2 de agosto de 2012

VENDE-SE DE TUDO NESSE MUNDO: AMC REBEL 1968

Fotos: Street Side Classics


Esse AMC Rebel é de 1968, tendo sido restaurado quando completou quarenta anos de idade em 2008.   Apesar da empresa ter morrido há anos, debaixo da batuta da Chrysler, ainda tem uma legião de fãs. E é fácil perceber por que.

Normalmente são pessoas que não se satisfazem apenas com os numerosos e muito comuns Ford, Chevrolet e Chrysler e precisam de algo mais raro, mais difícil de ser encontrado, para se alegrar de verdade. Entendemos que ter e apreciar carros que existem aos milhares pode ser muito bom, principalmente pelas facilidades de informação e manutenção. Pode-se inclusive fazer mais amigos, já que bastante gente tem o mesmo gosto, mas também é necessário entender que a raridade dá um toque especial a qualquer coleção.

O Rebel estava a venda há alguns meses em um site especializado em carros antigos, o Hemmings, por US$ 23.995. Na época do anúncio, tinha 95.000  milhas, pouco mais de 2.400 km rodados por ano. Não tão pouco, mas nada que realmente envelheça o carro.  É uma raridade, já que com essa mecânica foram feitos apenas 382 unidades.



O motor é, claro, um V-8 de segunda geração da AMC, lançada em 1966. A primeira sendo os V-8 dos Nash e Hudson que durou dez anos, aparecendo em 1956. Com 343 polegadas cúbicas ou 5,6 litros, desenvolve 238 cv, passados às rodas por uma caixa automática de três marchas. Potência absoluta que pode ser considerada baixíssima para os dias de hoje, já que até aquele Azera do tiozinho seu vizinho tem algo próximo a isso, mas lembre: o Rebel é um V-8 bem grande, daqueles que aspiram, roncam e falam grosso, não um motor moderno, amarrado e sedado para ficar quieto e não fazer bagunça. E por conseqüência ser tão satisfatório quanto um copo de água morna no verão quando você está morto de sede.



Os pneus desse exemplar tem medidas originais, 235/70R15, uma verdadeira bênção, já que se tornou moda colocar rodas maiores e pneus de perfil mais baixo que os originais até em muscle cars, uma prática condenável.

Alguns itens não são vieram originalmente de fábrica, como rádio com tocador de discos digitais, o filtro de ar, o carburador Holley de 650 cfm (pés cúbicos por minuto) de capacidade de aspiração de volume de ar  e as rodas Cragar modelo Keystone. As maçanetas embutidas das portas, apesar de parecerem muito modernas para a época são originais, um detalhe moderno para um carro desse tempo.






Uma característica que sempre chama a atenção na maioria dos muscle cars é a ausência de forrações dentro do porta-malas. Justificado como simplificação do acabamento interno para redução de peso, trazia o problema de ruído, que era, claro, suplantado pelo som do motor. Com a chapa sem acabamento por dentro das laterais e pára-lamas traseiros, um fato desagradável que alguns já vivenciaram era muito fácil de ocorrer. Dependendo da carga que se alojava na mala, qualquer curva era um convite a um amassado de dentro para fora. Eu já vi alguns carros onde isso ocorreu. É bem ridículo, uma espécie de auto-acidente.



A restauração de um carro não muito comum normalmente consome mais tempo e dinheiro do que o suficiente para comprar um bom carro novo. Porque há pessoas que fazem isso só pode ser explicado pela mais pura apreciação a itens fora do comum, e pela busca eterna de resolver problemas e salvar carros que seriam condenados ao ferro-velho, caso o mundo fosse totalmente habitado por pessoas que só gostassem de coisas modernas. Ainda bem que isso não é a realidade.





JJ

87 comentários:

  1. muito parecido com o road runner 1969...

    ResponderExcluir
  2. "...não um motor moderno, amarrado e sedado para ficar quieto e não fazer bagunça..."

