Google+

10 de março de 2013

HYUNDAI HB20S, O SEDÃ PARA COMPLETAR A FAMÍLIA

Fotos: autor e divulgação Hyundai Motor Brasil



No último dia quatro de março foi apresentada à imprensa a nova versão sedã do compacto da Hyundai Brasil. Chamado de HB20S, ele vem para completar a família HB20 no Brasil, que passa a ser composta por um hatchback, o HB20, um "aventureiro", o HB20X e agora, um sedã, o HB20S.

O HB20S nasceu para ser sedã. Com a grande preocupação da Hyundai em relação ao desenho, ela fez um novo desenho da coluna central  para trás, para que o HB20S não ficasse com cara de “hatch adaptado”, que simplesmente ganhou um porta-malas destacado para virar sedã. Esta estratégia deu certo, o carro tem uma grande harmonia de suas linhas, ao mesmo tempo que mantém uma coerência com a identidade dos modelos da marca. A idéia da Hyundai é criar uma identificação visual de seus carros, de forma que eles sejam prontamente reconhecidos de qualquer ângulo que sejam vistos.

A Hyundai declara que o HB20 foi projetado especificamente para o Brasil, que o costume da marca é fazer o mesmo nos mercados em que atua. Sendo assim, na Rússia há o Solaris e na Índia há o Eon, todos seguindo a mesma idéia de desenvolvimento focado no mercado a ser atendido.


Da porta dianteira para trás, muda o desenho

Fazer carros pensando no mercado brasileiro tem se revelado uma boa estratégia através dos anos. Que o digam a Volkswagen, com o seu Gol, líder de vendas desde 1987, a Fiat, com seu muito bem-sucedido Palio e até a GM, com sua versão sedã do Corsa B europeu, que neste ano completa 19 anos de produção e atualmente atende pelo nome de Chevrolet Classic. Pode-se dizer que a Hyundai acertou o gosto do brasileiro, pois o HB20 rapidamente caiu nas graças do consumidor.

Isto começou em setembro, com o lançamento do HB20. Em janeiro, foi lançado o HB20X. E agora em março o ciclo se completa com o HB20S.

O HB20S será vendido em três níveis de acabamento, Comfort Plus, Comfort Style e Premium. O motor 1-litro estará disponível apenas nas duas primeiras versões, o 1,6 litro, nos três níveis, sendo que o câmbio automático só poderá ser pedido nas duas últimas versões e sempre com motor de 1,6 litro.

Por dentro, o HB20S pouco mudou em relação ao hatch, porém houve uma redução do número de versões e adição de itens de série. O argumento da Hyundai é que o comprador de um sedã não tolera um carro sem os itens de conforto mais básicos. Sendo assim, ar-condicionado, direção assistida (hidráulica), bolsas infláveis, acionamento elétrico dos quatro vidros, regulagem de altura do banco do motorista, travas elétricas, porta-malas com abertura interna, sistema de áudio com MP3, USB, Bluetooth e comandos no volante são equipamentos de série desde a versão básica, a Comfort Plus de 1 litro.


Visual bem moderno no HB20 sedã

Lamentável foi a não inclusão dos freios anti-travamento (ABS) na lista de equipamentos (veja-a no final, após a ficha técnica) da versão básica de 1 litro, pois à exceção dela, ele equipa todas as outras. Sendo que o ABS se tornará obrigatório em todos os carros fabricados no Brasil daqui a menos de dez meses, não vejo sentido em se lançar uma versão de um carro sem ABS para ter que colocá-lo na linha de produção por força de lei em tão pouco tempo.

A apresentação do carro ocorreu em Foz do Iguaçu, o circuito de teste foi dentro da área da usina de Itaipu. Tive a oportunidade de andar nas três versões disponibilizadas para teste, a Comfort Plus 1-litro, a Premium 1,6-litro manual e a Premim 1,6-litro automática.

Ao entrar no carro, percebe-se o cuidado com a experiência do motorista, sem, contudo, esconder que se trata de um carro relativamente barato. Os plásticos mais duros são colocados onde o motorista dificilmente toca; nas portas há tecido onde se encosta o braço e as mãos. O tecido é simples, mas condizente com o que se utiliza no segmento: a concorrência não traz tecidos melhores. Mesmo utilizando materiais simples, o interior é bem-cuidado; ao entrar no carro, não se tem a sensação de estar em um carro básico, "pelado".

Sentado ao volante, tem-se todos os comandos à mão e o bonito painel à frente, com dois grandes instrumentos, conta-giros à esquerda e velocímetro à direita. O volante é agradável, com 370 mm de diâmetro e tem os comandos do sistema de áudio do carro, além de duas teclas interessantes, a de atender e a de terminar a ligação, para quando há um celular Bluetooth pareado com o sistema de áudio. Acessório bem interessante num carro de sua classe, acredito que para competir com o MyLink da GM. Só que, ao contrário do MyLink, ele vem de série. Os consumidores da GM têm que pagar à parte pelo sistema.


O cuidado com o desenho estende-se ao interior, agradável e recheado de itens de conforto.

O sistema de áudio é competente, porém sem ser brilhante. Tem uma qualidade de som razoável, mas sem muita potência. Aumentei o volume ao máximo e consegui ficar dentro do carro. Claro que a potência é suficiente para o dia a dia, mas quem gosta de ouvir música bem alto irá reclamar. Se bem que a Hyundai diz que o HB20S é direcionado a homens de 30 a 50 anos com família e este não é o tipo que costuma escutar som no último volume, portanto, acredito que o equipamento irá atender bem. Apresenta uma entrada auxiliar em uma USB no painel, em sintonia com as mídias usadas atualmente.

O grande diferenciador dele são os comandos no volante, raro no segmento, e o recurso do Bluetooth, que permite ao motorista tocar as músicas do seu celular sem ter que ligá-lo por fios, além de poder atender as ligações sem tirar as mãos do volante, o que contribui para a segurança e evita multas. Uma vez pareado, o aparelho detecta automaticamente a presença o celular assim que é ligado, dispensando futuras intervenções do usuário.

Ao contrário do que fez a Toyota no Etios, a distância entre eixos do hatch foi mantida no sedã. Portanto, em termos de espaço interno, praticamente nada mudou. O espaço longitudinal é suficiente, sem ser generoso. Se o motorista e o passageiro que vai atrás tiverem estaturas médias, haverá bom espaço para ambos. Mas se um deles for mais altinho, esperam-se apertos. Os vidros traseiros descem quase totalmente, 95%.

