Google+

31 de março de 2012

AMAROK GANHA NOTÁVEL CÂMBIO AUTOMÁTICO

Fotos: Divulgação VW


O que Porsche Cayenne e picape Volkswagen Amarok têm em comum? Eles representaram a entrada de ambas as marcas em campos desconhecidos, verdadeiros terrenos inexplorados. A marca de Stuttgart nasceu fabricando carros esporte em 1948, ainda na Áustria, em Gmünd, e entrava no segmento dos utilitários esporte no começo de 2002, assombrando o mundo. A fabricante de Hanover, cidade alemã onde a VW tem sua filial dedicada a veículos comerciais desde abril de 1956, que passou a fabricar a Kombi – projetava uma picape ortodoxa de porte médio, de carroceria montada sobre chassi de escada, para ser produzida na Argentina, e que surgiu em abril de 2010.

Sabe aquela sensação de “já andei com esse carro antes”? Pois foi o que senti ao conhecer a Amarok no seu lançamento dois anos atrás. Estava dirigindo uma picape comum, como outras, mas o ambiente interno e o jeito de andar eram-me totalmente familiares, a começar pelo quadro de instrumentos onde estilista nem passa perto, desenhados para a função única de informar rotação do motor, velocidade do veículo, quantidade de combustível no tanque e temperatura do líquido de arrefecimento, sem nenhuma intenção decorativa. Outra conhecida fabricante, sediada em Munique, na Baviera, também entende assim. Tinham de ser imitadas.

Agora, dois anos depois, ando na Amarok com câmbio automático e, de novo, a mesma sensação: é um Volkswagen, e ainda mais recheadode itens de alta tecnologia.

Depois de dois anos, câmbio automático de 8 marchas arrasador

Começa pelo câmbio ZF 8HP epicíclico de 8 marchas oferecido na versão topo de linha Highline, com um intervalo de 7:1, isto é, da primeira 4.70:1 à oitava, 0,67:1. A primeira serve mais como marcha de força, uma vez que não há reduzida (como na Highline manual de 6 marchas, que prossegue oferecida), enquanto a oitava é para proporcionar efeito sobremarcha (overdrive), em que são 58 km/h por 1.000 rpm. A velocidade máxima de 179 km/h (só 2 km/h menos que na manual, fato notável) é atingida em sétima, correspondente a 3.900 rpm, 100 menos que a rotação de potência máxima. Anda-se serenamente a 120 km/h, o motor sussurrando a menos de 2.100 rpm.

Esta Amarok Highline custa R$ 135.990 e os únicos opcionais são o navegador GPS incorporado ao rádio RNS-315 (R$ 2.500), as rodas de 19 polegadas com pneus 255/55R19 (R$ 1.900) e controle de estabilidade (R 1.500), total máximo R$ 141.890 A lista de itens de série é bem extensa, veja quadro ao final...

As demais versões são a Amarok S, como motor turbo de 122 cv, cabine simples ou dupla, tração 4x2 ou 4x4 temporária com reduzida, câmbio manual de seis marchas; a Amarok SE, antes vendida somente a frotistas, que passa a ter venda normal e tem tração 4x4 temporária; a Amarok Trendline; e a Amarok Highline, ambas 4x4 temporária.

O consumo rodoviário informado é de 1 litro para 12,2 km, o que proporciona autonomia teórica de até 976 quilômetros com o tanque de 80 litros – de diesel S-50, exigido para a Amarok por força do seu filtro de material particulado no escapamento, que com diesel de maior teor de enxofre entupiria em pouco tempo. O motor 2-litros, que continua biturbo em série e teve sua potência aumentada de 163 para 180 cv, atende o Fase 6 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), que corresponde ao atual nível Euro 5 da Europa.

O diesel S-50, ou 50 partes por milhão de enxofre, contrasta com as 500 ppm do diesel urbano e de 1.000 a 2.000 ppm dos demais diesels vendidos no Brasil, começou a ser distribuído em 1º de janeiro deste ano (o site www.anp.gov.br/SITE/acao/download/?id=58835 fornece a relação de postos no país inteiro que dispõem do novo diesel). Só o Diesel Podium, exclusivo da Petrobrás, surgido em 2007, é mais limpo em enxofre, com 200 ppm. Sua inflamabilidade é de 51 cetanas, contra 42 dos demais, mas o novo S-50 já é melhor nessa questão, com 46 cetanas (maior o número de cetanas, maior a facilidade de inflamação a frio e menos emissão de fumaça branca).

A grande notícia para o consumidor de picapes é que associada ao novo câmbio automático há a tração 4Motion, ou seja, 4x4 permanente que dispensa seleção de tração pelo motorista, ncvidade no segmento Para poder rodar nessa configuração há um diferencial central do tipo Torsen, mecânico, que distribui 40% do torque para a dianteira e 60% para traseira, porcentagem que varia 20% em direção a um ou outro eixo conforme a necessidade. Para controle de patinagem ou perda de contato de uma roda de um mesmo eixo, há o bloqueio eletrônico de diferencial por meio de atuação do freio da roda em questão.

Ponto alto: a tração integral 4Motion

Essa configuração de transmissão associada ao motor de 180 cv e 42,8 m·kgf permite que Amarok parta da imobilidade numa rampa de 100% (ângulo de 45°) com a carga máxima de 1.017 kg, perfazendo peso bruto total de 3.090 kg. A picape pode rebocar até 2.860 kg, desde que não se precise superar rampas de mais de 12%.

O motor biturbodiesel da Amarok é o 4-cilindros utilizado no VW Transporter de quinta geração (linha que começou com a Kombi em 1950), de bloco e cabeçote de alumínio, comando no cabeçote e quatro válvulas por cilindro.O aumento de potência foi conseguido mediante atualização no software de controle e alterações nos turbocompressores. O motor anterior de 163 cv deixa de existir.

A dotação de itens de alta tecnologia prossegue com o controle de estabilidade, que abrange o de tração, o controle de descida de rampas e o assistente de subida que mantém o veículo imóvel pelos freios durante 3 segundos.

Os freios ABS continuam a trazer o controle selecionável para trafegar em condições off-road, proporcionando paradas seguras numa condição em que o ABS normal costuma piorar a situação. O princípio é simples: a rodas são deixadas travar nos metros finais de modo a deixar acumular o pedrisco na parte anterior da banda de rodagem formando uma cunha e, desse modo, contribuir para uma frenagem mais efetiva nessas condições de piso.

Como anda
O rodar da Amarok surpreende pela rigidez do conjunto carroceria-chassi, parecendo mais um monobloco. Mesmo com apenas 300 kg a bordo, correspondente a quatro ocupantes, a elasticidade da suspensão é agradável, sem os socos de alta freqüência normalmente vistos em picapes quando rodam com pouca carga. Os feixes de mola traseiros de dois estágios, o primeiro com apenas uma lâmina, ajudam nesse mister. O cardã dividido é outro elemento de contribuição para jeito de automóvel da Amarok Highline, que roda em alta velocidade sem nenhuma vibração.

