18 de março de 2012

SETA REVISITADA

Foto: evilution.co.uk
A pequena alavanca que muitos usam de modo exagerado, sem pensar


Há pouco mais de três anos falei sobre o uso da seta aqui no AE. Numa pequena viagem a Campinas, semana passada, fiquei divagando sobre essa questão.

Diz o Código de Trânsito Brasileiro em seu Art. 35: Antes de iniciar qualquer manobra que implique um deslocamento lateral, o condutor deverá indicar seu propósito de forma clara e com a devida antecedência, por meio da luz indicadora de direção de seu veículo, ou fazendo gesto convencional de braço.

Parágrafo único. Entende-se por deslocamento lateral a transposição de faixas, movimentos de conversão à direita, à esquerda e retornos.

Um artigo anterior, o 29, que trata do trânsito de veículos na vias terrestres abertas à circulação e estabelece normas, diz no inciso X que Todo condutor deverá, antes de efetuar uma ultrapassagem, certificar-se de que: a) nenhum condutor que venha atrás haja começado uma manobra para ultrapassá-lo; b) quem o precede na mesma faixa não haja indicado o propósito de ultrapassar um terceiro.


O mesmo artigo 29, diz no inciso XI que: Todo condutor, ao efetuar uma ultrapassagem deverá: a) indicar com antecedência a manobra pretendida, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou por meio de gesto convencional de braço; b) afastar-se do usuário ou usuarios aos quais ultrapassa, de tal forma de que deixe uma distância lateral de segurança; c) retornar, após a efetivação da manobra, à faixa de trânsito de origem, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou fazendo gesto convencional de braço, adotando os cuidados necessários para não pôr em perigo ou obstruir o trânsito dos veículos que ultrapassou.



Esses preceitos não são exclusivos do Brasil, eles existem nos códigos de trânsito americano e alemão, pelo que sei, e podem haver em outros. Evidentemente conheço-os, e nessa pequena viagem a Campinas me propus ao exercício de cumpri-los na íntegra.

Vinha pela faixa central da Rodovia dos Bandeirantes e encontrei um carro lento, precisando ultrapassá-lo. Não vinha ninguém perto na faixa esquerda. Dei seta, mudei de faixa, ultrapassei, dei seta direita e voltei. Me senti um bobo. Não havia carro na faixa esquerda e eu estava de 10 a 15 km/h mais rápido que o carro ultrapassado e nunca poderia obstrui-lo. A seta foi absolutamente desnecessária naquela situação.

Vamos pensar juntos: para que serve a seta? Acho que todos hão de concordar que ela só serve para informar aos motoristas dos carros próximos que se vai efetuar alguma mudança de direção. Mas sem carro perto, para que dar seta?

Naquele pequeno vídeo que fizemos sobre a maneira correta de segurar o volante de direção – http://www.youtube.com/watch?v=n86nFDFXSIA –, eu estava com o carro parado numa praça e iniciei a marcha. Não havia movimento, todos viram eu olhar para o espelho esquerdo antes de sair, mas todos viram também que não dei seta. Pois não é que choveu comentários de que saí sem dar seta, criticando-me por isso?

Vejo um perigo no usar a seta automaticamente em vez de racionalmente: achar que a seta autoriza a manobra, desvirtuando sua nobre função que é avisar. Não basta estar com os olhos atentos, é preciso estar com a mente atenta, e uma mente atenta sabe quando é preciso usar seta.

Quando um caminhão dá seta ao mesmo tempo em que começa a sair da sua faixa, seu motorista está com pensamento em outro lugar, longe dali. Essa situação é bem conhecida, é o caminho certo para o acidente. O que o motorista desse caminhão tem de fazer é sinalizar a intenção de mudar de faixa por meio da seta e analisar o tráfego à retaguarda pelo espelho, para só então, havendo condição segura para tal, iniciar a manobra

Não custa deixar o caminhão ultrapassar (flickriver.com)


Entretanto, o motorista que pratica a cortesia deve permitir que numa situação dessas o caminhão efetue a ultrapassagem, relampejando faróis ou dando seta direita. A perda de tempo na viagem é desprezível e o gesto contribui para a segurança geral do trânsito. E, acredite, quem pratica a cortesia é recompensado na mesma moeda. Se não acredita, experimente. Aconteceu comigo quando passei a agir dessa forma coisa de trinta anos atrás.

Uma situação em que a seta ajuda é estarmos ultrapassando e vermos, pelo espelho, um carro se aproximar, rapidamente ou não. Nesse momento, dar seta direita informará o motorista do carro de trás que já o vimos e que daremos passagem o mais rapidamente possível, neutralizando um possível estresse por parte dele.

Na cidade, aproxima-se a esquina onde se vai dobrar à direita. Não há tráfego próximo e tampouco pedestras na rua em que se vai entrar. Qual a necessidade de seta? Nenhuma. Já com tráfego mais próximo é essencial dar seta, pois diminuiremos velocidade e o tráfego à retaguarda deve entender por que diminuímos.

Aliás, toda diminuição de velocidade que precede o parar o veículo deve ser indicada pela seta. Os artigos acima não contemplam esse caso, mas ele está previsto sob forma de infração no Art. 196: Deixar de indicar com antecedência, mediante gesto regulamentar de braço ou luz indicadora de direção do veículo, o início de marcha, a realização de manobra de parar o veículo, a mudança de direção ou de faixa de circulação. A infração é grave – 5 pontos debitados na CNH e multa de R$ 127,69. Nota-se aqui uma falha do Código, pois não se pode ser atuado pelo que não é especificado como obrigatório, caso de iniciar a marcha (como no vídeo citado) e parar.

Num via de trânsito rápido, vamos pegar uma saída. Esta pode (e deve, para não perturbar o fluxo) ser feita à mesma velocidade em que vínhamos. Não precisa de seta neste caso, mas o Código diz que precisa: bobagem. Do mesmo modo, ter de dar seta ao mudar de faixa de rolamento mesmo que estejamos sozinhos numa via qualquer.

Sobre o uso da seta em ultrapassagem, já comentei aqui em outras ocasiões. A rigor, a seta esquerda é para indicar intenção de ultrapassar, não para permancer ligada enquanto se está ultrapassando. Mas é um hábito na Alemanha, apesar de proibido, e não é previsto aqui, embora muito usado também. Até vejo, por exemplo, motoristas efetuando uma ultrapassagem e quando notam carro atrás, ligam a seta, como que querendo dizer "estou ultrapassando". Ora, é óbvio que está. O melhor seria dar seta direita, como já falado acima, pois dar esquerda pode ser interpretado como "Calma aí, não vê que estou ultrapassando? Aguarde sua vez!".

Autobahn

Já usei muito o "método alemão", hoje faço diferente: fico a uma distância do carro da frente  tal que incomode, que preencha bem o espelho interno dele, sem grudar (que irrita seu motorista, além de ser perigoso) ou ficar longe demais, que não indica que quero ultrapassar. Não é preciso relampejar faróis ou mesmo deixar a seta esquerda ligada. A passagem é dada rapidamente. Funciona muito bem, experimente.

Seta, cada um usa como quer. Eu a uso racionalmente.

BS

154 comentários:

  1. Também procuro usar seta raiconamelnte, infelizmente a maioria dos motoristas é irracional.
    Por exemplo, quando alguém pede passagem num momento impossível (caminhão ao lado, por exemplo), já dou seta à direita, indicando que estou procurando uma chance de ceder passagem, porém é praticamente inútil: o cara vai grudar, dar farol, e encher o saco do mesmo jeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cuidado quando der a seta a direita com a intenção de que o veículo que venha atrás não ultrapasse. Pelo código dos caminhoneiros, seta a direita significa "é seguro ultrapassar" e a seta a esquerda significa "não é possivel ultrapassar, não me passe"...

      Excluir
  2. O problema é mais com pedestres, em grande parte dos casos. Não fossem eles, a seta seria dispensável em mais situações ainda. Mas o negócio é ser previsível mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justamente quem fala que película escura não atrapalha dirigir é quem finge que enxerga. Pedestre não acende farol. E não tenho nada contra pedestres, também.

      Excluir
  3. na " avaliação " para se obter a CNH o examinador tira pontos do candidato que não colocar a mão no espelho ,atar o cinto e sair sem dar seta,mesmo que não venha ninguem atrás ,talvez essa seja a raiz dessa cultura...

    ResponderExcluir
  4. Dar seta sem ninguém por perto é mais ou menos como, em se estando só, fechar a porta do banheiro para fazer um pipi. He, he, he!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas com a diferença de que ser for "pego", levará multa, e não só um constrangimento.
      Por isso dou seta mesmo sem ninguém por perto, sempre ciente da falha no CTB quanto à questão. E não na base do automatismo ou da suposição de que dar seta o autoriza a efetuar a manobra, como infelizmente muitos fazem.

      Excluir
    2. Quando falo estar "só", é estar só meeeesmo, portanto, sem fiscalização por perto. Não vou ser pego, nem levar multa.

      Excluir
    3. Mr. Car
      É isso mesmo!!!

      Excluir
    4. Pois existem guardas "ninjas"! Tenho conhecidos que já levaram multa por não dar seta, por acharem que não havia ninguém por perto..

      Excluir
    5. Como sempre digo: Não custa nada, não ofende ninguém, então dou seta e ponto.

      Excluir
    6. O problema é que às vezes você pensa que não vem ninguém mas se aproxima alguém em velocidade maior que apesar de não ter sido visto antes se aproxima em velocidade suficiente para atingir seu carro. Aí é melhor usar a seta sempre, até pq erram em usar pouco a seta (a maioria quase nunca) e não em usar muito.

