é falar metanol/álcool metílico, etanol/álcool etílico e assim por diante.

      Etanol, metanol, propanol, butanol, ter-butanol, etc, são todos álcoois, mas com propriedades bem diferentes entre si.

      Eu consideraria frescurite ter falar "etanol de cana de açúcar" pra diferenciar o nosso do "etanol de beterraba" ou "etanol de milho".

      Excluir
    3. Estou com o Anônimo 11:22AM... Etanol é o nome que designa a estrutura química do nosso álcool combustível, então está correto.
      Só não sei o porque chamar tanto tempo de ÁLCOOL, e depois mudarem pra ETANOL. Será tem metanol à venda assim, pra termos que distinguir?

      Excluir
    4. o mesmo Anônimo ^^22/02/12 01:07

      Pra mim isso é ação de marketeiro pra promover o país como "um que usa matriz energética limpa". ;)

      Excluir
  10. Bob,
    para evitar o envelhecimento da gasolina, no tanquinho de partida à frio, não seria interessante que o sistema sempre fosse acionado, independente da temperatura ambiente e do combustível no tanque? Eu já tive esse problema várias vezes numa Montana 2005 que possuí. Atualmente, pra evitar o problema, só abasteço o tanquinho do meu Vectra 2009 no inverno e se estou utilizando etanol. Não sei se os sistemas atuais já trabalham da forma que descrevi.
    Abraço,
    Rafael - Toledo/Pr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael
      Nos Honda é assim, a cada partida é injetada gasolina, para consumi-la, e uma luz no painel acende-se quando o nível estiver baixo.

      Excluir
  11. sem ler o comparativo eu ja sou mais o focus FTR

    ResponderExcluir
  12. Lorenzo Frigerio21/02/12 15:37

    Mais um carro nacional sofrendo do "mal do câmbio curto". Não é à toa que a Peugeot omite a informação de consumo.
    Imagino que 120 km/h a 3000 rpm seja perfeitamente possível, até menos, principalmente no 2.0, que segundo o BCWS tem o mesmo câmbio.

    ResponderExcluir
  13. Uma coisa que não consigo aceitar é o porque de uma montadora usar este sistema (flex start) no motor 1.6 e não usar no motor 2.0. Eles fazem tudo de forma a passos de tartarugas, ou seja investem um pouco e lançam em um modelo. Esperam retorno e depois colocam em outro modelo. Uma vergonha e desrespeito ao consumidor. Veja a situação. O vendedor mostrando o 308 1.6 e dizendo, este motor não precisa de reservatorio de gasolina, e pura teconologia. Ao mostrar o 308 2.0, ta lá o tanquinho, o que ele vai dizer, algo como: Este 2.0 é pura falta de tecnologia!!!!!! HEHEHEHE.Só no Brasil isso acontece. Outra coisa é estes motores flex, ruim com qualquer combustivel, esse devia ser o slogam. Pois quando tem (pouca taxa), para se adequar melhor na gasolina, quando com alcool são beberôes. Quando com (alta taxa) para se adequar ao alcool operam o tempo todo com ponto de ignição sendo atrasado, e com isso fica pior que um motor com menos taxa e curva de ignição correta. Percebam que a maioria dos carros com motor flex grila e muito ao arrancar, mesmo em arrancada normal, tipo num estacionamento, semaforo.
    Já fui defensor do motor a alcool, mas com nossa politicagem não da mais.Prefiro mesmo um motor somente a gasolina bem acertado do que um flex meia boca. Creio que somente com uso de injeção direta o motor flex tenha realmente eficacia, pois com este sistema de injeção maiores taxas de compressão são possiveis mesmo a gasolina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O 1.6 é feito em Porto Real, RJ. O 2.0 vem montado da França direto para a Argentina.

      Excluir
  14. Lorenzo,

    Veja o peso do veículo e entenderás o porquê do câmbio curto.

    O consumo se a Peugeot informar, será um tiro no pé.

    ResponderExcluir
  15. Alexei Silveira21/02/12 16:58

    Bob,

    Acho que o preço alto do etanol é irreversível e os carros flex com alta taxa de compressão são na verdade carros a álcool, e usando gasolina eles operam de maneira precária em torque e consumo.

    As fábricas não devem alterar logo esses motores usando taxa de gasolina como o combustível principal do projeto , mantendo a flexibilidade ?

