Google+

2 de janeiro de 2013

EXTRA: RIO REMOVE OS "FRADINHOS" DAS CALÇADAS

Foto: oglobo.globo.com



É incrível que num mesmo dia estejamos assistindo a duas medidas exemplares da administração da Cidade do Rio de Janeiro. Hoje de manhã mostramos que a Prefeitura resolveu acabar com os "sacos de lixo" nos táxis. Agora chega a boa notícia de que "fradinhos" e outros obstáculos estão sendo removidos das calçadas, como comentou o leitor Roberto Mazza. Para quem não sabe, "fradinho" é o apelido dado um pilar de concreto, baixo (foto de abertura), destinado a constituir barreira contra o estacionamento de carros nas calçadas. Há outras formas de barreira, como arcos feitos de tubos de aço.

É inconcebível haver um obstáculo desses nas calçadas (o idiota que o inventou deve ser parente de quem concebeu as lombadas, só pode). Há alguns anos um amigo não viu um "fradinho" e bateu forte com um joelho, machucando-o com muita gravidade.

Segundo a reportagem do jornal O Globo, há quem não esteja gostado da medida, alegando que os carros invadirão as calçadas, mas a Prefeitura promete coibir a infração com a medidas administrativas cabíveis, como remoção do veículo.

Abuso: carro estacionado na calçada fechando totalmente a passagem de pedestres (foto: Paula Freitas para O Globo)

Mas estranhamente, no caso de Copacabana, só serão removidos o objetos das ruas com mais movimento de pedestres, sendo mantidos nas ruas internas. Por que será? É torcer para que removam todos.

Mas o fato auspicioso é notar que o Rio de Janeiro está visivelmente sendo bem cuidado, o mesmo não se podendo dizer de São Paulo. Parece que as cabeças andam pensando melhor por lá ultimamente.

BS

58 comentários:

  1. Apesar do dezembro/2012 já ter passado, agora acho que o mundo vai acabar mesmo...

    Renato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ruim com eles, pior sem eles. Ih, não vai ter calçada pra ninguém. O povo é muito mal educado. E a fiscalização do Poder Público é nula.

      Excluir
    2. João Guilherme,

      Por que não um poste grande no lugar desses troços (que graças a Deus não existem no Paraná)?

      Excluir
    3. Anônimo 02/01/13 20:24

      Melhor seria aplicar multas pesadas e o simples cumprimento da lei.

      Excluir
  2. oliveira_jc02/01/13 17:12

    Outra praga de SP são as "reservas de vaga" com cones. Até estacionamentos fazem isso na sua porta alegando "facilitar a entrada e saide de veículos". Tenho vontade de colocar um desses no porta malas e ir embora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi lugares onde até estacionamento colocam os cones ou outros onjetos na guia perto deles só para não ter vaga e orbigar a parar o carro lá dentro. Já vi lojas com vitrine que rebaixaram a guia sem autorização e sem ter entrada de carro só para ninguém parar. mOnde moram colocam banquinhos, bicicletas, carrinho de mão, até caixa de água. TOdo dia eu ligo para o DSV. Mas não tem fim a guerra, pois nada acontece no sentido de multa ou apreensão do objeto e no dia seguinte colocam de novo. Uma solução foi reclamar na prefeitura da guia rebaixada sem utilidade, isso pelo menos gera multa.

      Excluir
    2. Anônimo 02/01/13 18:52
      Só não se pode estacionar diante de guia rebaixada se for entrada/saída de veículos. CBT: Art. 181, IX - onde houver guia de calçada (meio-fio) rebaixada destinada à entrada ou saída de veículos. Não adianta só rebaixar a guia para garantir que não estacione ali.

      Excluir
    3. Não se reprima. Matei essa vontade umas duas ou três vezes. Faz um beeeeem para a alma!

      Excluir
    4. O problema é que tem muito guardinha "amigo" do comerciante que vai lá e multa. Depois vai dar aquela trabalheira para recorrer, e sabemos que essas JARIs são imprevisíveis...

      Excluir
  3. Infelizmente aqui no Rio os fradinhos são indispensáveis. Tenho que discordar de você pois nesta cidade falta educação e cidadania ao motorista para entender que calçada não é lugar de carro. Na minha rua mesmo a cena é comum, fiscalização só se for na linda e gloriosa zona sul e olhe lá, de repente nem isso. Aqui até carro de auto-escola para em cima das calçadas. É isso aí Bob, entendo a sua opinião mas nesse país em que tudo é na base da vantangem o certo é coibir mesmo com os fradinhos senão vira festa como é em boa parte da cidade.

    Eduardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que concordar, Eduardo. Parece mais uma daquelas medidas adotadas por gente que vive atrás de uma mesa e não sabe como as coisas realmente funcionam nas ruas. No Rio os fradinhos infelizmente são um mal necessário, apesar que eu mesmo já cansei de trombar neles e me machucar ao caminhar.

      Ruim com eles, pior sem eles, pois duvido que a prefeitura intensifique a fiscalização contra carros na calçada - principalmente no outro lado do Rebouças.

      Excluir
    2. Adriano,

      Por que não substituir os fradinhos por postes grandes? Aí ninguém tropeça neles ao caminhar...

      Excluir
    3. Anônimo 02/01/13 20:26,

      bastam as grades dos portões.

      mais uma grade de concreto tmbm? aí mata-se d vez com o visual da cidade, aumenta a sensação d aprisionamento das pessoas de bem e liberdade dos ladrões... e se um carro bater num fradinho, prejuizo quase q exclusivo do carro (e o carro geralmente não ultrapassa o fradinho), agora um poste alto, corre-se o risco d atingir casas e comercios, além d pessoas...

      algo que poderia ter quase a mesma eficiencia, com menor impacto visual sem se tornar um transtorno a quem utiliza a calçada, é como foi citado no post, arcos de metal na borda das calçadas, (tipo um corre-mão, imagino), e com o risco ainda desse tipo de equipamento se tornar fonte de renda e poluição visual com as publicidades.

      Excluir
    4. Como morador do Rio, estou de pleno acordo com o Eduardo. Os fradinhos sao obstaculos a falta de educacao generalizada que existe. E olha que eu tambem ja me machuquei num desses.

      Excluir
    5. Estive por uma vez no Rio e foi a cidade onde mais vi carros estacionados sobre calçadas. Nunca vi tamanho desrespeito com o pedestre como aí.

      Excluir
  4. Apenas meus parabéns pelas atitudes tomadas pela prefeitura do Rio de Janeiro, enquanto isso aqui em SP a CET vêm fazendo ações para deseducar os motoristas e criar novas fontes de multa em um futuro não muito distante...

    ResponderExcluir
  5. Aqui em São Paulo quem nos educou foi o Jânio Quadros, num ataque de maluquice típico, mas funcionou - com calçadas e faixas de pedestres. Funciona até hoje.

    Fiscalização ostensiva e campanhas educativas ajudam. Desde que não sejam idiotas como a da mãozinha pra atravessar a rua, coisa de mané.

    Eduardo Trevisan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio02/01/13 22:39

      Bem lembrado, carro na calçada era comum até a metade dos anos 80 em SP. Parece que o Fujânio cobrava "por roda" em cima da calçada, pois em alguns casos a intenção era apenas abrir um pouco mais de espaço na via para não rasparem no seu carro.

      Excluir
    2. A tal "maozinha de mane" funciona muito bem em Brasilia. Basta esticar o braco que os motoristas param educadamente para os pedestres. Resultado de uma intensa campanha de educacao.

      Excluir
    3. Pois eu acho que o motorista não deveria esperar a "maozinha", a conduta no mundo todo é parar quando tem pedestre na faixa.

      De qualquer forma parabéns por morar em uma cidade em que as campanhas são acatadas pela população. Vocês estão colocando etanol nos carros também para tirar a corda do pescoço do governo por causa do Mauro Filho?

      Eduardo Trevisan.

      Excluir
    4. Mãozinha: Campanha de educação não. Os motoristas param para passagem de pedestres não pela campanha da mãozinha e sim devido a intensa fiscalização que foi colocada nas faixas. Me lembro que na época que o Cristóvão inventou isso, tinha até bombeiro escondido atrás da árvore com o caderno de multa. pode verificar que hoje como já não há fiscalização sendo feita, em alguns lugares já não se respeita a faixa.

      Excluir
  6. O bom de carros invadindo a calcaçada é que vai dar um ar europeu ao Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 02/01/13 18:29
      Na Europa não existe carro estacionado sobre a calçada interrompendo a passagem de pedestres.

      Excluir
    2. Raramente se vê isso. Mas muitas vezes a própria vaga é demarcada sobre a própria calçada. Também eles tem preguiça de fazer baliza, e sobem na calçada para entrar de frente na vaga.

      Excluir
    3. Claro que não Bob, afinal em Portugal está cheio de fradinhos também. E na Itália e na Espanha cansei de ver motocicleta estacionada na parte mais externa da calçada, nos intervalos entre lixeiras e postes de iluminação.

      Discordo totalmente do seu post.