    O que mais tem hoje é isso. Vai chegar um tempo em que as pessoas mais novas não saberão mais como sentir um motor ou dosar o acelerador. Ninguém mais vai saber o cheiro que tem um pneu queimado.

    ResponderExcluir
  3. Dianteira e traseira bem semelhantes ao Plymouth GTX/Satellite de 1969; perfil bem similar a de algumas gerações do Chevy Nova.
    Acho fascinante a "restaurabilidade" desses automóveis americanos dos anos '60 e '70 justamente pela indústria robusta que ainda produz toda a sorte de peças para estes modelos. Não sei se AMCs entram na "roda" das montadoras que ainda tem lá seus crafters devotados, mas certamente é uma tremenda mão na roda para quem adora estes carros (até porque nem todo mundo que admira e coleciona tem orçamento ilimitado para encarar garimpo a preço de ouro).
    Agora, coisa que vejo acontecer direto é uma discussão acerca dos antigos nacionais e os preços praticados no nosso mercado (inflação, mão-de-obra, disponibilidade de peças, tudo em termos comparativos). Sempre vejo opiniões distintas e bem fundamentadas acerca dos preços praticados quando falamos de antigos made in brazil.
    Bem que vocês poderiam montar uma matéria acerca deste tema e comparar o mercado de antigos daqui e o lá de fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom tema para um post, Charles. Eu que ando procurando por um antigo específico, mas passo os olhos no mercado em geral, me deparo com um panorama complicado mesmo em relação aos "veteranos" nacionais.
      Abraço.

      Excluir
    2. De fato é mais fácil encontrar alguns itens dos muscle/pony cars do que dos antigos nacionais. Tenho um Aero Willys 65, e coisas como pára-brisas, frisos, etc. é dificílimo de encontrar. Muitas peças de acabamento e suspensão, mando fabricar, o que depende de encontrar mão de obra competentíssima (e jamais sem supervisão do dono na escolha do material e do processo de fabricação) ao mesmo tempo que outras precisam ser adaptadas quando apresentam problemas (exemplo, um tanque de gasolina enferrujado ou um marcador de combustível que "não marca"). O que de certa forma reforça o sentimento de exclusividade citado na matéria, embora eu dispensaria com prazer esse dificultador caso pudesse.

      Excluir
  4. Aléssio Marinho02/08/12 12:34

    Dá gosto ver um carro antigo com saúde, inteiro e com todas as peças funcionando. Esse AMC está em muito bom estado.

    Enquanto isso, procuro a uns 8 anos os botões do vidro elétrico que ficam no console do Uno, e não encontro. São parecidos com os do Del Rey.
    Outra mosca branca é o sensor de nível do tanque, do modelo a álcool e sem tubo de retorno. Isso pq o uno é um dos carros mais fabricados no nosso país.
    Assim não consigo deixar o meu Uno Cabriolet, um dos pouco mais de 400 fabricados pela Sulam, em ordem.
    Ter um antigo no Brasil fica mais difícil a cada dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio, já pensou em utilizar a carcaça de outro botão e fabricar o acionamento em resina? Às vezes é uma saida. Oito anos é muito tempo.

      Excluir
    2. Aléssio

      Por acaso a botoeira que você procura é esta?

      http://cidadesaopaulo.olx.com.br/botao-vidro-eletrico-uno-premio-del-rey-iid-71113406

      Excluir
    3. Aléssio Marinho02/08/12 16:55

      FVG,

      É essa mesmo! Obrigado!

      Liguei pro vendedor mas já venderam.
      Procurei essa peça em tudo quanto foi CSS Brasil afora, pedi na fábrica, vi no caça peças e nada.
      Até na Europa já procurei essa peça nova e não encontrei.
      Outra coisa que procuro e não acho é o repetidor da seta do paralamas, o original, outra novela...
      Como a esperança é a última de porre...

      Excluir
    4. Aléssio

      Quando tiver tempo darei umas garimpadas por aqui. Se não tiver em São Paulo acho difícil que se encontre em outro lugar. Depois te dou um toque.

      meu Email: eng_fvgonzalez@yahoo.com.br

      ps.: o repetidor é aquele em formato de telhadinho, certo?

