26 de maio de 2012

TRÊS LEXUS NO BRASIL

Fotos: Toyota/Malagrine Estúdio

Lexus IS300

A Toyota está no Brasil há muito tempo. A filial daqui da fabricante japonesa foi fundada em janeiro de 1958 e durante 41 anos, de maio de 1959 a janeiro de 2000, produziu o utilitário Bandeirante. Mas oito anos antes, em 1992, o Corolla chegava ao Brasil, importado. Era a sétima geração, com motor 1,8-litro de 16 válvulas. Compacto nos EUA, aqui ganhou status de médio.

Em 1999 inaugurava-se nova fábrica Toyota, em Indaiatuba, SP, vizinha de muro com o Campo de Provas da Cruz Alta, da GM, e com ela aparecia o primeiro automóvel Corolla nacional, correspondente à oitava geração do modelo. Três anos depois passou por grande mudança como nona geração, com a décima chegando em março de 2008. Em 2011, também em março, o modelo passava por ligeira reestilização.

Mas a fabricante japonesa tinha de desde novembro de 1988 uma nova marca, concebida para significar luxo e sofisticação dos melhores carros americanos e europeus: Lexus, modelo LS400 (LS de luxury sedan) e o ES250 (elegant sedan). O programa deu certo e logo o Lexus disputava, com sucesso, espaço com Mercedes-Benz e BMW. Em pouco tempo chegava a mais de oitenta países.

Desde 1998 a Toyota brasileira importa o Lexus, mas em volume ínfimo, chegando a coisa de 1.300 unidades aproximadamente nesses catorze anos. E sempre meio que à sombra Corolla, vendido e atendido na rede de concessionárias Toyota. Mas agora é diferente.


A Toyota, de olho no mercado brasileiro de carros de luxo, resolveu atacá-lo com o Lexus, em operação separada. As armas são produto, como era de esperar, e atendimento, neste caso empregando toda a filosofia que tem funcionado bem lá fora, em que ao cliente Lexus é dispensado um tratamento todo especial. É recebido na concessionária como um hóspede, em vez de apenas cliente. Mas, em quais concessionárias?

Por enquanto, só uma, em São Paulo, localizada num ponto nobre da cidade, a avenida das Nações Unidas, mais conhecida como marginal do rio Pinheiros; fica no número 17.271. Enquanto a rede Lexus não se expande, determinadas concessionárias Toyota se encarregarão de prestar assistência técnica aos Lexus. E que Lexus serão esses?

A vida oficial da Lexus no Brasil começa com três modelos importados do Japão. O IS300, (intelligent sedan) um sedã médio com motor V-6 de 3 litros e tração traseira, caixa automática de seis marchas, de caráter nitidamente esportivo, orientado para o motorista que aprecia o dirigir rápido. O outro sedã é o luxuoso LS460 L, motor V-8 de 4,6 litros e 347 cv, câmbio automático de oito marchas e tração traseira também, quase uma limusine; e o terceiro é um utilitário esporte, o RX350 (recreational crossover), V-6 3,5-litros de 277 cv, câmbio automático de seis marchas e tração integral. Mais para o final do ano, em novembro, chegará o ES 350 (elegant sedan), mesmo motor do RX350, também com câmbio automático de seis marchas.

Os preços são algo elevados, já embutem o IPI acrescido de 30 pontos porcentuais, mas sem o benefício de redução de IPI anunciado nesta segunda-feira. O IS300 sairá por R$ 218.500,00, o RX350, R$ 298.000,00 e o LS460 L, R$ 615.000,00. O AE dirigiu os três.

IS300


Linhas simples porém elegantes


O Lexus IS surgiu em 1998, foi reestilizado em março de 2005 e em outubro de 2010, no Salão de Paris, recebeu as linhas atuais..

É um bom exemplo de sedã médio, do porte do BMW Série 3, de linhas elegantes e discretas. Mede 4.850 mm de comprimento com entreeixos de 2.730 mm. É bem largo e baixo, respectivamente 1.800 mm e 1.415 mm. Falta-lhe um pouco de espaço no banco traseiro (como no BMW, que melhorou nesse ponto na nova geração, a sexta, lançada recentemente) e o túnel do cardã é bem alto, mais que a média. Apesar disso, há apoio de cabeça central e cinto de três pontos nesse lugar não muito convidativo para um adulto. O porta-malas é modesto, apenas 378 litros.

Dinamicamente, o IS300 é irrepreensível. Os pneus traseiros são mais largos que os dianteiros, 245/45R17W contra 225/45R17W, e complementam à perfeição a suspensão dianteira por triângulos superpostos com subchassi e traseira, multibraço, calibrada no ponto certo entre conforto de rodagem e estabilidade. Notável o isolamento das irregularidades do piso sem perda de precisão. A calibração da assistência elétrica é exata e não há nenhuma transmissão de pequenos impactos para o volante. O conjunto incita a dirigir com vigor e proporciona grande prazer. É o ponto alto do carro.


Cabine na medida para quem gosta de dirigir

Todo o comportamento dinâmico do IS300 é administrado por um gerenciador que integra os sistemas eletrônicos e de controle do veículo, abrangendo o ABS dos freios, a distribuição eletrônica das forças de frenagem, o auxílio à frenagem, o controle de tração e estabilidade e a assistência da direção. O gerenciador antecipa o início de uma derrapagem e ajuda a corrigir a situação, com a frenagem seletiva das rodas e as respostas do acelerador.

O motorista pode escolher dois modos de operação, o Power (potência), que ajusta a configuração de motor e câmbio para máximo desempenho, o Snow (neve), quando o piso estiver escorregadio por qualquer motivo, favorecendo a tração.

Ao lado, o motor V-6 a 60°, bloco e cabeçotes de alumínio, de 2.995 cm³ (87,5 x 83 mm), duplo comando e quatro válvulas por cilindro, com variador de admissão e escapamento, desenvolve 231 cv a 6.200 rpm e 30,6 m·kgf 4.400 rpm, com taxa de compressão 10,5:1. Seu funcionamento é absolutamente liso e movimenta com facilidade os 1.656 kg do IS300, com aceleração 0-100 km/h em 7,7 segundos e velocidade máxima de 235 km/h, resultados ajudados pelo Cx 0,28 e área frontal estimada de 2,29 m². A sexta é bem longa e resulta em 56,3 km/h por 1.000 rpm, significando 2.100 rpm a 120 km/h.
A partida é por botão com chave presencial. O câmbio automático epicíclico tem seis marchas com operação manual tanto pela alavanca (sobe marchas para frente) quanto por borboletas no volante. Mas o IS300 deveria ter navegador GPS, item cada vez mais essencial.

