3 de janeiro de 2010

PNEUS NOVOS NA DIANTEIRA, POR FAVOR!

Gravura: www.artspace2000.com

 


Tem rodado pela internet esses dias um e-mail com reportagem mostrando que se forem comprados dois pneus novos, eles devem ser colocados na traseira.

Como muitos amigos e conhecidos têm me perguntado se a recomendação está certa, eis um post a respeito. De antemão, já digo: a recomendação é errada!

A aquaplanagem (perda de contato dos pneus com o solo devido à lâmina d'água na pista) sempre se dá pelas rodas dianteiras, pois as traseiras não encontrarão a mesma quantidade de água pela frente, que acabou de ser removida praticamente toda pelas rodas dianteiras. Isso por si só mostra que são os pneus dianteiros que devem ter a maior profundidade de sulco possível.

No vídeo é mostrado o carro rodando depois que foram colocados os pneus velhos atrás: claro, eram pneus praticamente carecas.

Para garantir a segurança no molhado, os pneus não devem ter profundidade de sulco inferior a 3 mm, sendo o ideal 4 mm, ou meia-vida do pneu. Esqueça a tal marca TWI, de 1,6 mm: com esta profundidade de sulco a aquaplanagem é certa.

Resumindo: pneus só devem ser usados até 3 mm de profundidade de sulco (recomendação da GM do Brasil, expressa nos manuais). Entretanto, minha recomendação é 4 mm. Se, por hipótese, os quatro chegaram a um desses limites, troque-os, mas os que forem para a traseira podem esperar um pouco, pois seu desgaste nos carros de tração dianteira, a maioria hoje, é bem lento. Mas faça um acompanhamento do desgaste a cada 2.000 km.

Fora a questão de segurança, os pneus novos na frente garantem um comportamento melhor da direção, evitando tendências para um dos lados ("puxada") e vibrações.

Também, os pneus novos têm exatamente o mesmo diâmetro, o que nas rodas motrizes é importante para que o sistema de diferencial (engrenagens planetárias e satélites) não precise ficar em funcionamento constante, desgastando-se à toa.

E a frenagem – sempre mais importante na dianteira que na traseira – também se beneficia dessa igualdade de diâmetro, sendo mais equilibrada.

Portanto, pneus novos na frente, sempre!

BS

Nota: link da reportatem fornecido pelo leitor Pedro Henrique, a quem agradeço (3/01/10, 15h15).

230 comentários:

  1. Não se preocupe, Bob: nunca me deixei levar pela corrente dos que defendem pneus melhores na traseira, he, he!

    ResponderExcluir
  2. Alaor Esposito03/01/10 11:07

    Eu concordo plenamente com você,todos os testes que fiz,passei mais sustos perdendo a frente,não tem o que fazer,quando acontece com a traseira um pouco de habilidade concerta.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Bob,o vídeo a que você se refere é esse?

    http://www.youtube.com/watch?v=6bRfr-I-V_c

    ResponderExcluir
  4. Bob,

    Graças a Deus, alguma voz abalizada veio me amparar. Estava cheio de brigar com as pessoas que vinham me falar de pneus novos na traseira, baseados nessas informações fajutas que andam circulando na Internet.

    Obrigado

    Antonio

    ResponderExcluir
  5. Pedro Henrique,
    Esse mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Motorista médio03/01/10 14:57

    É isso aí, Bob, se eu tivesse 50 anos de experiência em corridas, faria isso mesmo! MAS NÃO TENHO!!

    E a Pirelli e o César entendem nada de pneu, a quebrada GM é que manja, claro!!!!

    E o video é bem claro, em curva, nao tem esse negócio de os pneus de trás passarem pelo mesmo lugar dos da frente!!!

    Pisada na bola este post! E vai gerar acidentes e perigos desnecessários!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, você é tão imbecil que nem foi capaz de ler o post corretamente. A GM citou quanto ao limite de desgaste, não quanto à posição de montagem dos pneus novos.

      Analfabeto idiota.

      Excluir
  7. "Onde colocar os melhores

    Um velho mito defendia que no eixo dianteiro se devem montar os pneus melhores, isto é, aqueles com banda de rodagem menos consumida. Entretanto, testes de publicações especializadas, endossados por fabricantes como Pirelli, Goodyear e Michelin, comprovam que os pneus com menor desgaste devem rodar atrás.
    A principal razão é que, em curvas com piso molhado, os pneus traseiros com sulcos mais rasos terão menor capacidade de escoar a água, provocando uma derrapagem de traseira de difícil correção pelo motorista comum. Furos, cortes e estouros, aos quais estão mais sujeitos os pneus usados, são mais perigosos no eixo traseiro pelo mesmo motivo. É mais fácil o controle do veículo quando o problema ocorre num pneu dianteiro."

    http://www2.uol.com.br/bestcars/servico/dm-100.htm

    ResponderExcluir
  8. Motorista médio,
    Isso, siga os conselhos do César. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  9. Motorista médio, o que gera acidentes é imprudência, negligência e/ou imperícia.

    No final das contas pneu é barato em função da prestação de serviço e os riscos que se assume em nome de uma suposta "economia".
    - só colocar quatro novos, na pior hipótese parcele o pagamento, etc..[:-)

    []'s

    ResponderExcluir
  10. Motorista medio e anonimo,

    Lamentável o seu comentário.
    Em primiero lugar não foi falado que as rodas traseiras passam "no mesmo lugar", apenas que elas já vão encontrar um filme de agua parcialmente drenado pela passagem das rodas dianteiras (parte da aua já foi retirada, e a agua se nivela, entende ?), o que reduz a possibiidade de aquaplanagem das rodas traseiras.

    Em segundo lugar, a experiencia do Bob em pistas, e testando carro de fabrica, nas ruas e em pistas de teste ( a da GM é fantastica !), da a ele uma credibilidade muito superior a de um motorista medio, maior do que a de um motorista experiente, e também de alguns engneheiros de fabricas (de pneus inclusive) que não testam os carros eles mesmos.

    Em terceiro lugar a explicação sobre as condições de frenagem , por si só, são mais do que suficientes pra comprovar que é mais interessante ter pneus novos na frente. Antes de ter capcidade de "fazer curvas", um veiculo deve ter capacidade de "frear para fazer a curva" na velocidade correta.

    Por fim, imagine-se numa estrada reta e molhada, com pneus mais velhos na frente: a sua possibilidade de aquaplanagem e de perda da direção é muito maior !!!

    Assim, considerando que um motorista medio irá fazer curvas devagar, e irá depender mais do freio e de ter uma boa dirigibilidade em retas, fica claro que a opção de pneus melhores na frente é a melhor escolha.

    Além do mais, de nada adiantaria ter uma boa aderencia na traseira, se voce não tiver capacidade de fazer o carro "entrar" na curva...

    Antonio

    ResponderExcluir
  11. É Alaor, não tem o q fazer se não há controle direcional. Apontou a frente pro posto e não voltou, abraço...

    Motorista Médio, a maioria dos acidentes por aquaplanagem ocorrem em trechos retos de estrada onde a velocidade é maior. Na curva os pneus traseiros realmente não passam no mesmo lugar dos diateiros, mas é minimamente indiferente para considerar que o trecho do piso vai estar muito mais seco ou muito mais molhado. E se acontecer um acidente em uma curva por aquaplanagem, pode apostar que aconteceria com pista seca, pois se a velocidade era alta o suficiente para aquaplanar, era suficiente para estar acima do seguro.

    abs,

    ResponderExcluir
  12. Motorista amador03/01/10 15:39

    Tá cheio de puxa saco do Bob por aqui. Ele a GM falida estão certos. A Biblia, a Pirelli e o César é que estão errados...rs

    ResponderExcluir
  13. Mas, então, pessoal, qual o motivo das fábricas recomendarem justamente o contrário do exposto pelo Bob? Lembro-me de uma reportagem da Auto Esporte de 95/96 sobre o assunto e novamente foi dito que os melhores devem ficar na traseira. Na época foram usados um Omega 4.1 e um Santana.

    Já li também que a qualidade da borracha influencia significativamente no molhado e, como o pneu velho é mais duro, terá menos aderencia. Então, mesmo que o trabalho de drenagem seja mínimo, ocorrerá o sabre-esterço, certo? Será que não é esse o raciocínio dos que defendem os novos no eixo posterior?

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  14. Pneus novos na dianteira com certeza, se a grana tá curta é o caminho certo. Mas de preferência a troca do jogo completo é bem vinda. Basta colocar no cartão e pagar as lojas fazem até 4x sem juros normalmente. Não entendo o que leva uma pessoa a rodar com pneus carecas e ainda querer fazer curva rápida ou andar em velocidade alta... tem gente que fala que pneu é caro, blablabla, mas não deixa a "rodona" de lado, o kit xenon, o "sub" no porta-malas... negligenciar a manutenção do próprio carro deveria ser crime, em caso de acidente causado pelo condutor deste carro.

    ResponderExcluir
  15. Motorista amador,
    É o que a Pirelli diz, mas não o que um engenheiro da Pirelli me disse muitos anos atrás. Infelizmente ele já nos deixou e me reservo o direito de não revelar seu nome.
    E a GM está falida financeiramente apenas. Tecnicamente continua muito bem.

    ResponderExcluir
  16. Pneus novos na frente, pneus novos atrás...Há um fator que está sendo desconsiderado: prudência. Diminuição da velocidade sob chuva. Cansei de ver, sob chuva forte, em que eu não conseguia enxergar muito além do nariz, neguinho me ultrapassar voando. Não tendo deficiência visual que me colocasse em desvantagem a outros motoristas, como eles poderiam estar vendo mais que eu? o fato é que tomando cuidado, adequando meu modo de condução às condições de momento, nunca aquaplanei, mas já vi um desses otários que me ultrapassaram e sumiram de vista, se espatifar alguns quilometros adiante. Deu vontade de parar o carro, e falar: benfeito!

    ResponderExcluir
  17. O AUTO+ também fez uma reportagem sobre esse assunto ano passado, reprisado hoje, 03/01/10.

    Também defendendo os penus novos na traseira.

    O piloto de teste dizendo que estava dirigindo numa situação de "serra a 80 km/h" foi ridículo. Quem na chuva, de pista molhada, na serra vai entrar na curva a essa velocidade?

    Aí não deu outra, o carro saiu de traseira com os penus novos na frente.

    Mas quando mostrou os pneus novos na traseira, foi possível ver claramente a dificuldade de fazer o carro apontar na direção da curva. Ele, piloto, conseguiu controlar a derrapagem. Além, é claro, do fato de ele conhecer os pontos de frenagem, aceleração e desaceleração da pista em questão.

    Eu, por exemplo, certamente teria passado reto naquela curva.

    Como já disseram, a prudência sempre prevalecerá sobre os pneus.

    ResponderExcluir
  18. Pneu novo é na frente, sem sombra de dúvidas!

    Quem seria "o retardado" de entrar numa curva em alta velocidade e pista molhada? É uma questão de bom senso pura e simples.

    E não é preciso saber as condições dos pneus, para adotar este padrão de segurança. "Transitar em velocidade compatível com a condição da pista."

    Outra. Se os pneus "mais gastos" estiverem no eixo dianteiro, em uma condição limite, eles deixarão de fazer seu trabalho tirando o veículo do traçado da curva da mesma forma. Fato!

    Em velocidade, a distância entre o "caminho" das rodas dianteiras e das traseiras, nem é tão grande assim (Ninguém vira duas voltas o volante estando a mais de 40km/h... Principalmente em pavimentação molhada. E também estamos supondo que não estamos dirigindo nenhuma carreta, obviamente), a ponto de fazer o pneu traseiro andar em condições de aquaplanagem, sem que o dianteiro sofra isso antes. A "poça dágua" deveria ser perfeitamente uniforme para que somente o pneu de menor raio da curva entrasse nela e acabasse com toda a estabilidade do veículo. Convenhamos... Não é bem assim na realidade.

    Pneu com que não aquaplana, tem condições de frear o veículo também.

    E por aí vai.

    Sou contra trocas parciais dos pneus. O conjunto de pneus faz parte da segurança do veículo, assim como a suspensão, freios e estrutura. Fazê-los pela metade, é a mesma coisa que cortar só a barba de um dos lados para constar que fez...

    ResponderExcluir
  19. Motorista Amador:

    Escolheu corretamente o nick e faz bom uso dele.

    ResponderExcluir
  20. Marcelo Augusto03/01/10 18:00

    Há certas coisas que não é pelo motivo de haver uma grande empresa por trás que o que foi dito passa a ser verdade.

    No site da Ford havia (ou ainda há) a recomendação de se usar os espelhos externos a 90 graus, o que não é o correto.

    ResponderExcluir
  21. Marcelo Augusto,
    Essa dos espelhos é demais, um contra-senso dos grandes.

    ResponderExcluir
  22. Bob,
    essa dos pneus novos na frente me surpreendeu. Mas para garantir é melhor colocar logo os 4 pneus novos na proxima troca. E é aí que surge uma dúvida sobre o rodízio de pneus:
    O dianteiro direito se desgasta mais rápido do que o esquerdo, então será que é possível trocar de lado esses pneus mais modernos para gastá-los uniformemente ou ainda é recomendado que não se inverta o sentido de rodagem? Aí teria que desmontá-los e inverter a montagem nas rodas para que possa trocá-los de lado.
    Como você recomenda a melhor maneira de efetuar o rodízio dos pneus?

    ResponderExcluir
  23. Jambo,
    Nunca faço rodízio de pneus. Eles morrem onde nasceram e há duas razões fortes para isso. Uma, o pneu se acostuma com a posição ds roda em que trabalha. Se mudar de lugar, passar-se-ão algumas centenas de quilômetros até se acostume com a nova posição. Enquanto isso não acontece o pneu não produz a máxima aderência de que é capaz. Outra razão é óbvia: no processo de se acostumar o desgaste é mais rápido do que que se ficasse onde estava.
    O rodízio talvez acabe economizando alguns reais, mas prefiro contar com máxima aderência sempre.

    ResponderExcluir
  24. O Seabra falou tudo, quem tem pneus velhos na traseira se manca e entra nas curvas maneiro, afinal, a pessoa tem que saber em que está andando.

    É melhor ter os novos na frente para mais controle na reta, nas freadas, tomadas e evitar aquaplanagem. Quem quiser fazer curvas correndo é fácil, gaste e coloque 4 novos.

    ResponderExcluir
  25. Vocês só se esquecem que nem todos os motoristas são prudentes, ou tem o mínimo de bom senso para não entrar rápido em curvas. Além disso, imaginem uma situação em que haja apenas a curva molhada. Quantos aqui, além do Bob conseguiriam controlar o veículo?
    Esta RECOMENDAÇÃO nivela os motoristas por baixo, ou seja, representando a grande maioria de pessoas "habilitadas" que não tem a menor noção do que fazem nas ruas... Essa discussão é muito mais ampla do que isso.

    Minha opinião é que quem tem habilidade e sabe realmente como conduzir um veículo, use os novos na dianteira. Os demais, deixem os pneus novos na traseira.

    ResponderExcluir
  26. Bob, assim como você, eu também troco os pneus bem antes do que os fabricantes recomendam. No meu caso, só uso Michelin. E a Michelin recomenda expressamente os pneus novos na traseira. Como eu concordo com o que foi dito nesse post, a cada troca eu sempre enfrento oposição do pessoal da loja de pneus, que insiste para que eu coloque os pneus novos atrás... Comigo não cola, pois sempre monto os novos na frente.

    Abs, Ricardo Montero

    ResponderExcluir
  27. Marcio Valente03/01/10 22:13

    Pneu é o ítem mais crítico em qualquer veículo. Vejam a diferença de performance que os carros de F1 apresentam quando os pneus estão gastos. É o componente que faz o contato do veículo com o solo, e ainda tem que suportar tração, pancadas, atrito e outors componentes da física.
    Já aquaplanei com um Opala na Imigrantes, em um trecho plano e reto (os pneus dianteiros estavam gastos), e o volante simplesmente não obedecia. Só retomei a trajetória quando o carro foi parar na grama.
    Tenho alguma experiencia amadora com o automobilismo de competição e concordo com o Bob que pneus bons sempre os 4, mas em último caso os dianteiros, que são justamente os que comandam a trajétória do carro e precisam abrir caminho no filme d'água.
    Quando dirigo na estrada com chuva procuro sempre encaixar as rodas do meu carro na trilha aberta pelo carro que vai à frente, apenas por precaução.
    E fica aqui uma dica para saber que o carro está ou vai aquaplanar: olhe pelo retrovisor e confira que o seu carro está deixando um sulco visível no asfalto molhado. Isso garante que a aderência está adequada. Se o sulco começar a sumir, é bom ter cautela pois a aquaplangem aparece de repente e aí não se tem muito o que fazer.

    ResponderExcluir
  28. Bem, depois dos comentários acho que usar na traseira ou na dianteira não tem a menor importância se não há habilidade ou prudência. O que se vê nas estradas e ruas é uma carnificina de ignorantes, para esses tanto faz, o que não deveriam ter é o carro.
    Pego estrada 3 vezes por semana no mínimo, mas o que vejo nas sextas feiras é de matar, um monte de gente com essas peruas cheias com a família fazendo caca na estrada.
    Mais do que com pneus, em estrada tem que tomar cuidado com Scenic, Picasso, Idea e SUVs com bocós dentro e também com pick-ups Fiat, Montana, essas que os boyzinhos gostam.
    Ambos os espécimes adoram embutir na traseira dos outros como se fossem os donos da estrada e olha que ando forte com uma Alfa 145, parece que atrai esses idiotas ficar desafiando carros mais potentes. Fora as Fiorinos de empresas. Pneu nesse caso é irrelevante.

    ResponderExcluir
  29. Também procuro não fazer o rodízio, basicamente porque acho um saco ter de esperar os pneus assentarem na nova posição para logo em seguida trocá-los novamente.

    É vibração e imprecisão praticamente o tempo todo.

    ResponderExcluir
  30. Nunca fiz rodízio mesmo porque nos meus carros os pneus sempre gastam igual com exceção do uno (já tive 3)que reparo a tendência de os trazeiros gastarem ligeiramente mais que os dianteiros mas nada que justifique não trocar os 4 de uma vez.

    ResponderExcluir
  31. E para completar, em especial para carros populares, está cada vez mais dificil não trocar pneus quando necessário, qualquer supermecado maior vende pneus financiados a perder de vista, fora que se consegue pneus novos aro 13 por valores proximos a 120 reais parcelados a perder de vista. Não trocar e se arriscar a ter um acidente é o fim da picada.

    ResponderExcluir
  32. O tema aquaplanagem é sempre polêmico. Alguns se esquecem que ela pode acontecer até com pneus novos, por isso, o cuidado deve ser redobrado em caso de fortes chuvas.
    Há pouco tempo aquaplanei com um Ka com um jogo de Pirelli P6 com menos de 2 mil km de uso. Estava a moderados 60 km/h. Ainda bem que se tratou de uma aquaplanagem “segura” (se é que posso chamar assim), pois foi numa reta (Linha Vermelha/RJ), não haviam carros por perto e foi só manter o controle e deixar a velocidade se reduzir por si só. Logo depois passaram por mim carros a, pelo menos, 100 km/h... Ou seja, com pneus novos ou gastos, o que mais vale é a prudência.
    Costumo trocar os quatro pneus, mas a troca do par dianteiro, pelos motivos citados no post, é realmente mais lógica. Pena que alguns donos não se preocupam em trocar nem jogo nem par... Por aqui o que mais se vê são vans de transporte escolar (clandestinas) com pneus totalmente carecas, pondo em risco a segurança das crianças, porém, não se pode isentar de culpa os pais delas em caso de acidente...
    Certa vez quando fui balancear as rodas, ao conversar com um senhor ele revelou que sempre escolhia pneus pelo preço... mais barato. O mesmo homem também comentou que achava um absurdo gastar tanto com pneus e trocas “antes da hora” (enquanto não ficasse totalmente liso), pois, segundo ele, “o pneu é uma rosca de borracha que só serve para rolar no chão se desgastando”. Absurdo...

    Bob,
    Qual a sua opinião em relação aos pneus remolds?

    ResponderExcluir
  33. Há algum tempo, um amigo fez essa pergunta, sobre em qual eixo instalar o par de pneus novos. Respondi, brincando, que se ele fosse piloto, que instalasse na frente, caso contrário na traseira. Nem sei o que ele fez, depois vou perguntar.

    No meu Omega e também no Chevette, procuro fazer as trocas quando os pneus perdem aqueles frisos mais finos que ficam nos gomos.

    No Chevette é mais simples, coloquei GPS3 Sport (175/70 R13) e paguei, à época, coisa de R$180 em cada. No Omega, quando instalei os P6000, paguei R$460 (205/60 R15) em cada.

    Gozado, no caso do Omega, foi um vendendor tentando me convencer que não haveria diferença em instalar o pneu com índice de velocidade H, e não V, como especificado pelo manual do carro. Mais uma para o Bob comentar.

    ResponderExcluir
  34. Marcelo Augusto04/01/10 03:58

    Pelo que dá pra perceber, é que tem muita publicação, imprensa, fabricante de veículos (!), lojas de serviços fornecendo informações e serviços desnecessários. Supostos alinhamentos, balanceamento, rodízio, muito serviço desnecessário ou fora de hora.

    Mas o brasileiro é assim, tem excesso de zelo com automóvel e acaba jogando dinheiro fora, a famosa troca de óleo com "5 mil" é prova disso.

    ResponderExcluir
  35. Raphael Hagi,
    O índice de velocidade é importante, mas tudo irá depender de como o veículo é usado. Quando o Omega 3-litros foi lançado, veio com pneus H, para 210 km/h, mas atingia 220 km/h. Eu, inclusive, dirigi-o a essa velocidade em três ocasiões, em teste, sem que houvesse qualquer problema ligado a pneu. Já no Omega 4,1 os pneus eram "V", para 240 km/h, mas o carro não passava de 212 km/h. A observância desse detalhe pressupõe uso prolongado à velocidade máxima, coisa de Autobahn, a que os fabricantes de veículos precisam se ater. Curiosamente, quando o Carcará, da Vemag, estabeleceu a marca brasileira e sul-americana de velocidade terrestre, 212,9 km/h, em junho de 1966, estava com pneus dianteiros de classificação P, para 150 km/h, e nada aconteceu.

