Google+

14 de agosto de 2010

NOVA FACE NO MERCADO



Minha única dúvida é quanto à assistência técnica, pois não há nada comparável com o Chery Face, apresentado semana passada, que se possa comprar, por esses lados, por 31.900 reais.  Motor 1300 duplo-comando 16-válvulas de curso longo (73 x 77,5 mm), 84 cv a 5.750 rpm que vão a 6.500 rpm, 11,4 mkgf de 3.500 a 4.500 rpm, indicativo logo de início que a curva de torque é mais para plana e que já há potência considerável em baixo giro. A taxa de compressão é 10,8:1. Motor de autoentusiasta.

O Face – já ouvi dizerem [fei'ce], sem motivo, algum – mede 3.700 mm, 7 mm mais que o Mille e o entre-eixos é de 2.390 mm, 10 mm menos que o do Fusca. Quatro pessoas se acomodam bem mesmo que meçam entre 1,80 e 1,85 m de altura. Três no banco traseiro é que não vai bem, a largura total de 1.578 mm não ajuda..O chinês pesa 1.040 kg como é vendido, completo: direção assistida hidráulica, ar-condicionado,  bolsas infláveis frontais, freios com ABS, vidros, travas e espelhos elétricos. Por isso, são 12,4 kg/cv, peso-potência mais favorável no Face que no Mille de 12,9 kg/cv, carro básico que tem apenas o essencial para andar.

Com isso o chinês anda razoavelmente. Pelos dados de fábrica leva 16 s para ir de 0 a 100 km/h e chega a 156 km/h. Desempenho típico de carro nacional 1-litro abastecido com etanol. O eterno medo de informar consumo abateu-se sobre o importador também, mas dados de fora indicam para o A1 (nome de modelo mundial) média 6 litros por 100 km ou 16,6 km/l. Isso com gasolina sem etanol, da Europa. Na prática, o tanque de 45 litros dá para rodar mais de 500 km com tranquilidade.

Suspensão, McPherson na dianteira e eixo rígido na traseira com barra Panhard e tirantes longitudinais, molas helicoidais na frente e atrás. A rodas, alumínio de 14 pol com pneus 175/60. As rodas têm pequenas calotas, parafusos ficam ocultos.

O compartimento de bagagem acomoda 190 litros, podia ser maior. O do Mille, para comparar, é de 270 litros. Usando o espaço do banco traseiro rebatido 1/3-2/3, chega a 845 litros.

O que agrada muito é a posição de dirigir, sem descentralizações ou inclinações de volante indesejáveis. Apenas o campo de ajuste de altura é minimo, mais para constar do que para utilidade real. A altura de 1.560 mm ajuda na amplidão interna e o pé esquerdo encontra um formidável apoio, além do carpete trazer a base bate-pé para o carro poder ser usado sem tapetes adicionais.

 Bom e completo quadro de instrumentos, com conta-giros à esquerda e ponteiro vertical na rotação ideal de troca. Na foto de baixo, a "tábua" do freio de estacionamento, diferente e prática.

Todos os comandos são bem leves, a seleção e engate de marchas são fáceis e a ré sob a quinta é engatada sem alguma incômoda trava de ré na alavanca. A alavanca do freio de estacionamento tem a forma de uma "tábua", fácil de usar e prática, prova de que tudo pode evoluir. Os instrumentos são bonitos e fáceis de ler, sendo que o conta-giros traz um a solução dos carros de corrida do passado:  ponteiro na vertical no na rotação de troca.

O motor tem boa pegada de baixa (foi desenvolvido com auxílio da austríaca AVL) e seu funcionamento é musical. Dá gosto explorá-lo.

A calibração geral de suspensão parece adequada (o percurso oferecido era muito pequeno; vamos aguardar um período de teste maior) e o curvar está dentro dos padrões atuais, ou seja, sem surpresas para o motorista. O eixo traseiro rígido tubular não atrapalha nessa classe de carro e tampouco na configuração de tração dianteira (veja-se o magnífico comportamento da picape Ford Courier).

Quem partir para este chinês terá a grata surpresa de notar um bom acabamento, inclusive cuidado com a pintura do cofre do motor, com mesma tonalidade e verniz da pintura externa, que os ocidentais estão eliminando na busca tresloucada e insana do menor custo possível. E vai gostar da buzina bitonal, à Mercedes.