      Excluir
    5. Aléssio Marinho03/08/12 19:16

      FVG,

      Muito Obrigado!

      O repetidor é esse mesmo.

      Abraço!

      Excluir
  5. Painel lindissimo,sem dúvida um belo trabalho de restauração mas me parece que ficou um tanto alto do chão, será que era assim mesmo?

    ResponderExcluir
  6. Excelente dica! Estou restaurando um Chevette 76 e sei muito bem as dificuldade e preços de peças para carros antigos no Brasil, outro ponto é que quando achamos normalmente são peças paralelas de péssima qualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O chevette ainda tem a vantagem de ser igual ao Kadett europeu, ou seja ainda dá pra você importar as peças.
      Agora imagina um modelo excluvivo do Brasil, que não existe em outro lugar. Aí sim o bicho pega

      Excluir
    2. Também tenho dificuldade com peças de Omega, principalmente acabamentos. E o carro só tem 16 anos.

      Excluir
    3. Taí uma coisa que me admira negativamente nesta terrinha tupiniquim: a falta de peças para carros mais antigos. Quando assisto aquele programa "Jóias Sobre Rodas" (Wheeler Dealers, em inglês), fico surpreso como na Inglaterra encontra-se praticamente qualquer peça para praticamente todos os carros com 25-30 anos de uso. Por aqui, para a maioria dos carros com mais de 10 anos, nem mesmo peças paralelas de baixa qualidade se encontra, principalmente de acabamento...

      Excluir
  7. Cristian Pinheiro02/08/12 12:41

    "mas lembre: o Rebel é um V-8 bem grande, daqueles que aspiram, roncam e falam grosso"... sem contar o cheiro do escapamento. Polui? Sim. Mas não sei, o ronco faz muito melhor para a minha saúde do que o poluente prejudica, ah! se faz...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parafraseando um cientista famoso, esse motor não faz nada para salvar o planeta, a não ser torná-lo um lugar que valha a pena ser salvo...

      Excluir
    2. brauliostafora,

      ótima!

      Excluir
  8. Eu não manjo muito de carros antigos - apesar de apreciá-los - mas é impressionante a semelhança desse AMC com os Plymouths.

    ResponderExcluir
  9. Aléssio Marinho e Gustavo Barros: não se surpreendam se aparecerem (e quase sempre aparecem) retardados de pai e mãe por aqui, dizendo que Uno e Chevette (bem como o Polara que ando procurando, he, he!) são lixos que deveriam acabar todos em ferros-velhos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o impressionante é que você leva a sério.
      Você deve só procurar Polara, mas querer comprar que é bom, nada. Eu que nem sou conhecedor deste modelo, sei de dois exemplares em excepcional estado de conservação que por uma oferta razoável, uns R$ 6.000,00, seus donos se desfazem deles. Se fosse um pouquinho menos rancoroso, teria não um, mas dois em sua garagem.

      Excluir
    2. Imagino bem o que seja "excepcional estado de conservação" em seu entendimento. Se estiverem em excepcional estado (pelos meus padrões, lógico), levo os dois. E não sou rancoroso, só não sou moleque. Se um FDP (ou mais de um) já entra aqui querendo zoar com gente que está conversando sério sobre um assunto, tem mais é que ser recebido com hostilidade, mesmo. E estamos conversados.

      Excluir
    3. Ai! O Miss Mobilete é bravinha!
      Não é moleque mesmo, é um mané profissional

      Excluir
    4. Alborguetti02/08/12 19:46

      Anônimo, você não passa de um tonto!

      Que raio de carro em "excepcional estado de conservação" vai ser vendido por 6 paus???

      Só na sua cabeça de emo mesmo... Um emo profissional!

