15 de maio de 2011

OS TRANCOS DAS CAIXAS ROBOTIZADAS NÃO ESTÃO NO FUNCIONAMENTO

Uma breve apresentação do novo colaborador deste blog

Leitor do AUTOentusiastas desde seus primeiros dias, com alguns colaboradores, criei identidade imediata com os temas. Mais ainda, virou visita diária, mais de uma vez ao dia.

Foi então que passei a me perguntar, se também sou do setor automobilístico, apaixonado por carros idem, se redigir seria um exercício cuja satisfação mais que compensaria horas de pesquisa e dedicação a comunicar minhas paixões e pontos de vista, por que não criar meu próprio blog? Ou, melhor, por que não passar a colaborar com o AE?

Fiz minha proposta ao grupo, falaria um pouco de mercado e consumidores, assuntos onde navego com mais familiaridade, abordaria estratégias bem e malsucedidas dos vários atores do setor automobilístico. Um, dois, três exercícios de postagem e, pimba! Cá estou eu, me comprometo a manter frequência e alinhamento com o perfil editorial do AE e, principalmente, falar daquilo que os leitores do AE mais apreciam, carros.

Vamos lá, será um enorme prazer fazer parte dessa equipe!

Obrigado AE, espero agradar aos leitores.
Marco Aurélio Strassen

Vamos agora ao meu primeiro post.


Acompanho com especial interesse a evolução das caixas robotizadas desde seu lançamento no mercado brasileiro no final de 2007. A GM saiu na frente com a Meriva Easytronic, seguida da Fiat com o Stilo Dualogic e da VW, com o Polo I-Motion. Nos meses que se seguiram, a Fiat estendeu o sistema à família Palio (Siena, Weekend e Strada), Idea, Punto, Linea e ao recém-lançado Bravo; a VW desenvolveu mais versões com I-Motion para Gol, Voyage, Fox e SpaceFox. Em todos eles, escolher a “caixa que faz as trocas sozinha” está entre R$ 2.500 e R$ 3.000.

A Fiat e o seu sistema Dualogic


A proposta foi, é e segue sendo interessante, ao oferecer opção de trocas de marchas automáticas a veículos cujo preço parte de cerca de 40 mil reais, permitem acesso a compradores que nunca haviam experimentado dirigir sem pisar na embreagem, um conforto cada vez mais desejável nas metrópoles sempre mais congestionadas, de um país que despeja nas ruas mais de 3,5 milhões de veículos todo ano.

O sistema de atuação é eletro-hidráulico no caso da Fiat e da VW (Magneti Marelli) e elétrico no Meriva (Schaeffler-LuK), mas cada casa de engenharia colocou sua turma para trabalhar no desenvolvimento da calibração do sistema ao gosto de seus clientes e a foram refinando ao longo do tempo, encurtando o tempo das trocas, ao mesmo tempo em que as suavizavam. 


O Easytronic da Meriva foi o primeiro robotizado

Se as queixas dos trancos nas trocas eram comuns em 2008, mais em uns que em outros, os lançamentos mais recentes vêm colhendo elogios, de tal maneira que balançar cabeça para frente e para trás está ficando coisa do passado. Ponto para a Fiat e a VW por ocuparem suas engenharias do produto em trazer soluções que atendam os desejos dos compradores. Mas ainda há bom espaço a desenvolver, é certo veremos mais evolução adiante.

Meu trabalho me faz andar muito de táxi, seja deslocamentos até aeroportos em várias cidades do país, seja em São Paulo. Aproveito-me de minha curiosidade e costumo puxar papo com os motoristas e colher suas experiências com os mais variados veículos que empregam para seu dia a dia.

O emblema da Meriva Easytronic

Essas “entrevistas” já renderam pareceres os mais variados sobre gás natural, conversões não oficiais e oficiais, qualidade deste combustível, como ele afeta a durabilidade dos motores, como eles enxergam a “qualidade japa”, melhor carro para frota, para cada cidade etc.

Quase nenhum deles se atreveu a converter um Honda ou Toyota ao gás, essa foi uma das experiências que mais me intrigou, como se fosse uma admiração e respeito ao fabricante, não só o temor de perder a garantia, mas fazer com que carros inquebráveis se tornassem quebráveis.


