20 de maio de 2009

UM ACIDENTE MUITO GRAVE

Foto Gazeta Online

Gostaria de comentar o grave acidente que comoveu e ao mesmo tempo gerou revolta no país, no qual dois jovens perderam a vida e o motorista do outro carro, um deputado estadual, feriu-se gravemente.
Pelo que li e vi, o carro do parlamentar, uma VW Variant, seguia muito rápido por uma avenida de Curitiba, muito acima do limite, que deve ser de, no máximo, 70 km/h. Na sua frente surgiu um Honda Fit, saído de uma transversal, acabando por colhê-lo pela traseira.
O que se pode depreender, sem medo de errar, é que o motorista do Fit não viu que havia um carro se aproximando velozmente. Por que não viu? Ou não olhou, ou teve a visibilidade prejudicada pelos vidros com película escuredora, facilmente notada num vídeo que circula pela internet e que permite afirmar que era de transparência muito baixa, G5, eu diria.
Mas suponhamos que tenha visto a Variant: por estar muito mais rápida do que seria normal se esperar, o seu julgamento falhou -- tinha mesmo que falhar. É essa a razão de nas zonas de trevos rodoviários a velocidade regulamentar baixar drasticamente, de 100 ou 110 km/h para 60 km/h. Só com velocidade baixa pode-se calcular, com segurança, a distância para o tráfego que está vindo e saber se dá ou não tempo de cruzar a estrada.
Na minha visão, não foi o fato de o deputado estar alcoolizado que contribuiu para o acidente. Alcoolizado, diga-se, pela lei brasileira, porque com 0,78 grama de álcool por litro de sangue pode-se dirigir em países como Estados Unidos, Inglaterra e vários outros, cujo limite de alcoolemia é 0,8 grama por litro de sangue. Para comparação, no Brasil pré-lei seca era 0,6 e agora é 0,2 (na realidade a lei diz zero, mas criou-se uma tolerância legal). Portanto, o motorista da Variant não pode ser considerado bêbado à luz da razão.
Em que ele errou flagrantemente, isso sim, foi andar em velocidade incompatível com a segurança e com o bom senso e, claro, excedendo o limite da via.
De tudo o que aconteceu naquela madrugada de 7 de maio em Curitiba, ficam duas lições. Uma, não se deve nunca andar em alta velocidade na cidade e nas estradas que tenham acessos de vias transversais, independentemente do limite de velocidade estabelecido (pode-se estar com muita pressa, por qualquer motivo).
Outra, não se pode menosprezar a visibilidade plena pelos vidros de comando em nome da segurança pessoal ou mesmo do visual do veículo.
Pelo que já experimentei de carros "filmados", minha intuição diz que se o Fit não tivesse vidros escurecidos, talvez seu motorista percebesse a Variant chegando.
Eu disse talvez.
BS

76 comentários:

  1. O pior é que vejo com uma certa frequencia motoristas trafegando em altas velocidades por toda parte, seja de dia ou de noite. Próximo ao prédio onde moro, há um cabeça de vento que anda com uma moto de motor 2 tempos a velocidades absurdas. Basta que um carro cruze a rua por onde o nó cego vem para termos um acidente semelhante.

    Não me entra na cabeça o que leva alguém agir assim. A primeira pessoa em risco é si próprio. Nem mesmo o instinto de sobrevivência "funciona" para esses. Talvez considerem dirigir bem andar a velocidades insanas em qualquer parte.

    O caso das películas escurecedoras também é lamentável. Já dirigi certa vez uma van com a dita cuja no parabrisa, do tipo G50 e à noite. É horrível, não se tem plena visão da via, o que me incomoda bastante.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei extremamente decepcionado com o comentário postado por Bob Sharp. Impressionante como vítimas ficam sendo culpadas ou causadoras de acidentes.
    Esse comentário faz parecer que a película escura não permitida foi a causadora do acidente.
    O ecesso de velocidade, fala-se em quase 190 km/h, o hálito etílico, as 4 garrafas de vinho e as tentativas de se ocultar e mascarar provas e o fato de ser parlamentar, torna o a vítima, o coitadinho que esta desfigurado no hospital.
    Decepcionante.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Pedro,
    Não é nada disso. Se há um culpado pelas mortes, é o deputado, disso não pode haver nenhuma dúvida. Apenas questiono se o rapaz do Fit nào teria avistado a Variant em razão dos vidros escuros. Ele e o colega são inquestionavelmente as vítimas.

    ResponderExcluir
  5. Foi cena de guerra.

    Eram mais de 50 metros por segundo, o Fit foi atingido por um míssel (em forma de Passat Variant)

    ResponderExcluir
  6. Quanto às películas, eu as uso em um dos carros( as 70 %,que mais o vidro , perfaçam uns 50 % totais,na lateral e atrás) e realmente elas , principalmente à noite, tiram enormemente o julgamento da velocidade de um carro em aproximação transversal.

    Portanto tenho cuidado redobrado em trevos ou cruzamentos, quando em direção noturna nesse carro , que é o único aqui com película,infelizmente necessária nessa unidade.

    ResponderExcluir
  7. Cristiane,
    Eu soube do trauma de decapitação, só não comentei para não tocar num ponto extremamente brutal e trágico. Parece que a velocidade era 150 km/h, mas mesmo assim alta demais para a situação. Por outro lado, como eu disse, o nível alcoólico do deputado era inferior ao permitido nos EUA e na Inglaterra. Ele não estava bêbado no sentido estrito, o que é uma agravante, pois ele tinha consciência do que estava fazendo, dirigir em velocidade absurda numa avenida. Quanto aos vidros escurecidos, já dirigi muitos carros assim e afeta a visibilidade, por mais que você ache que não. É exatamente por isso que há um limite legal de escurecimento. Se você tem Insulfilm no seu carro, lamento por você.

    ResponderExcluir
  8. BOB SHARP...

    Infelizmente o senhor não entende de graduação alcolica MÁXIMA...
    Ele estava com 7,8 e não 0,78 como o sr diz... e nos Estados Unidos não se pode dirigir com um nível de álcool igual ou superior a 0,08%. O DEPUTADO estava com 7,8 depois de ingerir 4 garrafas de vinho no restaurante onde foi jantar.
    Isso foi depoimento dos garçons anexado ao processo.
    Por isso falo com absoluta certeza, não estou falando lorotas.
    E quanto ao escurecimento dos vidros do meu carro... Felizmente isso só diz respeito a mim...

    ResponderExcluir
  9. Ele estava com 0,78 no sangue colhido

    Com 7,8 provavelmente ele estaria em coma alcoolico.

