Google+

22 de julho de 2011

SANDERO AUTOMÁTICO, BOA SURPRESA

Fotos: Renault

Em maio passado falei do Sandero 2012 . Em primeiro de julho a Renault, surpreendentemente, lançou a versão Privilège com caixa automática epicíclica de 4 marchas, exclusiva para esta versão topo de linha com o motor1,6-litro de 16 válvulas flex de 112/107 cv etanol/gasoluna, de preço público sugerido R$ 43.900. O modelo mais vendido da Renault com o novo câmbio tem no Peugeot 207 XS automático (R$ 48.590) e no Citroën C3 BVA (R$ 47.490), ambos 1,6-litro, seus concorrentes naturais.

O câmbio, segundo a Renault, passou por modificações e o controle eletrônico conta com nove programas de utilização, sendo adaptativo, reconhece o modo de dirigir e efetua as trocas de acordo. Há controle manual de troca de marcha pela alavanca quando deslocada para o lado do motorista, com trocas ascendentes para frente/reduções para trás, como me apraz.

Alavanca seletora simples e fácil de usar

Informa também a fabricante que o transeixo automático foi projetado para durar 300.000 km sem nenhuma manuteção, nem mesmo a troca do fluido hidráulico.

Dirigindo a versão, notei bloqueio do conversor de torque em quarta. As trocas têm boa lógica e se consegue retomar velocidade sem que haja redução, que só ocorre com acelerador bem aberto e acionado rapidamente, ou, como em todo automático ou mesmo robotizados, levando o pedal de uma vez ao interruptor de fim de curso, o conhecido kickdown.

Indicação da marcha em uso no painel, quando em Manual. Bem poderia ser em Drive também, como no Citroën C4

Há  função para arrancar em piso escorregadio premindo-se botão na base da alavanca com ideograma de um floco de neve.

O Sandero automático ficou bem agradável, a 120  km/h o motor está a  razoáveis 3.500 rpm. Dá para viajar sossegado. Na cidade de trânsito congestionado, obviamente é uma vantagem, especialmente para os preguiçosos de trocar marchas. O carro se desloca com boa agilidade em meio ao tráfego e a calibração de suspensão concilia bem conforto e comportamento dinâmico. Nada tem de dura.

As relações de marchas são 2,73:1, 1,50:1, 1,00:1 (direta) e 0,71:1, com diferencial 4,70:1. A Renault não informou a relação do conversor e tampouco consumo de combustível. A aceleração 0-100 km/h é feita em 11,7/11,9 segundos e/g e a velocidade máxima, 171/169 km/h e/g. Pesa 1.095 kg, 8 kg mais que a versão anterior de mesmo motor e caixa manual.

Ficou boa, essa versão do Sandero!

Por que não AUTOMÁTICO ou AUTOMATIQUE?

BS

91 comentários:

  1. Desde que não tenha o problema crônico que os Pegeout tem enfrentado com a tal caixa AL4, que não passa dos 50 mil km sem dar problemas é uma bela versão... eu teria um fácil.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Silva22/07/11 16:16

    Bom texto Bob. Sabe informar se essa caixa é aquela que foi usada na raríssima Scènic 1.6?

    ResponderExcluir
  3. segundo o vendedor da concessrionária é o mesmo cambio do megane

    ResponderExcluir
  4. Um tratamento fonoacustico melhor e revestimentos internos mais refinados deixariam este carro imbatível no segmento.

    ResponderExcluir
  5. Rafael Bruno22/07/11 16:36

    Que bom!
    "120 km/h o motor está a razoáveis 3.500 rpm"

    Ótimo para um carrinho desse!
    Por esse preço já vem com DH, AR, VE, TE?

    O preço está ótimo principalmente para deficientes que precisam de carro automático.
    Meu irmão tem um Sandero e cabe facilmente por exemplo, uma cadeira de roda no porta-malas. É muito grande!

    ResponderExcluir
  6. Redução pra trás e aumento de marcha pra frente pra mim já é estranho. Não é o que espero.
    Percebi que muitos saem assim.

    ResponderExcluir
  7. Antônio Martins22/07/11 16:43

    Bob,

    Quando a Renault lançou esta caixa na Scénic tinha essa conversa dos 9 programas também. A caixa é a mesma, também a mesma da PSA, só muda o diferencial.

    Mas esta de não trocar o fluido nunca, é estranho, chega uma hora que o desgaste dos discos contamina bem o óleo.

    O que vem a ser esta relação do conversor que as fábricas nunca divulgam? É o quanto ele multiplica o torque?

