16 de maio de 2011

EMBREAGEM, ENTENDA-A E CUIDE BEM DELA

Fg. 1 Flywheel = volante; clutch disc = disco de embragem; pressure plate = platô (autorepair.about.com)


Muitos pensam que a embreagem serve para mudar as marchas, mas não é bem isso. A embreagem é um componente tão importante que sem ela o automóvel com motor de combustão interna não teria existido.

A finalidade principal da embreagem é possibilitar unir algo funcionando com algo parado e isso tem necessariamente de ser feito de maneira progressiva. O “algo funcionando” é obviamente o motor e o “algo parado” é a transmissão às rodas.

Como função secundária, a embreagem é usada nas trocas de marcha, de modo a aliviar a carga sobre as engreangens e luvas de engate. Nos carros de câmbio sincronizado - todos hoje - no momento em que o motor está desconectado do câmbio os sincronizadores podem exercer seu papel

Embreagens são usadas também em câmbios automáticos, como no Hondamatic, mas com função de conexão engrenagem-árvore apenas, tipo tudo ou nada. Não são para ligação suave

Fig. 2 Quatro embreagens (clutch), uma para cada marcha, no câmbio Hondamatic (antholonet.com)

Os carros elétricos não têm enbraeagem, pois não precisam. Num elétrico inexiste a condição “algo funcionando com algo parado”. Quando o carro para, o motor elétrico para também 

É justamente a transição de carro parado para carro em movimento que constitui talvez o maior temor de quem vai aprender ou está aprendendo a dirigir. Repare - ou lembre-se dos seus primeiros quilômetros ao volante – como as pessoas de um modo geral demoram a dominar a embreagem. Há até quem seja habilitado e não saiba operar a embreagem corretamente.

Fig 3 hyundai.com.au
Arrancar em subidas, então, para o aprendiz, é simplesmente apavorante. Essa, inclusive, era a grande dificuldade de muitos nos carros em que a primeira marcha não era sincronizada, pois não sabiam engrená-la com o carro andando e se houvesse uma subida à frente que exigisse primeira, tinham de parar, e aí a coisa realmente complicava.

Uma das figuras que mais gosto de usar para explicar como usar a embreagem é uma figura da minha infância: pegar o bonde andando. Se a pessoa quiser fazer isso, não pode simplesmente ficar no ponto e quando o bonde passar, subir nele. O tranco será grande e as consequências poderão não ser as melhores.

Para pegar o bonde andando é preciso correr o mais possível à velocidade do veículo para depois subir nele, pelo estribo. Essa fase da corrida corresponde à patinagem de embreagem, o início do movimento do veículo.
Fig 4 Pegar um bonde andando requer uma corrida, "patinar a embreagem" (pepersgirl.blogspot.com)

Patinar embreagem significa a transição entre pedal completamente apertado e pedal completamente solto. O carro anda nessa fase, mas a rotação do motor não corresponde à rotação das rodas motrizes, é maior. Chegará então um momento em que a rotação da roda é tal que corresponderá à rotação do motor, o momento em que o pedal poderá ser completamente liberado.

Esse processo é rápido, leva de 1 a 2 segundos. Levar mais ou menos tempo depende em grande parte da redução total de primeira marcha e em pequena parte, das características do motor, embora os dois fatores sejam intimamente relacionados.

Isso pode ser facilmente demonstrado arrancando em primeira e depois em segunda. Note que o processo no segundo caso leva bem mais tempo do que no primeiro. Isso porque o carro precisa ganhar mais velocidade até que a rotação do motor coincida. E nesse ganhar velocidade a embreagem fica em patinagem.

Outra maneira de sentir bem a diferença é arrancar com um veículo de tração 4x4 que tenha reduzida.(ver ao lado). Arranca-se em Normal (High) e depois em Reduzida. (Low) Neste segundo caso o tempo do processo chega a levar bem menos que um segundo, talvez menos de meio segundo. Por quê? Porque as rodas motrizes logo atingem a rotação que corresponde à do motor, isso devido à grande redução da transmissão.


Fig. 5 Adesivo no painel dos Jeeps com instrução de transmissão (jeep-cj.com)

 A embreagem
Conceitualmente falando a embreagem é um mecanismo bastante simples. Ela utiliza um componente do motor que não foi bolado para fazer parte de embreagem mas faz: o volante . Essa peça, que é rotativa e fixada ao virabrequim, tem a missão de acumular energia cinética proveniente do trabalho do motor e devolvê-la quando é preciso, que é a parte passiva do seu ciclo de funcionamento (ver foto de abertura). 

Para se ter ideia disso, o motor dos nossos carros é de ciclo Otto, de quatro tempos, em que só um, o da combustão e expansão dos gases queimados, é ativo, que produz trabalho. Os outros - admissão, compressão e escapamento - dependem do movimento do volante.
Fig 6 Só o terceiro tempo (ignition, combustão) é ativo, os demais são passivos (eng.warwick.ac.uk)

Claro que não é tão simples, pois há fatores que determinam a massa do volante, como rotação do motor (quanto maior, menor a necessidade de massa) e número de cilindros (quanto mais, menor a massa também). Mas para entendermos a embreagem é suficiente o que foi dito.

O coração da embreagem é uma peça chamada platô, que vai aparafusada no volante. Entre o platô e o volante está o disco, que possui material de atrito nas duas faces. O platô consiste basicamente de uma placa de pressão (que pressiona o disco) e uma mola tipo diafragma, muito conhecida por “chapéu chinês” por se parecer realmente com um.
Fig 7 Platô de embreagem (loja4x4.com.br)

Fig 8 "Chapéu chinês" (hiwtc.com)
Esse tipo de mola começou a ser usada nos platôs no final dos anos 1950 e substituiu com enorme vantagem as várias molas helicoidais (seis ou nove) dispostas em torno da placa de pressão, que exigiam alavancas para serem comprimidas e assim afastar a placa de pressão do disco. Além da pressão uniforme proporcionada, a mola tipo diafragma, ou mola diafragmática, tem resistência não linear, em que a partir de determinado ponto a resistência e, consequentemene, a força no pedal diminuem.

Havia, inclusive, operação de regulagem das alavancas das molas, algo trabalhosa e que exigia dispositivo de montagem do platô e micrômetro comparador. Com a mola diafragmática essa operação acabou.

O disco de embreagem gira solidariamente com a árvore-piloto do câmbio, mas pode deslizar nela no sentido axial porque seu cubo e a árvore-piloto são estriados.
Fig 9 Disco de embreagem e árvore-piloto, ambos com estrias (loja4x4.com.br)

Veja a o desenho abaixo. Quandi o pedal está todo apertado, a própria mola afasta a placa de pressão  (em amarelo) do disco (em marrom) e o deixa solto, de modo que o motor fica separado do câmbio. A embreagem está aberta, ou desacoplada.

Quando o pedal de embreagem não está apertado, a mola diafragmática pressiona a placa de pressão e esta, por sua vez, pressiona o disco contra o volante (em azul) numa parte deste prevista para esse fim. Tecnicamente se diz que a embreagem está fechada, ou acoplada.


Fig 10 Esquema de embreagem (usawatch.com)
Esse movimento de vai e vem da placa de pressão é mínimo, coisa de 1 a 2 milímetros, apenas o suficiente para pressionar ou não o disco. Claro que a julgar pelo quanto o pedal se movimenta em seu curso parece bem mais. Isso é porque a relação de movimento entre pedal e placa de pressão é calculada de tal forma que dois objetivos sejam atingidos. Um, a menor força possível para se acionar o pedal. Outro, dar progressividade adequada e confortável no momento de acoplar a embreagem, como ao arrancar da imobilidade.

Há uma peça que aciona diretamente a mola diafragmática, que é o rolamento de acionamento (vermelho, no desenho acima, thow-out bearing). É basicamente um rolamento como outro qualquer, só que com uma face desenhada para encostar na mola. O rolamento é movimentado por uma peça chamada garfo de embreagem, por sua vez movimentado por cabo ou sistema hidráulico a partir do pedal.
Fig 11 Rolamento de embreagem (pelicanparts.com)

O disco de embreagem possui um sistema de molas no cubo destinado a absorver grandes esforços torcionais (ver Fig, 9, esquerda, as quatro molas em vermelho)

Manutenção
De uma maneira geral, o que se desgasta na embreagem é o material de atrito do disco. Até os anos 1970 trocava-se o material, que era rebitado (ver Fig. 9, esquerda), que era vendido normalmente nas concessionárias e lojas de peças. Hoje é mais prático trocar o disco, que não é tão caro, mas ainda deve existir revestimento para reposição.

Até coisa de 25 ou 30 anos era preciso ajustar a folga do pedal, pois com o desgaste natural do disco a folga vai diminuindo, e se não for ajustada, a embreagem “enforca”, se autoaciona, e daí para sua destruição total e impedir que o carro ande, é um passo. Hoje o ajuste é automático ou o pedal funciona com folga zero, sem batente de repouso, impedindo o enforcamento. Apenas o pedal vai subindo cada vez mais em relação ao do freio, pela falta desse batente. Essas solução foi vista pela primeira vez no Fiat Spazio, em 1983.
Fig. 12 Ajusta de folga (pedal free play) (club-tc.com)

Hoje é muito comum a troca do conjunto de embreagem - platô, disco e rolamento - muitas vezes desnecessária, em que bastaria substituir o disco. Ou trocar um platô só porque a embreagem endureceu, quando a causa é apenas acúmulo excessivo de pó do revestimento do disco por má qualidade deste. Basta lavar o platô e reinstalar.

O rolamento de embreagem, a menos que esteja ruidoso, notado ao apertar o pedal, não precisa ser trocado.

Defeitos na embreagem
É raro hoje, especialmente em razão da precisão do platô com mola “chapéu chinês”, mas discos de embreagem podem empenar, causando trepidação ao arrancar, claramente sentida no carro. Nesse caso é inevitável trocar o disco. A maior causa de empeno é aquecimento excessivo por submeter a embreagem a esforço para o qual ele não foi projetada, como “segurar” o carro numa subida com o motor por meio de patinagem da embreagem.

Se numa reduzida malfeita, aquela para uma marcha que resultaria em rotação excessiva do motor, mesmo que não se tire o pé do pedal de embreagem o disco subirá demais de rotação por girar solidário com o câmbio, com o que o material de atrito do disco pode se desprender ou quebrar por centrifugação.

Poderá haver falta de curso da mola diafragmática e de placa de pressão do platô por problema de acionamento, como cabo de embreagem desfiando ou falha do comando hidráulico, resultando em falta de desacoplamento parcial ou total da embreagem. Nesse caso será difícil ou impossível engrenar uma marcha estando o veículo parado. Em geral o problema começa com a primeira ficando dura de engatar e a ré, geralmente não sincronizada, começa a arranhar ao tentar ser engatada.

