Google+

13 de agosto de 2012

TOYOTA COROLLA XRS: DESPERTANDO PAIXÃO E ÓDIO

Fotos: autor
Corolla XRS, versão esportiva do Corolla

Outro dia fui buscar um Toyota Corolla XRS para o teste de um mês do site Best Cars na histórica sede da empresa, na primeira fábrica da marca no país, em São Bernardo do Campo. Lembrei que lá pela metade dos anos 1970 estivera ali, onde então se fabricavam apenas os sólidos jipes Bandeirante, ícones de uma época onde no Brasil as estradas ruins eram em sua maioria de terra e não de asfalto.

Naquela época me chamou a atenção a aparência daquela fábrica, uma série de galpões baixos, parecendo mais uma grande oficina do que uma indústria de veículos. Era um lugar quase deserto de gente, de maquinários imponentes e decorrente tecnologia digna de nota. O tempo parecia andar mais devagar ali, e de fato andava pois o modelo fabricado era praticamente o mesmo desde quando a empresa se instalou no ABC paulista em 1962, o simples e robusto jipe Bandeirante e suas derivações, herdeiro pouco evoluído do lendário Toyota Land Cruiser japonês do início dos anos 1950.

Na recepção da atual e bem mais imponente Toyota de SBC, esperando "meu" Corolla XRS (made in Indaiatuba, certamente uma fábrica que nem de longe se parece com a antiga Toyota), lembrei também de meu primeiro contato com um veículo da marca japonesa: quando adolescente, tive poucas e boas aventuras em um jipe Bandeirante, carro de trabalho do pai de um amigo do colegial, o Fábio. Adepto do esporte favorito de nossa turma antes de completar os 18 anos de idade (surrupiar carros da família sempre que possível) aquele Toyota foi protagonista de curtas mas intensas aventuras, que basicamente consistiam em subir e descer barrancos de terrenos baldios em uma região da capital paulista que hoje está coalhada de prédios residenciais, o Klabin.


Meu amigo e seu pai idolatravam aquele Toyota Bandeirante. Força bruta, resistência e um pára-choque intimidador eram os ápices da intensa e apaixonada admiração.  Já eu achava aquele jipe um horror, um monumento ao desconforto, barulhento, duro, incompreensivelmente rude e com um desempenho pífio. Nas poucas vezes que o guiei, detestei.

Quando o pretíssimo Toyota XRS estacionou diante de meus olhos, a velha lembrança daqueles tempos passados fez 'puf', sumiu. Todavia, nas quatro semanas que durou meu convívio com o XRS, o Corolla fantasiado de esportivo, um tipo de adoração quase xiita como a de Fábio e seu pai pelo Bandeirante reapareceu através das mensagens de leitores da avaliação, donos ou não de Corollas. E junto deles, seus antagonistas.

Como nunca antes em mais de dois anos de "Um Mês ao Volante" e duas dezenas de modelos avaliados, a temporada com o sedã da Toyota foi marcada por intensa polêmica: de um lado, ferrenhos defensores do carro, para os quais é Deus no céu e Corolla na terra; de outro ferozes detratores, gente que abraçaria o diabo mas não quer nem saber do best-seller japonês.

Achei curioso constatar como um sedã sem maiores pretensões tenha sido capaz de atrair tantos comentários favoráveis e, por outro lado, críticas tão intensas. De início, imaginei que a fertilidade das mensagens se dava pela polêmica opção da Toyota de equipar o calmo sedã de adereços esportivos sem, no entanto, dotá-lo de um cavalo de potência a mais. Porém, com o passar das semanas, percebi que isso não era o real motivo, mas apenas um "gancho", o gatilho que dava vazão a tantas vozes ávidas em falar bem do Toyota e, como disse, a um prolífico coro de inimigos.

Basicamente a gritaria dos detratores dos Corolla mirava na "semgracice" do carro, no preço elevado face a concorrentes de mesmo calibre, em sua falta de personalidade e capacidade de emocionar seja pela aparência, seja pelas sensações ao volante. Já a turba pró-Corolla cantou odes à resistência e confiabilidade do modelo, derivada de uma suposta superioridade construtiva, da qualidade de materiais empregados e, claro, de um projeto sem rival à altura.


Detalhes exclusivos da versão, como o aerofólio traseiro
Me senti em um fogo cruzado tendo de escrever sobre esse carro, algo que nunca me aconteceu antes. Não vou dizer que amaciei críticas ou regulei o peso de elogios nos textos, mas certamente pensei mais do que o usual para escrever sobre qualidades quanto sobre a ausência delas. Ao final, restaram algumas conclusões, e evidentemente, mais inconclusões.

Diferentemente do que imaginava descobri a capacidade de um carro despretensioso (ou ao menos aparentemente despretensioso...) poder despertar paixões intensas, e talvez exatamente por se colocar de maneira morna. Um Corolla sedã não é um Celica, nem um LFA saído da prancheta de um designer de grife, e por conta disso mesmo, por ser tão anonimamente comum atrai repulsa e paixão na mesma intensidade.

Descobri também que esse Corolla deve ter, sim, algo do jipe Bandeirante em seu DNA, ou seja, que sua ventilada resistência pode ter fundamento: a Toyota do Canada corneteia que 80% dos Corolla vendidos naquele país nos últimos 20 anos ainda está rodando. Aqui a fama de solidez não está quantificada (ao menos quanto ao Corolla, já que nas antigas propagandas do Bandeirante se alardeava solidez medida em anos...), mas é opinião corrente, bem disseminada.

As inconclusões? Ah, na maioria de ordem polêmica. "O Corolla é caro, mas vale pagar mais pois deprecia menos e é fácil de vender." Nunca vendi um, nem comprei, mas me parece questionável o raciocínio: quanto certo ou errado é escolher um carro por quanto ele valerá depois de usado? Não sei. Sobre a emoção (ou falta dela) ao volante de um Corolla: isso é algo palpável para uns (eu sou desses) enquanto outros pouco se interessam se o carro tem um viés instigante seja qual for, que mesmo nesta versão pseudoesportiva XRS inexiste.

Sem querer fazer desse relato algo que se assemelhe a uma análise psicológica ou tese comportamental, a dedução a que cheguei sobre o atípico volume de mensagens não diz respeito unicamente ao Toyota Corolla, mas talvez ao modo japonês de fazer carros deste segmento utilitário. Qual modo? Um modo asséptico, quase pasteurizado, onde não há excesso, nem falta. Um jeito "coluna do meio" que cativa intensamente uns e irrita fortemente outros.

E vocês, o que acham?

RA

234 comentários:

  1. Esse texto me levou aos anos 80,em plena corrida armamentista entre as fabricantes de superbikers japónesas ,alguem lançou o V4 ,onde o alvo principal das criticas ,entre vcs jornalistas,era a falta de personalidade das motos com v4!

    ResponderExcluir
  2. O Corolla é um bom carro, mas como não compro carro pensando em revenda nem em rodar milhares de quilômetros, prefiro comprar algo que me traz mais satisfação.

    ResponderExcluir
  3. Acho racional demais. Japonês bom é Subaru!!!

    ResponderExcluir
  4. Rafael Ribeiro13/08/12 12:24

    Fui proprietário de um Fielder 2005 por 135.000km e acho que posso dar algumas impressões sobre o Corolla:

    1. Robustez é mesmo seu ponto forte. 135.000km sem NENHUMA quebra. Não tem nem mesmo correia dentada para se preocupar, troque óleos/fluidos/filtros/pastilhas e seja feliz. A concessionária era muito eficiente e não empurrava serviços.
    2. Sem graça de dirigir, apenas um eficiente, seguro e confortável meio de transporte.
    3. Desvalorização como de um outro carro qualquer, até pior que a média.
    4. O estilo da atual geração é pra lá de conservador. O XRS então é pura enganação. Na minha opinião, o atual é mais feio que o anterior, que na época de seu lançamento era até moderno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que a verdadeira revolta seja motivada pelo sobrepreço praticado pela TOYOTA, pois facilmente encontramos concorrentes diretos do corolla com o preço mais em conta. Talvez o toyota venda mais pq dá uma ilusoria sensação de mais status por custar mais. Não dá para justificar a toyota a cobrar preços abusivos nos seus veículos, o que para os consumidores é uma coisa ruim, pois acaba elevando o preço do restante dos concorrentes.
      Quanto a mecânica, tenho de dar o braço a torcer, pois é um carro que dá poucos problemas. Tenho um amigo que o pai só costumava a comprar Chevrolets, teve vários, monza, vectra A, vectra B, Omega. Então ele comprou o primeiro japonês, um corolla, ganhou tanta a confiança, que na hora de trocar os automoveis dos filhos, comprou dois civics um 2005 e um 2006, hoje tem um corolla 2011, um sentra e um Tiida. Como ele tinha uma loja de construção, comprou uma S-10, mas na hora de trocar, depois da experiencia com os carros japoneses, comprou uma hilux... O que eu quero dizer com todo esse relato é que as marcas tradicionais perderam terreno para os japoneses, principalmente a chevrolet, que dormiu no ponto.

      DPSF

      Excluir
    2. Tenho um 2007. Já flex sem sem restrições conama de 2009.

      Complementando o que o amigo Rafael Ribeiro escreveu, discordo do item 2 e concordo com os outros. Acho que quem faz o carro é o motorista.

