20 de outubro de 2013

FIAT STRADA CABINE DUPLA 3-PORTAS

Fotos: divulgação e autor 



Quando a Fiat lançou a Strada cabine dupla em junho de 2009, foi um grande avanço em termos de praticidade da picape derivada de automóvel líder do segmento desde 2000. Um passo nesse sentido já havia sido dado em 1999 com a versão de cabine estendida, contribuindo decisivamente para a conquista da liderança. Agora, decorridos quatro anos do surgimento da cabine dupla, mais uma versão de carroceria da Strada chega ao mercado, a cabine dupla com uma terceira porta no lado direito. Embora o fato de ser cabine dupla não signifique necessariamente ser um veículo para quatro ocupantes, em sentido amplo, já que o espaço atrás é pequeno, mais adequado para crianças até 12 anos ou adultos em trajetos curtos — o conceito 2+2 lugares —, é inegável que ser cabine dupla amplia muito a utilidade de uma picape; havendo uma porta dedicada a quem se senta atrás, essa utilidade se potencializa.

Visual da traseira ficou mais encorpado e elegante (divulgação)

Para aplicar a terceira porta a coluna central do lado direito foi suprimida. Para a Fiat de Betim, sem mistério: após a Segunda Guerra Mundial havia o 1100 E de quatro portas sem colunas:

Fiat 1100 E 1948, quatro portas sem colunas (classiccarsforsale.com.uk)...

...e Strada cabine dupla 3-portas (divulgação)

Exatamente o mesmo foi feito na Strada, mas os tempos obviamente são outros e os recursos computacionais atuais tornaram essa tarefa bem mais fácil. É de se perguntar como ficou a rigidez torcional sem uma das colunas. "Igual à da carroceria de duas colunas, com no máximo 40 kg de peso a mais", garante o diretor de engenharia da Fiat brasileira, o italiano Claudio Demaria, que garantiu também a mesma resistência a colisões laterais, comprovada na laboratório de testes de impacto da fabricante na Itália.

A terceira porta é reversa, abre em sentido como na popularmente chamada "porta suicida", mas quem está no banco traseiro não conseguirá se "suicidar" mesmo que queira. De maneira inteligente, a maçaneta interna só pode ser alcançada se a porta dianteira desse lado estiver suficientemente aberta. De maneira análoga a alguns carros no tocante à alavanca para abrir o capô, como o Citroën DS4.

Correção: maçaneta interna, não, é apenas uma maçaneta, o que significa não haver maçaneta externa, nem mesmo escondida como no Alfa Romeo 156 ou mesmo no Citroën citado. Um detalhe interessante é essa maçaneta única ser bidirecional, para qualquer dos lados que seja movimentada, a porta abre.

Dois movimentos na mesma maçaneta: abrir a porta fora e abri-la por dentro (autor)

É como ocorre normalmente nos carros de quatro portas, em que o passageiro dianteiro abre a porta e desembarca, e o traseiro faz o mesmo para a sua, puxando a maçaneta. Mas com um detalhe: quem está no banco de frente precisa primeiro desafivelar o cinto de segurança, uma vez que este é ancorado na terceira porta e o ramo subadominal precisa correr para trás numa guia existente para essa finalidade, evitando que quem desembarca tropece. Veja na foto abaixo essa guia e ao mesmo tempo ver o "sentado atrás de mim 'na Inglaterra'" — por eu estar atrás do banco do passageiro ajustado com distância igual ao do meu em relação ao volante.

Falta espaço para pernas no banco traseiro; note a guia para o ramo subadominal do cinto (autor)



Os fechos da porta única traseira, no teto (esq.) e no assoalho (dir.), são visivelmente robustos (autor)

Outras mudanças

Além da terceira porta, foram feitas modificações relativamente extensas na picape. A linha de cintura subiu e a caçamba ganhou 8 cm de altura, aumentando seu volume em 120, 110 e 100 litros, respectivamente cabines curta, estendida e dupla. Novos grupos óticos traseiros estão mais altos e estendem-se pela lateral, provendo mais visibilidade noturna e ar mais moderno ao veículo, além de passar impressão de ser maior. A versão Working recebeu novo pára-choque dianteiro, mais robusto (a Trekking e a Adventure já haviam recebido atualização de estilo no ano passado). Em janeiro será disponível teto solar.

Working: novo estilo frontal (divulgação)

Agora a Strada é disponível em seis versões: Working em cabines curta, estendida e dupla, motor Fire 1,4-litro 85/86cv; Trekking cabine dupla com motor E.torQ 1,6-litro 115/117 cv; e Adventure, cabines estendida e dupla, motor E.torQ 1,8-litro 130/132 cv.


Acessórios Mopar

Mostruário de acessórios Mopar montado para o lançamento da nova Strada (autor)

Com a nova Strada, a Fiat está introduzindo para a marca a linha de acessórios da afamada marca Mopar, da controlada Chrysler LLC. Um desses, para a Strada, é o Extensor de Caçamba, um estrutura tubular de alumínio que estende a caçamba e aumenta sua capacidade em até 300 litros, para um total de 980 litros, e se transforma numa prática rampa para facilitar o carregamento de uma motocicleta. Há local para uma segunda placa, com iluminação, já que com a tampa na horizontal a placa traseira normal fica ocultada, o que constitui infração de trânsito. Diversos acessórios Mopar, mais de 40, entre eles uma central multimídia com tela tátil de 6,2 pol. e resolução de 800 x 480 pixels, podem ser encontrados nas concessionárias Fiat.

A marca Mopar, resultado da contração das palavras "Motor" e "Parts", está presente em 130 países com 500 mil diferentes itens fabricados por cerca de 3.500 fornecedores e comercializados em mais de 12 mil concessionárias. A Mopar surgiu em 1937 e inclui itens de alto desempenho para motores.

O extensor de caçamba e ao mesmo tempo uma prática rampa (divulgação)

Como anda

Mesmo sem diferenças mecânicas, achei por bem dar uma boa volta com uma Adventure cabine dupla com câmbio Dualogic Plus num trecho da rodovia estadual BA-001. Fiquei impressionado com a qualidade de rodagem dessa Strada, especialmente com piso bem ruim, como o da ligação Comandatuba-BA-001 (a base do lançamento foi o Hotel Transamérica, na Ilha de Comandatuba). O que a suspensão "aplaina" a buraqueira beira o inacreditável. Atacando as lombadas "para quebrar" a suspensão não chega a dar batente, é incrível. Tudo com um grau de conforto que chega a ser incoerente para este comportamento.

No asfalto, curvas de baixa e de alta puderam ser atacadas de um jeito tal que eu duvidava se daria certo...Os pneus eram Continental ContiPowerContact 205/60R16H. Me lembrou muito o jeito de fazer curva da Ford Courier, igualmente fabuloso. O mais notável é tanto a Fiat quanto a Ford terem eixo traseiro rígido com molas semielípticas parabólicas (monolâmina, de constante variável), que por serem leves copiam o solo à perfeição.

