Google+

13 de junho de 2012

AS DIVERSAS CULTURAS DE TRÂNSITO DE SÃO PAULO




Em países como o Brasil, grandioso em território, os grandes centros urbanos parecem ser sempre o principal destino dos aventureiros em busca de melhores oportunidades, emprego e condições de vida. Cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte são grandes receptores de migrantes das suas zonas periféricas, ou mesmo de outros estados.

É bem comum ver o choque destes migrantes de pequenas cidades quando se deparam com cidades como São Paulo. É outra realidade, outros costumes, outro rítmo de vida. Mas, entretanto, dificilmente vemos o lado inverso, a diferença dos hábitos de quem sai de um grande centro para uma cidade pequena do interior do estado.

Uma parcela curiosa destas diferenças de costume, e por que não dizer culturais, é o trânsito urbano. Quem sai de uma pequena cidade e chega em São Paulo se assusta com o caótico trânsito e congestionamentos. Estão por todos os lados, buzinas e semáforos, lei da selva e cada um por sí. Mas raramente pensamos no contrário, como é que uma pessoa acostumada com o caos da cidade grande vê as diferenças para uma cidade menor.

Um bom exemplo disto foi conhecer o trânsito local da cidade de Botucatu, no interior paulista. Com aproximadamente 150 mil habitantes, está longe de ser um centro urbano caótico e congestionado. Congestionamento local já é considerado alto se dois quarteirões estão parados, o que em São Paulo é até bom. A referência é completamente diferente, vive-se bem mais tranquilo, pois o volume de carros é pequeno.

Aviso de radar de velocidade na via.

Os hábitos ao volante são diferentes logo à primeira vista, pois há poucos cruzamentos com semáforo na cidade, e a preferência não segue a mesma lógica de São Paulo. O relevo da cidade é farto em aclives e declives, muitos dos cruzamentos são em rampas e a preferência em um cruzamento de uma rua inclinada com uma rua plana é de quem está na rua plana, ao contrário do que se considera em São Paulo, dando preferência para quem está subindo ou descendo a rua inclinada. Alguns sustos até se acostumar com isso, "faz parte".

A rua que requer o radar da foto acima.
As faixas de pedestre em diversos cruzamentos é recuada para mais longe da intersecção, assim o carro que precisa avançar e parar para olhar se há outros carros vindo não fica parado sobre a faixa. Uma solução simples e lógica.

Os pontos onde há maiores índices de acidentes são indicados por placas e contam até com um ranking (!). O curioso foi achar o ponto número 1 em acidentes na cidade. Vejam a foto e digam se não seria só mais uma pacata rua de bairro pequeno. Os cruzamentos das principais avenidas estão na lista também, mas em outras posições no ranking. Imaginem fazer isso em SP, a cada 250 metros da Avenida dos Bandeirantes e das marginais haveria uma plaquinha.
 
Placa indicativa do ranking de locais com alto índice de acidentes
Lembram da aburda ciclofaixa do bairro de Moema que já foi comentada aqui no AE, onde os ciclistas passam entre a guia e os carros estacionados no meio da rua? Pois é, lá em Botucatu fizeram uma também, mas em uma avenida de menor movimento que chega nos portões da Unesp. Os carros estacionados também foram afastados da calçada para abrir espaço para os ciclistas, mas a diferença é que lá construiram uma espécie de mini-guia para separar os carros dos ciclistas, assim quem abrir a porta do carro não acerta o ciclista passando ao lado. Brilhante, não? 

Falar que as pessoas de lá dirigem mal, que é o primeiro pensamento que passa na nossa cabeça ao se deparar com uma situação adversa, é complicado, pois tenho certeza que pensam a mesma coisa dos paulistas forasteiros que por lá passam. Os costumes ao volante são outros. Entre os habitantes locais, funciona, o problema é inserir um motorista de fora e com outros hábitos no meio. É como falar que os argentinos dirigem mal e Buenos Aires é um caos, que para nós brasileiros é, mas lá funciona e é o normal para eles. 

O cruzamento mais perigoso da cidade.

Um detalhe curioso que não pude fotografar é o uso mais frequente de carros antigos para o uso no dia a dia. Fuscas são a unanimidade entre nos velhinhos não aposentados, mas também vi alguns DKW-Vemag e até mesmo um Fissore vinho, todos com cara de que são carros de uso regular.

Realmente curioso, ruas e avenidas com pouco movimento, quase sempre sem semáforo, um sossego para que está acostumado com a correria e o estresse do trânsito de São Paulo, uma forma diferente de ver o mundo, e como os outros nos vêem.