      Excluir
    5. Cade a censura aqui no comentário do Alborguetti?
      Agora só pode dizer flores e poemas pra carros velhos aqui no AE...
      Pra não me censurarem eu afirmo: O Dodge Polara é um ótimo carro (que a Hillman projetou e fizeram um rebadge quase imperceptivel)

      Excluir
    6. Alborguetti02/08/12 21:46

      Se "A Verdade" não sabe a diferença entre carro velho e antigo, melhor nem se estender no assunto...

      O Polara, é sim um Dodge, assim como um Dart fabricado no Brasil foi chamado de Charger R/T, e não é menos Dodge por isso eu acho.

      Ah, você é candidato a moderador aqui no Blog????

      Excluir
    7. Sou candidato a diretor de uma escola de ensino fundamental, que vc nunca frequentou.
      Voce esta certinho, Hillman Avenger é Dodge sim, sempre foi e sempre será. Vc acha o que quiser

      Excluir
    8. Alborguetti02/08/12 21:59

      Quem sou eu para contestar "A VERDADE". Se a Hillman pertencia a Chrysler Corporation, ela poderia fabricar o carro em qualquer lugar do mundo com a denominação que quisesse. Não é verdade????

      Ainda bem que nem frequentei a escola de ensino fundamental que você é candidato à diretor. Juventude Hitlerista não é comigo não...

      Excluir
    9. Me chamando de Hitlerista e tendo preconceito contra emos, vc não deve ter frequentado nenhum ensino fundamental no final das contas.

      Excluir
    10. Alborghetti, são carros de pessoas que pela idade avançada em pouco tempo deixarão de guiar. Os exemplares apesar de completamente orignais, não frequentam o meio antigomobilista, por isso seus donos não os veem como peças de coleção. O excepcional estado de conservação deles, pelo que consegui entender, deve-se ao fato de terem sido muito pouco utilizados, além de passarem toda a vida (carro tem vida?) guardados em garagens fechadas. As duas famílias possuem outros automóveis. Repito: não entendo absolutamente nada deste modelo, mas realmente estão em excepcional estado de conservação.

      Excluir
  10. Lindo carro, artigo de luxo mesmo. Eu já ia perguntar sobre as maçanetas "moderas", imagino o impacto no lançamento desse modelo.

    Quanto aos motores modernos, claro que não concordo....o que eles não entregam em balburdia sonora, o fazem através de desempenho e economia em parâmetros estelares em relação aos barulhentos e irancudos oito cilindros de outrora; mesmo que esses, ainda sejam uma delícia de tocar!

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô, MFF...

      E a delícia que é ouvir o ronco borbulhante (quando não avassalador!) de um V8 bloco grande devidamente bem alimentado? Se forem usados carburadores Weber então, aí é covardia!!!

      Para o dia-a-dia, tudo bem usar um carro que não mostre pelo escapamento a que veio. Porém, na hora da diversão, o carro tem que ter um ronco mais marcante, mas sem exagerar na dose, claro. Condenável o que muitos fazem com as motos custom, ao instalarem escapamentos livres, destruindo o maravilhoso ronco dos parrudos motores V2.

      Excluir
  11. Está barato! Aqui no 8ºmundo estão pedindo R$ 80 mil em Dodge Charger e Maverick GT, que são lixo perto dos carros americanos da mesma época e que você pode importar por preços bem mais interessantes.

    João de Ponta Grossa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alborguetti02/08/12 21:55

      Ô João da Ponta Grossa, já que você é o bã, bã, bã do pedaço, importe um desses carrões prá você e deixa a gente sossegado com nossos lixos nacionais...

      E aqui não é 8º mundo. É 3º e nem sei quem foi o FDP que criou essa classificação. No final das contas, vai todo mundo prô saco mesmo...

      Excluir
    2. João de Ponta Grossa, o Dodge Charger (um Dart modificado) e o Ford Maverick brasileiros são tão bons quanto os muscle americanos, porque eles são, originalmente, carros americanos, feitos para os consumidores de classe média americanos, só que fabricados no Brasil, feitos para consumidores endinheirados brasileiros.

