Google+

21 de setembro de 2010

BOLA DA VEZ

Desenho: www.autorepair.about.com

A bola da vez no segmento da reparação é a peça descrita acima como tensioner, tensionador em português. Bola da vez porque de uns tempos para cá basta o carro entrar em serviço de troca da correia dentada, que lá vem a recomendação de trocar o tensionador.

Como diz o Boris Feldman no programa de tevê dominical "Vrum", SBT, bem cedo, às 7h55, e endosso, isto é  p-i-c-a-r-e-t-a-g-e-m.


Semana passada os fabricantes de correias dentadas Dayco e Gates unissonamente divulgaram informações à imprensa falando da necessidade de trocar o tensionador cada vez que a correia dentada for trocada.

É bom saber que a recomendação não é para o tensionador em si, mas para seu rolamento, que todavia não pode ser trocado, daí a troca do item completo.

Ainda ontem eu conversava sobre o tema com um engenheiro graduado da Volkswagen e ele foi taxativo: o rolamento do tensionador é life-time, isto é, é para a vida toda do motor.

Norma brasileira

A coisa toda é muito grave. A Associação Brasileira de Normas Técnicas emitiu em novembro de 2009 a norma brasileira n° 15759, a qual diz que em toda troca de correia dentada - chamada pela organização de correia de sincronismo do motor - "os demais componentes do sistema devem ser substituídos, independentemente de condição".

A gravidade está justamente na ABNT ter exorbitado, criado uma recomendação alheia aos fabricantes de motores, que conhecem mais do que ninguém o produto.

Portanto, o AUTOentusiastas alerta para esse autêntico malho, a bola da vez: não autorize a troca do tensionador se o rolamento estiver perfeito, que significa sem folga anormal e ruído.

De cabeça para baixo

O desenho acima está cabeça para baixo. Como a árvore de comando de válvulas gira à metade da rotação do virabrequim, a polia menor é deste, portanto fica embaixo. O tensionador normalmente é localizado no chamado ramo frouxo da correia, aquele oposto ao que efetivamente traciona a polia do comando de válvulas.

Imaginado-se o motor do desenho na posição normal, vê-se que o tensionador está no ramo tenso, aquele que traciona. Talvez por isso o autor do desenho ou o site que o publicou tenha "virado" o desenho, para que tensor aparecesse no ramo frouxo, como na maioria dos motores.

Sabem que motor tem o tensionador no ramo tenso? O motor Fiat do 147 e do Uno antes do Fire. Imagino que o motivo disso seja o motor ter sido previsto para girar em sentido anti-horário. Mas é só uma hipótese. A maioria absoluta dos motores gira em sentido horário, exceção ao Chevrolet Corvair e a um determinado Honda 2-litros. Esse sentido é olhando-se o motor de frente.

Virar ao contrário

O tensionamento da correia dentada dos motores dos Fiat citados é automático. Movimenta-se o virabrequim pela porca da sua polia e a correia nova adquire a tensão correta automaticamente. Só que para isso ocorrer é preciso que o motor seja girado em sentido anti-horário, pois o tensionador está no ramo tenso..

O que aconteceu foi muitos mecânicos desconhecerem esse pormenor dos motores Fiat e girarem-no em sentido horário, com o que o tensionamento da correia era falseado. Por funcionar abaixo da tensão prevista, em pouco tempo a correia deixava pular dentes, que nos motores a etanol de taxa de compressão mais alta significava atropelamento de válvulas pelos pistões. Prejuízo na certa.

BS

315 comentários:

  1. 1)acho que nenhum mecanico baseia sua mão de obra em recomendações que estão nas normas da abnt
    2)os rolamentos tensionadores de correias ultimamente veem sendo confecionados em plasticos em sua extremidade em contato com a correia de borracha , logo o desgaste não é só do rolamento , tambem a parte em contato com a correia sofre desgaste e deformações
    3)o custo da peça chega a ser insiguinificante , se comparado ao preço de uma troca de valvulas ou cabeçote completo se for um motor vw moderno.

    ResponderExcluir
  2. Bob,

    Existem casos e casos.

    Por exemplo o meu Chevette. O rolamento tensionador custa uma ninharia, coisa de 20 reais da INA ou da FAG. Retirar toda a capa da correia para trocar eventualmente apenas um rolamento é totalmente desnecessário. Assim, eu troco o rolamento sempre que troco a correia, por simples conveniência.

    Esse assunto tá tomando uma proporção enorme. O Boris deveria abordar o assunto de uma maneira mais técnica, como você o fez aqui. Pois mesmo para os leigos, ao assistirem o programa podem desconsiderar outras hipóteses e considerar o mecânico picareta.

    Caso do ADG, da HighTorque de Belo Horizonte. Ele está no mercado há anos e trabalha muito com Marea 2.4. Todos sabemos da dificuldade que é encontrar um espaço para realizar a troca da correia do modelo, quando ele começou a chegar nas oficinas foi um espanto geral, até que foram melhorando o procedimento, mas até hoje dá trabalho. Eu não sei quanto custa um tensionador do Fivetech, mas, em vista da mão-de-obra eu autorizaria a troca.

    Ele colocou um vídeo no YouTube reclamando justamente dessa instrução do Boris a respeito da tal picaretagem da correia dentada. Veja no link (se já não viu): http://www.youtube.com/user/ADG0068

    Outra coisa que não acredito é em rolamento "lifetime".

    ResponderExcluir
  3. Totiy: Rolamento de tensionador de plásticos que eu vi até hoje, só os paralelos.

    ResponderExcluir
  4. Totiy
    Durante a troca da correia examina-se o tensionador. Se estiver em ordem não precisa ser substituído, é simples. Não tem nada que ser trocado preventivamente. Isso nunca existiu, apesar de termos motores de correia dentada desde 1974, o Passat. Quando troquei as correias dentadas de dois carros meus numa concessionária Chevrolet, em 2007, vieram com essa conversa, o que não aceitei, obviamente.

    ResponderExcluir
  5. Rafael Hagi
    Já havia visto o vídeo do ADG. Claro, estão se defendendo como podem, dentro do pleno direito. Agora, a ABNT tem criado norma a respeito só aumenta o impacto da picaretagem, oficializa-a. Rolamento não item que se troque preventivamente em automóvel, só quando é necessário. Seria o mesmo que trocar rolamentos do alternador a cada tantos quilÔmetros.

    ResponderExcluir
  6. Marcelo Augusto22/09/10 00:17

    Hora de trocar correia dentada é sempre "A Hora do Pesadelo".

    Tirando aqueles motores quem vem com a própria marcação nas polias (acho que era assim nos APs), os que necessitam de ferramentas de fasagem já complica, pois o pessoal faz "na tinta" e fica uma porcaria.

    ResponderExcluir
  7. Marcelo Augusto,
    Há motor sem marcas de referência? Não sabia disso.

    ResponderExcluir
  8. Bob, o Chevette chegou com correia dentada antes do Passat.

    Em um componente "chato" de mexer como é uma correia de Marea ou de valor irrisório como o Chevette, são casos que eu considero a troca. Até a engrenagem inferior do Chevette eu troco a cada duas correias, é muito barato. E o Chevette nem empena válvulas.

    A verificação da conservação do rolamento também é algo subjetivo, não é não? Onde que o mecânico vai conseguir girar o rolamento em uma velocidade parecida com a qual ele desenvolver em plena carga pra se certificar quanto a ruídos e trepidação? Girar na mão não vale.

    Não sei se existem motores sem as marcas para ajuste do ponto, porém GM 16v e Mareas existem ferramentas e sem elas o carro fica realmente uma porcaria. Bebem demais ou ficam frouxos. É só passar o scanner pra ver que tá um lixo. O ADG mostra os procedimentos nos vídeos dele.

    ResponderExcluir
  9. Rafael Hagi
    Ops, de fato o Chevette chegou antes do Passat, um ano.
    O que você chama barato? Quando fui trocar a correia do Celta era bem caro, perto de R$ 200.
    Dá para pegar um rolamento e verificar-lhe suavidade e folga sem dificuldade. Se houver dúvida, aí sim, troca-se. Mas trocar automática e preventivamente é que está errado.

    ResponderExcluir
  10. Marcelo Augusto22/09/10 01:25

    Bob,

    O que eu digo é quando a polia do eixo comando de válvulas
    e a engrenagem do virabrequim não são chavetadas, aí há necessidade de utilização de ferramentas especiais para sincronizar o
    motor, pois não há referência nas polias. Mas aí tem uns espertos que só fazem o travamento e pronto.

    Por exemplo: nos 2,0 da Renault, tem que se girar manualmente o motor, até que os rasgos existentes nas extremidades dos comandos (opostas às polias), alinhem-se na horizontal - abaixo do centro dos eixos, aí se encaixa a ferramenta de fasagem.

    ResponderExcluir
  11. Sandoval Quaresma22/09/10 08:03

    em 2 veículos VW - AP que tive, se trocasse apenas a correia dentada, após a primeira chuva já começava aquela chiadeira infernal, parecendo uma enceradeira. trocando o rolamento junto, isso não acontecia. isso usando peças originais ou paralelas de primeira linha.

    ResponderExcluir
  12. Bob, eu chamo de barato comprar um tensionador que custe alguma coisa até R$60,00. Se você levou o Celta em concessionário não acho impossível que tenham cobrado R$200,00.

    Permita-me discordar a respeito da sua opinião que "troca automática e preventiva" ser errado, acho justamente o contrário quando estamos lidando com algo que, caso apresente algum defeito durante o uso, pode ocasionar um sério prejuízo.

    Também existem diversos casos, como o do "Sandoval Quaresma", onde quando não é trocado o rolamento, a correia começa a fazer barulho e lá volta o dono do carro pra pagar outra mão de obra pra trocar um simples rolamento.

    Como você bem sabe, existem manutenções corretivas e preventivas. No seu caso, com o Celta, uma correia dentada original é substituída (posso estar enganado) a cada 40.000 km, é MUITO tempo de uso. Eu inclusive tenho o hábito de substituir bem antes disso, pois rodo pouco no Chevette atualmente. Vamos imaginar que você rode essa quilometragem a cada dois anos, acho que o custo é ínfimo se diluir nesse prazo.

    Os motores deveriam ter um relógio de "tempo de uso", igual tinha uma versão do D20 a diesel. Eu imagino que essas trocas de peças por quilometragem é mera estatística. Como pode alguém considerar que uma correia dura X KM? E o motor funcionando em marcha-lenta?

    ResponderExcluir
  13. Concordo com o Bob!

    Substitui-se rolamentos quando este apresenta problemas (folga/ruídos). E se está apresentando problemas, provavelmente deve ser por má instalação.

    O Bob deu o exemplo dos rolamentos de alternador. E o da embreagem? E os rolamentos das rodas? Nunca vi fabricante algum citar troca periódica para tal.

    Minha Belina 89 tem o tensor original ainda. E mesmo depois de uma retífica aos 150.000...

    ResponderExcluir
  14. Em casa tem uma Courier (04/05) com 180.000 km e correia dos acessórios original. Agora depois de 5 anos que está começando a apresentar defeitos visuais. Essa história de ficar trocando componente por prevenção é só para engordar o cofre alheio. Boas peças instaladas com rigor técnico e bem conservadas (as que necessitam) não precisam de troca preventiva alguma.

    EMC

    ResponderExcluir
  15. O rolamento da embreagem é um ótimo exemplo. Nunca vi alguém tirar a caixa fora do motor pra trocar um disco de embreagem e dispensar a troca do colar porque ele "está bom e não apresenta ruído".

    Putz, a caixa já está fora do carro, troca o rolamento de uma vez. Depois você monta o disco novo e com 1/3 de uso dele o bicho começa a fazer barulho, vai desmontar tudo novamente sendo que podia ter trocado antes?

    Isso é prevenção.

    ResponderExcluir
  16. Rafael Hagi
    Bem lembrado. Hoje quando uma embreagem gasta troca-se o conjunto de platô, disco e rolamento de acionamento, quando o que gasta é o revestimento do disco. Basta trocá-lo. O "Jaques" (já que está sendo trocado isso, troca-se aquilo) não é totalmente aplicável em mecânica.

    ResponderExcluir
  17. TODOS motores possuem marcações de ponto, dá pra montar o motor no porão de casa, caso vc tiver um torquímetro e meia duzia de ferramentas. Troquei recentemente a correia dentada + bomba d'agua + rolamento tensor do meu corsa 96MPFI. O carro tem 90.000km, e o rolamento estava roncando. O tensor custou R$80,00 e o rolamento é provavelmente chinês.

    ResponderExcluir
  18. Bob, fiz a troca da correia e do tensionador do meu Marea 2.4 há 7 mil km. A troca é feita a cada 60 mil km, e esta foi a segunda troca que fiz. Dado o complicado acesso à correia (é preciso retirar uma roda, afrouxar coxins e deslocar horizontalmente o conjunto motor-câmbio) e dado o alto custo de um eventual estouro da correia, prefiro preventivamente trocar o tensionador sempre. Acho que o custo d eum tensionador, diluído em 60 mil km, é insignificante se comparado à segurança que sinto em saber que tudo está novo!

    ResponderExcluir
  19. Em tempo, reforçando o que disse o Raphale Hagi: o ADG, de Belo Horizonte, que conheço do fórum do Clube do Marea, é "o cara" em termos de Fivetech. Pena a oficina dele estar a 600 km de minha casa!

    ResponderExcluir
  20. Sem comentários pra essa recomendação. Tiro no pé não trocar o rolamento tensor, além de ser uma economia porca. O que já peguei de tensor com problema antes mesmo dos 50.000km (folgas, etc.)

    Mas tudo bem, as retíficas de cabeçote agradecem.

    ResponderExcluir
  21. Bob, garanto que para Omega e Chevette a diferença de preço entre comprar o disco separado e o kit (rolamento, platô e disco) não justifica trocar apenas o disco.

    A filosofia é EXATAMENTE a do "Jaques". E no meu caso, meu mecânico é radicalmente contra isso. Porém, sempre que preciso fazer alguma coisa já compro as peças todas.

    Quer outro exemplo?

    O Omega tava com uma folga de vareta / balanceiro em um dos cilindros. Tiramos a tampa do cabeçote para ajuste. Diagnosticamos que uma das porcas de prisoneiro estava um tanto comprometida. Aí você pensa: Olha o trabalho que dá tirar a admissão, tampa e etc... obviamente troquei todas as 12 porcas, sendo que custaram R$5,00 cada, originais GM. Eu ficaria puto se depois de um ano tivesse que desmontar tudo denovo pra verificar uma outra porca qualquer.

    Quer outro exemplo?

    Tirei os amortecedores do Omega para trocar o coxim que estourou e começou a fazer uma barulhada danada. Qual o motivo de não substituir o rolamento que trabalha como calço se o telescópico já estava todo desmontado na bancada? Tirar a mola do lugar dá um trabalho do cão... troquei logo coxim e rolamento.

    É um raciocínio simples na minha opinião. Se é melhor economicamente, não resta dúvida que não é no curto prazo. Mas eu prefiro evitar a dor de cabeça.

    ResponderExcluir
  22. E Bob,

    Se você considera que o desgaste do disco é apenas na área onde ocorre o atrito com o platô, mandar trocar apenas a fibra sai ainda mais barato. Nem precisa substituir o disco inteiro.

    Apesar que não conheço precedimento de teste das molas de amortecimento. Conheço gente que vai recondicionando o disco até as molas perderem totalmente a ação e fazerem barulhos pois ficam frouxas nos encaixes.