Com dito no começo, vai depender dos chineses da Chery e outras marcas o sucesso das operações no Brasil. As dimensões continentais do Brasil constituem barreira natural para se criar uma rede de concessionárias e a indispensável assistência técnica. São 5.500 municípios, o que dá uma idéia da hercúlea tarefa. O sucesso ou o fracasso está nas mão dos chineses. De ninguém mais.

BS

44 comentários:

  1. Marcelo Augusto14/08/10 12:32

    E o botão de liberação do freio de estacionamento fica por baixo?

    Eu fui conhecer o carro e o habitáculo é mesmo muito bom, inclusive acesso e saída de passageiros, muito melhor que o Cielo ou vários sedãs médios de outras marcas. Pena que o mercado compra carro por metro...

    ResponderExcluir
  2. Bob,

    fui conhecer o Face na concessionária Chery de Brasília, de carona com um amigo que fora com interesse no Cielo. como foi feito test-drive neste, acabamos por não provar o monovolume, cujo pacote (motor + equipamentos) tem preço imbatível para a proposta.

    a única coisa que me desagradou deveras foram os plásticos do interior, em especial os das portas e os do console central, que parece ter sido tirado de um ventilador também de origem chinesa. por outro lado, gostei dos dois tons dos bancos. com o seu veredicto sobre o comportamento do Face em movimento, fico seriamente inclinado a dar uma segunda olhada no carro...

    ResponderExcluir
  3. Esses motores da Chery são todos bem atuais, juntam elasticidade com potência específica elevada (não tanto nesse caso, mas acima de nossos 1,4) o que nem sempre é fácil.

    E pra quem não tem rotaçãofobia é um prato cheio pra curtir.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo Augusto,
    Sim, o botão de liberação é por baixo.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo,
    Gostei do neologismo "rotaçãofobia", perfeito!

    ResponderExcluir
  6. Eduardo Palandi,
    Sou muito tolerante com plásticos. Têm de ser muito ruins para eu reclamar. De qualquer maneira, nessa faixa de preço não se pode esperar muito nesse terreno. O plástico no interior dos carros um componente que só veio atrapalhar a vida dos fabricantes de carros baratos. O risco de não agradar é grande. Quando Nordhoff resolveu lançar o VW "Export" em 1949, o visual interno era esplêndido para a sua época -- sem nenhum plástico!

    ResponderExcluir
  7. Bob,
    Ótima avaliação! Acredito que todos ficamos tentados com o custo-benefício. A grande questão é o pós-venda, com bom atendimento, disponibilidade de peças e custo de manutenção! A imprensa criticou as costuras dos bancos e sua espuma. Vc notou algo desagradável? Quanto ao motor musical, vc quis dizer com aquele "ronco" característico do cabeçote de quatro válvulas por cilindro(como os Fiat 16v)? Nesse ponto a grande imprensa chamou o motor de "ruidoso" em altos giros.. dá para perceber a disparidade e às vezes impressões equivocadas que lemos.Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Marcelo Augusto14/08/10 16:05

    É Bob, eu passei a usar o rotaçãofobia para o pessoal da família e os mais chegados. Mas também é um pouco de cargafobia ou aceleradorfobia, infelizmente a maioria não foi ensinada que potência é resultado dos dois, não apenas um. Cansei de ver esse pessoal reclamar que o carro não anda (notadamente os 1,0), mas na verdade o motor não está sendo usado em sua plenitude.

    Vc notou que o Bugatti Veyron tem indicador de potência instantânea consumida? Seria o ideal para carros de "baixo desempenho" e motoristas de baixo desempenho.

    ResponderExcluir
  9. Marcelo Augusto,
    Ótima ideia! Assim talvez o pessoal usasse mais rotação.

    ResponderExcluir
  10. No meu conceito de carro, 0-100 em 16s é uma eternidade.
    Para um motor 1.3 eu esperava algo um pouco melhor.
    Esperava um design um pouco melhor também. Essa onda de capôs curtos e muito inclinados (a la Honda Civic, Honda Fit e outros) é de lascar!

    ResponderExcluir
  11. Cada carro tem a sua proposta. Mas o brasileiro não entende isso.