Espaço do banco traseiro é conveniente

Graças à boa largura de 1.680 mm, o espaço transversal é adequado para garantir liberdade de movimentos para motorista e passageiro sem que se esbarrem o tempo todo. O espaço para cabeça no banco traseiro é bom, mesmo tentando, eu não consegui encostar a cabeça no teto. Mas três passageiros atrás sentarão juntinhos e o do meio não terá encosto para cabeça e nem cinto de três pontos. O HB20S fica melhor se usado por até quatro pessoas. E, como o foco do carro é em uma família com filhos, é equipado suportes Isofix para garantir a segurança das crianças que sentam nas cadeirinhas.

Como não pode deixar de ser considerado quando se fala de um sedã, o porta-malas é generoso, porém não tanto quanto o dos concorrentes. Enquanto o Etios tem expressivos 562 litros, o Grand Siena tem 520 litros e o novo Prisma, 500 litros, o HB20S oferece 450 litros de espaço para as bagagens. Está certo, é pouco mais que os 440 litros do New Fiesta, mas a Hyundai preferiu sacrificar a capacidade do porta-malas em nome do equilíbrio do estilo. Conseguiu.

Eu sentado atrás de mim.

De qualquer forma, 450 litros não é um número ruim. E o porta-malas é bem revestido, com o estepe no fundo, do mesmo tamanho dos outras rodas do carro. No Premium, inclusive, o estepe também é de alumínio, denotando um capricho por parte da fábrica. O que ficou faltando foi um banco traseiro bipartido, já presente no HB20 hatch. No HB20S ele é inteiriço, mesmo na versão Premium.

Até agora falei e falei do carro parado, mas andando que é bom, neca. Pois bem, apesar de eu ter andado primeiro no 1,6 litro automático, começarei pelo 1-litro. O motor é um três-cilindros, do grupo Kia/Hyundai, denominado de Kappa. Desenvolve 80 cv com álcool e 75 cv com gasolina, sempre a 6.200 rpm, com um torque máximo de 10,2 m·kgf queimando álcool e 9,4 m·kgf com gasolina, sempre a 4.500 rpm. Definitivamente é um motor que vai bem melhor usando álcool. Ele é suficiente para mover os 1.014 kg do HB20S com competência. O corte da injeção é a 6.500 rpm, do tipo limpo.

Porta-malas de 450 litros não é o maior do segmento, mas é conveniente

Uma curiosidade neste motor é o seu ruído. Quem não o conhece se assusta da primeira vez, pois o carro faz um ronco grave, um “prrrrrrrr” quando é exigido, como se estivesse com problemas de queima em um cilindro. Até que se percebe que realmente está “faltando um cilindro”, pois o motor tem apenas três. Portanto, este ruído é característico do motor e não interfere em nada em seu funcionamento. Fora o ruído, nada mais indica que é um motor de três cilindros, pois o carro vibra muito pouco, a Hyundai conseguiu atenuar bastante esta característica associada a este tipo de motor.

Acelerando, obviamente o carro não tem um desempenho empolgante, mas não se pode dizer que falte motor ali, o 1-litro acelera bem para a cilindrada. Fiz alguns testes com o ELM327, mas quando eu dirigi o 1-litro, já estava fora de Itaipu, então não consegui uma reta plana. Mas mesmo assim medi o 0 a 100 km/h no programa Torque do Android, obtendo 13,2 s na descida e 16,9 s na subida, o que significa que a aceleração dele em uma reta fica entre estes dois valores, aproximadamente 15 segundos. Quando o velocímetro marca 80 km/h, o carro está a 75 km/h, um erro de 5 km/h para mais.

O câmbio é curto, como em todo 1-litro, para compensar o menor torque inerente a esta cilindrada. Em 5ª marcha, o carro faz 28 km/h para cada 1.000 rpm, o que significa que a 120 km/h ele gira a 4.280 rpm, próximo à rotação de torque máximo. Na velocidade máxima indicada pela fábrica, de 157 km/h, o motor está girando a 5.600 rpm, abaixo da rotação de potência máxima. Por estas características, vê-se que a Hyundai priorizou a economia em uso rodoviário. O que é difícil fazer é o punta-tacco, infelizmente.

Acharam que eu perderia a chance de usar meu brinquedinho, o ELM327? A sapata do pedal do freio do automático é larga, como deve ser

Se o 1-litro é competente, o 1,6 é diversão pura. É o motor Gamma, o mesmo que equipa vários carros Kia e Hyundai, como Soul e Veloster, desenvolvendo 128 cv a álcool e 122 cv a gasolina a 6.000 rpm, com torque de 16,5 m·kgf a 5.000 rpm e 16,0 m·kgf a 4.500 rpm (A/G), números respeitáveis em se tratando de um 1,6-litro, que é o aspirado mais potente do mercado nessa cilindrada.

Os 128 cv e 1.057 kg de peso do carro dão uma relação peso-potência de 8,25 kg/cv, o que torna o carro muito ágil, diria até que com uma tocada esportiva. O motor tem boa potência desde os 2.000 rpm, indo liso até o corte a 6.200 rpm, também do tipo limpo. Ao contrário do 1-litro, consegui medir o 0 a 100 km/h dos dois carros de 1,6 litro que dirigi na crista da usina de Itaipu, uma reta perfeitamente plana. Com o manual, acelerei de 0 a 100 km/h em 10,5 segundos e o automático foi da imobilidade a 100 km/h em 11,4 segundos. Infelizmente não nos foi informado qual combustível estava nos tanques dos carros, mas provavelmente era álcool. O erro do velocímetro do 1,6 litro automático é menor que o do 1-litro: quando a o ponteiro marcou 80 km/h no painel, o GPS indicava 77 km/h de velocidade real, apenas 3 km/h a menos do que a velocidade indicada.

Os câmbios manual e automático do 1,6-litro são logicamente mais longos do que o do 1-litro. O manual, a 1.000 rpm em 5ª marcha, leva o carro a 35 km/h, o que significa 3.430 rpm a 120 km/h, garantindo um baixo ruído em estrada e uma boa economia. Ela fica bem entre um 4+E e um 5 marchas reais, pois a máxima é atingida em 5ª marcha, porém a uma rotação bem abaixo da de potência máxima. A 4ª marcha leva o carro a até 173 km/h (rotação de corte do motor), mas a velocidade máxima é de 189 km/h em 5ª com o motor girando a apenas 5.400 rpm, bem abaixo das 6.000 rpm de potência máxima.

