23 de outubro de 2012

A AMBULÂNCIA DOS GALAXEIROS

Fotos: arquivo pessoal e Clássicos Caslini
Material de época, fornecido à imprensa, sobre o Galaxie Ambulância

No final de 1968 revistas especializadas em automóveis soltaram a notícia de que o centro de “estilo” da Ford estava desenvolvendo uma nova carroceria para o – ainda novato – Galaxie 500. Seria uma “perua” como os paulistanos chamavam na época as stations wagons. O automóvel era desenvolvido nas horas de folga, mas tanto tempo foi empregado para o tal veículo que era impossível conceber a idéia de que seria apenas um protótipo, mas foi – ou melhor, realmente é!


Ambulância Galaxie, hoje, na restauradora Clássicos Caslini


O veículo foi apresentado ao público em 1969, a ambulância Galaxie, o sedã mais luxuoso do país, então dono do maior porta-malas do mercado, ganhou ainda mais capacidade de carga, mas o destino dessa vez não era mais ser um automóvel familiar e sim a missão de “salvar feridos” servindo como veículo de socorro no interior da fábrica.

Ambulância Galaxie timidamente "observando" o grid de largada
Se realmente esse protótipo trabalhou transportando feridos, isso é um mistério. Alguns ex-funcionários dizem que sim, outros afirmam que a ambulância era usada só em competições de Fórmula Ford dos anos 1970 para divulgar os veículos da fábrica e a empresa. Em algumas fotos antigas é possível ver a ambulância ao lado dos boxes em Interlagos.

Agora a foto mais fechada permite ver melhor a ambulância
Além da óbvia diferença na traseira, com prolongamento do teto até a extremidade traseira da carroceria, o sistema de abertura em duas partes, o para-choque traseiro vindo das Galaxies station wagon americanas, no lado de dentro a maca ocupa – obviamente – a maior parte do espaço existente no habitáculo traseiro, sobrando espaço para um enfermeiro e equipamentos de socorro.

Note o pára-choque traseiro, igual ao usado nas Galaxie SW americanas
Segundo o meu amigo e grande conhecedor de automóveis, Almir “Salim” Aschar, esse veículo era de um ex-funcionário da Ford, na ocasião em que ele o comprou. Uma época em que os automóveis antigos nacionais ainda não tinham valor comercial. O automóvel necessitava de restauração e o então dono da ambulância necessitava investir valores em outros negócios. Assim, em 2001 a ambulância foi leiloada no evento de Águas de Lindóia. Mais uma vez, ela foi comprada por um colecionador que tenho a sorte de ser amigo, dessa vez o colecionador, empresário e piloto Francisco Marota, um homem que tem sua vida extremamente ligada aos automóveis, seja no mercado automobilístico, nas pistas ou na preservação.


Foto comparativa entre o material de época e o automóvel como está hoje
Marota restaurou o automóvel com bravura, na época a internet ainda engatinhava e o interesse pelos Galaxies era mínimo. Tive a sorte de sempre manter bom contato com o proprietário do veículo e graças a isso tive a honra de fotografar e ceder material a todos que publicaram informações desse carro até o ano passado..


Interessante é o único banco traseiro reservado ao enfermeiro ou médico, para que vá cuidando do paciente
No mês de maio de 2011 recebo a ligação do amigo me avisando sobre o interesse em vender a ambulância, por um valor extremamente justo – visto a raridade do modelo. Eu só tinha uma pessoa a quem oferecer, Marcelo Caslini, que hoje é o maior colecionador de Galaxies do país e dono da Clássicos Caslini, restauradora referência no setor de automóveis antigos.


Capacidade de carga, um paciente; brincadeiras à parte, o trilho possibilita a retirada da maca

Graças a material de época, conseguido pelos estudiosos do automóvel, descobriu-se pequenos detalhes únicos e tão pitorescos quanto a Ambulância Galaxie, entre eles a tampa traseira com material diferenciado, o interior branco, frisos dos modelos de 1967 e 1968 (mesmo o carro sendo 1969). Até então havia a dúvida sobre a quantidade de Ambulâncias “fabricadas”, os números oscilavam entre ser a única ou uma das três, mas pelos “alfarrábios de época” tudo leva a crer que não foi feita nenhuma outra a não ser o próprio objeto desta matéria.



