Google+

5 de fevereiro de 2012

TRINTA ANOS: LAMBORGHINI COUNTACH LP5000S





Em 1974, a Lamborghini revolucionaria o mundo dos carros esporte com um dos modelos mais radicais já lançados, o Countach LP400. O desenho simplesmente genial de Marcello Gandini para o estúdio Bertone fez com que o Countach fosse reconhecido e idolatrado por gerações.
 
Suas formas angulares de fortes vincos faziam o sensual Miura parecer um carro como outro qualquer. As portas "tesoura" com abertura vertical eram tão ousadas como qualquer outro detalhe do carro. Ousado apenas não foi o motor, que era praticamente o mesmo V-12 do Miura, mas agora montado longitudinalmente com a caixa de câmbio vindo antes do motor se olhado de frente. O torque era levado para o diferencial traseiro por uma árvore de transmissão interna ao conjunto, dessa forma o peso era melhor distribuido entre os eixos dianteiro e traseiro. Este layout manteve-se padrão por muitos modelos a seguir.

O projeto original contemplava um chassi monocoque e um novo V-12 de 5-litros, maior e mais potente que o então 4-litros que acabou entrando em produção. O novo motor ainda era prematuro, frágil e sem garantias de bom funcionamento em altas rotações. O monocoque também foi deixado de lado para produção.




Em 1982, o Countach foi atualizado e passou a receber o prometido motor de 5 litros, e foi batizado de LP5000S. Na verdade, o motor era 4,75-litros e, como bons italianos, arredondaram para cima para soar melhor.

O novo motor, também com duplo comando, gerava 385 cv, quase 50 cv a mais que o antigo 4-litros. Novos dutos de refrigeração, radiador e condicionamento térmico foram empregados. Alguns anos após o lançamento do LP5000S, a versão com quatro válvulas por cilindro seria lançada, denominada apropriadamente QV.



A vista do compartimento do motor é de tirar o fôlego, com os seis carburadores horizontais Weber DCOE 45 montados sobre o grande bloco do V-12.




A carroceria do LP5000S é mais larga se comparada com a original do Countach, com ressaltos nos pára-lamas, no estilo wide body (carroceria larga) dos carros de corrida.

Este modelo do Countach foi produzido até 1985 num total de 323 unidades, quando deu lugar ao Countach QV de quatro válvulas por cilindro.




A Lamborghini, fundada em 1963, a partir de 1971 passou por vários donos, até mesmo a Chrysler, para em 1998 ser adquirida pela Audi AG, nas mãos de quem permanece até hoje.



MB

28 comentários:

  1. É ISSO AÍ MB, PAU NESSES MARANELLOS ESNOBES!!!

    ResponderExcluir
  2. CARAMBA!!!
    Bom, deve ser dificil sentar ali pra dirigir; pela foto interna acho que o motorista fica desalinhado com os pedais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina a acompanhante de saia tentando sair do carro na frente de um restaurante chique.

      Excluir
    2. Antigamente as damas levantavam a perna e giravam o corpo para sair do automóvel. Hoje em dias as estrelas fazem a alegria dos paparazzos. Um fofoqueiro quase foi processado por pedofilia por ter mostrado a foto de uma cantora teen saindo co carro em calcinha....

      Excluir
  3. Lembro de um vídeo onde mostrava a posição ensinada pela própria Lamborghini para manobrar o Countach: com a porta aberta e sentado na soleira, o motorista-contorcionista fica olhando para trás tentando ver para onde está levando o carro, algo ainda mais difícil se o modelo possuir a singela asa traseira.
    Hoje se alguém fizer um esportivo assim será queimado em praça pública por especialistas de boteco, ajudando a matar a essência dos carros de verdade um pouco de cada vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi assim no Diablo também, péssimo para manobrar e mesmo para andar pela cidade, com a visibilidade praticamente nula.
      abs,

      Excluir
  4. Tive a oportunidade de visitar tanto a sede da Ferrari em Maranello, quanto a sede da Lamborghini em Sant'Agata Bolognese. Na primeira reina a cultura esnobe de Enzo, onde não se pode tocar os imaculados veículos, há guardas por todos os cantos com olhares hostis, a fábrica é fechada à 7 chaves e todos os cantos estão entopidos de traquitanas de merchandising que custam fortunas.

    Exatamente o oposto ocorre na segunda. Funcionarios simpáticos, que abrem os veículos do museu para você ver, explicam a história, caracteristicas, tiram foto pra você e te levavm para conhecer a fábrica (sim! meus olhos se encheram de água ao ver mais de 50 Lambos novinhas sendo manobradas em um pátio) e ao final a guia ainda fala no ouvido da moça do setor de estofamentos e aparece com um pedaço de couro ainda quente marcado com o brasão Lamborghini para cada um, de surpresa e gratuitamente. Lembrança melhor que todas as traquitanas da Ferrari.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante voce falar isso na semana que um amigo meu me recomendou a visitar o museu da Lamborghini e passar longe do museu da Ferrari...