    ResponderExcluir
  10. Pessoal dirige igual cabeça de vento, não presta atenção em nada; anda ofuscado por películas; semáforo da o verde e pé na tábua, usam lanternas e faróis de neblina ao invés dos baixos, e ainda acham que faróis é só pra iluminar o caminho; não sabem usar os espelhos; não pestam atenção ao rdor constantemente.

    Quando acontece uma coisa dessas, ao invés do pessoal rever sua postura defensiva como motorista, procura ficar contente e aliviado com a culpa alheia, e ficar no jargão "acidentes acontecem".

    ResponderExcluir
  11. O que entendo o que Bob Sharp disse (e concordo) é que, em certos acidentes de trânsito, vários fatores "facilitam" a ocorrência da tragédia. Assim como na aviação é preciso que muita coisa errada aconteça para que haja um acidente.

    Aliás há no Brasil uma cultura de que acidentes acontecem, como se fosse vontade divina. Claro que neste caso específico estão claros os erros e a culpa do deputado, mas vejo diariamente demonstrações de desrespeito às leis de trânsito à sinalização e ao bom senso que poderiam causar acidentes, mesmo que de pouca gravidade.

    Meu carro não tem películas e já andei de carona à noite em carros com películas até no para-brisa e é impressionante como afeta SIM a visibilidade. Uma amiga comprou recentemente um Ford Ka e já o retirou com películas muito escuras. Ao entrar no carro, mesmo no estacionamento, a sensação que tive foi de claustrofobia.

    ResponderExcluir
  12. Cristiane

    Ninguém aqui quer defender o deputado estadual Carli, em momento algum.

    O que o Bob quis dizer é que PODE SER que a culpa no caso desse acidente seja concorrente das vítimas e não exclusiva do deputado.

    Uma falha de julgamento da vítima que estava guiando o Honda Fit? Talvez... O fato é que o filme reduz drasticamente a visibilidade, motivo pelo qual nenhum de nós dirige durante a noite utilizando óculos de sol.

    O deputado tem um histórico de multas na Av. Monsenhor e nada indica que ele estava bêbado em todas as vezes em que foi multado. É esse o "X" da questão: excesso de velocidade x falta de visibilidade.

    Na minha humilde opinião, o que contribuiu de maneira significativa para o acidente foi o descaso do deputado com a lei (estava guiando com a CNH suspensa) e a falta de ação do Detran-PR nisso.

    Infelizmente estamos no Brasil e o deputado, por se considerar "autoridade", acha que está em um nível acima dos seus eleitores. Ainda que o depoimento da mãe Ana Rita Carli comova (o clássico: "onde foi que nós erramos"), é nítido que existe uma falha na formação moral desse sujeito, pois ele tinha certeza absoluta de que se fosse parado numa blitz policial ele iria apelar para o também clássico "você sabe com quem está falando?". Iria dar uma carteirada como parlamentar do estado e tudo ficaria por isso mesmo.

    O Detran-PR falhou ao não observar o histórico de multas do deputado Carli. No mínimo alguém deveria ter percebido que havia um maníaco que sempre passava em alta velocidade na Av. Monsenhor, mas não, se o Detran-PR for igual o de São Paulo, a única preocupação é com a arrecadação do radar e não com a repressão a infrações de trânsito.

    Ou pior: deputado tem dinheiro para pagar multas e tem influência para corromper funcionários do Detran que num passse de mágica "somem" com a pontuação na CNH de quem pagar um "cafézinho".

    Resumindo: a sociedade inteira tem culpa. Os pais têm culpa por terem colocado esse deputado no mundo e não prezarem por uma educação com um mínimo de cidadania, os eleitores têm culpa por terem colocado uma pessoa irresponsável na assembléia legislativa do Paraná, o Detran tem culpa por não ter tomado nenhuma atitude em relação a CNH do deputado e nós todos temos culpa por aceitar um sistema de radares que só servem como fonte de receita.

    É essa a "moral torta" da qual sempre falo e que fez com que eu perdesse um amigo em Curitiba no último dia 01/05. Infelizmente meu amigo não foi vítima de um deputado, então o caso não tomou a mesma proporção e nada será feito a respeito.

    É preciso que a sociedade inteira faça uma reflexão, antes que mais alguém morra da mesma forma estúpida.

    FB

    - A propósito, toda perua (station wagon) do fabricante alemão Volkswagen recebe a denominação de Variant.

    ResponderExcluir
  13. Cristiane, permita-me discordar.

    Jamais o deputado poderia estar com 7,8g/l de álcool no sangue. Provavelmente estaria morto antes mesmo de entrar no carro.

    1,5g/l já é uma intoxicação grave, 3g/L já causa coma alcóolico e acima de 5g/L causa morte por insuficiência respiratória.

    Se o deputado estivesse dirigindo com 7,8g/l pode apostar que seria alvo de estudos para determinar a "super enzima" que ele tem no fígado e nós não temos.

    FB

    ResponderExcluir
  14. Cristiane,
    7,8 decigramas ou 0,78 grama é a mesma coisa. Sei, sim, o que estou falando. Alcoolemia no mundo todo é expressa em peso por volume, não em porcentagem. No caso do deputado ele estava com 0,78 grama por litro de sangue, abaixo portanto de EUA e Inglaterra, que limitam a alcoolemia para dirigir a 0,8 g por litro de sangue.

    ResponderExcluir
  15. Ignorância, arrogância e falta de respeito.

    Cristiane aponta o dedo na direção do deputado, mas se furta de olhar para ela mesma.

    ResponderExcluir
  16. é lamentavel a atitude de certas pessoas, todos nós sabemos que um homem não fica bêbado ou perde a coordenação motora com 4 garrafas de vinho, mas lei é lei, é claro que a imprudência, aliado a blindagem de um veiculo, e a transgressão da lei (no caso do escurecimento dos vidros, e da ingestâo de bebida alcólica), só poderia acabar nessa tragédia, outro ponto que gostaria de ressaltar, é que quando EU USAVA insulfilm, (e as deixei de usar graças a uma postagem e aos conselhos do Bob Sharp), além de eu ter a visibilidade prejudicada, os vidros embaçavam com muita facilidade, e em cruzamentos, eu SEMPRE baixava o vidro para enxergar, pois o insulfilm prejudica e muito a noção de distância.
    é claro que a culpa deste acidente é totalmente do deputado, mas o que deve ser ressaltado é que TALVEZ poderiam todos estarem vivos, se fossem adotadas atitudes mais racionais em relação ao trânsito

    ResponderExcluir
  17. Cristiane Folly,
    usar insulfim escuro nos vidros não diz respeito apenas a você, e sim a todos os demais motoristas, pois se um dia você não enxergar outro veiculo ou um pedestre e causar um acidente, estará envolvendo mais pessoas, segurança é fundamental em TUDO.
    a LEI serve para proteger, proteger as pessoas delas mesmas e dos outros, peço que reflita melhor as suas atitudes, pois as vezes criticamos os outros, mas não olhamos para nós mesmos.

