Google+

11 de abril de 2012

SAAB: MUSEU REABERTO



Vista externa do museu
Um tempo atrás escrevi sobre a venda do Museu Saab. O administrador da falência queria ter ofertas dos carros, um por um, ou todos juntos. Muitos se interessaram pelos carros. Muitas pessoas tinham medo de perder essa coleção de um valor histórico muito alto.

Ao final chegou-se a uma solucão que fez todo mundo feliz. O municipio de Trollhättan, (onde o museu e a ex-fábrica ficam) junto com a empresa Saab (a parte da Saab que ainda existe e faz o caça JAS 39 Gripen) e também a família Wallenberg (que vendeu a Saab Automobile para a GM há uns vinte e poucos anos) compraram o prédio e os carros. Museu salvo!

O museu abriu de novo umas três semanas atrás e o Juvenal Jorge daqui do blog, que é meio maluco pela marca me falou:

– Você tem que ir lá, tire fotos, muitas fotos.

No domingo passado eu visitei um amigo ali na cidade e ele mora bem por perto do museu. Perguntei para ele:

– Vamos lá para ver como está agora?
– Sim, vamos.

Domingo de Páscoa. Pensei, será que está aberto? Estava, nada mau. Abri a porta e fiquei feliz. O primeiro carro que eu vi foi o novo 9-5 perua. Tinha pouquíssimos feitos numa pré-serie e eu tive medo que tivessem sido jogados no lixo ou alguma outra burrice, porque o valor dos carros quando se fala de vendas é zero. Esse modelo não foi homologado para a rua antes da falência. Mas lá dentro tem um. Com propaganda e tudo, parece preparado para uma exposição. Será que o destino ia ser Detroit? A falência chegou só algumas semanas antes desse salão.

O último Saab





Atrás do 9-5 perua, um sedã, legal, tem alguns milhares vendidos, vai ser algo raro no futuro. E lá atrás um 9-4 X. Um pouco estranho para meu gosto. Bem melhor do que o 9-7 X que na verdade é um Chevrolet Trailblazer. Mas… ainda algo meio GM, porque é muito parecido com um Cadillac SRX. Algumas centenas de 9-4X produzidos, coisa rara tambem.

Na foto abaixo, na direita, um 9-3 Turbo X. Gostei, bacana para ser um carro “normal”. Uns 280 cv de um V-6 turbo. Tração 4WD bem avançada. Eu dirigi na neve e gostei muito.



Lá atrás tem um ”aquário” onde ficava o 92 protótipo, o primeiro carro da marca, chamado de UrSaab. Agora tem um 92 de série lá dentro, cadê o protótipo? Não encontrei, mas sei que o museu tem uma parte bem grande que não está aberta ao público.


Lá no túnel tinha o UrSaab (Saab original)

Mais no fundo tem muitos carros: 92, 93, 95, 96, 99. Vários modelos seguindo o desenvolvimento. De 750 cm³ dois tempos, dois cilindros, depois 850 cm³ com três cilindros. Em 1967 o primeiro motor com quatro tempos, o V-4 1.500-cm³ da Ford.


Seqüência evolutiva na fileira da esquerda

O 99 com o trem de força tudo esquisito, com embreagem na frente e transmissão por baixo. O primeiro 99 Turbo do Salão de Frankfurt 1977. Achei engraçado e também trágico, o setor de marketing não queria ter o Turbo. Então, alguns engenheiros prepararam um carro e deixaram com o chefão da Saab. Ele gostou muito. O resto é uma história boa que salvou a marca mais uns dez anos naquela vez.

Dois modelos 96 (1970 e 1980) , um 99 vermelho (1970) e o primeiro 99 Turbo (1977), branco

Desenvolvido do 99, chegou o 900. Para mim, mais Saab que ele nunca existiu. Como o 900 Turbo vermelho na foto abaixo. Diferente de tudo, mas também rápido, andando bem nas curvas e na neve, prático e seguro.