      Meu carro é manual 5 marchas, e estas são, em minha opinião bem escalonadas, mas mesmo assim curtas. É possível a todo intante andar pelo método da carga, e funciona que é uma beleza. O motor é girador, e a partir de 4000rpm vira um leão, quem tem um pode dar o testemunho.
      Acelera de 0 a 180 como poucos.

      Meu pai possui um Civic 2009, e eu não trocaria pelo meu corolla. Sei das qualidades do Civic, sua suspenão primorosa (para o motorista), sem câmbio macio, sua qualidade em curvas.

      Mas o que de fato eu mais gosto nele além de sua robustez, é o consumo. Quando ando tranquilo na cidade, faço 15,5 com gasolina e 12,0 com alcool. Não me lembro no momento de um carro com potência similar, que seja tão econômico quanto.

      Não tenho a intenção de trocar meu carro no momento, mas pretendo que meu próximo carro, seja um corolla também.

      Agora esse câmbio de 4 marchas é de matar. Sei lá, é muito ultrapassado, todos os concorrentes possuem no mínimo 5 marchas e os caras mudam o modelo do carro, mexem no motor, lançam versão especial, colocam motor 2.0, e o maldito do câmbio ta aí...

      Excluir
  5. Carros eficientes, porém sem emoção alguma são ótimos meios de transporte, tal como o Corolla.

    Como não consigo encarar o ato de dirigir como mais uma tarefa do dia-a-dia (para alguns, nem prazeirosa é), não é o tipo de carro que me arranca suspiros.

    E além disso, essa racionalidade toda do Corolla fica em xeque quando comparamos o conteúdo e desempenho do carro com o valor pedido pela Toyota...

    ResponderExcluir
  6. Não consigo gostar do Corolla. Andei com um durante uma semana e so me fez gostar menos dele. Seu desenho sem sal, espaço interno ou a falta de espaço interno em relação ao seu porte é ponto negativo. Câmbio de 4 marchas automatico seja qual for o mdelo de carro nesse porte , com motorização semelhante não admito. Minimo 5. O carro não empolga, não anima. Não tinha vontade de sair com ele. Custa muito e entrega pouco. Comprar um determinado modelo de carro ou marca porque é facil de vender no mercado de usados, é para os escravos do seu proprio dinheiro. Boa partes desses escravos sequer usa o ar condicionado em seus carros porque gasta mais.
    Compram carros "completos", pagam bem mais por algo que não usam, mas dizem que depois o carro vale mais. Vai entender uma mente dessa.
    Pobres de espirito.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Fiz uma avaliação com o Corolla XRS no meu blog algum tempo atrás. Acho, sinceramente, que se essa versão XRS nunca tivesse sido feita, não teria feito a menor falta.

    http://www.direcaoassistida.com/2012/04/impressoes-toyota-corolla-xrs.html

    Bom texto RA. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. O Corolla não é um colírio para meus olhos. Não vou dizer que o acho feio, mas é difícil achá-lo bonito.

    Também não gosto de sedãs e penso que o valor cobrado pela Toyota é abusivo, o que complica ainda mais adquiri-lo um dia.

    Mas nunca se sabe. Quem tem, elogia muito e diz que é o "melhor carro do mundo".

    Se um dia eu resolver comprar um, será apenas por conta da durabilidade e do bom atendimento nas concessionárias que todos dizer ser bom.

    E é claro, terá que ter câmbio manual.

    Quem sabe seja meu último carro. Talvez...

    ResponderExcluir
  9. Corolla = Aquela mulher da casa, que busca os filhos, faz a comida, limpa a casa, e depois dorme, sem lhe encher o saco e dar despesas.

    V8 e outras baboseiras barulhentas = aquela vadia que te fazer babar só de ver, que vai te gerar despesas mil vezes maior que a "dona de casa",mas, que ao ir para cama todo os gastos parecem ínfimos.


    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diogo R Santos13/08/12 13:05

      Renan, a vadia também vale para um antigo concorrente do segmento: o Fiat Marea

      Excluir
    2. Como se dizia no meu tempo, "aí vareia...". A dona de casa é uma despesa fixa, e pode virar um saco sem fundo no orçamento...

      Quanto ao Corolla XRS, tiozão Sukita metido a playboy!

      Excluir
    3. Fiat Marea 4 cilindros = aquela vadia feia que torra seu dinheiro e ainda por cima não faz nada, na cama é pior que a dona de casa ainda por cima

      Excluir
    4. Nas mãos do condutor certo, essa dona de casa vira uma vadia maravilhosa na cama...

      Excluir
    5. ...e olha, essa vadia que nos enlouquece, chamada aqui de Marea 5 cilindros (seja 2.0 aspirado ou turbo, ou o 2.4), dá menos depesa do que dizem. E é, sim, sensacional.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    6. Um Marea 2.0 original é mais lento que um Corolla manual na versão certa. Tudo bem que o Corolla não é mesmo o carro mais indicado para um entusiasta, mas tem gente esquecendo as qualidades dele e esquecendo que tem muito carro metido a carro de entusiasta que é pior na hora de por na cama que ele. O mesmo blog que não ve nada de errado em Celta mete o pau em um Corolla

      Excluir
    7. Concordo em parte, Anonimo. Se o corolla 1.8 mecanico andar mais que o marea 2.0, é por pouco. Mas ele nunca vai roncar tão bonito feito o cinco bocas... Se formos analisar somente o aspecto da direção, somente do ato de dirigir, prefiro o Fiat. Para ter, o que inclui manutenção, segurança, etc, aí sim um Corolla. Mas nunca automático.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    8. Na mão de motorista entusiasta, carro de tiozão vira esportivo! Como bem disse o amigo aí de cima: "Nas mãos do condutor certo, essa dona de casa vira uma vadia maravilhosa na cama..."

      Excluir
    9. Esses carros de tio nas versões melhores costumam ter muito desempenho em comparação ao que temos no nosso mercado, por isso acabam virando vadias na mão de quem é entusiasta mesmo

      Lucas, o ronco realmente não é tão bom. Mas em alguns modelos o ronco dos Corollas é bem interessante, ao menos bem acima da média do ronco dos nacionais

      Excluir
  10. Aléssio Marinho13/08/12 12:52

    O Corolla é bem construído, com soluções simples e assim eficientes.
    Tem uma imagem bem construída em cima da qualidade e da confiabilidade do fabricante. Produto pensado como meio de transporte simples e cumpridor de suas obrigações.
    Mas sentir emoção num carro sem sal como esse é complicado.
    O cara que compra um Fiat por ex, espera algum item da escola italiana, a emoção, seja no desenho ou nas reações do carro.
    Do mesmo jeito que alguem compra um VW pela maneira que eles fazem as coisas, entende?
    Mas o Corolla não empolga em nenhum quesito, é sem sal, mediano, não apresenta o seu DNA.
    Achao que o seu sucesso vem daí, da sua neutralidade, o que passa despercebido (e não é apreciada) por quem compra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que emoção dá um Fiat Linea ou um Marea 1.6? Ou um Jetta 2.0 8v? O Corolla se destaca não só por ser discreto e confiável, por baixo dos panos ele tem um motor muito bom e a dirigibilidade não é a de um Focus mas é melhor que de algumas versões do Civic e de outros concorrentes tidos como mais esportivos. Nas versões com o cambio certo ele anda muito bem e deixa muito carro de entusiasta para tras

      Excluir
    2. O que importa não é o que faz, mas COMO FAZ!

      Excluir
    3. E de que modo emocionante um Linea ou um Jetta 8v fazem algo?

      Excluir
    4. Já que estamos comparando a mulheres, diria que o Corolla é igual a dona de casa, que se compara a galinha de granja, pois é branca, se come quase todo dia e não tem gosto de nada! Cadê a emoção, pessoal?

      Excluir
  11. Antonio Pacheco13/08/12 13:03

    O Corolla é um bom carro, mas não é tão superior aos demais carros do segmento. Em relação à robustez, tenho um old focus flex que nunca deu nenhum problema. Jamais parou por defeito mecânico, sequer teve pneu furado (nesse último item, considero sorte). Acredito que atualmente, fazendo a manutenção preventiva (filtros, óleo e etc) os carros duram muito sem grandes problemas.
    Acabei de comprar um Renault Fluence CVT, depois de pesquisar por mais de 4 meses os demais carros da categoria, inclusive o Corolla. Fiz teste drive em todos os concorrentes, e escolhi o que mais me agradou.
    Só fico com pesar de vender o meu focus, que continua muito bom e vai deixar saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também passei meses escolhendo qual carro comprar, testei todos os sedans médios na faixa de preço do corolla, e após a peneira acabei ficando com 2 opções, Cruze e Fluence.
      Antes de decidir fiz mais um test drive nos 2, e acabei escolhendo o Fluence CVT.
      Falando do corolla que é um bom carro todo mundo sabe, mas é o melhor? em que?
      Que é o mais caro e o mais defasado todos sabemos, que o que entrega menos mimos por mais dinheiro também sabemos.
      Com certeza se eu fosse comprar carro pra vender teria escolhido o corolla, mas como comprei pensando em usar ele foi o primeiro riscado da lista.

      Excluir
  12. Gosto muito do Corolla. Um carro muito eficiente (mesmo com apenas 4 marchas) que de modo algum lhe dá dores de cabeça. Um perfeito meio de transporte, na qual você entra, liga, coloca em Drive e sai por aí, sem trancos nas passagens de marcha, sem dores nas colunas ao andar em nossas ruas e quando se anda em estradas não faz feio, faz curvas de modo exemplar.
    Ele não é melhor em nenhum quesito do que seus concorrentes, porém não é o pior em nenhum deles também. Já as questões do desenho e do preço são subjetivas.