    ResponderExcluir
  36. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  37. Sem problema!
    Quando preciso trocar os pneus, troco os 4.
    Simples assim!

    ResponderExcluir
  38. Marcelo Dantas,
    Sem problema os pneus remolds, desde que sejam usados em carroças. Não as do Collor, mas as de tração animal...Em pneus é preciso ter-se certeza de que são perfeitos, impossível num remold, não se conhece o estado da carcaça.

    ResponderExcluir
  39. Motorista médio04/01/10 09:21

    Michelin sugere pneus novos na traseira e está errada? Justo a melhor, disparado, no assunto?

    Tem um monte de jornalistas aqui, por que nao perguntam pra Pirelli, Michelin, Goodyear? Resposta completa, pela assessoria de imprensa. Entrevista com engenheiros etc?

    Essa de achar que a GM sabe mais sobre pneus que os próprios fabricantes de pneus é típico de funcionário ou ex-funcionário da GM. Algo me diz que o Bob já trabalhou lá...

    E Bob, você já está bem "maduro" pra dar respostinhas bobas como a sua. Parece coisa de adolescente contrariado. Eu esperava mais consideração.

    Contestei sua afirmação pois o video não me pareceu arranjado e já tinha lido o oposto da sua recomendação. Depois veio mais um monte de gente dizendo o mesmo, trazendo mais reportagens e recomendações de fabricantes, sites como o BCWS (o qual VOCÊ fez parte por muitos anos) etc. Este blog parece estar se perdendo. Desde o post do MAO que trituraria um carro companheiro de longa data por alguns trocados a mais, tenho sérias dúvidas se vocês são entusiastas mesmo...

    E antes que os baba-ovos venham com palavras desnecessárias, é óbvio que a prudência e boa manutenção do carro são mais importantes que qualquer pneu na frente ou atrás. Não é essa a discussão aqui.

    ResponderExcluir
  40. Quanto ao índice de velocidade, considero-o como de menor importancia, pelo seguinte fato: o pneu deve aguentar rodar com carga máxima, àquela velocidade indicada e por um longo período de tempo. Nas raras vezes que andei acima de 200 foi por um instante e ainda assim com o carro vazio. Não consigo imaginar situação muito diferente dessa aqui no Brasil.

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  41. Tecnicamente colocar um pneu novo atrás em um carro de tração dianteira era uma maneira de contrabalançar a traseira "solta" desses modelos. Só que a recomendação é somente válida para pisos secos conforme o post do Bob nos revelou. Então, na dúvida é melhor trocar os quatro de uma vez mesmo. O problema da internet é que muita gente adora "linchar" os outros se baseando no anonimato. Todos os "puxadores de saco" do Bob, grupo no qual me incluo, sabem da esperiência de anos do Bob. Enquanto muitos internautas cujos pais nem eram nascidos ainda o criticam sem saber quem ele é, já dirigia carros esportivamente como piloto e jornalista, então ele tem esperiência acumulada. Se ele fosse daqueles mecânicos que adoram falar mal de injeção eletrônica e tem fórmulas para carburar um carro injetado e tirar o catalisador, podiam malhar a vontade. Mas ele acompanhou como ninguém a evolução da técnica e pilota como poucos, já que ele é da época do câmbio de mão, coisa que deixou de existir na F1 há mais de 10 anos...

    ResponderExcluir
  42. Lucas,

    na viagem que relatei aqui mesmo, meses atrás, rodei consistentemente a mais de 180km/h. E não foi como o 911, mas com um carro diesel que aluguei pra chegar no tour relatado.

    Com o Porsche 911, manter médias de mais de 200 km/h é possível e razoável. Tem boas estradas e povo educado em trânsito, que não ocupa a faixa da direita se não for pra ultrapassar e verifica se não vem tráfego mais veloz ao utilizá-la. E não é maluquice ou suícidio.

    Entenda que tudo é diferente.

    Claro, não é pra qualquer dia ou qualquer estrada, mesmo na Alemanha.

    MM

    ResponderExcluir
  43. Jorge Botelho
    Já fui corredor na antiga Divisão 3 e sempre optei pela colocação de pneus novos na traseira do meu "fuca" de corrida. Todos sabem que o "fuca" sai sempre de traseira. Com a tração dianteira sempre usei os novos na dianteira. Tenho visto orientaçãoes das fábricas de pneus pela colocação dos novos na traseira. E agora tenho optado por esta forma.

    ResponderExcluir
  44. Motorista médio,
    Para que discutir? Repito, siga o conselho dos "entendidos" e coloque o par novo atrás. E, de novo, boa sorte com a decisão, embora esperando que você não precise dela.

    ResponderExcluir
  45. É isso aí! Essa correção é cidadania!

    Obrigado Bob Sharp! Eu já faria mesmo o que disseste, por taco meu, mas agora ganhei confiança total.

    ResponderExcluir
  46. Esse sim é um post excelente e muito informativo!

    Sempre usei os pneus melhores na dianteira. O motivo é extremamente simples: efeito de transferência de peso durante as frenagens. Todo mundo sabe (ou deveria saber) que, nas frenagens, as maiores forças se encontram nas rodas dianteiras, portanto, para evitar travamentos e derrapagens, pneus melhores vão para as dianteiras, e ponto.

    Em curvas a situação é diferente: há carros com tendência a sair de frente, outros de traseira. Há que se considerar que há carros FWD, RWD, AWD, há que se considerar alinhamento, distribuição de peso, etc etc etc... E há que se considerar algo muito mais simples: NÃO FAÇA CURVAS NO LIMITE, porra! Porque? Porque se voce as fizer no limite, voce não poderá sequer tocar nos freios. Portanto, se alguma coisa imprevista acontecer durante uma curva feita no limite, tchau, o carro e seus ocupantes todos se tornarão passageiros (sem controle).

    Quanto ao índice de velocidade, este indica que um pneu é mais resistente a cargas elevadas por período prolongado. Ora, se ele tolera cargas mais elevadas por período prolongado, já indica que é de qualidade melhor. E se é de qualidade melhor, deve ser sempre o escolhido!

    Eu já tenho várias experiências em utilizar pneus perto de seu limite de velocidade, e em 3 delas o resultado foi péssimo: os pneus se rasgaram lateralmente! A banda de rodagem se separa da banda de apoio lateral. É uma desgraça só! Eram pneus classe T (180km/h) que eu usava por mais de meia hora continuamente a 170km/h (sim, temos estradas para isso). Um a um todos eles se rasgaram. Um por viagem, mais exatamente.

    Então não adianta. Vai viajar a 210km/h? Use pneus para 240km/h. Foi o que fiz e nunca mais tive problemas. Pneu hoje só de classe V ou superiores. E o preço do pneu pouco me interessa, pois segurança simplesmente não tem preço. O mesmo ocorre com pastilhas e discos de freio, fluido de freio, molas, amortecedores, buchas de suspensão... pensando bem, com o carro inteiro!

    A única coisa com a qual não concordo é com não fazer rodízio de pneus. Eu tenho que fazer, pois uso parâmetros de alinhamento diferentes na dianteira e na traseira, que fazem com que os pneus traseiros se desgastem assimetricamente (é, cambagem negativamente excessiva mesmo, mas ainda dentro da especificação do manual do carro). Vale a pena porque eu posso fazer o diabo com o carro, e ele nunca vai apresentar saídas de traseira imprevistas.

    Em tempo: este "piloto" apresentado em tal reportagem no youtube é uma piada! O Kenzo tem toda a razão em observar que o cara, com pneus ruins na frente, fica penando para conseguir apontar o carro para a direção correta. Já fiz experimento similar a este do video, e o resultado era hilário: em reta mesmo, era querer andar um pouquinho mais rápido e o carro ficava trocando de faixa sozinho. Tinha que ficar brigando com o carro para ele andar reto! Só isso é mais do que suficiente para sempre se utilizar os melhores pneus na dianteira.

    PS: tem um carinha aí alegando que a Goodyear recomenda os pneus melhores na traseira? Que coisa! Ainda existem loucos insanos doido-varridos que ainda usam pneus goodyear!!! Essas degraças de pneus quase me mataram. Só escapei porque, ao longo do tempo, consegui um "pouquinho" de habilitade.

    ResponderExcluir
  47. Motorista Pobre04/01/10 16:21

    Vai lá Bob, faz um vídeo e coloca ai com as suas perspectivas. Enquanto não fizer isso vou seguir o que estou VENDO e não o que você acha que é certo.

    Se vc troca pneus com 4mm não sabe nada sobre pneu desgastado. Tenho Dito

    ResponderExcluir
  48. Pobre,

    Pq então raios você não prova que ele está errado?

    Pobre anda de ônibus/lotação. Muitos sequer entendem de mecânica, o que dirá de pneumáticos.

    E faça à nós o favor de andar em ônibus e lotações clandestinas! Com pneus carecas, preferencialmente, se com 4mm de sulco não forem suficientes pra ti.

    Assim o ambiente da internet pode melhorar bastante, pelo menos como era no período pré "maldita inclusão"...

    ResponderExcluir
  49. Ok, Marcos, 100%. O seu post de certa forma reforça o que eu disse: é viável andar em tais velocidades em outros países que não o Brasil.
    Eu, ao contrário do Bussoranga, não me sinto à vontade em imprimir tais velocidades por tanto tempo assim. Prefiro andar nos meus 130 e ganhando tempo parando poucas vezes, certo?

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  50. Moçada, quem me dera especialista juramentado em carros, mas mantenho os quatro pneus sempre com o mesmo padrão, fazendo o rodízio deles regularmente.

    Andar com pneus em diferentes estágios revela certo descuido com a manutenção do veículo, sem contar que os leigos no assunto vão rotular o motorista como "pão-duro"...

    Pneus também tem prazo de validade, perguntem para quem faz vistoria de seguro veicular. Geralmente, se é preciso trocar um par de pneus, está na hora de trocar todos, inclusive o estepe.

    Com segurança não se brinca e não se faz a "falsa" economia.

    ResponderExcluir
  51. Motorista Médio04/01/10 17:32

    bussoranga,

    esse "piloto" da reportagem não precisa de aspas, é piloto mesmo, Cérsar Urnhani, testa pneus há mais de 10 anos na Pirelli (não é funcionário da rede Globo, mas da Pirelli) e ganhou o Trofeo Maserati, pra citar algo mais recente como piloto de corridas. Não é um Bob Sharp, mas não é um idiota qualquer se exibindo pra câmera.

    E foi (ou ainda é) instrutor do BMW Driver Training.

    Não precisa desqualificar as pessoas na base da desinformação e ignorância. Procure se informar melhor na próxima vez.

    Coloca pneus de uma velocidade que nunca vai alcançar? Por que não de duas categorias acima? Melhor usar pneu de Bugatti Veyron... Fale a verdade, é só pra impressionar seus amigos, não? Só falta o Bob dizer que está certo. Pneu que aguenta velocidade maior é pior em quase tudo, se vc não vai a essa velocidade. Mais duro, menos aderente, muito mais caro. Novamente, informe-se!!!

    Concorda com o post? Ótimo, coloque seus pneus novos na frente e seja feliz.

    E Bob, pra que discutir? Se você não sabe pra que discutir, deve se achar Deus. Se você nunca acreditou em algo pra depois ser desmentido pela realidade, ótimo. Bom pra você.

    Boa sorte pra todos que seguirem esse conselho, espero que não precisem dela.

    ResponderExcluir
  52. Motorista Médio,

    leia isso antes de falar qualquer coisa do Bob: http://www.revistabrasileiros.com.br/edicoes/28/textos/783/

    Se isso não for o suficiente para você, aí não saberemos aonde vc quer chegar. Um pneu de alta velocidade não significa que seja mais desconfortável. Só se ele for banda baixa, desse em que o aro quase esfrega o chão. E alguns desportivos a suspensão é mais rígida, o que faz mais sentido em tapetes na Europa e EUA. Aqui, com essa buraqueira toda, os rins pedem demissão. Quer andar a 200 km/h confortavelmente? Compre um Citroën com motor V6 e suspensão hidroativa, não é uma referência como Grã-Turismo, mas é difícil capotar um...

    ResponderExcluir
  53. Bob,

    A questão do índice de velocidade, no meu caso, é que eu quando viajo entre BH e SP (umas 3 ou 4 vezes por ano), rodo em velocidades entre 160 e 200 km/h por muito tempo. E como nosso asfalto não é grande coisa, acho melhor pecar pelo excesso.

    ResponderExcluir
  54. Claudio "coruja" Drummond04/01/10 18:17

    "Motorista médio"

    Me parece que você está vivendo a crise da adolescência: aquela - "Eu ganhei a discussão!".
    O que, aliás, não vem nem ao caso, não há discussão e, sim, uma opinião formada por conceitos técnicos e vivência profissional e pessoal do colunista (experiência que voce chama de "maduro").
    Antes de mais nada, cresça e se identifique e participe do blog com classe, coisa que, parece, ainda não ter aprendido na sua "puberdade".
    Claudio

    ResponderExcluir
  55. E o tal do Motorista Médio ainda não disse o porque de colocar os pneus novos na traseira.

    ResponderExcluir
  56. O Bussoerrodeprojeto viaja a 210 km/h? Não sabia que vc tinha avião... Tá bem hein?

    ResponderExcluir
  57. Os anônimos e pseudônimos e afins não percebem que se não concordam com as opiniões do Bob ou outros colunistas, não precisam participar do blog.

    Ninguém os força a participar. Se discordam, não gostam dos autores ou qualquer motivo outro, gozam da liberdade de não frequentar esse espaço.

    Mas, querendo fazê-lo, educação é o mínimo que se espera.

    A ofensa gratuita e a covardia surgem geralmente de frustrações.
    Fazer o quê?

    ResponderExcluir
  58. MOTORISTA POBRE04/01/10 18:48

    ------------------------------
    Anônimo disse...
    Pobre,

    Pq então raios você não prova que ele está errado?
    ------------------------------

    EU NAO TENHO QUE PROVAR NADA. QUEM TEM QUE PROVAR ALGO É O BOBO, DIGO BOB QUE FALOU ALGO AQUI, MAIS DIFERENTE DO VIDEO NAO MOSTROU NADA. É APENAS A "IXPIRIENCIA" CONTRA O FATO.

    ResponderExcluir
  59. Não acredito que o post vai virar briguinha agora? Eu li os 50 e tantos comentários até agora pra APRENDER, PENSAR a respeito, comparar opiniões.

    Aí vem um cara Fake (o que é muito fácil...) comentar.

    Debate saudável é a melhor coisa que encontrei nesse site. Por favor, não o estraguem. E tenho dito.

    ResponderExcluir
  60. Geraldo Brasil04/01/10 18:57

    Negocio é que aqui é cheio de baba ovo desse velho caduco que anda com o pé em cima do carpete do carro... Cuidado que vai fura a lata hein...
    Tem mais que andar de celta mesmo.

    Enfim.. a critica é construtiva, mais tem gente que não aceita de modo algum argumentar algo pq se acha super foda, enfim..

    ResponderExcluir
  61. Já teve inúmeros testes provando que o pneu melhor deve estar na
    traseira e agora vem ele querer contrariar isso????

    Já teve testes da Pirelli, Michelin, teste da 4R etc etc... e smpre foi
    indicado colocar os pneus melhores atrás pq se o carro
    escapar de traseira vc não consegue segurar o carro. Claro o BOB é piloto e deve preferir segurar a traseira. Mais não é toda população que tem essa noção até pq nas autoescolas aprende-se isso com um videozinho na tv.

    Pros pilotos realmente bota na frente e segura o carro na raça.. Quiem nao é deixa atras, pq quando a frente desgarra ela AVISA antes.

    ResponderExcluir
  62. Onde há fumaça, há fogo. E esse tema parece ter muito fogo. Sou leigo no assunto, e daqui fui buscar informações em outras fontes.

    A GM diz na frente. A Volvo diz atrás. A Michelin e Pirelli atrás, em alguns blogs de pilotos a maioria recomenda que seja nas rodas do eixo de tração.

    Põe na frente, o carro sai de traseira (apesar que no vídeo o pneu gasto não estava gasto, esta CARECA total, o que é uma baita imprudência). Põe na frente entendo que em aquaplanagens é pior.

    Conclusão 1: trocar os 4.
    Conclusão 2: os pneus do vídeo citado são carecas. Se uma diferença de 2mm já tem consequências razoáveis, imagina uma de 5mm.
    Conclusão 3: cuidado com reportagens da TV, a imprensa se engana e muito, e várias vezes. Fala que a Bugatti é italiana e confunde geração com face-lift.
    Conclusão 4: os testes dos anos 80 são enfáticos em dizer que os melhores ficam na frente:
    Conclusão 5: os testes de hoje em dia enfatizam os melhores atrás.

    Conclusão 6: como pesquisa constante, há sempre opiniões diversas. É como médico indicando o que faz bem ou mal comer.

    Conclusão 7: quanto mais leio mais confuso fico.

    Acho que o assunto mereceria um novo post, coletando mais informações, tanto do Bob como os outros postadores.

    Ah, e vamos manter o nível saudável das discussão... sou grato por ela.

    ResponderExcluir
  63. Para mim é bem simples. Os pneus dianteiros abrem um trilho. Prefiro ter eles em melhor condições do que os traseiros, que devem encontrar uma altura dágua menor.
    Em cuvas, com chuva, acho que todo mundo reduz muito a velocidade.
    nas vezes em que aquaplanei deu para sentir nítidamente que frente se "soltou" primeiro.

    ResponderExcluir
  64. Caro Bob, sempre tive a mesma opinião que você (pneus novos na frente), mas tem gente que entende muito de pneus (Claude Fondeville, vida toda de Michelin e hoje consultor especializado em Rallies e 4x4, além de entusiasta de automóveis) diz exatamente o contrário, e diz que está alinhado com a recomendação oficial da Michelin. Por que isso ?

    ResponderExcluir
  65. O carro é meu e nele faço o que eu quero: Troco os 04 de uma vez, óleo à cada 5.000km, palhetas do limpador uma vez por ano, rodízio à cada 5.000 km, alinhamento à cada 10.000, ponho tapetes, que exijo quando compro "0km", pois já estão incluídos no preço, etc.

    Mas é interessante como se tem falado nesta questão, ultimamente!
    Acho que tem que frisar: os 02 novos devem ficar no eixo de tração, e pronto!

    Não usar tapetes, falar ao celular, não fazer rodízio, fumar....Estou ficando preocupado!

    MH

    ResponderExcluir
  66. MM,

    O "piloto" pode ser o Cesar, pode ser o Bob, pode ser o Barack Obama, pode ser o Bento XVI, pode ser o Don Corleone, pode ser o Silvio Berlusconi, pode ser até o IronMan que, se disser que os melhores pneus devem ser os traseiros em todo e qualquer carro, estará dizendo besteiras e das grandes.

    E mesmo se o Bob tivesse dito que o certo era colocar os melhores pneus na traseira, eu o contradiria, por várias razões, mas como não vale a pena perder muito tempo com voce, vou citar apenas duas:
    1. A minha experiência em direção e manutenção de carros comprovou que é o que funciona melhor.
    2. A Física Básica da frenagem mostra claramente que assim é melhor.

    RC,
    Boa resposta. O que deve-se ter em mente é a distribuição de forças nos pneus do carro e o que queremos privilegiar.
    De pouco tempo pra cá, há uma certa turma difundindo que deve-se ter os pneus melhores na traseira para evitar que o carro saia de traseira. Só que esquece-se de dizer que são raras as situações em que um carro FWD sai de traseira, e quando sai é porque o "motorista" foi muito negligente ou muito imprudente. A exceção fica por conta dos poucos carros FWD que são naturalmente, por projeto ou construção, "traseiros", isto é, saem de traseira querendo ou não. Esta é a exceção, e não a regra, e neste caso deve-se utilizar os pneus melhores na traseira, mas isto tem um custo que é bastante elevado: perda de capacidade de frenagem.

    Ao contrário do que o MM disse, que ter pneus melhores na dianteira requer mais habilidade para evitar saídas de traseira, colocar pneus melhores na traseira normalmente significa que o usuário quer privilegiar o comportamento em curvas ao invés do comportamento em frenagem. Ora, desviar de obstáculos ou veículos, estando em alta velocidade, ao invés de se fazer aplicação de frenagem severa, é uma forma de dirigir que requer bastante habilidade. O motorista comum, diante de situações críticas, tende a freiar ao invés de desviar. Neste caso é bastante óbvia a necessidade de pneus melhores na dianteira. O MM não quer entender este fato básico, e ainda utiliza como base pilotos e cursos cuja recomendação não tem fundamento algum (como se o BMW driver training fosse grande coisa, e talvez seja grande coisa para motoristas bocós como ele).

    Não vou explicar como se controlar um carro durante uma saída de traseira, isso fica para os verdadeiros cursos de direção; por outro lado vale a pena perguntar sobre o que fazer uma saída de frente. Reduzir a velocidade? Certo, mas reduzir com pneus ruins? É RUIM HEIN!!!

    Criticaram o Bob por ele não gostar de tapetes de borracha sobre o carpete do carro. Ora, é uma opção dele! Eu não concordo, mas nem por isso vou criticá-lo. Ele tem as razões dele, bem fundamentadas. Eu tenho as minhas para defender os tapetes, e sei que a maioria concorda comigo. Mas isso não invalida a argumentação dele. Portanto, criticá-lo pra que???

    RC de novo,
    Num carro RWD a situação é mais complicada, e tudo vai depender do que voce quer privilegiar. Voce quer privilegiar capacidade de frenagem, capacidade de aceleração, ou determinados comportamentos em curva? Se formos privilegiar capacidade de frenagem, que salvo poucas situações é o que mais importa, então de novo os melhores pneus devem ser os dianteiros. Nas demais situações caberia um post enorme e com muitos detalhes técnicos. Vou deixar isto pro pessoal do AE mesmo detalhar (não que eu não possa, mas seria melhor ter um post só pra isso, e não um conjunto de comentários num post não exclusivo a isso).