    ResponderExcluir
  8. Gostei do preço para ter - em termos Brasil - um carro com enorme espaço interno, um motor bem coerente e uma caixinha automática para enfrentar os congestionamentos (ainda não é a minha realidade).

    Mas como sou enjoado, acho que poderiam ter caprichado um pouco mais no visual e (aparentemente) acabamento pobre do comutador do câmbio e seu "berço"...

    Um volante de megáne (penúltimo) também emprestaria uma certa sofisticação que o bonito volante "CC" da volks faz pelos pobres paineis da linha gol e voyage.

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  9. 3500 rpm a 120 km/h num carro automático não me anima não. Meu 1.6 8v com menos potência que o Sandero fica a 3300 rpm nessa velocidade.

    Se ficar nesse preço mesmo, tá legal. Carro automático, com um acabamento aceitável, nesse preço, tá melhor que a concorrência.

    ResponderExcluir
  10. Não existe essa de cambio automático que não precisa trocar o fluido/óleo.

    É a maior enganação isso. Pior é a VW falar que seus cambios tem óleo lifetime, e ver que eles estão destruidos aos 100-110 mil quilometros, quando com uma troca a cada 60 mil quilometros (já que usam o Pentosin Sintético) resolveria o problema.

    ResponderExcluir
  11. Aléssio Marinho22/07/11 18:24

    O Sandero vendido no México vem com essa caixa a tempos.
    O Nissan Apio - versão mexicana do Logan - também tinha esse opcional.
    Espero o dia que a Renault ofereca a caixa automática no Logan.
    Troco o meu por um no dia seguinte.

    ResponderExcluir
  12. Bob,

    Essa caixa é a mesma do Mégane 2.0? Sei que no México era comercializado o Clio 1.6 automático também. Ao meu ver também deveria ter sido oferecida no Symbol, já que não há mais Logan 1.6 16v.

    ResponderExcluir
  13. Juliano Alves Moreira22/07/11 19:35

    Prezado Bob,

    Não estava testando um Punto?

    Estou no aguardo desta avaliação;

    Grato

    ResponderExcluir
  14. Ricardo 37
    Num controle remoto de tv, você prefere subir canais pelo botão de cima ou de baixo?

    ResponderExcluir
  15. Rafael Bruno,
    Sim, todos esses itens. ABS e bolsas constituem um pacote de R$ 2.500.

    ResponderExcluir
  16. Antônio Martins,
    Sim, multiplica efetivamente o torque, alavancagem hidráulica. Algumas fábricas divulgam normalmente.

    ResponderExcluir
  17. Carlos Bragatto,
    Existe óleo de câmbio vida-toda, como não? O do Escort que vendi para o Arnaldo Keller nunca trocou.

    ResponderExcluir
  18. Marcelo Silva
    Não tenho certeza, mas provavelmente é. Vou checar e informo aqui neste espaço.

    ResponderExcluir
  19. Mister Formula Finsse
    Não vejo nada errado com o acabamento interno.

    ResponderExcluir
  20. Thales SP
    Certeza, velocidade real? Para 120 km/h costumo usar 125 km/h indicados.

    ResponderExcluir
  21. Marconi
    Também acho que a Renault deveria estender o automático ao resto da linha pequena/compacta. O mercado está pedindo.

    ResponderExcluir
  22. Juliano Alves Moreira
    Sim, Punto T-Jet. Aguarde. O Sandero automático era mais novidade.

    ResponderExcluir
  23. Bob,

    Como Engenheiro, sinto-me no dever de informá-lo de que:
    1. Não existiu oleo life-time
    2. Não existe oleo life-time
    3. Não existirá oleo life-time

    Quanto ao Escort vendido ao AK, temos sempre que lembrar que cambio manual e cambio automático são máquinas radicalmente diferentes, e mesmo no cambio manual não existe oleo life-time.

    Oleo de cambio automático se troca aos 60000km ou 40000km, dependendo do uso (leve ou severo, respectivamente).

    Oleo de cambio manual se troca aos 200000km ou 150000km, dependendo do uso (leve ou severo, respectivamente).

    Não existe elemento mecânico que não tenha desgaste. No cambio manual, anéis sincronizadores se desgastam (estão sujeitos a atrito) e por isso geram micropó, que vai contaminando o oleo. No cambio automático a situação é mais grave, pois temos as válvulas solenóides que exigem alto grau de pureza do óleo (entopem facilmente) e os diversos discos de embreagem de cada marcha, que geram pó. Isso explica a necessidade de trocas de oleo relativamente frequentes.