No automático isto não é diferente, a máxima em 3ª marcha é de 165 km/h e a velocidade máxima (177 km/h) é alcançada apenas em 4ª marcha, a meras 4.730 rpm. A 4ª e última marcha leva o carro à velocidade de 37 km/h para cada 1.000 rpm do motor, o que implica em 3.200 rpm a 120 km/h, rotação excelente para uso em estrada.

Roda do estepe é de alumínio, raro de se ver hoje em dia

Apesar de ter apenas quatro marchas, o câmbio automático é eficiente. Comandado eletronicamente e com bloqueio do conversor de torque na última marcha, as trocas são feitas com rapidez. É um câmbio relativamente antigo, suas origens remontam à década de 1990, mas veio sendo modernizado ao longo dos anos e ainda é usado em muitos carros do grupo coreano Kia/Hyundai. De qualquer forma, é bom ver um verdadeiro câmbio automático, epicíclico, em um carro da faixa de mercado do HB20, em que quase toda a concorrência utiliza os câmbios robotizados, mais baratos.

Dirigindo-se calmamente, o câmbio parece ter uma grande pressa em chegar à 4ª marcha, a ponto de engatá-la a 45 km/h, com o motor a apenas 1.200 rpm. Claro que se pisar um pouco, ele imediatamente reduz a marcha, mas não deixa de ser estranho olhar o conta-giros e vê-lo marcar 1.200 rpm. Imagino que esta escolha foi feita para priorizar a economia para quem dirige calmamente.

O comportamento dinâmico do carro é muito bom, sendo firme, sem ser duro, com freios e direção dosados na medida certa. Não cheguei a levar o carro ao limite nas curvas, mas por algumas curvas que fiz em Itaipu, deu para sentir que o limite dele é bem alto. A direção responde corretamente em baixa velocidade, sem ficar leve demais em alta. O conjunto todo transmite uma sensação de segurança em velocidades mais altas (cheguei a 150 km/h), mesmo com uma suspensão bem tradicional, McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, o que comprova o bom acerto por parte da fábrica. Os freios são a disco ventilado na dianteira e a tambor na traseira, esquema tradicional no segmento e quando exigidos, responderam a contento.

Apóia-braço central, um mimo interessante da versão Premium automática

A posição de dirigir é facilmente encontrada, com o auxílio das três regulagens do banco (distância, inclinação e altura) e do volante regulável em altura e em distância (apenas nas versões Comfort Style e Premium). Os comandos dos vidros ficam na porta do motorista, facilmente acessíveis, enquanto que o comando dos retrovisores elétricos fica um pouco mais afastado, no painel, logo abaixo da saída de ar. Particularmente, prefiro-os na porta, para que o motorista possa ajustar os espelhos ficando na posição mais próxima possível à que usa para dirigir. O ar-condicionado é bem eficiente, mesmo no 1 litro, deu conta do calor de 33 ºC com a alta umidade relativa do ar de Foz do Iguaçu.

O painel tem as informações necessárias, mas nível de combustível e temperatura do motor estão num mostrador digital, indicados por barras, de forma menos precisa e menos visível do que um ponteiro. Este mostrador digital incorpora também os dados do computador de bordo e do hodômetro, sendo que na versão automática ele também mostra as posições da alavanca seletora (P-R-N-D-3-2-1).

Quanto ao painel, cabe uma pergunta: se o HB20 foi feito para o mercado brasileiro e, segundo a Hyundai, a fábrica é apenas para suprir o Brasil, não havendo planos de exportá-lo para outros países da América do Sul, por que ele é todo escrito em inglês? Trip, termômetro com indicações C e H (Cold e Hot, frio e quente) e marcador de combustível com E e F (Empty e Full, vazio e cheio), não poderia este painel estar com as referências em português, já que o HB20 é vendido apenas no Brasil? Fora que o Código de Proteção e Defesa do Consumidor determina o uso do nosso idioma nesses casos.

Na versão automática, o carro tem o mimo de ter um apóia-braço para o motorista poder desfrutar melhor do conforto, podendo segurar o volante por baixo com os dois cotovelos apoiados, o que minimiza o cansaço de se dirigir em estrada. Só ficou devendo um controlador de velocidade de cruzeiro, apenas isto que falta para completar o kit “conforto nas viagens”. Foi lembrado o indispensável acionamento do limpador de pára-brisa uma-varrida, mas o mesmo não pode ser dito da faixa degradê no pára-brisa, um pequeno detalhe que faz falta. Mas sabiamente a Hyundai brasileira adotou o espelho convexo também no lado do motorista.

Todos os preços e versões do HB20S

Os preços do HB20S começam em R$ 39.450, para a versão Comfort Plus de 1 litro, indo até R$ 53.595 da versão Premium 1,6 litro automática. A previsão da Hyundai é de vender 40.000 unidades anuais do sedã, sendo 60% delas equipadas com motor de 1,6 litro. As vendas começarão em 20 de abril, portanto, estes preços já contemplam a majoração escalonada do IPI que ocorrerá após 31 de março.

O HB20S reúne muitas qualidades, que compensam seus poucos defeitos. A linha HB20 tem sido um sucesso desde seu lançamento, sendo freqüentemente encontrado com sobrepreço em relação à tabela do fabricante. Talvez por isto a Hyundai tenha optado por lançar o sedã a um preço um pouco maior, por entender que o mercado atual está comportando este valor. Porém, deve-se considerar que ele já vem equipado de série com os principais itens que em alguns de seus concorrentes são cobrados à parte.

Nesta faixa de preço de 40 a 50 mil existem muitas boas opções no mercado, vindo o HB20S para somar-se a elas. E, no seu caso, uma ótima opção.

CMF



FICHA TÉCNICA HYUNDAI HB20S

Versão
COMFORT PLUS
COMFORT STYLE
PREMIUM
Câmbio
Manual
Automático
MOTOR
1,0L Kappa Flex
1,6L Gamma Flex
Número de cilindros:
Três, em linha
Quatro, em linha
Posição do motor:
Dianteiro, transversal
Cilindrada (cm³):
998
1.591
Diâmetro x curso (mm)
71,0 x 84,0
77 x 85,44
Potência máxima (cv):
80 (A) / 75 (G) a 6.200rpm
128 (A) / 122(G) a 6.000rpm
Torque máximo (m·kgf):
10,2 (A) / 9,4 (G) a 4.500 rpm
16,5 (A) a 5.000 rpm /16,0 (G) a 4.500rpm
ALIMENTAÇÃO
Trem de válvulas
Duplo comando no cabeçote, fase variável na admissão e no escapamento, acionamento por corrente, 4 válvulas por cilindro
Formação de mistura
Injeção seqüencial no duto
TRANSMISSÃO
Tipo
Transeixo e tração dianteiros
Número de marchas do câmbio
5 a frente + ré
5 a frente + ré
4 a frente + ré
Relações das marchas (:1)

