Google+

30 de dezembro de 2009

ARMADILHA


Essa é uma das grandes armadilhas aprontadas pela "brilhante" engenharia rodoviária do Brasil-sil-sil: que vem do aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, e deseja pegar a SP-070 rodovia Ayrton Senna rumo leste (no lado direito da foto do Google Earth), tem de pegar uma alça de acesso cujo engenheiro que a desenhou deveria ser preso e condenado a no mínimo 20 anos de prisão em regime fechado.
Notem que a alça tem três raios: grande no início, diminui bem no meio e abre ligeiramente no fim.
Sem querer dar uma de Rede Globo e não dar o nome, um colega pegou um Audi A3 Sportback no Hotel Caesar Park ali perto, evento de lançamento, e ficou na curva, lambendo todo o lado esquerdo do carro no guard-rail. Foi traído bonito pela curva defeituosa.
Portanto, autoentusiastas, olho vivo nessa alça.
BS

20 comentários:

  1. Deixa que é nóis na fita. Essa curva ai eu faço com o pedal do acelerador no fundo e cantando pneu

    ResponderExcluir
  2. ahhh que beleza... só falta colocar uma "lombada" pra reduzir os acidentes causados por "imprudência" e "excesso de veículos"...

    ResponderExcluir
  3. E algumas curvas do minhocão e da marginal Tiete no sentido DUTRA, com compensação ao contrario, já vi um jaguar ser cuspido da pista na marginal, pelo excesso de confiança do "piloto".

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. O cara que foi pro guard-rail é uma besta também. Pensa que está em Interlagos ou no Playstation????

    ResponderExcluir
  6. como o(a) tata disse algumas curvas da marginal tiete tem inclinação contraria a curva, uma coisa ridicula, de moto fica mais perigoso ainda...

    ResponderExcluir
  7. BS,

    A variacao da curva da ponte e responsavel por 1% na batida.

    Os outros 99% sao idiotisse pura.

    Isso e que e o problema do Brasil, idiota querer culpar outros pela sua propria besteira.

    Darwinismo na mais pura e nao destilada forma.

    Oras, um entusiasta verdadeiro nao seria idiota em entrar quente numa curva que:
    1) Nao conhece
    2) Provavelmente acima da velocidade permitida
    3) Com carro que nao e seu.

    Um piloto de verdade nao e idiota por definicao. Tem lugares para brincar.

    Se voce arrisca, tem que pagar o preco do risco. Se nao pode pagar, nao arrisque.

    O pior no Brasil e isso mesmo, falta total de tudo. Um sujeito que faz tremenda idiotisse deveria ter pelo menos o brio de nao culpar os outros pelo o que fez. Mas se nao tem como fazer isso, pelo menos pode culpar a proprio mae que pariu tremenda idiotisse.

    Fazer besteira e normal. Culpar os outros pelas proprias besteiras nao e.

    Sim, a ponte pode estar errada. Mas quem estava dirigindo o carro e como?

    E esse tipo de falta de cultura que precisa mudar, nao as coisas.

    No dia que isso mudar, que as pessoas tiverem mais brio as pontes serao bem feitas para comecar.

    A cereja no bolo?

    Isso seria a vergonha na cara do sujeito de pelo menos, ja que fez besteira, ter a dignidade de se respeitar e apreender com isso ao inves de contar aos outros e assim ganhar atestado de estupido.

    Estou rindo do babaca, nao pela batida ou pela ponte mas por ser tremendo idiota e contar aos outros isso.

    Todos nos ja arriscamos e muitas vezes nada acontece. Mas se acontece, o primeiro culpado e si proprio por ter aceito o risco.

    So se deve aceitar risco se voce tem como pagar por ele. Se nao, nao o faca. E idiotisse pura.

    E se fizer idiotisse, tenha umbridade de apreender com isso e respeito proprio de nao contar aos outros principalmente culpando terceiros por tamanha cagada.

    Que vergonha! Nao da ponte, claro.

    E como o titulo mesmo diz: Armadilha.

    Que por definicao, sempre pega os idiotas em primeiro lugar.

    Evolucao das especies, survival of the fittest. Idiota sempre entra bem primeiro.