    ResponderExcluir
  18. O pessoal tem a memória curta e se esquece de outros casos semelhantes.

    Em 1996 o então ministro dos Transportes, Odacir Klein, voltava de um churrasco com o filho Fabrício, 18 anos e recém habilitado.

    Fabrício estava alcoolizado e atropelou o pedreiro Elias Barbosa de Oliveira Júnior. O ministro e o filho fugiram sem prestar socorro e só foram localizados porque testemunhas anotaram a placa do carro.

    No final das contas Fabrício foi condenado a doar uma cesta básica por mês durante dois anos a uma instituição de caridade, mais uma indenização de 70.000 reais à família do pedreiro.

    Dois anos depois, o diplomata Gueorgui Makharadze, da República da Geórgia, dirigia bêbado a 130 quilômetros por hora em Washington quando bateu em um carro parado no semáforo, provocando uma reação em cadeia que atingiu mais quatro carros. Um deles atingiu a estudante brasileira Jovianne Waltrick, de 16 anos, que morreu na hora.

    Makharadze perdeu a imunidade diplomática por pressão do governo americano, foi julgado e condenado a 21 anos de prisão. Saiu do tribunal algemado direto para a prisão.

    Infelizmente é isso: a vida de um brasileiro vale mais no exterior que em seu próprio país.

    ResponderExcluir
  19. O pessoal tem a memória curta e se esquece de outros casos semelhantes.

    Em 1996 o então ministro dos Transportes, Odacir Klein, voltava de um churrasco com o filho Fabrício, 18 anos e recém habilitado.

    Fabrício estava alcoolizado e atropelou o pedreiro Elias Barbosa de Oliveira Júnior. O ministro e o filho fugiram sem prestar socorro e só foram localizados porque testemunhas anotaram a placa do carro.

    No final das contas Fabrício foi condenado a doar uma cesta básica por mês durante dois anos a uma instituição de caridade, mais uma indenização de 70.000 reais à família do pedreiro.

    Dois anos depois, o diplomata Gueorgui Makharadze, da República da Geórgia, dirigia bêbado a 130 quilômetros por hora em Washington quando bateu em um carro parado no semáforo, provocando uma reação em cadeia que atingiu mais quatro carros. Um deles atingiu a estudante brasileira Jovianne Waltrick, de 16 anos, que morreu na hora.

    Makharadze perdeu a imunidade diplomática por pressão do governo americano, foi julgado e condenado a 21 anos de prisão. Saiu do tribunal algemado direto para a prisão.

    Infelizmente é isso: a vida de um brasileiro vale mais no exterior que em seu próprio país.

    ResponderExcluir
  20. e se no lugar do deputado, viesse uma ambulância ou uma viatura da policia?
    ou vocês acham que ambulância e viaturas não ultrapassam o limite máximo de velocidade de uma rodovia?
    seria culpa da viatura da policia? ou da ambulância? ou de quem bateu neles?

    ResponderExcluir
  21. Anônimo,
    Se viesse uma viatura ou uma ambulância, estas estariam com a SIRENE e LUZES ligadas. Pensa um pouco.

    Eu acredito que em uma via onde a velocidade esperada é baixa (60 km/h), o fato de um veículo estar em uma velocidade muito maior, faz com que se perca o cálculo de velocidade. É possível que as películas tenham prejudicado, mas certamente não foi esse o principal motivo.
    Esse tipo de acidente é muito comum com trens, que devido ao seu tamanho, as pessoas perdem os parêmetros de cálculo e acontecem acidentes como atropelamento ou colisão com carros em travessias.

    Esse deputado é sim um assassino e se estivéssemos num país sério aconteceria o que o Bitu disse. Ele bateu em um carro, mas poderia ser um pessoa atravessando a avenida a pé, ou perder o controle e atropelar pessoas em ponto de onibus, etc.

    Uma coisa é tomar uma multa por andar a 70 km/h onde o limite é 60. Outra coisa totalmente diferente é andar a mais de 200% da velocidade do local.

    Lastimável esse fato e mais repugnante ainda porque não temos nenhuma esperança de ver a justiça ser feita.
    Nesse momento as mães estão chorando e vão continuar pro resto de suas vidas. O deputado vai pagar umas cestas básicas, uma indenização irrisória e continuar a levar mais de 30 multas por excesso de velocidade.

    César Dias

    ResponderExcluir
  22. pela minha interpretação, o Bob Sharp ainda foi bem cuidadoso com o texto, para deixar evidente que não foi culpa dos 2 rapazes do Honda Fit pelo acidente, ai vem 2 mulas aqui e falam esse monte de bobagens, é lamentavel como existe gente ignorante por ai... por culpa dessa mesma ignorancia, que acontecem fatalidades como essa

    ResponderExcluir
  23. Cesar,
    e você acha que sirenes e luzinhas no teto do veiculo alteram em alguma coisa a percepção de distância? e acha tambem que as luzes no teto de um veiculo vão alterar a luminosidade no interior de um carro com pelicula escurecedora e o farol de um carro não?
    com os vidros fechados e em um carro com um razoavel isolamento acustico e/ou radio ligado, já fica bem mais dificil de ouvir uma sirene, junte a isso um insulfilm escuro para não perceber as sirenes, e esta feito a bobagem;
    pensa um pouco você.

    ResponderExcluir
  24. Brilhante, Bob, certíssimo.

    Abraço.

    Lucas

    ResponderExcluir
  25. Mario Henrique20/05/09 23:46

    Se o objetivo é ressaltar que películas prejudicam a visão, está correto.
    Que o seu uso é de gosto pessoal e que cada um arque com as consequências disto, ok também.
    Agora, nem com um radar de aviação os pobres poderiam se proteger de um míssil sobre rodas, como era o caso!
    E o vídeo mostra que eles ainda frearam antes de entrar na via, o que muitos nem fazem!
    Que foram atigidos por trás, em altura superior à rodas, o que demonstra que o carro "decolou", tal sua velocidade.
    E que sóbrio ou completamente bêbado, o culpado é o Ilustre Deputado, que ainda poderia estar com as luzes apagadas, para ajudar e aí, só com detector de calor os jovens teriam alguma chance.
    E que muito se fez para camuflar as evidências, como sempre fazem.