A posição de dirigir é absolutamente de automóvel, com o volante de 370 mm de diâmetro típico da marca, revestido de couro e ajustável em altura e distância, este novidade no segmento. A assistência hidráulica da direção com caixa de pinhão e cremalheira é sensível à rotação, com boa calibração, e rápida, com relação de somente 14.6:1. e 2,7 voltas entre batentes. Apesar do longo entreeixos de 3.095 mm, da largura de 1.944 mm e da bitola dianteira de 1.647 mm, o diâmetro mínimo de curva é contido, 12,9 metros.

Interior de automóvel Volkwagen

Em linhas gerais, é possível rodar rápido no asfalto com segurança, muito parecido com um automóvel. Premindo-se tecla S do câmbio a oitava marcha é cancelada e as trocas são mais rápidas, com maior retenção das marchas. Deslocando a alavanca seletora a direita entra-se no canal de modo manual (trocas ascendentes para frente). O conversor de torque bloqueia-se em todas as marchas.

A arrancada sempre é em primeira, embora não precisasse. Mas o gerenciamento eletrônico, percebendo não ser necessária, logo comanda a troca para segunda. Nas retomadas fortes indo-se além do fim de curso do acelerador, pulam-se marchas conforme necessidade, até de oitava para terceira. Mas acelerando normalmente, com certa calma, é possível retomar velocidade mesmo em oitava e a partir de rotações baixas, como 2.000 rpm. A aceleração 0-100 km/h informada é em 10,9 segundos e a retomada 80-120 km/h toma apenas 8,5 segundos usando a quinta marcha.

Seletor de marchas preciso e fácil de usar

A Volkswagen informou o Cx da Amarok, um bom 0,42 para o veículo que é, e a área frontal, logicamente enorme, 3,02 m², mesmo assim um conveniente resultado final Cx x A de 1,27 m².

No trecho de terra para chegar à Pedra Grande, em Atibaia, interior de São Paulo, chovia torrencialmente e mesmo nas rampas mais fortes a Amarok nem tomou conhecimento, apesar dos pneus normais, de asfalto. Impressionou realmente. Tudo sem precisar fazer absolutamente nada em termos de tração. Experimentamos o controle de descida de rampa. Ao ser acionado, a velocidade é mantida. Pode ser aumentada acelerando-se, mantendo automaticamente na nova velocidade.

Detalhes como quatro elegantes alças em cada coluna e saída de ar-condicionado para o banco traseiro – que é espaçoso e confortável como num sedã – bajulam quem está a bordo. O interior, aliás, é de automóvel e com o mesmo nível de qualidade dos melhores modelos da marca. Há lugar para se guardar tudo, exceto revistas nos encostos dos bancos dianteiros. Só falta mesmo só a faixa degradê na parte superior do pára-brisa, uma questão que deve ser repensada, pois na ensolarada faixa de latitude onde vivemos é um item bem-vindo. A melhorar também o ângulo de abertura das portas traseiras, um tanto pequeno.

Assim como o Cayenne, que provou que a Porsche estava certa – sua aceitação superou tanto as mais otimistas expectativas do mercado, quanto o pessimismo dos seus detratores – é de se esperar que o mercado, em seu próprio benefício, entenda que a Volkswagen também sabe fazer picape tradicional, "de chassi". Basta andar para ver e, principalmente, sentir.

BS


Ficha técnica Amarok Highline Automática cabine dupla



MOTOR

Tipo
2.0 L BiTDI
Combustível
Diesel S-50
Material do bloco / do cabeçote
Alumínio / alumínio
Diâmetro do cilindros e curso dos pistões (mm)
81 x 95,5
Válvulas por cilindro / disposição / nº de cilindros
4 / em linha / 4
Posição
Longitudinal sobre o eixo
Comando de válvulas / nº de válvulas
Dois no cabeçote / 16
Potência máxima (cv) / rpm
180 / 4.000
Torque máximo (m·kgf) / rpm
42,8 / 1.750
Taxa de compressão
16:1
Formação de mistura
Injeção direta Bosch common rail
TRANSMISSÃO

Câmbio
Automático epicíclico, 8 marchas à frente
Rodas motrizes
Dianteiras e traseiras, 4Motion permanente
Relações das marchas (:1)
4,70 - 3,13 - 2,10 - 1,67 - 1,29 - 1,00 - 0,84 - 0,67 - ré 3,30
Relação de diferencial
3,70
ELÉTRICA

Bateria
12 V, 72 A·h
Alternador
110 A
SUSPENSÃO

Dianteira
Independente, braços triangulares superpostos, mola helicoidal, amortecedor pressurizado, barra estabilizadora de 26 mm Ø
Traseira
Eixo rígido, feixe de molas longitudinal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO

Tipo
Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Relação de direção
14,6:1
Diâmetro mínimo de curva (m)
12,9
Número de voltas entre batentes (m)
2,7
FREIOS

Dianteiros
Disco ventilado, 303 mm Ø
Traseiros
Tambor 295 mm Ø
Assistência
A vácuo, por bomba
Controles
ABS, ABS Off-Road, BAS e EBD
RODAS E PNEUS

Rodas
7,5J x 18, alumínio
Pneus
225/60R18
DIMENSÕES EXTERNAS (mm)

Comprimento
5.254
Largura com/sem espelho
1,944 / 2.228
Altura (teto)
1.834
Diastância entre eixos
3.095
Bitola dianteira/traseria
1.647 / 1.644
CONSTRUÇÃO

Tipo
Separada, chassi tipo escada, hidroformado
Número de portas/lugares
4/5
AERODINÂMICA

Coeficiente de arrasto aerodinâmico (Cx)
0,42
Área frontal (m²)
3,02
Cx x A (m²)
1,27
CAPACIDADES (litros)

Volume da caçamba
1.280
Tanque de combustível
80
DESEMPENHO

Aceleração 0-100 km/h (s)
10,9
Retomada 80-120 km/h, em 5ª (s)
8,5
Velocidade máxima (km/h)
179
MANUTENÇÃO

Revisões, km
10.000 ou 6 meses
Troca do óleo do motor, km/tempo
10.000 / 6 meses
Câmbio e diferenciais
Verificar nível a cada 10.000 km ou 6 meses
GARANTIA
3 anos. Em uso comercial, 3 anos ou 100.000 km. Perfurarção de chapa 6 anos