 Um caso a parte são os retrovisores apoiados nos pára-lamas dianteiros da ambulância, ao dirigi-la nota-se a praticidade desses elementos. Acontece que os vidros são leitosos e não permitem a visualização do que ocorreria em volta do veículo. Por isso, os espelhos externos sendo da maneira original, ou seja, apenas do lado esquerdo e próximo ao quebra-vento, seria um tormento ao motorista.

Interior branco restaurado, como originalmente e a curiosa posição dos retrovisores externos.
Tudo bem, que andar com a Ambulância Galaxie está longe de ser tão confortável quanto dirigir um dos sedãs produzidos entre 1967 e 1983, o banco dianteiro tem curso limitado de ajuste, a divisória entre os habitáculos dão um ar claustrofóbico a quem está no banco da frente e os vidros leitosos nunca permitem ao ocupante do único banco traseiro a certeza de que pode abrir a porta em meio ao trânsito entre corredores, mas é fato de que um veículo único é sempre uma peça interessante e tão importante quanto preservá-lo é estudar sua época e momento de surgir. Dirigi-lo torna-se um ato pitoresco e motivo de orgulho aos poucos sortudos que puderam conduzir o mais raro dos Galaxies nacionais.



PT

59 comentários:

  1. Ghostbuster.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Ghostbusters Ecto-1 é, na verdade, um Cadillac Miller-Meteor ano 1959.

      Asterix

      Excluir
    2. Maggie Cadena25/11/13 15:40

      verdade ;)

      Excluir
  2. História interessante. Mas se não me engano, havia uma concessionária Ford de São Paulo que customizava os antigos Galaxie / Landau na década de 70, transformando-os em Sw's.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui na minha tinha uma dessas como carro fúnebre.

      Excluir
    2. Certa vez havia uma dessas, fúnebre, parada numa oficina em Foz do Iguaçu.

      Excluir
    3. Hoje temos que fazer nossa ultima viagem em furgões ou pick-up adaptada...

      teve concessionária em Sp que fazia SW de Maverick creio que já deva ter sido aoborado aqui no AE.

      Excluir
    4. A Envemo transformava o Monza em uma station wagon, porém, o design não ficava muito bom.
      Asterix

      Excluir
    5. Anonimo e Lucas;

      Carro funebre daria posts completos para vários dias!!!!

      Na minha cidade tem uma Montana Funebre, com a grande do radiador formando grelhas na VERTICAL dourdas (no estilo das grades prateadas que o pessoal customizava Fusca na decada de 70), com uma cruz também dourada, fixada sobre o capô do motor...

      Excluir
    6. Precisamos ver uma foto desse MONSTRENGO FÚNEBRE!

      Excluir
    7. Para os curiosos:

      http://www.pickupcia.com.br/capota_para_translado_montana_vigo.htm

      Asterix

      Excluir
  3. Este interior branco é de matar!!
    Dizem que o Sr. Arno na época encomendou a fábrica uma série bem limitada do Landau (já perto do fim da produção) com interior bem claro.
    Outro que só vi por foto tinha um interior verde claro, porém não sei a quem pertenceu ou que fim teve, mas eram recentes os registros.

    ResponderExcluir
  4. Nós merecíamos mais wagons dos carros de luxo da época, como o Galaxie e Dart, confesso que tenho uma queda por peruas ainda mais de carros sensacionais como este.

    A propósito Salvem as Peruas

    http://caranddriverbrasil.uol.com.br/noticias/mercado/salvem-as-peruas-elas-estao-em-extincao/2852

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não era de luxo longe disso mas era moderno se comparado a belina ou brasilia, mas um erro da VW do Brasil foi não ter feito a SW do passat ainda nos anos 70.

      Excluir
    2. Também tenho uma queda pelas peruas... principalmente aquelas derivadas de automóveis grandes.