    ResponderExcluir
  13. Não é nada demais, mas ainda muito mais atraente que o Civic, a minivan pisada, que tem até a janelinha....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Juvenal. Não sei de onde saiu a unanimidade de que o Civic pós 2007 é bonito. Foi de fato impactante, mas falta muito, muito mesmo para ser considerado realmente bonito. Se pegarmos, por exemplo, Vectra B, esse sim foi impactante, e bonito.

      Embora sendo o Civic um carro muito bom, acho-o visualmente um desnecessário devaneio.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
  14. O carro pra quem não gosta de carro.

    ResponderExcluir
  15. Tem que ser muito Autoentusiasta para ver algo entusiasme em um Corola, ainda mais esta versão que só não é mais ridícula do que uma possível versão aventureira.
    Alias quem sabe, algum fabricante poderia lançar uma versão aventureira de um sedan quatro portas! Seria o suprassumo do ridículo, superaria a Aircross.
    O único carro deste segmento (sedan 4 portas) realmente digno de nota a venda em nosso pais é o Jetta TSI, tem preço e desempenho a altura, tenho pena que tem um e gosta de variar de modelo, pois não vai achar outro "comprável" o próximo e que entrega algo semelhante no fator emoção custa uns 50% a mais.
    Acosta

    ResponderExcluir
  16. Victor Gomes13/08/12 13:37

    Corolla é assim, sem graça, nem bom nem ruim, nem bonito nem feio, apenas robusto desde que ele aportou aqui no Brasil. Digo isso pois não conheço os modelos da déc. de 80 para baixo. Seu sucesso vem dai. É um carro neutro e confiável. É mais ou menos o mesmo caso do Civic. As críticas que tenho a ele são: Design sem graça, tanto interior quanto exterior e espaço no banco traseiro diminuto. Só.

    Uma pena nunca termos conhecido as versões esportivas dele...

    ResponderExcluir
  17. O Corolla é um bom carro, essa versão 2.0 realmente anda bem, e só não diverte a quem tem como único modo de direção o contra esterço em cada rotatória e burnouts em todas as arrancadas de farol; ou...a quem não entende de dirigir!

    O volante é pequeno, responde a contento e a suspensão em velocidade segura muito bem as pontas, têm a opção manual/sequencial no câmbio e o motor forte ajuda a encurtar a grande distância entre as suas quatro marchas. Um produto bem feito e que em mãos certas e entusiastas, diverte quase tanto (ou mais - pelo motor!) como os seus concorrentes: Civic (que ficou mais sério na nova versão), Jetta 2.0 (ótima caixa, motor só esforçado), Cruze (carece de mais torque) e o ótimo Fluence.

    Quem diz que o carro é sem sal, e é só meio de transporte nunca o atiçou como deveria, exercendo a ARTE de dirigir, e não apenas conduzindo com um maldito telefone na mão...e isso serve para a maioria dos carros; não existe nada realmente ruim nos dias de hoje, o que existe, é gente acomodada e deslumbrada com os números superlativos dos carros gringos, e querem fazer e exigir igual, não respeitam sua "montaria" e acham que seu talento não está respaldado por um carro que preste, a não ser uma Ferrari....

    Xiitas em que tudo é oito ou oitenta, que não percebem que a beleza da tocada, independe do carro...e esse se não ajuda, também não irá atrapalhar a verdadeira alma da máquina, que é o seu motorista ocasional!

    O corolla é um bom carro sim; não precisa inflamar paixões, e nem ser visto como um eletrodoméstico; mas pode sim ser uma bela máquina para curtir um passeio, uma viagem...repito, como 90% dos carros atuais!

    Claro que podemos criticar sim a preguiça mercadológica da empresa, que poderia ser mais proativa com a engenharia, para criar um carro que fosse realmente diferenciado em relação aos seus irmãos. Mas critiquem a visão obtusa desses, e não do carro em si, que ainda é bom!

    MFF



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí!

      Carros japoneses são muito bons. Motores 16v giradores e suaves, comando de válvulas com variador, boa curva de torque. Se acelerar, anda melhor que muito carro por aí...

      Aí vem um monte de papagaios repetindo que carro japonês não tem personalidade... ficam comparando personalidade do carro com a do povo que o faz...

      Aí fica justificando quando compra um Fiat, que o carro tem sangue italiano, e blá blá blá... sangue ruim, isso sim... acham que estão numa Ferrari...

      E pra quem elogiou o Renault Fluence... lembrem-se que a mecânica desse é da parceira Nissan - também japonesa...

      Pq o carro é sem graça: pq o interior é cinza? Ué, todo mundo por aqui não fica reclamando dos interiores pretos de 90% da frota nacional?


      Excluir
    2. Isso aí. Não que seja o carro mais adequado para um entusiasta, mas também como dito passa longe de ser ruim e de não poder divertir. A maioria dos seus concorrentes promete mais emoção mas na verdade entrega até menos

      Excluir
    3. Tocou no ponto certo, Finesse: a preguiça mercadológica da Toyota. Me dá raiva só de imaginar como eles poderiam fazer um carro realmente empolgante só com o que está na prateleira. Não digo que conseguiriam fazer para amanhã, mas dada a eficiencia dos japas, fariam um carro muito bacana em poucas semanas.

      Vamos lá: esse mesmo corolla, com esses apendices aerodinamicos, mas como o motor 2.4 vendido lá fora (ou quem sabe o 2.7?), com aquela preparadinha básica de fábrica (comando, escapamento, mapeamento...), com o acerto privilegiando o alcool ( ou só sendo por este alimentado), para reder uns 170 cv, seis marchas reais MANUAL, suspensão uma mixaria mais baixa, bancos esportivos (que tal uns Recaros?). Tudo fácil, rápido e barato. Ah, e cores vivas.

      Será que o idiota sou eu, que acho que um carro com essa configuração, mesmo que vendendo pouco, dá um retorno ótimo à imagem da marca?

      Acredito que todas as fábricas aqui instaladas tem perfeitas condições de fazer um carrinho empolgante assim, só com as peças que estão na prateleira. Tudo barato, simples e rápido. É só botar a imaginação pra trabalhar.

      Abraço

      Lucas CRF

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    4. Existia um Corolla assim nos EUA, mas aqui no Brasil a Toyota além de não querer arriscar com nada também já percebeu que é mais barato e melhor usar versões esportivas falsas como essa para melhorar a imagem do que trazer um esportivo de verdade. Num mercado onde os "entusiastas" acham o máximo um Celta com rodas de liga e que todo sedan é carro de tio (a não ser que tenha uns spoilers e outras babaquices), simplesmente vão vender esse mesmo e já tá bom

      A linha SS da GM tinha motores com no máximo 127cv e a maioria achava legal ou que não era de tio, a Toyota então pode fazer o mesmo se quiser com carros com mais de 150 cv. Falso esportivo por falso esportivo a Toyota tá até melhor

      Excluir
    5. Caracas MFF! Vc acha mesmo isto?
      Da mesmo para se entusiasmar com um Corola?
      Com um corola e assemelhados da para gerar muita adrenalina eh verdade, mas eh de medo! Tantar andar com um carro destes eh algo impensável, são mesmo transportes confiáveis e confortáveis do ponto A ao ponto B nada mais por favor.
      Mas se o seu conceito de entusiasmo e tão baixo que um Corola se torna algo entusiasmaste eu desisto de tentar me fazer entender, existe um abismo entre o seu (e de todos os que se entusiasmam com o desempenho do Corola, oh my god!) conceito e o meu.
      Nao quero provocar mas algo nao pode ser considerado entusiasmaste so porque vc tem ou pode ter, nao permita que o seu julgamento seja influenciado por isto.
      Acredito tambem que os que tem entusiasmo por um Corola e assemelhados, nunca tiveram a oportunidade de andar em algo realmente entusiasmante, e assim passem a usar este termo para definir o que sentem e passam a achar que se eles se entusiasmam outros tambem deveriam.
      O único carro a venda no Brazil que de certa forma merece ser taxado de entusiasmante eh o Jetta TSI fora ele são honestos e apáticos transportadores de pessoas ou melhor eletrodomésticos.
      Acosta

      Excluir
    6. Carro com motor maior que 2000 cm3 paga a aliquota maior do IPI, a não ser que seja Flex.
      Teve o Vectra 2.4, que se valia dessa brecha, que não foi muito apreciado por... consumir muito!
      Esse seria um carro jabuticaba, só existiria no Brasil, e como a Toyota é avessa ao risco, o jeito é se contentar com o que se tem hoje.

      Excluir
    7. Marcão Toyoteiro13/08/12 23:49

      Uma coisa é certa: 99% de quem fala que um Corolla é "de tio", "sem sal", que "não dá emoção" e outros clichês de papagaio, não sabe sequer executar um punta-tacco...

      Outro argumento furado que já cansei de ouvir é o de gente reclamando das 4 marchas, como se quantidade por si só falasse mais alto do que a afinação do conjunto. Argumento no mesmo nível das madames que medem o desempenho do carro pela cilindrada que consta na tampa do porta-malas... só rindo mesmo.

      Excluir
    8. Acosta,

      permita-me responde-lo, apesar de vc se dirigir ao Finesse. Um carro pode ser perfeitamente entusiasmante sem ter um desempenho, pelo menos em linha reta, de tirar o folego. Um carro com bom comportamento dinamico e dirigido, ou melhor, pilotado, em um local condizente pode gerar boas doses de adrenalina.