MB

108 comentários:

  1. Velho da Bengala de Osso13/06/12 12:06

    Pois é, infelizmente a grande maioria dos que moram nos grandes centros se tornaram incapazes de olhar para fora de seus umbigos e notarem que existe vida fora das metrópoles, a qual inclusive pode ser muito melhor que a vida urbana.
    Eu mesmo sou um que está caindo fora de SP e indo pro interior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dependendo da cidade do interior escolhida, os hábitos e problemas são praticamente os mesmos de São Paulo. Exemplos disso são Jundiaí e Campinas. Outras cidades, como Ribeirão Preto eu não conheço, mas quem morou por lá relata os mesmos problemas.

      Excluir
    2. Campinas tem o agravante que o motorista é nervoso igual o de Sampa porém com a habilidade de um motorista de domingo de cidade rural.

      Excluir
    3. E ainda por cima fala puxando o errrrrrrre
      Aff!

      Excluir
    4. Anônimo13/06/12 12:57: Prefiro puxar erre a puxar carroça que nem teu pai!(modo caipira ofendido - ON)

      Excluir
    5. Moro numa cidade pequena do interior. Acabo de evitar uma batida com um paulistano que entrou na contra mão, em plena rotatória de entrada do bairro! Nem buzinei. Só fiquei encarando a cara do babaca encolhido no seu Corolla com placas da capital...
      Muitos paulistanos que vem morar no interior trazem costumes da capital: eles cobrem a casa até o portão da rua, cujas grades ficam com aquelas bundas para guardar a SUV na garagem apertada que eles constroem.
      Estou pensando em me mudar para mais longe da influência desse povo moderno.

      Excluir
    6. Velho da Bengala de Osso13/06/12 17:15

      Concordo que Campinas não é uma pacata cidade interiorana, mas a diferença de vida de Campinas para SP ainda é brutal. Não dá nem para comparar.

      Excluir
    7. Pô, Campinas e Ribeirão já não são cidadezinhas pacatas. Foi-se o tempo!

      Excluir
    8. Mas ainda não são SP...

      Excluir
    9. Sorocaba é péssima no quesito habilidade dos motoristas...

      Todos os carros vendidos lá saem sem chave de seta, afinal ninguém sabe pra que serve ou a usa! Isso só pra citar um dos inúmeros defeitos dos mautoristas de lá...

      Excluir
  2. MB,
    visite Ferraz de Vasconcelos, Suzano ou Poá, em SP, e veja o que FALTA TOTAL de padrão em sinalização de trânsito: aplicação, dimensionamento, simbologia, nomenclatura... tudo fora de padrão - mas provavelmente de acordo com a empresa "do zé" que "ganhou" alguma "licitação".

    Terrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ledoni,
      Não precisa ir muito longe. Em SP mesmo tem lugares péssimos.
      abs

      Excluir
  3. O único defeito das ruas, são algumas avenidas com faixas mais estreitas que as de São Paulo.
    Botucatu é o paraíso... Sempre que posso escapo pra lá, inclusive este final de semana estou indo! Pegar a recém recapeada Rodovia Marechal Rondon, com acho que apenas um radar entre Itu até Botucatu, depois pegar a linda serrinha chegando na cidade...

    ResponderExcluir
  4. Como paulistano, sempre estranhei dirigir em Belo Horizonte.

    Estranho o pessoal em BH acelerar bastante em descidas íngremes e frear forte no final.

    Também é estranho ao parar em um cruzamento, "deixarem a frente" do carro já no meio do cruzamento ou sobre a faixa de pedestres... como se o carro acabasse no volante.

    Também é engraçado como antes de frear, sempre tentam mudar de faixa primeiro.

    Na grande São Paulo (exceto capital) é comum o pessoal estacionar "de qualquer jeito"... não necessariamente alinhado ao meio fio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já em São Paulo, capital, os motoristas têm a mania de entrar na frente de qualquer carro que mantenha a distância mínima de segurança nas faixas...

      Excluir
  5. Os paulistas que vem para Santa Catarina, tem o hábito de rodar no acostamento das rodovias e de não respeitar os semáforos nas cidades.
    Paranaenses correm muito e riograndenses andam sossegado mas sempre distraído com o chimarrão.
    E os catarinenses...Bem, eles não sabem o porquê da existência das setas, e assim como os mineiros, aceleram tudo o que for possível para depois parar repentinamente. Camionetas e SUVs, é raro encontrar uma bem estacionada. Ah!E também gostam de colocar em seus carros as famosas lâmpadas de neon, não dando a minima se incomodam ou não. sem falar, é claro, dos sacos de lixo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é uma questão de acelerar tudo o que podem até o próximo sinal. É simples, quanto mais carros aproveitam o sinal verde, menos congestionamento. Desde que o comportamento seja padrão. Se abre o sinal todo mundo arranca devagar, vão passar poucos carros. Isso é pensar no coletivo.

