Google+

9 de agosto de 2011

“CHITTY-CHITTY-BANG-BANG”



O Conde Zborowski foi o feliz proprietário do lendário “ChittY-ChittY-Bang-Bang”, carro de 1919, motor realmente estúpido de 23 mil cm³.

Finda a 1a Guerra Mundial, em 1918, centenas de motores de avião com ao redor de 300 hp passaram a atravancar os galpões do Ministério das Munições Inglês. Não havia uso para eles e o Ministro os pôs à venda por meras 30 libras inglesas cada um, dinheiro de whisky, como diriam os ingleses, já que pinga não tinham ali. Achavam-se motores V-12 Sunbeam de 225 hp, V-12 Rolls-Royce Falcon de 275 hp e o célebre 6-cilindros Maybach de 300 hp, todos, como disse, de avião.

É aí que entra nosso amigo Conde. O Zborowski deu um jeito de encaixar esse Maybach de 23 litros e 300 cv num chassi de Mercedes. Manteve radiador, embreagem e câmbio do Mercedes. Deu esse nome bizarro ao carro: “Chitty-Chitty-Bang-Bang”, que caracterizava seu bom-humor e, no início dos anos vinte, participou de corridas em Brooklands além de sair pelos arredores de sua mansão em Canterbury a atazanar o mundo todo. O troar aviônico de seu motor já prenunciava a chegada do furacão. Sua passagem era um caos, mas conde é conde e os outros que se agüentassem.

O Zborowsky não ficou só nesse Chitty aí. Montou mais três deles, tudo monstro.

O segundo Chitty-Chitty-Bang-Bang tinha um motor Benz de 18,88 litros, o terceiro tinha um 6-cilindros Mercedes de 14,78 litros (incríveis 2.463 cm³/cilindro) e o quarto não sei, mas deveria ser outro absurdo, certamente.

Era a época de Brooklands, com suas curvas em rélevée, e com um desses aí ele bateu o recorde da pista ao dar uma volta numa velocidade média de 200 km/h.

Carro de macho é isso aí. O resto é conversa.


Piloto amador, já que era rico até não poder mais, vivia atrás de aventuras. Pilotou um Bugatti na Indy 500 de 1923 e no mesmo ano um Aston Martin no Grand Prix da França, além de um American Miller 122 no GP da Itália, que foi em Monza.

Esses carros não eram moleza, não. Os motores passaram por um enorme desenvolvimento durante a 1a Guerra, mas pneus e freios e, na verdade, todo o restante do carro tinha ficado muito atrás. Depois, aos poucos, é que foram desenvolvendo carros menos bestas-feras. O Bugatti typo 35 foi um desses pioneiros no bom comportamento, daí seu tremendo sucesso, só superado em importância pelos Alfa P2, projetados pelo Vittorio Jano, carros que em meados dos anos 1920 levantaram o nome Alfa Romeo por serem literalmente imbatíveis.

E o Conde Zborowsky? Que fim levou?

Morreu em 1924 num acidente quando pilotava um Mercedes no GP da Itália. Espatifou-se numa árvore.

Muito depois, um dos fãs do conde, um tal de Ian Fleming – escritor que ganhou fama por inventar o James Bond, o 007 – escreveu um livro infantil cujo personagem principal era um calhambeque maluco chamado Chitty Chitty Bang Bang. A Disney fez um filme baseado nesse filme. Talvez o leitor, como eu, o tenha visto. 

Se viu, sabe que o Chitty do filme não tem nada a ver com os do conde. Era mansinho esse aí, pois se colocassem um Chitty verdadeiro a criançada ou fugia ou gamava e ficava perdida pro resto da vida. Pro AUTOentusiastas seria bom, já que teríamos ainda mais leitores aqui. Quem é fã do Conde Zborowsky levanta a mão!

AK






40 comentários:

  1. Aléssio Marinho09/08/11 09:53

    Eu!!!

    Ic! Ic!

    Esse conde tem nome de vodca, mas pra arrumar coragem pra guiar esses carros devia entornar uma garrafa de uísque com o mesmo entusiasmo que construía essas máquinas loucas.
    Hoje um motor de 20 litros equipa caminhões de mineração, capaz de carregar 400 toneladas com pouco mais de 3500 hp...

    ResponderExcluir
  2. Aléssio,

    3.500 hp de 20 litros? 175 hp/litro?
    Será isso tudo?

    ResponderExcluir
  3. Eu também sou fã do Conde!!!

    Verdadeiras cadeiras elétricas que este Conde fez em plenos anos 20...

    Quanto a litragem, não deve ser nada tão absurdo, pois nos dias de hoje, pois os motores de caminhões tem cilindrada em torno de 10 a 15 litros, para uma potência de em torno de 300 a 500 cv e muuuito torque em baixa rotação. P.S. Naquela época não existia turbo, estava sendo desenvolvido os Blowers acionados pelo virabrequim, tal como conhecemos nos aviões da 2a guerra.

    Para a época, valia a máxima de Shelby: "nada substitui as polegadas cúbicas". Diversão pura para loucos endinheirados...