    ResponderExcluir
  67. Caro Bob, concordo com a sua posição. Já tive a oportunidade de pegar longos trechos de estrada com chuvas fortes em diversas ocasiões com o mesmo corolla com pneus mais novos na traseira e depois com apenas os dianteiros trocados, novos. Todos ainda longe do TWI. Não sou piloto, mas me considero um bom motorista, e achei muito mais fácil controlar o carro com os pneus dianteiros melhores do que os traseiros, pois ao contrário do que falaram os pneus traseiros "avisam" sim antes de derrapar.
    No teste do vídeo do youtube, os pneus que ele chama de "mais desgastados" são uma piada de mal gosto...
    Ah, e eu acho que contra-esterço deveria ser ensinado na auto-escola. Dentre muitas outras coisas....

    ResponderExcluir
  68. Não vejo motivo para tantas agressões e ofensas, o assunto é de caráter eminentemente técnico,e não como uma discussão sobre futebol, e o fato de alguém fabricar pneus não significa que entenda mais do comportamento de um carro do que um piloto, que é quem senta no carro e convive com suas reações. Só para mostrar que esse conceito de pneu novo atrás não é unanimidade mesmo entre os fabricantes de automóveis, um amigo que mora na Califórnia a 20 anos e tem oficina de automóveis lá, me informou que as autorizadas das diversas marcas lá nos EUA recomendam sempre pneus novos na frente, e o fabricante do carro conhece melhor as reações do veículo que fabrica do que quem faz apenas os pneus. Deixo o meu abraço ao Bob, que pilotava Fiats quando eu era chefe de equipe da categoria.

    ResponderExcluir
  69. bussoranga,

    É exatamente esse o ponto de difícil compreensão por parte de alguns.

    Em situações de emergência, desviar não é a reação do motorista comum, mas sentar o pé no freio, inclusive travando as rodas.

    Então naquela situação de desviar numa curva, em alta velocidade, sobre pista molhada, com um par de pneus carecas é a hipótese da hipótese.

    Além disso, qual carro "normal" joga a traseira na curva? Só quando o sujeito já fez muita besteira.

    Já que é para criar essas situações alarmantes, deveriam realizar o mesmo teste com o motorista bêbado, o carro lotado, os pneus descalibrados, de madrugada e de faróis apagados. Ah, e de preferência entrando numa curva cega a uma velocidade incompatível invadindo a contramão.

    Ao menos assim boa parte poderia corresponder a uma situação real.

    ResponderExcluir
  70. Pois é Kenzo, voce entendeu claramente a situação descrita.

    Eu havia esquecido de mencionar outra grande besteira dita pelo MM, que se trata do índice de velocidade (também conhecido como classe de pneus).

    Pneu de classe mais elevada não é mais duro. É exatamente o contrário, ele tem 2 características fundamentais:
    1. Pode ser mais macio
    2. Tem estrutura lateral mais reforçada
    E tudo isto tem razão de ser: pneu pra alta velocidade está sujeito a maior força vertical (por questões aerodinâmicas) portanto requer estrutura reforçada; e também está sujeito a maior força lateral (para fazer curvas mais rápidas também) portanto também requer a estrutura reforçada E requer melhor aderência para poder freiar em velocidades mais elevadas.

    Se eu pudesse, por questões de segurança, só compraria pneus com código de velocidade para 300km/h. Isso permitiria que eu sustentasse velocidades maiores do que os meus tradicionais 210 ou 220km/h por um tempo bem maior. É tudo uma questão de hábito: porque só os alemães podem fazer isso??? Só eles é que são os bons? Não, nós temos ou tivemos rodovias para isto (norte-americanos idem).

    Voltando à questão dos pneus melhores nas rodas dianteiras ou traseiras, se eu tivesse seguido essas falácias divulgadas por aí (como colocá-los nas rodas traseiras), eu já teria virado "paçoca" há bastante tempo. Eu tenho o hábito de desviar de obstáculos ao invés de freiar, mas isso só se faz com treinamento, muito treinamento, e a muito grosso modo com manobras bem suavizadas e se possível antecipadas. Ontem foi um desses casos: havia um cone no meio da faixa de rolamento em que eu estava, na marginal pinheiros. E eu vinha relativamente rápido (como de costume). Foi possível desviar sem freiar, sem problemas. Como toda manobra feita suavemente, mesmo em velocidade relativamente alta, o carro não sai nem de frente nem de traseira. Não tem mistério! O mistério é que 99%+ dos brasileiros não sabe dirigir e nem sequer devia ter carro nem CNH. Felizmente nós aqui do AE somos o 1%-.

    Voltando às situações de emergência: numa das minhas tradicionais viagens a 220km/h, vindo por uma rodovia interestadual federal brasileira, um caminhão (obviamente lento) resolveu ultrapassar outro caminhão que vinha à sua frente. Eu pisquei e buzinei várias vezes, pois havia pouco espaço a minha frente caso tal caminhão mudasse de faixa (rodovia de pista dupla com apenas 2 faixas por pista). Soquei os 2 pés no freio com o objetivo de deixar o ABS fazer o serviço. O espaço de frenagem não era suficiente! Quando eu estava prestes a colidir com o parachoque traseiro do maldito caminhão, mudei de faixa, afinal, ele só havia mudado de faixa, sem iniciar a ultrapassagem do outro caminhão. Portanto, ao mudar de faixa, ganhei um espaço adicional de frenagem equivalente ao comprimento do caminhão inteiro. Tal espaço foi o que me salvou (e salvou o carro junto). O carro quase esfregou o parachoque dianteiro no traseiro do caminhão! E mesmo se eu desconfiasse que o espaço seria insuficiente, eu ainda teria o acostamento para ter um ganho adicional de espaço de frenagem.

    Será que eu conseguiria reduzir de 220km/h para menos de 60km/h num espaço tão diminuto com pneus ruins na dianteira? Nunca. Falando em capacidade de frenagem, aqui vai outra recomendação (que eu sempre segui e estava seguindo naquela hora): os freios traseiros não são inúteis. Portanto, pneus novos nas 4 rodas. Foi o caso.
    E pastilhas de freio? Não necessariamente as originais não!!! Busco sempre as que forem as mais macias, que invariavelmente são as que duram menos. Isso também salva o carro, o motorista do carro, os passageiros, etc...
    As coisas são simples. Vou parafrasear um professor que aparecia no programa Vestibulando da TV Cultura: Não faça economia porca, a vítima vai ser voce! (ele dizia: não estude em escola ruim, a vítima vai ser voce).

    ResponderExcluir
  71. Motorista Pobre e Lerdo05/01/10 09:27

    O mistério é que 99%+ dos brasileiros não sabe dirigir e nem sequer devia ter carro nem CNH. Felizmente nós aqui do AE somos o 1%-.

    Puta irresponsabilidade andar a 220enquanto o limite é 110 em estradas de pista dupla. Isso é burrice e ignorancia pura. Quer se matar vai prum autodromo e se mata sozinho pelo menos. Pra mim ser bom motorista nao é andar rapido e fazer curvas na tora, é respeitar as regras do jogo e fazer sua parte.
    Portanto vc está dentro dos 99% né amigo.

    ResponderExcluir
  72. Gente...

    Muita calma nessa hora. Como a maioria dos carros que pretendo por na minha garagem tem aro de 15 polegadas, infelizmente não dá para pôr os 4 novos de uma vez. Como é uma situação de improviso, então temos que analisar bem a situação. Se o Bob recomenda pneus na frente por causa da aquaplanagem e capacidade de frenagem, deve-se ao fato de dele ter pilotado DKW na década de 60 e a prioridade é a frenagem. Os pneus na traseira dos carros dianteiros era para compensar uma possível escapada de traseira, típica do modelo. E a maioria somente testa em piso seco, em piso molhado a situação muda completamente, tanto que um F1 que anda até em teto de túnel fica inguiável quando a pista molha. E caro Motorista Médio, Pobre e o Escambau, dirigir em estrada não é uma ciência exata. Dirigir a 80 km/h não quer dizer que você seja um bom motorista. Se você dirigir a 80 km/h na faixa da esquerda, ou muda de faixa sem sinalizar, significa que você, além de mau motorista, não é cidadão. Se o nosso amigo Bussoranga quer dirigir em Minas (corajoso hein?)a 200 km/h, aí é problema dele e da PRF. Às vezes um vazamento de óleo diesel em uma curva pode tirar muita gente da estrada, e a mancha não é visível. E derrapada de óleo é sem aviso nenhum. E quando chove a situação piora, por isso que é recomendável, dependendo da estrada, diminuir a velocidade entre 30 a 50%. Acaba com a fluidez mas evita imprevistos, só que brasileiro tem mania de andar colado, aí tome engavetamento. E velha lição que todo mundo esquece: bom motorista é aquele que dirige para ele e para os outros. Quem é hábil no volante é piloto, e lugar de piloto é nas pistas (viu Bussoranga). Quanto ao fato desse blog criticar as velocidades máximas de algumas estradas, temos pistas que lembram os tapetes europeus e a autoridade vai lá e põe que a máxima é de 50 km/h, como na descida para Santos recém-inaugurada por exemplo.

    ResponderExcluir
  73. Ivo Junior05/01/10 10:26

    Pessoal, não quero querer defender opinião alguma, mas sim analisar fatos e a lógica das duas situações: pneus novos na dianteira ou traseira.

    Conforme dito, os pneus dianteiros sempre rompem o filme de água da pista e assim abrem o trilho em piso úmido ou molhado. Já é um argumento para manter um pneu com boa altura de sulcos na dianteira, a fim de melhorar o escoamento da água e manter a dirigibilidade.

    Agora, pensando em distribuição dinâmica de carga e no comportamento típico de leigos (90% dos "motoristas"), eles geralmente freiam quando o veículo aquaplana, o que desloca a massa do veículo para o eixo dianteiro (além de a distribuição estática de peso ser mais dianteira e direção subesterçante, understeering). Quando há frenagem de emergência, é exigida melhor aderência dos pneus dianteiros, com uma menor parcela nos traseiros (mas importante também).

    Não se trata de escolher o eixo de tração, mas sim o eixo que recebe maior carga dinâmica de frenagem em situação de risco: mais importante ter aderência na frenagem e na direção do que na tração, pois não parece intuitivo acelerar neste caso. Isso torna mais coerente manter os pneus novos na dianteira, caso não possam ser trocados os 4 de vez (mesmo modelo e fabricante, com as medidas de fábrica).

    Tendo o par traseiro novo e o dianteiro gasto (não careca), os leigos pode-se amenizar a falta de aderência da traseira, mas a dianteira vai escorregar mais numa aquaplanagem, pois os pneus não conseguem escoar a água. Daí a direção fica inoperante e novamente o cara vai tender a frear para reduzir a velocidade, transferindo a carga para a dianteira, onde estariam os pneus menos aderentes.

    Sem querer desmerecer a experiência dos pilotos de teste (que tanto admiro o trabalho deles), acho um tanto subjetivo este tipo de teste com pilotos profissionais, e não com típicos "motoristas". Conforme dito, a maioria dos "motoristas" não tem habilidade de piloto para manter uma condição segura nas estradas, muito menos para segurar um carro atravessando, pois acham que pneu não é tão importante, a ponto de colocar pneu remold em seus carros de mais de R$60k.

    Por outro lado, acredito que um fabricante de pneus sugere colocar o par novo na traseira pela impressão de que o veículo está sob controle (sem atravessar), em aquaplanagem mais severa. O eixo traseiro teria contato mais rápido com o solo e "tenderia" a trazer a frente para a linha reta (se estiver atravessando), pois o veículo teria distribuição dinâmica de peso mais dianteira com a desaceleração. Mesmo com a traseira no solo, em alguns instantes ainda a frente ficaria flutuando "sem direção", pois o pneu mais liso ainda não teria condições de romper o filme de água da pista. Se na prática passa maior sensação de segurança ao leigo, vai ser preferido colocar na traseira, mesmo que apresente pior desempenho do que se fosse instalado na dianteira.

    Na dúvida, melhor trocar os 4. Gostaria de ler mais opiniões e experiências, é um assunto rico e ao mesmo tempo polêmico. Abraço, Ivo Junior.

    ResponderExcluir
  74. Arnaldo Keller05/01/10 11:44

    Pneus melhores na frente, sempre.
    Quem prefere perder a frente do carro nunca passou por isso, ou se passou não sabia o que estava acontecendo.
    É a pior das situações.
    E sobre "motoristas medianos" e tal, que não sabem contraesterçar numa saída de traseira, é melhor que não dirijam quando estiver chovendo. Simples assim.
    No vídeo do César, que é meu amigo e respeito como ótimo piloto, faltou outra situação: quando o carro com pneus dianteiros carecas perdem aderência, aquaplanam. Aí é que a onça ia beber água e a esbórnia ia ser bem pior que uma pequena rodadinha.

    ResponderExcluir
  75. O que me diz então sobre esse vídeo do youtube com o Piloto de testes da Pirelli: http://www.youtube.com/watch?v=6bRfr-I-V_c

    ResponderExcluir
  76. Eu acho que toda essa discussão se originou no fato de o teste apresentado no vídeo não reproduzir o que acontece no dia-a-dia, ele força uma situação, e além disso os pneus usados estão mais gastos do que seria recomendável para usar seja na frente ou atrás. A utilidade do vídeo talvez seja de chamar atenção para a importância dos pneus na segurança do veiculo, mas não são eles os responsáveis exclusivos pelo comportamento do carro, pois freios, suspensão e direção tem que estar perfeitos, um alinhamento incorreto pode mudar totalmente as características do carro, assim como amortecedores com ação reduzida, folgas nas buchas de suspensão etc. Lembro novamente, que os fabricantes americanos de automóveis de diversas marcas através das suas concessionárias recomendam os novos na dianteira, mas isso não significa que aprovem o uso de pneus carecas na traseira, pois não é seguro andar forte na chuva com pneus com menos do que 3mm de profundidade dos sulcos, e finalmente é bom lembrar que poças em estrada onde se anda em velocidades altas sempre se constituem em um perigo, pois dependendo da espessura da lâmina dágua, mesmo que os 4 pneus sejam zero km o carro pode tornar o motorista em passageiro, sem qualquer controle do veículo. Temos que separar também a maneira de andar de forma segura, com a família no carro, da condição de competição ou direção esportiva, que são duas coisas totalmente diferentes, eu não ando com a família seja em tempo seco ou molhado no ritmo que se anda na pista de corrida, pois o limite entre o máximo aproveitamento da pista e o acidente é muito estreito.

    ResponderExcluir
  77. Meu Deus, troquem os 4 pneus e pronto, parcelem no cartão e tá feito... que saco, se não tem dinheiro pra manter o carro, não tenham carro. Quem dirige a 200km/h é obviamente irresponsável, mas quem fica torrando as paciências a 60km/h na chuva em uma estrada de 120km/h como a Bandeirantes também deveria deixar a carteira de motorista de lado e ir pilotar carrinho de compras. Sejam plausíveis, e não causem acidente que vá deixar minha viagem mais lenta, por favor.

    ResponderExcluir
  78. Prezado Ivo Junior, muito boa sua colocação!

    Me considero um motorista razoável, tendo inclusive participado de Trackdays (com chuva!) em Interlagos e Jacarepaguá, entendo perfeitamente o que está sendo exposto, porém deixe-me discordar: pneus melhores devem estar na traseira!

    Explico:

    Infelizmente o motorista "médio" tem dificuldade em adequar sua velocidade ao limite prático da via, entrando rápido demais em curvas e freando enquanto as contorna. É só pegar uma serra para ver a maioria dos motoristas freando dentro das curvas, e não antes delas.

    Um comportamento subesterçante (saída de frente) é padrão na maioria dos carros (tirando alguns esportivos e de tração traseira), e há um certo grau de familiaridade com a situação. Veja que até mesmo os BMW's que são reconhecidamente "driver's car", com tração traseira e tudo mais, possuem um setup subesterçante. Um subesterço não-corrigido leva o veículo a continuar sua trajetória, muitas vezes saindo pela tangente da curva.

    Já o sobresterço (saída de traseira) é muito mais grave, pois mesmo com a correção de direção há a tendência do veículo chicotear para o outro lado quando retoma a aderência - principalmente em carros de tração dianteira, onde a causa é normalmente uma frenagem em curva, como mencionado acima. Um sobresterço não-corrigido leva o veículo a realizar um "cavalo-de-pau", girando descontroladamente por meia-volta ou mais (dependendo da velocidade).

    Pneus novos na traseira seriam a melhor opção, pois mesmo que deixem o carro mais sucetível a "esfregar a frente", ajudam a prender o eixo traseiro e evitam que a traseira "solte", o que, na minha humilde opinião é bem mais grave, e bem mais difícil de resolver.

    Numa situação normal na rua, nem sempre há espaço/giro do motor pra "dar pé" e ajeitar o carro, nem área de escape pra trancar o pé no freio e deixar rodar (saindo pela tangente da curva). Numa pista com fluxo contrário, você NÃO vai querer seu carro saindo de traseira! Tocar um carro atravessando de lado é pra quem está atento, conhece e sabe o que fazer.

    OBS: Sim, um carro mais sujeito a aquaplanar é preocupante, porém contando com a inércia do próprio veículo e com a aderência do eixo traseiro (que funciona como um leme) é uma situação transitória e que naturalmente se estabiliza. Me preocupa ainda mais a dificuldade em corrigir um comportamento que resulta em mudança de trajetória e perda total de controle do motorista.

    Já aquaplanei várias vezes sem qualquer problema. Porém quando a traseira solta é um jogo completamente diferente, e mesmo um Colin McRae pode ter dificuldades pra segurar o carro caso não haja área de escape suficiente.

    Estão aí meus 2 centavos, por favor vamos manter o nível pois é uma discussão interessante!

    []'s!

    ResponderExcluir
  79. isto façam isto e mais gente vai perder a vida, procurem se informar melhor com quem é profissional do assunto e não com quem é um achista de carro e navegador de internet

    ResponderExcluir
  80. Motorista Chato05/01/10 15:47

    Continuo sem entender porque tantos defendem o bob sem nem saber do que se trata.
    Não é porque ele disse que é verdade pow.

    ResponderExcluir
  81. Motorista Chato,

    Concordo que aceitar o que ele diz sem uma visão crítica própria não é o melhor. Por isso mesmo muitos aqui já demonstraram não concordar com o não uso dos sobretapetes, por exemplo.

    Todavia, entre a opinião do Bob e a de um anônimo como você que se identifica a cada vez com um pseudônimo diferente, é claro que a maioria vai com ele.

    ResponderExcluir
  82. A auto esporte deste mês tem uma reportagem sobre o assunto. Testaram com pneus carecas (1,6mm), meia-vida (3,5mm), e novos. O carro foi um astra. Chegaram a conclusão, em qualquer situação, que os melhores devem ficar na TRASEIRA.

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  83. Caraca, este assunto rendeu... Fazendo um apanhado de tudo que foi escrito, faz mais sentido, para mim, instalar pneus novos na frente, por mais que exista o risco de escapadas de traseira em curvas e testes que provem o contrário.

    Afinal, se a traseira se mantém firme, mas a frente aquaplana, o carro sai pela tangente do mesmo jeito... Dependendo do volume de água e da velocidade, a aquaplanagem leva alguns segundos para terminar. Experimente contar 3 segundos ao fazer uma curva e veja o tanto que o carro percorre nesse período. Sem contar que, se a chuva for tão intensa a ponto de provocar aquaplanagem ou saídas de traseira, provavelmente a visibilidade estará muito prejudicada, por mais rápido que seja o limpador de parabrisas.

    Como experiência pessoal, já andei com pneus próximo do limite de desgaste, em chuva forte, instalados na traseira, e nunca tive problemas. E não necessariamente andava muito abaixo do que andaria se estivesse no seco. As aquaplanagens por quais passei ocorreram SEMPRE em retas. Rodei uma única vez na chuva, em curva, mas porque abusei (entrei a uns 120 km/h na danada, quando mesmo no seco a prudência ditava fazer no máximo a 100 km/h - coisas de recém habilitado cabeça de "bagre"...)

    Uma coisa ruim que achei no vídeo do Cesar é que ele não deixa claro que a manobra de dar tranco no volante e sem aceleração foi feita de propósito, justamente para provocar a traseira do veículo. Essa manobra jamais se faz no seco, o que dizer com piso molhado. Curvas tem que ser contornadas com aceleração, para manter o grip. Outro ponto é que, se eu andar num carro e sentir que a frente não está bem assentada no chão (caso dos pneus praticamente carecas na frente), ficarei extremamente preocupado, é sinal claro de que algo está bem errado...

    ResponderExcluir
  84. Olá BOb.
    Poxa, esse papo rendeu bastante.
    Meu pitaco:
    Pneus melhores SEMPRE na frente.
    Em condição normal de uso, sempre haverá tempo para consertar uma escapadinha de frente; se for uma escapadona e o motorista for bração, certamente renderá um baita susto e talvez hospital.
    Para perder a traseira tem que ser de uma incompetência inacreditável, pois o carro avisa que a rabeira quer voltar pra casa...
    Eu ando forte e curto muito andar na chuva mas redobro a atenção a ponto de desligar até o rádio pra não me distrair. Já levei uns sustos, grandes e pequenos aquaplanando sempre na reta e deu para corrigir, já com os bagos no pescoço...
    Já andei com os 4 no bagaço (bagaço mesmo) e sempre procurava piso molhado ou úmido para refrescar um pouco o pneu, pois achava que estava além do limite para andar no seco.
    O teste mostrado não contempla todas as possibilidades, penso que é mais para chamar a atenção do motorista de médio pra péssimo, pois para esses, é mais fácil rodar perdendo a traseira, numa esquina por exemplo se acelerar forte, que perder a frente perto do limite de segurança.

    Sintetizando, pra quem é do ramo, peneus novos na frente e para os outros no eixo traseiro, sendo que o correto é ter os 5 sempre em excelente estado.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  85. O que ninguém observou é que, trocando sempre os 4 de uma vez, (como eu faço!)o carro fica com um terço do tempo bem calçado, outro terço medianamente calçado e, no terço final, com 4 pneus ruins!
    Dai....
    O engraçado é que só furam quando estão novos!
    MH

    ResponderExcluir
  86. Transeunte,

    Poxa, voce por ter participado de vários TDs deveria concordar conosco! Justamente pelo fato de eu também ter participado é que defendo que os pneus novos devem ir na dianteira.