      Excluir
    2. Os catarinenses tbm não sabem o q é faixa-contínua.

      Excluir
    3. SC não é parâmetro para nada. Um estado que tem retorno em nível no centro da pista e aprendeu a duplicar rodovias há 10 anos não pode ser levado a sério.

      Falando nisso, SC é o segundo estado com o maior número de acidentes fatais no país, perdendo apenas para MG, que é um pouquinho maior e está praticamente no centro do país.

      Excluir
    4. MG não é pouquinho maior que SC, é MUITO maior que SC. E tem a maior malha rodoviária do Brasil, sobretudo se for de BRs. Então, proporcionalmente se comparado a outros estados, até que não é dos piores lugares. Tenso mesmo ali é ir de BH a Vitória naquela BR-262.

      Excluir
    5. Sempre que vejo um caminhão com a sigla sc ou rs procuro me afastar bastante deles...
      Fabio.

      Excluir
  6. Sobre os carros mais antigos, em grandes centros urbanos, inclusive cidades de interior que estão se tornando muito grandes (vide eixo sp-interior) as pessoas medem o sucesso da outra pelo carro que ela dirige (mesmo que este seja financiado a perder de vista).

    Em cidades do interior ter um bom carro é simplesmente ter um carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ferreirafp13/06/12 14:08

      Isso não é regra. No interior, ter um carrão ou uma camionete zero também é sinal de status.

      Excluir
    2. Em cidades do interior, carro é status da mesma forma que na capital.

      Excluir
    3. Aqui no interiorrr "conta muito" sim ter um carro novo e caro, principalmente se for picape.

      Excluir
  7. E no Rio de Janeiro? É uma falta de educação que nunca vi em nenhuma outra cidade ! Simplesmente outros motoristas não dão passagem qdo vc tenta mudar de faixa. Pode dar seta, por o braço pra fora, o que for...esquece..só entra na base da buzinada!
    Fora isso, dirigem como se estivessem na tomada de tempo da F1!

    ANÔNIMO SEM NOME

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio13/06/12 19:23

      Já ouvi dizer que no RJ os ishpérrtosh pegam "vácuo de ambulância".
      E os motoristas de ônibus lá, sem comentários...

      Excluir
    2. Eu sou carioca e realmente tá phodda de dirigir aqui, os apressados andam voando de qualquer maneira e em qualquer lugar e o resto da população, uns 90%, andam lambendo a esquerda o mais devagar possível obstruindo todo o trânsito e ainda tem aqueles que pagam 2 ipva's para o mesmo carro e por isso andam em duas faixas ao mesmo tempo....
      Tenso....

      Excluir
  8. Já morei no interior de São Paulo, e uma saudade imensa que sinto é a de encontrar vaga em qualquer hora, e em qualquer. Ah, e sem um FILHO DE UMA P*TA de um MALDITO flanelinha para querer me extorquir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os flanelinhas atualmente extorquem até os pobres coitados que tem Logan? Caramba, o mundo está perdido!

      Excluir
    2. Extorquem. E extorquem também os filhos da puta que ao invés de fazerem alguma coisa útil como ir tirar a mãezinha da zona, ficam enchendo o saco dos outros no Autoentusiastas. Neste tempo que você gastou me respondendo, sua mãe já deu para mais cinco, he, he, he!

      Excluir
    3. Eu aqui solidário com os pobres coitados proprietários de Logan e o senhor falando estas palavras?
      Mas eu sei, este Lada Laika (parece, fale a verdade) da Renault te tira do sério.

      Excluir
    4. tu vive enchendo o saco aqui pq já tirou a sua maezinha de lá e a aposentou né. o Mr Logan. filho de marafona aposentada

      Excluir
    5. Pergunte aos foristas que não são moleques anônimos, quem é que vive enchendo o saco aqui, he, he! Em tempo: não precisei tirar minha mãe da zona, já que ela conhece isso só de ouvir falar, ao contrário da porca que pariu um certo anônimo, he, he, he!

      Excluir
    6. Acho falta de respeito tanto por parte do proprietário de Lada Laika quanto pelo anônimo o uso destas palavras. Em tempo: estou aqui contra os flanelinhas que estão abusando até dos pobres coitadinhos motoristas de Lada Laika. Precisamos informar a KGB.

      Excluir
    7. Na verdade não era minha mãe que tava na zona, era EU mesmo, vestido de mulher! E me orgulho disso!!
      Viva a diversidade!!!