      Excluir
    4. Anônimo 03/01/13 23:55
      Eu não disse que não há fradinhos em outros países, disse que ninguém estaciona sobre a calçada interrompendo a passagem de pedestres, como vejo com freqüência até no meu bairro. Agora, tanto em qualquer lugar quanto aqui, colocar esses autênticos dejetos-obstáculos nas calçadas é uma tremenda estupidez, mas pelo jeito você acha certo, fazer o quê?

      Excluir
    5. Para o nível de educação e trato do cidadão médio brasileiro, infelizmente é o que há de ser feito. Se existe até em país da Europa, imagine aqui...

      No Rio a cultura de estacionar sobre a calçada é antiga e dependeria de um político muito mão dura para mudar isso. No dia que você tirar um fradinho no RJ, alguém vai colocar o carro em cima da calçada. É automático.

      Existem outros aspectos urbanísticos que poderiam ser tratados:

      1) Parquet português (não sei o nome correto) que existe principalmente no rio e outras cidades litorâneas brasileiras (está na foto dos funcionários retirando o fradinho). Essa praga necessita de frequente manutenção pois vive soltando do solo, não suporta grande tráfego de pessoas pois acaba acomodando, é escorregadio, mulheres com salto caminham com dificuldade, etc.

      2) Lombadas, coisa que deveria ter sido há tempos banida e infestam cidades principalmente de interior. Inclusive há prefeitos que colocam lombadas até em trechos de BR próximas às suas cidades em total desrespeito à União. Obviamente tinham que ser substituídas por lombadas eletrônicas...

      Excluir
  7. Moro no Rio de Janeiro ha 5 anos e duas das coisas que me causaram estranhamento ao chegar aqui foram:

    - Motociclistas andando livremente sem capacete, passando na frente da policia, sem levar multas.

    - Carros estacionados nas calçadas.

    Esse hábito de parar carros nas calçadas é muito comum na zona norte do Rio (onde moro e tenho autoridade para falar). Claro que isso acontece por falta de educação do motorista, mas percebi que na zona norte as calçadas são muito largas e, talvez, isso seja um dos motivos que levam os motoristas a estacionar o carro na calçada.

    Isso não justifica, mas talvez eplique: se pararem carros dos dois lados da rua, junto com as calçadas largas, elas ficariam muito estreitas.

    Antes de minha filha, hoje com 4 meses de idade, nascer isto me incomodava um pouco. Mas agora incomoda muito, pois muitas vezes preciso ir para rua ao desviar o carrinho de bebê dos carros estacionados na calçada. (sem falar nos buracos e desníveis, mas isto é problema do Brasil todo e é outro assunto)

    No ES, onde eu morava, as calçadas não são tão largas como aqui. Não ponho a mão no fogo para dizer que o problema não acontece lá, mas arrisco dizer que é uma coisa rara de ver.

    Enfim, voltando pro Rio, posso dizer que:

    - A iniciativa tomada na Zona Sul é louvável!

    - Acho dificil levarem isso para a zona norte, pois sem obstáculos mais motoristas iriam estacionar nas calçadas e é uma região muito grande, certamente a fiscalização seria incipiente (afinal, ela já é para a questão do uso do capacete).

    - Talvez fosse a hora de rever a largura das calçadas, não sou engenheiro, mas arrisco dizer que elas poderiam ser diminuidas em até 50% de cada lado, sem prejuízos aos pedestres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre pilotar sem capacete. Vá ao interior da Bahia (onde visito familiares com muita frequência) e veja o que é andar sem capacete (placa, retrovisor e seta) e até mesmo parar para pedir informção para a polícia.

      A vantagem é que são cidades interioranas e pequenas, mas o CTB é Lei Federal (Lei 9.503/97 c/c art. 22 XI da Constituição Federal) e deve ser cumprido.

      Ainda sobre o capacete, já ouvi dizer que em cidades do Pará e em outros Estados do norte do país "a lei é andar sem capacete", por questões de segurança pública.


      Diogo Lima

      Excluir
  8. Ótimo outra vez. Estes trambolhos espetados nas calçadas são muito feios, além de causar acidentes. Pior são as bolas (bem mais baixas, portanto bem menos visíveis) nas calçadas de Ipanema e Leblon. E a fiscalização (ao menos em Copacabana, Ipanema e Leblon), não é tão nula assim como um forista afirmou. Podem ter certeza que quem parar sobre as calçadas vai ter uma boa chance de ter o carro multado e/ou rebocado. Fora isso, não recrimino se quem tiver que passar com um carrinho de bebê ou cadeira de rodas de um parente pela rua, por causa de um idiota que parou o carro sobre a calçada, lhe aplique um tratamento de choque, riscando ou esvaziando os quatro pneus do veículo. Se não aprendeu a ser civilizado por bem, talvez aprenda na "porrada".