    Veja bem, o motor do Hyundai Veloster, 1.6 a gasolina, injeção indireta, foi medido a 121 cv , é a potência desse motor Peugeot no álcool.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O motor do Veloster vendido aqui não possui injeção direta. Isso é propaganda enganosa da CAOA.

      Excluir
    2. Alexei
      Quem mediu? Foi no dinamômetro de bancada ou de rolo? Se no primeiro caso, tudo bem, já no segundo...

      Excluir
    3. Alexei Silveira21/02/12 19:14

      Carlos Eduardo : foi medido o nacional, injeção indireta, como mencionei.

      Bob : medido o 1.6 16v Veloster nacional de particular, 121 cv foi no rolo, citação em reportagem alto de capa da revista FullPower-Janeiro 2012. Quem mediu foi uma preparadora e na reportagem eles testaram e obtiveram modos de aumentar levemente a potência e o torque. Conseguiram cerca de 130 cv , marca apropriada para um 1.6 16v moderno e nitidamente maior que a do Peugeot, na gasolina. O motor da Hyundai parece bom mesmo sem a injeção direta prometida,apenas está no carro errado.

      Excluir
    4. Alexei
      Esse motor é declarado com 128 cv. Mas não gosto de dinamômetros de rolo, que considero úteis para comparar potências apenas, não para medi-las de modo absoluto.

      Excluir
  16. Bob, você tocou num ponto que tenho notado há alguns anos: a mania de reproduzir um falso escape, extrator, difusor, bat-fumaça no para-choque.

    ResponderExcluir
  17. Não gosto e nem faço questão de Motor flex.
    Bob, se eu comprar um 308 puro-gasolina numa concessionária argentina e vir de lá rodando (nordestinos, calma, eu moro no Sul)(pode ser também, um Focus que também é feito lá) o imposto de importação fica muito alto?

    RicardoBF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RicardoBF
      Só firmas importadoras podem trazer carro de fora, além de que para ser licenciado aqui terá que primeiro ser homologado quanto a emissões, processo que leva de quatro a seis meses.

      Excluir
    2. Ricardo, dá vontade mesmo de fazer isso. Se fosse possível, o pessoal de fronteira teria um comércio fantástico desse tipo. hehe
      Mas pra comprar lá você tem que morar lá e ter endereço de lá. Depois, não poderá emplacar aqui. Se importar de maneira independente, vai pagar todos os impostos, exceto o Imposto de Importação. Tem uma página da Receita que simula as taxas: http://www4.receita.fazenda.gov.br/simulador. Outro problema vai ser a garantia e a adaptação à nossa alcoolina. rsrs

      Excluir
    3. Bob,
      é possível sim uma pessoa física importar um carro. Um dos macetes é importar um modelo que alguem já importou antes, pois passa a constar como homologado. Há diversos escritórios de comércio exterior que prestam assessoria para importação via pessoa física. Um conhecido já importou um bocado de bichos dos bons, como 370Z e Mustang. Segundo ele, a primeira importação é infernal. As outras, já sabendo o caminho das pedras, são tranquilas.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    4. Existem diversas assessorias especializadas em importação. Existe ainda formas de isentar o IPI para importação feita por pessoa física. Digo isso pois conheço algumas pessoas que tiveram êxito nesse processo.

      Excluir
  18. Bob.
    Mais uma excelente avaliação, como sempre. Este blog está se superando a cada dia. Mas deixemos de lado e vamos ao que interessa.
    Possuo um Ssangyong Kyron 2011 (motor 2.0 Diesel, aquele conhecido motor Mercedes, porém da versão mais barata) e um Fiesta Flex 2008.
    O Kyron, apesar de possuir o sistema de injeção direta common-rail (me corrija se estiver errado, por favor), ainda tem o mesmo sistema de pré-aquecimento com a luz no painel idêntica a que tinha minha antiga Sportage 1995. E pior, sob o clima frio do sul "reina" para dar a primeira partida do dia. E a gasolina do tanquinho do flex do Fiesta desaparece após alguns pares de semanas, o que me dá a entender que ela é consumida a cada partida como a do Honda. Aliás, com o tanquinho vazio também ele não gosta de dar a partida. Mesmo que no tanque só haja gasolina, que é o que temos utilizado aqui no Sul.