    ResponderExcluir
  12. Espaço entre potência máxima e rpm de corte entre 10 e 15%! Aprenderam rápido esses chineses. Precisam dar umas aulas para os engenheiros da GM, que andam deixando 200 rpm de folga...

    ResponderExcluir
  13. O sucesso está é na mão do consumidor, que, diferente dos teóricos e entendidos, considera custos de manutenção, confiabilidade mecânica, assistência técnica e revenda. Por isso que essa tralha é FRACASSO certo. Nem o blogueiro que gostou do carro vai comprar um. Ele só fala que é bom pra poder ser "do contra" e impressionar os bobos que rezam sua cartilha... Ora, pois, pois...

    ResponderExcluir
  14. Urgh!
    Acho que carro chines nunca vai pegar por aqui.

    ResponderExcluir
  15. Só mudo minha opinião a respeito desses chineses depois de uns testes "longa duração" para averiguar a durabilidade e confiabilidade do carro... Mas no geral um texto tão positivo me faz até quebrar um pouco o preconceito, só um pouco.

    ResponderExcluir
  16. Anônimo,
    Sobre carro não pegar aqui, dizia-se o mesmo dos japonesese e depois dos coreanos...

    ResponderExcluir
  17. Anônimo que termina com "ora, pois,pois",
    Você está completamente enganado -- por fora, como se diz.

    ResponderExcluir
  18. Anônimo que falou em rpm de corte,
    Isso mesmo, os chineses aprenderam rápido -- estes mais rápido que os coreanos, qua aprenderam mais rápido que os japoneses.

    ResponderExcluir
  19. Depois que o blogueiro comprar um carrão chinês desses, empatando algumas dezenas de milhares de reais, e rodar com ele algumas dezenas de milhares de quilômetros, empatando algumas dezenas de horas em "autorizadas" da marca para manutenções preventivas e, muito provavelmente, corretivas, ele volta aqui pra dar sua opinião "imparcial"...
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    É lindo apostar em azarão quando não se tem nada em jogo. Faz a gente parecer "por dentro", como se diz...

    ResponderExcluir
  20. Vai, anônimo.

    Compre um lindo Agile pelado a módicos 30 mil e cacetada e seja feliz. Seja mais um dos consumidores brasileiros trouxas, que tornam impossível a 85 % da população comprar um carro zero.

    ResponderExcluir
  21. Bob,

    De fato os japoneses e coreanos aprenderam a fazer carro, mas cá entre nós: demoraram bastante hein?

    Os japoneses, por terem entrado neste mercado há mais tempo, aprenderem a fazer pós-vendas também, e muito bem por sinal. Os coreanos ainda não! Por isso, ao menos por enquanto, não os recomendo.

    Os chineses, poxa, mal entraram, claro que nem sequer existe pós-venda. Então, por melhor que seja o carro, eu não entraria nessa. Prefiro aguardar que eles se estabeleçam em todos os ramos associados à fabricação de carros (indústria de autopeças, rede de concessionárias, mecânicos treinados, informações técnicas difundidas, etc etc etc...).

    Dando-se o devido tempo a eles, pode ser que se tornem uma boa alternativa. Só o tempo dirá.

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. Ao Anônimo que criticou a postura do post,

    Isso foi uma avaliação. O Bob não está te dizendo pra comprar o carro pois é o melhor do mundo. Ele apenas relatou as qualidades que percebeu em um modelo em uma avaliação de imprensa.

    E ele está certo quando diz que está na mão dos chineses: se trabalharem bem em qualidade e pós-venda têm futuro promissor. E pela carga de equipamentos e qualidade geral no modelo novo não duvido que este carro esteja equiparado ou à frente dos nacionais.

    Põe popular nacional em crash test da euroncap pra ver?

    E acho que você não faz idéia de quantos milhares de reais talvez gaste em produtos recheados de componentes chineses, inclusive seu carro... Existem diferentes qualidades na China.

    Não compraria um chinês ainda por conta de pós venda e o design que em geral ainda é sem personalidade, me parece um amontoado de idéias...

    ResponderExcluir
  24. Bussoranga,
    Como eu disse na primeira linha, a dúvida é a assistência técnica. Tendemos a desconfiar do novo. Lembra do balão japonês? Do rolamento japonês? Do paquímetro japonês? O "japonês" era pejorativo quando eu era adolescente e hoje... -- veja o que aconteceu com a indústtia da fotografia e das motocicletas.

