Google+

22 de setembro de 2011

DIA MUNDIAL SEM CARRO, O DIA DA IMBECILIDADE

Foto: Paulo Fessel


É mesmo coisa de quem não tem o que fazer, o Dia Mundial Sem Carro. Ou de gente que odeia automóvel, o que por si mostra desequilíbrio. Por isso o AUTOentusiastas, pelo terceiro ano, repudia com veemência esta iniciativa nojenta e conclama todos, mesmo quem não usa o carro para ir trabalhar, a tirar o carro da garagem e mostrar a essa gente de pensamento torto que isso tudo não passa de uma grande palhaçada.

Querem provar o quê com isso, que automóvel é inimigo? Se nem cigarro é  - há também o Dia Mundial Sem Tabaco, idiotice igual - como é possível pensar em tirar o automóvel das nossas vidas, um dia que seja?

O automóvel é e continuará sendo, até o último dia do mundo, a maior expressão de liberdade individual, e essa liberdade tem de ser defendida a todo custo. Começando pela repulsa a esse movimento idiota celebrado nessa data.

Querem o quê, tração animal, para emporcalhar as ruas com fezes de cavalos? Ou que uma família saia junta cada um em sua bicicleta, mesmo que esteja chovendo? Bebês de meses em bicicletas ou sendo espremidos em vagões de metrô? Ou que só se ande de ônibus, inclusive de pé e sem cinto de segurança, que não sei como é permitido?

O mais repugnante é ver empresas engajadas nesse absurdo, como se isso lhes angariasse simpatia, até mesmo sites automobilísticos como o pioneiro, no Brasil, WebMotors, de 1995, que chegou ao extremos de premiar bicicletas elétricas entre os seus leitores que derem as melhores sugestões de alternativas ao uso de veículos. Quanta hipocrisia! Como o WebMotors pertence a um banco, o Santander, não passo nem na porta dessa instituicão bancária.

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro anunciou que proibirá hoje o estacionamento de automóveis no centro da cidade  Que vergonha tenho de ser carioca! Em Aracaju, SE algumas do centro estão fechada  ao trânsito de veículos automotores.

O mundo tem 1 bilhão de veículos, entre de passageiros e de carga, para uma população de 7 bilhões. Que dia mundial sem carro coisa alguma! Os veículos automotores fazem parte integral das nossas vidas e sempre farão!

Hoje ficarei atento às empresas que querem fazer média em cima desse dia nefasto e amanhã publico post mostrando quais são. Os leitores podem colaborar informando no espaço de comentários alguma empresa que tenham notado participar dessa hipocrisia.

Um feliz Dia Mundial Sem Carros dirigindo o seu!

BS.


235 comentários:

  1. Concordo em tudo. Se ainda o transporte público paulistano tivesse qualidade o dia seria idiota mas nem tanto.
    Estou sem carro há 40 dias devido uma batida e sei muito bem o martírio que é pegar ônibus e metro. Um lixo sem fim, além de que o custo disso é alto demais. Gasto mais andando de transporte público do que de carro.
    Que meu carro volte logo para dizer adeus novamente ao setor que é um dos mais decepcionantes do Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Ô loco, Bob, porque cultivar tanta raiva em seu coração?
    Qual o problema, se no final das contas, nada vai mudar?
    Você critica o álcool, os que querem banir o cigarro,os eco terroristas, mas quando o negócio é defender seus preciosos carros, aí você fala com uma carga de exagero tão grande, que mais parece um personagem de Desenho animado louco e excêntrico.
    Eu, heim?

    ResponderExcluir
  3. jackie chan22/09/11 09:23

    Hipocrisia mesmo. O veículo automotor como transporte individual é uma das grandes conquistas do engenho humano. Como expressão de liberdade individual, só nas cidades menores e rodovias mesmo, pois nas grandes, o congestionamento e trânsito caótico tiram boa parte da "graça".

    ResponderExcluir
  4. Super Flanker22/09/11 09:31

    Eu...eu...gostei da iniciativa. É sério!
    Carros são legais, sabem...mas eles poluem...fazem barulho...são monocromáticos demais, pesados e...e...machucam gente!
    É...eu ...eu acho que é uma boa iniciativa.
    Vamos todos deixar o carro na garagem, pedalar com nossas bicicletas coloridas, caminhar, andar de coletivo, fazer novos amigos e olhar o mundo sob um novo ponto de vista! Vamos celebrar a vida, os passarinhos..vamos respirar e ouvir o som da cidade, sem ruídos e buzinas....
    Gostei da idéia...muito boa....

    ResponderExcluir
  5. HAuahuahuahuahuahau ótimo, esse é o Bob Sharp que conhecemos, direto e reto, sem papas na língua !

    Adoro carro, mas na cidade, prefiro que exista um transporte público de qualidade e que atenda a todos, com preço justo.
    Claro que isso não vai existir tão cedo nesse país tosco, se é que um dia vai existir.

    Ficar uma hora e meia a duas num busão pra ir do trabalho pra casa e vice-versa, sendo que posso fazer o mesmo percurso, no mesmo tempo a pé ?

    Nem a pau, vou de carro. Fim de papo.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Exato. Também concordo com o post e com o colega WRCA. Quando fiquei sem carro também vi o sofrimento que é.

    Se dar ao luxo de dispensar o carro para ir e voltar do trabalho, só é possível em alguns centros urbanos da Europa em que o transporte público é realmente exemplar, e o povo é realmente educado. Coisa que no Brasil levaria décadas para se chegar num nível parecido.

    Sem falar que, semelhante aos EUA e muito diferente da Europa, o Brasil é um país de dimensões continentais.

    Mas, fazer o quê, como sempre no Brasil atual as pessoas adoram bancar uma de politicamente correto...

    ResponderExcluir
  8. Velho Carcomido!22/09/11 09:39

    Este negócio de maior expressão individual de liberdade é a conversinha mais mole que já escutei na minha vida.
    Liberdade de que? De fingir que tem dinheiro andando num carro novo, enquanto a conta tá estourada e carnezão do banco nem chegou na metade? Liberdade de sair de casa pra ir na padoca a duzentos metros de distância, ou liberdade de se achar o dono do mundo fazendo barbaridades no trânsito caótico?
    Ha ha ha
    Que palhaçada!
    Expressão de liberdade não passa nem perto desta ladainha marqueteira de vocês!
    Tontos.

    ResponderExcluir
  9. Bob, Bob...sempre rabugento! Como eu, he, he, e é por isto que sou seu fã! Quando vejo uma coisa destas, dá vontade de propor a criação do "Dia Mundial Sem Campanhas Imbecis". Estou satisfeitíssimo em saber que vou precisar sair com o carro hoje, mandando os palhaços politicamente corretos inventores dessa cretinice para o raio que os parta. E já que tocou em cigarro, outra coisa que me irrita, é de vez em quando ver um fumante com câncer, processando o fabricante da marca de cigarros que fumava. Se eu fosse juiz, não dava ganho de causa para a "vítima" nem sonhando. Hoje (melhor dizendo, não é de hoje) se sabe que o cigarro faz mal, e isto é amplamente divulgado. Se alguém fuma, é por sua própria conta e risco. Ninguém está sendo enganado. Para terminar, bom passeio hoje, Bob...em seu carro, he, he, he, he!

    ResponderExcluir
  10. Ainda bem que meu MP Lafer não é um carro, é uma obra de arte. O dia que proibirem obras de arte nas ruas estarei bem longe desse mundo.

    ResponderExcluir
  11. Eu também não concordo nem um pouco com esse dia idiota.

    Jamais que eu trocaria meus veículos para "dar uma de bacana" ou "fazer algo para estar na moda". Odeio modismos e odeio gente que pense assim.

    Jamais que um dia sem carro melhorará nossas vidas. A economia DEPENDE do transporte, principalmente no Brasil, onde os pneus dos automóveis e caminhões transportam quase que a totalidade das pessoas e produtos.

    Jamais que a cidade ficará "silenciosa", que você fará amigos pedalando ou andando. Isso é questão cultural e nós, definitivamente, não temos essa cultura.

    Jamais o transporte por tração humana será "bem recebido" em uma cidade com o relevo irregular. A maioria absoluta das pessoas sequer conseguem fazer uma ladeira de bike.

    Proibir o trânsito em determinada parte da cidade é "coisa de marketeiro idiota". Algo para criar impacto, sem que ele faça esforço algum. E que impacto? Deixe seu carro 10 quadras de onde você trabalha e vá caminhando até lá que você verá.

    Para. Tem muita gente com "poder" e "sem noção" do que está ditando...

    Parem o mundo para eu descer!

    ResponderExcluir
  12. Poderia ter o dia mundial sem hipocrisia, politicos bandidos, sem impostos, sem falta de medicos,entre outras coisinhas mais.

    ResponderExcluir
  13. Velho Carcomido!22/09/11 09:48

    Ai, meu Deus...quanto ódio...quanta raiva....ui!
    Suas loucas!

    ResponderExcluir
  14. Velho Carcomido! Disse...BESTEIRA. Ando de carro novo pago "cash", uma sobre a outra, aliás minto. Pago com DOC, que não sou otário de andar com grana viva para cima e para baixo. Além do mais, não faço barbaridades no trânsito. Meu histórico de duas multas por razões bobas (distrair e superar o limite da via 5Km/h) em 28 anos de C.N.H. atesta isto. Bom "Dia Mundial COM Carro" para você também.

    ResponderExcluir
  15. Dizem que o Brasil é país do faz de conta. Você faz de conta que manda, eu faço de conta que faço.

    Os que se manifestaram "a favor", garanto que andam de carro para seus trabalhos, e afazeres pessoais. Bem como os hipócritas que divulgam esse tipo de excentricidade para meia duzia de tontos cairem.

    Sugiro que quem inventar isso ande pelo menos uma unica vez num caminhão público enlatado (=onibus urbano) da capital de São Paulo e depois venha comentar a experiência

    ResponderExcluir
  16. Velho Carcomido!22/09/11 09:52

    Ui, Mr Car...você é o cara, heim?
    Ah ah ah

    ResponderExcluir
  17. Lee Falk !22/09/11 10:02

    Pelo menos uma vez por semana deixo o meu carro na garagem e vou trabalhar a pé.
    Assim, tenho a chance... a única chance em sete dias na semana... de me livrar da minha sogra e aquele seu traseiro colossal,largo e de superfície irregular, que se movimenta, para um lado e para o outro, como uma massa flácida sustentada pelos modelitos mais cafonas e escandalosos que já tive a infelicidade de olhar.
    Acho...acho que preciso de terapia.

    ResponderExcluir
  18. Mister Fórmula Finesse22/09/11 10:05

    O dia sem políticos seria realmente uma boa...quem sabe um ano sem os mesmos?

    Bob;

    Já fazem semanas que uma empresa vem divulgando o dia sem carro aqui pelas bandas gaúchas, seja por rádio ou tv; me chamou a atenção que se anteciparam tanto e o volume de reclames propagado.

    Que empresa é essa? .......Marcopolo ônibus (rsrsrsrsrrsrsrsrsrsrsr).

    ResponderExcluir
  19. BS,

    concordo parcialmente. Alternativas são necessárias e bem-vindas - principalmente que não poluam (não vou falar em CO2, que vc despreza, mas sim dos gases tóxicos que queimamos em nossos autos). Se o sujeito sente-se bem em contribuir com o coletivo não usando o seu carro, não há porque criticá-lo. Sua visão é puramente egoísta. Não concordo com a proibição hipócrita e sem senito de proibir o estacionamento nas mencionadas cidades, mas sim que o poder público, com idéias inteligentes, criem alternativas viáveis e confortáveis de transporte coletivo.
    Achei banal a comparação com o Dia Mundial sem Tabaco - que é um problema de saúde pública. Quer morrer? Problema seu! Mas sua fumaça emporcalha o pulmão dos outros.
    Evandro

    ResponderExcluir
  20. Bob, Particularmente fico até filiz que esses imbecilóides que não gostam/entendem nada de carro façam essa ação best.
    E mais, acho que deveria ser mais de uma vez ao ano.. ao menos uma vez por semana.
    Pelo simples motivo de que, como você mesmo citou, é coisa de gente que não gosta de carro - leia-se, maus motoristas - gente que dirige por obrigação, não prazer -.
    E de fato, um dia sem esse monte de barbeiros estressados na rua nunca pode ser ruim... pelo contrário, nós, entusiastas ficamos com mais espaço pra poder exercer nosso direito de dirigir...
    Vamos então torcer pra que todos os barbeiros fiquem lá, de ônibus, enquanto tiramos nossos carros pra as ruas, mais tranquilos e relaxados do que nunca...

    ResponderExcluir
  21. Mais uma da série "Carros,os grandes e malvados vilões da humanidade": alguém se lembra de um episódio de "Speed Racer", onde um sujeito só andava em um cavalo, tumultuando o trânsito e amaldiçoando os carros e seus donos, em razão de sua filha ter ficado paralítica após um acidente? No fim o Speed usa um carro para salvar a vida desta mesma moça, convencendo o pai de que não fazia sentido aquele ódio por estas máquinas maravilhosas. Graaaaaande Speed, he, he!

    ResponderExcluir
  22. Carlos Laisser22/09/11 10:30

    Meu kct, voces sao tudos doentes egocentricos. Parem de pensar apenas em voces mesmos e em sua comodidade por 1 dia. Doentes, vao se tratar.

    ResponderExcluir
  23. Bob,

    Até agua é essencial para a vida. Mas em excesso causa desgraça e morte.

    Ou seja, não acho legal ver aquele monte de carro na frente do meu trabalho soltando fumaça e parado, desperciçando energia, muito cara aliás.

    Aliás, não há coisa mais estúpida e repugnante usar o carro para andar a velocidade de uma pessoa a pé ou no máximo a mesma velocidade que os cavalos puxavam as carroças a 100 anos atrás.

    Evoluímos onde?

    Sou a favor da utilização do carro quando é possível. Em nossa cidade entupida, não passa de uma estupidez sem tamanho.

    É tão difícil parar o carro em uma estação de metrô ou trem mais afastada e seguir o resto do trajeto de transporte público?

    ResponderExcluir
  24. Essas campanhas servem para conscientizar (creio eu), mas não devem ser levadas tão a sério. Em SP, se umas 3 pessoas deixaram o carro em casa por causa da campanha deve ser muito. A decisão de usar ou não o carro é individual. Eu, por exemplo, escolhi dirigir todo dia apenas 10 minutos, de casa até o terminal, e concluir o percurso até o trabalho de ônibus ou metrô. Isso porque não suporto mais dirigir em SP. Mas, novamente, todos devem ter liberdade de usar seu carro ou não, mesmo que a escolha seja por ficar parado no congestionamento.

    Acho muito mais imbecis as reportagens de tv incentivando o uso da bicicleta, sempre concluindo que ela é mais rápida, ecológica, bla bla bla. É bastante óbvio que não dá prá andar de bicicleta em SP, a não ser que você tenha tendências camicases ou suicidas.