900 Turbo S 16 Valve Aero

O plano dentro da Saab era fazer um novo 900 da plataforma 9000. Isso seria um super 900! Chegou a GM:
– Não. Façam o novo 900 de uma plataforma Vectra de 1990.

Meu Deus. O chefe de desenvolvimento do chassis foi embora. Não gostava do Vectra, e não queria aprovar um chassis com tantos problemas, bem longe das prioridades da Saab. Ele foi trabalhar nos Estados Unidos.

O 9000, desenvolvido junto com a Fiat, era algo bom, não muito muito bom por dentro, mas o estilo por fora… Ficou melhor em 1992 mas o estilo no meio, portas etc, nunca ficou como um Saab. Em 1986, três 9000 Turbo andaram em Talladega, nos EUA. Foram 100 000 km em full throttle, toda aceleração. A velocidade média, incluindo paradas no box, trocar pneus e manutenção, 213 km/h. Recorde mundial de todas classes de carros de produção, todas. Um dos carros está no museu. De perto dá para ver como ele é sand blasted, jateado com areia de muitos pedacinhos de poeira, por causa da velocidade e dos 100 mil quilômetros. Veja a foto do detalhe do farol.


Farol "jateado a 213 km/h"


Os 9000 com o trem de força à direita

Depois do 9000 chegou um outro futuro junto com GM. Antes sempre tinham o objetivo de fazer algo melhor. A perspectiva mudou. História complicada e um assunto para um outro post. Este é sobre o museu.
Lá tem novos 900 que viraram 9-3. E alguns novos 9-3 também, até conversíveis. Um pouco elevado tem um 9-3 conversivel com trem de força protótipo para álcool e híbrido, até com carga por plugue e fio. Ou não. Rick Wagoner viu esse fio antes da primeira exposição. E... tirou. O plugue era para outra marca, um Buick ou não sei qual.


O 9-5 lançado em 1997 está lá também, claro. Em 2001, o carro ganhou prêmio de melhor qualidade da J.D. Power. Morangos e champanha em Trollhättan. Depois chegou a palavra americana, da GM: ”Cost reduction” (redução de custos) . E falaram sobre o carro, nada do champanha. ( por que é tão dificil ficar no assunto?)

O museu contém vários protótipos. Principalmente algo com 9 no começo e um X no final. Carros bacanas com certeza, mas porque eles só chegaram ao museu e não nos campos de provas?

O protótipo que eu mais gosto é o EV1 de 1985. Nada de 40 km/h na segunda marcha só para tirar fotos. Ele é todo funcional. Carroceria de aço feita pelas mãos de Leif Mellberg. Por dentro mecânica do 900 Turbo com uns 100 cv mais do que o original. Tirar fotos...
Lembro que o estilista desse carro, Björn Envall, às vezes o usava nas estradas normais. O EV1 também apareceu no filme de Hollywood, "Back to The Future 2". Aparece rápido e não chama muito a atenção.


O EV1 em primeiro plano, com o 9-X ao lado

O que mais? Sim, tem varios carros de rali. Saab e rali eram sinônimos até 1980, quando os custos subiram demais. O 99 turbo Rally foi ficou o último Saab a ganhar uma etapa do Mundial de Rali, na neve, em 1979.



O 99 Rally de Stig Blomqvist

Também tem o Sonett. Carroceria de plástico com estilo esportivo, mecânica do 96 por dentro. Uns dez mil vendidos. Carro divertido e charmoso, só que faltavam alguns cv.

Sonett à esquerda, e um 96 que correu a Baja 1000 à direita


Quando se olha nas fotos pode ser que se pense por que o local tem uma altura dessas? Esse local não fica na área onde era a produção de carros. Muitos turistas chegam à "fábrica” perguntando do museu. Mas o museu fica no outro lado da cidade. E esse local era uma fábrica de locomotivas a vapor, “cavalos de aço”. Lá fabricaram pelo menos umas quinhentas. Fora do museu ainda tem ferro no chão, que sobrou da fábrica, e também uma locomotiva conservada. Dentro do museu ainda tem alguns mecanismos, as pontes rolantes no teto, para carregar peças pesadas. A fábrica se chamava Nohab.