    Voce fala de evitar escapadas de traseira. Ok, eu já havia concordado com isso. Mas evitar escapadas de traseira com o custo de maior possibilidade de aquaplanagem e grande redução de capacidade de frenagem é uma escolha ruim! Voce privilegiou uma situação que não é tão frequente em detrimento de outras que são quase permanentes.

    Há um outro fato básico que ninguém citou ainda: onde ocorrem a maior parte dos acidentes? Neste fim de ano pude viajar e, como chovia muito (mas nem por isso andei muito devagar) pude observar onde ocorriam os maiores índices de acidentes: nas retas!

    É incrível. Passei rápido nas retas, e havia muita gente que foi pra valeta central (entre pistas) ou para o guard-rail. Sabe qual é o motivo? Aquaplanagem.

    Aquaplanagem não faz o carro andar reto pela inércia, como voce havia dito! Faz o carro andar para fora da pista, pois nenhuma pista é absolutamente plana. Já reparou que o perfil delas é aproximadamente cilíndrico? O centro é mais alto, e as bordas são mais baixas. Ou seja, ela é lateralmente inclinada. Note que, em muitos casos, para voce andar reto voce tem que manter o volante leeevemente esterçado. É apenas para compensar essa declividade lateral da pista. Quando voce perde aderência, voce automaticamente perde essa compensação por esterçamento que voce fez. Resultado: o carro vai escorregando para frente e para o lado, até que vai para o guard-rail ou para a valeta central.

    Em 500km de pista foi razoavelmente grande o índice de carros que foram para o guard-rail ou para a valeta central. Qual foi o índice de acidentes naquela pista em curvas? Enquanto passei por ali (3 rodovias), foi zero. É sinal de que o pessoal está passando lentamente nas curvas, mas não sabe identificar quando aquaplanagem ocorre.

    Para evitar aquaplanagem, o jeito é:
    1. Pneus melhores na dianteira
    2. Velocidade compatível com a incidência de chuvas
    3. Carro pesado (sim, carro pesado ajuda os pneus a escoarem melhor a água).

    Então, cuidado com o que voce privilegia num carro. Saiu de frente e voce não tem aderência na dianteira, esquece, voce não traz de volta.

    ResponderExcluir
  87. Chegando muito atrasado mas com opinião formada.
    Novos na frente, sempre.
    Só quem nunca perdeu a frente numa curva de alta pode querer tentar justificar o contrário!
    Amigos, a frente vai embora, vc. vira o volante pra dentro, e nada acontece... nem o Schumacher consegue trazer de volta! Vc. se torna simples passageiro,esperando só pela porrada.
    Agora, se a traseira sai, vc. tem boas chances poder de corrigir. Pelo menos o carro está apontado certo!
    Um abraço pra vc. Bob.
    Hugo Borghi Filho

    ResponderExcluir
  88. Outro anônimo10/01/10 18:56

    Lucas,

    É bem provável que o Bob Sharp diga que a Auto Esporte não tem credibilidade. Que só tinha quando ele estava lá...
    Fico impressionado com o número de pessoas que dizem amém a tudo que esse "jornalista" diz, sem nem mesmo raciocinar um pouco.
    Não todos, claro. Há aqueles que concordam após uma avaliação do que foi dito. Nada contra esses.
    Mas melhores mesmo foram aqueles que não cairam nesse apelo marketeiro e se decidiram pelo óbvio: PNEUS BONS EM TODAS AS RODAS. Simples assim, qualquer artigo sério jamais privilegiaria qualquer outra hipótese.
    Já aqueles que acreditam que Bob Sharp seja quase que um Deus, e que tudo que ele diz é O certo, boa sorte...

    ResponderExcluir
  89. Bob Sharp, você é para mim referência em opinião automobilística, a qual respeito e sempre levo muito em consideração. Jornalista de

    experiência, discernimento e competência raras hoje em dia, principalmente em publicações automobilísticas. Nunca expressei isso, portanto meus sinceros parabéns. Porém neste assunto acho que está sendo cometido um grave erro.

    Poderia me juntar a aparentemente infindável discussão teórica acerca da melhor alternativa. Mas certas horas devemos ser um pouco mais
    práticos, principalmente quando envolvemos questões de interação homem-máquina e esta máquina é extremamente complexa como um automóvel é.

    Na direção de um veículo, qual é seu primeiro aviso de que a sua velocidade é incompatível com as condições da via, devido a questões
    de aquaplanagem? A direção fica mais leve, quando os pneus dianteiros estão na iminência de aquaplanar por completo. Por vezes o carro irá derivar um pouco a dianteira e lhe dar um susto a mais. Pronto, é seu lembrete de redobrar a prudência. Você diminui e adequa sua velocidade às condições da via, ponto.

    Qual é o lembrete que você tem quando os pneus com sulcos menos profundos (e que consequentemente irão aquaplanar primeiro) estão no
    eixo traseiro? O eixo traseiro está no limite de sua aderência e você não faz nem idéia. Ai decide mudar de faixa, fazer uma curva
    leve, dar qualquer "input" na direção. Você a partir dai não tem um lembrete, mas sim já está na iminência de um acidente.

    Iminência de um acidente. Você não está focado em pilotar o carro, você não é piloto, você não está numa pista, você está escutando uma música,
    conversando com sua família, vendo uma propaganda na estrada, ah, e também está ali segurando o volante. Isso não é pilotar, é o que chamam de dirigir. Nessa situação, o carro entra em condição sobreesterçante. Que tipo de reação é necessária numa situação como esta? Rápida, imediata, precisa e não intuitiva. É crível que o motorista descrito a pouco terá a inadvertida e heróica reação necessária para evitar um acidente?



    Cumprimento a todos, especialmente aos amigos que participam da discussão.


    Eduardo Cenci

    ResponderExcluir
  90. É bom ver alguém manifestar a sua opinião sem ironias ou ofensas, mas em se tratando de curva na chuva, o melhor mesmo é diminuir a velocidade para um limite seguro, pois o maior número de ocorrências de aquaplanagem é nas retas, e certamente aí o pneu novo na frente é a melhor opção, por abrir um trilho para os traseiros já não tão novos, mas nunca com menos de 3mm de sulcos. Na hipótese aventada da curva feita com os pneus novos atrás, a chance de acidente pode ser até pior do que se estivessem na frente, pois a saída de frente pode levar o carro para algum barranco ou abismo, sem chance de alguma manobra, já que o sub-esterço deixa o motorista a mercê do carro, tornando-se passageiro do mesmo. O sobre-esterço, pode deixar mesmo o motorista comum com mais chance de sair de uma situação dessas, é claro que se a velocidade não for totalmente imcompatível com a curva em questão, pois se assim for o resultado será uma rodada. Mas é sempre bom lembrar que se o motorista for imprudente, e andar acima do limite razoável, nem com todos os pneus novos irá escapar de um susto ou mesmo um acidente.

    ResponderExcluir
  91. Edwin Jean11/01/10 17:27

    Ops! O comentário que fiz saiu como anônimo por um vacilo meu, sempre me identifico quando deixo algum.

    ResponderExcluir
  92. E ai Bob! Puxa, seu post contrariou todas as publicações "especializadas". Na verdade, eu coloco pneus novos na frente, pois se fizesse o alinhamento/balanceamento com pneus velhos na frente, a direção continuarua puxando e tremendo, além do desgaste ser mais acentuado na frente, como vc falou. Eu levava em conta que a opinião dos pneus melhores na traseira seria efetivo nos carros de alta performance, o que (infelizmente) não é o caso do meu...
    Penso ainda que para carros mil, os pneus estreitos melhoram a velocidade e o consumo, pois tem menor arrasto do que os mais largos. Penso na hora de trocar o jogo do meu Gol em colocar pneus mais finos que o 175/70/13.

    ResponderExcluir
  93. O assunto pneus é realmente inesgotável, e o comentário a respeito da troca dos pneus 175 por outros mais finos, nos dá material para novas observações. Pneus de uma medida menor do que a original, desde que mantida a relação altura-largura, tornam a relação final do câmbio mais curta, mas como o assunto original era a aquaplanagem, pneus mais estreitos estão menos sujeitos a aquaplanar. Por outro lado a aderência em curvas com chão seco diminui por haver menos área de contato. Resumindo: As vantagens serão, menor consumo por menor área de atrito, se bem que o encurtamento da relação final pode minimizar essa vantagem, menor chance de aquaplanar para uma mesma velocidade, e maior agilidade em retomadas especialmente com motores mais fracos. Não podemos esquecer também, de que pode haver um ligeiro aumento nas distâncias de frenagem em chão seco.

    ResponderExcluir
  94. Celso,
    Perfeito, você terá ganho de consumo, perderá um pouco (bem pouco) em velocidade de curva e haverá menor tendência à aquaplanagem. A medida a usar é a 155/80-13, que mantém o mesmo diâmetro externo original.

    ResponderExcluir
  95. Edwin Jean,
    Se for observada a relação entre seção perfil, o diâmetro não se altera. Caso do 175/70-13 ter o mesmo diâmetro do 155/80-13. Um caso interessante foi o Porsche 911 ter mantido o mesmo diâmetro de 1963 a 2005, nada menos que 42 anos, sempre jogando com seção x perfil. Só então essa cota foi alterada. Na diminuição da seção, desde que dentro de certos limites, o aumento de distância de frenagem é desprezível.

    ResponderExcluir
  96. Eduardo Cenci,
    Não existe aquaplanagem de traseira, só de dianteira. Claro, os pneus de trás precisam estar com até 4 mm de profundidade de sulco, mínimo 3 mm. Com tal profundidade esse carro jamais sairá de traseira (causada por pneu, claro, há outras causas). E obrigado pelas referência a mim!

    ResponderExcluir
  97. Outro anônimo,
    Como dizia o Jack Palance, acredite se quiser. O problema é seu, não meu. Mas aprenda que um pneu com 4 mm, portanto 50% gasto, é totalmente seguro no molhado e mais seguro do que um com 8 mm no seco.

    ResponderExcluir
  98. edwin jean18/01/10 00:04

    Perfeito Bob, no meu comentário eu disse que a relação final seria encurtada se fosse conservada a mesma relação largura-altura, o que pode ser positivo no caso de motores de pouca potência, mas no caso de se fazer a compensação alterando a relação entre altura-largura como vc citou, pode ser conservado o mesmo raio dinâmico, e portanto a relação final permanece inalterada.

    ResponderExcluir
  99. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  100. Edwin jean,
    Esqueci de comentar: está proibido aumentar ou diminuir o diâmetro externo do conjunto roda-pneu por força de uma resolução do Contran, a de n° 262, de 14/12/2007, Art. 8° inciso II.

    ResponderExcluir
  101. A prpósito desse comentário sobre proibição de alterar o diâmetro do pneu, pode ser que tenha a ver com o fato de qualquer alteração nessa medida irá se refletir na aferição do velocímetro, se o diâmetro diminuir o velocímetro marcará mais do que a velocidade real, e o mais perigoso para o usuário seria uma medida maior que acarretaria uma leitura inferior a real, podendo ocasionar multas nos "pardais" onde aliás é sempre conveniente dar uma margem de segurança, tanto pela aferição do mesmo, como do próprio velocímetro.

    ResponderExcluir
  102. Edwin Jean18/01/10 09:29

    Foi mal! O comentário sobre alterações no velocímetro foi meu!

    ResponderExcluir
  103. Outro anônimo18/01/10 12:58

    Bob Sharp, o problema não é seu, nem meu. É do grupo que segue seus "conselhos" sem qualquer ponderação. Nesse caso, acho que alguns acidentes acontecerão e, pior, eles continuarão acreditando que "Bob Sharp sempre tem razão".
    Quanto ao seu comentário sobre profundidade dos sulcos, sua colocação desmente seu post. Ou seja, se pneus de 4mm são totalmente seguros no molhado, e até mais seguros no seco do que seria um de 8mm, mais uma razão para que os pneus mais novos sejam colocados na traseira.
    Acredite, deve haver muito pouca coisa que você possa me ensinar. E ainda não foi dessa vez.

    ResponderExcluir
  104. Edwin Jean18/01/10 17:20

    Acho muito cômodo alguém se manter no anonimato e dizer que não tem nada a aprender, pois nesse caso devia justificar essa afirmativa apresentando seu currículo, de quais categorias participou,quantos títulos conquistou, ou se preparador ou chefe de equipe, qual a sua bagagem, mesmo assim acho que ninguém pode dizer que não tem nada a aprender, pois isso mostra orgulho e presunção. Ainda não ouví, ou melhor, não lí a opinião de nenhum piloto, que é quem senta a bunda no carro, discordar do Bob nessa questão, e como vivo no meio de pilotos e ex pilotos que participam ou participaram de várias categorias, ainda não ouví de nenhum deles opinião discordante.

    ResponderExcluir
  105. Outro anônimo (que poderia ter qualquer nome)19/01/10 01:11

    Edwin Jean, "acho muito cômodo" alguém declarar o próprio nome (Edwin Jean, por exemplo), sem que seja possível confirmar ou até mesmo saber quem é...
    Mas já que você "vive cercado de pilotos", deveria pedir a ajuda deles e aprender a ler, já que eu afirmei que deveria haver muito pouca coisa que eu poderia aprender com ESTE "ex piloto e jornalista".
    Então, o que te leva a acreditar que eu não tenha nada a aprender?? Conclusão meio precipitada a sua, não?
    Aliás, venho aprendendo sobre quase tudo, inclusive a distuinguir os competentes, dos marketeiros pretensiosos e dos bajuladores. Estes últimos, na minha opinião, o pior tipo.
    Assim sendo, boa sorte!

    ResponderExcluir
  106. O melhor mesmo é, quando precisar, trocar os quatro pneus e, tenho certeza, ninguém vai contestar.

    Raramente rodo tanto com um veículo que precise trocar pneus por desgaste mas nas vezes que foi necessário troquei os 4 e me senti muito bem.

    ResponderExcluir
  107. SFQNS,
    Sem dúvida que trocar os quatro não deixa margem para discussão. Mas é possível economizar no mínimo 300 reais deixando um par continuar a rodar com total segurança. Caso também de quando chegar o momento de trocar um par e o pneu do estepe entrar na operação, sendo necessário comprar apenas um pneu. Mas o importante mesmo é nunca deixar no carro pneus com menos de 3 mm de profundidade de sulco (4 mm é o ideal) caso se vá rodar em piso molhado.

    ResponderExcluir
  108. Outro anônimo
    O problema de seguir o que você acredita como certo é seu, não meu, e tenha certeza de muitos me ouvem -- o que já não acontece com você, que se prefere ficar escondido no anonimato. Ou você acha que alguém vai dar ouvidos ao nada? Além disso, se você continuar com esse nível baixo de ofensa será sumariamente barrado de comentar. Aguardo um próximo comentário seu, que determinará se você continua a poder postar ou não.

    ResponderExcluir
  109. Edwin Jean19/01/10 09:01

    Tem um ditado que diz que só grita quem não tem razão, e ele é muito sábio. Não sei o que o amigo quis insinuar dizendo que eu uso o nome de Edwin Jean, eu não uso o nome de Edwin Jean, eu sou o Edwin Jean, isso não é um pseudônimo. Quem milita no automobilismo a mais tempo me conhece do tempo das corridas da extinta divisão 1 e campeonato monomarcas. Já o amigo parece mais preocupado em agredir do que participar de um debate técnico, e noto uma especial preocupação em procurar minimizar a capacidade técnica do Bob Sharp, e se volta também contra os que concordam com ele, ou seja todos que não são apenas teóricos e já militaram nas pistas de corrida. Não tenho procuração do Bob para falar em nome dele, apenas procuro colocar de forma inteligível muitas coisas que se aprende no automobilismo esportivo, Com certeza vc não me viu falar mal de ninguém, nem agredir com palavras ou deboches, nem mesmo a vc que não tem economizado adjetivos e ironias contra quem discorda das suas colocações. A única observação que fiz a seu respeito foi que como anônimo é cômodo dizer o que bem entende, e não apresentar sua qualificação no ramo do automobilismo, pois eu não tento discutir medicina com médicos, ou física quântica com cientistas, eu me atenho ao que já vivenciei como hobby a vida inteira, sem necessidade de palavras agressivas para tentar ganhar "no grito" a discussão. Como eu disse no início, quem grita é porque não tem razão.
    Não pretendo mais responder a esse tipo de comentário, continuarei a contribuir da melhor forma que puder com aqueles que gostam de automobilismo como pode ser visto nos comentários que fiz sobre tamanho de pneus, sua influência tanto sobre a aquaplanagem, como sobre a aferição do velocímetro, relação final etc.

    ResponderExcluir
  110. "Eduardo Cenci,
    Não existe aquaplanagem de traseira, só de dianteira. Claro, os pneus de trás precisam estar com até 4 mm de profundidade de sulco, mínimo 3 mm. Com tal profundidade esse carro jamais sairá de traseira (causada por pneu, claro, há outras causas).
    "

    Bob Sharp,

    Se há uma coisa que aprendemos teoricamente e na prática, no que toca ao fenômeno da aquaplanagem, é que não é uma questão de se ela irá acontecer ou não, mas sim uma questão de quando; com qual velocidade ou qual profundidade da lâmina da água. Se os pneus aquaplanam com os sulcos com profundidade de 2 mm, estes pneus também irão aquaplanar se tiverem 3 mm ou 4 mm de profundidade. Escolher a posição dos pneus mais gastos, é escolher qual eixo irá aquaplanar primeiro.

    Mas ao que vejo esse debate vai se delongar indefinidamente, então vamos tentar abordá-lo de uma maneira diferente.

    Estamos aqui discutindo uma recomendação pública de uma pessoa que trabalha e representa, e aqui cito, a "Direção de Pesquisa e Desenvolvimento, América Latina", da Pirelli. Que se não bastasse, é o principal piloto de testes do
    campo de provas da empresa em Sumaré, cuja atribuição e conhecimento cercam justamente esta área.

    Bom, vamos então, como esta sendo feito aqui, deixar de lado essa opinião (e aqui cometo um erro, pois esta de maneira nenhuma é uma opinião, mas sim uma constatação técnica) da Engenharia do 4o Fabricante Mundial de Pneus.

    Vamos a uma recomendação da Michelin, o maior fabricante mundial de Pneus.

    Soa forte, não? Eles realmente devem ter algum mérito técnico para chegarem onde estão.

    "Where do I install new tires if I only buy two?
    If you’re replacing only two tires, be sure to have the new tires installed on your vehicle’s rear axle. Here’s why:

    -New tires will provide better wet grip than your half-worn tires.
    -When new tires are installed on the rear, it helps reduce the potential for your vehicle to fishtail or hydroplane in wet conditions.
    "
    (http://www.michelinman.com/tire-care/tire-saving-tips/replacement-questions/#install-tires)

    Va lá, sou cético, para mim tudo isso é falácia. Pois fizeram um vídeo prático para mim:

    http://www.michelinman.com/tire-care/tire-basics/reartire-change/

    Parece com algum outro vídeo?

    Algumas frases ditas no vídeo:

    "Be an informed consumer, insist your new tires are mounted on the rear!"

    Esta vale ler com atenção e fala justamente o que defendi em meu último texto:
    "This is far less likely to occur when the tires with the greather traction are put on the rear. If there is any loss of traction on the front tires, the driver will fell it through the steering wheel, and then can make the necessary speed and/or steering corrections to reduce the likelyhood of spinning out of control."

    "So remember, when replacing only 2 tires, don't put your best __ forward, always put the new tires on the rear."

    "Always keep the two tires with the deepest tread on the rear axle. This applies to FWD, RWD, and AWD vehicles."


    Parecem ter sido bastante incisivos, não? Repetiram diversas vezes a mesma recomendação. Relembrando, recomendação esta que é apresentada da mesma maneira também pela Pirelli, para ficar só nestes 2 fabricantes.

    Acredito que temos pareceres técnicos suficientes para pormos um fim nesta discussão, não temos?


    Obrigado,

    Eduardo Cenci

    ResponderExcluir
  111. Novamente um trecho de meu primeiro post:

    "Na direção de um veículo, qual é seu primeiro aviso de que a sua velocidade é incompatível com as condições da via, devido a questões de aquaplanagem? A direção fica mais leve, quando os pneus dianteiros estão na iminência de aquaplanar por completo. Por vezes o carro irá derivar um pouco a dianteira e lhe dar um susto a mais. Pronto, é seu lembrete de redobrar a prudência. Você diminui e adequa sua velocidade às condições da via, ponto.

    Qual é o lembrete que você tem quando os pneus com sulcos menos profundos (e que consequentemente irão aquaplanar primeiro) estão no
    eixo traseiro? O eixo traseiro está no limite de sua aderência e você não faz nem idéia. Ai decide mudar de faixa, fazer uma curva
    leve, dar qualquer "input" na direção. Você a partir dai não tem um lembrete, mas sim já está na iminência de um acidente.

    Iminência de um acidente. Você não está focado em pilotar o carro, você não é piloto, você não está numa pista, você está escutando uma música, conversando com sua família, vendo uma propaganda na estrada, ah, e também está ali segurando o volante. Isso não é pilotar, é o que chamam de dirigir. Nessa situação, o carro entra em condição sobreesterçante. Que tipo de reação é necessária numa situação como esta? Rápida, imediata, precisa e não intuitiva. É crível que o motorista descrito a pouco terá a inadvertida e
    heróica reação necessária para evitar um acidente??
    "

    ResponderExcluir
  112. Eduardo Cenci,
    Vi o vídeo da Michelin e o que fazem é criminoso, recomenadar não usar pneus com menos de 2/32" de profundidade de sulco: é 1,6 mm!!! É claro que um pneu desse na traseira não terá aderência no molhado. O teste mostrado no skidpad não é de hidroplanagem, mas de simples aderância no molhado. Enfatizei 3 mm mínimo (que a GM recomenda) e falei no ideal de mínimo 4 mm. Entendeu agora?

    ResponderExcluir
  113. Bob Sharp,

    Segundo a Michelin no teste foram usados pneus novos, e pneus "half worn". Dado que um pneu novo tem sulcos de uma profundidade em torno de 8 e 9 cm, um pneu "half worn" tem sulcos longe dos 1,6 mm e dentro das medidas pregadas por você onde seria impossível acontecer aquaplanagem dos pneus no eixo traseiro. Bom, concorde que acontece tal aquaplanagem. Então qual é o problema com o vídeo?