    Aliás, por aqui, nenhuma novidade no sistema flex é e, pelo jeito, por um longo tempo nem será vista como argumento de compra (ou de venda, como queira). Aqui no RS a venda de "etanol" (também não consigo engolir a palavra) equivale a apenas 5% da venda de gasolina, já que o preço do litro tem diferença de apenas uns 20 centavos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...Mas eu não falei do 308. O que eu queria dizer, e ainda não vi o carro, é que ele tem a missão de melhorar MUITO em relação ao 307. Principalmente em ergonomia e consumo.
      Esperamos que desta vez, a marca francesa não faça como fez com o 207: só somou 1 ao nome do modelo anterior.

      Excluir
    2. CSS
      Estranho, não deveria mais ter o pré-aquecimento.

      Excluir
    3. Os Renault, especificamente o Fluence, consome a gasolina do tanquinho automaticamente. Digo isto porque possuo um há 6 meses e nunca coloquei uma gota da alcool no mesmo (aqui em Brasília, só louco que rasga dinheiro usa alcool devido ao preço) e de tempos em tempos acende a luz indicadora de necessidade de abastecimento do tanquinho.

      Excluir
    4. Ssangyong...todos os carros dessa marca deviam entrar no guiness, categoria feiúra máxima...

      Excluir
    5. CSS
      Dei informação errada sobre pré-aquecimento dos Diesls atuais. Continua precisando, alterei o texto de acordo. Alguém há algum tempo me informou que não era mais necessário.

      Excluir
  19. Antônio Martins21/02/12 21:04

    Se fosse no Brasil que fizessem isso e chamassem de nova geração, seria esculacho na certa, coisa de engelharia de índios e outros adjetivos.

    Como surgiu lá fora, todo mundo assina em baixo e diz amém...

    ResponderExcluir
  20. Por que esse 308 já não veio com o 1.6 thp de 6 marchas??? colocaram o velho 2.0 com câmbio de 4 marchas beberrão!
    Tenho um 307 2.0 manual, esse não gasta muito, faz 8 na cidade e 13 na estrada (andando na boa), mas os automáticos....só sendo sócio de posto.

    ResponderExcluir
  21. A importação de carro novo pode ser realizada por pessoa fisica sem problela. E tem mais, dessa forma não é necessario nenhum tipo de homologação e já é possivel até não pagar mais o IPI, pois já tem decisão judicial a este respeito, pois juizes alegaram que pessoa fisica não precisa pagar IPI pois não conciste em comércio. Para importar o bom é contratar uma empresa especialziada que vai poder dar mais agilidade.
    Mas o custo de importar como ex o 308 da Argentina deve ficar até mais alto que o vendido aqui, Pois será comprado em uma agencia la e sobre o valor da nota vai ser calculados os importos. Mas que da vontade dá.
    Em relação ao consumo nãobser inforamdo pela Peugeot, deve ser pelo fato de ser mais um bebado.
    Pesando 1300kg com motor 1.6 se não tiver cambio curto não vai andar. Imagina este carro 5 ocupantes e bagagem!!!!. Capaz de andar menos e Mile Fire.
    Se analizar a relação de marchas da para ver que é praticamente as mesmas relações usadas no cambio do Gol 1.6 E-MAX (Vulgo CHT) que difere apenas da 2º marcha que no GOl é 1.94 : 1 e a 4º que é 0,91 : 1. 1º e 3º exatamente igual e 5º com diferença desprezivel pois no 308 é 0,74 : 1 e no Gol 0,73 : 1. O que realmente muda é a relação de diferencial. No Gol 4,11 : 1 e no 308 4,76 : 1. Para ter ideia o Gol 1000 CHT tinha relação de diferencial 4,77 : 1. Gosto de cambios com relação proximas e de certa forma curto. Mas sei que são poucos que tem mesma preferencia. Mas creio que se a Peugeot adotar uma relação de diferencial mais longa o 308 vai sofrer muito pois pesa demais. O mesmo Gol CHT tem melhor relação torque peso, (o que realmente interressa para efeito de economia) que o 308, por isso permite cambio mais longo. Enquanto cada kgf de torque tem que mover 80,48 kg no 308 no Gol apenas 65,56 kg. Ou seja muita diferença. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Real Power,

      na realidade o 308 não tão mais curto que o Gol CHT (não seria AE de Alta Economia ao invés de EMAX?). O conjunto roda-pneu do Peugeot é bem maior que o do VW, resultando em uma circunferencia 10% maior. E em relação ao torque, tão importante quanto o valor máximo, é ver como ele distribuído ao longo das rotações. Tecnolgia ajuda bastante. Não duvido que o 308 1,6 seja espertinho em baixa...