Interior do museu há cerca de 100 anos, quando ainda indústria


Uma locomotiva fabricada há 100 anos

A hora de fechar o museu chegou, e eu e o meu amigo saímos. Andando para a casa dele, perguntei:
– Você já viu o museu onde era antigamente, lá embaixo do posto?
Ele disse:
– Embaixo do posto? Onde?
– Perto do centro, onde há uma concessionária Volvo pequena.
– Lá? embaixo? Não, não nunca fui lá. Foi quando isso?
– Não sei, uns... trinta anos passados, antes da GM.
- He, he, pelo menos tem uma coisa boa com a GM, um museu melhor.
- É. Lá embaixo era só como uma garagem grande.

Saindo da cidade, pensei, preciso ver aquele posto de novo. E fui lá, nesse domingo, sem ninguém na rua. Parei e andei para o fundo do posto. Tem a descida, nenhuma indicação dizendo que ali era um museu. Tirei uma foto de... nada. Nada? Nada não, tirei pelos autoentusiastas aí no Brasil. Agora vocês sabem mais um pouco da história sobre o museu Saab.

Esta é a entrada do primeiro museu Saab, uma garagem

Um lugar que vale uma visita para qualquer entusiasta que venha à Suécia. Trollhättan fica, de carro, a uma hora a nordeste de Gotemburgo e a umas quatro a cinco horas a leste de Estocolmo. Bem-vindos!


Dois motores de 3 cilindros 2-tempos  conectados, na transversal: 196 km/h
Os 900 de plataforma Vectra

O 9-2X ( Subaru Impreza ) e o 9-7X  (Chevrolet Trailblazer), que entrou no lugar de um projeto Saab, cancelado por Bob Lutz, por ser considerado pequeno demais para o mercado americano

Uma perua 95 e o trêiler Saabo de plástico, feito também pela Saab. Em sueco, "bo" significa morar

 HJ














51 comentários:

  1. qual plataforma do vectra e problematica?quais seriam esses problemas?

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Se fechar alguem vai dar falta ?????
      Eu nao.
      Já se vao tarde!

      Excluir
    2. como assim um "autoentusiasta" não iria dar falta da citroen?

      não sabe NADA e vem aqui encher o saco...

      Excluir
    3. Nunca gostei desse carro .
      Se voce gosta por que nao compra um ?
      Quero ver se tem peito?

      Excluir
    4. Toda marca, mesmo que coreana ou chinesa, é melhor que não acabe. Não tem nada a ver com gostar ou querer comprar carro da marca.

      Excluir
    5. Ok agora que vc foi para a humildade podemos conversar
      Foi um desabafo tive muitos problemas com a pos venda da Peugeot
      Tbm não acho bom se fechar fabricas q nos trazem muitos empregos
      Mas a Peugeot poderia ter mais atenção com seus clientes

      Excluir
    6. o cara é tão entusiasta que acha que sua má experiência com a concessionária se sobrepõe a toda história da marca no mundo.

      peugeot tem uma grande história em competição e seus carros pequenos nos anos 80 e 90 foram notáveis.

      a citroen sempre foi de vanguarda - mesmo hoje em dia em que o design é mais vanguarda que a engenharia, e quem já viu ao vivo os novos citroen europeus sabe que a qualidade deu uma subida bem razoável do C4 pra cá.

      ou seja, guarde seu trauma pessoal frente a uma reputação global.

      Excluir
    7. Aléssio Marinho11/04/12 22:54

      Todo mundo tem direito a uma segunda chance. Lembram como os carros ingeses eram motivo de piada por sua baixa confiabilidade (lucas)?
      Os Gurgel podiam ser ruins em alguns aspectos, mas eram carros simples e robustos e cumpriam o prometido.
      Os Puma nos faziam sonhar, com o apelo esportivo a baixo custo.
      Neste mundo pasteurizado, fazem muita falta.
      A Peugeot tem bons produtos. O que "queima o filme" é o custo da manutenção. Mas respeito a marca. Não se esqueça que o primeiro automóvel a rodar no Brasil foi Peugeot.
      Fico triste com nossa cultura de não respeitar a nossa história.