Uma novidade neste câmbio é em operação manual a marcha superior não ser engatada se o carro estiver sob aceleração forte, mesmo que se mova a alavanca para isso. É esquisita tal “desobediência”, mas ela em nada atrapalha. Mas fico só imaginando como deve ser o IS300 com caixa manual...

O panorama visto pelo motorista do IS300

Há detalhes de segurança importantes como os faróis direcionais e a bolsa inflável para joelhos do motorista e acompanhante além das habituais. Os dois bancos dianteiros contam com ajuste elétrico inclusive lombar, como também o volante de direção, nos dois planos. Este, inclusive, se afasta do motorista e sobe quando o carro é desligado, para facilitar o entra e sai. O sistema de áudio inclui nove alto-falantes e quatro tweeters, nivelador automático de som, toca-CD com disqueteira para seis discos, alem de conectividade para USB, iPod e Bluetooth.

Lamentavelmente, não foram passados dados de consumo de combustível.


FICHA TÉCNICA LEXUS IS300

MOTOR
Tipo
V-6 a 60°, duplo comando por corrente, 4 válvulas por cilindro, variador de fase na admissão e no escapamento, dianteiro, longitudinal, gasolina
Diâmetro x curso
87,5 x 83 mm
Cilindrada
2.995 cm³
Material do bloco e dos cabeçotes
Alumínio
Taxa de compressão
10,5:1
Potência máxima (NBR 5484)
231 cv a 6.200 rpm
Torque máximo (NBR 5484)
30,6 m·kgf a 4.400 rpm
Formação de mistura
Injeção no duto
TRANSMISSÃO
Tipo
Câmbio automático de 6 marchas à frente e uma à ré, tração traseira
Relações das marchas
1ª 3,520:1; 2ª 2,042:1; 3ª 1,400:1; 4ª 1,00:1 (direta); 5ª 0,716:1; 6ª 0,586:1 ré 3,224:1
Relação do diferencial
3,727:1
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, braços triangulares superpostos, mola helicoidal, amortecedor pressurizado  e barra estabilizadora
Traseira
Independente, multibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Caixa de direção
Pinhão e cremalheira com assistência elétrica variável com a velocidade
Relação de direção
n.d.
N° de voltas entre batentes
2,9
Diâmetro mínimo de curva
10,2 m
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado de 332 mm Ø, pinça fixa com 4 pistões
Traseiros
A disco de 310 mm Ø, pinça fixa com 2 pistões
Controle
ABS c/ distribuição eletrônica das forças de frenagem e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 17 pol.
Pneus
225/45R17W (D) e 245/45R17W (T)
CONSTRUÇÃO
Arquitetura
Monobloco em aço, subchassi dianteiro, sedã de quatro portas, cinco lugares
Aerodinâmica
Cx 0,28
Área frontal (estimada)
2,29 m²
DIMENSÕES
Comprimento
4.850 mm
Largura
1.803 mm
Altura
1.415 mm
Entreeixos
2.730 mm
Bitola dianteira/traseira
1.535/1.535 mm
CAPACIDADES E PESOS
Porta-malas
378 litros
Tanque de combustível
65 litros
Peso em ordem de marcha
1.656 kg
DESEMPENHO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Velocidade máxima
235 km/h
Aceleração 0-100 km/h
7,7 s
Consumo urbano
n.d.
Consumo rodoviário
n.d.
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Intervalos de revisão
10.000 km
Garantia contratual
4 anos


LEXUS IS300, PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS

ACABAMENTO/EXTERIOR
Acabamento interno em couro e madeira
Lanternas traseira em LEDs
Luzes de uso diurno em "L", a LEDs
Ponteira de escapamento duplas e cromadas
CONFORTO E COMODIDADE
Acionamento elétrico de travas e vidros das quatro portas
Afastamento e elevação automáticos do volante de direção ao desligar motor
Ajuste elétrico do volante de direção em altura e distância
Ajuste elétrico dos bancos do motorista e do acompanhante, com memória para o do motorista
Ajuste elétrico dos espelhos externos, que incluem repetidoras dos indicadores de direção
Alto-falantes (9) e tweeters (4)
Ar-condicionado integrado, digital, frio e quente, 2 zonas
Banco traseiro com descansa-braço central e porta-copos
Bancos do motorista e acompanhante com ventilação e aquecimento
Bancos revestidos de couro
Bluetooth
Borboletas de troca de marcha no volante
Botão de partida do motor
Computador de bordo (consumo instantâneo, consumo médio, autonomia e temperatura externa
Console com porta-copos e porta-objetos nas portas dianteiras
Controle automático de velocidade de cruzeiro
Descansa-braço dianteiro com porta-copos
Desembaçador do vidro traseiro
Destravamento automático de portas e porta-malas por aproximação de chave
Disqueteira para seis CDs
Entrada auxiliar e USB
Hodômetro totalizador e parcial
Luz de cortesia nos espelhos externos
Luzes de leitura dianteira e traseira
Memória para os retrovisores externos
Pára-sóis com espelho e iluminação
Porta-objetos na lateral do painel e nas portas traseiras
Porta-objetos no painel central
Porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros
Rádio AM/FM, MP3 e WMA
Relógio digital
Retrovisor interno eletrocrômico
Retrovisores externos com função abaixar orientação ao engatar ré
Seleção Power/Snow de modo de condução
Sensor de estacionamento dianteiro e traseiro
Temporizador do limpador de pára-brisa
Teto solar de acionamento elétrico
Volante e manopla de câmbio revestidos de couro
Volante multifuncional com controle de áudio, computador de bordo, telefone e controlador de velocidade de cruzeiro
SEGURANÇA
Bolsas infláveis frontais, laterais, de cortina e de joelho para passageiros dianteiros
Chave com comandos integrados (portas, porta-malas e alarme)
Cintos de segurança traseiros de três pontos
Cintos dianteiros com pré-tensionador e limitador de força
Contole de tração
Controle de estabilidade
Faróis de neblina
Faróis de xenônio com lavador e regulagem automática de altura
Faróis direcionais
Imobilizador de motor


LS460 L

Lexus LS460L

 Foi com o modelo LS que nasceu a marca Lexus, como vimos. É um sedã grande de imenso prestígio nos mercados mundiais. É um carro típico para um motorista conduzir seu proprietário ou passageiros ilustres, mas dirigi-lo é uma nova experiência. O silêncio a bordo, a absurda maciez bem-controlada da suspensão e o empuxo dos 347 cv a 6.400 rpm e dos 46,4 m·kgf a 4.000 rpm do V-8 com bloco e cabeçotes de alumínio, 4.608 cm³, duplo comando de fase varíável e 4 válvulas por cilindros, é notável.