    ResponderExcluir
  25. Para Evandro: Hipócrita é o governo, que arrecada imensas fortunas em impostos sobre os cigrros, e depois ainda fica torrando meu dinheiro de contribuinte com campanhas, e tentando tocar o o terror nos fumantes com aquelas fotos de gente doente nos maços de cigarro, além de tolher sua publicidade. Se é legal comercializar ocigarro, então também é legal anunciar. Que tal se os governos fossem machos de fechar todas as companhias de cigarros do Brasil, e abrissem mão da dinheirama que esta indústria lhes rende?

    ResponderExcluir
  26. Segundo o jornal Herald Sun, um gato chamado Graeme vai duas vezes por dia à estação esperar sua dona. Ele até acerta o lado em que o trem sai pela manhã e o lado em que ele volta pelo fim do dia!!

    Será que a dona aderiu ao dia mundial sem carro???

    ResponderExcluir
  27. O Fantástico Mundo de BOB deve ser o Bizarro World. Sabe aquele planeta dos quadrinhos do Super onde tudo é o oposto do que deveria ser? Então. Como se tudo que fosse inacreditavelmente estúpido em nossa realidade fosse absolutamente genial lá no Fantástico Mundo, e vice-versa. Isso quer dizer que "foristas" como o Dudu e o Mr. K seriam Einsteins lá no Fantástico Mundo... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  28. Sou só eu ou todos esses comentários ranhetas parecem ser da mesma pessoa...?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ACHO QUE NÃO. EU SEI QUEM EU SOU.

      Excluir
  29. Não gaste o seu latim com isso, Mestre Bob Sharp. O governo federal não abraça essa causa do dia sem carro, afinal ele quer é arrecadar mais IPI, IOF e tudo mais.


    Que tal se nós promovessemos o DIA NACIONAL SEM IMPOSTOS? Muito mais racional e ecológico. Vamos nos mobilizar via twitter, facebook, blogs etc.

    ResponderExcluir
  30. Eu já saí de moto hoje. Será que podia? Hahaha!
    Não estava nem sabendo que teria isso hoje.

    ResponderExcluir
  31. Se o governo fechasse as fábricas de cigarro, aí o Bob ia surtar de vez!!!
    Bob, o insuportável...ah ah ah

    ResponderExcluir
  32. Bob, experimente passar um dia inteiro na Ipiranga com a São João, e o dia seguinte passe inteiro em Mauá, e daí depois faça um post sobre os mitos e as verdades dos malefícios dos automóveis. Quanto aos cigarros, nada melhor do que a frase do Rubem Braga: "Quem quiser que se fume." Abs, Fred.

    ResponderExcluir
  33. Tio mico
    A raiva é na cabeça, racionalmente, não no coração.

    ResponderExcluir
  34. "Bob, Bob...sempre rabugento! Como (sic) eu, he, he, e é por isto que sou seu fã! " Normal cometer um erro de digitação e trocar uma vogal em um textículo como esse. Mesmo assim, deu(sem trocadilhos) pra entender toda essa admiração pelo blogueiro.

    ResponderExcluir
  35. Burp
    Se o governo permite a fabricação de cigarro, a caça aos fumantes é pura hipocrisia. Só que o governo não é louco de perder 7 bilhões de reais por ano de impostos recolhidos pelos fumantes e pela indústria do fumo. E antes que venha a contestação, os supostos gastos com a Saúde para tratar dos doentes de doenças provocadas pelo fumo é de 2 bilhões de reais/ano, portanto está no lucro.

    ResponderExcluir
  36. O legal é que o Bob vai fazer uma lista amaldiçoando todo mundo que defende o dia sem carro,.
    Quer dizer, "ou você pensa como Bob Sharp e seus fiéis AEs, ou você será empalado por um eixe de transmissão, e jogado vivo aos abutres...ah ah ah!"
    Uooohhhhhhh!!!!

    ResponderExcluir
  37. Gosto do Bob, porque ele escreve o que pensa e sente. Não é hipócrita como a maioria das pessoas, que só falam e escrevem o "politicamente correto" para não se envolver em polêmicas.

    Eu acredito que essa ideia de tirar os carros das ruas por um dia ou mesmo o dia mundial sem tabaco não passa de verdadeira idiotice.
    Existem coisas piores para nos preocuparmos, como entre tantas outras, o agrotóxico aplicado em capina química em minha cidade e também em toda região onde moro. Esse agrotóxico é tão nocivo que até foi proibido seu uso na França. Mas ai de quem falar mal dele, porque é produzido por uma grande multinacional e grandes multinacionais tudo podem. O que se vê são ruas limpinhas, livres de mato, mas infestadas de veneno altamente tóxico que tem por característica, entre outras, provocar depressão entre as pessoas, e diga-se de passagem, que nesta mesma região, às pessoas são altamente depressivas e dependentes de remédios. E isso ocorre com pessoas de todas as idades. Do jovem ao idoso.
    Mas já que a poluição dos automóveis provoca tanto pavor nas pessoas, porque essas mesmas pessoas então adquirem carros enormes, potentes e gastadores? Tenho certeza de que os diretores desse banco possuem carros de alto luxo, enormes, beberrões e que utilizam muito mais matéria prima que um carro pequeno. Mas aí tudo bem, certo?
    A minha ideia, é que não resolve nada essa história de carro alcoólico, ou de carro elétrico, se não diminuirmos primeiro o tamanho desses veículos. Por exemplo, não é preferível, em se tratando de ecologia, possuir um Gol ou um Celta, ou um Ka movido a gasolina do que um Fusion híbrido, cheio de parafernálias e enorme e que utiliza bem mais matéria prima que qualquer carro pequeno?
    Será que o futuro não está nos Picanto, Smart e Spark da vida?
    Mas esses mesmos senhores que se fazem passar por pessoas ecológicas, utilizam diariamente Mercedes, BMW e Audi enormes, gastões e altamente anti-ecológicos.
    Poderíamos, por exemplo, em dez anos, produzir veículos com no máximo 3,70m ou 3,80 de comprimento e quem sabe um dia, poderiam ser até menores que isso.
    Bem, hoje estou completando dois anos sem fumar, mas felizmente não me tornei um ex-chato. Hoje respeito mais os fumantes do que antes quando fumava.
    Um bom dia para todos.

    ResponderExcluir
  38. Luiz AG
    Concordo com tudo o que você diz, mas nada, absolutamente nada justifica esse "Dia". Palhaçada pura.

    ResponderExcluir
  39. Daniel San22/09/11 11:24

    Caro Bob,tudo o que vemos hoje na mídia se presta a objetivos políticos e/ou econômicos. O governo tá pouco se lixando pra consciência ambiental,quer é aproveitar o Dia Sem Carro pra faturar mais um pouco com a indústria de multas,dá claramente pra ver isso ainda mais quando o mesmo governo não oferece uma contrapartida ao disponibilizar transporte público decente a preço aceitável.
    Seria realmente muito engraçado os palhaços que invertaram essa patifaria andando de bicicleta no verão rumo ao trabalho,debaixo de uma lua de 42º,ou como você mencionou,debaixo de chuva. Sem falar que tem muito ciclista tão xiita quanto um militante da Al Qaeda. Experimente chamar a atenção de um deles no trânsito,pra ver só a reação...
    Aderindo à contra-campanha,hoje fiz questão de tirar o carro da garagem...

    ResponderExcluir
  40. Quem defende transporte público nunca pegou trem na vida nem a linha vermelha as 6 da tarde.
    Tá, eu fico 1:30 no trânsito, mas é melhor do que ficar esperando 25 minutos para embarcar na estação sé. E vou no conforto do ar condicionado, não com gente sem higiene que fede, além de que somos obrigados a ouvir toda a sorte de música ruim. E o ônibus?
    Moro em Mairiporã e trabalho no Anália Franco. De carro gasto 40 minutos e 15 reais de gasolina. Com o binômio metro + bus o preço vai para R$ 19,20 e o percurso é feito em 1h:30m com sorte.
    Se ser egocêntrico é querer ficar mais duas horas com minha família e pode dormir confortavelmente e sem dores nas costas por andar a pé, então sou egocêntrico.
    O que mais me irrita no mundo de hoje é o pseudo ativista. Acha que carro mata, porém toma banho de duas horas. Defensores de animais vegetarianos que são ativistas de facebook, e nem ligam para os orfanatos cheios de crianças...
    Falam falam mas aposto que esses pseudos ativistas nem reciclam seu próprio lixo...
    E vamos continuar sim a usar carro... Todos os dias, sempre.

    ResponderExcluir
  41. Burp...pé no saco!22/09/11 11:25

    Os protestos on line do Bob estão entre os posts mais legais que existem! É farpa, rancor e ódio pra todo lado...
    Êita coisa boa!

    ResponderExcluir
  42. Se a idéia fosse somente mostrar para as pessoas que nem tudo precisa ser feito de carro, ou que seu uso pode ser mais racional, eu acharia legal.
    Ao mesmo tempo, os radicais de plantão enchem o saco querendo tornar crime andar de carro e cegos ao fato que cada um tem suas necessidades, e isso determina suas escolhas. Especialmente em cidades como SP onde, nos horários de pico, não se consegue sequer entrar em estações de metrô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. APOIADO. EU MESMO, AS VEZES PREFIRO IR AO CENTRO DA CIDADE A PÉ (MORO EM BELO HORIZONTE), POR PURA OPÇÃO, POIS GOSTO DE ANDAR A PÉ TAMBÉM. MAS SEMPRE GOSTO DE SABER QUE MEU CARRO ESTÁ A MINHA DISPOSIÇÃO NA MINHA GARAGEM PARA EU USA-LO COMO E QUANDO QUIZER. ADORO DIRIGIR E NÃO ABRO MÃO DESTA OPÇÃO!!!!!

      Excluir
  43. É isso aí, Bob! Assino embaixo de tudo o que você disse.

    ResponderExcluir
  44. Nilton Lopes22/09/11 11:35

    Acho que o ideal seria o Dia Mundial da Tolerância.
    Tenho percebido nos últimos anos que a intolerância a diversidade de opiniões vem aumentando, e não somente neste espaço. Bob é um cara que admiro desde que comecei a ler sobre automóveis, mas parece um tanto rancoroso quando as coisas não são do jeito que ele julga certo. Discordar do tal dia sem carro, ok, acho justas as justificativas, mas ao chamá-las de nojentas, de dizer que quem não gosto de automóveis é desequilibrado vai contra o que é democrático e isso sim me parece desequilíbrio, o desrespeito às opiniões contrárias, concordar ou não já é outra coisa. Tenho amigos que não tem carro, preferem bicicleta ou transporte publico, não desequilibrados? Não, só tem uma opinião diferente e não obrigam ninguém a tê-las, é uma escolha pessoal e só. Não há necessidade desta agressividade do post, fica parecendo coisa de torcedor de futebol que não tolera o outro.
    Quando o assunto chega na política então os leitores do blog mostram os dentes. Gente, cada um vota, apoia, torce, opina o que e em quem quiser, mas tudo isso deve ser respeitado, chega de chingamentos, achincalhes, trollagens. Debate de ideias respeitoso é tão bom, o exercício do pensamento!
    Em tempo, não acho praticável ficar sem carro em São Paulo, apesar de achar o trânsito impraticável. O tal dia pouco me importa, não é obrigatório, vai na onda quem quer e não vai atrapalhar nem mudar em nada a minha vida.
    Impor verdades é coisa para ditadores e pelos anos que te leio Bob, sei que não o é, mas, apesar deste ser o seu espaço e você escreve o que quiser e quem não gosta que se mande, ó a democracia de novo, te faço este apelo, be coll.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  45. PS.: Escrevi o texto antes de ler os comentários dos demais leitores, para que não interferissem em minhas ideias.

    ResponderExcluir
  46. Usar o carro ou não, não é a questão. O problema que eu vejo com iniciativas como essa é que há muito o que fazer, mas se torna mais fácil e mais 'politicamente correto' pedir ao usuário que deixe de fazer alguma coisa devido à incompetência dos governantes.
    É claro que, nos grandes centros urbanos às vezes é inteligente não ir de carro, mas ele não é o vilão.

    ResponderExcluir
  47. De 2009, mas muito bom o texto de Marcellus Leitão para o jornal O Dia:
    http://odia.terra.com.br/blog/automania/200909archive001.asp

    ResponderExcluir
  48. Velho carcomido
    É, caro leitor, você está realmente fazendo jus ao seu apelido de anonimato. Uma pena, mas acontece um dia com todos nós.

    ResponderExcluir
  49. Para anônimo da 11:15. Normal aparecer uma biba burra achando que só pelo fato de se ter afinidade de idéias com uma pessoa do mesmo sexo, isso significa que se comunga das mesmas preferências sexuais da própria biba burra.

    ResponderExcluir
  50. É preciso ter equilíbrio.

    Carros são importantes, principalmente em um pais onde o transporte coletivo é ruim e caro, o uso de transporte individual (carro e motos) é torna-se uma das poucas alternativas viáveis.

    Porém as vezes é necessário ser lembrados que existem outras formas de transporte e locomoção individual.

    Pois é visível que a conta não fecha. Há um excesso de carros circulando nas ruas e isso gera além dos danos ambientais (nem entro no mérito de aquecimento global, mas simplesmente basta reparar no ar poluído que respiramos nos grandes centros) , uma enorme perda de tempo em congestionamentos ( pra mim é impensável passar mais de uma hora dentro do carro, trancado, na ida e volta do trabalho) e um gasto financeiro grande em muitos casos (Um carro grande trancado no engarrafamento cor ar ligado difícilmente vai tirar boas médias de consumo, sme falar no desgaste mecânico).

    Isso tudo sem falar que em geral os carros poderiam levar mais pessoas, mas em geral é só o motorista que se desloca. Num espaço onde 5 poderiam estar, apenas um ocupa.

    Dessa forma, acho interessante que sejamos lembrados que "é possível" passar um dia sem carro ou que podemos adotar a carona.

    Isso não quer dizer que diariamente isso seja feito, mas é preciso pensar em outras formas de deslocamento.

    É preciso pensar no coletivo de vez enquando.

    ResponderExcluir
  51. Carlos Laisser
    Doente é quem concorda com essa palhaçada, não nós.

    ResponderExcluir
  52. Grande Bob!!!

    Concordo totalmente com seu pensamento!!! Manda o cara que mora em Mogi das Cruzes e trabalha em Alphaville ir de bicleta ao trabalho!!!!

    Bando de idiotas!!! Quero saber se os diretores, gerentes e donos das empresas que apoiam essa ideia, irão deixar seus carros em casa, para ir a pé... ahhhh é verdade, a maioria usa helicoptero, ai eles não estão com o carro no trânsito!!!