    ResponderExcluir
  23. O Bob traz consigo um conhecimento enorme, uma bagagem que talvez muitos de nós jamais terão mas tem algumas opiniões que são muito dificeis de concordar... Faz uma "economia porca" ao não querer trocar o tensionador e o rolamento mas é contra o rodizio de pneus, que seria uma "economia inteligente" pela segurança que proporciona e tudo mais. Dificil te entender as vezes Bob!

    ResponderExcluir
  24. Existem alguns motores com este ponto critico. Por exemplo os antigo 2.0 16V do Fiat que equipa o Tipo/Coupe. Tensionador nao aguenta mais do que duas trocas da correia e te manda o cabeçote embora... mas a cada duas trocas resolve.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Bob, eu sou o ADG da HIGH TORQUE, foi eu quem fiz os vídeos.
    Não sei se vc chegou a assistir o vídeo sobre o assunto antes de eu falar sobre a norma da ABNT, mas a coisa é mais séria do que vc imagina.
    O que vocês estão afirmando é uma coisa muito séria, afinal, é a oficina mecânica que passa a ser responsável sobre o serviço prestado, o Boris afirma ter como testar o rolamento, mas isso é puro achismo, não tem como simular condições de uso de um tensor na mão ou no olho, isso é balela.

    Quando uma pessoa paga uma mão de obra para trocar uma correia dentada, ela geralmente não quer voltar para ter que mexer no mesmo ponto depois, o tensor que funciona junto da correia dentada é trocado de forma preventiva, pois geralmente ele não vai suportar outros milhares de quilômetros que a correia ira rodar.
    Portanto, porque fazer o cliente mexer novamente em correia sendo que ele poderia rodar tranquilamente mais 60 mil km?

    E a garantia do serviço? Quem vai responder na justiça por um serviço em desacordo com a norma técnica?

    A ABNT está errada?

    Trocar peças preventivamente é justamente para isso, previnir a troca corretiva em um componente.

    Se toda peça em bom estado não precisar substituição, então não devemos usar a palavra preventiva.

    Muito complicado isso tudo, lutamos para oferecer os melhores serviços, qualidade e tranquilidade aos clientes,mas esse tipo de reportagem nos deixa em situação complicada, fazemos o que sabemos e a norma manda ou fazemos o que a imprensa "especializada" diz?

    Nessa dúvida toda, estamos entrando com uma ação na justiça onde vamos questionar a validade ou não da norma técnica, de quem é a responsábilidade dos problemas futuros em não se trocar uma peça desse tipo, infelizmente, nessas horas o melhor a fazer seja isso.

    Não estou com raiva de ninguém agora, só quero de uma vez por todas, deixar claro que quem determina a troca de um componente é o mecânica e a oficina, pois de além de serem eles que deverão dar a devida garantia, eles ainda tem uma norma que manda que seja feita daquela forma.

    ResponderExcluir
  28. Sobre chamar de picareta um profissional que segui SIM as normas técnicas e procura fazer seu serviço de forma correta, isso preciso sim ser analisado a luz da Justiça.

    ResponderExcluir
  29. Haha! Que mecânico, principalmente de Marea, quer perder essa "galinha de ovos de ouro"?!? Além do ganho em cima da mão de obra, tem o ganho em cima das peças.

    Se esta história de troca preventiva fosse a mais correta, estaria no manual de revisões do veículo a troca periódica.

    E não é bem isso que acontece na maioria absoluta das vezes.

    Peça boa e bem instalada dificilmente dará problema.

    Se preventiva fosse "troca-troca" de peças, comece trocando todas as juntas do motor (vai que comece dar algum vazamento), todos os rolamentos (vai que algum comece a roncar), os cabos de vela (vai que algum dê fuga), linha de combustível (vai que comece vazar), sensores diversos (vai que comecem a marcar errado, troque conctores/chicotes (vai que dê mau contato), troque os amortecedores (vai que estourem), etc.

    Para com isso, não é?!?

    ResponderExcluir
  30. Parei de ler no...

    "Agora, a ABNT tem criado norma a respeito só aumenta o impacto da picaretagem, oficializa-a"

    Pra que seguir Leis, Normas, Metodologias, segundo o senhor Bob, isso tudo é balela, afinal tá tudo errado.

    Lamentável

    ResponderExcluir
  31. Sandoval Quaresma22/09/10 13:17

    faço coro ao anônimo das 22/09/10 10:23

    ResponderExcluir
  32. BOB
    O cabeçote do meu carro custa uns R$ 8.000 pra fazer e estou proximo de trocar a correia.
    Me indica uma oficina e eu faço a troca lá sem trocar os tensionadores e guias se o mecanico disser que estão bons e VOCÊ me dá garantia de peças e mão de obra e de qualquer dano no cabeçote até a proxima troca, topa !
    BOB você tem uma historia magnifica no nosso automobilismo, não jogue fora ! Ou parou no tempo que corria de opala (que nem tem correia dentada)?
    O tensionador mais caro é o movel e a mola apresenta fadiga, nem é tanto problema do rolamento mas da mola, e os fixos custam ninharia, pra que arriscar um prejuizo maior ou ficar na rua ?

    ResponderExcluir
  33. Sandro,

    Bem lembrado, o rolamento esticador do Chevette não tem mola. Se bem me lembro, o furo por onde passa o parafuso que o fixa no bloco fica deslocado e não ao centro, e isso é o que permite o tensionamento da correia.

    O Omega tem um tensionador da correia de serviço, que como está começando a cantar quando ainda está fria, provavelmente vou substituir, aí veremos o preço.

    ResponderExcluir
  34. APzeiro de carteirinha!22/09/10 13:30

    Huahuahua!!

    Os donos de "Mocréa" estão todos doídos por tocar em um assunto que dói no bolso deles...

    Hahaha!!!

    Ao invés de trocarem o tensor, troquem o carro! Vão andar de carroça (Gol, pode ser!) que vocês não terão esses problemas. Com o preço do cabeçote de Fivetech, dá pra comprar um Santana quadrado que não dará um sexto do prejuízo com peças...

    HUHAUHAUAHAUAH!!!

    ResponderExcluir
  35. Uma coisa é não trocar o rolamento de uma embreagem e ter que gastar com um custo adicional de nova desmontagem/montagem da embreagem caso o rolamento dê problema. Outra bem diferente é ter que fazer o motor caso o rolamento de problema e a correia dentada pule ou estoure!

    Dizer que dá para avaliar a condição de uma peça de forma confiável sem realizar testes de fadiga de material e de estress mecânico é no mínimo engraçado. Consulte o INMETRO para ouvir o que eles falam ;-)

    Então chegamos ao ponto em que, numa oficina, por melhor que seja o mecânico e por melhor equipada que ela seja, não é possível dizer se a troca do rolamento é ou não é necessária.

    Temos então uma situação de incerteza onde, por um lado, o consumidor gostaria de economizar com a troca do rolamento e, por outro lado, a oficina gostaria de trocar a peça para não correr o risco de ser responsabilizada depois por um motor estourado.

    Não tenho estatísticas para falar com certeza dos carros em geral, mas de Marea posso falar pois já vi VÁRIOS casos no Clube do Marea (somos mais de 15 mil usuários): tensionador dá problema sim! O meu mesmo era original (acompanhei a troca) e quebrou parcialmente na garagem de casa 45 mil km rodados depois. Por uma sorte incrivel não tive que refazer o motor!

    ResponderExcluir
  36. Só para esclarecer não sou reparador ! E costumo comprar as peças e levar ao mecânico(compro com desconto PJ) ou seja não está me enganando nas peças... Dizem que mexeu com graxa ou com cimento tome cuidado, mas da forma como você coloca fica parecendo que todo mecanico é picareta, mesmo boa parte sendo, mesmo sem querer ser (despreparo).
    BOB você usa embreagem "cravada" no seu carro (troca de material de atrito apenas)? eu não uso e não usaria nunca, exatamente pelo problema da fadiga das molas amortecedoras que a medio prazo vão te custar um semieixo ou uma junta homocinética. Tudo em uma maquina é um sistema e um componente que não funciona de acordo com o projeto compromete o funcionamento do proximo e do anterior. é uma reação em cadeia. Quanto mais otimizada e eficiente a maquina, mais isso é notado. Fazer essas "gambiarrinhas" para economizar tostões é o melhor jeito de transformar seu carro num lixo ambulante.Não tem dinheiro pra manter? Anda de onibus hora !

    ResponderExcluir
  37. APzeiro de novo...22/09/10 13:38

    Bando de fudido. Tinham que estar andando de Gol 1.0 8V mesmo. Se um cabeçote é caro pra vcs compre um carro melhor. Ops! De manutenção mais barata! Que caiba no bolso e não reclame de ter que ficar trocando o carro inteiro toda vez que o visitar o mecânico.

    ResponderExcluir
  38. Concordo 100% com o Sandro Pacheco.

    Tenho amigos com Omega 3.0 que recondicionam disco de embreagem há 10 anos. Depois não sabem porque o carro deles quebram discos de borracha de cardan a cada seis meses.

    Também tenho um amigo que trocou o volante do motor de dupla massa da sua frontier por um sólido "feito não sei onde". Me compra um carro de 70 mil reais e acha ruim de pagar 2 mil em um volante de motor.

    Anda de ônibus!

    ResponderExcluir
  39. O rolamento da correia dentada ou tensionador, não se desgasta somente em suas esferas do rolamento, ele tem uma base plástica ou metálica que fica em contato com a correia, tem também a mola que dá a devida tensão a correia.
    Como um simples mecânico vai fazer para testar todo esse sistema?

    O jornalista cobre um eventual problema com algum motor que não tenha seguido o recomendado na norma.

    ResponderExcluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. Vamos acrescentar aí alguns motores que giram anti-horário. Tudo bem que não é a solução mais comum, mas há mais unidades que gieram nesse sentido. Honda de 2 l que gira anti-horário era o B20 do CR-V, bloco de mesma família dos B16A e B18A conhecidíssimos no Civic VTi e Acura Integra. Vale lembrar que todos os motores Honda até o lançamento do bloco K nos quatro cilindros e do J (nos de seis cilindros). Anti-horários também são alguns motores da Mitsubishi, como os dos primeiros Eclipses.
    Sobre motores Fiat Lampredi, realmente o lance do tensionador tem suas temperamentalidades. Fui passageiro de um Mille 1993 com 84 mil km rodados, cujo tensionador estourou com o carro em movimento, parando imediatamente o motor. Porém, o Mille i.e 1996 que um primo meu teve foi vendido aos 60 mil km com a correia ainda em bom estado (e com capacidade de rodar mais umas boas dezenas de milhares de quilômetros antes de uma troca). Talvez em três anos a Fiat brasileira possa ter feito melhorias tanto no tensionador quanto na correia, de maneira a solucionar eventuais calcanhares de Aquiles do projeto.

    Em relação ao APzeiro de carteirinha, já li algo interessante sobre o Marea com motor Fivetech, que alguém poderia confirmar: caso precise de retífica, sai mais em conta montar pistões forjados para AP, que cabem certinho, do que comprar o kit de retífica, ou seja, se fulano quiser manter o Marea para uso normal em vez de vendê-lo, pode acabar ficando com algo que suporta mais bronca que o original de fábrica (ainda mais se pensarmos que o dono desse Marea o tenha apenas para uso "civil").

    ResponderExcluir
  42. Vejam o vídeo que fiz falando sobre a troca da correia dentada antes mesmo de fazer o vídeo da norma.

    http://www.youtube.com/watch?v=FHmYS6a8w2Y


    Nesse outro vídeo comento sobre esse blog.

    http://www.youtube.com/watch?v=ZdIOdZxVqe8

    ResponderExcluir
  43. High torque,

    Onde está escrito no manual do proprietário que deve-se substituir o esticador da correia periodicamente?

    P.H. Rangel.

    ResponderExcluir
  44. Rangel, é justamente por isso que a ABNT junto com uma equipe criaram a norma 15759.
    Veja bem, no manual dos carros não vem falando para trocar tensores, mas também não vem falando a quilometragem para a troca de diversos outros componentes que são trocados de forma preventiva.
    Manutenção preventiva é muito melhor que a corretiva.

    Se vc achar que seu mecânico quer te empurrar peças desnecessárias, compre vc mesmo a peça, mas não deixe de trocar esse componente, palavra de quem já presenciou muito dono com dor de cabeça por economia porca.

    ResponderExcluir
  45. Quer ver como sempre resolvo isso?Falo para o cliente,acho saudável trocar tal peça preventivamente,ela não fala qdo vai quebrar, se ele não autorizar ,sem problemas,observação na ordem de serviço e ele assina, se der merda ele senta , se eu falar que pode usar por mais tempo se quebrar antes quem senta sou eu....cacete,a porra do rolete já rodou 60/80 mil km e querem que ele rode mais a mesma quantidade de km?Ou vcs vão achar que o cliente tem ouvido clínico e perceber que o esticador fufu e o caboclo vai levar para a oficina antes da maionese desandar?Será que num serviço de 300 paus 100 reais faz diferença enorme?E se esse componente de 100 paus causar um preju de 2000?Se por um azar algum componente der defeito como se faz a garantia?De todos os componentes, dos que foram colocados novos ou do kit completo?O fabricante pode alegar na defesa dele que o componente velho detonou o novo?É muita coisa envolvida,tem reponsabilidade civil nisso....Bob,nessa eu não posso concordar contigo de jeito nenhum....

    ResponderExcluir
  46. Certo High Torque,

    Se não estamos falando de algo que não está no manual, pq as conscessionárias (muitas) exigem que se faça a limpeza de bicos, para darem garantia ao serviço? (Acho que a Ford colocou no manual de serviço de algum carro que não há necessidade de tal procedimento, não é?). Como eu, pobre mortal em mecânica, saberei que meu mecânico não está me passando a mão? Com um componente tudo bem, releva-se e até pago. O problema é que a maioria dos mecânicos mandam uma lista infinita de peças para trocar. As vezes fica mais viável trocar o veículo.

    Entendo a tua postura e a do Bob. Ambas vejo distorções e viéses.

    P.H. Rangel.

    ResponderExcluir
  47. Exatamente Rangel, concordo com vc.
    Existe sim uma empurroterapia no mercado, isso é fato, seja na reparação automotiva, seja em outros vários pontos em nossa vida, muitos ainda insistem em querer vender serviços desnecessários assim como peças. O que vc precisa saber, é escolher onde levar seu carro, autorizada não é referência de qualidade, isso é mero engano. Procure por oficinas com alguma referência de algum amigo ou familiar, mecânico é igual ou muito parecido com seu médico de confiança, salvo as diferenças, existe muitos reparadores de confiança, verdadeiros profissionais que se preocupam mais em manter sua imagem limpa do que ganhar dinheiro de forma ilícita, isso é até tema do meu novo vídeo que deve ir ao ar hoje.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  48. APzeiro de carteirinha!

    Não tem nada pra fazer de produtivo ?
    Olha falava de uma AMG C63.. mas tá vamos comparar marea com santana quadrado...

    Quando um santana quadrado fizer de 0-100 em 8,6 s, 9 Km/l de gasolina na cidade, tiver zonas de deformação com aços diferenciados, freio a disco nas 4 rodas, side bag, airbag duplo, TALVES um dono de marea 2.4 cogite a minima hipotese de comprar um treco desses... esse não é seu mundo, não se fala do que não se entende... Se comparar mecanica de gol caixa de 1982 (quando seu "magnifico" motor foi lançado na europa) com de BMW 325, Audi A4, Volvo S60, vai achar caro tambem...
    Vai fazer a unica coisa que sabe fazer com as mãos no banheiro, ao invez de ficar tumultuando o tópico, que é sobre correia dentada.