    Isso me lembra de outra situação importante: voce havia dito que roda 10000km com o oleo no seu Celta, certo? Então, se ele estiver próximo dos 80000km, recomendo fortemente que voce venda-o, pois já deve ter borra de óleo nos mancais do motor ou do comando. Pode até ser pouca, mas existindo já indica que o final está próximo.

    ResponderExcluir
  24. Douglas Studzinski,

    Pelo que sei a caixa é a mesma AL4 da Peugeot/Citroen com outro nome. Não há diferenças mecânicas, apenas na programação do software.

    ResponderExcluir
  25. Já ouvi e li muitas críticas quanto a essas caixas francesas AL4. As reclamações são procedentes? Esse câmbio é realmente problemático e fraco?

    ResponderExcluir
  26. Bob, por favor o sr. poderia me dizer o significado de e/g no texto? Fiquei "boiando".
    O manual do meu Monza tambem diz que o óleo do cambio é life-time, meu mecanico diz que não é, assim como o Bussoranga...

    ResponderExcluir
  27. e/g: etanol/gasolina.

    ResponderExcluir
  28. Bussoranga
    Não precisamos discutir. Quem achar que informação do fabricante é errada, que mande trocar o óleo quando bem entender, ora. A VW tornou o óleo do transeixo toda-via em 1983. Há 28 anos. Quando Mini foi lançado a comunidade de engenharia mundial disse era impossível o câmbio no mesmo cárter do motor. É assim mesmo, as opiniões raramente são unânimes.

    ResponderExcluir
  29. e/g Etanol/Gasolina. Sempre achei que o responsável por retirar as micropartículas de um sistema fosse o filtro, troca de óleo não tem nada a ver com contaminação ou km, mas sim com severidade de utilização...se a Renault afirma que o óleo dura 300.000 km, eu não trocaria antes disso.

    ResponderExcluir
  30. Bob, não rola um vídeo com esse sandeiro, não?!

    ResponderExcluir
  31. Só para constar, meu pai teve uma Scenic 2002 automática com essa tal caixa sem manutenção. Foi uma lástima! Na primeira viagem ela abriu o bico. Fomos em Londrina na concessionário Renault e fizeram o diagnostico de substituição da caixa pois ela não teria recuperação. Na época procurei informações na internet e encontrei vários relatos de gente dizendo ter problemas com essa caixa que nunca requer troca de óleo. A nossa sorte foi que o carro estava na garantia do picareta (vendedor). Ele mandou o carro pra Foz do Iguaçu onde o cambio foi trocado pelo de uma 2005. Mas mesmo assim os problemas não acabaram. Um tempo depois tivemos q trocar uns atuadores, sensores e sei lá o q mais. No fim tratamos de nos livrar daquela bomba.

    ResponderExcluir
  32. O q foi uma pena pq, fora isso, o carro era mto bom!

    ResponderExcluir
  33. Reynaldo
    Desculpe. É etanol/gasolina.

    ResponderExcluir
  34. Se for pensar bem, óleo "life-time" é para ser utilizado durante a vida útil do veículo, não para sempre, pensando em termos europeios faz ainda mais sentido. Aqui no Brasil, que um taxista roda 500 mil km e faz manutenção daquele jeito, aí deve-se trocar o óleo do câmbio, penso eu.

    ResponderExcluir
  35. bussoranga,
    O óleo de caixa manual deve ser trocado por causa da contaminação por limalha? Mas a caixa de marchas não tem uma peça que retém essa limalha?

    ResponderExcluir
  36. Bussoranga
    Esqueci de comentar que o Celta 2002 da minha filha está com 123.000 km e o 2003 VHC da minha mulher, 98.000 km. Motores perfeitos,nada de borra. Óleo mineral API SL e gasolina aditivada sempre.

    ResponderExcluir
  37. Bob,
    Qual é o seu carro de uso pessoal?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  38. Bob,
    Você poderia fazer uma lista dos carros que já teve, época de compra, com quanto tempo ficou e motivo da troca (problemas).

    ResponderExcluir
  39. Quanto a troca de oleo concordo com o BOB no sentido de seguir a orientação do fabricante, tive um Focus Duratec 2005 com o qual rodei 230.000km trocando oleo de 10.000 em 10.000km, vendi o carro com essa quilometragem simplesmente perfeito, em condições de novo, sem nunca ter necessitado de retifica ou limpeza por borra.