    Alvaro

    ResponderExcluir
  53. Chico ( da mecanica do chicão, em guaianases)22/09/11 11:54

    É isto aí, Bob!
    Você tá certo mesmo. Este bando de hipócrita quer fazer a gente acreditar que o mundo é colorido...Pois olha só o que tenho em mente pra protestar!
    Não só eu não deixarei meu carro em casa, como vou ferrar com a injeção dele, arrancar o catalisador, silenciador, e vou sair pelo centro espamdido de Sp em pleno rodízio do meu carro, pelado e com a bunda pra fora da janelamandando ver nas bufas!
    É isto aí! Vou protestar também! Abaixo a hipocrisia...O carro acima de tudo!!!

    ResponderExcluir
  54. Velho Carcomido!22/09/11 11:55

    Ah ah ah...

    ResponderExcluir
  55. Porém, complementando o comentário anterior, nem sempre é viável largar o carro, bem como a perseguição que o carro em geral sofre.

    Como disse, há de se ter equilíbrio.

    ResponderExcluir
  56. Nilton Lopes22/09/11 12:05

    Sobre cigarros, ao que me parece, os governos, e aqui entra o mundo inteiro não só o governo federal daqui, faz campanha anti fumo e tasca o imposto lá em cima porque quando o fumante fica doente, na maioria das vezes, quem cuida e gasta com isso, são os próprios governos.
    Acho justo lucrar horrores vendendo uma coisa que vicia o sujeito, mas desde que não exteriorize os danos. E como se faz? Taxando, troca justa em qualquer governo, em qualquer partido e no planeta inteiro. Ah, antes de se falar que carro também onera a saúde, lembre-se que carro não cria dependência química.
    Abraço

    ResponderExcluir
  57. Bob, eu tenho que te perguntar.
    Quando você escreve estes posts relativamente polêmicos, e são postados os comentários mais incríveis e estapafúrdios possíveis, existe uma chance, mesmo que remota, de você estar se divertindo?
    Eu, pessoalmente, rolo de rir om alguns deles!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  58. To contigo e não abro Bob!

    ResponderExcluir
  59. Hahaha, quanta ignorância. Pesquise antes de falar. É uma anta que dirige seu carrinho. Sua besta!

    ResponderExcluir
  60. Bob,
    Só um ponto complementar.
    Ônibus em pé sem cinto é permitido em qualquer lugar do planeta...

    O fato é que aqui no Lisarb a gente esculacha um pouco e vai além, como sempre.

    ResponderExcluir
  61. No dia que tiver um sistema de transporte público eficiente, ou no mínimo suficiente, quem sabe...

    Thatiana Emanuelle

    ResponderExcluir
  62. SergioCJr.22/09/11 13:23

    Mr. Car e Bob Sharp,

    A questão de se processar os fabricantes de cigarro é que, ainda que a pessoa opte por dar o primeiro trago, o cigarro traz substâncias que acabam por criar dependência química no fumante.

    Os fabricantes sabem que seu produto cria dependência química fortíssima e, ainda assim, o disponibilizam à massa.

    Desta forma, a partir do momento que a pessoa torna-se dependente da nicotina, lhe é tirado o poder de discernimento e decisão, tanto é assim que, mesmo querendo, poucas são as pessoas que conseguem largar o vício e muitas são as que o largam para retornar, mesmo após vários anos de abstinência.

    Portanto, é uma questão de saúde pública, criando, por consequência, responsabilidade objetiva das fabricantes de cigarro quanto aos danos causados por seu produto aos consumidores (fumantes).

    Esse papo de que fuma quem quer, não é de todo verdade. Podemos dizer que dá o primeiro trago, hoje em dia, quem quer, mas a maioria que sofre de doenças relacionadas ao fumo, são de gerações que cresceram embebidas em propagandas onde o cigarro era colocado como um instrumento de sucesso, bravura e sensualidade.

    O malefício causado é tão grande como os que drogas como cocaína e crack causam e, no entanto, se proíbe tais drogas e se permite o cigarro e o álcool.

    É uma hipocrisia, eis que muitos dos que defendem a proibição destas drogas, são fumantes e consumidores de álcool.

    Quero perguntar aos fumantes, se seus filhos e netos chegassem em casa com um papelote de cocaína, dizendo que resolveram tornar-se usuários dessa droga ao invés de fumantes, qual seria a reação? Estudos relatam que a dependência causada pela nicotina é maior do que a causada pela cocaína e que a crise de abstinência da nicotina “chega” mais rápido.

    Então, não podemos chamar de IDIOTICE esse tipo de campanha que busca alertar sobre os malefícios dessa droga que, sim, afetam toda a sociedade e não apenas os fumantes, ou vocês acham que a conta da saúde pública com o tratamento de dependentes e doenças causadas pelo cigarro é pago por quem?

    ResponderExcluir
  63. SergioCJr.22/09/11 13:23

    Quanto ao dia mundial sem carro, do ponto de vista de alguém que é “viciado” em carro, como sou, não acho uma questão idiota.

    Devemos lembrar, sempre, que vivemos em uma sociedade, portanto, para usufruir da segurança proporcionada pela vida em comunidade, devemos abdicar de certos direitos e privilégios.

    Odiaria uma vida sem carro ou moto e a liberdade de livre escolha de nossos caminhos e horários que nos proporcionam, mas, considerando os grandes centros urbanos e a impossibilidade, ainda que momentânea, de compatibilizar a estrutura viária com a quantidade de veículos existentes, é justo que eu, vocês e os milhares de motoristas que, muitas vezes, utilizamos um carro para 4 ou mais passageiros que 80% do tempo levam apenas uma pessoa, sejamos responsáveis por fazer com que alguém leve mais de duas horas para ir e voltar ao trabalho, porque o trânsito não prejudica apenas àqueles que possuem veículo, mas também àqueles que dependem do transporte público, causando estresse, que leva a uma série de doenças, o que faz com que as pessoas terminem em hospitais... E a conta disso é suportada por quem?

    Vejam que nada falei da poluição, até porque os carros modernos poluem (sem contar o processo fabril) muito pouco.

    Não acho uma idiotice essa campanha e, entendo, que nem deva ser encarada como uma campanha de abolição total dos carros mas, sim, como uma campanha que nos leve a refletir sobre soluções viáveis para que nossa qualidade de vida e convivência em sociedade, principalmente em grandes centros urbanos, seja melhorada, propiciando tal reflexão, inclusive, que a população possa engajar-se em cobrar de seus governantes mais investimentos na estrutura viária e nos transportes públicos de qualidade.

    O problema é que muitas vezes, e espero que isso seja encarado como uma crítica construtiva, queremos enxergar a questão como se a única verdade existente fosse a nossa.
    Se a campanha fosse pela abolição dos motores 1.0 e retorno absoluto de motores V8 em todos os carros, muitos aqui aplaudiriam e, se alguém discordasse dizendo que tais motores consomem mais combustível, que sua produção, por levar mais peças que um motor de 4 cilindros, causam maior consumo de recursos naturais para uma única unidade, e taxasse a campanha de babaca e imbecil, certamente, seria aqui linchado.

    Então, antes de criticar qualquer ação por simplesmente contrariar nossas crenças ou nossas verdades, vamos tentar entende-la e respeitá-la, por mais absurda que possa parecer.

    Ah, antes que digam que sou um ecochato ou algo do gênero, lembro que não organizo qualquer dessas campanhas e que participo involuntariamente do dia mundial sem carro porque costumo trabalhar de moto e, ainda, que tenho carro, moto, pais e noiva fumantes, ou seja, antes de malhar qualquer campanha, teria de arrumar a própria casa. Apenas, com o tempo, aprendi a respeitar as opiniões diversas da minha.

    Desculpem o post gigante.

    ResponderExcluir
  64. Bob discordo totalmente de você, que a população deixe seus belos carros em casa pelo menos 1 vez ao mês, assim tenho mais espaço para andar com o meu haha...

    Se acham que o carro polui demais e se sentem prejudicados podem ir morar no interior do amazonas onde só se chega de barco, lá a poluição dos carros é ZERO!

    ResponderExcluir
  65. Bob

    Exato. Para homenagear essa gente tão "preocupada" com o meio ambiente ou seja lá que raio for, proponho uma carreata-monstro, repleta de DKWs, Candangos e Fissores, soltando aquela nuvem azul tão característica quanto apreciável é seu odor, pelo menos para mim.

    ResponderExcluir
  66. Eu não sou tão radical quanto o Bob sobre essa estupidez do dia mundial sem seja lá o que for, mas são movimentos puramente de fachada. Simplesmente os ignoro e boa. Tanta coisa mais importante a se resolver aqui no Brasil e o pessoal entra na onda desses movimentos demagogo-hipócritas. Duvido que todo neguinho que apóia o dia mundial sem carro foi hoje trabalhar a pé, de bicicleta ou de transporte coletivo.

    Queria só ver aqui no Brasil todo mundo ir trabalhar e voltar para casa hoje dependendo única e exclusivamente de transporte alternativo. O caos seria tamanho que o trânsito intenso pareceria o nirvana, um paraíso.

    E, sobre fumo, nos dias atuais, se alguém se sentir prejudicado por começar a fumar e depois alegar não saber que o fumo vicia, merece levar uns cascudos para largar a mão de ser tão alienado. Ora, façam-me o favor...

    ResponderExcluir
  67. Para SérgioCJr: não mudo uma vírgula. Se o fumante quer processar alguém, que processe o Estado então, por permitir indústrias de uma coisa tão danosa. Os fabricantes de cigarros não estão fazendo nada ilegal, portanto, manteho meu veredicto: não daria ganho de causa a quem os processasse.

    ResponderExcluir
  68. Tenho vergonha de habitar o mesmo planeta que você!

    ResponderExcluir
  69. Qualquer um que declare equivalência moral entre consumir álcool ou cigarro e maconha e coca é um sociopata indigno de atenção...

    ResponderExcluir
  70. Paulo Ferreira22/09/11 13:59

    Totalmente apoiado. Fiz dirigi pela manha e voltarei a dirigir mais a tarde.

    Daqui a não muito teremos o dia mundial carbono zero, quando ninguém poderá defecar, urinar ou flatular... e talvez o dia mundial do oxigênio, quando todos não poderão respirar... Me poupem..

    ResponderExcluir
  71. Mikoyan Gureyev22/09/11 14:02

    Tua postura me excita, Mr. Car! Uau...

    ResponderExcluir
  72. É isto aí, Paulo. Eu também dirigi hoje, e depois das cinco dirigirei de novo!
    Somos soda!!

    ResponderExcluir
  73. Na minha cidade interditaram uma rua inteira do centro, uma rua importante que liga uma região inteira da cidade ao centro.

    Resultado, o trânsito está uma bagunça, o comércio da tal rua interditada as moscas, todas as paralelas e travessas congestionadas, o que adianta? que façam esta coisa ridicula e aquele que pagou caro pelo seu carro e impostos e seguro e ainda assim quiser que deixe em casa, mas interditar uma rua? qual a lógica?

    O trânsito, barulho e poluição saiu desta rua e o trânsito parado ao redor que está congestionando tudo o dia inteiro aumentou muito mais a poluição, os carros estão demorando horas para fazerem trajetos de minutos.

    É falta de inteligência isto;
    Na tal rua interditada existem centenas de buracos, poderiam oproveitar este dia para uma geral pelo menos e na rua também tem postos de combustíveis, imagina o movimento?

    O coisa besta o que fizeram, e amanhã quem tinha que resolver algo nesta rua ou vir para o centro e sabendo da confusão deixou para amanhã, simplesmente vai acumular mais gente, trânsito, poluição, isto sim é uma celeuma completa.

    ResponderExcluir
  74. Outra idiotice é aquele negócio de apagar as luzes, aqui lembro que até o Mcdonalds apagou a placa deles.

    ResponderExcluir
  75. O mal deste blog e dos responsáveis que escrevem é levar tudo a ferro e fogo. Ou é 8 ou 80. Não se pode pensar sobre carro elétrico, não se pode discutir sobre poluição atmosférica (carros poluem, quer queiram quer não), não se pode dirigir devagar, não se pode dar seta, não se pode falar mal de ricões irresponsáveis que se envolvem em acidentes, não se pode inibir a compra de importados, taxando nossos carros de carroças (exaltar Mavericks e Opalas pode, né?).
    Dia mundial sem carro? Tudo que é excesso faz mal. Não vejo motivo pra pânico, nem tal data como uma demostração de ódio.

    ResponderExcluir
  76. Só dá maluco nesses comentários anônimos.
    Prato cheio para psicólogos.
    Pessoalmente, é ridículo achar que dá para viver sem carro.
    Nem no sertão da Bahia o pessoal vive sem carro. Juntou um troco, correm comprar um.
    Só não aprecio fumaça de cigarro no meu nariz. No mais, tremendamente certo.

    ResponderExcluir
  77. Idiotice mesmo foi aquele frango tosco que o goleiro do Russian Rangers tomou do ponta esquerda do Midnight express.
    Que isto!

    ResponderExcluir
  78. Acho Tudo Isso Um Saco22/09/11 14:44

    Gostaria do Dia Mundial Sem Idiotices. Além de um descanso, o Universo agradeceria.

    ResponderExcluir
  79. Bob

    Mudando um pouco de assunto, mas, nem tanto:
    Você já andou no Cruze? Estou esperando para saber o que você achou.

    ResponderExcluir
  80. Acho Tudo Isso Um Saco,

    Cometa suicídio e terá uma eternidade "em paz"!

    Simples assim!

    :)

    ResponderExcluir
  81. O dia mundial sem carro devia ser no meio do verão, na temporada de chuvas torrenciais.

    ResponderExcluir
  82. Quando trabalhava na região da av. Paulista ia trabalhar de ônibus. Não tinha outro jeito: ganhava pouco e os estacionamentos eram (ainda são)caríssimos. Porém pastava, quase pendurado na porta dos ônibus, ou quase que em ciam do motor do mesmo (aliás, busão com motor atrás, é muito melhor, na frente é um barulho e calor infernais, e fora que ocupa espaço para as pessoas entrarem)...

    Agora trabalho próximo da Luz. De trem o percurso é super rápido, mas vou de carro. Sabem o por quê? Porque, apesar de o percurso ser rápido, o trem as vezes demora muito, quando vem, muitas vezes tenho que esperar o segundo ou o terceiro para poder entrar. Também moro a uns 5 km de uma estação, e o ônibus demora pra passar. Somando tudo isso, o tempo de viagem acaba ficando muito mais longo.

    Outra: as vezes preciso fazer hora extra, e a região da Luz abriga a "cracolândia". Como o trabalho oferece estacionamento, é muito mais seguro e rápido ir de carro. Além de barato, pois tenho um pequeno popular.

    Ou seja, para andar sem carro, no meu caso, deve-se melhorar a segurança pública, a oferta de transporte, e se possível a construção de bolsões de estacionamento vizinho a estações de trem (algumas poucas estações em SP tem), ou quem sabe, tarifas de taxi mais baratas, para trajetos curtos, como de casa até a estação (as vezes faço isso em dia de rodízio). Sou favorável a caronas também, mas não há ninguém no meu trabalho que more perto de mim, para dar ou receber caronas...

