16 de fevereiro de 2009

DEZ MELHORES (E RAROS) CHEVETTES DE 4 CILINDROS




O Bob e o JJ que abriram a caixa de Pandora. Reclamem com eles. Não vou ser eu a fechá-la.

Esta primeira lista é para quem acredita que Chevette deve ter apenas 4 cil. em linha para ficar mais fiel a seu desenho inicial. Aguardem que outras virão.

1) Chevette-Lotus do Luiz Dränger
Leia o post do Bob sobre ele aqui. Nada mais precisa ser dito. Um Chevette brasileiro com participação direta de Colin Chapman.

2) Chevette Silpo Bialbero




Conversão do motor de Chevette para DOHC nos anos 80, idealizado e fabricado por Silvano Pozzi. Provavelmente o mais raro de todos, e sobre o qual se sabe muito pouco. Duplo comando de válvulas, 1.600 cm³ e dois Weber duplos. Pozzi, de ascendencia italiana, chamou-o de Bialbero como na Itália (bialbero a came in testa). Recentemente um apareceu a venda, com "body-kit" Envemo, o mesmo carro que foi capa da revista "Oficina Mecânica" em 1987.

Belíssimo ver um comando DOHC flanqueado por dois Weber duplos em cima de um bloco de Chevette, com os evocativos nomes "SILPO" e "BIALBERO" gravados nas tampas de válvulas.
Incrível e raríssimo casamento das virtudes do Chevette com o bravo espírito italiano, que acredito ornar perfeitamente o carrinho.



3) Opel Kadett Aero/ Envemo Targa



Chevette aerado. A Envemo vendeu sua versão aqui quase sempre com motores mexidos. Nunca vi nenhum sobrevivente!

4) Avallone MG TF Réplica

Um carro esporte tradicional, belíssimo, mas que por baixo é um Chevette. Comportamento de carro esporte num carro esporte, ao contrário do MG TD que era feito pela Lafer na mesma época, com mecânica da rumbeira frenética de Brasilia. Era oferecido com motores 4-cilindros de Opala e Monza também, mas não é claro quantos foram feitos, nem com que motores. Algum leitor sabe?

Outra jóia raríssima cobiçada pelos que sofrem de chevetisse em estágio agudo.

5) Chevette-Maverick Turbo

O Eng. Aldo dos Santos fez alguns deles nos anos 80, usando motor Ford OHC 2,3 litros de Maverick (e F-1000, Jeep etc.), turbo, com um esmero técnico ausente nas conversões "modernas". O ferramental da flange que unia o motor ao câmbio custou um Chevette zero, dizia a reportagem da "Oficina Mecânica" de 1987.


6) Isuzu Piazza/Impulse Turbo



Giugiaro foi contratado em 1979 para fazer um cupê-conceito em cima do Isuzu Gemini, que era nada mais nada menos que a versão japonesa de nosso Chevette.

O sucesso do belíssimo cupê, mostrado pela primeira vez no Salão de Tóquio de 1979, fez com que a Isuzu corresse para produzí-lo em série. O resultante Isuzu foi provavelmente a melhor encarnação do Chevette produzido em série. Principalmente na versão 2.0 turbo de 1988 em diante, com a suspensão acertada pela Lotus. Foi produzido e exportado para os EUA e Europa até 1989.

Mais um aninho e poderia ter sido importado para o Brasil, para encontrar seu primo dos trópicos ainda em produção e altas vendas.

7) Isuzu Gemini ZZ/R



Versão do Chevette japonês dos anos 80, motor Isuzu G180W, DOHC 1,8 litro com injeção, 137 cv. Não confundir com o Holden Gemini ZZ/Z da Austrália, que apesar de ser o mesmo carro com nome parecido, carregava o 1,6 litro Isuzu OHC das versões mais simples.


8) Vauxhall Chevette HSR 2300



O Chevette inglês tinha motores ainda mais anêmicos que os de outros países, mas em compensação houve este aqui. Inicialmente lançado como o HS , esta homologação especial para rali era equipado com um motor desenvolvido para competições, baseado no bloco 2,3-litros Vauxhall, mas com cabeçote DOHC 16 válvulas. Apesar de ser um dragão cuspidor de fogo em ralis (com algo entre 240 a 280 cv), inicialmente a versão de rua era estrangulada pela substituição dos dois Weber duplos (ou injeção mecânica Lucas) por dois Strombergs e "apenas" 137 cv. Os compradores logo aprendiam que bastava restaurar os Webers e usar escapamento menos restritivo para rodar com algo próximo de 180 cv. O resultado é que um HS original, já rarísimo (300 unidades produzidas de 1976 a 1979), é quase impossível de se achar totalmente original, ainda com Strombergs.