    ResponderExcluir
  4. "No replacemente for displacement" elevado à última potência...
    Também quero carteirinha do Fã Clube do conde de nome impronunciável!
    Dá direito a uma voltinha em seus carros?

    ResponderExcluir
  5. que fim tiveram os carros , foram preservados?

    ResponderExcluir
  6. Eu também é claro.
    Impressionante eram os pneus aguentarem o tranco. Só canela fina. Vish!!!
    O Conde maluco aí me lembra um filme "esses homens maravilhosos e suas maquinas envenenadas..." algo assim - com o Tony Curtis mais um monte e que mostravam uma corrida improvável na década de 1910/1920 - por aí... de Paris até Moscou ou Pequim, não lembro direito, enfim... esse Conde maluco é a cara do malfeitor (Peter Sellers??) do filme que só aprontava para atazanar a vida dos "gentleman Drivers" aprontando todas e mais uma.... Uma comédia maluca sem pé nem cabeça mas que tinha umas trapizongas bem parecidas. Esse filme deve ter uns 45 anos, acho eu. Alias, vou ver se encontro em algum lugar e assistir novamente.

    ResponderExcluir
  7. Eu também!

    Adoro traquitanas com motores de avião. Até hoje tem algum maluco faze isso.
    Que tal um Rover SD1 com um RR Meteor?
    http://www.youtube.com/watch?v=f1BnhZsS8a0

    ResponderExcluir
  8. There is no replacement for displacement

    ResponderExcluir
  9. Eu, também!
    O conde viveu bem e morreu fazendo o que gostava!

    ResponderExcluir
  10. Totiu
    Não sei que fim levaram.

    ResponderExcluir
  11. Regi nat rock,
    "Esses Homens Maravilhosos com suas Máquinas Voadoras".
    Filmaço.
    Também vu à locadora pra rever esse filme. Bem lembrado.

    ResponderExcluir
  12. Se o Tim Burton fosse convencido a fazer um remake desse filme, com certeza ele se inspiraria mais no conde da vida real ao invés do livro infantil!

    ResponderExcluir
  13. AK
    Esse nome, Zborowski, é assim mesmo que se escreve? Não falta nenhuma letra? Pergunto pois, aqui mesmo, em São Paulo, existe um com um "A" entre o "Z" e o "B", dono de construtora e uma conhecida marca de moda íntima feminina.

    ResponderExcluir
  14. Regi, o vilão do filme era o Terry Thomas, que tinha uma cara de escroque impagável. Ele também fez aquele filme de corrida de aviões, que é maravilhoso, que inclusive tem uma réplica de um avião do Santos Dumont, chama-se "Aqueles homens maravilhosos e suas máquinas voadoras" ou coisa do gênero.

    McQueen

    ResponderExcluir
  15. Regi, AK e demais:

    O filme se chama "A corrida do século" (The Great Race) e foi dirigido pelo Blake Edwards, o mesmo diretor da série original "A pantera cor-de-rosa".

    ResponderExcluir
  16. Aléssio Marinho09/08/11 14:47

    Arnaldo,

    Putz, mancada, confundi os motores e falei bobagem. Acho que é o remédio tarja preta que estou tomando...rsrsrrsrs
    Esse motor caterpillar de 3500 hp tem 20 cilindros, e 103 litros e equipa o 797F.
    O menor deles tem 12 cilindros, 31 litros e 938 hp, pra puxar 100 toneladas no 777F.
    Tenho um folder da caterpillar sobre esses caminhões os quais acho interessantíssimos pela sua capacidade de trabalho em condições severas, tecnologia e soluções empregadas.

    ResponderExcluir
  17. AK, já escrevi sobre esse filme aqui no blog:
    http://autoentusiastas.blogspot.com/2009/07/gostinho-de-infancia.html

    ResponderExcluir
  18. A corrida do século (1965)! Um dos melhores filmes que eu já vi, com Jack Lemmon, Tony Curtis, Peter Falk, e a lindíssima Natalie Wood. Trilha sonora do impagável Henry Mancini. Até hoje procuro pela trilha, que já deve existir em CD, mas nunca achei. Se alguém souber...

    Mr. Car (mas também podem me chamar de Mr. Music, he, he, outra grande paixão.)

    ResponderExcluir
  19. Marz...
    é esse aí mesmo. A corrida do século.
    Se bem que o outro também é pandego, tendo virado desenho animado.
    Vale assistir os dois pra desopilar o fígado.
    Brigadão.

    ResponderExcluir
  20. Caramba. alguém canta a pedra e alguém já grita Biiiinnngo...

    Mr Car deu a ficha completa até o ano
    Incrivel que eu acertei- 45!! anos já.
    E aquele docinho na |Natalie...
    é isso.

    ResponderExcluir
  21. Como certeza não é nada fácil fazer 200 km/h de media sem pneus, suspensão, freios etc. Esse conde foi bastante corajoso.

    Alguém chuta qual o torque de um motor desses?

    ResponderExcluir
  22. Mr Car,

    Isso mesmo.
    Natalie Wood: "A Comida do Século"

    ResponderExcluir
  23. Chevette 76,

    creio que por volta de 120 mkgf.