 
Equipamentos Amarok Highline Automática cabine dupla

INTERNOS
Alças de apoio nas colunas dianteiras e centrais
Alças de segurança no teto (4)
Alto-falantes (4 + 2 tweeters)
Assoalho da cabine revestido em carpete
Banco do motorista e passageiro com ajuste de altura
Descansa-braço central com porta-objetos
Gaveta sob o banco do motorista
Quadro  de instrumentos com insertos cromados
Volante, alavanca de câmbio e freio de estacionamento revestidos em couro
FUNCIONAIS
Acionamento elétrico dos retrovisores externos
Acionamento elétrico um-toque dos vidros
Antena incorporada à carcaça do retrovisor interno
Ar-condicionado eletrônico duas-zonas
Computador de bordo
Controle automático de velocidade
Desembaçador do vidro traseiro
Duas tomadas 12 V, cabine e caçamba
Rádio RCD-510 com troca-CD, entrada SD card e tela tátil
Sensor de estacionamento traseiro
Sistema Bluetooth para rádio RCD-510
Temporizador do limpador de pára-brisa
Travamento central e alarme, comando a distância
Volante multifuncional com comandos de áudio
EXTERNOS
Carcaças dos retrovisores parcialmente cromadas
Faróis de neblina
Maçanetas cromadas
Pára-barros
Pára-choque dianteiro na cor da carroceria e frisos cromados na grade do radiador, entrada inferior de ar e moldura dos faróis de neblina
Pára-choque traseiro cromado
Pneus 255/60R18
Protetor de cárter
Rodas de liga leve de 18 pol., inclusive estepe
SEGURANÇA
ABS e ABS Off-Road com auxílio à frenagem e distribuição eletrônica
Bloqueio eletrônico de difrencial, controle de tração e controle de descida de rampa
Bolsas infláveis frontais
Repetidoras dos indicadores de direção nas laterais
OPCIONAIS
Controle de estabilidade
Rádio RNS-315 com navegador GPS
Rodas de liga leve de 19 pol. e pneus 255/55R19

(Atualizado 31/3 às 20h45, correção de informação no texto, número de válvulas por cilindro)

96 comentários:

  1. Gosto de picapes, e essa Amarok (que tenho visto aqui na Inglaterra com certa frequência) parece não decepcionar.
    Mas novamente, assim como os utilitários esportes, estamos vendo o nível de conforto para atender aos consumidores que não usam e nem sabem a real utilidade desses veículos: a caçamba. Exemplificando, mal cabe uma moto pequena, e tem de ser na diagonal ou com a tampa traseira aberta.
    São simplesmente grandes carros, altos e que oferecem a falsa segurança ao dirigir.

    ResponderExcluir
  2. Bob, o cambio é de fato fantástico, ok. Mas o que mais chama atenção na Amarok é o motor. É um verdadeiro espanto arrancar 180 cv e 42 kg de torque de um motor 2.0 e DIESEL! Só como comparação as últimas D-20, de 15 anos atrás, precisava-se do DOBRO da cilindrada para conseguir torque semelhante. A potencia era bem menor.

    Portanto, caro Bob, não achas um pecado deixar de ter um belo cambio manual para aproveitar a fundo aquela joinha biturbo lá na frente?

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas CRF
      Pecado mortal...Mas câmbio automático, junto com os utilitários esporte e picapes, virou símbolo de status no Brasil, fazer o quê? Ainda bem que continua disponível a versão Highline manual, e com 180 cv.

      Excluir
    2. Sorte nossa, que, pelo menos nesse caso, a diversão custa MENOS!

      Abraço!

      Lucas CRF

      Excluir
    3. Bob e Lucas, seus comentários me fizeram lembrar que, antigamente, um símbolo de status eram aquelas picapes transformadas, principalmente na década de 1980. Depois da abertura às importações, elas saíram de moda, mas parecem que retornaram, numa embalagem atualizada.

      Excluir
    4. Pois é, Octavio. Acredito que ápice das picapes transformadas foi de 85 a 90. Caríííssimas! Entre no (espetacular) acervo digital da Quatro Rodas e dê uma olhada nas revistas dessa época. São muitos os anúncios de empresas transformadoras de picapes. Se não me engano, algumas até com o aval do fabricante, como a SR para as Ford, e a Brasinca para as GM.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    5. É, Lucas, o prestigio era tanto que a Brasinca chegou a fabricar a bonanza, uma versão menor da veraneio. Nessa época de importação proibida, nosso sonho de infancia eram os fora de serie e as picapes modificadas.

      Abs,

      Flavio

      Excluir
    6. É, Lucas, o prestigio era tanto que a Brasinca chegou a fabricar a bonanza, uma versão menor da veraneio. Nessa época de importação proibida, nosso sonho de infancia eram os fora de serie e as picapes modificadas.

      Abs,

      Flavio

      Excluir
  3. Bob e Entusiastas;

    Diesel S50 é outra coisa. Mesmo o Diesel S50 comum (sem ser aditivado) é uma diferença da água para o vinho se comparado ao S500 comum!

    Abasteci minha Ranger com motor International NGD3.0E e confesso que mesmo tendo o mesmo carro faz 6 anos, parece que estava num veiculo completamente diferente: Funcionamento suave, respostas rápidas no pedal direito, sem "engasgos (lembrnado que o NGD é um motor diesel de alta rotação) e maior economia de combustivel. E isso sem falar na emissão de fumaça que reduziu drasticamente.

    De nada adiantava eu ter um veiculo common rail de terceira geração queimando diesel de geração nenhuma, como vinha acontecendo.Se a Petrobrás tivesse oferecido esse diesel desde 2006 (no inicio das normas Euro III e com a introdução dos motores diesel de gerenciamento eletronicos) podem ter certeza que a poluição nas grandes cidades já teriam apresentado diminuição!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel,
      Legal, bela experiência e testemunho. Obrigado!

      Excluir
    2. Fala Daniel! Nos encontrando aqui tb! hehe


      Estou usando o S-50 na Hilux tb. Sinto que as acelerações estão um pouco melhores. Mas o consumo continua o mesmo.

      Abraços!

      Excluir
  4. Acho fantástico o que se consegue de rendimento com esse Diesel relativamente pequeno; 2,0 litros. Unidos a uma caixa automática bastante refinada (também). Só o interior podia ser menos "grafite", apesar de ser mais prático quanto à manutenção, é muito monótono, chegando a ser triste.

    ResponderExcluir
  5. O que chega a machucar meus olhos é essa tristeza cinza do interior.
    Um pick-up que para mim é o que tem o desenho mais bonito da categoria é uma decepção ter um interior feio desses.
    Quanto a tecnologia é de tirar o chapéu mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Bob, o motor da Amarok mudou? Pois eu me lembro que ele tinha bloco de ferro fundido. E no texto está como 2 válvulas por cilindro e nas especificações técnicas 4 válvulas por cilindro. O número de comandos eu não estou 100% seguro, mas eu me lembro vagamente que era um duplo comando de válvulas.