      Pelo que voce relata, imagino que tenha boa experiencia com carros, incluindo aí pilotagem em pistas fechadas. No meu caso, tenho um bocado de cursos de pilotagem, e sempre que posso, vou a trackdays. Digo isso porque as pessoas sempre perguntam a quanto o carro chega, e quando respondo que é algo em torno de 170 no caso específico (um Astra no autodromo de BSB), é inegavel o comentário: só isso? Mas aí é que está: o entusiasmo na pista não vem só da potencia e velocidade, vem mais da boa capacidade frenante e, principalmente, do fazer curvas. E isso, o Corolla faz muito bem.

      Complementando, um amigo que também participa de trackdays já teve a opotunidade de levar os seguintes carros: Focus ghia 2.0 (modelo antigo), GLX 2.0 (modelo novo), monza 2.0, Gol CL 1.8, Siena 1.8 e Fiesta 1.0, modelo novo. Com qual ele se divertiu mais? Com o Fiesta!!! Justo o que é conhecido pelo desempenho sofrível, que o Farjoun já o criticou aqui um bocado de vezes. Nas palavras do amigo, a falta de potencia permite que se busque mais o limite nas curvas, sem tanta influencia do tracionar nas rodas motrizes . E outra, cansa menos. Para os que não sabem, 5 voltas numa pista com um carro de rua relativamente rápido te deixam exausto. No Fiestinha 1.0 o cansaço demorava mais a vir, e a brincadeira rendia mais.

      Outro exemplo, vi num site de motos, o Motonline. Há um teste da simples CG 150 sport, em que o piloto, o Geraldo Tite Simoes, cara que saca muito mesmo de motos e carros, conta que divertiu muito com a pequena em Interlagos, no meio de esportivas de verdade. Aí está o link.
      http://www.motonline.com.br/duas-vezes-cg-continuacao-2/

      Há um belissimo texto do MAO, como de costume, no BCWS. Considero esse texto fantástico.

      http://bestcars.uol.com.br/colunas/e130.htm

      Com se vê, entusiasmo não está tão ligado à potencia, status e outras coisas, correto?

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    9. Lucas CRF e Acosta:

      Lucas: é bem por ali mesmo, a potência não é o determinante final de diversão ao volante, em condições adequadas...a grande maioria dos carros nos deixa com um sorriso no rosto, é só saber como tocar e dosar a "loucura" em condições mais ou menos controláveis.

      Acosta: O Jetta TSi é um ótimo carro, claramente superior aos seus pares, sempre falei isso até porque já o testei a mais de 210 km/h (indicados); e consegui bater "minhas marcas pessoais" no circuito/estrada que o avaliei; subidas a 180 km/h, curvas que chegavam bem rápido, com o controle de estabilidade piscando no painel o tempo todo...falo isso para ter a certeza que eu ando ocasionalmente muito forte, e não me impressionaria por uma cantadinha de pneu, se assim o fosse.

      Por isso digo a você que um Corolla ou um Civic (por ex.); se bem manejados eles podem divertir bastante....o civic por exemplo, é muito seguro, e dá para entrar pendurado e ainda pisar no freio no meio da curva, com todos os dispositivos acionados; isso o torna rápido nas entradas pois pode abusar mais sabendo que o veículo é sólido e uno; o Corolla é parecido, e além de andar nele, já o segui em uma condução mais inspirada, com o meu carro de ocasião (um popular), ameaçando o tempo todo de soltar o eixo de trás, por conta de tentar seguir o Corolla 2.0 em uma descida de serra..e este grudava bonito nas curvas, tangenciava com propriedade, a velocidades claramente proibitivas.

      Claro que se você está acostumado a andar em Porsches e assemelhados, necessariamente terá um outro prisma..mas não descarte os carros que levam de A a B, podem ser muito bons se devidamente conduzidos....o nosso mestre - Bob Sharp - já escreveu isso sobre uma avaliação que fez com o Corolla, e se é ele que escreve..pode ter certeza que está mais do que certo!

      MFF

      Excluir
    10. Sim Lucas, até certo ponto vc esta certo, mas venhamos e convenhamos, vamos subir o nível, para ser entusiasmante precisa de muito mais.
      Se divertir a gente se diverte até com "carrinho de batida" de parque de diversões.
      Existe aquela máxima que diz "if it moves we can race it", mas dai para classificar algo como entusiasmante é outra coisa.
      Corola, Civic e etc, são eletrodomesticos.

      Excluir
    11. Não precisa de muito mais não. Claro que o ideal seria todo entusiasta ou carro entusiasta ter esse nível de desempenho de um Jetta TSI, mas isso é ilusão para a maioria das pessoas e vários carros mostram que mesmo custando bem menos ou com bem menos cavalaria são entusiasmantes. Não é só porque não tem 200 cv que é eletrodoméstico

      Excluir
  18. Acho o Corolla um bom carro, mas só para quem não gosta de dirigir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cavalheiro de Fraque14/08/12 10:02

      Penso o mesmo Guilherme. Corolla é tão entusiasmante quanto campeonato de bordado in door.

      A mais perfeita expressão do lema da cidade de São Paulo:
      "Não conduzo; sou conduzido."

      Excluir
    2. Cavalheiro de Fraque:

      O lema de SP é o inverso: "Não sou conduzido, conduzo".

      Excluir
  19. Pode-se dizer que uns alguns carros são carismáticos, outros não. O Toyota Corolla não é. O Chevrolet Omega era, e fascina até hoje. Entre um Corolla XRS ou Altis "0km" e um Omega CD impecável e original em "estado de 0km"? Fico com o "absoluto".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entre os dois fico com o Logan.

      Excluir
    2. Voce fica é com um Polara que nunca comprou e cada vez que aparece a oportunidade dá uma desculpa para não comprar. Muita conversa Mr. Car, se nem com o Polara você fica não é com o Omega que ia também. Sem contar que a maioria já nem sabe mais o que um Omega é, além de ser de categoria diferente (a comparação seria com o Camry, não com o Corolla)

      Como o anonimo disse, você entre os dois ficou com o Logan (um Corolla pior e mais sem carisma ainda)

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Vamo lá gente !
      Respeitar nosso amigo Mr.Car.
      Ele é nosso camarada!

      Excluir
    5. Miss Mobilete está ganhando cada vez mais a minha admiração.
      Ele sempre fala besteira, mas defende ferozmente a própia argumentação. Parabéns Mobilete! Se é pra ser um mané, que seja com orgulho!

      Excluir
    6. Pessoal, o Mobilete tem um Logan... Vamos respeitar!

      Excluir
    7. Deve ser brincadeira ou eh sarcasmo porque dizer com urgulho que tem um Logan eh demais mil desculpas, eh que me recuso a deixar que minha conta bancaria influencie meu julgamento.
      Se for assim alguém vai dizer que andar de inibis lotado eh entusiasmante.
      Quanto ao Mr. Car concordo com ele o Omega tem carisma, mesmo nos dias de hoje, no que se refere a desempenho, nao faria feio contra os nossos sedans de hoje, mas em relação ao resto, minha nossa eh um dinossauro.
      Detalhe, eu tenho um Omega guardado a sete chaves, com somente 50.000 rodados totalmente original, deve ser o único 4.1 GLS que nunca foi parcialmente transformado em CD.
      ACOSTA

      Excluir
    8. Ter orgulho sempre, he, he! Não deixa de ser uma filosofia de vida. E explica a razão de uns e outros aqui se orgulharem de serem moleques. Quando (e se) virarem homens, a gente conversa. Com moleques retardados, não tem papo.

      Excluir
    9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    10. Moleque retardado detectado, he, he!

      Excluir
    11. O Mr. Car diz que deve ter orgulho sempre, então se ele comprar um Corolla um dia vai falar tudo ao contrário do que falou agora. E apareceu alguém com um Omega estado de zero KM que o Mr. Mobilete disse que compraria mas que nem com o Polara ele só fica na promessa

      Excluir
    12. Miss Mobilete=[idiota detected].

      Excluir
    13. Alcosta,
      Quer R$ 38.000,00 pelo seu Omega?

      Excluir
    14. Obrigado, felizmente tenho espaço (moro em uma casa grande) e ate achei um outro que penso em comprar, este então é ainda mais raro.
      É um 3.0 modelo Diamond 1994/94 mecânico igual ao meu e da mesma côr Vermelho Goya (eu acho) so que o Diamond temteto solar o resto é identico tirando a padronagem do tecido do banco.
      Este tem somente 86 mil rodados, estepe origianl e como o meu nem teve os pneus trocados por 205, ainda usam os 195.
      Não conto nem sob tortura onde ele se encontra, só se eu não conseguir comprar por preço razoável é que conto.
      Acosta

      Excluir
    15. Entendo. Um vizinho teve um igual ao seu, mas com teto.
      Mesmo assim ofereço cinquenta no seu GLS.

      Excluir
    16. ACOSTA: não concordamos em alguns pontos, mas sou totalmente cordato em relação ao Omega Diamond 3.0: bicho raro mesmo, complicado achar um bom.

      Por acaso tenho aqui na minha gaveta o comparativo dele com o Tempra Turbo (Autoesporte); escrito pelo tutor desse blog, Sir Bob Sharp!

      Se conseguir comprar, compre! É um dos meus favoritos dos anos noventa também.