    A recomendação da profundidade de sulco adotada por eles é força de lei (legislação provavelmente dos EUA ou de mais países?). O debate entre os fabricantes sobre qual deve ser este valor é grande, mas foge ao ue estamos discutindo aqui, não?

    Eu acho importante nos focarmos em um assunto só nesta discussão para esclarecermos a todos. Novamente, depois destes pareceres técnicos dos fabricantes, há algum especialista no assunto que diga ao contrário? Caso contrário encerramos.


    Obrigado,

    Eduardo Cenci

    ResponderExcluir
  114. Bob Sharp, mais um adendo,

    Lendo novamente seu artigo, compreendo que a recomendação da GM é que se use pneus com sulcos de no mínimo 3 mm (tudo bem, nada contra, a Continental por exemplo também sugere este valor), mas esta recomendação nada tem a ver com a posição dos pneus mais desgastados, certo? Portanto a GM não fala no manual onde devem estar os pneus mais desgastados, correto?

    ResponderExcluir
  115. Revi o vídeo da Michelin, e realmente, o motorista no vídeo mais parece estar querendo se divertir do que provar o ponto, o que acontece ali mais parece "power oversteer". Já no vídeo da Pirelli discutido o comportamento é realmente de aquaplanagem.

    Mas enfim, a recomendação do fabricante permanece, apesar de terem feito um vídeo mal feito.

    ResponderExcluir
  116. Entrei hoje na internet exatamente para dirimir essa dúvida. Preciso comprar 2 pneus..porém o rapaz que ano passado fez alinhamento/balanceamento inverteu a posição, ou seja, colocou os usados na frente e os mais novos atras...de quebra me falou pra depois de alguns meses comprar 2 novos, colocando na traseira.
    Hoje fiquei intrigada com isso, pq em dezembro bati com o carro, num dia de chuva aqui em Recife (não estava correndo). Só hoje me ocorreu que poderia ser os pneus mais gastos que estão na frente.
    Depois de tantos comentários, acho que farei a escolha certa dessa vez.
    Valeu gente!!
    Maria Pires

    ResponderExcluir
  117. Olhe ai, a responsabilidade de mais uma vida na mão dos formadores de opinião. Isso não é brincadeira.

    Maria, quem sou eu? Posso muito bem ser um nerd de 15 anos atrás de um computador. Quem são essas pessoas postando? Você conhece alguém aqui ao ponto de confiar sua vida a ela?

    Não?

    O que achas de seguir a recomendação expressa da Pirelli, Michelin, entre outros fabricantes?

    Não sou eu quem vou lhe dizer a recomendação deles, você pode ver através dos links:

    Pirelli: http://www.youtube.com/watch?v=6bRfr-I-V_c

    Michelin:
    http://www.michelinman.com/tire-care/tire-saving-tips/replacement-questions/#install-tires
    ou aqui:
    http://www.michelin.com.br/wps/portal/!ut/p/kcxml/04_Sj9SPykssy0xPLMnMz0vM0Y_QjzKLN4i3dAPJgFku-pGoIsam6CKOcAFfj_zcVH1v_QD9gtzQ0IhyR0UAE1oM8A!!/delta/base64xml/L3dJdyEvUUd3QndNQSEvNElVRS82XzBfOUY!?channelId=816bdc2ff095af00VgnVCMServer6620600aRCRD#montar

    Ou também veja os cartezes dos fabricantes de pneus que normalmente são dispostos em borracharias.

    Outro ponto importante. Você não precisa acreditar em mim, é só ler esta discussão toda. Nenhum fabricante de pneu ou fabricantes de automóveis citados aqui endossa o contrário. Ok?


    Obrigado,

    Eduardo Cenci

    ResponderExcluir
  118. Outro anônimo20/01/10 13:39

    Bob Sharp, primeiramente, o mais importante numa mensagem é o que é dito e não quem disse.

    O foco, como já mencionei, é que os leitores ponderem sobre tudo o que foi dito e tirem suas próprias conclusões, independente de concordantes ou não, como mencionei no meu comentário de 10 de janeiro, às 18:56. Também naquele comentário, eu mesmo afirmei que muitos te ouvem. E, àqueles que o fazem cegamente, eu só posso desejar boa sorte, já que tanto Jesus Cristo, como Hitler, tiveram suas legiões de fãs. Ou seja, ser ouvido por muitos não quer dizer muita coisa.

    Quanto a seguir o que eu acredito, digamos que seguir o que você acredita como certo é problema seu, não meu. Parece que estamos empatados nesse aspecto, certo? Não adianta, então, você ficar repetindo que o problema é meu... Como já disseram (e não fui eu), parece coisa de adolescente contrariado.

    Quanto ao nível baixo de ofensa, vi aqui expressões como “bobo”, “puxa saco”, “retardado”, etc... Você poderia me informar em qual momento eu me portei dessa forma?? Uma dica, são 3 as minhas mensagens anteriores: às 18:56 de 10/01/10, às 12:58 de 18/01/10, e às 01:11 de 19/01/10.

    Infelizmente, eu não posso me responsabilizar pelo o que os outros dizem. Nem mesmo aqueles que se atropelam e concluem aquilo que não foi dito, ou aqueles que se colocam em posição de professores sem, ao menos, procurar saber se o que pretendem ensinar é realmente alguma novidade a ser aprendida pelo suposto aprendiz.

    Por outro lado, interessante como o outro leitor, concordante com seu ponto de vista, me acusa de “orgulhoso” e “presunçoso”, mas, nesse caso, isso não é ofensa... A ele, nem mesmo uma “tréplica” vale a pena.

    Mas no final das contas, fica parecendo que, aqui, todos podem opinar aquilo que quiserem... desde que seja concordando com o autor. Ou então haverá a ameaça, ao discordante, de que este seja “banido”. De qualquer forma, a casa aqui é sua e em momento algum houve promessa de imparcialidade. Assim, faça como você se sentir mais realizado.

    Finalmente quanto ao tema do post, como muito bem colocado por um terceiro leitor, nada mais há o que ser colocado. De minha parte, mesmo que houvesse, isso não convenceria aqueles que se recusam a pensar. E aos que pensam, já há depoimentos mais do que o suficiente. Inclusive o seu, sobre pneus de 4mm serem globalmente melhores que os de 8mm, o que contradiz a sua própria tese.

    Boa sorte.

    ResponderExcluir
  119. Edwin Jean20/01/10 13:50

    Não precisamos exagerar! Se alguém entra para dar uma espiada nos nossos debates, não é preciso assustá-la como se a vida dela dependesse de uma decisão de quais pneus colocar. Acho que para o leigo a nossa recomendação deve ser a de não usar pneus com menos de 4mm seja onde for, frente ou traseira, e principalmente, alertar que o fato de usar pneus novos até mesmo nas quatro rodas não isenta de uma ocorrência de aquaplanagem, pois a lâmina dágua pode ser muito espessa e provocar a perda de contato, ESPECIALMENTE NAS RETAS ONDE A VELOCIDADE SEMPRE É MAIOR, que é o que origina a recomendação de melhores na frente, pois eles abrirão caminho para os traseiros, mas volto a repetir, nem pensar em usar pneus com 1,6mm de profundidade de sulcos seja em que eixo for. O melhor é sempre estabelecer um limite seguro de velocidade para evitar surpresas, pois a perda de controle do carro para quem não é piloto, e sim apenas um motorista comum, é sempre uma coisa assustadora, e na minha opinião a saida de frente é a pior delas, pois por mais que se vire o volante não há resposta, ao passo que a saida de traseira, desde que não seja exagerada, pelo menos leva o carro na direção da curva, e não para fora dela. Volto a lembrar aos motoristas comuns que a melhor solução na chuva é a cautela e limites mais baixos de velocidade.

    ResponderExcluir
  120. Olá, gostaria de registrar minha opinião. Acho que tudo parte de um determinado ângulo de análise.

    A Pirelli partiu de uma configuração das mais comuns, conjunto mecânico e tração dianteira, até aí perfeito. Colocou o automóvel numa situação de piso molhado, contornando curva de médio raio e a velocidade superior a adequada nessa condição.

    Então, partindo disso, eles estão certos, pois uma perda da frente não é nada que uma aliviada não resolva. Com os pneus ruins atrás, na velocidade e com água, a escapada é muito rápida, não possibilitando tempo ou eficácia de um eventual contra-esterço.

    Já numa situação mais plausível de uso, a solução defendida pelo Bob se mostra mais acertada. Primeiro porque nesse caso, nem haveria pneu, seja na frente ou atrás, gasto o suficiente para provocar algum susto, no mesmíssimo padrão do teste da Pirelli. Segundo porque como já falado, haveria a maior eficiência possível em termos de frenagem e controle de direção(eixo dianteiro), daí evitando velocidades inadequadas em curvas.

    Em resumo, a análise da Pirelli é válida, para um sujeito que se descuidou em deixar os pneus traseiros em estado lastimável e mais ainda ao contornar uma curva daquelas, com aqueles pneus àquela velocidade...na água.

    Para quem prefere andar dentro dos limites de segurança e manutenção, em todos os aspectos, siga a voz de Bob Sharp.

    ResponderExcluir
  121. Acredito que a discussão já tenha se esgotado, mas em todo caso...

    Acredito que qualquer motorista que possua habilitação definitiva (aquela que vem depois da permissão de 1 ano) já deve ter passado por algum momento de aquaplanagem (tendo notado ou não) e a grande maioria se saiu muito bem, sem colidir ou mesmo mudar de faixa, pois a correção - em reta, e em moderada velocidade, como andamos a maior parte do tempo - é mais fácil e intuitiva.

    Em Economia/Estatística usa-se bastante como referência o PRINCÍPIO DE PARETO onde 80% das consequências vêm de 20% das causas.

    Aplicando essa análise ao assunto do tópico - de maneira bem generalista - poderíamos inferir, empiricamente, que 80% dos acidentes causados por aquaplanagens vêm de 20% dos veiculos que perdem o controle.

    Podemos considerar também que a perda de atrito dos pneus traseiros corresponda a 20% dos casos... é mais difícil de ocorrer que a perda de atrito dos pneus dianteiros... porém por ser mais complicada de lidar, 80% delas têm boa probabilidade de causar acidentes.

    Vejam bem, a recomendação do Bob de usar pneus novos na frente parte do princípio de que A MAIOR PARTE DAS AQUAPLANAGENS OCORRE NO EIXO DIANTEIRO, que está correto.

    Porém se analisarmos qualitativamente, veremos que há uma MAIOR PROBABILIDADE DE ACIDENTES GRAVES OCORREREM POR AQUAPLANAGEM DO EIXO TRASEIRO.

    Sendo assim, encerro a questão reafirmando que pneus mais novos devem ser usados sempre no eixo traseiro.

    []'s!

    ResponderExcluir
  122. Realmente se vc for retardado o suficiente para andar em piso molhado de forma incompatível com a condição, use mesmo pneus novos na traseira.

    Se a traseira chegar aquaplanar, a dianteira já o estará sob o efeito "faz tempo".

    ResponderExcluir
  123. Edwin Jean19/02/10 10:28

    Eu já havia dado esse assunto por encerrado, mas como voltaram a comentar, e até usando de forma inusitada uma citação de Pareto, que tem mais a ver com economia( Quem quiser saber mais sobre a mesma dê uma olhada na busca do google), eu volto como sempre de forma respeitosa e sem ofensas pessoais, a lembrar que estatísticamente as aquaplanagens ocorrem na maioria dos casos em retas, e dentro dos limites permitidos de velocidade, exemplificando: A via Dutra permite 110Kmh na maior parte de sua extensão, e nos dias de chuva forte, mesmo um pouco abaixo da velocidade limite, a aquaplanagem ocorre em inúmeros pontos da via, e aí prevalece o bom senso de colocar pneus novos na frente, pois eles chegam primeiro na poça, e abrem caminho para os traseiros que não sejam tão novos, mas nunca com menos de 3mm de sulcos. As condições até aqui aventadas, de chegar a uma curva a velocidade superior a que a o bom senso recomenda são excessão a estatística, e até com os quatro pneus novos a possibilidade de acidente é grande, portanto é preciso que antes de mais nada o motorista tenha bom senso ao dirigir, seja no seco ou no molhado, pois no dia a dia a segurança prevalece sobre a velocidade, ao contrário do que ocorre na pista de corrida, onde o menor tempo para percorrer a mesma é o que interessa.

    ResponderExcluir
  124. O Bob precisa chamar o Calmon para discutir essa tese. Vai ser briga de titãs e o chão irá tremer!: http://blogdomoquenco.blogspot.com/2010/02/alta-roda-n-565-fernando-calmon-23210.html

    ResponderExcluir
  125. Pneus novos sempre na traseira! Aprendi isso na prática. Sem acidente grave, graças a Deus, mas com um susto tremendo!

    Se o pneu estiver meia vida e você quiser utilizá-lo mais um pouquinho, passe-o para o eixo dianteiro.

    Bob, gosto dos seus textos. Mas, dessa vez, você pastelou. Heheh

    ResponderExcluir
  126. O problema é que ele frequentemente "pastela", mas a grande maioria continua achando ótimo...

    ResponderExcluir
  127. Edwin Jean29/03/10 21:24

    Acho que esse assunto está se extendendo por demais, e como alguns que postam opinião parecem estar mais interessados, em debochar e denegrir os que tratam com clareza o que ocorre no dia a dia nas estradas quando chove,e para isso se baseiam nos vídeos que claramente mostram uma preocupação com o motorista imprudente que aborda uma curva com chuva a uma velocidade acima da que o bom senso recomenda, e que são produzidos com pilotos experientes que conseguem controlar o carro quando sai de frente a duras penas, e que propositalmente forçam uma saída de traseira exagerada para justificar a recomendação de pneus novos atrás. O motorista comum não dirige assim e uma meia dúzia de imprudentes não tem significação estatística para essa recomendação, até porque eu duvido que um motorista abusado, mas com habilidade inferior aos pilotos que fazem a demonstração nos vídeos consiga evitar uma saída da estrada com pneus mais gastos na frente. Como eu já repetí e detalhei várias vezes aqui, no que concordam muitos outros motoristas ou pilotos experientes, a situação mais comum de aquaplanagem é nas retas em velocidade permitida por lei, e aí os pneus novos na frente abrem caminho para os traseiros, já não tão novos. Claro que todos que andam em estradas já devem ter observado que o carro da frente vai deixando um trilho por onde passa, e isso é o que ocorre com mais intensidade ainda devido a pequena distância entre os eixos dianteiro e traseiro. Acho que os que ainda continuam afirmando que o contrário é verdadeiro, porque viram os vídeos, como eu já disse produzidos em condições muito diferentes do que se encontra na realidade, deveriam fazer a experiência e depois voltar a escrever para deixar as suas impressões. Coloquem os melhores na frente, e façam uma viagem em dia de chuva numa estrada como a Dutra dentro da velocidade permitida, que é na maioria da sua extensão de 110Kmh, e verão que ao passar pelas lâminas dágua que são responsáveis pela aquaplanagem o carro se mantem por muito mais tempo sob controle, basta manter a direção reta e esperar que a poça termine, já se na frente estiverem os mais gastos, a aquaplanagem se manifestará muito mais rápidamente, e a sensação de não ser mais o motorista e sim passageiro será muito desagrdável, para não dizer perigosa, pois a tendência é de a frente derivar para fora da pista, pelo fato de haver um caimento tanto do lado esquerdo como no direito em todas as estradas. Não estou falando isso em teoria, mas baseado em mais de um milhão de quilometros rodados em todo tipo de ruas e estradas com dezenas de tipos de carros. Agora é bom lembrar que para qualquer comparação, é preciso que o carro esteja em perfeitas condições mecânicas, e com alinhamento correto da direção. Espero que os queiram comentar, o façam com base em experiência, e não utilizem o espaço que serviria para melhorar o conhecimento técnico a respeito de muitas coisas relativas a automóvel, para deboches e ofensas.Cordiais saudações a todos os interessados em conhecer melhor o assunto.

    ResponderExcluir
  128. Luiz Augusto05/04/10 01:56

    Gente, q confusão!! Entrei prá tirar uma dúvida e fiquei mais confuso ainda, apesar de achar um pouco mais coerente a posição do Bob. Acredito q vcs, mais entendidos no assunto, deveriam ser mais suscintos nas explicações, assim como o Bob o faz. De qq maneira, a leitura dos tópicos me levará a consultar outras fontes até chegar numa conclusão mais concreta. Obrigado a todos pela ajuda.

    ResponderExcluir
  129. Edwin Jean05/04/10 06:54

    Ao amigo que pede uma recomendação mais sucinta, o mínimo que posso dizer, é que se vc tem dois pneus que ainda possuem pelo menos 4mm de sulcos, coloque-os na traseira, verifique o estado da suspensão e direção,(amortecedores, pivôs, buchas etc) faça o alinhamento num local confiável e coloque dois pneus novos na frente,esqueça os malabarismos dos vídeos que foram comentados, e viaje tranquilo, com prudência e bom senso, que são o principal, pois os que exageram e cometem imprudências não estão livres de sustos ou acidentes nem com todos os pneus novos.

    ResponderExcluir
  130. Luis Augusto,

    Por que um fabricante sugeriria colocar DOIS pneus novos nesse ou naquele eixo, se o interessante para ele seria que você colocasse 4 pneus novos? Se essa ou aquela escolha pode ser insegura, será que o fabricante teria interesse em divulgar informação errada que, no fim das contas, poderia por fim na vida de um possível consumidor de seus produtos?
    Agora imagine que mais de um fabricante de pneus, após VÁRIOS testes, cheguem à mesma conclusão... Eu te pergunto, você prefere acreditar nas conclusões de fabricantes estabelecidos ou de alguém que simplesmente tece alguns comentários em resposta a um post, se colocando como "especialista"?

    Um exemplo bastante prático sobre pneus são os carros de fórmula 1. Assim que recebem pneus novos, sua dirigibilidade fica consideravelmente inferior. O mesmo ocorre nos carros normais, sendo que não sentimos tanto por não andarmos "no limite" como seria na competição.
    Agora vc prefere que sua dirigibilidade seja inferior no eixo que comanda o carro ou no outro?

    Então, se vc ainda tem 2 pneus dentro da margem de segurança e pretende colocar outros 2, novos, sucintamente, pneus novos no eixo traseiro. E quem diz isso não sou eu, mas quem convive tecnicamente com o produto pneu todo dia.

    ResponderExcluir
  131. Edwin Jean20/05/10 18:55

    Até acho normal que algumas pessoas achem que a opinião de um fabricante, ou de mais de um, prevaleça sobre a de alguns pilotos com anos de experiência em todo tipo de competição. Mas deveriam considerar que os vídeos exibidos não retratam a realidade, pois quem está dirigindo em uma estrada não dá golpes na direção para fazer sair propositalmente de traseira o carro. Pilotos de competição não são "especialistas" assim entre aspas como o amigo colocou, são ESPECIALISTAS em automóveis como um todo, experiência essa adquirida em anos de pilotagem no limite, isso supera qualquer afirmativa teórica. Eu sugiro que os que defendem os fabricantes aguardem a ocasião de estarem viajando em uma rodovia como a Dutra por exemplo, na velocidade permitida por lei, ou seja 110Kmh, e se depararem com uma poça das muitas que existem nessa e em outras rodovias, e que estejam seguindo a recomendação que acham correta. As rodas que tocam primeiro a poça são as dianteiras, e dos pneus que nelas estiverem depende o escoamento e abertura de caminho para os traseiros, portanto quanto mais fundos forem os sulcos desses pneus melhor será o escoamento e a abertura do trilho para as rodas traseiras. Quando a aquaplanagem se concretizar, se souberem rezar, o façam, enquanto pensam na recomendação dos teóricos. Os vídeos proirizaram o comportamento em curva, em velocidades acima da recomendada pelo bom senso, e as derrapagens foram propositalmente forçadas, sendo que lá não haviam muretas ou abismos. Na realidade, quem se propuser a andar de maneira irresponsável e acima da velocidade que o bom senso recomenda, em curvas sob chuva, corre riscos de qualquer forma, pois se souber controlar um sobre-esterço, ainda pode se safar, mas se estiver com pneus novos atrás, difícilmente conseguirá fazer a curva pois o carro seguirá reto

    ResponderExcluir
  132. Apenas para colocar uma "cerejinha" nesse drink:

    Será que os pneus vendidos na Europa por 34 libras (R$90,00) (175-70-13) seriam os mesmos vendidos "às pilhas" na rede atacadista de supermercados?

    Leiam isso:
    "Analisando apenas o aspecto do preço seria possível dizer que os supermercados trazem vantagem. O pneu Pirelli 175/70-13, por exemplo, foi encontrado com menor preço no Carrefour Interlagos, por R$ 64,90, com instalação gratuita, mas balanceamento e alinhamento cobrados à parte. Já na Casa Fernandes de Pneus em São Paulo, revendedor Pirelli, o mesmo pneu custava R$ 70,00 também com balanceamento e alinhamento cobrados separadamente, enquanto na Diniz Pneus, em Belo Horizonte, o Pirelli 175/70-13 custava R$ 79,00 à vista, com balanceamento incluso".
    Acessado aqui: http://autoesporte.globo.com/edic/ed421/consumo.htm, em 06/5/2010.

    Na região Centro-Oeste, desse nosso querido Brasil, os preços oscilam em R$120,00 PROMOÇÃO!!

    Isso sem falar nos recauchutados, e remodelados (remold, de 'remoldeds'). Boa matéria aqui: http://quatrorodas.abril.com.br/carros/testes/conteudo_143211.shtml.

    Bons passeios... Boas viagens... E, se forem beber, me chamem. (Depois a gente chama um taxi --- vcs pagam).

    Mas se forem dirigir, não bebam: Os pneus aida são calibrados com ar...

    ResponderExcluir
  133. Um video sobre pneus remold.
    A autoria? Eu, você, o Bob, o Diretor do Inmetro, a direção de pauta ou o Editor da Quatro Rodas?

    Que pneus seus parentes, amigos, vizinhos, colegas de trabalho utilizam?

    Vamos fazer nossos próprios vídeos?

    http://www.youtube.com/watch?v=p44uIg4Eaek
    (Acessado hoje, 06/5/2010, às 12 hs Brasilia).