    ResponderExcluir
  49. marea, realmente faz 9km/l na cidade. e os pneus dianteiros duram 150 mil km.

    ResponderExcluir
  50. Jornalista-ex piloto-metido a mecanico-engenheiro...Só podia redundar nestas bobagens.
    Sou reparador,e canso de chutar "clientes" do teu nivel,qdo insinua que somos picaretas,espertalhões...e a minha oficina vai muito bem,obrigado.

    Se os defensores/seguidores/entusiastas sentirem-se afrontados,peço que reflitam se vcs gostariam de ter colegas e/ou clientes assim em suas profissões...

    Só pelo nível dos tópicos de manutenção,já pra ver que o cidadão nao sabe nada de reparação!!!E o ADG tem a manha,conheço do forum antigo do Oficina Brasil.Cara com muita técnica e informação.

    Só p/ o teu (parco)conhecimento,o esticador tem a camada de cementação desgastada,e assim a pista do rolamento fica em atrito,detonando os roletes.Por isso que trava.E a mola,qdo tensionada trabalha com uma carga.Qdo se usa o teu "procedimento",vc altera essa carga(a constante da mola).Aí a mola nao consegue compensar qdo remontada e o resto é hist...

    Ah,e manual do PROPRIETÁRIO é uma coisa,e manhual do REPARADOR é outra,totalmente diferente!!!!Ou os entusiastas são ingenuos a ponto de achar que informaçoes técnicas ficaria na mao de proprietário?!?!?Principalmente as correçoes e deficiencias.Vide bico de carro flex no alccol...

    Faz esse procedimento num Passat V6 30v(nao deve nem saber como faz p/ zerar os 4 comandos),ou num Volvo pra ver o presente que vc terá...

    Olha,o blog se diz entusiasta,mas com relação a manutenção está mais p/ crendices automotivas!!!!

    ResponderExcluir
  51. Anônimo disse...

    " marea, realmente faz 9km/l na cidade. e os pneus dianteiros duram 150 mil km."

    Acredite faz... pelo jeito nunca teve..
    Os pneus ? os P6000 originais uns 65.000 km SE FIZER RODIZIO coisa que o bob não gosta ele prefere o carro desequilibrado pois fica mais emocionante...

    ResponderExcluir
  52. APzeiro de carteirinha!22/09/10 17:17

    CalmaPacheco! ( Ou seria Corcel II? ) *rs*

    De que valhe uma #$%$# de um carro descontinuado e desacreditado, como o Marea (E foi desacreditado no mundo todo...) ter tudo isso, se quem compra reclama de manutenção? Ostentação? Ostentação de quê?

    Isso pq estamos comparando veículos com quase 20 anos de defasagem tecnológica. Detalhe: O mais velho durou mais de 20 anos em produção. O mais novo, nem 10. Que coisa, não?

    E outra. APzeiro é só pra causar. Os meus, são alemães e ingleses. Legítimos e não fabricados em outras terras... ;) Sei bem o que estou falando.

    Compreendo sua posição. Mas o que não dá pra engolir é nego se gabar de um produto e achar que ele é caro. Na hora de comprar, essas pessoas sabiam muito bem o tamanho do rojão. Infelizmente é a política do "não aguenta beba leite".

    ResponderExcluir
  53. Engenheiro Maluco22/09/10 17:30

    O Boris Feldman oscila entre momentos de estupidez e de lucidez. Por favor Bob, não siga este caminho.
    Quanto à norma ABNT (ou DIN ou qualquer outra), como posso dizer, ela é apenas um norte, uma orientação. Se você seguir a norma e algo der errado, você está resguardado, porém se você resolver desprezar a norma e algo der errado, a responsabilidade é toda sua. Pergunto, você ou o Boris se responsabilizam se alguém seguir seus conselhos em não seguir a norma e danificar seus motores?

    ResponderExcluir
  54. APzeiro de carteirinha!22/09/10 17:30

    Huahuahua!

    Os mecânicos ficam todos doidos ao ver alguém meter a mão nos seus ovos de ouro!!!

    Huahuauha!!!

    Sai pra lá... Quem melhor que o fabricante para dizer o que deve e o que não deve trocar? Mecânico ou ex-piloto, engenheiro, consultor ou jornalista?

    Façam-me o favor.

    *rs*

    ResponderExcluir
  55. engenheiro maluco

    cabe pra vc determinar a vida útil de uma peça. não ao jornalistas ou mecanicos. e outra, cada um faz o que bem entender com o teu bem. eu não troco tensor de correia do meu marea a cada 10000 km. mas nao sou estúpido de adiar a revisão qd algum barulho estranho anormal aparece. quem espera o barulho aumentar para ir no mecanico eh muito burro.

    ResponderExcluir
  56. Eu não sou reparador.

    E acredito que não faça qualquer diferença no valor da mão-de-obra o mecânico incluir ou não a troca do tensionador no procedimento da troca da correia dentada. Porém vale lembrar os casos onde o mecânico recebe comissão sobre a venda de peças.

    Porém, como já disseram acima, é um tipo de situação presente no cotidiano e não acontece apenas com peças de carros.

    Por exemplo, quer situação mais condenável e "picareta" que os médicos que receitam remédios de laboratórios que os "agradam"?

    Eu continuo achando que a discussão encontra-se em um nível exagerado de ódio de parte a parte. Com reparadores e clientes que se julgam prejudicados de alguma forma. Utilizando-se o bom senso, e cada parte assumindo suas responsabilidades a situação se resolve.

    ResponderExcluir
  57. Hagi...

    Infelizmente os bons "pagam o pato" dos ruins.

    Eu mesmo já paguei por peça que sequer foi substituída. E ponho minha mão no fogo que muita gente já sofreu isso também.

    Abs!

    :(

    ResponderExcluir
  58. Eduardo, então esse vídeo é pra vc.

    http://www.youtube.com/watch?v=vDCFJ5mDj7g

    ResponderExcluir
  59. Engenheiro maluco
    O mecânico é quem deve decidir se aconselha a troca baseado na inspeção do rolamento/tensionador. Nada de troca preventiva neste caso.

    ResponderExcluir
  60. Sandro Pacheco,
    Quando havia revestimento do disco de embreagem de reposição, eu fiz muitas trocas na minha concessionária Vemag, sem problema algum.

    ResponderExcluir
  61. Todos
    Quem tiver coleção de Quatro Rodas ou for acessá-la pela internet, já que todas as revistas estão disponíveis online, na edição n° 579, maio de 2008, falei sobre este assunto na minha coluna "Direto ao ponto".

    ResponderExcluir
  62. Todos
    Aviso que não estou mais em Quatro Rodas desde outubro de 2008; em novembro passei para a Carro.

    ResponderExcluir
  63. Bruce Willis22/09/10 18:44

    O bagulho é muito doido!

    ResponderExcluir
  64. Que beleza!!Ajudando a cristalizar a imagem do mecanico picareta!!!

    Tanto dinheiro p/ treinamentos,ferramentas específicas p/ o "entendido" chamar o mecanico de picareta...E nem sabe do que está falando!!!

    Trabalhe 2 meses de aprendiz numa oficina com boa capacitação,e vc perceberá que essas tuas afirmaçoes nao tem sustentação nenhuma !!!

    Aliás,esse post já foi enviado ao Sindirepa.Vamos ver o que o "especialista" tem a dizer

    ResponderExcluir
  65. Anônimo de 19:34
    Tenho toda qualificação para serviços de mecânica em automóveis.
    Mecânico consciente não faz troca preventiva de tensionador. Examina o conjunto antes.

    ResponderExcluir
  66. Seria legal se uma hora dessas você pudesse responder a minhas perguntas.

    ResponderExcluir
  67. Recentemente eu mesmo munido do manual tirei o cabeçote do meu carro e levei em uma retifica, queimou junta e tive que mandar plainar. Antes de colocar o cabeçote devolta, montei uma bomba d'água nova, preventivamente, pois, se estorar vc só percebe quando a temperatura começar a subir e já era.

    Sobre troca de tensores, prefiro trocar a toda a troca de correia e quando adquiro um seminovo. Já reservo de 500 a 1000 para dar uma geral no sistema de sincronismo, por mais que as lojas deêm garantia, numca se sabe quem e como o carro foi usado anteriormente.

    Os tensionadores do meu carro não possuem molas para a correia dentada e o fabricante recomenda uma ferramenta de tensionamento, mas, fiz pelo recomendado pela goodyear e não tive problemas. Outra questão, para trocar uma correia dentada de um carro 16V dá trabalho. Recomendo trocar os tensionadores a cada troca de correia, imagina, vc estar viajando e ter que parar para trocar os rolamentos dos tensores. Sacanagem. E troco a bomba d'água a cada duas trocas de correia, pois a correia dentada que puxa ela.

    Sds,

    Cristiano Zank. Motor XU10J4.

    ResponderExcluir
  68. faltou dizer que correia dentada e uma sacanagem da industria contra o consumidor.viva a corrente...

    ResponderExcluir
  69. Estou pra efetuar a troca da correia dentada do meu Peugeot 306 (motor XU7JP4 – 1.8 16v) o carro tem 10 anos de vida e esta com 90.570km, a recomendação da Peugeot é que a troca seja feita com 90mil km, outras concessionarias da propria marca dizem que a troca é com 80mil, meu antigo 206 foi vendido com 84mil sendo que a troca deveria ser com 70mil (e não foi feita, não porque eu estava vendendo o carro, mas porque a correia ainda estava em bom estado, tanto que o comprador foi alertado que não havia feito a troca da correia), creio que a hora da troca seja baseada pela checagem, como o Bob disse no caso do tensionador, no meu caso vou efetuar a troca, mas sem essa checagem, problema maior é a falta de tempo pra tirar a capa lateral e verificar o estado geral da correia, o tensionador desse carro tambem não é barato, a correia do meu 206 custava na epoca (vendi o carro em 2006) R$180, não tenho a menor ideia de quanto custe a desse carro, tensionador deve ser uma facada ainda maior, estão fazendo comparações de veiculos totalmente fora do normal, comparar um Fiat fivetech com um familia 1 GM chega a soar como brincadeira. Alem do mais tem o fator “visual” tem muito mecanico picareta que te cobra o que vê, se chega com uma Uno cobra x, se chega com um Marea 2.4 ele te cobra X³³, não pelo fato do trabalho, mas porque você tem um MAREA.

    ResponderExcluir
  70. Post polemico esse. E as respostas muitas dadas muito mais para polemizar que para ajudar,vamos por partes. Pensnado em toda a minha vida profissional, eu não me lembro de outro item tão mal aceito e controvertido por donos de automovel como correia dentada e sua manutenção. Muito simples, antes, muito antes quando começou a surgir por aqui nos anos 70, em fiats, chevettes, passats e mavericks 4 cilindros, tudo era muito tranquilo. Era uma manutenção que o proprietario entusiasta fazia em casa, sem susto. E nunca se trocava esticador, simplesmente porque ele não estragava. Ou por ser superdimensionado, ou pelo fato que os motores trabalhavam em regimes de giro menor que os de hoje. Voce pegava, comprava a correia e trocava, e ficava bom.
    Mas não é mais tão simples assim.
    Alguns carros com motores transversais tem uma grande dificuldade associada a essa troca, sendo o melhor exemplo de todos os marea com motor de 5 cilindros, carro que por acaso eu tenho. E por acaso tambpem gosto muito. E mais por acaso ainda vou qualquer dia desses fazer um post a respeito aqui. Mas isso é outro papo e não interessa agora. O que realmente interessa é: se voce temum uno mille, um celta ou corsa classic, leva no seu mecanico de confiança, aquele cara que vc tem na mesma conta que tem o seu medico ou o veterinario do seu cão de estimação e ele examina o esticador e julga ele inadequado, voce simplesmente o troca. Porque a duvida do julgamento? porque há enorme variação de qualidade nas peças vendidas no mercado. Assim é muito facil voce ter um carro com 40 mil km, na primeira troca de correia, com o esticador original de produção que normalmente é uma peça comprada mediante contrato entre o fabricante de rolamentos e o fabricante do automovel e esta peça pode e deve perfeitamente estar em bom estado e pode ser reusada, do mesmo modo que é muito facil voce ter um esticador, que foi comprado tendo comp parametro de escolha apenas o preço, comprou-se o mais barato e antes mesmo dos 40 mil km recomendados vencerem e ele já estar fazendo barulho. Logo, cada caso é um caso e cada um com seu cada um. Outra, um carro dirigido de forma agressiva, sempre em transito urbano e outro, usado sempre em longos percursos, em velocidades medianas em estradas planas sempre em ultima marcha,vão chegar na hora da troca de forma muito diferente.
    Isto tudo para demonstrar que sempre é necessário voce ter um profissional em quem confiar, caso não se sinta apto a fazer uma avaliação, e siga a recomendação dele. Ou seja prevenido e sempre troque o esticador, se não sentir vontade de correr riscos.

    ResponderExcluir
  71. ADG High Torque
    Me desculpe, eu não havia visto seu comentário dirigido a mim.
    Esse assunto, comigo, começou em janeiro e setembro de 2007 ao mandar efetuar a primeira troca de correia dentada, aos 60.000 km, em dois Celtas meus, na concessionária Chevrolet Nova. Nas duas ocasiões o recepcionista tentou me convencer a trocar o tensionador, o que obviamente nào autorizei.
    Em 2008, eu ainda era colunista e consultor técnico de Quatro Rodas, quando me chegaram ao conhecimento alguns casos de sugestão de troca de peças sem necessidade. Escrevi, então, a minha coluna mensal a esse respeito, na edição n° 579, maio de 2008. Falei do tensionador, troca de óleo e outros itens "empurráveis", como limpeza de válvulas de injeção e descarbonização, mas sem apontar apenas para as oficinas independentes.
    Curiosamente, na semana que teve o programa Vrum no domingo os fabricantes de correias Dayco e Gates divulgaram informação a respeito da necessidade de trocar o tensionador a cada troca da correia e um deles falou em norma da ABNT. Fiquei surpreso e curioso, fui atrás da norma e, como você, acabei adquirindo o direito de ter uma por R$ 20,50. Foi a ver a Nota 2 do art. 4.1.2 que fiquei perplexo, o órgão exorbitando de suas funções, querendo ditar regras como se fosse fabricante de motores. Foi por isso que fiz o post que você mostrou no seu mini-estúdio de TV. aliás muito bom. Saliento que até então eu não o conhecia e gostei de ver em você um jovem sério, que trabalha.
    Para melhor juízo seu, fui concessionário Vemag depois Volkswagen durante 11 anos, eu era o sócio-gerente técnico. Antes disso havia sido subchefe de oficina e depois representante de assistência técnica da fábrica Vemag. De 1984 a 1988 fui supervisor de competições da Volkswagen do Brasil, em que tínhamos empenho total nos campeonatos brasileiros de Marcas e Pilotos e de Rali de Velocidade. Minha formação é Técnico em Construção de Motores e Máquinas, o que me qualifica para o serviço em automóveis e outras máquinas. Acho que você desconfiou disso ao ler a minha observação de ser necessároi girar o motor Fiasa do 147 e do Uno em sentido anti-horário para o tensionador automático dar a tensão correta da correia dentada.
    Tudo isso dito, espero que você não interprete meu ataque como sendo ao reparador, pois ele foi detonado, como eu disse, pela Dayco e pela Gates. A minha crítica é para qualquer prestador de assistência técnica que use a sistemática de troca preventiva do tensionador. Tive um Escort Zetec 1.8 16v em que troquei a correia dentada aos 130.000 km (deveria ser 10.000 km antes) sem trocar o tensionador. Usei o carro até 150.000 km, vendi-o para um amigo em dezembro de 2008, que está com carro até hoje rodando perfeito.
    No motor VW EA-111 o rolamento do tensionador é life time.
    Acho que todo reparador tem o dever de verificar o tensionador e outros componentes do acionamento do comando de válvulas e recomendar sua troca SE necessário.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  72. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  73. Bob, hoje as coisas mudaram muito.
    A redução de custos adotadas pelas montadoras estão cada vez mais diminuindo a durabilidade das peças.