Traseira do Polo I-Motion

Também faço visitas à Alemanha, menos frequentes que às cidades brasileiras, mas já cheguei a ir quatro vezes ao ano, por anos seguidos. Lá ouvi falar muito bem de Toyotas diesel, de motoristas que haviam trocado seus Mercedes por eles; muito mal de alguns sistemas dos diesel, como durabilidade de válvulas EGR (exhaust gas recirculation, recirculação dos gases de escapamento), resfriadores de EGR; quantos xingavam o custo de reposição destes sistemas que estavam arruinando suas economias!

Eles sabiam se tratar de exigências dos novos tempos, de motores de emissões limpas, mas por que sacrificar o usuário com custos exorbitantes de manutenção, que nunca haviam experimentado? Um resfriador de EGR de Opel Vectra/Insignia não saía por menos de 700 euros, este item inexistia na geração anterior. Era entender dos motoristas de táxi que esses componentes deveriam ter a vida útil do motor ou do carro, no que estavam cobertos de razão. Enfim, uma lista de conversas, que fica para outra oportunidade.

Não foi diferente ao colher impressões dos taxistas brasileiros sobre esses câmbios robotizados, lembrando que eles rodam quase exclusivamente em tráfego urbano, muitos chegam a mais de 50 mil quilômetros/ano, são quase um laboratório de durabilidade acelerada, e os fabricantes sabem disso.

Podem muitos carecer de conhecimentos técnicos mínimos, de fazer uso incorreto de um ou outro sistema, mas seguramente há nesse meio uma quantidade incrível de experiências úteis e interessantes a serem aproveitadas. Aqui e em qualquer cidade do mundo.

Dos vários comentários e queixas que ouvi, a durabilidade menor do conjunto de embreagem foi o que mais me chamou a atenção. O esperado era que ele durasse mais, pois se elimina o efeito de certos vícios comuns dos motoristas, como andar com o pé esquerdo apoiado no pedal da embreagem, não existe queimar embreagem em saídas em rampas ou de farol, realmente foi inesperado.

O quadrante do Polo I-Motion

Alguns motoristas de Meriva já haviam trocado duas vezes o conjunto antes dos 100 mil quilômetros, outros, de SpaceFox, diziam-se satisfeitos com o conforto, mas preocupados com o custo de manutenção e que pensavam em substituir seu veículo por outro de mesma marca e modelo, porém sem a troca robotizada.

Outro comentário que me despertou a atenção foi o custo da troca do sistema. Numa embreagem normal gasta-se 40 por cento do que se gasta nas robotizadas. Alerta vermelho: quem faz a troca hoje são as concessionárias, que chegam a cobrar 5 mil reais, uma exorbitância considerando que o atrativo da caixa robotizada é justamente seu custo reduzido quando comparado com um automático normal.

O raciocínio é em vez de comprar um carro e pagar 5 mil reais pela opção automática tradicional, paga-se metade, mas o sistema dura 30% do que deveria e o taxista deixa a outra metade, ou mais do que isso, no reparo.

Se VW, Fiat e GM não despertarem e agirem na sua rede com rapidez e objetividade, estarão criando uma enorme ameaça ao produto que eles mesmos trouxeram ao mercado como uma inovação econômica e confortável para os seus clientes.

Um serviço de embreagem de caixa robotizada deveria custar o preço de uma embreagem normal, mais o custo do reparo dos atuadores hidráulicos e seus periféricos, nunca duas a três vezes mais num sistema que tem durado menos. Que o digam os motoristas profissionais.

Seria bom que as fábricas resolvessem essa questão antes que a notícia se espalhe pelos mais de 150 mil usuários novos por ano. Para não darem um tiro no pé.

MAS

62 comentários:

  1. Seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  2. Dou-lhe minhas boas vindas à equipe do AE.

    Sobre caixas de transmissão com trocas robotizadas, sua "pesquisa de campo" veio ao encontro de um receio que eu tinha justamente sobre essa novidade: custo de manutenção elevado.

    Infelizmente, aqui nesta terrinha as coisas são sempre assim: quem for pioneiro em optar por qualquer novidade tecnológica que seja, será penalizado com custos abusivos, muito acima do que o bom senso recomenda. E depois o pessoal vem com as desculpas esfarrapadas de que é caro agora, depois, com a massificação, o preço diminui. Isso tem um fundo de verdade, mas em se tratando de Brasil, isso não se aplica totalmente, é lucro fácil mesmo que todos procuram...