    ResponderExcluir
  83. Não é preciso dia mundial sem carro para mostrar que nem tudo depende de carro. Basta dar educação ao povo.

    Gearhead de carteirinha sabe que não se usa carro para trajetos curtos. Quem não sabe é o povo educado por marqueteiros em vez de escolas.

    Que tal o "dia nacional do aumento do salário do professor"? Ou o dia nacional do fim das escolas sem banheiro?

    Ou o dia nacional da reforma da educação?

    ResponderExcluir
  84. reforma da educação, aí sim....
    o dia do fim da robalheira;;;
    o dia do fim da superfatura 2014
    este brasil preisa de dias e mais dias

    ResponderExcluir
  85. Complementando o meu comentário, bicicleta é bom pra quem faz trajetos curtos (até uns 5 kms)...

    Bicicleta boa de qualidade é cara! Bicicleta barata é fria... quantas vezes, quando moleque, tá não perdi freios que se arrebentavam quando usados, correntes, pneus...

    Fora os equipamentos para se andar com o mínimo de segurança: roupa e calçados apropriados, capacete, luzes com baterias, refletores... E outra: teria que ter um chuveiro no trabalho para tomar banho antes de começar a labuta... fora a falta de respeito dos motoristas, motociclistas, pedestres...

    Falam sobre ser saudável. Será que é saudável pra uma pessoa sedentária há anos começar a fazer um grande esforço físico sem um bom check up? E respirar a plenos pulmões - já que o consumo de oxigênio com o exercício aumenta - a fumaça não só dos carros, mas de caminhões e ônibus altamente poluidores, que pra mim são os verdadeiros vilões, e ninguém os fiscalizam?

    Na teoria, tudo é bonito...

    ResponderExcluir
  86. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  87. Bob

    Tudo bem que a gente se diverte com esse(s) anônimo(s) maluco(s), mas instala o Intense Debate ou o Disqus aqui, vá...melhor ainda se desabilitar a opção de comentário anônimo enquanto pondera a questão.

    ResponderExcluir
  88. Maurílio Andrade22/09/11 15:49

    Porque não "Dia Mundial sem corrupção"? Ou "Dia Mundial sem vagabundagem em Brasília"?
    Que tal "Dia Mundial sem impunidade",

    ResponderExcluir
  89. Caros,

    Como já foi dito aqui em outro post: como crítico social, o Bob Sharp é um excelente jornalista de automóveis.
    O Dia Mundial Sem Carro não é para tanto e ninguém prega a sua extinção. Informem-se. No mais, vejo intolerância com idéias plurias à sua, com todo respeito, acontece mesmo com a idade, eu mesmo tenho que me policiar para de vez em quando não cometer deslizes. A diferença é que eu não formo opiniões via blog.
    Abraços a todos.
    Marcos Vinícius

    ResponderExcluir
  90. Tá vendo, Bob?....A intolerância acontece mesmo com a idade...ah ah ah...O marcos tá certíssimo!
    Nós dois somos vítimas da natureza, mas eu devo ser menos( só um pouquinho de nada) turrão!
    Rá rá rá

    ResponderExcluir
  91. SergioCJr.22/09/11 16:59

    Ao Uniblab,

    Discordo de você.

    Do ponto de vista moral, a única diferença entre a droga lícita (álcool e cigarro)e as drogas ilícitas (cocaína, crack, etc) é a violência que essas últimas geram em virtude do tráfico e da guerra pelo controle das "bocas".

    Do ponto de vista do problema social, ambas são nefastas.

    Quantas famílias não se acabam e quantas vidas não são ceifadas por conta do abuso de álcool?

    Do mesmo modo(sem considerar as mortes em virtude da violência do tráfico) muitas famílias se acabam e vidas são ceifadas por conta do uso de drogas ilícitas em virtude dos efeitos psicoativos que essas drogas causam ao indivíduo, assim como o álcool, por exemplo, morte devido a briga entre pessoas alteradas, acidentes de trânsito, ...

    Bom lembrar que em épocas remotas, a cocaína chegou, inclusive, a ser comercializada legalmente como estimulante, assim como o álcool já chegou a ser proibido.

    Tanto o cigarro como o álcool possuem efeitos psicoativos, assim como as drogas ilícitas e, todos, do ponto de vista clínico, possuem algum efeito nocivo, uns com maior outros com menor intensidade.


    Assim como a proibição da cocaína criou o Fernandinho Beira Mar, a Lei Seca Americana criou o Al Capone.

    Se partirmos do princípio da legalização de tudo, quanto aos efeitos nocivos sobre a mente e o corpo, álcool, cigarro, cocaína, crack, maconha, não são equivalentes?

    ResponderExcluir
  92. Concordo que não é o mais certo a se fazer, porem às suas justifativas são muito egoistas. Enfim trabalhava de carros e ia para faculdade todos os dias, porem agora morando mais perto do trabalhos sempre que posso vou de bicicleta, enquanto a minha caravan repousa tranquila dentro da garagem, esperando pelo fim de semana. Enfim não é um dia sem carro que vai melhorar o mundo, mais se cada um fizesse a sua parte sendo menos egoista ajudaria muito.
    Bruno - Curitiba -PR

    ResponderExcluir
  93. Assim que acordei hoje pela manhã e ouvi a notícia na CBN, logo me deu revolta e lembrei no ato do Bob Sharp, pensei, hoje tem "manifesto" contra essa hipocrisia lá no blog Autoentusiasta.
    Pior é ver "especialistas" em reportagens na TV dizendo o quão isso é benéfico, o quanto carro polui e blá blá blá.

    ResponderExcluir
  94. De todos os comentários, o melhor foi o do Rafael A. Este sim, expôs argumentos coerentes. Os outros parecem um bando de choronas, inclusive o do Sr. Bob

    ResponderExcluir
  95. Estranha relação a sua com o carro. Mas, afinal, "não se pode viver verdadeiramente e desistir do que dá significado e propósito a uma vida inteira". Quem disse isso mesmo, além de você? Ah, Adolf Hitler.

    ResponderExcluir
  96. ok,sou um avido ¨petrolhead¨,mas desde que voltei para o braZil,defendo dias como este.
    e apenas mais uma forma de protesto para a melhora do sistema publico de transporte(sonho utopico mas vamos la).
    quanto ao modismo,sempre haverao os que sao ovelhas,seguindo qualquer coisa que se destaque.

    ResponderExcluir
  97. Dia Mundial sem carro foi semana passada, com aumento de 30% do IPI.

    ResponderExcluir
  98. Discurso de Ecochato é um saco ! E hoje em dia, neste mundo ditatorial e politicamente correto, ai de quem emita uma opinião contra a corrente.

    Para mim, muitos são oportunista$$ de plantão.

    ResponderExcluir
  99. Grandes idiotas! Povo sem consciência e com mentalidade de bagre. Enquanto envenenam nossas ruas, enquanto envenenam nossas matas, enquanto envenenam nossa comida, enquanto envenenam nossas mentes, pessoas estúpidas e desprovidas de cérebro ficam a discutir e até apoiar um "maldito dia sem carro". Reafirmo o que o Bob falou. Hoje é o dia da imbecilidade sim, onde pessoas sem um pingo de discernimento, só porque ouviram falar, apoiam esse dia, como se fosse o mais importante de suas vidas.
    Canalhas, nada mais do que canalhas. Enquanto envenenam suas vidas, querem discutir sobre um assunto que nem conhecimento tem.

    ResponderExcluir
  100. Hipocrisia das prefeituras! Os impostos que elas recolhem sobre os veículos, mais as multas, são tão importante para elas quanto o ar que nós respiramos.

    ResponderExcluir
  101. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  102. Eu quero que apenas um ecochato desses venha até a minha cidade e diga a esse povo ignorante que pare de usar agrotóxico nas ruas e calçadas. Mas aí não tem imprensa nenhuma para que possa aparecer e fazer carinha de inteligente.
    Onde vai o chefe touro, a manada vai atrás sem pestanejar.

    ResponderExcluir
  103. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  104. FVG
    Já solicitei um, estou aguardando.

    ResponderExcluir
  105. Quantos aqui que apoiam o dia sem carro, aderiram ao protesto?
    Onde moro lançaram a semana da mobilidade onde as pessoas deveriam deixar o carro em casa. Acho que ninguém aderiu, muito pelo contrário, os rodoviários ameaçaram entrar em greve e eu que deixei o Mille economy na garagem para ir trabalhar de V8 e aproveitar os trânsito mais livre, não notei diferença.

    ResponderExcluir
  106. Sou Autoentusiasta de primeira linha e entendo o significado deste dia, infelizmente os senhores passaram muito longe do significado real deste dia o que me decepcionou bastante.

    Carro somente fora dos centros urbanos, neles transportes coletivos e motos, reconhecendo isto e cooperando com o bem estar da maioria na verdade garantimos a continuidade do direito de uso de nossos veículos de maneira inteligente.

    Não entender que os carros são hoje um problema nos centros urbanos é falata de bom senso.

    Estão nos bombardeando com restrições e multas de toda natureza se aceitarmos que é mesmo muita pretensão ir de carro para grandes centros sozinhos estaremos contribuindo para que toda esta ofensiva chegue a um ponto de equilíbrio.

    Eu não sou nenhum jovem e hoje me desloco de moto (uma boa e adequada 250) nos centros urbanos e tenho para meu deleite de Autoentusiasta mais três carros e mais uma moto.

    Hoje fui trabalhar de ônibus e foi maravilhoso, com menos carros nas ruas cheguei rápido ao meu destino e ninguém da empresa faltou todos se deslocaram um pouco melhor.

    Esta provado que carros com uma pessoa a bordo só atrapalha, ocupa espaço e polui desnecessariamente, com motor em lenta o tempo todo, não me venham dizer que gostam do ar poluído e que ele não faz mal.

    Faltou bom senso.

    Assinado: Álvaro Monteiro de Lima Costa AUTOENTUSIASTA decepcionado.
    Captiva V6 + Omega 4.1 + Monza 2.0 + 250 Tornado + GSXR 750 K10 (acha que alguém com esta garagem é algum politicamente correto eco-terrorista? Se acha olhe lista de novo principalmente no final dela)

    ResponderExcluir
  107. Apoiado Bob !!!

    Quando eu puder, terei no minimo 7 carros na minha garagem, para cada dia da semana ou estado de espirito, com tração traseira, 4x4, alto, esportivo, antigo, motor central, tração dianteira, a jato, elétrico, motor traseiro, turbinado, a diesel, nuclear...!

    hahahha, Ô coisa boa é carro, qualquer que seja !

    Essa estorinha não convence ninguém, todos gostam e querem carro, pois sem isso o cara esta ilhado literalmente na vida. Carro é a extensão de nosso corpo.

    ResponderExcluir
  108. "O automóvel é e continuará sendo, até o último dia do mundo, a maior expressão de liberdade individual, e essa liberdade tem de ser defendida a todo custo. " triste...

    ResponderExcluir
  109. Este Bob é um velho recalcado mesmo...Tudo está ruim...tudo está errado...é o etanol...é a película...Andar errado, contra lei é que é o certo. Vai te tratar.

    ResponderExcluir
  110. Não deixei meu carro na garagem hoje...mas este post beira o ridículo... Vai largar esta tua neura em assuntos realmente importantes. Do jeito que vai a tua CNH não vai ser renovada...incapaz permanente.

    ResponderExcluir
  111. Não deixei meu carro na garagem hoje...mas este post beira o ridículo... Vai largar esta tua neura em assuntos realmente importantes. Do jeito que vai a tua CNH não vai ser renovada...incapaz permanente.

    ResponderExcluir
  112. Imagine se o pessoal aderisse a esta campanha e quisesse usar o transporte coletivo. Haveria lugar para todos? Acho que agora a noite não teria conseguido chegar no trabalho. O sistema já está no limite, onde iriam colocar esta demanda extra?
    Fazem de tudo para incentivar o transporte individual: restrição a fretados, corte de linhas na periferia na base da canetada, obrigando a inumeras baldeações, horários que não atendem o publico de maneira satisfatória,transporte coletivo carissimo e de péssima qualidade, entre outros, e ainda os dirigentes fazem média, pegando metro em pinheiros para chegar até o viaduto do chá. Será que o mesmo político voltou as 18:00 horas de metro tambem?

    ResponderExcluir
  113. Fiz minha parte: o meu saiu da garagem, como em tooodos os dias. Trocar meu banco Recaro e minha paz por um banco de plástico e um motorista estressado? Mas nem a pau!

    ResponderExcluir
  114. "O automóvel é e continuará sendo, até o último dia do mundo, a maior expressão de liberdade individual, e essa liberdade tem de ser defendida a todo custo."

    Desculpe-me, mas esta frase vira um contra senso com este texto. Acho que a maior expressão de liberdade individual não é o automóvel, mas a palavra.

    Afinal, por mais que você tenha um automóvel, você ainda está limitado as regras de tráfego, aos congestionamentos, as limitações do próprio automóvel...

    A cada egoísta que pensa "vou botar meu carro pra fora da garagem só para ir contra o dia mundial sem carro", é mais um que colabora para que os congestionamentos, o stress e a violência no trânsito, aumentem ainda mais.

    Não está errado em dizer que não precisamos de um dia sem carro. Acho que o ponto em comum é: estamos em uma sociedade de egoístas, de pessoas que vivem brigando por ideais, como torcedores de times rivais.

    Por que os carros e motos não podem se dar bem junto com os ônibus, trens e bicicletas? Por que não valorizar o verdadeiro poder de deixar as pessoas irem como quiserem, mas de um jeito rápido, de um ponto a ao ponto b, nem que seja num monociclo, a qual pode até parecer rídiculo, mas foi a opção da pessoa?

    Sua opinião não é absoluta. Por favor, não pese as palavras contra as pessoas como se fosse o dono da verdade. ;)

    ResponderExcluir
  115. É o cumulo da hipocrisia. Hoje, ecochatos, estilinho Chê Guevara de boutique tomaram parte da Padre João Manoel entre Paulista e Al. Santos e um trecho da Pamplona com um cirquinho hipócrita falando mil maravilhas de se deixar o carro em casa. Com são na verdade um bando de burguesinhos vagabundos que não precisam de seus veículos para trabalhar e produzir tomaram diversas raras vagas das referidas ruas. Vergonha.

