16 de dezembro de 2012

O XK120 E EU (CAPÍTULO 5)




E após levar pra passear as loirinhas mais bonitas de Pirassununga e com elas ralar o Opala preto 6-cilindros invocadão da cidade, meu XK120 queria novos desafios. Só que para tanto era necessário pecar, mentir. Confesso, caro leitor, confesso que menti a meus pais. Por diversas vezes lhes disse que iria à noite para Pirassununga para pegar o “dancing” de sábado no clube, aqueles bailinhos que juntavam toda a moçada da cidade e tocava Tim Maia, “Você é algo assim, é tudo pra mim, é mais que eu sonhava, baby...”, e nessas músicas lentas é que era bom dançar devagarinho e colado e com o coração aos pulos... 

Bom, mas Pirassununga era muito perto e o XK, como um autêntico roadster, um estradeiro, tinha mais é que rodar bastante. Então, saindo da fazenda pela estrada de terra, ao desembocar no asfalto, em vez de virar à direita e ir para Pirassununga, os fachos dos faróis altos viravam à esquerda e eu me mandava para Poços de Caldas. 

Poços ficava a 90 quilômetros por boas estradas, sendo que o trecho final era uma bela subida de serra com curvas deliciosas. Lá em Poços eu saberia onde achar o Zé Dias, meu amigo desde molecote, toda a sua família era de lá, tinham fazendas de café naquela linda Serra da Mantiqueira. Família grande, o caro leitor sabe, inclui muitas primas, e aqueles ares dos 1.200 metros de altitude de Poços fizeram um bem danado às primas do Zé, porque era uma mais bonita e legal que a outra e a gente chegava e feliz arregalava os olhos praquele monte de sorrisos bonitos e ficava desnorteado sem saber em qual focar a atenção. Sendo assim, o caro leitor pode perceber, estava montada a fórmula da felicidade. 

Veja só, é legal pegar uma estrada só por pegar, na base do ir e vir, com um carrão esporte, mas muito mais legal é fazer isso com um objetivo, uma missão a cumprir, então você se vestia pensando naqueles sorrisos que iria ver, entrava no carro pensando naquelas bocas que tanto queria beijar e tocava a lenha à noite na estrada pensando naqueles abraços apertados que tanto queria dar. Assim é que é bom viajar e o resto é conversa. 

E viajando sozinho, só você e o carro; esse sim é o melhor esquema. 

Ir com um amigo ou com uma namorada (minha mulher continua sendo minha namorada) é bom, mas o melhor mesmo é ir sozinho, principalmente se o carro for um esportivo dos bons, um esportivo que nem o XK, com quem temos muito a conversar, muito o que ele contar sobre sua forte e rica personalidade, muito o que aprender sobre ele; como fazê-lo agarrar certinho nas curvas, como trocar as marchas no momento e modo exatos, e como saber fazê-lo acelerar feito doido entre uma curva e outra.


6 cilindros, 160 cv


Já muito o que frear não era bem com ele; não para os padrões de frenagem de hoje. Já para os padrões da época, 1972, até que tudo bem, era passável. Em 1972, os bons carros nacionais, como o Dart, o Galaxie e algumas versões do Opala, já tinham freios a disco na dianteira; enquanto que o XK120, com 20 anos nas costas, os tinha todos a tambor. E o galho é que o XK andava muito mais que eles, bem mais, principalmente de final, e para os freios velocidade conta mais do que peso. 

Seus tambores eram largos e de grande diâmetro, o que é importante, pois dá um momento maior, então as primeiras freadas eram boas, bem fortes, mas era melhor não ir achando que elas continuariam a vir assim fortes por toda a vida, se fôssemos metendo freada atrás de freada. Numa subida de serra, tudo bem, mas numa descida lenhada a coisa ia acabar complicando, porque dali um tempo era fading na certa. Você pisava e a coisa não parava. Você calcava mais forte e o sentia borrachudo, escorregando, e essa situação é chata pacas, no mínimo desagradável. Se escapasse da encrenca, o negócio era maneirar e ir tocando devagar e sem frear, ir só na reduzida e ir deixando que os freios esfriassem.