      Excluir
  5. Ambulância Galaxie eu nunca vi ao vivo, mas as peruas eram quase comuns nas décadas de 70 e 80. Pelo menos, vi muitas, e o retrovisor naquela posição era moda nos carros japoneses daquela época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade era legislação de lá.

      Excluir
  6. Essa ambulância pelo menos tinha a sensatez de trazer algum conforto para o doente. Hoje todas as ambulâncias brasileiras tem suspensão de caminhão e levam o paciente com o mesmo cuidado de um sedex.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  7. Se eu não estiver equivocado já vi uma dessas aqui em Goiânia. Ou seria um Maverick Wagon? Tem uns três anos e vi muito rapidamente, não me lembro mais direito.

    Quanto ao Passat Wagon, citado pelo Anônimo23/10/12 12:43, aqui em Goiânia a uns anos atrás (por volta de 2003, 2004) também vi um Passat Variant (antigo, não desses mais novos)circulando pela cidade. Porém era um "carro velho",~precisando de um bom restauro por parte de um colecionador.

    Ainda sobre os VW's aqui também já vi um Jetta antigo, mas em estado bem precário.


    Quanto aos VW's modernos ano passado desfilava aqui pela cidade um Scirroco de plcas espanholas, existindo inclusive vídeos dele no youtube, basta pesquisar "Scirroco Goiânia".


    Diogo da Silva Lima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser carros que embaixadas ou consules traziam para cá, comum lá rarissimo aqui, acho que no AE mesmo estes tempos mostrou um passat alemão do fim do inicio dos anos 80, motor 5 cilindros e cambio automático que era da embaixada alemã.

      Excluir
    2. A Volks não fez o Passat Variant pois tinha a Variant (Brasília esticada) e logo depois do seu fim lançou a Santana Quantum cujo modelo na Europa era chamado Passat, portanto tivemos sim! :)

      Excluir
    3. Nosso colega deve estar falando desse Passat Variant, de 1974, que não foi fabricado no Brasil:
      http://img.favcars.com/volkswagen/passat/volkswagen_passat_1974_wallpapers_1.jpg

      E não deste, que foi a perua do nosso Santana, ou seja, a Quantum.
      http://de.wikipedia.org/w/index.php?title=Datei:Volkswagen_B2_Passat_Bielefeld.jpg&filetimestamp=20100701112800

      Asterix

      Excluir
    4. Isso mesmo. E era verde, só que já não me recordo mais a placa, procurei umas placas no sistema do DETRAN - GO mais não encontrei.

      Diogo da Silva Lima.

      Excluir
    5. Aléssio Marinho24/10/12 17:06

      Esse Jetta antigo é um 2 portas, cor champagne e que lembra muito um Fiat Prêmio?
      Lembro de ver várias vezes esse carro em Brasília.
      Devia ser de algum funcionário de embaixada.

      Excluir
  8. Maravilhosa!

    Imaginem amigos, uma versão civil dessas, com todos os requintes nababos do melhor Ford nacional de todos os tempos!

    Não creio que prejudicaria a imagem de requinte extremo do carro, seria mais uma opção estelar no mundo das peruas.

    MFF

    ResponderExcluir
  9. Pessoal, tentem ler a matéria toda, mesmo sendo um texto grande, pois é muito rico e tira muitas dúvidas aqui dos comentários. A Ford, inclusive com relatos de funcionários da época, teria fabricado até 3 carros desse apenas, para servir dentro da fábrica. E a "lenda" diz que a única que restou inteira pra ser testemunha da história foi essa da matéria. Carro exclusivíssimo! E provavelmente único no mundo, nem nos EUA existe histórico de projeto similar. É muito bonito, já tive chances de vê-lo ao vivo.