O V-8 4,6-litros é totalmente escondido para máxima eliminação de ruído

O câmbio automático epicíclico é de 8 marchas, o primeiro do mundo. Não medimos e a Lexus não informou a aceleração 0-100 km/h, mas mesmo com seu peso em ordem de marcha de quase 2 toneladas (1.965 kg) são 5,66 kg/cv de relação peso-potência, e certamente resulta nessa aceleração na faixa 7~8 segundos. Sua velocidade máxima é de 250 km/h e o Cx.é dos mais baixos do mundo hoje, 0,26.

Desempenho à parte, o enfoque do LS460L é luxo e conforto sem parcimônia. Decididamente grande, com 5.180 mm de comprimento e 3.090 mm entre eixos, o espaço traseiro (para dois) é superlativo, de agradar a reis e rainhas. Largura e altura, 1.875 e 1,415 mm, respectivamente.

Olhando, o LS460L não parece tão grande

O banco traseiro direito, chamado de Banco VIP (opcional), reclina o encosto e conta com apoio de pés, sistema de massagem e relaxamento, ar-condicionado individual e sistema de entretenimento, além de porta-bebidas refrigerado. Faz parte do máximo conforto o afastamento do banco dianteiro direito para frente, para máximo espaço para as pernas esticadas do passageiro do lado direito. Esse banco tem uma bolsa inflável dedicada a evitar que o corpo escorregue por sob o cinto numa colisão frontal estando o encosto reclinado ao máximo. Tudo no LS460L visa o conforto. O silêncio a bordo resulta até de tratamento acústico nas caixas de roda. Há cortinas de acionamento elétrico para os vidros laterais traseiros e traseiro.

Espaço e conforto para reis e rainhas...

Mas o motorista também aproveita o LS460L. Além do desempenho e do conforto de marcha, o carro impressiona pela agilidade apesar do tamanho. Por exemplo, o diâmetro mínimo de curva é de apenas 11 metros, o mesmo de um Fusca (a tração traseira contribui, permite maior ângulo de esterçamento). Dirigi-lo na cidade não é incômodo algum, pelo contrário. Ambos os bancos dianteiros possuem ajuste elétrico de altura, distância, encosto e pernas e há três memórias, sendo que para o motorista as memórias abrangem retrovisores externos e volante ajustável em altura e distância. Os instrumentos são “à Audi/VW”, de legibilidade insuperável (e com conta-giros na esquerda).

Os pneus são 245/45R19 e, como no IS300, complementam a suspensão independente nas quatro rodas. Com a oitava marcha de 65,8 km/h por 1.000 rpm, a 120 km/h o motor está a apenas 1.800 rpm. Em sétima são 54,8 km/h por 1.000 rpm, 2.200 rpm a 120 km/h.

No painel central, uma tela tátil reúne vários controles, entre eles o ar-condicionado digital quadri-zona e o sistema de áudio Mark Levinson de 450 W, com toca-CD e disqueteira para seis CDs ou DVDs, com 19 alto-falantes e, claro, conectividade USB, iPod e Bluetooth. Há também assistente para estacionamento, podendo o veículo ser colocado em vaga paralela ao meio-fio sem atuação do motorista no volante. E como no IS300, um gerenciador integra os sistemas eletrônicos e de controle do veículo, abrangendo o ABS dos freios, a distribuição eletrônica das forças de frenagem, o auxílio à frenagem, o controle de tração e estabilidade e a assistência da direção.

O motorista não foi esquecido no LS640L


Dois detalhes que mostram cuidado no projeto LS460L: a tampa do porta-malas abre-se e fecha-se eletricamente, e o fechamento final das portas é por sucção, basta encostá-las que o sistema se encarrega de concluir o fechamento.


FICHA TÉCNICA LEXUS LS460L

MOTOR
Tipo
V-8 a 90°, duplo comando por corrente, 4 válvulas por cilindro, variador de fase na admissão e no escapamento, dianteiro longitudinal, gasolina
Diâmetro x curso
94 x 83 mm
Cilindrada
4.608 cm³
Material do bloco e dos cabeçotes
Alumínio
Taxa de compressão
10,8:1
Potência máxima (NBR 5484)
347 cv a 6.400 rpm
Torque máximo (NBR 5484)
46,4 m·kgf a 4.000 rpm
Formação de mistura
Injeção no duto
TRANSMISSÃO
Tipo
Câmbio automático de 8 marchas à frente e uma à ré, tração traseira
Relações das marchas
1ª 4,596:1; 2ª 2,724:1; 3ª 1,1,863:1; 4ª 1,464; 5ª 1,231:1; 6ª 1,000 (direta); 7ª 0,824:1; 8ª 0,685:1; ré 2,176:1
Relação do diferencial
2,937:1
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, braços triangulares superpostos, mola pneumática, amortecedor pressurizado de controle eletrônico  e barra estabilizadora
Traseira
Independente, multibraço, mola pneumática, amortecedor pressurizado de controle eletrônico e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Caixa de direção
Pinhão e cremalheira com assistência elétrica variável com a velocidade
Relação de direção
n.d.
N° de voltas entre batentes
3,2
Diâmetro mínimo de curva
11,0 m
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado de 332 mm Ø, pinça fixa com 4 pistões
Traseiros
A disco de 311 mm Ø, pinça fixa com 2 pistões
Controle
ABS c/ distribuição eletrônica das forças de frenagem e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 19 pol.
Pneus
245/45R19
CONSTRUÇÃO
Arquitetura
Monobloco em aço, subchassi dianteiro, sedã de quatro portas, quatro lugares
Aerodinâmica
Cx 0,26
Área frontal (estimada)
2,48 m²
DIMENSÕES
Comprimento
5.180 mm
Largura
1.875 mm
Altura
1.415 mm
Entreeixos
3.090 mm
Bitola dianteira/traseira
1.615/1.615 mm
CAPACIDADES E PESOS
Porta-malas
510 litros
Tanque de combustível
84 litros
Peso em ordem de marcha
1.965 kg
DESEMPENHO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Velocidade máxima
250 km/h
Aceleração 0-100 km/h
7 a 8 s (estimado)
Consumo urbano
n.d.
Consumo rodoviário
n.d.
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Intervalos de revisão
10.000 km
Garantia contratual
4 anos