Se o disco estiver muito gasto ou se a mola diafragmática ficar fraca por ter-se aquecido além do normal e destemperado, a embreagem não conseguirá transmitir torque para o câmbio e patinará, com se diz. O processo se acentua rapidamente e chegará um ponto em que o carro não andará mais.

Para a embreagem durar mais
Embreagens não têm vida útil definida. Podem durar mais de 200.000 km ou acabar em 5.000 km. Depende apenas de como é usada.

O grande inimigo da embreagem é o calor. Como calor só é produzido quando a embreagem está patinando, quanto menos ela for feita patinar, melhor. Tenha isso sempre em mente. São inúmeras as situações em que a embreagem patina desnecessariamente:

- na aprendizagem de dirigir ou falta de habilidade para utilizá-la corretamente
- segurar o carro na subida por meio do motor
- arrancar em segunda marcha
- com carro quase parando, patinar a embreagem só para não passar a primeira
- andar com motor falhando e compensar falta de potência patinando embreagem ao arrancar
- arrancar quando rebocando trêiler ou carreta e o motor não tem potência adequada
- trafegar com excesso de peso
- reduzir e não dar aceleração interina, deixando a embreagem patinar até o total acoplamento
- impor aceleração forte sem aliviar acelerador ao trocar marcha
- arrancar constantemente em rampas fortes, como as de garagem, de frente ou de ré

Calor na embreagem é tão crítico que nos câmbios automatizados, cuja embreagem é automática.e o motorista pode facilmente usar o motor para segurar o carro numa subida, pensando estar dirigindo um carro de câmbio automático convencional, aparece no painel mensagem informando superaquecimento de embreagem.

Ao contrário do que se pensa, não é prejudicial para a embreagem aguardar o sinal verde com primeira engatada. O rolamento de acionamento foi projetado para essa condição também. Esse cuidado só devia ser observado quando, em vez de por rolamento, o acionamento da embreagem era feito por um carvão,  o chamado colar de embreagem, que se desgastava rapidamente se embreagem fosse usada dessa manera.

Fig. 13 Em vez de rolamento, um simples colar de carvão (emule.com.br)

Aliás, é bom saber que quando em marcha-lenta, câmbio em ponto-morto e embreagem acoplada, nos câmbios que fazem conjunto com diferencial, os chamados transeixos da maioria dos carros de tração dianteira hoje, os rolamentos da árvore primária só recebem óleo quando as engrenagens da árvore secundária, que ficam parcialmente no óleo, giram, ou seja, quando o carro anda.

Portanto, quanto menos o carro ficar parado com motor ligado e embreagem acoplada, melhor. Isso vale também para o aquecer motor antes de sair, que deve ser evitado. Com primeira engrenada e embreagem aberta a árvore primária fica parada.

Parodiando antigo ditado relativo ao estômago, cuide bem da sua embreagem e sua embreagem cuidará bem do seu bolso.

BS

196 comentários:

  1. Muito legal o post!

    Sobre a troca do kit todo acho que é mais uma questão de "economia prévia". Tirar um motor ou caixa e trocar somente um dos componentes pode sair mais caro pela necessidade de refazer o serviço mais adiante para troca de outro. Geralmente a mão de obra para este serviço é mais cara do que as peças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o meu carro ta fazendo barulho guando eu to parado e andando ta muito barulhento o que devo fazer para melhorar

      Excluir
    2. eu tenho um corolla 2003 ele ta fazendo barulho quando parado e quando coloco o pe na embreagem para e andando ta muito barulhento oque devo fazer pode ser a embreagem

      Excluir
    3. provavelmente o oleo estar bem baixo. manda completar o oleo que resolver a maioria das vezes.

      Excluir
  2. quando necessitei trocar a embreagem do meu omega(2.2), saia mais barato comprar o kit inteiro na concessionaria do que apenas o plato ou o disco no mercado paralelo.
    Marcelo

    ResponderExcluir
  3. Muito legal o post! [2]

    Não apenas nos carros com caixa automatizada, mas nos carros com transmissão manual também deveria ter um indicador de superaquecimento da embreagem. Seria muito útil para evitar "barbeiragens" que diminuissem sua vida útil.

    Quais carros que usavam esse esquema de colar de embreagem? Só os muito antigos, ou tem algum mais ou menos recente?

    ResponderExcluir
  4. Bob,

    Os Fiat Fire tem apresentado desgaste acentuado no chapéu chinês, no local onde há contato entre ele e o rolamento. Esse ponto vai afundando até começar a dar barulho com a embreagem acionada. Tive um Palio que troquei a embreagem com 70.000Km por isso, já que o disco estava com meia vida. O mecânico à época me disse que o meu sistema durou muito até, a média era 40.000/50.000Km.
    Outra coisa que já percebi em vários carros semi-novos e de várias marcas é uma certa trepidação de embreagem intermitente quando o conjunto está frio, tanto de marcha à ré quando em primeira nos primeiros acoplamentos, logo desaparece. Nas demais situações a embreagem funciona exemplarmente. É como se durante o período sem uso entrasse óleo no sistema(pode ser pelo retentor do eixo primário) e causasse esses trancos e trepidações no acionamento quando frio. Esquentou um pouco, desaparece. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinicius Dato Sacchi06/02/14 14:48

      Bob, sei que o post é antigo, mas, sempre gosto de reler seus artigos... sempre encontro alguma novidade e o que você fala aqui, sem dúvida posso dizer: bom uso é essencial na durabilidade. Meu professor no Senai não se conforma da embreagem do meu Mille Fire estar com 100.000km originais e sem patinação, trepidação nem nada... em perfeito estado... disse ser comum trocar embreagem de Fire com 40, 50mkm.... Abraço!

      Excluir
    2. Vinicius Dato Sacchi
      Meu irmão vendeu um MiIle ano 1993 com 236.000 km e nunca mexeu na embreagem.

      Excluir
    3. Vendi um uno 1995 com 195.000 km e também nunca mexi na embragem.

      Excluir
  5. Um disco de Chevette custa uns 120 paus. Um kit de embreagem, 260. Eu não vou perder meu tempo e trocar só disco. Nunca. A mão de obra pra tirar o motor da caixa custa outros 120 paus.

    Bob, os GM de disposição longitudinal do conjunto motor/cambio possuem um guarda-pó no garfo pra evitar entrada de pó, água etc. Acontece muito desse guarda-pó rasgar e o cara pega uma água por aí, já viu...

    O Chevette tem 285 mil, troquei três vezes, tá bom. O Omega tive que trocar logo que peguei, com 41700. A fibra "esfarinhou" toda, não entendi o motivo...

    ResponderExcluir
  6. Minha F1000 tá com os mesmos sintomas descritos pelo Thiago. Quando ainda frio, trepida bastante na arrancada em 1ª marcha, bastando alguns quilômetros para aquecer o conjunto e tudo voltar ao normal. Engraçado que em marcha-a-ré não ocorre o fenômeno.

    ResponderExcluir
  7. Bob, todos os carros atuais usam o rolamento de acionamento? Quais os ultimos carros nacionais que usaram colar?

    ResponderExcluir
  8. Bob, só tenho a agradecer! Acabei de descobri o origem do problema da trepidação no meu carro. O motivo? É que o coitado é 1.0 e sou obrigado a abusar muito nas reduções de marcha para poder ultrapassar caminhões na fatídica BR 101 no nosso estado do Rio de Janeiro. Alem de fazer com ele varias das coisas que voce apontou ai em cima... é um pecado, mas preciso que o 1.0 dê conta do recado... em breve comprarei um veiculo mais adequado para a viagem e o 1.0 será apenas destinado ao transito urbano... merecido descanso para ele. Mayone

    ResponderExcluir
  9. Alexandre,
    Muitos carros usavam colar de carvão em vez de rolamento. Um que me lembro era o Renault Dauphine e derivados.

    ResponderExcluir
  10. Bob, você conhece alguma (má)prática que cause avaria no(s) rolamento(s) do câmbio.

    Em casa tivemos dois carros com problema no rolamento de câmbio, o mecânico disse que é falta de qualidade mesmo, na CC falaram o mesmo. Um carro com 70k (307) e outro com 13k (Polo), este reparado em garantia.

    Abs

    ResponderExcluir
  11. Anônimo 16/5 11:48
    Esse caso é mais exceção do que regra. É claro que se o kit custa menos que as peças em separado, compre-se o kit. Um caso que se passou comigo: precisei mandar trocar o rolamento de embreagem, que estava ruidoso e incomodava. A oficina me ligou e disse que era preciso trocar o disco também, e autorizei. Ao buscar o carro examinei o disco e ainda tinha mais que meia vida para ser usado. Não precisava trocar.

    ResponderExcluir
  12. Thiago,
    Se o chapéu e o rolamento viram juntos, sem atrito, o chapéu não poderia gastar. Aí é falha de material mesmo. Sobre a trepidação, o mais provável é o disco frio ter empeno e com o aquecimento normal o empeno sumir, por dilatação. Não acredito que trate de óleo, pois a embreagem patinaria.

    ResponderExcluir
  13. Raphael Hagi
    É uma escolha trocar tudo, não uma necessidade. Numa embreagem bem utilizada o platô dura o que dura o carro. Realmente complica se o guarda-pó rasgar, aliás qualquer guarda-pó, não só esse. Fibra esdarinhar é exclusivamente questão de má qualidade.

    ResponderExcluir
  14. Alexandre,
    Indicador de temperatura da embreagem seria realmente útil, boa ideia.

    ResponderExcluir
  15. Meu carro (Escort 2001) também apresenta este problema de dar uma leve trepidada na embreagem na primeira partida do dia, principalemte para arrancar em subidas, logo o problema desaparece...

    Isso deve ser comum, não?

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Bob;

    Um caso ocorrido comigo sobre troca de disco de embreagem:

    Ano passado levei a Ranger para reparar o atuador hidraulico do sistema e o primeiro orçamento foi a troca completa do conjunto de embreagem. Aliás, diagnóstico esse dado apenas olhando para os 95 mil km indicados no velocimetro

    Desmontado o conjunto, verificou-se que o conjunto plato/disco/rolamento estava simplesmente impecável, com desgaste muito abaixo do esperado para a quilometragem. Quando me perguntaram qual era o segredo (ainda mais sabendo que meu uso era o de anda-pára, areia e uso de 4x4), respondi "saber dirigir e usar corretamente a embreagem!"

    ResponderExcluir
  18. Bob, creio que os fabricantes de embreagem estáo baixando o padráo de qualidade sistematicamente, visto a quantidade de embreagens que trepidam em veiculos NOVOS. Ha uma grande leva de Vectras, Astras e Zafira que ja trocaram a embreagem antes dos 20000 km. Ja foram motivo de reportagem. O meu desgosto com os meganes da frota de meu serviço vem principalmente disso. Trepidam desde novos. Provavelmente eu dei muito azar, mas nao pretendo botar um Renault em minha garagem! Tive uma Tornado que trocaram a embragem na garantia, parabens pela seriedade da Honda. Num Palio, que comprei com 5000 km, tambem trepidava, e claro, a ordinaria da concessionaria alegou mau uso. Como sempre...