3,727
3,615
2,919
2,056
1,962
1,551
1,269
1,286
1,000
0,964
0,971
0,713
0,774
0,774
-
3,636
3,545
2,48
Relação do diferencial (:1)
5,071
4,059
4,121
Embreagem (tipo):
Monodisco a seco
Monodisco a seco
Não aplicável
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira, assistência hidráulica
Voltas entre batentes
3
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado
Traseiros
A tambor
De estacionamento:
Mecânico, por alavanca, rodas traseiras
RODAS E PNEUS
Rodas
Aço, 5,0J x 14
Alum. 5,0J x 14
Alum. 5,5J x 15
Pneus:
175/70R14
175/70R14
185/60R15
DIMENSÕES
Comprimento (mm):
4.230
Largura (mm):
1.680
Altura (mm) :
1.470
Distância entre eixos (mm):
2.500
Altura do solo (mm):
1.650
Bitola dianteira/traseira (mm)
1.491 / 1.494
PESOS E CAPACIDADES
Peso em ordem de marcha (kg)
1.014
1.057
1.084
Carga útil (kg)
406
423
426
Porta-malas (L)
450
Tanque de combustível (L)
50
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s)
14,9 (A) /15,9 (G)
9,3 (A) / 9,7 (G)
11,0 (A) / 11,4 (G)
Velocidade máxima (km/h)
162 (A) /157 (G)
189 (A) / 184 (G)
177 (A) / 174 (G)
GARANTIA
Prazo (anos)




EQUIPAMENTOS HB20S
1,0
1,6

Com-fort  Plus
Com-fort Style
Com-fort  Plus
Comfort Style
Premium

Man.
Man.
Man.
Aut.
Man.
Aut.
SEGURANÇA
Alarme perif. c/ sensor de inclinação
S
S
Alarme periférico
S
S
S
S
S
Alças de segurança
S
S
S
S
S
Apoios de cabeça dianteiros c/ regulagem de altura
S
S
S
S
S
S
S
Apoios de cabeça traseiros (2) c/ regulagem de altura
S
S
S
S
S
S
S
Barras de proteção nas portas
S
S
S
S
S
S
S
Bolsas infláveis frontais
S
S
S
S
S
S
S
Cintos diant. c/ ajuste de altura
S
S
S
S
S
S
S
Cintos dianteiros com pré-tensionadores
S
S
S
S
S
S
S
Cintos tras. laterais de 3 pontos
S
S
S
S
S
S
S
Faróis de neblina
S
S
S
S
S
Fixações Isofix
S
S
S
S
S
S
S
Freios ABS com EBD
S
S
S
S
S
S
Refletores de segurança nas portas dianteiras parte interna
S
S
S
S
S
S
S
Refletores de segurança nos pára-choques traseiros
S
S
S
S
S
S
S
Sensor  de destravamento das portas em caso de acidente
S
S
S
S
S
S
S
Sensor de estacionamento traseiro
S
S
Terceira luz de freio
S
S
S
S
S
S
S
Travamento central, incl. p-malas
S
S
S
S
S
S
S
Travamento portas a 15 km/h
S
S
S
S
S
S
S
CONFORTO E COMODIDADE
Abertura interna do porta-malas
S
S
S
S
S
S
S
Acendimento automático dos faróis
S
S
Apóia-braço central banco do mot.
S
S
Apoio do pé esquerdo
S
S
S
S
S
S
S
Aquecedor
S
S
S
S
S
S
S
Ar-condicionado
S
S
S
S
S
S
S
Aviso de chave na ignição
S
S
S
S
S
S
S
Aviso de portas mal-fechadas
S
S
S
S
S
S
S
Banco do mot. com reg. de altura
S
S
S
S
S
S
S
Banco traseiro rebatível
S
S
S
S
S
S
S
Bancos dianteiros reclináveis
S
S
S
S
S
S
S
Bolsas nos encostos do bancos D
S
S
S
S
S
S
S
Chave-canivete com telecomandos
S
S
S
S
S
S
S
Cinzeiro portátil
S
S
Comando interno da portinhola do tanque de combustível
S
S
S
S
S
S
S
Computador de bordo (autonomia, consumo médio/instantâneo, tempo de viagem, hodômetro A e B)
S
S
S
S
S
S
S
Console central com porta-objetos
S
S
S
S
S
S
S
Console entre os bancos com porta-copos e porta-objetos
S
S
S
S
S
S
S
Conta-giros
S
S
S
S
S
S
S
Defletor dianteiro e traseiro
S
S
S
S
S
S
S
Desembaçador elétrico traseiro
S
S
S
S
S
S
S
Direção assistida hidráulica
S
S
S
S
S
S
S
Espelho nos pára-sóis
S
S
Espelho nos pára-sóis c/ iluminação
S
S
S
S
S
Filtro de pólen
S
S
S
S
S
S
S
Função ionizador
S
S
Gancho para paletó
S
S
S
S
S
Ganchos no porta-malas
S
S
S
S
S
S
S
Gaveta sob o banco do motorista
S
S
S
S
S
S
S
Hodômetro totalizador e parcial
S
S
S
S
S
S
S
Iluminação do porta-malas
S
S
S
S
S
Lavador de pára-brisa elétrico
S
S
S
S
S
S
S
Luzes de teto e de leitura
S
S
S
S
S
S
S
Medidor de combustível
S
S
S
S
S
S
S
Porta-garrafas com porta-objetos nas quatro portas
S
S
S
S
S
S
S
Porta-óculos
S
S
S
S
S
Relógio digital
S
S
S
S
S
S
S
Retrovisores externos cor do veículo com ajuste manual
S
Retrovisores externos cor do veículo com repetidoras e ajuste elétrico
S
S
S
S
S
Retrovisores externos pretos, man.
S
Termômetro d'água de arrefecimento
S
S
S
S
S
S
S
Tomada 12 V
S
S
S
S
S
S
S
Vidro elétrico 1-toque descida mot.
S
S
S
S
S
S
S
Vidros elétricos 1-toque subida e descida c/ comando pela chave
S
S
Vidros elétricos nas 4 portas
S
S
S
S
S
S
S
Volante c/ reg. altura e distância
S
S
S
S
S
ESTILO
Acabam. bancos em tecido azul knit
S
S
S
Acabam. bancos em tecido cinza knit
S
S
Acabam. bcos em tecido preto woven
S
S
Acabam. botão freio estac. cromado
S
S
Acabam. coluna central em preto, exceto para veículos preto Ônix
S
S
S
S
S
Acabam. em torno da alavanca de câmbio na cor prata
S
S
S
S
S
S
S
Acabam. portas D em tecido
S
S
S
S
S
S
S
Acabam. saídas de ar cor prata
S
S
S
S
S
S
S
Acabam. saídas de ar cor prata e com detalhes em cromado
S
S
S
S
S
Acabam. volante e pomo da alavanca de câmbio em couro
S
S
Calotas Seoul
S
S
S
S
S
Faróis com moldura em alumínio
S
S
Faróis com moldura negra
S
S
S
S
S
Grade frontal na cor preto piano
S
S
S
S
S
S
S
Maçanetas externas cor da carroceria
S
S
S
S
S
S
Maçanetas internas na cor prata
S
S
S
S
S
S
Moldura cromada tampa do p-malas
S
S
S
S
S
S
S
Painel em 1 tonalidade, preto
S
S
S
S
S
Painel em 2 tonalidades, preto e cinza
S
S
Palhetas do limpador aerodinâmicas
S
S
Pára-choques na cor do veículo
S
S
S
S
S
S
S
Rodas de aço c/ pneus 175/70R14
S
S
Rodas de alum. Octus, pn. 175/70R14
Rodas de alum. S-Wing, pneus 185/60R15 e estepe de alumínio
S
S
Vidros esverdeados
S
S
S
S
S
S
S
SISTEMA DE ÁUDIO
Áudio Hyundai BTH: rádio 2 DIN com função MP3, Bluetooth com áudio streaming, USB e AUX frontais, comando de áudio e Bluetooth no volante, 4 alto-falantes e micro-antena no teto
S
S
S
S
S
S
S
Tweeters (2)
S
S