      Excluir
  12. Pra que duvida, taí:

    http://cgi.ebay.com/ebaymotors/1966-Dodge-Charger-1st-Generation-Year-Original-Paint-CA-Black-Plates-361ci-BB-/261075047363?pt=US_Cars_Trucks&hash=item3cc94913c3#ht_1208wt_1005

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristian Pinheiro02/08/12 15:46

      Minha angústia é culpa da minha mãe, que teve a péssima idéia de me parir no Brasil...

      Excluir
    2. Não fique criticando a véia. Seria muito pior para você se ela tivesse lhe parido na Somália...

      Excluir
    3. Cristian, não culpe a sua mãe.

      Ela era iludida pela propaganda do governo que o "Brasil é muito superior à Argentina"(como se a Argentina servisse de parâmetro para decidir se um país é bom ou não) e "se não amas o Brasil (ou seja, se não acredita em nossas lorotas), suma daqui".

      Naquela época, querer trazer boas ideias do exterior para cá era muito complicado. Lutar por um Brasil melhor (que é o dever de todo patriota) era pedir para apanhar.

      Daí que até hoje o povo diz: "o Brasil é um país lazarento de ruim, o Brasil é filho da p, etc.", quando vê corrupção e leis ruins. A culpa da corrupção e das leis ruins é do governo e, em parte, do povo. O Brasil seria maravilhoso sem estes parasitas.

      Excluir
  13. Eu só queria um Corvette 94 que vi por 10 mil Dólares no Ebay. Mas o vendedor não enviava pro Brasil via Fedex.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mostra que querer não é poder.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Esse aparecido é cheio das gracas

      Excluir
  14. Eike Fuhrken Batista02/08/12 14:18

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria o que, caminhão de bombeiro?

      Excluir
    2. Estou restaurando, mas com outra mecânica, eu estava montando com motor de opala 4 cilindros injetado turbo, mas estou em negociação para colocar a mecânica da Blazer V6 4.3, vai ficar uma relação peso potência boa, com baixo custo, tração traseira e transmissão manual, coisa difícil e inviável para um veiculo mais novo aqui no Brasil.

      Excluir
    3. Calma Eike, nem todos aqui são fodidões e poderosas como você. Aliás, já restaurou aquela Mercedes toda ferrada???

      Excluir
    4. kkkkkkk boa, Anônimo02/08/12 19:51

      Excluir
    5. Com certeza, uma Cheva com motor V6 fica um belo dum brinquedo...

      Não adianta choramingar: Não temos quase nenhum muscle car nacional, e o que tem, custam caro... paciência... a não ser que se seja uma endinheirado que possa importar um clássico desse, temos que conviver com o que temos por aqui, com chevas, opalas e o que der...

      Excluir
    6. Gustavo,

      Chevette com motor de Blazer V6 fica o bicho! Qualquer dúvida, é só trocar umas idéias com o AG, o Mister V8 (que, aliás, anda sumido aqui do blog), mestre nesse tipo de trabalho.

      Excluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. anonimo 15:50

      nessa vc se lascou, afinal, se está comentando aqui, tbm é leitor do blog.

      Excluir
    3. Em nenhum momento disse que não sou.

      Excluir
    4. Se for baseado no que o Juvenal e os outros autores escrevem aqui nesse blog, então pode ter certeza que eles não "merecem" pessoas como o Ricardão ou o Anônimo das 15:50.

      Excluir
  17. Não adianta mais comentar nada que não seja babação de ovo aqui no AE que eles tiram todos os comentários. Bem vindos a Ditadura do puxa saquismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A verdade
      Aqui quem manda sou eu, ditadura mesmo, e daí? Ou você tem alguma dúvida a respeito disso? Democracia não é zorra, embora muitos achem que seja. Comentário ofensivo, desrespeitoso ou depreciativo de qualquer marca de automovel, no momento que eu vejo, removo. Aqui no AE é assim.