    Sou um dos maiores defensores do uso de peças de qualidade e mão de obra qualificada, se um dia vc chegar a ver meus vídeos antigos, com certeza vai notar isso.

    O que acontece é que nós donos de oficina ou mecânicos, não podemos assumir a responsabilidade de uma analise de uma peça tão complexa como um rolamento tensor, sim, um tensor de correia é muito mais complexo do que pode parecer, e vc como técnico sabe disso também.

    Quando o carro chega na quilometragem de troca de correia dentada, sempre os tensores já estão com sinais de desgaste e rumorosidade, eles tem que serem trocados, posso receber você e qualquer outra pessoa no meu dia a dia dentro da oficina e provar para todos.

    Por favor, uma hora dessas, visite algumas oficinas sérias de Sampa, veja com seus próprios olhos o estado que esses tensores estão quando se chega a km de troca da correia, vc mudará de idéia.

    Outra coisa, o assunto é bem mais complexo do que parece, não só pelo fato de necessitar da troca de um tensor ou não, hoje em dia, raramente encontramos mão de obra qualificada para a perfeita execução da troca da correia, isso mesmo! Vários motores necessitam de ferramentas especiais e muitos nem sequer as conhece! Se raramente temos mão de obra qualificada para uma simples troca, imagine para diagnosticar peça complexa como um tensor apenas no olho?

    Com todo respeito, pense mais sobre o assunto, faça uma pesquisa sobre o assunto hoje, veja com seus próprios olhos como essas peças saem dos carros no momento da revisão.

    ResponderExcluir
  74. Alexandre Garcia, meu xará se permitir.

    Cara, que bacana saber que vc é dono de um tubarão, não sei se vc conhece nosso trabalha, mas minha paixão é esse carro, são 7 anos e quase 70 vídeos postados só de manutenção desse excelente carro.

    No caso do nosso saudoso Marea, o buraco fica mais embaixo, o espaço reduzido para se fazer a devida troca de correia dentada, faz com que mesmo os tensores estando com um belo visual, muitos donos e mecânicos aproveitarem para trocar o tensor de forma preventiva, pois a mão de obra para ter que mexer naquilo novamente pode chegar a ser até mais cara que os próprios rolamentos.

    ResponderExcluir
  75. Continuando que a resposta ficou longa.

    Eu oessoalmente tenho uma posição: eu acho um saco trocar correia dentada. Tenho em casa 2 carros que as tem, uma Elba 1.5 e um Marea 2.4. Eu não faço o serviço de troca de correia neles. levo a uma oficina aqui perto de casa que me poupa tempo e paciencia. Sempre troco o esticador e a correia. E no marea, onde a propria bomba dagua é ponto de passagem da correia, eu faço questão de inspecionar, se estiver aprensentando algum ruido ou aspereza, é trocada tambem. Simples, no caso do marea, o preço da troca da correia é de cerca de mil e poucos reais, incluindo a correia e o esticador, que tem mola de pre carga. E o esticador em si custa pouco mais de 10% desse valor. Vale frisar que o valor é alto não epnas porque é um marea, mas porque é impossivel fazer o serviço neste veiculo em menos de 14 horas de trabalho. Voce tem como uma das maneiras de executar demontar até o agregado da suspensão, descendo e deslizando o conjunto motor e cambio para o lado esquerdo do carro para ter espaço para acessar e trocar a correia com facilidade lembrando ainda que é necessário abrir o cabeçote e soltar 2 mancais dos comandos para instalar a ferramenta de trava dos mesmos para que se possa manter a posição relativa deles durante o processo. Eu fiz questão absoluta de fazer isso pelo menos uma vez para ver e saber exatamente do que se tratava. tão bem. Isto posto, eu não arrisco o preço do serviço e muito menos o preciosissimo fivetech por conta de 180 reais. Nem na Elba, que é muito mais barato ainda, coisa de menos de 15% do marea, tambem com tudo incluido, peças e mão de obra. Deixo claro tambem que acho o post polemico, mas entendo perfeitamente a posição do Bob, que digo sem medo de errar é muito mais capacitado a falar deste e de qualquer outro assunto automotivo que 99,9% que as demais pessoas, eu incluido nesse rol.
    E sobre o marea, nada demais, apenas mais um carro espetacular, feito para entusiastas, que infelizmente pela falta de recursos financeiros de nosso pais não funciona aqui.
    Sobre a troca da fricção dos discos: se o cubo estiver em bom estado, coisa que se julga apenas visualmente, sem nenhum aparelho especial, esotérico ou exotico e se a fricção for boa, sem problemas. Apenas eu considero inutil e antipratico fazer isso em veiculos cujos discos sejam disponveis. Mas se por exemplo, eu tiver um problema num corvette, como já aconteceu, que tem o disco com fricção identica a de picapes chevrolet nacional mas cujo cubo ao inves de ser de 10 estrias com diametro de 1 e 1/8" é de 23 estrias no mesmo diametro, ou voce pede e espera alguns dias a peça chegar, ou troca a popular lona do disco por outra de C10/C20 por uma infima fração do preço do importado e sem espera alguma. Funciona com perfeição.
    E sobre o pistão de AP em marea: se esse pistão for retrabalhado para ter os mesmos rebaixos para acertar a taxa de compressão e para livrar as valvulas, e ainda sim tiver exatamente o mesmo peso do original do marea por motivo claro de balanceamento, sim, pode ser feito. Só que eu duvido muito que alguém queira passar por todos esses SES tendo outro pistão original e correto a disposição. Existe a venda Metal leve, na forma de kit com os 5 mais anéis por preço muito mais interessante que o original de autorizada e que atende perfeitamente, alem de ser coisa de 6 centésimos maior na medida std, que é excelente para usar em um motor ainda std com pouco desgaste, bastando um bom e correto brunimento para que o cilindro fique adequado a ele, sem necessitar uma retifica extra a o,25mm.

    ResponderExcluir
  76. Prefiro trocar sempre, o meu pequenino merece.
    Quem não quiser trocar correia dentada ou que tem suspiros em toda troca, sugiro que use motores a corrente, como o novos etorq da fiat.

    ResponderExcluir
  77. A norma n° 15759 diz que: "os demais componentes do sistema devem ser substituídos, independentemente de condição".
    Inclui, correia dentada, tensionador e POLIAS. POLIAS. Sabe quando que uma polia GASTA? NUNCA; (excluindo a do tipo 2.0 cuja chaveta quebra com 230mil km)
    Eu ate entendo que o tensionador pode sofrer ataques abrasivos mas a POLIA? NORMA TECNICA ERRONEA quem redigiu deve ser processado, preso acabando em uma cadeira eletrica.
    Quanto a correia dentada a GM vende 2 modelos de correias para familia 1 8v. Um modelo aguenta 30mil km o outro aguenta 80mil. Uma custa 24 reais a outra 42. Ja sabem ne. Agora Polia gastar... Pr favor. Passat, chevetes que o digam. A do 147 pode ate quebrar mas a do passat e do chevete nao quebra, muito menos gasta.

    ResponderExcluir
  78. Bob,

    Encare o fato que trocar o tensionador preventivamente funcione como um seguro total. Pode até não ser obrigatório ter, mas não vai fazer mal algum também.

    ResponderExcluir
  79. Todos
    Meu irmão teve um Mille ano 1993 com o qual rodou 245.000 km. Ele acha, não tem certeza, que trocou o tensionador na sétima troca de correia dentada: 210.000 km.

    ResponderExcluir
  80. Gilberto.
    Polias, bomba dagua e outros, todos sofrem desgaste com o atrito com a correia dentada, mas nesses casos, existe sim como avaliar, basta usar um paquímetro e fazer as medições.

    ResponderExcluir
  81. Meu avo morreu com 70 anos ,não fumava e não bebia,o avo de um amigo morreu com 95 ,fumava e bebia, não dá para usar um exemplo e aplicar geral,concordo 100% com o AG,o Gilberto tb falou uma coisa sensata,as polias/engrenagens visualmente vc enxerga o desgaste e dá para avaliar, mas um rolete/tensionador fica complicado,volto a falar, tem muita coisa envolvida(dificuldade em fazer o serviço,apostar em qtos km as peças ainda vão durar, o estrago que causa em caso de falha,etc),economizar miséria num serviço desse é querer abusar da sorte,como eu tenho raiva do tempo em que eu era pobre,para mim não vira.....

    ResponderExcluir
  82. Infelizmente eu não aguentei, tive que lançar mais um vídeo em resposta a um jornal aqui de Minas Gerais.

    http://www.youtube.com/watch?v=LO-aGvg6h_Y

    ResponderExcluir
  83. ADG HIGH TORQUE.

    Nao importa se tem com avaliar o nao. A norma cita que deve ser trocado. Deveria mostrar como avaliar e dependendo recomendar a troca. A norma deve ser revista.


    Como membro do crea estou mandando uma carta solicitando para bloqueio e revisao da norma.

    ResponderExcluir
  84. Eu quero ver quem é macho e tem 3 bolas no saco para desmontar um Audi V6 30v com 130.000km rodados ,pegar os roletes e tensionadores ,achar que estão bons e falar pro dono do carro que não precisa trocar, só na próxima troca da correia aos 260.000km....se der merda naquilo alguém vai pro cantinho da sala ficar chorando....fácil falar que se reaproveita tensionador em motorzinho de bosta que dá preju de mil cruzeiros , é o que eu falo, se tiver com a naba apontada pro seu rabo vc dá um pulinho para a frente ou senta nela??????Eu passo ela para alguém,hehehehehe........

    ResponderExcluir
  85. Gilberto, como engenheiro que vc é, a Norma não foi feita aleatóriamente, norma da ABNT fica em análise durante mêses, são chamados profissionais, engenheiros mecânicos e até fabricantes de automoveis e peças!!

    A norma todo foi muito bem estuda, o problema é que a cabeça das pessoas é muito dura.

    ResponderExcluir
  86. Gilberto
    Perfeito, essa norma tem que ser bloqueada. Boa iniciativa.

    ResponderExcluir
  87. Gilberto, sou admirador dos engenheiros sérios, mas engenheiro de montadora de carro, me dá arrepios.
    Vc não tem noção do tanto de coisa absurda que pegamos nos carros, subdimensionamento de peças para redução de custos, adequações técnicas( gambiarra) para acabar com algum inconveniente, estou preparando um material onde vou mostrar tudo isso, chegou a hora de mostrar as cagadas dessas montadoras e os danos que elas causam ao consumidor.

    ResponderExcluir
  88. Bob, será que ele consegue?

    Humm, sei não viu.

    ResponderExcluir
  89. Talvez a recomendação da troca do tensionador em qualquer troca de correia seja devido ao fato da maneira falha que é feita a inspeção do rolamento.

    Rolamento de roda, você pode pegar um daqueles antigos mecanismos de balanceamento de roda e girar a mesma a uma velocidade que permita avaliar vibração e ruídos.

    Rolamento de alternador, a mesma coisa, basta colocar o mesmo em uma bancada e montar uma correia qualquer em um mecanismo que rode a polia.

    Agora, rolamento esticador de correio, o que já vi é o cara girar na mão, verificar se tem uma folguinha e falar se está bom ou não, é totalmente "no chute".

    Maluhy, é exatamente isso aí. O proprietário do carro, quando acionar o bobo do mecânico na Justiça, não vai aceitar que você "olhou o rolamento" e estava tudo OK.

    Trocar é o melhor procedimento, se o proprietário for como o Bob e achar isso picaretagem, que assuma o risco se eventualmente houver prejuízo.

    ResponderExcluir
  90. ADG High Torque
    Vi agora seu último programa. Você está levando a questão para o lado imprensa x reparador, o que não é o caso. A questão é imposição de troca do tensionador por quem quer que seja que presta assistência técnica, e isso inclui as concessionárias. Outra coisa estranha no seu relato é você dizer que não se pode avaliar o estado de um rolamento pelo tato e pela audição: é claro que se pode, todo mecânico pode. Se não, ao se desmontar um câmbio teria-se que trocar todos os rolamentos "preventivamente" antes de montá-lo. Escrevi mais acima sobre um Mille do meu irmão, rodou pelo menos 210.000 km com o mesmo tensionador, sete trocas de correia dentada. Independente de vocâ achar que tem trocar sempre o tensionador, o leitor Gilberto está certo, a norma tem que ser bloqueada e revista.

    ResponderExcluir
  91. Isso ai Rafael, o que vamos contestar na Justiça é justamente isso, se a norma vale ou não.
    Se ela não vale, precisamos de jurisprudência para nos protegermos caso alguém se recuse a fazer o serviço de forma correta, se não quer trocar, tudo bem, mas também fica sem garantia.

    ResponderExcluir
  92. Bob, o mecânico pode ter sim uma noção do estado, mas nunca vai conseguir saber se vai aguentar até a próxima troca de correia, por isso se troca o tensor junto.

    Sobre seu irmão e o mille dele, me desculpe, mas não tem como acreditar.

    Sou especializado em fiat, sei o que acontece com essas peças em 50 mil km, quanto mais em 210.000km
    Faça me o favor.

    ResponderExcluir
  93. ADG, se você ficar chamando fabricante de montadora, só vai piorar o relacionamento com o Bob. hehehe.

    Ps.: Eu também odeio o nome "montadora".

    ResponderExcluir
  94. Cara, quando eu era mais jovem, sempre via as colunas desses jornalistas como referência total, eles eram autoridade pra mim, hoje meu pensamento sobre jornalista é esse:

    Médico acha que é Deus, Jornalista tem certeza.

    ResponderExcluir
  95. ADG,

    Será que você, mero mortal, conseguirá alguma coisa contra a indústria automotiva, provando que existem "gambiarrar" e "subdimensionamentos" nos veículos?

    Nego "economiza uma lâmpada de ré" em cada carro, pois no volume isso gerará uma economia de milhões. E nem por isso as montadoras deixam de lançar veículos "aprovados" pelos órgãos competentes.

    Me recordo muito bem que o Chevette Junior (e outros 1.0 da época) não tinha barras de proteção laterais e freios dianteiros subdmensionados, justamente por causa de custo. Também fora aprovado. Tampões de borracha que foram substituídos por "fita adesiva", eliminação de forros de anti-ruído, entre outros inúmeros exemplos atuais.

    Enfim. Esta indústria tem muita força. E não querendo ser chato (pois eu também já fui revoltado com isso...) você não ganhará nada fazendo isso "sozinho". No máximo atingirá um grupo muito específico de leitores, alguns muitos "baba ovos" e não "a grande massa", que e quem realmente interessa para essas empresas.