      MFF

      Excluir
    17. Para clarear, teve gente que disse que para falar o que falo eu teria que andar de Porsche, infelizmente não, mas bem que eu queria.
      O meu referencial de desempenho é uma BMW 1000RR que uso nos fds e em track days.
      Graças a ela eu nunca mais abusei dos carros da minha garagem, pois não tem mais graça nenhuma!
      A Captiva V6 é forte, mas vai fazer curva mal assim no inferno, o Omega é bom de curva, até surpreende, mas não consegue ser tocado forte em comparação a um carro moderno, acho que com certeza toma pau de Civic, sua direção lenta e câmbio de caminhão não autorizam qualquer brincadeira, alem de apesar de bem tratado ser bem velhinho já.
      Por fim no uso diário tenho um pacato Astra 2.0 flex e uma Uno 1.4.
      Como vcs podem ver não tem nada de Porsche na jogada, mas uma moto com desempenho de fazer inveja a super-esportivos e que faz com que eu ache carros como o Corola (é inferior no quisito entusiasmo ao Civic) eletrodomesticos.
      Acosta

      Excluir
    18. Com uma moto dessas até uma Porsche fica sem graça, seu referencial tá errado fio

      Excluir
    19. Graças a deus! Assim nao caio no ridículo de achar Corola e Logan entusiasmante.
      Acosta

      Excluir
    20. Não são carros entusiasmantes mesmo, mas tem alguns pontos que podem ser entusiasmantes sim especialmente nos modelos com motor mais potente e com o cambio certo

      Excluir
  20. Quando experimentei o Corolla, eu tinha um Monza SLE 2.0 a alcool. Andei no Corolla 1.8 automatico.
    Até teria outro Monza, mas nao compraria o Corolla

    ResponderExcluir
  21. O Corolla seria um ótimo carro se custasse 30 mil reais. Mas como aqui no Brasil existe uma idiotice medonha tomando conta dos consumidores, vamos comprando carros, que em mercados mais desenvolvidos são carros apenas básicos, como se fossem carros de luxo e que darão status ao comprador.

    Nesse contexto o Corolla (e o resto dos carros no Brasil), é um verdadeiro lixo, pois gastando 60 ou 70 mil reais o consumidor deveria exigir um carro de segmento muito superior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe um Corolla de 35 mil.
      Logan 1.6.
      Anda tão bem quanto o Corolla com a vantagem de ser mais emocionante que um Corolla.

      Excluir
    2. Anonimo 13/08/12 15:55
      Voce é doido!

      Excluir
    3. Logan 1.6 andar tão bem quanto o Corolla e ser mais emocionante é só depois de muita bebida

      Excluir
    4. Anônimo13/08/12 17:46

      Já dirigiu um Logan?
      E o Logan tem uma vantagem: ou se ama, ou se odia! Perdidamente! Não se fica indiferente a ele.
      Já o Corolla...

      Excluir
    5. Cês tão de brincadeira, só pode!

      Excluir
    6. Não é brincadeira não.....
      eu tenho um logan que roda na praça e tem um colega que tem um corolla...
      acredita que o meu colega de trabalho que comprou o corrolla está arrependido... kkkkkkk!!!
      eu to rindo mas é sério galera a maioria dos cliente dizem que o banco de trás do corolla é apertado, e que preferem andar num logan que é muito mais espaçoso na parte de trás..........
      eu só acho que o logan perde para o corrola no quesito acabamento interno... de resto não deve em nada... é tão sem graça quanto o vovôrolla, e com a vantagem de ser muuuiiito mais espaçoso e apreciado pelos clientes....

      Excluir
    7. Taxista inveja fala merda que acha carro de carga bom detected

      O Logan tem mais espaço que o Corolla e do que o Civic atrás, mas para por aí. Andar mais e achar que é pior porque os clientes preferem mais espaço ou porque seu colega de praça viu que gastou mais do que devia é só com bebida mesmo

      Excluir
    8. Não fui eu que falei....
      Foi o meu colega de trabalho.......
      Mas eu acho que esse meu colega tem razão mesmo...
      Logan na cabeça....
      vovorolla por vovorolla é melhor um logan mesmo!!!
      kkk!!

      Excluir
    9. Seu colega bebe e voce também

      Excluir

  22. Olha, a impressao que eu (e milhoes de consumidores) tem é de que é um carro bem construido e confiável.
    O problema maior que eu vejo é que querendo agradar a todos, acaba virando um PICOLÉ DE CHUCHÚ !
    Sei lá, mas automóvel tem que ter algo de passinal tambem, ainda mais considerando-se que perfeição nao existe.
    Acho que o trofeu PICOLE de CHUCHÚ vai para o Camry dos anos 90. MInha nossa, aquele sim, era morno, nem nunca frio e nem nunca quente.
    E o Etios chega bem dentro desta fórmula...


    ResponderExcluir
  23. Ops, corrijam por favor o "passinal", para passional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o correto é pacional.

      Excluir
    2. HAHAHAHAHAHA!!!!!

      Excluir
  24. Mudando de assunto, mas ainda dentro da temática "pouco por muito":
    http://oglobo.globo.com/economia/revista-forbes-chama-de-ridiculo-preco-do-grand-cherokee-no-brasil-5772267

    Nenhuma novidade, não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. E brasileiro é trouxa!

      Excluir
    3. kkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!

      Excluir
    4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    5. Brasileiro é trouxa? Com certeza. Afinal, compram Celtas.

      Excluir
    6. Mais trouxa aquele que perde tempo em esfinafrar donos de Celta.

      Excluir
    7. É.
      Essa reportagem do jornal O Globo deveria ser extenuantemente veiculada por toda imprensa nacional! Até na que não é a especializada ou específica sobre o ramo automotivo.
      Talvez assim, alguém abra os olhos para a ganância dos fabricantes nacionais com seus preços extorsivos num país sem infraestrutura de transporte, onde um carro é um bem de primeira necessidade.
      Porém, acho que só um milagre nos salvará. Até porquê, nosso governo é capaz de mudar as regras do jogo bem no meio da partida, como já escreveu o Bob antes, aqui mesmo.
      O resultado dessa brincadeira de mau gosto é que parece que a JAC não abrirá sua fábrica aqui. Lamentável. Se não fosse por eles, acho que os carros básicos daqui sairiam com um banco de madeira, um farol, uma lanterna traseira e um limpador de tão depenados.
      E nós, brasileiros, continuamos a ser alvo de chacota.
      Tallwang

      Excluir
  25. Por ironia do destino, o motor do Toyota Bandeirante não era da japonesa -- era fornecido pela Mercedes-Benz!!! Quanto ao Corolla, vale lembrar o que aquela edição "Melhor Compra" da 4Rodas custuma dizer: fuja dos modelos que não tem manual carimbado com todas as revisões. Sua manutenção acaba não sendo tão mais barata que GM ou Fiat p. ex.Japonês não faz milagre -- só isso.

    ResponderExcluir
  26. Anonimo 15:00 h:

    Volte para a escola.

    Se nao for este o caso, tente fazer um curso para ficar mais engraçado...

    ResponderExcluir
  27. Interessante a discussão mas acho que a matéria poderia ter feito uma avaliação do carro e não só do que ele representa

    ResponderExcluir
  28. Se o Corolla é um picolé de Chuchu, o Etios é um de jiló!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. xuxu e jiló podres........

      Excluir
  29. Filipe_GTS13/08/12 15:19

    "Não há carro ruim hoje em dia", acho que sabem quem falou isso.
    Tive francês (Renault, motor 1.6 16v) ano 2005 ao longo de 100.000km e nunca houveram quebras. Apenas a troca das 4 bobinas de ignição (caras). Ah, ele já pedia um kit de embreagem aos 100mil, mas deixei isso para o novo dono. =)
    Não é apenas Toyota Corolla que é resistente, qualquer carro bem cuidado o é. Porém, está certo que o Renault sofre mais desvalorização... (olha ela aí novamente!)

    ResponderExcluir
  30. Respostas
    1. Falou tudo!

      Excluir
    2. Jesiel, na mosca! Penso igual à você! hehehe! Abs!

      Excluir
    3. Só pra mexer com o Gonzales APzeiro, o Jetta 2.0 seria o Monza 1.6 da era moderna

      Excluir
    4. Lorenzo Frigerio13/08/12 20:54

      Acho que está mais para Opala 4 cilindros 4 portas. O Corolla pode ser detestável, mas chamá-lo de Del Rey (o lixo dos lixos, que só podia ser um Ford) é exagero.

      Excluir
    5. Del Rey também não, vamos falar que o Corolla é hoje o que o Corcel foi em 1970: um carro para quem queria ir com a família do ponto A ao B.
      E o Jetta AP é o Del Rey: um carro "comum" disfarçado de luxuoso.

      Excluir
  31. Corolla XRS = Alckmin calçando Mizuno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkk.....

      Mas pelo menos o Corolla é confiável...

      Excluir
    2. HAHAHAHAHAHA!!!!

      Excluir
  32. Nunca gostei muito do Corolla, sempre achei meio derretido e o Etios veio pra expor isso ainda mais.

    ResponderExcluir
  33. Tieta do AGRESTI.
    Lua Cheia.
    De Verão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!

      Excluir
  34. mas cade o teste de 1 mês? ou o link? ou deu pau no blog? não encontrei.
    "E vocês, o que acham?"
    Eu é que pergunto. Deixa o carro um mês comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bestcars Website burrico!
      Primeiro aprenda a ler o que o autor escreve.
      Depois, existe uma ferramenta recém criada na internet, começou semana passada, se chama Google, vá lá e pesquise.