    E o nível das discussões está péssimo! Não condiz com o tema tão apaixonante, o Automóvel e suas variantes, nem com a iniciativa louvável de se criar um bBlog sobre eles! Lamentável!

    ResponderExcluir
  26. o pessoal não entende que o Bob Sharp quer educar e orientar as pessoas quanto a utilização indiscriminada de filme escuro nos vidros, quem sabe os 2 rapazes não poderiam ter avistado o carro em alta velocidade e salvo as suas vidas.

    te admiro Bob Sharp, sou teu fã.

    ResponderExcluir
  27. Mario Henrique,
    "Que o seu uso é de gosto pessoal e que cada um arque com as consequências disto, ok também."
    ERRADO amigo, prejudica a visão e pode causar acidentes, a lei esta ai pra isso

    quanto a discussão do Blog, automovel tambem envolve segurança, alias, principalmente segurança, você deveria ter aprendido isso antes de ter tirado a carteira de habilitação, se é que você tem carteira de habilitação

    ResponderExcluir
  28. A Lei, ora a Lei...
    Que se dane tudo!
    A questão maior é a impunidade que reina no Brasil e pronto!
    Vale tudo e o deputado sairá limpo desta, se não tiver alguma complicação maior decorrente do acidente, mas não se preocupem os que torcem por ele, está bem tratado no Albert Einstein, é um bom hospital.
    Um acidente costuma ser a decorrência de uma somatória de fatores, o insulfilme pode ter sido um deles. Sou contrário ao uso desta porcaria – quando comprei meu carro atual quiseram me dar esta droga de brinde, foi incrível ver a incredulidade do vendedor quando eu disse que dou contrário a esta droga, pois TODOS os carros daquela concessionária saem com insulfilme!
    Tirar conclusões de quem viu o que quando, e estimar à distância e depois do ocorrido que dava tempo para impedir o choque com um carro a 190 Km/h parece ser um exercício de diletantismo. O Alexei fez as contas: “Eram mais de 50 metros por segundo, o Fit foi atingido por um míssil (em forma de Passat Variant)”. Para desviar disto tem que ter mais do que um bom reflexo e uma boa visibilidade...
    Talvez fazendo uma pirâmide de decisão, partindo dos fatores conhecido se chegue a uma visão dos possíveis fatores preponderantes que levaram ao sinistro, mas ficarão sempre dúvidas. Temos coisas claras, como excesso de velocidade, dirigir sem habilitação válida, estar alcoolizado (muito ou pouco, bebum aqui e não dos EUA – fato é que estava com álcool -ou coisa pior: drogado?- no sangue tanto faz, no mínimo fora de seu estado normal). Temos também um carro com insulfilm, como estavam os ocupantes? Dirigindo com cautela? De quem era a preferencial? Se fosse possível ter estas respostas teríamos mais fatores para a nossa pirâmide de decisão (Processo Kepner Tregoe de análise de problemas).
    Mas se é para dizer que insulfilme não é uma boa coisa com base neste drama todo é certamente uma coisa bem difícil de “encaixar”...
    O acidente foi simplesmente e dramaticamente lamentável.
    Resumo da ópera: dois mortos, um ferido grave, famílias destroçadas, um brutal crime contra a vida.
    Alexander Gromow

    ResponderExcluir
  29. Tiago Augusto21/05/09 00:01

    Bob, faz 3 semanas que conheci o blog, e tenho curtido...

    Mas esse seu post realmente é muito polêmico, e delicado, pondero. Pelos comentários todos que li, não estão errados em te questionar, mas também concordo com suas ponderações, e você também está correto.

    Foi realmente um acidente horrível. Já perdi amigos em situações similares. Mas também assustou a coragem da família do parlamentar divulgar a foto, talvez por indiretamente dizer que pra eles, também dói. Ele também se machucou muito.

    Mas é fato, ele errou. Concordo que a Variant blindada, em qualquer velocidade acima dos 110 km/h era um míssil, e também concordo com você que o G5 nos vidros prejudica muito. Tenho uma pick-up, com G20, e em inúmeras vezes, sinto dificuldade a noite, mesmo tendo 28 anos.

    A legislação já foi severa com a "Lei Seca". Raramente vejo alguma fiscalização, seja em BH, SP ou Rio, cidades que frequento. Mas sobre os vidros... cá entre nós leitores do blog, algum aqui já foi parado para ser questionado dos vidros escuros? E alguma loja se negou a colocar o G5?

    Enfim, não estou defendendo nem um lado e nem o outro. Acredito que se aconteceu com eles, foi porque estava reservado a ser assim.

    MAS, algo a ser aprendido por quem fica, isso sim precisa acontecer. Beber e dirigir, não funciona. Dirigir em alta velocidade, mesmo sem beber, também não funciona. Os dois juntos então, pior ainda... agora, SE, realmente o carro era G5 nos vidros, será que isso também não poderia ser algo a deixar alguma lição???

    Enfim... mais justo do que julgar e apontar falhas... é tentarmos aprender com o fato. Espero que a intenção (e eu percebi assim) do Bob era essa.

    Vamos seguir em frente.

    ResponderExcluir
  30. Tiago Augusto21/05/09 00:01

    Bob, faz 3 semanas que conheci o blog, e tenho curtido...

    Mas esse seu post realmente é muito polêmico, e delicado, pondero. Pelos comentários todos que li, não estão errados em te questionar, mas também concordo com suas ponderações, e você também está correto.

    Foi realmente um acidente horrível. Já perdi amigos em situações similares. Mas também assustou a coragem da família do parlamentar divulgar a foto, talvez por indiretamente dizer que pra eles, também dói. Ele também se machucou muito.

    Mas é fato, ele errou. Concordo que a Variant blindada, em qualquer velocidade acima dos 110 km/h era um míssil, e também concordo com você que o G5 nos vidros prejudica muito. Tenho uma pick-up, com G20, e em inúmeras vezes, sinto dificuldade a noite, mesmo tendo 28 anos.

    A legislação já foi severa com a "Lei Seca". Raramente vejo alguma fiscalização, seja em BH, SP ou Rio, cidades que frequento. Mas sobre os vidros... cá entre nós leitores do blog, algum aqui já foi parado para ser questionado dos vidros escuros? E alguma loja se negou a colocar o G5?

    Enfim, não estou defendendo nem um lado e nem o outro. Acredito que se aconteceu com eles, foi porque estava reservado a ser assim.