    Esforço em vão, infelizmente. :(

    ResponderExcluir
  96. Rafael Hagi
    Acho que já deu para você ver que não sou doido nem leigo. Fazer da troca do tensionador um seguro é o mesmo que fazer seguro contra queda de meteorito no carro. Nada a ver.

    ResponderExcluir
  97. Bob, rolamento de caixa trabalha em um ambiente totalmente diferente: Selado e com óleo de lubrificação.

    O rolamento de correia é blindado e trabalha "no seco", e nunca que as capas vedam 100%, sem falar nos resíduos que são criados no ambiente pelo próprio funcionamento e desgaste da correia.

    Acredito que vem daí a diferença da durabilidade entre os rolamentos de caixa.

    Meu Chevette rodou 250 mil até que eu precisasse troca rolamentos do diferencial, um roncando. Sabe o que fiz? Troquei todos. "Jaques" novamente. Imagina troco um rolamento (sacar o semi-eixo) e depois me vem o rolamento de pinhão me encher o saco? Seria de matar.

    ResponderExcluir
  98. APzeiro de carteirinha...23/09/10 11:39

    O cara é especializado em Fiat?
    Kakaka... Por isso. Não vê que existe outros mundos por fora da sua bolha.

    ResponderExcluir
  99. Bob, sou fã do seu trabalho e suas opiniões. Porém essa coisa do tensionador não concordo contigo. Posso?

    ResponderExcluir
  100. Rafael Hagi
    Evidentemente é uma brincadeira bem-humorada sua, a questão da montadora. Não vou ficar bravo com o ADG por causa disso, é claro. Mas que alguma coisa tem que ser feita em relação a esse termo, sem dúvida. Cada vez menos brasileiros acham que não temos mais fábricas de automóveis. No recente congresso da Fenabrave o Sergio Marchionne, executivo-chefe do Grupo Fiat, deu uma palestra, em inglês. Recebi a palestra em português, cheinha de 'montadora'. Pedi a versão original com a certeza de que ia encontrar a palavra 'automaker'. Não deu outra!

    ResponderExcluir
  101. APzeiro de carteirinha...23/09/10 11:44

    Hagi

    O carro é teu ou do Bob?

    Seu eu quiser, meto fogo nos meus, sem ter que pedir para ninguém.

    Incrível como vocês estão levando par ao lado pessoal isso.

    Façam como bem entenderem! Só não reclamem da conta no final...

    ResponderExcluir
  102. Eduardo, claro que não consigo afetar a indústria, mas quero mostrar o que anda acontecendo, com provas, cada um tire suas conclusões, se eu conseguir alertar uma só pessoa e faze-la mudar de idéia quanto a um produto, pra mim já é uma vitória.

    ResponderExcluir
  103. Rafael Hagi
    É claro que você e qualquer leitor pode discordar de mim. Tudo o que faço é aconselhar. Cada um tem livre arbítrio para tomar as próprias decisões.

    ResponderExcluir
  104. APZEIRO,

    A idéia é exatamente essa, deixar que as pessoas tomem a decisão. É por isso que é temerário dizer:

    NUNCA TROQUE O ROLAMENTO, ISSO É PICARETAGEM.

    Bem como dizer:

    TROQUE TODAS AS VEZES, SENÃO VOCÊ VAI TER PREJUÍZO.

    É simples um mecânico recomendar uma troca, explicar os motivos e seu cliente ter o poder de decisão, sem qualquer tipo de imposição de parte a parte.

    Fixar o que é certo ou errado, não concordo, tudo pode ser acertado com calma, avaliando cada situação.

    Estou apenas trazendo meu ponto de vista a respeito do assunto. Acho que é este o propósito da área de opiniões.

    ResponderExcluir
  105. Pessoal, bola pra frente, cada um mostrou seu ponto de vista, cabe agora ao consumidor decidir em quem acreditar.
    A palavra final é do mecânico, pois se o cliente negar qualquer tipo de recomendação, ele vai assinar um documento isentando a oficina de qualquer amolação futura, então, acho que não vamos ter problemas, não sou vendedor de peças, vendo serviço, se o cara quiser comprar o rolamento ou tensor, ele pode comprar, se ele não quiser ele é quem sabe, cabe a oficina providenciar o documento ou recusar o serviço dele, simples.

    ResponderExcluir
  106. Bob,

    O Marcelo Ramos (BCWS e Jornal Hoje em Dia) é muito meu amigo. Ele disse que conversou contigo outro dia e você o pediu para me passar o endereço do AUTOEntusiastas. Mas pôxa, leio esse blog desde sempre. hehehe.

    AH, não deixa sumir na lembrança aquele texto do 4.1 adaptado ao Omega. Quase todo dia lembro disso e nas histórias interessantes que você talvez tenha a respeito da "modernização" do velho motor. Tem muita lenda aí, inclusive dizem a a Lotus sugeriu cabeçote 24V.

    ResponderExcluir
  107. ADG High Torque
    Se eu fosse você acreditaria no que uma pessoa idônea está dizendo. E tem mais: nunca mexeu na embreagem, só teve uma revisão de carburador aos 100.000 km, os amortecedores eram originais e estavam perfeitos (dirigi o carro pouco antes de vender) e, pasme: as pastilhas chegaram a 230.000 km. A troca de óleo era a preconizada pela fábrica, a cada 10.000 ou 1 ano e até o fim nunca foi preciso adicionar óleo entre trocas. E não pense que meu irmão era motorista lento: seu tempo padrão São Paulo-Rio de Janeiro porta a porta (S. Caetano do Sul-S. Conrado) era de 4h30~4h45. Portanto, como especialista em Fiat, recomendo que você reveja seus conceitos.

    ResponderExcluir
  108. Bob, longe de mim dizer que vc ou seu irmão não sejam pessoas idôneas, mas minha experiência diária, não me permite aceitar um testemunho desses, me desculpe, mas se vc quiser, pego um avião aqui, vou até seu estado e visitamos quantas oficinas independentes ou autorizadas para te mostrar o estado dos tensores com apenas 40 mil km, te juro, topo ir ai e registrar esse momento.

    ResponderExcluir
  109. Bob,

    O Uno do seu irmão era utilizado prioritariamente em trecho rodoviário? Impressionante essa marca.

    O Chevette tem hoje 280 mil aproximadamente, trocou a embreagem duas vezes. A primeira chegou aos 120 mil e a segunda foi trocada há pouco tempo, durou coisa de 120 mil também. Nunca passou por retífica.

    A bomba de óleo estragou certa vez, azulou um pouco o comando e só este foi trocado.

    O carburador, um Weber 460, troquei há cerca de um ano, pois não gostei da idéia de embuchar o pé do carburador original. Encontrei um zero em uma autopeças de BH.

    ResponderExcluir
  110. Ok, ADG. Entendi.

    Agora "mais um pouco de lenha para a fogueira".

    Como então alegar, digamos em um tribunal de pequenas causas, que não houve troca desnecessária de peças, uma vez que "pode-se" ter tirado uma peça em perfeitas condições de uso, só pelo simples fato da garantia, se ela estava em perfeita condição de uso?

    O cliente é quem paga novamente?

    Como ficaria a questão jurídica da coisa, uma vez que, se comprovado (pelo cliente) que a peça estava em boas condições de uso, onerando o gasto do cliente?

    Não quero "ser chato". Mas isso está me intrigando um pouco. Não entendo como isso seria tratado.

    ResponderExcluir
  111. Bob, nesse vídeo mais antigo que tenho, mostro uma revisão em um fiat marea 2.4 onde deixo de trocar os tensores, isso porque eu sabia a quilometragem da peça, portanto, sei que suportaria mais 30 mil km.

    Minha oficina é muito séria, se eu souber que a peça ainda tem durabilidade, que nesse caso eu tinha certeza, afinal ele queria trocar a correia antes da hora por causa da contaminação de óleo na mesma, mas mesmo assim não empurrei rolamento nele.


    http://www.youtube.com/watch?v=Tc-i9DTw1Bc&feature=channel

    ResponderExcluir
  112. Nossa... Esse meu último post está terrível.

    Juro que estudarei mais português, para escrever algo um pouco melhor... :$

    ResponderExcluir
  113. Raphael Hagi
    Embreagem em carro de tração traseira sofre mais do que com tração dianteira. Tem menos "fusível" de pneu.

    ResponderExcluir
  114. Eduardo, primeiro que existe uma normalização que foi muito discutida antes de sua publicação, segundo que manutenção preventiva é justamente isso, trocar para se prevenir.

    Eduardo, sou piloto de aeronaves, vc tem que ver a quantidade de peças que temos que trocar com visual de zero km.

    ResponderExcluir
  115. Bob,

    Mais uma vez voce toma a exceção como a regra.
    Seu Escort 1.8 16V rodou 150 mil km sem trocar o esticador. Sorte sua, isso não é regra e voce optou por aceitar este risco.
    No caso do Uno Mille do seu irmão, este sim já ganhou na loteria e mais de uma vez.
    PRA QUE DIABOS ARRISCAR??? E se der merda, quem paga a conta?

    Desculpe-me Bob, mas na qualidade de Engenheiro, tenho que atestar que voce está equivocado. Há uma lista razoavelmente grande de peças que se trocam preventivamente. Bomba d´água é uma delas. Rolamentos de rodas são outras (pergunte ao AK).

    Já que voce não gosta muito de manutenção preventiva, porque não prorroga também a troca da própria correia dentada?

    Certas economias realmente não compensam. Até o AG atestou isso.

    O Boris Feldman deve a todos nós uma retratação pública, e eu acho que a Associação dos Reparadores Automotivos vai convencê-lo disso (a norma da ABNT será um bom respaldo inicial). Já que voce é adepto da solução "força bruta" (como multas para estacionamento irregular, que definitivamente não funcionam), quero veê-lo sentir no bolso o que é fazer uma acusação infundada como esta.

    ResponderExcluir
  116. ADG

    Há um sarcasmo latente quando você afirma que "Médico acha que é Deus, Jornalista tem certeza". E conhecendo a seriedade do seu trabalho, digo que você não precisa de artifícios como esse.

    Todo jornalista depende de uma pesquisa de campo, na qual irá coletar informações referentes a fatos e fenômenos que serão devidamente analisados, interpretados e comparados com a teoria. E a grande maioria dos jornalistas realmente sérios baseia suas pesquisas nas experiências práticas de reparadores.

    Posso citar alguns: Fábio Fukuda (consultor técnico da revista Quatro Rodas), José Carlos Finardi (colaborador da revista Oficina Mecânica), Valter Nishimoto (consultor da revista Carro), entre outros.

    Considere também que há jornalistas e jornalistas: há os aventureiros (que caíram de paraquedas sem saber se iriam escrever sobre jardinagem, costura ou filatelia) e há aqueles que são realmente apaixonados pelo assunto e que também enfiam a mão na graxa, caso do Bob e muitos outros que estão neste ramo.

    Como bem disse o Bob, ninguém é obrigado a concordar com nossas conclusões, mas nós também damos a cara ao tapa: cada um é livre para desenvolver sua própria convicção pessoal.

    Informar é uma coisa, doutrinar é outra.

    FB

    ResponderExcluir
  117. Sim.

    Mas no caso das aeronaves, existem nos manuais do fabricante o período de vida de cada peça. Uma realidade bem diferente dos automóveis.

    ResponderExcluir
  118. Gostei da sua definição, Bitu:

    "Informar é uma coisa, doutrinar é outra."

    ResponderExcluir
  119. ADG High Torque
    Parabéns pela sua oficina, chão brilhante, bem organizada. O curioso é a pintura das paredes seguir exatamente o padrão das oficinas das concessionárias Vemag. Deu uma saudade...
    Nada a ver, você se dispor vir até aqui para juntos constatar estados de tensionadores. A minha certeza e a do meu irmão me bastam.
    Aliás, uma ponta de incoerência aqui, você falar em estado dos tensionadores, que você mesmo diz serem difíceis de avaliar.
    Lavar motor: também não gosto, acho que se lava demais motor aqui. Inclusive, motor limpo demais dificulta detecção de pequenos vazamentos.

    ResponderExcluir
  120. Opa, sim, existe sim os manuais dos fabricantes, mas não são somente eles não, além dos manuais da boing por exemplo, ainda existem manuais da Anac, procedimentos que foram adicionados no decorrer dos anos.
    Se fosse para seguir só o que o manuais das aeronaves falam, já teriam morrido mais gente do que vc poderia imaginar.

    ResponderExcluir
  121. Bob, nesse caso em especifico, eu sabia da quilometragem desse carro, afinal, todas as revisões e manutenções são feitas aqui, eu nem precisei tirar o tensor para ver, afinal, estava dentro da quilometragem da correia, como eu disse, ele teve que tirar a correia por causa da contaminação por óleo, mas os tensores não sofrem com esse tipo de problema.

    ResponderExcluir
  122. Bussoranga

    "PRA QUE DIABOS ARRISCAR??? E se der merda, quem paga a conta?"

    Eu arrisquei várias vezes. Quebrei a cara algumas vezes, outras vezes não.

    Depende sempre de quantos carros você tem e de quanto tempo e dinheiro pode dispor: meu ponto de vista é que na pior das hipóteses você sempre acaba com uma diversão, que é enfiar a mão na graxa para reparar.

    Mas esse raciocínio só vale para mim, talvez para o AG. Para agrande maioria não se aplica.

    FB

    ResponderExcluir
  123. Bussoranga
    Há mais de dois anos falei sobre esse assunto de tensionador e outros na coluna que eu tinha em Quatro Rodas. Por que só agora vozes se levantam contra quem apontou o absurdo? Há uma orquestração por trás disso e a ABNT, com essa norma sem pé, nem cabeça, está metida nisso. Se alguém terá que pagar alguma coisa, eu é que não serei. Posso é ser premiado, isso sim.

    ResponderExcluir
  124. Felipe, deixa eu te falar o que penso da imprensa "especializada".
    Quem aqui não tá cansado de ver matérias e mais matérias compradas?

    Quem aqui chegou a ver o Boris falando para fazer flushing em motor de forma preventiva, quando ele mesmo recomenda somente o que esta no manual? Em que manual das "grandes" que ele cita alguma recomendou usar flush?

    Cara, tem muito jornalista sério, mas antes de falar que um procedimento é picaretagem ou não, ele deveria ir a campo e intrevistar os envolvidos, inclusive questionar a forma em que a norma foi desenvolvida e publicada.

    Se eu fosse jornalista, em minhas matérias, eu procuraria ser totalmente imparcial, ouviria os dois lados, só postaria uma opnião quando estivesse com 100% de convicção sobre o que fosse escrever.

    ResponderExcluir
  125. Todos
    Querem um exemplo de troca preventiva? Os câmbios dos Passat 1,6 turbo do Campeonato de Marcas de 1986, das equipes VW oficiais, eram trocados a cada 3 horas de uso. Nem eram inspecionados, eram trocados direto. Rodar mais que 3 horas quase sempre levava a quebra. A carcaça e as engrenagens não aguentavam muito tempo os 32 mkgf de torque.

    ResponderExcluir
  126. Bob, vc disse que já folou sobre o assunto na quatro rodas,sim, mas o que isso tem a ver? Errou lá atrás e errou agora.

    O caso agora tá tomando uma repercussão maior porque foi falado em rede nacional e o assunto não foi colocado como uma informação, mas sim um tipo de denuncia onde o reparador passa a ser um sacana, puxa vida, vc é jornalista, sabe o que estou querendo dizer.

    ResponderExcluir
  127. ADG High Torque
    Em Quatro Rodas também foi denúncia e a revista é de circulação nacional com pelo menos 250.000 exemplares de tiragem.