      Excluir
  5. Clovis / SP18/03/12 12:45

    Procuro usar a seta sempre. Muitas vezes nao seria necessario, mas as vezes pode existir algum veiculo em ponto cego (motocicleta fazendo besteira e ultrapassando pela direita, por exemplo) e nesse caso a seta serve como um aviso. Em parte e o que os caminhoes fazem, porque eles tem pontos cegos grandes (ok, tem varios caminhoneiros que nem olham direito, mas essa nao e a regra geral).

    Usar a seta sempre tem uma outra vantagem; vc. se condiciona a isso e passa a usar a seta sem que precise pensar nisso - o que aumenta a seguranca, porque vc. vai usar a seta ate quando estiver distraido.

    ResponderExcluir
  6. A questão é simples: você acha que não tem ninguém. Alguém pode estar em ponto cego e notará sua intenção de movimento. Isso vale para quem vai a usa frente também. Alguém que vai a sua frente pode pretender entrar na mesma faixa para a qual você iniciou o movimento. No momento em que se é previsível no trânsito a segurança sua e de outros aumenta. Com o carro parado deve-se dar seta sim, para que se saiba se você vai virar ou seguir em frente. Isto pode facilitar a vida de alguém que está atrás e próximo e que terá que trocar de faixa em breve, apenas como um exemplo.

    ResponderExcluir
  7. E impossivel se garantir que nao ha nenhum outro veiculo. Muitos acidentes acontecem porque nao se viu outro veiculo, portanto, achar que so porque nao reparou em outro veiculo nao ha nenhum, nao e prudente. Ademais, e melhor pecar por excesso e manter o habito de dar seta sempre.

    PS: achar-se melhor que os outros e que as leis nao se aplicam a voce e a quintessencia do brasileiro "esperto".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Augustine
      Só é impossível garantir que não há outro veículo se a pessoa não enxerga bem ou se anda em carro "filmado". Os carros têm três espelhos! Bobagem o que você disse, eu me achar melhor que os outros e ser a quintessência do brasileiro "esperto". Lamentável.

      Excluir
    2. Bob,

      Em relação aos espelhos, por causa da grande proliferação de motocicletas, criei o hábito de quando for mudar de faixa, principalmente à direita, dar uma pequena girada de 45º no pescoço para aumentar minha visão periférica e eliminar o ponto cego. Acho muito importante, até pq a maioria dos nosso carros não tem repetidores laterais de seta, uma coisa que deveria ser obrigatória, para é mais importante que um airbag.

      Excluir
    3. Que mania de carro filmado! Que obsessão! Será que ponto cego é mito? Quem vê 100% das motos que ficam xispando por todo lado? Esperto é quem dá seta quando lhe dá na telha???

      Excluir
    4. Eduardo
      Concordo, e já disse isso aqui, repepetidoras tinham de ser obrigatórias. Mas você tem ponto cego no lado direito mesmo com espelho convexo?

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    6. Um carro pode ter três espelhos, mas ele tem pontos não cobertos por nenhum. Por exemplo, um carro imediatamente do lado não aparece no espelho direito, mesmo convexo. É preciso se olhar sobre o ombro sempre, seja para uma manobra à direita, seja à esquerda.

      E, concordo, especialmente em trânsito pesado, a seta na lateral ajuda a informar outros motoristas sua intenção de virar.

      Excluir
    7. Augustine
      Desculpe, mas com espelho interno e dois espelhos externos convexos, os três corretamente ajustados, não há ponto cego.

      Excluir
    8. Mesmo com mínima interseção entre as áreas dos espelhos, um caro atrás da coluna B de qualquer lado está num ponto cego. Espelho convexo no lado esquerdo cobre este ponto cego, mas não no lado direito.

      E depois, e se for a noite e alguém estiver trafegando com luzes apagadas ou com alguma queimada?

      Convenhamos, sua atitude é imprudente e achar que as regras de trânsito não se aplicam a você, mas apenas aos outros, é um tanto arrogante. E não fui único a ter chegado a mesma conclusão neste fórum. Sua posição como jornalista automobilístico apenas agrava esta sua atitude lamentável, pois está incitando outros ao mesmo comportamento imprudente por seu exemplo e a quebrar normas de trânsito por achar que está acima delas. Você bem pode insistir com esta atitude, mas não acho que vá satisfazer aqueles responsáveis pela fiscalização do trânsito. Dura lex, sed lex.

      Excluir
    9. Bob, há sim pontos cegos traseiros que mesmo com três espelhos corretamente regulados não se consegue evitar, principalmente se o carro tiver colunas C excessivamente grossas.

      Excluir
    10. Se há ponto cego até para a frente (a famigerada coluna A larga dos carros atuais), quanto mais para os outros lados...

      Excluir
    11. Ultimamente a moda é trocar o espelho esquerdo convexo por um plano e botar sacos de lixo G5 nos vidros. Fico pasmo.

      Excluir
    12. Bob,

      Atualmente tenho um Gol G4, minha esposa tem um Mille e meu filho um Corsa. Se uma motocicleta posicionar o pneu dianteiro na altura da porta traseira direita do carro a mais ou menos 1,8 de distância lateral, ela não irá aparecer no retrovisor de nenhum desses 3 carros. Uma mudança de faixa desatenta pode não colidir com o motociclista, mas se for um iniciante pode se assustar e causar um acidente.

      Excluir
    13. Não existe ponto cego nos carros? Isso é mesmo um blog de "AUTOentusiastas"?
      Não acredito no que estou lendo, não é possível. Me diga que alguém roubou sua senha, que não é você que está postando uma asneira dessas.

      Bom, só tenho que dar os parabéns pelo feito. Boa parte dos fabricantes não conseguem resolver os problemas relacionados aos pontos cegos. Seria útil se você trabalhasse em algumas dessas fábricas para poder dar dicas, dizer como devem ser posicionados os retrovisores.

      Continuo na torcida para que você recupere sua senha, afinal, quem roubo não entende NADA de trânsito e/ou automóveis.

      Excluir
  8. O Corsário Viajante,

    Essa é uma das situações em que dá para ver que o cara é chato mesmo: existe um carro ultrapassando caminhão (ou uma fila de carros) em uma via de sentido único, como rodovias duplicadas, e fica um chato atrás colado e piscando o farol, como se o cidadão da frente não encostasse para a direita porque não quer. Ora, será que o chatão quer que alguém se jogue embaixo do caminhão para que ele ultrapasse?

    Aqui em BH ocorre um efeito interessante quanto ao uso da seta, além desses que o Bob citou: se o cara vai entrar em uma rua/via lateral, ele liga a seta um km antes!! Nunca entendi isso.

    Detesto o espertalhão que "liga o dane-se e entra" sem tomar conhecimento de nada, mas o outro extremo também é intrigante, pois muitas vezes o sujeito dá seta para mudar de faixa, você vê que ele vai entrar à sua frente e até reduz um pouco a velocidade para que ele entre com toda facilidade possível, e mesmo assim o incrédulo condutor não entra. Fica algumas centenas de metros avisando que vai mudar de faixa até que, vendo a rua que lhe interessa se aproximar, vendo seu tempo se extinguir e, diante dos gestos que faço com as mãos para que ele acredite que eu não vou atrapalhar sua manobra, finalmente toma coragem e muda de faixa. Será isso trauma da má educação alheia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo, eu também sou adepto de dar espaço para quem sinaliza que vai trocar de faixa quando o trânsito está lento, 90% do tempo que ando de carro em BH durante a semana. Mas tu há de concordar que infelizmente esta não é a regra. Eu não sou daqui, sou do RS, e estranhei muito que quando tu precisa trocar de faixa e da pisca, o pessoal tem o hábito de ao invés de dar espaço, acelerar para não deixar que o outro entre, além disso, o pessoal do nada troca de faixa, te fecha e "nem tchum". E pode reparar, as mulheres são as que mais se atravessam e não dão espaço (nada contra as mulheres dirigindo, a minha dirige muito bem por sinal!), parece que é questão de honra até. O trânsito daqui é um horror, até mudei o horário de trabalho para poder sair mais cedo e não me irritar tanto com congestionamentos bobos, causados por pessoas que acham que pisca-alerta serve para anular placa de proibido parar e estacionar...

      Excluir
    2. Joaquim Nogueira19/03/12 22:36

      Sobre ver alguém se aproximando com a seta ligada tentando mudar de faixa e acelerar, tem um contexto em que eu acho que todos deveriam fazê-lo: quando chega alguém tentando furar fila. Além de ser falta de respeito do sujeito com quem veio na fila desde lá atrás, ainda criam-se segundas (em alguns casos até terceiras) filas. Um exemplo é o anel rodoviário de BH. Sempre, especialmente em horários de pico, próximo a alguma saída, tudo para, com os espertinhos em segunda fila tentando entrar com a seta ligada. Se ninguém deixasse essas pessoas passarem, eles não o fariam todo santo dia.

      Por outro lado, considero muito importante buscar dar passagem aos que sinalizam a intenção e aguardam. Faz toda a diferença.

      Excluir
  9. Concordo com o Bob em partes, porque às vezes é preferível o excesso do que o contrário. Embora, também não tenha o hábito de acioná-las quando estou sozinho na estrada.

    Agora, ficar na transversal a espera de um motorista desatento que não sinaliza que vai entrar é dose. Nesses casos, a buzina corre solta.