    MAS, algo a ser aprendido por quem fica, isso sim precisa acontecer. Beber e dirigir, não funciona. Dirigir em alta velocidade, mesmo sem beber, também não funciona. Os dois juntos então, pior ainda... agora, SE, realmente o carro era G5 nos vidros, será que isso também não poderia ser algo a deixar alguma lição???

    Enfim... mais justo do que julgar e apontar falhas... é tentarmos aprender com o fato. Espero que a intenção (e eu percebi assim) do Bob era essa.

    Vamos seguir em frente.

    ResponderExcluir
  31. Anônimo,

    O olho humano é voltado para enxergar movimento através de células chamadas cones. Essas informções são transmitidas muito mais rápido ao cérebro do que as imagens estáticas. O fato de ter sirenes e luzes piscando em um veículo de emergência é justamente para isso. Então, faz sim toda a diferença.

    Bob Sharp, eu entendi o recado do seu post. Não acho nem um pouco que você tirou a culpa do deputado e transeferiu aos jovens. É só uma discussão paralela do caso.

    Abraços
    César Dias

    ps: por que o anonimato?

    ResponderExcluir
  32. A Paris...,
    encaixar não é dificil, pois como você mesmo disse e você mesmo deve saber, tudo o que prejudica a visão no trânsito, só atrapalha o mesmo, usar pelicula escura é contra a lei, essa mesma lei que você preza tanto, assim como é contra lei dirigir em alta velocidade, ou alcolizado, ou com imprudência, essa mesma lei que infelizmente é burlada e muitas vezes esquecida, subestimada ou negligênciada em nosso pais,

    um abraço

    ResponderExcluir
  33. Cesar,
    sim, a visão periférica, mas veja bem, visão periférica e não visão de raio-x !!!, de que adianta o olho humano ter todo esse requinte se esta coberto por uma pelicula escura? claro que insulfilm vai atrapalhar de qualquer forma.

    ResponderExcluir
  34. João Carlos21/05/09 00:16

    alguem ai tem o link do video do acidente?

    ResponderExcluir
  35. João Carlos21/05/09 00:19

    o carro éra blindado ainda por cima? que irresponsabilidade hein? imagina o impacto para ter ficado dessa forma, quanto maior o veiculo, maior deve ser a responsabilidade do condutor, infelizmente o que vemos a maior parte das vezes é justamente o contrário...

    ResponderExcluir
  36. Eu insisto na culpa concorrente: nos cruzamentos sinalizados em amarelo intermitente para ambos os lados a sinalização semafórica de advertência determina CAUTELA, devendo haver redução de velocidade E medidas de precaução antes de seguir adiante.

    Nestes casos não há preferência de passagem, pois o cruzamento é sinalizado (não se aplicando a regra da mão direita), e AMBOS devem ser cautelosos. O acidente poderia sim ter sido evitado.

    Também volto a insistir na responsabilidade do Detran-PR: a responsabilidade de quem sinaliza e cria situação duvidosa é OBJETIVA, assim sendo, o Judiciário poderá entender, com base no Art. 1º, § 3º do CTB que os órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito respondem, no âmbito das respectivas competências, objetivamente, por danos causados aos cidadãos em virtude de ação, omissão ou erro na execução e manutenção de programas, projetos e serviços que garantam o exercício do direito do trânsito seguro.

    O bom senso recomenda que não seja adotado o amarelo piscante em cruzamentos que são formados por uma ou mais vias com velocidade SUPERIOR A 50 km/h.

    Salvo engano, o limite de velocidade na Monsenhor Ivo Zanlorenzi é de 60 Km/h.

    ResponderExcluir
  37. essas leis de trânsito me deixam confuso, a preferência é de quem vem pela direita, mas no caso entre uma moto e um carro, a preferência é da moto, pois a preferência é do veiculo menor, mesmo caso das rotatórias, conheço algumas que tem semaforo em um dos seus cruzamentos, e do outro lado desta mesma rotatória não tem semaforo e nem sinalização, a preferencia é de quem vem pela direita, apesar de a lei dizer que a preferência é de quem esta na rotatória, já me disseram que pelo fato de haver uma sinaleira em um dos pontos da rotatória, a lei da rotatória esta "quebrada", por isso a preferência é de quem vem pela direita e não de quem esta na rotatória...
    um verdadeira roleta russa, no final das contas, ninguem sabe de nada e seja o que deus quiser

    ResponderExcluir
  38. Max

    CTB

    Art. 89. A sinalização terá a seguinte ordem de prevalência:

    I - as ordens do agente de trânsito sobre as normas de circulação e outros sinais;

    II - as indicações do semáforo sobre os demais sinais;

    Ou seja, em amarelo piscante não há preferência de passagem, pois o cruzamento é sinalizado e não se aplicando a regra da mão direita.

    FB

    ResponderExcluir
  39. Felipe,
    acho que nesse caso vale a interpretação, a via é sinalizada, mas no momento não esta sinalizada, pois esta piscando amarelo, portanto o que vale seria:

    Art. 29
    III - quando veículos, transitando por fluxos que se cruzem, se aproximarem de local não sinalizado, terá preferência de passagem:
    a) no caso de apenas um fluxo ser proveniente de rodovia, aquele que estiver circulando por ela;
    b) no caso de rotatória, aquele que estiver circulando por ela;
    c) nos demais casos, o que vier pela direita do condutor;

    ResponderExcluir
  40. Max

    Cheguei a pensar nisso, mas pesquisei bastante sobre o amarelo piscante e vi que o entendimento geral é de que não há preferência. Ambos os condutores precisam ter cautela.

    FB

    ResponderExcluir
  41. Todos,
    Eu estava na Califórnia há uns dez anos, época em que apagões eram comuns lá. Vinha por uma avenida larga, dessas que eram originalmente estradas, quando houve um apagão. Imediatamente todos os semáforos entraram em amarelo piscante. A regra nesse caso é parar, como se fosse uma placa Pare. Nunca me esqueci disso. Quando meus filhos começaram a dirigir e a se prepararem para tirar carteira, foi uma das primeira coisas que lhes ensinei: amarelo piscante, considerem como placa Pare. A atitude da maior parte dos motoristas diante do amarelo piscante, que noto, é "Oba, está sem o chato do vermelho", e passam como estivesse em verde.

    ResponderExcluir
  42. Mister Fórmula Finesse21/05/09 08:54

    Entendido o que o Bob quis dizer, não trata-se de uma ponte em sua cruzada contra as películas (aliás muito justa, também não uso vidros filmados), mas sim de um aspecto a mais que envolve um acidente nessas proporções, as causas nunca são apenas uma ou isoladas....