    Eu vi uma vez essa motor aberto, o bloco é muito semelhante aos motores da VW a gasolina. Ver esse motor e de qualquer outra pick-up (de cerca de 3L), é certeza de comprar qualquer outra pick-up. É um motor de carro contra motores de pequenos caminhões...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo mundo sabe o que aconteceu da última vez que a VW do Brasil colocou motor diesel "de carro" em veículo de maior peso. Tomara que nao aconteça de novo...

      Excluir
    2. Anônimo Mar 31 11:47
      São 4 válvulas por cilindro, já está corrigido no texto, com nota de atualização ao final do post. É um comando só mesmo. Recomendo que não subestime os motores pequenos turboalimentados. Lembre-se domínio dos F-1 1,5-litro turbo sobre os 3-litros de aspiração atmosférica.

      Excluir
    3. Lorenzo Frigerio31/03/12 22:26

      A questão, Bob, é a seguinte: será que esse motorzinho de enceradeira tem ESTRUTURA INTERNA para aguentar produzir 180 cavalos em um veículo de carga?
      Porque colocar motor turbinado em carro é uma coisa, num veículo de carga que já é pesado vazio, é outra.
      Apenas para ilustração, o motor Oldsmobile 350 a Diesel usado em automóveis GM no início dos anos 80, tinha bloco reforçado, mancais de big block e virabrequim correspondente.
      Será que a VW aprendeu as lições da Kombi Diesel?

      Excluir
    4. Bob, eu tenho quase certeza que são 2 comandos. E agora eu lembrei porque: O acionamento de válvula é feito por roller finger. Para usar 1 comando ele deveria usar ponte no acionamento de válvulas (um camo abre duas válvulas). E era uma pecinha bem pequena, com tucho hidráulico na INA-FAG, 16 rollers finger, 16 camos.

      E eu me lembro que os comando eram tubulares, e eles eram "amassados" em alguns pontos, para poder ter acesso aos parafusos do cabeçote.

      Mas a comparação é entre um motor pequeno turbo-diesel e um motor grande turbo-diesel. A VW acerta por uma lado, pois geralmente quem tem pick-up só anda com ela descarregada. Mas para quem quer pick-up para carregar, aí eu jamais recomendaria uma Amarok.

      Excluir
    5. Na ficha do Best Cars, está escrito duplo comando de válvulas como informação do fabricante.

      Excluir
    6. Lorenzo, esse motor é de veículo de carga, uma vez que originalmente usado na T5 alemã. Só mais recentemente é que se fala de usá-lo nos carros de passeio do grupo VW, que usam o mesmo bloco nas versões TDI, mas em outra especificação.
      Além disso, temos de lembrar também que, em que pese ser derivado do bloco 827, há décadas que a VW tem esse bloco com bons resultados no mundo. Portanto, creio não haver motivo para preocupações.

      Sobre a Kombi Diesel, não esqueçamos que seu principal problema era arrefecimento. Pelo que já li a respeito, havia um erro na mistura de água com aditivo à base de etilenoglicol, que gerava as tais deficiências na refrigeração. Alguns proprietários mais McGyver passaram a adicionar mais etilenoglicol na mistura e o problema desaparecia. Também temos de lembrar que era um veículo a diesel na mão de gente que estava acostumada a tratar o motor boxer refrigerado a ar bem no chute (até porque aquele motor era praticamente desenhado para suportar bem gente que o tratasse bem no desprezo).

      Excluir
    7. Grande coisa ser aplicado já em veículo de carga, primeiro você deveria ver se a VW e os clientes gostam deste motor antes de afirmar isso. Não é pq a VW vende que é bom, e pelo que eu sei esse motor é muito problemático.

      Excluir
    8. Anônimo de 11:07,

      Vc é vendedor da Toyota ou Nissan?

      Excluir
    9. se fosse depender dessa turma que fala em "motorzinho de enceradeira", estaríamos usando máquinas de escrever e rádios valvulados. gente mais obtusa, credo!

      Excluir
    10. O problema das kombi diesel estava na admissão de ar. o Bob pode confirmar isso.

      Excluir
    11. Eu não sou vendedor. Eu falo como quem tem experiência no controle de frota. Por isso eu digo, qualquer outra caminhonete com motor de cerca de 3 litros é melhor (mínimo de 2,8).

      Não dá para avaliar veículo de carga como carro de passeio. Porque você acha que a MAN oferece motores de 4,6 litros em caminhão de 8 toneladas com 150 cv? (TGL).

      A Mercedes tentou vender o 5 cilindros usado no ML/Classe C, mas o mercado só comprava o 4 cilindros de caminhão. (se não me engano era o MB 715 pro 5 cilindros e 815 pro 4 de caminhão).

      Downsizing funciona em veículo de rua, que a utilização é muito mais suave.

      A Vale é a maior moedora de caminhonete do Brasil. Quando eu trabalhei lá dentro eu acabei moendo um Doblo em 3 meses, e ele saiu com todo meu respeito. Lá dentro praticamente só os L200 agüentavam, em especificação especial "Vale". Não adianta ler revista sentado com a bunda na cadeira e falar que é uma maravilha o motorzinho pequeno. Se quiserem uma caminhonete para dar volta na praça com som alto, mandem ver na Amarok. Mas para quem precisa de uma caminhonete, o que incluí confiabilidade para rodar muitos milhares de quilômetros, então a Amarok é certamente a última opção.

      Excluir
  7. Nessa moda toda de quanto mais marchas melhor (que é um ótimo apelo de marketing) as caixas epicíclicas estão virando quase uma CVT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em breve, a Hyundai vai lançar uma caixa com dez marchas. Provavelmente vai ter recursos como o dessa ZF da Amarok e poderá pular marchas conforme a situação.
      Porém, de fato estamos quase chegando ao CVT com esse tanto de marchas.

      Excluir
  8. Alexandre - BH -31/03/12 16:21

    Um pacote tecnológico de primeira com visual tão emocionante quanto um caixote de verduras. Coisa de Volkswagen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carro alemão é quase sempre assim. Os coreanos, a Honda e Citroën é que ficam inventando painel à moda espacial.

      Excluir
  9. Bob você ja testou a nova S10?
    Felipe Tavares

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. brauliostafora31/03/12 18:15

      Boa, Felipe! Tenho lá minhas dúvidas se a nova S10 consegue ser tão "Chevrolet" quanto a antiga.

      Excluir
  10. Na cidade, NUNCA!
    Quando comprar o meu sítio, quem sabe...

    ResponderExcluir
  11. Nos motores a Diesel existe a rotação de corte da injeção? A pergunta se deve à baixa rotação de potência máxima (4.000 rpm).