    ResponderExcluir
  25. Anônimo,
    Já que você é esperto, como se deveria avaliar um carro chinês? Ensine-me por favor. "Ningúem é tão sábio que não possa aprender, ningúem é tão burro que não possa ensinar" -- autor desconhecido.

    ResponderExcluir
  26. Talles Wang15/08/10 12:07

    Realmente Bob,

    O grande problema é a assistência técnica.

    No meu caso, o tamanho da mala também é documento...

    Um abração,

    Talles

    ResponderExcluir
  27. Marcelo Augusto15/08/10 17:05

    Não sei se o senhor concorda comigo. Mas acredito que o ideal para um estreiante no Brasil, é entrar com o formato de carro que todo mundo espera: um hatch pequeno.

    Motor de 1,3 a 1,6, com versão pelada, intemediária e completa.

    ResponderExcluir
  28. Quem sabe se com a chegada desta horda de coreanos, japoneses, chineses,mexicanos,argentinos a nossa "industria nacional" se mexa e nos ofereça nas versões mais baratas algo mais util além do espelho no lado direito...LEIS, PRECISAMOS DE LEIS MAIS FORTES..CHEGA DE CONDESCENDÊNCIA COM OS FABRICANTES AQUI INSTALADOS...deste carro que vc testou só tenho receio mesmo da assistência técnica..o carro se presta bem a atender a uma faixa baixa do mercado lá no seu país de origem. Vou citar um explo. veja a qualidade dos caminhões aqui fabricados nos ultimos 5 anos..estão ao mesmo nível dos europeus..(eram tôscos demais e avançaram técnicamente) os automóveis fabricados aqui seguem sua sina lentamente....

    ResponderExcluir
  29. Eu ainda torço meu nariz pra produtos chineses mas é o tempo que vai dizer se eles aprendem. Os japoneses também copiavam modelos ocidentais e com o tempo ganharam sua própria identidade.

    ResponderExcluir
  30. Daniel Bronzatti15/08/10 22:56

    Olá Bob, o que voce achou da suspensão traseira com barra Panhard? Como isso me traz lembranças Chevetteanas, apresenta aquele comportamento de quicar em piso irregular? Deixa a desejar em relação ao eixo transversal?

    Um abraço

    ResponderExcluir
  31. Daniel Bronzatti,
    Como eu disse, a avaliação foi muito curta, mas não me pareceu quicar num retorno com piso algo irregular, se bem que o Chevette tivesse a massa não suspensa do eixo motriz e seu diferencial para complicar. Quando eu passar uns dias com o Face vou ter melhor ideia disso e comunico a você e aos leitores.

    ResponderExcluir
  32. Se o pós-venda for minimamente decente e o marketing minimamente competente, duvido que até 2015 esses carros chineses não figurem entre os importados mais vendidos do Brasil.

    ResponderExcluir
  33. Acredito que há grande chance de conquistar o mercado... Para quem acha que não tem qualidade pergunto: Honda City enferrujando pode?? Toyota L200 com problema sem solução no freio pode? GM Astra com problema no motor de 140CV pode?? VW com motor fundindo com 10.000 KM pode??? Onde está a qualidade dos "nacionais"????

    ResponderExcluir
  34. Concordo com o Marcelo Augusto. Eles deveriam trazer modelos que a massa procura. A aceitação seria mais fácil e as vendas maiores, assim rapidamente o mercado teria uma opinião sobre pós-vendas e valor de revenda.

    ResponderExcluir
  35. Esses carrinhos chineses, mesmo que tenham um monte de problemas, já terão cumprido sua missão se ajudarem a forçar as fábricas "nacionais" a puxar seus preços para baixo.

    Quase 30K por qualquer 1.0 não dá.