      Excluir
    8. Aos que criticam o Logan por sua estética... já viram as fotos da nova geração? E mesmo o atual Logan é muito mais simpático que Versa e Cobalt, sem entrar no aspecto técnico de cada modelo.

      Excluir
    9. Em muitas cidades do interior de SP já não está mais fácil encontrar lugar pra estacionar em qualquer lugar e a qualquer hora... Aqui na minha cidade (não muito distante de Botucatu) quando preciso ir ao centro em certos horários, prefiro estacionar 800m antes e seguir a pé, do que chegar lá e ficar rodando à procura de uma vaguinha pra estacionar.

      Excluir
    10. Se eu estiver errado, alguém me coriga, mas parece que no Rio Grande do Sul foi proibido os flanelinhas atuarem ,por que não fazem isto no resto do Brasil?
      Fabio.

      Excluir
    11. Opa só corrigindo o texto acima "corrija" não coriga .
      Fabio

      Excluir
  9. Minha esposa é do interior paulista, cidadezinha de cerca de 40 mil habitantes. Apesar do trânsito pacato onde não há nem semáforo o índice de acidentes, inclusive com mortes, é alarmante.
    Alguns hábitos nada saudávei contribuem.
    À noite, nada de farol, a lanterna é suficiente.
    Cinto de segurança... só de for pegar a Anhanguera. Mesmo nas rodovias intermunicipais não usam porque, segundo eles mesmos, "vão devagarinho".
    Bicicletas andam na contramão da contramão.
    Final de semana a juventude enche a cara nas lojas de conveniência do postos de combústiveis e sai dando "demonstração de habilidade" nas avenidas.

    Eu diria que, mesmo mais pacato, o trânsito não é menos selvagem que na capital.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Garganta de Biela13/06/12 17:20

      Nossa, você acabou de descrever Paulínia! rs

      Excluir
    2. Engraçado pensarem em uma lei pela obrigatoriedade do uso dos faróis baixos durante o dia, sem antes fiscalizarem os vários carros que circulam apagados ou só de lanternas ou faróis de neblina À NOITE. Parece a famigerada Lei Seca, quando só depois dela é que passaram a fiscalizar os motoristas alcoolizados (ou nem isso).

      Concordo com o uso diurno de faróis baixos e sou adepto: nas rodovias em qualquer condição climática ou no uso urbano com tempo nublado ou chuvoso, mas dá raiva ver como nossos políticos querem resolver problemas na canetada, antes que se corrija o básico. Isso pra não dizer que as DRL, cada vez mais comuns, tornarão a lei anacrônica.

      Excluir
  10. Estudo no Sul de Minas Gerais e minha família é do interior de SP, uma cidade de 5.000 hab.
    Tanto aqui como lá a preferencia é para quem está subindo ou descendo, quem está no plano é que para, como em SP capital, portanto acho que varia de cidade pra cidade, não sendo uma regra nas cidades do interior.

    No mais é isso mesmo, pura paz.

    Afinal, deixa eu já perguntar aos paulistanos: Porque vocês moram nesse inferno? Tipo, qual a vantagem? Até ganha mais dinheiro, mas o custo de vida é o mais caro do mundo. Vejo isso na prática porque meu pai foi bancário a vida toda e hoje, aos 54 anos, tem rancho, sítio, 10 alqueires de cana-de-açucar (não é muito, para quem não tem noção, mas é alguma coisa), casa de 1000 m^2, um Astra e uma Montana, ambos 2011. Os amigos dele que moram na capital, engenheiros e empresários, ganhavam muito mais e não conseguiram acumular bens materiais. No máximo tem um apartamento aqui, um Corolla e um Corsa básico ali... e só! Não que seja pouco, mas uso isso para mostrar o quento não vejo sentido em morar em SP capital... Qualidade de vida eu nem vou comparar, porque é covardia com os paulistanos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fui bancário e sempre morei e cidades pequenas, mas depois da casa e do carro, preferi gastar tudo em gasolina, hehe...
      Barnabé.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Pelo que sei, num cruzamento sem sinalização a preferência é de quem vem pela direita.
      Como podem mudar uma regra de tráfego básica como esta?

      Excluir
    4. Sinalizando. Simples assim. Botuca tem placa em quase toda esquina...

      Excluir
    5. Simples, pq nem todo mundo presta concurso pra ir trabalhar no interior...

      Excluir
    6. P/ o Anônimo das 14:55
      Por que o leitor é imbecil? Não falou nenhuma mentira.