    ResponderExcluir
  9. Mais cedo eu falei sobre as larguras das calçadas na zona norte do Rio. Vejam a imagem no link abaixo, observem o Honda Fit estacionado no lado direito.

    Imagem: http://db.tt/Ir8irazM

    Google Maps: http://goo.gl/maps/9BXHZ

    ResponderExcluir
  10. Na minha primeira visita ao Rio, me impressionei com o costume de estacionar na calçada. Era algo que eu não tinha visto em nenhum outro lugar do Brasil. Me parece que é algo profundamente arraigado na cultura carioca, por isto gostaria de saber como a prefeitura lidará com esta indisciplina crônica.

    ResponderExcluir
  11. Para fechar o dia com chave de ouro cravejada de diamantes, só faltava o Bob vir com uma terceira edição extra, noticiando que as autoridades finalmente resolveram dar combate implacável à escória da raça humana que se apossou do espaço público, e que conhecemos por flanelinhas. Flanelinha bom é flanelinha morto, esquartejado, e derretido em ácido, que é para não sobrar nem os ossos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio02/01/13 23:48

      Ah, mas e os derêitchios humanos deles?
      Lembre-se que a lei que permitia a alguém ser preso por vadiagem foi revogada.
      Mais um exemplo de políticos legislando em causa própria.

      Excluir
    2. Mas a lei que permite prender por extorsão não foi.

      Excluir
  12. Medida simples e prática.
    Pra quem acredita que a fiscalização não aumentará... se engana.
    Aí sim podem dizer que estão fazendo uma "Indústria da multa", so que dessa vez da forma CORRETA, multando quem estaciona em cima das calçadas, não quem anda a 0,000001 km/h acima do limite + tolerância porquê esqueceu de olhar para o velocímetro por uma fração de segundo...

    ResponderExcluir
  13. Com tanto bêbado atropelando e matando gente na calçada, deveria ter muito mais desses fradinhos, ou melhor, aqueles pedaços de trilho de trem.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  14. Assino embaixo do Anônimo02/01/13 21:25 ...
    É a indústria da multa sim, e ao menos nessa iniciativa, da forma correta.
    E aposto que vão arrecadar muito. Seja para os cofres públicos pelas multas, ou para o bolso dos fiscais corruptos.

    ResponderExcluir
  15. Em relação aos fradinhos, eles não existem só no Rio, mas também em Paris e em ambos os lugares são prejudiciais aos cegos, justamente por estarem em uma altura baixa. O humorista Geraldo Magela, que é cego, até fazia uma piada em relação ao fradinhos parisienses, que têm uma bola em cima, piada essa que é meio pesada mas reflete o que pode acontecer a um cego caso colida com uma dessas peças que fica fora de seu campo de orientação.

    ResponderExcluir
  16. Lorenzo Frigerio02/01/13 22:44

    É claro que vão tirar os fradinhos somente nas ruas com maior movimento de pedestres. Lá é mais provável haver um agente de trânsito para multar.
    Não achem que foi por bom senso. É intencional para "pescar" infratores, e muitos cairão na rede. A arrecadação sempre fala mais alto.

    ResponderExcluir
  17. Não é só Paris não, na Europa inteira existem esses pinos. Alguns deles são inclusive móveis (embutem no chão para dar passagem a veículos em áreas pedestrianizadas, quando necessário). Não os acho necessariamente ruins, a não ser quando mal-usados.

    ResponderExcluir
  18. Quem já "atropelou" esses "frades" ao caminhar na rua que diga a felicidade sentida ao saber dessa notícia.

    ResponderExcluir
  19. se tirarem os fradinhos aqui da zona norte os pedestres terão que andar pela rua.

    falando em absurdos, a prefeitura acabou de criar no canteiro central da Av. Don Helder Câmara, estacionamentos paralelos ao fluxo de carros. Imagina a maravilha que é ter que esperar os outros fazeram baliza na pista da esquerda de uma avenida super movimentada?

    tem certas coisas que não dá pra entender, sinceramente.