    ResponderExcluir
  3. Comentários inteligentes são sempre bem vindos. Debater faz parte. Boa sorte e bons textos. Estarei lendo-os.

    ResponderExcluir
  4. Seja bem vindo. Começou bem. Esse é o grande problema por aqui. Custo de reposição absurdo e, uma demora injustificavel de peças de repposição. Já pagamos bem caro pelas carroças tupiniquins? e alienigenas mas o pessoal do marketing parece não se dar conta de que sucesso de vendas tem muito mais a ver com publicidade boca a boca do que a exibição de um monte de gostosas e garotões sarados...
    O carro da minha mulher (fiesta 2008) não passou no Controlar pq a luz da injeção vive em curto e durante o exame pelos "incríveis" técnicos, que tudo sabem e tudo vêem, entenderam que o motor está com defeito, apesar dos resultados do teste. O diabo é que ninguém resolve. A proposta mais descarada que ouvi numa autorizada foi : "melhor trocar tudo por um novo"..
    Alguma ssugestão ?

    ResponderExcluir
  5. Então levem no Jairo, mecânico do Bairro Campina, em São Leopoldo-RS, que ele troca uma caixa dessas e sua respectiva embreagem por R$ 300 de mão-de-obra, no máximo, e se muito.

    ResponderExcluir
  6. MAS, Seja bem vindo!

    Importante lembrar o fiasco da Chevrolet com a Easytronic, parece que está sendo mais barato para os motoristas trocarem a caixa robotizada pela manual do que fazer as manutenções. Fora as peças do conjunto que se desgastam em excesso.

    abs.

    ResponderExcluir
  7. Road Runner,

    Obrigado pelos comentários,
    Que a massificacao ajuda a baixar custos, sabemos, fato, mas aplicável a produção, em venda de serviços, esta mais com jeito de oportunismo, dai o alerta aos fabricantes, eles tem meios de tratar com sua rede de forma suficiente a evitar praticas do gênero, basta acionar sua turma, os consumidores sairão ganhando.

    MAS

    ResponderExcluir
  8. regi nat rock,

    Essa é novidade para mim. Quer dizer que se a luz da injeção estiver acesa o carro é reprovado pela Controlar? Caramba! Esses caras são bons mesmo, hein? Descobrem defeitos inimagináveis para um simples mortal... E o defeito é tão grave, mas tão grave mesmo, que sequer afeta os índices de emissão do veículo!

    Estamos mesmo ferrados nesta terrinha tupiniquim...

    Sei que é desgastante, mas o segredo é ficar pentelhando a Ford até o último. Experimente entrar em contato com a ouvidoria, costuma ajudar bastante (já descasquei vários pepinos via ouvidoria das empresas).

    ResponderExcluir
  9. regi nat rock
    Os SAC raramente resolvem alguma coisa. Mande e-mail para dirford@ford.com ou mande carta registrada ou telegrama para Ford Motor Company Brasil, aos cuidados Diretoria, Av. do Taboão,899, São Pernardo do Campo, SP, 09655, Caixa Postal Interna 9308.

    ResponderExcluir
  10. Marco Aurélio,

    seja bem vindo!
    Infelizmente o Brasil se tornou o país onde a picaretagem corre solta. Picaretagens como essa das concessionárias inviabilizam todo um trabalho sério da engenharia das fábricas.
    Realmente, cabe às fábricas dar um cata nessa turma.
    Seu alerta é muito oportuno.
    Mande bala!

    ResponderExcluir
  11. Marco,

    bem-vindo ao blog, ótimo post!

    ResponderExcluir
  12. Regi Nat Rock,

    Que tal arrumar a luz da injeção? Será que é necessário mesmo envolver a direção da Ford por causa de uma luz de injeção que acende sem motivo (coisa muito comum hoje em dia) ???? Se a autorizada não resolve o seu problema, o que não falta são oficinas especializadas em injeção. Abraço.
    Boss.

    ResponderExcluir
  13. Strassen,

    Bem vindo e já iniciou com.......... um EXCELENTE POST.