Os carros, como se vê, não eram tão à prova de idiotices como hoje, mas sabendo como eram, conhecendo a máquina, conhecendo os seus limites, não havia problema algum.


C-type


A Jaguar ganhou sua primeira 24 Horas de Le Mans, a primeira das cinco que ganhou na década de 1950, principalmente devido a ter adotado os freios a disco no seu C-type, que era a versão de corrida do XK – mesma mecânica, mas com carroceria mais aerodinâmica, desenhada por Frank Costin, um mestre da área, vindo da engenharia aeronáutica. Grande parte do sucesso do C-type se deve às suas estonteantes e seguidas freadas. Os outros freavam e ele continuava no gás e ia frear lá adiante. 

Uns dizem que essa tecnologia veio do avião, já outros dizem que veio do trem – esses dois meios de transporte já o utilizavam antes do automóvel –, mas ninguém discute que quem a introduziu nos carros foi a Jaguar.


Powerslide com o C-type


Mas o meu XK tinha nascido antes disso, antes desses freios a disco da Dunlop terem entrado na sua linha como opcional; e seu motor estava além do seu tempo, fora que era um carro leve, entre 1.100 e 1.200 kg, e aerodinâmico.

Faróis de longo alcance Lucas, amarelos. Sim, ele tinha esses faróis suplementares que iluminavam lá ao longe, muito úteis quando se pega à noite uma estradona vazia e se quer andar rápido. E assim, ao pegarmos o asfalto, seus fachos viravam junto com os altos à esquerda e apontavam para o leste, para a Serra da Mantiqueira, para Poços de Caldas.

Capota fechada, janelas encaixadas, malha, casaco, meias de lã e luvas – e um largo e quentinho túnel do motor e câmbio a esquentar a perna direita. Era assim que era. E lenha. Hoje, muitos carros familiares permitem que se viaje a 160 km/h de cruzeiro, apesar de não termos mais liberdade para isso, e apesar de praticamente não termos mais estradas vazias que nos permitam fazer isso sem que ponhamos outros em perigo. Mas a coisa ia mesmo assim, cruzeiro de 160 km/h, e pro XK tudo bem, que ainda havia muita sobra de potência; bastava acelerar que ele crescia forte e tinha muito ainda a dar. 

E era assim que o vulto da serra ia crescendo. Logo o XK e eu passávamos por fora de São João da Boa Vista, e logo passávamos por dentro de Águas da Prata, devagar, escutando o grosso ronco do 6-cilindros ecoando pelas paredes das tranqüilas casas dessa tradicional cidadezinha balneária, famosa pela leveza das águas que brotam no pé da serra. 

E era assim que nos preparávamos, o XK e eu, para encarar a subida da serra.


Um bom local de meditação


Espero que o caro leitor me permita mais um tempinho para que eu me recorde direito. Afinal, lá se vão quarenta anos. Logo eu continuo. Enquanto isso, as primas do Zé que nos esperem. 

— Esperem aí, primas do Zé! Mandem o tempo parar! Não virem avós até o próximo capítulo!

AK

45 comentários:

  1. Realmente as coisas mudaram muito ao longo de quarenta anos. Hoje não tem prima, morena ou loira que queira andar em um carro diferente - no meu caso algo duro e bem barulhento - apenas um ou outro amigo tão maluco quanto o próprio dono do carro.

    ResponderExcluir
  2. Menti algumas vezes também mas como era bom filho, meu pai fazia de conta que acreditava, afinal meu único vício era queimar gasolina. Continue Arnaldo, você já inspirou o Bob, o que achei ótimo!