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
  22. Tem razão Lucas CRF, em relção a ser motor AE e não EMAX, foi uma falha minha. E tambem sobre a questão roda pneu. No momento que escrevia tinha estes dados anotado , mas não segui em frete pois meu principal objetivo era de lembrar a questão do torque entre os motores. E a forma como ocorre a distribuição do torque eu considero até mais importante que o torque maximo. Mas para efeito de comparação usei os valores maximos.
    Justamente um motor considerado ultrapassado como o CHT-AE tinha na epoca se não me falha a memoria mais de 80% do torque entre 1600/1800 RPM até os 4000 RPM +/-. O torque maximo acontece apenas a 2600 RPM. OU seja curva de torque muito plana, num motor 1.6 carburdado, com distribuidor, sistema de ignição muito simples e varetado. Imagina esse motor atualizado. Assim considero alguns motores, desonestos, buscando mais potencia sem grandes avanços em torque. Pois este 1.6 do 308 tem apenas 3, kgf (+/-) a mais que o CHT(valores maximos).E como já escrevi cada kgf do 308 carega mais peso, logo sofre mais, gastanto mais e com desempenho fraco para o porte e categoria do carro.(minha onião) Seria bom se as montadoras informa-sem os valores de torque e potencia medios, como por ex entre 1500 a 5000 RPM para que o consumidor tivesse mais facilidade de comparar. O motor 1.6 Peugeot pode ser bom, e é, mas não num carro de 1300 Kg. Nesse caso um motor 1.8 com pelo menos 19 kgf de torque na minha opnião é o minimo para esse carro. Os carros estão ficando maiores e mais pesados a cada modificação, mas os motores continuam praticamente os mesmos. Veja questão do novo UNO, Palio, Gol G5 etc. Mesmo para os motoristas dos mais tranquilos, aqueles que andam em baixas velocidades, arrancam de forma suavizissima, todo cuidadoso e não ultrapassa os 110 km/h nas acho este motor fraco para este carro. Meu pai sempre disse, motor forte nunca é demais, mesmo que voçê ande com ele "sussurando" quase o tempo todo. Mas quando meter a bota, ele tem que responder. Isso só é possivel com um motor e cambios bem acertados num carro em que os cv não sintam peso demasiado nas costas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo, Real Power. Em relação ao AE, no uso urbano e comedido, nada devia ao AP, sendo até mais suave e silencioso que este. Em alta, de fato o AP despachava, mas não era toda essa bucha que os 15 cv a mais fariam supor. Beneficiados pela boa aerodinamica e pouco peso, os Escorts básicos surpeendiam.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
  23. É ISSO AÍ BOB, PAU NO CÂMBIO CURTO!!!

    ResponderExcluir
  24. E o cambio AT continua o mesmo problematico AL4 famoso problematico conhecido. Poderiam ter arrumado mas deixaram a mesma peça problematica.

    ResponderExcluir
  25. Mais um que vai virar mico...

    ResponderExcluir
  26. Peugeot é caro de mulher. O leãozinho símbolo da marca é muito gay.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filipe
      Está bem, Peugeot 205 T16 Grupo B, Peugeot 908 HDI LMP1 são carros de mulher...

      Excluir
    2. Peugeot 406 Coupé e seus 210 cv discordam de você...

      Excluir
  27. O cambio AL4 tem o problema de baixar a pressão nas eletrovalvulas e trava-lo em terceira. Mas não é caro nem impossivel dar um jeito nele. Peças na autorizada, não na esquina!!! Eu tenho um 406 2 litros, automatico e se souber andar na estrada faz até mais de 15km/l.Quanto ao leão ser gay acho que é comentário de quem tem vontade e não tem grana prá ter um.

    ResponderExcluir
  28. Bob! Que resposta!!!

    ResponderExcluir
  29. Traseira lembra o Bravo, no conjunto/preço sou mais o Bravo;

    Bob, o que é iluminação de chegada e aproximação?