    ResponderExcluir
  10. Augustine, sou obrigado a concordar com você! Melhor pecar por excesso.
    A questão, em minha opinião, é termos um trânsito em que é cada um por si e azar dos outros! O grande problema são os que pensam que a seta - ou o pisca-alerta - os autoriza a efetuar qualquer manobra, sem o uso do retrovisor! Esquecem-se estes que a seta é indicativa e não uma autorização!
    Eu uso a seta SEMPRE, mas "SEMPRE" significa que já verifiquei por meio do espelho retrovisor e estou apenas indicando, mesmo que não haja ninguém à vista.

    ResponderExcluir
  11. Vejo por aqui que a seta é muito mal utilizada.

    Na estrada sempre tem o "traseirista" andando a 160 por hora que não respeita quem está ultrapassando outro veículo e fica com a seta ligada pra dizer "estou passando", acho isso ridículo, mas mais ridículo é um hábito muito perigoso que tenho visto recentemente.
    A maioria dos condutores da cidade não usa a luz de seta pra nada, isso atrapalha bastante em rotatórias, cruzamentos com pare e especialmente quando se é pedestre, mas agora eles passaram a utilizar a seta quando estão na faixa central da via e querem entrar em outra via, simplesmente ligam a seta e cortam sua frente com o pressuposto de que "eu sinalizei, vou passar", penso que a maioria presume que você vai virar também só porque está na faixa da esquerda ou direita.
    E não é questão de existir sinalização na pista sobre as conversões, eles fazem isso o tempo todo.

    O pior é que, se houver um acidente sem vítimas, não há perícia, a polícia sequer vai até o local registrar a ocorrência.

    ResponderExcluir
  12. Mesmo sozinho na via, não custa nada. É um simples movimento de dedo. Faço por precaução, pois pode ser que haja um outro carro que, por acaso, eu não tenha visto.

    ResponderExcluir
  13. Muito pior que usar as setas sempre é não usá-las nunca. Podem reparar que quem não as utiliza geralmente é aquele motorista do tipo "estou cagando e andando para tudo". Costumo usar seta sempre, exceto quando tenho a absoluta certeza de que não há ninguém (condutores ou pedestres) a centenas de metros distância. Não entendo essa birra com quem apenas cumpre o que está expressamente determinado no CTB, ao mesmo tempo em que se exalta a rigidez com que em certos lugares dos EUA se obedece às placas de pare, mesmo em locais em que é perfeitamente possível e seguro apenas reduzir a velocidade para observar a via que se pretende cruzar ou ingressar, sob a alegação de que "a lei manda parar e ponto final".
    Luciano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, há que se ter bom senso, e estar ciente das determinações do CTB, e suas falhas.

      Excluir
  14. Ah, o uso da seta. Deveria ser obrigatório um mini curso sobre esse valioso instrumento a todos os donos de Civic's, Corolas, Sentras e demais sedãs médios. E impressionante a incapacidade desses tiozões em sinalizar suas intenções, as vezes chego a pensar se a seta é equipamento opcional caro nestes carros, que os donos acabam não pedindo na concessionária.

    Esses dias eu tive que juntar forte no freio porque um zé ruela de Fluence resolveu mudar de faixa subitamente sem sinalizar, eu estava a 60km/h e quase na altura da mala do carro dele. Obviamente mandei recomendações a progenitora do sujeito ao mesmo tempo em que dava uma bela buzinada de afundar o volante pra dentro da coluna. Sabe o que o cretino fez em resposta? Já na minha frente piscou a seta umas 2 vezes, como quem diz "era por falta de aviso? tá aí então!". Minha vontade era descer no próximo sinal com a chave de roda na mão e quebrar seta por seta, já que o FDP não as usa mesmo. Que ódio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acrescentar os mautoristas de SUVs à sua lista, rs.

      Excluir
    2. no Vrum uma motorista de SUV disse que qdo ela dá seta os carros saem na hora, pq o carro dela impõe respeito. O pessoal corre é de medo... hehehe

      Excluir
    3. Quando eu estava com o i30, na descida da Washington Luís sentido sul, um Civic mudou de faixa de repente e sem sinalizar quando eu já havia começado a ultrassá-lo. Por muito pouco, coisa de milímetros, não devolvi o carro à Caoa no dia seguinte com danos na dianteira lado direito ou com a roda dianteira esquerda demolida. Foi como se eu não estivesse ali.

      Excluir
  15. Bob,

    Já que você usou Campinas aqui a seta funciona de outra maneira.

    Quando você dá seta para a esquerda e sinaliza a ultrapassagem, o carro que se aproxima tenta de todas as formas impedir sua ultrapassagem acelerando tudo o que puder.

    Quando você dá seta para a direita, indicando que vai voltar para a pista da direita assim que acabar a ultrapassagem ou para avisar um caminhão "vai você"
    o campineiro acredita que você irá abortar a ultrapassagem para não atrapalhar
    o "preferido do universo".

    Carros acima de R$80.000,00 estão isentos de andar na pista da direita, dar seta e respeitar os limites de velocidade, afinal eles são a "nata".

    Abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Paraná é a mesma coisa...

      Excluir
    2. Aqui no Tocantins e em Goiás são temidos os "reis das estradas", as Nissan Frontier e Toyota Hilux, dirigidos por pessoas que só querem mostrar sua condição social e seu status passando por cima dos outros "mortais" de carro 1000 nas estradas.

      Esses sujeitinhos não dão seta ao ultrapassar, ou melhor, nem esperam voce terminar a ultrapassagem e já colam na sua traseira piscando o farol, pois a picape deles de 180 cavalos andam muito... e com um burro no volante andam mais ainda !

      Desculpa o desabado, Bob, mas é que isso me irrita muito e vejo muitos acidentes por aqui por conta da imprudência de 99% dos donos desses utilitários ! Falei sobre isso num dos primeiros posts em meu blog (visite-o).

      Excluir
  16. O maior problema, aqui no Brasil, é que boa parte dos motoristas dirige para si apenas, se considerando o dono da rua e danem-se os demais. Esses imbecis ignoram o bom senso e não estão nem aí para sinalização do carro à frente. Onde moro tem movimento razoável nos horários de pico. Meu prédio fica no meio de uma quadra relativamente curta, que deixa poucos metros entre a esquina e a entrada do prédio onde moro. Já cansei de ver quantas vezes os idiotas que vêm atrás simplesmente ignoravam a seta à direita que sempre usava, indicando que iria parar, para então entrar no prédio, assim que o trânsito permitisse. Comecei então a "dar um nó" nas regras de trânsito, usando o pisca alerta alguns metros antes da esquina, deixando claro que vou parar. Mesmo assim, sempre existem alguns idiotas que ficam nervosinhos, como se fosse crime ter que parar ou desviar do carro à frente.

    Algumas vezes chego ao absurdo de dar nova volta no quarteirão (!) para evitar o risco de algum retardado encher a traseira de meu carro, pois pelo retrovisor observo tratar-se de um babaca ao volante do carro atrás, justamente pelo comportamento "gersista" do imbecil. Esse país já deu o que tinha que dar, jamais irá melhorar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também morava num quarteirão curto em SP onde o trânsito - surpresa! - poderia ser bem pesado. Então, a fim de avisar com antecedência minha intenção de virar, além da seta, dava um leve toque no freio para acender as luzes traseiras enquanto continuava a manter a mesma velocidade. Quase conseguia que aquele vindo atrás reduzisse e abrisse mais espaço entre nós.

      Excluir
    2. O cara que vinha atrás reduzia para ficar longe de você, seu chato de galochas.

      Excluir
  17. luizborgmann18/03/12 14:02

    Já fui avaliador para a obtenção da CNH. É dificil avaliar o candidato, é preciso imparcialidade e bom senso, porque às vezes o sistema nervoso o impede de mostrar suas reais condições. Quando ele senta no banco, você já olha, automaticamente, qual o procedimento, como se você o estivesse fazendo. A tremedeira ao pressionar o pedal da embreagem, a camisa molhada de suor, acertar os espelhos...Ainda lembro de meu exame para obter a CNH, o medo do avaliador...Mas o uso da seta é imprescindivel em qualquer situação, ou até mesmo o aceno de braço, como antigamente. Demonstre antecipadamente a sua intenção, é a segurança sua e dos outros.
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
  18. Indicar intenção de virar as vezes é complicado. Dia desses estava eu sozinho numa rua de bairro, e ia virar a direita, e vi um casal atravessando onde eu ia virar, então sinalizei como sempre faço, mesmo quando não tem ninguém, então foi aí que o casal começou a andar mais devagar. ô raça.

    ResponderExcluir
  19. As vezes quando tem alguma barreira mais à frente ou mesmo uma blitz que fecha uma ou duas faixas e eu tenho que ir para a faixa liberada , dou seta mas não adianta muito, um sem números de motoristas avançam e não deixam passar, so depois de um tempo que consigo entrar. Quando estou com alguém no carro, dou seta e como acontece isso frequentemente de os motoristas da faixa liberada avançarem e não permitir minha entrada peço ao carona acenar com a mão, só assim consigo e deveriam deixar entrar só pelo uso da seta.
    Também outra coisa que acontece muito comigo, estou querendo passar de faixa, dou seta e o engraçadinho que está no carro atrás se adianta e passa primeiro, detesto isso.

    Rodolfo Milet
    Brasília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entrar no fluxo da faixa ao lado é complicado quando ninguém permite. Mesma coisa quando vc quer sair de ré de um estacionamento a 45° na rua e ninguém te dá a vez, tem que ficar esperando aparecer alguém que esteja querendo estacionar ali também, pois será o único a parar pra vc sair.

      Excluir
  20. Rafael Ribeiro18/03/12 15:45

    A falta e educação no trânsito, tão mencionada nos diversos comentários, é reflexo da falta de noções de cidadania de nosso povo, a cada dia mais individualista, egoísta e grosseiro.