76 comentários:

  1. Salgadinho ficou essa criança desde a versão "mais barata"
    E a traseira lembra muito o Siena já desagradou...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada haver com o Siena ta maluco?? o carro ficou show, botando todos os seus concorrente direto, no bolso

      Excluir
    2. O Siena passou longe aqui! Comparado com o design do HB20s, o Siena é antiquado.

      Excluir
    3. TÁ LOUCO....
      nem no sonho lembra o Siena...

      Excluir
  2. O 1.0 de três cilindros por R$40.000? sem chances.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é Brasil...

      Excluir
    2. Qual é o problema com 3 cilindros? Para motores 1.0, três cilindros é o ideal (me corrijam se estiver errado, mas acho que é isso mesmo). O pessoal reclama de falta de carros atualizados e quando chega um, reclamam de novo...

      Excluir
    3. O problema não é ser 1.0 com três cilindros, o problema é ter menos de 100 cv!

      Excluir
    4. Até hoje sempre existiu 1.0 de 4 cilindros (250cc por cilindro) e ninguém reclamou. Agora aparece um com 333cc por cilindro e vira coqueluche.
      Pelamor, né?
      O motor do Porsche 944 era um 4 cilindros com nada menos que 750cc por cilindro!!!! Pergunta pra quem conhece ou conheceu o dito cujo como é que era o negócio. Dica: tem post dele aqui no AE, com filminho e tudo.

      Excluir
    5. Mas tinha arvore de equilíbrio patenteada pela MITSUBISHI...Senão vira Opala 153....

      Excluir
    6. Bianca Nazário11/03/13 09:59

      Olha o lado bom: Cada cilindro vale mais!

      Excluir
    7. Mahar, Bob ou quem souber.
      Como a GMB/OPEL fez para não pagar os royalties à Mitsubishi nos motores 2.2 16V (LA9) e 2.4 16V (LE6 e LMB), que possuem um par de árvores de balanceamento?

      Excluir
    8. Agora querem colocar motor 2.4 em compacto...

      Excluir
    9. Já colocaram, meu caro. Veja aí uns vídeos de um Celta com motor LA9 e turbo.

      Excluir
    10. Bussoranga, só tem dois "jeitinhos": Ou fizeram na mão grande ou mudaram alguma coisa no mecanismo ( se é que isso é possível), só pra tirar o risco de um processo nas costas. Acho que optaram pelo segundo modo.

      Excluir
    11. O saudoso Roberto Lee teve um Hispano Suiza de 4 cilindros com 8.0 litros (a grosso modo 2.000 cc por cilindro). O automovel, segundo relatos recentes, estava com o motor travado por ficar parado na fazenda dos Matarazzo de 1988 até 2002, e foi um pereréco para ser recolocado a funcionar. Imaginem se hoje em dia todos automóveis tivessem um motor desses. Não dá...

      Excluir
  3. Bonito design, realmente é harmônico por ser um sedan. Traseira e linha de cintura altas, lanternas harmoniosas e vidro inclinado. Foi dada atenção aos detalhes, mas a roda do estepe ser de liga é um preciosismo totalmente dispensável, presente apenas para justificar o preço.
    Por falar em preço, por R$ 54.000 eu fico com um City ou Sonic. Mas assim como o hatch, pelo menos enquanto for novidade, terá sua legião de fãs.
    Ainda não andei no modelo, mas não levo muita fé no desempenho do 3 cilindros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos de lembrar que a Hyundai resolveu seguir o caminho de concorrer em um único segmento (no caso os compactos) com um único produto, em vez de criar produtos que de alguma forma redundam entre si. Ela cobre a faixa de preço usual desse segmento apenas agregando equipamentos a um mesmo modelo.
      Logo, um HB20S concorre tanto com Sonic quanto com Prisma (ambos sedãs pequenos) apenas mudando-se as dotações de equipamentos.
      Logo, os custos operacionais da Hyundai são menores que os da GMB, que acaba em uma mesma plataforma fazendo dois modelos diferentes e que só não redundam mais porque têm motores diferentes.

      Assim sendo, devemos nos despir do raciocínio de "compacto normal" e "compacto premium" quando falamos da linha HB20, pois a mesma é feita para abranger as faixas possíveis desse segmento com apenas um produto.

      Excluir
    2. CSS, tem que comparar banana com banana. Por 54mil vc compra um HB20s completo automático. Por esse valor, vc mal compra um City básico manual.

      Excluir
  4. Rafael Ribeiro10/03/13 14:56

    Apesar do preço "salgado", a lista de equipamentos de série é generosa e qualquer carro da concorrência, quando equipado da mesma forma, fica com preços próximos. É nessa hora que o estilo dos HB20 pesa a seu favor e o torna competitivo.