      Excluir
  35. Mas ou menos na mesma época tive que guiar um Corolla e um Scénic em trechos curtos de estrada, ambos automáticos. Primeiramente o Corolla, que todos diziam ser confortável e com bom desempenho: um sedã anestesiado e filtrado, com uma direção muito leve, freio sem modulação, motor razoável e um câmbio burro, que oscila entre terceira e quarta sem lógica alguma. Já a Scénic, aquela minivan de tiozão que começa a ter que fazer escolhas racionais demais, se mostrou uma grata surpresa: motor suave e girador, direção com o peso certo (e posição errada), freios com modulação correta e um câmbio que funciona perfeitamente, quase imperceptível.
    No fim das contas não sei se o Corolla que é algo bem aquém das expectativas ou a Scénic que consegue ser entusiasmante, mas em qualquer um dos casos é outra prova que o Corolla é um bom meio de transporte. E só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é a toa que chamam a Scenic na europa de "le professeur"

      Excluir
    2. É porque o Arnaldo tem uma Scenic...

      Zelig pouco é bobagem

      Excluir
  36. Corolla não é carro é condução.É igual Amélia somente presta para fazer as tarefas de casa, nem o vizinho nota.Carro é aquele que da prazer ao dono, aos vizinhos e as mulheres.prazer ao dirigir e emoção. Como se fosse uma mulher bo nita,que é vista e admirada por todos.Os donos inventam então que é seguro, econômico tem valor de revenda, não quebra e outras besteiras.Deviam comprar Gol e Uno então.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gol e Uno não possuem o mesmo espaço, mesmo conforto, mesmo desempenho nem a mesma confiabilidade. Cada carro com sua tarefa, tem gente aqui que venera Celta 1.0 e mete o pau em carros coreanos ou japoneses muito mais potentes

      Excluir
  37. Hoje tirei o meu Corolla 2001 da oficina da Nippokar Piracicaba, onde o mandei para uma revisão geral. Resultado: ele anda tão bem quanto outro Corolla que tenho em casa, desta vez um GLi 2009.

    Eu poderia até dizer que eles são mais robustos que meus dois Santanas, mas não são: o 2001 come batentes de torre com voracidade e o 2009 não pode ver uma valeta ou saída de garagem mais pronunciada que "lambe o beiço": uma vez estragou o defletor, na última, a grade pulou fora.

    Em tempo: meu Toyota Bandeirante 1993, com motor Mercedes OM-364 e transmissão de 5 velocidades era mais divertido que os Corollas. E o freio a tambor nas 4 rodas tinha uma modulação melhor que o do GLi 2009, que é simplesmente terrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que Bandeirante é um jipe da Toyota.

      Excluir
    2. Descobriu isso sozinho ou usou o google pra te ajudar, gênio?

      Excluir
    3. Bitu,

      simplesmente absurda essa questão do freio do 2009. As fábricas andaram piorando os carros sob esse aspecto! Atentas a ala estúpida de consumidores, que gosta de falar que " é só olhar para o freio que o carro pára! " como se isso fosse vantagem, carregaram na assistencia do servofreio, e aí a porcaria de freios hipersensíveis se generalizou . Tinha um astra 2006 e agora tenho um 2009, e e notável como o primeiro era mais agradável de se frear. Notei isso tambem no santana 2004 de meu trabalho, cuja modulação era bem pior que a do 85 que possuí. Lamentável.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    4. Daqui a pouco ele vai falar que uma Kombi é mais divertida que um Punto T-Jet...

      Excluir
    5. kkkkkkkkkkkkkkkkk!!!
      é bem possível!!!

      Excluir
    6. Bitu curte pilotar até geladeira na ladeira...

      Excluir
    7. e é possível que seja mesmo.... sob certos pontos de vista....

      Excluir
    8. FB

      Quem é vivo sempre dá as as caras...

      Apareça mais por aqui.

      Excluir
    9. FVG, não dá ideia.

      Excluir
    10. Ótima ideia FGV!!

      Excluir
    11. Ou F V G. Escrever rápido dá nisso....

      Excluir
    12. Aí o Bitú confirmou: Toyota Bandeirante usa motor da Mercedes-Benz. Tudo bem que qualquer carro c/ fama de idestrutível é lenda, mitologia. No caso do Santana, quem não lembra das rachaduras / fissuras na parede corta-fogo? Oficinas do Rio que prestavam serviço a taxistas inventaram o Kit-Amarração para Santana. Pergunte ao mestre Bob Sharp!

      Excluir
    13. Os Bandeirantes mais valorizados são os com motor Mercedes-Benz, usados até 1994.
      E a maioria está rodando até hoje, nas mãos de empresas de ônibus como carro de apoio. A maioria com a carroceria podre. Outra parcela roda em Pernambuco como pau de arara ou na mão de empreiteiras com obras em lugares toscos.
      Em 1995 foram adotados motores Toyota, mais potentes mas menos duráveis.

      O bandeirante e tão atrasado que as lonas do freio de estacionamento travam o cardã! Uma desgraça

      Excluir
    14. Os principais problemas do Toyota Bandeirante eram mesmo o tratamento de chapa (inexistente, enferruja só de olhar) e o circuito hidráulico dos freios, que vive vazando.

      Tive o Bandeirante com o motor Mercedes, mas usei muito um com motor 14B, que considero equivalente em performance. Acredito que o motor Toyota só deixa a desejar na oferta de peças de reposição, é um motor simples, sem segredo algum.

      Fui obrigado a vender minha Band após uma frustrada tentativa de roubo: dias depois fiquei sabendo que minha Band havia sido "encomendada", ou seja, logo voltariam para buscá-la.

      Como na época eu não tinha condições de bancar o seguro, passei nos cobres.

      Excluir
    15. Ramazzotti, tenho dois Santanas fabricados em 1996, muito bem rodados e nenhum deles apresentou rachaduras de qualquer tipo na estrutura. Essa lenda do monobloco VW abrir surgiu com os famigerados "Turbo B" de rua, rebaixados com molas cortadas e modificações sem critério algum.

      Pergunte ao Bob sobre o Gol da equipe de rali da VW, que competiu durante 5 anos ininterruptos sem uma avaria sequer no monobloco. Consta ainda que todos sugeriram ao Bob a adição da barra de amarração entre as torres, modificação que ele mesmo descartou por saber que era desnecessária.

      Excluir
    16. FB tem muito VW original que trinca monobloco, se não fosse assim apenas a questão de rebaixar errado não ia ser suficiente para estragar uma peça tão forte. Tem taxista que mesmo com o carro inteiro original desde novo já tem esse problema

      Excluir
  38. Corolla não é carro de autoentusiasta. Pronto, é só isso. Só compraria usado, pois pra pagar caro prefiro um que me abra o sorriso.

    ResponderExcluir
  39. Um amigo do trabalho pegou um XRS prata assim que saiu. Não deu 15 dias e um motoqueiro acertou ele na porta. Até hoje o carro está parado - uns três meses já. Disseram que essa semana ele sai, estava faltando o banco do motorista (por conta do side-bag). Eu acho que se uma empresa lança um produto deveria ter o mínimo de peças para ele, pois nem catálogo do XRS tinha na concessionária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Danniel.
      Todas as marcas praticam esse mal.
      Estou esperando uma borracha da porta de um Corsa (carro novíssimo no mercado!!!) há 3 meses e não vem.

      Excluir
  40. Carlos Eduardo13/08/12 19:59

    Jeremy Clarkson já falou sobre o Corolla a uns 20 anos atrás:

    http://www.youtube.com/watch?v=C_dHdHQakv8

    E até hoje ainda pode ser aplicado, concordo com tudo que ele diz. Vale a pena ver o vídeo!

    Carlos Eduardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ricardo - Vitória ES13/08/12 22:10

      Valeu Carlos, oportuno o envio do vídeo. Aliás, é o vídeo do post mesmo.

      Excluir
  41. RA, na minha concepção o Corolla reúne todas as qualidades necessárias para ser, em termos de Brasil, o substituto do Santana. Entenda-se, logicamente, como "o carro para ser comprado pelos 'ex-fãs' de Santana". Não gosto nem de um nem de outro, mas ambos têm suas qualidades - em ambos, mais qualidades nas primeiras gerações do que nas seguintes.
    Um carro robusto, de bom desempenho e consumo equilibrado, de manutenção simples e barata (respeitadas todas as proporções possíveis, e a manutenção do Corolla não é de fato mais cara do que a de seus concorrentes), talvez caro (como era o carro da VW), mas com bom valor de revenda, e sobretudo sem grandes frescuras. O Corolla não tem GPS, mas o Civic tem, assim como o Santana não tinha airbag mas o Vectra tinha. Por falar em equipamentos tecnológicos de ponta ou brinquedinhos eletrônicos a bordo, talvez o Toyota não os tenha porque não faz parte da lista de desejos de seu público-alvo. Não quero generalizar, mas meu pai tem um Corolla e ele jamais se interessaria em aprender a operar um GPS ou um Bluetooth. Deixemos tais refinamentos para as outras marcas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio13/08/12 21:01

      O Santana é um VW. Por mais antiquado que tenha se tornado, continuou a ser um VW legítimo até o fim: firme, justo, bom de guiar, com aquela famosa "tocada VW" que só essa marca sabe conferir a seus carros. Corolla é o extremo oposto, chocho e sem personalidade, como só um japonês consegue fazer. Os ex-fãs de Santana vão se virar com outros carros, como o Bora, o Vectra B e o próprio Jetta Comfortline quando começar a aparecer no mercado de usados.