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. A Amarok chegou em boa hora para sacudir este mercado de pickup grandes, pois a tecnologia e soluções técnicas são muito superiores das demais conhecidas, ela se comporta como um bom carro e consegue enfrentar praticamente qualquer terreno. Conheço praticamente todas as principais pickup do mercado nacional, aqui na terrinha do meu pai já tivemos muitos tipos e tamanhos, de bandeirantes a L200 triton que são usados para trabalhar e viajar muito, porem é outro patamar a Amarok. Pena que existe algumas ressalvas como alto preço apesar de ser muito mais completa e moderna que qualquer uma outra, descrença do mercado pela falta de tradição em pickups, acabamento do painel e portas muitos simples e de plastico comum porem bem acabado que infelizmente foi constatado que esse acabamento foi "export for Brazil", o motor de baixa cilindrada e biturbo ainda causa certa desconfiança pelos consumidores desses carros onde acham que diesel tem que ser igual da dodge Ram que é grande em todos sentidos, defasadíssimo e beberão.

    Foi uma boa a Amarok automática, o mercado pediu e a VW respondeu muito bem, porem pickup pra mim é manual e 4x4 com reduzida.

    ResponderExcluir
  13. brauliostafora31/03/12 18:51

    Algumas impressões:
    OITO marchas é exagero! Como a última é sobremarcha e a primeira é bem curta, ainda são seis de uso "normal". Marketing? Motor com "fôlego" em uma faixa de rotações muito curta? Uma solução mais simples que fazer uma caixa longa e outra separada para reduzida? Só a VW sabe...
    A frente dela tem clara inspiração no Golf de primeira geração. Vale como homenagem, embora não tenha ficado nem com a aparência "abrutalhada" que se espera de uma picape, nem herdado a simpatia do carrinho.
    12,1 km/l de diesel não é uma marca ruim, mas também não chega a ser excepcional. A exigência do baixo teor de enxofre é um fator que pode levar os proprietários à algumas confusões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só um comentário: Mudou algo nos comentários recentemente? Não consigo mais achar a opção que tinha meu nome salvo...

      Excluir
    2. A transmissão é a mesma do Porsche Cayenne e do VW Touareg das atuais gerações, e esses veículos também não têm reduzida, usando a tal primeira marcha curtíssima. Nos dois SUVs, a subtração da reduzida (ainda que possuam versões que tenham uma reduzida física) ajudou a ganhar leveza e, pelo que se fala, não perderam sua competência em terrenos ruins.

      Excluir
  14. Apesar de ter trabalhado 8 anos em concessionários VW, nunca fui fanboy da marca. Mas quando lançaram a Amarok ouvia meus amigos dizendo "isso" e "aquilo" da Hilux, que "só criptonita" podia destruir ela e etc, e eu defendia a Amarok. Achava que a VW não iria se aventurar, em nível mundial, numa empreitada de alto risco sem saber o que estava fazendo. Depois que andei na Amarok pude comprovar minha tese. A Hilux virou um caminhão de conforto depois que andei na Amarok. E depois ver vários vídeos da Fixa de Gaza ultimamente, e ver que as Amaroks estão em grande quantidade lá, vejo que ela tá se demonstrando muito resistente tbm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faixa de Gaza não é nada, quero ver ela aguentar nas vastidões da Africa e desertos árabes, sob as piores condiçoes de manutenção possiveis, onde os utilitários Toyota reinam, desconfortáveis e rusticas que sejam.

      Excluir
    2. A WV aprendeu com a melhor, quando fabricou sob licença as pickups Taro (Hilux) para o mercado europeu, na década de 90.

      Excluir
  15. Ah a Amarok; ótimas lembranças: http://meuamigodelata.blogspot.com.br/2011/02/cronicas-praianas-capitulo-2-picapes.html

    Espero poder avaliar essa versão automática também (mas eu queria era 180cvs no manual!)

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MFF
      Há a Highline manual de 180 cv.

      Excluir
  16. A Amarok não me "desce", não condigo gostar do visual dela, e nem dos ultimos VW produzidos aqui, todos são muito parecidos e na minha opnião sem graça. A marca não me agrada mais como no passado. MAs em se tratando de pick up quem pretende comprar deve esperar a nova Ranger. Motor 5 cilindros 200 cv, AÍ SIM. Assim que a nova Ranger estiver no mercado creio que vai haver uma disputa acirrada. Com grana no bolso, ela seria minha escolha, (lá fora agradou aos montes)depois Toyota.
    Sobre o cambio, Andei na estrda e urbano no Audi A5 V6 com cambio de 8 marchas e cheguei a conclusão que não precisava de tudo isso, como já falado aqui, puro marketing. Em termos de motor esse 2.0 mostra-se moderno e eficaz, mas nunca será como um 2.8 ou 3.0 L das demais. Que venha o 5 cilindros Ford, Pois esta configuração a diesel é otima.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta ranger de 200 cv não virá para o Brasil . Veja reportagem do UOL carros.
      http://carros.uol.com.br/ultnot/2012/03/30/atrasada-ford-se-move-e-comeca-a-alardear-chegada-da-nova-ranger.jhtm

      "O preço máximo da picape por lá é de 175.900 pesos (R$ 73,3 mil) para a top Cabine Dupla Super Duty com motor turbodiesel 3.0 (163 cv e 38,7 kgfm) e tração 4x4."

      Excluir
  17. Overdrive não me desce, é algo muito ruim, sem falar que a velocidade máxima deveria ser em uma rotação 100 RPM acima da rotação de potência máxima, e não abaixo, espero que continuem oferecendo a Highline manual.
    E esse interior preto é horrível, é praticamente a mesma porcaria do Celta. Eu gosto é de Caramelo.
    A Highline manual continua com 163 cv ou vai para 180 cv?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas
      O motor de 163 cv não é mais oferecido em nenhuma versão.

      Excluir
  18. Sou de Atibaia e se subiu a Pedra, mesmo que pela estrada e com chuva, tá de parabéns, até de moto o negócio é meio tenso.

    ResponderExcluir
  19. Podia ser um pouco mais barato, quero ver o estrago que a RAM vai fazer no mercado, com 310 cv a R$ 150.000,00. Pena que a Dodge não dá mais valor ao consumidor.

    ResponderExcluir
  20. Mas será que essa RAM monstro vai pra uns lugares pouco + estreitos e críticos, eu não conheço bem a RAM mas duvido que tenha desenvoltura em terrenos mais críticos mesmo com seus quase 90 de torque, muito grande e pesada, boa pra rebocar, levar peso, mas não tem vocação pra "macgyver".

    ResponderExcluir
  21. Com tanta tecnologia em motores na VW, qual o motivo de ainda terem um 2 litros tão arcaico em alguns de seus carros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples, tem quem pague... rsrs
      Por mim também o AP2000 já tinha sumido, ou ao menos, se atualizado...

      Excluir
    2. Esse 2 litros que temos aqui também tem na VW americana, confira no site.