LEXUS LS460L, PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS

ACABAMENTO/EXTERIOR
Acabamento interno em couro e madeira
Lanternas traseira em LEDs
Luzes de uso diurno em "L", a LEDs
Ponteira de escapamento duplas e cromadas
CONFORTO E COMODIDADE
Abertura e fechamento motorizado da tampa do porta-malas
Acionamento elétrico de travas e vidros das quatro portas
Afastamento e elevação automáticos do volante de direção ao desligar motor
Ajuste elétrico do volante de direção em altura e distância
Ajuste elétrico dos bancos do motorista e do acompanhante, com memória para o do motorista
Ajuste elétrico dos espelhos externos, que incluem repetidoras dos indicadores de direção
Alto-falantes (9) e tweeters (4)
Ar-condicionado integrado, digital, frio e quente, 2 zonas
Banco do passageiro traseiro direito com massageador a direito com relaxamento (opcional)
Banco traseiro com descansa-braço central e porta-copos
Banco traseiro direitor com ajuste elétrico para o descanso das pernas (opcional)
Bancos do motorista, acompanhante e traseiros com ventilação e aquecimento
Bancos revestidos de couro
Bluetooth
Borboletas de troca de marcha no volante
Botão de partida do motor
Computador de bordo (consumo instantâneo, consumo médio, autonomia e temperatura externa
Console com porta-copos e porta-objetros nas portas dianteiras
Controle automático de velocidade de cruzeiro
Cortina de acionamento elétrico nos vidros laterais traseiros e traseiro
Descansa-braço dianteiro com porta-copos
Descansa-braço traseiro com controles do ar-condicionado, de massagem e sistema de entretenimento traseiro (opcional)
Desembaçador do vidro traseiro
Destravamento automático de portas e porta-malas por aproximação de chave
Disqueteira para seis CDs e DVDs
Entrada auxiliar e USB
Fechamento final de portas por sucção
Função de manter veículo freado enquanto em Drive
Hodômetro totalizador e parcial
Indicador de condução econômica (ECO driving)
Luz de cortesia nos espelhos externos
Luzes de leitura dianteira e traseira
Memória para os retrovisores externos
Pára-sóis com espelho e iluminação
Porta-bebidas refrigerado no banco traseiro (opcional)
Porta-objetos na lateral do painel e nas portas traseiras
Porta-objetos no painel central
Porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros
Rádio AM/FM, MP3 e WMA
Relógio digital
Retrovisor interno eletrocrômico
Retrovisores externos com função abaixar orientação ao engatar ré
Seleção Power/Snow de modo de condução
Sensor de chuva
Sensor de estacionamento dianteiro e traseiro
Sensor infravermelho para gerenciamento do ar-condicionado
Sistema de entretenimento nos bancos traseiros
Sistema Multimídia Lexus
Temporizador do limpador de pára-brisa
Teto solar de acionamento elétrico
Volante e manopla de câmbio revestidos de couro
Volante multifuncional com controle de áudio, computador de bordo, telefone e controlador de velocidade de cruzeiro
SEGURANÇA
Apoios de cabeça dos bancos dianteiros com sistema mecânico anticolisào traseira
Bolsas infláveis frontais, laterais, de cortina e de joelho para passageiros dianteiros
Câmera de ré
Chave com comandos integrados (portas, porta-malas e alarme)
Cintos de segurança traseiros de três pontos
Cintos dianteiros com pré-tensionador e limitador de força
Contole de tração
Controle de estabilidade
Faróis de neblina
Faróis de xenônio com lavador e regulagem automática de altura
Faróis direcionais
Imobilizador de motor
Vidros do pára-brilsa e laterais dianteiros repelentes a água


RX350

Lexus RX350

O RX350 é tido como o primeiro utilitário esporte de luxo do mundo, tendo surgido em 1998. Só em 2009 sofreu a primeira reestilização. O desenho de sua grade é a nova identidade visual da marca e é chamada de spindle, carretel em inglês, com a forma estilizada de um carretel visto de lado. É a grade do ES350 que chega em novembro.

A tração é integral, sem reduzida, e o diferencial central pode ser bloqueado para enfrentar pisos mais escorregadios. Os pneus são 225/60R18, de asfalto.

Automóvel? Não, utilitário esporte

Moda automobilística e obrigatório na Europa, há luzes de uso diurno de LEDS em forma de “L”, o mesmo ocorrendo nos grupos óticos traseiros.

O motor é V-6 a 60° de 3.456 cm³, alumínio, duplo comando acionado por corrente e 4 válvulas por cilindro com variador de fase na admissão e no escapamento, 277 cv a 6.200 rpm e 35,3 m·kgf a 4.700 rpm, taxa de compressão 10,8:1. O câmbio é automático epicíclico de seis marchas com trocas manuais pela alavanca (não tem borboletas), subindo marcha por toque para frente. Como observado no IS, as trocas manuais nem sempre são imediatas quando sob aceleração forte.

Anda bem, vai de 0 a 100 km/h em 8 segundos, mas a velocidade máxima é de 200 km/h, limitada.pelos “homenzinhos verdes”. Também não há dados oficiais de consumo, mas a Automobile Revue suíça informa que roda 6,9 km com 1 litro na cidade e 11,7 km com 1 litro na estrada. Aqui é bem provável que consuma  um pouco mais com a nossa gasolina “etanolizada”.

Melhor legibilidade de instrumentos, impossível

A sexta, a exemplo do IS, é bem longa, 51,3 km/h por 1.000 rpm ou 120 km/h a 2.300 rpm. O rodar é confortável, especialmente em se tratando de um utilitário, embora não tenha havido oportunidade de dirigi-lo em pisos mais hostis. É muito silencioso internamente. A suspensão independente traseira é por triângulos superpostos, como a dianteira. A assistência de direção é elétrica e regressiva com a velocidade. A estabilidade direcional é perfeita e incute confiança.