Mas ainda mais raro é o carro que vocês podem ver acima, novinho da silva no pátio da Vauxhall em Luton. Do HSR foram feitos apenas 30 unidades, praticamente prontas para competição, com 243 cv do "2300" e para-lamas alargados. E quase todos foram perdidos em épicas batalhas mundo afora, de Monte Carlo ao Quênia. May them all rest in peace.


9) Opel Kadett GT-E Fastback



Um Chevette "tubarão" fastback, com um motor OHC injetado de dois litros, 126 cv e mais de 200 km/h. O motor é praticamente o 3-litros do Omega com dois cilindros faltando.

Outra homologação para rali, anterior ao HS, mas produzido em muito maior escala. Uma ferramenta muito eficaz para seu fim, como atesta nosso amigo Röhl na foto acima.



10) Chevette da Equipe Touring de Rali, 1984


Campeão Brasileiro de Rali de 1984, foi desenvolvido com ajuda da GM. Apêndices aerodinâmicos efetivos, estrutura reforçada, suspensão melhorada e um motor Chevette com cabeçote de Monza e 125 cv. Ver fotos de Sady Bordin Filho (acima) fazendo powerslides na terra mexeu de forma grave com minha jovem mente. Chevettes e ralis de velocidade foram feitos um para o outro. Será que algum sobreviveu?

Por que nós não fomos presenteados com uma versão "de rua" produzida em pequena escala, como os alemães e ingleses? A gente sempre parece ficar só com o osso para roer...

MAO


(Atualizado em 28/02/09, foto do Chevette da Equipe Touring de Rali mais acima)

25 comentários:

  1. Marco Antônio,
    Minha única derrota em cinco anos administrando competições na Volkswagen foi o Campeonato Brasileiro de Rali de 1984 mencionado. O binômio Chevette-Sady Bordin era imbatível. Tivesse a GM continuado o empenho tanto no Campeonato Brasileiro de Rali quanto no Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos, a VW certamente teria mais dificuldade. A fábrica de São Caetano do Sul só participou em 1984. Vale lembrar que no Marcas Ingo Hoffmann, com esse Chevette, era um destaque, tendo feito diversas poles. O problema era o sistema de eixo traseiro com tubo de torque, que abria o bico cedo. Enquanto não quebrasse o Ingo andava na frente.

    ResponderExcluir
  2. Se tivesse que escolher um seria o Avalone. Não tem fotos?

    ResponderExcluir
  3. Marlos Dantas16/02/09 14:04

    O meu preferido é o GT-E Fastback, porém, não conhecia esse do Giugiaro. Fantástico!
    Pena que a GMB não fez nada pra tornar os GPI e GPII verdadeiros esportivos...

    ResponderExcluir
  4. Senhores, podemos parar de falar do Chevette... Já tinha desistido de comprar uma tranqueira dessas, colocar o GM 2.2 do Vectra no cofre e, quem sabe, até colocar uma "turbininha" só para brincar de drift em dia de asfalto molhado...

    Agora, vêm vocês e escrevem essas maravilhas sobre o carrinho... Já me peguei olhando anúncio de chevette...

    ResponderExcluir
  5. Coisa linda esse Chevette Silpo. Mas olhem só a brutalidade que um amigo de BH fez em seu Chevette Junior. Muito bacana e bem feito. O link esta abaixo. Passem até a fase 4 e vejam o bicho que virou:

    http://www.turbocar.com.br/projetos/chevete/chevete.htm


    Abraços

    Lucas

    ResponderExcluir
  6. MA,
    Belo texto, esclarecedor. Carros com tração traseira fazem falta no mercado hoje.
    Abr
    Luiz

    ResponderExcluir
  7. Espero que mais pessoas continuem abrindo caixinhas de Pandora como a do Chevette! Excelente coletânea de Chevettes.