    E ainda conta para os outros dando uma de gostoso.

    Se nao tivesse "dando uma de gostoso" nao teria o porque culpar a variacao de raio de curva em primeiro lugar.

    Ah, ja vi isso na Europa e nos USA tambem, variacao em raio de curva. Nao e exclusividade do Brasil.

    Porem o Idiota...Esse sim e um exemplo de falta total de cultura e vergonha na cara.

    Sinto muito belo A3, belo carro.

    ResponderExcluir
  8. Fausto Silva30/12/09 22:03

    O LÔCO MEU! ESSE Scheidecker ai TÁ PRECISANDO TOMAR UM AZULZINHO! QUANTA MÁGOA! QUANTO RANCOR! O LÔCO BIXO!

    ResponderExcluir
  9. É verdade, variação em raio de curva existe em qualquer lugar do mundo.

    Só que, em qualquer país minimamente civilizado, o raio da curva aumenta ao longo das alças de acesso. Ou seja, o traçado da alça vai se tornando cada vez mais reto à medida em que o veículo a percorre.

    Vale a pena, mais uma vez, voltar às valiosas lições ensinadas na revista Motor 3 e relembrar o título de um dos editoriais do JLV:
    Estradas ruins também matam - e muito.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado pelo aviso Bob.
    O professor Adervan Machado aparecia de vez em quando nos jornais ou TV, mostrando problemas desse tipo, e mostrando que ele havia feito o projeto de correção de quase todos eles, mas o Estado de SP e a Prefeitura de São Paulo pouco se interessavam.
    Coisa criminosa mesmo desses políticos inúteis.

    ResponderExcluir
  11. Alça de acesso da rodovia Anhanguera para a rodovia Dom Pedro, em Campinas. Absurda!
    Alça de acesso da Rod Dom Pedro para Paulínia em Campinas... Horrível. Tem até placa avisando do "risco de tombamento" (no caso não é risco - sempre tem veículo tombado lá!)
    O cargo de Engenheiro Rodoviário no Brasil exige escolaridade nível fundamental. Não muita inteligência. Também não deve precisar saber dirigir.
    O cara vai construir estradas, e não dirigir!

    ResponderExcluir
  12. Acho que o amigo acima destilou muita coisa contra o pobre motorista do A3. Sem dúvida, a culpa objetiva quase sempre é de quem dirige. Isso é óbvio, mas nem por isso verdadeiro na plenitude.
    A missão de quem projeta a infra-estrutura viária é mitigar o maior ou menor gráu de talento ou mesmo responsabilidade de quem dirige.
    Há que se fazer as coisas "idiot proof", pois não está se projetando autódromos e sim vias normais e que tem mais um atributo, são acessíveis a qualquer um que tenha carteira, desde o garoto recém habilitado até a velhinha de 80 e tantos e dos inefáveis velhinhos de chapéu.
    Portanto, a última coisa que se deve fazer ao projetar é construir armadilhas. Dou como exemplo a Rodovia Raposo Tavares em seu trecho inicial. A mesma era uma estrada cheia de curvas e desníveis, uma típica estrada antiga no que se refere ao traçado e greide, muito inferior em termos de modernidade de engenharia do que a Anhanguera e Anchieta por exemplos, estas últimas projetadas no final dos ano 40.
    O que se fez com a Raposo? Simplesmente se alargou a estrada para 3 pistas de cada lado, aproveitando totalmente o traçado e iludindo o motorista, pois o incauto acha que está em uma estrada mais moderna como a Imigrantes, Trabalhadores e outras, ou seja, não se espera subidas muito fortes com muitas diferenças de nível e principalmente não se espera curvas de raio muito curto. A pessoa vem razoavelmente bem até o km 21. Nesse trecho há uma descida longa que inicia logo embaixo do Rodoanel e que termina na famigerada curva do Km 21, uma esquina. A curva é bem feita e tem até relevé, mas é absolutamente inesperada e já matou mais que muitas doenças.
    O congestionamento eterno da Raposo amenizou um pouco a coisa, mas a curva ainda faz uns pontinhos de vez em quando. Em resumo, a Raposo é o melhor exemplo de desrespeito à normas de melhores práticas de projeto.
    O que o nosso caro Scheidecker deve entender é que nem todos tem o talento e atenção dele, além da inteligência. Há situações onde podemos estar desatentos também, pensando em alguma coisa, ou com pressa e preocupados em pegar um avião, essas coisas. Não é nessa a melhor hora para ficarmos enfrentando pegadinhas dos engenheiros rodoviários incompetentes.
    A ausência de talento para dirigir não implica que o estado possa punir o incauto por isso, muito ao contrário, cabe ao estado implantar vias que nivelem as coisas.
    Fui aluno do prof Adervan Machado no Colégio Bandeirantes e na Poli e testemunhei o esfôrço dele para a correção notadamente da curva do túnel do Pacaembú e a do final da 23 de Maio. Muita gente deve a vida a ele.