    ResponderExcluir
  5. CMF, qual a taxa de compressão dos motores?
    Pela diferença de performance entre etanol e gasolina, deve ser algo em torno de 12:1.
    Excelente texto. Teria fácil um HB20, mas hatch 1.6, acho que seria um substituto à altura para meu Clio 1.6 16v.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando, desculpe a falha, faltou incluir este dado na ficha técnica. A taxa do motor Kappa 1-litro é de 12,5:1 e a do motor Gamma 1,6 litro é de 12,0:1

      Excluir
  6. Ótimo, CMF. Achei o sedanzinho meio caro, mas as filas para o hatch revelam que a fábrica errou no preço para menos, infelizmente. Se o brasileiro acha que tá barato, por que reduzir o preço?
    Bom, também to com um elm327 no android. Fantástico! Porém, uso o carputer, achei-o mais interessante que o torque. Experimente—o depois.
    abraço.

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  7. Carlos, o espaço traseiro parece ser muito bom, qual a sua altura ? Na versão automática colocaram o apoio para o pé esquerdo que ficou faltando no hatch ou é só o carpete ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meço 1,72 m, ou seja, tenho estatura mediana. Sentado no banco traseiro, atrás de alguém com minha estatura, o espaço é suficiente, como pode-se ver pela foto "Eu sentado atrás de mim", mas duas pessoas altas, de 1,85 m por exemplo, encontrarão problemas para sentarem-se uma atrás da outra.

      O apoio para o pé esquerdo é coberto por carpete, poderia haver um emborrachamento ali sim. Mas o importante é que existe a superfície para apoiar o pé e ela está na distância correta para garantir o conforto do motorista.

      Excluir
  8. Acho um carrinho legal, mas o preço ficou meio salgado. Penso que deveria ficar entre 35 e 50. É surreal ver um carro de entrada a quase 55 mil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro10/03/13 19:00

      Carro de "entrada" é um adjetivo, digamos, relativo. Os carros de "entrada" da BMW e Audi no Brasil custam aproximadamente R$100.000. Já o da Ford R$23.000. E por aí vai... A "entrada" da Hyundai é mais em cima que das "4 grandes",

      Excluir
    2. "A "entrada" da Hyundai é mais em cima que das "4 grandes","

      E nem por isso é melhor que qualquer uma delas.

      Excluir
    3. Bianca Nazário11/03/13 09:56

      A minha entrada é mais embaixo.

      E a sua?

      Excluir
  9. Já andei como passageiro no hatch 1.6 de um amigo e gostei do carrinho. Muito legal você ter informado a carga útil, pois no manual do hatch eu não consegui localizar. Como os carros orientais em geral, é um pouco reduzida, ainda mais em se tratando de um carro "pensado para a família". Quanto ao 1.0, por acaso acompanhei um ontem numa das vias expressas do entorno de Brasília e gostei do que vi. Eu estava num A160 da família, muito pouco rodado e em excelente estado e o HB se saiu muito bem. Claro que o condutor dele deve conhecer bem a região e saber a localização dos pardais que infestam o DF, então podia andar com mais folga do que eu, que frequento a região esporadicamente, mas o bichinho se saiu muito bem, não dando em nenhum momento a impressão de fraqueza frente ao 1.6 do Mercedes. Acho que o sucesso vai continuar com o sedã, mesmo com o preço um pouco salgado.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Fernando Rodrigues10/03/13 19:10

    Muito bacana este Hyundai...neste segmento,a briga vai ser entre ele e o novo Prisma,que mudou da água pro vinho...agora a concorrência vai ter que suar para vender mais do que estes dois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Prisma 1,0 é bem mais lento de retomadas e bem mais pesado que o HB. #E o 1,4 não é páreo para o potente 1,6 oriental: 24 CV a menos e 150 KG a mais.
      m

      Excluir
    2. Motores novos na linha GM colocariam a dupla Onix / Prisma em outro patamar. Além do desempenho o consumo também está comprometido. O consumidor mais interessado no assunto, seja por gosto (por um trem de força atualizado) ou necessidade (alta km por ano, impactando em muito os gastos com combustível) talvez fuja da linha GM.

      Excluir
    3. HB20 1.6, 80 cv/l. Onix 1.4, 76 cv/l. Olhando-se por esse aspecto o motor GM não deve muito a tanta "tecnologia" coreana. A diferença de potência é quase proporcional à diferença de cilindrada. E eu DUVIDO que esse coreano ande tão mais assim que o GM. Andar pode até ser mas bem menos que a diferença de potência faz supor.

      Excluir
    4. Os motores mais modernos oferecem melhorias em elasticidade e consumo, sejam Hiunday, Fiat, Ford...comparar potência específica é nivelar por baixo, é comparar o motor na rotação no seu pico de potência e só. Um motor se avalia por toda a gama de rotação. Indiscutível dizer que os GM andam consumindo muito mais que seus concorrentes, a fama já está nas ruas.

      Excluir
    5. Os motores GM também são tão "elásticos quanto os mais modernos aí que você citou. GM gasta mais mas não é isso tudo não, depende do motorista. Sei de gente que faz num Astra o que outros não conseguem num Civic. Eu tenho um Prisma 1.4 e já fiz 14 km/l de álcool na estrada. Isso é ruim, por acaso?

      Excluir
  12. O preço é alto, mas acho que não vai baixar pois tem quem pague e, além de tudo, ter um Hyundai está na moda...
    Reconheço que é moderno e até nao acho feio, mas eu definitivamente não sou fà dessa atual escola de design da Hyundai. No caso do HB20 a parte que menos gostei é a frente. Inclusive também detesto esses faróis em formato de bolha.
    Apesar do conjunto rodas/pneus estar muito bem dimensionados o design geral da carroceria, com sua alta linha de cintura, os faz parecerem pequenos para o carro.

    ResponderExcluir
  13. Um Logan 1.6 é muito melhor pedida que esse carro aí. Os dois poderiam ser concorrentes, mas a Hyundai joga seus preços lá em cima...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas não dá pra falar pro vizinho que tá com um "carrão" moderno e chique no úrtimo, né?

      Excluir
    2. Deixa chegar o romeno novo, deixa...
      Se a Renault fizer o "Simbol" aqui, vai dar trabalho, mas periga de inflar o preço do carro.

      Excluir
    3. Eu tenho um logan 1.6 e eu tenho certeza que esse hb20s é superior ao logan, meu carro tem comando que remetem aos anos 80!! tudo duro, ruidoso! só tenho pq eu precisava de um carro novo para trabalhar e não tive dinheiro para comprar um carro melhor!!