Com 4.770 mm de comprimento e 2.740 mm entre eixos, o espaço interno é amplo até no banco traseiro, ajudado pela largura de 1.885 mm e altura de 1.720 mm. O compartimento de bagagem é surpreendente, acomoda nada menos 1.132 litros e chega a 2.270 litros com o banco traseiro rebatido.

Aqui cabem 1.132 litros de bagagem!

Há navegador GPS, embora o veículo dirigido ainda não estivesse carregado com os mapas. O controle do áudio tanto pode ser feito de maneira convencional, por botões giratórios, quanto por um botão bidirecional no console de túnel.

Há assistência em subidas por meio da atuação automática dos freios durante 3 segundos, muito útil para quem tem dificuldade em manter o veículo freado com o pé esquerdo e evitar o recuo.


FICHA TÉCNICA LEXUS RX350

MOTOR
Tipo
V-6 a 60°, duplo comando por corrente, 4 válvulas por cilindro, variador de fase na admissão e no escapamento, dianteiro, transversal, gasolina
Diâmetro x curso
94 x 83 mm
Cilindrada
3.456 cm³
Material do bloco e dos cabeçotes
Alumínio
Taxa de compressão
10,8:1
Potência máxima (NBR 5484)
277 cv a 6.200 rpm
Torque máximo (NBR 5484)
35,2 m·kgf a 4.700 rpm
Formação de mistura
Injeção no duto
TRANSMISSÃO
Tipo
Câmbio automático de 6 marchas à frente e uma à ré, tração integral
Relações das marchas
1ª 3,3006:1; 2ª 1,900:1; 3ª 1,1,420:1; 4ª 1,000 (direta); 5ª 0,713:1; 6ª 0,608; ré 4,148:1
Relação de diferencial
4,398:1
SUSPENSÃO
Dianteira e traseira
Independente, braços triangulares superpostos, mola pneumática, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Caixa de direção
Pinhão e cremalheira com assistência elétrica variável com a velocidade
Relação de direção
n.d.
N° de voltas entre batentes
n.d.
Diâmetro mínimo de curva
11,8 m
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado de 327 mm Ø, pinça fixa com 2 pistões
Traseiros
A disco de 310 mm Ø, pinça fixa com 2 pistões
Controle
ABS c/ distribuição eletrônica das forças de frenagem e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 7,5 x 18 pol.
Pneus
235/60R18
CONSTRUÇÃO
Arquitetura
Monobloco em aço, subchassi dianteiro, utilitário esporte de quatro portas, cinco lugares
Aerodinâmica
Cx 0,33
Área frontal (estimada)
2,91 m²
DIMENSÕES
Comprimento
4.770 mm
Largura
1.885 mm
Altura
1.720 mm
Entreeixos
2.740 mm
Bitola dianteira/traseira
1.630/1.620 mm
CAPACIDADES E PESOS
Porta-malas
1.132 litros
Tanque de combustível
72,5 litros
Peso em ordem de marcha
1.895 kg
DESEMPENHO E CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Velocidade máxima
200 km/h
Aceleração 0-100 km/h
8 s
Consumo urbano
n.d.
Consumo rodoviário
n.d.
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Intervalos de revisão
10.000 km
Garantia contratual
4 anos


LEXUS RX350, PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS

ACABAMENTO/EXTERIOR
Acabamento interno em couro e madeira
Grade frontal estilo carretel (Spindle)
Lanternas traseira em LEDs
Luzes de uso diurno em "L", a LEDs
Ponteira de escapamento duplas e cromadas
Trilho para bagageiro de teto
CONFORTO E COMODIDADE
Abertura e fechamento motorizado da tampa do porta-malas
Acionamento elétrico de travas e vidros das quatro portas
Afastamento automático do volante de direção ao desligar motor
Ajuste elétrico do volante de direção em altura e distância
Ajuste elétrico dos bancos do motorista e do acompanhante, com memória para o do motorista
Ajuste elétrico dos espelhos externos, que incluem repetidoras dos indicadores de direção
Alto-falantes (9) e tweeters (4)
Ar-condicionado integrado, digital, frio e quente, 2 zonas
Banco traseiro com descansa-braço central e porta-copos
Bancos do motorista e acompanhante com aquecimento
Bancos revestidos de couro
Bluetooth
Botão de partida do motor
Câmera de ré
Computador de bordo (consumo instantâneo, consumo médio, autonomia e temperatura externa
Console com porta-copos e porta-objetos nas portas dianteiras
Controle automático de velocidade de cruzeiro
Descansa-braço dianteiro com porta-copos
Desembaçador do vidro traseiro
Destravamento automático de portas e porta-malas por aproximação de chave
Disqueteira para seis CDs
Entrada auxiliar e USB
Hodômetro totalizador e parcial
Indicador de condução econômica
Luz de cortesia nas soleiras dianteiras
Luz de cortesia nos espelhos externos
Luzes de leitura dianteira e traseira
Memória para os retrovisores externos
Pára-sóis com espelho e iluminação
Porta-objetos na lateral do painel e nas portas traseiras
Porta-objetos no painel central
Porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros
Rádio AM/FM, MP3 e WMA com 12 alto-falantes e 4 tweeters
Relógio digital
Retrovisor interno eletrocrômico
Retrovisores externos com função abaixar orientação ao engatar ré e memória
Seleção Power/Snow de modo de condução
Sensor de chuva
Sensor de estacionamento dianteiro e traseiro
Sistema de entretenimento do banco traseiro
Sistema Multimídia Lexus
Temporizador do limpador de pára-brisa
Teto solar de acionamento elétrico
Toca-DVD
Volante e manopla de câmbio revestidos de couro
Volante multifuncional com controle de áudio, computador de bordo, telefone e controlador de velocidade de cruzeiro
SEGURANÇA
Apoios de cabeça dos bancos dianteiros com sistema mecânico anticolisào traseira
Bolsas infláveis frontais, laterais, de cortina e de joelho para passageiros dianteiros
Chave com comandos integrados (portas, porta-malas e alarme)
Cintos de segurança traseiros de três pontos
Cintos dianteiros com pré-tensionador e limitador de força
Contole de tração
Controle de estabilidade
Faróis de neblina
Faróis de xenônio com lavador e regulagem automática de altura
Faróis direcionais
Imobilizador de motor


ES350

Lexus ES350

Como foi dito, o ES350 só será comercializado no Brasil a partir de novembro. É a mais recente evolução – foi apresentado Salão de Nova York em abril – do modelo lançado em 1991, atualizado em 2002, depois em 2006. É maior que o IS300, com entreeixos de 2.820 mm (mais 450 mm) e comprimento de 4.900 mm (mais 250 mm), 1.820 de largura e 1.450 mm de altura.