    Abraço

    Lucas crf

    ResponderExcluir
  19. Existem também os casos de subdimensionamento da embreagem. Tive um Brava durante 7 anos e 120 mil km. Troquei a embreagem aos 100 mil km porque estava duro o pedal, mas não patinava.

    Meu carro atual, Palio 1.4, trepidava e fazia barulho de algo solto no cofre do motor, parecia coxim. Aos 10 mil km a concessionária trocou a embreagem na garantia... O mecânico me disse que estava sendo comum essa troca. Falou ainda que tinham trocado pela embreagem do Punto, mais robusta. Uma espécie de recall branco.

    ResponderExcluir
  20. Que sorte heim Minerim!

    Já os VW não vibram, mas a embreagem patinar para alguns modelos parece ser item de série.

    Apesar que compartilho o carro com alguém que gosta de "segurar o pézinho"... Dose!

    ResponderExcluir
  21. Bob, no caso do Omega, o curioso era se tratar da embreagem original. GM gravado no corpo do disco e os rebites com a marca da SACHS. Inclusive, o rolamento era de metal, e hoje é com corpo plástico, infelizmente.

    Realmente, pra um carro que rodou tão pouco, 41700 de 1997 até 2008, quando comprei, não era de se esperar a fibra esdrinhar como você disse. De qualquer modo, coloquei outro kit SACHS, à época, paguei 560 reais no kit.

    Alguns meses depois, me arrependi de não ter tirado o volante para a troca do retentor do eixo de manivelas. Começou a vazar óleo e foi necessário tirar a caixa apenas para esse serviço. Portanto, pra quem tem Omega 4.1 sempre recomendo: Tirou a caixa, troca o kit, retentor da árvore e selo traseiro do cabeçote.

    Provavelmente você vai ser contra a prática. Mas tirar a caixa do Omega, dá um trabalho do cacete. Ajudei a fazer o serviço e vou te falar.... foi dose!

    ResponderExcluir
  22. Fabio...este negócio de compartilhar carro é fogo mesmo. Meu carro só eu dirijo porém os carros da empresa são compartilhados. Dá pena de ver certas práticas...

    Recebemos um Doblò 0km...um doce pra dirigir, e tinha um manco que ficava segurando na caixa nas subidas. Que dó.

    ResponderExcluir
  23. Bob, parabéns mesmo! E guardarei este artigo futuras consultas, pois as explicações que vemos em sites por aí dizem sempre a mesma coisa, sem todos os detalhes que você deu.

    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
  24. Bob, vi há algum tempo um vídeo onde se dizia que é aconselhável dar a partida no motor com o pedal da embreagem acionado (apertado). Procede? Lucas

    ResponderExcluir
  25. No meu Fox com 18.000KM no primeiro acionamento da embreagem com dia frio dá pra ouvir um pequeno barulho, como se o platô pegasse mais numa parte do disco que em outras. Logo depois o ruído some.

    Raphael, o nosso 4.1 também vazava por trás do volante. Foi trocado quando a embreagem foi substituída, mas esta apresenta a trepidação registrada pelos colegas em algumas situações.

    Bob, se não estou enganado, a Willys usou em toda linha com motor 6 cilindros embreagem com molas helicoidais.

    Sobre as molas do disco, a carga é transmitida do material de atrito para o cubo estriado pelas molas?

    ResponderExcluir
  26. Bob,
    quanto à parte do "não é prejudicial para a embreagem aguardar o sinal verde com primeira engatada", já li uma reportagem no G1 recomendando não fazer isso.
    Afinal, pode-se fazê-lo ou não? Creio que essa seja dúvida de muitos.
    o link para a reportagem: http://g1.globo.com/Noticias/Carros/0,,MUL1181838-9658,00-SAIBA+COMO+USAR+CORRETAMENTE+A+EMBREAGEM.html

    ResponderExcluir
  27. Leonardo Curitiba16/05/11 19:56

    Parabéns Bob, mais uma aula!

    ResponderExcluir
  28. Roberto Dallabarba16/05/11 20:08

    Tinha dúvida sobre aguardar o sinal abrir com a primeira engatada, também havia ouvido duas versões. Deixava o carro aquecer também pela manhã por que falhava um pouco, mas foi só ajustar o carburador.

    Aliás, então aquela prática de quem possui um carro antigo, ou anda muito pouco, e tem o hábito de deixar funcionando um pouco é um ataque a embreagem.

    ResponderExcluir
  29. Perdão Bob, esqueci.
    Obrigado pelos esclarecimentos.

    ResponderExcluir
  30. Marcelo Junji16/05/11 20:24

    Eu não sabia que algumas engrenagens não são lubrificadas com o carro parado e motor ligado. Embora o Sr Bob aconselhe não esquentar o motor, não consigo tirar essa mania. Mas estou prestes a abandonar esse hábito, pois percebi que os tuchos ficam mais tempo batendo com o motor frio e em marcha lenta. Se pormos imediatamente o carro para andar, acho que os tuchos carregam mais rápido e por consequência havera menos desgaste.
    O MB 608 E foi o único veículo que consegui alta durabilidade da embreagem, 5 anos de uso e milhares de quilômetros e nunca troquei absolutamente nada nele (só cilindro de freio). E o carro que teve problema de embreagem mais cedo foi o meu gol mi 1.0, trocou a embreagem com uns 35k km, pois as lâminas do chapéu chinês estavam todas tortas, embora o disco estivesse novo.Achei muito estranho. Enfim, embreagem não dura muito comigo, mesmo não fazendo mau uso dela.

    ResponderExcluir
  31. Meu pai tem um Ford Courier que faz barulho na embreagem quando esta está acoplada. Pisando no pedal, o barulho para. É problema de rolamento ou o disco que está gasto?

    Eu não entendi direito uma coisa, Bob. É melhor então deixar sempre o carro em 1ª marcha e com a embreagem desacoplada, quando o carro precisar ficar parado funcionando. É isso? Se deixar o carro ligado em ponto-morto com a embreagem acoplada, não haverá lubrificação correta no câmbio?

    Ótimo post!! Tenho muitas dúvidas sobre esse sistema, apesar de ser bem mais simples que outros, aparentemente.

    ResponderExcluir
  32. O Mercedes Classe A tinha um termômetro na embreagem. Se em algum momento a temperatura ultrapassasse certo patamar, ficava registrado na memória da injeção.
    Assim, se algum cliente aparecesse na concessionária com um Classe A apresentando desgaste precoce da embreagem, o mecânico tinha condições de verificar se houve mesmo mau uso.
    Não sei se isso é comum em outros carros ou se trata-se de uma peculiaridade do Mercedes.

    ResponderExcluir
  33. Bob, eu prefiro poupar os coxins e suportes do motor, deixando a embreagem queimar um pouco para sair, e as vezes saindo em segunda marcha em algumas ladeiras ou com o carro se movimentando. Além do que, ao engatar a primeira com o carro em movimento, mesmo esta sendo sincronizada e a velocidade do carro extremamente baixa, eu percebo que ela entra com esforço, e provavelmente o esforço para poupar a embreagem se transfira para os componentes do câmbio. Resumindo, não ligo muito pra ela, mas me preocupo bastante com os coxins do motor ao evitar trancos e com os sincronizadores do câmbio. Mas tirando esses detalhes, sempre faço aceleração interina (no carro que tenho fazer punta-tacco é quase impossível, e não compensa o esforço, afinal não estou numa pista de corrida) e espero nos sinais com a primeira engatada e embreagem acionada, achei que era um vício ruim da minha parte, mas que bom que não é. Sobre a embreagem trepidar nos primeiros acoplamentos, achei que eu era um azarado, já que falei desse problema na concessionária repetidas vezes e não me deram maiores explicações ou atenção. Sempre me diziam que se após um tempo ela não trepidasse e não patinasse, era um sintoma normal de empenamento leve. Não acreditei muito, pois nunca abusei da embreagem dos meus carros, a ponto de empenar um disco em um carro de 20.000 Km rodados. Mas o Boib acabou de confirmar a diagnóstico deles. Tanto um carro que tínhamos, 0 km, ano 2001, quanto meu último carro, ano 2009, fazem isso. É uma trepidação bem chata, chega a dar medo de sair com mais gás após a partida. Mas se eu saio com mais gás, aí é que esse sintoma desaparece mais rápido.

    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
  34. Bob, no momento de troca de marchas no Hondamatic o conversor patina ou essas mini-embreagens dão conta de assimilar a diferença de rotações? A caixa ISR da Lamborghini funciona da mesma forma, apesar de ter embreagem normal para arrancadas?

    ResponderExcluir
  35. Bob,
    me ajude a esclarecer um mistério em casa: porque a embreagem do Siena 1.8 (80.000 km) de minha esposa trepida comigo mas nunca trepida com ela dirigindo?
    Aliás, lendo os posts dos colegas passei a achar que o problema só acontece quando está com o motor frio.
    Grato
    Renato

    ResponderExcluir
  36. Guilherme,

    Talvez seja rolamento de câmbio, parece que este tipo de problema tem ocorrido com mais frequência ultimamente. O nome disso é "economia porca" dos fabricantes e seus fornecedores.

    Sds

    ResponderExcluir
  37. Bob,

    Esse rolamento de embreagem que você teve que trocar foi do seu Celta? o meu é só pegar algum alagamento que o rolamento começa a abrir o berreiro. Já vou pra segunda troca e o carro está com 59 mil km. Da primeira vez, troquei o kit completo, desta vez acho que só vou trocar o rolamento e aproveitar a mão-de-obra pra trocar o retentor do volante. No Gol 1.0 2004 que tive anteriormente, cheguei aos 80 mil km e a embreagem continuava normal, só era mais dura que a do Polo e do Voyage que dirigi, muito provavelmente por essas serem de acionamento hidráulico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observe se o rolamento é madein Argentina ou Canada..... o Canadense é otimo e o Argentino um lixo

      Excluir
  38. Filipe Pinhati17/05/11 15:58

    Bob,

    Agradeço por mais um post instrutivo.

    Mas peço a gentileza para que nos esclareça algumas dúvidas.

    Tenho um Dodge Dakota 2.5 gasolina que já tem 190 mil km e até hoje nunca foi necessário a troca de qualquer componente da embreagem. As marchas encaixam com perfeição, inclusive a ré. (estou com ela desde que ela tinha 150.000 km)

    Por isso, eu acho que continuo a tratar bem a embreagem dela, mas seu post me deixou confuso.

    Não entendi essa dica para deixar o carro engatado em 1ª no farol vermelho, como também não deixar o carro ligado e parado.