      O Taxsita

      Excluir
    4. olha o crash test dos dois pra ver qual é "muito melhor pedida"

      Excluir
  14. Antônio Martins10/03/13 21:45

    Porque será no Brasil pegou tanto essa onda de sedã pequenos, nossas ruas estão parecendo o leste europeu, cheio desses minisedãs, parece uma vontade inconsciente de se sentir um pouco norte-americano, onde os sedã de tammanho natural imperam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que aqui o viventi não tem grana pra bancar um sedanzão que preste, então, pra substituir o Celta/Uno/Palio/Gol/Ka..., vão esses aí mesmo que tá de bom tamanho. E repare que os porta malas desses carros são até maiores que os de carros de segmento superior. São os carros pau pra toda obra da família brazuca, e com uns 50 ou 60 reais a mais nas parcelinhas do carnê, hehehe...

      Excluir
  15. R$ 39.500 por um carro 1.nada? Tá bom Hyundai, senta lá vai... tá se achando marca premium mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, pra quem cobra 70 pau no médio que vendia horrores aqui na geração passada com 5 pilas a menos, faz as contas...

      Excluir
  16. CMF, esse carro com o motor 1.0 tem um par de engrenagens do diferencial com relacao maior que 5,0:1. Ja li em algum lugar que pares de engrenagens com relacao maiores que 5,0:1 tem a durabilidade comprometida! la sei vai um hyundai!!\

    ResponderExcluir
  17. Nathan_hale11/03/13 09:39

    Como o 1.0 não me interessa, fui comparar o 1.6 com o outro carro que me agradou no segmento, o Prisma.

    Comparando o Prisma 1.4 LTZ com o HB20S Comfort, o primeiro é mais caro 1.000 reais (segundo a Hiunday esse preço já é com o aumento do IPI do final de março, então é mais de mil).

    E qual a diferença? Roda Liga Leve, retrovisor elétrico e faróis de neblina + My link como diferencial. O HB20S vem com motor mais moderno e mais potente.
    Acho que neste caso a Hiunday está na frente, ou no mínimo em condições iguais, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dependendo de como se sair o HB20 a GM certamente vai mexer no preço do Prisma, isso, claro, se as vendas deste sofrerem queda. Espere pra ver.

      Excluir
  18. CMF,
    Olhando as fotos, me parece que a parte inferior da porta traseira é a mesma do hatch (o entre eixos é o mesmo, então não devo estar enganado), mudou somente o quadro da janela devido ao novo caimento do teto. O desenho é harmônico mas aquele "complemento de janela" na coluna C é de gosto duvidoso. A dupla Prisma / Onix utiliza exatamente a mesma porta (mesmo entre eixos também), a GM teve que criar o "sport sedã" como solução.

    HM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compare com o Elantra, que não ficou tão harmônico assim. Mas perto dos carros para mercados emergentes, está bem mais resolvido. Pena que não teve aquela esticadinha de uns 5 cm na traseira, as pernas e costas agradeceriam...

      Excluir
  19. Por esse prêço num sedâ é lógico que outras opções de marcas serão bem consideradas, o que não ocorre tanto com os HB20 hatch, pois ele se destaca bem mais no seguimento. Vale notar que o Grand Siena é um sedâ um pouco maior, com excelente mecânica e prêço comparável ao HB20S (senão, menor).Páreo duro no seguimento.É apenas um exemplo. Só conheço o Hb20S por fotos e achei bem bonito. Até hoje não tive conhecimento do consumo real desses carros. Quanto ao prêço, já não tenho mais noção do que mais vale e menos vale no Brasil colônia capitalista............

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Grand Siena tem praticamente as mesmas dimensões que o HB20S. Ganha no porta-malas mais generoso e tem 1 cm a mais de entre-eixos, se bem que minha lancha provavelmente se enrosque se eu entrar na parte de trás da cabine. Também ganha no motor, que já é oferecido com 1.4l de deslocamento e no preço que já parte de R$ 37.000,00. Em compensação, perde em equipamentos.Como fiz uma comparação bem rasteira, não sei se os opcionais encareceriam o Grand Siena, já que a Hyundai só vende pacotes fechados...

      Excluir
  20. Gostei dos itens de série e até do capricho da roda de alumínio, se bem que não ter ABS no 1,0 simples foi vacilo.

    Fora isso, achei muito caro, mas infelizmente todos são assim no Brasil e se engana quem acha que os concorrentes são muito mais baratos. Entre nos sites dos "4" fabricantes nacionais e vejam no "monte o seu" quando fica, por exemplo, um Gol ou Onyx, com AC e vidro elétrico nas 4 portas. Hoje infelizmente carro de 30 mil anunciado é pelado, se for comprar um carro pequeno que não seja 1.0 com AC, DH, vidro elétrico nas 4 portas,não tem muito como fugir dos quase 40 mil. Infelizmente.

    ResponderExcluir
  21. Um belo sedâzinho. Mas muito caro. Como disseram, o Logan, apesar de 'feio' (não acho, mesmo porque tenho um), tem custo-benefício muito melhor.

    ResponderExcluir
  22. Bem que poderia ter uma versão pé de boi, mas no mercado nacional se uma marca quiser ter ambição de se tornar "premium" tem que evitar de vender para frotista, já que nossa classe média tem ojeriza a qualquer coisa que lembre "trabalho". O desenho ficou melhor que o do hatch, mesmo com a falsa vigia na coluna "C". Aguardemos a dupla "Logan/Simbol"...

    ResponderExcluir
  23. Rapaz, senta no banco de traz p/ ver como é, parece os aviões da GOL, apertado, mto apertado, não basta apenas sentar, tem que andar uns Kilômetros p/ sentir-se "apertado", lamentável.

    ResponderExcluir
  24. Tem um monte de gente babando ovo nesse motor de 128 cavalos. Cuidado, gente, não se esqueçam dos cavalos PMPO da dupla coreana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aqueles 104 cv da GM são maravilhosos...

      Excluir
    2. Maravilhoso, mesmo só o Andaluz. A propósito, não existe Econoflex de 104 cavalos, somente de 97, 102, 105 e 106, todos no álcool. Acho que você está fazendo confusão com os 104 do VW EA, 1.6. Já vi que tu pegou esse coreano pra adotar, né? Compre e seja feliz. Mantenho o que eu disse, muita babação pra pouco resultado.

      Excluir
    3. É, tem razão anônimo.
      a hyundai quase não evoluiu, deve ser só marketing mesmo.

      bom mesmo é gm, sempre à frente no mercado...