    ResponderExcluir
  8. Lucas, impressionante o Junior do seu amigo!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Mao,

    Excelente, agora faça uma com os 10melhores chevettes não 4 cilindros que vc conhece...tou curioso, hahhaha

    ResponderExcluir
  10. Paulo, o caboclo do Chevette é ralmente genial.Veja só: quando o checi, em 93, o Junior já era Chepala. Até aí, nda demais. Só que tinha a EFI monoponto do Monza e funcionava redondinho, redondinho. Logo depois recebeu o ap 2.0 também injetado, mas com turbo. O bicho já tava bruto. mais um tempo e virou chevectra 2.2 16 v. Não sei porque não deu certo. Mas o fato é que o Junior virou Senior com o 2.0 16v turbo. Muita potencia e sem quebras.

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  11. 5) Chevette-Maverick Turbo

    Dizem os entendidos em Chevette como o Evandro Lima( Revista Autopower e hoje preparador- Venon Automotive) que a preparação Chevette com motor 4 cilindros do Maverick com miolo original mais Turbo, era imbatível no quesito gasto monetário/potência produzida/equilíbrio. Esses Chevettes faziam 400 metros em fáceis 13 segundos.

    Sobre a dupla que pilotava o misto-quente do Rali 1984Sady/Tuca, imagino só como se divertiam ao ver pilotassos como o Lemos ouvindo o Bob no rádio 2m de bordo avisar " aí molecada o Chevetinho sumiu... "

    ResponderExcluir
  12. Meu tio tem um Kadett Aero Chevette semi-conversível da Envemo. Igualzinho da foto acima. Atualmente está sendo reformado.
    Diz meu tio, que a Envemo só fabricou 2 desses no Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  13. Tinha um Avallone a venda em maio/2009, em Las Vegas, nos Estados Unidos...

    ResponderExcluir
  14. Só faltou o lindo e classico Hatch S/R

    ResponderExcluir
  15. opa, é incrivel poder saber um pouco mais sobre esse carro que eu sempre gostei muito... parabéns MAO, agora falando do Chevette de Ralli, encontrei um video no Youtube dele...
    http://www.youtube.com/watch?v=OiuojHpidPI
    espero que gostem, pois eu gostei muito...
    abraços

    ResponderExcluir
  16. bom post parabens pelo assunto

    ResponderExcluir
  17. O meu Chevette preferido é o modelo brasileiro fabricado de 1978 a 1982. Adoro o desenho dele, com aquela frente de Pontiac Trans Am (apesar de as publicações da época dizerem que a frente não combinava com a traseiro do modelo tubarão). Um dia quero ter um desses, de preferência na cor azul-danúbio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho um 1978 azul danúbio. Está encalhado aqui em um canto do pátio. Ele nunca foi batido e não apresenta nenhuma ruptura em nenhuma parte do monobloco. Falta só tempo e coragem para iniciar a restauração, ja que estou reformando um 1975 há mais de um ano.

      Excluir
    2. Espero que um dia você possa restaurá-lo. Se eu tivesse grana, eu queria comprar um e restaurar...

      Excluir
  18. Faltou tambem o Chevette V-8 que o Alexandre Garcia fala !

    ResponderExcluir
  19. Caramba, conhecimento é tudo! Obrigado por adicionar mais conteúdo aos meus parcos conhecimentos automotivos. Sem saber, já era fã da marca Isuzu e, entre alguns dos meus carros favoritos no simulador "Gran Turismo 5" está os Isuzu 117 1969 e o Isuzu Piazza/Impulse Turbo. Sei que simuladores não são pauta deste site, mas fica registrada minha simpatia e esse adicional sobre a questão Chevette/Kadett com o Isuzu Piazza/Impulse Turbo.

    ResponderExcluir
  20. Interessante seria postar sobre o Vauxhall Chevette Black Magic tb

    http://hatchheaven.com/archives/2416

    ResponderExcluir
  21. Aliás, adoraria uma cópia adaptada desses kits aerodinâmicos para colocar nos chevettes, marajós e Chevy 500 nossas, seria bem interessante...

    Bruno Consolino

    ResponderExcluir
  22. Ver Chevette na frente de carro gringo é impagável :

    http://www.youtube.com/watch?v=Vte_-w80fYU

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...