      Excluir
  5. Texto muito interessante! Parabéns!... Ao ler, logo me veio a memória um antigo documentário do início dos anos 80 intitulado ''Lamborghini Countach: Dream Car Defined'' impressionante, são os testes realizados nas estradas secundárias na região de Sant´Agata Bolognese, todos eles comandados pelo Sr. Valentino Balboni! Na falta de um pista de teste particular, onde mais realizar os acertos de uma máquina como esta?.. As vias públicas italianas claro!..Segue abaixo, o link:

    http://www.youtube.com/watch?v=Ezvyb9rzX6Q

    http://www.youtube.com/watch?v=uZyTdPK92V8&feature=related

    Abraços!

    Henrique

    ResponderExcluir
  6. Lindo , realmente um icone e um marco entre os carros esportivos.
    Qdo crianca era meu sonho ter um Countach!
    Mas verdade seja dita , o carro era uma bomba em padrao de qualidade e acabamento. Diziam que sua suspenssao (na Europa , imaginem por aqui)necessitava de ajustes em seus pontos de apoio a cada 10K.)
    No seu sucessor, Diabolo, muita coisa foi melhorada e o carro evoluiu bastante. Entraram 3 desses no Brasil (preto / cinza /vermelho) que hj estao impecaveis nas maos de seus conhecedores e entusiastas proprietarios.
    Fez muito bem a Lamborghinni ser comprada pela VW. Hoje esses carros gozam de excelente reputacao e tem padrao construtivo `estado da arte`.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, na época desses carros dava para contar nos dedos de uma mão de presidente quantos carros eram realmente confiáveis e bem feitos, especialmente os italianos.
      abs,

      Excluir
  7. Para mim esse carro é simplesmente lindo!
    Se fosse lançado hoje seria ainda igualmente simplesmente lindo!
    E o som de seu V12 com 6 carburadores é um orquestra celestial!
    Aliás os últimos já eram com injeção eletrônica, mas o som do carburado é insuperável. Esse caro é pura paixão e puro tesão autoentusiasta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouça então a trilha sonora:
      http://www.youtube.com/watch?v=Q_dyVsoxEiM&feature=player_embedded
      parte ll:

      http://www.youtube.com/watch?v=62-RpxVMoXA&feature=player_embedded

      Excluir
  8. Um carro belíssimo, musical e tal, mas não tenho lá muita vontade de tê-lo.
    Uma vez o James May do Top Gear dirigiu um, foi o legítimo caso de "don't meet your heros".
    Ainda bem que hoje a Lambo está nas mãos da Audi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também lembrei desse episodio lendo a materia, arruinou um pouco minha infancia, mas continuo adorando as linhas do countach.

      Excluir
    2. Joel, ainda bem mesmo, mas acho que muito mais pelo fato da VW injetar dinheiro na empresa e mantê-la funcionando do que pela grande melhoria de qualidade de nível alemão.
      abs

      Excluir
    3. Não é demais relembrar que o povinho do Top Gear reclama sempre de "barriga cheia", especialmente se o carro é pequeno por dentro (que manda os caras terem 1,90 de altura), e quase sempre comparando com um carro atual. Bem, eles diariamente guiam Range Rover, então... Sem mais.

      O carro antes de tudo é uma obra-de-arte, e o teria nem que fosse pra ligar, andar um pouco dando aceleradas e voltar pra casa. Para um autódromo, teria um Lotus ou mesmo um Lobini, sem controles. Para as ruas, qq coisa sem embreagem e que, com segurança, beleza, elegância e completo, além de compacto, faça-me atingir as velocidades-limite das estradas rapidamente.

      Excluir
  9. Visceral, intenso, mortal....é tudo o que poderíamos pedir a Deus para passar semanas andando em uma pista; ou desfilando em uma rodovia.

    GM

    ResponderExcluir
  10. eu tinha um poster da Countach no meu quarto. anos 80 é duca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinha uma série que a Globo passava, acho que era o "Homem Digital" e ia na linha de Tron, só que invertido, com o personagem "digital" no mundo real. Era engraçado quando o personagem fazia curvas em 90 graus direto, como nas motos de Tron e o "inventor" que trouxe o cara para o mundo real sofria a cada conversão. Em tempo, o carro era um Countach.

      Excluir
  11. Helcio Valvano06/02/12 15:28

    1k2... o nome dessa série era "Automan".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, ontem eu tinha memória, hoje é só uma vaga lembrança...

      Excluir
  12. http://www.youtube.com/watch?v=foDcLUhUKqI

    ResponderExcluir
  13. Lorenzo Frigerio06/02/12 15:53

    No filme "Quem Não Corre Voa", aparece uma dessas Countach com duas loiras "asfaltando" a turma.

    ResponderExcluir
  14. Ao lado dos Ferrari 288 GTO e F40, os Lamborghini Countach sempre foram meus "italianos" preferidos, desde a época de criança.

    Eu e os Countach temos algo em comum, já que viemos ao mundo em 1974! kkkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente eles caro Road Runner !

      E coloco a bela dupla Lancia Stratus, Delta Integrale Evoluzione II e De Tomaso Pantera como uma pimentada classica.

      E olha que não gosto de carro Italiano no geral, porem esses estão acima dos reles "automortais".

      Excluir
  15. Countach é lindo, mas minha Lambo favorita é a Diablo...

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...