      Excluir
    2. Por essas e por outras, nunca tive Santana. Na época em que ele era referência, tive dois Del Reys.

      Um tempo atrás fui pesquisar carros para comprar. Visitei duas revendas Toyota e recusei test-drive do Corolla em ambas: carro sem sal...

      Excluir
    3. O Lorenzo e mais uma das suas babaquices disfarçadas de conhecimento. Santana firme e estável só se for o primeiro, todos os outros depois da reestilização são carros completamente maria mole

      O Corolla segue exatamente a mesma linha como foi muito bem dito pelo CSS e depois negado por um energúmeno que acha que Opel e VW são as únicas boas coisas do mercado nacional. Só que o Corolla mantém a estabilidade do primeiro modelo do Santana apesar de continuar macio e confortável. Quem já dirigiu mesmo o Corolla e o Santana sabe disso e sabe que o Corolla pode não ser dos mais inspirados (assim como o Santana e a maioria dos carros, como VW e Opel) mas tem sim bom desempenho e estabilidade, surpreendendo em certas coisas quando explorado. Tem muito sedan metido a ser inspirado e bom de guiar que numa curva sai todo torto enquanto um Corolla, contrariando o que se espera, faz ela direito

      Excluir
    4. Os santanas reestilizados (ultima série) tem uma terrivel suspensão mole. Quando se acelera, a frente levanta... sem contar o acabamento que era sofrivel quando comparado com vectra B e marea, seus concorrentes na época. o Santana nada mais era que um golzão, até os bancos eram iguais.

      Excluir
    5. Gol de primeira geração era melhor de curva que qualquer Santana. Mas sem conforto, o Monza era bom de curva e confortável.

      Quanto ao Corolla, é como o Monza.

      Excluir
    6. Eventualmente, tenho a oportunidade de andar com Monzas no autódromo, por conta de cursos. Impressiona como um carro com 20 anos de uso pode ter um comportamento dinamico tão saudavel, previsível, na mão. Quem não conhece fica incrédulo. Melhor que muito carro atual. E isso usando singelos (para os dias de hoje) 185/70 R13.

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    7. Complicado ver que o Santana “virou referência em entusiasmo” em comparação a um Corolla (risível). Na melhor das hipóteses os últimos Santanas eram aceitáveis, tão sem graça quanto o sedan japonês, mas tomam uma sova tão grande em termos de qualidade de projeto, construção, eficiência, e dirigibilidade que nem é muito válido (ou justo) comparar.
      Mas vamos dar um crédito: Quando o VW não estava empinando como uma Belina na arrancada ou se comportando como um colchão d’água ele era até tolerável. Mas acho que justamente aquele balanço dianteiro descomunal, a moderna disposição longitudinal do motor com tração dianteira ou mesmo a solidez do monobloco (que adora rachar e abrir como uma romã entre o túnel e a parede corta-fogo) que davam toda a “graça”.
      Se há uma qualidade que sempre vi os donos de Santana exaltar (e que dou razão) e o ridiculamente baixo custo de manutenção e peças do carro; ponto muito válido. Mas daí para qualquer aspiração de equiparação ao Corolla é uma pretensão muito grande.

      Excluir
    8. Esse Lorenzo é de dar pena, não entende bulhufas de automóvel.

      Excluir
  42. Tive um Fielder 2005, para não me sentir tiozinho, pedi com transmissão manual, acho foi a única coisa que não gostei do carro, a Toyota exagerou na sua 'busca de esportividade' e deixou curto pra caramba, 120 km/h @ 3750 rpm.
    Por conta disso, tinha bastante agilidade no trânsito, mas quem gosta de confiabilidade, de qualidade de materiais e da resistência deles ao tempo e de zero 'fator surpresa desagradável' fica fã da marca mesmo. Eu fiquei, desde então, só japoneses entraram em minha garagem.

    MAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cambio manual não é curto como costumam dizer, apenas a 5ª é assim e mesmo com isso a final é grande pois o motor passa dos 6500 rpm

      Excluir
    2. Ora essa! se a quinta é assim todo o resto é curto. Mas se essa é a impressão que passa então deve ser um close ratio. Pior ainda.

      Excluir
    3. Um carro 1.8 que dá 60 de primeira é curto? É close ratio mesmo, mas isso fica ótimo com o motor que ele tem

      Excluir
    4. Como eu escrevi lá em cima, poucos carros (nacionais e na mesma faixa) aceleram de 0 a 180. Já puxei com um punto T-jet. Não sei dizer se o motorista que era manco, mas só me passou depois dos 180.

      Excluir
    5. O manual do Corolla faz umas surpresas mesmo. Alguns desses turbos novos pequenos acabam andando igual a ele

      Excluir
    6. Eh claro que o motorista era manco ou so vc puxou com ele, acho que ele nem se deu conta de vc estava "autoentusiasticamente" botando um pega com com seu bólido.
      Desculpe meu caro, mas um Punto T-Jet faz de 0 a 100 em quase 4 segundos a menos que seu carro (vi que eh um Corola 2007 flex) se o cara do Punto se desse conta de que vc estava "rachando" com ele, ou se nao fosse estupidamente "manco", vc teria ate dificuldade para enxergar onde estaria o T-Jet quando e se vc conseguisse chegar a 180.
      Ignorância eh mesmo uma benção.
      Viva feliz e me desculpe esta nao deu para segurar LOL.
      Acosta

      Excluir
    7. 4 segundos a menos no 0-100 só se for no automático, no manual 2007 a Toyota divulgava 9 segundos e portanto ficaria a apenas 1 segundo do T-Jet, só que esses 9 segundos são pessimistas e na prática o T-Jet poderia estar dando tudo sim

      Excluir
    8. O câmbio ficou muito curto, logo depois tive o Civic e a quarta do Civic era mais longa que a quinta do.Fielder.
      Algumas vezes fui até o corte de injeção em 5a, pouco menos de 210 km/h no velocímetro.

      MAS

      Excluir
    9. Dado de fabrica nem pensar, pesquise mais em testes reais.
      Acosta

      Excluir
    10. O Civic tem marchas muito longas, aí o Corolla parece curto mesmo

      Acosta os dados de fábrica são pessimistas, assim esses 9 segundos são na verdade mesmo. Em testes reais o automático faz em 10 ao contrário do fabricante que diz 12

      Excluir
  43. Cabo Bruno14/08/12 05:04

    Do coro de Corola automático mesmo

    ResponderExcluir
  44. Sô mais uma S10 2.2; pode taca o pé que aguenta; e ainda é diferente, com desenho bonito, manutenção barata e com certeza teu vizinho vai olha prá ela; prá se emocionar na tocada, compra um Punto T-Jet; pra sê carro chuchu, fico com o corolla, o logan, o civic e outros modelos pasteurizados de quase todas as marcas, que é quase tudo a mesma coisa, a mesma receita básica, o mesmo preço alto e o mesmo comprador idiota que não entende bulhufas de carro; daqui a pouco vamos ter carros a pedal, vendidos a preço de rolls! e viva nóis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. S10 4 cilindros é pra quem entende mesmo de carro!

      Excluir
  45. WOW!!!

    VERSÃO ESPORTIVA!!!
    QUE FANTÁSTICO!!!
    SÓ O SPOILER DIANTEIRO JÁ DEVE DAR UNS 3s A MENOS DE ACELERAÇÃO, 5Kg DE TORQUE E UNS 40km/h A MAIS DE FINAL!!!

    ERA O ENTUSIASMO QUE EU ESPERAVA!!

    ESPORTIVIDADE BOA DE REVENDA! PRATA E PRETA!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que engraçado! Já pode trabalhar em circo!

      Excluir
  46. Bóbe Xarpi14/08/12 08:26

    Pra quem pira com um Celta, imagino o que um super-esportivo desses deve fazer com a cabeça do cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Palhaço. Vai arrumar o que fazer seu vadio.

      Excluir
    2. Bóbe Xarpi
      Comentário mais idiota. Você só pode mesmo ser um perigo dirigindo, imbecil! Outro desse e elimino-o.

      Excluir
    3. Anônimo, fique calmo.

      Excluir
  47. Eu acho que é generalizar demais dizer "modo japonês de fazer carro", o que existe é o modo Toyota de fazer carro, em que carro bom, de alta vendagem, tem que ser um carro "utilitário", de trabalho, que cumpra sua função de forma mais "transparente" possível ao usuário. E tem sido bem sucedida nisso. O irracional é um carro desses ter preço e status de "carro de dotô", mas nisso o Corolla não é o primeiro nem o único por essas bandas.

    ResponderExcluir
  48. Sinto em muitos comentários uma inveja por não ter condições econômicas de comprar esse carro.
    Também tenho certeza que a quase totalidade de críticas é de quem nunca dirigiu o corolla.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Danti Alighieri também nunca esteve antes no Inferno.
      Mas escreveu um puta livro sobre ele.