    Em Resumo, disse isso aqui abaixo ?

    1- Embreagens do câmbio tipo Dualogic e I-Motion estão durando menos( segundo os donos dos carros) que as operadas pelo motorista ,apesar de terem melhorado no aspecto trancos.

    2-O preço de troca do sistema com desgaste por uso, é absurdo.

    Pronto : disse o que todo mundo estava esperando alguém dizer, parabéns

    Pergunta( fácil de responder agora): porque a Saveiro não oferece a opção I-Motion

    ResponderExcluir
  14. Só queria saber se a cada troca do kit de embreagem também é necessária reparação nos atuadores. Isto está parecendo mais é "empurroterapia", bem comum em concessionárias.

    ResponderExcluir
  15. Obrigadão Road Runner e Bob.
    Vou pentelhar a Ford, sim.
    E ao Boss, informo que fui em 4 oficinas especializadas em painel e todas informaram que tem uma placa eletronica, ou coisa que o valha, que provavelmente é a responsável pelo acende apaga do painel. Interessante é que, quando a luz da injeção acende (e não apaga de jeito nenhum), o velocimetro para de funcionar e a trava automatica das portas também fica inoperante. O resto funciona sem problemas. Meu meca, que vive fazendo cursos de atualização desistiu. Disse que não sabe pq ora funciona, ora não. Inexplicável eu diria, pois ou funciona, ou não, já que é uma peça elétro/eletrônica. Auto conserto?? uruca? parece piada. O carro é bom para a sua classe, mas esse "defeito", dá nos nervos, afinal, não compromete em absolutamente nada. Até minha mulher aprendeu a calcular a velocidade só pelo conta giros... Na papeleta da Controlar, está escrito : "defeitos encontrados na inspeção visual -Lâmpada (LIM) indicando funcionamento irregular do motor"
    e, em negrito: VEICULO REPROVADO.
    Ë isso aí. Viva o Brasilililil

    ResponderExcluir
  16. Bem vindo MAS.

    Começou bem....

    ResponderExcluir
  17. Anônimo,
    Não posso responder em nome da VW do por que não oferecerem essa opção na Saveiro, porém presumo que a proposta desse veiculo seja menos compatível com a das roboztizadas.

    MAS

    ResponderExcluir
  18. A questão de uma automatizada requerer mais trocas do conjunto de embreagem é totalmente aceitável, já que para a mesma possa se comportar o mais semelhante possível à um câmbio automático convencional, ela realmente dá uma "queimada" propositalmente, a fim de não gerar os tão mal falados trancos. É um "cobertor de pobre". Ou você oferece mais suavidade nas trocas, ao custo de gastar embreagem, ou você oferece trocas mais brutas, ao custo de insatisfação do cliente. É um sistema burro, nunca terá feeling necessário para as trocas, e arrancadas (principalmente em subidas)

    ResponderExcluir
  19. MAS;

    Parabéns pelo inicio! Muito bom tema!

    Um grande Abraço

    ResponderExcluir
  20. Marco Aurélio, um triplo parabéns pra você: pela estréia no AE, pela escolha do tema, e pela clareza em sua exposição.

    Um abraço,
    Paulo Levi - Blog Adverdriving (www.adverdriving.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  21. Ewerton, Regi Nat Rock, Mrlon José, AK, Palandi, Pisca, Daniel Shinomoto e Paulo Levi, meu muito obrigado pela acolhedora boas vindas.

    MAS

    ResponderExcluir
  22. SEJA BEM VINDO MARCO, ESSE SEU TESTE
    DE CAMPO É BEM INTERESSANTE, VALEU.

    ResponderExcluir
  23. Ivan,
    Desculpe, mas o sistema robotizado não ocasiona patinagem de embreagem adicional alguma. Há, sim, muita gente segurando o carro na subida no motor. Leva um tempo até que apareça o aviso no painel de embreagem superaquecida. Enquanto isso o disco está gastando.

    ResponderExcluir
  24. Marco Aurélio;

    Agora voltando ao tema...Taxistas rendem papos engraçados sobre autos! O ultimo Taxi que peguei em São Paulo foi uma Zafira (acho que 2004 - não era flexivel) e tinha nada menos que 540 mil km originais (sem retifica de motor) na mão de seu unico dono!