    A questão do nível de alcool no sangue também foi bem abordada, é de se prestar bem mais atenção ao histórico de pontos do rapaz.

    ResponderExcluir
  43. Carlos Galto21/05/09 08:59

    Com o amarelo aceso, o motorista acelera pra passar antes do vermelho...

    O deputado é culpadíssimo, os rapazes deveriam ter parado na via antes de atravessar, deram uma meia trava e podem até ter visto o carro do deputado, o que de nada adiantaria pela velocidade do mesmo.
    Película escura ATRAPALHA SIM, principalmente à noite. Eu tenho 50% de transparência nos vidros de trás e laterais traseiros e 50% nos laterais dianteiros, sem nada no parabrisa. Pego o carro do meu irmão com G5 em tudo e é um lixo pra dirigir, sendo virtualmente impossível à noite ou em manobras de garagem. Mas esse tipo de discussão é a mesma de aparelhos celulares ao volante, enfim... E vão morrendo pessoas por isso.

    ResponderExcluir
  44. agora me digam uma coisa, falaram ai em 190km/h, em um carro blindado e em uma via urbana... esse passat wagon (Variant) tem tanto motor assim para atingir tal velocidade? sinceramente eu estou duvidando um pouco, se for uma velocidade de 150 km/h, cá entre nós, nas fotos parecia ser uma via bem larga, eu mesmo, e varios outros carros, durante a noite usam velocidades mais altas, e não é tão dificil perceber que um carro vem mais ou menos rapido, tem que parar olhar e prestar atenção

    ResponderExcluir
  45. Ubirajara,
    Grato por seu comentário adicional.
    Seus argumentos estão em linha com os meus.
    A questão do "encaixe" foi sobejamente discutida com outras palavras em vários posts deste momentoso item e se resume na maneira de abordar a questão num caso deveras traumático.
    Aliás, além do acrônimo "A Paris" que se refere a um BLOG meu sobre esta cidade, eu assino meus comentários em respeito a este grupo incrível de participantes.
    Saudações
    Alexander Gromow

    ResponderExcluir
  46. Sem entrar no merito da culpa ou estado de embriaguez dos envolvidos neste caso muito grave,o mais importante estamos deixando de lado, que e exatamente a falta civilidade no nosso transito. Este acidente, em particular, ganhou espaco na imprensa pelo deputado envolvido.Mas diariamente temos um quadro muito grave de falta de educacao,treinamento e bom senso no nosso transito, que resulta em muitos mortos,feridos e pessoas que ficam invalidas ou com a qualidade de vida comprometida por acidentes, por vezes, tao graves como esse.Podiamos usar esse caso como exemplo para que nao hajam outros.O que poderia ser uma fatalidade por uma irresponsabilidade de uma pessoa, e um fato cada vez mais corriqueiro e que dia a dia passa a impressionar cada vez menos a populacao. Vamos, entao,absorver a mensagem deste e de muitos outros posts do Bob :vamos dirigir melhor,com mais seguranca e com prazer.Respeitando-se as leis de transito,ja teriamos um transito mais decente e com (bem menos) acidentes.

    ResponderExcluir
  47. A imprensa de um modo geral costuma piorar o que já é ruim e acaba faltanto com o objetivo maior de informar e passa apenas a divulgar ou passar adiante sem muito critério. Aqui em Brasília houve um acidente na saída da ponte JK onde um motorista em alta velocidade atingiu de leve, apenas um "totó" na trazeira de um corola que levava 5 passageiros que trafegava tranquilamente pela faixa da esquerda. O toque a pesar de leve foi suficiente para fazer o motorista do corola, que não esperava por isso, perder o controle do carro que rodou na reta e atingiu um poste com a parte posterior do carro. Os passageiros do banco trazeiro foram arremessados para fora do carro e não sobreviveram ao choque contra o asfalto. Ora nesse caso o motorista tinha indícios de estar alcolizado e até usado cocaína, e portanto nem ao menos parou o carro e seguiu como se estivesse na nascar onde toque entre os carros é tolerado.
    O resultado disso é que o mesmo está preso aguardando julgamento e a ponte é toda monitorada por câmeras que submetem os motoristas ao ridículo limite de velocidade de 60 km/h em uma via extensa de sentido único com 3 faixas de rolamento sem casas ou escolas faixas de pedestres ou cruzamentos nem ao menos possibilidade da travessia de pedestres ou animais. Preferiram ao invés de fazer uma campanha que mostre que se deve trafegar preferencialmente pela direita e que o cinto de segurança no banco trazeiro poderia evitar a morte dos passageiros impedido que os mesmos fossem arremessados para fora do carro reduzindo o caso a apenas danos materiais (o carro quase não sofreu deformação), que o limite da via deve ser respeitado e o exesso de alcool não pode ser tolerado, fazer uma campanha contra aquele motorista infrator como se o simples fato de tirar os imprudentes do trânsito pudesse garantir a segurança de todos contra as casualidades ou falhas humanas. O baixo limite de velocidade no trecho serve apenas para todos se lembrarem das vítimas do acidente seguindo naquele trecho como se estivessem em um cortejo funebre antes de na mesma via poderem acelerar até o limite de velocidade de 80 km/h. Apenas para esse fim, antigamente se colocavam cruzes à beira da estrada mas as câmeras arrecadam.

    ResponderExcluir
  48. Giovanni,
    Comentário perfeito, parabéns.

    ResponderExcluir
  49. Leonardo Amaral21/05/09 12:27

    Bob,
    Concordo plenamente com você sobre as peliculas. Ja as tive instaladas no meu 1º carro, quando tinha 19 anos e as retirei rapidamente, coisa de 2 meses. Hoje com 28 anos moro em SP, numa região muito visada (Paraíso) e não cogito a hipótese de usar essa merda de filme. Acho um absurdo a polícia não autuar pessoas que andar com filme no parabrisa. É simplesmente um absurdo.. a lei não é cumprida. O cara do FIT é a vítima, mas também estava desrespeitando a lei!

    É fato que as peliculas atrapalha sim a visibilidade. Já escutei muitos amigos que usam filme escuros dizer: ahhhh atrapalha sim, mas eu prefiro a segurança ou até mesmo a privacidade dentro do carro...

    E quem quiser usar o filme que use... um dia talvez alguma má experiência os faça mudar de idéia.

    Att,

    ResponderExcluir
  50. Leonardo,
    Essas pessoas que apreciam a privacidade dentro do carro deveriam só sair à rua, a pé, disfarçadas com chapéu, barba/bigode postiço, óculos de sol mesmo de noite...