      João Paulo

      Excluir
    7. Lorenzo Frigerio13/06/12 19:29

      Já reparei que em SP, na subida da Min. Rocha Azevedo, que é uma das maiores pirambas da cidade, carros nas transversais planas insistem em querer atravessar na sua frente, quando você vem dando todo o gás do motor na subida; o cara avança na sua frente e você perde embalo, tem que reduzir para primeira. Se for um mil, tá ferrado.

      Excluir
    8. São Paulo, quem tá dentro não quer sair, quem tá fora não quer entrar.

      Excluir
    9. Zé da Silva15/06/12 09:30

      Guilherme
      Por favor , já que seu pai trabalhou tanto para conquistar tudo isso pergunte a êle quando é que pretende começar a viver.

      Excluir
    10. Ô Zé da Silva, fale para nós o que é viver pra você. O pai do cara tem sítio, casa de 1000 m2 e tem dois carros que não são populares. Se isto não é viver, o que é então? Respirar fumaça e morar num AP com nome fru-fru pra disfarçar os defeitos e o aperto? Paulistanos...

      João Paulo

      Excluir
    11. Quando estamos nos referindo à palavra porquê, ela deve ser escrita da forma como acabei de escrever. Apontar o erro é fácil, difícil é corrigir.
      Quanto a morar em sampa, acho que cada um mora onde quiser né. O que adianta morar no meio do mato? Os serviços acessados por meio de metrô em sampa não podem ser acessados nem com 10 picapes no interior.

      Excluir
  11. Quando se entra no DF somos recebidos com a seguinte placa: SENHORES VISITANTES, EM BRASÍLIA EVITAMOS BUZINAR.
    Com isso já muda muita coisa na cabeça do estressado cidadão que vista a capital federal.
    Quando se deparam com as "tesourinhas" e com os "balões", apenas com placas de dê a preferência, o vistante estranha, pois não está acostumado com respeito a sinalização.
    Mas o mais legal é nos retornos, onde existem faixas de aceleração para entrar no fluxo do tráfego sem ficar parado esperando uma vaga. Isso dá um nó no cérebro do engarrafado visitante.

    ResponderExcluir
  12. É ISSO AÍ MB!!! EM TERRA DE POPULAR 1.0 QUEM TEM TUCSON É REI!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pluto, tu já foi melhor nos comentários!

      Excluir
  13. 150 mil não é tão pouco assim. Botucatu é certamente uma cidade muito agradável, com uma das melhores faculdades de medicina do Brasil, uma vida noturna até surpreendente (talvez nessa vida noturna que aconteça a maior parte dos acidentes...) e um povo bem interessante. Vale a pena conhecer. Não que seja um paraíso, mas para quem sair do inferno que é a cidade se São Paulo...
    Quanto aos carros antigos, tenho lá algumas teorias:
    1- Um carro tem que ter a personalidade do dono. Talvez no interior seja mais fácil encontrar pessoas que não ligam se parecem antiquadas, desde que seu carro lhes diga alguma coisa. O que um carro zero-Km igualzinho a tantos outros na concessionária pode dize de seu dono? Que ainda faltam 59 prestações pra pagar?
    2- Há um certo pragmatismo interiorano na manutenção do carro por vários anos, ao invés de trocá-lo a cada nova estação: Os custos com manutenção tendem a ser menores que a depreciação, as revisões e os impostos cobrados quando o carro é novo. Se na capital ostentação é importante, em várias cidades ainda prevalece a ideia de que gastar dinheiro à toa é idiotice.
    3- O transito mais agradável faz com que tenha-se mais prazer em dirigir. É uma característica humana cuidar melhor daquilo que mais lhe agrada, assim como é uma característica das máquinas durarem mais quando são bem tratadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso de forma semelhante, e gostaria de apontar mais um ponto:
      Como as pessoas não estão sob um stress tão alto quanto em cidades maiores, conseguem ter mais prazer em coisas que há tempos já se perdeu na cidade grande, como dirigir o carro, passear, visitar amigos. E com isso, não ficam procurando prazer no consumismo, e acabam utilizando as coisas como se deve.

      Excluir
    2. Do ponto de vista técnico, acho que o transito pesado, o anda-para-anda-para sobrecarrega o sistema e diminui a vida útil do veiculo, causando uma manutenção maior do que numa cidade do interior...

      Excluir
    3. Velho da Bengala de Osso13/06/12 17:24

      Tem outro ponto aí, na "capitarrr" o sujeito vai passar umas duas horas por dia no carro, então procura um carro confortável e bem equipado, afinal ficará bastante tempo nele.
      Já na roça, os percursos são bem mais curtos e rápidos, então acho que é mais fácil aguentar um carro mais antigo, ou mesmo sem alguns mimos como BT ou A/C.
      QUanto ao status, acho até que na roça é pior, pois na cidade vc some na multidão, já nas cidades pequenas TUDO é visto e comentado, especialmente que carro o cara tem.