    Abs

    ResponderExcluir
  40. A posição dos controles de vidro melhoraram, mas a solução foi porca. Eu pagaria a diferença por uma solução mais harmônica e funcional.
    Mata o o encosto de cabeça. É tão mais caro algo mais bonito e harmônico. O encosto traseiro do meio é bonito, mas parece que foi adaptado, não combinando com os demais. Seria tão caro estas alterações? Sempre tive carros médios automáticos, como Astra, Bora, focus, mas aos 52 anos resolvi gastar meu dinheiro com viagens e o Sandero automático me parecia uma excelente alternativa, mas a Renault tem como foco quem está buscando um carro acima do que já possui e não percebe a mudança dos clientes que aprendem, com a nova economia nacional a fazerem compras racionais. Assim, partiremos para o mercado de seminovos.

    ResponderExcluir
  41. Bob e demais,

    A questão do fluido do tipo "lifetime" não é tão simples assim.

    Se estivesse funcionando, tudo bem. Mas o que vemos na prática são muitos donos que, em geral a partir dos 70 mil quilômetros, se deparam com a transmissão falhando, chegam no mecânico e constatam que o fluido da transmissão está completamente sujo.

    Sem contar que existem divergências em relação à durabilidade deste tipo de fluido.

    Enquanto a Renault diz que a transmissão aguenta 300 mil km sem qualquer manutenção (nunca vi uma chegar perto disto), já a Peugeot recomenda que se faça uma inspeção periódica. Se for identificado qualquer tipo de contaminação ou alteração no padrão do fluido, é feita a troca imediatamente.

    Em resumo, realmente o óleo é do tipo "lifetime". Dura até quando sua caixa aguentar. Pode ser 150 mil quilômetros, pode ser 50 mil quilômetros.

    ResponderExcluir
  42. Carlos,

    Sim, esta transmissão tem fama de ser problemática no mundo inteiro. Falha de projeto, acredito eu.

    O sistema de arrefecimento é ruim e é muito comum que dê problema nas eletroválvulas, especialmente depois dos 100 mil quilômetros.

    Além da questão do ATF tipo "lifetime" que não requer trocas, muito bonito em teoria, mas que leva a morte prematura de várias destas transmissões.

    Alguns donos estão realizando a troca do ATF e de duas eletroválvulas a cada 40 mil km, numa tentativa de aumentar a durabilidade da transmissão.

    ResponderExcluir
  43. Paulo (BH-MG),

    Concordo com suas reclamações, mas não posso deixar de elogiar a Renault por pelo menos intervir no projeto original e atender a antigas reclamações dos clientes.

    No mais, é uma opção interessante para quem deseja um automático nesta faixa de preço, seja por comodidade, seja por limitação física. O comportamento desta transmissão é muito melhor do que de qualquer automatizada, ainda que não seja lá a melhor entre as automáticas.

    Entretanto, se o espaço interno não for essencial, recomendaria o Citroen C3 Exclusive automático, que por pouco a mais em relação ao Sandero Privilege com airbag e ABS, entrega mais itens de conforto e conveniência, além do acabamento superior.

    ResponderExcluir
  44. Obrigado pela resposta Pedro Henrique. Estou aqui pensando em pegar um segundo carro, algo apenas para rodar na cidade. E tem que ser automático, então esse Sandero me pareceu uma opção interessante. Mas sendo um câmbio AL4 e em vista do histórico ruim desse equipamento, acho que vou pegar mesmo é um usado, possivelmente um Corolla, Civic ou Sentra, mais ou menos pelo mesmo preço.

    ResponderExcluir
  45. Não apareceu o nome no meu comentário anterior, em todo caso agradeço novamente ao Pedro Henrique e ao Lucas pelas informações.

    ResponderExcluir
  46. Antônio Martins23/07/11 19:57

    Lembro que no auge do besteirol da borra nos Fires, tive dois Palios, um 1,0 e 1,3.

    Ambos com troca de óleo com 1 ano ou 7500 quilomentros, sendo que em alguns anos fiz com mais, pois usei o modo "não severo", que era a cada 15 mil ou 1 ano.

    Certamente quem tinha problemas esquecia que óleo também se troca por tempo. E também não usavam a especificação certa. Fora que quem fica com muito excesso de zelo parece que atrai problemas. Bem feito!

    ResponderExcluir
  47. Rafael P.
    O carro daqui de casa é um Celta VHC 4-portas 2003, branco, com 98.000 km. Mas o uso pouco, devido à minha atividade de testar carros.

    ResponderExcluir
  48. Caio Ferrari
    Pode ser que façamos um vídeo, mas não garanto. Todos os colunistas do AE estão com agendas apertadas, eu inclusive.

    ResponderExcluir
  49. Bob,

    Vc acha que fica bom instalar direção assistida num carro que não tem?