    Funciona pelo reconhecimento à distância da chave?

    O que é cinto com limitador de esforço?

    o motor 1.6l, não é todo de alumínio?

    Obrigado

    ResponderExcluir
  30. Anônimo Fev 22 )3:05 PM
    Lembra mesmo o Bravo, carro que gosto também. "Iluminação de chegada ao carro" foi expressão mais apropriada que encontrei para o "Lead me to the car" que consta no descritivo de equipamentos fornecido pela fábrica. Ao comandar destravamento de porta pelo controle remoto, os faróis acendem-se. Já "Iluminação de afastamento do carro", mesmo caso, vem de "Follow me home", os faróis permanecerem acenderem ao trancar o carro. O limitador de esforço do cinto é um aliiviamento da tensão de aperto que se segue à retenção numa colisào, Serve para minimizar lesões internas. Já existe há algum tempo nos carros mais caros mas está se popularizando. O bloco do motor 1,6 é mesmo de ferro fundido.

    ResponderExcluir
  31. Nos primeiros 206 era bloco de alumínio, depois passou a ferro (meu 206 era de ferro). E como é liso até no corte esse motor, sobretudo com gasolina.

    Com esse desempenho a mais no álcool vale a pena usá-lo mesmo que não tenha vantagem econômica.

    Aliás, uma boa essa de melhorarem por boa margem o desempenho com etanol, quem de fato gosta de acelerar nem vai dar bola pra quanto anda o preço do álcool.

    ResponderExcluir
  32. Propaganda enganosa a Fiat também fez.
    Prometeu que seus motores denominados etorq teriam baixo consumo de combustível e quase a totalidade de seu torque máximo em baixa rotação.
    E o que acontece é o contrário: Bebe muito e é fraco em baixa.

    ResponderExcluir
  33. Antônio Martins23/02/12 00:52

    Depois dos flex, a pior bobagem é se preocupar com consumo, quase todos gastam a mesma coisa, meio litro pra lá um pra cá não vai fazer de ninguém milhonário ou pobre. Melhor comprar a máxima cavalaria possível que seu bolso alcançar e boa.

    E também, quem gosta de acelerar não tá nem aí pra consumo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vejo vantagem no 1.6. Pela diferença do preço final, vale mais a pena partir pro 2.0 do 308.
      Concordo. Por experiência própria: tinha um 1.4 que fazia na cidade 7 km/l no álcool e 9 km/l na gasolina. Troquei por um 2.0 automático que faz 6 km/l no álcool e 8 km/l na gasolina, pesando 30% a mais e com o dobro de potência. E ainda acho gastão, mas está com menos de 10k km. hehe

      Então, a decisão de compra deve ser pelo melhor que a grana alcançar.

      Excluir
    2. Picanto 2010/2011 MT GASOLINA: 14 KM/L ar ligado 100% ( O City Car perfeito, mas o que vc economiza no combustivel gasta tudo na revisão )

      Também discordo dessa discussão sobre consumo. Carros que não trazem nada a mais consome as vezes pouco menos que carrões que dão prazer e conforto. Tive um Celta que fazia 8 KM/L no alcool, e já vi relatos de 308 2.0 AT fazer 6 KM/L no alcool. Na boa... vale mt a pena pela diferença.

      Excluir
  34. Não sei se na prática faz muita diferença, mas custava um motor moderno como este 1.6, ser todo em alumínio?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia das fábricas é justamente forçar o consumidor a comprar o mais caro...

      Excluir
    2. Esse motor é o mesmo de 12 anos atrás, só deram uma Chevroletada nele.

      Excluir
    3. ahhahaha chevroletada foi boa

      Excluir
  35. Gosto muito de te ver, leãozinho23/02/12 13:06

    Ai, gente, o leãozinho é gay que eu sei... Aquela jubinha turbinada é um charme...

    ResponderExcluir
  36. jmvieira (marcelo)23/02/12 18:04

    hoje as montadoras fazem motores a alcool que tambem rodam com gasolina, vide o elevado numero de reclamações sobre consumo elevado na gasolina, as carbonizações e as detonações (griladas).

    ResponderExcluir
  37. "(...)para disputar mercado com o Focus hatch, o C4, o Golf e o i30. "
    Coitado do Bravo! Ninguém parece lembrar dele mesmo...