    ResponderExcluir
  128. Assunto divergente esse, hein!

    Tomara que venham desdobramentos.

    ADG, você trabalha aos sábados? Posso levar o Omega para verificar fluido de freio?

    ResponderExcluir
  129. Rafael, sábado não funcionamos fera, estamos firme e forte de segunda a sexta.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  130. BOB.. VEMAG ?! Ta de sacanagem ?! Que torque tinha um caiçara ou um belcar ? Lembra que motor de 2 tempos não tem freio motor tão bom (menos agressivo ao conjunto de embreagem)? As coisas mudaram muito os materiais de atrito duram mais e muitos 1.8 novos entregam prestações semelhantes à muito V8 de 5 litros antigos !
    Ao colega do 307.., borracha envelhece. 10 anos com as mesmas correias é coisa de maluco, não ficou na rua por sorte ! O correto é fazer inspação visual das correias nas revisões (um bom reparador faz isso) e trocar no prazo recomendado.
    Apzeiro... vai andar de marea.. nenhum dono de mArea reclama dos preços das manutenções, assim como nenhum dono de audi, BMW ou Mercedes.. quem reclama é quem anda de carro defasado e desconfortável que acha que gastar 500 reais pra trocar os amortecedores do Marea é um absurdo.. Sim o Marea ficou com 10 anos, mas a mecanica continua rodando nos Lancias Libra e Thesis. A fiat descontinuou n Marea na italia pois estava derrubando a venda do Alfa 156 e do Thesys, com o reposicionamento de marca, isso era ruim. Não fale do que não entende, tive só 6 mareas e nunca andei de guincho e nem tive meu bolso furado por ter um deles, e foram quase 600.000 Km de alegrias, tanto que depois de 4 anos sem Marea TIVE que comprar outro para usar de vez em quando e o de vez em quando quase está se tornando dia a dia, pois ao sentar no volante dos meus outros carros "zerinhos" não "dá liga".

    ResponderExcluir
  131. Bob Sharp, quem diria que um dia eu estaria trocando uma mensagem com esse cara que eu sempre lia suas matérias?

    No fundo no fundo me sinto mau em ir contra o pensamento de uma pessoa tão entendida no assunto, mas infelizmente preciso mostrar o outro lado da coisa.

    Estou tão empolgado com isso tudo, que resolvi que irei investir pesado, tenho que aprender a escrever direito, isso é fato, investir em novos equipamentos e principalmente em tempo para me dedicar as novas matérias que quero lançar.
    Isso mesmo, vou vir com matérias mostrando muitas coisas que estão escondidas por baixo do tapete, defeitos de produção, falhas de projeto, serviço na rede autorizada, teste de honestidade, informação sobre vários componentes e seus funcionamentos e por ai vai..

    Vou dedicar um tempo especial para mostrar como é possível analisar uma engrenagem ou polia de correia quanto a desgaste e empeno, muita coisa bacana, quem vai ganhar no final, será o consumidor.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  132. ADG, podemos marcar para sexta-feira da semana que vem? Gostei do equipamento que verifica o estado do fluido, meu mecânico não tem isso e sangra bombando o freio. O Chevette OK. Mas o Omega tem ABS, embreagem.. Sabe-se lá se isso pode danificar esses outros componentes.

    Também quero verificar a equaçäo àgua e aditivo do arrefecimento. Já tem quase um ano desde a ulima troca e recentemente tive que trocar a junta da carcaca da termostática e completei com àgua o que se perdeu.

    Vou viajar dia 8 para Sao Paulo e quero fazer isso antes de viajar.

    Att.

    ResponderExcluir
  133. Tô vendo que vc anda assistindo nosso canal né? rs
    http://www.youtube.com/watch?v=_gGBQ_TQQkA

    Nesse vídeo mostro mais uma vez que mecânico não quer só empurrar pecas e serviços, pois oficina honesta, investe em testes antes de sairem trocando pecas ou produtos por ai.

    ResponderExcluir
  134. Em tempo, um conhecido perdeu o cabeçote 8v de Palio há pouco tempo. Liguei pra ele agora pra fazer algumas perguntas. Ele disse que o carro havia visitado o mecânico poucos meses antes da quebra da correia.

    Ele tá longe de ser entusiasta, e näo soube dizer se essa manutençäo que ocorreu antes incluiu a troca da correia, tensionador então, nunca ouviu falar. Se foi trocada a correia, má instalaçäo e/ou tensionador ruim renderam a ele um preju de 1200 pila.

    ResponderExcluir
  135. Nesse vídeo eu também falo sobre verificar o tensor, afinal a correia era nova e por isso seria necessário verificar se o mesmo foi trocado ou não, pois correia nova tem que trabalhar com tensor novo.

    ResponderExcluir
  136. ADG HIGH TORQUE
    Agradeço as referências carinhosas e lhe dou a maior força nesse seu projeto. A indústria automobilística erra demais e haver alguém que se dedique a apontar isso, como você se propõe, será de grande valia para todos. Você nem precisava ter dito se empolga com tudo isso: está patente nos seus vídeos!
    Abraço também.

    ResponderExcluir
  137. Sandro Pacheco
    Torque do DKW 1000: 8,5 mkgf a 2.500 rpm. Freio-motor não impõe esforço à embreagem, só patinagem.

    ResponderExcluir
  138. ADG, sou assinante do seu canal no YouTube há muito tempo. Já o recomendei para amigos que possuem Fiat, marca que eu detesto, diga-se de passagem.

    Não o procurei antes por saber que seu forte é Marea e derivados e tb porque meu mecânico é de confiança. Porém ele é mais oldschool e tem determinadas coisas do Omega que faço fora.

    ResponderExcluir
  139. APzeiro de carteirinha...23/09/10 15:27

    Calma lá Pacheco...

    Eu tive MT quando ele era lançamento. Paguei ÁGIO para ter um dos primeiros... (1999? Não me lembro...) *rs* Minha esposa teve uma Week 2.0 antes do 2.4. Ambos zero km. Ambos deram dores de cabeça antes de 30.000km. (22.000 km e a turbina fumou na época em que minha sogra ficava com o carro para pegar minhas crianças.) Tive MUITA dor-de-cabeça com eles. Vendi sem ter rodado 50.000 juntos. E as revisões eram em conscessionárias, dada a km.

    Aí em um negócio peguei um 2.4 já usado. Uma grande burrada. Na primeira viagem, precisei mandar o carro de volta de guincho. Câmbio. Consertado, a suspensão batia... Consertada a suspensão, uns problemas de elétrica. Esse sim foi carro zicado. Vendi sem rodar 10.000km. (Tinha 70.000 no odômetro, qnd peguei.)

    Encurtando a história. Fiat para mim é Mille 1.0. Viajei anos pelo interior de SP, RJ, MG, PR e SC com um versão 2000. Aquilo sim é valente, excelente consumo ( o meu era adaptado para álcool), honesto de manutenção e com algum espaço interno, para a categora. Sem sombra de dúvidas, o melhor FIAT, IMHO. Os demais, nem do Tempra Turbo/T16V que papai tinha em meados de 95~97 tenho saudades...

    AP eu tive com 18 anos. Explodi uns cinco turbinados e dois aspro.

    ResponderExcluir
  140. Apzeiro, quando vi seus primeiros comentários, achei que vc fosse um daqueles meninos bobocas que só entram em tópicos para desvirtuar e falar bobagem, com o passar do assunto, vi que vc tá melhorando, conversando de forma normal e adulta.

    Bacana, assim o nível continua alto.

    ResponderExcluir
  141. Pessoal, é impressão minha ou esse assunto bateu o recorde nesse mês?

    ResponderExcluir
  142. APzeiro...já tive problemas com Marea também, mas com Tempra Turbo nunca, esse era um tanque de guerra.

    ResponderExcluir
  143. Correia dentada é coisa do passado. o Bom mesmo são os motores rocam da Ford que usam corrente.

    ResponderExcluir
  144. Anderson, agora é E-torq da fiat, faz o Rocan parecer motor de enceradeira.

    ResponderExcluir
  145. FB,

    Eu diria até que tenho carros demais. Gosto e faço absolutamente TODAS as manutenções e upgrades neles. Mas ainda assim não os submeto a loteria.

    Se essa pecinha de 100 reais quebra, lá se vão 3k de cabeçote pro lixo. Então, apesar de eu mesmo poder efetuar a troca do cabeçote (e talvez pistões, dependendo do estrago), eu não gosto de jogar dinheiro fora.

    Se é pra gastar 3k no carro, que seja em algo útil.

    Eu até aceito algum risco quando estou desenvolvendo algo (por exemplo, um coletor de admissão MPFI que mandei fazer pro meu carro antigo) que visa uma melhoria. Mas arriscar apenas para economizar uns trocados? Isso é loucura.

    Assim como voce, eu me divirto pondo a mão na graxa, mas não rasgo dinheiro.

    ResponderExcluir
  146. Bussoranga, sempre pensei fazer isso no Chevette. Como foi o processo?

    ResponderExcluir
  147. Bob,

    Voce vai mesmo querer comparar:
    - o numero de pessoas que leem a 4R
    - o numero de pessoas que acompanham este blog
    - o numero de pessoas que assistem ao malfadado programa do Boris Feldman???

    Então é melhor se atualizar. Qualquer programa de TV, por mais mequetrefe que seja, atinge um público-alvo MUITO maior que a mais vendida das revistas. E cá entre nós, a 4R está bem looonge de ser a mais vendida das revistas (a mais vendida ainda é a Veja).

    Por isso que só agora este assunto está tendo repercussão. De qualquer forma, se a sua questão é que só agora consideramos absurda a alegação, então saiba que sua matéria na 4R é igualmente absurda.

    Lembre-se de que a 4R, devido a sua extensa prática de matérias-pagas nas décadas de 80 e 90 (e muito provavelmente hoje também), está um pouco queimada no mercado (e MUITO queimada perante os entusiastas).

    Bob, voce já foi premiado várias vezes ao não ter quebra do esticador ou rolamentos/rolos por onde a correia passa. Se voce arrisca com o esticador, porque não arrisca com a correia também?

    Isso se chama roleta-russa. O que voce economizou? 100 reais? Não vale a pena.

    Noutro comentário seu voce disse que ninguém sabe melhor sobre o carro do que o próprio fabricante. Ledo engano! Praticamente 100% dos carros possuem erros de projeto. Vou citar alguns:

    Escort MK3 tem erros crassos no sistema elétrico. MK4 idem. MK5 tem um circuito elétrico que é uma desgraça total. E o Zetec também tem erros no sistema elétrico. Acompanhei bem toda a geração dos Escorts feitos no .br, e dá NOJO a economia porca que a Ford fazia no sistema elétrico. Cogitei até de reconstruir o circuito inteiro como se deve, mas acabei mandando o carro embora, preferindo gastar meu tempo em carros melhores (leia-se abandonei a Ford e fui pra GM).

    Quanto à ABNT, voce está muito enganado em dizer que há uma orquestração. A ABNT é a ÚNICA entidade nacional autorizada a estabelecer padrões TÉCNICOS, e conta com grupos de Engenheiros de diversas origens e categorias. Estou pra ver até hoje uma ÚNICA norma que seja descabida, e se assim o for, compareço nos comitês de revisão para esclarecer a falha. Eles não são irredutíveis nem se acham os donos da verdade. Toda norma é passível de revisão diante de mudanças tecnológicas, mas elas não contrariam as leis da Fisica.

    E justamente por ter sido feita mediante um comitê de Engenharia, posso garantir que ESTA não será mudada (mesmo porque, se for, então participarei da revisão seguinte para que continue em vigor).

    Norma Técnica é coisa séria. O risco que voce assume ao não seguí-la não compensa. E isso não é uma questão puramente técnica, é econômica também (fora o grave problema de responsabilidade civil do reparador).

    Será que são necessários mais argumentos a favor da troca do esticador? Novamente, se voce prefere assumir o risco de não trocar, ok, mas não assuma isto como regra geral, e sim como uma regra de uso pessoal. A regra geral é clara: TROQUE TUDO.

    Falando em manutenção preventiva, de fato o exemplo que voce deu do cambio é excelente.

    Estendendo um pouco o assunto: que tal falarmos sobre trocas preventivas de amortecedores? Eu faço SEMPRE aos 30 mil km, mas bem antes disso já noto que a estabilidade fica ruim (o carro fica mole). Falta de qualidade dos fabricantes nacionais de amortecedores de reposição?

    ResponderExcluir
  148. Raphael Hagi,

    Projeto de coletores de admissão é uma longa história, pois os critérios empregados em carburados e injetados são muito diferentes.

    Eu prefiro apresentar este assunto por e-mail, mas falando beeeem por alto, existem 3 questões:
    1. Projeto (comprimento e diâmetro de dutos e tamanho do plenum)
    2. Como fazer caber no carro
    3. Ferramental necessário para confecção

    No seu caso há espaço suficiente para que o projeto seja executado a contento. No meu caso, o item 2 foi mais crítico, e por isso não pude otimizar todas as características fluidodinâmicas. Tive que fazer dutos e plenum em volume menor que o ideal, pois caso contrário não caberia no carro (e quase que o troço esfrega no capô!)

    O item 3 eu optei por terceirizar para uma empresa que consegue dobrar e soldar alumínio sem ficar com variações de diâmetro.

    Em breve entrarei na fase de calibração (que o pessoal por aí insiste em chamar erradamente de acerto) do sistema de injeção. Aí começa a diversão!

    ResponderExcluir
  149. ADG, menos, menos.

    Os consumos dos e.Torq (e.Porq?) fazem que o Rocam ainda seja muito atual, mesmo sendo baseado numa velha unidade da filial inglesa.

    Se comparar com o Sigma chega a ser piada de mal gosto.
    Esses motores Fiat novos estão bebendo mais até do que os velhos GM 1.8

    ResponderExcluir
  150. estou com um Punto 1.6 E-torq. muito bom o carro. mas deixa o consumo a desejar. tem o mesmo consumo que o new focus 2.0 da minha esposa e bem menos potencia. abs a todos.

    ResponderExcluir
  151. Nossa! Não sabia que estes motores estavam um pouco beberrões.

    O New Focus daqui de casa faz uma média de até 9,5km/l na estrada com álcool rodando tranquilo (100~120km/h Rodovias Castello Branco e Mal Rondon). Na cidade, faz uns 6 baixo.

    E tem a bondade de não precisar se importar com a possível quebra da correia, pois não tem.

    Tenho um vizinho que tem um Marea desde zero (acho que 2001) e segundo ele (e eu que preto atenção) não dá problemas.

    Vai entender o que é problemático do que não é...

    ResponderExcluir
  152. Daniel Shimomoto23/09/10 21:14

    Bob e leitores;

    Achei bisonho esse negocio da ABNT inventar norma para isso. Aliás é um absurdo um órgão que se auto denomina privado de interesse publico legislar e ter simplesmente o monopólio de normas técnicas e literalmente mudar anualmente as regras do jogo para obrigar a compra de novas normas. Ou é órgão publico (como o INMETRO) ou privado. A parte isso é mais um repulsivo regime Cartorário tão em voga no Brasil dos espertos.

    Sobre essa historia de trocar correia dentada...sou entusiasta e curioso em mecanica desde os meus 12 anos (hoje tenho 31, portanto, 19 anos lendo, estudando e conversando - antigamente punha a "mão na graxa", hoje sou mais limpinho...) e essa historia de trocar tensionador, ao que me consta surgiu do "brilhante" motor FIASA (tão elogiado pela 4 Rodas...) que simplesmente estouravam correias dentadas (e seus respectivos cabeçotes) com apenas 20 mil km. AP, motores de Gol 16 válvulas, Chevette (tive um), Monza, e mesmo o Maxion HS2.5/2.8 não prevê a troca de tensionador.