    Seja no uso ou não da seta, da cortesia ou falta dela, não importa a classe social ou o preço do carro, como muitos citaram acima, a falta de educação e cidadania é generalizada, em qualquer âmbito. Por que seria diferente no trânsito?

    Na realidade, o trânsito tem potencialidade de aumentar a agressividade e falta de educação, porque os condutores se sentem por trás de um escudo, e assim se sentem mais "à vontade para barbarizar". Isso é fato conhecidíssimo, já retratado até em desenho animado antigo da Disney, onde o pacato personagem Pateta virava um "capeta" quando sentava ao volante.

    Se os motoristas comuns não respeitam as regras mais elementares de direção civilizada, imagine se vão ter bom senso de usar a seta quando necessário... Falta muito "chão" para chegar a esse ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro
      Concordo que falte muito chão, mas ficarmos estáticos, achando que é assim mesmo, é o pior a se fazer.

      Excluir
    2. Rafael Ribeiro18/03/12 17:09

      Certamente, ficar estático jamais. É por isso que aprecio quando uma questão polêmica é lançada, faz com que todos pensem um pouco e assim possamos chegar a alguma conclusão: Mudamos de hábito ou mantemos o atual? Podemos melhorar? Como fazer com que os outros melhorem também? O negócio é divulgar as ideias e pressionar órgãos oficiais a funcionarem melhor, de acordo com as necessidades do povo.

      Excluir
    3. Rafael e Bob,

      Penso exatamente como vocês. Faço minha parte, procuro sempre seguir as regras de boa conduta e cidadania, aconselho sempre que possível, mas não tenho esperanças de ver as coisas melhorarem nesta terrinha tupiniquim, ao menos a médio prazo. Só o que vejo é piorar, em todos os setores...

      Excluir
  21. Bob, esse seu método informado no último parágrafo pode funcionar aí nas estradas de São Paulo, onde as pessoas AINDA tem um mínimo de educação. Tente fazer isso aqui nas ruas e estradas de Aracaju/SE...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thales Sobral
      Já experimentou o método na sua região?

      Excluir
    2. Sr. Thales, a imagem que tem do paulistano médio é muito idealizada. Ele não é mais educado que o brasileiro médio, e, como se submete a situações de maior estressse, acaba tratando os companheiros de trânsito até com mais grosseria que os brasileiros de outros lugares.

      Excluir
    3. Ah, Paulistanos médios, "não ser mais" alguma coisa é diferente de "ser o menos" dessa coisa. Diria que em educação não-formal quase todos brasileiros se equivalem.

      Excluir
    4. Thales, nas estradas de São Paulo realmente é sossego usar a seta e as pessoas agem conforme o script quando se usa esse acessório de segurança ativa. Porém, na capital, se você dá a seta antecipando a passagem de faixa, estranhamente os motoristas que veem passam a avançar para cima do espaço que seria ocupado pelo motorista que tenta mudar de faixa, como se estivessem com raiva daquele que apenas e tão somente tenta sinalizar de maneira segura sua intenção.
      Acaba sendo mais efetivo o lance de dar uma acelerada suficiente para abrir uma distância que no mínimo equivalente ao comprimento de um caminhão médio (preferencialmente que seja de carroceria focinhuda e entre-eixos longo) para só aí dar a seta e entrar no espaço vazio.

      Excluir
    5. Bob,
      O que comento no meu texto é justamente porque tento (muitas vezes sem sucesso) utilizar o método. Aqui (estou em Aracaju/SE no momento) é comum as pessoas ultrapassarem pela direita, simplesmente porque tem gente que gruda na faixa da esquerda e não sai de lá nem por decreto. Pode dar seta, jogo de luz, buzinar, ficar atrás esperando a vida toda, a pessoa não sai. Na estrada, situação semelhante. É lamentável.

      Anônimo 01:31PM,
      Isso é verdade, no trânsito da capital a coisa fica mais selvagem. Mas na capital, geralmente as avenidas estão cheias de veículos, de modo que não há espaço para ultrapassagens nem para lentidão, é praticamente obrigatório (e bastante prudente) andar no mesmo ritmo dos outros carros.

      brauliostafora,
      Com o stress do trânsito, todos acabam se tornando mais rudes, mas a minha observação não é pontual, morei 5 anos em Aracaju, 2 anos em Campinas, e estou há 3 meses no Rio de Janeiro (mas no momento atual estou em Aracaju), é notável a diferença de atitude dos motoristas nessas regiões. Sem falar na agradável educação dos motoristas nas estradas de Minas Gerais, que infelizmente é esquecida assim que entram em Belo Horizonte e Betim...

      Excluir
    6. Se você acha que motorista de SP ainda tem um mínimo de educação, vem dirigir em Guarulhos, vem...

      Excluir
  22. É ISSO AÍ BOB, PAU NA SETA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não senhor, não pode trafegar com a seta quebrada!

      Excluir
  23. Acho que o "excesso" de utilização não atrapalha e ainda ajuda a ficar automatizado o processo. O problema de usar "racionalmente" e vc não usar quando deveria usar, pois achou que não era necessário. Nem sempre vemos todas as motos, pedestres, etc e o uso do "pisca" pode evitar uma consequência grave.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo Mar 18 12:08
      Quem não sabe quando é necessário usar seta precisa se reciclar urgentemente.

      Excluir
    2. Concordo, Bob. Mas isso não impede que uns 80% dos motoristas usem a seta em situações absolutamente impróprias, como não sinalizar a conversão ou sinalizar e não efetuar conversão nenhuma.

      Excluir
    3. Concordo, Bob. Quem não sabe quando é necessário usar seta de fato precisa se reciclar urgentemente.

      Aconselho você procurar uma auto-escola próxima e iniciar o curso. São poucos dias, acredito que boa parte você já saiba, não vai ser difícil pra você.

      Talvez essa "reciclagem" não precise ser feita em uma auto-escola, apenas reavalie seus conceitos.

      Seta é necessário sempre.

      Excluir
  24. Também uso a seta quando há necessidade.

    Com esposa e/ou filha a bordo, uso seta em todas ocasiões onde ela é obrigatória. É incrível como as mulheres são críticas ao não uso sa seta, mesmo que a situação não necessite.

    Bob, não consigo abrir o restante do post do Corvette , do Arnaldo, nem visualisar os comentários. Só lá acontece isso, e desde que foi postado.

    ResponderExcluir
  25. Alexei
    Chequei agora e abre com o Firefox (meu navegador padrão), IE 9 e Chrome, mas NÃO abre com o IE 8. Por que, não tenho idéia. Por que não baixa o IE 9? É bem melhor que o IE 8.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob, o meu é IE 9 e também não abre. Só aparece o cabeçalho do site, o título e a foto do Corvette. Não dá nenhuma mensagem de erro.

      Excluir
    2. Abandonem o IE!! Só dá porblema!!

      Excluir
    3. Mineirim
      Essa agora foi surpreendente. Vou tentar republicar o post. Pelo menos tenho como testar via o meu IE 8 que está no meu PC (o IE 9 está no netbook).

      Excluir
    4. Não sou programador, mas entendo um pouco de informática. Apertei F12 para abrir a página de "depuração" e deu a seguinte mensagem na guia "script": "SEC7115: Os estilos :visited e :link só podem diferir na cor. Alguns estilos não foram aplicados a :visited.
      o-427.html".

      Testei em outros notebooks com o IE9, tanto com Vista quanto com o Windows Seven. O resultado é o mesmo. Deve ser algum código que outros navegadores ignoram e o IE9 para de executar. hehe

      Excluir
    5. Bob, uso sim o IE 8 e vou trocá-lo então pelo IE9, o texto do Corvette merece a visita completa.

      Excluir
    6. Nada feito. Instalado o IE9, com todas as atualizações, segue o 427 truncado, F12 e sistemas tudo no IE9, F5 para refazer e nada do Corvette. Só foto. Não abre.
      Bob, se puder repostar o que suponho excepcional texto do Arnaldo, fico-lhe grato.

      Excluir
  26. Uma curiosidade está na utilização da seta gerada por atos culturais. Caminhoneiros brasileiros, quando querem avisar quem está atrás para que o ultrapasse, dão seta para a direita. Se não é para ultrapassar porque há algum perigo adiante, dão seta para a esquerda.
    Porém, os caminhoneiros argentinos usam a seta de maneira oposta aos brasileiros. Isso estava pondo em risco os turistas da terra de Gardel que nos visitam todo ano. Houve uma vez em que inclusive imprimiram folhetos para orientar os argentinos que aqui entravam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo Mar 18 01:25 PM
      Essa intepretação dúbia existe nos EUA também. Por isso essa sinalização de pode/não pode ultrapassar foi proibida há alguns anos.

      Excluir
  27. Pisca Pisca só em árvore de Natal.

    Aki na roça infelizmente é assim.

    ResponderExcluir
  28. Sei lá, Bob, se não vem outro carro atrás não ligo a "seta" (que por aqui chamamos "pisca") de jeito algum.
    Assim como em ultrapassagem, na estrada, não vejo necessidade de acionar a seta para a direita quando se entra na frente do veículo recém-ultrapassado. Parece-me que é uma consequência óbvia, se um veiculo ultrapassa outro, é evidente que vai deslocar-se à direita para voltar à pista da sua mão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CSS
      É exatamente isso a que me refiro.

      Excluir
    2. CSS

      Quando estou em pistas com mais de 1 faixa eu faço questão de usar a seta dizendo que estou retornando para a direita, pois espero que os 'latifundiários da pista da esquerda' percebam que se deve retornar à direita assim que usar a faixa da esquerda para ultrapassagem.