    No caso o carro seria um Celta também

    ResponderExcluir
  50. A boa surpresa pra mim foi de o carro não seguir a tendência de câmbios automatizados nos médios/compactos.
    Depois de um fiat stilo arrancar quase R$10.000 em manutenção do meu pai só acredito que caixas automatizadas só valem para carros esportivos...

    Dorso

    ResponderExcluir
  51. anonimo, 23/07, 21:33
    Não sei o que o Bob vai te dizer, mas, de minha parte, digo que vale a pena. Tive um Celta 2005, 1,4l e instalei DH por minha conta (esqueça concessionária). Tratava-se do kit original da DHB que, aliás fornece para a GMB, instalado em oficina representante da marca - à época, me custou menos que a metade do que cobram na concessionária.
    Ficou ótimo, rodei 90 mil quilometros com ele até que o vendi sem ter dado o menor problema. Vale lembrar que o Celta só recebeu esse opcional de fábrica à partir do modelo 2007.

    ResponderExcluir
  52. Eurico Jr.25/07/11 09:35

    Sobre o fluido da transmissão automático, confesso que prefiro a abordagem dos fabricantes japoneses, que preconizam trocas periódicas. Coincidência ou não, é raro encontrar um câmbio automático japonês com problemas crônicos.

    ResponderExcluir
  53. Bob;

    Para melhor informar o pessoal do AE, o Sr. pode consultar a Renault se essa caixa do Sandero é a mesma usada nos Peugeot?

    ResponderExcluir
  54. Anônimo 23/7 21:33 e FVG
    No meu 2003 foi instalação de kit DHB na concessionária onde retirei o carro, sem nenhum problema até hoje, 98.000 km. O bom e correto é o kit incluir caixa de direção de relação menor (mais rápida), vantagem maior do que a redução de esforço propriamente dita. FVG, sem dúvida sai por menos em representante do fabricante do sistema, mas na época optei pela solução que não pudesse cancelar a garantia do veículo.

    ResponderExcluir
  55. Marcus
    Acho melhor escrever um post, o que os demais colunistas poderão fazer também. É bem interessante.

    ResponderExcluir
  56. Bob

    Verdade. A maior vantagem ao se optar pela DH foi a resposta de direção, muito mais rápida que a eterna 22,6:1. Conduzir o carro virou um enorme prazer em comparação a antes. Pequenos desvios de trajetória, como desviar dos buracos, virou moleza.

    ResponderExcluir
  57. Marcelo Silva
    Infornação oficial da Renault: é o mesmo câmbio AL4 da Scénic, como novos central eletrônica e software.

    ResponderExcluir
  58. Essas coisas lifetime já deram pano pra manga aqui no AE. O que eu já vi de CA ferrado na oficina, não é brincadeira.

    Já óleo de motor é só seguir a recomendação do fabricante que não tem erro. O Bob tem a vantagem de ter o carro desde zero, então já sabe que não há passivo. Quando se compra um, mesmo semi-novo, vai saber a salada de óleo que já houve no cárter né... aí quando alguém quer usar o que pede o fabricante, problemas aparecem.

    O Clube do Omega mesmo tinha um monte de gente que colocava semisintético, Militec... eu não, só coloco o 20W50 SJ. O Chevette tem 290 mil com 20W50 e esbanja disposição.

    ResponderExcluir
  59. Bob, entre este e um totalmente manual, por qual você optaria?
    Como acho o Stepway muito feio e fora de propósito, e como gosto muito do motor 1,6 16V da Renault, esta seria uma boa opção?
    Ou quem sabe esperar a boa vontade da Renault em lançar novamente o motor 1,6 16V no Sandero Privilège?
    A outra opção seria o Symbol, que tem tudo para me agradar. Já tive um Clio com esse motor e foi um dos carros que mais gostei de dirigir até hoje, mas ele é sedan e prefiro carros hatch.
    Ou quem sabe o novo Polo 1,6 hatch, apesar de caro?
    Ou fico mesmo com o meu Astra 2007 que tem quase cem mil km, mas que está bem conservado? Dá uma pena me desfazer dele porque está muito bom. O Astra é um carro excelente em estradas, tanto é que meu irmão do meio diz que andar de carona com ele ou com o C4 Pallas do outro irmão é a mesma coisa, mas ele é um pouco desengonçado e pesado na cidade.
    Dúvidas, oh, dúvidas...
    Obrigado pela atenção!

    ResponderExcluir
  60. CCN1410
    Eu venho dizendo há anos que o carro que me transportar à última morada terá de ser de câmbio manual. A família e os amigos já sabem disso...