    Com relação ao leitor que escreveu sobre o motor MWM Sprint 2.8 da Frontier e seu volante de dupla massa, a troca pelo Volate rigido é prevista pela propria MWM. É só consultar o site e procurar dos boletins técnicos emitidos pela empresa.

    ResponderExcluir
  153. Bera Silva23/09/10 22:02

    Rafael Hagi, Poderia me dizer como conseguiu esse weber? Quero colocar um novo no meu.
    Se puder me envie um email:
    gtb_s2@hotmail.com

    Bussoranga, seria legal se você puder partilhar algumas informações no forum do Car Audio Brasil, assim como o Hagi, também tenho curiosidade (e porque não dizer, interesse). No forum dá pra conversar melhor.

    ResponderExcluir
  154. Depois de levar duas pauladas de tensionadores que travaram, romperam a correia e, por consequecia detonaram o cabeçote, uma vez num palio 1.6 16v e outra num vectra cd 16v, troco a correia e mando trocar os malditos tensionadores. É o preço da minha tranquilidade.

    Sobre o Marea, que delícia de carro. Nunca encontrei um carro acessível com um ronco táo apaixonante. Coisa de quem fez com gosto, com a alma. A manutenção não era barata, mas o que tive retribuía cada centavo gasto!

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  155. Lucas
    Travaram de repente, sem aviso prévio, um pequeno chiado, nada? Rolamentos não travam do nada, quanto mais nessa aplicação, com carga radial apenas.

    ResponderExcluir
  156. Daniel, ABNT não inventa normas, ela as elabora junto com vários outros especialistas, vou ver se consigo fazer um vídeo mostrando o passo a passo de uma norma técnica, quem participou e o porque de ser chegar a essa conclusão.

    ResponderExcluir
  157. Ferrari,
    Os motores E-torq são novíssimos! Querer que um motor desses seja econômico logo no lançamento eu acho meio precipitado. Logo, logo vamos poder ter parâmetros para fazer os testes.

    Sobre o novíssimo Sigma, ele não tem nada de novo, sabia que esse motor nada mais é que o antigo zetec 1.4 16v modificado?

    Sim, quero muito ver se as correias desses motores realmente vão durar 160 mil km como prometem, pois na verdade, duvido muito que o motor chegue nessa km sem abrir o bico, pois no passado, esses motores já foram um verdadeiro desastre, hoje estão de volta com um nome novo e cheio de marketing, mas só o tempo irá mostrar a verdade.

    ResponderExcluir
  158. BOB / ADG, boa noite!
    Apaixonei-me por carros quando criança e essa paixão, mais que uma profissão, se tornou um ofício. Comecei como auxiliar de mecânico lavando peças e passei por quase todos os cargos dentro de uma oficina. Hoje gerencio os departamentos de peças e serviços de uma rede de concessionárias. Iniciei os cursos de engenharia mecânica e de produção, mas não os concluí. Quando resolvi retomar os estudos resolvi que, obrigatoriamente, deveria ter uma formação profissional que me habilitasse tecnicamente. Hoje sou técnico automobilístico formado pelo SENAI, registrado no CREA e sigo estudando. Trabalho na área há vinte anos e há cinco anos me dedico mais diretamente as motocicletas, mas jamais me afastei dos automóveis que são a minha verdadeira paixão.

    ADG,
    Você possui CREA? Qual a sua qualificação para trabalhar com automóveis? Não te conheço, e apenas por isso, eu gostaria de saber. Se você tiver formação acadêmica, no mínimo, continuarei a conversar com você, caso contrário, encerro por aqui.

    Você está completamente equivocado ao afirmar que “a decisão sobre a troca é do reparador”. Corrijo-lhe: a última palavra é do consumidor. O técnico tem por obrigação definir e informar ao cliente o que está defeituoso no veículo, mas a decisão se troca ou não é do CLIENTE. Afinal o bem é dele!

    O problema desse país são essas coisas mecânico virou reparador, fábrica montadora, oficina é auto centro e por aí lá se vai. Isso está uma zona!

    Na minha modesta opinião toda oficina, assim como acontece nas farmácias, deveria ter um responsável técnico, com curso técnico em automobilística, não em mecânica geral. Mas como falei isso é minha humilde opinião.

    BOB,
    Vamos por partes:
    Parte 1 – Do esticador
    O que a SAE e o CONFEA dizem sobre o assunto? Entendo que eles são entidade mais corretas para legislar sobre isso. Será que o AE pode questionar-los? Particularmente não acredito em peças “life-time”, ainda mais, um rolamento que sofre com trepidação, vibração e atrito, calor, etc. Devemos também considerar que as peças fabricadas hoje são, realmente, mais frágeis, se comparadas com as mais antigas. Isso devemos aos cálculos mais precisos feitos por computadores ( situação irreversível). Lembro de inúmeros casos de, eu enquanto mecânico, avaliar positivamente os tensores, mas hoje a vida útil realmente menor. Entendo que o maior problema está na impossibilidade de lubrificarmos o rolamento, pois se assim o fizéssemos ampliaríamos, em muito, a vida dele. Se há uma norma que determina que as peças devem ser substituídas em conjunto os mecânicos e oficinas devem seguir a determinação, sob punição legal caso se constate o descumprimento. Creio ainda que o mecânico possa determinar se o rolamento possui ou não desgaste no momento da desmontagem, mas não poderá definir quanto tempo resta de vida útil à peça.

    Parte 2 – Da prevenção
    Se o rolamento da roda dianteira direita começa a roncar, admita que não houve acidentes, o que fazemos? Trocamos apenas ele, ou trocamos o rolamento esquerdo também? Eu, no meu carro, troco ambos. Acho que isso é prevenção.

    Parte – 3 Motor com correia sincronizadora
    Qual o ano em que fio lançado o MAVERIK quatro cilindros? Aquele motor equipava também o JIPE, não é? Em termos de projeto é o que me lembro de mais arcaico com correia dentada.

    Parte – 4 Motores que giram em sentido anti-horário
    A HONDA adora isso. Nos CIVIC até 2005 os motores trabalham anti-horário. Nas motos igual. Mas como diz um amigo meu, técnico mecânico e ex funcionário da VW, “ todo motor gira em sentido horário, o engenheiro apenas define o lado em que acoplará a caixa ao desenhar o projeto”.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  159. Bob na boa essa guerra a impresa perdeu, o que me deixa revoltado, é alguem vir dizer que com a mão e a audição pode dizer se uma peça está boa ou ruim, agora imagina se isso pega na medicina, "não precisamos medir a pressão do paciente com o equipamento correto, basta colocar dois dedos no braço do paciente para identificar o fluxo sanguineo", balela isso que o senhor fala, impossivel você saber a condição de uma peça sem aplicar as devidas cargas e situações de uso, como vou testar um tensor na mão, girando ele a meio rpm, um motor trabalha com rotações altissimas, e não venham com papo de que rolamento de roda dura a vida inteira, pois se trata de um componente bem diferente do rolamento da correia. Eu estou com o ADG e não abro, trocou a correia troca os tensionadores, a mão de obra é a mesma, chega a ser burrice deixar para depois, gente você so tem beneficios a ganhar trocando preventivamente.
    Uma coisa que brasileiro ainda não aprendeu, o conceito de mecanica mudou muito hoje em dia , até por questão do capitalismo, fazendo com que os componetes durem menos, ou necessitem de mais manuteção do que antigamente.
    Agora imagino por exemplo aplicar esse tipo de pensamento na aviação.

    ResponderExcluir
  160. Marcelo Augusto24/09/10 07:27

    O problema dos engenheiros é que muitos saão mal formados, passam os anos de faculdade tomando cerveja na porta da universidade.

    Depois com diploma na mão vêem com essa de troca preventiva de rolamento de roda e bomba d'água...

    Outro dia ouvi de um que se deve trocar todo ano a tampa do radiador! É de chorar!

    Brasileiro acha que ter excesso de zelo é sinonimo de ser "entusiasta", "apaixanado por carros", por isso joga dinheiro fora com manutenção desnecessária. O país da troca de óleo com "5 mil". Dá desgosto.

    ResponderExcluir
  161. Spot++
    Não se trata de perder ou ganhar, se trata de fazer substituição desnecessária ou não. Lembre-se, ninguém é obrigado a seguir conselhos. Tudo o que o Boris e eu fizemos nesse caso foi alertar de que se empurra tensionador novo sem necessidade. Agora, cada um faz o que bem entender, ora.

    ResponderExcluir
  162. Raimundo
    Como disse um leitor bem mais acima, essa NBR terá de ser revista, pois é incorreta e abusiva. O motor do Chevrolet Corvair era anti-horário, tanto que ao aplicá-lo em VW era preciso inverter o lado de montagem da coroa no transeixo.
    Um colega jornalista teve a confirmação ontem e me passou: o motor Fiat Fiasa, do primeiro 147 e usado muitos anos no Uno, projeto do eng. Aurelio Lampredi, foi mesmo previsto para girar anti-horário, como eu desconfiava, daí a roda tensora ficar no ramo tenso da correia dentada e exigir que se gire o virabrequim no sentido anti-horário três voltas para que o tensionamento automático ocorra.

    ResponderExcluir
  163. Rs, Raimundo, lamentável vc ser mais um daqueles que acha que somente com formação acadêmica se pode falar alguma coisa.

    Deixa eu te falar uma coisa, o Brasil não seria nada sem os técnicos, e para ser dono de oficina mecânica e reparar automóveis, não é necessário formação superior.

    Quando eu digo que a palavra final é do reparador, digo que é porque se o cliente não aceitar, eu não vou executar o serviço e pronto.
    Ele vai ter que rebocar o carro para outro lugar porque não vou executar o serviço, portanto, o cliente fala que não vai querer trocar, eu vou falar que não vou trabalhar no carro dele e que o mesmo leve em outro lugar, então por isso disse que a palavra final é do reparador, pois se o cliente não é obrigado a me escutar, eu também não sou obrigado a atender o mesmo.

    ResponderExcluir
  164. Vejo muitos citando manual do proprietário do automóvel, mas alguém parou para conversar com o pessoal que fabrica as peças?

    Quando digo reparador, digo em respeito aos engenheiros mecânicos, esses sim deveriam usar esse nome, reparador é aquele que segue a recomendação dos fabricantes de carros e PEÇAS!

    Quando digo montadora, digo porque as "fabricas" nada mais são do que montadoras de peças de outras fábricas.

    Aguardem, estou preparando um material sobre o assunto que vai deixar muita gente com cabelo em pé.

    ResponderExcluir
  165. ADG

    "Quando digo montadora, digo porque as "fabricas" nada mais são do que montadoras de peças de outras fábricas."

    Fábrica não é Lego: não basta montar, encaixar, parafusar e soldar. Os fabricantes também desenvolvem, eles não compram componentes numa loja de ferragens.

    O Bob logo explica.

    FB

    ResponderExcluir
  166. Bob, sobre a norma ser revista seria uma boa, afinal, meus advogados vão intimar a ABNT no processo que estou movendo contra a imprensa que chama de picaretagem os profissionais que seguem as normas da ABNT.

    Chega desse tipo de coisa, se existe como testar as peças, então que se prove tecnicamente.

    Chega desse negócio de malandragem e picaretagem generalizada.

    ResponderExcluir
  167. Sim felipe, seja fabrica, montadora, eu tô me lixando para o nome que dão, pra mim, tanto faz, eles produzem os carros, projetam e tudo mais, se for errado chamar de montadora, então que parem de se denominar montadora.

    Não vou deixar de dormir por causa de uma dúvida tão banal em meu tipo de serviço.

    ResponderExcluir
  168. ADG

    Também estou me lixando para o nome: só não pode dizer que os fabricantes apenas encaixam, soldam, parafusam...

    Fabricar é muito mais do que montar. Se você quiser chamar de montadora, juntadora, encaixadora, tanto faz.

    Só não pode afirmar que a produção de um automóvel seja um processo tão simples. Sempre foi e sempre será muito complexo.

    FB

    ResponderExcluir
  169. Exatamente Felipe, vc tem toda a razão.
    Afinal, vou muito em visitas a fabricas ou montadoras, realmente o trabalho é muito mais complexo do que simplesmente encaixar peças.

    Valeu fera.

    ResponderExcluir
  170. Já que o assunto vai mudando de rumo mesmo, deixa eu citar uma publicação da fiat onde no mesmo texto ela se coloca como fabricante e montadora.

    Acho que a falta de verdadeiros furos de notícias, a falta do jornalismo investigativo de verdade, faz com que passemos a nos preocupar com coisas tão banais que surpreende.

    Vejam vocês mesmos.

    http://www.fiat.com.br/mundo-fiat/novidades-fiat_5270.jsp

    ResponderExcluir
  171. O primeiro carro nacional com correia sincronizadora foi o Chevette em 1973.....faço parte tb do grupo de trabalho CB-05 da ABNT, sei muito bem o trabalho que dá desenvolver uma norma técnica,é meses de estudo e discussão em mesa,sabe qual é o salário?Nada, me desloco do RJ para SP uma vez por mes (qdo dá) e dou a minha contribuição para alguma coisa melhorar, fica perfeito?nem sempre, são seres humanos ,todos falham,mas os acertos são maiores que os erros,tenham a certeza disso, fui requisitado para a mesa pois tenho um pouco de experiencia na área de perícia automotiva, as normas são feitas inclusive para um processo se basear em algo independente ,acho válido isso ...inclusive as audiencias são públicas,quem quiser participar e colaborar será muito bem vindo.....

    http://www.abnt.org.br/cb05/dinamico/restrito.asp

    http://www.abnt.org.br/cb05/dinamico/calendar.asp

    ResponderExcluir
  172. Maluhy, sei muito bem o trabalho que dá para se fazer uma norma técnica, e sei também da seriedade da ABNT, pois a mesma não ganha nada de fabricantes de peças e é totalmente imparcial.
    Sei também que quem participa da elaboração são pessoas com conhecimento na área, engenheiros, fabricantes, profissionais, entidades como Senai, sindirepa e outros.

    Querem tirar a credibilidade da norma porque é mais fácil questiona-la do que assumir que errou em uma matéria.

    ResponderExcluir
  173. Thomaz Alves24/09/10 14:37

    ADG,

    Me perdoe, mas vc parece o típico participante de internet. Fala muito. Defende de unhas e dentes algo por algum interesse. Tem fama pois posta várias informações em meios populares e tem um público cativo, mas minoria absoluta. Tente postar este tipo de informação em um meio um pouco mais "seleto" e específico, como as publicações da SAE ou quaisquer outros do ramo. "Não sai nem na foto", como diriam meus netos.

    Sou técnico em montagem de máquinas e engenheiro mecânico aposentado. Sou membro da SAE, desde quando não se ouvia da entidade vir para terras tupiniquins. Trabalhei sempre com desenvolvimento de powertrain e chassis, mas minha especialidade é o primeiro. Testes de durabilidade em cabines dinamométricas e dimensionamento de peças "na unha" foi minha vida. Sou do tempo que o aparelho mais sofisticado do engenheiro era a régua de cálculo. Só apartir do meio da minha carreira vim a ter a ajuda de computadores, nos cálculos de elementos finitos, por exemplo.