    E sobre as caixas automatizadas, escutei desse mesmo publico (taxistas) que alguns proprietários de Meriva Easytronic simplesmente estavam trocando as caixas automatizadas por outras mecanicas mesmo, compradas em desmanches, dado o alto custo de manutenção.

    Um conhecido meu, também taxista, proprietário também de uma Meriva, estava extremamente preocupado com seu carro, que no seu ver, estava perdendo a confiabilidade. Depois de uma falha no sistema de trocas automatizadas, levou seu carro ao concessionário que simplesmente "resetou" sua Meriva, desligando o chicote da bateria e unindo os polos por meia hora. Foi o suficiente para o veiculo voltar ao normal.

    ResponderExcluir
  25. Bob, então acredito ter interpretado mal o artigo do Milton Belli, aqui mesmo no AE. "Automatizados: iguais mas tão diferentes".

    http://autoentusiastas.blogspot.com/2011/04/automatizados-iguais-mas-tao-diferentes.html

    O Easytronic deixa o Meriva com jeito de carro automático. A alavanca é muito similar a do Idea, mas ao selecionar a posição Drive e soltar o freio, o carro movimenta-se lentamente, por definição da GM, como ocorre em um carro automático tradicional. É o chamado avanço lento, creeping em inglês. Este é o primeiro indício do caráter do Easytronic.

    Em condução normal, o sistema prevalece para a sensação de um carro automático. As marchas são mais exigidas (o famoso "esticar a marcha"), e a embreagem comandada pelo computador patina mais que no Idea, como se fosse o conversor de torque trabalhando.


    Fiquei confuso ;~

    ResponderExcluir
  26. Marco Aurélio,

    Bem-vindo.

    O consumidor foi enganado. Venderam a ideia de menor custo e maior durabilidade, mas a realidade é essa que você descreveu.

    No post do Bob sobre o A1, coloquei a questão da manutenção dos câmbios de dupla embreagem. No caso do A1, os discos funcionam a seco. É claro que aquele carro está noutro nível... mas imagina se tiver que trocar os discos!

    Em resumo, será que o melhor não é aperfeiçoar o automático tradicional?

    ResponderExcluir
  27. Minerim,
    Conceitualmente, a caixa robotizada deveria propiciar maior durabilidade do conjunto de embreagem, acompanho esse tema há mais de dez anos, quando a Eaton teve iniciativa de oferecer sistema semelhante aos caminhões da VW.
    Entendo as primeiras experiências que coletamos, mostraram o contrário, nos automóveis de passageiros, evidentemente seria necessário um levantamento estatístico e de campo mais preciso, seguido de análises técnicas, para poder tecer conclusões melhores.
    Até arrisco dizer que o 'creeping' da caixa GM pode ser um dos fatores que respondem pela durabilidade menor apontada pelos taxistas entrevistados, mas conclusões seguras só com estudo de campo.
    Agora custo de reparo, é mais fácil de levantar e isso os fabricantes podem agir de imediato.

    MAS

    ResponderExcluir
  28. Marcelo Augusto15/05/11 20:18

    Fazendo uma busca na internet, o descontentamento com a Meriva automatizada é geral. Fora o desgaste prematuro de embreagem, há várias queixas de mal funcionamento que inviabilizam o uso do carro. E o pior, lavam até mais de um mês para fazerem um reparo.

    ResponderExcluir
  29. Já dirigi alguns desses automatizados (GM e Fiat) e achei uma grande porcaria, o pior de dois mundos, eu diria. Nada como a suavidade e fluidez de um câmbio automático verdadeiro, com um bom conversor de torque.

    ResponderExcluir
  30. E se essas caixas ainda duram menos e custam mais para reparar, então aí que não compensa mesmo. Não trocaria meu automático de verdade por uma gambiarra dessas jamais.

    ResponderExcluir
  31. Rodrigo Barreto15/05/11 21:06

    Eu também costumo usar essas conversas com taxistas pra me inteirar sobre alguns carros muito comuns na praça. Numa dessas fiquei sabendo que entre os taxistas do Rio a Meriva é conhecida como "Melivra" porque além do custo com o sistema easytronic ainda há problemas crônicos com a caixa de direção.