O motor 1,8-l (1,75, pelo arredondamento correto) movimenta bem a Strada, que vai de 0 a 100 km/h em 10,6/10,3 s gasolina/álcool e chega 178/179 km/h. É um tanto curta de câmbio, com v/1000 de 32 km/h, 3.750 rpm a 120 km/h, mas é razoável para um veículo de 1.258 kg em ordem de marcha e 650 kg de carga útil. Na velocidade máxima o motor está a 5.600 rpm, 350 rpm acima do pico. E o câmbio Dualogic Plus, opcional também para a Trekking, satisfaz plenamente. Este, aliás, tem quinta mais curta que a do manual normal, 0,919:1 contra 0,872:1. Com a 5ª mais longa a v/1000 aumenta para 33,7 km/h, 120 km/h a 3.560 rpm e velocidade máxima a 5.300 rpm. O diferencial bloqueante Locker, antes opcional só para a Adventure, pode vir também na Trekking

A versão 1,8-l não aparece na lista do Conpet, só a 1,6-l, que roda 10,6/12,1 km, cidade/estrada, com 1 litro de gasolina e 7,4/8,7 km, com álcool. A 1,8-l necessariamente consome um pouco mais.

Preços básico/com todos os opcionais:
Working R$ 33.750/R$ 37.865
Working CE R$ 36.0870/R$ 41.494
Working CD R$ 42.330/R$ 45.701
Trekking CD R$ 48.360/R$ 53.738
Adventure CE 49.480/R$ 57.830
Adventure CD 54.360/R$ 64.337

Com a nova Strada e sua peculiar terceira porta nas cabine dupla, é óbvio que a Fiat pretende manter sua participação no segmento, que supera os 50%, ou mesmo aumentá-la. Repetição do que eu, ainda adolescente, lia na Seleções do Reader's Digest, anúncio da Douglas Aircraft que dizia "Mais pessoas voam nos aviões Douglas do que em todos os outros aviões combinados". A Fiat acertou  mais uma vez.


BS

(Atualizado em 20/10/13 às 21h10, correção do peso do veículo, 1.253 kg em vez de 1.206 kg, este o peso da versão cabine estendida)







127 comentários:

  1. Tem muita gente que não gosta da Fiat. Não é o meu caso.

    HS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HS
      Tem mesmo, mas o que gostam superam em muito os que não. Os números de vendas o dizem.

      Excluir
    2. HS,

      Meu primeiro Fiat foi meu vigésimo primeiro carro. Nunca tive um dessa marca antes, por puro preconceito.

      Eu o comprei como transição, por apenas um ano, para então vendê-lo à minha filha, mas não sei não... Estou muito satisfeito com o carro. Só falta agora saber sobre sua durabilidade.

      Sinto apenas, que a concessionária que escolhi não é das melhores. Uma pena mesmo!

      Excluir
    3. Marcelo Junji20/10/13 19:12

      A Fiat é a montadora que mais opções oferece, por isso é líder. Ela tem modelos, que servem para quase todas as necessidades. Só falta um 4x4.

      Excluir
    4. Só precisa melhorar na atenção que dá em categorias acima da do Punto. De resto ela vem fazendo um ótimo trabalho realmente.

      Excluir
    5. É fabricante, não montadora.

      Excluir
  2. Uma dúvida, quem está sentado no banco traseiro consegue alcançar a maçaneta de abertura da porta sem se contorcer, ou só o passageiro da frente ou quem está do lado de fora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois da porta dianteira ser aberta, a mão esquerda chega à maçaneta da porta traseira facilmente. Só é mais difícil para o passageiro dianteiro, mas mesmo assim dá bem.

      Excluir
    2. Em termos de segurança e praticidade, não gostei muito dessa solução da maçaneta, era melhor que fosse do modo normal com a externa disfarçada como nos modelos que você citou. Acho que assim, na maioria das vezes, alguém que está fora terá de abrir a porta para os passageiros saírem. E no trabalho de resgate, durante a urgência, acho que ninguém lembrará de abrir essa porta...

      Excluir
    3. Uber
      É praticamente entreabrir a porta dianteira para a mão alcançar a maçaneta da porta traseira, problema nenhum. Já faz dois ou três anos que os corpos de bombeiros recebem informações de todos os fabricantes quanto ao desencarceramento. Não creio que haja problema nisso.

      Excluir
  3. Olha a jabuticaba...
    E quem diria...Mopar em 147.

    ResponderExcluir
  4. Fui conhecer a nova Strada ontem (visitei duas concessionárias), e só encontrei a Working CS. Achei que as modificações ficaram boas. Farei outras visitas. Sempre gostei das pequenas pick-ups. No meu caso, ficaria com uma Working CE completinha. Aproveito, Bob, para perguntar: pretende testar o Novo Logan?
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car
      Novo Logan, sim, lançamento está próximo, início de novembro.

      Excluir
    2. Mr. Car,

      Recentemente conversei com um proprietário de Fiat Palio com motor 1,4-litro, o mesmo da Working, e ele reclamou muito do consumo desse motor.

      O mesmo me falou o proprietário de um Fiat Adventure com motor de 1,8-litro.

      Excluir
    3. CCN, agradeço a informação, mas na verdade, considerando o que rodo, esse é um ítem que não me preocupa. Eu poderia ter até um Opala seis canecos, he, he! Por outro lado, já ouvi dizer que o seguro para essas picapinhas é bem alto. Vou fazer umas cotações, para conferir.
      Abraço.

      Excluir
  5. O Topazio fazia o mesmo e acredito eu tinha mais espaço para as pernas, vejo que vc é alto e não ficou nada confortável mas como sempre perfeita a sua avaliação em relação a característica do projeto: " viajens curtas com 4 pessoas". Obrigado Sr Sharp e poderia contar mais historias suas?

    ResponderExcluir
  6. Bem legal essa nova opção da Fiat.

    ResponderExcluir
  7. É um carro que, pra mim, é incompreensível. É apertadissimo para passageiros do banco traseiro, o volume de carga é mínimo, não oferece local protegido para bagagens a menos que se use o banco posterior. Quem que irá transportar algo alí que não conseguiria fazer o mesmo em uma peruinha?? A moto, só mesmo com aquele acessório mostrado. Para viagens, 4 adultos esqueça. Bagagens na caçamba só enlonando bem ou torcendo pra q não chova. Se for pra não usar o banco traseiro, então para que tê-lo? Ah, perdoem-me mas é um carro que não vejo razão de ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 20/10/13 13:06,

      Também acho que ela não tem razão de ser... Mas não é o que muitos dizem.

      Na verdade, ela é útil para algumas pessoas que precisam de caçamba, mesmo que pequena, e que transporte duas crianças em viagens,ou dois adultos em pequenos trajetos.

      Excluir
    2. Talvez pela mesma razão dos duster, ecosport entre outros fazem sucesso enquanto as peruas morreram.
      Penso assim também. è bonitinha, mostra que o BR ainda podem ter fabricantes fabricando coisas para cá, mas não serve para 4 passageiros e não serve para carga.

      Excluir
    3. Marcelo Junji20/10/13 19:17

      Ela serve por exemplo para um técnico em refrigeração com filhos pequenos.

      Excluir
    4. O nosso mercado é incompreensível.. em 2009, muitos (inclusive eu) apostaram que a Strada Cabine dupla seria um fiasco... ledo engano.... hoje é 50% do mix......

      Excluir
    5. Cara, tem gente que adapta bancos no espaço traseiro da cabine estendida, a cabine dupla veio para dar mais segurança aos que fazem isso [lembrando que há um aviso dizendo claramente para NÃO colocar pessoas naquele espaço atrás dos bancos da estendida].