    ResponderExcluir
  116. Não sou muito de dar pitaco nessas discussões. Mas lendo os comentários gostaria de dizer que alguns comentários fogem totalmente ao tema do post e partem para uma discussão meio sem sentido.
    Claro que ninguém é obrigado a concordar com o post. Mas discordar é diferente de julgar.
    Acho que posts como esse, no mínimo nos fazem pensar um pouco fora do rebanho. A mídia de massa, aqui e no mundo, nos faz acreditar em muita coisa. Às vezes sem segundas intenções, mas muitas vezes só para ter o que falar.
    O que mais me impressiona é como a multidão se aglutina e segue cegamente muitos dos engodos sem ao menos refletir sobre o assunto.
    Portanto eu convido os que discordam do post a ao menos refletir. Caso continuem discordando, OK. Mas não é necessário nenhum tipo de ataque pessoal.
    Nós adoramos carros. Todos os visitantes desse blog devem gostar de carros, caso contrário nem apareceriam por aqui. Por princípio não entendo como alguém que goste de carros possa ser a favor desse dia. Simplesmente esse dia não faz sentido algum. Alguém aí propôs um dia sem corrupção. Outras ideias são dia mundial do respeito, ou dia mundial da ética. Temas que realmente seriam mais relevantes.
    Abraço a todos.
    PK

    ResponderExcluir
  117. Persio
    Faço minhas suas palavras. Agradeço o lúcido comentário.

    ResponderExcluir
  118. Concordo com o Paulo Keller. Além da má interpretação do texto (o que já é comum, infelizmente) muitos não conseguem compreender que se trata da opinião do editor do blog e que deve servir como base para um pensamento diferente, fora da mídia que massifica tudo. As pessoas parecem ter preguiça de pensar, o que não significa concordar, mas sim dar a chance para um pensamento diferente do seu, preferencialmente sem ofender. Esse dia é uma grande bobagem mesmo, que não tem nada a ver com usar o carro de maneira consciente e sim com vilanizá-lo, tornando-o a causa de um problema que é bem outro.

    ResponderExcluir
  119. Ligeirinho22/09/11 23:10

    Paulo Keller / Persio

    "Por princípio não entendo como alguém que goste de carros possa ser a favor desse dia. Simplesmente esse dia não faz sentido algum."

    Eu digo por mim: do jeito que você falou, é o velho "big brother atuando" na "meia hora contra Goldstein".

    Acho que quem gosta de carros e é a favor deste dia, busca um dia de reflexão, de também justamente não estar "na outra cerca com engodos". Por que não gostar de carros e pegar um dia para andar de bicicleta, para refletir se a bicicleta pode ser outro meio, o ônibus pode ser outro meio, o barco pode ser outro meio?...

    Não é engodo de massa, a pessoa é livre, tanto para andar de carro quanto para pegar o dia e caminhar a pé. Ela decide por si, e se ela quiser ser adepta do "dia mundial", por que não pode ser livre para isso ao invés de ser taxada como engodo ou eco-chato?

    Temos que chegar em um equilíbrio. Pensar em si, na própria pessoa, mas também pensar no próximo, no que podemos fazer para não prejudicar o vizinho. "Faça aos outros o que gostariam que fizessem contigo".

    Hoje as pessoas reclamam só para ver o seu próprio lado. "Eu preciso andar de carro, eu tenho esse direito, então vou andar". Ande. Vá. Você é livre. Mas será que você, e o Persio aí em cima também não estão sendo outro engodo, no meio dos 200 km diários de trânsito paulistano, e justamente travado no meio de tantos outros que pensam como você(s)?

    Tal como milhões de pessoas que andam por dia nos trens, ônibus e outros sistemas, estes superlotados? Elas tiveram este direito de escolher este sistema (se bem que temos que pensar que são poucas opções, isso se existem opções).

    A pessoa pode ir morar perto do trabalho também. Que magnífico! A poucos passos, ela sai de casa e chega no trabalho. Ou melhor ainda, trabalha em casa!

    N opções existem. E tanto aqueles que preferem uma opção quanto a outra deveriam respeitar os gostos alheios. Eu não digo que "o dia mundial sem carro" é o dia para matar os automóveis (existem os céticos que creem nisso, tal como os céticos que tem um automóvel e querem atropelar os outros céticos). Mas deveria ser o dia que o cara que anda de carro reflita sobre esta decisão.

    ResponderExcluir
  120. Ligeirinho, OK.
    Mas eu acharia mais legal fazer um dia mundial da bicicleta, ou até o dia mundial do vá de ônibus.
    Abraço.
    PK

    ResponderExcluir
  121. O número de carros rebocados no Centro do Rio foi absurdo! Parece que a Prefeitura do Rio não respeitou mesmo o livre arbítrio de quem preferisse não aderir à "manifestação".
    A Fetranspor chegou a distribuir certo número de cartões de passagem com R$ 10,00 de crédito para serem usados no transporte público neste nefasto dia.
    Como já foi dito acima, o grande problema desse tipo de manifestação é que, invariavelmente, é arquitetada por pessoas que nunca dependeram do ineficiente transporte público, que nunca precisaram cumprir horário num emprego ou passear com a família num transporte de massas. Essas pessoas pensam assim porque vêem o carro como um bem que só os serve para o lazer...
    Qualquer pessoa que, por necessidade, depende do transporte público tem o grande sonho de ter seu próprio carro, mesmo que seja um modelo já antigo, não por futilidade, mas por necessidade, conforto e qualidade de vida.
    Esse é o tipo de propaganda semelhante àquelas reportagens televisivas que mostram apenas pessoas de condição financeira confortável, praticando exercícios e consumindo apenas alimentos saudáveis (e, muita das vezes, de cultivo orgânico), tentando influenciar a população à fazer o mesmo, porém, grande parte desta não tem condições financeiras ou tempo livre para aderir a estes hábitos. Chega a soar como um deboche...

    ResponderExcluir
  122. Mr. K., vai me perdoar a sinceridade, mas eu discordo totalmente de você. Não tem nada de normal em você aparecer aqui fazendo colocação de pederastia só porque imagina que os que comungam de suas "idéias" também escorregam no quiabo.

    ResponderExcluir
  123. "...fora a mídia que massifica tudo"
    Até onde eu percebo, é o uso do carro que está massificado, não a campanha.
    Brilhante o comentário do amigo aí de cima. Todo mundo é livre pra fazer o que quiser. E lamento desapontar quem disse que há erros de interpretação mas o Bob deixou bem claro seu ponto de vista (bem individualista.

    ResponderExcluir
  124. Ligeirinho23/09/11 00:35

    Paulo Keller

    Acho que o "Dia mundial sem carro" é o "dia nacional do ande no que você quiser, menos de carro (a não ser que seja necessário)."

    Creio que pessoas comuns buscam a simplicidade, e a eficiência. Voltadas a todos, e não a poucos. Valorizando o individualismo, mas ao mesmo tempo prezando o coletivo. Sinceramente nem eu sei definir direito, ainda tenho muito a aprender. Mas digo que aos poucos, a sociedade vê que a frase "um por todos e todos por um" faz muito sentido.

    Voltando ao texto

    Uma coisa que me passou batido é ver o termo "Doente".

    Já que está polemizado, pergunto: Taxar quem vai contra seus ideais de "Doente" não é uma atitude ditatorial? Não por mal Bob Sharp, já li algumas de suas matérias em outros lugares, mas fico implicado com este termo. Não quero julgar atitudes ou termos a revelia, mas também não quero generalizar questões priorizando meu bel-prazer.

    ResponderExcluir
  125. Muito boa a idéia do Dia mundial sem carro. Sou extremamente a favor e gostaria que mais gente participasse. Assim, para dirigir em São Paulo seria um prazer.hehe Já pensaram em criar o Ano mundial sem carro?rs
    Brincadeiras a parte, os "eco-lovers" sempre pregam e cobram mudanças, porém não dão as alternativas.
    Um exemplo disso: A proibição das famosa e uteis sacolas plásticas. Acredito que 90% das pessoas reaproveitam as sacolas plásticas. Seja para colocar lixo ou o que for.
    Gostaria muito de ir até a casa de um "eco-lover" e ver qual o tipo do material esse amante da natureza utiliza para jogar seu lixo.
    Acho válida a busca continuas por soluções sustentáveis, desde que além de sustentáveis sejam eficientes como as soluções atuais.
    Primeiro, nos deem soluções igualmente eficiente. Depois façam manifestações e campanhas para "reeducar" a população.
    Proibir ou exigir a não utilização de algo que agrega conforto, segurança e praticidade sem ter uma alternativa realmente a altura é coisa de quem não tem o que fazer.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  126. Marcelo U.23/09/11 02:06

    O comentário do Paulo Keller das 23h17 foi uma sugestão boa: não seria melhor que se chamasse "Dia mundial (ou pelo menos nacional) do transporte coletivo e da carona"?
    Assim chamaria mais atenção à necessidade de exigirmos melhorias no transporte público e um maior aproveitamento da capacidade de passageiros por carro.
    Acho que seria uma forma mais direta de indicar onde realmente está o foco da questão, que é lutar por meios mais eficientes de se deslocar pelas cidades e não essa idéia distorcida que muitas pessoas adotaram de que o carro é o vilão do mundo.
    Acho que vale a pena tentar divulgar esta idéia.

    ResponderExcluir
  127. Sábado agora eu descobri que as bicicletas elétricas são proibidas de circularem pelas ciclovias de SP, por ai vcs podem observar como nossas autoridades estão preocupadas com o "transporte alternativo"

    ResponderExcluir
  128. Jopamacedo, à parte alguns exageros do texto do artigo, a mensagem que eu compreendi (talvez eu é que esteja equivocado, então) é que temos o direito de usar nossos carros, "nossas liberdades individuais", e a administração pública tem a obrigação, o dever de providenciar asfalto de qualidade, sinalização eficiente, formar melhores condutores, além de fornecer transporte público de qualidade. É nosso direito andar de carro. Entretanto, a opinião pública é manobrada por campanhas aparentemente nobres que apontam o dedo em riste para o automóvel, tornando-o o inimigo. Essa é a má interpretação. É claro, é óbvio que podemos e devemos usar o carro com sabedoria. O próprio Bob já disse que faz trajetos de ônibus por achar muito mais prático. O que não dá pra entender é culpar o carro pelos problemas do trânsito. O tal "excesso de veículos" que causa os congestionamentos. Isso eu não aceito.
    Para finalizar, eu acho que mesmo que o artigo fosse individualista, o que não é, trata-se da opinião dele, que também merece respeito.

    ResponderExcluir
  129. Passarini,
    A lógica dessas otoridades é imbatível. Se não, vejamos:
    - Uma Suzuki Hayabusa tem duas rodas e um motor.
    - Não se pode andar nas ciclovias com uma Hayabusa.
    - Uma bicicleta elétrica tem duas rodas e um motor.
    - Logo...
    Como diz o Tite Simões, estamos no Lisarb, o país ao contrário!

    ResponderExcluir
  130. Caros,

    Iniciativas como o "Dia Mundial sem Carro" são sonhos de hipongos que não querem abrir mão das comodidades da capital, mas que querem o "calor humano" e a qualidade de vida das pequenas cidades. Uma equação mais difícil de fechar do que viajar no tempo.
    As pessoas que alegam que o Dia Mundial Sem Carro estimularia o convívio com as pessoas é porque não tomaram ônibus como o Ribeirão Verde ou o Jardim Amália em horário de pico. E você é obrigado a ouvir o pessoal gritando sobre a novela das 9 com trilha sonora de pagonejo, sertanejo universitário, rap mal-gravado ou funk do PCC emitida por um xing-ling mp2001 com autofalantes "potentes" mas com definição sonora de caixinha de abelha.
    E para piorar os motoristas dirigem como se tivessem levando uma daquelas caçambas de entulho, cansando e estressando ainda mais os passageiros que nunca estão no melhor do seu humor, já que estão Indo ou Vindo do trabalho.
    Quando comprar o meu carro farei questão de tirá-lo da garagem nesse dia, e nos outros continuar a usar o busão nosso de cada dia.

    ResponderExcluir
  131. Ligeirinho,

    eu entendi de outra forma o comentário do Paulo Keller: que esses tais "dias mundiais" sejam PROPOSITIVOS (e não PUNITIVOS).

    Façam o Dia Mundial da Bicicleta e PROVEM que em SP, com o clima maluco, grandes distâncias e incontáveis subidas e descidas, seja ela um meio de transporte MELHOR que o automóvel.

    Façam o Dia Mundial do Metrô e PROVEM que em SP, com poucas linhas e que chegam aos extremos da cidade (de onde as composições já saem lotadas, impossibiltando o embarque nas demais estações), ainda que fora dos horários de pico (como pude constatar esta semana), o metrô seja MELHOR que o automóvel.

    Façam o Dia Mundial do Pedestre e PROVEM que em SP, com as longas distâncias e a violência dos assaltos (para o que as "otoridades" não tomam medidas decisivas), caminhar seja MELHOR que o automóvel.

    Quando conseguirem PROVAR isso, as pessoas NATURALMENTE farão uso desses meios, preterindo os automóveis.

    Por enquanto, vejo esse dia como um oportunismo para oportunistas aparecerem.

    Punindo, aterroriza-se; provando, respeita-se!

    ResponderExcluir
  132. Ontem eu estava irritado, porque tenho o hábito de andar de bicicleta e também a pé todos os dias. E é claro que também uso meu carro diariamente e por isso não vejo razão de se criar esse tal dia da imbecilidade.
    O que me irrita é essa demagogia em torno do carro, como se o simples fato de ficar um dia sem ele, teríamos todos os problemas de poluição do mundo resolvidos.
    Mas acreditem, não posso mais andar nem a pé e nem de bicicleta em minha cidade. E sabem qual o motivo? O uso abusivo de agrotóxicos nas ruas e calçadas, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

    Célio C. Noriler

    ResponderExcluir
  133. Comecei a acompanhar o blog a cerca de um mês pois sou um leigo que gosta de carro e queria entender mais da coisa e estava extasiado com o conteúdo do blog, coisa muito boa. Mas me decepcionei com esse post do cara que eu mais estava admirando quando escrevia algo aqui. Nunca vi autoentusiastas tao autoradicais.
    O que propoem no dia sem carro chega meio à beira do abismo também, mas também nao é decendo o cacete que se resolve as coisas. Eu so trabalho de carro todo dia pq nao tenho transporte publico descente pra usar. Se nao meu carro era só pra diversao e curtição de bons momentos com minha familia.

    ResponderExcluir
  134. Então fiquem parados no trânsito e percam 5 horas do seu dia. Bando de babacas!

    ResponderExcluir
  135. Caro Fábio,

    Tente ir de ônibus cuja frota diminuiu em 10 anos algo como 30% da frota além de falta de BRT´s e elevados exclusivos para o seu deslocamento, duvido que consiga conciliar seus compromissos pessoais e profissionais devido aos horários espaçados e demora de trajeto. Bem, metrô tem poucos quilômetros e não está disponível em todas as cidades com mais de 1 milhão de habitates. Taxis tem fator custo.
    E as autoridades não fazem o mínimo esforço para ligar as avenidas e estradas que começam do nada e terminam no lugar nenhum, e nem tornar a malha viária digna do nome.
    Então, me diga, se depois de ler tudo isso acima você continuaria a chamar nós de babacas?
    Quem é o babaca realmente?
    O político que não sabe administrar o trânsito e nem pensa em fazer investimentos decentes em transporte coletivo?
    O ecochato que quer punir o pai pequeno-burguês que pagou a sua faculdade "prostituindo-se" para o capital financeiro?
    Os arquitetos que se autointitulam urbanistas que acham que as casas e prédios são prioridade em detrimento do resto?
    Ou o motorista que deixasse o carro na garagem e trocasse pelo transporte coletivo nas grandes capitais e seria obrigado a acordar de madrugada para conseguir chegar a tempo no serviço e depois na volta chegaria tarde da noite, tendo que repetir essa rotina torturante todo os dias até ser obrigado a pedir demissão por não aguentar mais?
    Me responda Sr Fábio, sobre quem é o verdadeiro babaca aqui?