    ResponderExcluir
  3. Os Jaguares sofrem muito ao se colocar a direção do lado esquerdo, o cilindro de freio fica muito perto do escape, esquenta o óleo de deixa o freio borrachudo ou até inoperante. Uma simples placa de amianto corrige o problema. Quem devia fazer isso era a fábrica, mas eles mandavam os carros para fora sem nenhuma tropicalização.

    ResponderExcluir
  4. Hoje em dia não é mais possível imaginar um carro v6 com esse peso. Não que seja saudosismo, até porque não vivi essa época e também porque prefiro coisas mais modernas, como injeção eletrônica e freios a disco.
    Fico pensando se a solução para ter um carro potente e leve, nos dias de hoje, seria recorrer às vias alternativas, como réplicas, restauração de um velhinho ou mesmo construir um, no esquema Caterham Seven.

    ResponderExcluir
  5. Nada como um bom 6cc!

    ResponderExcluir
  6. O Bob com a experiência com um americano e o Keller, com um inglês. A coisa tá muito boa!!! Continuem escrevendo!!! E está no imperativo!!!

    H

    ResponderExcluir
  7. Joca Mello16/12/12 14:15

    Obrigado, Arnaldo!

    Essas escapadas noturnas estradeiras com destino aos primeiros beijos também fazem parte das minhas melhores lembranças de adolescente, 20 anos atrás.
    Ainda essa semana me presenteei com um Volvo C30, e essa sensação prazerosa de escolher o caminho mais longo renasceu, e ao chegar em casa com um sorriso bobo e ser compreendido por minha eterna namorada , é a certeza de que aproveitei tudo a seu tempo. E continuamos aproveitando!
    Abs.

    ResponderExcluir
  8. cada vez mais divertido. que venha o próximo capítulo. a cada um, rolo de rir imaginando a cena.

    ResponderExcluir
  9. Ótimo! Dá gosto de ler. Aguardando continuações.


    E uma coisa à equipe Autoentusiastas:
    Há algum modo de mudar o tema para leitura em dispositivos portáteis? Eu particularmente acho o fundo preto com letra branca extremamente irritante para os olhos. Após ler um texto pequeno e olhar para uma parede clara, continuo enxergando o texto pro alguns minutos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade... no meu celular da Nokia é assim que visualizo também.

      Não sei se em outros smartphones como é... mas no da Nokia (sistema Symbian) é assim.

      Excluir
  10. Guilherme J.
    Fundo preto com letra branca? Éramos assim bem no começo, mas logo mudamos para o atual fundo branco com letra preta. Como pode você ver ao contrário?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob, ele estava falando da versão "móvel" do site (telemóvel, espertofone, tablete).

      Nesses aparelhos o blog altera o tema assim (economiza banda/velocidade/procesamento nesses aparelhos):
      http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/?m=1

      É só quem estiver usando um aparelho desses ir até o final da página e clicar em ver página completa, versão PC ou algo assim que fica normal.

      Ou acessa o link com o mobile desligado:
      http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/?m=0

      Excluir
    2. Ernesto Jr.16/12/12 16:30

      Isso mesmo , Bob .. Igual ao formato que aparece no celular .. Muito mais agradável para ler .

      Excluir
    3. Todos acima
      Já alteramos a configuração, agora aparece como no computador, fundo branco e letra preta.

      Excluir
  11. Arnaldo, o motor do XK é o mesmo dos primeiros E-Type? E teve algum XK com freio a disco na traseira com suspensão DeDion?
    E quando vai terminar essa série? Já estou achando que nasci tarde demais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CSS,

      Os motores sao bem parecidos, quase a mesma coisa, mas o E-type ja nasceu em 61 com cilindrada maior, 3,8 litros, e depois passou para 4,2 litros.
      Ao que me consta, todos os XK tiveram soh eixo rigido. Freios a disco vieram de serie, mas no XK140 ou no 150. Estou fora de casa e usando computador alheio, portanto, me perdoe a escrita.