    ResponderExcluir
  61. estava quase comprando o SANDERO, ai entrei no blog e vi que ele tem os mesmo problemas de cambio que existem na PEUGEOT e vou pra HONDA!

    obrigado aos que comentaram possivelmente me salvaram de problemas sérios!

    ResponderExcluir
  62. CCN1410,
    Esse polo que a VW "lançou" é tudo, menos novo...
    Se seu astra tá bom, vai trocar pra que? 4 anos num carro de mecânica boa como o seu é pouco tempo, principalmente se for bem cuidado.

    Em todos esses carros que você citou, você vai ter tudo menos: menos espaço, menos desempenho, menos consumo (opa, isso é bom)... O único motivo pra trocar é porque você cansou da cara do seu carro e precisa mudar o enfeite da garagem...

    ResponderExcluir
  63. Pois é, Thales SR. Acho que você está certo.
    Vou ficar com o Astra mais um tempo e talvez eu coloque uns enfeites nele, hehe...

    ResponderExcluir
  64. Aléssio Marinho26/07/11 16:29

    CCN1410;

    Hj fui num concessionário Renault e ainda tinha um Sandero GT Line pra vender.
    Visual antigo, k4m e cambio manual. Do jeito que vc quer.

    ResponderExcluir
  65. Gabriel FT27/07/11 23:10

    Bob, você falou do controle remoto em relação às trocas de marcha.
    Mas uma coisa não tem nada a ver com a outra.
    No meu ponto de vista é totalmente anti-natural subir marcha empurrando a alavanca. Talvez por causa de estar sempre assistindo vídeos de carros de corrida e rally com câmbios sequenciais, não sei. Mas até mesmo os veículos do WRC com paddle shifter sobem marcha puxando a borboleta contra o volante e descem marcha a empurrando contra o painel.

    E também truco o câmbio aguentar 300 mil km sem troca de óleo.

    ResponderExcluir
  66. Gabriel FT
    Os defensores do subir para trás/reduzir para frente argumentam que ao reduzir freando o corpo vai para frente, daí ser "natural" o arranjo. Então eu pergunto, e se for câmbio de seleção em "H", como fica? Seria maís fácil reduzir para terceira e primeira do que para quarta e segunda? Claro que não. Audi, Porsche e VW usam subir para frente/reduzir para trás. Será que não sabem o que estão fazendo? Outra, que paddle shift é esse que você cita, tipo puxa-empurra? Todos que vi são de puxar, direito subir, esquerdo reduzir. Até nos F-1 é assim. E se eu fosse subir canais de TV ou aumentar o volume apertando o botão de baixo, ia dar nó na minha cabeça...

    ResponderExcluir
  67. Bob, estou entre os "defensores" do "subir pra baixo - baixar pra cima" no câmbio sequencial.

    No câmbio manual, realmente fazemos as reduções (e subidas de marcha) nos dois sentidos. Porém, antes pisamos na embreagem... Na troca de marcha em aceleração não estamos sendo empurrados nem pra frente, nem pra trás.

    De qualquer forma, acho que é mais uma questão de costume do que realmente atrapalhar/ajudar.

    ResponderExcluir
  68. Bob
    Melhor a gente nem ficar falando muito sobre esse negócio de subir ou descer marchas, se para a frente ou para trás. Vai que algum deputado lá na ilha da fantasia resolva criar uma lei para padronizar isso e, certamente, terá a capacidade de ca...r com tudo. A cabeça dessa gente é fértil por demais.

    ResponderExcluir
  69. Thales SR,

    Desculpe, mas não consigo parar de rir.
    Você não acha isso incoerente?
    "Subir pra baixo - baixar pra cima" no câmbio sequencial.

    Por favor, me explique como você consegue fazer isso. Sinceramente eu não consigo entender.

    ResponderExcluir
  70. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  71. Oh, Thales SR...

    Quando eu subo, vou para cima e quando eu desço, vou para baixo...

    Não é assim?

    ResponderExcluir
  72. A Renault informa que a transmissão automática do novo Sandero é capaz de trabalhar por mais de 300 mil km sem sequer ter o fluido substituído.

    Sempre tivemos carros automáticos em nossa família, e algumas vezes acompanhei o serviço de manutenção de algumas transmissões que se desgastaram, mesmo tendo o fluido trocado em intervalos regulares, como recomenda cada montadora, geralmente entre 30 e 50 mil km.

    Eu como engenheiro, usuário e conhecedor de transmissões automáticas afirmo que considero impossível uma transmissão chegar a esta quilometragem sem ao menos ter o fluido trocado a cada 40 ou 50 mil km. Impossível, visto que o material particulado gerado pelas partes móveis e componentes de atrito presentes na transmissão contaminam o óleo, sobrecarregam o filtro e o sistema colapsa devido à falta de lubrificação. Sem troca de óleo, qualquer transmissão automática resiste, no máximo, entre 130 a 150 mil km.