      Excluir
  22. Anônimo 3:43

    porque o povo Brasileiro não gosta muito de tecnologia... e a marca se aproveita disso.
    Quantas vezes você ouve falar que o gol 16v não prestava? não prestava se vc cuidasse como se fosse um AP e trocasse óleo ruim por óleo ruim de 10 mil em 10 mil km... eu tive um gol 16v por 5 anos e nunca deu nenhum problema sério.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse 2 litros que temos aqui também tem na VW americana, confira no site.

      Excluir
  23. João Celidonio01/04/12 13:29

    É uma bela picape sem dúvida...
    A unica coisa que eu pude notar na condução da mesma é a parte da Pedra Grande. Acredito que por uma questão de formação do solo ou sabe-se lá o que, a estrada se mostra um pouco mais desafiadora no seco do que no molhado.
    Já pude constatar isso com Ranger 4x4 e 4x2. No seco, com a 4X2, o caldo geralmente dava uma engrossada substâncial. Claro que na 4x4 não acontecia pois é uma estrada bem tranquila.
    Talvez o melhor lugar para testar as picapes ainda seja o "Puma" ou "Pullman", um terreno abandonado perto do centro da cidade onde pode se testar quase todas as condições de offroad.

    ResponderExcluir
  24. Essa porcaria ae num guenta o tranco da roça não.

    Até parece q no meio do mato tem Diesel de Boy.

    Não é à toa q num vende nada aki na fazenda asfaltada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pisca
      Há notícia de que alguma Amarok não tenha agüentado o tranco da roça? Ou é apenas suposição que não agüenta?

      Excluir
    2. esse pisca é um fieteiro, vá tratar das tuas galinhas rapaz

      Excluir
    3. Bob, eu vivo numa cidade onde existem 300 mil caminhonetes.

      Além disso sou nelorista e vivo nesse meio do agronegócio.

      O maior mercado da GM nessa categoria é aki, logo tenho tds as credenciais p/ lhe dizer q essa Amarok é caríssima para o pouco q ela consegue fzr.

      É uma BAITA caminhonete p/ se usar na cidade? É sim, mas na lida ela não aguenta, abre o bico.

      Caminhonete boa p/ trabalho são a S-10, Hilux e Frontier.

      A Ranger atual tem fama de capotadeira e a Mitsu funde o motor c/ menos de 100 mil Km.

      Quase não se vê Amaroks por aki, e partindo do princípio q Goiânia é a capital brasileira do Agronegócio, não é difícil chegar a conclusão deq a Amarok não é isso td oq vcs pensam.

      Excluir
    4. AnônimoApr 2, 2012 11:05 AM

      Algum problema em ser Fieteiro meu kerido?

      E eu não sou avicultor, sou pecuarista ok?

      Excluir
    5. o problema pisca, é que vcs fieteiros se baseiam em achismos e preconceitos. cadê comprovação que a amarok é fracote desse jeito que vc fala?

      Excluir
    6. Ahaha, um fusqueteiro acusando um fieteiro de preconceito.... kkkkkk!!! Que nível nós chegamos!!! A uns 20 anos atrás era justamente ao contrário, algum maluco defendia a fiat e acusava todo mundo de preconceito. Isso é a prova que VW chegou no fundo do poço com essa porcaria de produto que é a Amarok.

      Excluir
    7. Ou seja, quem sabe mesmo se o carro é bom são os goianos, e ponto final.

      Excluir
    8. AnônimoApr 2, 2012 01:41 PM

      Meu amigo, quantas pickups tem na sua cidade? Vc tira o seu sustento do campo?

      Pois bem...eu VIVO da pecuária meu kerido, e as pessoas + próximas do meu convívio TBM são neloristas, e te garanto que, se existem 2 amarocks entre tds os eles é mto. Não existe teste melhor p/ qq fabricante de pickups doq a venda desse tipo de veículo p/ kem REALMENTE as utiliza da maneira correta, e não p/ passear na Oscar Freire.

      Excluir
    9. AnônimoApr 2, 2012 02:59 PM

      Mandou bem fião!

      Excluir
    10. AnônimoApr 2, 2012 04:42 PM

      Carros não, mas pickups sim.

      Excluir
    11. Aléssio Marinho02/04/12 23:52

      Pisca,

      O assunto está meio frio mas quero registrar o meu palpite.
      A Vale pediu para Mitsubishi melhorar as L200 para rodarem na mina de Carajás. Lá o negócio é pesado. Rodam praticamente 24 horas por dia traçadas, e com aquele minério que impregna no carro até a alma.
      Não sai mais nunca.
      Deram uma melhoradinha no motor, que abria o bico com 50 mil km, depois passou pra 80 mil.
      Usam 1 ano e jogam fora.
      Depois veio a Hilux e fez fama na mina com sua robustez e conforto, mas o minério entope tudo quanto é bico injetor e a Toyota vai muito pra oficina com falha na injeção.
      Tenho visto muitas Amarok rodando naquelas bandas. O pessoal da lida gostou muito do conforto, mas reclamam que cada vista na concessionária é um assalto.
      S-10 e Ranger não aguentam o rojão, por serem baixas e arrebentam a toa a correia dentada da caixa de transferência. Por isso que no barro violento que temos por aqui, a popularidade delas é baixa.
      Não usam a Frontier na mina, nem no barro pesado por causa do motor, projetado pra usar diesel de qualidade, no máximo S-500. Aqui no norte, vendem Diesel marítimo S-1800 na cara dura e o resultado é motor todo destruído. Fora isso é uma senhora picape.

      Excluir
    12. Aléssio Marinho

      Eu tenho uma propriedade rural em Guaraí no TO, onde faço criação extensiva de gado de corte à pasto.

      O tipo de solo existente lá é uma das coisas + impressionantes e desafiadoras q eu já vi na vida. Trata-se de uma areia escura, extremamente fofa, porém riquíssima em fertilidade, bastando apenas algumas correções p/ se tornar uma excelente pastagem.

      Na época da seca, transitar nessa areia é algo como rodar nas dunas de uma praia e na época da chuva, é formada uma lama preta extremamente pegajosa.

      Tenho VÁRIOS amigos neloristas q mantem propriedades na região e posso lhe garantir q nenhum deles tem Amarok, pois nessas condições de rodagem, o desgaste é elevado e a manutenção da msm é caríssima.

      Eu rodo cerca de 100 mil Km ao ano nas pickups da família e a maioria das pessoas do meio tbm fazem dessa, uma prática comum. Gostaria MUITO de ver uma Amarok fzr viagens de 3 mil Km - bate e volta - tds os meses, levando no "lombo" um tambor de 500L de diesel p/ trator + discos de arado + 600 Kg de sal mineral + rolos de cerca de arame e enfrentar a "terra preta" do Guaraí.

      Pagar de "cowboy de posto" na Faria Lima é uma coisa, viver na lida do gado é outra BEM diferente.