      Excluir
    2. Você está é conferindo status demais a um simples Corolla. Há como um carro desses ser invejado? Acho difícil, até porque é de um segmento que, quer seja novo ou usado, acaba sendo acessível a uma grande parcela dos consumidores.
      Inveja seria criticar um A8, Classe-S, Série 7 e outros sedans que realmente são e serão inacessíveis para a maioria dos comentaristas por motivos que não pudessem de qualquer forma ser justificados.
      Eu por exemplo morro de inveja quando vejo um Maserati Quattroporte na rua, queria muito poder ter um, mas enquanto isso não acontece só posso olhar e admirar. Inveja boa.

      Excluir
    3. É invejado sim, pelos mais de 40% dos compradores de carros novos, que são carros 1.0, além dos tantos outros que só podem comprar usados de segmento A e B. Os que têm ganhos suficientes para poder comprar um carro nessa faixa de preço não são tantos assim.

      Excluir
    4. Gordelão, comparação bonita, mas simplesmente nada a ver!

      Excluir
    5. E o que tem a ver uma coisa com a outra? Só porque X% do mercado compra carros populares não quer dizer que essa mesma porcentagem tem inveja de um Corolla. Ou é muita pobreza de ambição invejar algo tão medíocre (só por aqui mesmo que um Corolla é “status”), ou muita ignorância.
      Acho bizarro a fixação que algumas pessoas tem por esse termo: “inveja”. Como se o mundo girasse em torno disso e qualquer um que pudesse ser alvo dessa “inveja” estivesse acima de qualquer crítica, por mais embasada que seja, pois, claro, toda a “crítica é fruto de inveja”, na mais tacanha forma de auto-afirmação.
      Aliás, com financiamento e desvalorização de usados, eventualmente todo e qualquer comprador de classe média (da velha ou da nova) terá acesso a um carro desses, fora que o preço à vista não é nenhuma fortuna de bacana.
      Mas só para desfazer um pouco a “aura mítica e invejável” do inigualável sedan japonês, diga-me: Se a crítica se origina exclusivamente na inveja, então porque que todos os que podem ter um carro nesse valor não necessariamente compram um Corolla? Simples, porque inveja de c* é rola.

      Excluir
    6. Infelizmente são poucos com renda suficiente para se dar ao luxo de gastar em torno de 72 mil num xli, pois o carro é muito gostoso de guiar.
      Quem tiver dúvida passa numa autorizada que sempre tem um 1.8 e 2.0 disponível para test drive.

      Excluir
    7. Charles é verdade mas para a realidade do mercado brasileiro existe muita gente invejando o Corolla sim

      Excluir
    8. Charles matou à pau na resposta. Sem mais.

      Excluir
  49. Francamente, para um mercado que tolerava Meriva SS e Fiesta Trail (para não falar do Celta Off-Road) não vejo lá qual o grande problema do Corolla XRS – ao menos problema tal que justifique críticas bem maiores a esse. Carros incapazes de cumprir a proposta que insinuam são lugar comum.
    Qual é a diferença para a versão normal? Justamente a designação esportiva, genérica, estética, e que ainda é bem menos gravosa do que chamar de SS um monovolume insosso da Opel.
    Acho muito barulho (vide repercussão no BCWS) para um caso o qual poderia figurar sem maior importância no rol de esportivados nacionais inexpressivos; um placebo corriqueiro e medíocre. A Toyota poderia ter bem olhado com um pouco de inspiração para o Si da Honda e feito algo de fato bom, mas não fez. Às vezes a melhor crítica é o silêncio, e é o que a Toyota merecia nesse caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Restart, a Meriva é cria do pessoal de São Caetano do Sul, e depois imigrou pra Alemanha.
      Vamo fazer justiça, né?

      Excluir
    2. Anônimo, o pior é que, considerando o que o povo de lá produziu depois, a Meriva até que saiu muito melhor do que se poderia esperar...
      Quanto ao barulho, acho que caiu no mesmo caso do Astra Sport, que era um bom carro, mas de esportivo mesmo só tinha o adesivo. O povo que estava acostumado com o extinto Kadett GSI esperava mais e reclamou muito. Para os SS, olharam o Sport, compararam e viram que uma cor exclusiva e alguns acessórios já eram um avanço.
      Acho que a raiva com o Corolla foi justamente por que (perdoem-me os fãs), nas versões "normais" ele sempre foi ligeiramente mais rápido que o Civic. Esperava-se algo tão exuberante quanto o Si, ou pouco mais. Na próxima versão "esportivada", se vier com pedaleira de alumínio já haverá gente achando que houve evolução.
      É sempre assim: o único modo de não decepcionar é evitando que sejam criadas grandes expectativas (ou oferecendo um produto que não decepcione, mas isso é para mercados mais respeitados que o nosso!).

      Excluir
    3. "Ô Restart, a Meriva é cria do pessoal de São Caetano do Sul, e depois imigrou pra Alemanha.
      Vamo fazer justiça, né?"

      E daí? Gato que nasce no forno é pão?

      Excluir
  50. OK! O corolla agora vai vir com um cd do Ari Toledo para esse pessoal revoltado rir, achar muita graça e ficar com um sorrizo no rosto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  51. Um Auris com esse motor e câmbio manual do GLi (6M) seria bem mais honesto.

    Vamos Toyota, traga o hatch pra cá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é bem possível que deixe até de produzir o Corolla aqui, deixando apenas as porcarias exclusivas para os países em desenvolvimento.

      Excluir
  52. Bob Sharp: taí um sujeito bonziiiiiiiiiiiinho...Eu eliminava um bando de retardados aqui na primeira que aprontassem, e sem aviso prévio nem apelação. Pense nisso, Bob. O Autoentusiastas só terá a ganhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anotei a sua sugestão.

      Excluir
  53. Só mesmo num paiseco tupiniquim como esse que as pessoas tem coragem de pagar mais de 80 mil reais por uma merda de um CARRO DE UNIVERSITÁRIO AMERICANO (que lá nos EUA custa pouco mais de 16 mil dólares, diga-se), saem por aí e acham que estão arrasando. Que preguiça...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então mister inteligente qual a solução que propõe ????

      Viajar para os EUA e trazer um civic, corolla, jetta na mala ??

      É cada mentalidade babaca!!

      Excluir
    2. Seguindo o raciocínio do camarada, tenho que ver se o veículo é de universitário nos EUA. se for? Não posso comprar ao menos nessa vida, pois moro no Brasil e torcer que de nascer nos EUA na próxima encarnação.

      Excluir
    3. Tem duas soluções. Uma, pegar nos ferros e sair dando pipoco na cabeça de político até não sobrar mais nenhum. Duas, comprar passagem de ida pra qualquer lugar e sumir daqui. Ou então conforme-se e pague sempre mais caro pelas carroças peladas daqui.

      Excluir
    4. A resposta certa seria algo como; compre se vc precisa de um carro com as características de eletrodoméstico, ou seja, cumpre sua função.
      Mas nao perca seu referencial do que eh realmente entusiasmante e isto nao tem nada a ver com um Corola.
      Acosta

      Excluir
  54. Carlos José D'Avila14/08/12 15:36

    Meu pai tem mais de 80 anos e está no seu 2º Corolla. E adora o carro. Eu tive várias oportunidades de dirigi-lo, inclusive em estradas e, por isso mesmo, nunca sequer cogitei comprar um. Mas por que? Não é econômico? Sim, sem dúvida. Potente? Sim. Resistente e confiável? Sem dúvida. Belo? Para meu pai, lindo; para mim, não. Caro? Sim, mas meu pai diz que vale. Desculpa, pai, mas vou ter que discordar... E discordo porque aprendi contigo a amar os carros desde quando eu te vi sorrindo a bordo de Passats TSs e Monzas S/Rs. Aprendi contigo que carros, assim como mulheres, tem que inspirar mais do que o básico. Devem, acima de tudo, darem "tesão". E, desculpa de novo, pai, o Corolla não dá tesão... É como uma mulher trabalhadora, simpática e inteligente: ótima para casar, mas "broxante" como amante... Talvez meu pai esteja ficando mais racional e menos emocional, e por isso tenha seus motivos para ficar com seu Corolla. Já eu, na flor dos meus 40, prefiro meu Cerato: tão econômico e resistente quanto o Corolla, MUITO mais barato e que, seja por seu acabamento, seja por sua dirigibilidade e/ou beleza, me dão MUITO MAIS tesão. Desculpa, pai, mas você me fez um AUTOENTUSIASTA e, por isso aprendi a amar os carros e as mulheres...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conversa fiada essa tua. Tenho 38 anos e comprei um corolla xei zero e digo que é muito gostoso de andar nesse carro que ficou no lugar do meu Focus/2006 2.0 que era um ótimo carro. Testei todos na faixa de 65 a 80 mil e não tive dúvidas na escolha.

      Excluir
    2. Tem uns que ainda endeusam aquelas tralhas nos anos 80 que só enchiam o saco e adoravam uma oficina. Meu pai teve um passat TS e não era nada de mais. Hoje um Mille dá de relho naquele passat o que dirá de um corolla.

      Acorda, meu!

      Excluir
    3. O Cerato é mais legal no desenho mesmo, mas no resto (estabilidade e desempenho) ele faz pior que o Corolla. Tá longe de uma boa amante

      Excluir
  55. Gosto do Corolla. Trafegando há pouco na marginal pinheiros atrás de um vinha pensando neste post quando de repente o trânsito deu aquela parada brusca. Percebi e parei a tempo, porém não teria tomado susto se o próprio otário não tivesse colocado películas da tonalidade saco de lixo no carro em questão, pois teria enxergado o tráfego adiante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se isto realmente te incomoda, leia outro blog então...

      Excluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...