      Excluir
    8. Gurgel com investimento e design (que o sr. Amaral achava uma baboseira tresloucada de meia dúzia de estilistas) seria como a Smart hoje em dia talvez.

      Mas o governo não quiz.
      E o Amaral também não.

      Excluir
    9. Sem contar que a Peugeot tem uma história riquíssima de vitórias onde importa, nas pistas. Salvo engano, é a única marca que pode se vangloriar de ter vitórias em três séculos diferentes (XIX, XX e XXI, já que a primeira vitória da Peugeot foi em 1899).

      Excluir
  3. Victor Gomes11/04/12 12:30

    Acho a maioria dos carros da Saab bem feios em termos de design. Mas a história por trás da marca e dos modelos, apesar de trágica em alguns casos, é muito bela.

    No dia que eu puder fazer um tour pela Europa, terei, com toda certeza, que visitar este museu!

    ResponderExcluir
  4. lindo, queria morar dentro do Saabo!

    ResponderExcluir
  5. Interessante o "seis-em-linha", digo, dois motores de 3 cilindros cada, dois tempos da foto! Fez lembrar um protótipo da DKW V6 também dois tempos, com 6 = 12... Ou seja, um motor baseado em dois motores DKW de três cilindros, só que dispostos em V. Parece ser a tal da "convergência tecnológica", pois tanto a SAAB quanto a DKW aparentam ter chegado no limite tecnológico do ciclo de dois tempos e estavam estudando alternativas.

    HJ, qual a sua opinião? Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente a Saab foi parar nas maos erradas.
    A GM nao é nem sombra do que foi ha 30 anos atras. Hoje mal sabe cuidar das suas marcas... e vive sob a ditadura dos "bean-counter". Faço ressalva ao Corvette,Camaro e Cadillac.
    Muito interessante esse 99 versao rally.
    Desde moleque, gostava do 900 turbo, apesar de nao saber de toda sua exentricidade mecanica.
    Mas fica o exemplo que uma ótima mecanica so se vende com uma "roupagem bonita" ou no minimo elegante. E com isso a Saab nunca se preocupou.

    ResponderExcluir
  7. É ISSO AÍ JARTOFT!!! PAU NOS QUE QUERIAM QUE UM 9000 VIRASSE UM COBALT!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí Plutônio: pau nos inúteis defensores dos velhos barracões produtores de carroças em São Caetano do Sul!

      Excluir
    2. E ISSO AI, PAU NA GM !

      Excluir
    3. uahuheuehuah Boa Plutônio!

      Excluir
  8. Pena que nunca produziram o 9-X. (leia-se GM)
    Entre os mais belos...

    ResponderExcluir
  9. Para os defensores do livre mercado o importante era o dinheiro bruto da venda do patrimonio histórico,sendo pulverizado em mãos invisiveis, mas a mão visivel do ESTADO preservará a memoria de gente honesta e trabalhadora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante a sua lógica. Se as pessoas não querem pagar para manter um museu, vamos usar o poder de coerção do estado (enfase na inicial minúscula) para tomar-lhes o dinheiro a força e manter o museu, nem que seja com dinheiro roubado da população. Agora não reclame com os caros estádios da copa do mundo, afinal, é a mão gatuna do estado agindo.

      Excluir
    2. haha ,duvido que os cidadãos de Trollhättan ou os proprios suecos estejam sentindo-se coersidos ou algo parecido com a atitude que foi tomada.agora querer comparar esse desfecho com a nossa CBF(casa bandida do futebol) tem tudo a ver...