    Excelente o tópico! Parabéns ao autor! Seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  32. Mais uma vez as fábricas gastam uma fortuna com a engenharia de produtos que as concessionárias queimam por ir com muita sede ao pote... Que o diga o caso dos motores 16V, de "manutençãso cara". Acho muito interessante os sistemas robotizados mas hoje não compraria um carro assim por causa do pós-venda. A embreagem se bem utilizada deve durar no mínimo 100 mil km ou mais. Talvez o creeping mal utilizado esteja causando o desgaste prematuro das embreagens Easytronic. Nas caixas Aisin usadas pela GM há o controle de neutro, que coloca o carro em ponto morto em paradas mais longas. Conheço um usuário de Vectra 2.4 automático que sempre coloca o carro em N ao parar nos semáforos...

    ResponderExcluir
  33. E esqueci de dar as boas vindas ao novo colunista. O blog continua mantendo o alto nível!

    ResponderExcluir
  34. Essas caixas automatizadas, cheias de atuadores elétricos ou hidráulicos, me lembram os carburadores eletrônicos da Autolatina: tá na cara que o sistema não vai durar muito tempo. É algo muito complexo para automatizar um equipamento que foi projeto para acionamento mecânico. Os taxistas, mecânicos (um, amigo meu, disse que mais de um cliente já trocou a caixa automatizada pela "manual") e fóruns de internet estão aí para comprovar.

    ResponderExcluir
  35. Seja muito bem vindo MAS!

    Ótimo post inaugural; assunto bastante pertinente.


    http://meuamigodelata.blogspot.com/2010/10/entre-dualogig-e-i-motion-ponto.html

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  36. Tive uma easytronic. Fui fazer revisão preventiva e, por curiosidade, perguntei quanto custava a troca da embreagem: mais de 2.000 reais - isso se tudo estivesse OK e só rpecisasse trocar disco e platô. Um mês de pois vendi o carro: hoje tenho um automático de verdade. Carro automatizado só é vantagem financeira para a fábrica, fora o desconforto. Na primeira troca de embregam: tchau vantagem.

    ResponderExcluir
  37. Parabéns pelo post inicial, pelo texto bem explicativo e elucidativo e pela fina ironia do título. Sem dúvida o maior tranco desse sistema automatizado é nos bolsos de quem fizer a manutenção no veículo.

    Xracer

    ResponderExcluir
  38. Talvez a Chrysler ensine a Fiat a fazer câmbios AT de verdade.

    ResponderExcluir
  39. Aléssio Marinho16/05/11 11:44

    MAS,

    Seja bem vindo ao AE! É sempre bom contar com mais um ponto de vista.

    Quanto ao Easytronic, quando comprei a da patroa, pensei justamente na facilidade de manutenção. Precisa trocar a embreagem? Leva no Katasho e troca. Deu problema? Tira os atuadores e põe uma alavanca normal.
    Simples assim. E sem nenhuma dificuldade.
    Mas até isso acontecer, o carro já trocou de dono...

    ResponderExcluir
  40. Boa MAS! Chegou "metendo o pé na porta!" No bom sentido, é claro. Seja bem vindo!

    Na minha última aquisição, cheguei a pensar no Polo IMotion, acabei optando por um E-Flex, tecnologia esta que até agora não deu nenhum problema e entende-se que seja algo que não dê manutenção. Agora tenho mais certeza de ter acertado na escolha.

    Mas penso que não cabe dizer que "o sistema é burro", até o R8 utiliza caixa automatizada, apesar que o carro que testei, acendeu uma advertência sobre o câmbio, vai saber, né...

    Sds

    ResponderExcluir
  41. Velho, mas limpinho16/05/11 18:40

    Bem vindo MAS.

    Ótimo post inaugural e excelente a maneira como tratou o assunto.

    Abs

    ResponderExcluir
  42. Sandoval Quaresma17/05/11 08:16

    não me admiram os relatos das trocas de embreagem da Meriva Easytronic. a empresa onde trabalho possui vários veículos desse na sua frota e chega a incomodar o funcionamento calibrado para se assemelhar a um automático convencional. qualquer arrancada da imobilidade, por mais leve que seja, leva o motor a mais de 2000rpm, dando aquela patinada. quando entra a quarta marcha, surpreende outra queimada de 60 a 80km/h, como se fosse uma simulação de conversor de torque. é perceptível até para o mais inexperiente dos inexperientes que esse sistema "come" embreagem.