    ResponderExcluir
  136. Depois de ler tanto radicalismo e sentir tanto ódio partindo de corações rodoviaristas poderíamos ser favorecidos com O Dia Mundial sem Babacas...

    ResponderExcluir
  137. Nós comemos Roundup!23/09/11 12:47

    CCN1410.
    Quer dizer que você não anda na rua a pé porque estão pulverizando as ervas daninhas com herbicida?!
    Quando tiver a chance, dê um pulinho numa lavoura qualquer, mas de preferência nas pequenas, que não possuem muito controle nas dosagens de aplicação.
    Cê vai ter um ataque...só espero que não definhe de tanta fome!

    ResponderExcluir
  138. O Dia Mundial sem Corrupção e o Dia Mundial sem Fome ninguém cria!

    ResponderExcluir
  139. Bob Sharp...você já deve ter seus 70 anos, mais ou menos, certo?Logo não te condedo pois nasceu na decada de 40 e deve ter um pensamento dos 50 e 60, entendo que as coisas novas para você devam ser um pouco dificil de entrar nessa sua cabecinha.E já deve estar broxa a muito tempo tb não é verdade? Mas tudo bem esse dia sempre chega para todos nós, apenas acho que você pela sua idade não deveria se estressar tanto e o melhor a fazer seria ficar de boca fechada e parar de falar tanta besteira, pois a fumaça do cigarro do fumante que te incomoda é bem menos pior que a fumaça do seu carrinho que incomoda a muita gente.Não preciso nem falar do seu apelido, nome, seila "Bob Sharp" hahaha pelo amor de Deus né hahaha, ridículo!Por ultimo deixa eu t explicar uma coisa: o nome cidade vem de cidadão, a cidade é feita para o cidadão, não para o carro, mas o sr deve ser tão velho e acabado ( e ter o pinto pequeno!) que não consegue mais caminhar direito ou mesmo raciocinar, portanto precisa que um automovel faça tudo isso por você, não é mesmo seu parasita?Mas enfim vou terminar aqui afinal muita gente não pensa como você e porvavelmente tudo o que escreve so o torna mais uma piada.

    Abs Bob Shark!
    Ricardo.

    ResponderExcluir
  140. Este último anônimo certamente tem sérios problemas psicológicos!
    Bom...ah ah ah...é a vida. Cada um se vira como pode!

    ResponderExcluir
  141. Mauro Sampaio23/09/11 14:45

    Caro Bob, como pode alguém tão preconceituoso quanto você ter espaço num jornal como esse? Ah eu sei!!! Interesses comerciais das grandes montadoras, poluidoras, degradadoras do espaço público, fulcro de uma sociedade doente como os seus pensamentos. Seu carro consome em 500 Km o oxigênio que você respira o ano todo! Ele ocupa o espaço de 6 pessoas pedalando e sabe-se lá quantas andando. Essa sua máquina "poderosa" pesa mais de uma tonelada e quase nunca carrega mais de 200 kg. Carros matam no Brasil 40 mil pessoas por ano, fora aqueles que carregarão sequelas para o resto da vida. Também acho, como você, que um veículo de autopropulsão tem o seu valor. Mas nós o utilizamos de forma idiota. Há necessidade de carros tão grandes? Que corram tanto? Poluam tanto? Tenho certeza que jamais mudará de opinião. Se é que lerá este. Uma pena! Leia pesquisa do IPEA sobre poluição automotora. http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=10584&catid=1&Itemid=7 Me assustou o teor e a forma com a qual escreveu este seu texto no blog. Extremamente agressivo, bestial e bitolado. Certeza que seus descendentes pensam diferente de seu parente mesozóico!

    ResponderExcluir
  142. Ba ba ba ba ba ba ba ca!!!!!!

    Ps.: O mais genial é a liberdade de expressão que a internet permite, antigamente precisaria ser gasto mto papel p/pessoas como esse cara se expressar, hj não basta querer que ele sai falando asneira por aí. Nada contra. Mas que esse cara é um imbecil ele é rsrsrsrsrs
    Seu trouxa!!!!!!!!Aprende a escreber direito pelo menos!!!!

    ResponderExcluir
  143. E quem mete o pau, anda de cipó, lava a bund@ no Tietê e deve puxar mulher pelos cabelos, como nos desenhos animados... Com certesa não vivem no mundo moderno.

    Impressionante como a mídia consegue fazer a cabeça da massa...

    Gostaria que 1/10 da população tivesse acesso aos anais dos órgãos legisladores e imprensa. Aí veriam o quão fácil é mudar uma teoria sólida...

    Que$tão $urpreendente! Muda-$e a opinião de e$peciali$ta$ com uma facilidade impre$$ionante.

    ResponderExcluir
  144. Ao Anônimo das 15:20,

    "Aprende a escreber direito pelo menos!!!!"

    Komeççol muintu bein, wil?

    ResponderExcluir
  145. Bob, voce é daqueles que tira a fina educativa ou que passa xingando o ciclista que sinaliza e faz contato visual com voce?

    ResponderExcluir
  146. Acho que o amigo só erra na análise quando pensa que OU a cidade é dominada por carros, OU é dominada por bicicletas. Por que não pensar na convivência? Por que não defender uma cidade que ofereça vias adequadas para carro E bicicleras, AO MESMO TEMPO ?

    ResponderExcluir
  147. Mauro Sampaio23/09/11 16:11

    Acosta, parabéns pela consciência e coerência! Carros são ótimos, se utilizados com sapiência. Infelizmente há tempos deixaram de ser, para a grande maioria, um meio de transporte, e sim uma forma de imposição de poder, símbolo de sucesso e poder. Para alguns até como símbolo de poder fálico. Precisamos de outros tipos de carros além desses com 4 lugares. Precisamos de carros urbanos mais lentos, menos poluidores e menores. Tive carro até 2008. 98% das vezes estava sozinho dentro dele. O vendi por isso e por estar fazendo a maioria de meus deslocamentos de bicicleta (o faço por prazer e não por eco-ativismo ou algo assim). Claro que utilizo carro até hoje. Mas não preciso de um. Sei que outro realmente precisam. Nada contra. Agora, sou totalmente contra a arrogância e estupidez utilizada pelo autor deste blog. Abraço a todos aqui! Até pro Bob!

    ResponderExcluir
  148. Bob
    Tá na hora de dar uma desratizada neste espaço. Falta de respeito e educação tá sobrando aí pra cima.

    ResponderExcluir
  149. "Bob, voce é daqueles que tira a fina educativa ou que passa xingando o ciclista que sinaliza e faz contato visual com voce?"
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    PQP... Sensacional!
    Em poucas palavras o autor dessa pérola da ironia produziu texto de muito melhor qualidade do que a bobagem objeto dessa discussão...
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  150. "Com certeSa não vivem no mundo moderno.."
    E o Dudu, que escreve certeZa com "S", quis criticar o analfabeto ali em cima...

    ResponderExcluir
  151. André Pasqualini23/09/11 17:02

    Grande Bob, quanto tempo! Vi que aqui seu radicalismo foi bem mais ofensivo do que na Folha. Escrevo esse post sentado dentro de um ônibus, enquanto vou buscar meu filho de 5 anos em Moema. Trajeto percorrido em pouco mais de meia hora e sem contratempos.

    A volta será mais complicada, mas tenho certeza de, como sempre, alguém cederá o seu lugar para eu me sentar. Outro contratempo também terei na Ponte João Dias, pois infelizmenta ali nao há corredor e meu bus cheio será obrigado a dividir espaço com carros sendo que a maioria, terá uma pessoa dentro. E saber que todas as pessoas naqueles 500 carros ao meu redor caberiam nesse bus.

    Dia Sem Carro não é para ser contra os carros que se não poluissem, até que seria interessante. Mas ele serve para mostrar a minoria da população (aqueles que tem carro) o quanto eles prejudicam o resto por causa da sua escolha. As empresas que defendem o DMSC o fazem porque colocam a razão ante a emoção e entenderam que o objetivo é combater essa mentalidade de que o carro é a única opçåo.

    Pegue leve, entenda melhor os objetivos do DMSC e se o fizer de forma menos intransigente verá que até apaixonados por carros como você sairão ganhando, pois teremos menos carros congestionando e poluindo nossas ruas, menos carroças e carros mais caros e consequentemente mais eficientes e seguros e com 95% da população se deslocando de forma mais sustentável e não apenas 70% como ocorre hoje em dia.

    Abraços e boa sorte nessa sua luta.

    André Pasqualini

    ResponderExcluir
  152. Os comentários devem ser da mesma pessoa, e esta não sabe argumentar e vive no individual.

    Ao autor, por favor argumente com fatos, estatísticas e pesquisa, está faltando lógica e seu texto não parece racional, está afetado, parece um militante louco apenas querendo atenção.

    ResponderExcluir
  153. Os anônimos não iriam ser banidos? Demorou...

    ResponderExcluir
  154. "Os anônimos não iriam ser banidos? Demorou... "

    [2]

    ResponderExcluir
  155. Incrível como incomoda a essa turma de auto-alienados ouvir umas verdades... Deve ser mesmo insuportável o ler e reler alguns lúcidos comentários anônimos e não conseguir colocar em funcionamento as engrenagens intelectuais, absolutamente embotadas pela prática estúpida da "adulação entre iguais", que é o carro-chefe do fã-clube que engole o non-sense publicado nesse blog...

    ResponderExcluir
  156. Anônimo 19:25

    Chora, minha franga. Se fosse homem não se comportaria como rato...

    ResponderExcluir
  157. "broxa"; "pinto pequeno"; "nome ridículo"...

    "...lúcidos comentários anônimos..." só na sua mente doentia, já que é óbvio a qualquer um com 2 neurônios que todos esses comentários são seus.

    Sock Puppetry mais banal e infantil.

    ResponderExcluir
  158. o automóvel é o artefato humano mais irracional que existe. Uma tonelada para transportar um imbecil de não mais de cem quilos — e ainda é o principal poluidor! A ineficiência simplesmente não se justifica, a não ser por dois motivos: capital (de alguns) e burrice (de 99% dos motoristas).

    uma cidade justa é uma cidade com transporte público de qualidade e gratuito, para todos. Carros só atrapalham.

    ResponderExcluir
  159. Esses anônimos são o próprio Uniblab. Ou existe alguém com este nome? Tumultuar foruns com vários nomes anônimos é pratica comum de trolls.

    Precisamos banir esse pessoal.

    PS: Postado como anônimo por medo de represálias, pois não sabemos quem se esconde no anonimato.

    ResponderExcluir
  160. Engraçado ba garai espertão.

    Só tem um probleminha...o Bob sabe quem eu sou (nome, cidade, e-mail)...

    Seu repertório está se esgotando...

    ResponderExcluir
  161. Os cachorrinhos latem histericamente, e os carros passam, he, he, he! Logo os politicamente pentelhos e eco-xiitas vão inventar o dia sem energia elétrica, o dia sem gás, o dia sem água, etc, etc.

    ResponderExcluir
  162. Era precisamente isso o que eu gostaria de ler. Obrigado!

    ResponderExcluir
  163. Mr. Car, na verdade eles gostariam mesmo é de criar o dia sem capitalismo ou o dia sem Estados Unidos. Mas como ficaria muito evidente, acham melhor usar o argumento da proteção ao meio ambiente, ecologia, sustentabilidade...

    ResponderExcluir
  164. O maior problema é que poucos sabem usar seu automóvel da forma mais correta. O imbecil compra um imenso SUV para andar sozinho pela cidade, ocupando o espaço de pelo menos dez pessoas.

    Carros servem para transportar a família, um grupo pequeno de pessoas, ou uma quantidade razoável de carga (como algum eletrodoméstico, por exemplo). Para andar sozinho (o que acontece na maioria das vezes), o transporte público seria uma boa opção, desde que o governo investisse nele. Bicicleta, só para menos de 5km, ou seja, é inútil em uma megacidade como SP.

    ResponderExcluir
  165. Nenhum desses comentários aí foi meu, robôzinho alegre.
    "...já que é óbvio a qualquer um com 2 neurônios que todos esses comentários são seus..."
    Perfeito. Só mesmo sua cabeçinha de lata pouco povoada acharia que tantos comentários, com as mais variadas críticas e considerações, partem de um único indivíduo. Achar estúpido essa barbaridade de texto do Fantástico Mundo de BOB é coisa normal para qualquer indivíduo com o mínimo de condição de julgar fatos. E somos muitos, a despeito de sua descrença, gay robot...

    ResponderExcluir
  166. É a primeira vez que vejo o "lado negro da força" do Bob Sharp O.O* !!!

    Deu medo!

    Abs
    Kiko Molinari - Carros Raros BR

    ResponderExcluir
  167. A dica perfeita para os ecoanônimos antiautomóvel: mudem-se para a ilha de Paquetá, onde é proibido o trânsito de veículos particulares - lá, só se anda de charrete ou bicicleta.
    E, já que o motor das barcas também polui, sugiro ir nadando.

    ResponderExcluir
  168. adoro o Bob Sharp, ele fala coisas interessantes, mas será q um único dia s/ carro é tão ruim assim?

    sei lá, a mim parece q o ser humano sofreu metamorfose...Darwin certamente diria q o homme atualmente se divide em CABEÇA, TRONCO e RODAS.

    hehehehehehehe

    ResponderExcluir
  169. Angelo Genovesi24/09/11 14:55

    Sou apaixonado por automóveis, principalmente pelos antigos, dos anos 1950, 60, 70 e 80.

    Também concordo que é idiotice esse conflito com o automóvel.

    Creio que deveria haver respeito a quem gosta do útil automóvel. Sem contar que quando um automóvel está em excelente estado, a emissão de gases são contidas mais que suficientes. Sem contar que ninguém usa automóvel 24 horas por dia... Há momentos em que o automóvel está estacionado, porque o motorista foi fazer compras, entre outras coisas... Não sei se estou dizendo bobagens... Mas só sei que sou a favor do automóvel, amo ler sobre motores, saber como um motor funciona, etc...