      Excluir
    6. Eu tive Adventure uma cabine dupla 2002.
      Não sou nenhum grande conhecedor de carros, mas adorava a minha.
      O curto banco traseiro não é para levar ninguém no dia a dia, mas numa emergência ou numa situação em que alguém precisa de uma carona, ele é uma mão na roda.
      Eu usei muito.
      O carro tinha uma estabilidade maravilhosa, andava bem, bebia normalmente e eu achava bonito (gosto...). Ahh...andava muito.
      Fiz com ela SP-Porto Seguro e várias vezes SP-Brasília. Para aquelas estradas, perfeita.
      E um outro detalhe, eu era solteiro, tenho 1,93m de altura. Para mim foi (ao lado do Jetta - e do C300) um dos carros mais confortáveis que já dirigi.
      Pode pegar Cruze, Civic, Vectra, e outros e nenhum é tão confortável para mim como era esta fiat.
      Em suma, hoje com esposa e filha não é o carro para mim, mas se fosse para ter um carro só para mim seria uma de minhas escolhas.
      Ronaldo

      Excluir
    7. A questão é que, a caçamba, pra transportar alguma coisa, só sendo uma geladeira em pé mesmo, pq de resto, rapidinho ela tá cheia.... Apesar de existirem, vejo muito poucas situações de aplicabilidade nela. Mas talvez o mais incompreensível de tudo seja entender como vende tanto......

      Excluir
    8. O pior cego é aquele que não quer ver, jovem...

      Excluir
    9. O próximo passo será a Strada CD com capota de fibra e janelas laterais.......

      Excluir
    10. Brasileiro quer sempre o máximo que ( não ) pode ter, mesmo que seja tudo pela metade. É picape, mas não é, é para 4 pessoas, mas não é, é veículo de carga, mas não é, tem uma premissa de fora de estrada, mas não é... Sobre os comentários positivos, como sempre são, ao avaliar quaisquer modelos novos, penso que hoje, os carros hoje estão todos meio iguais, as linhas de produção e métodos de engenharia servem tanto para um, como para outro, todos tem um acerto parecido. Ahhh que saudade dos temperamentais carros vendidos no Brasil até a década de 90.

      Além de tudo, trabalhei como mecânico em uma concessionária autorizada FIAT e lá, me despi de alguns preconceitos, mas pude criar outros, já que haviam coisas inimagináveis em carros 0 KM. Coletores de escapamento que vinham com 3 parafusos no acoplamento da descarga, onde haviam 4 furos, não eram raros. Amortecedores faltando aperto eram bastante comuns; portas que precisavam de um "ajuste carinhoso" ( entortar a coluna mesmo ) para fecharem corretamente eram coisas do dia-a-dia, para não falar da pintura ( sólidas ) com minério de ferro encruado na superfície. Além de tudo, percebi uma grande evolução no comportamento dinâmico de toda a linha FIAT, eram TODOS carros bons de chão, com ajuste fino, apesar dos pesares.

      Excluir
  8. Agora só falta tração integral...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada é impossível...

      Excluir
    2. Realmente, com tração integral completaria o visual de trator que já tem.

      Excluir
    3. Infelizmente, o problema é ter quem pague, pois a Dobló Adventure italiana tem tração nas 4!

      Excluir
  9. Essa solução do cinto de segurança não me parece a mais adequada. Acredito que o ideal seria prender o cinto no encosto de cabeça do passageiro, como já é feito em alguns modelos (me lembro da Ferrari 612 Scaglietti, mas existem exemplos mais mundanos). Obviamente o custo para se desenvolver um banco desses apenas para uma versão de um modelo seria proibitivo, tornando a escolha da Fiat aceitável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou com um pé atrás com esse cinto do passageiro dianteiro...
      Mas certamente a estrutura do banco precisaria ser modificada e reforçada para suportar o impacto.
      Realmente devem ter feito essa escolha por ser mais economicamente viável do que apenas desenvolver um banco específico para essa versão da Strada. Espero que seja tão seguro quanto os outros.

      Excluir
    2. Na verdade não tem problema nenhum a questão do cinto. Qualquer carro com 2 portas tem a mesma solução do cinto ancorado em um pequeno trilho!

      Excluir
  10. Nada de novo nessa 3a porta. S-10 e Ranger ofereceram essa opção na década de 1990, inclusive com a mesma solução pensada pela Fiat.
    O ineditismo é fazê-lo numa picape pequena.
    Aliás, cabine dupla em picape pequena é primazia da Chevy fabricada no Uruguai, no final da década de 1970 e antes dela ser lançada no Brasil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mérito da Fiat nessa caso é o volume de produção. Tem idéia de quantas dessas foram fabricadas no Uruguai?

      Excluir
    2. Só a Ranger Cabine Estendida argentina é que tinha essas miniportas. A S10 Cabine Estendida nasceu e morreu sempre e apenas com duas portas.

      Excluir
  11. Me fez lembrar daquela moda das picapinhas de cabine dupla. Seria legal uma matéria sobre elas, como surgiu, o que inspirou, por que o gosto pelas janelas altas que cortavam a linha de cintura?
    Outra curiosidade é como a Fiat conseguiu introduzir esse tipo de picape derivada de carro no Brasil, mas GM e Ford não conseguiram isso nos EUA. Se as americanas tivessem tentado isso aqui, teria dado certo e tirado a primazia da Fiat?

    ResponderExcluir
  12. Uber
    As janelas altas que cortavam a linha de cintura, como você disse, eram para dar mais visibilidade aos passageiros do banco traseiro. Solução bem próxima acabou de ser aplicada no BWW i3 elétrico. Quanto aos EUA, o mercado lá quer carros maiores sempre que possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas as americanas eram derivadas de barcas! Acho que também atrapalhou o sucesso delas foi quererem manter a silhueta de garrafa de Coca-Cola daqueles modelos da época, as caçambas ficavam muito rasas e isso restringia muito mais o público-alvo.

      Excluir
    2. Só para complementar a informação do Bob, os 5 carros mais vendidos nos EUA:
      1. Picape F 150 (Ford)
      2. Picape Silverado (GM)
      3. Toyota Camry
      4. Accord (Honda)
      5. Dodge RAM

      Realmente, a realidade dos EUA é outra...

      André.

      Excluir
  13. E notável o trabalho do Cláudio DeMaria e sua equipe
    Incrível a melhora dos Fiat em relação a suspensão e acerto dinâmico de forma geral nos últimos anos
    Congratulações Sr. DeMaria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pessoal do DeMaria está com tanta moral que o acerto que eles fizeram no Freemont após a adoção das seis marchas automáticas, cujo objetivo era tornar o veículo melhor para ser usado no Brasil e menos susceptível aos buracos, passou a ser o acerto padrão mundial para qualquer Freemont ou Dodge Journey.
      Não me surpreenderia se a Fiat e a Chrysler transferissem para o Brasil a responsabilidade mundial de acerto de chassi dos produtos, pois não é de hoje que Betim tem demonstrado bom grau de competência em relação ao assunto. Quem ler alguma Quatro Rodas de 1998 falando sobre o lançamento do Marea verá que já naquela época conseguiram fazer o modelo daqui ser melhor de chão que seu equivalente italiano.