    ResponderExcluir
  13. Concordo plenamente com o Scheidecker. Quando eu era mais novo, vivia batendo o carro. Parei de bater, mas continuaram a bater em mim. Culpava o azar. Hoje vejo que simplesmente não sabia dirigir de maneira defensiva. Hoje, "milagrosamente", me esqueci o que é bater o carro.

    Seria no mínimo engraçado se houvesse coisas mal-projetadas de propósito, para fazer uma triagem de quem é imprudente e pouco cauteloso e quem não é, mas esse pensamento está longe de tomar conta de mim e surgiu apenas num momento de humor negro. Concordo que as vias devem ser "idiot proof", tudo em prol de minimizar os riscos de acidentes. Mas, muito antes disso, os motoristas devem ser "idiot proof". Se houver um engenheiro imbecil ou qualquer situação adversa, eles também devem saber lidar com isso.

    Seu amigo/colega escreve muito bem, é regular na direção e péssimo para fazer sites. Foi traído não pela curva defeituoso, mas pelo excesso de confiança.

    ResponderExcluir
  14. Scheidecker está correto.

    Uma pena que no Brasil há ainda total falta de cultura.

    As pessoas precisam ser mais autocríticas. Moro na Australia e entendo bem o que o Scheidecker esta dizendo. Concordo plenamente.

    Ao invés de alguns de vocês criticarem, tem que entender que a verdade nua e crua é o que deve ser utilizado para apreender a lição.

    Não há nada de "pobre" nesse motorista, a não ser o espírito que é para lá de pobre.

    O mais importante é que ele não matou ninguém. Se tivesse matado, a culpa seria da curva?

    Claro que não! A culpa é da imprudência e total idiotisse.

    É esse espiríto desrespeitador e aproveitador do Brasil que não sinto nenhuma falta.

    Scheidecker explicou muito bem. Todos nós fazemos besteira mas é preciso ser homem suficiente para admitir e ser responsável pelo próprio erro e não culpar outros.

    Se a curva tem raio variável é porque deve ter alguma razão prática. Ou porque o local tinha algum problema de terreno e tiveram que mudar, ou porque há uma outra razão técnica para isso.

    Em outros paises, sempre há um aviso ou ainda, há tambem uma placa de limite de velocidade.
    Não respeitar as coisas que não se conhece e total atestado de estupidez.

    ResponderExcluir
  15. Scheidecker Foi perfeito...

    Não era o Bob Sharp que culpava a coluna de uma garagem por ter batido???

    Só falta os pilotos da madrugada culparem os postes....

    ResponderExcluir
  16. Um observador sensato03/01/10 15:04

    Só se testa limite de carro onde se conhece o traçado. Ou em pista fechada, com segurança.

    Este caso só demonstra o péssimo nível do jornalismo automobilístico no Brasil. O cara devia pagar o conserto do carro (obviamente estava acima do limite, em um carro que não era seu). Foi macho, pague pela macheza!

    Ai Bob, desperdício de tempo e palavras...

    ResponderExcluir
  17. Caro BOB,

    Veja como as coisas são curiosas: o povão está a "apedrejar" o "piloto" do AUDI pq ele ousou a andar um pouco mais rápido do que os "culturais" - e burros! - 80km/h a se insusrgir contra uma curva em alça que viola o princípio da confiança, afinal, tais curvas, normalmente, têm um raio constante e não algo que fecha e surpreende.