      Excluir
    2. Uma ditadura interessante. Uma hora critica as películas que alguns gostam de usar nos vidros e em outros momentos como no evento da BMW não. Desculpe-me, mas assim é zorra. Com isso, perde-se a credibilidade.
      Detalhe que em nenhum momento meu comentário é ofensivo, desrespeitoso ou depreciativo a qualquer marca de automóvel ou mesmo pessoa.

      Excluir
    3. anonimo 13:32

      Você gosta de bater nessa tecla, né? Já foi dito que, no evento da BMW, os carros que estavam expostos pertenciam a particulares.

      Imagina só, o pessoal da BMW chega junto no cara e diz o seguinte: "Bom dia, cavalheiro!, queremos seu carro para expor aqui no stand mas, para isso, é necessário que o sr. remova as películas. Tudo bem para o sr.?"

      Era só que faltava.

      Excluir
    4. É como o Jeremy Clarkson disse uma vez: This is not democracy, this is Top Gear!

      E isto aqui é um blog, e fora os testes, não tem obrigação de ser imparcial.

      Excluir
    5. Além do total direito da moderação moderar como quiser, qual a contribuição dada pelos posts do reclamante para o enriquecimento do blog? Na minha opinião, nenhuma.

      Excluir
    6. Tem um pessoalzinho desocupado que adora ficar inventando moda ridícula e politicamente correta, num pseudo-moralismo hipócrita e barato de esquina, que só irrita. Dizer que a "censura" a comentários inúteis faz perder a credibilidade no blog, é atestado de nem fazer idéia de quem são os autores do AUTOentusiastas.

      Excluir
    7. A Verdade:
      Se está se sentido injusticado , vá reclamar com o Ze Dirceu

      Excluir
  18. ficou bem mal colado este anti-ruído, dizae?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquilo não é anti-ruído não Tchaka. Aliás, acho que você nunca viu um carro desses de perto, não é????

      Excluir
  19. gostei do nome. não é essa marca que fazia gremlin

    ResponderExcluir
  20. Acho que não conheço mosca branca maior que o aerofólio do monza sr. Já vi o cara pedir 2,3 k por um original...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio Marinho03/08/12 19:11

      Lanternas traseiras do Maverick 78. A pouco tempo vi pedirem 3 mil dilmas no par...

      Excluir
  21. Warley Camurça02/08/12 21:34

    Ah, como as coisas eram mais puras antigamente! Vejam apenas os nomes desses carros das décadas de 60/ 70/ 80: Mercury Marauder, Plymouth Road Runner, A.M.C Rebel, Dodges Charger e Challenger, Dodge Matador... Enfim. Isso não é muito mais gostoso do que IX 35???
    Isso é que eu considero máquinas de verdade, carro com cara, com jeito de carro, tem que fazer sujeira mesmo, queimar gasolina, soltar fumaça e labareda de fogo pelas ventas, tem que cheirar a graxa e óleo, e se for barulhento com um ronco grave e contínuo, melhor ainda. É claro que nem todos podem ser assim, mas tá ficando difícil de achar um hoje em dia.
    A vida está ficando tão sem sal, e olha que eu só tenho 18 anos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estava pensando justamente nisso... Rebel... que nome bom pra um carro.

      Excluir
    2. KzR:
      Eh amigo, mas o gosto dos outros não precisa ser o seu. Mas não é motivo para se desanimar. Se outros não mantém essa paixão pelos carros de motores bravos e malvados, que aspiram ar e transpiram admiração, cabe a você e aos demais simpatizantes e entusiastas manter essa velha e boa tradição.

      Hoje em dia já sinto falta daquele charme dos autos dos anos 90 e fim dos 80. Quanto mais daqueles de épocas mais remotas? Eu aplaudo quem mantém uma dessas jóias rodando, ainda mais sendo originais.

      Excluir
  22. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  23. Um blog bom como esse, e aparece esse tanto de gente pra falar besteira. JJ, é preciso urgentemente de algum sistema de cadastro no blog. Censurar alguns comentários e até mesmo vetar o cadastro de alguns aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,
      não sei se existe como cadastrar, mas é um método democrático. Basta saber escrever para poder opinar.
      O problema é que muitos nem sabem escrever direito, e outros não sabem o que escrevem.
      O lado bom é resumido por aquele amigo nosso, que sempre comenta por aqui: Melhor ler isso do que ser cego. Gosto muito dessa frase.