    ResponderExcluir
  10. Tambem ouvi varias vezes (inclusive por ex-funcionario da Ford)que foram fabricadas tres unidades dessas ambulancias e serviam apenas à Ford.
    Em 2001 quando esse carro surgiu em Aguas de Lindóia, estava e péssimo estado, muito enferrujada e a noticia era de que seria a unica remanescente das tres fabricadas.
    Passou por uma primeira restauração que a deixou "em pé" novamente e agora depois de um novo e cuidadoso trabalho está impecavel.
    Romeu

    ResponderExcluir
  11. Ambulância nunca tinha visto, mas fúnebre já vi várias, aqui na cidade onde moro conheço pelo menos quatro, mas todas elas tiveram as portas traseiras eliminadas. Resultado de uma época em que o valor dos Galaxies era irrisório, aliado à falta de importados, fazia com que as funerárias vissem esse tipo de veículo como uma adaptação de baixo custo e que lhes servia bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pessoalmente, acho que a perua tupiniquim, com quatro portas, ficou até mais bonita que a original americana. Os vidros das portas traseiras da Country Squire eram praticamente retangulares, o que deixava a coluna traseira mais perpendicular ao solo. Como a nossa ambulância manteve os vidros trapezoidais do Galaxie e até a coluna traseira parece ser a mesma do sedã, acompanhando a inclinação dos vidros da porta, o visual dela ficou mais esportivo - e, se dizer tal coisa de uma ambulância parece fora de propósito, uma eventual versão "civil" iria agradar muito.

      Excluir
  12. Tenho um amigo aqui em Santos que transformou um Landau em pick-up para transportar suas motos. Ficou muito bom pois a cabine não ficou apertada, e ainda tem a vantagem de ser um carro exclusivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. logo que vi A silhueta da SW fiquei pensando numa pick-up,

      Excluir
    2. Veja esse Galaxie 1965 custom australiano:

      http://www.fordmuscleforums.com/attachments/ranchero-pages/14923d1286002244-ford-1965-galaxie-ute-pick-up-australia-galute1.jpg

      Asterix

      Excluir
  13. Bons tempos, de qualquer modo. E a peruinha ficou muito bonita.
    Certamente, também, o motor V-8 garantia uma boa disposição para atuar em emergências (que talvez nunca tenham ocorrido, mas é bom estar preparado!) e a suspensão, ainda que reforçada, ainda segue o projeto do automóvel, mais confortável que a de uma caminhonete. Pena que não dá nem para imaginar que prefeito que aceitaria ser taxado de irresponsável para comprar um modelo desses em detrimento de coisas mais baratas e de consumo mais contido (a Kombi, por exemplo). Quem deve ter ficado feliz de que a ambulância Galaxie não tivesse passado da faze de protótipo seria a Chevrolet, que venderia menos ambulâncias Caravan (que, não entendo por que, têm um cheiro terrível, mesmo quando limpas).

    ResponderExcluir
  14. Carlos Cwb23/10/12 17:28

    Aqui em Curitiba tem um funerário. Está à venda, alguém se interessa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Velho mas limpinho27/10/12 13:47

      Ponha o link do anuncio por favor!

      Excluir
  15. De todas as stations que não passaram de protótipos, ou que tiveram produção artesanal, creio que a mais harmônica tenha sido a station derivada do Ford Maverick. Já vi stations do Galaxie, Dart, Passat (o nacional), Polara, Monza, mas nenhuma tão bela quanto a do Maverick. E entre as que foram produzidas em larga escala, uma ganhou uma derivada artesanal que ficou perfeita: Caravan quatro portas. O mercado é uma coisa que desafia a lógica: veículos feitos com vocação claramente familiar, só tiveram versões de duas portas (Belina/Belina II, Scala, Variant/Variant II, Marajó, Panorama), e aquelas que tiveram também de quatro (Ipanema), venderam muito menos nesta configuração. A lógica foi respeitada por Quantum, Suprema, Tempra SW, Marea SW. Quem quiser acrescentar exemplos esquecidos por mim para ambos os casos, esteja à vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Opel costumava oferecer suas peruas em versões de duas e quatro portas - como a nossa Kadett Ipanema -, e com a Rekord C Caravan também foi assim. A diferença é que, na Europa, as duas versões da Rekord eram comercializadas ao mesmo tempo, enquanto aqui a Ipanema de quatro portas sucedeu a de duas. (A mesma coisa aconteceu com a Ford Royale, lançada pela AutoLatina com duas portas e, posteriormente, substituída pela de quatro.)
      Voltando à Caravan: como as portas traseiras da perua Rekord eram exatamente as mesmas do sedã (e do nosso Opala), mudando apenas a esquadria dos vidros - o canto superior dos quebra-ventos fixos era em ângulo na perua e arredondado no sedã, acompanhando a linha da calha do teto -, fazer uma Opala Caravan de quatro portas foi moleza. Apesar da versão brasileira ter usado as portas completas do Opala sedã, inclusive com as esquadrias de vidros arredondadas, o resultado ficou mesmo ótimo.