    Quem se responsabiliza por estas informações absurdas que as montadoras passam aos consumidores?
    Como podemos nos defender de situaçõs claramente enganosas como esta?

    ResponderExcluir
  73. Ivan
    Quem menos tem interesse que um câmbio não dure é o fabricante do veículo. Se ele afirma que o câmbio tem duração de 300.000 km e que o fluido é vida-toda, sabe o que está dizendo. Houve exatamente a mesma desconfiança da VW quando os transeixos de modelos com motor a ar passaram a não trocar mais óleo, isso em 1983. Além, disso, quem achar que fábrica está errada é so trocar o fluido quando quiser. É simples. Tem gente que acha que troca o óleo do motor a cada 15.000 km é muita distância e troca com 5.000 km. É a mesma coisa.

    ResponderExcluir
  74. No câmbio autmomático ou automatizado subir marchas para trás/reduzir para frente é muito mais lógico. assim as marchas ficam, de cima pra baixo 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e não 5ª, 4ª, 3ª, 2ª e 1 ª. Os câmbio sequanciais de motos e os usados no automobilismo antes do advento das borboletas eram assim.

    ResponderExcluir
  75. Bob:
    Obrigo-me a discordar do mestre na questão da posição das marchas. É mais natural reduzir marchas para a frente, pois é para onde, na freada, a inércia conduz a mão do motorista/piloto.
    Abraço,
    Wilson Cardoso

    ResponderExcluir
  76. Prezados,
    Não sei dizer se existe flúido lifetime ou se o câmbio do Sandero durará os alegados 300k. Mas posso atestar que o meu Nissan Máxima 2002 (japonês) cujo manual indica a desnecessidade de troca do fluido da transmissão automática (e o que está lá é o mesmo que saiu da fábrica) já passeou dos 230.000 km sem nenhum problema e com o funcionamento impecável.

    ResponderExcluir
  77. minha dúvida é que com um cambio de 4 velocidades, não erei perda de velocidade final, ou aumento no consumo de combustível...

    ResponderExcluir
  78. Será que esse câmbio poderá chegar na mégane GT.
    Trocaria a minha na hora por uma automática...acorda renault!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A GT tinha câmbio AT na motorização 2.0 16V, mas para reposicionarem o carro no mercado, perdemos essa motorização e câmbio.

      Excluir
  79. Bob,

    gosto d suas explicações em certos detalhes quando vc diz que a fabricante se preocupa com a durabilidade desse câmbio mas,vc ja reparou no tempo que demora pra rodar esses 300.000 mil km e o tempo que eles te dão de garantia do mesmo?
    Então,mas nem um cidadão que diz rodar 10.000 km todo mês não consegue chegar aos 300.000 km em 24 meses,não é verdade?

    abrass...Jaboticabal SP.

    ResponderExcluir
  80. Ze Olimpio20/01/12 14:43

    Opinião de quem tem. Troquei meu Sandero GT line pelo Priviège Automático tá novinho ainda, só com 2.000 km, mas é excelente. Foram feitas várias mudanças nessa caixa de câmbio e ela não deve apresentar problemas como as anteriores. Quem quiser que se informe e acredite, quem não quiser que compre pelo mesmo preço um Fiat ou Volkswagen "automatizados" (já fiz test drive em ambos) e seja feliz...se puder. Eu vou de Renault, um abraço.

    ResponderExcluir
  81. Estou nessa mesma dúvida..
    Quero comprar um carro automático para minha esposa. Ela é fã do Sandero, pois já tem um há três anos. Então, ela se encantou com o StepWay automático. Meu único medo é esse câmbio. Apesar de ser mulher e dirigir tranquilamente, como uma, ela roda mais de 100km por dia, pois o trabalho é a 45km de casa. O Sandero dela, 07/08, está com 90mil km. Fico pensando se esse câmbio automático aguentaria isso tudo.

    ResponderExcluir
  82. Tendo por informação oficial tomada junto a Renault, gostaria de saber se o câmbio automático do sandero que assinalado sendo o mesmo da scénic AL4, com novos central eletrônica e software, gostaria de saber, se possível, se a nova central eletrônica e novo software foram instalados: 1) Justamente para corigir os problemas que haviam com o câmbio AL4, evoluindo-o tecnicamente ou 2) É o mesmo câmbio, apenas que os novos software e central eletrônica são para adequar o câmbio apenas ao uso no novo veículo sandero.