      Excluir
    4. No interior também existe o status de se ter o carro novo e bacanão, porém não chega a ser uma regra como em SP. Na capitarr, não ter carro do ano é "viver à margem".

      João Paulo

      Excluir
    5. Jegue do Pantano,
      Acho que os problemas sempre existem independente da cidade. A diferença é que cada uma tem os seus. As cidades menores, pelo menos as que eu conheço, sofrem mais com ruas sem asfalto (paralelepípedo, terra batida, etc), que também afetam a vida do veículo.
      abs

      Excluir
    6. Se a pavimentação aqui no interior de SP é um pouco pior que a da capital, aqui pode-se diminuir a velocidade e/ou desviar dos buracos, pois não há tráfego intenso. A condição mais desgastante para os carros é o anda-e-para dos congestionamentos. Por aqui, não é raro embreagem e amortecedores passarem dos 100 mil km em boas condições.

      Excluir
  14. botucatu já está virando a industria da multa, e não tem tanto carro velho por lá não, conheço muito bem essa cidade que durante 10 anos que vivi por lá o indice de criminalidade está muito alto.
    os carro velhos de lá são fuscas, belinas corceis e raramente vejo vemag, o pessoal fala muito em vemag para puxar o saco....
    vai estorar um escandalo lá com nenes adotados, estamos de olho

    ResponderExcluir
  15. pesquisem na internet os radares moveis na tv tem de botucatu, google etc, os crimes de transito com tiros, o cara apanha e voltou armado, lá é endemico o crime em botucatu, itatinga está cheio de crimes que é uma cidade vizinha...

    ResponderExcluir
  16. a cidade de botucatu é grande e depois que as cadeias foram para o interior o crime cresceu, rodinhas de mano entre as avenidas, consumo alto de alcool entre os jovens, roubo de carro e trafico ficaram de vez em botucatu, essa cidade já foi modelo e hoje colhe os frutos de um crescimento desordenado, favelas e curtiços já são realidade, esses carros antigos são da maioria dos pobres de lá, nunca vi vemag rodando assim não, já são carros raros por lá, a maioria dos velhinhos estão em situação precária e costumam ser recolhidos, a cidade já foi bem cuidada, mas o crescimento desordenado está prejudicando, roubos a fazendas e sitios já são corriqueiros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais uma cortesia do psdb...

      Excluir
    2. Que PSDB o que, seu ignorante pseudo-politizado. Isso é cortesia das DROGAS. Do filhinho-de-papai ao zé ruela da perifa, a maior parte da molecada no interior tá firme e forte na maconha, cocaína & afins. Junta com a má educação e falta de cultura com que os pais "criam" seus filhos, falta do que fazer e clima de liberou geral e dá nisso.

      Excluir
    3. Ah tá... ninguém mais lembra que o PCC parou São Paulo pro 1 dia em 2006... e quando um canal estrangeiro tentou entrevistar o Picolé de Chuchú sobre o assunto ele refugou todo bravinho... e a imprensa local, vendida nunca pressionou o cara... aliás o PCC dominou SP nessas quase 2 décadas de desgoverno

      Ignorante é vc seu tucanalha babaca... e é psdb com letra minúscula mesmo...

      Excluir
    4. E a industria da multa de Botucatu também é uma cortesia deles, já que são eles que estão na prefeitura...

      Excluir
    5. E as FARC comandam o PT e o Brasil há 10 anos, pseudo politizado só conta metade pra poder mentir e defender seu partidinho

      Excluir
    6. Mas não fala das drogas que eles ficam ofendidinhos, raça que gosta de droga. Até se acabarem que nem no 1º mundo

      Excluir
    7. Esses tucanalhas se acham os seres mais inteligentes do mundo, mas não passam de pseudo-intelectuais... e não podem ser contrariados que já começam a refugar e ficar bravinhos...

      Quem disse que tem algum petralha aqui? Em algum momento falei do pt?

      É mania de tucanalha usar a teoria da conspiração pra botar a culpa dos tropeços deles nos petralhas. Daqui há pouco vão falar que quem cavou o buraco do metrô foi o pt (com letra minúscula também), e que o pt sabota todo o dia os trens da CPTM, por isso que tem falhas todo santo dia... assim é molezinha governar hein...

      E de maracutaias esses aí também estão cheios... é que eles tem o rabinho preso com boa parte da imprensa, então não há tanta pressão para apurações...

      A sujeira está dos 2 lados, não venham com essa não.

      E ao anonimo que baixou o nível: eu não posso ser fdp, pois não nasci da tua mãe, mané.