      Nesse ponto, acaba sendo vantagem para o Brasil ter a variedade de estradas que temos. Podemos ter as muito boas, é verdade (tanto aquelas de quatro pistas para cada lado como as duplicadas simples, como a Régis Bittencourt, que deixou de ser queijo suíço mas continua tendo aquelas curvas bem fechadas e contornadas em alta velocidade em declive), mas também temos uma série de estradas bem ruins, para as quais um carro daqui tem de estar pronto para enfrentar sem reclamar demais, isso sem contar as habituais estradas de terra. Apenas ficam faltando estradas sem limite de velocidade e circuitos desafiantes como Nürburgring ou Interlagos clássico, ainda que esse último pudesse muito bem ser reativado e tendo essa divulgação para os fabricantes. Assim como falar que o acerto de chassi no Nordschlieife dá moral a um produto, o mesmo poderia acontecer se um carro fosse acertado no traçado original do autódromo paulistano, fora que a prefeitura paulistana acabaria recebendo dinheiro de forma muito limpa e justa pelo uso do autódromo (sim, há alternativas à indústria da multa).

      Excluir
  14. Bob, tenho reparado que a Fiat tem feito um dos melhores trabalhos de calibragem de suspensão que tenho conhecimento! Eles realmente entenderam o Brasil! Tenho vontade de ter um Palio Adventure com esse belo 1.8 16V. Em tempo... Belas rodas de 16 Pol!

    ResponderExcluir
  15. Bob, vc sabe alguma coisa sobre o Doblò 2014???

    ResponderExcluir
  16. Gosto muito de soluções criativas como a da maçaneta que funciona nos dois sentidos.
    Engenharia é isto, bom senso a baixo custo.
    Algo que anda muito esquecido por aí, hoje em dia.

    ResponderExcluir
  17. Bob, mais uma na indústria de infernizar a vida do paulistano. Antevejo congestionamentos sendo gerados onde antes só haveria se o trânsito estivesse de fato muito carregado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses caras enlouqueceram de vez. Socorro, ministério público!

      Excluir
    2. O pior é que o MP não faz nada! Vão falar que a velocidade é a vilã da história.

      Excluir
    3. Lamentável. Se fosse só isso, estava bom. Acho que realmente tem alguns casos que devem ser tratados, mas bem isoladamente. por exemplo o trecho da Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira próxima a Rua Pedro Bueno. O limite ali é 60 km/h, talvez um pouco elevado, mas nada demais também. Agora o que estão fazendo é um grande absurdo. Eu li a reportagem que o colega enviou, é de chorar, cada argumento imbecil: o pior deles: o "especialista" diz: reduzir a velocidade é uma tendência mundial. E aí que é uma tendência mundial? Se o mundo inteiro decidir jogar o carro do viaduto, você vai se jogar também, ô mequetrefe?! Nada vai me admirar se reduzirem a velocidade na Paulista par 40 km/h, afinal, na reportagem, dizem que será reduzida, mas ainda está em estudo para qual valor. Santa Paciêcia. Não vai demorar muito, irão reduzir para 50 km/h em avenidas como Santo Amaro, Ibirapuera, Pedroso de Morais.... Um colega aqui brincou que daqui a pouco os bandidos irão anunciar o assalto com o motorista em movimento. Pois bem, isso já acontece: essa semana o meu pai foi assaltado por conta de uma maldita lombada, às 5:30 da manhã!!!! Levaram tudo, inclusive o tênis.

      O transito vai piorar, a indústria da multa vai se alavancar, os acidentes não irão diminuir (porque o problema não é a velocidade, mas a imprudência de pedestres e também de alguns motoristas),os "tranca-rua" irão dirigir mais devagar do que nunca na faixa da esquerda. Os carros evoluem, os meios de comunicação e as tecnologias se aprimoram, mas o que importa é que REDUZIR A VELOCIDADE É UMA TENDÊNCIA MUNDIAL.

      É, acho que a praga da epidemia de dança se repete depois de 495 anos, só que disfarçada de ódio aos carros e à velocidade (para quem não sabe o que foi essa epidemia de dança, maiores informações no link a seguir... IMPRESSIONANTE!!)

      http://noticias.terra.com.br/ciencia/epidemia-de-danca-ha-495-anos-pessoas-requebravam-ate-a-morte,13493422714df310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

      André.

      Excluir
    4. André,

      Eu já tinha conhecimento dessa epidemia.

      Mas uma coisa eu posso te afirmar e dizer o que acontece com nosso povo bravo e varonil.

      Ele deixou de pensar para seguir as massas. Só isso!

      Excluir
  18. Tive 3 FIATS, começando por um UNO 1.6R, depois um Palio ELX, e por último um Siena Fire 16v. Todos os carros foram excelentes, lamentando apenas o motor FIASA do Palio, que mais bebia do que andava. Ainda assim, se não fosse meu desgosto pelos NACIONAIS, a FIAT seria minha escolha... carros que foram melhorando bastante ao longo do tempo, principalmente pelo fato de que eram extremamente duros e atualmente estão bem mais agradaveis!

    ResponderExcluir
  19. Eu até teria uma. As vezes preciso carregar umas tralhas, mas não preciso de uma caçamba inteira. Dificilmente loto o carro com cinco pessoas, fora que na família, a estatura média é de 1,70. O problema é o preço, e fora que essas picapes são visadas o que torna o seguro muito alto.

    ResponderExcluir
  20. Sou mais um que não me conformo com a (in)utilidade dessas camionetes cabine dupla. Tenta ser duas coisas mas não faz nenhuma das duas coisas direito. Palmas para a Fiat, sempre inovando.
    Uma curiosidade com relação a Strada: Aqui na Alemanha ela é comercializada, porém as versões mais simples usam o retrovisor da Adventure(por causa das setas), desde as versões básicas é equipada com abs e air bag, e o motor é um Multijet 1.3 Diesel com 95cv e 20,3kgfm de torque.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa caminhonete dupla tem sua utilidade a alguns. Por ex: na fazenda as vezes precisamos levar 400 a 500 litros de óleo diesel para as maquinas e 3 - 4 funcionários, para os pequenos corre corres da fazenda ela é perfeita, unica coisa errada é o preço.

      Essa versão da Alemanha com motor a diesel que deveria ser comercializada aqui, o subsidio ao diesel ja acabou a tempos e até hoje não liberaram o óleo aos carros menores. Coisas do mercado tupiniquim.

      Excluir
  21. Ao meu ver trouxe um desenho muito mais harmonioso para a Strada esta reestilização, especialmente no modelo Adventure CD.
    Já o parachoque novo da Working me parece um tanto esquisito, remete ao do Uno e não parece se encaixar bem na Strada, mas espero que este traga melhor impressão ao vivo do que em fotos.

    ResponderExcluir
  22. Legal, Bob. Algumas observações.

    Veja a que ponto absurdo chegamos. Se você realmente quiser rodar rápido no Brasil, sem ter que ficar escolhendo caminhos, a escolha tem que ser por carros com alguma aptidão fora de estrada.

    A picape que voce testou estava com rodas 16. o comportamento dinâmico muda muito com as 15?

    Realmente o cambio é muito curto. Pode ser justificado em parte pela possibilidade de picapes andarem com muito peso, embora quase ninguem faça isso.

    Sobre o acerto da suspensão dos Fiats, de todos os carros que andei até hoje, os Linea se mostraram os mais bem ajustados nesse quesito: macios, bom de curva, e engolindo as irregularidades do piso com maestria. Pena que o (des)ajuste do acelerador eletrônico tira muito do brilho do carro.