    (Agora, não sei ao certo se esses pneus do vídeo tinham 1.6, 3, 4 ou 8 mm de sulco; nem se estavam na frente ou atrás... Porém, são EXATAMENTE aqueles mencionados na da Quatro Rodas --> http://quatrorodas.abril.com.br/carros/testes/conteudo_143211.shtml)

    Abraços a todos.

    Bob, adorei seu blog e seus textos. Sucessão procê.

    ResponderExcluir
  134. PNEU NOVO NAS QUATRO RODAS, MAS SE NÃO TIVER OPÇÃO É CLARO QUE TEM QUE POR OS MELHORES NA FRENTE EVIDENTE E CLARO !!!!!!!!!!!! NÃO SEI ONDE FOI FEITO O TESTE QUE CONTRADIZ ISSO, ACHO QUE O CARA ESTAVA ANDANDO DE MARCHA RÉ. É PARA RIR DESSA MENTALIDADE.

    ResponderExcluir
  135. TEM UM DETALHE: SE VOCÊ PREFERIR SAIR DE FRENTE PONHA PNEUS PIORES NA DIANTEIRA, SE PREFERIR DERRAPAR OS PNEUS TRASEIROS PONHA OS PNEUS PIORES NO EIXO TRASEIRO. Então como se vê é uma questão de preferência bater de cara ou bater de lado/traseira.

    ResponderExcluir
  136. Olá amigos.
    Li alguns comentários sobre a troca parcial de pneus. Alguns defendendo a colocação do par novo na dianteira e outros afirmando ser o melhor na traseira. Como alguns disseram o melhor é trocar todos os pneus por novos. Mas algumas vezes isso não é possível por questões financeiras. Então vem a opção de trocar somente um par. A escolha pela posição dos pneus deve ser feita pelo dono do carro. O importante é que todos so pneus do veículo estejam em condições de rodarem com segurança.
    Vi que a legislação no Brasil determina/proíbe o uso de pneus que estiverem com sulcos iguais ou inferiores a 1,6 mm. É claro que não se deve deixar que os pneus cheguem a esse desgaste (questão de segurança). Mas ocorre que você ainda tenha pneus em condições mas eventualmente algum tenha sofrido dano (rasgo, bolha, etc.) e que fique condenado. Logo é preciso trocá-lo. Mas trocar um só não é recomendável. Aí temos de trocar o par que trabalha em conjunto.
    Quanto a rodar em dias de chuva, lembro que a prudência é a melhor alternativa. Respeitar os limites de velocidade. É recomendado que em dias de chuva e com pistas que acumulam água a velocidade seja diminuída e muita atenção. Outra informação: há pneus especiais para rodarem em sólo úmido. Não é à-toa que nas competições esportivas (F1 por exemplo) há diferentes tipos de pneus (desenhos) conforme as condições climáticas.
    Recomendações: Observar periódicamnete a calibragem, o estado geral dos pneus, a profundidade dos sulcos, evitar frenagens bruscas,balanceamento e geometria/alinhamento (a caga 8 mil km), seguir as orientações do fabricante do veículo quanto aos modelos/tipos/tamanhos que podem ser usados, usar pneus de marcas de qualidade e com procedência e muita prudência (tanto em dias secos ou com chuva).
    De nada adianta ter pneus novos e não seguir as recomendações.

    Um abraço a todos

    ResponderExcluir
  137. Segundo você, então os fabricantes estão errados?
    Os próprios fabricantes recomendam o uso dos pneus mais novos atrás. Entrem nos sites e confiram. Quem melhor do que eles, que gastam milhões em testes, para indicar o uso correto?

    ResponderExcluir
  138. Edwin Jean18/09/10 13:44

    Já detalhei várias vezes os motivos porque os pneus novos devem ficar na dianteira. Os vídeos produzidos pelos fabricantes se baseiam numa condição pouco usual, se vc prestar atenção ao vídeo daPirelli, vai ver que ele se baseia em abordar curvas em velocidade acima do razoável, e em alguns casos com o piloto girande de forma brusca e proposital o volante para forçar a derrapagem, aí eu pergunto: Quantas pessoas dirigem dessa forma? Quem dirige sem a devida cautela, está sempre exposto a situações difíceis, seja com pneus em que localização for, ou mesmo com os quatro novos, e se vc abusa, ou é irresponsável, ou tem alguma noção de pilotagem, portanto no primeiro caso tem que contar com a proteção divina exclusivamente, ou no segundo fazer a necessária correção da saída de traseira (oversteering) que é muito mais favorável a sair de uma situação dessas do que a saída de frente (understeering) caso em que vc vira a direção e ela não responde, podendo portanto sair da pista sem chances por não ter mais o controle do carro, se tornando simples passageiro. Agora vamos supor uma situação que todos os motoristas conscientes e responsáveis encontram facilmente nas estradas brasileiras, e nas minhas andanças pela Rodovia Presidente Dutra (Rio-São Paulo) já perdí a conta de quantas vezes me aconteceu. Você trafega na reta na velocidade permitida por lei (110Km) num dia de chuva e está tudo OK, de repente vc chega a uma zona alagada, onde a lâmina dágua é bastante espessa, e aí começam os problemas: Se vc estiver com os pneus novos na frente, eles pela maior profundidade dos sulcos, abrirão caminho para os traseiros, com os sulcos bem menos profundos, e a possibilidade de aquaplanagem fica reduzida, já se os pneus da frente forem mais gastos, o carro entrará imediatamente em condição de aquaplanagem, ou seja os pneus dianteiros perderão contato com o solo, deixando o carro sem nenhum tipo de controle, e de nada servirá a melhor condição dos traseiros. Resta portanto a escolha, se vc sabe dirigir esportivamente e abusa as vezes na chuva, ainda assim terá mais chances com os novos na frente, pois saberá lidar com uma saída de traseira, agora, se não dominar a técnica e portanto preferir os novos atrás, terá que contar com a sorte para o carro perder velocidade na saída de frente, antes de sair da estrada ou encontrar algum obstáculo. Os fabricantes de pneus, não são donos da verdade, como eu e outros pilotos de competição também não somos, eles não estão acima do bem e do mal, pelo simples fato de fabricar pneus, o carro é um conjunto constituido de muitas partes, e se você já passou por alguma situação semelhante as que mencionei, é só uma questão de bom senso para concordar comigo, que é muito mais provável que você se depare com poças numa reta, do que tenha que domar o carro por exagerar na velocidade em local inadequado.

    Em 18 de setembro

    ResponderExcluir
  139. Estou postando como anonimo pra não ter q fazer conta.. preguiça mesmo...

    aqui vai uma luz... soh q tah em ingles...

    Most drivers aren't skilled enough to correct an oversteer condition (you typically need to apply more throttle and countersteer quickly). Getting sideways means you have a higher chance of rollover due to tripping, or side impact. Most drivers will do the wrong thing for oversteer, they will brake, lifting the rear end further and giving away even more traction, making their problem worse.


    o problema não é o pneu, e sim o motorista... o bob e pilotos tem o knhow how pra controlar um carro q saia de trazera... ai tu pega um manolo que arrecem saiu da auto escola... aquele q para quando um caminhao na frente dele pisca pra direita...

    pois é, esse cara ai, ele freia na curva... e agora me diga bob... voce freia na curva??? se voce freia, nem sei como é piloto, voce tem de antecipar a frenagem, portanto, não faz sentido pneus novos na frente...

    na serra do rio das antas - RS, tem uma curva, pra quem não conhece a estrada, é fechada na descida e não tem muitas placas avizando, vai um bizonho a mil ali e vai direto pro rio... nessa situação o manolo tem q esta com os pneus atras, afinal ele é bizonho.

    Piloto sabe oq fazer, eu não sou piloto, tenho pouca noção do que fazer em situações de emergencia, pq simplismente não procuro este tipo de situação.

    quero ver o cara tenta anda a 170 nas estradas que eu ando. eu viajo no máx a 100 e ainda acho que é muito...

    ResponderExcluir
  140. Edwin Jean
    Perfeito! Parabenizo-o pela noção exata da questão. Desculpe a demora em comentar suas palavras.

    ResponderExcluir
  141. Anônimo de 18/10, 16h19
    O problema não novo na frente ou atrás, mas usar pneu com pouca profundidade de sulco. O limite legal de 1,6 mm é insuficiente sob qualquer ponto de vista para se andar no molhado. A água não drena. Por isso, novos na frente e usados atrás, mas desde que estejam com a profundidad de sulco de segurança, que é 4 mm ou meia-vida do pneu.
    Sim, freio na curva, como não? O truque é frear suavemente e entender que o carro poderá derrapar.
    Veja o comentário do Edwin Jean logo acima do seu. Ele disse tudo.

    ResponderExcluir
  142. Clã Estúdio
    Os fabricantes de pneus estão certos se for considerado que o pneu será usado até o limite legal de 1,6 mm. Eles, inclusive, não podem recomendar para não se chegar a esse perigoso ponto, pois ficariam em desvantagem diante dos concorrentes. Assim, enfatizo que para segurança máxima na troca de um par de pneus, que os novos fiquem na dianteira e que os usados, desde que até meia-vida, rodam arás. Nessa condição de desgaste não há como perderem contato devido à àgua, ao contrário dos pneus com 1,6 mm usados nas tomadas de cena.

    ResponderExcluir
  143. Já que você está acompanhando Bob Sharp, acho que vale a insistência.

    Independentemente da profundidade do sulco de um pneu, ele irá aquaplanar. Ponto. Isto será uma função da velocidade do veículo e da profundidade da lâmina de água. Mesmo a velocidades baixas, uma lâmina de água espessa fará o veículo aquaplanar. Isto é importantíssimo quando levamos em conta nossas estradas com péssimo escoamento de água. Portanto mesmo com pneus novos o veículo irá aquaplanar em uma situação extrema.

    A recomendação se baseia em: qual situação representa menor risco ao motorista, "sair de frente" ou "sair de traseira". Praticamente todo veículo veículo feito no mundo, fabricante, e todo órgão regulador acredita que a primeira situação é mais segura.

    Você é um formador de opinião e massas confiam em seu discernimento. Inúmeras engenharias apontam na direção contrária do que você está dizendo. Consulte mais alguns contatos da indústria. Qualquer um pode discordar de você aqui, mas você é "o cara", a sua opinião é a que vale para quem lê seu blog.

    A discussão não pode se apoiar em argumentos como os abaixo citados, isto é uma discussão técnica e vidas estão em jogo, não há espaço para filosofia.


    "Os fabricantes de pneus, não são donos da verdade, como eu e outros pilotos de competição também não somos, eles não estão acima do bem e do mal, pelo simples fato de fabricar pneus..."

    "Não precisamos exagerar! Se alguém entra para dar uma espiada nos nossos debates, não é preciso assustá-la como se a vida dela dependesse de uma decisão de quais pneus colocar."

    ResponderExcluir
  144. Aproveitando, acompanhei seu comentário durante um painel no último congresso na SAE.

    Com certeza existem soluções muito melhores que lombadas e elas sem dúvida impactam muito o consumo. Mas por hora, uma regulamentação da geometria delas viria muito bem a calhar (será que isto não existe ainda?). É um absurdo, parece que cada uma depende do humor do sujeito que a construiu. Não pode ser tão difícil espalhar por ai um gabarito padrão para elas.

    ResponderExcluir
  145. Cenci, quanto às lombadas existe uma infindade de dispositivos que reduzem a velocidade do tráfego, falta é boa-vontade (e bom senso) para que sejam aplicados os aparelhos corretos pelos nossos amigos da prefeitura e companhia de engenharia de tráfego. No site http://www.ite.org/ há muita informação interessante a respeito.

    ResponderExcluir
  146. Edwin Jean24/10/10 04:05

    Respondendo ao último comentário do Eduardo
    Esse negócio dos pneus, já se arrasta desde o pricípio do ano, e com certeza ele está esgotado no que diz respeito ao ponto de vista prático para os que utilizam seu veículo para os fins normais, ou seja o seu próprio deslocamento e da sua família. Não acredito que o cidadão normal e equilibrado dirija em dias de chuva como o fazem propositalmente os pilotos de testes das fábricas de pneus. Seria bom lembrar que os abusos podem levar a acidentes mesmo com todos os pneus novos, especialmente no caso de motoristas comuns que não possuem a habilidade dos pilotos de testes, que repetem frequentemente essas experiências para produção dos vídeos. Se alguém acha que os meus comentários podem colocar a vida de alguém em risco, como insinua o amigo Eduardo eu seu mais recente comentário, eu acho que nesse caso quem mais está propenso a isso são os fabricantes de pneus, pois os vídeos podem dar a falsa impressão de que se estiverem com os pneus melhores atrás o carro vai perdoá-los pelo seu abuso, o que não é verdade. Não sei se o amigo tem experiência com direção em condições adversas, pois se tem, há de concordar comigo, que a saída de frente numa curva, é uma sensação assustadora, pois você vira a direção e o carro continua em linha reta, e se o carro não recuperar a aderência a tempo, isso pode significar a saída da estrada e em se tratando de uma serra por exemplo o final pode ser a queda numa ribanceira. Acredito que o melhor conselho que se pode dar, é que respeitem os limites de segurança quando trafegarem em estradas com chuva, especialmente se não conhecerem bem o trajeto. Em meus comentários anteriores, sempre coloquei a segurança em primeiro lugar, nunca recomendei que alguém dirigisse em estrada como se estivesse em uma pista de corridas. A minha afirmativa de que os fabricantes de pneus não são donos da verdade, é acompanhada de outra onde digo que nós também não somos. O que eu quero dizer com isso, é que um carro se compõe de quatro pneus e uma enorme quantidade de variáveis, carros diferentes, com projetos diferentes, apresentam reações diferentes em condições adversas. Apenas no meu comentário mais recente procuro ser o mais prático possível me valendo de mais de um milhão e meio de quilômetros rodados, seja em ruas, estradas e automobilismo esportivo, e volto a afirmar que dirigindo normalmente você encontrará um número muito maior de vezes a situação que venho abordando desde o início, que é a aquaplanagem em linha reta, e aí não há como alguém discordar que os pneus novos na frente garantem muito maior segurança, é tão fácil provar isso! Quando alguém acompanha outro carro em uma estrada com chuva vê perfeitamente o trilho que é deixado pelo mesmo, pois é exatamente isso que acontece entre o eixo dianteiro e o traseiro do seu carro, os pneus da frente, que são os primeiros a tocar na poça dágua, vão abrir caminho para os traseiros, ou seja, quando os pneus traseiros passam por onde os dianteiros já passaram, encontram muito menos água, será preciso dizer mais alguma coisa para o bom senso recomendar que os novos fiquem na frente?

    ResponderExcluir
  147. Essa é minha opinião.

    http://www.youtube.com/watch?v=_oBqvkGQw9M

    ResponderExcluir
  148. ADG HIGH TORQUE
    Você misturou estações. Quando você fala em pneus meia-vida, está saindo da discussão da questão toda. O que se diz e recomenda por aí se refere a pneus que têm de ser substituídos por terem chegado à profundidade de sulco mínima regulamentar, que é de 1,6 mm. Para quem vai até esse limite e que não é o meu caso e nem o seu (você mesmo falou em meia vida, lembre-se), é melhor deixá-los na frente e pôr os novos atrás. Só que estou falando de quem usa pneus com consciência, nunca ir além de 4 mm de profundidade de sulco, quando muito 3 mm (o que a GM corretamente recomenda nos manuais de proprietário). Pneus meia-vida atrás jamais entrarão em aquaplanagem antes dos dianteiros, o que garante a segurança. Os filmes que se vê sobre o assunto mostram claramente pneus gastos até o limite do indicador de desgaste da banda de rodagem (TWI, tread wear indicator), o tal 1,6 mm citado acima. E para sua informação, além do DKW-Vemag, corri muito de Opala 250-S e Maverick 302, este tanto na Divisão 1 quanto na Divisão 3, neste caso com motor 5-litros de 450 cv. Uma das provas que venci, a 25 Horas de Interlagos de 1975, co-tripulando com José Carlos Pace e Paulo Gomes,foi toda debaixo de chuva.

    ResponderExcluir
  149. http://www.michelin.pt/pt/auto/auto_cons_bib_pqr_neuf.jsp


    acho que a Michelin empresa conhecida no ramos de pneus sabe muito mais do que todoas aqui!

    ResponderExcluir
  150. Daniel
    Mas parece que a Michelin desconhece a aquaplanagem. E parece desconhecer também que as nossas rodovias são péssimas de drenagem e que a aquaplanagem é um dos eventos mais perigosos que existe.

    ResponderExcluir
  151. Eduardo Cenci e Daniel,

    Aqui é improdutivo tentar utilizar a lógica para defender esta ou aquela hipótese, dado que os 2 principais defensores dos "pneus à frente" parecem se preocupar bem mais em enaltecer serem isso ou aquilo.

    Segundo eles, devemos desconsiderar que Michelin, Pirelli e outras entendam de pneus (claro, são empresas que produzem gêneros alimentícios, não é?!...). Por outro lado, devemos acreditar cegamente na opinião de ditos pilotos (alguns, que eu nunca ouvi falar) que, na falta de argumentos mais científicos, se utilizam da experiência que tiveram "em algum lugar", "em alguma época", "em algum autódromo". Tudo muito vago.

    Ou seja, onde impera a vaidade, nunca haverá debate válido.

    ResponderExcluir
  152. Eu não discuto mais.

    Chegando a hora de trocar, troco os 4.

    ResponderExcluir
  153. Bob, só porque a Michelin não falou "aquaplanagem", não quer dizer que não pensou nisso, ela não quis é botar mais um termo técnico para confundir o cliente. A idéia é passar claramente a mensagem.

    Aquaplanagem é agora restrita ao Brasil? Pegando como exemplo um dito supra-sumo: se você for na Alemanha, mesmo em uma Autobahn, em vários trechos tem uma placa sinalizando "perigo de aquaplanagem".


    Bob, sua manchete é: "PNEUS NOVOS NA DIANTEIRA, POR FAVOR!". Fala em 3 mm, 4 mm, depois fala que com menos que isso o pneu melhor tem mesmo é que ficar na traseira, o que é contrário a determinação da manchete.
    Quem está lendo aqui, é fora da média, é uma pessoa com um perfil de quem corre atrás para entender melhor seu carro. Somos, hipotéticamente, 5% da população, vamos lá um chute. Pergunto: Quantos aqui tem um paquímetro? Quantos sabem o quanto da moeda tem que entrar no sulco para ser 4 mm? Quantos simplesmente medem quantativamente de alguma forma o sulco dos pneus com regularidade? Veja, não estou dizendo que ninguém faz isso, mas convenhamos que dessa lista de discussão talvez nem 1/5 faça isso, em mais uma aventura estatística minha.

    Meu ponto é: 95% da população quer saber, onde ponho o pneu novo? Pronto, só quer saber isso, o cara não embaixo do carro medir os 4 pneus em 3 pontos a cada X Km. Portanto uma recomendação destas tem que ser a mais segura em uma variedade de situaçÕes das mais diversas. A esmagadora maioria dos hit's deste blog só leu a manchete, a outra esmagadora já esqueceu se era 2, 3 ou 5 mm.


    O que tem que ficar claro, é que onde botar os pneus novos é uma determinação de engenharia. É um assunto extremamente complexo.

    Vai muito, muito além de dizer, "os pneus da frente limpam o caminho dos pneu de trás". Nossa preocupação é com situações de emergência, a qual ninguém está preparado. Nossa preocupação é com curvas fechadas, talvez mais que o motorista estimou inicialmente. Nestas situações, um mundo de coisas acontece no veículo, uma infinidade.

    A aquaplanagem é função de inúmeras coisas. Vamos pegar uma. É função direta da carga/"peso" sobre o pneu. Quanto mais peso em cima da roda, é mais difícil para a aquaplanagem acontecer. Em um carro tradicional, imaginando uma distribuição de peso ótima, você já vai ter 60% do peso no eixo dianteiro. Isso quer dizer que neste carro o eixo dianteiro tem 50% a mais de peso que o traseiro! Ai você freia forte, porque é uma emergência, e trasfere muito mais carga (joga peso) para dianteira. Se imaginarmos que nesta situação a distribuição de peso fica em 80/20, temos 4x mais carga/"peso" nos pneus dianteiros! Quanto mais carga sobre um pneu, menos propenso a aquaplanagem ele é. Portanto o traseiro está agora no limiar de aquaplanar com qualquer lâmina de água. E se imaginarmos que ele está em uma curva, essa idéia de "pneu dianteiro limpa o caminho" vai para o espaço, já que os pneus não fazem o mesmo traçado sobre a pista. Então está o pneu traseiro, com muito menos carga/"peso" sobre ele, pegando a mesma quantidade de água que o dianteiro, e em pior estado. E existem ainda inúmeras variáveis na questão.

    Onde botar os pneus novos é uma determinação de engenharia. Um veículo é um apanhado de coisas muito complexas e todas elas estão em cima de um pneu. Então meu amigo, é muito, muito complicado. Para isso que existem engenheiros, não custa escutá-los.

    ResponderExcluir
  154. Edwin Jean,

    O raciocínio do seu comentário é a opinião de muita gente:
    "a saída de frente numa curva, é uma sensação assustadora, pois você vira a direção e o carro continua em linha reta, e se o carro não recuperar a aderência a tempo, isso pode significar a saída da estrada e em se tratando de uma serra por exemplo o final pode ser a queda numa ribanceira"

    Sem entrar em opiniões pessoais:

    Sabe como você também acha na literatura as expressões subesterçante (understeer) e sobreesterçante (oversteer)? Respectivamente: Comportamento Estável e Comportamento Instável.

    Virtualmente todo carro produzido no mundo tem um comportamento subesterçante (understeer) no limite, "sai de dianteira". Seria este então talvez um método de controle populacional?

    Brincadeira eihn!