    ResponderExcluir
  83. A durabilidade só atinge o que a fábrica fala,se vocÊ fizer as muntenções preventivas,tem cara que fica 60.ooo km sem trocar velas depois fica puto quando tem problemas no cabo de velas.
    Tem cara que nunca usa o freio de mão em ladeiras,e depois reclama da engrenagem,que tá gastando muita pastilha.
    Câmbio dura,para quem sabe usar,estes câmbios mais novos,duram mais porquê tem algumas proteções anti-cagada,mais não dá para evitar todos os tipos de bobagem por parte de alguns motoristas,até deve ter problema de fabricação em alguns,acontece com a maioria das fábricas,mas 90% é cagada dos motoristas.
    Agora quanto aos ditos automatizados,´e uma gambiarra para quem não tem dinheiro para comprar um automático.
    O único defeito deste câmbio é ser de 4 marchas,lá fora é museu,mas aqui no Brasil,neste preço,é isto ou manual.

    ResponderExcluir
  84. BOb; estou comprando um sandero stepway aut. pela 1° vez , sempre tive carros da fiat, estou preocupado com a manutenção, vi comentários que peças da renault são caríssimas; é isso mesmo?

    ResponderExcluir
  85. Comprei um sandero automatico 2012/12, que o vendi com 4.000 Km rodados, vez que o câmbio automático péssimament escalonado o tem a 1ª e 2º muito próximas e a 3ª e 4ª muito distantes, o que provoca um "buraco" de torque e velocidade que o podem ser "mortais" literalmente como o foi comigo por três vezes, vez que em ultrapassagenm normal o carro acelera ganha velocidade e quando vai atingir a 3ª ou 4ª perde giro e velocidade deixando-lhe cara-a-cara com o veículo em sentido contrário. Esta veículo representa concreto risco de vida e continua rodando e sendo elogiado só por quem comprometido com a marca ($) ou débil mental. Vá por mim fui proprietário e o sei o que falo. Se as palavras não lhe convençam peça numa revenda para fazer um "test drive", mas com gasolina comum não de aviação e tente em "rodovi" simples fazer ultrapassagens, com certeza absoluta você não comprará este o sandero fúnebre.

    ResponderExcluir
  86. A caixa é a AL4- melhoram algumas coisas sim, tanto para a linha renault como peugeot citroen. Pelo histótico, agora parece q não está dando mais dor de cabeça...lembrando que varios cambios automaticos tem problemas piores que a al4-- ex. captiva e fusion- que utilizam o mesmo cambio , ele simplesmete come as engrenagens...temq trocar tudo...e não teve recall...se deu pau durante a garatntia legal..se foi fora...já era...
    Essa caixa tb é uma das mais baratas e fácild e manutenção...talvez a grande falha seja que não tem vareta de oleo...muitos cambios moem por vazaqmento ou oleo velho, algo que poderia ser visto com a vareta....
    Lmebrando tambpem, que ele é usado em 3 montadoras e em diversos carros destas...logicamente o numero de problemas será maior q a caixa do jetta...por ex., que fica em 12.000 para conserto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com a palavra algum representante das montadoras que comercializam, de fato, é problemática sim, perigosa, e o questionamento se é tão boa e até barata por que tirar de linha para 2014, do sandero, do duster e do loogan, para colocar uma automatizada monodisco (embreagem) do soluço, nas trocas?????????

      Excluir
  87. boa tarde! gostaria de saber , sobre a economia ; e com a colocação de GNV há evidência e estudos de problemas futuros.

    ResponderExcluir
  88. Tenho uma scenic automática 1.6 16v 2004, automática (que agora descobri ser rara). Quebrou o volante do motor e não consigo achar a peça, nem na autorizada. Um vendedor me disse que é a mesma peça da Sandero. Realmente, é muito similar, pelas fotos que ele me mandou, exceto pela furação (na minha peça tem 6 furos na parte mais externa, na da Sandero tem 3), Mas aparentemente as furações batem. Pergunto: alguém já trocou uma pela outra? meu mecânico acha difícil funcionar pela roda fônica ser na mesma peça, e nem quiz ver as fotos.

    ResponderExcluir
  89. Tenho um Sandero Privilége Automático 2011/2012, gosto bastante, nunca me deu problemas. Estava pensando em trocar por outro 2015, mas quando tomei conhecimento que será Automatizado e não Automático, não quero mais, pois existe milhões de reclamações do câmbio automatizado. A Renault deveria melhorar o câmbio automático e não retroceder para câmbio automatizado.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...