    Eu costumo fazer três coisas que não sei se você recomenda:

    1) ao ligar o carro com motor frio, espero cerca 1 minuto antes de sair, "para que o motor esteja bem lubrificado antes de aumentar o giro".

    2) quando para no semáforo, deixo o carro em ponto-morto, sem acionar a embreagem e com o pé no freio;

    3) como viajo muito com ela (BR 020) costumo deixa-la na banguela nas descidas. Aproveitar a banguela causa avarias à embreagem?

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amigo no item 1 e 2 vc esta correto agora banguela nos carros de hoje em dia nao serve para nada e ainda vc gasta mas gasolina agora se vc tivesse um fusquinha tudo bem ajudaria

      Excluir
    2. tenho um prisma 2008-2009 ele está sem velocidade me falaram que é embrenhagem é mesmo a ou a outro poblema

      Excluir
  39. Filipe, se me permite.

    Não é necessário aquecer, apenas "evite acelerar pra valer" nos primeiros minutos.

    Banguela não prejudica a embreagem, mas é um perigo e não ajuda a economizar combustível como você provavelmente imagina.

    ResponderExcluir
  40. Pra quem tem carro carburado é sempre muito bom manter o carburador regulado e a marcha lenta certa pois, ao contrário, a rotação ficará irregular e, em baixa rotação o carro dará socos, fazendo a gente ficar com o "pezinho" apoiado, instintivamente, no pedal da embreagem.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  41. Rômulo Rostand24/05/11 00:25

    Bob Sharp,

    Ótima sequência de posts!

    Em relação aos carros elétricos não terem embreagem, gostaria de lembrar uma exceção que foi o Gurgel Itaipu E-400 / E-500 que tinha câmbio e embreagem similares aos da Kombi, inclusive nas relações de marcha.

    As matérias da época falavam que o uso do câmbio se devia ao motor de alta rotação. Na verdade, nem tão alta assim. Como registrado no livro do Lélis Caldeira, na página 163, a potência nominal de 10 kw era fornecida a 3.000 rpm.

    Apelando para a memória, acho que tratava-se de um motor compound (campos série e paralelo associados) numa configuração que, por si só, limitava sensivelmente a corrente de partida e em baixos giros em relação ao motores elétricos de tração mais comuns.

    A vantagem desse tipo de motor era dispensar circuitos de controle eletrônico mais sofisticados e, bastante caros na época.
    O efeito colateral vinha nos reduzidos valores de potência e rendimento em rotações mais baixas, bem como torque de partida também limitado. Daí a necessidade de se utilizar uma caixa de marchas para compensar tais deficiências.

    Sem dúvidas, um dos muitos pulos do gato do Sr. Gurgel para simplificar a produção e diblar os custos. E como disse antes, uma exceção.

    ResponderExcluir
  42. Piso na embreagem e o pedal funciona normal, só que as vezes ele vai e fica preso no fundo e o carro fica meio descontrolado na aceleração.. Tiro o pé e quando piso de novo ele funciona normal. Reparei que parece que existe um calo no pedal que toda vez que eu piso ele dá um "estalo" e como existisse uma "folga".
    O que deve ser e como posso resolver?
    Meu carro é um Peugeot 206 1.4 8v 2004 e eu já troquei o colar e ele voltou a fazer barulho quando o pedal está livre.

    ResponderExcluir
  43. masaabreu
    O problema só pode estar no comando de embreagem, aquilo que está entre o pedal e o platô de embreagem. Não sei qual o sistema do seu 206, se a cabo ou hidráulico, mas é preciso verificar esse sistema, ver o que está agarrando. Mas não é nada complicado ou caro.

    ResponderExcluir
  44. Gostei muito do Post, estão de parabéns, porém, eu tive um problema inusitado com minha Ranger 2007 e motor Diesel. O cano do retorno de combustivel se rompeu com o carro em movimento e deve ter vazado uma em média 15L d óleo diesel. Levei o carro para uma mecânica, peça trocada, peguei a estrada. Porém, reparei q a embreagem começou a patinar, parei em um posto de gasolina e reparei q o carro estava completamente lambusado de diesel. Isso ocorreu ontem, 26/08 sexta feira, e hj é sábado,´vou ter q esperar começar a semana e averiguar o q está ocorrendo com minha pick up. Acredito q tenha entrado algum resíduo d diesel junto ao disco. Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  45. Foi substituido o cabo de embreagem e o carro funcionou legal durante 02 meses e após o cabo quebrou. Levei a peça na Peugeot e foi substituida na garantia e voltei ao mecânico que trocou a peça. Andei com o carro parecendo novo e depois de meia hora o mesmo começou a agarrar a marcha e em 02 horas o mesmo nem entrou mais a 1ªmarcha e agora é como se não existisse embreagem.
    Como devo proceder? O mecânico que trocou a embreagem disse que foi a 1ª vez que fez esse serviço e que não sabe regular. Para eu andar tenho que desligar o carro, engatar a 1ª ou a 2ª marcha pra andar.

    ResponderExcluir
  46. Leve num macânico de verdade! Que absurdo! E ainda o cidadão tem a cara de postar uma anedota dessa aqui!

    ResponderExcluir
  47. Meu carro esta com pedal da embreagem duro pra acionar isso significa que a embreagem esta ruim, ele trepida ao sair em primeira marcha, se estiver ruim, isso pode prejudicar o mancal? meu carro é um palio com sistema hidráulico de embreagem.

    ResponderExcluir
  48. Trepida? Cheque os coxins, se estiver tudo ok, mande fazer!

    Né não, Bob?

    ResponderExcluir
  49. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  50. Bob

    Boa tarde.
    Tenho um Peugeot 206 2008 Allure 1.6 16V. Tive um problema em que o pedal da embreagem fez um barulho, afundou, mas quando o puxava para frente ele voltava sem ficar preso em baixo, como se estivesse quebrado. Fez uma três vezes isso. Não havia problemas nas trocas de marchas quando o veiculo estava desligado. Somente quando o pedal abaixou. Chamei o reboque e depois de o motorista solicitar que meu marido desse umas bombadas no pedal da embreagem ele não deu mais problemas. O carro fica direto comigo, nem sempre costumo pisar até o final para trocar as marchas, mas nada que as faça arranhar. Qual seria realmente o problema que ocorreu? Um mecânico que não é o meu, pois só vou poder levar o carro amanhã para ele, informou que poderia ser o atuador da embreagem por falta de óleo. Fiz algumas pesquisas na net e não acredito que realmente seja este o problema. Meu carro esta com 50.000km sera necessário trocar todo sistema de embreagem? Não havia ouvido dizer sobre este óleo de embreagem. Poderia esclarecer minhas duvidas? Grata
    Cleusa

    ResponderExcluir
  51. COMPREI UMA ZAFIRA 2002 E REPAREI QUE ELA TREPIDA AO SAIR, E PERCEBI QUE O MOTOR ESTA FRACO PRA ANDAR, TROQUEI VELAS E CABOS ACHANDO QUE MELHORARIA, E O CARRO CONTINUOU A MESMA COISA, VENDO O POST, DEVO ENTÃO PRESUMIR QUE SEJA A EMBREAGEM?

    ResponderExcluir
  52. combustivel ruim? ja trocou oleo e filtros? coxins do motor, já checou?

    ResponderExcluir
  53. É apenas um chute, mas acho que a embreagem trepidar enquanto o carro esta frio seja realmente disco empenado e o fato de parar de trepidar depois de algum tempo seja devido a redução do coeficiente de atrito do material de fricção (o material de fricção escorrega mais quando esta quente, isto poderia explicar a redução da trepidação), Quem já dirigiu aqueles velhos caminhões do exercito sabe do que estou falando, quando o freio estava frio tinha que pisar "mais fraco", se não travava tudo (sei que estamos falando de embreagem e não de freio, mas o principio é muito semelhante). Ficar com o pé na embreagem esperando o farol abrir não estraga o rolamento (só se ele for vagabundo), sei disso porque sou um gastador de embreagem, faço tudo que não deve, dirijo cerca de quatro horas por dia no trânsito de São Paulo, fico com o carro em 1. esperando o farol abrir, seguro o carro na subida usando a embreagem (so tomo cuidado para não queimar), uso a embregagem para não reduzir ... e por ai vai, mas nunca precisei trocar o rolamento, disco troco com certa frequência.

    ResponderExcluir
  54. Problema de rolamento é relacionado com economia porca mesmo.

    ResponderExcluir
  55. olá gostaria de uma informação troquei o quite de embreagem do meu carro uma parati g4 ano 2006 1.6,so que o meu mecanico mandou eu compra um quite do carro 1.8,por custar a metade do preço,resouvi o problema que a embreagem tava dura , so que agora ta patinando, e o mecanico fala que é defeito da peça sera....

    ResponderExcluir
  56. Seu mecânico está certo, mas você comprou para ele instalar? Isso é uma merda, deveria ter deixado ele comprar, mesmo que ganhasse algum no valor da peça, assim ele deveria garantir tanto o serviço como a peça.
    E agora, ele vai querer te cobrar outra mão-de-obra?

    ResponderExcluir
  57. Nossa , nada como um profissional para nos ensinar .

    Reli até entender a parte do sinal pisando na embreagem.

    E queria saber se mantendo o pé na embreagem seria menos desgastante que com a embreagem acoplada e com o carro parado. Pois quando ela está acoplado, o disco de embreagem e platô estarão rodando (certo ?) mas com carro parado não haverá lubrificação da árvore primária, e como ela estará girando sem lubrificação será mais prejudicial não é.
    No caso se tivesse com a embreagem pressionada ( até topar claro he he he )parte do sistema não estaria girando e desgastaria menos do que com embreagem acoplada em ponto morto ?

    ResponderExcluir
  58. bom eu queria saber porque o meu carro fica sem força e se eu for na macha 5 e se eu tirar o pé do acelerador ele comessa e reduzir e ele fica com om ronco, eu ja troquei os rolamentos deanteiro, o ronco é na frente, será que é o quite de embreagem?
    eu espero que posa me ajudar.