    Abraço

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas
      Absurdo mesmo! As Stradas de motor 1,4 e 1,6 tem pneus 175/70R14, e não as dirigi agora. Mas não acredito que rodas de 15 pol., mantendo a mesma seção e com perfil mais alto tragam alguma piora significativa no comportamento. / Realmente, a suspensão dos Fiat anda irrepreensível. Esse engenheiro sabe mesmo das coisas. O primeiro trabalho que vi dele foi na Idea Adventure, para mim melhor que a Idea "civil", apesar de mais alta e com pneus mistos. / Acelerador eletrônico: francamente, não vejo a dificuldade que você cita (o Arnaldo também não gosta).

      Excluir
    2. Bob,

      parece brincadeira, mas sempre que volto a Minas fico chocado com a péssima qualidade da malha viária. Parece que não há asfalto liso. Será que a Fiat, tendo esse belíssimo campo de tortura ao seu redor, não se especializou nisso? Acredito que sim.

      Antes que os mineiros se manifestem, também sou mineiro e gosto muito de meu estado natal, embora não mais more lá por razões profissionais.

      Excluir
    3. Lucas CRF,

      Então venha conhecer Santa Catarina e volte sorrindo para as Minas Gerais.

      Mas mal que eu o pergunte, porque SC e MG são os estados com mais acidentes rodoviários per capita no país?

      Excluir
    4. Conheço pouco das estradas de Santa Catarina. E ainda ssim sempre BRs. Nas idas ao Sul, passei pelas 116 (asfalto marromeno e bem movimentada), 101 (lindas paisagens e asfalto de primeira) e 163 (um espanto! supermovimentada, estreita, sinuosa, vários trechos sem acostamento)! Esta última, uma das mais cansativas estradas que já peguei.

      Bom, sobre o nada nobre título de Minas como campeã de acidentes sugiro o seguinte: estado centralizado geograficamente, muito do fluxo no sentido norte-sul e leste-oeste passa por ele. Se não me engano é também a maior malha viária. Mais estradas, mais acidentes, até por uma questão estatística. Finalmente, o relevo acidentado, que o briga as estradsa a serem sinuosas. É meu palpite.

      Abraço!

      Lucas CRF

      Excluir
    5. CNN,
      Em minas é fácil dizer. Como disse o Lucas, é um estado central e com a maior malha de estradas federais do pais. O estado é um nó logistico do país. E com uma malha pessimamente mantida e defasada, cheias de pistas simples com capacidade abaixo do necessário para o fluxo atual, pois em quase 12 anos de governo do PT, quase nada foi investido nas estradas federais do estado de seu principal opositor político. E o povo? ora, o povo...

      Excluir
  23. Nada contra fiat, mas será que só eu que acho ridículos esses plásticos parafusados nas laterais da carroceria? rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode colocar mais um na lista, não só estes plásticos pendurados na carroceria, mas também os parachoques são horríveis e ainda tem rack no teto , esta pick-up mais parece um carro alegórico agora fazer o que, tem gente que acho lindo !!!

      Excluir
    2. Com certeza não é só vc, camarada, estes plásticos parafusos são um cancro que a fita introduziu no design contemporâneo do mercado automotivo nacional, e que se espalhou para todos os ditos aventureiros das outras marcas. Essa porcariada plástica envelhece e gasta de uma tL maneira que estas carroceiras estarão ainda mais ridículas daqui a 5-8 anos. Um retrocesso, que o brasileiro engoliu muito fácil. Veja se um Troller tentando plástico na carroceira...

      Excluir
    3. Bosley de La Noya20/10/13 18:48

      Não é só você não, conheço várias pessoas que acham horrível esse monte de plástico preto grudado na Strada. Isso, depois de alguns anos de uso, fica ainda mais horrível do que quando nova. Tudo riscado, opaco e esbranquiçado...
      Aliás, a FIAT é campeã em agregar peças inúteis de plástico em seus carros. Só a Chevrolet consegue chegar perto.

      Excluir
    4. Isso não é exclusividade da Fiat.

      HS

      Excluir
    5. Você não é o único. Acho que esta profusão de plásticos só enfeiam os carros. Não sou fã das linhas "Way" nem "Adventure", prefiro as versões "para cidade".

      Excluir
    6. Bosley e demais
      O que importa é que esse visual faz vender bem, com a vantagem de expor menos a carroceira a pequenos toques.

      Excluir
    7. Anônimo de hoje, 18:03
      A carroceria do Troller é de plástico...

      Excluir
    8. Também acho que esse visual brega vende bem, mas para mim, são horríveis.

      Excluir
    9. Marcelo Junji20/10/13 21:35

      Ao mudar de faixa, ralei um cruze branco (espelhos externos da doblo são muito ruins). Não aconteceu avaria nenhuma na doblo, e por incrível que pareça no cruze bastou apenas um polimento na pintura que havia ficado com manhas preta nas portas. Esses plásticos podem não agradar a todos, mas têm a sua utilidade. Protegeu os dois carros.

      Excluir
    10. Bob, não seria fibra de vidro?

      Excluir
    11. Paulo
      Na verdade o material é plástico, resina poliéster curada porém reforçada com fibra de vidro. É que se popularizou o termo 'fibra de vidro'. A fibra de vidro é apenas reforço, da mesma forma que o ferro nas estruturas de concreto. Note que o termo em inglês é fiberglass-reinforced plástic (FRP). O mesmo ocorre com fibra de carbono. O material é plástico reforçado com fibra de carbono, no caso resina fenólica curada em forno. Em inglês, carbon fiber-reiinforced plastic (CFRP). Esses materiais têm o nome de compósito..

      Excluir
    12. Marcelo Junji, eu sempre achei os retrovisores da Dobló horríveis (só têm tamanho).

      Na minha, para tentar resolver o problema dos pontos cegos, coloquei - nos cantos inferiores externos dos espelhos retrovisores - daqueles espelhinhos convexos que vendem em supermercado e me ajudou MUITO.

      Bob,

      Sobre a nova Strada, sou fã dessa picape - sua robustez, praticidade e relativo conforto são muito apreciados aqui pelo Planalto Central! Abraço e obrigado pelos ótimos artigos!

      João Vicente

      Excluir
    13. O 'Adventure' da Renault - o Stepway - achei jeitoso. Mas são estranhos sim.

      Excluir
  24. Lorenzo Frigerio20/10/13 19:18

    Está mais que na hora da Fiat enterrar esses Frankensteins baseados no Palio antigo. Bem que poderiam dar um upgrade geral na linha, usando a carroceria do Punto, sem esse monte de plásticos... e quando chegar o Viaggio, fazer uma pickup dele, também. O mercado aproveitaria bem um veículo desse tamanho, tipo aquela Peugeot a diesel que não existe mais. E com motores Chrysler Tigershark, pois esses eTorq não são muito populares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo
      Em que esses Frankensteins e os motores E.torQ deixam a desejar? Não vejo nada de errado com eles.

      Excluir
    2. Bob,

      Frankenstein significa que estes carros são verdadeiras saladas, pedaços de plástico enxertado para todo lado, o que da uma aparência horrível, isto é que está errado com eles.

      Mas tem gosto pra tudo neste mundo, tem gente que acha lindo.