Mudanças internas em relação à versão anterior incluem redução da inclinação do volante de 24° para 22° e novo tratamento acústico. Houve aumento de 70 mm no espaço para os joelhos e de 103 mm para as pernas dos ocupantes do banco traseiro.

O motor é o mesmo do utilitário RX350, com câmbio automático de seis marchas, velocidade máxima de 210 km/h e aceleração 0-100 km/h em torno de 7 segundos. Falaremos mais dele quando for efetivamente lançado e o dirigirmos.

BS

62 comentários:

  1. Essa marca deu suadouro às tradicionais do segmento na década de 90, estabelecendo novos standards. Mas anda meio apagada ultimamente, aliás como toda a indústria japonesa em geral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atualmente, só os híbridos japoneses estão dando conta de esmagar seus concorrentes.

      Excluir
    2. Meu Accord v6 anda o mesmo que o primeiro Lexus. Mesmo assim vou comprar o bicho usado daqui a uns 6 anos, quando o preço cair para 25% do atual. Idem para o segundo. Que carro, hein? E com uma das grifes que mais admiro no mundo, a Toyota. Para mim só perde para a Honda que entendo como a melhor do mundo, muito a frente de BMW, Mercedes, etc.

      Excluir
  2. Victor Gomes26/05/12 12:48

    Nossa! Quanto luxo! Acho que o modelo que terá mais dificuldade com a concorrência é o LS460. Não pelo carro em si, que tem qualidades superlativas, mas pelo tradicionalismo do segmento, onde Audi, Mercedes e BMW ainda imperam.
    A Lexus poderia importar sedan GS. Não é grande como o LS, mas tem todo um tempero esportivo, tal como a linha IS.
    Afinal, se o Lexus IS disputará com BMW Série 3 e Mercedes Classe C, qual segmento o ES atuará? E qual segmento o GS atuaria?

    ResponderExcluir
  3. Bob,
    A foto do painel do LS460L "não confere": ao contrário do afirmado no texto, o contagiros aparece à direita. (Reparando melhor, é a mesma foto do painel do IS300.)
    No mais, belos carros - principalmente os dois primeiros, já que SUV tem que ser muito bom para chamar minha atenção. Só resta esperar que o atendimento nas concessionárias Lexus seja diferente da Toyota, cujos funcionários, sob os eflúvios da maldita doutrina da qualidade total, insistem em tratar o cliente como estatística.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zamariolli
      Erro meu ao aplicar a foto, obrigado por avisar. Já foi corrigido.

      Excluir
  4. IS tá na minha lista de sonhos.

    Principalmente o F 5.0 de 416CV !!!

    ResponderExcluir
  5. Só pra avisar, que já existe um Lexus LFA branco no Brasil. Não sei quem comprou nem nada. Mas há boatos que havia um no pátio da Toyota em São Bernado do Campo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe de fato. O carro, branco, foi mostrado no dia da apresentação dos Lexus. O berro do motor (carro parado) é de F-1. Berro e caída de giro, como se não tivesse volante.

      Excluir
    2. o ronco é uma das coisas mais especiais desse carro... A Yamaha (pra quem não sabe além de motos, fabrica instrumentos musicais) "afinou" o LFA para ter esse ronco maravilhoso

      Excluir
  6. O Japão já tem carro para brigar e até vencer as tradicionais marcas alemães. Em breve será a vez da Coréia e mais tarde a vez da China.

    Às vezes eu penso que talvez seria melhor para nós brasileiros, que não fabricássemos automóveis. Tal e qual o Chile, deveríamos importar o veículo que quiséssemos e com impostos alfandegários reduzidos.

    A mão de obra resultante, poderia ser utilizada para aumentar a produção e exportação de mais caminhões, tratores, jipes e implementos agrícolas, já que esses produtos brasileiros são de excelente qualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não demora os chineses começam a desembarcar no Brasil seus caminhões e máquinas agrícolas. Que se cuidem as fabricantes locais.

      Excluir
    2. E aí o brasileiro perceberá que só sabe fazer... Vendedor de telemarketing, talvez? O fato é que a engenharia de produtos por aqui não vai bem das pernas, alternando períodos de atraso (quando as importações estão proibidas) e de estagnação (quando as importações estão liberadas). Falta engenheiro no Brasil, e falta aos engenheiros do Brasil um pouco de visão numa área tão estratégica...

      Excluir
    3. O que falta é mercado. A engenharia brasileira é adaptada ao que o brasileiro consome. Veja bem, o uno ainda é um carro economicamente viável, porque o mercado não exige nada mais do que isso. Obviamente, os Engenheiros daqui sabem fazer carros melhores, mas fazer para quê se o mercado absorve carro ruim? É como contratar um Chef renomado para fazer comida de porco. O que há é uma falta generalizada de consciência crítica.

      Excluir
    4. Pelamordedeus! O que falta é estudo, oportunidade, dinheiro, decencia, menos safadeza do governo que está locupetrado com a industria automotiva até a alma! Eles impediram o país de desnvolver ferrovias, hidrovias, carros bons, tudo! Esta máfia formada pelas 4 grandes, a custa de muito suborno da corja política, manda no país!

      Excluir
  7. Outro dia um LS preto me ultrapassou na rodovia. Quando o vi pelo retrovisor, ainda à distância, pensei que fosse uma silverado rebaixada, esse trambolho é largo, kkk..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. É de se apaixonar pelo IS300.
    Quem me dera...

    ResponderExcluir
  9. Bob, os Lexus sempre foram tração traseira? Podia jurar que esses carros eram de tração dianteira. Também me surpreendeu o Chrysler 300 voltar à tração traseira num tempo que parecia que esta configuração estava morrendo (infelizmente, pois eu adoro dirigir um "rear wheel drive" de vez em quando) Seria uma tendência de voltar à tração traseira, ou é só porque a Mercedes e a BMW insistem nisso e eles vão na onda? Ou coincidência mesmo...