      Excluir
  12. Lorenzo Frigerio16/12/12 16:21

    Arnaldo, que mal lhe pergunte, mas o seu Jaguar era um conversível, não um "roadster", certo? Pois ao que eu saiba um "roadster" não tem capota nenhuma, e só um arremedo de parabrisa, com menos da metade da altura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo,

      Houve o XK120 conversivel, mas esse tinha janelas normais, embutidas nas portas, subindo e descendo normalmente. O meu era um roadster. O que vc diz, com um parabrisa que eh soh um defletor, sem limpadores e sem capota mesmo, nenhuma, esse eh um barchetta.

      Excluir
  13. Ao ver direitinhos as posições do volante, pedais e a alavanca do câmbio, lembrei-me dos Fuscas, em que era preciso dar uma levantadinha com as costas para fazer a terceira marcha. Só não precisava fazer isso quem tinha braços de gorila.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, eu passo a terceira encostado no Procar do 65 (com 1600 e caixa de brasilia), enquanto os 1000zinhos ainda estão no fim da primeira na subida... será que tenho braços de gorila?

      Excluir
  14. Ah! Esqueci-me de dizer:

    Acho os máximos carros azuis, meu primeiro Fuscão era assim. Mas minha mulher detesta essa cor.

    ResponderExcluir
  15. Bob, na versão para celular ainda é com fundo preto.

    ResponderExcluir
  16. Já acerte a versão mobile. Agora esta com fundo branco! Abraço. PK

    ResponderExcluir
  17. Que texto incrível AK !!
    Esses 'rides' a dois, só vc e o carro, são realmente demais. Já fiz muito disso. E por ótimas causas tbm ...rsss....

    ResponderExcluir
  18. Arnaldão! (quem mandou dar liberdade né?! kkkk)
    top de linha... mais um episódio muito bacana, apesar de não ser fã dos ingleses, esse carro é devia ser um verdadeiro diabinho!
    qta coisa legal vc deve ter aprontado!

    ahhh... qto à história do fusca, sobre a qual havia mencionado no post de número 4 da saga, estou em vias de adquiri-lo.

    É um besourinho 1300, 79/80,vermelho e impecável... o único defeito é uma forração de estofado com gosto absolutamente duvidoso, em vermelho e branco... estou negociando com o proprietário, e consegui chegar a um valor bacaninha, nada extravagante como tenho visto muita gente pagar pelos fusquinhas...

    do alto de sua experiência com esses alemãezinhos malandros, além de uma substituição de forrações (argghhhh como aquilo é feio!), o que poderia fazer para deixá-lo espertinho?

    abs,

    Romeo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa vida, Romeo, dá pra fazer tanta coisa num Fusca! Tudo depende de quanto pretende gastar e o que quer.

      Excluir
    2. Arnaldão...

      como diria Raul Seixas,o negócio é, um carrinho esperto, sem muitas frescuras mas que ande legal, um veneninho leve, apenas para sair do marasmo, fazer uns passeiozinhos e talz...

      além disso, a ideia é gastar relativamente pouco, é apenas pela diversão dessa tranqueirazinha germânica... ou seja, um pouquinho de desempenho, com uma melhoriazinha aqui e acolá, mas preservando a aparência do carrinho...

      abs,

      Romeo

      Excluir
    3. Romeo, eu começaria trocando o motor. Colocaria um 1600. Só isso já é um pulo e vc tem uma base boa para maiores preparações, caso depois deseje.
      O resto é deixar tudo novo, freios, caixa de direção, suspensão e pneus. Depois vai vendo o que fazer e se inteirando dos milhares de recursos.