      Excluir
    3. Outra pérola, imagino o prefeito falando "olha, eu acho que a população apóia o resgate do museu, até podem haver pessoas que não querem ver seu dinheiro sendo usado para isso, mas elas que se explodam, se eu acho que a maioria apóia, então que seja"
      Se os cidadãos realmente queriam, poderiam ter se juntado VOLUNTARIAMENTE e ter levantado a grana para salvar o museu, e isso seria perfeitamente legítimo. Mas nunca usar o dinheiro do erário, que é um dinheiro tomado de todos, goste ou não de museus e de carros. A mesma situação para a copa, quem gosta de futebol e quer ver a copa no Brasil, está aplaudindo, mas quem acha que há outros prioridades, não tem ação.

      Excluir
    4. sr Helio sabe o valor da carga triutaria na Suécia?tenho certeza que os Trolhattanenses chiariam se seus representantes nada fizessem em relação ao patrimonio cultural do seu povo.

      Excluir
    5. "...tenho certeza que os Trolhattanenses..."
      Quem são os tais "Trolhattanenses"? É a totalidade a população, 50%, 40%, 5%? O ponto que eu quero chegar é que pode ter havido, e houve com certeza, alguma parcela da população que não gostou de ver o seu dinheiro sendo usado para esse propósito, mesmo que tenha sido 0,01%. Mas isso é democracia né, a ditadura da maioria, e as minorias que se estrepem.
      O que eu não entendo foi você ter citado mão invisível do mercado nessa história, e ter colocado o estado como salvador. Sarney também acha isso, afinal, foi o estado que salvou sua fundação estatizando-a, e você também deve ter achado lindo esse "patrimônio cultural" sendo salvo com o seu dinheiro.

      Excluir
    6. OLHA O nivel sr Helio o sr quer comparar espertalhões com gente séria ,Ricardo Teixeira ,Sarney ,fala sério seria melhor pulverizar o museu?

      Excluir
    7. Eu desisto, você não entendeu o meu argumento, e parece não querer entender. Você não consegue entender que o estado não cria riqueza, ele toma riqueza dos cidadãos e depois usa o dinheiro para beneficiar certos grupos, nesse caso, todos aqueles que gostam do museu, mas não estão dispostos a financiá-los diretamente, preferindo transferir boa parte desse custo nos ombros de que não está nem aí para o museu.
      Pulverizar o museu não cabe a mim decidir, se tratava de uma propriedade privada, e assim deveria permanecer, se houvesse um grupo de pessoas dispostas a manter o museu, que se unissem e o comprassem, mas jamais usar o dinheiro do erário para tal, isso é imoral, independente se é feito por gente séria ou não.

      Excluir
  10. Antonio Castilho de Lara11/04/12 14:24

    Infelizmente a General Motors morreu.

    ResponderExcluir
  11. Hans,
    grandes fotos, gostei muito !
    Poderia fazer um outro texto falando de motores, não ? Nesse museu tem vários motores ótimos para tirar fotos e explicar algns detalhes, não é verdade ?
    Gostei da estória do chefe de desenvolvimento de chassis saindo da empresa.
    Temos que lembrar que aqui no Brasil o Vectra era bem melhor de direção e suspensão do que na Europa, pois foi feito um trabalho grande pela GMB para que ficasse bom para nosso piso ruim.
    Funcionava melhor do que o carro da Opel.
    Escreva mais vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia desse detalhe a respeito do Vectra produzido aqui. Faz sentido, já que nunca lí elogios europeus ao comportamento dinâmico dele, muito pelo contrário.

      Excluir
    2. Sim, a GMB é muito competente, independentemente das decisões dos contadores de feijão da matriz, entre os quais o tal de Rick Wagoner foi o pior deles. Esse cara que afundou a GM. Incrivel ter ficado tanto tempo lá em cima. Quando esteve no Brasil, mandou lançarem o Chevette Junior às pressas, para combater o Uno Mille (um erro, com certeza). Assumiu a GM mundial e só fez cagada. Chegou ao cúmulo de dizer que não entendia porque a economia do Brasil não crescia às mesmas taxas que a economia chinesa.

      Na época da reestruturação da GM, ele foi demitido por ninguém menos do que Barack Obama! Agora, com ele fora e o Lutz de volta, tomara que a GM volte aos seus dias de glória. Tem condições para isso agora.