    ResponderExcluir
  43. Os taxistas nao querem nem ver esse easytronic. Tem gente até trocando pelo cambio manual.

    Você esta certo, estão queimando o mercado que eles mesmos inauguraram. E já nao é a primeira vez, pois fizeram a mesma coisa com os pequenos motores 16V muito mais potentes que os 8V. Deram um jeito de matar a potência em baixas rotações desses motores e diversos defeitos que inauguraram acabaram por micar esse motor entre os pequenos.

    O fato é que essas engenharias na prática são bem piores do que no papel.
    Como pode ter passado batido esse defeito tao grande do meriva em comer embreagem?!?!?!

    ResponderExcluir
  44. Sandoval e Anônimo, nosso alerta foi para os fabricantes acionarem seu pós-vendas quanto ao preço que os concessionários estão praticando, deve ser razoável (não uma exorbitância de várias vezes o preço de um sistema manual) nos reparos e também que revejam o aspecto durabilidade, esta tem de se confirmar igual ou superior ao sistema manual.
    Os relatos de diversos fóruns apontam algo errado, mas não temos condições de avaliar estatisticamente, coisa que a rede tem total capacidade.

    MAS

    ResponderExcluir
  45. mto boa a reportagem, parabens...
    mas sera que alguem pode me explicar POR QUE CARGAS DAGUA AS MONTADORAS COLOCAM O SEQUENCIAL INVERTIDO?!!?
    so o dualogic da fiat tem a posiçao correta, com aumento das marchas puxando e reduçao empurrando, eh mais natural ate pela inercia do carro, mais facil aumentar puxando quando o carro acelera e reduzir empurrando quando a inercia te joga para frente numa freada... impossivel que as marcas nao tenham pensado nisso... >.< PONTO PRA FIAT (realmente, o Idea adv dualogic da minha mae tem horas que parece um automatico, ate no som das trocas de marcha)

    ResponderExcluir
  46. Filipe fakeboy... a mamãe tinha um Palio Adv, naum um Idea no outro post... Eae Bob? Vai cair nessa?

    ResponderExcluir
  47. MAS
    Bem vindo ao AE. Tenho um vizinho aqui da casa onde tenho meu escritório que é taxista e têm ponto no aeroporto de Congonhas. Até há coisa de um ano usava uma Mariva Joy, 1,8L, câmbio manual. Adorava o carro e nada tinha a se queixar do tal. Quando chegou a hora de trocar o veículo, surgiu o problema: "Gosto da Meriva, 1,4L(maxx) não quero, 1,8l(easytronic), também não. Esse câmbio só dá problema." Resultado. Comprou um Honda FIT e está satisfeito.

    ResponderExcluir
  48. Uma coisa que achei muito estranho no Polo I-motion de um amigo foi a impossibilidade de arrancar com o carro de uma ladeira muito íngrime. Ele ficou queimando a embreagem até dar o alerta no painel. A solução foi descer o carro, arrancar e subir no embalo. Achei que era um defeito do carro dele, mas testei num Gol de outro amigo e deu a mesma coisa. Deve ser por isso que não existe Saveiro i-motion, imagina ela carregada. Depois ele descobriu que dar uma arrancada brusca é a única solução quando não se pode descer, ele acelera em neutro e joga no drive, queima pneu e sobe.

    ResponderExcluir
  49. Quando trabalhava como vendedor numa concessionária GM, a fabrica mandou um comunicado desaconselhando a instalação de GNV nos Meriva Easytronic. A central do câmbio enlouquecia com a nova potência do motor e troca as marchas todas erradas.

    ResponderExcluir
  50. explicando...

    palio adv locker 08/09 comprada em abril de 2010 e vendida em 3 de janeiro de 2011

    idea adv dualogic 10/10 comprado em 3 de janeiro de 2011 e usando atualmente

    nao cogitou a hipotese?!

    ResponderExcluir
  51. o dualogic nao tem esse problema com ladeiras ingremes, so as vezes freando com o pe esquerdo no meio da serra ele da um aviso de avaria no cambio e apaga logo em seguida

    ResponderExcluir
  52. eu fake? sou eu qm assina como anonimo ne?