      Excluir
  24. Para fugir do óbvio e por trazer muito boas lembranças o carro que sonho em ter novamente é a Veraneio, queria ter 5 delas, a clássica (pós 78, azul "Senado", Chevrolet Brasil, 3 marchas na coluna, parachoque simples, volante preto, sem assistência), uma longa, uma M, uma restomod (com base na clássica) e uma 4x4 com base na M.

    O que desanima é a falta de peças para este carro, ainda mais que é um modelo só do Brasil.

    Ver uma sucata de motor GM 305 (que nem é lá estas coisas) por 4 mil reais é extorsão, se nos EUA um motor completo é nesta faixa de preço.

    Neste ponto ter uma Explorer é mais fácil de ter e manter, basta vir dos EUA, onde é praticamente um Fusca...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio Marinho03/08/12 19:09

      Putz, o pai de um vizinho tinha uma dessas, comprada em leilão do Senado Federal.
      Com pneus diagonais, cantava pneu de 2ª nas esquinas nas mãos da molecada, tudo sem carteira...rsrrss
      Depois a gente pegava o Opala 4cc do meu pai pra fazer a mesma coisa e não conseguíamos do mesmo jeito, só na chuva.
      Tempinho bom...rsrsr

      Excluir
  25. O REBEL conforme o Texto está sendo vendido a US$ 23.995 .. para nós TONTOS não é tão caro porém para os Americanos é CARO SIM pois é o preço de um CAMARO ZERO V6( Básico de USD 23.280,00 ou o V8 - USD 35.880,00).

    Então quando se vê um Carro Clássico V8 perfeitamente restaurado sendo vendido aqui por 50 , 60 ,70 paus É PORQUE VALE ISSO não se esqueçam da diculdade de peças e a falta de mão de obra daqui ...e mais: Os Americanos valorizam os antigos e o trabalho dos restauradores e não ficam com aquelas comparações IDIOTAS de Brasileirinho do tipo : "eita porra, com esse dinheiro eu compro um carro zero " ...

    ResponderExcluir
  26. Aí o tiozinho de Azera velho vem a 230 km/h e craauu, dá aquela comida no Rebel!
    Hhehehee!

    ResponderExcluir
  27. Com certeza, não existe auto entusiasta que não seja apaixonado por esse carro.

    ResponderExcluir
  28. Por motivos óbvios, sou suspeito para falar, mas naquele curtíssimo período de 1965 até 1970/71, as opções de muscle e pony cars que existiam era de deixar qualquer um babando! Dos mais raros aos mais populares, dos espartanos ao extremo, focados exclusivamente no desempenho, até os mais luxuosos, incluindo aí a transmissão automática, havia modelos para todos os gostos e bolsos. Desenhos de carroceria variados, opções sedã com e sem coluna, traseira fastback, opcionais infindáveis, impossível não encontrar um que agradasse (no meu caso, quase impossível encontrar um que não me agradasse...)

    ResponderExcluir
  29. AMCs!! Adoro AMCs!! Infelizmente nunca vi muitos por aqui, e os que vi foram 2 ou 3 Javelins.
    O Legal da AMC é a capacidade da engenharia que montou esses muscle cars. A AMC pre muscle car fazia carros menores, com motores mais comportados. Eles tambem nao tinham muito dinheiro para investir com as 3 grandes.
    O pessoal que fez carros como o Rebel, o AMX e o Javelin teve que fazer o melhor possivel com pouca verba e as peças que tinham em casa para competir com o melhor momento das 3 grandes, e eles fizeram isso muito bem.
    Adoraria por minhas mãos em um AMX ou um SC/Rambler...

    ResponderExcluir
  30. Esse Aparecido é cheio das gracas.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...