      Excluir
    3. Olha gente, pela data do projeto acho que essa plataforma era do Vectra de primeira geração e não o de segunda que é tido como um primor de comportamento dinâmico.

      Excluir
    4. 1989?
      Vectra de primeira geração certamente.

      Quem são esses "entusiastas" que não sabem nem quanto tempo um carro desse ficou em linha, quando e quanto tempo demora pra desenvolver um?

      Aqui tá cheio de entusiasta de "modinha" viu... vá ler.

      Excluir
    5. Rodrigo,

      Eu espero que sim, sou fa da GM. Infelizmente com os carrinhos que eles estão fazendo acho que vai demorar muito tempo pra voltar a ser a GM

      Excluir
    6. Aeroman,

      Você é fã de Opel, não de Chevrolet.
      E Chevrolet - exceto Corvette - sempre foram carros de "plástico barato" ao redor do mundo.

      Duvida?
      Pergunte a algum estrangeiro... qualquer um...

      Excluir
  12. O meu preferido: 900 Turbo S 16 Valve Aero!

    ResponderExcluir
  13. Ta aí uns barracões velhos os quais a GM quis meter a mão e fazer coisas velhas, por pessoas velhas, para compradores velhos de idéias velhas.

    Quando conseguiu percebeu que sua estratégia só funciona ou no Brasil ou com a ajuda do Obama.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compre um Effa e seja feliz! É uma marca nova, feita por gente nova, em "barracões" novos, e para gente nova.

      É uma idéia nova, uma coisa nova, que veio de barracão novo, e tornará seu barraco novinho. Tudo novo! De novo!

      Excluir
    2. [imbecil detected]

      a GM então agora é moderna?
      nem no exterior ela tem essa reputação... nem a Opel tem, não iluda.

      Excluir
    3. Gentalha,
      Você usa um apelido bem certo, de acordo com sua cabeça.

      Excluir
    4. A General Motors do Brasil é um aglomerado de barracões velhos na cidade de São Caetano do Sul.

      Excluir
    5. Então, gentalha/anônimo analfabeto. Aprenda a ler em primeiro lugar. Em seguida, compre seu Effa e seja feliz. A Mercedes é mais antiga ainda, mas bom mesmo é o seu Effa!!!

      IMBECIL!

      Excluir
  14. Eu acho que nunca vi um carro Saab ao vivo, já vi até caminhão, mas acredito que a SAAB em boas mãos pode ainda fazer muito sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lair Ribeiro12/04/12 07:41

      Costumo dizer que a SAAB morreu porque tinha entusiasmo demais.
      Parece uma heresia mas não é.

      Toda empresa precisa saber a hora de parar. Não adianta fazer algo super entusiástico se ninguém vai comprar...

      Lotus e Porsche são exemplos de empresas que souberam dosar bem os entusiastas x contadores de feijão.

      Hoje em dia, economicamente falando, não dá pra fazer carros revolucionários e sem um parafuso similar a cada 3 anos...

      assim como também não dá pra ficar reaproveitando por 20 anos senão a concorrência te engole (exceto no Brasil, o país putinha).

      Excluir
    2. A Saab morreu vitima de sus própria esquisitice e exemtrividade

      Excluir
  15. vidinha dura de vcs do blog hein rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o Jartoft MORA na Suécia, seu cú de burro!

      Excluir
    2. e lá na Suécia as pessoas vivem a vida, trabalham e tem tempo de ir a lugares interessantes que existem.

      Aqui no Brasil (o país putinha) não. Se dá tempo de ir, é muito caro. Se é barato, não consegue entrar. Se parece interessante e barato, tenha certeza que há sempre uma surpresa desagradável.

      Excluir
  16. GM = Medusa.

    Onde põe a mão a coisa vira pedra, para de se mover, de evoluir, perde a vida.

    ResponderExcluir
  17. Ah, entendi...então foi a GM, vulgo "cabeça de Aviú", que matou a Saab. Faz sentido, uma vez que quase comete suicídio...Será que o Lutz nasceu no Brasil e era funcionário público?

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...