    ResponderExcluir
  155. Eduardo Cenci e todos
    A aquaplanagem não ocorre ao frear, quem foi que disse isso? Ela ocorre na reta sem que menos se espere. É aí que ocorre o grande perigo, pois o motorista sem habilidade não sentirá mais controle direcional e tentará esterçar, é reação natural. Se no momento em que o carro restabelecer contato com a pista a as rodas estiverem esterçadas, é acidente na certa. Quando o carro entrar em aquaplanagem, é desacelerar aos poucos, NÃO tentar esterçar e aguardar o restabelecimento do contato.
    Nas Autobahnen são raros os acúmulos importantes de águas pluviais, mas quando há perigo de aquaplnagem, avisam. Aqui é igualzinho...
    De onde tirou que recomendo que "com menos que isso o pneu melhor tem que ficar na traseira"? Não tem isso no texto.
    Outra coisa é a questão do paquímetro: hoje há medidores de profundidade de sulco, feitos de plástico em todo lugar, é até dado de brinde, a maioria dos borracheiros e lojas de pneus tem. Que bobagem, levantar isso!
    Eduardo, esse assunto já estava encerrado e não vou voltar mais a ele. Siga a regra dos novos atrás, mas fique atento porque aquaplanagem não avisa.

    ResponderExcluir
  156. Edwin Jean26/01/11 22:17

    Caro amigo Eduardo, não sei em que tipo de literatura você encontrou essa informação de que oversteering é comportamento instável e understeering é comportamento estável, também não é verdade que todos os carros atuais tem a tendência subesterçante, pois somente os carros de tração dianteira apresentam esse comportamento, isso em se tratando de piso seco e liso, e essa característica é necessária se considerarmos que se o veículo dotado de tração dianteira sair de traseira, a correção instintiva de contra-esterçar, conjugada ao uso do acelerador poderia provocar o efeito de pêndulo e a perda do controle do mesmo. Os carros de tração traseira e mesmo os de tração integral por mais equilibrados que sejam, apresentam uma saída de traseira, e no caso dos Porsche de motor boxer traseiro essa tendência é mais acentuada ainda, e isso não os classifica como instáveis. Quanto a sua preocupação com a segurança em curvas, você há de convir que é muito mais racional diminuir quando uma curva se aproxima, pricipalmente se não conhecemos a estrada, do que prever a aquaplanagem numa reta, o que mais uma vez mostra o acerto da colocação dos novos na frente. Quanto a ironia sobre a credibilidade dos pilotos, só demonstra o desconhecimento sobre o assunto, pois quem acompanha o automobilismo sabe por exemplo quem foram Juan Manuel Fangio, Jim Clark, Cris Amon,apesar de pertencerem a uma geração mais antiga de grandes pilotos, e alguns deles já terem falecido. Quem já participou de corridas e possui títulos tem toda credibilidade para falar do comportamento do automóvel, pois é a sua ferramenta de trabalho, e apesar do piloto não fabricar nem pneus nem qualquer outra parte integrante do automóvel, ele é quem mais conhece o comportamento do mesmo, já que convive com ele no limite e nas condições mais adversas. Quem quiser saber a opinião de pilotos das diversas categorias categorias em atividade, procure fazer uma pesquisa nos dias de treinos em algum autódromo para obter informações de quem não seja considerado velho, ultrapassado ou mesmo desconhecido, conforme os comentários irônicos de diversos frequentadores desse debate.

    ResponderExcluir
  157. Edwin Jean
    Perfeito, parabéns!

    ResponderExcluir
  158. Seu comentário Bob, em 02/11/10, 10:23
    "O que se diz e recomenda por aí se refere a pneus que têm de ser substituídos por terem chegado à profundidade de sulco mínima regulamentar, que é de 1,6 mm. Para quem vai até esse limite e que não é o meu caso e nem o seu (você mesmo falou em meia vida, lembre-se), é melhor deixá-los na frente e pôr os novos atrás."



    Sabe Bob, eu não ganho nada por ser chato e ficar aqui me esforçando em fazer um ponto. Mas acho que esta questão em particular envolve uma decisão simples com possivelmente terríveis consequências e você é um formador de opinião, por isso minha insistência.

    Ontem mesmo passei o olho em suas matérias neste blog e me impressiona muito sua experiência com automóveis, incluindo um bom jornalismo de longa data. Dito isso, acho que estou com dificuldades de me expressar, não entendo a razão de todo ponto que faço ser distorcido e levado para um outro caminho. Não entendo também a relutância em aceitar um posicionamento técnico, seja um raciocínio que alguém aqui tenta fazer, seja o posicionamento oficial de centros mundialmente reconhecidos de engenharia especializados exatamente na área de nossa discussão.

    Leio então agora: "Eduardo, esse assunto já estava encerrado e não vou voltar mais a ele."
    Desculpe Bob, não percebi que já estava encerrado. O blog é seu e busco ter muito respeito aos mais velhos. Já que não deseja continuar, agradeço pelo menos a cordialidade no trato até aqui dispendida.

    Obrigado.

    Eduardo Cenci

    ResponderExcluir
  159. Eduardo Cenci
    O trecho que você copiou e colou foi comentário-resposta a um leitor, dentro de um determinado contexto. O que vale é o texto do blog. Não me interprete como "contestador", pois a minha preocupação é a aquaplanagem, causa dos mais séris acidentes. Um pneu traseiro entre novo (8 mm) e 4 mm de profundidade de sulco não provocará escapada de rraseira no molhado. O pneu mostrado no tal vídeo que me levou a escrever o post, tido como utilizável, nunca poderia ter sido mostrado como exemplo de dever ser colocado na frente e tampouco atrás, com o que o carro certamente perderá a traseira no molhado. Há alguns meses comprei dois pneus novos numa renomada loja de pneus e o dono me perguntou onde colocá-los. Quando eu disse "na frente", ele disse, "Está certo, eu também faço isso". É uma pessoa de alto nível, engenheiro e piloto privado de aeronaves. Continuo aberto à troca de ideias, mas não neste espaço. Permaneço à sua disposição no endereço autoentusiastas@gmail.com.

    ResponderExcluir
  160. Prezado Edwin Jean,

    A respeito de seu comentário, respondo-o com outro de minha autoria, já postado acima, dia 05/01/10 às 13:48:

    "Infelizmente o motorista "médio" tem dificuldade em adequar sua velocidade ao limite prático da via, entrando rápido demais em curvas e freando enquanto as contorna. É só pegar uma serra para ver a maioria dos motoristas freando dentro das curvas, e não antes delas.

    Um comportamento subesterçante (saída de frente) é padrão na maioria dos carros (tirando alguns esportivos e de tração traseira), e há um certo grau de familiaridade com a situação. Veja que até mesmo os BMW's que são reconhecidamente "driver's car", com tração traseira e tudo mais, possuem um setup subesterçante. Um subesterço não-corrigido leva o veículo a continuar sua trajetória, muitas vezes saindo pela tangente da curva.

    Já o sobresterço (saída de traseira) é muito mais grave, pois mesmo com a correção de direção há a tendência do veículo chicotear para o outro lado quando retoma a aderência - principalmente em carros de tração dianteira, onde a causa é normalmente uma frenagem em curva, como mencionado acima. Um sobresterço não-corrigido leva o veículo a realizar um "cavalo-de-pau", girando descontroladamente por meia-volta ou mais (dependendo da velocidade)."

    E complemento a explicação com o trecho de um outro comentário meu, com data de 19/02/2010 às 09:54:

    "Vejam bem, a recomendação do Bob de usar pneus novos na frente parte do princípio de que A MAIOR PARTE DAS AQUAPLANAGENS OCORRE NO EIXO DIANTEIRO, que está correto.

    Porém se analisarmos qualitativamente, veremos que há uma MAIOR PROBABILIDADE DE ACIDENTES GRAVES OCORREREM POR AQUAPLANAGEM DO EIXO TRASEIRO.

    Sendo assim, encerro a questão reafirmando que pneus mais novos devem ser usados sempre no eixo traseiro."

    Não falo apenas baseado em teorias: Já passei por diversas aquaplanagens com pneus novos e muito ruins, em rodovias com boa e péssima drenage, em velocidades razoáveis e impublicáveis... fiz até mesmo Trackdays com chuva usado tanto pneus Radiais como Slicks.

    Mesmo assim, jamais perdi o controle desses carros senão por breves momentos, nos quais fora necessária apenas uma leve depressão do acelerador (sem tirar o pé) e mãos firmes na direção para seguir nomalmente minha viagem.

    Em compensação, meu único acidente automobilístico sério (capotagem com perda total) se deu em um carro com pneus "bons na frente, ruins atrás" em uma serra, numa curva, por puro descuido meu que estava mais rápido que deveria e soltei o acelerador quando já embicava a curva... um comportamento "normal", de motorista médio.

    Acredito que todos aqui temos boas intenções, porém na minha opinião ainda é preferível beijar um guard rail ou invadir a faixa ao lado a atravessar o carro perpendicularmente à via, sem qualquer controle de sua trajetória.

    OBS: Quanto à correção do sobresterço em veículos de tração dianteira, ela se dá justamente da forma como você diz, acelerando e corrigindo o volante. O efeito de pêndulo tende a ocorrer apenas quando NÃO há aceleração das rodas motrizes. ;)

    []'s!

    ResponderExcluir
  161. "Ta loko, viu!!!"

    Comprou um veículo? Que arque com as consequências! Necessita de troca de pneus? Troque os cinco. Afinal, pneu tem vida útil de 5 anos. Não tem habilidade para andar na chuva? Pague um táxi!

    Quem é porco o suficiente para retificar "meio motor", ou alinhar "meio carro"?

    Meu Ford Belina 1989 está feia de aparência, mas com cinco Bridgestone Potenza GIII novos. Boa parte do valor do veículo só em pneus. E com toda geometria da suspensão conferida. Assim como todos os outros sistemas.

    ResponderExcluir
  162. Aconteceu comigo. Retornava do Paraná para São Paulo , me estorou um pneu dianteiro e consegui segurar minha camioneta na direção, no braço (estava a 70 Km/h). Conseguiria fazê-lo se estivesse estourado o pneu traseiro. Lembrando ainda que todos os pneus estavam bons. Por essa experiência vivida acredito que os melhores devem ser colocados na traseira,Ademir de Moraes.

    ResponderExcluir
  163. Ademir
    O objetivo da minha recomendação prende-se a aquaplanagem, causadora de muitos acidentes. Não recomendo pneus com desgaste além de meia vida por esse motivo, e aproveito para lembrar que estouro de pneu é um evento muito raro atualmente e independe de desgaste de pneu até esse ponto. Pneu com meia vida é totalmente íntegro se com até cinco anos de tempo decorrido de uso.

    ResponderExcluir
  164. ESSES SENHORES FIZERAM UM TEATRO MUITO BONITO MAIS VAI TRAZER MUITOS PREJUÍZOS AS PESSOAS. COMO ELA MOSTROU. OS PNEUS CARECAS JÁ ESTÃO SEM CONDIÇÕES DE USO, E É CLARO QUE SE COLOCADOS NA TRASEIRA NAS CUVAS VAI SAIR DE LADO, NA DIANTEIRA NÃO SAIU PQ O MOTORISTA ESTA TRACIONANDO O VEICULO ISSO CRIA UMA ADERÊNCIA MUITO MAIOR.
    VEJAM EM OUTRO TÓPICO O QUE DIZEM OS USUÁRIOS QUE FIZERAM ISSO NA PRATICA :
    http://autoentusiastas.blogspot.com/2010/01/pneus-novos-na-dianteira-por-favor.html

    ResponderExcluir
  165. ACHO QUE TÍNHAMOS QUE FAZER UM VÍDEO E DESMISTIFICAR ESTE ENGENHEIRO DE VEZ. O VIDEO PASSA UMA INFORMAÇÃO TOTALMENTE ERRADA PARA AS PESSOAS SÓ QUE ISSO PODE CAUSAR MUITOS ACIDENTES.

    ResponderExcluir
  166. Roberto
    Por isso é que o post que você indica foi escrito por nós.

    ResponderExcluir
  167. Edwin Jean30/07/11 00:16

    Olá Bob, parece que esse assunto é inesgotável, depois de passarmos um ano ou mais, discutindo esse assunto e explanando de maneira clara porque os pneus novos devem ficar na dianteira as pessoas ainda continuam insistindo que os que dizem o contrário estão certos. No mês de junho tivemos uma reunião comemorativa do grupo GB, um dos mais antigos ainda em atividade initerrupta que reune pilotos, ex pilotos e pessoas ligadas ao automobilismo em geral. Aproveitei a ocasião para comentar o assunto pneus novos na frente ou atrás, e dos mais de vinte que opinaram não houve um só que discordasse dos novos na frente, e todos tinham experiência de pista, por questão de espaço não vou citar todos os nomes evolvidos, mas todos tiveram passagem pelo automobilismo inclusive fórmulas Ford e Vê.

    ResponderExcluir
  168. Caros amigos, larga mão de conversa, e lá vai a melhor opção. 4 pneus novos e pronto.hehehe.

    ResponderExcluir
  169. Edwin Jean04/09/11 19:12

    A propósito dos diversos comentários onde os nossos amigos sugerem quatro pneus novos para acabar com a polêmica, gostaria de fazer algumas considerações: O fato de colocar quatro pneus novos não torna o carro imune a derrapagens, e curiosamente não ví ate hoje um vídeo de algum fabricante de pneus promovendo aquelas manobras circenses geralmente protagonizadas pelo Urani, que não tem nada a ver com as condições normais de condução de um veículo,com os quatro pneus novos! Aí vamos entrar em outra seara, que é o comportamento do carro proveniente do seu DNA, ou seja do seu projeto, a maioria dos carros de tração dianteira, senão a sua totalidade tem a tendência a sair de frente, quando se percorre uma curva em velocidade limite, mas se usarmos o recurso de provocar a saída de traseira com um movimento brusco ao iniciar a curva, esse comportamento muda, iniciando uma saída de traseira, então nas tais condições tantas vezes citadas aqui, de chuva e em velocidade acima da razoável, mesmo com os pneus novos nas quatro rodas o carro pode sair de traseira, pois a reação natural de quem faz a aproximação de uma curva em velocidade superior a considerada segura, é de mover o volante de forma mais brusca, o que provocaria a saída de traseira, criando a mesma condição que os vídeos dos fabricantes alegam ser insegura quando os pneus mais gastos estão atrás. Portanto vou repetir mais uma vez, se não for possível ter pneus novos nas quatro rodas, o melhor será colocar os melhores na frente, para evitar a situação mais comum que é a aquaplanagem em retas encharcadas, pois como já foi dito aqui até a exaustão, os pneus dianteiros novos abrem caminho para os traseiros não tão novos. Mas se alguém exagerar nessas mesmas condições, ou seja, em uma reta com alagamento com pneus novos vai tomar susto também, pois a profundidade dos sulcos aumenta o limite, mas não torna imune à aquaplanagem. Para encerrar, ninguém dirige da forma como são feitos os vídeos das fábricas, a não ser pilotos de exibição que inclusive usam pressões altíssimas nos pneus (até 80 ou mais libras) para dar espetáculo até mesmo com o chão seco, como no caso daquelas rodadas para encaixar o carro em vagas e outros malabarismos automobilísticos.

    ResponderExcluir
  170. por acaso alguem aqui ja acelerou um opala na chuva?? com pnus novos na frente e na traseira " careca" ???
    ou uma omega 3.0 ??

    pois bem...eu ja !!! e sei q em carro com tração na traseira....é importante pneus novos na traseira!!!!

    ps: se vc acelerar uma opala, na chuva, principalmente na subida, com pneus novos na frente e liso na traseira.....boa sorte quando vc "rodar"....

    ResponderExcluir
  171. Edwin Jean26/10/11 00:17

    Ao amigo anônimo que postou comentário sobre Opala com pneus lisos na traseira, eu gostaria de lembrar que em nenhum momento falamos aqui de pneus "carecas" falamos sim de pneus usados com pelo menos 4mm de sulcos. No caso de chuva, pneus totalmente lisos inviabilizam a condução seja do Opala, Ômega ou qualquer carro, seja de tração dianteira ou traseira, e tanto faz se estão na frente ou atrás. No caso do Opala, se os pneus dianteiros estiverem lisos, qualquer camada de água na pista fará com que haja perda do contato com o solo, e portanto não adiantará tentar mover o volante, pois o carro não mudará a trajetória, e se os carecas estiverem na traseira, será ela que perderá o contato com o solo sob aceleração ou não, mas é claro que com torque aplicado nas rodas traseiras essa tendência fica mais pronunciada.

    ResponderExcluir
  172. Junior,
    Sempre tive esse conceito também e não MUDO; pneus melhores sempre na dianteira. O ideal é sempre os 4 estarem bons !
    Agora sempre vejo alguns especialistas por ai dizendo que os melhores devem ser na traseira.
    Isso cheira a algum modismo de algum pais que gerou esse conceito ai difundiram por aqui e nem sabem porque.
    Alguém prefere no caso desse risco bater de traseira ou de dianteira ?
    Eu ja tenho minha resposta.
    O melhor mesmo é choveu ? Diminui 20/30 km do permitido na via e ponto.

    ResponderExcluir
  173. Edwin Jean16/11/11 15:53

    Voltando pela centésima vez ao assunto, vou abordá-lo por outra ótica. Sugiro a Pirelli e a Michelin que façam vídeos com a situação com que 90% dos motoristas irão se deparar, ou seja vindo em uma estrada em linha reta, dentro da velocidade permitida por lei, e se deparando com uma zona alagada, se eles conseguirem demonstrar que o carro com pneus novos atrás passa melhor por essa situação, eu mudo todos os meus conceitos e acho que o Bob e outros mudariam também! Mas é impossível que isso aconteça, porque ao chegar a lâmina dágua com pneus com sulcos mais profundos, esses abrirão caminho para os traseiros já não tão bons, e eles encontrarão muito menos água para escoar, já na opção recomendada pelos teóricos, infelizmente endossados por um piloto a serviço deles, que faz malabarismos propositais , tais como girar todo volante de repente, coisa que nenhum motorista normal faria, se ele se limitasse a reproduzir o que a realidade nos mostra, ou seja, chegar em linha reta a uma grande poça, os pneus mais gastos tocariam primeiro a água, provocando imediatamente a aquaplanagem, e de nada serviriam os pneus novos atrás.

    ResponderExcluir
  174. Meu Deus, após quase 2 anos de postagem e mais de 170 comentários esgotando o tema, será que ainda faz sentido postar a respectiva opinião aqui?

    As razões técnicas justificando o título do post já foram apresentadas, e os argumentos contrários também já foram expostos.

    Essa não é uma eleição onde a opinião mais votada ganha - antes de postarem novos comentários, POR FAVOR, verifiquem as centenas acima e reflitam se sua contribuição vai realmente acresentar ao tópico.

    Abraços,

    Lucio, o chato.

    ResponderExcluir
  175. Edwin Jean16/11/11 16:44

    Caro Lúcio, se você prestar atenção, eu só escrevo quando alguém ainda demonstra dúvida sobre o assunto, também acho que o assunto foi exaustivamente debatido, mas pelo visto ainda há quem queira discutir o assunto. Acho que tamanha repercussão se deve ao fato de termos tido a coragem de contestar os fabricantes de pneus, o que causou surpresa à muita gente. Como já foi dito antes, o fato de fabricar pneus não os torna os donos da verdade, porque depois de fabricados eles tem que ser montados em carros, que não são fabricados por eles e que tem características diversas e muitos outros fatores a serem considerados, inclusive a experiência de pilotagem, tanto normal como de competição, não incluidas as demontrações de malabarismos feitas nos vídeos das fábricas. Eu considero o assunto esgotado, mas caso alguém ainda poste algo a respeito, me dou o direito de responder se achar que vale a pena. Caso isso o incomode, é só deletar sem ler. Abraços.

    ResponderExcluir
  176. Oi pessoal.

    A situação de aquaplanagem em curva é muito perigosa, principalmente na ocorrência de "perda rápida" da traseira do veículo, e por esta razão recomenda-se os pneus novos no "eixo" traseiro. Em ter-se tão grande diferença de profundidade dos sulcos dos pneus em cada eixo (um "eixo" com pneus em "fim-de-vida" e outro "eixo" com pneus em condição de novos), certamente teremos um veículo com característica sobreesterçante - que "perde a traseira primeiro que a dianteira" - ao ter pneus novos no eixo dianteiro, desde que o veículo esteja sendo conduzido tal qual motorista típico assim o faz (com velocidades próximas - acima ou abaixo - ao limite recomendável da via).
    A perda da dianteira, para o veículo que está em velocidade aproximada da condição limite para aquaplanagem daquele instante (veículo que não está em velocidade excessivamente alta para o local e situação), é percebida quando a frente do veículo já não responde tão bem ao comando do volante de direção (tal como quando em piso seco entra-se em curva com velocidade pouco acima da compatível com a situação), sendo então provida correção tal qual o motorista esteja habituado a proceder (seja a teoricamente correta, ou "a que já deu certo em situação semelhante" ou então sua primeira escolha à sorte).

    Com pneus novos na dianteira, talvez o motorista venha a ter a falsa sensação de segurança (sensação de bom controle do veículo) tal como demonstrado e discutido no vídeo da Pirelli do Brasil (o piloto de testes relata esta sensação de segurança ao ter-se boa aderência no "eixo" dianteiro). Baseado nesta sensação de segurança, sem o saber e "perceber", o motorista típico poderá estar no limiar da perda de aderência do "eixo" traseiro por aquaplanagem, e, como nos vídeos abaixo, chegar ultrapassar o limite "invisível" (não sentido/percebido), ocasionando desgarre do "eixo" traseiro:

    http://goo.gl/9vga9
    http://goo.gl/RyPQm
    http://goo.gl/Eu6Em

    Ratificando: Em não estar em velocidade muito acima do limite para as condições do veículo e pista, o início do desgarre do "eixo" dianteiro e facilmente percebido, podendo a situação ser corrigida até mesmo sem o conhecimento de técnicas de pilotagem avançada (puramente "na sorte"), tendo um leve desvio de tragetória (curva mais aberta), mesmo que o motorista retire o pé do acelerador completamente e de maneira repentina e até mesmo acione o pedal de freio (o que com pneus fim-de-vida no "eixo" traseiro e pneus novos no "eixo" dianteiro certamente provocaria uma "rodada" - o eixo dianteiro, por ter mais agarre, comportaria-se semelhante à ponta fixa de um compasso).