    ResponderExcluir
  59. Bom dia Bob,
    tenho um Jeep 1980, e acabei de trocar e embreagem... troquei td, plato, disco e rolamento.
    O mecânico me informou que pode estar com defeito a peça colocada, pois não está aceitando regulagem. O rolamento está encostado direto no platô, relou o pé na embreagem o carro já sai. Isso pode causar um desgaste prematuro.
    Quando abaixo um pouco a embreagem, ele fica raspando a marcha...
    O que acha que devo fazer? será que pago novamente a mão de obra para tentar trocar e ver se é defeito da peça? Tem alguma idéia do que pode ser?
    Obrigado.
    Ass. Fábio

    ResponderExcluir
  60. como verificar o ponto da ford ranger 4.0 v6 94

    ResponderExcluir
  61. Boa Tarde
    Eu tenho uma Rnager 2001 diesel 2.5 td cd, ela só funciona coma embreagem acionada está correto.
    Nilo

    ResponderExcluir
  62. pra evitar que vc ligue sua pickup "engatada" e atropele alguém... seu animal! hahahaha

    ResponderExcluir
  63. Amigos,

    Comprei um corolla 2001, primeiro carro. Comprei uma embreagem,na verdade fui enganado, comprei no ML, o vendedor anunciou uma embreagem BORG WARNER, e me entregou uma marca, provavelmente chinesa. Bem, mesmo assim fiz a troca. O resultado é que ficou pior que a anterior, "arranhando" ao engatar a primeira e quase desmontando o carro ao engatar a marcha ré, o mecanico argumentou que a marca que é ruim. E que o plato é muito duro. Vocês que são mais conhecedores do assunto, sabem dizer se isso procede?

    ResponderExcluir
  64. economia porca! o barato saiu caro... obvio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi que você é daqueles bostas que nao entendem nada, só passam para encher o saco dos outros.

      Excluir
  65. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  66. se precisarem de embreagens, é so ligar na Platolândia, produzimos embreagens há 29 anos, tel: (11)4642-3692 / 4640-3377

    ResponderExcluir
  67. alguem sabe quantos quilometros pode fazer um eg honda civic

    ResponderExcluir
  68. Tenho um palio fire 2005/2006, com 70000 km, que principalmente frio, faz um barulho estranho, tipo ferro com ferro. Qdo aciono a embreagem para. O que pode ser?

    ResponderExcluir
  69. GOSTEI DE SABER PORQUE TREPIDA O CARRO NA PRIMEIRA ARRANCADA DO DIA, MEU SIENA 1.0 faz isso. observarei masi esta questão.

    Sobre o volante não voltar sozinho após a curva, o que deve ser feito.
    desde já, obrigada.

    tere.

    ResponderExcluir
  70. PESSOAL QUER SABER O SEGREDO DA FELICIDADE NESTE COMENTARIO, COMPREI UM CARRO AUTOMATICO FAZ 5 MESES, QUE MARAVILHA, NAO TEM COISA MELHOR JA VENDI ESTE CARRO ESTA SEMANA E ESTOU COMPRANDO OUTRO AUTOMATICO É CLARO , CHEGA DE EMBREAGEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente vc está certo, não existe nada igual. já tive automático e é a melhor maravilha do mundo.Claro que tem seus pequenos problemas, mas muito menos do que caixa de cambio mecânica e embreagem.Hoje tenho um Citroen C4 VTR que eu adoro, pena que não é automático. Meu próximo carro com certeza será automático.

      Excluir
  71. taxista rj28/04/12 08:34

    por favor tenho uma meriva 1.4 2011 quando o carro está frio, na primeira partida pela manha, as marchas não entram com o carro ligado, somente voltando ao normal quando o carro esquenta, qual o motivo provavel? obrigado.

    ResponderExcluir
  72. Taxista rj
    Normalmente é ao contrário, com motor frio as marchas passam normalmente e depois, com o aquecimento, o disco de embreagem vai dilatando e embreagem deixa de desacoplar totalmente, ocorrendo o que você está sentindo. O mais provável é o disco estar colando no volante do motor ou na placa de pressão do platô de embreagem, soltando depois que esquenta e o câmbio engrenando as marchas normalmente. Faça um teste; com o carro frio, pare num subida (não precisa ser muito íngreme), desligue o motor e engate a primeira, freio de mão solto. O carro não anda, logicamente. Agora aperte o pedal de embreagem: o carro deveria andar. Se não andar é porque a embreagem esta colando, como eu disse antes. A causa de colar na quase totalidade das vezes é vácuo nos rebites (são vários rebites) que prendem a lona do disco ao próprio disco. O reparo é simples, embora seja preciso desmontar a embreagem: furar os rebites para que haja mais vácuo que faça o disco colar. Diga alguma coisa depois do teste. Escreva diretamente para o e-mail antoentusiastas@gmail.com , aos meus cuidados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. taxista rj30/04/12 18:51

      sr bob, obrigado por enviar-me seu e-mail, onde pude esclarecer com mais detalhes o meu problema. Estive no mecânico pela manha e como o sr havia me orientado o problema estava no pedal, no atuador do pedal. Eu já havia ido anteriormente a 03 oficinas e cada uma deu-me um diagnostico diferente, o que me deixou inseguro. Hoje já cheguei dizendo que o problema era o pedal e deu tudo certo, mais uma vez obrigado meu amigo.

      Excluir
  73. Ola sr. Bob,
    Estou com um problema ha um tempinho, a uns 2 meses atras, o meu fiesta hatch 03/04 estava "travando" ao passar as marchas, mesmo eu pisando toda a embreagem. Andei com o carro assim e ha um mes atras, estava andando e a alavanca da marcha ficou totalmente "mole". Levei a um mecanico e ele fez uma bucha e as marchas voltaram ao "normal" mas depois de alguns dias a 5a marcha nao entra, e a 3a as vezes entra no dificuldade. Este mecanico disse que teria que trocar o cilindro que fica na caixa de marcha. Sendo que em outra oficina me disseram que o bom seria trocar o kit(plato, disco e colar)todo. O que o sr. acha que pode ser? Quando dou ré e o carro esta frio , trepida um pouco as vezes tb. Se eu trocar o kit da embreagem, tb preciso trocar o cilindro da caixa de marcha, ou este cilindro e este tal de "colar" ? Agradeco se puder me tirar essa duvida!

    ResponderExcluir
  74. eu CONPREI RESENTIMENTE um MEIRIVA JOY 2008 E CUANDO ESTOU EM VELOCIDADE ALTA ELA RONCA UM POUCO SE EU PISO NA EMBREAGEM ELA PARA E NORMAL , EU NUNCA TIVE MEIRIVA

    ResponderExcluir
  75. Tenho um Palio Fire 1.0 ano/modelo 08/09, e com 34.000km rodados, final do ano passado a embreagem esta dura entao efetuei a troca da mesma, mas nao adiantou nada, estava dura ainda, como o serviço da troca esta ainda na garantia, retornei na Oficina especializada e pedi que trocasse a mesma novamente, entao eles fizeram isso, mas não adiantou....a embreagem continua dura...e parece que quanto mais tempo passa, mas ela vai ficando dura.

    Andei, trocando ideias com amigos que possuem o palio, e alguns ja disseram que os deles tambem, a embreagem é dura......
    conclusão, gastei 350,00 reias na troca da empreagem e nao resolveu meu problema, a solucao entao que achei é trocar de carro.....fiat...acho que vou retornar para o novo gol.

    ResponderExcluir
  76. Pé de moça detected

    ResponderExcluir
  77. Meu carro Pálio Weekend Adventure Dualogic 2010. Quebrou aos 34.000 km, o Dualogic foi trocado na cortesia mesmo não estando na garantia de 1 ano. Porém estão me cobrando troca de Plato,disco de embreagem e anel. Isao está certo?

    ResponderExcluir
  78. Angélica Pereira
    Depende do estado dessas peças. Se estiverem muito gastas, está certo cobrarem, menos o anel, que independe de uso.

    ResponderExcluir
  79. Poderia me ajudar? O meu C3 1.6 16v simplesmente não anda quando eu já estou rodando com ele ha muito tempo no transito. O cambio engata, faz o barulho da aceleração mas ele não sai do lugar. Depois conforme ele esfria, acho, ele volta ao normal. Estou achando que o problema é esse da embreagem, mas acham que eu sou louca e estou engatando a marcha errada, já é o segundo dia que acontece isso e que levo a um mecânico.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  80. Eve Luma
    O problema é mesmo da embreagem, que está patinando, não transmite a força do motor para o câmbio quando aquecida, daí o que você sente, o motor acelera mas o carro não anda. Peça ao mecânico para diagnosticar a causa da patinagem e efetuar o reparo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, obrigada por confirmar !!! Vou levar a um mecanico amanhã mesmo.
      Achei estranho pq o mecanico que olhou pra mim hj disse que independente de frio ou quente, se o problema fosse na embreagem, o carro não andaria de jeito nenhum.
      Enfim, mais uma vez obrigada pela reposta e rápida rsrs.

      Excluir
  81. Bob, meu nome é Adelson de Nanuque MG., e tenho um corolla 2007/2008, 1.8, manuel que já rodou 75000 km e vejo que ele tem a embreagem muito dura. Pessoas dizem que é normal no corolla mas mim encomoda muito, pois tive carros de Volksvagem e eles tem a embreagem muito mole. Pergunto: isto é normal ou realmente está na hora de eu trocar o kit embreagem? Outro pergunta: tem como lubrificar alguma coisa para melhorar?

    ResponderExcluir
  82. Adelson,
    A única causa de embreagem dura é platô ("chapéu chinês") impregnado de pó (material) do disco resultante do desgaste natural. A solução prática e barata é desmontar a embreagem e lavar bem o platô. Se o disco de embreagem estive muito gasto, aproveitar para trocá-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Negativo , meu amigo.......a guia do rolamento ( colar) com o uso vai perdendo a lubrificação, causando um maior atrito no acionamento . ´Nesse ponto , acho que a automobilistica não saiu da pre-história.

      Excluir
  83. Bob, eu, Adelson de Nanuque, recebi a sua resposta e gostei muito. Conheci este Link ou sait (na verdade não sei como se chamar) a uns cinco dias atraz e fiquei encantado, pois muitas dúvidas que eu tinha pôde ser esclarecida com algumas respostas sua ao vizitantes do sait. Tenho desejo de me cadastrar mas o que siguinificada URL quando se vai cadastrar? Um abraço. Que o Senhor Jesus continue te abençoando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você informará a URL somente se você tiver um site (página na internet) seu mesmo, serve para divulgação.

      Excluir
  84. Outra pergunta: a aceleração interina é a mesma "aceleradinha" que a gente usa pra arrancar o carro?

    ResponderExcluir
  85. Rodolfo,
    Aceleração interina, ou aceleração intermediária, é a que se dá ao reduzir marcha, para quando se soltar a embreagem a rotação do motor seja a que corresponde à da marcha que foi engatada, desse modo evitando tranco. Mas essa aceleração nasceu da necessidade de reduzir marchas em câmbios não sincronizados, em que a acelerada com o pé fora da embreagem servia para igualar as rotações das engrenagens em vias de serem engatadas, que atendia tando essa necessidade quanto a citada antes, a de evitar tranco. Portanto, respondendo à sua pergunta, não se trata da aceleradinha para elevar a rotaçào do motor ao arrancar.

    ResponderExcluir
  86. Saquei. Quando li, achei que se tratava da mesma técnica sendo utilizada em situações diferentes. Valeu, Bob.