    ResponderExcluir
  170. "AUTOentusiastas", raciocinem: com transporte público decente, espaço para bicicletas, respeito por parte de todos, os congestionamentos de carros diminuem e ninguém precisará ficar horas trancado sozinho dentro do seu carro em um engarrafamento. Por mais fofo que seja o assento, mais lindo que seja o painel, por melhor que seja o motor (pra andar em primeira e segunda o tempo todo...), cadê a liberdade? Dia Mundial sem Carro SIM.
    Luk

    ResponderExcluir
  171. Gostei do comentário abaixo acho que sintetiza bem o que o porquê da preocupação sobre a excessiva quantidade de carros nas ruas das grandes cidades sem necessidade por isto, para dar uma cara a ele, o tomo emprestado (desculpe anônimo).
    Para ilustrar hoje uma Hilux SW4 estacionou em fila dupla em frente ao meu prédio, o dono desceu para comprar algo na padaria e causou um enorme transtorno, o que acham dele?
    Imagino que os senhores dirão que estava exercendo seu direito de ir de carro sozinho a padaria, as autoridades deveriam proporcionara ele um local para estacionar e porque não o fizeram o sujeito tem todo o direito de “encher” a rua com seu carro; certo?
    Para quem acha que carro é solução deve estar certo, certíssimo.
    Detalhe: como sou Autoentusiasta e quero usar minhas máquinas, vou sempre tratar este assunto com equilíbrio e para deixar minha posição, não anti-carro, sabe o que eu fiz?
    Liguei para 190!
    Aqui o comentário do anônimo o leiam novamente por favor.
    "AUTOentusiastas", raciocinem: com transporte público decente, espaço para bicicletas, respeito por parte de todos, os congestionamentos de carros diminuem e ninguém precisará ficar horas trancado sozinho dentro do seu carro em um engarrafamento. Por mais fofo que seja o assento, mais lindo que seja o painel, por melhor que seja o motor (pra andar em primeira e segunda o tempo todo...), cadê a liberdade? Dia Mundial sem Carro SIM.
    Acosta

    ResponderExcluir
  172. Aposto que o cara escreveu esse texto e todas as pessoas que comentaram escreveram isso do seu celular, trancafiados dentro dos seus carrinhos que financiaram em 6000x e ainda pagam um porrilão de impostos! POBRES OTÁRIOS! FIQUEM AÍ PARADINHOS NO TRÂNSITO ENQUANTO O RESTO DO MUNDO SE MOVE!

    ResponderExcluir
  173. O Bob exagerou feio. Acho que esse ilustre jornalista que produziu alguns dos melhores textos do jornalismo automotivo e que preza bastante pela qualidade cansou com o tempo de rebater certos comportamentos errados e certas babaquices e agora reage de maneira muito exagerada.

    Acho uma pena ele ir saindo de cena dessa forma, em especial pelos gloriosos momentos de aprendizado e diversão vividos nos tempos das colunas dele no Best Cars e na 4 Rodas. Algo que depois de anos passada essa época ainda lembro com magia e que é difícil de encontrar em qualquer publicação do mundo.

    Espero que um dia visite o Best Cars como se ainda estivesse para tirar a habilitação e lendo um artigo lá do começo dos anos 2000 e encontre um baita artigo do Bob Sharp.

    Mas mais preocupante e talvez até bem pior que esse exagero do Bob e sua queda são os defensores do politicamente correto (muito diferente do realmente correto), os salvadores da humanidade, os eco-chatos e todos aqueles dando esses argumentos falsos contra o carro. E em uma parte o Bob tem razão, pois por trás do Dia Mundial sem Carro esses grupos e suas ideologias estão muito presentes. Para não dizer que são os dominantes, mas não tenho provas.

    O carro é colocado como crime em cima de argumentos quase sempre ou completamente falsos/mentirosos ou baseados em meias-verdades e chavões. E isso muitas vezes por gente que comete vários crimes e contravenções, como compra e uso de drogas, colocando seus atos ilícitos como atitudes voltadas "para o bem comum" e "liberadoras da opressão".

    Leia-se: você é criminoso por fazer algo que não é crime (usar um carro) porque um grupo não gosta disso ou constrói um castelo de meias-verdades para dizer que errado. Mas o que esse grupo faz de questionável e mesmo ilegal não só deve ser considerado desprezível como deve ser exaltado. É algo a favor do "bem", mesmo que feito pelo mal.

    O argumento principal é o egoísmo. Isso só é válido se você considerar o chavão preconceituoso carro=egoísmo e todo o resto=altruísmo como verdade, o que é impossível por se tratar de falácia lógica. Busquem na internet a vida de alguns ativistas mais radicais contra o carro, pela bike e a favor desse dia sem carro. Desses que fazem confusão desnecessária na Paulista.

    Ironicamente, quanto mais radical, mais viagens de avião o cara faz para fazer "eco-turismo" com a sua bike. A poluição de um único voo de longa distância é algo que equivale ao uso diário de um carro na média nacional em termos apenas de CO2. Em termos de poluentes de verdade, a coisa fica incomparável. Um carro atual tende a zero nesses poluentes e um avião os emite de pancada.

    Onde está o altruísmo nisso? Deixar de trancar o trânsito para emitir num ano 5 vezes mais poluentes que um usuário de carro me parece, por essa lógica distorcida, simplesmente pagar de bonzinho na sua cidade e ferrar com o mundo inteiro.

    E porque o individualismo tem de ser confundido com egoísmo? O bikero, seja ativista, xiita ou só alguém que usa a bicicleta, muitas vezes tem prazer nessa utilização e usa um transporte INDIVIDUAL que ocupa muito mais espaço que alguém num ônibus ou até mesmo 2 pessoas num Smart (um carro, essa coisa pecadora). Segundo a lógica dessas pessoas, eles seriam apenas uma versão menos egoísta que os motoristas.

    Na verdade a coisa toda não tem relação obrigatória. O cara pode andar a pé e ser o maior folgado, jogando lixo na rua, atrapalhando o trânsito de meios públicos etc. E pode andar numa SUV respeitando todas as leis e até mesmo fazendo cortesia para pedestres, ônibus e ciclistas. Tudo está em como se exerce suas opções e seus direitos.

    Se não fosse assim, político seria por obrigação cientificamente provável um santo, já que passa o dia falando e "fazendo" para os outros. E transporte seria EXCLUSIVAMENTE meio coletivo, afinal os pés e as bicicletas são individuais.

    ResponderExcluir
  174. Domingos V25/09/11 01:42

    Se formos viajar um pouco nessa lógica estúpida, que é distorcida facilmente todos os dias por "filósofos" e "intelectuais" conforme a ideologia do dia que escolheram de tão furada que é, a habitação urbana seria muito criticada. Comparado a ela, transporte de qualquer tipo é nada em relação ao seu impacto na cidade. Casas com no máximo 50 m² e no mínimo 5 pessoas vivendo dentro seriam o padrão aceitável, pois todo o resto seria "egoísta". Com elas São Paulo, se limitada de crescer, abrigaria seus habitantes em bem menos do espaço atual e sobraria espaço para linhas de ônibus e trem (que ironicamente seriam um desperdício enorme, já que sobrariam muitos assentos).

    O que acho que muitos sabem, mas infelizmente preferem ignorar conforme suas ideologias, é que nessa questão o egoísmo ou falta dele não é classificado meramente por um tipo de escolha (como carros ou bicicletas) e sim por como a pessoa exerce essa escolha.

    Nisso entra o segundo argumento de meia-verdade: carro atrapalha. Sim, ele atrapalha assim como o ônibus ocupa uma faixa, o pedestre ocupa um espaço público, o novo morador da cidade que ocupa mais uma casa, o morador atual da cidade que continua ocupando uma casa, a casa na frente da sua janela que tampa parte da sua vista e até mesmo o seu colega de profissão atrapalha na sua busca por um emprego. É um atrapalhar que só atrapalha de verdade se feito errado, porque o efeito e o nome certo é coexistência.

    Seu colega de profissão não rouba sua vaga de trabalho, não te atrapalha (a não ser que seja desonesto). Ele meramente concorre pelo mesmo espaço que você. Nisso entra a grande questão, essa sim de civilidade e respeito ao próximo, de respeitar as necessidades, preferências, necessidades e mesmo a INDIVIDUALIDADE de cada um. Não sendo coisas ilícitas ou imorais (e não sendo feitas dessa forma) as coisas particulares de cada um não se tratam de egoísmo. Pode até ser o contrário.

    Se certos militantes, usuários de bike, de carro, políticos e outros conseguissem entender e aplicar isso muita coisa melhoraria, inclusive a dos transportes. Guerras ridículas e artificiais entre diversos modos de transporte não aconteceriam. E até o usuário de ônibus que entra com celular tocando música no auto falante deixaria de besteira.

    Depois vêm os argumentos "técnicos". Esses, para entusiastas e/ou quem entende um mínimo da coisa são fáceis de rebater e provam o quanto essas atitudes anti-carro estão erradas.

    Exemplos:

    - Carros poluem, logo são errados. Esse não passa pela lógica nem pela técnica. Tudo "polui", até andar a pé. Se isso fosse justificativa, o transporte por patins com velocidade limitada talvez seria o único aceito.

    - Carros são os maiores poluentes. Essa revela completa falta de atenção com a técnica, se jogando a um completo e corrosivo modo de pensar e agir baseado só em politicagem e ideologias nas suas versões mais cegas. Até ONGs ambientalistas assumem a frota mundial de carros como tendo no máximo 20% de participação nas emissões de CO2 mundial. Nos poluentes que realmente importam, qualquer carro de 10 anos para cá trabalha com valores na primeira ou segunda casa decimal APÓS O ZERO. Nas cidades o material particulado é o "vilão" e este é emitido em especial por ônibus e caminhões. No caso do Brasil quase que só por eles, afinal diesel só pode ser usado neles e a emissão de material particulado por um ciclo Otto moderno e em bom estado fica próxima do zero também. No caso do enxofre, novamente ônibus e caminhões ganham pelo teor 20 vezes maior presente no diesel brasileiro atual.

    ResponderExcluir
  175. - Carros matam, logo são malvados e errados. Talvez a mais irritante frase pedante e de falsa sensibilidade desse movimento similar. Se sabe que quem mata é o motorista, não a máquina. A única exceção é para casos de falha mecânica, minoria dos casos e disso nem bicicleta escapa. Fora que é fato com precedentes que qualquer transporte pode acarretar em mortes, até a bicicleta. Para nós entusiastas, basta ver exemplos como Mark Webber da F1 que se feriram seriamente em cima de bicicletas por vária vezes. E em tour de bicicleta já morreu gente também.

    - Carros são pesados. Esse é o argumento pior, parece que é como se o asfalto chorasse com isso. O peso de um carro é algo de uma irrelevância tremenda para uma cidade e ônibus e trens pesam muito, mas muito mais. Sob o aspecto da eficiência que importa alguma coisa, mas existem carros leves para o padrão de um carro.

    - Carros ocupam espaço/espaço injusto e anti-democrático que atrapalham tudo e todos. Sim, carros ocupam espaço como qualquer coisa material nesse universo. Mede um ônibus para ver! Mede uma bicicleta do lado de um Smart para ver e tomar um "choque de realidade". O espaço ocupado por eles é destinado especificamente para eles, sendo que pedestres, ônibus, trens e outros ocupam na maior parte das vezes espaços separados que têm pouca ou nenhuma interferência do trânsito de carros. E a questão da democracia cai na mesma baboseira lógica do "egoísmo" que falei.

    - Carros são ineficientes no uso do espaço ou como transporte. Como transporte sua eficiência varia conforme a situação, igual e de intensidade similar a qualquer outro meio. Na condição certa ele é super eficiente e com 4 ou 5 pessoas dentro de um bom compacto você ocupa o espaço de forma muito eficiente também. Se for contar conforto, agilidade, prazer e outros fatores outros transportes que ficam "irracionais".

    - Carros são irracionais e meros instrumentos de exibicionismo. Essa é a mais próxima de ser verdade. Se você usa um carro para exibicionismo ou apenas para exibicionismo, é mais que irracional: é idiota. Se você usa por bons motivos, de forma pensada e até por gosto (coisa que nem sempre é irracional), carro é super racional. Chovem de motivos emocionais e objetivos para eles. E a definição do que é irracional já sabemos que varia conforme o que for "politicamente correto" no momento. Hoje é super "racional" trocar certos prazeres urbanos para fazer viagens ecológicas em locais longínquos, por exemplo.

    O que quebra de vez os argumentos dessas pessoas e dessa parte eco-chata por trás do Dia Mundial Sem Carro são as cidades que já existem hoje e que seriam o resultado das suas utopias. Cidades como Tóquio, Nova York ou Londres, onde quase que por obrigação quase toda a população usa transporte público ou bicicletas. São cidades que mesmo em países avançados são sujas, violentas, apinhadas de gente, com preços caros para tudo e com pessoas em geral não muito saudáveis e felizes. E, por ironia, compensam esses problemas e a impossibilidade de ter acesso a certos itens de qualidade de vida (como o carro, mesmo que ocasionalmente) com um consumismo de bens de consumo e serviços visceral.

    ResponderExcluir
  176. Que o Brasil não perca a chance que tem de usar seu amplo território para ter boas grandes cidades, no geral aptas para o uso do carro entre outras coisas, e não para combinar o pior dos mundos. Imaginem uma São Paulo como versão gigante de Nova York. Uns 70 milhões de pessoas saindo pela janela como resultado de planejamento urbano doentio (igual ao que muitos eco-chatos apoiam) sem espaço para nada que não seja trabalho, transporte coletivo abarrotado, babaquices pós-modernas e consumo fútil e intenso como forma de anestesia dos típicos "sonhos que se revelam pesadelos" dos ideólogos.

    Mas não se preocupem, a moda eco-chata já cansou no primeiro mundo (até pelos escândalos provando a falsificação de dados na questão do Aquecimento Global) e esse Dia Mundia Sem Carro passou bem batido até na internet fora do Brasil. Já está deixando de dar dinheiro para governos, ONGs e não faz mais muito bonito entre os pseudo-intelectuais. Não dá mais para pegar aquela "gatinha" fumadora da faculdade de humanas que é "super cabeça" com esse papo e nem enche mais o ego com falsa sensação de altruísmo. Logo chega no Brasil essa mudança, que é muito positiva para nós e para todos. Vamos deixar de perseguir certos falsos vilões, como os carros e com isso parar de tomar caminhos e medidas que só atrapalham ou pioram as coisas.

    Meu medo é do que vai entrar como nova moda nesse meio do politicamente "correto". Vai que dão um jeito de colocar como vilões e egoístas aqueles que não não metro-sexuais! Por uns 5 anos muitos vão ter que encarar serem vistos como criminosos egoístas meramente por participarem de uma orientação sexual só! Ser visto como um psicopata sádico por dirigir um carro (sozinho então, viraria um fascista) seria uma "tranquilidade" perto disso.

    Desculpem pelo texto grande, mas acho que esse tópico mereceu por tratar da verdadeira encheção e tentativa de criminalização que nós motoristas estamos sofrendo de uns anos para cá. Os entusiastas então são vistos como uma verdadeira doença. Mas uma coisa tão bonita quanto o homem e a máquina (justo essa tão especial como o carro) e a paixão por algo são mais fortes e sobreviverão!