    ResponderExcluir
  38. o cambio automatico de 4 marchas que vem nele é excelente. foi modificado e as mudanças de marchas são quase imperceptiveis, e tem o botao sport que estica mais as marchas em caso de viagem e estrada. e ainda o cambio foi totalmente modificado, nada a ver com o antigo. façam um test drive e vão ver que o cambio ficou excelente. o de 6 marchas são usados no motor turbo apenas de 1.6 litros, mas devido ao carro ser um pouco pesado a opçao de 4 marchas é a melhor e é mais economica.

    ResponderExcluir
  39. Pra mim, câmbio AT de 4 marchas não dá mais. Acho uma semvergonhice as fabricantes maquiarem um novo modelo, ou mesmo renovarem e melhorarem um carro, e continuarem socando peças antigas e defasadas. O 308 Feline é um carro top, de R$ 70+ mil... Tem os mimos que o brasileiro adora pra poder contar pros amigos e impressionar as mulheres... FlexStart, teto panorâmico (em país tropical? hahahah...)... Mas ainda tem barra de torção na traseira e câmbio automático de 4 marchas. Já tive 5 Peugeots, todos AT, e até gosto dos carros da marca, design e itens de linha... Meu cunhado trabalha na Peugeot... mas me desculpem, tem coisa que não dá pra entender, por melhor que seja o desempenho. Pagar caro por coisa obsoleta, tendo opções no mercado, tô fora.

    Abs e valeu Bob por mais essa análise no ponto! ;-)

    Alexandre SP

    P.S.:Não sei como faço para me cadastrar aqui no blog... :-p

    ResponderExcluir
  40. Comprei um 2.0 allure com teto cielo... O carro é forte e bonito, espero que não de problemas.

    ResponderExcluir
  41. Meus pais compraram um allure 2.0 automático. Não vou dizer que não deu problemas...logo de cara o carro demorava a engatar, nos deixando numa fria em cruzamentos movimentados..estranho né..vc acelerava, ele arrancava devagar, engatava fazendo um barulhão, cantava pneu (?) e depois arrancava com mais força..a ré fazia a mesma coisa..para fazer balizas numa descida, ele chegava até a descer antes de engatar..enfim, levamos à concessionária, que nos deu um maravilhoso pós-venda, diga-se de passagem (marchè peugeot- piracicaba), trocaram um sei lá o que (sou mulher e entendo pouco), melhorou um pouco..agora levamos novamente à concessionária em razão de alguns barulhos (apertaram alguns parafusos na caixa de direção e na tampa do porta-malas e ficou bom), porém, um desses barulhos vêm dos amortecedores traseiros que terão que ser trocados (pois é, com 2 meses) e atualizaram o software do câmbio, agora ele ficou ótimo.
    O bom é que tudo tem garantia, então, menos mal.
    Tirando esses pequenos acontecimentos, estamos contentes com a aquisição.

    ResponderExcluir
  42. Bob não entendo muita coisa do que li nos comentários. Mas, o fato é que eu tinha um 307 que nunca me deu problemas, agora comprei um 308 1.6 e estou tendo problemas na arrancada...se quiser sair devagar o carro morre ou grila. Tenho a impressão que ele sempre está pedindo mais aceleração. Já fui na concessionária e me disseram que era o tipo de gasolina...só abasteço com gasolina. Mudei o posto e não vi vantagens. Há algo que possa ser feito? Obrigada,

    ResponderExcluir
  43. Tânia
    Isso que você está observando é difícil eu, a distância, analisar ou opinar. Normalmente eu diria ser questão de modo de dirigir, mas no seu caso não se aplica porque você dirigia um 307 e não tinha esse problema. É essencial que alguém abalizado dirija seu carro para avaliar o sintoma. Seria bom entrar em contato com a Peugeot para uma análise.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bob, já agendei com a Peugeot!!

      Excluir
  44. Bom dia, sou proprietário de um Peugeot 308 2.0 flex, automatico 2012, e gostaria de ser informado sobre qual quiilometragem é feita a troca do oleo do motor, ando normalmente 40 km. por dia no transito pesado de São Paulo. ( aquele anda e para ). Também tenho ouvido varias informações sobre o que é transito pesado, vc. poderia me definir o seu conceito sobre este assunto?

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...