      Excluir
    3. Bob, entendo o que o Lorenzo disse quando vemos que foi lançada a nova Fiorino brasileira. Esta usa a frente do novo Uno combinada à estamparia estrutural dianteira do novo Palio (que, imagino, seja mais resistente e não rasgue assoalho em colisões) com uma parte traseira que é derivada da própria Strada (aqui sendo algo parecido com a própria plataforma dos novos Uno e Palio, que tem apenas 18% de carryover em relação à plataforma do Palio original). Logo, em tese a Fiat já tem uma Strada de nova geração, o que basicamente seria trocar o baú por uma caçamba e poderia ter coordenado esforços para que a Strada passasse para esse misto de plataforma 326, podendo inclusive escolher entre a frente do Palio ou do Grand Siena, pensando aqui em qual casaria melhor com a receita de estilo parrudo desde o modelo mais básico (um dos segredos do sucesso do modelo).
      Nessa, a boa equipe de acertadores de chassi comandada por Claudio DeMaria teria uma base ainda melhor para fazer os já bons trabalhos que fazem. Do jeito que está a história de ficarem mudando continuamente a plataforma derivada do Palio original, fica parecendo que a Fiat está com muito medo de suas plataformas mais novas não terem a competência apresentada pela base mais antiga (que tem seus méritos, é verdade, como alta rigidez torcional e bons resultados em testes de colisão levando-se em conta o contexto de serem bases dos anos 1990). Além disso, o uso da base 326 permitiria maior conforto e ergonomia gerais para os ocupantes da fileira dianteira, pois sairiam de cena vícios de projeto como as saídas de ar muito baixas (cuja localização está condicionada ao desenho da parede corta-fogo).

      Além disso, em termos econômicos seriam diminuídas redundâncias entre um modelo de geração mais avançada e um de geração mais atrasada, coisa essa que prejudica sobremaneira a manutenção da presença em um segmento no longo prazo e pensando em maiores exigências em termos de segurança, montagem de componentes mais modernos e outras questões. Temos o conhecido exemplo da própria VW, que ao não seguir as gerações da Kombi no exterior, irá ter de reconquistar a posição no segmento de comerciais leves em um momento no qual o "vácuo de poder" gerado pela descontinuação da T2 que conhecemos poderá ter sido resolvido por chinesinhas, Mercedes Classe V argentino e outros. Caso ela estivesse pelo menos na T4, esse problema não existiria, bem como não existiria um abismo geracional daqueles a se pular e com o qual se lidar.
      Por ora a Strada reina, mas esse é um reinado que pode cair rapidinho caso algum concorrente se atreva a fazer algo melhor, ainda que o segmento de picapinhas não seja exatamente dos mais atrativos a quem não for das Quatro Grandes (vide o fracasso da Hoggar, ainda que aqui reforçado pelo fato de já ter nascido antiquada). Logo, ficamos em uma situação em que ela tem vantagem também em parte pelo fato de não haver nesse segmento o grau de movimentação e mudanças que há, por exemplo, no dos carros médios-pequenos (especialmente na carroceria sedã). Observe-se que a Fiat poderia ter feito uma mudança geracional de fato conjugando os esforços que já fez para mudar o Fiorino de geração, mas não quis e acaba por sinalizar que se sente a rainha da cocada preta no segmento, o que pode diminuir a capacidade de vigilância.

      Poderíamos aplicar o mesmo raciocínio para a Palio Weekend, que alguns obviamente perguntarão por que raios não passou para a plataforma 326. Tudo bem que aqui fica na situação de que pode ser substituída junto com a Idea pelo 500L ou o 500X, mas ainda assim fica sempre aquela sensação de segmento deixado ao deus-dará. Ainda que a Strada não tenha sido deixada ao deus-dará e apresente esses aprimoramentos, são aprimoramentos que poderiam ter rendido mais se aplicados a uma série maior de alterações.

      Excluir
    4. Bom post.
      Acho que o problema da Palio Weekend e da Strada são o mesmo, embora em estágios diferentes: Eles pertencem a categorias que estão em declínio. Isso é claro de se ver no caso da Palio, mas nem tanto na da Strada. Porém se avaliar o mercado de picapes pequenas, elas já estiveram na moda, eram usados no Brasil quase que como pequenos cupés, porém perderam parte dessa aura de esportividade e são cada vez mais usadas para seu objetivo inicial, o trabalho. Por isso vemos poucas novidades, basicamente as variações da Strada e a nem tão nova saveiro. Talvez aconteça com esse mercado o que aconteceu com os hatchs médios, que estavam em decadência com modelos velhos e rapidamente se atualizaram. Já para as peruas o cenário é mais nebuloso.

      Excluir
    5. Anônimo 21/10/13 22:04, o que não dá para entender é por que a Fiat não aproveitou o momento em que está por cima da carne seca para fazer a mudança geracional da Strada, ainda mais que seria questão de aproveitar o trabalho já feito para criar a nova Fiorino e basicamente trocar o baú por uma caçamba (ou, caso desejado, trocar-se a parte frontal do "chapéu", que é a do novo Uno sobre a plataforma 326 do novo Palio, pela do próprio Palio novo).
      Acredito que uma base derivada da 326 aceitaria com mais facilidade ainda mudanças como a miniporta do lado direito. Se perigar, aceitaria até mesmo outra miniporta do lado do motorista.

      Excluir
    6. Cara, eu não entendia algumas decisões das fabricantes sobre assuntos como o que você me falou, até conhecer alguns conceitos e marketing, e comecei a entender o porque das coisas.
      No caso da Strada, acredito que a Fiat está guardado na manga a mudança da pick-up para quando começe a ter alguma perda de participação no mercado, ou para contra atacar algum lançamento da concorrente que possa lhe tirar mercado. Pra que ela vai quemar seu cartucho enquanto está por cima da carne seca, vendendo mais que as concorrentes junta? Sei que para nós consumidores é frustante, mas para a empresa faz é o melhor a fazer.

      Excluir
  25. Mais uma bola dentro da Fiat. Vai manter o reinado da Strada no segmento. A empresa só precisa avançar no setor dos carros médios e grandes, chutar de vez para escanteio o estigma de 'fábrica de carros pequenos'.

    PS. Creio que o Fire 1.4 não serve pra essa picape. Mas como até o Dobló o utiliza....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Guilherme Tuhu,

      Infelizmente esse estigma pegou e não acredito em mudanças a curto prazo.

      Como proprietário de um Fiat, notei desde o primeiro dia da compra uma certa aversão das pessoas pela marca.

      Primeiro, é que o carro não chama a atenção no trânsito. Nisso é bom, porque podemos passar desapercebidos e tranquilos.

      Outra, é que sempre que encostamos em algum carro que está a nossa frente na estrada, seus motoristas ficam desesperados e passam a correr para não serem ultrapassados por um Fiat, porque as pessoas pensam que todo Fiat é "mil" e isso é ruim.

      Depois da minha aquisição, muitos me perguntaram porque eu comprei um "carro de pobre", porque quem compra Fiat, é pobre, hehehe... E isso é bom porque Fiat não chama a atenção.



      Excluir
    2. É isso mesmo. Tive um Spazio 1983, se não me falha a memória, e era exatamente assim. Creio que hoje em dia, caro CCN, a coisa é mais suave. Afinal, os 'Adventures' da marca não são tão baratos.