      Excluir
    3. Certo, você não liga a seta em uma estrada quando não tem ninguém na sua frente ou atrás de você.

      Você, garoto esperto, resolveu economizar algumas partículas microscópicas do seu corpo ao não acionar a seta, evitando o atrito do seu dedo com a alavanca utilizada para sinalizar. Mas acontece que você não percebeu que naquela imensidão de reta, que daria para ultrapassar 20 carros enfileirados, existia uma pequena estrada, onde um carro verde, camuflado atrás de alguns pés de cana de açúcar, verificando que não existe ninguém em sua faixa e que ninguém sinalizou a ultrapassagem, simplesmente resolve entrar no sentido contrário ao seu.

      O que vai acontecer nessa situação?

      1) O garoto esperto continuará economizando um pedaço do seu dedo, mas o resto do corpo talvez não esteja mais interligado a ele após uma colisão frontal com o carro verde;

      2) O garoto esperto buzina como um louco, retorna para a sua faixa, xinga o condutor do carro verde e ainda comenta com o carona "Você viu? esse filho da @@@@ entrou na estrada sem avisar nada, espero que morra sozinho";

      3) O condutor do carro verde, ao perceber que o garoto esperto começou a entrar sem sinalizar, reduz, joga o carro para o acostamento, segura a buzina e pensa "É por causa de irresponsáveis como ele que existem tantas mortes no trânsito".

      Ah tá, já sei sua resposta: "Mas eu não iria entrar, eu tenho uma visão muito boa, sou especialista em cana de açúcar, adoro todos os derivados dela e com certeza conseguiria enxergar o carro verde camuflado", ou então "A culpa foi dele, ele deveria ter esperado todo o comboio de carros que trafegavam do lado oposto para poder entrar na rodovia".

      Parabéns, isso mostra pra todos nós como os 'Especialistas' também podem falhar e que não devemos seguir exemplos e sim respeitar as normas.

      Excluir
  29. Ferreirafp18/03/12 17:36

    Sabe, é muito melhor estar em um trânsito onde os motoristas sinalizam com seta tudo o que irão fazer do que com aqueles esquecidos/descuidados que fazem conversões e ultrapassagens sem sinalizar. Ou será que é só eu que percebo isso? Viajo bastante, só neste verão fiz 8000 km com minha família, e como é difícil dirigir quando as pessoas acham que não necessita sinalizar o que irão fazer. Concordo que as vezes não é necessário, mas o que ocorre é que se faz do não necessário um hábito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrevi coisa parecida logo abaixo. Concordo plenamente com vc, Ferreirafp. Em vez de ficar falando de quem usa, deveria se preocupar com a maioria que parece que está dirigindo em seu próprio quintal.

      Excluir
  30. Outro exemplo de mau uso da seta no Brasil: achar que isso lhe vai dar imunidade praticamente parlamentar às leis da física. Lá está você na faixa mais externa preparadinho para virar uma esquina da maneira mais adequada possível para a segurança (o velho lance de frear na reta, tangenciar e abrir na saída) e, na hora da tangência, alguém parido por uma praticante do ofício mais antigo do mundo na faixa imediatamente do lado aparece do nada (obviamente estava no ponto cego) e impetuosamente vem com a seta ligada e dando aqueeeeeela fechada em você, obviamente no momento em que você deu aquela abridinha (obviamente mantendo-se dentro da largura da faixa) para dar a tangência, o que te obriga a frear de súbito e abortar a tangência (inclusive tendo de fazer a curva com raio mais aberto). Obviamente que também será muito comum que o semáforo faça aquela trollada básica de fechar bem após você começar a acelerar após o desgraçado fazer isso.
    Outro exemplo de mau uso de seta está em carreteiros que costumam sair abruptamente do acostamento, obrigando um motorista que vinha normalmente pela pista a fazer um teste do alce básico. Já vi isso acontecer em uma vez que eu estava de carona e todo mundo no carro achou que iria morrer, tão súbita foi a entrada do tal carreteiro. O que custa ao carreteiro trafegar um pouquinho a mais no acostamento para entrar de maneira mais suave e sequer vermos a carreta pivotear sobre o engate de tão suave a entrada?

    ResponderExcluir
  31. Mesmo sozinho na rua às vezes uso a seta por mero costume, pois já faço por puro reflexo. É meio como colocar o cinto de segurança, faz falta não usar. Mas é melhor que a grande maioria dos motoristas daqui da minha cidade (interior de SP), que não usam a seta ou usam de forma incorreta. Por exemplo, a maioria dos motoristas daqui só liga a seta no momento em que já está iniciando a manobra (não adianta pra nada!), não entendem que a seta só é útil se for acionada com antecedência, senão só serve pra mostrar que é mais um motorista que tirou a carta "pelo correio".

    ResponderExcluir
  32. Eu uso seta sempre. Não custa nada, não atrasa minha viagem, é fácil, rápido, legal, e não corro o risco de esquecer de usá-la quando devo.
    Prefiro pecar pelo excesso do que pela omissão.

    ResponderExcluir
  33. Junior Valias18/03/12 19:32

    Eu dou seta SEMPRE, para que até os desencarnados possam me ver, mesmo que inexistam encarnados por perto. É reflexo e é simples assim. Não concordo com as assertivas de que estando os espelhos regulados, não existem pontos cegos, pois a dinâmica do trânsito impede que tenhamos sempre o controle de tudo que acontece à nossa retaguarda. Aliás, mesmo com tudo ajustado, podemos falhar, e a seta usada SEMPRE, pode fazer a diferença, pois, mesmo sem vermos, podemos ser vistos. Se existir 0,0000001% de chance de aumentar a minha segurança e a de terceiros, eu uso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Junior Vallas
      Discordo, não existe dinâmica de trânsito que impeça de termos total visão da retaguarda e lados. Esse, inclusive, é um dos pontos em que vidros com películas prejudicam, pois olha-se os espelhos externos através dos vidros laterais dianteiros.

      Excluir
  34. Gosto do muito das postagens do Bob Sharp, mas acho que desta vez ele não foi muito feliz.

    ResponderExcluir
  35. Felix
    Por quê? Por eu não usar seta indiscriminadamente, sem necessidade e achar impróprio fazê-lo? Essa foi justamente a razão deste post, senão ele não existiria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Bob Sharp,
      Creio que discutir o bom uso da seta é ok. Mas acho que no nível atual de educação de trânsito é temerário falar em situações de uso desnecessário. Quantos já não foram traídos por um ponto cego? Principalmente em tempos que muitos nem enxergam direito o trânsito por causa das películas escuras. É melhor primeiro o motorista internalizar o uso da seta, pois ainda existe uma maioria que nem usa mesmo (principalmente aqui no interior). Parece aquela conversa do começo da obrigatoriedade do cinto, em que o sujeito desdenhava porque era só para ir à padaria da esquina!

      Excluir
    2. Não usar o pisca quando não parece necessário é a mesma coisa que não colocar o cinto pra andar no quarteirão da sua rua, afinal são só duas curvas e duas retas à 15 km/h, não?
      Pode não ter ninguém a vista, mas e fora de seu campo de visão?
      Espelhos não fazem você ver alguém saindo de uma garagem ao seu lado, visão periférica também não. Alguma curva cega, vegetação e diversas outras coisas.
      Se a pessoa não vê seu carro, pelo menos a luz ele pode ver...

      Excluir
    3. Era isso mesmo o que eu queria falar! Félix e Paulo Lange disseram tudo!
      Ora, não custa nada um toquinho numa alavanca antes de uma manobra, por mais boba que pareça (ainda mais que as setas "desligam automaticamente, o motorista deve apenas "ligar") eu, sinceramente, prefiro pecar pelo excesso.
      Moro numa cidade turistica, então, mesmo em vias de sentido obrigatório uso as setas, para indicar a um possível visitante que esteja atrás de mim. Ainda mais que nem todo lugar conta com boa sinalização por placas.
      (uso as setas tanto quanto uso as vírgulas rsrsrsrs).

      Excluir
  36. Eu sinceramente não entendo alguns posts desse Bob Sharp. Numa época onde pessoas morrem atropeladas na calçadas, são destroçadas por algum carro que avança sinal, vem ele e fala que seta em excesso causa acidente. Tenha dó! Nunca, nunca passei por apuros por causa de motorista que dá seta "desnecessariamente". Eu sempre dou seta, mesmo que não tenha carro por perto. E tenho plena certeza que nunca prejudiquei alguém. O autor, ao contrário, deveria fazer um post sobre a falta de uso dela, sobre essa coisa de todo mundo se atentar apenas pelos mimos que o carro tem do que se preocupar em dirigir bem.

    João Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JP,
      Ótima sugestão: a "falta de uso" é a grande causadora de insegurança ao trânsito.
      Bob, me desculpe mas dessa vez o post foi infeliz.

      Excluir
  37. Oficina Brasil18/03/12 23:17

    Lembro do ADG Hight Torque que fez um vídeo só para rebater e pregar o uso automático da seta. E agora ele anda dirigindo nos states, agora é que vai ficar bobo mesmo. Daqui a pouco vem um video pra falar que espelho esquerdo convexo é perigoso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. xiii... o concorrente com inveja?