      Excluir
    13. Pisca, teus relatos não comprovam nada, tudo achismo, vc ACHA que a picape VW não aguenta só porque não as vê em quantidade, cadê a lógica desse raciocínio?? e vc é um anti-VW total, sua opinião é muito tendenciosa, não me leve a mal.
      eu não sou pecuarista nem agricultor mas tenho muito contato com pessoal que constrói linhas de transmissão e estações de telecom no interior do país e a turma dos madeireiros. lugares onde primeiro tem que se abrir uma picada, nem trilha tem. e do que eu converso e escuto nesse ambiente, é que não tem UMA picape que realmente preste dessas novas. a L200 seria a menos pior, mas ainda assim tem problemas de resistência no chassi e o motor que reconhecidamente abre o bico muito cedo. esses lances de potência maior a cada ano da Mistuba é tudo aumento de pressão do turbo sem redimensionar todo o resto, como o arrefecimento.
      quem tem a Hilux ANTIGA, não troca, essa sim é que parece ser a mais resistente no barro. e tem a turma que não sai dos velhos Bandeirante.
      e outra, "viver na lida do gado" certamente não é a coisa mais fodástica que existe pra quem tem uma picape.

      Excluir
    14. AnônimoApr 3, 2012 08:29 AM

      Não é p/ vc, q deve ficar numa salinha climatizada num escritório qualquer.

      Sobre esse assunto eu só converso c/ kem faz parte do meio, tem caminhonetes e as utilizam p/ o propósito q foram criadas.

      Oq convenhamos jamais será o seu caso.

      Excluir
    15. é perda de tempo discutir com a soberba. vc ficou sem argumento e se sai com essa "só converso com quem é do meio". tu é um vaqueiro falcatrua. e pior, fieteiro ainda por cima. Jesus.....

      Excluir
    16. "Sobre esse assunto eu só converso c/ kem faz parte do meio, tem caminhonetes e as utilizam p/ o propósito q foram criadas."

      esperar argumentação de um pseudo-vaqueiro era querer muito mesmo. acabam-se as justificativas cedo demais. PSEUDO sim, pois se fosse vaqueiro, pecuarista, ou o que o valha, de verdade, não ficava o dia inteiro comentando no blog e no Facebook, né Seu Bruno?

      Excluir
    17. AnônimoApr 4, 2012 05:06 AM

      Não se trata de soberba e sim constatação.

      Sou melhor q vc e ponto final.

      Excluir
    18. A Amarok já está aí a tanto tempo no mercado, e nunca vendeu nada.... Então, do nada, ela se torna a melhor pick-up do mercado.

      Goebbels explica essa propaganda.

      Excluir
    19. Vixi, acho que li em algum lugar um criador de lebre com pick-up 147.

      Vá se tratar, deve ter cura.

      Excluir
    20. Não sei de voce Pisca, mas, na minha terra as pickups que valem ouro são as D20 e F1000, são as unicas que aguentam o tranco, quem não acha delas pra comprar ou quer economizar vai de S10, mas, da muita manutenção, mas, o custo de manutenção é baixo quando comparado com Toyota, Nissan, VW, Mit, etc.

      Dessas novas, nenhuma presta, se for olhar a fundo, todas elas abrem o bico facil. A RAM é mais bruta, mas, o preço é alto, a manutenção é dificil e um assalto e tem o consumo que é inaceitavel.

      Então, comparando dentro da realidade de que nenhuma aguenta o serviço pesado, fico com a L200 Miner em primeiro colocado de resistencia.

      E a Amarok como um pacote mais completo e interessante ao lado da nova Ranger.

      Pra mim, dos modelos 2013 a Frontier é a pior do mercado.

      Excluir
  25. Aléssio Marinho02/04/12 01:03

    Quando lançaram o Amarok dei uma volta num.
    Impressiou-me a neutralidade do picape em todas as situações. Sempre na mão e firme como um bom carro de passeio, claro que ajudada pelos duendes eletrônicos.
    Para quem estava acostumado com as reações do S-10 (navegante como um barco pesqueiro), do Hilux (macia e dura ao mesmo tempo) e do L200 (alta demais e sem raio de giro) é representa um outro patamar de conforto e solidez no segmento, mas queria ter a oportunidade de viajar pra Altamira e Itaituba pra formar minha opinião.
    1000 km de barro pesado não é pra qualquer veículo.

    ResponderExcluir
  26. É ISSO AÍ BOB! PAU NAQUELES QUE DUVIDAVAM DOS DEUTSCH SE AVENTURANDO NO FORA-DE-ESTRADA!!!

    ResponderExcluir
  27. Marcelo Junji03/04/12 22:53

    A VW colocou um monte de marchas nesse carro e esqueceu de colocar apoio de cabeça e cinto de três pontos para o passageiro do meio. A cabeça de quem senta neste local fica a poucos centímetros do vidro, então numa colisão traseira já viu...
    Por aqui é assim mesmo.
    Acho que uma das diversões de quem fabrica carros aqui no Brasil é fazer piadas sobre nós.

    ResponderExcluir
  28. Fernando Carvalho05/04/12 10:43

    Bom dia Bob Sharp

    Afinal qual a melhor Pick-up do segmento? Na sua opinião.

    Abraços

    Fernando

    ResponderExcluir
  29. A Amarok ja vinha se destacando no mercado de picapes, mas agora com esta novo cambio passou a ser uma grande opção.

    ResponderExcluir
  30. Onde comprar diesel s50 em Niteroi?

    ResponderExcluir
  31. Na realidade qual é a pickup do mercado com a maior altura do solo? Vejo que em cada manual eles analisam a altura de um jeito, sem um padrao para comparar.

    ResponderExcluir
  32. Diego Fernandez25/08/12 11:03

    Recentemente testei a Amarok modelo S com 122cv, e achei bem fraca. Me senti com se estivesse em um Jetta com motor 1.4 . A VW deveria colocar o motor de 180cv na Amarok básica modelo S, mesmo que tirasse alguns equipamentos de série da mesma. Esse motor de 122cv é uma piada. Pelo preço da Amarok S acabei comprando uma Nissan Frontier XE 4x2 com 163cv, mesmo com menos tecnologia o motor e os itens de séries valem a pena.

    ResponderExcluir
  33. Picape de verdade??? RAM 2500, essa sim tem motor e não oferece uma "falsa sensação de segurança". Mas, é só para quem esta podendo...kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz, potencia, beleza, carroceria grande, mas, 4km/l ninguem aguenta.

      Excluir
  34. Coprei a amarok e me surpreendi em todos os seus quisitos.

    ResponderExcluir
  35. PERGUNTA: COMPREI UMA AMAROK 2010/2011- VOU TROCAR O MOTOR - POSSO APROVEITAR PARA TROCAR O CAMBIO MANUAL POR UM AUTOMATICO?