    ResponderExcluir
  24. Ronaldo Nazário09/08/11 16:57

    Eeeeeuuuuu...

    Carro de macho???

    Vou comporar dois, pros meus é claro!!!

    ResponderExcluir
  25. Se isso tracionasse não ia ter transmissão que suportasse isso, não para um carro pequeno dessa época.

    ResponderExcluir
  26. Aléssio,
    olhando o manual da Caterpillar aqui, o maior caminhão da linha 2010, o 797F, possui um pequeno motor de 106L, 20 cilindros.
    Diâmetro de 175mm, curso de 220mm, potencia líquida de 3795 hp.
    Capaz de carregar 267m³ de material, com peso bruto total, combinado de 623690 kg. Capacidade de carga de até 363 toneladas métricas.

    É beeeeem maior do que os 20 litros que tu citou anteriormente.

    E é bonito de ver um monstro desses funcionando, não precisa ser essa "munaia" aí, pode ser um 789C da Vale, que carrega só metade da carga desse... Ja chega pra assustar o vivente...
    hehehe

    Em tempo, um carro com motor de 20 litros? tem que ser é doido de andar atado pra PILOTAR algo assim...

    Abraço.

    ResponderExcluir
  27. Viu, é nisso que da postar sem ler tudo...

    Foi mal, não tinha visto a correção antes, é que entrou na minha área de atuação, entende? hehehe

    ResponderExcluir
  28. Milton Rubinho09/08/11 17:35

    Um Hip Hip Hurrah para o Conde Skavurzka!

    ResponderExcluir
  29. Aléssio Marinho09/08/11 18:27

    Felipe Sentinger;

    Sem problema, na hora me empolguei e troquei as bolas, acho que a culpa é do remédio que estou tomando...
    Pra completar, na hora de corrigir acabou a energia do escritório e virou pisca-pisca o dia todo. Nem dava pra pesquisar direito. Postei de qualquer jeito.
    Onde vc mora? Lá em Parauapebas é chato pra cacete pra subir na vila, nunca consegui.

    ResponderExcluir
  30. Carro de macho? Esse carro do conde é de ultra-macho... Imagine descer a lenha na barata e ter que frear para fazer a curva "logo ali"! E os freios ficavam só nas rodas de trás, calçadas com aqueles pneuzinhos fininhos, fininhos... O cabra tinha que manjar muito do cortado!

    ResponderExcluir
  31. Muito legal, mas se a moda pegasse por aqui teríamos Opalas, Mavericks ou Darts com motores de Tucanos de 750cv a 2200rpm.

    ResponderExcluir
  32. AK,
    Já virei fã desse conde... E pensar que esses motores aeronáuticos de então já carregavam muitas soluções tecnológicas que usamos hoje e muitos ainda insistem em achar que são modernas ou desnecessárias.

    Um motor desse num carro um pouco mais atual seria exagero (ainda que um exagero muito interessante), não chegando a um equilíbrio adequado. Por isso, minha idéia seria de um Merlim superalimentado em um Scania 111S...

    ResponderExcluir
  33. Ao ler o título do texto, me lembrei disto:

    https://www.youtube.com/watch?v=fToRej14lCQ

    Que é uma brincadeira referente a isto aqui:

    https://www.youtube.com/watch?v=-P2jiRPlq2U

    Que provavelmente é o filme mencionado pelo Arnaldo no texto.

    Acho que o Conde Zborowski estava mais para o primeiro vídeo...

    ResponderExcluir
  34. Eu moro em BH, trabalho com consultoria em mineração...

    Na faculdade tivemos algumas visitas às mineradoras grandes, onde deu pra ver de perto esses monstrinhos. A primeira vez que eu vi um de perto, foi impressionante, pq o caminhão era muito maior que o ônibus que nos transportava...

    Não cheguei a trabalhar em mina, vim direto de Porto Alegre pra cá, mas as vezes é preciso visitar minas, e aí da pra olhar os caminhões de perto, é bem legal.

    ResponderExcluir
  35. Opa opa, \o/ !!!

    Gosto muito dessas "cadeiras elétricas", rsrsrs

    Vide essa foto, de um Rolls-Royce Merlin sobre uma "carreta" [?]: http://namelessfaithlessgod.deviantart.com/art/Rolls-Royce-Merlin-186555551

    Eu sou o tipo de maluco que andaria com um desses assim mesmo, sem carroceria nem nada...rsrsrs
    Pra facilitar as coisas, montaria num chassi de caminhão canavieiro, reforçado.

    Eu sou louco, hauehuahuehauheuahuea
    Mas, como dizia um bom ditado...loucos são os que se consideram normais...e eu nunca me considerei normal mesmo, HAH!

    ResponderExcluir
  36. Johnconnor (old rocker)11/08/11 21:36

    Transmissão por corrente...
    Pra quem gosta de carros com motores de avião que tal o "the beast" com motor v12 merlin.

    http://www.youtube.com/watch?v=WHp58Ss5GvM

    ResponderExcluir
  37. Com certeza carro de Macho !!
    Mas vcs nao sabem .. na verdade esse conde era Gaucho !
    Bah ! tche!

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...