      Excluir
    2. Eu lembro disso. Ainda bem que ele retirou o filme. Mas se continua dando seta pra fantasma aí eu não sei kkkkkkkkkkkk

      Excluir
  38. Procuro dar seta mesmo para situações em que estou aparentemente sozinho, pode parecer besteira, mas posso ter cometido algum descuido de não ter olhado corretamente nos retrovisores, de ter uma moto no ponto cego, apesar de sempre tentar dirigir muito atento, podemos cometer erros que podem causar um acidente. Com o tempo a utilização da seta acaba ficando automatizada ao modo dirigir, é instantâneo para mim sempre que vou mudar de faixa por mais que não tenha ninguém, uso, é melhor pecar pelo excesso do que pela falta de segurança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente. Qual o problema de "parecer bobo"?

      Excluir
  39. Só não concordo com o primeiro exemplo, não dar seta sem que "ninguém" veja. Pode ser que o carro da frente esteja pensando em mudar para alguma faixa e ao ver, pelo retrovisor, a sua indicação, ele permanece onde está, ou até mesmo facilita a sua ultrapassagem, tirando o pé...

    ResponderExcluir
  40. Marcelo Junji19/03/12 00:08

    Achei esse assunto mais imprópio que a impropiedade do uso da seta.

    ResponderExcluir
  41. André Andrews19/03/12 02:11

    Outro detalhe é que, quem faz uso automátio das setas, primeiro aciona a seta para depois verificar o tráfego, o que acaba assustando desnecessariamente outros motoristas e prejudicando a fluidez do trânsito. E quem já observou o tráfego ao redor, obviamente não precisa dar seta pro Gasparzinho...

    ResponderExcluir
  42. Confesso que fiquei um tanto quanto preocupado com alguns comentários, ao afirmarem ser humanamente impossível certificar-se de todo o trânsito ao redor, sob justificativa de pontos cegos e dinâmica do trânsito.

    Pois eu digo exatamente o contrário: é perfeitamente possível sim observar o trânsito ao redor, de forma segura, sem essa de pontos cegos ou mudança rápida do fluxo de trânsito. As únicas vezes que "espremi" alguém ao mudar de faixa foi única e exclusivamente por descuido meu, ao não observar atentamente os espelhos retrovisores (e, quando isso ocorreu, fiquei revoltado comigo mesmo, pois agí de forma displicente ao volante, fato que não admito, sob hipótese alguma).

    E, nesses casos, a seta não serve de justificativa para a "fechada", pois ela simplesmente indica a intenção do motorista, jamais dá permissão incondicional para efetuar a manobra. O texto diz claramente isso. Aliás, esse é um fato comum, o pessoal sinaliza com a seta e boa, faz o que quer, sem se preocupar com o trânsito em geral. Mas isso é apenas um reflexo da cultura medíocre do brasileiro médio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo, é humanamente impossível manter-se concentrado e ligado em tudo o que ocorre ao nosso redor. Principalmente se dirigir mais de 30 minutos. Ouvimos som, reparamos nas mulheres que caminham na rua, lemos anúncios, pensamos nos problemas, nos filhos, na mulher, etc. É por isso que o uso da seta deve ser um hábito automático. O resto é baboseira....ficar analisando quando vou e quando não vou usar a seta, uma hora esquece e pode dar merda.

      Excluir
    2. Anônimo, seta é aviso de intenção. Esquecer de dar seta e provocar acidente é coisa de quem não consulta espelhos. Recicle-se!

      Excluir
  43. É ISSO AÍ BOB! PAU NOS VAGALUMES DA ESTRADA!!!

    ResponderExcluir
  44. Bob,

    Se os motoristas hoje não entendem o significado de uma placa PARE, imagine então analisar, raciocinar, refletir e decidir sobre o uso de seta... não exija muito dos miolos da macacada.

    ResponderExcluir
  45. Mais apologia a comportamento perigoso.... depois de apoiar o uso do celular agora defende o "nao uso" da seta....
    Tendo carros por perto ou não, precisa usar a ceta, a nao ser que o carro esteja equipado de um radar de 360o. que garante que nao haja outro veículo por perto. Custa usar seta ??

    O que isso tem a ver com "Auto Antusiasma" ?

    Eu uso seta até no meio do deserto, assim não perco o importante hábito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr,
      O que mais me preocupa nao é o uso da seta , mas sim que seu clube esteja sempre de banho tomado!

      Excluir
  46. Em tempo, quem tem certeza que nao existem carros por perto podia ler um jornal também ou fazer um lanche enquanto nao aparece nenhum carro pela frente....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso, pode falar no celular, dirigir a 200 por hora por que é "braço e entusiasta"...

      Excluir
  47. Este é o primeiro post em que discordo totalmente do Bob... Pelo simples fato de que podem existir outros veículos e, principalmente, pedestres que você não esteja vendo e para os quais a sinalização de sua inteção é importante. E vamos frisar a palavra intenção, pois a única coisa em que o texto realmente acerta que muitos acham que o fato de ligar a seta os dá direito de mudar de pista a qualquer momento.

    Não dar seta apenas "por que não tem ninguém" é um argumento sem relevância. Imagine se todos fizéssemos o que queremos somente pq ninguém está próximo?

    Realmente não imaginava que o Bob, que reclama até de quem usa farol de neblina durante o dia, aceite não usar a seta...

    Afinal, é um trabalho tão arduo acionar a seta?


    Abraços

    ResponderExcluir
  48. Bene : eu sigo os conselhos da minha avó!
    Cautela e caldo de galinha faz mal a ninguem.
    Prefiro pecar pelo excesso de zelo , mesmo que eu me ache um tolo dando seta qdo nao ha ninguem por perto!

    ResponderExcluir
  49. Bob,

    Sugiro voltar atrás no seu momento de análise e continuar fazendo o que vem fazendo com a seta a vida toda, é melhor, na boa.

    ResponderExcluir
  50. Cristian Pinheiro19/03/12 12:34

    Acontece bastante (para mim, por exemplo, que não costumo andar rápido), estou na rodovia e vem um carro mais rápido, quando aciono a seta quase causa acidente pois o indivíduo que vem mais rápido iria mudar de pista sem dar sinal (para ultrapassar pela direita) e, como eu avisei o que iria fazer ele acaba voltando pra pista rapidamente. Existe muita besteira no código, mas algumas regras se fossem cumpridas não teríamos problemas. Esta é uma dessas. Se te sentes um bobo fazendo isso e não fazes, deves te sentir uma bobo andando a 80 km onde se poderia andar a 140 e fazer isso. O problema é que cada um tem seu próprio entendimento das coisas e sem regras as coisas ficariam bem complicadas. Pelo que entendi do texto, se alguem se sente bobo ao parar em cruzamentos deve "sentar o pé" no pedal da direita.

    ResponderExcluir
  51. Bob, sou seu fã e leitor, mas neste assunto discordo de você. É impossivel dirigir com TOTAL atenção 100% do tempo. Ora ou outra está você pensando no trabalho, família ou em alguma coisa. Esse excesso de confiança, centraliza toda a responsabilidade dos atos em cima da total atenção do motorista naquele momento, já que pensando assim, ele já perdeu o habito de sinalizar as conversões automaticamente.

    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, seta é aviso de intenção. Dar seta não significa que automaticamente vc pode fazer o que pretendia. Esquecer de dar seta e provocar acidente é coisa de quem não consulta espelhos. Recicle-se!

      Excluir
  52. Acho tão boba essa discussão... Coloquei anteriormente alí q ligo a seta sempre. Qual é o problema nisso?? Não perco nada com isso!! Agora, também não vejo muito problema em agir como o Bob, não usando seta quando não há ninguém para vê-la. Contanto q quando houver gente para vê-la, ele faça o correto uso dela, ok.

    ResponderExcluir
  53. Concordei plenamente com o post, até a última linha, quando o autor sugere que cada um usa a seta como quer.

    Discordo totalmente, a função e lógica do uso da seta deve ser efetivamente COMPREENDIDA por todos os motoristas (algo que obviamente não o é) e está correta no que está descrito no post.

    'Grandes motoristas' conhecidos meus se apavoram quando veem que não estou dando seta ao mudar de faixa. Pensam que sou um idiota que acho que estou sozinho no transito, e altero o meu rumo sem me importar com os outros.

    Muito pelo contrário.

    Continuamente monitorando espelhos e quando necessário a mudança de faixa, me viro rapidamente para o lado e ligeiramente para trás a fim de checar totalmente a área e evitar os pontos cegos, bem como observar a velocidade dos carros que me cercam e analisar se na velocidade a que estou vou interferir na condução dos outros motoristas, se estes precisarão pisar no freio, mudar a trajetória para que eu me ajuste na sua faixa.

    É certo de que o sistema de trânsito no Brasil é muito mal monitorado e analisado, com um código muito mal descrito e pobre, com uma escola horrorosa que forma robôs, treinados para passar em uma prova de transito muito mal feita.

    É inacreditável a quantidade de gente que apóia que o uso da seta deve ser 'automático', instintivo. É um bando de gente que é adestrada a dirigir, mas não sabe um cacete sobre como o transito funciona, como eu me ajusto ao transito e como eu posso melhorar o transito dos outros ao meu redor.

    Com certeza estas pessoas atingem um perigoso nível de separação da tarefa de dirigir enquanto dirigem, e certamente fecham descaradamente muitos carros enquanto tentam mudar de faixa utilizando-se da seta.

    Sinceramente, penso que acham que se estão dando seta, se acham no direito de fazer o que quiserem. Um abuso total.



    Dirigir e lidar com o transito nas grandes cidades é uma tarefa cada vez mais complexa e estressante, precisamos de motoristas que atinjam um nível de compreensão da tarefa de dirigir e lidar com o transito da melhor maneira possível, sobretudo pensando no coletivo, e nunca somente em si, como na maioria das vezes acontece.