    ResponderExcluir
  87. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  88. Bob, muito boa a sua publicação, alias, como sempre.
    Uma pergunta / comentário:
    - Nas embreagens, o esforço de desacoplar e transmitido ao volante e consequentemente, aos mancais do motor. Um mancal absorve muito bem esforços radiais, mas, axiais, não tão bem. O filme de óleo quebra mais facilmente e é até complicado fazer um mancal "hidráulico" para estas cargas. Então, apesar de estar correto o fato de "pisar na embreagem" quando o veiculo está parado, principalmente por causa do câmbio, não estaria errado por causa dos esforço nos mancais do motor? Isto cria inclusive (pode criar) a tal folga longitudinal do virabrequim. Estou certo ou estou embasado em conceitos errados? Eu sempre tive o cuidado de acionar o pedal somente quando é realmente necessário e para mim, isto ocorre quando vou arrancar ou trocar uma marcha. É isto mesmo?

    ResponderExcluir
  89. Muito boa a explicação sobre a função da embreagem e a sua correta utilização.

    Tenho um IDEA ELX 1.4 2008 e a dois meses começou a apresentar sinais de problemas na embreagem. Num primeiro momento eu minha esposa percebemos que o pedal ficou bem mais baixo e que era necessário mais força para no pedal para as trocas de marchas. Num segundo momento as trocas de marchas começaram a ficar mais difíceis, até que chegou o dia em que não era mais possível fazer trocas de marchas, pois o câmbio simplesmente travou.

    O carro foi levado a uma oficina em Suzano SP, precisou ficar lá para manutenção, na qual será realizada a troca do Kit de Embreagem. Custo do Kit: R$300,00 e a mão de obra: R$200,00.

    Marcos Ferreira

    ResponderExcluir
  90. Olá Bob,
    Estou com uma grande dúvida, troquei o kit completo de embreagem do meu Palio 97 1.0 e quando estou em ponto morto ele faz um barulhinho (quase imperceptível) e quando piso na embreagem esse barulho some, isso é normal?
    Case não seja, pode me auxiliar com informações que eu possa me comunicar corretamente com o mecânico?

    ResponderExcluir
  91. Em princípio, quando se escuta barulho em ponto-morto e pisando na embreagem até o fundo o barulho some, é normal, pois o ruído é do câmbio, não da embreagem. E esse ruído do câmbio, se pouco, também é normal, resulta das engrenagens trabalhando sem esforço diante da irregularidade (também normal) do motor funcionando em marcha-lenta. Tanto que quando se acelera ligeiramente o ruído some. Mas quando se escuta esse barulho e ao se encostar levemente o pé no pedal o ruído sumir, há alguma coisa errada com o rolamento de acionamento da embreagem. Ajuda no diagnóstico observar se o ruído aumenta com o motor (e o câmbio) mais quente, uma vez que o óleo do câmbio aquecido e fino acentua o ruído.

    ResponderExcluir
  92. Dica VAliosa Bob! muito Obrigado! de Verdade

    ResponderExcluir
  93. Ola, boa tarde!

    Sr. Bob,

    Meu carro é um renault Clio 2001, 1.0 8v, 147.000 km. Comprei tem 2 meses.

    Nao consigo fazer meia embrenhagem, pois nao segura com precisao, fazendo com que o carro deslize pra tras. O mecanico disse que tem que trocar o kit embreagem.

    E tambem o cambio de marcha quando em movimento, balança um pouco. O mecanico disse que tem que trocar o coxim de cambio.

    E o pedal do freio quando acionado, faz um barulho tipo o escapameto de ar. O mecanico disse que tem que trocar o hidrovacuo.

    Todos esses diagnosticos dados sem ao menos abrir o capô, marcha, etc. Apenas dando uma Volta no veiculo.

    Essas informaçoes procedem? Estou no aguardo. Grata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você jamais deve segurar o carro numa subida usando a embreagem, pois isso é altamente destrutivo para o conjunto dela. Mantenha o carro imobilizado exclusivamente com o freio de estacionamento.
      Se a alavanca de câmbio balança demais, pode problema de coxim realmente. Mas é preciso certificar-se de que esse balançar é anormal.
      Ruído de ar ao pisar no pedal de freio não significa necessariamente diafragma do servofreio ("hidrovácuo") furado. Pode ser a mangueira de borracha entre o servofreio e o coletor de admissão, solta ou furada.

      Excluir
  94. Eu comprei ele tem 2 meses. Logo, nao posso assegurar Como o antigo proprietario se comportava. Mas eu em ladeira, uso o freio ao invez de ficar fazendo meia embrenhagem. Somente logico quando anda o transito. Neste caso, em uma ladeira com fila, coloco a marcha em ponto morto, pe no freio e quando a fila andar EU coloco em marcha 1 e faço meia embrenhagem ne?

    Acha que o problema que encontro em nao segurar a meia embrenhagem seja necessario a troca do kit? Por fim, ele diz que é bom porque quando atinge velocidade faz um barulhinho Como se nao estivesse passado a marcha e com isso, o desempenho da velocidade reduz.

    Sobre a caixa de marcha, ela quando em movimento balança realmente, mas é pouco. Quando coloca em ponto morto ela fica mais mole ao balança-la. Segundo o mecanico, isso prejudica na arrancada do Carro.

    E o ar do pedal é perceptivel somente na primeira pisada leve. Depois da terceira, ele fica normal.

    Obrigada pelo retorno.

    ResponderExcluir
  95. Boa tarde sr. Bob Sharp.

    Tenho um palio fire ano 2002 16 válvulas e que esta travando a embreagem no piso quando piso nela, o que acha que pode ser?

    Desde já agradeço,

    Marcelo Assis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo,
      Só pode ser problema no cabo de embreagem, coisa simples. Peça para examiná-lo.

      Excluir
  96. Felipe Villares01/08/13 14:42

    Olá Sr. Bob Sharp,

    Tenho um Corsa Sedan que começou a apresentar um rangido na embreagem ao pisar no pedal. Levei no mecânico, que trocou o platô. Após alguns dias, o problema persistiu.

    Levei em outros mecânicos, que falaram que era problema de lubrificação. Passaram óleo e graxa. O rangido passou, mas apareceu outro barulho, como se fosse um estalo (click).

    Levei de novo no mecânico, que mais uma vez lubrificou, e saiu o problema do click, mas voltou com o rangido.

    Alguma sugestão do que poderia ser?

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  97. Felipe
    Todo rangido em sistema de acionamento de alguma coisa é falta de lubrificação. Já estalos, só examinando os componentes do acionamento quanto a folgas, calos etc. O mecânico terá que ter paciência, conhecimento e vontade para descobrir a causa.

    ResponderExcluir
  98. Prezado Senhor: Tenho uma Belina Del Rey Guia, 1988, 156 mil originais, está apresentando problemas ao engatar a 5 marcha com o motor quente, frio tudo bem. Oque pode ser. Obrigado, se puder responder

    ResponderExcluir
  99. Não pode ser nada com a embreagem, ou todas as marchas teriam dificuldade de engate com motor quente. O problema deve estar no ajuste do alavanca ou varão de comando, mas mande verificar também os coxins de motor e câmbio.

    ResponderExcluir
  100. Depois que foi feita a embreagem do Gol 1000 Mi 8v 2003 começou um barulho na embreagem mas pressionando o pedal da embreagem ele para o barulho(ruido).O que pode ser esse defeito?AJUDA URGENTE!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O rolamento de embreagem está mal encaixado ou com um dos lados solto no garfo de embreagem.

      Excluir
  101. E ai tudo bem.... Tenho um 206 06/07 minha embreagem esta muito alta, li por ai que tenho que trocar o oleo do cambio para ela auto se regular, isso é verdade???? desde ja muito obrigado....

    ResponderExcluir
  102. A embreagem não tem nada a ver com óleo do câmbio. Se a embreagem está muito alta, o mais provável é o disco ter-se desgastado bastante. Mas antes pode ser tentada regulagem do curso e da altura do pedal.

    ResponderExcluir
  103. Caro Bob! Muito boa à matéria! Eu tenho um Omega CD 4.1 95 e a embreagem dele ainda é a original que veio com ele! Quando comprei o Carro a mais de 3 anos atrás ele quebrou o cambio e como sou eu mesmo quem faz todo o serviço nele fiquei muito admirado em ver que aos 175.000 km a embreagem estava em perfeitas condições! E agora com 203.000 km Retirei novamente o cambio para ver um vazamento, que pensei que era retentor, mas é na junta do Carter! E constatei que a embreagem ainda está perfeita! É por isso que eu digo trocar uma peça original de um carro desses que foi feito numa época em que qualidade era sinônimo de durabilidade e não preço é um crime! Eu ia trocar o rolamento da embreagem, mas quando coloquei o novo do lado do que veio no carro made in Germany que é todo de aço e a nova boa parte do corpo em plástico desisti na hora! Sei que o que veio vai rodar muito mais que o “novo” Ótima dica de examinar o desgaste antes de trocar o “Kit” Até o próprio manual de serviços de muitas montadoras fala do limite de uso de cada item e não do Kit! Até+.

    ResponderExcluir
  104. Assim como pastilha de freio só gasta quando se freia, disco de embreagem só gasta quando se faz a embreagem patinar, o que certamente você não faz. Parabéns!

    ResponderExcluir
  105. Olá Bob, desde já agradeço aqui essa excelente matéria! Tenho um Polo 2003, levei numa oficina visto que o pedal estava baixando, lá foi realizado a troca do kit de embreagem, após alguns dias, ao pisar no pedal da embreagem e permanecer pisando, estando no neutro ou engatado alguma marcha, faz um barulho de estalar (clac, clac, clac). Já levei de volta a oficina e o mecânico disse que era um problema de ajuste do cabo, segundo ele foi realizada e regulagem, na hora o barulho parou e após algum tempo voltou, o que poderia ser?

    ResponderExcluir
  106. O que pode ser quando a troca de marcha fica difícil depois de um tempo com o carro rodando? Parado no semáforo fica muito difícil engatar a 1ª e a ré faz aquele barulho arranhado que parece que nem estou pisando na embragem...é um 206 1.6. Se alguém puder me dar uma opinião, agradeço!

    ResponderExcluir
  107. O problema é no platô e/ou disco de embreagem. Esta não desacopla totalmente o motor do câmbio quando aquecida, causando a dificuldade de engate mencionada. É necessário substituir o conjunto de embreagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Bob! E não seria o caso de lavar o platô? Trocar o disco também? Vou deixar no mecânico hoje para dar uma olhada.

      Excluir
    2. Lavar o platô só resolve problema de dureza de acionamento. Trocar o disco, só se estiver empenado, mais grosso do que o especificado ou com as molas de cubo quebradas ou cansadas.