    ResponderExcluir
  51. Sigmund Freud21/05/09 13:25

    pessoas que usam insulfilm escuro nos vidros, não querem ser vistas pois são muito feias, ou sentem tanta vergonha de si mesmas ou das bobagens que fazem no trânsito, que não querem que os outros as vejam,
    e os que usam o carro para trepar, ah! em pleno século 21? vão procurar um motel, ou vão para casa, perigo de ainda serem assaltados e levarem um tiro na bunda.

    Sigmun Freud

    ResponderExcluir
  52. gostaria de comentar mais um ponto sobre o acidente
    Primeiro: em relação ao relevo do local. A Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi é uma via de 4 faixas com limite de 60km/h. Do último radar de 60km/h até o cruzamento com a Rua Paulo Gorski, são aproximadamente 1500m de pista, sendo que aproximadamente 1000 metros antes do cruzamento, a pista é uma subida com uma leve curva à esquerda. Continuando pela Mons Ivo Zanlorenzi, após o cruzamento, tem-se um forte declive com curva à direita. Ou seja, sobe-se e desce-se "um morro" pela Ivo Zanlorenzi e a Rua Paulo Gorski fica no topo desse morro. No horário da colisão, o semáforo estava piscante. Os rapazes do Honda Fit vinham pela Paulo Gorski e entraram à esquerda, na Ivo Zanlorenzi. Tenho certeza de que não viram o missil do deputado vindo. Pois, no cruzamento, estando na Paulo Gorski e olhando-se no contra-sentido da Ivo Zanlorenzi, não se tem mais do que 200 metros de visão da via.
    muitas vezes já fui surpreendido nesse cruzamento, vc olha, olha, não vem nada, quando vc está no meio do cruzamento, surge aquele farol vindo em sua direção (me lembra muito o Coyote do desenho do Papa-Léguas atravessando a linha do trem)
    Segundo: o boato de que o velocímetro do passat estava travado a 190km/h. Não sei se os velocímetros dos automóveis são construídos de maneira a travar sua posição quando da ocorrência de um acidente. Um velocímetro atual é um motor de passo, acionado por uma sequencia de pulsos elétricos. quando vc retira a alimentação, ele tende a ficar na ultima posição, porém com o acidente, onde o veículo sofre com a ação de forças de "todos os lados", quem pode garantir que durante a pancada o ponteiro ficou parado na ultima leitura? ou quem garante que com o sacolejo ele não se deslocou?

    Pra resumir, com película, sem película, a pé, de moto, de conversível, no embalo que vinha o ilustríssimo deputado, quem fizesse a conversão naquela situação não tinha como evitar o acidente. E o mais triste de tudo, se não houvesse o Honda Fit, o deputado estava na direção de acertar um poste de energia da rua lateral à Ivo Zanlorenzi, ou seja, ele ia se arrebentar sozinho.
    Lamentável....

    ResponderExcluir
  53. mas eu volto a bater na mesma tecla, o carro ainda éra blindado, tem tanta potência e estabilidade assim para passar por aclives e curvas a 190km/h ?

    ResponderExcluir
  54. anonimo, o passat era um modelo novo turbo com 200cv. é possível sim.
    essa via corta uma região que concentra diversos condomínios e prédios de altíssimo padrão. é muito comum, no horário da madrugada, ver diversos veículos BMW, mercedes, audi, até mesmo porsche, realizando rachas nos trechos "entre radar". agora acho que essa "playboyzada" vai colocar a viola no saco por uns tempos....

    ResponderExcluir
  55. esse veiculo da foto éra o Passat Variant, ou éra o fit? se for o Passat Variant, é imposivel imaginar que alguem saiu vivo ali de dentro...

    ResponderExcluir
  56. Mario Henrique21/05/09 14:14

    Ubirajara,
    "quanto a discussão do Blog, automovel tambem envolve segurança, alias, principalmente segurança, você deveria ter aprendido isso antes de ter tirado a carteira de habilitação, se é que você tem carteira de habilitação."

    Eu não devia perder o meu tempo lhe respondendo,até porque não lhe devo satisfação, mas apenas para que os administradores tomem conhecimento:
    Em nenhum momento lhe ataquei pessoalmente e não entendo o motivo de sua fúria.

    Cuidado com o inconsciente coletivo!

    E lembrem-se, não há ANONIMATO pela internet. Somos todos passíveis de punição.

    Melhor exemplo do mau uso deste espaço, impossível! A continuar assim, logo terão que adotar moderação.

    ResponderExcluir
  57. Mario Henrique21/05/09 14:17

    O Prata é o Fit, com a frente para a direita. Tambem custei à identificar.
    O Passat é escuro.
    Tem algumas imagens no portal G1.

    ResponderExcluir
  58. Polara

    Muito obrigado pela descrição do cruzamento fatídico.

    Isso só reforça o que eu digo: o amarelo piscante não deve jamais ser utilizado em vias cujo limite de velocidade é superior a 50Km/h.

    Numa rua com 4 faixas então, menos ainda!

    A questão é: como que um motorista com endereços fixos acumula mais de 20 pontos na carteira e ainda pode circular dirigindo livremente. Como é que o Detran-PR explica isso?

    FB

    ResponderExcluir
  59. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  60. Felipe Bitu,

    Concordo contigo.

    Como que o Detran não tomou previdências para cassar uma carteira com mais de 130 pontos?

    Por que a polícia só coletou sangue para alcoolemia das vitimas mortas?
    Tanto que esse exame que resultou em 7,8dg/l foi realizado mais de uma semana depois do acidente, com uma suposta amostra fornecida pelo hospital Evangélico e está sendo constestado pela família de uma das vítimas e foi solicitado exame de DNA para confrontar o sangue com 7,8dg/l com o sangue do ilustre deputado.

    ResponderExcluir
  61. Cristiane

    Por favor, não perca a serenidade. Evite xingar os outros, vamos manter o nível da discussão.

    FB

    ResponderExcluir
  62. as pessoas se deixam levar pela emoção e não pela razão, nem vou argumentar mais nada, pois não vou me rebaixar a este nivel, e nem pretendo dar aula de anatomia humana para uma pessoa que não sabe a diferença de grama e decigrama, ou de massa corpórea, massa magra e etc... pois pra mim quem apelou, perdeu

    ResponderExcluir
  63. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  64. e só para completar, ninguem esta defendendo ninguem, até agora eu não vi nada no texto ou em algum comentário, alguem que estivesse defendendo o deputado, creio que a intenção seja apenas em alertar as pessoas, mas pelo visto, alguns não tem educação e nem capacidade para tanto, é lamentável

    ResponderExcluir
  65. Bitu,
    É tudo questão de se adotar regras. Não há no nosso Código de Trânsito definição e atitude a tomar diante do amarelo piscante, o que é uma falha. O caso que presenciei nos EUA, comentado mais acima, mostra que é possível amarelo piscante em qualquer tipo de via e em qualquer velocidade desta. Já a omissão do Detran-PR é muito grave, comprovando o que digo há anos, que segurança pública no Brasil é uma piada.