    Os problemas de um mundo capitalista, onde tempo é dinheiro, a pressa, o estresse, a raiva, tudo isto recai sobre os ombros do motorista quando ele interage no transito e com certeza isto reflete na sua maneira de dirigir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o mesmo Bob que defende padronização de sinalização viária - ex. semáforos - se contradiz dizendo que cada um usa uma sinalização (!) como quiser.

      Bom... falar o que de um cara que defende o Celta...

      Excluir
    2. Bem, se você não dá a seta nos casos em que não há carro por perto, a opção é sua. Mas não me venha aqui dizer que quem dá seta sempre não entende "o cacete" de trânsito. Mais, respeito, garoto.
      E não! A seta não se usa como cada um quer. Ela é obrigatória nas situações previstas no cód. de trânsito. Seta não é item opcional no carro. É obrigatório.

      João Paulo

      Excluir
    3. Não é o fato de dar seta automaticamente, mas sim o que está por trás disso.

      O cara que dá a seta automaticamente após pensar que é conveniente - para ele próprio - mudar de faixa é um problema, por que isto revela um sujeito distraído e desinteressado com o sistema o qual ele está interagindo.

      Via de regra o sujeito primeiro dá a seta e depois checa a área para ver se é possível a execução da manobra.

      Tal procedimento pode gerar transtornos totalmente evitáveis.

      Na estrada, por exemplo, você está ultrapassando pela faixa da esquerda, já sob alta velocidade, numa típica situação em que você tem um grande caminhão mais lento à frente, seguido de dois ou três carros 1.0, sem potência suficiente para tentar a ultrapassagem, e você com seu veículo 2.0 moderno, vê o espaço livre suficiente para livrar-se do transito lento à frente, bate a terceira, pisa fundo, 110, 120, 130... quando então aquele primeiro 1.0 lerdo, logo atrás do caminhão dá sinal, inicia a manobra e logo se dá conta que você vem atrás, muito mais rápido, numa colisão evidente. O sujeito do 1.0 volta repentinamente para a sua pista, todo cagado e tremendo.

      Você, cauteloso, ao ver que o carro 1.0 deu seta e em seguida iniciou a manobra, abandona a ultrapassagem, pisa no freio, e agora tem que negociar com os outros carros para que possa retornar à sua pista.

      Está feito o acidente.

      Esta situação é típica, acontece a toda hora a todo instante.

      Isto é sim coisa de gente que dá sinal automaticamente, coisa de quem só acha que sabe tudo, mas não entende bulhufas, e o pior de tudo, entra em discussão defendendo tal manobra, acha que não tem mais o que aprender, sobretudo falta-lhe humildade para aprender, e vai continuar fazendo desse jeito a vida toda, porque é assim que ele faz e é assim que é o certo.

      Revela-se um motorista distraído, um motorista perigoso.

      Excluir
    4. O problema principal não está em usar ou não usar e sim em COMO usar. Eu uso a seta sempre, mas uso-a como a prudência e a atenção mandam, com antecedência, avisando mesmo os que estão em meu entorno da minha intenção. Concordo plenamente que aqueles que ligam a seta conforme o movimento da mão ao girar o volante são um grande perigo.

      Excluir
    5. Exatamente, anonimo das 11:31 AM. Mas parece que tem muita gente aqui que não entende, ou não quer entender, que nem todo mundo fica com comportamento automatizado só porque usa a seta sempre.

      Excluir
  54. Bob, não tem muito a ver com o assunto do post, mas assistindo ao vídeo citado, percebi que você fica bem à vontade no Agile. Parece um carro espaçoso e bem confortável, e o painel estreito ajuda a dar essa sensação de espaço. É mesmo espaçoso assim? O carro é seu ou era aquele branco que você e o AK testaram?

    ResponderExcluir
  55. Carlos Grossi19/03/12 22:53

    O problema desse Blog é quem escreve os artigos achar que o mundo é perfeito, vejamos:

    "Não havia carro na faixa esquerda e eu estava de 10 a 15 km/h mais rápido que o carro ultrapassado e nunca poderia obstrui-lo. A seta foi absolutamente desnecessária naquela situação."

    Nesse caso, e se houvesse uma moto no ponto cego do carro? e se por distração você não visse um outro veículo vindo em alta velocidade a esquerda? Além de que a seta não é para avisar somente a quem vem atrás, mas também o veículo que você está ultrapassando, pois imagine que o veículo que você está ultrapassando inicie uma manobra de ultrapassagem do veículo a frete dele ao mesmo tempo que você... é muito comum e plausível de acontecer...

    "Na cidade, aproxima-se a esquina onde se vai dobrar à direita. Não há tráfego próximo e tampouco pedestras na rua em que se vai entrar. Qual a necessidade de seta? Nenhuma."

    E se o pedestre em questão estiver obstruído por uma arvore ou qualquer outro objeto na rua? Não é porque você não o viu que o pedestre não existe, sem a seta você além de não indicar sua intenção deixa seu carro em uma situação menos notável aos olhos do pedestre.


    Me desculpe a sinceridade mas, esse, junto com o artigo do "ABS pra que? eu sei usar meus freios" são os texto mais ridículos que eu já li nesse blog...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em todas as situações que você descreveu, a seta não faria a menor diferença, afinal você NÃO VIU nada que impedisse a sua passagem e mesmo assim iniciou a manobra, com ou sem seta não faz diferença, você entrará em 'rota de colisão' com outro veículo.

      Saber quem está ao seu redor é imprescindível, a seta não salva quando você não vê e mesmo assim muda o rumo do seu carro.

      Além do que não basta checar, dar seta e virar. Você tem que checar, dar a seta, iniciar a manobra e ao mesmo tempo continuar monitorando a área pelos espelhos retrovisores.



      Acontece muito de você ver um carro a sua frente dando seta e você ficar em dúvida 'será que ele está me vendo? será que ele vai entrar agora? ultrapasso, me livro desta dúvida ou freio e deixo ele entrar de uma vez?' e às vezes o sujeito foi é que se esqueceu do pisca ligado... aí é pra acabar.

      Excluir
    2. Carlos Grossi20/03/12 08:16

      Ah mas seta evita acidente sim, mesmo que você não tenha visto ninguém no retrovisor a seta dá a oportunidade de quem você não viu, te ver e saber a sua intenção.
      A seta dá a oportunidade ao motoqueiro no ponto cego de reduzir e dá a oportunidade ao pedestre desatento ver as luzes piscante no seu carro.

      Excluir
    3. Não interessa se tem alguém perto ou não, se é lei e está no Código de Trânsito deve ser cumprido. Agora, se algumas pessoas se julgam muito capacitadas para descumprir esta Lei, que sejam multadas.

      Por isso que acidentes ocorrem, muitos acham que são excelentes motoristas e que certos procedimentos obrigatórios são desnecessários ou somente para iniciantes.

      Excluir
  56. Eu já criei o hábito mesmo para sinalizar a qualquer momento, chega a ser um vício. Por exemplo, ao tirar o carro da garagem de casa eu ligo a seta sem querer mas depois desligo por me sentir um idiota.
    Mas se a fila para fazer o retorno está grande e não sou o último da fila, aí eu desligo e só volto a ligar quando estou próximo de fazer o retorno. Não quero ver outra pessoa se desgastando com a luz do meu carro.

    O CTB cobra desse jeito para evitar a ambiguidade e para facilitar o entendimento dos mais leigos.

    Agora o que acho ruim é o mal uso das setas. Nem vou comentar do pessoal que sai cortando os outros, e sim dos motoristas que simplesmente mudam de faixa e esquecem de desligar. Nos carros mais sofisticados o barulho é muito baixo e se o som estiver alto e o motorista desatento, a seta vai demorar para ser desligada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo
      Sabe o que já presenciei? Jornalistas fazendo teste de carro em autódromo usando seta em cada curva da pista...

      Excluir
  57. A verdade é que o uso de seta não causa acidente. A falta do uso, sim. Ponto final. O resto é discussão inútil.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  58. Lendo TODO o post e considerando que o que abunda não prejudica, melhor seria SEMPRE utilizar a seta. Mesmo que para os mais esclarecidos (inteligentes) isso não seja necessário 100% das vezes.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  59. Seta usa-se conforme as leis e se quer que seja diferente, que tente-se mudar as leis.

    Simples assim.

    ResponderExcluir
  60. Concordo plenamente! Eu ñ uso a seta na estrada, somente se estou ultrapassando e vem um carro mais rápido para m ultrapassar, avisando-o q vou terminar a ultrapassagem e sair para a direita, a fim d q m ultrapasse. Tb uso a seta para ultrapassagem no caso de haver grande movimento, carros em fila e em pista simples, por exemplo. Mandei um email para vc, relatando comportamento de "motoristas" na BR 290, e é comum os caras andarem na pista da esquerda sem estar ultrapassando ninguém e ao pedior passagem os caras usam a seta para a esquerda, lhe dizendo q ñ vão dar passagem, q vc ultrapasse pela pista do meio ou da direita. Esta é uma infração, pois os caras vão entrar aonde, no canteiro central? Mas a PRF esta aonde nestas horas?

    Reafirmo q é necessário uma campanha nacional ensinando os motoritas brasileiros a bem dirigir.
    Abraços

    Tazio Nuvolari

    ResponderExcluir
  61. Bob, mais uma para enriquecer seu acervo de abusos contra o povo brasileiro, aqui mais especificamente os paulistas. Eis que estamos com aquele risco de todos os carros que aqui rodam serem rastreados 24 horas por dia (o que daria de lambuja para qualquer eventual ditador toda a movimentação de seus inimigos) com aquele lance de colar um chip (ainda que eles aleguem que seria para combater roubos, sendo que todos sabemos que ladrões simplesmente iriam desenvolver artimanhas para não serem rastreados).
    Pois bem, como uma maldade nunca vem sozinha, agora querem associar esse lance do chip a uma nova indústria de multas, que inclusive multaria alguém que por algum motivo conseguisse fazer um determinado trajeto em tempo menor que o preconizado por alguma cabeça pensante. Imagine se alguém estiver em uma estrada com limite irreal de velocidade e, seguindo na velocidade natural da via (até para manter a segurança a seu redor), acaba sendo multado por não seguir a velocidade excessivamente baixa para aquela estrada?