      Excluir
  108. ola gostaria de saber se posso so trocar o disco de embreagem ou tem que ser o kit completo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente que se pode trocar só o disco. Aqui desenvolveu-se erroneamente a cultura de só trocar o kit.

      Excluir
  109. Bom dia. Quando eu piso no pedal da embreagem e ele vai chegando no fundo, dá um estalo muito forte. parece que tá quebrando alguma coisa o que seria isso? Obrigado. O Mecânico me falou que tenho que trocar todo o Kit da embreagem. É isso mesmo?

    ResponderExcluir
  110. Ronnelllly
    Presumindo que a embreagem esteja funcionando bem, ou seja, ao arrancar não há trepidação e as trocas de marchas são feitas sem problema, inclusive ao engatar primeira ou ré estando o carro parado com motor ligado, esse estalo está relacionado ao comando dela, cabo ou pedal. Não é caro nem complicado consertar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, No começo era só o estalo muito forte, agora está ficando dura a embreagem, mas ainda não tenho dificuldade em trocar marchas. E iniciou a fazer um barulho constante de algo ralando. E outra coisa a embreagem do meu carro não tem cabo, é hidráulica. Obrigado

      Excluir
  111. boa noite bob tenho um palio g4 2008 esta tudo normal com a embreagem mas quando piso nela com o carro desligado faz um barulho no garfo como se estivesse pegando parece um estalo, falaram para mim que não é cabo, pois do palio a embreagem é hidráulica, alem quando pedal volta parece que esta segurando em algo me ajuda por favor .. agradeço

    ResponderExcluir
  112. Cara ninguém troca só uma peça hoje em dia, troque o kit e seja feliz

    ResponderExcluir
  113. Saumo
    Só desmontardo o conjunto de embreagem para examinar o que está acontecendo.
    Anônimo aí em cima: de modo algum é necessário trocar o conjunto. Isso é uma distorção do serviço mecânico atual.

    ResponderExcluir
  114. Boa noite Bob. Tenho um Honda Fit 2006 e a marcha está difícil de entrar, depois que o carro esquenta. Troquei cilindro mestre do pedal, platô, disco e o problema persiste. O que você acha que está acontecendo

    ResponderExcluir
  115. Boa tarde sr Bob, tenho um fiesta 1.6 2013 / 2014, o qual está vibrando muito na arrancada mesmo em baixa aceleração, gostaria muito de uma opinião sua antes de leva-lo a concessionária, pois ainda está na garantia. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  116. Tudo leva a crer que seja disco de embreagem empenado, porém a trepidação nesse caso ocorreria em qualquer aceleração (rotação). Tem certeza de que não está tentando arrancar com aceleração baixa demais? Nessa condição pode trepidar mesmo.

    ResponderExcluir
  117. muito boa a reportagem,em relação a embreagem quando ela estraga acho q ñ depende só da sorte vai muito das montadoras eu gosto muito da gm,pois eu sou instrutor prático e já trabalhei com o mesmo carro quase 05 anos e ñ tive problema com embreagem.
    dou aulas p habilitados em são paulo leste itaquera e região
    www.dirijaautocontrole.com

    ResponderExcluir
  118. Boa noite amigo!Tenho um punto hlx 1.8 8v 2007/2008,ao fazer o controle de embreagem ouço um barulho muito forte como se fosse o ringido de ferro com ferro quanto mais acelero e aciono a embreagem mais alto o barulho fica!Nas trocas normais de marchas não ocorre barulho algum!Gostaria de sua ajuda pois irei ao mecânico e gostaria de ter uma noção do problema!Desde já muito obrigado!Fico no aguardo de sua resposta!O carro está com 62.000km comprei usado com 46.000km!AT mais!

    ResponderExcluir
  119. Provavelmente o disco de embreagem está completamente gasto, não há mais o material de atrito numa das faces, daí o ruído de ferro com ferro. Exige desmontagem para verificar.

    ResponderExcluir
  120. Boa tarde Bob!Muito obrigado pela resposta!Sou leigo no assunto tenho outra duvida :Mesmo assim com o disco de embreagem completamente gasto se for o caso e claro ,as marchas passam normal?Pois andando normal não a problema, o ruído acontece no controle de embreagem,quanto maior o morro mais auto e o barulho! Muito Obrigado!

    ResponderExcluir
  121. Sim, quanto mais gasta a embreagem, maior a separação do motor do câmbio na hora de passar marchas, facilitando. Se você escuta o barulho quando sobe ladeira, é líquido e certo que a embreagem está patinando. Não demore a mandar fazer o serviço.

    ResponderExcluir
  122. ola, tenho uma caminhonete f1000 ano 97, a primeira marcha estava raspando, então eu mandei sangrar mas não adiantou, então eu troquei o 1 cilindro, mas continua raspando, eu tenho que trocar o de 2 cilindro, ou sera alguma outra coisa, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando,
      Deve ser problema na própria embreagem, isto é, platô ou disco.

      Excluir
  123. Bom dia. Meu celta está sem força, não sei se é embreagem ou acelerador, quando troco da primeira prá segunda o carro custa a embalar, a troca prá terceira acontece a mesma coisa. Não consigo passar de 60km/h.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 31/01/14 09:46
      Embreagem está patinando, gasta. Precisa ser substituída.

      Excluir
  124. Bob bom dia! Achei seu post fantástico! Encontrei-o, quando pesquisava sobre um problema que começou hoje com o carro da minha esposa, um Fiat Novo Uno Vivace 1.0. O carro está 40.000Km e começou a fazer um barulho, como se estivesse agarrando (chega a trepidar muito de leve), quando começa a sair da inércia. Depois da 3º marcha some ou não é possível perceber. Não entendo muito de carro, mas tenho a suspeita que é a embreagem

    ResponderExcluir
  125. Bob, Parabéns pelo Post. Sempre gostei muito de carros e hoje tento entender a mecânica de funcionamento deles. Tenho lido muito os Post sobre mecânica e recentemente tive um problema em uma viagem com a embreagem de meu carro, um novo palio 2012, com pouco mais de 21000km. O que aconteceu foi que o terminal do cabo da embreagem (o meu é com acionamento a cabo, parece que os mais novos são hidráulicos) simplesmente soltou do cabo, não apresentou nenhum sinal antes e também não aprensentar sinais de ruptura ou desfiamento. Eu tinha acabado fazer uma ultrapassagem, então quando fui trocar de macha e pisei na embreagem encontrei só vazio no pé (é bem esquisito quando acontece pela primeira vez...rs). Quando fui para uma oficina trocar o mecânico me falou que é normal (Como????) que isso acontecia. Fiquei pensando se isso é um problema que pode ser provocado por uso ou falha no produto mesmo, já pesquisei, li muita coisa e até encontrei outras pessoas reclamando do mesmo problema, mas não encontrei respostas, você pode entender o que aconteceu?

    ResponderExcluir
  126. tenho um opala 6 cc com caixa de 5 marchas diferencial dana e quando ta em ponto morto ta fazendo um barulho que so para quando aperto a embreagem pra engatar ,deixo o carro sempre aquecendo parado em ponto morto pode ter sido isso a causa do defeito?ja me falaram que e o rolamento do eixo primário que ta indo pro espaço,qual a dica amigo?

    ResponderExcluir
  127. fabinho
    Algum ruído que cessa ao apertar o pedal de embreagem é normal, especialmente com o óleo do câmbio bem quente. Deterioração dos rolamentos da árvore primária vai além disso que você está observando, há ruído com veículo rodando sob aceleração também. Outra causa provável é as molas de tranco no cubo de embreagem estarem cedidas, folgadas. De qualquer maneira, dependendo do nível de ruído, não é necessário fazer nada a respeito por enquanto.

    ResponderExcluir
  128. Bob, você falou sobre as molas de tranco, lembrei com saudosismo do meu "Golzinho" 1.6 com 32 mkgf, que era equipado com uma embreagem remanufaturada com especificação de 960lb. Quando eu o "voltei para o original", lembro que as molas estavam todas quebradas.

    ResponderExcluir
  129. Bob, só por curiosidade, quando eu aperto totalmente o pedal de embreagem e dou uma acelerada estou patinando a embreagem ou não há patinação nesse momento?

    ResponderExcluir
  130. Rafael
    Não há patinação, zero.

    ResponderExcluir
  131. Bob falei besteira...rs.
    O que eu queria saber mesmo e se algum erro de condução pode romper o cabo do acelerador?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael
      O cabo do acelerador não sofre praticamente nenhum esforço. Mas caso o pedal do acelerador chegue ao fim de curso do carburador ou corpo de válvula de aceleração (injeção) e o pedal ainda puder se movimentar no sentido de abrir, o cabo será muito forçado. O fim de curso do pedal tem de obrigatoriamente coincidir a posição toda aberta da borboleta de aceleração no carburador ou corpo de válvula. A regulagem para isso é fácil, no própria fixação do cabo ao braço no carburador ou corpo de válvula.

      Excluir
  132. Bob, meu C3 começou fazer um barulho irritante quando piso na embreagem (na verdade começou ontem), seja na troca de marchas ou no semáforo. Nesse caso bastaria trocar o rolamento e o problema seria resolvido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 25/02/14
      Basta trocar o rolamento de acionamento da embreagem.

      Excluir
  133. Bob, meu C3 ás vezes apresenta dificuldades no engate da marcha ré (parece que a marcha não entra), um amigo disse pra trocar o óleo do câmbio que o problema seria resolvido. Fui num mecânico e ele fez vários testes e disse que estava normal e que troca de óleo de câmbio só se fazia quando houvesse algum vazamento ou algo parecido. Fiquei na dúvida e não fiz nada e o problema continua. Vc poderia me ajudar dando alguma dica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 25/02/14 09:19
      É preciso descrever corretamente o que está acontecendo. Se for marcha não entrar, é problema de desregulagem da alavanca, fácil de resolver. Se não for essa a causa, então e problema interno do câmbio, é preciso desmontar para ver por que a ré não engata.
      Por outro lado, se for problema de marcha arranhar e por isso não entrar, o problema é na embreagem, que não está descoplando. Normalmente quando isso acontece o engate de 1ª fica duro, mas acaba engatando porque essa marcha é sincronizada. As causas de embreagem não desacoplar são pedal muito baixo (regular resolve), falta de curso do pedal devido a tapete limitando esse curso ou problema interno na própria embreagem. Nada disso tem qualquer relação com o óleo do câmbio.

      Excluir
  134. Bom dia... ontem o meu 207 deu pane total... todas as marchas estavam arranhando para entrar e depois fazendo um arranhado continuo com elas engatadas... somente a 5 não fazia barulho... depois ate a 5 engatada começou a sair e depois não entrou nenhuma... isso num intervalo de 2hrs... travou a s rodas e o carro não anda mais... como sou leigo gostaria da opniao de vocês... grato desde já...