      Excluir
    8. Foi voce que começou chamando de tucanalha e ninguem estava falando do psdb também, falou merda e entrou em contradição com a bíblia que acabou de escrever

      Excluir
    9. Não é petralha mas continua um fdp - ainda bem que não nasceu de minha mãe, do contrário seria obrigado a te matar. Não, o pt não cavou buracos nem sabotou os trens, tarefa última esta à cargo dos sindicatos e que nada mais são que braços dos partidos como pstu, psol, etc... além do pt, claro. Essa gente não suja a mão tão fácil e sempre fatura politicamente.

      Excluir
  17. Preferência em cruzamento deve ser a do código: o que vier pela direita do condutor.

    Regra de trânsito deve ser uma só, nada de cada região ou cidade inventar a sua. Já ouvi gente dizer que a preferência é do motorista da via sem valeta, e é isso que ocorre em São Paulo. Assim não dá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio13/06/12 19:38

      Minha mãe já dizia que a preferência é de quem vem à direita. Mas o que mais vemos em SP, terra da CET, aquela que gosta de reinventar a roda, são rotatórias com placas de preferência que não têm sequer a ver com o volume de tráfego de cada via.

      Excluir
    2. Marcelo Augusto13/06/12 21:43

      "...muitos dos cruzamentos são em rampas e a preferência em um cruzamento de uma rua inclinada com uma rua plana é de quem está na rua plana, ao contrário do que se considera em São Paulo..."

      Rasgaram o Código

      Excluir
  18. Alvarenga RN13/06/12 17:14

    Falando de transito nem tudo está perdido, tudo bem que é fora do pais, mas já é uma vitória. http://pistonheads.com/news/default.asp?storyId=25841

    ResponderExcluir
  19. Tópico lacônico, desnecessário, com enorme potencial pra gerar discussões que não levarão à nada!
    Brasileiro é mal-educado, arrogante, pseudo-desenvolvido e burro! Não importa o lugar, é tudo uma bosta só!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio13/06/12 19:34

      É verdade, e quando sai do Brasil se supera. Principalmente naqueles lugares-padrão: Flórida, Nova York e Paris.

      Excluir
    2. Não é para gerar discussão de onde é melhor ou pior, é apenas uma visão de outro lugar, com outros costumes.

      Excluir
    3. Claro que não teve tal intenção Milton, mas o fato é que a coisa descamba pro bairrismo e para a estereotipia;

      Excluir
    4. Pelo despropósito do comentário o Anônimo13/06/12 17:58 só pode estar falando dele e de seus parentes. Gente boa e gente ruim exite em todos os lugares do mundo!

      Excluir
    5. Daniel BBB13/06/12 20:44

      inclusive você que não sabe interpretar um texto.

      burro pra cacete!

      Excluir
    6. Brasileiro não vale a merda que caga!

      Excluir
    7. Concordo, o pior do Brasil é o brasileiro!

      Excluir
    8. Daniel BBB: com esse nome já mostra quem é! Demais anônimos: esses são anônimos de m#rd@!

      Excluir
  20. Moro em um condomínio de casas na região de Mogi das Cruzes, os excessos de velocidade dentro do condomínio são constantes, o limite de 30 km/h se faz necessário pelas ruas estreitas e a ausência de calçadas. Ano passado aumentaram significamente a quantidade de lombadas nas ruas do condomínio, não adiantou nada, o acelera e breca de uma lombada até a outra não deixou de existir, as ultrapassagens e outras barbaridades idem. Alguém se tocou que mais lombadas tornaria o trafegar dentro do condomínio insuportável e a solução agora adotada (fiquem pasmos): a segurança privada do condomínio está utilizando radar fotográfico para registrar os infratoes e suportar como prova para uma multa condominial. E eu pagando essa conta, seja para aquisição / manutenção deste equipamento, seja para a manutenção do meu carro, seja para a manutenção do micro-ônibus e veículos de manutenção do condomínio...e para gerar economia era só retirar as lombadas. Mas para isso alguns vizinhos precisariam deixar de ser mal-educados, arrogantes e burros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De tão absurda essa situação por quê não se insurgiu ainda? Pela via judicial, claro! Passe a sua conta (esse tipo de gasto condominial) para os infratores do seu condomínio!

      Excluir
  21. Talvez uma das explicações possíveis é que Botucatu é relativamente perto da capital (uns 200 km pela Castelo Branco, é isso?) e ainda está no raio de influência de cidades maiores. Meu irmão mora lá e muitas vezes vai para Sampa a lazer. Agora aqui, a 400 km da capital o povo dirige mal pra k@#*t%, param na rua de repente, não sabem usar a seta, não sabem seguir uma linha reta, INVARIAVELMENTE te fecham numa avenida de 2 (DUAS) faixas nas curvas... é um inferno pra quem vem de cidades maiores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Félix,

      E quem disse que aqui na Capital também não é assim?