    ResponderExcluir
  36. Fui conhecer este face hoje e posso dizer q sai impressionado, o carrinho é realmente completo mais até q o Cielo (q eu detestei, banco durissímo, e manopla de cambio estranha e mal posicionada por ex.) O desing tb me agradou mt ele é simpático e com um espaço interno invejável (menos mala)só precisa para ser perfeito de bancos diant. com encosto mais largo, reg. de prof da direção e o acionamento da embreagem me pareceu frágil e é estranho. (minha referência é o vw polo) inclusive ele é mt mais equipado que o meu polo exemplos: comp. de bordo, farol e lanterna de neblina, regulagem interna da altura dos farois!, sens. de estacionamento mt bem posicionado (deveria ser regra de tão bom).
    Na minha opinião ele deve ser encarado como segundo carro, aquele para ser pau p/ toda obra, emprestado, deixado no sereno ou com os funcionários, ou seja usado até se acabar. Comprar um carro deste como primeira opção de transporte ñ é um bom negócio pois brasileiro olha mt o fator valor de revenda, e se for p ser o único carro da família ñ me parece uma boa opção, ñ pelo carro mas pelos outros motivos. Just my 2 cents...

    ResponderExcluir
  37. Paulo Levi,

    Se isto ocorrer (e de certa forma é bom que ocorra), teremos outro problema gravíssimo:

    Nossa balança comercial vai pra cucuia. O governo terá que tomar alguma providência, tornando vantajoso para esses novos fabricantes instalarem fábricas no .br.

    Aí obviamente alguém vai reclamar que o governo ajuda grande empresários, que não faz grandes programas sociais, e blablablabla, mas não importa, temos que ser produtores, não meros importadores.

    É MUITO PREOCUPANTE a situação atual da nossa balança comercial.

    ResponderExcluir
  38. Estimado Bob, mais uma vez, fomos surpreendidos novamente! Aquele esboço de test-drive do qual participamos, lá em Itu, não mostrou os reais "talentos" do chinesinho. Peguei o Face numa noite, aqui no jornal, e fui até em casa, a 18 km, e voltei no dia seguinte. Fiz meu trajeto normal, que já cumpro há anos e em carros dos mais diversos. Aqui vai meu relatório resumido, me concentrando nos pontos negativos:

    Entro no carro, vou ajustar o espelho retrovisor interno e ele se mostra tão difícil de se mexer que simplesmente saiu na minha mão! Vejo se o problema é de encaixe, mas não, a peça realmente se quebrou.
    Piso na embreagem, ainda com o motor desligado e o pedal afunda até bater no assoalho. Ainda pior é ver que o pedal é meio solto e consegue vir um pouco pra direção do motorista.
    Quase desisto de andar com o carro só por essas boas vindas mas encaro a aventura e chego são e salvo. Apesar do pedal de freio que só funciona depois da metade do curso, da direção ultralenta e com folga e da suspensão barulhenta e sacolejante. Sem falar das luzes, totalmente desreguladas. O farol baixo iluminava o chão, a uns 4 metros à frente e só.

    Quanto ao acabamento, os grilos no painel que ouvi no lançamento só se multiplicaram. O isolamento acústico é fraco. A 70 km/h na Marginal, parecia que estava a 120 km/h, de tão alto que é o ruído aerodinâmico. Parte da culpa deve ser dos vidros das janelas, que me parecem finos demais. Coincidência ou não, eles sobem e descem a uma velocidade que nunca vi com nenhum vidro elétrico. Provavelmente pelo baixo peso deles. Quanto aos bancos, a espuma é facilmente dobrável. A impressão é que depois de um ano, o motorista vai sentar no ferro. Há quem goste (como um faquir, por ex., não pense bobagem!), mas não é o meu caso.

    De pontos positivos, o motor agrada e o câmbio não compromete. O espaço é bom para quatro pessoas (cinco é utopia) e o design é até interessante. Ah, antes que me esqueça, alguém comentou que há computador de bordo, mas não é verdade. Existe apenas um marcador digital de consumo instantâneo, que pode ser revezado com o relógio.

    Enfim, uma avaliação excelente! Excelente pra ter certeza que o Chery Face é um lixo e que ainda tá pra ser fabricado um carro chinês (de marca local) decente.

    Obrigado pelo espaço aberto a esse desabafo tão extenso. Abraço!