      Excluir
    4. pô Arnaldão! grande sacada... ótimas sugestões pra começar a bolinar o fusquinha...

      essa ideia do motor 1600 é realmente bacana, havia até pensado nisso, visto que, pelas minhas pesquisas esse motor, standard, chega a desenvolver pouco mais de 50 cv, um desempenho até razoável...

      outra coisa, um rebaixamento de cabeçote seria uma opção a se pensar? e o sistema de carburação, dupla ou simples?

      abs,

      Romeo

      Excluir
  19. Já saí de casa à noite, um par de vezes com o Gol CLI 1.8 (Gol Bola) do meu pai, e peguei a estrada só por pegar mesmo, pelo simples prazer da condução, com os vidros abaixados e o som desligado.

    Era demais, e como o carrinho andava/anda.

    ResponderExcluir
  20. Legal saber que você e seu xk estiveram bem perto da minha casa, eu sou de Caldas, você veio com ele a Caldas também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cleyton, até aí não fui, não, mas sei que é uma linda região.

      Excluir
  21. Parabéns pela série de posts sobre suas experiências. Só uma observação: tem um colchete no título ...

    ResponderExcluir
  22. Wagner
    Que coisa, tinha mesmo! Já removi, obrigado.

    ResponderExcluir
  23. Está realmente muito boa esta novela... ha ha ha
    Falando em freios a tambor, lembrei que cheguei a constatar sua limitação para alta velocidade, e isso no meu Fusca 1300 74. Na estada costumava andar a 120, e até mais, e percebi, nas poucas vezes que precisei frear nestas velocidades, que a eficiência realmente caia muito. Mas para velocidades mais baixas eu achava que eles eram bem eficientes. Em serras nunca tive problemas, até porque nestas condições só utilizo os freios para pequenas correções de velocidade nas curva, o resto é no motor mesmo. Inclusive diversas vezes me perguntaram se eu tinha feito alguma modificação nos freios do meu fusca para serem tão bons, mas não, até as lonas ainda eram originais.

    ABRAÇOS.

    ResponderExcluir
  24. Luiz Dranger17/12/12 20:22

    Arnaldo, essa histórias são ótimas. Saudades do Mark V 1952 do meu pai.
    Abração
    Luiz

    ResponderExcluir
  25. Ricar Fernandes17/12/12 23:16

    Ansioso para saber como o XK se virou com o Maverick 302... !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ricar, eles não se cruzaram, para a sorte do Maverick...

      Excluir
  26. Arnaldo,

    Muitos reclamam da falta de alma nas máquinas atuas (ao menos numa parcela considerável delas).

    Quando se presencia, mesmo passivamente, um motor como esse em funcionamento, entende-se porquê.

    ResponderExcluir
  27. Sr. Arnaldo fiz um comentário ontem que aparentemente não entrou, dizia eu que durante 2 anos servi no Regimento Blindado de Pirassununga, em frente a AFA e também que depois do filme"SE MEU FUSCA FALASSE" teremos agora "SE MEU JAGUAR FALASSE".
    Abraço
    Militar Anônimo

    ResponderExcluir
  28. Militar Anônimo
    Houve algum erro que não sei dizer qual, pois seu comentário não teria por que ser excluído, asseguro-lhe.

    ResponderExcluir
  29. Bom artigo, eu estou muito interessado em seu artigo .. obrigado por compartilhar

    ResponderExcluir
  30. Freio a tambor... meu pai teve um Alfa Romeu Timb (o JK com o cocorute sobre o capô) e este carro tinha freios a tambor nas 4 rodas. Era ruim de arrancada (motor 2 litros) mas, quando embalava... lembro de ter rodado com ele, na Imigrantes, quando ainda não tinha pedágio, a quase 200 km/h. Mas, para parar...
    Ele tinha tambores mais largos, ventilados (aletas em forma de hélice sobre o tambor), dois cilindros de roda nos da dianteira (os dois patins eram "mestres", ou seja, aproveitavam o movimento do tambor para aumentar a pressão de freio). Acho que era 1964... Foi nele que eu aprendi mecânica (coitado)...

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...