      A maioria dos motoristas medianos de qualquer lugar do país não tem o mínimo de coordenação motora... não sei como que passam no psicotécnico!

      Qualquer curvinha mais fechada, já amolecem a mão no volante e não seguram o carro dentro de sua pista...

      Se for bairro da perifa, ou grande Sp, então.... só dá os "manos", carrão rebaixadão, filme G5, led na lanterna, sonzão cheio de cornetas tocando estilos musicais de gosto duvidoso, bração pra fora do carro.... e se estiverem na sua frente andam que nem lesmas... se estiverem na traseira grudam mesmo que você esteja desenvolvendo uma boa velocidade na via...

      Tem jeito não...

      Excluir
    2. Motorista com braço de fora andando que nem lesma... isso é uma praga mesmo! Uma das atitudes que tomei por conta própria pra ajudar a melhorar o trânsito foi NÃO usar mais filme nos vidros: assim os outros enxergam o fluxo do trânsito ATRAVÉS do meu carro (aliás, parece que na minha cidade pouco a pouco vem mudando esse hábito do insulfilm)

      Excluir
    3. Concordo, Félix. Aparentemente aqui em Campinas onde moro também estão mudando os hábitos. Vou notando cada dia menos carros em película.
      Mas... O problema é o seguinte: Trabalho numa concessionária Chevrolet e a quantidade de carros que saem com essas porcarias é praticamente 100%! O vendedor usa esse acessório como cortesia e o comprador acha que "saiu ganhando" alguma coisinha. Eu evito dar, mas o comprador sempre quer ter a ilusão de que tá "saindo por cima"...

      Adriano.

      Excluir
    4. A revenda GM daqui também dá para os carros mais caros (Celta não... ). Eu fiz a besteira de aceitar em 2008 e era um sofrimento na chuva e à noite.

      Excluir
  22. No feriado, fui a Poços de Caldas. Já deu pra notar uma tranquilidade muito maior que em São Paulo. As pessoas costumam ser mais gentis no trânsito e no comércio, e o uso de película escurecedora nos vidros é em geral restrita aos maus motoristas, que passam dos limites, ou aos turistas de São Paulo.
    Mas também há absurdos, como faixa de pedestres sempre sobre uma lombada, o que obriga a reduzir bastante a velocidade do carro antes de fazer curvas.

    ResponderExcluir
  23. Catarinense pensa que faixa contínua serve para enfeitar a pista, hehe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não por acaso um dos estados com maior número de acidentes fatais, mesmo estando bem atrás em tamanho da frota e malha viária..

      Excluir
  24. Morei muitos anos no noroeste de SP e uma característica marcante de cidades como Araçatuba e Rio Preto são as valetas em cada esquina. Obviamente que algumas não têm critério algum e haja parachoque para aguentar o raspa-raspa em cada cruzamento...

    Agora, o que irrita mesmo é a falta de educação e gentileza generalizada dos motoristas. Quando estou pedestre aqui em Belo Horizonte presto bastante atenção no trânsito e fico chocado com a pouca solidariedade. Cada um quer chegar em casa logo e ponto final e ninguém é capaz de ceder a vez em um cruzamento ou mesmo esperar alguém fazer sua baliza...

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Gostei muito do post , me fez ver algo bom em meio simplicidade !!! parabéns !!!


    http://www.ervasmedicinaiscuram.com/

    ResponderExcluir
  27. Dr. Traffic Calming14/06/12 17:19

    SP teve até seu autódromo ameaçado de extinção quando, na sua gestão, Luiza Erundina, pretendia transformar o local em um enorme Conjunto Habitacional Interlagos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido. Do jeito que é tratado o automobilismo brasileiro, Interlagos é mesmo um desperdício. E foi esta mesma Erundina que trouxe à Fórmula 1 de volta à cidade.

      Excluir
    2. Do jeito que anda a reputação dos prováveis canditatos a prefeito de São Paulo, dá até um nó na barriga...

      Excluir
    3. Zé da Silva17/06/12 01:49

      Liga não, o candidato do PT vai ter o apoio do mais notável procurado pela Interpol.

      Excluir
    4. Apoio do Dr. Paulo, aquele que ao invés de governar, construiu ruas.
      Sobre o automobilismo nacional estar uma porcaria, ninguém contestou. Também não se pode esperar nada deste bando de pilotos e ex-pilotos incompetentes que temos no Brasil.

      Excluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...