    ResponderExcluir
  36. Anônimo 11/12/12 22:49
    Tecnicamente é possível, mas a coisa complica mesmo é na eletrônica, na comunicação entre motor e câmbio. Não há certeza de obter êxito na operação.

    ResponderExcluir
  37. PISCA
    VOCE NÃO SABE O QUE DIZ VAI PRO CURRAL NELORISTA,ANDA DE D20,D10 QUE GUENTA O TRANCO E DEIXA AS AMAROK PRA QUEM TEM BOM GOSTO E ESTILO.A SUA REGIÃO NÃO TEM AMAROK NA LIDA POR FALTA DE CONFIANÇA NA MARCA,JUSTAMENTE PELA CULTURA DA REGIÃO,TIVE TODAS AS CAMIONETES NACIONAIS E POSSUO DUAS AMERICANAS V8 E A AMAROK SUPERA EM SEGURANÇA.QUANTO A GUENTAR O TRANCO A MINHA TA NO PAU E GUENTA.QUANTO A DURABILIDADE DO MOTOR...AINDA NÃO VI NENHUMA ABRIR O BICO E CONHEÇO ALGUMAS QUE TRABALHAM EM MADEREIRAS COM 300000 RODADOS DE BOA...ISSO E RUIM ?SEM OFENÇAS.

    ResponderExcluir
  38. Amigos, sou proprietário de uma amarok, das primeiras que sairam, biturbo, 163cv. e sou desses que carregam 1500kg no lombo da menina por 1000km... tenho também um reboque de 2 eixos que toda vez que os "homi" me param querem me levar pro depósito... carrego 1500kg na carroceria da picape mais 2000kg no reboque, subo serra, desço serra, e ando algo em torno de 200km de estrada de terras toda semana, e isto ha uns 2 anos e meio no lombo da menina...outro dia li por aqui sobre um problema da correia dentada, fiquei desesperado, resolvi abrir pra ver, tava novinha... tenho algumas reclamações dela sim.... tipo, manutenção cara, pois toda concessionária insiste em ser inccompetente, em roubar da Volkswagen quando a coisa se trata de garantia. Todas, absolutamente todas, as trocas de filtro combustível que fiz, foram por minha iniciativa, nunca que me foi solicitado ou indicado em uma manutenção de concessionaria, filtros de ar e particulas? só se eu brigar para trocarem. Acabo de fazer a revisão dos 110000km, e me cobraram 3000 pela troca da correia dentada mais 4 roletes...acho um roubo... mas são 110000km. Quando novo, o carro veio de fábrica desalinhado, e eu fiz por conta própria... os pneus originais se acabaram com 40 mil. Coloquei ums Yokohama com duas medidas a mais, para ter um carro de verdade...esses pneus não acabam. estragam o talão, e você tem de trocar. Nunca fiz um alinhamento de direção nesse carro... nas f250 que tive, a cada 60mil eu tinha de trocar todos os pivôs. Não conheço motor melhor... A minha amarok já estragou o pistão auxiliar da embreagem, já estragou o compressor do ar condicionado, deu defeito no módulo de controle do bloqueio do direrencial, e agora por último queimou o motor do ventilador.... mas são 110000km... eu perdoo ela.

    ResponderExcluir
  39. Lindolfo, voce deu a melhor opinião até agora. O ponto é: não existe o melhor carro, pickup, moto etc. Existe o melhor veículo para cada situação, assim como idiotas em todas. Construo casas no interior de SP para venda e por isso não preciso de um trator, mas uma caçamba para transportar lotes de material de construção em oferta (sem pagar frete) nas conhecidas mega-lojas do segmento. Neste meu caso em particular, a Amarok é a melhor opção, pela tecnologia, confiança (ao contrário dos preconceitos) da tecnologia alemã e comportamento dinamico semelhante ao de um carro. Antes que me atirem pedras (não sou fã da vw, tenho um Voyage que a secretária usa e com o motor abrindo o bico sem motivos). Por outro lado coleciono... Tenho uma série 5 (BMW) 98, com 70 mil km (que parece 0)... Entendeu? No meu caso a Amarok é a melhor opção... Comprei uma agora e vai ser meu carrinho de uso diário. Lógico que minha escolha seria uma série G (MB) se as coisas no Brasil fossem amigáveis...

    ResponderExcluir
  40. Pelo que tenho visto realmente a Amarok veio pra mudar o pensamento de muita gente, de que o mundo realmente anda pra frente...de que o desempenho satisfatório está ligado à manutenção, uso correto do veículo em todas as situações e economia. Um motor de 2 litros bi-turbo conseguir tudo isso é algo mágico na minha opinião, fora a tecnologia embarcada...se eu fosse bem rico compraria uma, como não sou vou andando com o meu bom e velho gol G2 special 1.0 mi com distribuidor...290 e tantos mil rodados e uma retífica...hehehehehe

    ResponderExcluir
  41. Tenciono Comprar uma pic up. mas estou na dúvida em relação a VW amarok, ford ranger limited ou wild track, e a toyota ilux 2.7
    Alguem pode dizer-me qual é o modelo mais aconselhavel, pois ca em angola os preços não diferem muito.Igor

    ResponderExcluir
  42. Entrei aqui e fiquei foi com mais dúvidas..Agora não sei qual devo comprar. Acho que os comentários fizeram é colocar mais dúvidas.

    ResponderExcluir
  43. Meus amigos, tenho uma highline bi-turbo 180 cv automática 2013, e já tive todas as pick-ups vendidas no Brasil, menos a L200, que não pode ser chamada de pick-up (já que faz curva e barulho igual à um trator), mas minha última pick-up era uma Hilux 2010 até o dia em que fiz um teste drive na Amarok. Fiz num campo de teste da VW, com trilhas e trechos off-road onde tinha outras pick-ups de marcas diferentes para comparar (tem até um vídeo no youtube). Simplesmente a Amarok deixou todas para trás, tanto no quesito off-road como no ítem de tecnologia embarcada. Só o câmbio ZF 8 marchas e a tração 4x4 integral permanente, deixam todas as outras para trás, isso é inquestionável. A segurança da Amarok na pista, não se compara a nehuma outra. A potência dessa pick-up deixa as outras comendo poeira. Sem falar no tamanho da Amarok, que é 15 cm mais larga e também com a maior capacidade de carga da categoria. Essa pick-up na estrada é igual a um carro esporte, entrando em curva com a estabilidade de um kart, enquanto minha Hilux balançava como um caminhão baú.As outras pick-ups terão muito trabalho pela frente para recuperar a ponta da Amarok, pois somente quando lançarem um câmbio melhor que este ZF 8m, e uma tração full permanente, aí sim elas poderão chamar a Amarok para a brigar de igual por igual, enquanto isso, a Amarok faz jus ao preço de 140 mil reais.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...