    Aliás, ótimo post pra variar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor Gomes26/05/12 13:28

      Não sei a atual, mas as gerações anteriores do Lexus ES eram tração dianteira. Aproveitavam plataforma e motores do Toyota Camry.

      Excluir
    2. Fora o ES e o pequeno CT200h (plataforma do Prius), são todos tração traseira.

      Excluir
    3. O começo da Lexus teve um modelo de tração dianteira (o ES, cuja atual geração mantém tal configuração) e um de tração traseira (o LS, que também segue inalterado e no máximo ganhou uma versão de tração integral vendida em poucos países, como a Rússia). Portanto, nenhuma das duas trações é alienígena à marca e sempre tiveram nichos específicos.
      O ES é pensado para aquele velhinho americano que joga golfe e quer algo luxuoso que o leve do ponto A ao B, enquanto o LS é feito para concorrer com Mercedes Classe S e BMW Série 7.
      Com o tempo é que foram surgindo outros modelos, como o SC (derivado da base do LS e cuja primeira geração tinha estilo ousadíssimo), o GS (tamanho de um Série 5) o RX, o IS e, por fim, o HS e o CT (ambos derivados do Prius). Também é preciso lembrar de alguns modelos pontuais da marca, como o LX (versão mais luxuosa do Land Cruiser) e o GX (um Prado com outra grade vendido na América do Norte).

      Excluir
  10. Achei estranha a decisão de trazer o ES350 para concorrer com Mercedes Classe E, BMW Série 5 e Audi A6 pelo fato do ES ser derivado do Camry, acho que seria mais apropriado trazer o GS 350 e 450h que concorre diretamente com esses carros alemães nos EUA e Europa.
    http://www.caranddriver.com/comparisons/2012-audi-a6-30t-quattro-vs-2013-lexus-gs350-comparison-test

    ResponderExcluir
  11. Eu vou poder ter um Lexus quando, depois de uns 10 donos, e já com uns 15 anos para mais de uso, ele tiver sido transformado em Lixus, e custar 5 mil dinheiros. Mas aí, embora podendo, não vou querer ter um, he, he!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido. Mas desconsiderando-se as distorções do nosso mercado quanto a desvalorização de certos modelos, nos EUA um Lexus LS400 ano 2000 vale cerca de 1000 dólares mais que um BMW 740i do mesmo ano, mesmo tendo este último custado mais quando novo.

      Excluir
  12. Luxo à parte, tratar o cliente como se fosse um hóspede e não um simples cliente, deveria ser uma obrigação de toda concessionária em relação a todo comprador, seja de um Lexus ou de um Mille.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelamordedeus, não! Já basta o chá de cadeira (normalmente sem cadeira) que a gente toma hoje em dia quando vai atrás de alguma peça, se tratarem a gente como hóspede, vão querer oferecer pernoite e cobrar pelo cafezinho...

      Excluir
    2. Boa Braulio!

      Excluir
  13. Vou encomendar o meu: preto fosco e com película G5 em todos os vidros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O meu será branco fosco... mas com saco de lixo preto nos vidros.... para a alegria do BOB... kkkkk

      Excluir
  14. A minha única experiência com Lexus foi entrar em alguns em exposição. São carros impressionantes, mas concordo que parecem ter parado um pouco no tempo. Aliás, os japoneses parecem ter estagnado um pouco (vide o caso da Sony nos eletrônicos...)

    ResponderExcluir
  15. Mr. Car Roda Presa: Já existem Lexus usados dos anos 1990/2000 na faixa de $30mil. São carros excelentes e super equipados, longe de ser um LixUs como deve ser o teu carrinho!!! Se é q tens carro.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser analfabeto funcional, dá nisso: o sujeitinho leu meu post, achou que eu estava dizendo que o Lexus é um lixo, e deu seu pitizinho. Vai te catar, mané. Ao menos aprenda a entender aquilo que lê, antes de vir despejar besteiras aqui.

      Excluir
    2. Estou tendo aulas numa escola para habilitados. Está sendo muito bom, está resolvendo meu trauma de não passar de 2500 rpm. Já cheguei a 4000 rpm numa ultrapassagem a um caminhão de tijolos em pista simples. Recomendo!

      Excluir
    3. Pois é Mr. Car, cada coió que aparece...

      Excluir
    4. Aproveita e entre em uma escola que ensine retardados a se passarem por outros foristas sem que a fraude fique tão evidente, otário. He, he, he, he, he!

      Excluir
  16. Seria interessante ouvir o som dessa máquina.
    O mais bacana que ouvi até hoje, foi o do Mustang V8. Bárbaro!

    ResponderExcluir
  17. Pagar tão caro, sabendo que 70 % ou mais disso é imposto, que tem um destino contas já gordas na suíça ou em outros paraísos fiscais... é deprimente.

    ResponderExcluir
  18. O design do Lexus 300 lembra muito o Camry, interna e externamente. Por que a Toyota nunca teve interesse em fabricar um automo'vel no Brasil, ja' que tinha uma fa'brica? Lembro que na de'cada de 80 a Honda comprou um terreno para construir uma fa'brica e produzir o Civic.
    Asterix

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Contagiros do Lexus 300 no lado direito;
      Contagiros do Lexus 460 no lado esquerdo;
      Contagiros do Toyota Camry no lado esquerdo;
      Contagiros do Toyota Corolla no lado esquerdo.

      So' por curiosidade...

      Asterix

      Excluir
    2. E BMWs e Fiats, lado direito!

      Excluir
    3. A fábrica da Toyota que produzia o Bandeirante foi deficitária por décadas, talvez por isso a matriz tenha preferido investir em outros mercados naquela época.

      Excluir
    4. A fábrica da Toyota não foi tão deficitária assim, senão eles teriam saído assim como a Chrysler saiu duas vezes. Talvez a Toyota não tenha querido montar automóveis no Brasil devido ao fato de ela ser especializada em carros de porte médio, e esses não fazerem tanto sucesso no Brasil antes da década de 1990 (a preferência do consumidor de então era tanto carros para terceiro mundo como Gol, 147 e Corcel e também carros razoavelmente mais potentes, como Monza e Opala. Os carros médios de primeiro mundo não faziam sucesso mesmo por aqui).