    Enfim, a cultura dos "oitentinha" e que passar disso "é muito perigoso" vem prevalecendo, pois a mente da maioria não consegue andar mais rápido do que os 22 metros por segundo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Ué, estão alegando agora que havia motivos técnicos para que a curva tivesse raio variável? É ruim hein!
    Ora, até parece que, em pleno século 21, terraplanagem é algo muito caro e complicado. Esse costume de se economizar merrecas em obras viárias é que vem matando mais e mais pessoas.
    Existem coisas que o Estado deveria ser responsabilizado direta e objetivamente, entre elas:
    1. Rodovias de pista simples: são assassinas por natureza
    2. Curvas com sobrelevação negativa: outras assassinas. Quer melhor exemplo do que o retorno sobre a Av. 23 de maio logo após o cruzamento com a ligação leste-oeste?
    3. Retas razoáveis que terminam em curvas abruptas (como a Rodovia Raposo Tavares): quem em sã consciência e que não conhece a pista espera que algo deste tipo sequer exista???
    Existem vários outros exemplos. O fato é que via pública TEM que ser dimensionada pelo pico e ser idiot-proof. Não é caro e salva vidas. E se salva vidas, independende da inépcia ou imprudência do usuário, o custo é totalmente irrelevante.
    Já passou da hora do Estado se preocupar com o seu povo, e não com o seu orçamento.

    ResponderExcluir
  19. Parabéns, Márcio, parabéns, Bussoranga!

    Primeiro: Ninguém - muito menos o Bob - disse que o motorista do Audi estaria em "excesso de velocidade" ou outro lugar-comum do tipo. Assim, quem sustenta o raciocínio de que ele estaria andando forte demais argumenta com base em meras suposições. E suposições não são fatos. Desperdício de tempo, palavras e bom senso.

    Segundo: Trânsito é um sistema composto por três elementos - o motorista, o veículo e a estrada. Se o motorista é medianamente hábil e o veículo é tão estável e seguro como um Audi A3, há forte probabilidade - quase certeza - de que eventuais acidentes sejam causados por falha de conservação ou defeito de projeto da rodovia.

    Terceiro: "Problemas de terreno" ou "outra razão técnica" não justificam a burrada. Ao contrário, constituem confissão de que o serviço foi malfeito desde o início, porque a primeira obrigação do engenheiro responsável pela obra era verificar as condições de topografia do local em que a pista seria construída e providenciar as correções necessárias.

    Quarto: Trata-se de uma obra pública. Ao executá-la de forma inadequada (por deixar de fiscalizar a obra e/ou executar as correções propostas pelos engenheiros), o Estado tornou-se responsável por eventuais prejuízos causados aos particulares, nos termos do artigo 37, § 6º da Constituição Federal.

    Quinto: Essa curva bem demonstra a hipocrisia do discurso estatal sobre segurança no tráfego ("velocidade mata" e outras baboseiras que tais). Se o Estado estivesse minimamente preocupado com a incolumidade dos cidadãos motoristas, jamais permitiria que a obra fosse concluída de forma tão leviana e inconsequente. Mas é mais fácil, conveniente e barato apelidá-la de curva da morte (mais uma!) e jogar a culpa nos "irresponsáveis e imprudentes motoristas infratores".

    Conclusão: vinte anos de cadeia mesmo, por tentativa de homicídio, agravada pelo uso de emboscada. Nada justifica tamanha barbaridade.

    ResponderExcluir
  20. A falta de sobrelevação nas curvas é um dos principais motivos de acidentes, veículos são lançados para fora da pista, saem pela tangente ..... lembram da DINÃMICA DO MOVIMENTO CIRCULAR.... Ângulo de inclinação..... atrito, peso do veículo, força centrípeta..... , aprende-se no ensino fundamental... os engenheiros projetam ...executam... mas kd a fiscalização... prevalece o lado de politica .. tem q inaugurar... dar votos..e muitos inocentes acabam morrendo... a maioria dos acidentes são em curvas.... perdeu controle na curva....uma questão cultural.... BRASIL SIL SIL.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...