      A Fiat precisa mesmo investir em sua nova linha 'Dodge', criar uma picape grande, coisas do gênero.

      Excluir
  26. Ao ler esta reportagem, lembrei da picape Saveiro antiga, que algumas empresas transformavem em cabine dupla. Por que ela podia rodar com motor diesel?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eram da mesma época da Kombi Diesel, anos 80; também era comum encontrar Veraneios convertidas p/ diesel. Só não me perguntem como esses carros passavam nas vistorias do Detran...

      Excluir
  27. Tb já dirigi as versoes adventure da strada, palio weekend e idea, e posso afirmar que a suspensao elevada desses veiculos é muito boa, fazendo toda a diferença em estradas pessimas. Quanto a FIAT, minha bronca é a teimosia em nao promover a strada e weekend para a plataforma do novo palio, aí teriamos uma bela s.w. e uma mais espaçosa picape pequena cab dupla. Talvez assim, ficaria mais logica ter essa cab dupla, com mais espaço que seria ganho na parte tras com a implantaçao da base do novo palio. Tah marcando bobeira a FIAT...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que a Strada baseada no novo Palio já deve estar em desenvolvimento. Essa nova caçamba acho que já indicativa disso, lembrando que a nova Fiorino usa a parte de trás da plataforma da Strada com a parte da frente do novo Uno, que é a mesma do Palio. Ou seja, pra colocar a frente do novo Palio na nova Strada é um pulo.
      Quanto à perua, sonho, acho que infelizmente em vão, com uma Gran Siena Weekend. Ficaria linda e conhecendo o sedan, um ótimo carro. Vamos fazer uma campanha para a Fiat lança-la?

      Excluir
  28. Estava lendo a respeito desse lançamento em outro site e um forista comentou que a empresa onde trabalha (construtora) comprou algumas Working cabine dupla pras equipes usarem em seus trabalhos... caiu como uma luva, leva gente e os equipamentos do dia-a-dia.

    Essa terceira porta é a "desculpa" ideal pro chefe de família que sempre sonhou em ter uma pick-up mas se sentia impedido, fosse por não querer as grandes ou por ter família... prevejo gente fazendo TED pra conta da concessionária feliz e contente.

    ResponderExcluir
  29. Bob Sharp, gosto muito das suas postagens e considero você uma verdadeira luz para a cultura automotiva no Brasil (pobre e pouco instruída).

    Fantástica a matéria, pois trata de uma questão muito pouco trabalhada pelas montadoras: veículos 2 + 2, no caso, leia-se: CAMINHONETES CABINE ESTENDIDA.

    Entre as cabines duplas (que de modo geral acomodam mal os passageiros do banco traseiro e que raramente é utilizado, e com grande perda de espaço na caçamba) e as cabines simples (cuja cabine minuscula e claustrofóbica impede se levar até uma moringa de água), existem as cabines estendidas, não só na linha das pequenas como a Fiat Strada, mas na linha média na família Ranger, S10, Hilux... Que são simplesmente perfeitas!

    Sou proprietário de duas Ranger ano 2000, diesel e 4x4, uma cabine dupla e outra estendida (nome comercial Super Cab) e adoro a cabine estendida, pois apresenta a possibilidade de uma caçamba de tamanho adequado para o transporte de uma motocicleta, de um quadriciclo, móveis ou qualquer outro objeto volumoso; com a interessantíssima opção de levar na hora da necessidade e em curto trajeto mais dois ocupantes (+ 2) ou uma moringa de água, mala e outras coisas sem aperto, chuva ou poeira. Risos.

    A Ranger Super Cab é um carro inteligentíssimo e que eu simplesmente adoro! Possui as portinhas traseiras suicidas tal qual informado na reportagem e o conceito 2 + 2. E acerca das portas suicidas, informo como condutor e proprietário, que todas as opiniões pre-conceituosas a respeito das mesmas não procedem, pois não perdem a regulagem, não fazem barulho e nem permitem a entrada de água ou poeira como dizem. E olha que uso a caminhonete Super Cab há 13 anos na fazendo com muitos quilômetros de estradas de terra sujas e esburacadas.

    No Ano em que referida caminhonete saiu de linha (salvo engano 2002), assim que tive notícia de que seria descontinuada, procurei nos revendedores Ford atras de uma 0km para trocar a minha Super Cab usada e após uma maratona telefônica, chequei a conclusão que a Ranger Super Cab era um veículo com ampla aceitação no mercado nacional e por mais de uma vez obtive a informação de sempre teve fila de espera, ao passo que as cabines duplas muitas vezes aguardavam um pouco mais para serem vendidas. Ou seja, cabine estendida nunca esquentou chão de loja!

    A propósito, no caso da Ford Ranger, o mesmo chassis era utilizado nas versões CD e Super Cab, ao passo que a cabine simples possui chassis mais curto.

    Porque a Chevrolet e a Ford não voltam a disponibilizar cabines estendidas no nosso mercado? Porque a toyota nunca disponibilizou a Hilux cabine estendia no Brasil?

    Gostaria de saber o que você pensa ou sabe sobre o assunto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estranho isso Sergio. Não faz sentido uma empresa tirar de linha uma versão que vende para deixar uma que vende menos, mesmo que essa gere mais lucro por unidade.
      Pelo que me lembro, as cabines estendidas realmente não eram comuns de se ver na rua quando eram fabricadas, tanto a Ranger como a S-10 e a F-1000. A única que me lembro de ver bastante era a Dakota.
      Mas divido com você o gosto pelas cabines estendidas, que acho as mais praticas e bonitas versões de picapes.

      Excluir
    2. Estranho mesmo, concordo contigo! Mas a surpresa não foi só minha, pois os gerentes de revenda Ford que contatei na época também ficaram surpresos e ao ligar para o 0800 da Ford no ano de 2002, a atendente disse não sabia explicar porque um produto com fila de espera havia sido descontinuado... Por tal razão é que gostaria de saber do nosso Guru Bob Sharp o porquê de tal situação, pois certamente existe alguma história a respeito... Bob Sharp, cade você?

      Excluir
  30. O travamento dos fechos da porta única traseira tem grandes chances de se tornarem com o tempo fontes de ruídos ao rodar em trajetos irregulares, concordam? Mais uma peça para fazer barulho....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo
      Discordo, é apenas uma presunção sua. Procure ver como é preciso o fechamento.

      Excluir
    2. Mais um para arranjar defeito onde não existe...

      Excluir
  31. Paulo Vanderlei Lisboa21/10/13 15:42

    Quais explicações para o Fiat Strada vir nessa vantagem absoluta de liderança em vendas no seu segmento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas versões, baratas, intermediárias e top, 3 tipos de caçamba, 3 motores, robustez, boa liquidez...

      Excluir
  32. Não gostei do fato de terem aumentado a altura da caçamba. As pick ups atuais já tem as caçambas muito altas e longas, atrapalhando muito a visibilidade traseira. A da Strada CD atual já não era das melhores, embora muito melhor que a da Montana original, agora deve ter piorado.
    Sinto falta das picapes mais curtas e com caçambas mais baixas, como as primeiras fiorinos derivadas do Uno e da pick up corsa. As atuais aumentaram demais de tamanho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma plataforma que sempre me faz imaginar como ficaria uma versão pick-up é a base do Fit. Já que o tanque de gasolina vai para debaixo dos bancos dianteiros, isso por si só permite uma plataforma de carga bem baixa. Logo, uma picapinha derivada dele acabaria ficando extremamente interessante porque em tese poderia conciliar grande volume, paredes baixas e alta facilidade de embarque de cargas.