    ResponderExcluir
  66. vejam a que ponto chegamos:
    não podemos seguir com tranquilidade no sinal verde porque um louco ou marginal pode furar o sinal e te acertar;
    não podemos parar com tranquilidade no sinal vermelho porque podemos sofrer um assalto;
    não podemos parar totalmente no sinal amarelo porque tem o risco de alguém te acertar a traseira, e muito menos podemos seguir sem parar.

    as vezes acho que gostar, apreciar ou ter prazer por automóvel acabe se resumindo a ele dentro da garagem ou dentro de um autódromo. porque nesse trânsito, tá difícil, cada vez mais difícil.....

    ResponderExcluir
  67. Sigmund Freud21/05/09 16:46

    A mulher histérica;

    A mulher histérica é coquete e necessita de público. Chama a atenção ao primeiro contato pelo estilo “cheguei”, teatral, artificioso, inautêntico, carente de atenção e elogios;
    A mulher histérica não tem emoções somente; ela é a própria emoção personificada.
    Nunca contrarie uma mulher histérica. Elogie-lhe o que estiver bonito em suas roupas, adornos e adereços.
    Mistura fantasia e realidade, não sabendo quando uma começa e outra termina. De imaginação fértil e fantasiosa, pode chegar à calúnia para chamar a atenção sobre si e sentir-se o centro do mundo. Pode afirmar a você, homem frágil, que foi cantada, inventar histórias onde são vítimas da sedução sexual, sentir-se perseguida pelo amigo do marido, médico ou namorado da irmã. Assim engana e se engana para ser valorizada.
    O muito perigoso nas mulheres histéricas é que deixam a impressão aos incautos de serem hipersexuais. Demonstram grande necessidade sexual, constante ninfomania, mas lá no intimo, detestam a relação genital. Gostam, isto sim, da sedução aparente e muitas vezes recuam e esbravejam às investidas masculinas. Provocam e reagem fugidias na prática sexual. A questão fundamental é a seguinte: ao lado da aparente necessidade sexual encontra-se uma incapacidade de satisfazer essa mesma necessidade. Daí querer sempre mais. Sim, pois o instrumento de trabalho da mulher histérica é o seu corpo. O corpo é o melhor meio de comunicação, muito mais como desejo de angariar admiração, aprovação, proteção, do que a verdadeira intimidade interpessoal da relação genital. Cuidado, muito cuidado, senhores, com o furor uterino das mulheres histéricas.
    Quando enveredam pelo caminho místico das religiões exóticas, simbolizam com perfeição a sexualidade reprimida. Na idade média eram queimadas na fogueira como se tivessem alucinações de êxtase com o demônio. Em muitos cultos religiosos, mordem-se, ferem-se, queimam-se, autoflagelam-se ou “se casam” como seres espirituais. Que tal uma alucinação erótica – histérica – para converter e simbolizar a sexualidade reprimida num ato religioso? Que tal açoitar-se para aplacar as tentações de satanás num ritual histérico? E não foi Freud quem disse ser a histeria, a crise histérica, o equivalente simbólico da cópula com a perda parcial da consciência?

    ResponderExcluir
  68. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  69. Os psicanalistas devem ajudar as pessoas a resolverem seu conflitos interiores e não rotula-las. Rotular alguém pode fazer com que a pessoa acabe assumindo o rótulo.
    A discussão era sobre o trânsito e suas regras, direção defensiva, boas práticas e acessórios para autos. Não acredito que esse seja o forum para tratar o perfil psicológico nem mesmo do motorista do carro que causou o acidente.

    ResponderExcluir
  70. Paulo Keller21/05/09 17:37

    Pessoal, que tal voltarmos a falar de carros!!! Logo mais coloco um post para descontrair. Esse do Vic com o link para o filminho Carros + Velozes e Furiosos já foi legal!!!

    Abraço a todos.

    PK

    ResponderExcluir
  71. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  72. Rodrigo Laranjo21/05/09 17:50

    gosto mais dos tópicos do Bob Sahrp, trazem a nós a realidade, que infelizmente é muito dura para alguns homens afrescalhados e algumas mulheres histéricas e mal amadas.

    ResponderExcluir
  73. Bob Esponja21/05/09 18:15

    Essa cristiane com c minúsculo, é uma baita de uma bossal, mal criada, maloqueira, aposto que nem carro tem, deve estar em alguma lan house do governo, essas da inclusão digital, em alguma vila de Curitiba,

    cria vergonha na cara mulher! vai olhar o big brother e lavar uma roupa que é a única coisa que você sabe fazer!

    ResponderExcluir
  74. Bob Esponja21/05/09 18:19

    * é eu sei, boçal, mas nesse caso é de bossa mesmo

    ResponderExcluir
  75. Cristiane:

    Você foi a única e primeira pessoa na discussão a usar o sexismo como fonte de preconceito. Será que não é uma forma de você mesma demonstrar suas frustrações?

    Ademais, seu nível de discussão, análise e argumentação é digno de crianças ou adolescentes birrentos.

    Por isso, talvez você seja um daqueles indivíduos que são bons e espertos demais para ficarem parados em congestionamentos, trafegando pelo acostamento ou cortando caminho pelos postos de gasolina. Ou pior, à noite trafegam apenas com as luzes de posição ligadas e não fazem nem idéia para que servem aquelas luzinhas laranjas piscantes que tantos outros motoristas utilizam no trânsito.

    A falta de respeito, arrogância e ignorância continuam. Mas agora você nos presenteou com mais outros adjetivos: mente pequena, visão de curto alcance e analfabetismo funcional porque, afinal, lê e não entende.

    Ass.: 1º Anônimo.

    ResponderExcluir
  76. 2º anônimo21/05/09 18:42

    ignorância, arrogância, prepotência, muita emoção e nehuma razão...
    imaginem o tipo de "motorista" que pode sair disso,
    aposto que alguem muito pior que o tal deputado, se essa tal de cristiane tem mesmo carteira de habilitação, deveriam mandar fechar o cfc, exonerar e prender o avaliador, prender os pais desta "moça";
    e éla deveriam internar em um hospital psiquiatrico

    2º anônimo

    ResponderExcluir
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...