      Excluir
    2. Mr.Car
      Ja cheguei a ver fotos dessa Maverick SW , se nao me engano na cor marrom metálico.
      Que motor ela utilizava? era o V8 ?
      É verdade que o no Maverick o motor 4 cil era melhor que o de 6 cil ? Dizem que andava mais e era mais economico .. como?
      Abracos

      Excluir
    3. Melhor eficiência energética... O 4 cc era melhor projetado que o antigo 6 cc da Willis que era da década de 30...

      Excluir
  16. Me desculpem os ecoentusiastas, mas eu adoro barcas: Buick Roadmaster Station Wagon!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aproveitem o embalo, e me perdoem também. E quem quiser ver uma coisa absolutamente linda (não é station, mas ainda assim é "barca", e das mais fascinantes), procure por "Buick Roadmaster Riviera 1958" no Google.

      Excluir
    2. +1 ...
      A Roadmaster é fantastica!

      Excluir
    3. Roadmaster, isso sim é nome de carro!

      Excluir
  17. O esquisito é descobrir que os paulistanos chamavam as peruas de peruas. Para quem não sabe, ainda chamamos as peruas de peruas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No RS também chamam de perua, porém ouço o pessoal das antigas chamarem de caminhonete.

      Excluir
  18. Andar numa ambulancia dessas ja faz parte do tratamento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, mas os autoentusiastas iriam "ficar doente" toda hora só pra dar uma voltinha na barca.

      Excluir
    2. Ainda mais escutando aquela linda sinfonia de V8...

      Excluir
    3. Prefiro um elétrico.

      Excluir
    4. Nada contra, eletrico deve ser muito interessante. Torque absurdo, desde o zero, grande eficiencia. Sou engenheiro eletrico, conheço bem as vantagens desse motor.
      O problema do eletrico são as baterias. Tanque vc enche em 5 minutos, baterias demoram horas para carregarem, e tem menos energia para um mesmo volume ocupado por combustivel
      Mas nada com o som do V8, e a sensação de pisar em um motor de grande cilindrada. E o conforto e espaço do Galaxie? Nao temos mais nada igual aqui. Ande em um e seja feliz

      Excluir
  19. Impossível ver uma perua dessas e não lembrar dos belos carros fúnebres do extinto museu automobilístico da Ulbra em Canoas/RS, tive sorte em visitá-lo pouco antes do fim.

    ResponderExcluir
  20. "Seria uma “perua” como os paulistanos chamavam na época as stations wagons."

    Sério que perua não é mais um termo usado? Eu nunca usei o termo station wagon...

    ResponderExcluir
  21. Carlos Miguez23/10/12 22:38

    Havia uma em Governador Valadares - MG; o tempo todo que morei lá , de 2004 até 2007 ela ficava "docada no mato" na Av. Grão Duque de Luxemburgo, a uns 100 mts da BR-116. Acho que era mesmo ambulância: havia a sirene, os vidros leitosos e tampa traseira funcional. Ao lado dela havia um chassi perpendicular ao chão encostado numa arvore.

    ResponderExcluir
  22. Rafael Ribeiro23/10/12 23:30

    Muito bacana e curiosa a história do Galaxie Ambulância, não o conhecia. Já tive um Galaxie 1976 e um LTD 1978, ambos comprados por míseros US$1.000 cada nos anos 90. Tive que vendê-los por falta de espaço quando me mudei para um apartamento. Hoje tenho um Fusca como xodó, mas ainda tenho saudade deles...

    Apareça mais vezes Portuga!

    ResponderExcluir
  23. Parabéns Caslini!!!
    abs
    Senteio

    ResponderExcluir
  24. Poxa, que sandades da Sinca Jangada!

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...