      Excluir
    2. Pode ser. Mas certamente ficaria muito esquisita, a forma da frente do Fit não combina com formato de pick-up. Feia mas eficiente.
      Talvez ficasse bom como um furgão, tipo a fiorino

      Excluir
  33. Não foi apenas o parachoque e rack do teto da working, a traseira e a terceira porta de novidade significativa na Strada.

    Nenhum autoentusiasta percebeu as portas e paralamas?

    Antes eram os mesmo do palio fire antigo, agora tem os mesmos vincos do palio adventure e palio 2 portas de mesma geração. Esse vinco se estende até a carroceia, acabando de encontro com a lanterna (que tem formato parecido a lanterna do palio adventure, excluindo-se a outra metade que fica na tampa do porta malas).

    Os plásticos também mudaram, espero que tenham mudado também em qualidade!!!!

    Pois as Stradas apartir do modelo 2009 trekking e adventure desbotam com facilidade pelo sol. Dando um aspecto de velho a veículos com 2 anos de uso.

    ResponderExcluir
  34. Eu ainda gostaria de ver um teste de impacto lateral.

    ResponderExcluir
  35. Poderiam liberar a cor Branco Calahari...

    ResponderExcluir
  36. Quais acessórios Mopar, além de central multimidea e extensor de caçamba?

    Tem alguma coisa interessante para o desempenho do carro?

    Tem como disponibilizar a lista de acessórios Mopar disponíveis Sr. Bob?

    ResponderExcluir
  37. Bob, a versão 1.8 16v também aparece no Conpet:


    Strada CD 1.6 16v

    Alc/Cid 7,4 km/l
    Alc/Estr - 8,7 km/l
    Gas/Cid - 10,6 km/l
    Gas/Est - 12,1 km/l

    Strada CD 1.8 16v

    Alc/Cid - 6,7 km/l
    Alc/Estr - 7,5 km/l
    Gas/Cid - 9,8 km/l
    Gas/Est - 10,8 km/l


    Eu gostaria de saber em relação ao desempenho das duas. Existe muita diferença?O consumo maior compensa com melhor desempenho? Pretendo comprar um Stradinha, e fiquei em dúvida entre a 1.6 e 1.8.

    ResponderExcluir
  38. Maurício Carvalho
    Você está acessando o Conpet em que endereço? No que eu acesso e acabei de confirmar não tem 1,8-l, só 1,4 e 1,6., http://pbeveicular.petrobras.com.br/TabelaConsumo.aspx / Pelos dados oficiais, hipótese mais potente (álcool), o 0 a 100 km/h de Trekking CD 1,6 é feito em 9,7 s, enquanto a Adventure 1,75 leva 0,6 s mais. A velocidade máxima é 178 e 179 km/h. Portanto, a Trekking parece mais atraente, embora não tenha os pneus 205/55R16, só 175/70R14, mas pode vir com rodas de alumínio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob, o endereço é esse mesmo e para mim, aparece:

      1.8-16v
      1.4-8v
      1.6-16v

      Mandei no seu e-mail o print da tela.

      Os dados de fábrica, parecem mais interessantes na 1.6 16v. Mas eu gostaria de saber "no uso" (como dito no AE), se o motor menor anda junto tão bem quanto o irmão maior.

      Já vi relatos que o 1.8 é bem melhor que o 1.6 em baixos giros.

      Excluir
    2. Maurício Carvalho
      Coisa de doido. Você está de smartphone ou PC/laptop/tablet? Será que você não está com o cache cheio? Até experimentei abrir no Chrome (uso Firefox) e, mesma coisa, não tem o motor 1,8. / No dia só andei na 1,8, mas tenho 99% de certeza de que a 1,6 "no uso" vai tão bem quanto a 1.8, e consome menos. Fora que o motor é o mesmo, diferindo só na cilindrada. A menos que você vá levar carga regularmente, a 1,6 sobra.

      Excluir
    3. Bob, uso o PC. Testei em dois computadores aqui em casa, e todos mostram os dados do motor 1.8 também. Enviei no seu e-mail o print.

      Aproveite e veja os níveis de emissões do motor 1.8 também

      Excluir
    4. Tentem Ctrl+F5 (força o não uso de cache) e vejam se muda.

      Excluir
  39. E os acessórios Mopar tem no site Fiat quais são ?

    ResponderExcluir
  40. Meu caro Robert: Porque não 4 portas de uma vez.
    Abraço. Marco de Yparraguirre

    ResponderExcluir
  41. Marco
    Poderia, pus até foto de um Fiat de 1948 quatro-portas sem coluna, mas nesse caso da Strada acredito ter sido questão de custo. Mas se fossem quatro não teríamos o belo comercial de tevê, "1, 2, 3..."...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você e sua velha classe de responder perguntas dificeis...

      Excluir
    2. Essa música do comercial da Strada gruda na cabeça de uma forma impressionante... vira e mexe eu me pego cantando "ja-po-nês, um passinho pra trás!"

      Excluir
  42. AFINAL ONDE ENCONTRAR A TAL DE 3 PORTAS, A CONCESSIONARIA SINAL ESTÁ ACEITANDO RESERVAS SEM TER O CARRO PARA FEVEREIRO DE 2014

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não temos a menor idéia. Contate a Fiat.

      Excluir
  43. Bob,

    Os bancos dianteiros são basculantes como os carros com duas portas?

    Eu faço essa pergunta, porque se ocorrer um acidente travando essa terceira porta, como sairão os ocupantes da parte de trás?

    Que tal avisar a Fiat sobre esse detalhe?

    É melhor prevenir que remediar e ter que pagar vultuosas indenizações em caso de acidentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CCN 1410
      Sim, ambos os bancos dianteiros são basculantes e com memória mecânica, sistema chamado pela Fiat de Easy Entry, como na cabine dupla duas-portas.

      Excluir
  44. Porque até agora a Fiat não mudou a posição das saidas do ar condicionado,muito baixa.
    Pouco refrigera os da frente e quase nada os de trás (passageiros)

    ResponderExcluir
  45. Bob, a nova Fiat Strada Adventure não veio com opcional de TETO SOLAR...você tem alguma informação se a Fiat vai disponibilizar novamente o referido opicional? ainda não comprei a nova strada adv, por estar na expectativa do TETO SOLAR...

    ResponderExcluir
  46. Aloizio,
    Não tenho essa informação, mas vou tentar obtê-la. Como você, considero o teto solar equipamento essencial em qualquer carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob, nenhuma noticia em relação ao teto solar? Obrigado

      Excluir
  47. O carro realmente não é ruim! A pick up, tem uma boa estabilidade, foi a opção de aquisição de meu pai a meu contragosto, tendo em vista a péssima relação custoxbeneficio, o preço é absurdo para a categoria em que se encontra a picape. foram pagos 55 mil, em um veiculo que pelo material utilizado, acabamentos e tecnologia, vale no máximo uns 35!! Não venham dizer que são cargas tributarias, pois não é só isso não!! As montadoras se aproveitam dessa desculpa para superfaturar os produtos!! É um bom carro mas o valor é irreal!!!

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...