    ResponderExcluir
  53. Palio adv + Idea adv = EU ME ODEEEEIO!!!

    ResponderExcluir
  54. Filipe, concordo com sua preferência de posição para trocas manuais, mas isso está longe de ser consenso. Só usam assim a BMW, a Ford, a GM no Omega e a Fiat nos Dualogics. Todo o resto usa a disposição oposta, incluindo a Porsche, que inovou com o Tiptronic em 1989. Acho que ainda vão algumas décadas até um dos padrões se tornar o único...

    ResponderExcluir
  55. Alexandre Freitas20/05/11 22:46

    Marco Aurélio, bem vindo ao blog.
    Muito pertinente sua abordagem, pois ainda há muita confusão sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  56. BOM EU ADQUIRIR UM VOYAGE CONFORT LINE AUTOMATIZADO EM 2010 E INSTALEI GNV QUE É UM AGRAVANTE PARA TODO O SISTEMA, E MESMO ASSIM O KIT EMBREAGEM DUROU 138000 KM AGORA ELE ESTÁ COM 278000 KM POR SE TRATAR DE UM CARRO QUE RODA TODOS OS DIA E AINDA USA GNV NÃO POSSO RECLAMAR A PRIMEIRA TROCA CUSTOU NA VW 1050,00 A SEGUNDA 850,00 EM UMA OFICINA PARTICULAR ,SOU TAXISTA E N FIM DESTE ANO IREI TROCAR DE CARRO E COM CERTEZA SERÁ OUTRO AUTOMATIZADO VW

    ResponderExcluir
  57. sou taxista em curitiba fui cair na besteira de comprar zero um palio adventure dualogic locker 2010 com 143.000 km comecou as surpresas numa situacao de rampa percebia que vibrava o carro resolvi trocar a embreagem mas infelizmente como vc troca a embreagem e obrigatorio trocar o atuador que custa um absurdo, depois de um mes outra surpresa comecou a desengatar a marcha sozinho tinha que parar o carro totalmente e engatar novamente ate que resolvi ver o motivo ... para minha surpresa ROBO com defeito sabe quanto na concessionaria 4.300,00 maravilha neee, nao vendem separadamente so o robo eles vendem com a caixa de cambio um absurdo ate que encontrei somente o ROBO por internet ufaaa mesmo assim caro paguei 1.800,00 da Magnet Marelli a que fabrica para a Fiat como pde isto a fiat nao vender a peca e derrepende uma loja em S.P. venda !!!! quero arrumar e vender o quanto antes NUNCA MAS COMPRO CARRO FIAT DUALOGIC QUERO ME LIVRAR DESTE SISTEMA ROBOTIZADO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. qual site vc encontrou ess robo dualogic,e isso nao tem conserto,ja que e brasileiro?pyton2@hotmail.com

      Excluir
  58. Galerinha, não falem mal dessas caixas robotizadas, pois eu sou mecânico e tenho uma Meriva Easytronic, excelente carro. As peças do câmbio são baratas (se comprar direto) mas o caro é a revenda e a mão de obra que as oficinas costumam cobrar MUITO para um serviço. Esqueceram que estamos no Brasil, onde todo mundo se aproveita da situação. Pq se vc compra um carro de 42.000 e o custo de manutenção desse câmbio for 3.500, é claro que vc tem dinheiro para pagar, pois representa 0,08% do valor do carro, e muitos mecânicos espertos sabem que essa demanda tem dinheiro. chega por aqui .... Porque estou com tanto serviço de câmbio automatizado pra fazer do que ficar desmascarando paisínho de 3º mundo cheio de ladrão. começando pelos governadores dessa joça.

    ResponderExcluir
  59. Gotei do comentario do mecanico rafael tenho um meriva easytronic ate hoje so alegria to pensando em colocar o gnv .mais ainda tenho duvidas. O carro ta com 25000 .

    ResponderExcluir
  60. Sera que o carro perde o valor na revenda se colocar o gnv embaixo do carro se tratando duma meriva easytronic valeu obrigado desde ja

    ResponderExcluir
  61. tenho uma meriva easytronic com 120mil km ,gostaria de saber se preciso trocar o óleo da cx .(nunca troquei).Adoro esse carro, nunca tive problema.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...