      Excluir
    4. É, Ledoni, muito marketing mesmo... e você parece que foi mais um dos que mordeu a isca.

      Excluir
    5. Gosto dos low-cost, mas prefiro guardar dinheiro e comprar um médio mesmo. Não confunda, os 120 e alguma coisa (varia de carro a carro já que mexem na curva de torque e consequentemente na potência) se tornaram mancos no Veloster porque havia uma promessa de um motor com injeção direta com 160 cv. E teve clientes que pagaram para levar isso e mais alguns acessórios e não receberam o que pediram. Não confunda Hyundai-CAOA com Hyundai Brasil. Na Kia, esse 1.6l também é coringa para a maioria dos modelos e os dois são sócios na Coréia, mas não aqui, onde a Gandini assumiu as operações da marca do tigre sorridente.

      Excluir
  25. Não fiz confusão, apenas me referi ao motor e somente ele. Quanto ao Veloster, nem quero falar daquilo... Você e o outro aí é que se apressaram e já meteram a GM no meio do bolo, com seu combalido e esforçado 1.4. Eu nem estava fazendo comparações. Mas vamos lá, então, já que resolveram citar. Esse 1.6 coreano, com tudo o que tem de mais moderno (menos injeção direta) consegue 80 cv/l, uma boa marca mas nada extraordinário. O Ecotec 1.8 tem 80 cv/l, o 2.0 da Mitsubishi tem 80 cv/l, o 1.35 da JAC tem 80 cv/l... todos mais ou menos na mesma fase de desenvolvimento. O 1.4 econoflex não tem modernidade nenhuma da qual possa se gabar e consegue 76 cv/l. Mesmo assim consegue funcionar liso e com uma marcha lenta de pouco mais de 700 rpm, sem tranquear nadinha. Sinceramente, para o uso que se vai fazer desses carrinhos, não vai fazer muita diferença se tem 20 cavalos mais lá na casa dos 6000 rpm, acho que o comportamento geral do carro, pós venda e questões de gosto pessoal é que vão definir as coisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ser um páreo duro. Num primeiro momento, se a dupla coreana não fizer "cu doce" para os mecânicos independentes como algumas marcas japonesas e francesas fazem, será um páreo duro com os GM que já estão redondinhos e o cara consegue saber o que fazer só com uma acelerada...
      Motores orientais apesar de serem sofisticados (um apzão não tem comando de válvulas variáveis só para começo de conversa e para a alegria dos mexânicos a engenharia da Volks fez questão de fazer cagada com os 16 válvulas e turbo) são resistentes e quase não dão manutenção desde que bem cuidados.
      Lembre que os motores Hyundai inicialmente eram Mitsubishi fabricados sob licença. E que eles estão a anos-luz dos chineses...

      Excluir
    2. Anônimo das 10h21, gostei bastante da sua comparação. Eu estou no meu terceiro 1.4 da GM, atualmente com 106cv no onix e digo que estou bastante satisfeito. Como o motor rende mais ou menos até uns 2200rpm, legalzinho até uns 3000rpm e empolgantemente entre 3000rpm e 6100rpm, a tocada fica bem esportiva (embora o desempenho não seja de um bólido) e confesso que gosto muito desse motor, seja pela potência quando se pisa, seja pela economia quando se anda tranquilo. Mas se a GM adotasse nesse propulsor um variador de fase do comando de válvulas e/ou um coletor de admissão de geometria variável, aí o pessoa da concorrência ia chorar mesmo, principalmente os donos de 1.6 da VW que só têm no torque (potência em baixa rpm na verdade) um motivo para justificar os 200cm3 a mais de "motor".
      Bruno S

      Excluir
    3. Bruno S

      Pelo que você contou a respeito do comportamento do seu Onix te digo que ele é a mesmíssima coisa que o Corsa 1.4. Depois dos três mil, três mil e poucos, a coisa muda bem de figura. O motor cresce com força e com um ronco que até instiga. Mas... quando a coisa começa a ficar interessante a dona GM vem e me corta o motor a 6300 giros. Complicado isso num motor com pico a 6000.

      Excluir
  26. Eu acho muito estranha essa potência declarada pela hyundai para o motor 1.6. Pela relação peso/potência, esses 128cv daria um desempenho um pouco melhor do que os aferidos. Pela massa do carro e pelo valor do 0-100 como referência, eu daria uns 115cv para esse propulsor.
    Bruno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, depois o pessoal fica me tirando quando eu falo em cavalos PMPO...

      Excluir
  27. Mas é isso que faz o carro vender: Desenho estiloso e propaganda.

    Eu acho até que os outros fabricantes estão seguindo a mesma linha, um exemplo é a Ford. Toda vez que vejo um Fiesta sedan ou hatch, ou o novo Ecosport, de imediato me lembra um Hundai.

    Talles

    ResponderExcluir
  28. CMF, muito obrigado pelo review! Estou para comprar este carro, e a avaliação me fez dar um passo a mais nesse sentido. Mas senti falta da informação de consumo de álcool e combustível. Especificamente, do 1.6 automático. Você tem esses dados?

    ResponderExcluir
  29. Navegando encontro um velho amigo que não vejo a anos ...
    Um forte abraço
    Tchelo

    ResponderExcluir
  30. Sou um feliz ex-proprietário de um HB20. Gostei muito do veículo, mas as suspensões são insuficientes e mal ajustadas ao veículo. Podem ser bem construídas, mas são falhas quanto às cargas de molas e amortecedores, sem contar que estes últimos não tem "stop hidráulico" que faz com que não haja barulho ao se estender totalmente e de uma vez os amortecedores ( caída de roda em buracos ) A fábrica não faz nada com todos os Proprietários reclamando e até as Concessionárias. No mas o veículo é muito bom. Realmente é uma pena a Hyundai não ouvir seus Clientes. O jeito é vender o produto.

    ResponderExcluir
  31. Lembrem que o motor 1.6 do HB20s é o mesmo bem falado 1.6 do Kia Cerato e Kia Soul. Eles compartilham o mesmo motor.

    ResponderExcluir
  32. Sei que o tópico é velho, de qualquer forma vale a pergunta. O new fiesta sedan e o HB20s (1.6) disputam um pouco do mesmo público, a minha dúvida é: qual é melhor no espaço do banco traseiro? Isso porque o new-fiesta sedã me parece ser mais bem construído e ter mais cara de premium (e o robotizado dele é show) mas o banco traseiro ridiculamente pequeno afasta alguns potenciais compradores (como eu por exemplo).

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...