    Em velocidades de trânsito urbano, um pneu novo na dianteira certamente proporcionará frenagens mais eficientes em momento de chuva etc, e como as velocidades regulamentadas estão geralmente em limite bem seguro, dificilmente ter-se-á condição de "rodada" por perda de aderência do "eixo" traseiro, mesmo este com pneus em condição de final-de-vida. Quem tiver condição de uso prioritariamente urbano do seu veículo e em velocidade 20% abaixo da limte das vias onde transita, evitará pequenos acidentes de trânsito com esta melhor capacidade de frenagem do veículo.

    Porém, como é comum o uso de veículos em rodovia com pneus em final-de-vida, e também em centros urbanos com velocidades no limite ou até mesmo acima dos limites estabelecidos, é "preferível" a recomendação "geral" - para todos os tipos de uso do veículo - dos fabricantes pneus e de veículos.

    Com respeito aos argumentos do editor e comentários (li todos), "no momento" estou em concordância com os fabricantes de pneus, como também os fabricantes de veículos que fazem esta recomendação nos manuais de instrução de uso e manutenção do veículo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  177. Allan Welson
    Tudo o que você diz está certo se forem colocados pneus muito gastos na traseira, como bem mostra a reportagem televisiva citada. Entretanto, quem faz questão de segurança jamais deixa os pneus chegarem ao mínimo regulamentar de profundidade de sulco, 1,6 mm, indicado pelas marcas TWI, troca-os antes, quando chegarem a 4 mm, no máximo 3 mm. Nesse momento, se os dianteiros estiverem com pouco mais de 4 mm, devem passar a para traseira, indo os novos para a dianteira, com todas as vantagens citadas, sem haver risco de soltura de traseira por aquaplanagem, pois pneus desse eixo não encontram filme d'água, removido que foi pelos dianeiros. Os fabricantes de pneus recomendam novos na traseira por levarem em conta o uso até o mínimo legal de 1,6 mm.

    ResponderExcluir
  178. Edwin Jean24/12/11 16:58

    Eu fiquei surpreso por receber ainda depois de tanto tempo um comentário sobre esse assunto, pensei que estava esgotado, afinal existem duas correntes, a dos que se preocupam com os motoristas que dirigem sem muito cuidado e entram em curvas com chão molhado em velocidade acima da recomendada, e a dos que proirizam quem dirige normalmente e pode se deparar com uma poça inesperada num reta, ou precisar frear numa emergência também com piso molhado. Eu continuo achando que se alguém assume o risco de andar mais depressa do que o que o bom senso recomenda, tem que conhecer o mínimo sobre o comportamento do carro, e estar preparado para uma eventual correção da trajetória, e nesse caso a saída de traseira pode ser a sua salvação, pois é possível trazer o carro de volta, pois a saída de traseira tende a fechar a curva, e o contra-esterço corrige esse excesso. Já no caso da saída de frente se ela ocorrer numa curva de serra com um precipício no lado externo da curva, o acidente já está com meio caminho andado, pois por mais que o motorista gire o volante na direção que o instinto manda, o carro irá sair da estrada, o que numa serra pode significar uma queda de muitos metros de altura!
    APROVEITO PARA DESEJAR FELIZ NATAL AO BOB E A TODOS QU PARTICIPAM DESSES DEBATES.

    ResponderExcluir
  179. Oi Bob.

    Deste modo, concordo contigo. Com todos os pneus (eixos dianteiro e traseiro) com menos de 3mm de sulco (praticamente o dobro do que marca o TWI), coloca-se os novos no eixo dianteiro. Pneus com mais de 3mm de sulco, coloca-se os novos na dianteira. A lembrar que, quando os pneus traseiros usados (pensu deixados no eixo traseiro quando da compra por novos que foram colocados no eixo dianteiro) chegarem aos 3mm de sulco, ou coloca-se pneus novos neste eixo (eixo traseiro), ou então repassa os dianteiros, se estiverem mais novos que os traseiros (acima de 3mm~4mm de profundidade de sulco), para o eixo traseiro e usa-se na dianteira os pneus mais velhos até quando for possível comprar outros novos para a substituição dos pneus antigos (pneus com sulcos menores que 3mm e que estão na dianteira).

    -

    Ao Edwin Jean.

    Minha intenção foi expor algo relevante, seja com o levantamento de alguns pontos através de palavras e/ou pelos momentos escolhidos nos vídeos que sugeri como referência. Como resultado, inclusive, entrei em concordância com o BOB, coisa que no meu primeiro comentário não tinha acontecido de maneira plena. O Bob, novamente, trouxe à tona esta particularidade sobre profundidade mínima de sulco da qual ele acha segura (entre 4mm e 3mm - lembrando que o TWI marca 1,6mm), e que se utilizado o pneu até a recomendação de profundidade sugerida por ele, a colocação de pneus novos na dianteira e os mais antigos na traseira é aconselhada (a lembrar, digo-lhe, que os pneus traseiros deverão estar com mais de 3mm de profundidade de sulco e preferencialmente com mesma profundidade de sulco - para condição de segurança semelhante, não importando para que lado seja a curva). Porém - atente-se a este detalhe, que se utilizado os pneus até próximo o limite TWI, dever-se-á seguir a recomendação dos fabricantes de pneu (em se trocar apenas um par de pneus, que seja colocado no eixo traseiro), e assim o Bob confirmou.
    Fiz questão de comentar que, caso o motorista que deixou os pneus mais velhos no eixo traseiro (pneus com mais de 3mm de profundidade de sulco) não possa colocar pneus novos no eixo traseiro quando os pneus deste eixo chegarem a profundidade de 3mm de sulco (ideal e proposto pelo Bob quando do motorista não troca todos os 4 pneus de uma só vez), que então coloque estes pneus no eixo dianteiro e traga para o eixo traseiro os pneus dianteiros se estes estiverem acima de 4mm de profundidade de sulco (isto sem trocar os lados - pneus do lado direito continuarão no lado direito e pneus esquerdo continuarão no lado esquerdo) até que seja possível colocar pneus novos no eixo dianteiro.

    -

    Poderíamos resumir no seguinte:
    Sempre que possível, troque todos os pneus do veículo de uma só vez, e que por grande margem de segurança para transitar em pisos molhados, deve-se utilizar os pneus até 3mm de profundidade de sulco. Porém, como geralmente tem-se os pneus do eixo dianteiro com desgaste maior que os do eixo traseiro, chegando os pneus do eixo dianteiro até a profundidade de 3mm, troca-se os mesmos, e deixa-se os pneus do eixo traseiro, que certamente terão profundidade superior, até que estes pneus cheguem até a profundidade de 3mm, onde será recomendável a troca por pneus novos. Temos assim condição segura, com aproveitamento das vantagens de se ter pneus novos no eixo dianteiro, e que dificilmente teremos "rodopios" por desgarre da traseira, como resultado de aquaplanagem da mesma.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  180. Não tenho qualquer dúvida, por diversos motivos que agora não vêm ao caso, mas SEMPRE os melhores para trás. É óbvio que deviamos ter sempre 4 pneus em bom estado, mas sabemos que não é a realidade na maioria das vezes. Então, no caso da troca, melhores atrás, e sei que não estou errado. Pesquisem bem na net e vejam os diferentes sites das grandes marcas. Não podem estar todos errados.

    ResponderExcluir
  181. Paulo Araújo25/04/12 18:50

    Pra mim o problema é o quão rasos são os testes. Testa-se uma situação hipotética longe das mais prováveis para o motorista comum, que tanto se citou aqui. Joga-se o carro numa hipotética curva em velocidade considerável em condições de aquaplanagem, com pneus quase carecas no eixo traseiro. 1,6mm de banda é pneu quase careca.

    Chegou-se a comentar teorema do pareto, usado em economia. Ora, concentrar esforços no MENOS recorrente dos casos soa simplesmente como ABSURDO para estudos de segurança e também de análise de falhas.

    A única coisa que me faz pensar no porque da recomendação de colocar pneus melhores atrás está em FORÇAR a tendência substerçante, considerando a imperícia do motorista médio em contra-esterçar e ainda considerando a imprudência de andar rápido em condições desfavoráveis. Na prática é isso, mas a custo de risco de não conseguir parar em grande parte das situações mais frequentes, que não são fazer curva rápido em condições de aquaplanagem.

    Eu queria mesmo era ver uma tabela ou gráfico contendo PELO MENOS o seguinte:

    1 - velocidade de derrapagem com pneus novos, meia-vida e no TWI em cada eixo.
    2 - distância de frenagem com os mesmos critérios
    3 - aquaplanagem em linha reta (A QUE MAIS OCORRE)

    Com dados comparativos dos outros aspectos do comportamento dinâmico do veículo relacionados aos pneus, aí sim, eu condenaria uma ou outra prática. Quem souber de algum teste desta qualidade, por favor, compartilhe conosco.

    Enquanto não me mostram informações completas assim, eu fico com o pouquinho que estudei sobre dinâmica, segurança, e principalmente, com as pequenas experiências que já pude ter (que infelizmente incluem aquaplanagem, saída de traseira e pneu estourado).

    E assim, compartilho da opinião do Bob: dois pares de pneus, um melhor do que o outro, mas com ambos em condição de rodagem (mais do que 3mm de borracha), os melhores vão na frente.

    Paulo Araújo

    ResponderExcluir
  182. Ricardo Pedrosa26/05/12 18:21

    Simples essa questão é muito particular de cada pessoa.

    Depende da maneira de pilotagem, o carro, do trajeto e das condições da pista.
    Tem gente que gosta dos novos atrás e tem gente que gosta dos novos na frente.

    Eu prefiro atrás, pois gosto de fazer curvas mais fortes, já rodei com o carro várias vezes por utilizar pneus velhos atrás.

    abs.

    ResponderExcluir
  183. meu Deus... quanta besteira.... fala sério!

    ResponderExcluir
  184. Parte 1

    Olha, sinceramente, nunca vi tanta gente mal informada e comentando besteira junto em um assunto automotivo tão sério.

    Vou começar do ponto principal. Bob Sharp, "pneus novos na frente por favor" no título, em mega-destaque, e "desde que até meia-vida" escondidinho pequeno em um dos comentários... vergonhoso.

    "A Michelin desconhece a aquaplanagem". Pedante e imaturo, no mínimo. O maior fabricante de pneus do mundo, inventor do pneu radial, de uma série de outras tecnologias em pneu, único fabricante a equipar o Bugati Veyron, pneu original de Porsches, Ferraris, etc. desconhecer a aquaplanagem. Deve ser incrível conseguir fabricar produtos de tanto destaque sem conhecer a aquaplanagem. É quase como fabricar pneu sem conhecer a borracha.

    Agora, se a Michelin desconhece a aquaplanagem, "as estradas brasileiras", etc., o sr. provavelmente desconhece o brasileiro. NINGUÉM, com raras e estatisticamente desprezíveis excussões troca os pneus nos 4mm nesse país. O povo usa até o TWI, isso quando sabe o que é TWI e vai usando até acabar o desenho... aí o sr. me lança um post com o título que tem... aí o camarada, que já não lê o texto todo, muito menos os comentários, memoriza que "o Bob Sharp manda botar pneu novo na frente". E vai ele pimpão e confiante pegar estrada assim.

    ResponderExcluir
  185. Parte 2:

    Vamos lá:

    COM PNEUS NOVOS NA FRENTE, A PRIMEIRA COISA ERRADA NA SITUAÇÃO É QUE A SENSAÇÃO DE SEGURANÇA DO CARRO FICA MASCARADA. O cara tá com a dianteira firme, aderência boa, sensação boa ao volante. A traseira não se comunica com você até que ela já esteja saindo fora. Aí o cara tá com um carro inseguro, e tá achando que tá tudo bem.

    Pelo mesmo motivo, já que o sr. não recomenda o rodízio (outro absurdo que eu vou me abster de comentar por preguiça), montando pneus novos na frente, o cara vai usar os pneus de trás até a lona, pq na traseira eles dão menos sinal de desgaste para o motorista do que na frente. Montando sempre os novos atrás, assim que o carro começa a espalhar nas curva de frente ou a ter mais dificuldade de frenagem, o cara vai perceber que tá na hora de trocar os pneus.

    Pelo mesmo motivo, ele vai andar mais devagar com esse carro, principalmente no molhado.

    Post irresponsável, que induz ao erro. Tem gente demais que já usa tudo errado no carro. Não calibra pneu, usa pneu careca, nunca se interessa pela segurança do seu veículo, e o sr. ainda vem dar dica errada aos poucos que tentam ler e se informar melhor sobre um assunto tão vital?

    Aquaplanagem acontece com qualquer carro equipado com qualquer pneu. Aquaplanagem é o resultado do excesso de velocidade perante as condições de espelho d'água no local. Falar que é mais seguro ter os pneus melhores na frente por causa de aquaplanagem chega a ser engraçado. A única coisa que ter os pneus novos na frente vai te garantir em termos de aquaplanagem é que vc vai estar um pouco mais rápido na hora que aquaplanar, e que isso provavelmente vai acontecer NA CURVA, onde é mais difícil de vc controlar o carro aquaplanando.

    Com os pneus novos atrás, vc vai perceber a tendência a aquaplanar já na reta, e bem mais cedo, e vai maneirar na velocidade.

    ResponderExcluir
  186. Parte 3

    Galera, inclusive o sr., precisa parar de achar que é piloto. No trânsito a maior performance é a da segurança. Chega primeiro quem chega inteiro, não quem anda um tiquinho mais rápido.

    E por último, nem sempre o pneu mais novo é o mais aderente se o seu carro estiver com mais de uma marca de pneu... então não é o mais novo que deve ir atrás, SÃO OS PNEUS MELHORES QUE DEVEM IR SEMPRE ATRÁS.

    Carros normais de tração dianteira, como a grande maioria dos carros no Brasil, não são feitos pra sair de traseira. E mesmo os de tração traseira e esportivos são feitos para sair de traseira apenas quando se desliga o controle de tração e se quer deslizar a traseira "por esporte".

    Agora, além dos fabricantes de pneus estarem errados, os fabricantes de carros também estão errados?

    ResponderExcluir
  187. Parte final

    Resumindo, se vc tem dois pneus melhores ou mais novos, monte eles atrás, porque dessa forma você vai ser capaz de perceber a hora de trocar os pneus da frente com muito mais facilidade, e vai ter no volante a real percepção da aderência do seu carro, não sendo surpreendido por uma traseira instável.

    Além disso, montando sempre os pneus novos atrás (caso dos 4 serem iguais), você vai sempre gastar os pneus de trás pra frente. Quando os dianteiros começarem a dar sinal de fim de vida, você passa pra frente os traseiros que ainda estarão muito bons e bota novos atrás.

    Fazendo como o Bob Sharp está sugerindo, você sempre vai passar pneus pra trás em condições já de muito uso, e eles vão ficar lá até se tornarem um sério risco a sua segurança, pois no eixo traseiro, quando eles "avisarem" que acabaram, vai ser rodando, talvez até batendo.

    ResponderExcluir
  188. AC
    Terminou a ladainha? Então faça o seguinte: coloque os pré-TWI na dianteira e os novos atrás e veja o que lhe acontecerá na primeira chuvinha na estrada. Depois conversamos – se nada lhe acontecer, que espero que não aconteça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Bob, teria sido mais bonito fingir que não acompanha mais o assunto do que responder alguém com "terminou a ladainha", não? Não aguenta crítica não seja uma pessoa pública.

      Já dirigiu nas rodovias do Centro-Oeste no período de chuva? Conhece as tempestades torrenciais daqui? Bom, eu cansei de pegar esse tipo de "chuvinha na estrada" com um carro simples sem eletrônica alguma para ajudar (um Clio sedan) e sempre transitei com absoluta segurança a velocidades de até 80 km/h na chuva. Isso sempre com os pneus melhores atrás, e inclusive com pneus "pré-TWI".

      Logicamente que aconteceu justamente o que eu narrei na minha "ladainha". O carro mostrou suas limitações assim que a chuva começou, e eu respeitei o limite.

      INSISTO, botar os pneus melhores na dianteira MASCARA A REAL CAPACIDADE DO CARRO. Para o motorista comum, isso é fatal.

      Acho engraçado a forma como o sr. se coloca na sua resposta, como se eu nunca tivesse andado com chuva na estrada com os pneus montados da forma como defendo por correta. Fica nítido que o sr. acredita que só você tem experiência válida no assunto. Obviamente, pelo seu ponto de vista, eu nunca andei na chuva, os responsáveis de engenharia dos fabricantes de pneu nunca andaram na chuva, os fabricantes de automóveis nunca andaram na chuva... realmente, só o sr. tem experiência com chuva.

      Inclusive, na ínfima hipótese do sr. estar correto, e realmente os pneus novos na dianteira serem a melhor opção, eu prefiro fazer do meu jeito mesmo que ele seja o errado, simplesmente pq se o errado tiver que sofrer um acidente, como o sr. sugere no caso da frenagem, eu prefiro bater de frente com um carro que foi PROJETADO PRA BATER DE FRENTE, do que rodar e bater sabe-se lá como, pois os acidentes laterais são de muito mais gravidade do que os acidentes frontais.

      Tudo nos carros modernos é desenvolvido para o carro não rodar. ESP, EBD, projetos de suspensão... aí o sr. defende que se use os pneus piores atrás, aumentando a tendência do carro de rodar em situações de risco, e eu é que estou de ladainha? Cômico.

      Excluir
  189. AC
    Pelo jeito, você fez uma leitura apenas dinâmica do post e nunca experimentou uma aquaplanagem em reta, uma das situações mais perigosas que existe. Além de o carro ficar incontrolável em freio e direção, o motorista virando passageiro, o maior problema é ele, se inexperiente, por instinto tentar esterçar, e ai de se no momento em que o contato for restabelecido as rodas estiverem esterçadas, a saída da estrada ou batida contra o guardrail ou em outro carro é inevitável. Pelo jeito, você fez uma leitura apenas dinâmica do post
    Já andei sob todo tipo de chuva e piso, como não? Pensa que só você enfrentou condições difíceis? Seus comentários querendo me ensinar é que são realmente cômicos. Fique com a sua opinião e eu fico com a minha, e com a consciência tranqüila de ter passado o conceito correto. Não vou voltar a esse assunto. Tenho mais o que fazer.

    ResponderExcluir
  190. Ao meu ver Aquaplanagem na reta é situação mais segura/facíl de passar por esse problema. Afinal é só manter direção reta até susto passar. Já em uma curva, por exemplo numa serra onde desce água do morro e faz um rio cruzando asfalto de ponta a ponta ai tu vira passageiro. Experiência própria, você vê o carro saindo reto pela tangência e se tiver com pneu careca na traseira na hora que tentar fazer qualquer correção depois de passar pela água vai rodar. Por isso minha opinião como muitos aqui, pneu novo atrás. Na frente tudo é mais controlável em situação de risco. Melhor mesmo é sempre estar com pneu bom, afinal é único ponto de contato do carro como solo envolvendo toda a questão de segurança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Febezza
      Não falei em pneu careca na traseira, onde leu isso? Eu disse com profudidade de sulco até 4 mm, correspondente a meia-vida.

      Excluir
    2. Meia-vida então sua teórica não aplica na pratica, se não você teria que aconselha pessoal troca pneu cada 20mil km até menos, pq pneu novo com borracha macia gasta bem mais rápido do que meia vinda pra frente com borracha já mais dura. Concordo que o ideal realmente seria rodar com pneu mais novo possível, e chegando em meia vida descarta-lo, mas nem sempre ideal é aplicável na pratica. Logo seguir o aconselhados pelas grandes marcas de pneu é o mais ideal ao usuário comum, que é grande maioria esmagadora que usa pneu até chegar na marca TWI. No final das conta existem mais fatores que justificam usam do pneu novo atras do que na frete.

      Excluir
  191. Mão de Prata04/10/12 13:48

    Prezados senhores, não ví nenhuma mulher paticipando dessa polêmica, logo o assunto deve ser específico para seres com culhões.Vamos lá: Entre o volante e o banco existe um motorista, que faz toda a diferença, uma vez que suas reações interferem na condução do veículo.Sou Engenheiro Automobilístico tenho horas de pista, vi Bob correr com muita categoria, e afirmo. É uma decisão pessoal, tal qual a calibragem recomendada pelo fabricante e a ideal para cada tipo de piso, terra, areia, asfalto áspero, asfalto usinado. Em interlagos muitos pilotos coloca 45 libraslbl/pol.quadr. ou até mais nos pneus. Minha recomemdação. Troquem os pneus antes que eles entrem na zona em que se está mantendo uma discussão infrutífera. Haverá sempre duas situações, uma em que o veículo aquaplana na reta, e outra na curva. Pensem e reflitam, é bem diferente. Numa está se falando de comprometer a frenagem, outra de escapar de frente ou de traseira. Pensem...reflitam...

    ResponderExcluir
  192. Po, sério que vc falou que não iria apagar nada e apagou o resto dos meus posts e dos seus?

    kkk.

    E eu elogiando a sua transparência...

    kkk.

    ResponderExcluir
  193. AC
    Mudei de idéia – meu direito – depois de refletir sobre sua última mensagem, que me incomodou bastante:
    "AC01/10/12 15:19
    Bob, inútil não é, porque a minha argumentação vai ficar aqui. Com sorte alguém vai ler, e vai optar de forma mais esclarecida.
    Por isso agradeço o espaço e concordo com você. O assunto já se esgotou, e eu já coloquei tudo que precisava colocar sobre ele.
    Grande abraço. Boa sorte e segurança pra você nas estradas!"

    Achei abusiva sua colocação, me dizer que sua argumentação vai ficar aqui, no meu blog, e que "com sorte alguém vai ler e optar de forma mais esclarecida. Sua argumentação vai contra o que preconizo, o que fiz para as pessoas não se machucarem. Não quero absolutamente que optem por pneus velhos na dianteira. Lembre-se que quem esclarece aqui sou eu. Só por consideração, deixei a sua "ladainha" inicial. Espero não ter que voltar a esse assunto com você.

    ResponderExcluir
  194. Se achou abusiva apenas a última colocação, deveria ter exlcuído apenas ela. Tinha achado interessante o que ele tinha escrito.

    ResponderExcluir
  195. Tá certo Bob... questão só de bom senso e coerência. Se eu soubesse que vc iria apagar, não teria perdido meu tempo em escrever. Você sinalizou que tratava o assunto como algo sério e que seria preservado, então eu achei que valia a pena responder seriamente. Fica nítido agora que eu me enganei. Passar bem.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...