      Excluir
    5. Mas Anônimo, os Simca, Opala, Monza, Corcel, Belcar, o Wyllis Aero, o Monza, o Passat, os FNM e depois os Alfa, todos eram carros médios, ou médio-pequenos, e é uma faixa na qual a maioria dos fabricantes aposta, justamente por conciliar um volume de vendas razoável com uma margem de lucros melhor que a dos compactos.
      O motivo da Toyota só ter começado a investir no Brasil depois da redemocratização, mesmo considerando o país estratégico o suficiente para não fechar a fábrica do Bandeirante deve ter sido outro, como o medo de uma mudança abrupta nas regras do jogo, coisa mais fácil de ocorrer durante uma ditadura (mas que também não justifica, conseguimos eleger governantes mais pirados do que qualquer ditador pensaria ser possível...), alguma porta que eles encontraram fechada, como a limitação às importações (convenhamos que deve ser muito mais fácil produzir certos componentes comuns a todos veículos da linha em um único lugar e exportá-los que manter uma fábrica em cada lugar, principalmente se um desses lugares é carente em mão de obra especializada, falta de interesse, já que o mercado Brasileiro só começou a dar sinais de vida após o meio dos anos 90, ou, sei lá, o Sr. Toyoda não conseguia pronunciar "Burazuiro" de modo que alguém entendesse o que ele queria dizer...

      Excluir
  19. Os Lexus devem ser indestrutíveis, já que mesmo um Toyota "barato" que usa materiais simples é mais confiável que as marcas alemãs imagina um Toyota caro, que usa materiais de altíssima qualidade e tecnologia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esqueçamos dos muitos anos em que a Lexus esteve no topo da pesquisa J.D Power de carros usados com o menor número de defeitos. Hoje em dia não está mais lá no topo, mas continua nas cabeças.

      Excluir
  20. Por aí se vê que os sedazoes de alto luxo não estão mortos. Para dizer a verdade, me parece que esse segmento nunca esteve tão competitivo quanto esse ano. A impressionar também que tenha tanta gente assim disposta a pagar mais de um quarto de milhão para ficar luxuosamente preso num engarrafamento.
    A RX 350 parece mais uma minivan disfarçada. Não deve ser interessante para a Toyota que ela sacrifique conforto para adquirir melhores dotes fora-de-estrada. Do jeito que está, já deve superar as expectativas dos consumidores.

    ResponderExcluir
  21. Que bom ver esses excelentes concorrentes às tradicionais marcas alemãs.
    Como fica o Camry? Mais barato e mais potente que o IS300, e com boa dose de luxo e dimensões semelhantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complementando...o IS300 apesar de menos potente e mais pesado, é mais rápido no 0 a 100 km/h (7,7 s contra 11,4 s do Camry), confirmando que é um carro superior, claro. Mas também muito mais caro.

      Excluir
  22. Andre Mondino27/05/12 10:16

    Bob, qual seria o motivo da sua preferência pelo conta-giros à esquerda?

    ResponderExcluir
  23. Marcus Maia27/05/12 17:58

    O IS300 não seria um sedan grande? Pois é mais comprido e tem o mesmo entreeixos de um Fusion.

    ResponderExcluir
  24. Uma surpresa interessante é ver que os japoneses têm um conceito interessante e que já vi se repetir em muitos carros com projeto naquelas bandas: última marcha mais longa do que o normal de uma marcha de economia e relação de diferencial curta até demais para a força do motor.
    Notem o IS300: sexta marcha a 0,586:1 e relação de diferencial de 3,727:1, com um torque de 30,6 mkgf a 4.400 rpm. Teoricamente até daria para usar uma relação mais curta no diferencial, mas preferiram mantê-la um tanto elevada. O mesmo acontece no RX350, com seus 0,608:1 e ainda mais acentuados 4,398:1, sendo que neste caso há um motor ainda mais potente e torcudo.

    Fica-me a impressão de que preparam o carro para ficar o máximo possível de tempo na última marcha em qualquer situação, cortando assim o maior gasto de combustível que uma redução de marcha implica na retomada. E essa tônica pode ser vista tanto em automáticos quanto manuais japoneses.

    ResponderExcluir
  25. Agora a Toyota resolveu "pegar pesado" no segmento de luxo aqui no Brasil, para fazer frente à Audi, BMW e Mercedes-Benz. Ótimo, quanto mais opções, melhor.

    ResponderExcluir
  26. Carros magnificamente bem engenheirados, mas as capinhas de motor podem ir todas para o lixo, e economizar um bom troco para a Toyota.
    Motor escondido é o fim do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Juvenal!
      É por essas e outras que adoro os carros italianos!
      Motor é para ser mostrado e admirado , sentido e escutado!
      O que adianta uma moça bonita enfiada numa burca até o pescoço?

      Excluir
    2. Juvenal,
      Quando li sobre os motores totalmente cobertos, lembrei na hora de você...
      Abraço!
      RR

      Excluir
  27. Enxergo o Lexus como um "luxo racional" em relação aos alemães. São carros extremamente competentes a que vieram; acredito serem, na categoria, os melhores do Japão.

    ResponderExcluir
  28. Eurico Jr.28/05/12 23:19

    Uma curiosidade para o pessoal: quando o pioneiro LS 400 foi lançado, a GM comprou um carro e o desmontou por completo. O chocante veredicto dos engenheiros: a GM não dispunha de tecnologia para construir um carro igual.

    Mais sobre a excelência técnica da Lexus:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Lexus_LS_400#Manufacturing

    ResponderExcluir
  29. TudoDeNovo28/05/12 23:42

    Pela quantidade de rasgacao de seda e elogios, é certeza que vai encalhar!

    Brasileiro não compra Toyota chique a preço de BMW nem a pau (Juvenal). Uns poucos comprarão, pra serem diferentes. Depois voltarão ao trio alemão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu compro! Usado que não sou besta nem rico o suficiente para sustentar politico safado! E se não tiver aqui, compro em Miami e deixo na minha casa lá, que já tem um Camry comprado por ninharia se comparado com o preço daqui.

      Excluir
  30. Adorei os sedans. Mas precisamos parar de pagar tão caro aqui. Os preços são abusivos, como sào os da BMW e Mercedes. Fico com meu Ômega Fitti mesmo. Pago da metade a quase 1/4 e dá para se divertir com o GM australiano de injeção direta. Não tem o luxo destes nem talvez a qualidade mecânica. Mas pelo menos nào me aleija o bolso.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...