    ResponderExcluir
  177. Angelo Genovesi
    Não disse bobagem nenhuma, disse foi a coisa certa.

    ResponderExcluir
  178. Cide F.
    Não é que ficar um dia sem carro seja ruim, mas esse dia idiota ter sido criado, fruto da cabeça de algum imbecil. E o arquiteto carioca Sérgio Bernardes foi exato ao dizer que o corpo humano se divide em cabeça, tronco, membros e rodas.

    ResponderExcluir
  179. Sérgio CR
    Quem paga a conta do tratamento de doentes fumantes são impostos da indústria e do comércio do fumo, e ainda tem um bom troco - arrecada 7 e gasta 2 bilhões.

    ResponderExcluir
  180. Tá cheio de gente raivosa aqui só porque o Bob resolveu escrever o que pensa. Daí, resolvem invadir o espaço, ofendendo e desqualificando o autor do post de todas as maneiras possíveis. Coisa feia. Gente feia. Não deixam de ser uns petralhas, já que fazem igualzinho aos mesmos.

    ResponderExcluir
  181. "O automóvel é e continuará sendo, até o último dia do mundo, a maior expressão de liberdade individual"

    Claro. O automóvel será a maior expressão de liberdade individual, com um enorme porém: liberdade individual limitada ao espaço enlatado de um carro, já que com cada vez mais carros transportando 1 pessoa as cidades param.
    São Paulo é já está parando, com as pessoas perdendo horas no trânsito a cada dia, e as outras capitais brasileiras indo para o mesmo ralo.

    Com esse caos no trânsito e cada vez mais congestionamento, o automóvel se torna a maior expressão de FALTA DE liberdade individual.

    ResponderExcluir
  182. A parte mais irritante que isso é que os ecochatos que já tem toda a mídia voltada pra eles, vem aqui encher o saco. Só falta aparecerem venganos para nos chamar de "comedores de cadáver" só porque ingerimos de vez em quando alguma proteína animal...
    ...E faz tempo que eles vêm com falácias e inverdades. Voltando aos veganos, eles afirmam que a carne é "podre" e por isso que animais exclusivamente carnívoros tem intestinos curtos. Balela. Animais herbívoros tem intestinos longos por causa da dificuldade de quebrar a celulose, fora os quatro estômagos. Se fosse fácil, já teríamos álcool de madeira há tempos, aproveitando sobras de culturas como eucalipto por exemplo.

    ResponderExcluir
  183. Bob Sharp, postei o comentário ontem ali em cima e vim fazer um adendo: que fique claro que não sou contra o uso do carro. O carro facilita muito para transporte, seja viagens, transporte de carga, passeios, etc.

    Mas o seu uso nos dias úteis da semana no horário do rush acaba sendo exagerado fazendo a cidade parar.
    Saiu recentemente uma pesquisa que há em média 1,4 pessoas por carro... se cada carro haver somente uma pessoa, e todas as pessoas forem e saírem do trabalho na mesma hora, a cidade pára.
    Para isso há várias soluções: vindo do governo tem de ser melhorado os transportes públicos, e vindo dos motoristas, de variarem os horários de saída do trabalho (eu por exemplo, qdo uso o carro, ou uso antes do horário do rush ou posteriormente).

    Concordo quando dizem que o Dia Mundia Sem Carro é inútil quando não se há transporte público de qualidade em São Paulo.
    Mas no mínimo tem de servir para refletir se é correto passarmos cada vez mais tempo no trânsito a cada dia que passa.

    ResponderExcluir
  184. Comentei sobre o assunto no Blog do Braga da Rocha (O 'Car Free Day' no campo das boas intenções: (http://bragadarocha.blogspot.com/2011/09/o-car-free-day-no-campo-das-boas.html) e fiz referências ao contraponto que você apresenta. Meus cumprimentos pelos lúcidos e incisivos comentários.

    ResponderExcluir
  185. Eu tenho um excelente carro e adoro dirigir, mas há alguns meses tenho preferido ir pedalando ao trabalho e faço isso sempre que posso. Quem nunca fez isso não sabe o que está perdendo.

    Concordo que o combate ao uso do carro é uma onda, mas que cresce a cada ano e portanto que tem tudo para transformar-se num tsunami e, consequentemente, estabelecer uma mudança no nosso comportamento.

    A pior ameaça a existência do carro não é a poluição ou o aquecimento global, mas o sedentarismo, o qual está diretamente ligado ao conforto oferecido pelo mesmo. É praticamente impossível ao ser humano obter conforto sem sofrer os males causados pelo sedentarismo. Na medida em que os efeitos negativos do uso do carro afetem a saúde a população, começa então a surgir naturalmente a necessidade de combater a causa, o carro. Isto se chama instinto de sobrevivência, inerente a qualquer espécie de vida.

    “Devo o sucesso do meu invento (o carro) à preguiça e ao comodismo inerentes à criatura humana” - Henry Ford. Ao optar pelo uso do carro é importante ter consciência de que um dos gênios da indústria automobilística sabia exatamente qual é o ponto fraco da espécie humana.

    ResponderExcluir
  186. Tudo bem, mas isso deveria ser uma escolha de cada um e não uma imposição. Em vez do "Dia Mundial Sem Carro", porque não "Dia Mundial do Transporte Alternativo ou Coletivo"? Dia em que as pessoas que possam ou que queiram ir ao trabalho de bicicleta ou ônibus assim o façam - mas por livre e espontânea vontade e não por obrigação.

    ResponderExcluir
  187. Também concordo que deveria ser por livre e espontânea vontade e tem sido assim na maioria das cidades. Entretanto, quando o assunto é saúde pública, o Governo tem autoridade para impor mudanças de comportamento.

    ResponderExcluir
  188. Mas peraí, o governo não tem o direito de obrigar que as pessoas pratiquem exercícios para combater o sedentarismo, por exemplo. Pode fazer campanhas de esclarecimento, isso sim, mas daí a impor esse tipo de coisa, penso que não. Acho muito perigosa essa atitude de proteger o cidadão de si mesmo. O governo deveria regular a alimentação das pessoas também? Sabe-se que muitos alimentos não são saudáveis, fast-food, entre outras coisas. Estaria o governo certo em proibir que se consuma esse tipo de coisa? Acho que não é por aí. Educação e conscientização, isso tem um efeito muito melhor do que uma imposição, uma lei, uma proibição.

    ResponderExcluir
  189. Gosto do assunto "carro", por isso leio o Blog. Sou fã da Porsche e comprei meu primeiro carro, um "old" Focus por questões técnicas.
    Mas achei INCRIVELMENTE BABACA esse post. As cidades precisam de melhor transporte coletivo, menos poluição e pessoas com SENSO COLETIVO, vide algumas cidades da Europa. Por isso intercalo entre usar meu carro e minha Bike pra ir trabalhar. E pretendo comprar uma bike elétrica brevemente!! Sds, Vinicius

    ResponderExcluir
  190. Caro Anônimo,

    Você não entendeu:
    O Dia Mundial Sem Carro é para que se use qualquer meio de transporte desde que não seja por motor a combustão e de propriedade particular.
    Há exceções como as bicicletas por não "ocuparem" grande área no "espaço público".
    O Dia Mundial sem Carro é incentivado por urbanistas e eco-chatos que querem "repensarem" as cidades como se fossem bairros ou vilas interioranas, onde não há necessidade de veículos para se deslocar.
    As propostas que eles querem impor são também uma forma de mostrarem que os ideais hippongos não morreram, como o punk.
    Coletividade supõe algo como pensamento coletivo, mas o que se vê são ditaduras de pensamentos e comportamentos, grassadas pela internet, que ao invés de ser democrática e fonte de diversidade intelectual, está virando um grande meio de difusão do conservadorismo travestido de ideais libertários e de um suposto novo pensamento revolucionário.
    Todos os que falam em "coletividade" não tiveram que aturar Régis Danese (o pagodeiro de Jesus...) e Funk do PCC durante mais de quarenta minutos em que dura o trajeto de ônibus realizado em média, em uma cidade média.
    Falar em "coletividade" cheira a anarquismo, algo que não funciona em sociedades grandes e complexas como as nossas, e os últimos redutos como os faxinais estão se extinguindo.
    "Repensar" a cidade significa dar prioridade aos transportes coletivos, com exceção das bicicletas, em detrimento ao transporte individual, e isso significa que terá que vender o seu Focus e se contentar a ir ao trabalho de ônibus ou taxi.
    Significa também que a sua liberdade individual de ir e vir será mais restrita, e dependendo de terceiros que não terão boa disposição e humor para fazer o serviço corretamente com pontualidade e bom zelo.
    Significa também que qualquer traço de individualidade que tiver deverá ser anulado em nome do "coletivo", então meu amigo, esqueça os fones de ouvido e a sua vasta coleção de MP3, já que você terá que interagir com todos à sua volta e pensar de forma igual.
    Esqueça o fim de semana com a família, já que terá que morrer com um bom dinheiro que seria o suficiente para ir e voltar ao lugar de lazer e ainda sobrar algum troco para consumir algo no local.
    Esqueça as tralhas das crianças, você não terá onde pô-las, e esqueça os taxis também, já que eles não são considerados como transporte coletivo de massas.
    Na Europa funciona porque tudo funciona a contento e a preços razoáveis, mas aqui é só sofrimento.
    Então meu amigo, o dia mundial sem carro é uma forma de dizer que a sua liberdade individual de ir e vir deva ser limitada ao que o "coletivo" impor, independentemente das suas escolhas e se forem viáveis ou não.

    ResponderExcluir
  191. Como dizia Churchill:

    "Fanático é o sujeito que não consegue mudar sua mente, e não muda o assunto"

    Bob Sharp, vc é um fanático. No mau sentido, e não porque vc defende os carros (o que é compreensível, visto que são mais do que sua paixão - são o seu ganha-pão). Vc é um fanático pela radicalidade, pela obtusidade das propostas e pela agressividade gratuita das suas palavras.

    Quando você fala de carros, ótimo. Até sua rabugice e verborragia se tornam algo pitoresco, excentricidades e "personalidade" - ou estilo e honestidade, como dizem alguns por aqui sem capacidade crítica mais aprofundada (ou com tendência de puxa-saquismo e adulação gratuita...).

    Mas quando se mete a misturar política, filosofia de botequim e automóveis... meu deus, que mistura indigesta! Que desserviço, que desprazer de ler um texto tão negativo, tão "carregado", tão raivoso, tão "pra baixo". E vc ainda diz que é "raiva do cérebro"? Isso é neologismo, meus parabéns: vc inventou o "ódio racional".

    Ao menos o faça com dignidade e admita como homem: essa raiva é puro fígado, não tem nada de racional pq vc sequer parou pra pensar no assunto com sobriedade e não apresentou um único argumento que possa ser classificado (honestamente) de racional. Cadê a ombridade?

    Independente da proposta do dia sem automóvel, a idéia tem um componente que vc sequer arranhou na sua crítica raivosa. Ou seja, você se aproveita de sua projeção para destilar críticas sem fundamento, e promove o anti-debate: totalmente emocional, aniquilando qualquer possibilidade de "pensar fora da caixa".

    Abra sua mente e alivie seu coração, Bob Sharp. Para o seu próprio bem, pois como vc mesmo notou, não muda nada no mundo.

    Alexandre

    ResponderExcluir
  192. Pois é anônimo.

    Se não muda nada no mundo, pra que então toda essa babaquice? Devaneios de utopia de algum "cer pençanti".

    Ecochato bom, é ecochato morto!

    Huauhahuauha!

    APzeiro de carteirinha.

    ResponderExcluir
  193. Caro APzeiro de Carteirinha,

    pelo jeito vc anda respirando muito CO² e outros gases nocivos ao cérebro. Sugiro uma revisão no seu AP antes de postar nonsense. Talvez seja demais para o sua aparente limitada sensibilidade, capacidade de raciocínio e compreensão, mas ainda assim (e talvez por esse motivo) eu me sinta obrigado a mergulhar um pouco mais no assunto...

    Vamos lá:

    A proposta do Dia Mundial Sem Carro não é acabar com os automóveis. É justamente "fazer pensar", incentivar o debate e abrir a mente individual e coletiva para idéias alternativas. Quem quer encarar como "ecochatismo" tem tanto direito quanto quem propõe e apóia a iniciativa, e por isso minha crítica à acidez exagerada do Bob Sharp.

    É mais do que óbvio que o auto não vai (e nem deveria) sumir. Felizmente, pois eu tb sou um adorador de carros, tb sou autoentusiasta - embora tente me manter longe de radicalismos, fanatismos burros e ao menos luto pra sair da ignorância...

    Podem ficar tranquilos. Ninguém está propondo que TODO MUNDO saia a pé ou de bicicleta.É apenas UM DIA de consciência, de tolerância. Justamente uma tentativa - legítima, totalmente pacífica e positiva - de fazer pessoas como o Bob Sharp e os adoradores de AP e outros motores, como vc, PENSAR e ser um pouco mais TOLERANTES. Mas, pelo jeito, é pedir demais.

    ResponderExcluir
  194. Ai amiga inteligenti...

    Vc sofre de demência ou quer 1 centavo furado?

    Isso de "ecoqualquer coisa" é utopia pura.

    Vá convencer aquele pobre coitado que comprou, de forma "suada", seu Uno Mille financiado em "oitocentos e cinquenta e dez zilhões de parcelas" a deixar este bem em casa. O pobre coitado já comprou a jabiraca justamente para não depender de transporte público, para tacar na cara do vizinho que ele "está podendo" e para tocar um "foda-C" nas questões "politicamente corretas".

    E este pobre coitado não sou eu, garanto. Nunca precisei de transporte público. Mas a massa...

    Utopia pensar em "ecoqualquercoisa".

    Pense em uma forma de fazer esta massa a protestar e reinvindicar o transporte público decente tão necessário a ela. Uma medida assim ajudará na qualidade de vida do "pobre coitado" e, CONSEQUENTEMENTE, da melhora dos níveis de poluentes na atmo, tão aclamada e nos índices de acidentes, congestionamentos, qualidade de vida da população, etc, etc, etc.

    Um dia sem carro pra quê? Concientizará quem? Qual o resultado prático disso?

    APzeiro de carteirinha...

    ResponderExcluir
  195. Deixa pra lá, colega. Não quero parecer arrogante ou pretensioso, mas o fato é que quando alguém não está aberto ou preparado para uma idéia, não adianta argumentar. É dar murro em ponta de faca.

    Tampouco espero esse tipo de tolerância ou compreensão num blog onde qualquer proposta, por mais inofensiva que seja, soa como ofensa mortal ao automóvel e demanda automaticamente um "fatwa" dos Autoentusiastas e seus seguidores fanáticos.

    Ainda assim, me sinto no direito de criticar e me opor ao texto do Bob. Eu elogio quando considero que merece, então por coerência critico quando acho que exagerou na dose ou no próprio remédio.

    Boa sorte.

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...