    ResponderExcluir
  135. Meu fiesta 1.6 sedan ano 2005 flex esta raspando as marchas intermitente com o carro andando, ou seja, as vezes raspa e as vezes não com o carro parado todas as marchas entram sem raspar o que poderia ser o defeito o cambio ou a embreagem?

    ResponderExcluir
  136. Meu Fiesta 1.6 sedan ano 2005 flex esta raspando as marchas intermitente com o carro andando, ou seja, as vezes raspa e as vezes não com o carro parado todas as marchas entram sem raspar o que poderia ser o defeito o cambio ou a embreagem?

    ResponderExcluir
  137. Juvenal Antena10/03/14 09:42

    Bob, pode ser o problema naquela pecinha, comum neste modelo de Fiesta, principalmente quando o motorista se acha piloto... rs

    ResponderExcluir
  138. Boa noite Bob! Tenho uma Palio Adventure 06/07 que me disseram não possuir cabo de embreagem por ela ser hidráulica. O problema que ocorre no veículo algumas vezes é que o pedal de embreagem trava bem baixo(no final) e o cambio não se desloca de maneira alguma, ou seja, também trava. Na primeira vez que aconteceu o carro morreu e achei que tivesse perdido a embreagem. Antes de ligar para um reboque o que fiz foi puxar o pedal com a mão. Fiquei surpreso pois ele voltou para o lugar com facilidade e o cambio também destravou. Agora quando acontece o que faço é desligar o carro e puxá-lo com o pé, fazendo voltar ao normal. Fui a um mecânico e ele disse que provavelmente é o Atuador do pedal que faz ele travar. Gostaria de uma ajuda para tentar esclarecer o problema pois preciso resolver o mais rápido possível afim de evitar que prejudique outros componentes. . Desde já agradeço pela atenção. Abraço, Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faltou acrescentar: 65.000 km. Acontece na maioria das vezes quando estou estacionando em marcha ré e na segunda marcha.

      Excluir
  139. bob, twnho palio 2008 quando eu engato a marcha ré ele da uns solavancos, e um tipo de grilado,o que pode ser plato?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Citroparts autopeças
      Procure descrever tudo com mais detalhes, não deu para entender o que está acontecendo.

      Excluir
  140. Bob, tenho um palio 2008 e quando engato a ré ele dá uns trancos ,geralmente quando o carro esta parado em ruas com aclive ou declive pode ser o palto de embreagem

    ResponderExcluir
  141. Continuo sem entender o que você está reclamando. Sinto muito.

    ResponderExcluir
  142. Boa tarde Bob! Tem alguma ideia do meu problema postado no dia 10 de março. Agradeço.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu Alves
      Não tenho idéia, uma vez que defeito de embreagem nunca pode fazer o câmbio travar, são conjuntos distintos. É preciso levar o carro ao mecânico para um diagnóstico.

      Excluir
  143. bom dia,Bob,
    eu tenho um palio 2008 o problema dele é que quando eu engato a marcha ré e tiro o pé do pedal de embreagem ele começa a tipo a dar uns trancos e fazer um barulho de grilado,e pior quando o carro está parado em uma subida e preciso dar ré eu faz um barulho de grilado maior tipo como se tivesse patinando algo.

    ResponderExcluir
  144. Boa noite Bob.

    E tenho um Passat TS 81/82, em uma tarde após andar cerca de 10 km a ré não engatava para manobrar, estacionei em uma vaga entrando por outra, depois de 1 hora quando sai funcionou.

    Outro dia peguei transito intenso por cerca de 1 hora, muito congestionado, cheguei no estacionamento a ré não engatava, forcei tanto que quebrei a junta bi partida que liga no trambulador.

    Troquei o trambulador e o problema persistiu, mais algumas vezes, a haste do trambulador acabava se soltando, sempre na mesma situação, estacionar de ré após o transito intenso, tive que ir para baixo do carro e recolocar a haste nestas ocasiões...

    Hoje foi diferente, após o transito infernal de sempre cheguei no estacionamento e não consegui engatar a ré, estacionei de frente só para garantir, e fiz de tudo e a ré não entrou, mas desta vez não soltou a haste pois na ultima vez a prendi no trambulador com cintas hellermann...

    Tenho algumas duvidas, pois eu acho que estava tentando consertar a consequencia colateral do problema tentando melhorar e regular o trambulador...

    1- Será que o cabo da embreagem poderia apresentar este defeito por ficar muito tempo com o pedal no fundo para não esquentar a embreagem?

    2- Mesmo eu sempre tomando esta medida anterior, será que mesmo assim a embreagem super aqueceria?

    3- Será que isso tudo é porque as vezes eu patino em 2ª para não reduzir à 1ª, ou por não aliviar o pedal em acelerações com trocas de marcha?

    Se fosse o caso 3 seria uma cois aengraçada pois quando faço isso é pq o transito esta fluindo.. E nestes casos a minha ré funciona quando chego no destino...

    Obrigado

    ResponderExcluir
  145. Paulo
    O único sintoma de problema de embreagem que impedisse o engate da ré seria um arranhar forte. Parece-me que não é o caso, ou você o teria relatado. Por outro lado, se está soltando haste do trambulador, por fazer força, o problema só poder ser no câmbio. Desconfio que há algum problema no pino de interbloqueio da ré, que estaria prendendo e não deixando a haste do garfo de ré se movimentar (esse pino todo câmbio tem e serve para impedir o engate de duas marchas simultaneamente).

    ResponderExcluir
  146. olá tenho uma montana 2010 1.4 com um problema bem estanho, troquei a embreagem e agora quando o motor aquece a embreagem não está acionando o retorno hidráulico do pedal, já troquei o atuador do pedal, e ela está tendo um atraso de retorno, parece que a mola do platô está fraca, a embreagem é nova o que pode ser??

    ResponderExcluir
  147. Bob, gostaria que me ajudasse com uma dúvida, comprei um Focus 2011 com 70.000km e ele trepida um pouco na saída em 1a, mas o que é mais curioso é que a trepidação ocorre somente depois que o carro já esquentou, quando frio não trepida. Vi que quando o disco tá com problema o carro trepida frio e normaliza ou melhora depois de esquentar. O que acha q pode ser? Pensei em coxim do motor ou câmbio, sei que o do motor trabalha com óleo interno e talvez depois de aquecido esteja apresentando essa vibração...Como faço pra testar os coxins? Obrigado e parabéns! Alex

    ResponderExcluir
  148. An, 17/04/14
    Não há essa lógica frio/quente, depende de como o disco altera sua forma com a mudança de temperatura. Pode ficar bom quente e vice-versa. Pode ser também um pouco de óleo no disco, vazamento do motor ou do câmbio. Nesses casos, só desmontando para analisar. Coxins, nunca examinei nenhum, mas basicamente é examinar sua integridade, verificar eventual fuga de óleo.

    ResponderExcluir
  149. Bob, vc acha que a troca apenas do disco pode resolver o problema? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 17/04/14 21:41
      Não tenho certeza. O que recomendo é deixar como está e ver se a trepidação cresce.

      Excluir
    2. Ok...vou deixar como está e observar...obrigado!

      Excluir
  150. bom dia
    tenho um palio fire flex 2006 e o pedal da embreagem ficou mais mole, porém não há problema de passar marcha nem ruído. será que pode dar algum problema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 24/04/14 11:47
      Mau sinal, indica que a mola do platô está mais fraca. A conseqüência provável é a embreagem patinar, portanto fique atento se isso vier a acontecer ou se já está acontecendo.

      Excluir
  151. Boa noite!
    Meu nome é Wellington Cesar, tenho uma Palio Week Adventure 2005. Logo que eu a comprei, tive que voltar na concessionário no mesmo mês, pois, em segunda marcha, o carro não embalava e patinava. Segundo a concessionária, o kit inteiro de embreagem foi trocado. Em Janeiro desse ano, troquei o óleo e peguei a estrada, entretanto, depois de ter rodado bastante e com o carro super quente, assim que parei na balsa, o pedalo da embreagem ficou completamente mole, não entrava a primeira marcha, mesmo depois que o carro esfriou. Levei ao mecânico, o mesmo me informou que apenas substituiu o óleo e que poderia ser apenas entrada de ar na primeira troca. Rodei com o carro e no inicio de abril, percebi que o pedalo da embreagem voltou a ficar baixo, como ando com o carro, tenho o ponto certo, tanto para sair com o carro ou para segurá-lo na subida e agora, basta eu soltar um pouco o pedalo que o carro já começa a tremer pra sair e o pior, muitas vezes, o pedalo volta a ficar mole e a primeira não entra, acontece tbm quando passo em bastante trepidações como quebra mola e preciso ficar bombando para voltar, mesmo assim, para engatar a ré, engasga muito, mesmo com o pedalo afundado...
    Será que esse é um problema de fábrica, já que a embreagem não tem mais de 2 anos e saio pouco, ou será que terei que trocar novamente o kit completo?

    ResponderExcluir
  152. Vc q tá merecendo um pedalo segurando o carro na embreagem!

    ResponderExcluir
  153. ola,tenho um palio elx 1.4,ao arrancar com o motor frio ele tripida muito,ai depois de andar um pouco para de vibrar ao arrancar,chega vibrar o carro inteiro,ja levei na oficina mas quando chega la o problema some,o que pode ser...obrigado

    ResponderExcluir
  154. Boa noite, andei lendo alguns post mas não cheguei a uma conclusão ,recentemente comprei um logan 1.0 2008 notei que ao acionar o pedal da embreagem escuto um barulho tipo ¨ ohmmm¨ dificil de definir porém ao tirar o pé volta ao normal, tenho uma pequena dificuldade na Ré e o pedal esta um pouco alto.

    ResponderExcluir
  155. Anônimo 18/06/14 02:03
    O ruído citado provém do rolamento de acionamento da embreagem. Para eliminá-lo, só substituindo-o.
    Qual é especificamente a dificuldade de engatar a ré? O que acontece? 'É de seleção ou de engate propriamente dito?
    O pedal um pouco alto, é estar mais alto que o do freio ou é porque está acoplando muito em cima?

    ResponderExcluir
  156. Primeiramente Bob Sharp obrigado pela resposta, acredito que seja realmente o rolamento quanto a dificuldade de engatar a ré acontece raramente mas geralmente acontece na 1º tentativa pois devido a minha garagem saio sempre utilizando a mesma e geralmente ele apresenta resistência mas como disse é contornavel.

    ResponderExcluir
  157. B dia...Bob tenho um Polo 2007 e quando o motor está quente aparece um rangido ao acionar o pedal, já troquei o atuador de embreagem junto a caixa e lubrifiquei bem o pedal e nada o que poderia ser já que quando está com o motor frio não faz ruído algum!

    ResponderExcluir
  158. tenho um fiesta 2011 piso na embreagem mais a macha nao entra troquei o atuador mais quando vai sangrar fica cheio de ar e a marcha nao entra

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...