    ResponderExcluir
  39. Estimado Bob, mais uma vez, fomos surpreendidos novamente! Aquele esboço de test-drive do qual participamos, lá em Itu, não mostrou os reais "talentos" do chinesinho. Peguei o Face numa noite, aqui no jornal, e fui até em casa, a 18 km, e voltei no dia seguinte. Fiz meu trajeto normal, que já cumpro há anos e em carros dos mais diversos. Aqui vai meu relatório resumido, me concentrando nos pontos negativos:

    Entro no carro, vou ajustar o espelho retrovisor interno e ele se mostra tão difícil de se mexer que simplesmente saiu na minha mão! Vejo se o problema é de encaixe, mas não, a peça realmente se quebrou.
    Piso na embreagem, ainda com o motor desligado e o pedal afunda até bater no assoalho. Ainda pior é ver que o pedal é meio solto e consegue vir um pouco pra direção do motorista.
    Quase desisto de andar com o carro só por essas boas vindas mas encaro a aventura e chego são e salvo. Apesar do pedal de freio que só funciona depois da metade do curso, da direção ultralenta e com folga e da suspensão barulhenta e sacolejante. Sem falar das luzes, totalmente desreguladas. O farol baixo iluminava o chão, a uns 4 metros à frente e só.

    Quanto ao acabamento, os grilos no painel que ouvi no lançamento só se multiplicaram. O isolamento acústico é fraco. A 70 km/h na Marginal, parecia que estava a 120 km/h, de tão alto que é o ruído aerodinâmico. Parte da culpa deve ser dos vidros das janelas, que me parecem finos demais. Coincidência ou não, eles sobem e descem a uma velocidade que nunca vi com nenhum vidro elétrico. Provavelmente pelo baixo peso deles. Quanto aos bancos, a espuma é facilmente dobrável. A impressão é que depois de um ano, o motorista vai sentar no ferro. Há quem goste (como um faquir, por ex., não pense bobagem!), mas não é o meu caso.

    De pontos positivos, o motor agrada e o câmbio não compromete. O espaço é bom para quatro pessoas (cinco é utopia) e o design é até interessante. Ah, antes que me esqueça, alguém comentou que há computador de bordo, mas não é verdade. Existe apenas um marcador digital de consumo instantâneo, que pode ser revezado com o relógio.

    Enfim, uma avaliação excelente! Excelente pra ter certeza que o Chery Face é um lixo e que ainda tá pra ser fabricado um carro chinês (de marca local) decente.

    Obrigado pelo espaço aberto a esse desabafo tão extenso. Abraço!

    ResponderExcluir
  40. Mil desculpas! Sem querer, meu pequeno comentário entrou mais de uma vez. Quem puder, por favor apague os excedentes... Obrigado!

    ResponderExcluir
  41. Só compro um, depois de uma massa estatística de opiniões de uns 1.000 proprietários dele.

    Podem me chamar de conservador. Mas ainda não arrisco minha grana em um destes. Está certo que os nossos Gols e Celtas (e seu alter ego o Agile) deixam muito a desejar pelo preço cobrado. Mas pelo menos - teoricamente, podemos encarar uma estrada sem medo de ficar na mão.

    ResponderExcluir
  42. Olá Bob, parabéns pela avaliação. Gostaria de saber se após quase 2 anos no mercado, você recomenda a compra do Chery Face. Do que você pode conferir, ele está acima dos demais carros dentro dessa faixa de preço? Um abraço!
    Paulo Roberto.

    ResponderExcluir
  43. Tenho um face a 6 meses, e a unica coisa que posso reclamar é o barulho interno, a tampa traseira do porta malas, e a tampa que esconde o estepe fazem muito barulho, ja coloquei espumas, mas nao adiantou! a suspensao é horrivel, qualquer buraquinho parece uma cratera! tem um barulho que ninguem agora conseguiu identificar, a concessionaria fecha os olhos e ouvidos para as reclamaçoes e nao arrumam uma soluçao! mas o carro agrada no desempenho, bem esperto, e os itens de serie sao todos otimos!

    ResponderExcluir
  44. Estou pensando em comprar um Face, mas ainda estou com bastante receio.
    Aos que tem Face, quantos Km vocês rodam diariamente com o carro?
    Da pra comparar o Face com uma Idea ou um Fox?
    Outro ponto que percebi lendo varias avaliações, é que no início havia muito mais problemas com o carro do que recentemente. Gostaria de saber de alguem que comprou o carro recentemente se existem mesmo vários problemas assim que sai da concessionária.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...