    Perdoe-me, mas você está defendendo-se em uma regra muito dúbia.

    Tiremos o foco do elemento tensor da correia de sincronismo, seja de que unidade for. Vamos tomar outro exemplo bem mais banal. A troca do lubrificante.

    Se mantivermos esta linha de raciocínio da troca de inúmeros componentes de um sistema para garantir o funcionamento dele, teríamos que não somente substituir o fluído lubrificante e elemento filtrante. Teríamos sim que substituir os já citados, a bomba de óleo e, quando utilizado, os trocadores de calor, eventuais dutos e mangueiras externas a unidade além de uma limpeza, quer seja ela química ou mecânica, nas galerias.

    Isso é viável? Financeiramente, não.

    Fazendo uma analogia: Uma falha no sistema de lubrificação é muito mais danosa a qualquer conjunto do que uma simples falha de um tensor da correia sincronizadora. Ela afetará o conjunto todo, diferente da falha do tensor que só afetará alguns tipos de unidades.

    Agora pergunto: Você substitui a bomba de óleo de todo o veículo que lhe é pedido tal serviço de "troca de óleo"? Ponho minha mão no fogo que não...

    E como os reparadores fazem para diagnosticar que esta peça está com defeito? Existe algum procedimento técnico laboratorial para tal? Eles enviam a peça em alguma empresa para testes e certificação? Ou usam somente o feeling de todo bom profissional, escutando ruídos ou mesmo usando as mãos para "ver eventuais folgas"? Existem N maneiras de verificar uma bomba de óleo, por exemplo. Acredio que você seja um mecânico experiente e saiba disso.

    Me perdoe se minhas palavras estão sendo duras. Não é minha intensão criar caso neste espaço. Por Deus, juro que não é minha real intensão. Mas esta norma está um tanto quanto dúbia.

    Se formos considerar que toda peça é passível de futuras falhas, trocaríamos o veículo todo e não só uma ou outra peça.

    Imagine você chegar para um cliente que acabou de fazer a primeira revisão do veículo e dizer: Troquei o óleo, o filtro, a bomba de óleo, a junta do carter e efetuei uma limpeza do sistema, viu? Além disso, troquei os cabos de velas, chicote elétrico, bomba de combustível, linha de combustível, regulador de pressão da linha de combustível, bicos, o'rings, travas, juntas do coletor, cabo do acelerador, cabo da embreagem, fluído de arrefecimento, radiador, mangueiras, vávula termostática, bomba de água, vaso expansor, selos do motor, retentores... Pergunto: Esta é a filosofia do trocador de peças e não de um autêntico reparador. Para isso, qualquer pessoa metida a besta prestaria-se.

    Sou solidário ao Bob. Creio que isso seja uma norma exagerada. Trocar uma polia dentada por causa da troca de uma correia, é um absurdo financeiro para com os clientes, por exemplo.

    Trocar componentes bons, só a pedido do cliente. Trocar por trocar é esbulhar o cliente.

    Continua...

    ResponderExcluir
  174. Óbvio que em algumas unidades, o serviço de substituição de algumas peças é trabalhoso e quando necessário a substituição de um ítem troca-se outros para aproveitar a mão de obra. Aí são outros quinhentos.

    Mas trocar todo o sistema por prevenção a "possíveis" problemas, é exagero.

    Pense não na regra imposta. Pense na concepção dela e verás que existe um viés estranho, para não usar outros termos.

    Como fica o reparador então com esta história toda da correia sincronizadora? Na minha opinião, fica da mesma forma em que ele ficaria com a bomba de óleo. Indicaria a substituição quando esta peça já estiver realmente desgastada. E isso não é algo mensurável/palpável. E o feeling do bom reparador quem dirá.

    Mais uma vez, perdoe-me se estas palavras parecem duras. Não é minha real intensão ser assim. Afinal de contas, cada um decide o que bem lhe convém.

    Abraços cordiais!

    Tomaz Alves

    ResponderExcluir
  175. Eduardo ou Tomaz, acabei de receber um fiat stilo 2007 com apenas 30 mil km originais em minha oficina, foi ótimo, o cliente pediu para trocar a correia e tensores, mas eu falei que pela quilometragem, apenas a correia seria necessária a substituição, mas para meu espanto, o tensor estava pior visualmente que a própria correia, o vídeo deve ir ao ar hoje a noite, o carro é de um tenente da policia militar de Minas Gerais e o mesmo acompanhou todo o processo de revisão de seu carro.

    ResponderExcluir
  176. ADG HIGH TORQUE
    Se você não tivesse trocado o tensionador teria desobedecido a NBR 15759, capítulo 4.1.2, que diz: "NOTA 3 Sempre que for necessária a manutenção do sistema ou de seus componentes em veículos cuja quilometragem de substituição da correia de sincronismo esteja com aproximadamente 50% da especificada pelo manual de reparo do fabricante, a correia e seus componentes devem ser substituídos". Por aí se vê como prevalece a sensibilidade e conhecimento do mecânico, que acredito você ter de sobra. Essa NBR é completamente desnecessária, não tem mesmo nada a ver.

    ResponderExcluir
  177. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  178. Bob, muito pelo contrário, hoje tenho mais certeza que a ABNT foi muito bem elaborada, pois mesmo o tensor estando com apenas metade de sua quilometragem recomendada, ele já estava em situação perigosa, podendo gerar problemas mais sérios ao motor.

    Portanto, apartir de hoje, mesmo o tensor estando em bom estado, se for para substituir somente por tempo e a quilometragem estiver em 50% ou superior a recomendada pelo fabricantes, vamos sim substituir também o tensionador.

    Parabéns a ABNT por essa norma, pois na prática, ela realmente tem que ser aplicada, estou com o carro aqui para provar.

    E como já disse, topo pegar um avião aqui e passear em sampa por oficinas autorizadas ou independentes para te mostrar na prática como a norma esta correta.

    ResponderExcluir
  179. Todos
    É bom pensar duas vezes antes de pôr a ABNT no céu. Lembro-me que há muitos anos, década de 1960, tentaram impor o nome êmbolo no lugar de pistão. A Metal Leve, fabricante sob licença do pistões Mahle, foi contra e disse nos seus catálogos que apesar de a ABNT determinar um nome, ela usaria o que ela julgava mais adequado. E fim de papo. A ABNT é metida a sabichona e inventa termos, como Sistema de Sincronismo do Motor. Sncronismo de quê, afinal? Eu teria escrito Sistema de Acionamento da Árvore de Comando de Válvulas. E erra flagrantemente ao escrever "eixo comando de válvulas", quando o correto é árvore de comando de válvulas. Falam também em eixo balanceador, quando se trata de árvore de balanceamento. Uma entidade como a ABNT não saber a diferença entre eixo e árvore é muito triste.

    ResponderExcluir
  180. APzeiro de carteirinha...24/09/10 16:13

    ADG

    O que lhe falta, é o BOM SENSO de todo BOM reparador...

    ;)

    Bom senso cara, bom senso.

    O que você está fazendo é o que qualquer "APzeiro" faz: Trocar peças.

    ResponderExcluir
  181. Apzeiro, bom senso é zelar pela tranquilade do cliente e minha, seguindo as recomendações da ABNT, nunca um cliente vai ter problemas de ter que repetir serviço por economia porca e nem a oficina vai ter que refazer serviço novamente pelo mesmo motivo e nem ser levada no pau por não observar as regras.

    Hoje todo mundo fica nessa de achar desnecessário, que a norma ta errada, que tem que ter bom senso e tudo mais, mas quando um mecânico vacilar uma só vez com qualquer um de vocês, tenho certeza que essa história de bom senso muda na hora.

    ResponderExcluir
  182. APzeiro de carteirinha...24/09/10 16:21

    Se a ABNT mandar você cair de cabeça em uma poça rasa, você certamente cairá...

    Tah certa a ABNT... Tah certa.

    ;)

    ResponderExcluir
  183. Apzeiro, ai vc tá forçando a amizade,rs

    Nada a ver uma coisa com outra.

    ResponderExcluir
  184. APzeiro de carteirinha...24/09/10 16:28

    Ué. Eu não.

    Vc que não se tocou que vc é chato, pq não tem justamente o tão famigerado "bom senso"...

    ResponderExcluir
  185. Sim, nisso eu concordo com você, sou chato demais, mas uma coisa eu te garanto, não recebo carros do Brasil todo em minha oficina por ser somente chato, pois além de ser muito chato com o que faço, faço porque gosto.

    Isso mesmo, recebo carros do Brasil todo! O cara pega o fiat dele, coloca numa transportadora justamente por essa minha qualidade de ser "chato" em tudo que faço.

    ResponderExcluir
  186. ADG HIGH TORQUE
    Acredito que eu tenha influenciado nessa questão toda com a minha coluna em Quatro Rodas há dois anos e quatro meses, o que pode ter levado os interessados a se mexer. Na época fui contatado por uma pessoa ligada ao segmento da reparação que queria conversar comigo a respeito de tensionador, me coloquei à disposição mas depois essa pessoa não me procurou mais. É estranho, por que a ABNT haveria de se meter com um assunto desses, que diz respeito tão-somente aos fabricantes de veículos e motores e que não representa ameaça à vida e nem ao meio ambiente, e tampouco pode constituir dado errado, como potência ou consumo de combustível? Muito esquisito.

    ResponderExcluir
  187. APzeiro de carteirinha...24/09/10 16:48

    Cara...

    Tenha bom senso.

    Vc é um bost@. Teu nome não está em NENHUMA publicação respeitável do assunto. Você sequer tem graduação em engenharia para tal. Não é pq você atende o Brasil todo que você está bunitu na foto. O AG daqui do AE faz isso o tempo inteiro com MOTORES de verdade, e não esses motorzinhos de Kinder ovo, e nem por isso se acha o bam bam bam. Se for assim, eu sou melhor que você, pois meus clientes não são somente brasileiros. Rodo o mundo a trabalho... Você não. E o que isso tem a haver? Absolutamente nada.

    O que você tem é que se acha o bam bam bam só porquê a maldita inclusão digital permitiu que um monte de bobocas te sigam num "canal" bem meia boca. Tudo o que você diz é praticamente tudo que alguém já disse algum dia em algum manual tipo Ciclo Engenharia, Doctor Ie, etc, etc, etc. Papagaio de pirata total. Você não descobriu a roda não amigão.

    Cresça cara. Cresça.

    Falta muuuuito pra ti ser algo além de um mero trocador de peças.

    Pior é que, por mais que falemos isso para ti, dificilmente você irá entender, pois não faz parte do teu mundo. Você não consegue enchergar isso...

    Keep walking...

    ResponderExcluir
  188. Bom, se no caso você estiver fazendo uma ultrapassagem bem calculada, digo, justa no tempo, e durante aquela acelerada uma correia quebra, tenho dúvida se isso não coloca a vida dos ocupantes em risco.

    Mais uma vez o negócio do xiita, ADG. Deixe claro para o cliente que existe a recomendação de troca, caso ele não concorde, coloque uma observação na Nota Fiscal ou converse com seus advogados para formatarem um documento onde o cliente assume a responsabilidade. Algo como fazem os instaladores de películas escuras nos vidros.

    ResponderExcluir
  189. Apzeiro, não vou entrar nessa de baixar o nível não, se quiser argumentar numa boa, estamos ai.

    ResponderExcluir
  190. APzeiro de carteirinha...24/09/10 16:55

    Não Hagi.

    Ele não consegue pensar nesta possibilidade, pois não está escrito em nenhum manual.

    Lembre-se que ele parece não possuir esse "bom senso"...

    ResponderExcluir
  191. Sim Bob, talvez sua matéria tenha tido algum impacto na decisão de se fazer uma norma, uma pena vc não ter opinado quando a mesma estava em aberto para discuções.

    ResponderExcluir
  192. Apzeiro, acho que vc andou pulando alguns posts, dá uma revisada e veja quando foi que falei sobre isso,rs

    ResponderExcluir
  193. ADG HIGH TORQUE
    Pena mesmo, se soubesse da audiência pública, onde e quando, teria ido, esteja certo disso.

    ResponderExcluir
  194. Raphael Hagi
    Vamos então tirar das ruas carros com mais de 10.000 km. Podem ter algum problema numa ultrapassagem, é perigoso.
    Ei, que termo é esse que os instaladores de películas escurecedoras fazem os clientes assinar?

    ResponderExcluir
  195. Bob, hoje quero gravar um vídeo sobre seus questionamentos sobre nomes como:
    Pistão e êmbolo.
    Árvore e comando.
    Correia dentada e correia sincronizadora.

    Creio que vc melhor do que eu já saiba, mas vou ilustra melhor falando.

    ResponderExcluir
  196. ADG HIGH TORQUE
    Quero cachê!!!!! (Brincadeira)
    Aproveite e põe lenha na fogueira falando do país que tinha uma pujante indústria automobilística e não tem mais. Agora só se monta carros importados completamente desmontados (CKD)...

    ResponderExcluir
  197. APzeiro de carteirinha...24/09/10 17:36

    ADG,

    Trata-se trolls assim. Jogando o lado que ele não entende, ou não quer entender. E ele sempre pegará uma ponta do assunto para novamente distorcer e tecer novamente sua teoria.

    Quer ver como deixar você um pouco mais nervoso comigo?

    Vamos lá. Você pensa pelo lado da garantia do serviço. Você troca todas as peças do sistema para que ela não dê problema. Nisso automaticamente você GANHA um lucro em cima. Quer seja na mão-de-obra, quer seja na peça ou em ambos, o que é o normal. Afinal você é um comerciante e não pode fazer favor para todos.

    Isso, de uma forma ou de outra, é meio que "extorquir" o próximo. Legalmente, mas é.

    Você se ampara em uma distorção de uma regra para aumentar seu lucro.

    E isso é fato.

    Percebe?

    Trincas no reboco de uma parede não condenam uma casa. Trincas em vigas/pilares sim. E quem determina se a construção está condenada ou não é justamente o especialista contratado. No caso mecânico vc é uma pessoa habilitade discernir sobre esta área, ao que nos consta.

    Imagine se um construtor chegar pra ti e dizer que tua casa terá de ser demolida e reconstruída novamente só pelo simples fato da trinca no reboco/revestimento. Na certa você trocará o profissional quando perceber que o problema não é aquele demônio que o especialista disse ser.

    E apoiar-se nos "ses" é coisa para sonhador. Pois "SE" algum de nós estivessemos nas torres gêmeas em 9 de setembro de 2001 as 9:45 da manhã, nós não estaríamos aqui.

    Mas isso "se", não é verdade?

    ResponderExcluir
  198. ADG HIGH TORQUE
    Sugestão: fale dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse Editorial Brasileiro: Montadora, Brake-Light, Piloto Automático e Cilindradas.

    ResponderExcluir
  199. Apzeiro, cara te juro que não estou com raiva de vc, entendo seu lado também fera, uma coisa que faço muito é me colocar no lado do cliente, se vc um dia assirtir algum dos meus pobres vídeos, sim, são simples, caseiros mesmo, mas vc vai perceber que se tem uma coisa que eu abomino, essa é a desonestidade.

    Sou só um dono de oficina pequena, sigo a recomendação que é me passada, estudo muito para mais acertar do que errar, mas estamos ai, vivendo e aprendendo.

    Ninguém é obrigado a aceitar o que falo, assim como não sou obrigado a aceitar tudo que se fala por ai.

    ResponderExcluir
  200. É uma pena um topico tão bom. com ótima argumentação começar a cair o nível....
    Bob... não permita isso....
    Abraço...

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...