    Fora isso, temos também de lembrar que a malha rodoviária paulista permite que você corte caminho em alguns pontos (bastando que se olhe o mapa para confirmar isso que estou dizendo). É muito provável que esses pontos que permitem corte de caminho sigam sendo do jeito que são, o que obviamente pressupõe que não tenham as tais antenas caguetas, mas mesmo assim permitindo que a pessoa faça um caminho mais curto para chegar a um mesmo ponto.
    Fora isso, que não esqueçamos da existência de trechos na malha viária que possuem áreas urbanas cujas ruas são paralelas às rodovias, sendo tais ruas muito úteis para se driblar congestionamentos das rodovias e não havendo qualquer ilegalidade em se usá-las, uma vez que são vias transitáveis e não acostamentos.

    Começo a achar que poderemos ter pessoas multadas por simplesmente terem conseguido cortar caminho ou driblado congestionamento, fora o tal lance de Grande Irmão envolvido no raio do chip. Segue matéria do Estadão para que leia e possa extrair conclusões (ainda que me passe a impressão de já tê-la lido):

    http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,pedagio-por-km-rodado-multara-por-velocidade,851603,0.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só para complementar, não esqueçamos que existem sistemas de cobrança de pedágio por quilômetro rodado que dispensam qualquer bisbilhotagem eletrônica. São aqueles em que você sai de um ponto A com um bilhete em mãos e, ao chegar ao ponto B, fazem automaticamente o cálculo da distância percorrida e do pedágio a ser pago.
      De minha parte, vou continuar ainda mais fã das viagens feitas pela BR-116 recém-reformada e com pedágios de preço justíssimo. Atualmente está mais em conta viajar para fora de São Paulo devido aos pedágios mais baratos do que viajar para dentro de São Paulo com os pedágios astronômicos e o risco de bisbilhotagem que se avizinha.

      Excluir
  62. Bob,

    Acredito que o uso 'exagerado' da seta é porque sabe-se que nem todos os motoristas (e pedestres) estarão atentos à via naquele momento.
    A intenção do código é prevenir com o maior número de ferramentas possíveis.
    Quanto à forma de ultrapassagem sugerida, testarei a eficácia.
    Luiz.

    ResponderExcluir
  63. A seta é necessária sim, só pelo fato de que você tem que ser previsível. Muitas vezes sinalizo com a pista vazia, não é porque não vejo outro veículo que quer dizer que não exista algum ali. Pode não haver ninguém na rua, mas de qualquer forma, se for sair de um retorno pra entrar em algum lugar no outro extremo da via, sinalizo na saída (mesmo sendo óbvio que vou sair), e sinalizo em todas as mudanças de faixa seguintes, mudando sempre uma faixa por vez. Posso fazer o retorno cantando pneu, mas não vou sair da minha faixa de rolamento sem sinalizar e ver que dá pra sair.

    ResponderExcluir
  64. Ferreirafp23/03/12 10:54

    Pessoal, realmente concordo com alguns que comentaram que o post foi infeliz. Assim como outros posts tipo: "não defender as ciclofaixas/ciclovias"; "uso do celular ao dirigir". Parece-me tão irracional tomar estas posições que fico me perguntando se realmente o autor defende estas ideias ou está somente provocando a turma pra ver o que acontece. De qq forma, nem sei o que dizer. Apenas que somos livres para nos experssarmos e cabe a cada um decidir por si só que atitudes tomar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ferreirafp
      Já disse inúmeras vezes mas faço-o de novo: quem não tem capacidade para falar ao telefone enquanto dirige não deveria ter direito de dirigir. Tem alguma deficiência.

      Excluir
  65. Ferreirafp
    Não tem nada de infeliz esse post. O uso da seta como manda o Código é exagerado e desnecessário, e provoca acidentes quando o motorista entende que seta é autorizaçào e não informação, "mas eu dei seta..."). Repito: brasileiro é seteiro ao extremo. Mas se alguém não concorda, eu respeito. Cada um tem o direito e usar e abusar dessa útil sinalização. Apenas dei minha visão da coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que você questiona são as pessoas que acham que dar a seta é o mesmo que ganhar uma autorização para virar ou mudar de faixa, sem precisar certificar que a manobra será totalmente segura. Isso não tem nada a ver com "Uso exagerado".

      Se você está 10, 15km/h mais rápido que o carro do seu lado, isso não faz com que você possa mudar de faixa sem sinalizar.

      O carro que estava 15km/h mais lento que você pode resolver começar a acelerar enquanto você também resolve entrar na faixa sem indicar. O que seria uma simples ultrapassagem sem sinalização... vai virar uma fechada em cima do carro que agora está mais rápido que você, seguido de uma buzinada e um elogio a sua mãe, por consequência da falta de uso da seta.

      Parabéns por achar que o uso da seta é exagerado nessa situação, garantindo que tem total domínio e controle do trânsito (não só do seu carro, afinal, você está garantindo que o carro ao seu lado vai continuar 15km/h mais lento que o seu).

      POST ABSOLUTAMENTE INFELIZ.

      Excluir
  66. Concordo com o Bob... aqui em Palmas por exemplo temos muitas rotatórias, grandes, em cada intercecção das (super)quadras. O povo aqui se preocupa em dar seta pra entrar (!!!) mais do que ver se vem carro na rotatória ( quem tem a preferencial ), uma seta desnecessária, pois quando se entra numa rotatória não se tem outra opção, mas quando saimos aí sim devemos sinalizar para os demais que vamos sair dela. O povo não entende e as auto-escolas ensinam isso, no meu entender uma seta (quando se entra) completamente inútil e mais... ainda vejo gente dando seta pra direita, outros pra esquerda... completas baratas tontas fazendo o que foi ensinado sem nem pensar o porquê.

    ResponderExcluir
  67. Olá amigos o que acham dos "esquecidos das setas"? aqui na minha cidade a grande maioria dos adeptos desse movimento são motoqueiros e na maioria mototaxistas que andam com a seta acionada o tempo todo, e não fazem a manobra indicada pela seta seja pra esquerda ou direita e continuam andando como se estivessem sós no trânsito não é a toa q minha cidade é campeã em acidentes de trânsito em sua maioria por desleixo como o citado acima, obrigado a todos!

    BrunoQueiroz
    Macapá-AP

    ResponderExcluir
  68. Bob, concordo com o que diz, mas também devo dar razão aos casos em que para nós parecem não existir, mas por isso mesmo não acho totalmente inútil dar seta se está atrás de um carro na estrada:

    Você pode ter ponto cego no carro sim, como você citou do ocorrido com um Civic eu acredito, pois o "New" Civic é dos carros que eu não gostei da visibilidade justamente por isso, mas é só um exemplo.

    No caso além do ponto cego do nosso carro, podemos nós estar no de outro, e se você pelo menos cruzou o espelho do carro à frente com a seta piscando, já é algo a mais do que somente o carro.

    Isso tudo, supondo que o motorista à nossa frente está com boa visibilidade, espelhos bem regulados, se ele encherga(sim, pois nessa terra quem tem $, tem habilitação) e se não está bêbado. Acho que são muitas variáveis que nos colocam em risco, e acho que essas pequenas atitudes podem nos ajudar. Assumo que também não sou praticante disso, mas enchergando por este lado que falei, acho que o risco seria reduzido.

    fcm

    ResponderExcluir
  69. Dou seta sempre. Mas, em Belo Horizone, as pessoas não estão nem aí... Outro dia um motoqueiro bateu na traseira do meu carro, quando eu entrava numa garagem: não reparou a seta que acionei uns 50 metros antes, nem a luz de freio, nem acreditou que pudesse haver uma entrada de garagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo motoqueiro profissional parece q anda com a cabeça na casa do chapéu... já aconteceu algo parecido comigo mas foi naquela hora q o sinal tá do amarelo pro vermelho eu freei (aqui na minha cidade os motoristas em geral tem pra eles eu acho q quando acende o amarelo quer dizer acelere mais... já escapei de uma boa por causa disso, um caminhão descontrolado desviou de mim na última hora ele vinha me seguindo atrás, e o sr q parou do meu lado ainda me disse q eu tava errado por comecçar a frear qnd vem o amarelo) e o mula q vinha atrás não prestou atenção bateu em mim... por sorte ele nada sofreu o meu dano foi uns arranhões na lataria e uma lanterna traseira quebrada... eu ainda acompanhei ele pelo retrovisor pensei comigo mesmo ele não vai conseguir parar a tempo... #)
      BrunoQueiroz
      Macapá-AP

      Excluir
    2. Aqui também é assim, Bruno. Não respeitam sinal. Pior são aqueles que bancam a "escolta", se arrastando no asfalto: o sinal amarela, fica vermelho, e o carinha "fura" o sinal tranquilamente...

      Quanto aos motoqueiros e motociclistas, já pilotei moto por uns 5 anos, tive 3 delas. Andava na hora de rush em São Paulo e BH, viajava. Nunca nem esbarrei num retrovisor. Nas poucas vezes que caí, foi sozinho, sem por em risco a saúde e o patrimônio de ninguém!

      Excluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...