    ResponderExcluir
  20. Alexandre - BH -03/01/13 03:59

    Tomara que a fiscalização lá no Rio funcione mesmo, porque aqui em BH as leis são iguais para QUASE todo mundo...
    1) http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2011/04/08/interna_gerais,220461/bombeiros-mantem-vagas-em-rotativo-sem-faixa-azul.shtml
    2) http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2012/11/28/interna_gerais,332657/policial-civil-da-mau-exemplo-no-bairro-funcionarios.shtml
    3) http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=9&id_noticia=95611/noticia_interna.shtml

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas é interessante que em BH, apesar da extrema falta de educação dos motoristas, não existe essa cultura disseminada de se estacionar em cima das calçadas como no Rio e como foi dito por aqui que também era comum em Sâo Paulo. È claro que exxistem casos, mas geralmente quando alguém é pego nessa situação por aqui é sumariamente multado e tem o carro rebocado.

      Excluir
  21. É uma excelente notícia. Trate as pessoas como animais e elas agirão como animais e estes postes eram como coleiras.
    Outra coisa que tem que ser levada a sério no Rio é o estacionamento rotativo, que não é fiscalizado, carros não podem ficar parados indefinidamente em locais de tanto movimento como toda a zona sul. Quem não tem garagem que alugue uma ou venda o carro!

    ResponderExcluir
  22. Bob, o de Petrópolis03/01/13 08:33

    Capa-cego, eu já "atropelei" um e não sou cego...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é cego, mas também não presta atenção por onde anda.

      Excluir
  23. Ok Bob, legal você gostar da retirada dos fradinhos. Mas daí a fechar o artigo com "O Rio está sendo bem cuidado", há um porém. Só para ficar no mérito Autoentusiasta, o fantástico Autódromo de Jacarepaguá, onde você deve ter corrido tantas vezes, foi grilado, isso mesmo, grilado para empreiteiras fazerem condomínios. Com a desculpa de criar instalações para os tais Jogos Olímpicos, a prefeitura roubou o terreno do autódromo da população e o entregou para alguns bons amigos empreiteiros construírem milhares de apartamentos ali a partir de 2017.
    Então, antes de aplaudir incondicionalmente a atual administração, deve ser respeitada a memória do automobilismo brasileiro e o patrimônio roubado dos cariocas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 03/01/13 23:55
      Você tem toda razão, não pensei nisso ao escrever o post. Realmente foi uma safadeza inominável, um crime da prefeitura do Rio de Janeiro acabar com o nosso autódromo lá sob pretexto absolutamente fútil e, como você disse, entregar a área para construtoras levantarem prédios na área depois dos Jogos.

      Excluir
    2. E que automobilismo havia lá? Acho importante haver os autódromos, mas o pessoal do automobilismo nacional na atualidade é medíocre. Acaba dando nisso.

      Excluir
    3. Anônimo 04/01/13 11:13
      Concordo, mas mesmo assim não era motivo para acabar com o autódromo.

      Excluir
    4. Realmente é um absurdo o caso do autódromo do Rio. Era o que mais gostava de assistir corridas, mais até que Interlagos.

      Excluir
    5. Que automobilismo que tem lá? Copa de um monte de categoria, track day e muito mais, o autódromo é até mais usado que Interlagos mesmo cortado no meio

      Excluir
  24. Mauricio Barros07/01/13 22:07

    Realmente é um mal necessário,coloquei ele na minha calçada, que é de esquina,é muito fradinho mesmo nela estaciona até caminhão dizendo "descarregar rapidinho" mas quando se vê a calçada está toda trincada e hoje virou um ramo de negócio para min de tanto que bateram na minha porta perguntando "onde vende?".

    ResponderExcluir
  25. Rio...uma cidade onde é belo e maravilhoso só a paisagem, porque o povo que tem lá...é da pior espécie (não generalizando é claro)...é falta de respeito e corrupção pra tudo quanto é lado!

    ResponderExcluir
  26. Li o comentário sómente hoje, mas tenho de concordar com o anônimo (que não devería sê-lo), mas é verdade o que ele escreveu. Fradinho aqui não pode ser removido pois a prefeitura não fiscaliza nada, e os motoristas alem dos cariocas os de fora tambem, colocam seus carros em cima da calçada, e estacionam em frente as garagens.Deveriam continuar. A prefeitura remove os frades e coloca outros de aço na cor cinza
    que os condominios tem de pagar,e são carissimos, e a cidade não está tão cuidada assim,sendo o bairro do Leblon onde moram o prefeito e o governador o mais bem cuidado e policiado.

    ResponderExcluir
  27. Meu amigo vai dormir né!
    Há regulamentação da prefeitura sim para a instalação de fradinhos. Você na verdade deve ser um dos inúmeros mal educados que param na calçada e ainda travam a garagem dos outros.
    Acorda amigo.
    Quer ter acesso no sei blog escreva ou comente coisas que realmente fazem sentido pra sociedade.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...